Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes:"

Transcrição

1 1 CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - ASPECTOS PATRIMONIAIS OFICINA 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes: - Diferenciar contas a pagar e passivos por competência - Diferenciar provisões e passivos contingentes - Conceituar ativo contingente - Identificar os requisitos para reconhecimento de provisões - Apontar os elementos a serem considerados na mensuração de provisões - Registrar a constituição, a utilização e a reversão de provisões - Dar adequado tratamento contábil a ativos contingentes e a passivos contingentes - Arrolar as exigências de divulgação quanto a provisões, ativos contingentes e passivos contingentes.

2 2 A Contabilidade como Ciência GRANDES QUESTÕES CONTÁBEIS Identificação: O QUÊ? Caracterizar objetos que satisfaçam os critérios de elemento integrante de balanço. Reconhecimento: QUANDO? Definir o momento adequado para incorporar elementos em balanço. Mensuração: QUANTO? Determinar o valor pelo qual elementos de balanço devem ser reconhecidos e divulgados nesse balanço. Evidenciação: COMO? Organizar itens de balanço de modo a atender a necessidades comuns de informação de um grande número de usuários. GRANDES QUESTÕES CONTÁBEIS NO MUNDO ORÇAMENTÁRIO: Identificação: O QUÊ? O que são receitas e despesas orçamentárias? Reconhecimento: QUANDO? Quando reconhecer as receitas e despesas orçamentárias? Mensuração: QUANTO? Por quanto mensurar as receitas e despesas orçamentárias? Evidenciação: COMO? Como demonstrar as receitas e as despesas orçamentárias?

3 3 RESPOSTAS ÀS QUESTÕES CONTÁBEIS NO MUNDO ORÇAMENTÁRIO: Identificação: O QUÊ? O que é receita e despesa orçamentária? Receita: tributos, taxas, serviços, operações de crédito etc. Despesa: salários, custeio, investimentos, amortização etc. Reconhecimento: QUANDO? Quando reconhecer a receita orçamentária? Na data do documento de arrecadação. Quando reconhecer a despesa orçamentária? Na data do empenho. Mensuração: QUANTO? Por quanto mensurar a receita orçamentária? Pelo valor arrecadado. Por quanto mensurar a despesa orçamentária? Pelo valor empenhado. Evidenciação: COMO? Como demonstrar a receita e a despesa orçamentárias? Por meio do balanço orçamentário. GRANDES QUESTÕES CONTÁBEIS NO MUNDO PATRIMONIAL: Identificação: O QUÊ? O que é ativo, passivo, receita e despesa patrimoniais? Reconhecimento: QUANDO? Quando reconhecer ativos, passivos, receitas e despesas patrimoniais? Mensuração: QUANTO? Por quanto mensurar ativos, passivos, receitas e despesas patrimoniais? Evidenciação: COMO? Como demonstrar ativos, passivos, receitas e despesas patrimoniais?

4 4 IDENTIFICAÇÃO PATRIMONIAL: O QUÊ? ATIVO Recurso controlado pela entidade, resultante de evento passado, e do qual se espera futuros benefícios econômicos para a entidade ou potencial de serviço. PASSIVO Obrigação presente da entidade, derivada de evento passado, cuja liquidação se espera que resulte em saída de recursos capazes de gerar benefícios econômicos. DESPESA Decréscimo nos benefícios econômicos, no período contábil, sob a forma de redução de ativos ou incremento de passivos, resultando em redução do patrimônio líquido, sem representar distribuição aos proprietários. RECEITA Acréscimo nos benefícios econômicos, no período contábil, sob a forma de aumento de ativos ou redução de passivos, resultando em aumento do patrimônio líquido, sem representar aporte dos proprietários. RECONHECIMENTO PATRIMONIAL: QUANDO? - Quando reconhecer ativos e passivos? Ativos: quando for provável que benefícios econômicos futuros dele provenientes fluirão para a entidade e seu custo ou valor puder ser determinado em base confiável. Passivos: quando for provável uma saída de recursos envolvendo benefícios econômicos para liquidação de obrigação presente e o valor possa ser determinado em base confiável. - Quando reconhecer receitas e despesas patrimoniais? Receitas: quando há acréscimo nos benefícios econômicos (fato gerador), determinado em base monetária confiável, com consequente aumento no PL, independentemente do seu recebimento. Despesas: quando há decréscimo nos benefícios econômicos (fato gerador), determinado em base monetária confiável, com consequente redução no PL, independentemente do seu pagamento.

5 5 MENSURAÇÃO PATRIMONIAL: QUANTO? - Por quanto mensurar ativos e passivos? Pelo valor original, pelo valor de aquisição, pelo custo de produção ou construção, pelo valor justo etc - Por quanto mensurar receitas e despesas patrimoniais? Pelos efetivos valores das variações patrimoniais aumentativas e diminutivas, respectivamente. EVIDENCIAÇÃO PATRIMONIAL: COMO? - Como demonstrar ativos e passivos? Por meio do balanço patrimonial. - Como demonstrar receitas e despesas patrimoniais? Por meio da demonstração do resultado. CONTAS A PAGAR, PASSIVOS POR COMPETÊNCIA E PROVISÕES (MCASP da STN) Passivos são as obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cujo pagamento se espera que resulte em saída de recursos da entidade, os quais são capazes de gerar benefícios econômicos ou potencial de serviços. Exemplos Fornecedores a pagar, Salários a pagar, Encargos Sociais a pagar, Empréstimos a pagar, 13º Salário a pagar, Férias a pagar, Provisão para riscos trabalhistas Provisão para riscos cíveis etc. Uma obrigação é criada por evento passado (que conduz a uma obrigação presente) se a entidade não tem nenhuma alternativa realista senão quitar essa obrigação, por imposição legal ou por ação própria que tenha criado expectativa válida em terceiros de que a entidade cumprirá a obrigação. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 10

6 6 CONTAS A PAGAR, PASSIVOS POR COMPETÊNCIA E PROVISÕES (MCASP da STN) Contas a pagar são obrigações a pagar por conta de bens ou serviços recebidos, faturados ou formalmente acordados com o credor. Exemplos: Fornecedores a pagar, Pessoal a pagar, Encargos Sociais a Recolher etc. Passivos por competência são obrigações a pagar por bens ou serviços recebidos, não faturados ou não acordados formalmente com o credor, incluindo quantias devidas aos empregados, embora algumas vezes seja necessário estimar o valor. Exemplos: 13º salário a pagar, Férias a pagar, Licençaprêmio a pagar, Precatórios a pagar etc. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 11 RECONHECIMENTO DE PASSIVOS POR COMPETÊNCIA Termo de reconhecimento de dívida (modelo) Em conformidade com o art. 100 da Lei nº 4.320/64, reconheço a dívida no valor de R$ (por extenso), junto a (especificar o credor), CNPJ/CPF nº, situado à (especificar o endereço) pelos (especificar os serviços/aquisições que motivaram o surgimento da dívida). Informo que o passivo foi reconhecido sem o correspondente recurso orçamentário devido (justificar a falta de cobertura orçamentária). (incluir memória de cálculo da estimativa do valor contábil do passivo, se for o caso). Local, de de Ordenador de Despesas Assinatura e carimbo 13/7/

7 7 (MCASP da STN) Provisões são obrigações a pagar com grau de incerteza sobre a periodicidade e/ou quantia dos futuros dispêndios exigidos para liquidação. A provisão é um passivo e, como tal, deve ter seus efeitos reconhecidos nas demonstrações contábeis. Exemplos: Provisão para riscos trabalhistas, Provisão para riscos cíveis, Provisão para repartição de créditos tributários etc. São obrigações presentes provenientes de eventos passados que se espera que resulte em saída de recursos relacionados a benefício econômico ou potencial de serviço, que apresentam algum grau de incerteza quanto a valor e data prevista de pagamento. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 13 Só deve ser reconhecida uma provisão se atender, cumulativamente, aos seguintes requisitos: a) existir obrigação presente (legal ou não formalizada) como consequência de um evento passado; b) ser provável a saída de recursos para liquidar a obrigação; e c) ser possível uma estimativa confiável do montante da obrigação. Caso Prático: Contabilização de Provisão: Constituição da provisão para riscos trabalhistas (antes da sentença judicial): D: VPD Pessoal e Encargos C: PC - Provisão para Riscos Trabalhistas 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 14

8 8 A obrigação presente caracteriza-se por evidência disponível de que é mais provável que vai existir a obrigação que não. A obrigação não formalizada decorre de práticas passadas, de políticas estabelecidas ou de declaração específica atual, indicando a outras partes a aceitação de certas responsabilidades, a ponto de criar expectativas válidas acerca do cumprimento dessas responsabilidades por parte da entidade Evento passado é aquele que obriga a entidade a liquidar um passivo decorrente desse evento em função de não haver outra saída. É provável a saída de recursos para liquidar a obrigação se a probabilidade de ocorrer é maior que a de não ocorrer. A estimativa é confiável quando a entidade tem capacidade de determinar um conjunto de desfechos possíveis que podem apontar o valor do desembolso necessário para liquidar a obrigação na data do balanço. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 15 A constituição da provisão deve considerar, inclusive, qualquer evidência adicional advinda de eventos ocorridos após a data do balanço. A norma referente a eventos subsequentes (IPSAS 14) prevê, por exemplo, que a entidade ajuste qualquer provisão relacionada a processo em que decisão judicial, publicada após o final do período a que se referem às demonstrações contábeis, confirme que a entidade já tinha a obrigação presente naquela data. Caso inexista provisão anterior, deve a entidade constituir nova provisão. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 16

9 9 Uma provisão deve ser utilizada somente para os gastos para os quais a provisão foi reconhecida originalmente. As provisões devem ser avaliadas periodicamente (na data do balanço) e ajustadas para refletir a melhor estimativa corrente. Reversão da Provisão Se já não for mais provável a saída de recursos que incorporam benefícios econômicos para liquidar a obrigação, a provisão deve ser revertida. Caso Prático: Contabilização da Reversão da Provisão Reversão da provisão para riscos trabalhistas: D: PC - Provisão para Riscos Trabalhistas C: VPA Reversão de Provisões 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 17 Mensuração de Provisões A mensuração de provisões deve se basear na melhor estimativa do valor que uma entidade pagaria para liquidar a obrigação na data do balanço. A melhor estimativa pode ser obtida com base em transações semelhantes, relatórios de peritos independentes e qualquer evidência adicional fornecida por eventos subsequentes à data das demonstrações contábeis (MCASP). A entidade deve levar em consideração os riscos e as incertezas inerentes aos eventos em análise para obter a melhor estimativa para a provisão. Os riscos descrevem a variabilidade de resultados possíveis e a sua avaliação periódica pode indicar a necessidade de se ajustar o valor. As incertezas, inerentes às provisões, devem ser analisadas com cuidado para se evitar sub ou superavaliação. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 18

10 10 Mensuração de Provisões Quando o efeito do valor do dinheiro no tempo é material, a provisão deve ser mensurada pelo valor presente dos desembolsos que se espera sejam exigidos para liquidar a obrigação. Ao mensurar uma provisão, a entidade deve também considerar os efeitos de eventos futuros, quando houver evidência suficiente de que eles ocorrerão. Eventos futuros podem ser decorrentes de obrigações contratuais que estabeleçam compensação a credores, em função de variação monetária ou de alterações específicas de preços de mercado previamente acertados. Na existência de evidência suficiente de que esses fenômenos sejam prováveis, isto deve ser refletido no montante da provisão (NICSP). 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 19 Caso Prático: Contabilização da Provisão para Repartição de Tributos Roteiro de contabilização da constituição, utilização e reversão da provisão para repartição de créditos tributários: I Reconhecimento do crédito tributário, com consequente registro de perdas de créditos e constituição da provisão: I.a Reconhecimento do crédito: D: Ativo Créditos Tributários a Receber...R$1.100,00 C: VPA Tributos...R$1.100,00 I.b Considerando o histórico de perda de créditos tributários, a entidade faz o registro disso mediante uso de conta retificadora de ativo: D: VPD Ajuste de Perda de Créditos...R$100,00 C: Ativo (-) Ajuste de Perda de Créditos...R$100,00 I.c Constituição da provisão para repartição de créditos tributários, conforme previsão legal (valor calculado com base no líquido que a entidade vai arrecadar): D: VPD Distribuição Constitucional ou Legal de Receitas...R$250,00 C: Passivo Provisão para Repartição de Créditos Tributários...R$250,00 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 20

11 11 Caso Prático: Contabilização da Provisão para Repartição de Tributos II Baixa da provisão para repartição de créditos tributários em função da arrecadação de tributos: II.a Baixa da provisão mediante reconhecimento de obrigação de transferência de tributos arrecadados: D: Passivo Provisão para Repartição de Créditos Tributários...R$250,00 C: Passivo Obrigação de Repartição a Outros Entes...R$250,00 II.b Arrecadação de tributos D: Ativo Caixa e Equivalentes de Caixa...R$1.000,00 C: Ativo Créditos Tributários a Receber...R$1.000,00 III Transferência de parcela do valor arrecadado (após a execução orçamentária da despesa de transferências): D: Passivo - Obrigações de Repartição a Outros Entes...R$ 250,00 C: Ativo - Caixa e equivalentes de caixa...r$ 250,00 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 21 Contratos Onerosos x Contratos a Executar Provisionar? Contratos onerosos são contratos de troca de bens ou serviços em que os custos inevitáveis de satisfazer as obrigações do contrato excedem os benefícios econômicos ou potencial de serviços esperados do contrato. Exemplo: Hospital que realoca a lavanderia de um prédio arrendado para outro prédio. Se uma entidade tiver um contrato oneroso, a obrigação atual (líquida de recuperações) deste contrato deve ser reconhecida e mensurada como provisão. A mensuração da provisão é determinada com base no custo de cumprir o contrato ou no custo de qualquer compensação ou penalidade do não cumprimento, dos dois o menor. (*) Contratos a executar são contratos em que nenhuma das partes cumpriu as obrigações ou ambas as partes cumpriram parcialmente na mesma proporção. Se não onerosos, é desnecessária a provisão. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 22

12 12 Reserva de Contingência Prevista no Decreto-Lei nº 200/67, em seu artigo 91: Art Sob a denominação de Reserva de Contingência, o Orçamento anual poderá conter dotação global não especificamente destinada a determinado órgão, unidade orçamentária, programa ou categoria econômica, cujos recursos serão utilizados para abertura de créditos adicionais. A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece, em seu artigo 5º a seguir transcrito, a inclusão da reserva de contingência na lei de orçamento: Art. 5 o O projeto de lei orçamentária anual, elaborado de forma compatível com o plano plurianual, com a lei de diretrizes orçamentárias e com as normas desta Lei Complementar: III - conterá reserva de contingência, cuja forma de utilização e montante, definido com base na receita corrente líquida, serão estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, destinada ao: b) atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 23 Reserva de Contingência x Passivo Contingente A LRF, em seu art. 4º, faz referência ao passivo contingente: Art. 4 o A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no 2 o do art. 165 da Constituição e: 3 o A lei de diretrizes orçamentárias conterá Anexo de Riscos Fiscais, onde serão avaliados os passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas, informando as providências a serem tomadas, caso se concretizem. A reserva para contingências também está prevista no art. 195 da Lei nº 6.404/76: Art A assembléia-geral poderá, por proposta dos órgãos da administração, destinar parte do lucro líquido à formação de reserva com a finalidade de compensar, em exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada provável, cujo valor possa ser estimado. 1º A proposta dos órgãos da administração deverá indicar a causa da perda prevista e justificar, com as razões de prudência que a recomendem, a constituição da reserva. 2º A reserva será revertida no exercício em que deixarem de existir as razões que justificaram a sua constituição ou em que ocorrer a perda. 24

13 13 (MCASP da STN) Passivo contingente é uma obrigação: a) possível que resulta de eventos passados e cuja existência será confirmada apenas pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos não totalmente sob controle da entidade; ou b) presente que resulta de eventos passados, mas que não é reconhecida no BP porque: 1) não é provável que uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos ou potencial de serviços seja exigida para liquidar a obrigação; ou 2) o seu valor não pode ser mensurado com suficiente confiabilidade. Caso uma obrigação não atenda aos critérios para reconhecimento como um passivo, ela pode ser tratada como passivo contingente. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 25 (MCASP da STN) De modo geral, todas as provisões são contingentes porque são incertas quanto ao seu prazo ou valor. Porém, utiliza-se o termo contingente para passivos (ou ativos) que não sejam reconhecidos porque a sua existência somente será confirmada pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos que não estão completamente sob o controle da entidade. O termo passivo contingente é usado para obrigações que não satisfaçam os critérios de reconhecimento como passivo. Passivos contingentes devem ser periodicamente avaliados para determinar se uma saída de recursos se tornou provável. Sendo provável a saída de recursos, uma provisão deve ser reconhecida no BP, no período em ocorrer a mudança na estimativa da probabilidade. Exemplo: dano ambiental. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 26

14 14 PROVISÕES (MCASP da STN) Divulgação - Provisões Para cada tipo de provisão, a entidade deve divulgar: a) valor contábil no início e no final do período; b) provisões complementares do período, incluindo aumentos nas existentes; c) valores utilizados (isto é, incorridos e imputados contra a provisão); e d) valores não utilizados revertidos durante o período. Recomenda-se divulgar para cada tipo de provisão: a) breve descrição da natureza da obrigação e cronograma previsto de qualquer saída de recursos; b) indicação das incertezas sobre o valor ou o cronograma dessas saídas; e c) montante de reembolso esperado, indicando a quantia de ativo já reconhecido por conta desse reembolso. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 27 PASSIVOS CONTINGENTES (MCASP da STN) Divulgação Passivos Contingentes A menos que a possibilidade de qualquer saída para a liquidação seja remota, a entidade deve divulgar, para cada classe de passivo contingente na data do balanço: a) breve descrição da natureza do passivo contingente; e b) onde praticável,: - estimativa de seu efeito financeiro; - indicação das incertezas em relação à quantia ou periodicidade da saída; e - possibilidade de algum reembolso. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 28

15 15 PROVISÕES x PASSIVOS CONTINGENTES (Manual da FIPECAFI e NICSP) PROBABILIDADE DE OCORRER UM DESEMBOLSO TRATAMENTO CONTÁBIL Provável Mensuração confiável Mensuração não confiável Possível (mais provável que não, do que sim) Provisão Passivo contingente Passivo contingente Remota - Reconhecer no BP e evidenciar em notas explicativas Registrar em contas de controle e evidenciar em notas explicativas Registrar em contas de controle e evidenciar em notas explicativas Nada a reconhecer ou evidenciar (*) Com adaptações para fins didáticos. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 29 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 30

16 16 ATIVOS E ATIVOS CONTINGENTES (MCASP da STN) Ativos são recursos controlados pela entidade em consequência de eventos passados e dos quais se espera que resultem fluxos de benefícios econômicos futuros ou potenciais de serviços para a entidade. Exemplos Disponibilidades Clientes, Contas a receber em geral, Estoques, Bens móveis, Bens imóveis, Bens intangíveis etc. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 31 ATIVOS E ATIVOS CONTINGENTES Ativo contingente é um ativo possível que resulta de eventos passados e cuja existência será confirmada apenas pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos não totalmente sob controle da entidade. Exemplos: - reivindicação que uma entidade busca através de processos legais, onde o resultado é incerto. - geração interna de ativo intangível sem comprovação de que os prováveis benefícios econômicos futuros fluirão para a entidade. A entidade não deve reconhecer no BP um ativo contingente em função de não ser praticamente certa a ocorrência de entrada de recursos para a entidade. O resultado pode nunca vir a ser realizado. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 32

17 17 ATIVOS E ATIVOS CONTINGENTES Ativos contingentes geralmente surgem de eventos não planejados ou não esperados, que não estejam totalmente sob controle da entidade, envolvendo provável ingresso de recursos sob a forma de benefícios econômicos ou potencial prestação de serviços à entidade. Divulgação Quando um ingresso de recursos sob a forma de benefícios econômicos ou potencial de serviços for provável, um ativo contingente é evidenciado em notas explicativas, as quais devem reportar: - breve descrição da sua natureza; e - estimativa de seu efeito financeiro, quando for viável. Evidenciações são desnecessárias, quando a entrada de benefícios econômicos não é provável (possível ou remota). 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 33 ATIVOS E ATIVOS CONTINGENTES Ativo Contingente x Ativo Um ativo contingente não deve ser reconhecido no balanço patrimonial, a menos que um evento futuro ofereça as condições para confirmação das características essenciais de um ativo e dos critérios para seu reconhecimento. Um ativo contingente somente dever ser reconhecido como ativo no balanço patrimonial, quando: - uma entrada de recursos sob a forma de benefícios econômicos ou potencial de serviços é praticamente certa; e - o valor puder ser mensurado de maneira confiável. Além do ativo, deve-se reconhecer também uma VPA na demonstração do resultado. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 34

18 18 ATIVOS E ATIVOS CONTINGENTES Contabilização Os ativos contingentes não são objeto de registro contábil em contas de natureza patrimonial ou orçamentária. Para os ativos contingentes cuja entrada de recursos seja provável, são necessárias apenas evidenciações em notas explicativas às demonstrações contábeis e/ou registro contábil em contas de controle do plano de contas aplicado ao setor público. Em que pese não existir contas específicas no PCASP, o registro de um ativo contingente pode ser assim ilustrado: D: Controles Devedores Atos Potenciais Ativos C: Controles Credores Execução de Atos Potenciais Ativos 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 35 ATIVOS E ATIVOS CONTINGENTES (Manual da FIPECAFI e NICSP) PROBABILIDADE DE OCORRER UM EMBOLSO TRATAMENTO CONTÁBIL Praticamente certo Ativo Reconhecer no BP Provável, mas não praticamente certo Não é provável (possível ou remota) Ativo contingente Ativo contingente Registrar em contas de controle e evidenciar em notas explicativas Nada a reconhecer ou evidenciar (*) Com adaptações para fins didáticos. 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 36

19 19 PROVISÕES x PASSIVOS CONTINGENTES x ATIVOS CONTINGENTES Resumo: Obrigação presente que provavelmente exigirá saída de recursos: trata-se de provisão (reconhecer no BP e evidenciar em NE). Obrigação possível (ou presente que não provavelmente exigirá saída de recursos; ou não puder ter estimativa confiável): trata-se de passivo contingente (evidenciar em NE). Obrigação com remota probabilidade de saída de recursos: nada deve ser reconhecido ou evidenciado. A entrada de benefício econômico ou potencial de serviço é praticamente certa: trata-se de ativo (reconhecer no BP). A entrada de benefício econômico ou potencial de serviço é provável, mas não é praticamente certa: trata-se de ativo contingente (evidenciar em NE). 13/7/2015 Prof. Glauber Mota (DISTRIBUIÇÃO GRATUITA) 37 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1. Assinale as opções incorretas a respeito dos conceitos envolvidos no estudo de provisões e de passivos contingentes: A) Contas a pagar são obrigações a pagar por bens ou serviços recebidos, não faturados ou não acordados formalmente com o credor, incluindo quantias devidas aos empregados, embora algumas vezes seja necessário estimar o valor. B) Passivos por competência são obrigações a pagar por conta de bens ou serviços recebidos, faturados ou formalmente acordados com o credor. C) As provisões são obrigações a pagar reconhecidas no passivo do balanço patrimonial, as quais envolvem algum grau de incerteza no tocante à periodicidade ou à quantia de dispêndios a serem exigidos para sua liquidação. D) O passivo contingente resulta de evento passado e pode ser uma obrigação possível, cuja existência é confirmada apenas pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos não totalmente sob o controle da entidade ou uma obrigação presente não reconhecida no balanço patrimonial, porque não é provável que uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos ou potencial de serviços seja exigida para liquidar a obrigação ou porque o valor da obrigação não pode ser mensurado com suficiente confiabilidade. Letras A e B: Contas a pagar são obrigações a pagar por conta de bens ou serviços recebidos, faturados ou formalmente acordados com o credor. Passivos por competência são obrigações a pagar por bens ou serviços recebidos, mas não faturados ou não acordados formalmente com o credor. 2. Com relação à utilização e à reversão de uma provisão analise as opções a seguir e aponte a falsa: A) Uma provisão só deve ser usada para atendimento de gastos para os quais a provisão foi reconhecida originalmente. B) As provisões devem ser avaliadas e ajustadas, periodicamente, para refletir a melhor estimativa corrente. C) Uma provisão será revertida quando se reconhecer a obrigação específica que motivou constituição da provisão. D) A reversão de provisões já constituídas deve ser efetuada quando não for mais provável a saída de recursos que incorporam benefícios econômicos para liquidar a obrigação. Letra C: Quando a entidade reconhecer a obrigação específica que deu motivo à constituição da provisão, haverá transferência de saldo da conta de provisão para uma conta a pagar própria, sem necessidade de reversão.

20 20 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 3. Uma provisão só deve ser reconhecida no balanço patrimonial se atender, cumulativamente, aos seguintes requisitos, exceto: A) haver obrigação legal (ou não formalizada) presente, como consequência de um evento passado. B) ser provável a saída de recursos para liquidar a obrigação. C) ser possível uma estimativa confiável do valor da obrigação. D) resultar de obrigações a pagar por conta de bens ou serviços recebidos e formalmente acordados com o credor. Letra D: Obrigações a pagar por conta de bens ou serviços recebidos, faturados ou formalmente acordados com o credor classificam-se como contas a pagar. 4. No que tange à mensuração de provisões, julgue as alternativas a seguir e assinale as falsas: A) Deve levar em consideração os riscos e as oportunidades inerentes aos eventos em análise para obter a melhor estimativa para a provisão. B) Deve tomar como parâmetro a melhor estimativa dos dispêndios necessários para liquidar a obrigação presente na data do balanço patrimonial. C) Deve corresponder ao valor que uma entidade pagaria para liquidar a obrigação na data do balanço ou para transferi-la a um terceiro nesse momento. D) Deve considerar os efeitos de eventos passados decorrentes de obrigações contratuais que tenham estabelecido compensação a credores. Letras A e D: Riscos e as incertezas. Eventos futuros. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 5. Com relação aos requisitos para se reconhecer uma provisão, examine as alternativas a seguir e aponte as falsas e as verdadeiras: A) A obrigação presente caracteriza-se por evidência disponível de que é mais provável que vai existir a obrigação que não. B) O evento passado é aquele que obriga a entidade a liquidar um passivo decorrente desse evento em função de não haver outra saída. C) A saída de recursos é provável se a probabilidade de ocorrer é maior que a de não ocorrer. D) Uma estimativa é confiável quando a entidade tem capacidade de determinar um conjunto de desfechos possíveis que podem apontar o valor do desembolso necessário para liquidar a obrigação na data do balanço. Todas as alternativas são verdadeiras. 6. São exemplos de contas utilizadas no processo de contabilização de provisões: A) Provisão para Riscos Fiscais B) Provisão para 13º Salário C) Provisão para Adicional de Férias D) Provisão para Riscos Cíveis Letras A e D: As obrigações com o 13º Salário e com o adicional de férias são tratadas como apropriações de passivos por competência.

21 21 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 7. Os registros contábeis envolvidos na constituição, utilização, reversão e ajustes de provisões podem ser representados da seguinte maneira, exceto em: A) Constituição de provisões: D: VPD Constituição de Provisões e C: Passivo Provisões B) Utilização de provisões: D: Passivo Provisões e C: Passivo Obrigações a pagar C) Reversão de provisões: D: Passivo Provisões e C: VPA - Reversão de Provisões D) Ajuste por acréscimo no valor de provisões: D: Passivo Provisões e C: VPD - Ajuste de Provisões Letra D: D: VPD Constituição de Provisões C: Passivo Provisões 8. Com relação ao ativo contingente, avalie as opções a seguir e indique a falsa: A) Ativos contingentes dão origem à possibilidade de um ingresso de recursos sob a forma de benefícios econômicos ou potencial de prestação de serviços à entidade. B) Por razões de prudência, ativos contingentes não são reconhecidos no balanço patrimonial, pois pode se tratar de resultado que nunca se concretize. Todavia, com a finalidade de maior transparência eles devem ser evidenciados entre as contas de compensação do balanço patrimonial. C) Embora o ativo contingente leve o nome de ativo, ele não deve ser reconhecido no balanço patrimonial, a menos que um evento futuro ofereça as condições para confirmação das características essenciais de um ativo e dos critérios para seu reconhecimento. D) Quando uma entrada de benefícios econômicos ou potencial de serviços for provável, a entidade deve evidenciar uma breve descrição da natureza do ativo contingente na data de apresentação das demonstrações contábeis e uma estimativa de seu efeito financeiro, quando for viável. Letra B: Não há norma que estabeleça a evidenciação em contas de compensação dos ativos contingentes.

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO 02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO A normatização dos procedimentos contábeis relativos a provisões, passivos contingentes e ativos contingentes foi elaborada

Leia mais

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes Resumo Objetivo Estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência 1 Professor João Eudes Bezerra Filho ATIVO FINANCEIRO 305.000,00 PASSIVO FINANCEIRO 115.000,00 ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Política Contábil de Investimentos

Política Contábil de Investimentos Política Contábil de Investimentos 1 Sumário CONCEITUAÇÃO... 4 OBJETIVO... 4 REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 APLICAÇÃO... 5 DEFINIÇÕES... 6 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS CONTÁBEIS... 8 Influência Significativa...

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

PPP. Registro de passivos e Limites

PPP. Registro de passivos e Limites PPP Registro de passivos e Limites ATENÇÃO: Os exemplos desta apresentação são válidos como regra geral. É possível que peculiaridades de cada contrato impliquem em mudança na necessidade de classificação

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 O Conceito de Provisão. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. 2 O Conceito de Provisão. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 O Conceito de Provisão... 1 3 Exemplos de Provisão... 2 3.1 Provisão para garantias... 2 3.2 Provisão para riscos fiscais, trabalhistas e cíveis... 3 3.3 Provisão para reestruturação...

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional 2009 A Estrutura de Plano de Contas no Mundo Plano de Contas do Reino Unido 1 Ativo 1.1 Ativo Fixo Intangível 1.3 Ativo Fixo Tangível 1.4 Equipamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE Prezado internauta e estudante do Ponto dos Concursos! Desejo a todos uma mente ILUMINADA e que tenham

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura 1 de 8 16/09/2009 18:31 Boletim Governet de Orçamento e Finanças Artigos e Pareceres» Artigos Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 37 Índice OBJETIVO Item

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 6

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisão e Passivo e Ativo Contingentes

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25. Provisão e Passivo e Ativo Contingentes COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 25 Provisão e Passivo e Ativo Contingentes Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 37 Conteúdo OBJETIVO Item ALCANCE 1-9

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS 1 Ana Cristina de Castro Alves, 2 Robernei Aparecido de Lima. 1 Rua Benedito Andrade, 1205 Galo Branco 12247-540 São José dos Campos, São Paulo administração@aasjc.org.br

Leia mais

Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a. Otica do PCASP 2013. (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III)

Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a. Otica do PCASP 2013. (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III) Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a Otica do PCASP 2013 (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III) Lourenço de Wallau Contribuição Patronal a) Empenho no ente patrocinador na natureza de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 4/5 - Classificação de gastos públicos (despesas). Normas da LRF sobre despesas (1ª Parte) Sergio Karkache sekarkache@yahoo.com.br http://sergiokarkache.blogspot.com

Leia mais

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014.

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014. TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 29. Empresas em Liquidação Extrajudicial 1. Princípios Gerais 1 - Os títulos a serem utilizados pelas empresas em liquidação

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 Instrumentos Financeiros e Conceitos Correlatos... 2 3 Classificação e Avaliação de Instrumentos Financeiros... 4 4 Exemplos s Financeiros Disponíveis para Venda... 7 4.1 Exemplo

Leia mais

2. Pronunciamento Técnico CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes

2. Pronunciamento Técnico CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 1. Pronunciamento Técnico CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes 1. Aplicação 1 - As instituições

Leia mais

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Subsistemas Orçamentário Patrimonial Custos Compensação registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; registra, processa e evidencia os fatos

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Exigível contingencial A Visão do auditor independente. Gilberto Souza Deloitte Touche Tohmatsu

Exigível contingencial A Visão do auditor independente. Gilberto Souza Deloitte Touche Tohmatsu Exigível contingencial A Visão do auditor independente Gilberto Souza Deloitte Touche Tohmatsu Sumário Aspectos gerais Divulgações aplicáveis Riscos e procedimentos de auditoria Questões latentes da indústria

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1. Ativo 2. Passivo 1.1. Ativo Circulante 2.1. Passivo Circulante Bancos/Caixa (F) Obrigações em circulação pessoal a pagar (F) Créditos a receber (P) Dívida Ativa Provisões a curto prazo 13º salário (P)

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da evolução da administração e do processo administrativo, julgue os itens que se seguem. 51 A organização que adotar em seu planejamento a metodologia do balanced

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

IV SEMINÁRIO CATARINENSE SOBRE ATUALIDADES JURÍDICO-CONTÁBEIS IMPOSTO DE RENDA LIMITES DOS CONCEITOS CONTÁBEIS NA DEFINIÇÃO DO FATO GERADOR

IV SEMINÁRIO CATARINENSE SOBRE ATUALIDADES JURÍDICO-CONTÁBEIS IMPOSTO DE RENDA LIMITES DOS CONCEITOS CONTÁBEIS NA DEFINIÇÃO DO FATO GERADOR IV SEMINÁRIO CATARINENSE SOBRE ATUALIDADES JURÍDICO-CONTÁBEIS IMPOSTO DE RENDA LIMITES DOS CONCEITOS CONTÁBEIS NA DEFINIÇÃO DO FATO GERADOR José Antonio Minatel Florianópolis, 26.08.2015 LIMITE DOS CONCEITOS

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL. Professor: Flávio GEORGE Rocha

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL. Professor: Flávio GEORGE Rocha DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL Professor: Flávio GEORGE Rocha Novembro/2015 Graduação em Ciências Contábeis (2000) Especialista em Auditoria e Perícia Contábil Professor

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis

IAS 38 Ativos Intangíveis 2011 Sumário Técnico IAS 38 Ativos Intangíveis emitido até 1 Janeiro 2011. Inclui os IFRSs com data de vigência a paritr de 1º de janeiro de 2011, porém não inclui os IFRSs que serão substituídos. Este

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE 1. Introdução No dia 28 de maio de 2010 houve uma atualização na Resolução CFC 750/93 para a Resolução CFC 1282/10, com o intuito de assegurar a aplicação correta das normas

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - AM Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2013.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - AM Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2013. BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 4.974.118,17 507.672,45 596.145,95 4.885.644,67 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.266.926,60 426.700,41 515.432,99 3.178.194,02 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01

NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 Assegurar que os ativos NÃO estejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível de ser recuperado por uso ou

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Orçamento Público Conceitos Básicos

Orçamento Público Conceitos Básicos Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS Orçamento Público Conceitos Básicos Agosto de 2013 Ciclo Orçamentário Brasileiro Plano Plurianual Lei Orçamentária Anual Lei de Diretrizes Orçamentárias Plano Plurianual

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 Aprova a OTG 1000 que dispõe sobre modelo contábil para microempresa e empresa de pequeno porte O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 26. Consórcios 1. Procedimentos Específicos de Escrituração 1 - Para fins de elaboração dos Documentos Balancete e Balanço

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

PROJETO UNIDADES PILOTO NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

PROJETO UNIDADES PILOTO NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA PROJETO UNIDADES PILOTO NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA ORIENTAÇÃO nº 01/2014 LANÇAMENTO DOS SALDOS INICIAIS NO SISTEMA APLIC A Assessoria Especial de Desenvolvimento do Controle Externo - ADECEX do Tribunal

Leia mais

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro NBC TSP 3 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir critérios para a seleção e a mudança de políticas contábeis, juntamente com o tratamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Mar8ns

NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Mar8ns NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Mar8ns Tratamento das Receitas em diversos documentos: CPC 00 Estrutura Conceitual CPC 30 Receitas CPC 02 Moeda Estrangeira

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 1. Alterações de caráter geral: Além das alterações pontuais, envolvendo a criação, inativação ou alteração de contas, foram realizadas

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais