A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência"

Transcrição

1 A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência 1 Professor João Eudes Bezerra Filho

2 ATIVO FINANCEIRO ,00 PASSIVO FINANCEIRO ,00 ATIVO FINANCEIRO ,00 PASSIVO FINANCEIRO ,00 Disponível Restos a Pagar ,00 Caixa (Tesouraria) ,00 Depósitos Div. Origens ,00 Banco c/ Movimento ,00 Aplicação Financeira ,00 Realizável ,00 ATIVO PERMANENTE ,00 PASSIVO PERMANENTE ,00 Impostos a Receber Dívida Ativa????? ,00 Provisões 13º/Férias????? (-)Ajustes Dev. Duvidosos????? Dívida Fundada Interna ,00 2 Bens Móveis (-) Depreciação ,00????? Bens Imóveis????? (-) Depreciação????? Almoxarifado????? Intangíveis????? (-) Amortização????? Bens de Uso Comum????? (-) Depreciação????? Desembolso Antecipado????? Obrigações incorridas e não Emp.????? Dívida Judicial????? SOMA DO ATIVO ,00 SOMA DO PASSIVO ,00 Saldo Patrimonial Saldo Patrimonial ,00 2

3 REGIME CONTÁBIL: ORÇAMENTÁRIO X PATRIMONIAL CAIXA ORÇAMENTO PÚBLICO COMPETÊNCIA PATRIMÔNIO PÚBLICO (RECURSOS À DISPOSIÇÃO DO ESTADO) INGRESSOS GASTOS PASSIVOS (Receitas Orçamentárias) (Despesas Orçamentárias) FLUXO DE CAIXA ATIVOS PL +/- Variações Patrimoniais (Aumentativas e Diminutivas) FLUXO ECONÔMICO 3 APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS PATRIMONIAIS

4 Edição da Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Estrutura das NBCT SP: Resolução CFC nº 1.111/07 Princípios Contábeis / SP NBC T 16.1 Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação NBC T 16.2 Patrimônio e Sistemas Contábeis NBC T 16.3 Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil NBC T 16.4 Transações no Setor Público NBC T 16.5 Registro Contábil NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis NBC T 16.7 Consolidação das Demonstrações Contábeis NBC T 16.8 Controle Interno NBC T 16.9 Depreciação, Amortização e Exaustão NBC T Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades 4 do Setor Público NBCT Sistema de Informação de Custos no Setor Público 4

5 LIVRO DAS IPSAS TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO - IFAC 5 EDIÇÃO publicações

6 EDIÇÃO DO MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE I: Procedimentos Contábeis Orçamentários PARTE II: Procedimentos Contábeis Patrimoniais PARTE III: Procedimentos Contábeis Específicos PARTE IV: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 6 PARTE V: Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público 6

7 ASPECTO QUANTITATIVO DO PATRIMÔNIO (ESTÁTICO) Ativos 7 são recursos (bens, direitos e intangíveis) controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que resultem para a entidade benefícios econômicos futuros ou potencial de serviços. 7

8 CLASSIFICAÇÃO DE ATIVOS: RELAÇÃO LEI 4.320/64 X MCAPS - (através dos atributos F e P) Exemplo Lei 4.320/64: Exemplo NBC T: ATIVO FINANCEIRO (AF) Caixa ATIVO CIRCULANTE (AC) Caixa ( F ) ( F ) Banco Aplicações Financeiras ( F ) Banco ( F ) ( F ) Aplicações Financeiras ( F ) ATIVO PERMANENTE (AP) Créditos de Curto Prazo Estoques de Curto Prazo Desp. Pg. Antecip. ( P ) Créditos de Curto Prazo ( P ) ( P ) Estoques de Curto Prazo ( P ) ( P ) Desp. Pg. Antecip. ( P ) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) 8 Créditos de LP Estoques de LP Ações Bens Móveis e Imóveis Softwares ( P ) Créditos de LP ( P ) ( P ) Estoques de LP ( P ) ( P ) Ações ( P ) ( P ) Bens Móveis e Imóveis ( P ) ( P ) Softwares ( P ) Fonte: autor 8

9 ASPECTO QUANTITATIVO DO PATRIMÔNIO (ESTÁTICO) Passivos são obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cujos pagamentos se esperam que resultem para a entidade saídas de recursos capazes de gerar benefícios econômicos ou potencial de serviços. 9 9

10 CLASSIFICAÇÃO DE PASSIVOS: RELAÇÃO LEI 4.320/64 X MCAPS - (através dos atributos F e P) Exemplo Lei 4.320/64: Exemplo NBC T: PASSIVO FINANCEIRO (PF) PASSIVO CIRCULANTE (PC) Pessoal a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Pessoal a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Enc. Sociais a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Enc. Sociais a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Fornecedor a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Fornecedor a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Depósitos de Terceiros a Rec. CP ( F ) Depósitos de Terceiros a Rec. CP ( F ) Operação de Créd. por Antec. da Receita ( F ) Operação de Créd. por Antec. Receita ( F ) PASSIVO PERMANENTE (PP) Pessoal a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Pessoal a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Enc. Sociais a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Enc. Sociais a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Fornecedor a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Fornecedor a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Operações de Crédito de CP (sem empenho) ( P ) Operações de Crédito de CP (sem empenho) ( P ) Precatório a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Precatório a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) 10 PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) Operações de Crédito de LP ( P ) Operações de Crédito de LP ( P ) Precatório a Pg. de LP ( P ) Precatório a Pg. de LP ( P ) Fonte: o autor 10

11 ASPECTO DINÂMICO DO PATRIMÔNIO (VARIAÇÕES QUANTITATIVAS) A Receita sob o enfoque patrimonial será denominada de Variação Patrimonial Aumentativa (VPA) e a Despesa sob o enfoque patrimonial será denominada de Variação Patrimonial Diminutiva (VPD) (contabilizadas no subsistema patrimonial). RP = VPA - VPD 11 Não devem ser confundidas com as Receitas e as Despesas Orçamentárias (contabilizadas no subsistema orçamentário). REO = RO - DO

12 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA VPA Ex. Lançamento do Crédito Tributário ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) IMPOSTO A RECEBER: (Aumento do AC ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) V P A: (Aumento PL) FONTE: O AUTOR

13 VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA VPD Ex. Reconhecimento da Despesa de Pessoal do Mês ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) PESSOAL A PAGAR: (Aumento do PC ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) V P D: (Diminuição do PL) FONTE: O AUTOR

14 14 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (FENÔMENOS PERMUTATIVOS DO PATRIMÔNIO) As variações patrimoniais qualitativas alteram a composição dos elementos patrimoniais sem afetar o Patrimônio Líquido, determinando modificações apenas na composição específica dos elementos patrimoniais. Exemplos: aquisição de bens móveis construção de obras públicas realização de operações de crédito (empréstimos); arrecadação de tributos já, anteriormente, registrado como direito a receber; alienação de bens pelo valor contábil (sem ganho ou perda);

15 VARIAÇÃO PATRIMONIAL QUALITATIVA Ex. Aquisição de bem móvel ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) Fornecedor a Pagar: (Aumento do PC ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) Bem Móvel: (Aumento do ANC) FONTE: O AUTOR

16 VARIAÇÃO PATRIMONIAL QUALITATIVA / QUANTITATIVA (mista) Ex. Alienação de Bem Móvel com Ganho de 20% ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) Caixa: 0,00 (T1) (T2) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) Bem Móvel: (T!) (T2) PL: (T1) (T2) 16 TOTAL DO PL: (T2) FONTE: O AUTOR

17 17 MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO (DE ACORDO COM AS NBC TSP E O MCASP) Mensuração Inicial do Custo Para a mensuração inicial do custo de um item de ativo imobilizado pode haver duas alternativas: a do preço à vista ou a do seu valor justo na data do reconhecimento, quando um ativo é adquirido por meio de uma transação sem contraprestação. O valor justo é o valor pelo qual o ativo pode ser trocado, existindo um conhecimento amplo e disposição por parte dos envolvidos no negócio, em uma transação sem favorecimentos.

18 MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO (DE ACORDO COM AS NBC TSP E O MCASP) Mensuração Após o Reconhecimento 18 Após o reconhecimento inicial do ativo imobilizado e intangível, a entidade deve mensurar esses itens escolhendo ou o modelo de custo menos a depreciação e redução ao valor recuperável acumuladas ou o modelo de reavaliação menos a depreciação e redução ao valor recuperável acumuladas subsequentes, devendo aplicar a política adotada para toda uma classe de ativos imobilizados.

19 MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO (DE ACORDO COM AS NBC TSP E O MCASP) Pag. 57 Redução ao Valor Recuperável 19 Valor recuperável é o valor justo (que pode coincidir com o de venda) de um ativo, menos o custo para a sua alienação (preço líquido de venda), ou o valor que a entidade do setor público espera recuperar pelo uso futuro desse ativo nas suas operações, estimado com base nos fluxos de caixa ou potencial de serviços futuros trazidos a valor presente por meio de taxa de desconto (valor em uso), o que o for maior..

20 20 Exemplo: MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO (DE ACORDO COM AS NBC TSP E O MCASP) Redução ao Valor Recuperável Custo do Bem (I) ,00 Valor Residual ao final de 10 anos (II) ,00 Quota de Depreciação Anual (III) 0,10 Depreciação Acumulada em 31/12/x2 (IV) = [(I) - (II)] x (III) ,00 Valor Líquido Contábil em 31/12/X2 (V)=(I)-(IV) ,00 Valor em Uso em 31/12/X2 (VI) ,00 Valor Justo em 31/12/x2) (VII) ,00 Escolher o maior entre (VI) e (VII) Se (V) > (VI) e (VII), proceder ao registro da perda por recuperabilidade ou impairment Perda por impairment = (Valor Líquido Contábil) - (maior entre o Valor em Uso e o Justo) = , ,00 = 5.000,00 Pag. 58

21 PATRIMÔNIO PÚBLICO DINÂMICO VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS ESTÁTICO BALANÇO PATRIMONIAL V P A - V P D ATIVOS - PASSIVOS FENÔMENOS QUE AUMENTAM O PL = FENÔMENOS QUE DIMINUEM O PL BENS, DIREITOS E INTANGÍVEIS = OBRIGAÇÕES A PAGAR RESULTADO PATRIMONIAL(RP) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) 21 PL ANT. + RP ATUAL + Ajustes PL = PL ATUAL FONTE: O AUTOR

22 Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL ORÇAMENTÁRIO PATRIMONIAL COMPENSAÇÃO CUSTOS BO BF DFC DVP DMPL BP EVIDENCIAÇÃO DE CUSTOS Fonte: o autor

23 NOVO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO - PCASP 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante 2.3 Patrimônio Líquido 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Patrimônio... Líquido Outras Variações Patrimoniais Ativas 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar Contas Subsistema Orçamentário 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Contas Subisitema de Controle 23

24 24 OS NOVOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO - CASP Decreto nº 6.976/2009, Art. 7º, XXIV, deu poderes à STN; Portaria 700/2014 (Parte V do MCASP/STN), trouxe alterações na estrutura do Balanço Patrimonial (BP), Balanço Orçamentário (BO), Financeiro (BF) e Demonstração das Variações Patrimoniais (DVP), bem como introduziu os novos demonstrativos estabelecidos na NBC T 16.6: Demonstrativo dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL). 24

25 NOVAS DEMONSTRAÇOES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO DEMONSTRAÇÕES OBRIGATÓRIAS Balanço Patrimonial Demonstração das Variações Patrimoniais Balanço Orçamentário Balanço Financeiro Demonstração do Fluxo de Caixa (obrigatória a partir de 2015, Portaria 713/2014) DEMONSTRAÇÃO OBRIGATÓRIA PARA OS ENTES QUE TÊM ESTATAIS DEPENDENTES Demonstração das Mutações 25 do Patrimônio Líquido (obrigatória a partir de 2015) NOTAS EXPLICATIVAS SÃO OBRIGATÓRIAS Fonte: o autor

26 NOVO ANEXO 14 DA LEI 4.320/64 BALANÇO PATRIMONIAL UNIÃO E ESTADOS MUNICÍPIOS 26 26

27 EXERCÍCIO: 20X1 ATIVO QUADRO PRINCIPAL PREFEITURA DE TABOQUINHA BALANÇO PATRIMONIAL (FORMATO DA NBCT 16.6 E PARTE V DO MCASP) PASSIVO ESPECIFICAÇÃO Exercício 20X1 Exercício 20X0 ESPECIFICAÇÃO Exercício 20X1 Exercício 20X0 ATIVO CIRCULANTE , ,00 PASSIVO CIRCULANTE , ,00 Caixa e Equiv. De Caixa (F) , ,00 Obrib. Trab. e Prev. a Pagar de Curto Prazo - Encargos Patronais (P) , ,00 Depósitos Restituíveis - Caução (F) 3.000, ,00 Fornecedor / Contas a Pagar de Curto Prazo (F) , ,00 Crédito de Curto Prazo - Tributo a Receber (P) , ,00 Valores de Terceiros Restituíveis (F) 3.000, ,00 Estoques de Curto Prazo (P) 4.000, ,00 Precatórios a Pagar de Curto Prazo (P) , ,00 VPD paga antecipadamente - periódicos (P) , ,00 Empréstimos e Financiamento a Curto Prazo (P) , ,00 ATIVO NÃO CIRCULANTE , ,00 PASSIVO NÃO CIRCULANTE , ,00 Ativo Realizável a LP Empréstimos e Financiamento a Longo Prazo (P) , ,00 Outras Obrigações de Longo Prazo - Convênios a Prestar ,00 Crédito Realizável a Longo Prazo - Dívida Ativa (P) ,00 Contas (P) , ,00 (-) Ajustes Perdas Créditos LP (25.000,00) (23.750,00) Estoques TOTAL DO PASSIVO , ,00 (-) Ajustes Perdas de Estoques PATRIMÔNIO LÍQUIDO Investimentos Exercício Exercício (-) Redução ao Valor Recuperável ESPECIFICAÇÃO 20X1 20X0 Imobilizado Patrimônio Social/Capital Social Móvel - Veículos (P) , ,00 Reservas de Capital Imóvel - Terreno da Escola (P) , ,00 Ajustes de Avaliação Patrimonial Imóvel - Edificação da Escola (P) , ,00 Reservas de Lucros 27 (-) Depreciação (8.000,00) (7.600,00) Ações em Tesouraria Intangíveis Resultado Acumulado , ,00 (-) Amortização Acumulada Ações/Cotas em Tesouraria TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO , ,00 TOTAL , ,00 TOTAL , ,00

28 EXERCÍCIO: 20X1 ESPECIFIÇÃO ATIVO FINANCEIRO Caixa e Equiv. De Caixa (F) Depósitos Restituíveis - Caução (F) QUADRO DOS ATIVOS E PASSIVOS FINANCEIROS E PERMANENTES PREFEITURA DE TABOQUINHA BALANÇO PATRIMONIAL (FORMATO DA LEI 4.320/64) Exercício 20X , , ,00 Exercício 20X ,00 PASSIVO FINANCEIRO ESPECIFIÇÃO Exercício 20X1 Exercício 20X , , ,00 Fornecedor / Contas a Pagar de Curto Prazo (F) , , ,00 Valores de Terceiros Restituíveis (F) 3.000, ,00 * Restos a Pagar não Processados - ATIVO PERMANENTE , ,00 PASSIVO PERMANENTE , ,00 Obrib. Trab. e Prev. a Pagar de Curto Prazo - Crédito de Curto Prazo - Tributo a Receber (P) , ,00 Encargos Patronais (P) , ,00 Estoques de Curto Prazo (P) 4.000,00 Crédito Realizável a Longo Prazo - Dívida Ativa (P) , ,00 Precatórios a Pagar de Curto Prazo (P) ,00 Empréstimos e Financiamento a Curto Prazo (P) , , , ,00 (-) Ajustes Perdas Créditos LP (25.000,00) ,00 Empréstimos e Financiamento a Longo Prazo (P) , ,00 Outras Obrigações de Longo Prazo - Convênios a VPD paga antecipadamente - periódicos (P) 9.500, ,00 Prestar Contas (P) , ,00 Móvel - Veículos (P) ,00 Imóvel - Terreno da Escola (P) ,00 Imóvel - Edificação da Escola (P) ,00 (-) Depreciação (8.000,00) , , , ,00 TOTAL DO ATIVO , ,00 SALDO PATRIMONIAL ( - ) TOTAL , ,00 TOTAL DO PASSIVO SALDO PATRIMONIAL ( + ) TOTAL , , , , , ,00 28

29 Cálculo do Superávit Financeiro em 31/12/20X1 AF PF Superávit ou Déficit Financeiro , , ,00 Desdobramento do Superávit por Fontes não comprometida Fonte Ordinária ,00 Fontes Vinculadas ,00 TOTAL ,00 QUADROS DAS CONTAS DE COMPENSAÇÕES ESPECIFICAÇÃO Exercício Exercício ESPECIFICAÇÃO Exercício Exercício 20X1 20X0 Saldo dos Atos Potenciais 20X1 20X0 Saldo dos Atos Potenciais do Ativo do Passivo Convênios a Receber junto à União , ,00 Obrigações Contratadas a Executar , ,

30 EXEMPLO DE UMA PREFEITURA MUNICIPAL BALANÇO PATRIMONIAL PUBLICADO EM

31 AF = AF = ,43 PF = PF = ,58 31 RP = ,95

32 ?? ATIVO CIRCULANTE (F) ,43?? PASSIVO CIRCULANTE (F) ,58 Restos a PG não Proc. (BO) , ,58?????? Cálculo do SF AF PF SF ou DF , , ,85?? 32

33 NOVO ANEXO 15 DA LEI 4.320/64 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS 33 33

34 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS Exercício 20X1 AH Exercício 20X0 AH VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS VPA - IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA ,00 105% ,00 100% VPA - IMPOSTO S/ PROPRIEDADE TERRITORIAL URBANA LANÇADO ,00 51% ,00 100% VPA - EXPLORAÇÃO E VENDA DE BENS, SERVIÇOS E DIREITOS ,00 105% ,00 100% VPA - EXPLORAÇÃO DE BENS E DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (ALUGUÉIS RECEBIDOS) ,00 105% ,00 VPA - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS FINANCEIRAS ,00 105% ,00 VPA - REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS E APLICAÇÕES FINANCEIRAS ,00 105% ,00 VPA - TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES RECEBIDAS ,00 105% ,00 100% 100% 100% 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS DE BENS IMÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS RECEBIDAS (COTA PARTE DO FPM) ,00 80% ,00 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS DE PESSOAS FÍSICAS ,00 105% ,00 100% VPA - VALORIZAÇÃO E GANHOS COM ATIVOS E DESINCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,00 105% ,00 100% VPA - REAVALIAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - REAVALIAÇÃO DE BENS IMÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - GANHOS COM ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS POR NASCIMENTOS DE ,00 105% 9.500,00 SEMOVENTES 100% VPA - DÍVIDA FUNDADA PERDOADA PELO CREDOR ,00 105% ,00 100% 34 VPA - RESULTADO POSITIVO EM PARTIÇÕES EM EMPRESAS ESTATAIS ,00 222% ,00 100% TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS (I) ,00 105% , %

35 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS Exercício 20X1 AH Exercício 20X0 AH VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS VPA - IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA ,00 105% ,00 100% VPA - IMPOSTO S/ PROPRIEDADE TERRITORIAL URBANA LANÇADO ,00 51% ,00 100% VPA - EXPLORAÇÃO E VENDA DE BENS, SERVIÇOS E DIREITOS ,00 105% ,00 100% VPA - EXPLORAÇÃO DE BENS E DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (ALUGUÉIS RECEBIDOS) ,00 105% ,00 VPA - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS FINANCEIRAS ,00 105% ,00 VPA - REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS E APLICAÇÕES FINANCEIRAS ,00 105% ,00 VPA - TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES RECEBIDAS ,00 105% ,00 100% 100% 100% 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS DE BENS IMÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS RECEBIDAS (COTA PARTE DO FPM) ,00 80% ,00 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS DE PESSOAS FÍSICAS ,00 105% ,00 100% VPA - VALORIZAÇÃO E GANHOS COM ATIVOS E DESINCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,00 105% ,00 100% VPA - REAVALIAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - REAVALIAÇÃO DE BENS IMÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - GANHOS COM ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS POR NASCIMENTOS DE ,00 105% 9.500,00 SEMOVENTES 100% VPA - DÍVIDA FUNDADA PERDOADA PELO CREDOR ,00 105% ,00 100% 35 VPA - RESULTADO POSITIVO EM PARTIÇÕES EM EMPRESAS ESTATAIS ,00 222% ,00 100% TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS (I) ,00 105% , %

36 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS Exercício 20X1 AH Exercício 20X0 AH VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS VPA - IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA ,00 105% ,00 100% VPA - IMPOSTO S/ PROPRIEDADE TERRITORIAL URBANA LANÇADO ,00 51% ,00 100% VPA - EXPLORAÇÃO E VENDA DE BENS, SERVIÇOS E DIREITOS ,00 105% ,00 100% VPA - EXPLORAÇÃO DE BENS E DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (ALUGUÉIS RECEBIDOS) ,00 105% ,00 VPA - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS FINANCEIRAS ,00 105% ,00 VPA - REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS E APLICAÇÕES FINANCEIRAS ,00 105% ,00 VPA - TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES RECEBIDAS ,00 105% ,00 100% 100% 100% 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS DE BENS IMÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS RECEBIDAS (COTA PARTE DO FPM) ,00 80% ,00 100% VPA - TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS DE PESSOAS FÍSICAS ,00 105% ,00 100% VPA - VALORIZAÇÃO E GANHOS COM ATIVOS E DESINCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,00 105% ,00 100% VPA - REAVALIAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - REAVALIAÇÃO DE BENS IMÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - GANHOS COM ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 105% ,00 100% VPA - GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS POR NASCIMENTOS DE ,00 105% 9.500,00 SEMOVENTES 100% VPA - DÍVIDA FUNDADA PERDOADA PELO CREDOR ,00 105% ,00 100% 36 VPA - RESULTADO POSITIVO EM PARTIÇÕES EM EMPRESAS ESTATAIS ,00 222% ,00 100% TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS (I) ,00 105% , %

37 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PESSOAL E ENCARGOS ,00 104% ,00 100% VPD - REMUNERAÇÃO A PESSOAL ,00 125% ,00 100% VPD - ENCARGOS PATRONAIS RECONHECIDOS ,00 125% ,00 100% VPD - USO DE BENS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO ,00 104% ,00 100% VPD - USO DE MATERIAL DE CONSUMO ,00 250% ,00 100% VPD - SERVIÇOS CONSUMIDOS ,00 104% ,00 100% VPD - DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO , % 5.000,00 100% VPD - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS ,00 104% ,00 100% VPD - JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS OBTIDOS ,00 104% ,00 100% VPD - TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES CONCEDIDAS ,00 104% ,00 100% VPD - TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS (DUODÉCIMO À CÂMARA) ,00 104% ,00 100% VPD - DESVALORIZAÇÃO E PERDA DE ATIVOS E INCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,00 104% ,00 100% VPD - REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL DE IMÓVEL ,00 104% ,00 100% VPD - PERDAS COM ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL ,00 104% 9.600,00 100% VPD - OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS ,00 104% ,00 100% VPD - CONSTITUIÇÃO DE PROVISÕES PARA DÍVIDAS TRABALHISTAS ,00 104% ,00 100% VPD - SUBVENÇÕES ECONÔMICAS CONCEDIDAS , % - 100% VPD - PREMIAÇÕES CONCEDIDAS ,00 104% ,00 100% 37 TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS (II) ,00 104% ,00 100% RESULTADO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO (III) = (I - II) ,00 111% ,00 100%

38 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PESSOAL E ENCARGOS ,00 104% ,00 100% VPD - REMUNERAÇÃO A PESSOAL ,00 125% ,00 100% VPD - ENCARGOS PATRONAIS RECONHECIDOS ,00 125% ,00 100% VPD - USO DE BENS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO ,00 104% ,00 100% VPD - USO DE MATERIAL DE CONSUMO ,00 250% ,00 100% VPD - SERVIÇOS CONSUMIDOS ,00 104% ,00 100% VPD - DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO , % 5.000,00 100% VPD - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS ,00 104% ,00 100% VPD - JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS OBTIDOS ,00 104% ,00 100% VPD - TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES CONCEDIDAS ,00 104% ,00 100% VPD - TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS (DUODÉCIMO À CÂMARA) ,00 104% ,00 100% VPD - DESVALORIZAÇÃO E PERDA DE ATIVOS E INCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,00 104% ,00 100% VPD - REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL DE IMÓVEL ,00 104% ,00 100% VPD - PERDAS COM ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL ,00 104% 9.600,00 100% VPD - OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS ,00 104% ,00 100% VPD - CONSTITUIÇÃO DE PROVISÕES PARA DÍVIDAS TRABALHISTAS ,00 104% ,00 100% VPD - SUBVENÇÕES ECONÔMICAS CONCEDIDAS , % - 100% VPD - PREMIAÇÕES CONCEDIDAS ,00 104% ,00 100% 38 TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS (II) ,00 104% ,00 100% RESULTADO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO (III) = (I - II) ,00 111% ,00 100%

39 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PESSOAL E ENCARGOS ,00 104% ,00 100% VPD - REMUNERAÇÃO A PESSOAL ,00 125% ,00 100% VPD - ENCARGOS PATRONAIS RECONHECIDOS ,00 125% ,00 100% VPD - USO DE BENS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO ,00 104% ,00 100% VPD - USO DE MATERIAL DE CONSUMO ,00 250% ,00 100% VPD - SERVIÇOS CONSUMIDOS ,00 104% ,00 100% VPD - DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO , % 5.000,00 100% VPD - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS ,00 104% ,00 100% VPD - JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS OBTIDOS ,00 104% ,00 100% VPD - TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES CONCEDIDAS ,00 104% ,00 100% VPD - TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS (DUODÉCIMO À CÂMARA) ,00 104% ,00 100% VPD - DESVALORIZAÇÃO E PERDA DE ATIVOS E INCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,00 104% ,00 100% VPD - REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL DE IMÓVEL ,00 104% ,00 100% VPD - PERDAS COM ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL ,00 104% 9.600,00 100% VPD - OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS ,00 104% ,00 100% VPD - CONSTITUIÇÃO DE PROVISÕES PARA DÍVIDAS TRABALHISTAS ,00 104% ,00 100% VPD - SUBVENÇÕES ECONÔMICAS CONCEDIDAS , % - 100% VPD - PREMIAÇÕES CONCEDIDAS ,00 104% ,00 100% 39 TOTAL DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS (II) ,00 104% ,00 100% RESULTADO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO (III) = (I - II) ,00 111% ,00 100%

40 QUADRO FACULTATIVOS (NOTAS EXPLICATIVAS) VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (decorrentes da execução orçamentária) Exercício 20X1 AH Exercício 20X0 AH Incorporação de ativo (origem da despesa orçamentária de capital empenhada e liquidada com aquisições de bens móveis) Desincorporação de passivo (origem da despesa orçamentária de capital empenhada, liquidada paga com amortização da dívida fundada) Incorporação de passivo (origem da receita orçamentária de capital oriunda de operações de créditos) Desincorporação de ativo (receita orçamentária de capital oriunda da alienação de bens, excluído possível ganho) ,00 95% ,00 150% ,00 95% ,00 40% ,00 100% ,00 100% ,00 100% ,00 100% 40 40

41 QUADRO FACULTATIVOS (NOTAS EXPLICATIVAS) VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (decorrentes da execução orçamentária) Exercício 20X1 AH Exercício 20X0 AH Incorporação de ativo (origem da despesa orçamentária de capital empenhada e liquidada com aquisições de bens móveis) Desincorporação de passivo (origem da despesa orçamentária de capital empenhada, liquidada paga com amortização da dívida fundada) Incorporação de passivo (origem da receita orçamentária de capital oriunda de operações de créditos) Desincorporação de ativo (receita orçamentária de capital oriunda da alienação de bens, excluído possível ganho) ,00 95% ,00 150% ,00 95% ,00 40% ,00 100% ,00 100% ,00 100% ,00 100% 41 41

42 QUADRO FACULTATIVOS (NOTAS EXPLICATIVAS) VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (decorrentes da execução orçamentária) Exercício 20X1 AH Exercício 20X0 AH Incorporação de ativo (origem da despesa orçamentária de capital empenhada e liquidada com aquisições de bens móveis) ,00 105% ,00 100% Desincorporação de passivo (origem da despesa orçamentária de capital empenhada, liquidada paga com amortização da dívida fundada) ,00 67% ,00 100% Incorporação de passivo (origem da receita orçamentária de capital oriunda de operações de créditos) ,00 105% ,00 100% Desincorporação de ativo (receita orçamentária de capital oriunda da alienação de bens, excluído possível ganho) ,00 250% ,00 100% 42 42

43 EXEMPLO DE UMA PREFEITURA MUNICIPAL DVP PUBLICADA EM

44 44 ACRÉSCIMO NOMINAL: 7%

45 REDUÇÃO: 4% REDUÇÃO: 23% 45 RP = ,95 A partir do BP

46 NOVO ANEXO 12 DA LEI 4.320/64 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO PORTARIA STN Nº 437 UNIÃO E ESTADOS MUNICÍPIOS 46 46

47 PREFEITURA DO BITURY Balanço Orçamentário nova estrutura EXERCÍCIO: 2013 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - MODELO NOVO (ANEXO 12 DA LEI 4.320/64) PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) (c)=(b-a) RECEITAS CORRENTES , , ,00 (5.000,00) RECEITAS DE CAPITAL , , ,00 (10.000,00) - SUBTOTAL DAS RECEITAS (I) , , ,00 (15.000,00) OPERAÇÕES DE CRÉDITO - REFINANCIAMENTO (II) SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (III) = (I + II) , , ,00 (15.000,00) DÉFICIT (IV) ,00 (2.000,00) TOTAL (V) = (III + IV) , , ,00 (17.000,00) SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES (UTILIZADOS PARA CRÉDITOS ADICIONAIS) 47 Superávit Financeiro 2.000, ,00 Reabertura de Créditos Adicionais - 47

48 Balanço Orçamentário nova estrutura DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS DOTAÇÃO INICIAL DOTAÇÃO ATUALIZAD A DESPESAS EMPENHADA S DESPESAS LIQUIDADAS DESPESAS PAGAS SALDO DA DOTAÇÃO (d) (e) (f) (g) (h) (i)=(e-f) DESPESAS CORRENTES , , , , , ,00 DESPESAS DE CAPITAL , , , , ,00 RESERVA DE CONTINGÊNCIA - RESERVA DO RPPS - SUBTOTAL DAS DESPESAS (VI) , , , , , ,00 AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA REFINANCIAMENTO (VII) - SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (VIII) = (VI + VII) , , , , , ,00 SUPERÁVIT (IX) , (25.460,00) TOTAL (X) = (VIII + IX) , , , , , ,00 48

49 Anexos ao Balanço Orçamentário: Demonstrativos de Restos a Pagar 49 49

50 ANEXO 1 - DESMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS INSCRITOS Em 31 de Em dezembro do RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS Exercícios exercício Anteriores anterior Balanço Orçamentário nova estrutura LIQUIDADOS PAGOS CANCELADOS SALDO (a) (b) (c ) (d) (f) (e)=(a+b-c-f) DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL TOTAL ANEXO 2 - DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS INSCRITOS DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS Em Exercícios Anteriores Em 31 de dezembro do exercício anterior PAGOS CANCELADO S SALDO (a) (b) (c) (d) (f)=(a+b-c-d) DESPESAS CORRENTES - 50 DESPESAS DE CAPITAL - TOTAL

51 NOVO ANEXO 13 DA LEI 4.320/64 BALANÇO FINANCEIRO PORTARIA STN Nº 437 UNIÃO E ESTADOS MUNICÍPIOS 51 51

52 PREFEITURA MUNICIPAL DE TABOQUINHA - EXERCÍCIO 20X1 BALANÇO FINANCEIRO - MODELO NOVO INGRESSOS DISPÊNDIO ESPECIFICAÇÃO Exercício Exercício Exercício ESPECIFICAÇÃO Atual Anterior Atual Receita Orçamentária ,00 Despesa Orçamentária ,00 Exercício Anterior Ordinária ,00 Ordinária ,00 Vinculada ,00 Vinculada ,00 Deduções da Receita Orçamentária Transferências Financeiras Recebidas Transferências Financeiras Concedidas ,00 52 Recebimentos Extraorçamentários ,00 Pagamentos Extraorçamentários ,00 Inscrição de Restos a Pagar ,00 Restos a Pagar 7.000,00 Consignações e Retenções (INSS) 8.000,00 Consignações e Retenções (INSS) ,00 Valores Restituíveis (Cauções) ,00 Valores Restituíveis (Cauções) 5.000,00 Saldo em Espécie do Exercício ,00 Saldo em Espécie para o Exercício ,00 Anterior Seguinte Cx e Equiv. De Caixa ,00 Cx e Equiv. De Caixa ,00 Depósitos Restituíveis 5.000,00 Depósitos Restituíveis ,00 TOTAL ,00 TOTAL ,00 52

53 Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público INSERÇÃO DO ANEXO 18 DA LEI 4.320/64 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 53 53

54 ESTADO DO BITURY Estrutura da DFC método direto DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EXERCÍCIO: 2013 MÊS: DEZEMBRO EMISSÃO: 31/12/2013 PÁGINA: Exercício Exercício Atual Anterior FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DAS OPERAÇÕES INGRESSOS , ,00 RECEITAS DERIVADAS Receita Tributária , ,00 RECEITAS ORIGINÁRIAS - - Receita Patrimonial TRANSFERÊNCIAS - a Estados ,00 a Municípios DESEMBOLSOS , ,00 PESSOAL E OUTRAS DESPESAS CORRENTES POR FUNÇÃO 5.730, ,00 Educação Saúde... TRANSFERÊNCIAS - Intergovernamentais a Municípios ,

55 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Estrutura da DFC método direto INGRESSOS ,00 Alienação de Bens ,00 Amortização de Empréstimos e Financiamentos Concedidos DESEMBOLSOS ,00 - Aquisição de Ativo Não Circulante ,00 Concessão de Empréstimos e Financiamentos FLUXO DE CAIXA LÍQUIDO DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (24.000,00) ,00 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO INGRESSOS ,00 Operações de Crédito ,00 DESEMBOLSOS - - Amortização/Refinanciamento da Dívida FLUXO DE CAIXA LÍQUIDO DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO ,00 GERAÇÃO LÍQUIDA DE CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA , ,00 CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA INICIAL , ,00 CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA FINAL , ,

56 SÓ APRENDEMOS QUANDO APLICAMOS O CONHECIMENTO EM SITUAÇÕES CONCRETAS DAVID PERKINS (PROF. DE HARVARD) 56 Prof. Ms. JOÃO EUDES BEZERRA FILHO Grupo FACEBOOK: Orçamento e a Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO FINANCEIRO Disponível Caixa (Tesouraria)

Leia mais

EXERCÍCIO. Elaboração dos Demonstrativos Contábeis

EXERCÍCIO. Elaboração dos Demonstrativos Contábeis EXERCÍCIO Elaboração dos Demonstrativos Contábeis Considerando a Lei Orçamentária Aprovada para a Prefeitura de Belo Jardim para o exercício de X1, e os fatos contábeis ocorridos, lance os valores nos

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 SALDO ATUALIZADA REALIZADAS DOTAÇÃO. (a) (b) (c )=(a-b) (d) ( e ) (f) (g) (h)=(d-e)

BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 SALDO ATUALIZADA REALIZADAS DOTAÇÃO. (a) (b) (c )=(a-b) (d) ( e ) (f) (g) (h)=(d-e) RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 Diretoria da Área Orçamentária e Financeira SALDO PREVISÃO RECEITAS DOTAÇÃO DESPESAS DESPESAS DESPESAS SALDO ATUALIZADA REALIZADAS

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1. Ativo 2. Passivo 1.1. Ativo Circulante 2.1. Passivo Circulante Bancos/Caixa (F) Obrigações em circulação pessoal a pagar (F) Créditos a receber (P) Dívida Ativa Provisões a curto prazo 13º salário (P)

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL. Professor: Flávio GEORGE Rocha

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL. Professor: Flávio GEORGE Rocha DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA E DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PL Professor: Flávio GEORGE Rocha Novembro/2015 Graduação em Ciências Contábeis (2000) Especialista em Auditoria e Perícia Contábil Professor

Leia mais

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Subsistemas Orçamentário Patrimonial Custos Compensação registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; registra, processa e evidencia os fatos

Leia mais

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a)

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) FUNDACAO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUI BALANÇO ORÇAMENTÁRIO Exercício 2015 RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) RECEITAS CORRENTES 4.639.895,29

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Psicologia 7ª Região CRPRS, criado pela Lei 5.766/71, constitui uma Autarquia Federal

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP. Tesouro Nacional Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional 2009 A Estrutura de Plano de Contas no Mundo Plano de Contas do Reino Unido 1 Ativo 1.1 Ativo Fixo Intangível 1.3 Ativo Fixo Tangível 1.4 Equipamento

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Subsistema de Custos no Setor Público: as contribuições da NBC TSP 16.11

Subsistema de Custos no Setor Público: as contribuições da NBC TSP 16.11 Subsistema de Custos no Setor Público: as contribuições da NBC TSP 16.11 Msc. João Eudes Bezerra Filho Membro do Grupo Assessor das NBCASP CFC Auditor das Contas Públicas TCE/PE Professor do Mestrado da

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL

BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL EXERCÍCIO DE Brasília 2014 2 Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes:

Objetivos da Oficina 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes: 1 CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - ASPECTOS PATRIMONIAIS OFICINA 22 Contas a Pagar, Passivos por Competência, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA

Leia mais

BSPN. Balanço do Setor Público Nacional

BSPN. Balanço do Setor Público Nacional Contexto Geral BSPN Balanço do Setor Público Nacional 2010 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL Exercício de 2010 Brasília 2011 Permitida a reprodução

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014.

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. NOTAS EXPLICATIVAS O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. Nota 1 Conteúdo Operacional Senac, criado pelo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As orientações constantes deste manual devem ser observadas pelas Unidades Gestoras para encerramento do exercício,

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO 001 Previsão orçamentária inicial da receita Estado de Santa Catarina 1 5.2.1.1.1.00.00 Previsão inicial da receita bruta 1 6.2.1.1.0.00.00 Receita a realizar 002 Previsão adicional da receita 1 5.2.1.2.1.XX.XX

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - AM Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2013.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - AM Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2013. BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 4.974.118,17 507.672,45 596.145,95 4.885.644,67 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.266.926,60 426.700,41 515.432,99 3.178.194,02 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - AM Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Outubro / 2013.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - AM Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Outubro / 2013. BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 5.074.992,69 549.154,73 650.029,25 4.974.118,17 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.364.071,87 442.443,82 539.589,09 3.266.926,60 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DA CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

CENÁRIO ATUAL DA CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA CONTABILIDADE PATRIMONIAL APLICADA AO SETOR PÚBLICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA Palestrante:André Ricardo Batista E-mail andrericardo@tce.pe.gov.br Facebook: Andre Ricardo Batista Tel. 081 3181-7677 1 CENÁRIO

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Orientações Estratégicas para a Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Brasil Aspectos práticos da CASP e a importância da estruturação setorial PREMISSAS Orientações

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Anexo 14 - BALANÇO PATRIMONIAL

Anexo 14 - BALANÇO PATRIMONIAL Página 1 de 3 CIRCULANTE 17.957.906,23 13.781.064,25 CIRCULANTE 2.918.670,71 3.459.718,41 Caixa e Equivalentes de Caixa 11.326.508,18 CRÉDITOS A CURTO PRAZO Clientes Crédito Tributário a Receber Dívida

Leia mais

Política Contábil de Investimentos

Política Contábil de Investimentos Política Contábil de Investimentos 1 Sumário CONCEITUAÇÃO... 4 OBJETIVO... 4 REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 APLICAÇÃO... 5 DEFINIÇÕES... 6 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS CONTÁBEIS... 8 Influência Significativa...

Leia mais

CUSTOS NO SETOR PÚBLICO SOB A PERSPECTIVA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS

CUSTOS NO SETOR PÚBLICO SOB A PERSPECTIVA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS CUSTOS NO SETOR PÚBLICO SOB A PERSPECTIVA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS João Eudes Bezerra Filho Membro do Grupo Assessor das NBCASP CFC Auditor das Contas Públicas TCE/PE DIAGNÓSTICO: QUANTO À CONTABILIDADE

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura 1 de 8 16/09/2009 18:31 Boletim Governet de Orçamento e Finanças Artigos e Pareceres» Artigos Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Índice do diário. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE RIBEIRA DO AMPARO, em 16 de abril de 2014. TETIANA DE PAULA FONTES CEDRO BRITTO.

Índice do diário. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE RIBEIRA DO AMPARO, em 16 de abril de 2014. TETIANA DE PAULA FONTES CEDRO BRITTO. Diário Oficial Ano: 2 Edição: 231 Páginas: 40 Atos Oficiais Decreto - Nº 0532/2014 Portaria - Nº 0054/2014 Contas Públicas Balanço Orçamentário - BALANÇO Índice do diário Atos Oficiais Decreto Nº 0532/2014

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO 1. Contexto Operacional O Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso, criado pelo Decreto-Lei nº 9.295, publicado no Diário Oficial

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE URUCARA

CÂMARA MUNICIPAL DE URUCARA JulhoPágina 1 de 6 100000000 02 ATIVO - 726.700,48 176.211,09 176.376,09 726.535,48 110000000 02 ATIVO CIRCULANTE - 20.757,34 176.211,09 176.376,09 20.592,34 111000000 02 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE ALAGOAS VII ENCONTRO DE CONTABILIDADE DO AGRESTE ALAGOANO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Fernando Carlos Almeida MAIO - 2014 Contabilidade

Leia mais

MCASP - Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP. Oficina 70

MCASP - Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP. Oficina 70 MCASP - Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP Oficina 70 Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Última Atualização: Mar/2013 STN/CCONF ABOP Slide 1 Programa

Leia mais

MCASP - Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP. Oficina 70

MCASP - Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP. Oficina 70 MCASP - Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP Oficina 70 Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Última Atualização: Mar/2013 STN/CCONF ABOP Slide 1 Programa

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Março / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Março / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 1.543.261,71 238.294,47 513.920,19 1.267.635,99 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 693.440,20 144.392,35 429.891,01 407.941,54 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 91.806,07 71.672,46 44.422,16

Leia mais

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO CIRCULANTE Notas 6.637.617 7.393.842 Disponibilidades 1.048.777 742.707 Créditos a receber de clientes 4.1 1.832.535 2.646.556 Créditos a receber - outros

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da

Leia mais

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS CONVERGÊNCIA CONTÁBIL SETOR PUBLICO BRASILEIRO Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP Lucy átima de Assis reitas Plano de Implantação Procedimentos Contábeis Patrimoniais Regulamenta o art. 13 da Portaria

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a. Otica do PCASP 2013. (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III)

Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a. Otica do PCASP 2013. (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III) Procedimentos Contábeis Específicos do RPPS sob a Otica do PCASP 2013 (Procedimentos baseados no MCASP, Parte III) Lourenço de Wallau Contribuição Patronal a) Empenho no ente patrocinador na natureza de

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial

Leia mais

Clique para editar o estilo do título. mestre SEMINÁRIO INTERNACIONAL INFORMAÇÃO DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO. 03 e 04 de dezembro de 2009

Clique para editar o estilo do título. mestre SEMINÁRIO INTERNACIONAL INFORMAÇÃO DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO. 03 e 04 de dezembro de 2009 Clique para editar o estilo do título SEMINÁRIO INTERNACIONAL INFORMAÇÃO DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO mestre 03 e 04 de dezembro de 2009 OFICINA 5: Diretrizes da STN para a adoção do regime de competência

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Balanço Geral Fundo de Manutenção da Iluminação Pública

Balanço Geral Fundo de Manutenção da Iluminação Pública Secretaria Municipal de Infra-Estrutura Contabilidade Geral do Município Balanço Geral Fundo de Manutenção da Iluminação Pública Exercício 2008 JÂNIO WASHINGTON BARBOSA DA CUNHA SECRETÁRIO DE INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio.

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. O FIPLAN e a nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Plano de Contas Aplicado

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 1. Alterações de caráter geral: Além das alterações pontuais, envolvendo a criação, inativação ou alteração de contas, foram realizadas

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 750/03 FOI ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFC Nº 1.282/10:

A RESOLUÇÃO CFC Nº 750/03 FOI ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFC Nº 1.282/10: A RESOLUÇÃO CFC Nº 750/03 FOI ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFC Nº 1.282/10: PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE O termo PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE passa a ser definido como PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE.

Leia mais

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000.

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000. Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-CE. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

ATIVIDADE ESTRUTURADA

ATIVIDADE ESTRUTURADA ATIVIDADE ESTRUTURADA Disciplina: Análise das Demonstrações Financeiras Curso: Administração Prof.: Marcelo Valverde Período: 5º Pontos: de 0 a 2,0p AV1 Pede-se: 1) A análise financeira se utiliza de dois

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais