Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1"

Transcrição

1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Funções dos Revestimentos Proteção do vedo e da estrutura Auxiliar o vedo a cumprir suas funções Proporcionar o acabamento final ao conjunto vedação 4 Revestimentos Verticais Conjunto de camadas que cobrem a superfície da estrutura ou do vedo (alvenaria, gesso acartonado, paredes maciças de concreto), desempenhando funções específicas 2 Classificação dos Revestimentos Quanto à posição relativa no edifício Internos Áreas secas Áreas molhadas Externos 5 REVESTIMENTOS INTERNOS ou emboço Revestimento Interno de área seca camada de acabamento 3 6 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

2 REVESTIMENTOS INTERNOS Aderentes Revestimento interno de área molhada do edifício 7 10 REVESTIMENTOS EXTERNOS Aderentes Revestimentos verticais exteriores pastilha cerâmica e argamassa com pintura 8 11 Classificação dos Revestimentos Fixados por dispositivos Quanto à técnica de fixação Aderentes Argamassas, cerâmicos (argamassas colantes e pastas de resina) Fixados por dispositivos Parafusos, insertos, pregos, grampos Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 2

3 Classificação dos Revestimentos Quanto aos materiais. De argamassas e pastas com aplicação de pintura ou textura De argamassas pigmentadas (fulget, travertino, massa raspada, monocapa...) 13 Classificação dos Revestimentos Quanto aos materiais. Cerâmicos (pastilhas, grês, azulejos...) Rochas (mármores, granitos, ardósia...) De madeiras (lambris, painéis...) Sintéticos: vinílicos (mantas, papéis de parede, placas, réguas...); texteis; melamínicos Outros: vidro (mosáicos); metálicos (réguas, placas) 16 REVESTIMENTOS VERTICAIS Cerâmicos Revestimentos verticais no edifício: revestimento exterior argamassa pigmentada Novos sistemas de revestimentos Rochas REVESTIMENTO MONOCAMADA15 18 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 3

4 Sintéticos: melamínicos Quantidade de materiais envolvidos Qual a importância de se estudar os revestimentos verticais??? Quantidade de materiais envolvidos Elevadas espessuras Quantidade de materiais envolvidos Importância Custo expressivo no total da obra Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 4

5 Custos Problemas Mapeamento????? Subsistemas Edifício residencial Múltiplos pavimentos fino médio popular médio Estrutura 17 a a 16,5 9,5 a a 32 Vedações 6 a 10 7 a 11 9 a 16 2,5 a 3,5 Revestimentos 17 a a a 32 13,5 a 17,5 Construção São Paulo - junho/2001 Edifícios de pequena altura, em alvenaria estrutural, em São Paulo Importância Problemas????? Deve atender a solicitações e exigências diversas PARTE DO EDIFÍCIO MAIS EXPOSTA Casas térreas altura, em alvenaria estrutural, em São Paulo Quais os principais problemas??? Problemas????? Manchamento, fissuras, descolamentos entre camadas e queda de revestimento Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 5

6 Problemas????? Problemas????? Manchas generalizada no exterior: presença de fungos na vedação de alvenaria de blocos de concreto celular 31 Fissuras de retração da argamassa de revestimento em edifícios de pequena altura, internas e externas. 34 Problemas????? Problema não existe onde há o revestimento cerâmico Problemas????? Manchas generalizada no exterior: presença de fungos na vedação de alvenaria de blocos de concreto celular Problemas????? Problema é agravado na fachada sul do edifício Manchas generalizada no exterior: presença de fungos na vedação de alvenaria de blocos de concreto celular 33 Por que os revestimentos vêm perdendo suas funções??? Por que os problemas vêm ocorrendo??? 36 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 6

7 Gargalos tecnológicos! Inexistência de requisitos de desempenho! Inexistência de parâmetros de projeto! Inexistência de sistemas de produção que incluam o controle de qualidade! Inexistência de metodologia para diagnóstico e recuperação de patologias! Inexistência de sistema de gestão do processo de comercialização e de produção 37 GESTÃO DA TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DE REVESTIMENTOS 40 Gestão da tecnologia O que fazer????? Projeto! do produto! do processo Domínio da tecnologia! procedimentos de produção Domínio do Processo de Produção 39 Gestão da tecnologia Integração com Fornecedor! suprimentos! mão-de-obra Controle do Processo de Produção 42 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 7

8 Revestimentos de Argamassa REVESTIMENTO TRADICIONAL DE ARGAMASSA REVESTIMENTOS DAS VEDAÇÕES VERTICAIS DE EDIFÍCIOS CONSTITUÍDOS POR UMA OU MAIS CAMADAS DE ARGAMASSA ENDURECIDA são incluídos nestes revestimentos: os emboços de regularização de outros tipos de revestimentos; os que constituem a camada final para recebimento do sistema de pintura e os monocamada 43 " EMBOÇO (MASSA-GROSSA) Camada de base para a camada de acabamento de outros tipos de revestimentos " SISTEMA EMBOÇO e REBOCO Emboço + camada de acabamento, também de argamassa, denominada genericamente de reboco TIPOS DE REBOCO #Massa fina, com ou sem sistema de pintura e # Fulget ; travertino; massa raspada; massa batida; (todas estas sem pintura), etc.. 46 Acabamento para revestimento com tilolo cerâmico: vassorurado. Revestimento decorativo: massa raspada 44 Argamassa de emboço 47 ou emboço Revestimento de argamassa: massa única emboco ou "reboco paulista Revestimento tradicional de argamassa Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 8

9 REVESTIMENTO DE ARGAMASSA MASSA ÚNICA Revestimento de argamassa: monocamada Monocamada EMBOÇO PAULISTA Revestimento de argamassa aplicado em camada única, acabado, sem proteção de outro revestimento, usualmente protegido por película de menos de 1mm (sistema de pintura) REVESTIMENTO DE ARGAMASSA MASSA ÚNICA REVESTIMENTO DE ARGAMASSA MONOCAMADA Revestimento acabado, inclusive com pigmentação, usualmente aplicado sem camada de preparo de base REVESTIMENTO DE ARGAMASSA MASSA ÚNICA 51 REVESTIMENTO MONOCAMADA54 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 9

10 Propriedades do revestimento RESISTÊNCIA MECÂNICA DE ADERÊNCIA (à tração e ao cisalhamento) DE CORPO (à tração e coesão de corpo) SUPERFICIAL (à abrasão, de riscamento e coesão superficial) REVESTIMENTO MONOCAMADA55 58 DESEMPENHO ESPERADO PARA OS REVESTIMENTOS Resistência de aderência NÃO APRESENTE PROBLEMAS Não desplaque Não fissure Não manche SEJA DURÁVEL Não desagregue Não se degrade precocemente CUMPRA SUAS FUNÇÕES É necessário conhecer as propriedades dos revestimentos de argamassa! Resistência de aderência Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 10

11 Resistência de aderência O QUE INTERFERE? 1. CARACTERÍSTICAS DA ARGAMASSA TRABALHABILIDADE! granulometria e teor de finos dos agregados! relação água/aglomerante! relação aglomerante/agregado! natureza e teor dos aglomerantes! presença de aditivos 61 Piora na extensão de aderência Vazios na argamassa: diminui a resistência mecânica Ampliação da imagem anterior Argamassa de cimento e areia (1:3), aplicada sobre substrato cerâmico tipo II seco retenção de água papel filtro = 90%; funil de Buchner 35%. Imagem obtida de lupa estereoscópica com ampliação de 60 vezes (fonte CARASEK, Helena, 1996). 64 Resistência de aderência 2. CARACTERÍSTICAS DA BASE diâmetro e natureza dos poros limpeza da base 3. TÉCNICA DE EXECUÇÃO tempo adequado de sarrafeamento compactação e prensagem da argamassa 62 Melhora na extensão de aderência Diminuição dos vazios da argamassa pela adição de cal Melhoria da trabalhabilidade e aumento da extensão de aderência Argamassa de cimento:cal:areia (1:1/4:3), aplicada sobre substrato cerâmico tipo II seco retenção de água papel filtro = 92%; funil de Buchner 66%. Imagem obtida de lupa estereoscópica com ampliação de 20 vezes (fonte CARASEK, Helena, 1996). 65 Piora na extensão de aderência Vazios na argamassa: diminui a resistência mecânica Melhora na extensão de aderência Aumento dos vazios da argamassa devido ao ar incorporado- 24% redução da extensão de aderência Argamassa de cimento e areia (1:3), aplicada sobre substrato cerâmico tipo II seco retenção de água papel filtro = 90%; funil de Buchner 35%. Imagem obtida de lupa estereocópica com ampliação de 20 vezes (fonte CARASEK, Helena, 1996). 63 Argamassa industrializada, aplicada sobre substrato cerâmico tipo II seco retenção de água papel filtro = 96%; funil de Buchner 88%. Imagem obtida de lupa estereoscópica com ampliação de 20 vezes (fonte CARASEK, Helena, 1996). 66 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 11

12 Resistência de aderência AVALIAÇÃO:! ensaios de arrancamento por tração Resistência de aderência Avaliação da resistência de aderência Resistência de aderência à base EXIGÊNCIAS VARIÁVEIS EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO: Fachadas e forros 0,2 a 0,5 MPa Revestimentos internos 0,15 a 0,25 MPa 69 NBR13749/96 Revestimentos externos 0,3 MPa Revestimentos internos 0,2 MPa 72 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 12

13 Resistência de aderência superficial EXIGÊNCIAS VARIÁVEIS EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO (crítico para revestimentos modulares): Fachadas 0,4 a 0,7 MPa Revestimentos internos 0,20 a 0,30 MPa 73 Verificação de outros parâmetros da argamassa: fissuração 76 Etapa prévia de definição da argamassa de emboço Proposta: painéis maiores e em condições de emprego da argamassa Painéis de revestimento Problemas Patológicos Diferentes tipos de chapisco Diferentes bases Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 13

14 Problemas Patológicos 79 Características da base 82 Problemas Patológicos Problemas Patológicos Problemas Patológicos 81 Película de desmoldante impediu a aderência 84 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 14

15 Propriedades do revestimento CAPACIDADE DE ABSORVER DEFORMAÇÕES prórpias do revestimento (intrínsecas) e induzidas pelo substrato (extrínsecas), sem fissurar ESTABILIDADE DIMENSIONAL comportamento na expansão e retração higrotérmica do próprio revestimento Capacidade de absorver deformações DO QUE DEPENDE??! CARACTERÍSTICAS DA BASE! DOSAGEM DA ARGAMASSA! ESPESSURA DA CAMADA! TÉCNICA DE EXECUÇÃO! CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO 86 Capacidade de absorver deformações $ DOSAGEM DA ARGAMASSA Argamassas fortes 89 Capacidade de absorver deformações $ CARACTERÍSTICAS DA BASE Capacidade de absorver deformações $ DOSAGEM DA ARGAMASSA Deformações de grande amplitude 87 Argamassas fracas 90 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 15

16 Capacidade de absorver deformações $ ESPESSURA DA CAMADA pequenas espessuras Capacidade de absorver deformações $ TÉCNICA DE EXECUÇÃO grau de compactação e tempo de sarrafeamento e desempeno Capacidade de absorver deformações $ ESPESSURA DA CAMADA FISSURAS de RETRAÇÃO grandes espessuras Capacidade de absorver deformações $ TÉCNICA DE EXECUÇÃO FISSURAS de RETRAÇÃO grau de compactação e tempo de sarrafeamento e desempeno Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 16

17 Capacidade de absorver deformações $ CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO Estanqueidade Capacidade de absorver deformações $ CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO 98 Durabilidade Fatores que comprometem o desempenho:! movimentações intrísecas e extrínsecas (fissuras, desagregação e descolamento)! espessura inadequada dos revestimentos! cultura e proliferação de microorganismos! qualidade da argamassa 101 Propriedades do revestimento GEOMÉTRICAS - espessura e dimensões do pano DE SUPERFÍCIE - tipo e uniformidade da rugosidade superficial, planicidade, porosidade ESTANQUEIDADE - à água de chuva, quando for de fachada e em áreas molhadas internas 99 Comparação qualitativa das características exigíveis dos revestimentos de argamassas Propriedades Interno Fachada Forro Pintura Cerâmica Pintura Cerâmica Capacidade de aderência Absorver deformações Restrição a fissuras Resistência tração/comp Resist. desg. superficial Durabilidade Obs: O nível de exigência cresce de 1 para Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 17

18 PLACA CERÂMICA REVESTIMENTO CERÂMICO CLASSIFICAÇÃO SUPERFÍCIE " vidrada " não vidrada TIPO DE TRATAMENTO TÉRMICO " biqueima " monoqueima REVESTIMENTO CERÂMICO PLACAS CERÂMICAS CAMADA DE FIXAÇÃO Argamassa Adesiva JUNTA DE COLOCAÇÃO Argamassa de Rejunte PLACA CERÂMICA SUBSTRATO Emboço Argamassado PREPARAÇÃO DA BASE Chapisco BASE Alvenaria ou concreto CARACTERÍSTICAS " impermeabilidade; " facilidade de limpeza; " incombustibilidade; " resistência; " sanidade; " efeito decorativo CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CLASSIFICAÇÃO PRODUTO ABSORÇÃO(%) GRUPO porcelana 0 a 0,5 quase nula grês 0,5 a 3 baixa semi-grês 3 a 6 média semi-poroso 6 a 10 média alta poroso 10 a 20 alta 105 Expansão por Umidade % fator crítico em ambientes úmidos (piscinas, fachadas e saunas) % a EPU, expressa em mm/m, deve ser muito baixa, quando a moagem, queima e a formulação da placa estão bem feitas. 108 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 18

19 Argamassa colante Propriedades e Características &tempo em aberto (20-45 min) &tempo de vida útil (3-5 h) &ajustabilidade (10-20 min) &retenção de água &aderência (extensão e resistência) & flexibilidade 109 ASSENTAMENTO ASSEMENTO COM DUPLA COLAGEM ' Peças que possua garras ' Pastilhas de porcelana (a aderência se dá pelo rejuntamento 112 Ensaio de flexibilidade Argamassa colante: ESCOLHA EXTERIOR Área do Componente (cm 2 ) < Tipo II Tipo II Tipo III Tipo III-E simples dupla dupla dupla 0,5MPa 1,0 MPa 1,0 MPa 1,5 MPa Argamassa colante: TIPOS Tipo Denominação Característica Tipo I Tipo II Tipo III Tipo III - E Interior Exterior Alta resistência Especial RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO MAIOR TEMPO EM ABERTO Norma Brasileira 111 Argamassa colante: ESCOLHA & peso variável dos componentes em função das suas dimensões & deformações diferenciais revestimento-substrato & esforços de vento & vibrações, choques 114 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 19

20 Juntas: entre componentes ESPAÇADORES Materiais de Rejuntamento Argamassas industrializadas para rejuntes (modificadas com polímeros) Cuidado com argamassas de rejunte preparadas em obra!!! Juntas: FUNÇÕES & Responder às exigências de fabricação (tolerâncias) & permitir o alinhamento das placas & proporcionar acabamento estético & possibilitar a estanqueidade & permitir acomodação do conjunto Juntas: entre componentes Área dos componentes (cm2) Espessura juntas exterior mínima (desejável) A < 250 4,0 (8,0) 250 < A < 400 5,0 (10,0) 400 < A < 600 6,0 (10,0) 600 < A < 900 8,0 (10,0) A > ,0 (12,0) 117 Execução dos RCF 1ª subida 2ª subida 3ª subida 4ª subida 5ª subida limpeza base fixação alvenaria colocação de arames taliscamento primeira cheia Inspeção emboço aceitação Inspeção assentamento Inspeção limpeza juntas Limpeza parcial Inspeção juntas de controle 5ª descida 4ª descida 3ª descida 2ª descida 1ª descida Aplicação do selante Limpeza final Rejuntamento Limpeza das juntas de controle Assentamento das placas Limpeza das juntas de colocação Emboço com tela e junta desempenamento tosco chapiscamento mapeamento Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 20

21 Execução dos Revestimentos Execução dos Revestimentos Execução dos Revestimentos Execução dos Revestimentos Execução dos Revestimentos Execução dos Revestimentos Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 21

22 QUEM DEVE FAZER O PROJETO DOS REVESTIMENTOS???? &quem tem o domínio do sistema de produção ( interno à empresa construtora ( projetista específico 127 IMPORTANTE: SEMPRE é necessário um responsável pelas decisões 130 RECOMENDAÇÕES PARA FACHADAS placa de baixa absorção de água da placa cerâmica (recomenda-se no máximo 6%); placa cerâmica de baixa EPU; placa cerâmica de fácil limpeza; placas com dimensões maiores que 20 cm requerem cuidados muito específicos; 128 QUANDO FAZER O PROJETO DOS REVESTIMENTOS???? & em conjunto com os demais & presente na coordenação & não precisa sair pronto desde o início, precisa tomar as decisões necessárias 131 PROJETO DO REVESTIMENTO PARÂMETROS DE PROJETO! CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO! n o de camadas! espessura das camadas! rugosidade superficial! detalhes construtivos Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 22

23 PARÂMETROS DE PROJETO Exigências para a camada de revestimento de argamassa & Espessuras mínimas e máximas NBR INTERIOR 5 < e < 20 mm EXTERIOR 20 < e < 30 mm TETOS e < 20 mm 133 Detalhes construtivos Juntas de movimentação Juntas estruturais Juntas existentes na estrutura que deverão ter continuidade na execução do revestimento Juntas de Controle (da deformação) Juntas de trabalho: entre painéis de revestimento Juntas de contorno: entre o revestimento e outros elementos da vedação 136 PARÂMETROS DE PROJETO Exigências para a camada de revestimento de argamassa & & Rugosidade e porosidade Regularidade geométrica Compatíveis com a camada de acabamento Juntas ESTRUTURAIS & SEGUEM AS JUNTAS DA ESTRUTURA & & PARÂMETROS DE PROJETO Detalhes construtivos Juntas Reforços Solicitações no revestimento Solicitações mecânicas Grau de exposição climática 135 Juntas: DE CONTROLE A função da junta de controle é permitir a existência de uma região que concentre as tensões direcionando o aparecimento da fissura, caso as tensões sejam superiores à capacidade resistente do material. 138 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 23

24 Juntas: DE CONTROLE Juntas: DE CONTROLE Execução dos Revestimentos Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 24

25 Juntas: DE CONTROLE No máximo 50% da espessura do revestimento Juntas: DE CONTROLE Por que não cortar o revestimento até o fundo? Região enfraquecida para direcionamento da fissura A camada de revestimento protege contra a penetração de água de chuva Execução dos Revestimentos 146 Juntas: DE TRABALHO ONDE LOCALIZAR??? &Juntas Horizontais ' executadas a cada pavimento ' encontro dos componentes estruturais com a alvenaria ' junto às aberturas ' encontro piso-parede (interior) 149 Ferramentas para execução das juntas Juntas: DE TRABALHO ONDE LOCALIZAR??? &Juntas Verticais 'Dimensões do painel: 9 a 30m 2 Função das condições de solicitação Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 25

26 Juntas: DE TRABALHO Juntas Verticais: situação mais desfavorável - 9m 2 ' menos de 5 juntas verticais por metro ' cores quentes (tons escuros); foscas ' fachada com insolação total em grande período do dia ' local com elevado índice de insolação ' estrutura muito deformável (lajes planas não protendidas) 151 PARÂMETROS DE PROJETO Detalhes construtivos Tela no revestimento Não utilizar tela com a junta Funções distintas 154 Juntas: DE TRABALHO Juntas Verticais: situação mais favorável - 30m 2 ' mais de 5 juntas verticais por metro ' cores frias (tons claros); brilhantes ' fachada sem insolação em grande período do dia ' fachadas recortadas ' estrutura rígida (vigas) 152 Detalhes construtivos 155 PARÂMETROS DE PROJETO Detalhes construtivos Quando utilizar tela no revestimento? Dissipar as tensões da base pelo revestimento Estruturar o revestimento, quando espessuras muito elevadas 153 Detalhes construtivos Onde utilizar as telas??? Encontro da alvenaria com estrutura nos primeiros dois pavimentos, quando sobre pilotis Últimos dois pavimentos do edifício, em função da variação de temperatura Encontro de elementos construtivos diversos (pré-fabricados) 156 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 26

27 Detalhes construtivos PROJETO DE REVESTIMENTO PROJETO DO PRODUTO Memorial contendo as considerações técnicas que levaram à definição do produto, incluindo-se a normalização técnica e referências utilizadas Detalhes construtivos Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 27

28 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 28

29 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 29

30 FACHADA VENTILADA: CONCEITUAÇÃO " Formação de câmara de ar entre o revestimento e a parede do edifício; " Ventilação permanente da câmara de ar eliminado o calor; a umidade; redução das movimentações estruturais devido à mudança de temperatura. TIPOLOGIA DE REVESTIMENTOS NÃO ADERIDOS DE FACHADA Mais utilizadas atualmente: " Fachada com placas de alumínio composto (ACM); " Fachada em pele-de-vidro; " Fachada com placas cerâmicas, " Fachada com placas pétreas; FACHADA VENTILADA: CONCEITUAÇÃO Edifício revestido com placas de alumínio composto (ACM) VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO " Isolamento térmico; " Diminuição no consumo de energia; " Diminuição dos efeitos da dilatação térmica no edifício; " Eliminação de problemas de condensação; " Isolamento acústico; " Diminuição sensível de problemas de infiltração de água; " Facilidade de manutenção; " Sistema de montagem altamente industrializado; " Alta produtividade; " Reduzidos índices de incidências patológicas. 177 Edifício revestido com placas de alumínio composto (ACM) 180 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 30

31 Edifício revestido com placas de alumínio composto (ACM) FACHADA VENTILADA COM PLACAS DE GRÊS PORCELANATO Edifício revestido com placas de alumínio composto (ACM) SEQÜÊNCIA DE MONTAGEM DO REVESTIMENTO Estrutura Metálica de fixação Manuseio da placa cerâmica Fixação da ancoragem Edifício com fachada em pele- de-vidro SEQÜÊNCIA DE MONTAGEM DO REVESTIMENTO Posicionamento do Porcelanato Fixação através de parafuso Fixação final da placa Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 31

32 Fachada com placas pétreas Fixados por dispositivos 187 COMPARATIVO DE CUSTOS Tipo de fachada Empresa Estrut. (US$) Revest. (US$) MDO (US$) Total (US$) Revestimentos pétreos Fixados por dispositivos ACM A 37,77 57,04 23,70 118,51 C 31,80 45,60 25,70 103,10 Resina B 6,62 92,59 34,89 134,10 Pele-de-vidro A 90,74 62,21 38,90 191,85 Placas pétreas D 14,06 60,46 10,83 85, Fixados por dispositivos Revestimentos Não-Aderentes - Rejuntamento 192 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 32

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 11 1 REVESTIMENTOS VERTICAIS O que

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II REVEST. EM Ministério ARGAMASSA da Educação e GESSO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) EXECUÇÃO EM ARGAMASSAS E GESSO Chapisco; Emboço; Reboco; Pintura. Etapas

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1)

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) (1) Responsável Técnico da Citimat Impermeabilizantes Ltda. Citimat Impermeabilizantes

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS PARA RESULTADOS PREMIUM, PORTOKOLL PREMIUM! PortoKoll Premium. Uma linha completa. Cada um dos produtos foi desenvolvido especialmente para uma determinada aplicação, oferecendo

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso 1 Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso Carolina de Lima Accorsi carolaccorsi@hotmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

CIMENTOS COLA ADHERE

CIMENTOS COLA ADHERE CIMENTOS COLA ADHERE Cimentos Cola Adhere. Introdução 03 A utilização de revestimentos cerâmicos como elemento decorativo nas paredes e pavimentos remonta à antiguidade, constituindo uma parte integrante

Leia mais

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Revest. em Ministério argamassa da e Educação gesso 14:54 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Prof. José de Almendra

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

ÚNICA COMO SEU TALENTO. catálogo técnico

ÚNICA COMO SEU TALENTO. catálogo técnico ÚNICA COMO SEU TALENTO catálogo técnico ÚNICA COMO SEU TALENTO Para projetos únicos, conte sempre com a performance superior da Linha Gold. A Linha Gold é única, na versatilidade, variedade e qualidade

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Estudo Dirigido Prof.: Roberto Monteiro de Barros Filho

Estudo Dirigido Prof.: Roberto Monteiro de Barros Filho Materiais e Tecnologia Estudo Dirigido Prof.: Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL 1) Defina o que é o aço inoxidável ou aço inox (Stainless Steel): 2) O que confere ao Aço Inoxidável a maior

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Manifestações patológicas na construção Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Pathology on facades with ceramic coatings Galletto, Adriana (1); Andrello, José Mario (2) Mestre em Engenharia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros

Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros Helena CARASEK Escola de Engenharia Civil/ Universidade Federal de Goiás Brasil hcarasek@eec.ufg.br

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS: ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE OCORRÊNCIA EM ÁREAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM USO EM PORTO ALEGRE

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS: ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE OCORRÊNCIA EM ÁREAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM USO EM PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Alexandra Barcelos Rhod MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS: ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE OCORRÊNCIA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Argamassa colante para assentamento de porcelanato em fachadas externas ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS

Argamassa colante para assentamento de porcelanato em fachadas externas ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS ARGAMASSA COLANTE PARA ASSENTAMENTO DE PORCELANATO EM FACHADAS EXTERNAS OBJETIVO: Desenvolver argamassa à base cimentícia para fixação de placas cerâmicas (porcelanato) e granitos em fachadas externas.

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

Relatório de Vistoria

Relatório de Vistoria Relatório de Vistoria Cond. Ed. Centro Médico Empresarial Rua Vicente Nogueira Braga, 324, Fátima, Fortaleza/CE Setembro/2012 1 Índice: 01. Informações iniciais; 02. Patologias, diagnóstico técnico com

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

ESTUDO DA INTERFACE ENTRE AZULEJOS E ARGAMASSAS DE CAL

ESTUDO DA INTERFACE ENTRE AZULEJOS E ARGAMASSAS DE CAL ESTUDO DA INTERFACE ENTRE AZULEJOS E ARGAMASSAS DE CAL Nayara Gracyelle Dias 1 (nagradi@hotmail.com) Helena Carasek 2 (hcarasek@gmail.com) Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil Resumo: Em Portugal,

Leia mais

Revestimento com. Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146. Universidade Santa Cecília Santos / SP

Revestimento com. Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146. Universidade Santa Cecília Santos / SP Revestimento com Pastilhas Aluno(s): Angélica Silva Ra: 090893 Cristina Candido Ra: 079802 Tina Aguiar Ra: 088146 2014 Santos / SP 1 Pastilhas Características Básicas Dimensões reduzidas (2,5 a 5,0cm);

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Luís Silva Dina Frade Nelson Moreira Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais AICCOPN, Porto, 2014.03.13

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando necessidades e soluções. Foi exatamente por pensar assim

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009

MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009 MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009 PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON. OBRA: ENDEREÇO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REALIZAR REFORMA E ADEQUAÇÃO NA

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL. Miriã Aquino

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL. Miriã Aquino CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL Miriã Aquino Belo Horizonte 2014 1 SUMÁRIO: APLICAÇÕES... 3 Paredes:... 3 Separação de Ambientes internos... 4 Isolamento Acústico Superior... 8 Isolamento

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

Sistema de Fachada Knauf Aquapanel Garanta-se, escolha AQUAPANEL

Sistema de Fachada Knauf Aquapanel Garanta-se, escolha AQUAPANEL FACHADAS KNAUF AQUAPANEL 07/2011 Sistema de Fachada Knauf Aquapanel Garanta-se, escolha AQUAPANEL Uma forma melhor e mais fácil de construir A demanda atual por construções com alta eficiência energética,

Leia mais

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Steel frame - fechamento (parte 3)

Steel frame - fechamento (parte 3) Página 1 de 6 Steel frame - fechamento (parte 3) Hotel Villa Rossa, fechamento em steel frame No segundo artigo desta série sobre steel frame, abordamos a estrutura da edificação. Nela são aplicadas as

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície Linha P05 Cime Endurecedor mineral de superfície 1 Descrição. Composto granulométrico à base de cimento e agregados selecionados de origem mineral e/ou mineral metálica, para aplicações em sistema de aspersão

Leia mais

ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS

ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS 1 ÍNDICE AGAMASSAS COLANTES...5 basic... aditivada...9 grês...11 extra...13 extra branca...15 acqua protect...1 performance...19 performance branca...21 fluida branca...23 rápida

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

ADEQUAÇÃO DOS ELEMENTOS DE ACABAMENTO

ADEQUAÇÃO DOS ELEMENTOS DE ACABAMENTO Professor: Luis Lancelle 1 de 52 ADEQUAÇÃO DOS ELEMENTOS DE ACABAMENTO Prof. Luis Lancelle Professor: Luis Lancelle 2 de 52 EMENTA I Elementos de Acabamento 1.1 Objetivos, usos e aplicações 1.2 Tipologias:

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias Aspectos técnicos e jurídicos Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

COORDENAÇÃO MODULAR. Arq.EST Consultoria & Projetos CLAUDIA PRATES FARIA ARQUITETA

COORDENAÇÃO MODULAR. Arq.EST Consultoria & Projetos CLAUDIA PRATES FARIA ARQUITETA PROJETO COMPATIBILIZADO E MODULADO PARA ALVENARIAS DE VEDAÇÃO EM BLOCOS DE CONCRETO - GANHOS NA EXECUÇÃO INTRODUÇÃO Cada vez mais, no mercado da construção civil, um bom projeto deve reunir informações

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

MEMORIAL DESCRITIVO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES MEMORIAL DESCRITIVO Contratante: Federação das Indústrias do Estado Santa Catarina CNPJ: 83.873.877/0001-14 Empreendimento: Edifício Sede do Sistema FIESC Endereço: Rua Admar Gonzaga, nº 2765 Bairro Itacorubi

Leia mais

Placa Cimentícia. Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR

Placa Cimentícia. Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR Placa Cimentícia Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR Placa Cimentícia Impermeabilizada RECOMENDAÇÃO INICIAL civil para o dimensionamento de qualquer tipo de reforma ou construção, principalmente aquelas

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/100/imprime31592.asp

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/100/imprime31592.asp 1 de 11 01/11/2010 22:14 Juntas em drywall O termo drywall é aqui adotado para designar genericamente sistemas construtivos de paredes internas não-estruturais constituídas de chapas de gesso acartonado

Leia mais

Nº 170768. www.ipt.br

Nº 170768. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 170768 Patologia de paredes dry-wall: formas de prevenção Claudio Vicente Mitidiéri Filho Trabalho apresentado no Seminário Patologias Precoces de Obras: o Risco do Passivo Técnico

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

TOTAL GERAL OBRAS CIVIS COM BDI MÉDIO INDICADO PELO TCU CONFORME TABELA 17 DA RESOLUÇÃO TC 025.990/2008-2 (24,50%) 100,00% 2.046.

TOTAL GERAL OBRAS CIVIS COM BDI MÉDIO INDICADO PELO TCU CONFORME TABELA 17 DA RESOLUÇÃO TC 025.990/2008-2 (24,50%) 100,00% 2.046. DE PARTE DOS BLOCOS "SALAS DE AULA", "CENTRO DE LIDERANÇA" E "ALOJAMENTO PROFESSORES - BLOCO 6" NA ESCOLA SESC DE ENSINO MÉDIO ITEM DISCRIMINAÇÃO % DO TOTAL PREÇO TOTAL 01 SERVIÇOS PRELIMINARES 26,56%

Leia mais

Quadra 5 Piscina x x x Ver tabela 6 Solidez/ Segurança x Ver tabela da Edificação 3

Quadra 5 Piscina x x x Ver tabela 6 Solidez/ Segurança x Ver tabela da Edificação 3 Sistema 6 meses 1 ano 2 anos 3 anos 5 anos Observações Esquadrias de x x x Ver tabela Alumínio 3 Esquadrias de x Ver tabela Madeira 3 Esquadrias de x Ver tabela Ferro 3 Revestimentos x x x Ver tabela de

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Desde os primórdios do surgimento humano, a sua necessidade de proteção, seja dos

1 INTRODUÇÃO. Desde os primórdios do surgimento humano, a sua necessidade de proteção, seja dos 16 1 INTRODUÇÃO Desde os primórdios do surgimento humano, a sua necessidade de proteção, seja dos animais ou das intempéries, o impulsionou em busca de um abrigo. No decorrer dos tempos à idéia de proteção

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

Placas Isolantes para uso em chaminés, lareiras e permutadores de calor e construção. Material Dois em um. Placas Isolantes

Placas Isolantes para uso em chaminés, lareiras e permutadores de calor e construção. Material Dois em um. Placas Isolantes Placas Isolantes Placas Isolantes para uso em chaminés, lareiras e permutadores de calor e construção Material Dois em um Portas de inspeção Portas de inspeção e acesso para limpeza, com o mesmo acabamento

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais