A INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO NA DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS RESUMO ABSTRACT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO NA DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS RESUMO ABSTRACT"

Transcrição

1 A INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO NA DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS Maurício Marques Resende (1); Mércia M.S.B. Barros (2); Jonas Silvestre Medeiros (3) (1) Escola Politécnica da USP São Paulo - SP (2) Escola Politécnica da USP São Paulo - SP (3) Escola Politécnica da USP São Paulo - SP RESUMO Neste trabalho discute-se os principais fatores envolvidos na durabilidade dos revestimentos de fachada de edifícios. Inicialmente, realizou-se uma revisão bibliográfica com a finalidade de fundamentar a discussão acerca desses fatores. Posteriormente, para analisar as principais causas da ocorrência de manifestações patológicas e propor soluções que possibilitassem o acréscimo da durabilidade de revestimentos de fachada, realizou-se um estudo de caso baseado em vistorias e ensaios mecânicos realizados no local. Finalizando, pode-se concluir que a durabilidade dos revestimentos de fachada está relacionada com as decisões tomadas nas suas diferentes fases de desenvolvimento e que a inexistência de um programa de manutenção atua como um fator de ação catalisadora para a deterioração destes revestimentos. ABSTRACT In the present work is discussed the main factors involved into the durability of the facade covering. Firstly, it was performed a bibliographic revision in order to prove the discussion about these factors. Later, to analyze the main causes of pathological manifestation occurrence and suggest solutions that make possible the increase of durability of facade covering, it was fulfilled a case study based on inspections and mechanical tests performed in loco. Finally, it can be conclude that the durability of the facade covering is related to the decisions made in its different phases of development and that the inexistence of a maintenance program acts as a factor of catalyzer action for the deterioration of these revetments.

2 1. INTRODUÇÃO Os revestimentos de fachada de edifícios habitacionais exercem um papel de fundamental importância para a garantia da durabilidade do edifício como um todo, uma vez que têm como uma de suas principais funções a proteção das vedações verticais contra os diversos agentes agressivos. Assim, a permanência desse revestimento acima de níveis mínimos de desempenho, necessários para exercerem suas funções, deve ser uma diretriz a ser seguida na fase da especificação dos revestimentos, na concepção dos detalhes construtivos, na fase de execução e na definição de uma metodologia de manutenção. Dessa maneira, o presente trabalho tem como propósito estudar os principais fatores envolvidos na durabilidade dos revestimentos de fachada de edifícios, por meio de uma discussão teórica, e propor soluções, baseadas na análise dos resultados obtidos com a realização de um estudo de caso em edifício habitacional da cidade de São Paulo, para que se possa ampliar a vida útil dos revestimentos de fachada de edifícios habitacionais. 2. DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA Diversas instituições de pesquisa definem de maneira distinta o termo durabilidade, sendo possível identificar, segundo JOHN (1987), dois grandes grupos: o conceito de durabilidade aplicável ao edifício e suas partes e o conceito de durabilidade aplicável somente aos materiais de construção. Neste trabalho será adotada a definição da ASTM E (1996) que define durabilidade como sendo a capacidade de um produto, componente, montagem ou construção manter-se em serviço ou em utilização, ou seja, é capaz de desempenhar as funções para as quais foi projetado durante um determinado período de tempo (serviceability). Analisando-se a definição adotada nota-se que a durabilidade pode ser expressa em tempo de vida (anos) ou em função da capacidade de resistência a agentes que normalmente afetam o desempenho durante a vida. Esses agentes, denominados pela ASTM E (1996) como fatores de degradação, são quaisquer fatores externos que afetam de maneira desfavorável o desempenho de um edifício, de seus subsistemas ou componentes. Ainda segundo essa norma, esses fatores podem ser separados em cinco diferentes naturezas: fatores atmosféricos, biológicos, de carga, de incompatibilidade e de uso, discutidos a seguir. a) Fatores atmosféricos Segundo a ASTM E (1996) esses são todos os grupos de fatores associados com o ambiente natural, incluindo radiação, temperatura, chuva e outras formas de água, gelo, degelo, constituintes normais do ar e seus poluentes e vento. Portanto, esses fatores variam em função do seu ciclo diário e anual bem como da localização geográfica da edificação. A temperatura, um dos principais fatores de degradação que atuam nos revestimentos de fachada de edifícios, pode causar comportamentos diversos nos materiais, provocando variações físicas e/ou químicas. Uma das principais alterações físicas provocadas pela temperatura é a variação dimensional (dilatação ou contração). Esta variação causa o aparecimento de tensões que podem levar a deformações ou ruptura, particularmente de componentes ou partes do edifício composto de diferentes materiais. Isso pode ser constatado em um estudo de revestimentos cerâmicos de fachada realizado por CAMPANTE;SABBATINI (1999), no qual se constata que a

3 temperatura da placa cerâmica chega a atingir valores de até 70ºC, quando a temperatura ambiente é de aproximadamente 32ºC. Esse fato causa um gradiente de temperatura entre o revestimento e a base que, segundo Guan (1997) apud CAMPANTE;SABBATINI (1999), pode ocasionar distorções estéticas e até a ruptura dos componentes. Em relação à variação química, a temperatura pode atuar como catalisadora de reações químicas que diminuem a durabilidade do revestimento. A água é outro fator de degradação que interfere na durabilidade do revestimento de fachada, uma vez que pode reagir com os materiais, levando à formação de eflorescências, e também pode proporcionar condições de vida para os agentes biológicos fungos. As eflorescências, segundo BAUER (1997), são depósitos salinos, principalmente metais alcalinos e alcalino- terrosos, na superfície de revestimentos, provenientes da migração de sais solúveis presentes nos materiais constituintes do revestimento ou da sua base. UEMOTO (1988) descreve da seguinte maneira o mecanismo de formação das eflorescências: os sais encontrados no interior dos materiais são dissolvidos pela água presente, por algum motivo, no interior destes materiais. Esta água ao atingir a superfície do material, por capilaridade, evapora. Com a evaporação desta, os sais se depositam na superfície externa, formando as manchas. UEMOTO (1988) ainda enfatiza que para a formação da eflorescência é necessária a existência concomitante de três fatores: sais solúveis existentes nos materiais ou componentes; presença de água para solubilizá-los; pressão hidrostática para que a solução migre para a superfície. b) Fatores biológicos Segundo JOHN (1987), os fungos são os mais importantes agentes biológicos, sendo que nos revestimentos de fachada de edifícios eles atuam, principalmente, prejudicando a aparência. A ocorrência dos fungos está condicionada à existência de algumas condições ambientais e nutricionais. Como exigência ambiental, SHIRAKAWA (1995) descreve a necessidade de um teor de umidade elevado e temperatura situada no intervalo de 10ºC a 35ºC, apesar de alguns fungos se desenvolverem em temperaturas mais baixas ou mais elevadas. Essa autora afirma que, entre as exigências nutricionais, está a necessidade da presença de composto carbônico pré-elaborado, fósforo, nitrogênio e traços de ferro, cloro, magnésio, cálcio, entre outros. Dessa forma, nota-se que o desenvolvimento de bolor nos revestimentos está condicionado à presença de água, seja no estado líquido ou gasoso. O que coloca a fachada de edifício como um dos locais mais propícios para o seu desenvolvimento. c) Fatores de carga Os fatores de carga nos revestimentos de fachada de edifícios são representados, principalmente, pela a ação física da água (chuva, granizo e neve), ação física do vento e, principalmente, pela combinação da ação do vento e da água. d) Fatores de incompatibilidade Esses fatores podem ocorrer devido a uma incompatibilidade química ou física. No caso dos revestimentos de fachada de edifícios, a incompatibilidade química ocorre, principalmente, da adição de materiais que reagem entre si formando um material com propriedades não desejáveis, por exemplo, adição de gesso na argamassa de revestimento. A incompatibilidade física ocorre, fundamentalmente, com a utilização de revestimentos que proporcionam cargas insustentáveis à base ou substrato.

4 e) Fatores de uso Os fatores de uso são determinados pela influência direta dos usuários sobre os materiais e componentes da edificação - projeto, execução e uso, operação e manutenção. Além dos fatores de degradação anteriormente destacados, ações próprias da fase de projeto, segundo ROMÉRIO (1995), podem contribuir para o decréscimo da durabilidade dos componentes e das partes do edifício, destacando a própria ausência de projetos, concepção inadequada, insuficiência de detalhes, especificação incorreta de materiais e técnicas construtivas. Segundo Reygaerts (1978) apud JOHN (1987), diversos estudos efetuados em países europeus constataram que a maioria dos defeitos das edificações ocorrem devido à fase de projeto. Em relação aos revestimentos de fachada de edifícios habitacionais, um projeto que apresente detalhes construtivos que controlem a penetração de água, por exemplo, (Figura 1), possibilita o acréscimo da durabilidade do revestimento, uma vez que evita seu acentuado processo de deterioração causado pela a água. Figura 1 - Detalhes da geometria de pingadeiras em fachadas e sua influência no escoamento da água (Fonte: PEREZ, 1985)

5 A utilização de mão-de-obra não capacitada, as alterações das especificações de projeto, tais como a alteração do traço da argamassa de revestimento, a utilização de argamassa colante e de rejuntamento distinta daquela especificada, a eliminação de juntas de trabalho e de outros detalhes construtivos, o não cumprimento dos prazos mínimos entre as diferentes etapas de execução, e a utilização de técnicas construtivas inadequadas durante a fase de execução também colaboram para o decréscimo da durabilidade dos revestimentos de fachada de edifícios e dos outros componentes ou partes do edifício. A durabilidade dos revestimentos de fachada e de qualquer outra parte do edifício, está vinculada com as atividades de manutenção, que segundo JOHN; CREMONINI (1995), pode ser definida como sendo um conjunto de serviços realizados na edificação e suas partes durante a sua vida útil, com o objetivo de manter seus desempenhos iniciais. Assim, a manutenção deve ser interpretada como uma ação programada preventiva de futuros problemas e não apenas como atividade corretiva de problemas observados. Para isso, torna-se importante à adoção de um programa de manutenção periódica que, segundo LICHTENSTEIN (1985), exige uma metodologia de operação, controle e execução. Ainda segundo esse autor, essa metodologia somente é válida se os custos de implantação e operação forem compensados em termos de benefício no desempenho do edifício ou de seus componentes. Nota-se, portanto, a existência de diferentes tipos de manutenção que, segundo a norma BS 3811 (1984) apud LEE (1987), podem ser classificadas em: - Manutenção Planejada Preventiva: atividades realizadas durante a vida útil da edificação, de maneira a antecipar-se ao surgimento de defeitos; - Manutenção Planejada Corretiva: atividades realizadas para recuperar o desempenho perdido; - Manutenção Não Planejada: definida como o conjunto de atividades realizadas para recuperar o desempenho perdido devido a causas externas não previstas. Analisando as definições acima, percebe-se que as atividades de manutenção podem ter duas principais origens: a durabilidade dos materiais e as manifestações patológicas, sendo que a durabilidade está associada à manutenção planejada preventiva, como discutido anteriormente. Já a patologia está associada à manutenção planejada corretiva e não planejada, situação em que o edifício ou seu componente apresenta um desempenho insatisfatório. Nesses casos, segundo LICHTENSTEIN (1985), deve ocorrer uma intervenção técnica com a finalidade do edifício ou componente voltar a apresentar um desempenho satisfatório, prolongando sua vida útil (Figura 2). Portanto, pode-se notar que os fatores de degradação que agem sobre os edifícios ou seus componentes variam dentro de uma cidade e assumem diferentes níveis de importância dependendo do material em análise e da sua função. Assim, segundo LICHTENSTEIN (1985), a forma e velocidade com que ocorre a deterioração são função da natureza do material ou componente e das condições de exposição a que fica submetido. Dessa maneira, fica evidenciado que a especificação de um revestimento de fachada bem como de uma metodologia de manutenção deve ser antecedida por um estudo dos fatores acima relacionados para cada edifício.

6 Degradação DESEMPENHO Manutenção Desejável Mínimo TEMPO Figura 2 - A influência da manutenção no desempenho 3. ESTUDO DE CASO 3.1. Metodologia O estudo de caso foi realizado utilizando a metodologia proposta por LICHTENSTEIN (1985). Esta metodologia compreende três partes distintas: levantamento de subsídios organização das informações necessárias e suficientes para o entendimento completo dos fenômenos. Estas informações são obtidas através de três fontes básicas: vistoria do local, levantamento da história do problema e do edifício e o resultado das análises; diagnóstico da situação - entendimento dos fenômenos em termos de identificação das múltiplas relações de causa e efeito; definição de conduta prescrição do trabalho a ser executado para solucionar o problema, incluindo a definição sobre os meios (material, mão-de-obra e equipamentos) e a previsão das conseqüências em termos do desempenho final Levantamento de subsídios O condomínio, que teve sua construção iniciada em 1976 e finalizada em 1981, é composto por 8 edifícios de 23 pavimentos com dois apartamentos de dois ou três dormitórios por pavimento. O sistema construtivo dos edifícios é de estrutura de concreto armado com sistema de vedação em alvenaria de bloco cerâmico e subsistema de revestimento externo de argamassa inorgânica constituído por uma camada de emboço, outra de reboco, sendo o acabamento em pintura. Com as visitas técnicas realizadas, pode-se observar, em locais íntegros da fachada (tanto expostos quanto protegidos de chuva) que uma vez removido o reboco, a camada de emboço apresentava-se heterogênea e com espessuras bastante distintas (1 a 10cm). Em alguns locais verificou-se também que a resistência mecânica do emboço variava de média a baixa, podendo-se desagregar esta camada por fricção manual com escova de aço, mas ao mesmo tempo ela oferecia dificuldade para ser removida em placas inteiras. Em relação ao reboco, pôde-se verificar que possuía uma espessura média de 6 mm e apresentava-se fissurado e descolando do emboço nas regiões dos elementos salientes das fachadas pilares, vigas, detalhes arquitetônicos nas janelas e das

7 proximidades das vergas e contravergas das janelas. Notou-se também que, nas regiões onde o reboco apresentava-se descolado, o emboço apresentava a superfície totalmente desagregada e, inclusive, com presença de bolor indicativo de umidade. Segundo informações fornecidas pelo zelador e pelo síndico do condomínio, o revestimento de fachada dos edifícios não recebia qualquer tipo de manutenção há aproximadamente 10 anos, sendo os descolamentos percebidos, há aproximadamente 2 anos, após a realização de uma lavagem da fachada utilizando água pressurizada. Ainda segundo eles inexiste um projeto de revestimento de fachada ou qualquer outro tipo de documento capaz de fornecer informações referentes às características da argamassa utilizada, à presença de reforços em regiões mais solicitadas da fachada, à especificação de juntas de controle e à espessura da camada de revestimento. Figura 3 - Descolamento do revestimento de fachada Figura 4 - Formação de bolor no revestimento de fachada Como forma de complementar os dados coletados durante as vistorias, decidiu-se realizar alguns ensaios complementares, que tinham por objetivo possibilitar uma melhor identificação das múltiplas reações de causa e efeito envolvidas no problema e

8 também para direcionar as soluções de reparo. Esses ensaios seguem discriminados a seguir: - Cálculo do teor de resíduo insolúvel (RI) das camadas de emboço e reboco existentes nas paredes Para a determinação do resíduo insolúvel (RI) foram coletadas duas amostras do reboco e do emboço do revestimento da fachada de um dos edifícios do condomínio, obtendo-se os resultados da tabela 1: Tabela 1 Resíduo Insolúvel Resíduo Insolúvel - (%) Teor de aglomerante (%) Reboco 1 42,8 57,2 Reboco 2 39,5 60,5 Emboço 1 85,9 14,1 Emboço 2 89,7 10,3 - Ensaio de resistência de aderência à tração da camada de revestimento das paredes Foram preparados dez corpos de prova no revestimento, com a utilização de uma serra-copo com diâmetro de 50mm; em seguida, com a utilização de massa plástica, foram coladas pastilhas nas regiões cortadas para a realização do ensaio de resistência de aderência à tração, cujos valores obtidos estão apresentados na tabela 2. Esses valores são relativos a corpos de prova ensaiados em regiões de reboco de parede em bom estado de conservação e junto ao primeiro andar de um dos edifícios do condomínio. Tabela 2 Resistência de aderência Corpo de Prova Tipo de Ruptura Tensão de ruptura (MPa) CP1 Interface reboco/emboço Nula CP2 Interface reboco/emboço 0,21 CP3 Interface reboco/emboço 0,14 CP4 Interface reboco/emboço 0,31 CP5 Interface reboco/emboço 0,09 CP6 Interface emboço/bloco 0,14 CP7 Interface emboço/bloco 0,14 CP8 Interface emboço/bloco 0,09 CP9 Interface reboco/emboço Nula CP10 Interface emboço/bloco 0,22 Tensão Média: 0,17 Desvio Padrão: 0,07 Obs: Resistência de aderência nula, significa que ocorreu a ruptura sem aplicação de carga, no momento de colocação do equipamento de tração de marca Dinateste. Esses valores foram desconsiderados para o cálculo da média e do desvio padrão 3.3. Diagnóstico da situação A análise das condições do local, realizada por meio de vistorias e dos ensaios complementares, permitiu levantar as seguintes causas principais para os problemas patológicos: - ausência ou insuficiência de um projeto de revestimento que permitisse: especificar adequadamente a espessura e a dosagem das camadas do revestimento;

9 especificar detalhes arquitetônicos que reduzissem o volume de água sobre as fachadas; especificar reforços nos pontos de concentração de tensão da base; especificar juntas de controle horizontais e verticais para dividir os panos de revestimento, minimizando as tensões internas e, consequentemente, a probabilidade de falhas; especificar a inclinação dos peitoris; especificar contravergas e vergas para resistirem aos esforços a que estão solicitadas, aumentando a probabilidade de ocorrência de fissuras nas extremidades das aberturas das janelas. Essa fissuras possibilita a infiltração de água, que pode provocar uma redução na aderência entre o reboco e o emboço, ocorrendo assim o descolamento do revestimento. - umidade de infiltração na interface reboco/emboço, com origem na falta de repintura geral do prédio e de soluções de reparo das fissuras. As fissuras possibilitaram, provavelmente, a penetração de água pelo revestimento, proporcionando uma movimentação higroscópica e térmica diferenciada entre as camadas de reboco e emboço, diminuindo a aderência entre essas camadas (figura 5). Este fenômeno, com certeza, foi agravado pela falta de repintura do revestimento e do reparo dos danos nas fachadas. - o emboço apresenta teor de aglomerantes próximos aos indicados por SELMO(1989), enquanto o reboco apresenta um teor elevadíssimo, evidenciando um elevado consumo de cal (tabela 1) Esse fato pode ser constatado pela facilidade de desagregação do reboco, uma vez que o excesso de cal, provoca um maior fechamento dos poros da argamassa, impedindo que ocorra a carbonatação, ou seja, que a argamassa adquira resistência. - baixa resistência superficial da camada de emboço, constituindo-se em um substrato inadequado para promover ancoragem mecânica aos rebocos existentes, mais resistentes e menos susceptíveis às movimentações higroscópicas que, possivelmente, se sucederam no emboço, frente ao aumento progressivo de umidade de infiltração. - ausência de uma análise da capacidade da resistência de aderência do revestimento em resistir a pressão proporcionada pela lavagem dos revestimentos (tabela 2). H 2 O Movimentação Higroscópica Movimentação Térmica Fungos Figura 5 - Penetração de água pela fissura

10 3.4. Definição de conduta Para a realização de uma recuperação parcial do revestimento deve-se realizar uma inspeção mais criteriosa para uma identificação mais segura das regiões de reboco com aderência efetivamente afetada ou não. Segundo SELMO (1989), para isto, não são adequados os testes convencionais de percussão ou de arrancamento (visto que podem, por si, afetar a aderência), mas sim uma avaliação de natureza não destrutiva. A conduta de intervenção, ainda segundo SELMO (1989), deve ponderar três questões: tecnologias disponíveis ou possíveis de serem pesquisadas; grau de incerteza sobre os efeitos de cada uma; relação custo/benefício das diversas possibilidades. Entretanto, no caso estudado, estas não fazem parte do escopo deste trabalho e não cabe aqui serem analisadas. De qualquer forma, do diagnóstico realizado em relação aos revestimentos, depreende-se que o mais recomendável, em princípio, é a sua completa renovação. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O revestimento de fachada, além de ser um dos subsistemas de um edifício que está submetido a um maior número de fatores de degradação, é o subsistema em que estes atuam primeiramente. Assim, a vida útil de um edifício está diretamente relacionada com a manutenção do desempenho desse subsistema acima dos níveis mínimos especificados. Para isso, deve-se ter um conhecimento preciso dos fatores de degradação a que estará submetido o revestimento de fachada, uma vez que a forma de deterioração é função da natureza do componente e das condições de exposição a que está submetido. Desse conhecimento, pode-se desenvolver um projeto de revestimento em que sejam especificados materiais que apresentem maior durabilidade em determinadas condições de exposição (como por exemplo argamassa com adequado teor de aglomerante), propor detalhes construtivos e além disso, elaborar um programa de manutenção preventiva. Esse programa de manutenção, como discutido no texto, tem por objetivo postergar a ocorrência de níveis de desempenho abaixo do mínimo (manifestações patológicas) a um custo compensador. Para isso, esse programa deve descrever: como realizar a manutenção dos revestimentos, a periodicidade das atividades de limpeza e inspeção e os indicadores de degradação como por exemplo, presença de fissuras, descolamentos ou falta da pintura, presença de manchas de umidade, de fungos ou outras sujidades, envelhecimento do selante das juntas. Além de possibilitar o acréscimo da vida útil dos revestimentos de fachada e consequentemente do edifício, a existência de um programa de manutenção documentado possui outras importantes funções, dentre as quais pode-se destacar: servir de um instrumento de apoio jurídico as construtoras, em caso de ocorrência de manifestações patológicas causadas pela ausência ou realização incorreta das atividades de manutenção; possibilitar um melhor planejamento e orçamento das atividades a serem realizadas pelos usuários e responsáveis pela administração do edifício ao longo da vida útil do edifício.

11 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Standard recommended practice for developing short-term accelerated test for prediction of the service life of building components and materials: E Philadelphia, BAUER, Roberto José Falcão. Patologia em Revestimentos de Argamassa Inorgânica. In: IV CONGRESSO IBEROAMERICANO DE PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES, Porto Alegre, Anais. p CAMPANTE, E. F. SABBATINI, F.H. Durabilidade de revestimentos cerâmicos de fachada. In: V Congresso Iberoamericano de Patologia de Las Construcciones, Montevideo, Anais. p JOHN, Vanderley Moacyr. Avaliação da durabilidade de materiais componentes e edificações Emprego do Índice de Degradação. São Paulo, p. Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. JOHN, V.M. CREMONINI, R.A. Manutenção dos edifícios: uma visão sistêmica. In: 10º SIMPÓSIO NACIONAL DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO: A MANUTENÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL, São Paulo, Anais. p LEE, R. Building maintenance management. 3ª ed. London, Ed. Collins, LINCHTENSTEIN, Norberto B. Patologia das construções: procedimento para formulação do diagnósticos de falhas e definição de conduta adequada à recuperação de edificações. São Paulo, p. Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. MACIEL, Luciana Leone. O projeto e a tecnologia construtiva na produção dos revestimentos de argamassa de fachada. São Paulo, p. Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. PEREZ, Ary Rodrigo. Umidade nas Edificações: recomendações para a prevenção de penetração de água pelas fachadas. Tecnologia de Edificações, São Paulo. Pini, IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, Coletânea de trabalhos da Div. De Edificações do IPT p ROMÉRIO, Marcelo de Andrade. Simões, João Roberto Leme. A importância do detalhamento de componentes construtivos de fachadas nos edifícios. In: I SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS, Goiânia, Anais. p SELMO, Sílvia Maria de Souza. Prevenção de Patologia em Revestimentos externos de argamassa dos edifícios: a importância dos serviços de manutenção. In: SIMPÓSIO SOBRE PATOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO, Porto Alegre, Anais. p SELMO, Sílvia Maria de Souza. Dosagem de argamassas de cimento Portland e cal para revestimento externo de fachada de edifícios. São Paulo, Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. SHIRAKAWA, Márcia Aiko et al. Identificação de fungos em revestimentos de argamassa com bolor evidente. In: I SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS, Goiânia, Anais. p UEMOTO, Kay L. Patologia: Danos causados por eflorescência. Tecnologia de Edificações, São Paulo. Pini, IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, Coletânea de trabalhos da Div. De Edificações do IPT p

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO SILÍNDRICO...45,00 ALUMÍNIO...33,10 TITÂNIO...1,00 FERRO...2,00 CÁLCIO...0,10 MAGNÉSIO...2,20 SÓDIO...0,70 POTÁSSIO...11,20 PERDA AO FOGO... 5,30 TOTAL...100,60 NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento

REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 13 EXERCÍCIO 1 ESCOLHA DO SISTEMA DE

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. PATOLOGIA NOS PISOS DE CONCRETO PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS (PISOS) As patologias dos pisos cimentados agrupam-se nas divisões: Fissuras; Desgaste superficial; Delaminação;

Leia mais

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: Função da relação

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 542 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 542 / 13 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante

RELATÓRIO TÉCNICO Nº Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante RELATÓRIO TÉCNICO Nº 113 595-205 Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRAESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente:

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 539 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 539 / 13 Folha 1/7 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 Definições Pastas Resulta das reações químicas do cimento com a água. Quando há água em excesso, denomina-se nata. Argamassa São misturas

Leia mais

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas de cimento, cal e areia destinadas ao uso em alvenarias e revestimentos Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: NBR 7200:1998 NBR 13529:2013

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Enga. Célia Maria Martins Neves cneves@superig.com.br DESEMPENHO 1 70 80 90 materiais tradicionais mdo treinada no canteiro desafios localizados

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA continuação

AULA 6 ARGAMASSA continuação AULA 6 ARGAMASSA continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS - PROPRIEDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Mestrado Acadêmico Aderência à base Deficiência de Aderência Características do Substrato Dosagem da Argamassa Técnica de Execução Argamassa 2 Ok Ok Ok Ok 2 Subidas

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DE JUNTA DA ALVENARIA EXPERIMENTAL AND NUMERICAL ANALYSIS OF MASONRY JOINT BEHAVIOR

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DE JUNTA DA ALVENARIA EXPERIMENTAL AND NUMERICAL ANALYSIS OF MASONRY JOINT BEHAVIOR ISSN 1809-5860 ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DE JUNTA DA ALVENARIA Rodrigo Carvalho da Mata 1 & Marcio Antonio Ramalho 2 Resumo Este trabalho apresenta um estudo de influência da junta

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS II PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA

CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS II PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA AS FISSURAS NOS REVESTIMENTOS RESPONDEM EM MÉDIA POR 15% DOS CHAMADOS PARA ATENDIMENTO PÓS-OBRA DENTRO DO PRAZO DE GARANTIA ORIGEM E INCIDÊNCIA DAS MANIFESTAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO ECC/ /05 SISTEMA CONSTRUTIVO TIJOL-ECO ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO ECC/ /05 SISTEMA CONSTRUTIVO TIJOL-ECO ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/16 RELATÓRIO DE ENSAIO ECC/107.871/05 SISTEMA CONSTRUTIVO TIJOL-ECO ENSAIOS DIVERSOS Interessado: ARTIGOS DE SOLO CIMENTO TIJOL-ECO Avenida São Pedro, 204. 13520-000 São Pedro SP. Ensaios: (45.150)

Leia mais

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO Inês Flores-Colen (I.S.T) Jorge de Brito (I.S.T) Fernando A. Branco (I.S.T.) Introdução Índice e objectivo Ensaio de arrancamento pull-off Estudo

Leia mais

ANÁLISE DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA POLIMÉRICA/COLANTE EM DUAS RESIDÊNCIAS COM DESPLACAMENTO DOS PISOS CERÂMICOS.

ANÁLISE DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA POLIMÉRICA/COLANTE EM DUAS RESIDÊNCIAS COM DESPLACAMENTO DOS PISOS CERÂMICOS. ANÁLISE DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA POLIMÉRICA/COLANTE EM DUAS RESIDÊNCIAS COM DESPLACAMENTO DOS PISOS CERÂMICOS. Resumo O presente estudo propõe o ensaio normatizado pelo anexo A, da NBR 13755, Revestimento

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 255/ 266 / 15

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 255/ 266 / 15 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Argamassa Brasil Pedido n º 255/14 Endereço: R9 QD 15 Cidade: Maricá CEP: 24900-000 DADOS DO MATERIAL ENSAIADO

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 556 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 556 / 13 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO PARA ALVENARIA CARACTERÍSTICAS E ENSAIOS DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 OBJECTIVOS A presente

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 571 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 571 / 13 Folha 1/5 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica

Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica Fernando Luiz Lavoie Escola de Engenharia de São Carlos (EESC USP), São Carlos, Brasil, fllavoie@yahoo.com.br Benedito de Souza

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop color Pág. 2 utilização Revestimento

Leia mais

Influência da junta vertical no comportamento mecânico da alvenaria de blocos de concreto

Influência da junta vertical no comportamento mecânico da alvenaria de blocos de concreto BE00 Encontro Nacional Betão Estrutural 00 Guimarães 5,, 7 de Novembro de 00 Influência da junta vertical no comportamento mecânico da alvenaria de blocos de concreto Gihad Mohamad 1 Paulo Brandão Lourenço

Leia mais

Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo

Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo Curso Técnico em Edificações Disciplina Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo Docente: Profa. Priscila B. Alves TCCC3 O que é? Pra que serve? Quais os tipos? Introdução Nada mais

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 2. Deficiência x Excelência Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 7 Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa

Leia mais

Ministério da Saúde Secretária de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica

Ministério da Saúde Secretária de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Ministério da Saúde Secretária de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica CNPJ: Entidade: 11924138000101 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE MINEIROS Esfera Adm.: Tipo: MUNICIPAL FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

Leia mais

agrupados Nº DET 1

agrupados Nº DET 1 CAIXA COM TAMPA VISTA SUPERIOR 22 100 27 53 FURO PARA LACRE Ø2 20 VISTA LATERAL DIREITA ROSCA W 1/4" PARA PARAFUSO DE SEGURANÇA 11 DET 1 VISTA INFERIOR DET 1 Código 6790320 Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei

Leia mais

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso REVESTIMENTO VERTICAL DE PEDRA NATURAL Fonte: Revista Téchne no.10 1 o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO o Sistema ADERENTE: Assentamento

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II Curso: Engenharia Civil Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA Construção Civil II Aula 07 Pinturas Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. Sumário Aula 07 Pinturas Funções

Leia mais

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Alvenaria de Vedação Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Considerações Gerais Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta

Leia mais

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A.

Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Estudo de Caso: Precon Engenharia S.A. Instituto Falcão Bauer da Qualidade Rua Aquinos, 111 Prédio III 3º andar Água Branca São Paulo - SP CEP 05036-070 Tel./Fax: (11) 3611-1729 www.ifbq.org.br Painéis

Leia mais

TABELA DE ENSAIOS Revisão: 04 Folha: 1 de 5

TABELA DE ENSAIOS Revisão: 04 Folha: 1 de 5 TABELA DE ENSAIOS Revisão: 04 Folha: 1 de 5 Na primeira entrega: Coletar amostra, da primeira entrega do fornecedor, para realizar ensaios laboratoriais de acordo com a norma NBR 7211-Agregado para concreto.

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Marcação da Alvenaria: Construção Civil II ( TC-025) Verificação do esquadro e nível do pavimento; Traçado

Leia mais

24/11/2016. Principais Tipos de Retração no Concreto: Propriedades e medidas para evitar o desenvolvimento O QUE É RETRAÇÃO?

24/11/2016. Principais Tipos de Retração no Concreto: Propriedades e medidas para evitar o desenvolvimento O QUE É RETRAÇÃO? Principais Tipos de Retração no Concreto: Propriedades e medidas para evitar o desenvolvimento Ricardo Pessoa Kotzias - GRR20156345 Henrique Vieira De Col - GRR20159588 Hélio Sabino Deitos Filho - GRR20158845

Leia mais

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa.

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. Distribuição gratuita Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. 1 Este folheto fornece informações úteis para orientá-lo na construção ou reforma de sua casa. Qualquer construção ou

Leia mais

PEDREIRO PASSO A PASSO

PEDREIRO PASSO A PASSO PEDREIRO PASSO A PASSO 1. INICIO 2. MASSA PRA TIJOLO 3. MASSA PRA REBOCO 4. EQUIPAMENTOS PRA PEDREIRO 5. LEVANTANDO PAREDE 6. REBOCO INICIO Pedreiro é o profissional que constrói ou reveste muros, paredes,

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME - 18 Assentamento e Rejuntamento Cerâmico - Externo

MÉTODO EXECUTIVO ME - 18 Assentamento e Rejuntamento Cerâmico - Externo Objetivo: O objetivo do método é detalhar o processo de aditivação de argamassa colante tipo AC-I e rejunte na execução de assentamento e rejuntamento cerâmico de modo a propiciar o treinamento da mão-de-obra

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV Prof. Marco Pádua Exercício: Calcular o consumo de materiais considerando uma concretagem em conjunto com uma alvenaria de blocos de concreto. profmarcopadua.net------------------------------------------exercício

Leia mais

Produtividade, Economia e Facilidade de Aplicação.

Produtividade, Economia e Facilidade de Aplicação. Produtividade, Economia e Facilidade de Aplicação. Artos Expansões é representante oficial da Usina Fortaleza em Santa Catarina Contato: Fabiano Palmieri & Marcelo Palmieri 48 9908-8040 48 8866-6228 fabiano.palmieri@gmail.com

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 38

MÉTODO EXECUTIVO ME 38 FOLHA 1 de 5 Objetivo: O objetivo do MÉTODO EXECUTIVO ME 38 é detalhar o Processo de Barreiras Estanques AP 20 PC 02 para execução de Pisos Estanques de Média Espessura, em sistemas de vedação vertical

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

O que é alvenaria estrutural? Uso de paredes simultaneamente como elementos de vedação e resistente às cargas verticais e horizontais.

O que é alvenaria estrutural? Uso de paredes simultaneamente como elementos de vedação e resistente às cargas verticais e horizontais. O que é alvenaria estrutural? Uso de paredes simultaneamente como elementos de vedação e resistente às cargas verticais e horizontais. Potencial da Alvenaria Estrutural Déficit brasileiro = 12 milhões

Leia mais

Residencial Fernando Pessoa

Residencial Fernando Pessoa O Empreendimento 04 Pavimentos Tipo com Elevador social. Apartamentos com 01 vaga de Garagem. Apartamentos de 02 Quartos (sendo 01 suíte). Apartamentos com vista para o mar, localizado no Loteamento Pérola

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /A/09 REVESTIMENTO CERÂMICO ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /A/09 REVESTIMENTO CERÂMICO ENSAIOS DIVERSOS Página 1/6 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/183.711/A/09 REVESTIMENTO CERÂMICO ENSAIOS DIVERSOS INTERESSADO: CARLOS PIOLTINI DOS SANTOS IMPORTAÇÃO Calc. das Anemomas, nº 142 - Alphaville 06453-005 Barueri SP

Leia mais

Fissuras em Alvenarias Causas mais frequentes

Fissuras em Alvenarias Causas mais frequentes Fissuras em Alvenarias Causas mais frequentes Prof. Ronaldo Duarte Tipos de movimentos a que os prédios estão sujeitos e suas causas principais (B. Martin, Joints in Buildings, 1977 ) Causa Efeitos Duração

Leia mais

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS LOTE 1 Versão: 005 Vigência: 11/2014 Última atualização: 11/2016 SINAPI Cadernos

Leia mais

MONOCOLOR CRONOS>NUDE DESIGN DA TRANSFORMAÇÃO. Código 112

MONOCOLOR CRONOS>NUDE DESIGN DA TRANSFORMAÇÃO. Código 112 DESIGN DA TRANSFORMAÇÃO FICHA TÉCNICA MONOCOLOR CRONOS>NUDE Código 112 ACABAMENTOS Superficial lixado interno Lixado externo Nude e a simplicidade de sua cor permitiram a criação de um produto de beleza

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. Msc. Anderson Alencar Edificações - IFPA INTRODUÇÃO Materiais de construção são todos os utilizados nas obras (construção de casas, prédios

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS

VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS VALORIZAÇÃO DA CINZA DE CALDEIRA DE INDÚSTRIA DE TINGIMENTO TÊXTIL PARA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS SUSTENTÁVEIS A. Reis ¹, E. P. Manfroi 2 Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE, Departamento de Engenharia

Leia mais

BIANCO. Misturar antes de usar. Adicionar BIANCO à água de amassamento na diluição indicada

BIANCO. Misturar antes de usar. Adicionar BIANCO à água de amassamento na diluição indicada Produto BIANCO é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade, aumenta a impermeabilidade e evita

Leia mais

quadro de escolha para colagem

quadro de escolha para colagem quadro de escolha para colagem São 3 os parâmetros que determinam a cola a utilizar em função dos trabalhos a realizar: 1º suporte 2º local 3º as peças a colar A natureza: Onde: Destino/uso: Natureza:

Leia mais

TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS (Parte II)

TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS (Parte II) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Construção Civil TC 034 Materiais de Construção III TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS (Parte II) Aulas: Prof a. Marienne R.M.Maron da Costa colaboração Prof.Eduardo

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II Curso: Engenharia Civil Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA Construção Civil II Aula 01 Vedações verticais Alvenaria de vedação e Gesso acartonado Prof. Dr. Alberto Casado

Leia mais

CUMEEIRA TELHA CERAMICA EMBOCADA ARGAMASSA 1:2:8 (CIMENTO, CAL E AREIA) 63,00 m 25, ,34

CUMEEIRA TELHA CERAMICA EMBOCADA ARGAMASSA 1:2:8 (CIMENTO, CAL E AREIA) 63,00 m 25, ,34 UL URUAÇU - ORÇAMENTO PARA REFORMA DA INSTALAÇÕES DA UNIDADE LOCAL DE URUAÇU MÊS REFERÊNCIA SETEMBRO 2015 ITEM ITEM SINAPI DESCRIÇÃO QUANT. UNID. SERVIÇO UNIT. TOTAL 01. SERVIÇOS PRELIMINARES 1.575,00

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 04: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas empregadas 02:

Leia mais

Planilha Orçamentária

Planilha Orçamentária 1 SERVIÇOS PRELIMINARES,DEMOLIÇÕES,LIMPEZA 2.742,56 1.1 PLACA DE OBRA 6,00 m² 205,83 25,62 231,45 1.234,98 153,72 1.388,70 1.2 LIMPEZA PERMANENTE DA OBRA 66,00 h 0,37 7,37 7,74 24,32 486,42 510,74 1.3

Leia mais

UNeB Relatório de Material e Mão-de-obra

UNeB Relatório de Material e Mão-de-obra 1 PREPARAÇÃO DO TERRENO 2709.43 20202 RASPAGEM e limpeza manual de terreno M2 25.00 0.00 0.87 0.00 0.87 21.75 20301 LIGAÇÃO provisória de água para obra e instalação sanitária provisória, instalação mínima

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES DEFINIÇÃO São materiais ligantes, em geral pulverulentos, que promovem a união entre os grãos de agregados. Estes materiais sofrem transformações químicas, por isso

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto é uma pintura impermeável, elástica e de base acrílica, que oferece grande aderência e durabilidade. dispensa a seladora. Pode ser deixado exposto ou receber pigmento líquido, tinta látex/acrílica,

Leia mais

ALV L ENA N RI R A I E ST S RU R TURA R L L 1

ALV L ENA N RI R A I E ST S RU R TURA R L L 1 ALVENARIA ESTRUTURAL 1 APRESENTAÇÃO O curso de Alvenaria Estrutural será apresentado em forma de treinamento profissional, visando a prática construtiva e ao dimensionamento. Seguirá as prescrições das

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto VEDAFIX é um adesivo e selador de base acrílica, compatível com cimento e cal. Tem ação adesiva, o que aglutina as partículas do cimento e dos agregados, proporcionando melhor trabalhabilidade

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto VEDACIL ACQUA é um verniz à base de resina acrílica dispersa em água. É indicado para proteção de estruturas e, após a cura, forma um filme transparente, impermeável, de fácil limpeza, de boa resistência

Leia mais

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos NBR 6136 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos Objetivo Esta Norma estabelece os requisitos para o recebimento de blocos vazados de concreto simples, destinados à execução de alvenaria

Leia mais

Projetos-padrão residenciais baixo Lote básico (por m² de construção)

Projetos-padrão residenciais baixo Lote básico (por m² de construção) CUB/m² Relatório 12 - Lotes básicos Projetos-padrão residenciais baixo Un R1 PP-4 R8 PIS Chapa compensado plastificado 18 mm 2,20 x 1,10 m m² 1,41157 0,83209 0,71660 0,69418 Aço CA-50 ø 10 mm kg 14,09270

Leia mais

Parâmetros para o dimensionamento

Parâmetros para o dimensionamento Parâmetros para o dimensionamento Disponível em http://www.chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Projeto em Alvenaria estrutural Concepção estrutural; Modulação; Integração entre estrutura

Leia mais

rejuntamento flexível

rejuntamento flexível 01 Descrição: O votomassa é uma argamassa a base de cimento Portland indicado para rejuntar revestimentos cerâmicos, em pisos e paredes, com juntas de 2 a 10 mm em áreas internas e externas. 02 Classificação

Leia mais

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O TECNOLOGIA DA ARGAMASSA Conceitos Sistema de Revestimento de Argamassa Desempenho do sistema Materiais Constituintes Dosagem Escolha do Sistema de Revestimento

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO ESTRUTURAL 14x19x39cm N07 ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO ESTRUTURAL 14x19x39cm N07 ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/ 8 Relatório nº 1062/14-07 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/14-07 BLOCO CERÂMICO ESTRUTURAL 14x19x39cm N07 ENSAIOS DIVERSOS Interessado: CCB CENTRO CERÂMICO DO BRASIL Rua Nossa Senhora do Carmo, 82 Jd.

Leia mais

Caixa para Medidor Monofásico

Caixa para Medidor Monofásico N O Data Revisões Visto Vanderlei Robadey Aprov. Antônio C.Alves Página 1 de 6 75± 75±5 N O Data Revisões Visto Vanderlei Robadey Aprov. Antônio C.Alves Página 2 de 6 N O Data Revisões Visto Vanderlei

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 19x19x39cm N01 ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 19x19x39cm N01 ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/ 8 Relatório nº 1062/14-01 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/14-01 BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 19x19x39cm N01 ENSAIOS DIVERSOS Interessado: CCB CENTRO CERÂMICO DO BRASIL Rua Nossa Senhora do Carmo,

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 11,5x19x39cm N03 ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 11,5x19x39cm N03 ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/ 8 Relatório nº 1062/14-03 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/14-03 BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 11,5x19x39cm N03 ENSAIOS DIVERSOS Interessado: CCB CENTRO CERÂMICO DO BRASIL Rua Nossa Senhora do Carmo,

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aula 3: Argamassa Prof. Eduardo Cabral Definição e Histórico Piso de 180m 2 no sul da Galiléia entre 7.000a.C. e 9.000a.C. Laje de 25cm de espessura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO ANEXO X MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DO USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO - BOMSUCESSO 1. Histórico A unidade de Saúde Familiar Cornélia da Conceição do Bairro Bom Sucesso atende cerca de 70 usuários por dia, abrangendo

Leia mais

ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo.

ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo. 1 ÁREAS Impermeabilização de fundação com cimento polimérico. Baldrame, sapata e contra piso em contato com o solo. INDICE 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 01 2. MATERIAIS... 01 3. CUIDADOS INICIAIS... 02 4.

Leia mais

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO 1/10 RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 Interessado: Chimica Edile do Brasil Ltda. Endereço: Rod. Cachoeiro X Safra BR 482, km 06 Cachoeiro de Itapemirim/ES CEP: 83707-700 Referência:

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

Quantificação de Materiais e Mão-de-obra

Quantificação de Materiais e Mão-de-obra Quantificação de Materiais e Mão-de-obra INFRA-ESTRUTURA 20501 LOCAÇÃO DA OBRA Madeiras e pregos (locação) 144,71 1 144,71 m2 2,5 361,775 Execução da locação da obra Mão-de-obra 144,71 1 144,71 m2 2 289,42

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DE BLOCOS CERÂMICOS NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ALVENARIA ESTRUTURAL

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DE BLOCOS CERÂMICOS NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ALVENARIA ESTRUTURAL ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA GEOMETRIA DE BLOCOS CERÂMICOS NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ALVENARIA ESTRUTURAL Marcio R. do Nascimento (1); Fabiano Raupp-Pereira (2); Humberto R. Roman (3) (1) Departamento de Engenharia

Leia mais

SEÇÃO TRANSVERSAL TÍPICA DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE PAVIMENTOS TIPOS DE PAVIMENTOS RÍGIDOS PAVIMENTO DE CONCRETO SIMPLES

SEÇÃO TRANSVERSAL TÍPICA DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE PAVIMENTOS TIPOS DE PAVIMENTOS RÍGIDOS PAVIMENTO DE CONCRETO SIMPLES TT 402 TRANSPORTES B PAVIMENTAÇÃO SEÇÃO TRANSVERSAL TÍPICA NOÇÕES DE PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS Eng. Mário Henrique Furtado Andrade base estabilizada granulometricamente 0,5 m 0,5 m 3,5 m

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

ESTUDO DE CASO: FACHADA DE UMA EDIFICAÇÃO COMERCIAL

ESTUDO DE CASO: FACHADA DE UMA EDIFICAÇÃO COMERCIAL ESTUDO DE CASO: FACHADA DE UMA EDIFICAÇÃO COMERCIAL BURLE, Eduardo; MENDES, Aurea; LIMA, Natália; AGRA, Tiago, MONTEIRO, Eliana Universidade de Pernambuco, (81)99925-9559, eblobo@hotmail.com; UNICAP, aureamendes90@hotmail.com;

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS Alessandro José Büsemayer Faculdade Anhanguera

Leia mais

Construção Repensar a Construção 2º Congresso Nacional da Construção

Construção Repensar a Construção 2º Congresso Nacional da Construção Construção 2004 - Repensar a Construção 2º Congresso Nacional da Construção Regina Helena F. de Souza, Ivan R. de Almeida, Daniela Karina Verçosa Fachadas Prediais - Considerações sobre o Projeto, os Materiais,

Leia mais

aditivo para rejuntamento

aditivo para rejuntamento 01 Descrição: votomassa deve ser misturado ao votomassa flexível ou similar. Usado em substituição à água na mistura, o produto melhora a impermeabilidade e a resistência do, proporcionando um rejunte

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

SAC (15)

SAC (15) Líder em Tecnologia Vedação Racional City As maiores construtoras buscam a qualidade e desempenho dos s City para ganhar em produtividade e reduzir desperdícios Líder em Tecnologia Vedação Racional O bloco

Leia mais

GRANVILLE RESIDENCIAL

GRANVILLE RESIDENCIAL MEMORIAL DE APRESENTAÇÃO O Empreendimento O GRANVILLE RESIDENCIAL, é um empreendimento de ponta, com apenas 40 apartamentos, todos com vista para o mar, de 2 e 3 dormitórios, com suíte, todo pastilhado,

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Linha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /1/10 PORTA DE MADEIRA PARA EDIFICAÇÃO ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /1/10 PORTA DE MADEIRA PARA EDIFICAÇÃO ENSAIOS DIVERSOS Relatório de Ensaio nº CCC/190.966/1/10 Pág.: 1/6 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/Inmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o nº CRL-003. O INMETRO é signatário do Acordo de Reconhecimento

Leia mais