UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS/UNIFAL-MG ANDRÉA VIEIRA MEGDA UMA ANÁLISE HISTÓRICA DOS BANCOS DO SUL DE MINAS GERAIS ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS/UNIFAL-MG ANDRÉA VIEIRA MEGDA UMA ANÁLISE HISTÓRICA DOS BANCOS DO SUL DE MINAS GERAIS (1900-1930)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS/UNIFAL-MG ANDRÉA VIEIRA MEGDA UMA ANÁLISE HISTÓRICA DOS BANCOS DO SUL DE MINAS GERAIS ( ) VARGINHA/MG 2012

2 ANDRÉA VIEIRA MEGDA UMA ANÁLISE HISTÓRICA DOS BANCOS DO SUL DE MINAS GERAIS ( ) Trabalho de Conclusão do Programa Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão (PIEPEX) apresentado como requisito para conclusão do curso Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Economia pela Universidade Federal de Alfenas. Orientador: Thiago Fontelas Rosado Gambi. VARGINHA/MG 2012

3 ANDRÉA VIEIRA MEGDA UMA ANÁLISE HISTÓRICA DOS BANCOS DO SUL DE MINAS GERAIS ( ) A banca examinadora, abaixo-assinada, aprova o Trabalho de Conclusão do PIEPEX apresentado como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel Interdisciplinar em Ciência e Economia pelo Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas - campus Varginha. Aprovada em: Prof. Thiago Fontelas Rosado Gambi Universidade Federal de Alfenas campus Varginha Assinatura: Prof. Daniel do Val Cosentino Universidade Federal de Alfenas campus Varginha Assinatura: Prof. Roberto Pereira da Silva Universidade Federal de Alfenas campus Varginha Assinatura:

4 RESUMO Na primeira metade do século XX o estado de Minas Gerais experimentou uma expansão do sistema bancário acompanhado de um desenvolvimento da região, que até então era dependente da província do Rio de Janeiro, no que se refere aos aspectos bancários. Muitos estudos já foram realizados com o intuito de identificar a origem dos bancos na região e justificar este crescimento, porém a historiografia sobre os bancos mineiros ainda é pouco desenvolvida e não conclusiva em muitos de seus aspectos. Os trabalhos destinados a entender as transformações ocorridas no setor bancário em Minas Gerais no final do século XIX e início do XX ainda são muitos divergentes. Este trabalho consiste em uma revisão bibliográfica em que se pretende recuperar, a partir da historiografia sobre os bancos de Minas Gerais, alguns aspectos da história dos bancos no sul do estado, com o objetivo de contribuir com os estudos desta área.

5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO BANCOS NO BRASIL BANCOS EM MINAS GERAIS BANCOS NO SUL DE MINAS GERAIS OBSERVAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 14

6 5 1. Introdução A Revolução Industrial teve inicio em meados do século XVIII e, a partir desse período, surgiram condições de possibilidade de consolidação de um sistema econômico em que o capital se concentrava na busca de um excedente cada vez maior (HOBSBAWM, 1979). Com a expansão do processo produtivo, também surgiu a necessidade de se desenvolver um sistema financeiro que fosse capaz de satisfazer uma demanda nova por crédito, favorecendo assim a acumulação de capital e o crescimento da economia. Essas importantes transformações no processo produtivo chegaram tardiamente ao Brasil, mas a formação de bancos nacionais, no início do século XIX, se deu quase ao mesmo tempo em que na Europa. Contudo, desde a extinção do primeiro Banco do Brasil, em 1829, e da tentativa fracassada de 1833, não havia um banco oficial no país que pudesse promover o crédito e ajudar o governo na solução dos problemas monetários. Em 1838 foram apresentados os estatutos do Banco Comercial do Rio de Janeiro, porém sua aprovação ocorreu somente em Devido à falta de interesse por parte do governo em relação aos bancos, iniciativas de caráter privado começaram a surgir com o propósito de solucionar o problema de escassez de meio circulante e de ofertar créditos para os comerciantes. No período que se estende de 1838 a 1850 diversas intituições financeiras surgiram, entre elas o Banco do Ceará ( ), o Banco Comercial do Rio de Janeiro (1838), o Banco Comercial Bahia (1845) e o Banco Comercial do Maranhão (1847), proporcionando assim casas de crédito que, se não chegavam a constituir um sistema bancário, serviam como um estímulo à economia mercantil brasileira. Com o propósito de facilitar as transações financeiras, os bancos surgiram para oferecer crédito aos capitalistas ou negociantes. De acordo com Cairu, os negociantes no império seriam aqueles que empregavam grandes fundos em tráficos e manufaturas, colocando em rápido movimento e extensão a indústria nacional. São os que fazem comércio de especulação, bancos e seguros, e precisam de grande penetração, sagacidade, inteligência teórica e prática para bem calcularem as circunstâncias vantajosas aos negócios que projetam (LISBOA, 1874, p.510). Esses negociantes estavam dispostos a investir na economia mercantil nacional, proporcionando uma ampliação de vários de seus setores. Tornaram-se assim, instituições importantes para o crescimento econômico e para o fornecimento de crédito no país. O marco inicial da história bancária do Brasil se deu em 12 de outubro de 1808, com a publicação do

7 6 alvará de criação da primeira instituição bancária no país, o Banco do Brasil, com características de um banco de crédito que tinha como finalidade financiar as despesas do Estado ( FRANCO & PACHECO, 1979; FREIRE, 1907; VIANA, 1926). Especificamente no estado de Minas Gerais, até meados do século XIX o sistema bancário ainda era precário. Somente em 1 de janeiro de 1819 foi que se instalou no estado o seu primeiro banco, a caixa filial do Banco do Brasil, em Vila Rica, que possuía como função única a compra de ouro e prata (BESSA, 1981). Depois foi criada uma caixa econômica em Ouro Preto, em 1838, e uma nova caixa filial do Banco do Brasil, em Em 1860 foi inaugurado em São João Del Rei um dos primeiros estabelecimentos de crédito de iniciativa particular do Brasil, a Casa Bancária Custódio de Almeida Magalhães & Cia. Já na última década do século XIX é criado em Minas Gerais o Banco de Crédito Real de Minas, com sede na cidade de Juiz de Fora, cuja assembleia de instalação ocorreu em 23 de janeiro de Posteriormente foi instalado na capital mineira, em 11 de junho de 1922, o Banco Hipotecário e Agrícola do Estado de Minas Gerais. Estes dois bancos tiveram uma ligação muito grande com estado, servindo e amparando diversas atividades agrícolas, inclusive o próprio café (COSTA, 1978). Na região do sul de Minas Gerais, o sistema bancário começou a se desenvolver a partir da década de 1910, quando se observa o surgimento de muitos bancos em diversas cidades da região, entre eles o Banco de Guaxupé (1909), Casa Bancária Alves Pereira e Cia (1915), Banco Santaritense (1917), Banco de Monte Santo SA (1918), Casa Bancária Campos Lima e Cia (1921), Casa Bancária Alves Pereira e Cia (1921), Banco Machadense (1921),Casa Bancária Odilon Freire e Cia (1922), Ferreira Alves e Cia Ltda (1922), Banco J.O Rezende e Cia (1922), Casa Bancária Lima, Bernardes, Forli e Cia (1922), Banco Popular do Sul de Minas (1924), Banco Comercial e Agrícola A.C Pinho e Cia Ltda (1924), Casa Bancária Alves Lima e Cia (1924). Não é possível afirmar categoricamente a relação entre bancos e desenvolvimento econômico, pois existem duas concepções predominantes que estabelecem relações de causa e efeito simetricamente opostas. Hugh Patrick (1996) denominou essas duas concepções predominantes de demand following e supply leading, onde entre essas, existem as concepções que tentam negar a relação de bancos e desenvolvimento (MODIGLIANI, 1958) e as que tentam demonstrar que esta relação seria total, pois não seria possível instituir uma relação de causa e efeito, sendo que o processo para se chegar ao desenvolvimento econômico seria duplamente determinado (GOLDSMITH, 1969).

8 7 Na visão de Flávio Saes (1986), o crédito não possui um papel determinado no processo de desenvolvimento econômico e esse papel que ele desempenha na economia depende muito da especificidade de cada processo. É na tentativa de captar essa especificidade para o sul de Minas que se enquadra este trabalho. O crescimento do sistema bancário no sul de minas na sua transição para o capitalismo ainda foi pouco explorado, sendo que os trabalhos voltados para esse setor, mas referentes ao estado de Minas Gerais como um todo apresentam conclusões divergentes. Considerando que estudos nesta temática ainda são escassos na historiografia mineira, e que o Sul de Minas Gerais é uma região pouco explorada nessa historiografia, este estudo busca recuperar alguns aspectos da história dos bancos no sul de Minas Gerais, com o objetivo de contribuir com os estudos desta área. Nesse sentido, esta pesquisa procurou fazer uma revisão dos trabalhos ligados à história econômica de Minas e da região sul do estado, buscando contribuir para a valorização e divulgação da história local e regional. 2. Bancos no Brasil O sistema financeiro é formado por um conjunto de instituições, formais e informais, que tem por finalidade oferecer aos indivíduos serviços e produtos financeiros. Como vimos, a relação entre bancos e desenvolvimento econômico não é simples, mas é possível afirmar que o sistema financeiro pode estimular o crescimento econômico, já que este proporciona condições para o financiamento de projetos que exigem investimentos altos, de longo prazo de maturação e de risco elevado (ALCÂNTARA, 2010). O sistema bancário é parte do sistema financeiro. Atualmente, o sistema bancário nacional pode ser compreendido como aquele conjunto de instituições monetário-financeiras, públicas e privadas, que agem no atacado ou no varejo, oferecendo créditos tanto para o financiamento, quanto para o consumo. Embora o primeiro banco do Brasil tenha sido criado em 1808 e novos bancos tenham surgido na década de 1840, Nozaki (2009) diz que, no Brasil, essa formação inicia-se com a reforma bancária da década de 1920 e sua evolução só ocorreu a partir da expansão bancária da década de De fato, seria exagerado falar em sistema bancário brasileiro na primeira metade do século XIX, no entanto, o aparecimento dos bancos apoiou o funcionamento da economia mercantil nacional. A chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil em 1808 gerou novas demandas ao mercado interno. A região do sul de Minas, que já se havia se especializado no fornecimento de gêneros alimentícios de primeira necessidade, aproveitou a crise da

9 8 mineração para aprofundar essa especialização e expandir o seu mercado, vendendo inclusive para a Corte (LENHARO, 1979). O ano de 1808 foi marcado, não só pela vinda da Corte Portuguesa para o Brasil, mas também pelo inicio da história bancária no Brasil, pois em 12 de outubro foi publicado o alvará de criação do primeiro banco que viria a funcionar no país. O primeiro Banco do Brasil era definido como uma instituição que possuía amplas atribuições, já que operava como banco de depósitos, de desconto, de emissão e de câmbio ( FRANCO & PACHECO, 1979; FREIRE, 1907; VIANA, 1926). Devido à má administração e a emissão desregulada de notas, o primeiro Banco do Brasil teve sua extinção aprovada em 23 de setembro de Porém como previa a lei o banco só se extinguiria em 20 de dezembro do mesmo ano, dia em que completaria exatos vinte anos de funcionamento. Com a extinção do primeiro Banco do Brasil, iniciou-se uma discussão com o propósito de se criar um novo banco oficial, porém ao contrário do primeiro este banco teria como finalidade auxiliar o governo a solucionar os problemas relacionados com o meio circulante e, consequentemente, estabilizar o valor da moeda nacional (GAMBI, 2010). Alguns anos se passaram até que novos bancos se formassem no Brasil e, em meados do século XIX, fosse possível a expansão da atividade bancária (ALMEIDA, 2010). Entre as décadas de 1830 e 1840, foram criados, tanto na Corte como nas províncias, bancos privados, todos eles emissores de vales. Dentre estes novos bancos, destacavam-se os dois maiores, que eram o Banco Comercial e o Banco do Brasil, de Irineu Evangelista de Souza, ambos localizados na Corte. Esses dois bancos se fundiriam, em 1853, para formar um novo Banco do Brasil, com monopólio de emissão no império. Em seguida vinham os bancos das províncias da Bahia, Pernambuco, Maranhão e Pará (GAMBI, 2010). A década de 1850 também foi decisiva para a história econômica do país, uma vez que se observou neste período o primeiro surto de exportação de café (PELÁEZ & SUZIGAN, 1981). Porém neste contexto de aumento das exportações de café, nota-se uma escassez de créditos para os setores produtivos nacionais. Com a crise de 1864 e o inicio da guerra do Paraguai o governo passou a depender das emissões do Banco do Brasil para financiar suas despesas, criando uma relação de ambiguidade com o banco. Ao mesmo tempo em que restringia suas emissões, autorizava o aumento na medida exata dos títulos que o próprio governo lhe enviava. Diante desse cenário, em 12 de setembro de 1866 foi criada a lei 1.349, que previa um acordo entre o Banco do

10 9 Brasil e o governo, onde este retirava o direito de emissões do Banco do Brasil. Desta maneira a emissão voltaria ser de responsabilidade do governo por meio da caixa de amortização (GAMBI, 2010). Com a Proclamação da República em 1889, o país iniciou uma fase de agitação econômica. Foi estabelecida uma nova legislação financeira (lei bancária de 1890), posta em prática pelo então ministro da fazenda Rui Barbosa, que acabava com as leis bancárias do período imperial, adequando a antiga regulação financeira ao novo contexto econômico do país. Com isso o governo esperava ampliar a rede bancária e consolidar bancos de emissão regionais no país 1. A consequência dessa reforma seria a expansão do crédito bancário, com a finalidade de desenvolver a economia e possibilitar a criação de recursos suficientes para prover remuneração do trabalho assalariado no campo, uma vez que a escravidão havia sido abolida um ano antes, ainda no império. Desta forma o aumento do meio circulante seria capaz de atender a grande demanda dos cafeicultores por créditos, possibilitando também o fornecimento de recursos necessários para a constituição, ampliação e diversificação das demais atividades produtivas do país (CHAVANTES, 2004). A nova lei bancária resultou numa multiplicação bancária, ou seja, fez com que o números de agências triplicasse, promovendo uma expansão no setor bancário (PIRES, 2009). Porém no período que se estende de 1890 a 1914 não houve no país condições estruturais para a consolidação de um sistema bancário brasileiro, pois antes da abolição (1888) e da república (1889), a falta de mercado de trabalho e a inexistência da burguesia agiram como obstáculos para o avanço moderno da industrialização e da urbanização, desse modo impossibilitando a ampliação da circulação de crédito e da moeda na escala necessária ao desenvolvimento do capital (NOZAKI, 2009). A falta de articulação entre empresas e bancos fez com que o sistema bancário brasileiro servisse apenas de intermediário entre as empresas nacionais e o crédito externo (TAVARES, 1999). Em relação ao crédito para o consumo, ao longo de sua historia da evolução dos bancos e do crédito, o Brasil enfrentou os limites de um país que possuía uma das piores concentrações de renda e de riqueza e uma das maiores dimensões populacional e territorial do mundo (COSTA, 1978). Se no império eram as velhas oligarquias que controlavam e influenciavam o governo, agora na República Velha ( ) serão os cafeicultores do Oeste de São Paulo e de Minas Gerais que tomariam a frente, tornando-se o setor mais moderno e dinâmico da elite 1 Rui Barbosa estava preocupado com a viabilização da indústria no país. Por isso é considerado por Heitor Ferreira Lima como um industrialista brasileiro, ao lado de Mauá e Roberto Simonsen (LIMA, 1976).

11 10 rural brasileira. O Coronelismo 2 deve ser lembrado aqui, como maneira de ressaltar como o estado de São Paulo e Minas influenciaram as estruturas políticas e econômicas da época. Assim a economia brasileira, nas três primeiras décadas do século XX, era baseada na agricultura e no latifúndio, com alguns centros urbano-industriais. A crise do café que ocorreu a partir de 1897, combinando superprodução e queda dos preços e, posteriormente, mantendo uma tendência declinante nos preços até 1910 (COSTA, 1978), serviu para que essas oligarquias criassem políticas voltadas para a valorização do produto, ou seja, políticas voltadas para o setor interno do país. Desta maneira nota-se que houve uma necessidade de expandir o crédito no país. 3. Bancos em Minas Gerais Somente em 1 de janeiro de 1819 foi que se instalou no estado o seu primeiro banco, a caixa filial do Banco do Brasil, em Vila Rica (BESSA, 1981). Posteriormente veio a ser criada uma caixa econômica em Ouro Preto, em 1838, e uma nova caixa filial do Banco do Brasil, em 1856 (GAMBI, 2008). No entanto, em meados do século XIX, o sistema bancário mineiro ainda era precário (HASENBALG & BRIGAGÃO, 1970). A origem do sistema bancário em Minas possui muitas interpretações diferentes, já que até o final do século XIX eram os bancos do estado do Rio de Janeiro que ofereciam créditos e serviços bancários aos mineiros (WIRTH, 1982). Grandes transformações ocorreram no estado de Minas Gerais, desde a transição de uma economia mineradora para uma economia mercantil de gêneros alimentícios na Região Sul, até o desenvolvimento da cafeicultura mineira para a Zona da Mata (PAULA, 2001). Porém, pela ausência de estudos empíricos e até mesmo inexistência de documentação adequada, permanece a discussão sobre o desenvolvimento do sistema bancário em Minas. Mascarenhas (1954) e Albino (1957) defendem a ideia que a origem do sistema bancário estaria ligado ao surto industrial ocorrido na Zona da Mata nas duas últimas décadas do século XIX. Ao analisar a atividade bancária como pré-abolição, tudo indica que esta estaria ligada a agricultura, mas especificamente para a produção de café (BASTOS, 1997; PIRES, 1993). Porém ao discordar que a produção de café seria responsável pela expansão dos bancos, Costa (1978) argumenta que os lucros dos produtores de café seriam incapazes de extravasar para outros setores da economia mineira, portanto a produção de café não poderia ser responsável pelo capital bancário mineiro. 2 Para coronelismo, ver LEAL (1975).

12 11 Outras explicações para a origem do capital dos bancos mineiros são indicadas, porém não são apontadas, mas de certa forma o vinculo exclusivo com o surto industrial e com a economia cafeeira em Minas é negado (LIMA, 1977). Sobretudo o capital comercial, de pequenos e médios comerciantes do interior do estado, também é indicado como possível responsável pela expansão bancária de minas (HASENBALG & BRIGAGÃO, 1970). Wirth (1982) reforça esta ideia acreditando que a expansão do comércio foi fundamental para a expansão do sistema bancário mineiro numa economia em desenvolvimento. Paiva (1996) ressalta que mesmo antes da decadência da produção mineradora, Minas Gerais já se destinava a se dedicar a várias outras atividades econômicas. O estado de Minas Gerais possuía um setor exportador agropecuário não cafeeiro muito importante, que era responsável pela formação de uma renda monetária significativa (SLENES, 1988). Desta maneira o centro-dinâmico que foi responsável pelo crescimento de Minas Gerais ao longo do século XIX seria o setor exportador da Província, e a acumulação de capital do estado se dava na esfera mercantil (SLENES, 1988; PAIVA, 1996). O avanço das relações de crédito entre grandes e pequenos proprietários seria o ponto principal dessa expansão, deixando assim de enfatizar o comércio como causa principal da expansão bancária mineira (COSTA, 1978). A expansão do sistema bancário em Minas no final do século XIX, não significou apenas uma transformação importante na economia, serviu também como rompimento com os bancos do Rio de Janeiro. Essas diversas interpretações em relação à origem do capital bancário dizem respeito aos bancos do estado de Minas como um todo, e algumas delas se referem especificamente á Zona da Mata. A origem deste capital no Sul de Minas ainda precisa ser mais explorada, deste modo pretendemos fazer uma análise voltada para esta região, com o intuito de entender melhor de que maneira esta expansão do sistema bancário ocorreu no Sul de Minas e quais fatores da economia contribuíram para isso, já que a partir de 1910 a região se fortaleceu e criou condições para que se instalasse nos seus municípios um número razoável de bancos e agências bancárias. 4. Bancos no Sul de Minas Gerais Minas Gerais, que teve sua plantação de café superada pela do estado de São Paulo entre 1888 e 1908, tornou-se então o principal produtor de alimentos de subsistência do país. Desse modo o vinculo estabelecido com o Rio de Janeiro que era capital da Corte e o principal centro comercial, se fortaleceu (LENHARO, 1979; FURTADO, 1983). Com isso, a

13 12 região do Sul esteve voltada especialmente para o abastecimento da cidade do Rio de Janeiro, e dessa maneira os bancos da capital abafavam o surgimento de bancos no estado de Minas, fazendo com que os recursos mineiros se voltassem para o Rio de Janeiro (IGLÉSIAS, 1958). Portanto até o final do século XIX eram os bancos do estado do Rio de Janeiro que ofereciam créditos e serviços bancários aos mineiros (WIRTH, 1982). Especificamente no sul de Minas Gerais, o sistema bancário começou a se desenvolver a partir da década de 1910, já na década de 1920 o desenvolvimento bancário se torna ainda mais marcante e se consolida (COSTA, 1978). Foi neste contexto de expansão dos bancos em Minas, que ocorreu também o enfraquecimento da economia fluminense perante a economia paulista. Com isso o estado de Minas Gerais passa a se desenvolver com mais intensidade num ambiente economicamente ligado ao estado de São Paulo (GAMBI, 2011). Embora haja necessidade de estudos mais aprofundados, o esgarçamento dos laços que ligavam a economia mineira ao estado do Rio de Janeiro e a mudança do centro da economia nacional para o estado de São Paulo parecem ser elementos importantes para explicar o aumento do número de bancos na região do sul de Minas na década de 1920 (GAMBI, 2011). Gráfico 2 Nº de Bancos Criados no Sul de Minas e na Zona da Mata ( ) Gráfico 3 Nº de Bancos Criados no Sul de Minas, na Zona da Mata e em Belo Horizonte ( ) Fonte: BASTOS (1997) e COSTA (1977) Fonte: BASTOS (1997) e COSTA (1977) Como a maioria destes bancos foram criados no Sul de Minas, é correto supor que a região dispunha de uma razoável rede de atendimento bancário. O Banco Hipotecário e Agrícola de Minas Gerais fundado em 1911 é um exemplo disto, pois este tinha agências em Varginha, São Sebastião do Paraíso, Guaxupé, Formiga, Barbacena, Araguari, Curvelo, Muriaé, Carangola e Ubá (GAMBI, 2011). O Banco do Brasil, mais antigo que o banco

14 13 Hipotecário (PACHECO, 1979), também ampliou seu número de agências na região do Sul de minas e contava com agências em Três Corações e Varginha. Costa (1978), ao sugerir que a origem do capital bancário mineiro teria ligação com o capital comercial do mercado interno, seja pela comercialização de gado, seja nos negócios urbanos, propôs uma análise das principais características econômicas dos municípios onde se instalaram os novos bancos, já que estes não possuíam filiais ou agências. A casa Bancária Cia. Industrial Sul Mineira tinha sua sede na cidade de Itajubá no sul de Minas. Nesta cidade, por exemplo, eram produzidos café, fumo, cana, algodão, feijão, milho e arroz. Esses produtos eram exportados para o estado do Rio de Janeiro e São Paulo. O Banco Comércio e Lavoura tinha sua sede em Muzambinho, município situado numa região cafeeira e vinícola, que em 1907 já apresentava certo desenvolvimento, com bons comércios, fábricas de vinhos, móveis, massas alimentícias, usinas e engenhos. Santa Rita do Sapucaí era sede do Banco Santaritense, além de exportar café, cereais e gado. Alfenas também era um município com atividade econômica agrícola e pastoril. Monte Santo, na fronteira com São Paulo, fazia parte de um município cafeeiro. Por último, Poços de Caldas que era sede da Casa Bancária Moreira Salles & Cia, município que exportava café, cereais, vinhos e laticínios. Os exemplos acima indicam as principais atividades econômicas das cidades sulmineiras, a produção agrícola de gêneros alimentícios e café. Em algumas delas, nota-se também a presença de uma atividade industrial, atividade esta que de uma maneira geral mantinha alguma ligação com á economia de abastecimento ou com á economia agroexportadora cafeeira. Essas indústrias estariam voltadas para o ramo de alimentos e para o consumo local, possuindo uma estrutura com poucos trabalhadores e com uma baixa tecnologia. Se considerarmos os dados da produção de café e da produção industrial do Sul de Minas e relacionarmos essas informações da localização dos bancos na região, percebemos que as principais cidades produtoras de café em 1927 e que, ao mesmo tempo, tiveram algum tipo de produção industrial em 1907, tiveram algum banco criado entre 1909 e Além de que a maioria dessas cidades tinham acesso a linha de trem, através da Mogiana e a Rede Sul Mineira. A instalação da rede ferroriária do Sul de Minas mantinha ligação com o Rio de Janeiro e São Paulo, não promevendo um transporte entre suas próprias cidades. Assim o

15 14 século XX é marcado por um período de transição e avanços na economia sul mineira, tanto nos aspectos bancários, indústriais e de integração de suas ferrovias, porém estes avanços ocorreram de maneira lenta (SAES, COSENTINO, SILVA e GAMBI, 2010). 5. Observações Finais Seja pelo número de trabalhos, seja por problemas de documentação, o desenvolvimento dos bancos em Minas Gerais não possui ainda uma historiografia consolidada. Mascarenhas (1954) e Albino (1957) em seus trabalhos apoiavam na ideia de que o elemento responsável para tão expansão seria o surto industrial que houve na Zona da Mata no fim do século XIX. Mas em seu trabalho Lima (1977) nega este vinculo da criação dos bancos com o surto industrial, acreditando que existem outras perspectivas para a origem do capital dos bancos, embora não as aponte. Costa (1978) ressalta que as relações de crédito entre grandes e pequenos proprietários seriam o foco principal para ter ocorrido este desenvolvimento, deixando de lado o comércio, fator este que Wirth (1982) acreditava ser fundamental para a expansão dos bancos. Apesar da discussão sobre a origem dos bancos mineiros, pode-se afirmar que o século XIX foi marcado pelo inicio do avanço do sistema bancário estado e que, no século XX, essa expansão se consolida. Em relação ao Sul de Minas é possível que o avanço do sistema bancário se deu após o rompimento do estado com o Rio de Janeiro e neste mesmo momento a região passou a ter uma relação maior com o estado paulista. Os estudos ainda são escassos no que diz respeito à historiografia da região do Sul de Minas, porém podemos notar que a produção de café no século XX perdeu força e que na região havia uma economia diversificada. Devemos enfatizar também que os bancos criados no Sul de Minas teriam suas sedes em cidades próximas às cidades paulistas, o que remete a uma ligação mais forte entre as economias mineira e paulista. 6. Referências Bibliográficas ALCÂNTRA, Daniela Pires Ramos de. Instituições, sistema financeiro e desenvolvimento econômico. Tese de Doutorado: Unicamp-Campinas, 2010.

16 15 ALBINO, Washington. Perspectivas Atuais da Economia Mineira. In: II Seminário de Estudos Mineiros. UFMG, Belo Horizonte, ALMEIDA, Jose Tadeu de. Transição política e politica econômica no Brasil- Império: Dissertação de Mestrado: Unicamp-Campinas, BESSA, Antônio Luiz de. História financeira de Minas Gerais em 70 anos derepública. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Fazenda, BASTOS, Claúdio de Albuquerque. Instituições Financeiras de Minas Belo Horizonte: BDMG, CHAVANTES, Ana Paula. Consolidação do sistema bancário em São Paulo na década de Dissertação de Mestrado: Unicamp-Campinas, COSTA, Fernando Nogueira. Bancos em Minas Gerais ( ). Dissertação de Mestrado -Unicamp Campinas, FRANCO, Afonso Arinos de Melo e PACHECO, Cláudio. História do Banco do Brasil.Brasília: Banco do Brasil, v. FREIRE, Felisbello Firmo de Oliveira. Historia do Banco do Brazil. Rio de Janeiro: Typ. D O Economista Brazileiro, FURTADO, Milton Braga. Síntese da economia brasileira, Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos S.A., GAMBI, Thiago Fontelas Rosado. O Banco da Ordem: Política e Finanças no Império Brasileiro ( ). Tese (Doutorado em História Econômica) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Univerdade de São Paulo, São Paulo, HASENBALG, Carlos A. e BRIGAGÃO, Clóvis. O setor financeiro no Brasil: aspectos históricos. Rio de Janeiro: Dados, HOBSBAWM, Eric J. As Origens da Revolução Industrial. São Paulo: Global, 1979.

17 16 IGLÉSIAS, Francisco. Politica econômica do governo provincial mineiro Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-Ômega, LENHARO, Alcir. As tropas da Moderação O abastecimento da Corte na formação política do Brasil 1808/1842. São Paulo: Edições Símbolo, LIMA, João Heraldo. Café e indústria em Minas Gerais ( ). Dissertação de Mestrado Unicamp Campinas, LIMA, Heitor Ferreira. Três industrialistas brasileiros: Mauá, Rui Barbosa, Simonsen. São Paulo: Alfa-Ômega, LISBOA, José da Silva. Princípios de Direito Mercantil e Leis de Marinha. Rio de Janeiro: Typ. Acadêmica, MASCARENHAS, Nelson Lage. Bernardo Mascarenhas. O surto industrial de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Ed. Aurora, NOZAKI, William Vella. Finanças internacionais e bancos nacionais no desenvolvimento econômico brasileiro ( ). Dissertação de Mestrado Unicamp Campinas, PAIVA, Clodilte Andrade. População e economia nas Minas Gerais do século XIX. Tese de doutorado em História USP-São Paulo / Departamento de Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, PAULA, Ricardo Zimbrão Affonso de. Percalços da industrialização: o caso de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado Unicamp - Campinas, PELÁEZ, Carlos Manuel; SUZIGAN, Wilson. História Monetária do Brasil: análise da política, comportamento e instituições monetárias. Brasília: Editora Universidade de Brasília, PIRES, Anderson. Capital agrário, investimentos e crise na cafeicultura de Juiz de Fora 1870/1930. Dissertação de Mestrado UFF Niterói, 1993.

18 17 SAES, Alexandre; COSENTINO, Daniel; GAMBI, Thiago. Sul de Minas em transição: opção por uma regionalização como ponto de partida. In: SAES, Alexandre e LOBATO, Marcos. Sul de Minas em transição: a formação do capitalismo na passagem para o século 20. Bauru: Edusc, SAES, Flávio Azevedo Marques de. Crédito e bancos no desenvolvimento da economia paulista São Paulo: IPE/USP, SLENES, Robert W. Os Múltiplos de Porcos e Diamantes: A Economia Escrava de Minas Gerais no Século XIX. Estudos Econômicos. São Paulo, v.18, no. 3, p , TAVARES, Maria da Conceição. Império, território e dinheiro, Petrópolis: Vozes, VIANA, Victor. O Banco do Brasil. Sua formação. Seu engrandecimento. Sua missão nacional. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, WIRTH, John. O fiel da balança: Minas Gerais na federação brasileira( ). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS GRAZIELA MARA DE FARIA. O processo de industrialização no Sul de Minas

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS GRAZIELA MARA DE FARIA. O processo de industrialização no Sul de Minas UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS GRAZIELA MARA DE FARIA O processo de industrialização no Sul de Minas Varginha/MG 2014 1 GRAZIELA MARA DE FARIA O processo de industrialização no Sul de Minas Trabalho de

Leia mais

Crédito e bancos no sul de Minas Gerais (1917-27): reconstituição da história econômica da região em sua transição para o capitalismo

Crédito e bancos no sul de Minas Gerais (1917-27): reconstituição da história econômica da região em sua transição para o capitalismo Crédito e bancos no sul de Minas Gerais (1917-27): reconstituição da história econômica da região em sua transição para o capitalismo RELATÓRIO FINAL APRESENTADO À FAPEMIG PROJETO SHA APQ 04432-10 (PROGRAMA

Leia mais

INDÚSTRIA EM MINAS GERAIS: ORIGEM E DESENVOVIMENTO *

INDÚSTRIA EM MINAS GERAIS: ORIGEM E DESENVOVIMENTO * INDÚSTRIA EM MINAS GERAIS: ORIGEM E DESENVOVIMENTO * Ricardo Zimbrão Affonso de Paula ** INTRODUÇÃO O estudo que agora apresentamos tem por finalidade abordar a origem e o desenvolvimento da indústria

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

A Economia do Brasil no século XIX

A Economia do Brasil no século XIX A Economia do Brasil no século XIX Marcus Antônio Croce 1 Resumo: O artigo pressente demonstra através de uma gama de trabalhos bibliográficos referenciais sobre a economia brasileira no século XIX, como

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Unimed Federação Minas. Quando o assunto é unimed, somos Especialistas. A UNIMED FEDERAÇÃO MINAS

Unimed Federação Minas. Quando o assunto é unimed, somos Especialistas. A UNIMED FEDERAÇÃO MINAS A UNIMED FEDERAÇÃO MINAS A Unimed Federação Minas atua representando política e institucionalmente as 62 cooperativas médicas no estado, 5 federações regionais e 1 comitê, bem como os mais de 15 mil médicos

Leia mais

FICHA DE GEOGRAFIA CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO A INDÚSTRIA NO PERÍODO DA REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Prof. Dario Alencar Ensino Médio

FICHA DE GEOGRAFIA CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO A INDÚSTRIA NO PERÍODO DA REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Prof. Dario Alencar Ensino Médio 1 FICHA DE GEOGRAFIA CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO Prof. Dario Alencar Ensino Médio CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO A cafeicultura criou condições necessárias ao desenvolvimento da indústria. Esta, por

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

PORTARIA TRT/SGP/1813/2010, de 07 de outubro de 2010

PORTARIA TRT/SGP/1813/2010, de 07 de outubro de 2010 PORTARIA TRT/SGP/1813/2010, de 07 de outubro de 2010 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA TERCEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e, considerando as

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária 01. 000 Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134 74.751 01. 901 Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Dinâmica e integração regional: a evolução e o desenvolvimento da região de São

Dinâmica e integração regional: a evolução e o desenvolvimento da região de São Dinâmica e integração regional: a evolução e o desenvolvimento da região de São José do Rio Preto Joelson Gonçalves de Carvalho 1 A Região Administrativa (RA) de São José do Rio Preto se localiza no noroeste

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS.

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. Maricélia Cardoso Matos Neves mari.neves@uol.com.br Universidade Federal da Bahia A simples observação do mapa do Brasil mostra a existência

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

A Economia Cafeeira O comerciante de café e o crédito agrícola

A Economia Cafeeira O comerciante de café e o crédito agrícola A Economia Cafeeira O comerciante de café e o crédito agrícola Durante o longo período do século XIX, no qual a economia cafeeira se assentava sobre o regime de trabalho escravo, e mesmo nas duas décadas

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020031 PERÍODO: 8º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA AGRÍCOLA

1. IDENTIFICAÇÃO 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020031 PERÍODO: 8º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA AGRÍCOLA 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020031 PERÍODO: 8º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA AGRÍCOLA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DO CURSO: ECONOMIA 2. EMENTA A agricultura

Leia mais

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA.

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. Larissa Chiulli Guida lalaguida@yahoo.com.br Discente do curso de Geografia - Unifal-MG

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

HISTÓRIA DA EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS NO BRASIL

HISTÓRIA DA EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS NO BRASIL HISTÓRIA DA EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS NO BRASIL PERÍODO COLONIAL (1500-1822) A economia colonial brasileira é integrada ao processo mundial de expansão do capitalismo mercantil. Baseada no monopólio colonial

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

DELEGACIAS REGIONAIS

DELEGACIAS REGIONAIS DELEGACIAS REGIONAIS IPATINGA 001 IPATINGA - (01ª DRPC) Av. João Valentim Pascoal, Nº 309 Centro regional.ipatinga@pc.mg.gov.br 35.160-003 (31) 3822-1390 (31) 3822-2933 (31) 3822-2349 (31) 3822-8656 CURVELO

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003.

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. O Estado Imperial Brasileiro e a centralização financeira/bancária: o caso do Banco do Brasil do Barão de Mauá, 1851-1853. Prof. Dr. Carlos Gabriel Guimarães O presente trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATEUS DE OLIVEIRA PALA IDEIAS E POLÍTICAS ECONÔMICAS DE SOUZA FRANCO (1857-1858) VARGINHA/MG 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

www.seminariocaferj.com ou pelos telefones:

www.seminariocaferj.com ou pelos telefones: Informações pelo site: www.seminariocaferj.com ou pelos telefones: (21) 8111-0726 (21) 9663-2827 (21) 9319-0208 (21) 7733-9728 Inscrições pelo formulário abaixo Não deixe sua decisão para a última hora.

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020020 4 04 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020020 4 04 Semanal Mensal 04 60 e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 020020 4 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Curso CIÊNCIAS ECONÔMICAS Situação econômica na Europa antes das grandes

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS DO JORDÃO

CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS DO JORDÃO CORRIDA DO NATAL DE CAMPOS Descrição Faixa Coloc. Num. Nome Idd. Equipe Tempo Masculino de 0 até 15 anos idade inválida 1 488 TROCA DE NÚMERO. DE: 488 PARA: 628 0 00:47:33 Masculino de 16 até 19 anos 1

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

2. A proposta será avaliada pelo Subcomitê Virtual de Revisão (SVR) e examinada pelo Comitê de Projetos em março de 2013.

2. A proposta será avaliada pelo Subcomitê Virtual de Revisão (SVR) e examinada pelo Comitê de Projetos em março de 2013. PJ 45/13 9 janeiro 2013 Original: inglês Disponível em inglês e português P Comitê de Projetos 5. a reunião 7 março 2013 Londres, Reino Unido Empoderamento das mulheres nas cooperativas de café brasileiras

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 8 Educador: Franco Augusto ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial Capítulo 8 Educador: Franco Augusto EUA: Processo histórico Colônia de povoamento (Reino Unido, em especial a Inglaterra) A ocupação da costa do Atlântico foi baseada

Leia mais

CAMPUS INCONFIDENTES

CAMPUS INCONFIDENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Medicina Pouso Alegre

Leia mais

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 )

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) Roberto Lobato Corrêa Departamento de Geografia- UFRJ Tel.: (021) 590-1880 UFRJ-IBGE, Rio de Janeiro, Brasil Este estudo

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929.

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. Adolfo Afonso da Silva Gordo nasceu em Piracicaba (SP) a 12 de agosto de 1858, filho de Antônio José

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente)

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente) PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2009 ANO DO CURSO: 3º Curso: Ciências Econômicas - Modalidade: Bacharelado - Turno: Noturno Centro: Ciências Sociais Aplicadas Campus: Cascavel Disciplina Código Denominação

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Analise duas transformações ocorridas nesse contexto histórico que colaboraram para a crise da República.

Analise duas transformações ocorridas nesse contexto histórico que colaboraram para a crise da República. 1) Leia a afirmativa abaixo que relaciona as conquistas territoriais às profundas alterações políticas, sociais e econômicas ocorridas entre os séculos II e I a.c. A República conquistara para Roma o seu

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Luis Ramalho VI Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 6 de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Área: 924.620 km² (cerca de 10% do território nacional); População: 85,1 milhões de habitantes (2014); Estados formadores: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo;

Leia mais

EVANGÉLICOS EM MINAS GERAIS

EVANGÉLICOS EM MINAS GERAIS EVANGÉLICOS EM MINAS GERAIS Cidade Região População Evangélicos %Evang MANTENA ValedoAçoMG 27,1 12,1 44,6% TIMOTEO ValedoAçoMG 81,2 33,2 40,9% IPATINGA ValedoAçoMG 239,5 96,2 40,2% CORONEL FABRICIANO ValedoAçoMG

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais