Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura"

Transcrição

1 1 de 8 16/09/ :31 Boletim Governet de Orçamento e Finanças Artigos e Pareceres» Artigos Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA Bacharel em Ciências Contábeis. Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional das UnB/UFPB/UFPE/UFRN (Núcleo Nordeste). Professor Assistente I do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Ex-Professor da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA, Faculdade Boa Viagem (FBV) e da Faculdade Santa Catarina Recife PE. RESUMO: Este artigo se propõe a atender a dois objetivos: o primeiro, de mostrar as premissas básicas do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público, divulgadas pela Secretaria do Tesouro Nacional e o segundo de fazer sugestões para a nova estrutura do Plano de Contas. A metodologia utilizada no artigo foram as pesquisas exploratória, bibliográfica e qualitativa. As principais sugestões de alterações foram: utilização de classes ímpares para as contas de saldos devedores e classes pares para as contas de saldos credores; os registros contábeis públicos com base na metodologia: débitos para aplicação de recursos e despesas e créditos para origens de recursos e receitas; a inclusão de apenas variações ativas e passivas efetivas para a apuração do resultado do exercício. Finalizando, o artigo recomenda que os profissionais de contabilidade governamental façam suas sugestões. PALAVRAS-CHAVE: PCASP, contabilidade governamental. 1. I TRODUÇÃO A Secretaria do Tesouro Nacional (STN), por meio da Coordenação-Geral de Contabilidade CCONT, em conjunto com o Grupo Técnico de Procedimentos Contábeis, instituído pela Portaria STN n. 136, de 06 de março de 2007, divulgou no site <http://www.stn.fazenda.gov.br/hp/downloads/consulta_publica.htm> a primeira etapa do projeto de Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. Nesta primeira etapa, a Minuta do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público encontra-se para Consulta Pública, objetivando receber comentários e sugestões. Os comentários e sugestões podem ser enviados para: O novo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público deverá ser observado por todos os entes da federação de forma facultativa em 2010 e obrigatoriamente em A premissa básica é de que o PCASP esteja adequado aos dispositivos legais (Lei 4.320/64 e Lei de Responsabilidade Fiscal LRF). Deve-se viabilizar adicionalmente a adoção de padrões de contabilidade compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade do setor público e de regras e procedimentos de Estatísticas de Finanças Públicas reconhecidos pelos organismos internacionais. As alterações do Plano de Contas estão sendo consubstanciadas na interpretação dos artigos 83 e 93 da Lei 4.320/64, visto que existem dificuldades na aprovação de lei complementar sobre normas de contabilidade governamental. De acordo com SILVA (2008) a contabilidade governamental patrimonial deverá evidenciar ativos e passivos verdadeiros. O novo Plano de Contas deverá atender tais requisitos. Este artigo se propõe a atender a dois objetivos: o primeiro, de mostrar as premissas básicas do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público, divulgadas pela Secretaria do Tesouro Nacional. O segundo objetivo enfoque central do trabalho é fazer sugestões para a nova estrutura do referido Plano de Contas. A metodologia utilizada no artigo foram as pesquisas exploratória (aprofundar conhecimentos), bibliográfica (aquela que utiliza material já elaborados em livros e artigos) e qualitativa (possui a facilidade de descrever a complexidade do

2 2 de 8 16/09/ :31 problema). (BEUREN et al., 2003). A relevância do estudo é respaldada na discussão sobre as perspectivas de se encontrar princípios e normas peculiares à contabilidade governamental brasileira. Este artigo está dividido em cinco partes. Após essa introdução, é destacada uma revisão da literatura abordando aspectos gerais sobre Plano de Contas. A terceira parte trata das principais alterações do novo Plano de Contas determinadas pela STN. Na quarta parte são apresentadas as sugestões para o novo Plano de Contas e, finalizando (quinta parte), as considerações finais e recomendação. 2. REVISÃO DA LITERATURA Para PISCITELLI, et al. (2002), o Plano de Contas é o conjunto de títulos, previamente definidos, representativos de um estado patrimonial e de suas variações, organizados e codificados com o objetivo de sistematizar e uniformizar o registro contábil dos atos e fatos de uma gestão, devendo permitir, de forma precisa e clara, a obtenção dos dados relativos ao patrimônio. De acordo com SILVA (2004), o Plano de contas é uma relação completa das contas julgadas necessárias à relevação dos elementos patrimoniais. O Plano de Contas da Administração Pública Federal foi elaborado inicialmente conforme Instrução Normativa n. 23, de 23 de dezembro de 1986, da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). O Plano é periodicamente atualizado e tem como parte integrante a Relação das Contas, a Tabela de Eventos e os Indicadores Contábeis. Plano de Contas é a relação das contas utilizadas por uma entidade em sua atividade, agrupadas sendo a sua natureza com o intuito de evidenciar o seu patrimônio. O Plano de Contas estabelece previamente a conduta a ser adotada na escrituração, através da exposição das contas em seus títulos, funções, funcionamento, grupamento, análises, derivações, dilatações e reduções. O Plano de Contas é um instrumento de auxílio aos profissionais da contabilidade. 3. PRI CIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELA SECRETARIA DO TESOURO ACIO AL (ST ) 3.1. Sistema e subsistemas contábeis O sistema contábil é a estrutura de informações para identificação, mensuração, avaliação, registro, controle e evidenciação dos atos e dos fatos da gestão do patrimônio público, com o objetivo de orientar o processo de decisão, a prestação de contas e a instrumentalização do controle social. Esse sistema é organizado em subsistemas de informações, que oferecem produtos diferentes em razão das especificidades demandadas pelos usuários e facilitam a extração de informações. Conforme a natureza da informação, os sistemas podem ser agrupados em: a) PATRIMO IAL gera informações sobre o patrimônio, situação dinâmica e estática, engloba as contas do ativo e passivo e as variações ativas e passivas. Compreende: i. Subsistema Financeiro registra, processa e evidencia os fatos relacionados aos ingressos e aos desembolsos financeiros, bem como as disponibilidades no início e final do período e permite evidenciar o ativo e passivo financeiro na forma definida pela Lei 4.320/1964; ii. Subsistema Permanente/ ão-financeiro registra, processa e evidencia bens, direitos e obrigações não financeiros, as variações qualitativas e quantitativas do patrimônio público e permite evidenciar o ativo e passivo permanente na forma definida pela Lei 4.320/1964. b) CO TROLE gera informações sobre os atos potenciais, planejamento e execução orçamentária, programação financeira, custos, entre outros controles. Compreende os seguintes subsistemas: i. Subsistema Orçamentário registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; ii. Subsistema de Custos registra, processa e evidencia os custos dos bens e serviços, produzidos e ofertados à

3 3 de 8 16/09/ :31 sociedade pela entidade pública; iii. Subsistema de Compensação registra, processa e evidencia os atos de gestão cujos efeitos possam produzir modificações no patrimônio da entidade do setor público, bem como aqueles com funções específicas de controle Lógica do registro contábil O registro contábil deve ser feito pelo método das partidas dobradas e nos respectivos subsistemas contábeis, conforme sua natureza seja orçamentária, financeira, patrimonial e de compensação. As contas patrimoniais se relacionam com os subsistemas financeiro e patrimonial segregando o ativo e passivo financeiros, conforme estabelecido na Lei 4.320/1964 para cálculo do superávit financeiro no Balanço Patrimonial. Portanto, registros envolvendo os subsistemas financeiro e patrimonial, não precisam se equilibrar dentro dos subsistemas. Os lançamentos podem apresentar partidas em subsistemas distintos. Nos registros que envolvem os demais subsistemas (orçamentário, compensação e custos) deve haver o equilíbrio dos valores a débito e a crédito em cada subsistema Estrutura do PCASP (observe quadro abaixo) 4.1 Estrutura do Plano de Contas 4. SUGESTÕES PARA A OVA ESTRUTURA DO PCASP Do ponto de vista prático deve-se utilizar a numeração ÍMPAR para as contas de saldos devedores e PAR para as contas de saldos credores (mesma metodologia do atual Plano de Contas da Administração Pública Federal). Quanto à definição dos saldos das contas, se devedores ou credores, deve-se utilizar a premissa básica ensinada para os iniciantes da contabilidade, ou seja, os saldos devedores representam as aplicações de recursos (ativo e despesas) e os saldos credores representam as origens de recursos (passivo e receitas). Esta premissa é reforçada com a aprendizagem inicial sobre o método das partidas dobradas de que os lançamentos são feitos da seguinte forma: Débito: aplicação de recursos quem recebe os recursos; Crédito: origens de recursos quem entrega os recursos. As despesas são debitadas, pois representam aplicações de recursos (gastos necessários), devendo ser creditadas por estorno ou no final do exercício para a apuração do resultado do exercício. As receitas são creditadas, pois representam origens de recursos (fontes de financiamento), devendo ser debitadas por estorno ou final do exercício para a apuração do resultado do exercício. Desse modo, o ensino da contabilidade privada e governamental se tornará mais efetivo com o uso dos mesmos parâmetros. A Teoria Patrimonialista divide as contas: contas patrimoniais (ativo, passivo e patrimônio líquido) e contas de resultado (receitas e despesas). A adoção da referida teoria para o setor público deverá levar em conta que os subsistemas patrimonial (não-financeiro) e financeiro deverão ser utilizados para evidenciarem o Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido, bem como a utilização de contas de Variação Patrimonial Passiva e Ativa (Contas de Resultado) que representem também contas desses subsistemas. O Resultado Patrimonial da Entidade Pública deverá ser composto de despesas e receitas efetivas (regime de competência). O relacionamento das contas com os sistemas, subsistemas, demonstrativos contábeis e a teoria patrimonialista pode ser visto da seguinte maneira: A elaboração do Balanço Financeiro utilizará as contas do subsistema financeiro (numerário, direitos financeiros a receber, obrigações financeiras a pagar etc.), bem como as contas do subsistema orçamentário previstas no grupo 8.2 Receita Orçamentária por Natureza (subgrupos: Receitas Correntes e Receitas de Capital) e no grupo 9.2

4 4 de 8 16/09/ :31 Despesa Orçamentária por Natureza (subgrupos: Despesa Corrente e Despesa de Capital). Confira na próxima tabela como ficaria a estrutura do Plano de Contas: 4.2 Lançamentos padronizados Os registros contábeis deverão ser realizados de acordo com a Resolução CFC n , de 29 de novembro de 2007 (aplicação dos princípios fundamentais de contabilidade ao setor público) e a Portaria Conjunta n. 3 STN/SOF, de 14 de outubro de 2008, que aprova os Manuais de Receita Nacional e Despesa Nacional. A referida legislação estabelece que os registros contábeis devam ser feitos no regime orçamentário e patrimonial (regime de competência). De acordo com FEIJÓ & BUGARIM (2008) deve haver o registro da receita e da despesa em função do fato gerador, observando-se os princípios da competência e da oportunidade. Objetivando elucidar lançamentos padronizados e a elaboração das demonstrações contábeis públicas na nova estrutura, abaixo constam alguns exemplos com atribuição de valores, sendo que foi estabelecida a seguinte previsão para o orçamento (receitas tributárias estimadas em R$ ): Previsão da Receita Orçamentária e Fixação da Despesa Orçamentária (registro inicial do orçamento): Previsão da Receita Orçamentária D: Previsão Inicial da Receita (7.1.1) Subsistema Orçamentário R$ C: Receita Orçamentária a Realizar (8.1.2) Subsistema Orçamentário R$ Reconhecimento de Créditos a Receber (Variação Patrimonial Regime de Competência) D: Créditos a Receber (previsão de receitas tributárias) (1.1) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Incorporações Ativas da Previsão Orçamentária (4.10) Subsistema Não-Financeiro R$ Fixação da Despesa Orçamentária D: Fixação Inicial da Despesa Orçamentária (9.1.1) Subsistema Orçamentário R$ C: Crédito Orçamentário Disponível (10.1.2) Subsistema Orçamentário R$ Execução de Receitas arrecadação de receitas tributárias (receitas efetivas): Baixa da Previsão Orçamentária da Receita D: Receita Orçamentária a Realizar (8.1.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Receita Orçamentária Realizada (8.1.3) Subsistema Orçamentário R$ Controle da Receita Orçamentária por atureza D: Controle da Receita Orçamentária (7.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Receita Correntes (8.2.1) Subsistema Orçamentário R$ Baixa de Créditos a Receber (Variação Patrimonial regime de competência) D: Desincorporações Passivas da Previsão Orçamentária (3.10) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Créditos a Receber (previsão de receitas tributárias) (1.1) Subsistema Não-Financeiro R$ Entrada do numerário D: Disponibilidades / Banco (1.1.1) Subsistema Financeiro R$ C: Tributárias (4.1) Subsistema Financeiro R$ Execução de Receitas contratação de Operação de Crédito Baixa da Previsão Orçamentária da Receita D: Receita Orçamentária a Realizar (8.1.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Receita Orçamentária Realizada (8.1.3) Subsistema Orçamentário R$ Controle da Receita Orçamentária por atureza D: Controles da Receita Orçamentária (7.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Receitas de Capital (8.2.2) Subsistema Orçamentário R$

5 5 de 8 16/09/ :31 Entrada do numerário D: Disponibilidades / Banco (1.1.1) Subsistema Financeiro R$ C: Obrigações Exigíveis a Longo Prazo (2.2) Subsistema Não-Financeiro R$ Execução de despesas correntes prestação de serviços (despesas efetivas): Emissão da nota de empenho D: Crédito Orçamentário Disponível (10.1.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Empenhos a Liquidar (10.1.3)* Subsistema Orçamentário R$ Liquidação da despesa e Variação Patrimonial (Regime de Competência) R$ D: Uso de Bens e Serviços (3.3) Variação Patrimonial Passiva Subsistema Não-financeiro R$ C: Fornecedores (2.1) Subsistema Financeiro R$ D: Empenhos a Liquidar (10.1.3) Subsistema Orçamentário R$ C: Empenhos Liquidados (10.1.4)** Subsistema Orçamentário R$ D: Despesa Corrente (9.2.1) Subsistema Orçamentário R$ C: Controles da Despesa Orçamentária (10.2) Subsistema Orçamentário R$ Pagamento da Despesa D: Fornecedores (2.1) Subsistema Financeiro R$ C: Disponibilidades / Banco (1.1.1) Subsistema Financeiro R$ * usado em substituição a Crédito Empenhado a Liquidar para evidenciar a emissão da ota de Empenho (documento que assegura o crédito para a execução da despesa). ** usado em substituição a Crédito Empenhado Liquidado para reforçar a situação do documento ota de Empenho Execução de despesas de capital aquisição de bens do imobilizado: Emissão da nota de empenho D: Crédito Orçamentário Disponível (10.1.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Empenhos a Liquidar (10.1.3) Subsistema Orçamentário R$ Liquidação da despesa e Incorporação do Bem (Ativo) D: Imobilizado (1.2.3) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Fornecedores (2.1) Subsistema Financeiro R$ D: Empenhos a Liquidar (10.1.3) Subsistema Orçamentário R$ C: Empenhos Liquidados (10.1.4) Subsistema Orçamentário R$ D: Despesa de Capital (9.2.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Controles da Despesa Orçamentária (10.2) Subsistema Orçamentário R$ Pagamento da Despesa D: Fornecedores (2.1) Subsistema Financeiro R$ C: Disponibilidades / Banco (1.1.1) Subsistema Financeiro R$ Aquisição de material de consumo para estoque: Emissão da nota de empenho D: Crédito Orçamentário Disponível (10.1.2) Subsistema Orçamentário R$ C: Empenhos a Liquidar (10.1.3) Subsistema Orçamentário R$

6 6 de 8 16/09/ :31 Liquidação da despesa e Incorporação do Bem (Ativo) D: Estoque de Material de Consumo (1.1.3) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Fornecedores (2.1) Subsistema Financeiro R$ D: Empenhos a Liquidar (10.1.3) Subsistema Orçamentário R$ C: Empenhos Liquidados (10.1.4) Subsistema Orçamentário R$ D: Despesa Corrente (9.2.1) Subsistema Orçamentário R$ C: Controles da Despesa Orçamentária (10.2) Subsistema Orçamentário R$ Pagamento da Despesa D: Fornecedores (2.1) Subsistema Financeiro R$ C: Disponibilidades / Banco (1.1.1) Subsistema Financeiro R$ Registro de bens recebidos por doação: Incorporação do Bem (Ativo) D: Imobilizado (1.2.3) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Transferências (4.5) Variação Patrimonial Ativa (Bens recebidos por doação) Subsistema Não-financeiro R$ Despesas de Depreciação: D: Uso de Bens e Serviços (3.3) Variação Patrimonial Passiva Subsistema Não-financeiro R$ C: Imobilizado Depreciação Acumulada Subsistema Não-financeiro R$ Inscrição na Dívida Ativa: D: Dívida Ativa (1.1.6) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Outras Variações Patrimoniais Ativas (4.10) Subsistema Não-Financeiro R$ Baixa de material de consumo (uso distribuição): D: Outras Variações Patrimoniais Passivas (3.10) Subsistema Não-Financeiro R$ C: Estoque de Material de Consumo (1.1.3) Subsistema Não-Financeiro R$ Demonstrativos Contábeis Os Demonstrativos contábeis na nova estrutura (novo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público) serão elaborados da seguinte maneira. (observe tabela na próxima página): Balanço Patrimonial: demonstra uma situação mais real ao realizar registros de direitos a receber de tributos com base no lançamento (Créditos a Receber), da depreciação do imobilizado, bem como de alterações na situação líquida resultante de fatos contábeis efetivos (receitas e despesas efetivas). 5. CO SIDERAÇÕES FI AIS E RECOME DAÇÃO Este artigo, em atenção aos objetivos formulados, evidenciou algumas alterações propostas pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para o novo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP) e, como objetivo principal, sugeriu alterações na estrutura do Plano de Contas, nos lançamentos padronizados e também evidenciou os Demonstrativos Contábeis resultantes da aplicação do novo PCASP consubstanciados em valores. A ênfase básica das sugestões se refere à questão voltada para o ensino da contabilidade governamental. Os alunos, ao iniciarem o estudo da contabilidade, aprendem que as receitas são creditadas e as despesas são debitadas, e que os valores a débito se referem à aplicação de recursos e os valores a crédito a origens de recursos. Desse modo, a manutenção de tais procedimentos no setor público facilitará o entendimento e a aplicação mais adequada desse setor contábil. Outra questão reforçada trata-se da padronização das classes ímpares para as contas de saldos devedores e das

7 7 de 8 16/09/ :31 classes pares para as contas de saldos credores. Tal situação coaduna com a situação atual do Plano de Contas da Administração Pública Federal (1 Ativo; 2 Passivo; 3 Despesa; 4 Receita; 5 Resultado do Exercício Diminutivo e 6 Resultado do Exercício Aumentativo). Recomenda-se que os profissionais que trabalham com a contabilidade governamental enviem suas sugestões de alterações do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP) para a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), através do Dessa forma, poderão contribuir e não somente criticar o processo de contabilização das contas públicas no Brasil. REFERÊ CIAS BEUREN, Ilse Maria (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA. Portaria n. 184, de 25 de agosto de Dispõe sobre as diretrizes a serem observadas no setor público (pelos entes públicos) quanto aos procedimentos, práticas, elaboração e divulgação das demonstrações contábeis, de forma a torná-los convergentes com as Normas Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 26 de agosto de MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL (STN) MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO (MPOG) SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL (SOF). Portaria Conjunta STN/SOF n. 3, de 15 de outubro de Aprova os Manuais de Receita Nacional e Despesa Nacional: aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 16 de outubro de MINISTÉRIO DA FAZENDA. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL (STN). CO SULTA PÚBLICA: Minuta do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. Disponível em: <http://www.stn.fazenda.gov.br /hp/downloads/consulta_publica.htm>. Acesso em 22 abr CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Princípios fundamentais e normas brasileiras de contabilidade de auditoria e perícia. Brasília: CFC, NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO: Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.1 Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.2 Patrimônio e Sistemas Contábeis; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.3 Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T Transações no Setor Público; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.5 Registro Contábil; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.7 Consolidação das Demonstrações Contábeis; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.8 Controle Interno; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T 16.9 Depreciação, Amortização e Exaustão; Resolução CFC n /2008, que aprova a NBC T Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público.. Resolução CFC n , de 29 de novembro de Aprova o Apêndice II da Resolução CFC n. 750/93 sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade. FEIJÓ, Paulo Henrique; BUGARIM, Maria Clara Cavalcante. Portaria MF 184/2008: um marco para implantação do novo modelo de contabilidade aplicada ao setor público. Revista Brasileira de Contabilidade, ano XXXVII, n. 173, setembro / outubro PISCITELLI, Roberto Bocaccio; TIMBÓ, Maria Zulene Farias; ROSA, Maria Berenice. Contabilidade pública: uma abordagem da administração pública. 7. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, Lino Martins da. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo. 7. ed. São Paulo: Atlas, NBCASP: A grande reforma na contabilidade pública. Disponível em: <http://linomartins.wordpress.com/2008/12/03/nbcasp-a-grande-reformana-contabilidade-publica/>. Acesso em 23 dez

8 8 de 8 16/09/ :31 Voltar ao topo da página Detalhes do Documento Data: 09/06/2009 Publicado em: Boletim Governet de Orçamento e Finanças - nº 50 - Junho/ Pág. 525

Receita Orçamentária: análises de registros contábeis no enfoque orçamentário

Receita Orçamentária: análises de registros contábeis no enfoque orçamentário Receita Orçamentária: análises de registros contábeis no enfoque orçamentário Autores: MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA é Professor do Departamento de Ciências Contábeis da UFRN e Mestre em Ciências Contábeis

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional 2009 A Estrutura de Plano de Contas no Mundo Plano de Contas do Reino Unido 1 Ativo 1.1 Ativo Fixo Intangível 1.3 Ativo Fixo Tangível 1.4 Equipamento

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.129/08 Aprova a NBC T 16.2 Patrimônio e Sistemas Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Psicologia 7ª Região CRPRS, criado pela Lei 5.766/71, constitui uma Autarquia Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAS SIRLEI FATIMA LIGABUE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAS SIRLEI FATIMA LIGABUE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAS SIRLEI FATIMA LIGABUE A EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL, A PARTIR DAS

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Novo Modelo de Contabilidade

Novo Modelo de Contabilidade Requisitos para Consolidação do Processo Contador Público (Profissional) Novo Modelo de Contabilidade A Busca da Contabilidade Patrimonial Portaria MF 184/2008 Decreto 6.976/2009 Normas Brasileiras de

Leia mais

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Subsistemas Orçamentário Patrimonial Custos Compensação registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; registra, processa e evidencia os fatos

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência 1 Professor João Eudes Bezerra Filho ATIVO FINANCEIRO 305.000,00 PASSIVO FINANCEIRO 115.000,00 ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP.

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. A CONTADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Entendendo a estrutura administrativa

Leia mais

Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes:

Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes: 1 CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - ASPECTOS PATRIMONIAIS OFICINA 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO E ALGUMAS DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS NA CONTABILIDADE PÚBLICA EM FACE DA PADRONIZAÇÃO CONTÁBIL

O ORÇAMENTO PÚBLICO E ALGUMAS DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS NA CONTABILIDADE PÚBLICA EM FACE DA PADRONIZAÇÃO CONTÁBIL O ORÇAMENTO PÚBLICO E ALGUMAS DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS NA CONTABILIDADE PÚBLICA EM FACE DA PADRONIZAÇÃO CONTÁBIL FERREIRA, Adilson Bicas RESUMO As reformas administrativas que o País sofreu ao longo do

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS ROSILENE SOUZA COORDENADORA DE CUSTOS E INFORMAÇÃO FISCAL

A EXPERIÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS ROSILENE SOUZA COORDENADORA DE CUSTOS E INFORMAÇÃO FISCAL Sistema de Custos do Governo Federal A EXPERIÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS ROSILENE SOUZA COORDENADORA DE CUSTOS E INFORMAÇÃO FISCAL Sistemas de Informação de Custos do Governo

Leia mais

PROJETO UNIDADES PILOTO NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

PROJETO UNIDADES PILOTO NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA PROJETO UNIDADES PILOTO NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA ORIENTAÇÃO nº 01/2014 LANÇAMENTO DOS SALDOS INICIAIS NO SISTEMA APLIC A Assessoria Especial de Desenvolvimento do Controle Externo - ADECEX do Tribunal

Leia mais

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF MUDANÇAS NA ESTRUTURA CONCEITUAL Demonstrações Contábeis Plano de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º CT460- CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE, ELEMENTOS INTRODUTÓRIOS DE CONTABILIDADE: OBJETO DE ESTUDO E SUA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA, CAMPO DE ATUAÇÃO, INFORMAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras gerais acerca das diretrizes, normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação, com vistas

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1 Oficina 62 Sistema de Informações de Custos do Governo Federal ABOP Slide 1 Roteiro da Apresentação APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO ASPECTOS NORMATIVOS CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR

Leia mais

BSPN. Balanço do Setor Público Nacional

BSPN. Balanço do Setor Público Nacional Contexto Geral BSPN Balanço do Setor Público Nacional 2010 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL Exercício de 2010 Brasília 2011 Permitida a reprodução

Leia mais

O PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS NOVAS PRÁTICAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA

O PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS NOVAS PRÁTICAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA O PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS NOVAS PRÁTICAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Augusto de Oliveira Monteiro augustomont@uol.com.br

Leia mais

DCF Direção de Controle e Fiscalização CGEX Centro de Gestão Estratégica de Informação para o Controle Externo SIAPC Sistema de Informações para

DCF Direção de Controle e Fiscalização CGEX Centro de Gestão Estratégica de Informação para o Controle Externo SIAPC Sistema de Informações para DCF Direção de Controle e Fiscalização CGEX Centro de Gestão Estratégica de Informação para o Controle Externo SIAPC Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas 1 PCASP Aramis Souza e Rosane

Leia mais

Aí está o motivo pelo qual eu estava um pouco ausente do Ponto dos Concursos!

Aí está o motivo pelo qual eu estava um pouco ausente do Ponto dos Concursos! Manual Completo de Contabilidade Pública Prezados estudantes! Saiu o mais novo, atualizado e completo Manual de Contabilidade Pública! Atualizado conforme a 4ª Edição do Manual de Contabilidade Pública/STN

Leia mais

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil AULA 10: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público NBC T SP 16.3 a 16.5: Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil; Transações no Setor Público; Registro Contábil. SUMÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

A Consolidação das NBC T SP no Brasil: Cronograma de Implantação e a evidenciação contábil dos Riscos Fiscais e Passivos Contingentes.

A Consolidação das NBC T SP no Brasil: Cronograma de Implantação e a evidenciação contábil dos Riscos Fiscais e Passivos Contingentes. A Consolidação das NBC T SP no Brasil: Cronograma de Implantação e a evidenciação contábil dos Riscos Fiscais e Passivos Contingentes. Wanderlei Pereira das Neves 1 Julho de 2012. Em 25 de agosto de 2008

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público

Leia mais

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/137713/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014.

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. NOTAS EXPLICATIVAS O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. Nota 1 Conteúdo Operacional Senac, criado pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º CT460- CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: CT002 CT002- INICIACAO AS CIENCIAS CONTABEIS HISTÓRIA DA CONTABILIDADE, ELEMENTOS INTRODUTÓRIOS DE CONTABILIDADE: OBJETO DE ESTUDO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE ABERTURA DE EXERCÍCIO DE 2014 e NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CASP E SICOM/2014. O ano de 2014 será de grandes mudanças que afetarão muito a estabilidade

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial

Leia mais

Professor Claudio Zorzo

Professor Claudio Zorzo Recursos para a prova de AFT 2013 Prezados alunos; Venho por meio deste material ajudá-los com algumas questões passíveis de recurso. Antes, gostaria de destacar que, na minha visão, a prova foi bem elaborada

Leia mais

Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina FACAPE Comissão de Concursos

Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina FACAPE Comissão de Concursos EDITAL 02/2015 - ANCI RETIFICA EDITAL 01/2015-ANCI A comissão da FACAPE organizadora do Concurso Público para Analista de Controle Interno da prefeitura municipal de Petrolina, no uso de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL

CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF 1 Legislação Aplicável Lei nº 11.107/05 dispõe sobre

Leia mais

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL Aspectos Contabilidade Pública Contabilidade Geral Legislação Lei nº 4.320/64 Lei nº 6.404/76 Princípios PFC e Princípios PFC

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de s Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 e Empresas Estatais Dependentes

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO

NORMAS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO NORMAS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.128, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008 25.11.2008 Aprova a NBC T 16.1. Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação. promover a convergência das Normas Brasileiras

Leia mais

EMENTAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

EMENTAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS GERAL I FILOSOFIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO MATEMÁTICA METODOLOGIA CIENTÍFICA PSICOLOGIA APLICADA ÀS ORGANIZAÇÕES TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA ADMINISTRAÇÃO DO CONHECIMENTO E

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP O Papel e a Missão do CFC: (1) No processo de adoção, no Brasil, do paradigma científico para a Contabilidade Aplicada ao

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série CONTABILIDADE INTRODUTORIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA DA CONTABILIDADE CONTEÚDO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 004/2016 Assunto: PCSB/CET/006/2015

NOTA TÉCNICA 004/2016 Assunto: PCSB/CET/006/2015 Nota técnica CET 004/2016 ALTERAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DA CAGECE Fortaleza, março/2016 NOTA TÉCNICA 004/2016 Assunto: PCSB/CET/006/2015 1) Considerações iniciais O poder regulatório da Arce é exercido

Leia mais

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE O Processo de O Processo de Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) PROCESSO DE CONVERGÊNCIA MARCOS LEGAL E

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

A Internacionalização das Normas Contábeis Aplicadas Ao Setor Público

A Internacionalização das Normas Contábeis Aplicadas Ao Setor Público A Internacionalização das Normas Contábeis Aplicadas Ao Setor Público Marcos Paulo de Sá Mello mello.m.p.s@gmail.com IPTAN CARLA AGOSTINI carla.agostini@bol.com.br IPTAN FABIO BRUNO DA SILVA fabiobruno2005@yahoo.com.br

Leia mais

DR - Empresa de Distribuição e Recepção de TV Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de

DR - Empresa de Distribuição e Recepção de TV Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR NOVAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS

Leia mais

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador, Administrador, Especialista

Leia mais

www.paperlessprinter.com

www.paperlessprinter.com Santa Catarina Balanço da Execução Orçamentária e Financeira - Administração Indireta - PLANO DE SAUDE ASSIST.SOCIAL DOS SERV. PUBL.-PLASS GESTÃO FINANCEIRA E ECONÔMICA BALANÇO FINANCEIRO Exercício 2008

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902)

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) FOR-101/01 NORMAS ESPECIAIS CÓDIGO: 900 FOLHA Nº:

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Brasília-DF Dezembro/2013 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Assunto: Orientação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da evolução da administração e do processo administrativo, julgue os itens que se seguem. 51 A organização que adotar em seu planejamento a metodologia do balanced

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS EMENTAS DO CURSO 1º P CONTABILIDADE GERAL I ÉTICA PROFISSIONAL INSTITUIÇÃO DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO I MATEMÁTICA

CIÊNCIAS CONTÁBEIS EMENTAS DO CURSO 1º P CONTABILIDADE GERAL I ÉTICA PROFISSIONAL INSTITUIÇÃO DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO I MATEMÁTICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS EMENTAS DO CURSO 1º P CONTABILIDADE GERAL I Noções gerais da contabilidade. Conceito, Função, Objeto e Finalidade da contabilidade. Patrimônio, Fontes Patrimoniais, Atos e Fatos Administrativos.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL. Professor: Flávio GEORGE Rocha

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL. Professor: Flávio GEORGE Rocha DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL Professor: Flávio GEORGE Rocha Novembro/2015 Graduação em Ciências Contábeis (2000) Especialista em Auditoria e Perícia Contábil Professor

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL

BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL EXERCÍCIO DE Brasília 2014 2 Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT Última Atualização: 12/01/2010 Programa do Módulo 2 1. Plano de

Leia mais

Esc 90 Telecomunicações Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Junho de 2010 para fins de incorporação

Esc 90 Telecomunicações Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Junho de 2010 para fins de incorporação Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Junho de 2010 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo sob

Leia mais

25 2 de 360 horas. 5 graduação correspondente a licenciatura plena. Língua Portuguesa Matemática Legislação Noções de Informática Conhecimentos Gerais

25 2 de 360 horas. 5 graduação correspondente a licenciatura plena. Língua Portuguesa Matemática Legislação Noções de Informática Conhecimentos Gerais PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO BORJA Estado do Rio Grande do Sul RETIFICAÇÃO N 01 AO EDITAL Nº 001/2011 CONCURSO PÚBLICO A Prefeitura Municipal de São Borja, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 Objetivo Geral Contratação, por registro de preços, de serviços técnicos especializados de auditoria independente a serem prestados à EMBRAPII, compreendendo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 279/ DE 29 DE MAIO DE 2.013. INSTITUI O CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES A SEREM IMPLEMENTADAS PARA O ATENDIMENTO INTEGRAL DOS DISPOSITIVOS CONSTANTES NO MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

II Seminário Estadual de Consórcios Públicos

II Seminário Estadual de Consórcios Públicos II Seminário Estadual de Consórcios Públicos Contabilização nos Consórcios e nos Entes Consorciados Joinville dez/2011 Regime Contábil e Financeiro Normas de direito financeiro aplicáveis às entidades

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE Prezado internauta e estudante do Ponto dos Concursos! Desejo a todos uma mente ILUMINADA e que tenham

Leia mais

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio.

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. O FIPLAN e a nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Plano de Contas Aplicado

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Brasília, 29 de novembro de 2011 1 Sistema de Previdência Complementar instituído pela Lei 6.435/77 e Decreto 81.240/78; normatizar e disciplinar

Leia mais

EXERCÍCIO. Elaboração dos Demonstrativos Contábeis

EXERCÍCIO. Elaboração dos Demonstrativos Contábeis EXERCÍCIO Elaboração dos Demonstrativos Contábeis Considerando a Lei Orçamentária Aprovada para a Prefeitura de Belo Jardim para o exercício de X1, e os fatos contábeis ocorridos, lance os valores nos

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público: Aspectos Relevantes

Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público: Aspectos Relevantes Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público: Aspectos Relevantes Palestrante: Inaldo Paixão Agosto 2009 Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão Art. 15. A sociedade tem o direito

Leia mais