3 Camada de ligação de dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Camada de ligação de dados"

Transcrição

1 3 Camada de ligação de dados Interfaces e transmissão de dados 3 Camada de ligação de dados 1/28

2 3.1 Sincronismo detecção e cor recção de err os Interfaces e transmissão de dados 3.1 Sincronismo, Detecção e Correcção de Erros 2/28

3 3.1.1 Transmissão assíncrona e síncr ona de dados Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona e síncrona de dados 3/28

4 Tabela ASCII Interfaces e transmissão de dados Introdução Alfabeto ASCII para transmissão de dados Tabela Standard Codifica 7 bit = 2 7 = 128 caracteres Tabela Extended Codifica 8 bit = 2 8 = 256 caracteres Outras Codificações: EBCDIC IBM 8 bit IA5 ITU-T 7 bit Etc. Mais informações: 4/28

5 Introdução Interfaces e transmissão de dados Introdução Transmissão assíncrona de dados (caracter a caracter) Os relógios do emissores e receptor não estão sincronizados (independentes) Cada caracter (7 ou 8 bits) é tratado independentemente das transições do sinal digital (relógio) O Receptor sincroniza-se no início de cada caracter recebido Dois níveis de sincronismo: de bit/caracter (Nível 1) e de trama (Nível 2) Mensagens (tramas) são delimitadas por caracteres de controlo do alfabeto ASCII ou EBCDIC Utilizada quando os fluxos de dados a transmitir são gerados em intervalos aleatórios Ex: Comunicação entre Terminal e Computador central. Comunicação entre PC s utilizando a porta RS232C Este modo é orientado ao caracter. (Além de transmitirem caracter a caracter, utilizam carcacteres de texto do afabeto ASCII para controlo / delimitação de tramas) 5/28

6 Interfaces e transmissão de dados Introdução Transmissão síncrona de dados Os relógios do emissores e receptor estão sincronizados (O relógio do receptor depende do relógio do emissor) Cada bloco de bits (trama) é tratado como uma emissão contígua de dados O Receptor mantêm-se sincronizado com o feixe de bits recebido durante todo o bloco (trama). O Sincronismo pode ser efectuado de duas formas: 1 Recorrendo a dois pares de fios adicionais para envio do sinal de relógio (Exemplo das séries V e RS -> V.35, RS Através dos sinais RxClk e TxClk e ExtClk) 2 Recorrendo à utilização de códigos auto-sincronizáveis (Exemplo: Manchester nas redes locais, HDB3 para Longa distância...) Este modo pode ser: orientado ao bit e orientado ao caracter. Ex: Orientadas ao caracter: (em desuso) Redes antigas de computadores e terminais Orientadas ao bit: - Redes locais e redes públicas de dados 6/28

7 Transmissão assíncrona de dados Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados (start /stop) 7/28

8 Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados Sincronismo efectuado caracter a caracter (grupos de 7 ou 8 bits de informação) e bit a bit Utilizada entre o Terminal e o computador central ou entre o terminal e o equipamento de acesso à rede. e o equipamento de acesso à rede. A linha está no estado IDLE durante relativamente grandes períodos de tempo Não utilizada entre nós de rede ou entre Computadores centrais - Start bit: - 1ª transição 1->0 (Mark -> Space) após Período Idle - Duração de 1 tempo de bit - Stop bit: - Linha a 1 (Mark) - Duração de 1,1.5 ou 2 tempos de bit - Cada caracter ASCII encapsulado entre Start e Stop bit - Constituídos por 7 ou 8 bits (ex: ASCII) - Amostragem (relógio) centro de cada bit 8/28

9 Interfaces e transmissão de dados Variação no relógio receptor Transmissão assíncrona de dados Efeitos da variação do relógio no receptor relativamente ao emissor Devido aos relógios não sincronizados (free running) Relógio do receptor pode-se atrasar ou adiantar relativamente ao emissor Esta variação conduz a erros na transmissão dos dados Basta um único erro de bit para todo o bloco de 7 ou 8 bits se corromper Relógio do receptor mais rápido (adiantado) relativamente ao emissor Relógio do emissor Relógio do receptor 9/28

10 Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados Efeitos da variação do relógio no receptor relativamente ao emissor Desvio máximo do relógio no receptor (Depende de n ) TxC RxC Idle 0,5 T s 1,5 T s2,5 T s,5 T s Start bit 0,5 T r,5t r 3 4,5 T s5,5 T s 6,5 T s 7,5 T s8,5 T s 9,5 T s O desvio máximo permitido do relógio no receptor relativamente ao do emissor deve ser ± tempo bit no final do 2 último bit - Cálculo do intervalo de variação máximo do relógio no receptor relativamente ao do emissor: Tr 9 Ts < 9,5Tr < 10Ts < < ou nt s < ( n + 0,5) T r < ( n + 1) T s Ts - Neste caso, o desvio máximo permitido no período de RxC = ±5,3 % Generalizando: Stop bit 1 2,5 T 3,5 T r r 4,5 T r 5,5 T r6,5t r 7,5T r8,5 T r9,5 T r n Tr n + 1 < < n + 0,5 T n + 0,5 s (4.1) Ou desvio máximo (segundos) tem que ser menor que metade de Ts ao fim de n bits: Ts 1 n < ± < ± (4.2) 2 2. r. n b Ts Tr n 9 T s 10 Idle T s Período de TxC = Duração de bit Período de RxC = Duração de bit Desvio (segundos) entre relógio Rx e Tx Nº de bits constituintes do bloco de dados e paridade (excepto start e stop bit = Início e fim do sincronismo) 10/28

11 OverHead de sincronismo Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados OverHead provocado pelos caracteres de sincronização A percentagem de OverHead relativa ao sincronismo é expressa por Nº Bits para sincronism o OverHead = 100 % Nº total de bits transmiti dos A percentagem de OverHead de sincronismo para o caso de 8 bits + 1 Start bit e 1 Stop bit é: Considerações sobre transmissão assíncrona de dados 2 OverHead = = 10 20% Quanto maior o nº de bits da mensagem, menor será o desvio máximo admissível do relógio Rx relativo a Tx (ver equação 4.2) O OverHead neste tipo de transmissão é elevado, limitando a eficiência. 11/28

12 Exemplos práticos Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados Sincronismo de bit na prática Na prática, para facilitar os circuitos de sincronização, o relógio do receptor é multiplicado por 8 ou 16 amostras por bit (Frequência 8 ou 16 vezes o ritmo binário de transmissão) 12/28

13 Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados Sincronismo de bit na prática A decisão no receptor é tomada após atingir a maioria dos ciclos de relógio por cada tempo de bit O valor a decidir para cada bit é a média dos valores de cada amostra 13/28

14 Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados Sincronização de trama para de blocos de dados contendo caracteres de texto Encapsulamento dos blocos com dois caracteres especiais STX/ETX Além da sincronização de bit/caracter (Start /Stop),sincronização de trama (STX/ETX) Os caracteres STX/ETX são caracteres de controlo (não visíveis) do alfabeto ASCII STX- Start of Text Sinaliza o início de uma trama de informação (ou dados) ETX- End of Text Sinaliza o final de uma trama de informação (ou dados) Trama de dados 14/28

15 Interfaces e transmissão de dados Transmissão assíncrona de dados Transparência dos dados Transparência dos dados na transmissão orientada ao caracter No caso de transmissão binária, um conjunto de 8 bit pode coincidir com os caracteres STX e ETX Conduz a que o receptor termine a recepção incorrectamente Solução: Introduzir um novo caracter de controlo: DLE (data link escape) na transmissão binária de dados: Preceder STX e ETX pelo caracter DLE Trama de dados Caracter stuffing ou byte stuffing Emissor: Após a transmissão da sequência DLE- STX, inspecciona cada byte na trama antes de emitir para verificar se este é igual ao caracter DLE. Caso o seja, é introduzido um segundo DLE antes do próximo byte. Caracter ou byte stuffing Receptor: Após recepção da sequência DLE-STX (início de trama), caso encontre um DLE, vai verificar o próximo byte. Se fôr DLE, descarta-o e continua. Se fôr ETX significa o final da trama. 15/28

16 Transmissão Interfaces e transmissão de dados síncrona de dados Transmissão síncrona de dados 16/28

17 Sincronização de bit Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona de dados Sincronização de bit (Nível 1) Relógio fornecido por condutores separados do sinal Ex: Séries V do ITU-T (V.35, V.36, etc..) curtas distâncias ou ligação a modems para WAN s Relógio embebido no sinal (clock encoding codes) Sinal tem todas as transições de relógio Adequado a redes locais (LAN) Ex: Códigos Manchester bipolar e diferencial Relógio mantido em sincronismo com o sinal Sinal tem algumas das transições de relógio Adequado a redes alargadas (WAN) Ex: AMI, B8ZS, HDB3, 2B1Q, 4B3T Códigos auto sincronizáveis 17/28

18 Series V Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona de dados Sincronização de bit Relógio fornecido por condutores separados do sinal Exemplos de configurações para interfaces séries V ou RS DTE 114 / 115 DCE Nº Circuito ITU-T Sinal Pino Sentido Pino Sinal Nº Circuito ITU-T 103 Tx 2 2 Tx Rx 3 3 Rx Txclk Txclk Rxclk Rxclk 115 Gerador de sinal de relógio Apenas DCE gera relógio Ambos os equipamentos geram relógio DCE Denominação ITU-T 113 -> Sinal relógio relativo a TX sentido DTE->DCE 114 -> Sinal relógio relativo a TX sentido DCE->DTE 115 -> Sinal relógio relativo a RX sentido DCE->DTE 114 / 115 Cruzada DCE Nº Circuito ITU-T Sinal Pino Sentido Pino Sinal Nº Circuito ITU-T 103 Tx 2 3 Rx Rx 3 2 Tx Txclk Rxclk Rxclk Txclk 114 Gerador de sinal de relógio Gerador de sinal de relógio 18/28

19 LANS Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona de dados Sincronização de bit Relógio embebido no sinal LAN s (Manchester, etc...) Emissor com codificação de relógio Receptor com extracção de relógio (oscilador local sincronizado com o emissor) DPLL -> Utiliza as transições 1->0 e 0->1 para manter o oscilador local sincronizado ao longo de um período de tempo relativamente longo 19/28

20 Sincronização de trama Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona de dados Sincronização de trama (Nível 2) Transmissão síncrona orientada ao caracter -Utilizam caracteres especiais de controlo para obtenção de sincronismo de bit e trama (SYN) -Usada no início em transferência ficheiros ASCII -Utilizam padrões de bits para delimitar a trama (FLAGs) (Sinc. de trama) Transmissão síncrona orientada ao bit -Utilizam padrões de bits antes da trama (preâmbulo) para sincronizar o receptor (Sinc. de bit) -Usada em transferência binária de dados 20/28

21 Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona de dados Transmissão síncrona orientada ao carácter Transmissão síncrona orientada ao caracter Devido à ausência de caracteres START/STOP são adicionados caracteres de sincronismo (SYN) antes de cada bloco de dados Trama delimitada pela sequência de caracteres DLE-STX e DLE-ETX para transmissão binária de dados Formato da trama Caracteres de sincronização Início da trama Dados Fim da trama Relativamente ineficiente devido à introdução de caracteres adicionais de sincronismo 21/28

22 Interfaces e transmissão de dados Transparência dos dados Transmissão síncrona de dados Transmissão síncrona orientada ao caracter Obtenção do sincronismo: 1º Hunt, depois sincronismo Transparência dos dados: Character stuffing como na Transmissão assíncrona Transparência dos dados (Character Stuffing) 22/28

23 Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona orientada ao bit Transmissão síncrona de dados Transmissão síncrona orientada ao bit Método universal para transmissão de dados binários e de caracteres ASCII, EBCDIC, etc. Mais eficiente que o orientado ao caracter Utilização em topologias ponto a ponto e ponto multiponto Utilização em redes locais (LAN) e alargadas (WAN) Sincronismo de trama orientado ao bit Métodos para sincronismo de trama Delimitação da trama por FLAGS: padrão = (WAN s) Delimitação da trama por SOF (start of frame): padrão = e indicação de comprimento (LAN s) Delimitação da trama por violações de código (LAN s) padrão = padrão = /28

24 Interfaces e transmissão de dados Delimitação por flag e transparência dos dados Transmissão síncrona de dados Transmissão síncrona orientada ao bit Delimitação por FLAG Transparência dos dados (Bit Stuffing) De modo a garantir que o padrão de bits da flag não surge dentro da trama recorre-se à inserção de 1 zero após um padrão de 5 1 s consecutivos (bit stuffing) antes da transmissão. Na recepção este zero é removido ( O receptor ao receber 5 1 s consecutivos seguidos de 1 zero, remove este zero. 24/28

25 Delimitação por SOF e Violação de código Interfaces e transmissão de dados Transmissão síncrona de dados Transmissão síncrona orientada ao bit Delimitação por SOF e indicador de comprimento Delimitação por violação de código (exemplo: Manchester) J: Significa que o nível do sinal mantêm-se igual ao nível anterior durante todo o período de bit (em vez de ½ período) K: Significa que o nível do sinal mantêm-se oposto ao nível anterior durante todo o período de bit (em vez de ½ período) 25/28

26 Interfaces e transmissão de dados Exercicios aplicação Exercicios de aplicação 1) Considere uma transmissão de dados em que se pretende enviar o conjunto de caracteres: 112(espaço), codificado da seguinte forma: ; ; Espaço: ; (Nota: STX ; ETX ) a) Admitindo que se recorre a transmissão assíncrona, caracter a caracter, utilizando 8 bits de dados, um start bit e dois stop bit, escreva a sequência de bits que deve ser enviada para a linha codificada em NRZ-L polar, incluindo a delimitação que achar conveniente para garantir o sincronismo de caracter. b) Calcule o o desvio máximo percentual que o relógio do receptor pode ter relativamente ao relógio do emissor de modo a que não existam erros. (Acompanhe a resposta com um diagrama que fundamente os cálculos efectuados) b) Calcule o comprimento máximo em bits de cada caracter, de modo a garantir um desvio máximo de % do relógio do receptor relativamente ao relógio do emissor. c) Calcule a fracção da capacidade do canal utilizada para sincronismo de caracter e de trama (Overhead de sincronismo), no envio da mensagem. d) Admita agora que se utiliza uma transmissão síncrona orientada ao bit. Explique a finalidade e o funcionamento do mecanismo bit stuffing. Escreva a sequência binária transmitida, assinalando as flags e os eventuais bits stuffed. 26/28

27 Interfaces e transmissão de dados Referências Stallings Data and Computer communications Cap. VI (Transmissão de dados e correcção de erros) Ahmad Data Communications Principles for fixed and mobile networks Cap. V (Camada ligação dados ) Leon Garcia Communication Networks, Cap. III (Detecção e correcção de erros) Halsall Data Communications, Computer Networks and Open Systems 4th Edition Cap. III (Transmissão de dados) Tanembaum Computer Networks 4th Edition Cap. II (data link layer) Glover & Grant Digital Communications Cap. X (Transmissão de dados) Purser Introduction to error correction codes Cap. I (Introduction) Gilbert Held Data Communications Networking devices Cap I (Error Detection and Correction) 27/28

28 Interfaces e transmissão de dados FIM 28/28

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Transmissão de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Códigos de caracteres A informação é manuseada em blocos de 8 bits (bytes

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/37 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Camada física do modelo OSI 2/37 Interfaces série entre utilizador e rede DTE (Data terminal

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/51 2.3 Codificação dos dados 2.3 Codificação dos dados 2/51 2.3.1 Fonte de dados digital transmissão de dados digital Códigos de

Leia mais

CODIFICADORES / DECODIFICADORES

CODIFICADORES / DECODIFICADORES CODIFICADORES / DECODIFICADORES Uma grande parte dos sistemas digitais trabalha com os níveis lógicos (bits) representando informações que são codificadas em bits. Exemplo: computador trabalha com informações

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio I Introdução e modelos de Referência (OSI e TCPIP) ) Considere um sistema de comunicação, cuja arquitectura é baseada num modelo hierárquico e constituído por 4 camadas numeradas de a 4 (da inferior para

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Aula Prática Bit stuffing, CRC e IP 1 Introdução 1.1 Framing O nível de ligação de dados utiliza o serviço fornecido

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Códigos de Detecção e Correcção de Erros

Códigos de Detecção e Correcção de Erros Códigos de Detecção e Correcção de Erros Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Manuela Rodrigues M1379 Detecção e Correcção de Erros Características dos Erros Possíveis Abordagens Códigos de Detecção

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Transmissão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Transmissão Transmissão é a técnica que é utilizada para enviar um sinal entre os dois pontos envolvidos

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 7. Codificadores e Decodificadores. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 7 Codificadores e Decodificadores SEL 44 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Códigos/Decodificadores CÓDIGOS: l Conjunto organizado de sinais em que a informação é transformada

Leia mais

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação Arquitecturas e protocolos de comunicação 1 Arquitecturas e protocolos de comunicação 1/33 Arquitectura dos protocolos de comunicações Arquitectura do sistema de comunicação É um bloco complexo de software

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

2 Tecnologias de redes locais

2 Tecnologias de redes locais 2 Redes locais 2 Tecnologias de redes locais 1/27 Tecnologias de redes Locais 2.6 REDES locais 2.6 Redes locais 2/27 Tecnologias de redes Locais IEEE802 Normalizações LAN Redes Locais IEEE 802 Normalizações

Leia mais

2 Tecnologias de redes locais

2 Tecnologias de redes locais 2 Redes locais 2 Tecnologias de redes locais 1/27 Tecnologias de redes Locais 2.6 REDES locais 2.6 Rede Ethernet 2/27 Tecnologias de redes Locais IEEE802 Normalizações LAN Redes Locais IEEE 802 Normalizações

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas (6620)

Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Ano Lectivo 2013/2014 * 1º Semestre Licenciatura em Tecnologias e Sistemas da Informação Aula 3 Agenda Códigos detectores e correctores de erros O modelo OSI emissor

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados 3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 1/30 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

Visualizador de Mensagens

Visualizador de Mensagens PROJECTO DE AUTOMAÇÃO Visualizador de Mensagens Pretende-se com este projecto desenvolver a interface de comunicação série com um telemóvel, de forma a permitir o controlo e monitorização de sistemas à

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões

Características. Conteúdo. Ligações. Tabela de Revisões Manual AP-60 2011 Acura Global Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

UNIDADE I Aula 2 - Introdução aos Sistemas de Comunicação: Diagrama, Elementos e Transmissão da Informação. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 2 - Introdução aos Sistemas de Comunicação: Diagrama, Elementos e Transmissão da Informação. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 2 - Introdução aos Sistemas de Comunicação: Diagrama, Elementos e Transmissão da Informação Fonte: Rodrigo Semente Quais elementos estão relacionados a um Sistema de Comunicação? Geralmente,

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DIGITAL

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DIGITAL SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DIGITAL O QUE CARACTERIZA INFORMAÇÃO OU SISTEMA DIGITAL? QUAIS AS VATAGENS DE SISTEMAS DIGITAIS? QUAIS AS DESVANTAGENS DE SISTEMAS DIGITAIS? Vantagens Deteção e Correção Erros:

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232

Comunicação Serial. Comunicação Serial RS232 Comunicação Serial Motivação Diversos dispositivos eletrônicos usam portas seriais para se comunicar com outros dispositivos eletrônicos. Para muitos é a única forma de comunicação. A integração de equipamentos

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/46 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Introdução 2/46 Camada física do modelo Topologias OSI de ligação Tipos de comunicação SIMPLEX

Leia mais

1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Devido à simplicidade e eficiência que podem ser obtidos com sistemas de transmissão banda base, são estes os mais largamente utilizados em comunicação de

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Sistemas Numéricos e Armazenamento de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Outubro de 2006 Sistema de base dez O sistema de numeração

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO UMA AGENDA ELETRÔNICA

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO UMA AGENDA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Centro de Ciências Exatas e Naturais Bacharelado em Ciências da Computação Trabalho de Conclusão de Curso PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA COMUNICAÇÃO DE DADOS SEM FIO UTILIZANDO

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão Ruído exterior Acoplamento indutivo Acoplamento capacitivo Múltiplas ligações à terra Pares entrançados Blindagem Linhas Reflexões na linha Terminação na carga Terminação na fonte Revisões Método de interligações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros REDES DE COMPUTADORES Detecção e Correção de Erros A Camada de Enlace Serviços prestados Serviços da camada de Enlace Encapsulamento Endereçamento Controle de erros Controle de fluxo Controle de acesso

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Comunicação Série e Paralela (14.3 a 14.5) José Monteiro Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

Códigos concatenados. Entrelaçamento. entrelaçadores de blocos. entrelaçadores convolucionais. Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados

Códigos concatenados. Entrelaçamento. entrelaçadores de blocos. entrelaçadores convolucionais. Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados 2.6. Códigos concatenados e entrelaçados Códigos concatenados Entrelaçamento entrelaçadores de blocos entrelaçadores convolucionais Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados Entrelaçamento A maior

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

Deve justificar convenientemente todas as suas respostas.

Deve justificar convenientemente todas as suas respostas. nstituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Secção de Redes de Comunicação de Dados RC (LEC / LESTE) Exame ª Chamada 0/0/06

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos

Leia mais

VIII. VARIÁVEIS. Tabela I ARQUITETURA DA MEMÓRIA. 0x0000 0x34 0x0001 0xB0 0x0002 0x23. 0xFFFF 0x00

VIII. VARIÁVEIS. Tabela I ARQUITETURA DA MEMÓRIA. 0x0000 0x34 0x0001 0xB0 0x0002 0x23. 0xFFFF 0x00 Fundamentos da Programação 32 A. Conceito Variáveis contém dados: VIII. VARIÁVEIS de entrada que o computador precisa manipular; de saída que o computador precisa imprimir; e temporários, utilizados de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 2 Conceitos em Comunicação de Dados

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann

Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann Arquitetura de Computadores Universidade Guarulhos Prof. Erwin A. Uhlmann Guarulhos PLANEJAMENTO EMENTA: Sistemas numéricos. Aritmética binária. Memórias, unidades centrais de processamento, entrada e

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

ANEXO A. Prof. Erico Lisboa 53 http://www.ericolisboa.eng.br

ANEXO A. Prof. Erico Lisboa 53 http://www.ericolisboa.eng.br ANEXO A TABELA ASCII A As tabelas mostradas neste apêndice representam os 256 códigos usados nos computadores da família IBM. Esta tabela refere-se ao American Standard Code for Information Interchange

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Protocolo CAN Controller Area Network

Protocolo CAN Controller Area Network Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Protocolo CAN Controller Area Network Carlo Frederico Campos Danielle Simone Prof. Luiz Affonso Maio / 2005

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Modelos de Referência OSI e TCP/IP Redes Sem Fio e Ethernet Slide 1 Modelo de Referência OSI da ISO ISO (International Standards Organization); OSI (Open Systems Interconnection);

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais 1 Camada de enlace Responsável pela

Leia mais

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação Arquitecturas e protocolos de comunicação 1 Arquitecturas e protocolos de comunicação 1/33 Arquitectura dos protocolos de comunicações Arquitectura do sistema de comunicação É um bloco complexo de software

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

TA4000 FOLHETO DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

TA4000 FOLHETO DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO TA4000 FOLHETO DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO O Telealarme TA4000 foi fabricado e ensaiado com recurso às mais modernas técnicas de produção e controle de qualidade. O completo e exaustivo teste a que foi

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA: TÓP. ESP. EM COMP.: TELEPROCESSAMENTO E REDES DE Validade: A partir de 01/91 Departamento Acadêmico de: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga

Leia mais

1 Arquitectura de redes.modelos de referência OSI e TCP/IP

1 Arquitectura de redes.modelos de referência OSI e TCP/IP 1 Arquitectura de redes 1 Arquitectura de redes.modelos de referência OSI e TCP/IP 1/58 1.1 Introdução. Protocolos de comunicação 1.1 Introdução. Protocolos de comunicação 2/58 Protocolos de comunicação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - CAMADA DE ENLACE DE DADOS 1. INTRODUÇÃO A Camada de Enlace de dados é a camada que lida com quadros, grupo de bits transmitidos pela rede. Ela depende da camada Física para enviar e receber

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

Fast Ethernet. IEEE802.3u MII 100 Base FX 100 Base TX 100 Base T4 100 Base T2 Stackable repeaters Auto-negociação (auto-sensing 10/100)

Fast Ethernet. IEEE802.3u MII 100 Base FX 100 Base TX 100 Base T4 100 Base T2 Stackable repeaters Auto-negociação (auto-sensing 10/100) Fast Ethernet IEEE802.3u MII 100 Base FX 100 Base TX 100 Base T4 100 Base T2 Stackable repeaters Auto-negociação (auto-sensing 10/100) Cablagem UTP CATEGORIA UTP FREQUÊNCIA SUPORTADA 1 Voz até 100 KHz

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 1 Introdução à Comunicação de dados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais