Redes de Computadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores"

Transcrição

1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Aula Prática Bit stuffing, CRC e IP

2 1 Introdução 1.1 Framing O nível de ligação de dados utiliza o serviço fornecido pelo nível físico para fornecer serviço ao nível de rede. O que o nível físico faz é aceitar um novo grupo de bits (bit stream) e tentar enviá-lo para o seu destino. Não é garantido que este grupo de bits não tenha de erros. O número de bits recebido pode ser menor, igual ou maior que o número de bits transmitido, e pode ter valores diferentes. É deixado ao nível de ligação de dados a tarefa de detecção e, se necessário, a correcção de erros. O procedimento usual é o do nível de ligação separar em tramas (frames) o grupo de bits recebido e calcular o checksum de cada trama. Quando uma trama chega ao destino, o checksum é recalculado. Se o novo checksum calculado fôr diferente do contido na trama, o nível de ligação de dados determina que ocorreu um erro e procede de acordo (por ex., descarta a trama e envia uma mensagem de erro). Uma forma de fazer a separação do grupo bits recebido em tramas é a de inserir espaços de tempo (time gaps) entre tramas, tal como os espaços entre palavras em texto. Contudo, as redes raramente dão garantias temporais, por isso é possível que estes espaços sejam eliminados ou que outros espaços sejam inseridos durante a transmissão. Sendo então muito arriscado contar com marcas temporais para início e fim de trama consideram-se os seguintes métodos para separação das tramas: Contagem de caracteres (character count) Caracteres de início e fim, com caracter stuffing Flags de início e fim, com bit stuffing Violação de codificação no nível físico O primeiro método baseia-se na introdução de um cabeçalho onde é indicado o número de bits da trama. Este método tem como desvantagem a do cabeçalho ser alterado devido a um erro de transmissão, o que colocava o receptor fora de sincronismo sendo incapaz de localizar o início da próxima trama. O Segundo método consiste na introdução de uma sequência de caracteres ASCII (DLE ETX) no início e fim da trama e um caracter DLE sempre que a meio da trama ocorra uma sequência que coincida com este caracter. Este método tem como grande desvantagem de estar muito orientado para transmissão de caracteres de oito bits em geral e de código ASCII em particular. Quanto ao último método ele só é aplicável em redes onde a codificação no meio físico contém alguma redundância, pelo que não o vamos abordar. Considerando o atrás exposto, vamos descrever com mais detalhe o terceiro método (bit stuffing). Como nota final queremos referir que muitos protocolos de ligação de dados utilizam uma combinação da contagem de caracteres com um dos outros métodos para garantir um nível de segurança acrescido.

3 2 Bit Stuffing A técnica de bit stuffing permite que as tramas contenham um número arbitrário de bits e que os códigos de caracter tenham um número arbitrário de bits por caracter. Neste método cada trama inicia e termina com um padrão especial, , designado por flag byte. Sempre que o nível de ligação de dados do emissor detecta cinco bits consecutivos a 1 automaticamente insere (stuffs) um bit 0 no conjunto de bits a enviar. Quando o receptor encontra cinco bits consecutivos a 1, seguidos por um bit a 0, automaticamente retira (destuffs) o bit a 0. Se os dados de utilizador contêm a flag padrão, , ela é transmitida como mas é guardada no receptor como A técnica de bit stuffing é completamente transparente para o nível de rede em ambos os computadores. Como exemplo, se quisermos enviar a sequência , ela será transmitida como e recebida como Com bit stuffing os limites entre duas tramas são conhecidos sem ambiguidade através da flag padrão. 3 Detecção e correcção de erros Os erros de transmissão são uma constante quer ao nível de sistemas analógicos ainda em uso quer nas comunicações sem fios que se tornam cada vez mais comuns. Como resultado dos processos físicos que os geram, os erros em alguns meios (ex, radio) tendem a ocorrer em rajadas em vez de isoladamente. A ocorrência de erros em rajada tem vantagens e desvantagens sobre Existem duas estratégias básicas de tratamento de erros. Uma é a de incluir a redundância necessária em cada bloco de dados enviado para permitir que o receptor deduza qual o caracter errado. O outro é incluir a redundância apenas suficiente para permitir ao receptor deduzir que ocorreu um erro mas sem saber que erro, para fazer o pedido de retransmissão. A primeira estratégia usa códigos de correcção de erros ao passo que a segunda usa códigos de detecção de erros. Vamos apenas debruçarmo-nos sobre a segunda, os códigos de detecção de erros. 3.1 Códigos de detecção de erros Os códigos de detecção de erros são por vezes usados para transmissão de dados onde, por exemplo, o canal é simplex e por isso as retransmissões não podem ser pedidas, mas muitas vezes a detecção de erros seguida de pedido de retransmissão é preferida devido à sua maior eficiência. Um dos métodos de detecção de erros mais utilizado é o código polinomial também conhecido por código CRC Cyclic Redundancy Code. Os códigos são baseados no processamento das bit strings como representações de polinómios com coeficientes 0 e 1. Uma trama de k bits é considerada como uma lista de coeficientes de um polinómio com k termos entre x k-1 e x 0. Um polinómio deste tipo diz-se de grau k-1. O bit de ordem superior (mais à esquerda) é o coeficiente de x k-1 ; o bit seguinte o coeficiente de x k-2 e assim sucessivamente. Por exemplo, tem 6 bits representando por isso um polinómio com seis termos cujos coeficientes são 1, 1, 0, 0, 0 e 1: x 5 + x 4 + x 0.

4 Entre os polinómios utiliza-se aritmética de módulo 2: tanto a adição como a subtracção são idênticas ao OU EXCLUSIVO; a divisão é efectuada como em binário excepto as subtracções que também são efectuadas com OU EXCLUSIVO; diz-se que um divisor cabe no dividendo se este tiver tantos bits como o divisor. Quando se aplica um método de código polinomial, o emissor e o receptor têm que acordar previamente sobre um polinómio gerador, G(x). Ambos os bits de ordem superior e inferior têm que ser 1. Para calcular o checksum de uma trama com m bits, correspondente ao polinómio M(x), a trama deve ser maior que o polinómio gerador. A ideia é a de acrescentar um checksum no fim da trama de forma a que o polinómio representado pela trama, já com o checksum, seja divisível por G(x). Quando o receptor recebe a trama com o checksum incluído tenta dividi-la por G(x). Se o resultado da divisão não tiver resto zero é porque houve um erro de transmissão. O algoritmo para o cálculo do checksum é o seguinte: - Consideremos que r é o grau de G(x). Acrescentam-se r bits 0 no lado de ordem inferior da trama, ficando a trama com m + r bits correspondentes ao polinómio x r M(x). - Divide-se a bit string correspondente a x r M(x) pela bit string G(x) usando a divisão de módulo 2. - Subtrai-se o resto (que tem sempre r ou menos bits) da bit string correspondente a x r M(x) usando subtracção de módulo 2. o resultado é a trama, já com o checksum, que será transmitida. O seu polinómio é designado por T(x) que é sempre divisível por G(x). Como exemplo consideremos a trama e G(x) = x 4 + x + 1. Trama: Gerador: Mensagem depois de acrescentar 4 (ordem do polinómio gerador) bits 0:

5 Resto: Trama transmitida: Existem três polinómios geradores que se tornaram normas internacionais: CRC-12 = x 12 + x 11 + x 3 + x 2 + x + 1 CRC-16 = x 16 + x 15 + x CRC-CCITT = x 16 + x 12 + x5 + 1 O CRC-12 é usado quando o caracter tem um comprimento de 6 bits. Os outros dois são usados quando os caracteres são de 8 bits. Um checksum de 16 bits, como CRC-16 e CRC-CCITT, detectam todos os erros simples e duplos, todos os erros com um número impar de bits, todos os erros em rajada de comprimentos igual ou inferior a 16, % de erros em rajada de 17 bits de comprimento e % de erros em rajada de comprimento igual ou superior a18 bits. 4 O protocolo IP O IP (Internet protocol) é o protocolo base utilizado em toda a Internet. A principal função do protocolo IP é definir uma norma de pacotes universal, independente do hardware de comunicações, que são sempre tratados de forma uniforme pelos protocolos de nível superior. Cada pacote IP possui um cabeçalho com todos os dados necessários para o enviar, incluindo o endereço de origem, o endereço de destino, o seu tipo, a dimensão, um número de sequência e alguma informação de controlo.

6 Para suportar os diversos tipos de hardware, forma criados vários protocolos de mais baixo nível, que servem para encapsular pacotes IP e enviá-los pelos diferentes meios de comunicação. 4.1 Endereços IP Um endereço IP é composto por quatro números entre 0 e 255, que identificam um nó da rede e um número entre 0 e que identifica um porto de ligação. Os portos são necessários, porque cada computador pode possuir muitos programas e serviços de rede a funcionar ao mesmo tempo. Cada serviço ou cada programa de comunicações utiliza (pelo menos) um porto IP. O endereço :80, por exemplo, representa o oprto 80 do computador O porto 80 costuma ser usado pelos servidores Web. Por norma os servidores ftp costumam estar associados ao porto 21, os servidores de e- mail ao porto 25 e o serviço telnet, que permite fazer login pela rede, ao porto 23. Os portos numerados de 1 a 1024 foram reservados para os serviços do sistema, enquanto os portos 1025 a são utilizados pelas aplicações normais. Em consequência disso, só um superutilizador possui privilégios para usar os primeiros 1024 portos. 4.2 Sub-redes O encaminhamento dos pacotes dentro das redes locais é extremamente simples, porque todos os nós da rede estão ligados ao mesmo BUS. Basta enviar os pacotes pela placa Ethernet, que estes chegam imediatamente ao seu destino. Nas redes de grande dmensão, como a Internet, o encaminhamento é bastante mais complicado. Em vez de estarem todos ligados ao mesmo BUS, os nós encontram-se distribuídos por todo o mundo. Para piorar a situação, estão interligados por uma teia de ligações ponto a ponto, que possui uma estrutura muito irregular. Para enviar informação de um nó para outro, é necessário conhecer um caminho, que pode passar por muitos nós, antes de chegar ao destino. Para resolver este problema, foi criado o conceito de sub-redes, que permite partir uma rede grande em várias zonas. Este conceito aplica-se à própria Internet, que é uma rede global, dividida em milhares de sub-redes. Uma sub-rede é uma zona de uma rede maior. A cada sub-rede é atribuída uma faixa de endereços consecutivos, que serão usados para identificar os nós (computadores) que fazem parte dessa zona. As sub-redes são identificadas por um endereço base e uma máscara de rede (netmask). O endereço base é o número mais baixo da gama de endereços reservada para essa subrede. A máscara serve para delimitar os extremos da gama de endereços atribuída à subrede. Os quatros números de 0 a 255 (4 bytes / 32 bits) que constituem o endereço IP estão divididos em duas partes: a primeira parte identifica a sub-rede e a segunda parte identifica cada nó dentro da sub-rede. A máscara de rede é utilizada para fazer a separação entre essas duas partes. Por exemplo, o endereço , como todos os endereços, é composto por duas partes. Contudo, só podemos fazer a devisão entre as duas partes se conhecermos a máscara da respectiva sub-rede.

7 Para exemplificar, vamos supor que a máscara é Com este valor, iremos concluir que os primeiros três bytes ( ) correspondem à sub-rede, enquanto o último byte (104) serve para identificar o nó dentro da sub-rede. Para compreender o significado destes números, temos que traduzir o valor da máscara de numeração decimal para binária: = Numa máscara os 1 s determinam a parte do endereço que define a sub-rede, enquanto os 0 s definem os dígitos que distiguem o endereço de cada nó. Desta forma, a sub-rede vai possuir a seguinte gama de endereços Endereço base Primeiro nó Segundo nó Penúltimo nó Último nó Endereço de broadcast O endereço base de uma sub-rede é sempre o endereço mais baixo da sua gama de endereços. Esse endereço identifica a própria sub-rede e por esse motivo nunca costuma ser atribuído a nenhum nó. Por outro lado, o endereço mais alto de uma sub-rede também não pode ser atribuído a nenhum nó, porque é utilizado para fazer broadcast. O endereço de broadcast representa todos os nós da sub-rede e pode ser usado para enviar mensagens destinadas a todos os computadores dessa sub-rede. Quando pretendemos determinar o número máximo de nós que poder ser atribuído a uma sub-rede, começamos por contar o número n de algarismos binários iguais a 0 da respectiva máscara. O número máximo de combinações que podem ser geradas com esses dígitos é sempre igual a 2 elevado a n. Como temos que excluir o endereço da própria sub-rede e o endereço de broadcast, ficamos com 2 n -2 endereços disponíveis para atribuir aos nós. Para exemplificar, vamos observar o endereço de uma sub-rede com máscara Ao converter a máscara para numeração binária, obtemos o valor: = Isto significa que os primeiros dois bytes do endereço determinam a sub-rede e os restantes dois bytes identificam cada nó. Observando o endereço inicial, concluímos que os valores definem a sub-rede, enquanto os valores 5.47 identificam o nó. Como consequência, o endereço base desta sub-rede é Os 16 algarismos binários que ficaram livres para identificar os nós, permitem criar combinações diferentes. De acordo com a regra anterior, podemos concluir que o número máximo de nós que esta sub-rede suporta é igual a esse valor, subtraído de duas unidades:

8 5 Exercícios 1 Qual a sequência de bits que é enviada para o canal de comunicação, quando se aplica o procedimento de bit-stuffing à sequência ? Considere que a flag é a sequência Considere uma ligação em que é recebida a seguinte sequência de bits foi recebida. Considere que a flag é a sequência Nota: 1 n representa n 1 s consecutivos. a) Remova os bits inseridos pelo procedimento bit-stuffing, de modo a recuperar a sequência original. Assinale eventuais flags. b) Individualize os blocos de bits de informação que serão passados ao nível superior do nível de trama. 3 Foi recebida a seguinte sequência: (o primeiro bit recebido foi o da esquerda). a) Assinale as flags presentes. b) Remova os bits inseridos pelo procedimento de bit-stuffing. c) Decida sobre a aceitação da trama, tendo em conta que o polinómio gerador é x 3 +x Considere que a flag é a sequência Calcule a FCS que deve ser acrescentada à mensagem , em que o primeiro bit a transmitir é o da direita, sendo o polinómio gerador x4+x Considere o seguinte cabeçalho IP (em hexadecimal): B 48 E A0 8F 2B 1A E7 05 1A a) Qual o endereço IP da fonte (no formato decimal pontuado)? b) E o destino (na mesma apresentação)? c) Qual é, em decimal, o comprimento do datagrama? Em que unidades? d) Qual o valor em decimal e o nome do protocolo transportado por este datagrama? e) Qual o tipo de serviço (Type Of Service TOS) incluido neste cabeçalho? f) Em decimal qual é o valor do TTL (Time To Live)?

9 6 Considere o endereço IP e a máscara (subnet mask) Associado a este endereço IP: a) Qual é o endereço de rede? b) Qual é o endereço de difusão (broadcast) da rede do host? c) Qual é o número do host? 7 Um administrador de rede IP decidiu utilizar uma máscara Faça o raciocínio inverso do administrador para justificar a escolha. 8 Um router tem a seguinte tabela de encaminhamento: Rede Máscara Interface Interface Interface Router 2 <Default> (i.e., quando não sabe) Router 3 O que faz (i.e. para onde transmite) este router quando recebe um datagrama IP com os seguintes endereços: , , , , , ? 9 Suponha que num endereço de classe B eram utilizados 20 bits em vez de 16 para a parte de rede. Isto permite ter quantas subredes e quantos hosts en cada subrede? 10 Um endereço de classe B tem a máscara (subnet mask) Qual é o número máximo de hosts por subrede?

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede Guia Internet de Conectividade - Cyclades - Endereçamento IP - página 1 9.5. Identificação dos Hosts em uma rede Todo sistema ou host que você quiser conectar em sua rede deve ter uma única identificação

Leia mais

A máscara de sub-rede pode ser usada para dividir uma rede existente em "sub-redes". Isso pode ser feito para:

A máscara de sub-rede pode ser usada para dividir uma rede existente em sub-redes. Isso pode ser feito para: Fundamentos: A máscara de pode ser usada para dividir uma rede existente em "s". Isso pode ser feito para: 1) reduzir o tamanho dos domínios de broadcast (criar redes menores com menos tráfego); 2) para

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Endereçamento IP 09/05/2014. Endereçamento IP CLASSE B CLASSE A CLASSE A CLASSE C

Endereçamento IP 09/05/2014. Endereçamento IP CLASSE B CLASSE A CLASSE A CLASSE C Endereçamento IP Endereçamento IP Prof. Marcel Santos Silva marcel@magres.com.br É uma sequência de números composta de 32 bits. Esse valor consiste num conjunto de quatro grupos de 8 bits. Cada conjunto

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros REDES DE COMPUTADORES Detecção e Correção de Erros A Camada de Enlace Serviços prestados Serviços da camada de Enlace Encapsulamento Endereçamento Controle de erros Controle de fluxo Controle de acesso

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

Códigos de Detecção e Correcção de Erros

Códigos de Detecção e Correcção de Erros Códigos de Detecção e Correcção de Erros Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Manuela Rodrigues M1379 Detecção e Correcção de Erros Características dos Erros Possíveis Abordagens Códigos de Detecção

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura.

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura. Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Informática Industrial 2010/2011 5 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO MODBUS 5.1 Protocolo de comunicação MODBUS Este protocolo foi proposto em 1979 pela

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN ENDEREÇAMENTO IP O IP é um protocolo da Camada de rede É um endereço lógico único em toda

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 5. Ethernet 5.1 Introdução 5.2 LLC (Logical Link Control) 5.3 MAC (Media Access Control) 5.4 Sistemas de Endereçamento 5.5 Quadros Ethernet 5.6 Codificação

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados:

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Protocolo TCP/IP Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Número IP Máscara de sub-rede O Número IP é um número no seguinte formato: x.y.z.w Não podem existir

Leia mais

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 3 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ARP Address Resolution Protocol 2 IP utiliza endereços de 32 bits para localização de

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Sub Rede Classe CCIDR Classless

Sub Rede Classe CCIDR Classless Sub Rede Classe CCIDR Classless Inter-Domain Routing IP Classe C 200.100.10.X 255.255.255.0 IP Classe C 200.100.10.X 255.255.255.0 254 Host s 200.100.10.1 até 200.100.10.254 RANGE 200.100.10.0 REDE 200.100.10.255

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000 4 Camada de Rede: O papel da camada de rede é transportar pacotes de um hospedeiro remetente a um hospedeiro destinatário. Para fazê-lo, duas importantes funções da camada de rede podem ser identificadas:

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 4 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol 2 ICMP Internet Control Message Protocol IP funciona

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Jeandervall. Roteamento

Jeandervall. Roteamento Roteamento Configurar um roteador parece um tanto quanto complicado, porem não é uma tarefa impossível. O detalhe é que é preciso tomar muita a atenção na ora de configurar as rotas. Recomenda-se que antes

Leia mais

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC Fonte: Othon M. N. Batista Relembrando a aula passada A verificação de redundância cíclica (CRC Cyclic Redundancy Check) consiste na técnica de detecção de erros muito

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP Prof. MSc. Hugo Souza É uma pilha de protocolos de comunicação formulada em passos sequenciais de acordo com os serviços subsequentes das camadas pela

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro Curso Profissional de Nível Secundário Componente Técnica Disciplina de Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 29/21 Módulo 1: Sistemas de Numeração

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011 Endereçamento Luciana Balieiro Cosme Permite identificar unicamente um equipamento na rede; O endereço IP não pode ser arbitrariamente atribuído; Cada rede possui uma faixa de endereços que podem ser distribuídos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - CAMADA DE ENLACE DE DADOS 1. INTRODUÇÃO A Camada de Enlace de dados é a camada que lida com quadros, grupo de bits transmitidos pela rede. Ela depende da camada Física para enviar e receber

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

Endereços Lógicos, Físicos e de Serviço

Endereços Lógicos, Físicos e de Serviço Endereçamento IP O IP é um protocolo da Camada de rede É um endereço lógico único em toda a rede, portanto, quando estamos navegando na Internet estamos utilizando um endereço IP único mundialmente, pois

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Transmissão de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Códigos de caracteres A informação é manuseada em blocos de 8 bits (bytes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Endereçamento IP Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Esquema de endereçamento Todos os interfaces numa rede devem ter um endereço

Leia mais

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR 2014/1 Roteiro de Aula Endereçamento IP Segundo Filippetti

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistemas de Numeração 1 Sistemas de Numeração e Conversão de Base Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,3,4,5,6,7,8 e 9. Números superiores a 9; convencionamos

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Thiago de Almeida Correia São Paulo 2011 1. Visão Geral Em uma rede de computadores local, os hosts se enxergam através de dois endereços, sendo um deles o endereço Internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

Laboratório - Uso da calculadora do Windows com endereços de rede

Laboratório - Uso da calculadora do Windows com endereços de rede Laboratório - Uso da calculadora do Windows com endereços de rede Objetivos Parte 1: Acesso à Calculadora do Windows Parte 2: Converter entre os sistemas numéricos Parte 3: Converter endereços IPv4 de

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 19: 29 de junho de 2010 1 camada de transporte camada de rede 2 Questão 1 (Kurose/Ross) camada de transporte camada de rede Um processo em um host C tem um socket UDP com

Leia mais

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4.

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Camada de rede: IP Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Internet Rede 2 Rede 1 Internet Rede 4 Rede 3 Rede 5 O

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes de Comunicações Capítulo 6.1

Redes de Comunicações Capítulo 6.1 Capítulo 6.1 6.1 - Técnicas de Comutação 1 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área física, sob o controlo de uma administração única e baseada em circuitos dedicados (exemplo:

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Problema de resolução de endereço Mapeamento direto Associação dinâmica ARP

Leia mais

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts.

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts. MÓDULO 9 Endereçamento IP Em uma rede TCP/IP, cada computador possui um endereço IP que o identifica na rede, esse endereço é composto por uma seqüência de bits divididos em 4 grupos de 8 bits que recebem

Leia mais

Redes de Computadores Endereçamento IP

Redes de Computadores Endereçamento IP Redes de Computadores Endereçamento IP Prof. Eduardo Endereçamento IP o TCP/IP utiliza um endereçamento lógico; Cada dispositivo conectado em rede necessita usar pelo menos um endereço IP (identifica o

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros Eytan Modiano Códigos Cíclicos Um código cíclico é um código de bloco linear onde c é uma palavra-chave, e também

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Técnicas de comutação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

Endereçamento IP (Internet Protocolo)

Endereçamento IP (Internet Protocolo) Endereçamento IP (Internet Protocolo) Conceitos Host Qualquer dispositivo que possui placa de rede; IP Internet Protocol TCP Transmission Control Protocol 11-01-2005 Rui Morgado - TEC 2 Endereçamento IP

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

TCP/IP O guia definitivo para cálculos

TCP/IP O guia definitivo para cálculos ENTENDENDO O CÁLCULO DE SUB-REDES IP por Eduardo Parise Para que seja possível a comunicação entre máquinas em uma mesma rede é necessário que cada uma possua um endereço IP exclusivo naquela rede. Um

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 Índice 1. Circuitos Digitais - Continuação...3 1.1. Por que Binário?... 3 1.2. Conversão entre Bases... 3 2 1. CIRCUITOS DIGITAIS - CONTINUAÇÃO 1.1. POR QUE BINÁRIO?

Leia mais