Para os Estudos em Memória do Prof. Doutor Paulo Cunha. Obrigações de meios, obrigações de resultado e custos da prestação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para os Estudos em Memória do Prof. Doutor Paulo Cunha. Obrigações de meios, obrigações de resultado e custos da prestação"

Transcrição

1 Para os Estudos em Memória do Prof. Doutor Paulo Cunha Obrigações de meios, obrigações de resultado e custos da prestação Pedro Múrias Maria de Lurdes Pereira 1 A distinção entre obrigações de meios e de resultado é importante e rigorosa, mas tem suscitado dificuldades e, por vezes, alguma oposição, embora seja amplo o seu acolhimento. 2 O rigor da distinção não exclui figuras mistas, sendo os casos de dupla definição da prestação, abaixo referidos, os mais frequentes e dignos de nota. Propomo-nos esclarecer os termos da distinção 3 e o seu alcance em sistemas como o português. Defendemos, em especial, que a distinção não tem reflexos em matéria de custos da prestação, ou seja, nos problemas de acréscimos de onerosidade, que podem configurar uma «alteração das circunstâncias». O tópico das obrigações de meios e de resultado não serve para determinar quais os casos em que a onerosidade da prestação é excessiva. 4 Pelo caminho da exposição, apresentamos ainda o conceito de resultado definidor da prestação, que cremos ter alguma utilidade geral e que se contrapõe aos resultados exteriores (o «fim da prestação») e aos resultados subalternos. As obrigações de resultado poderiam chamar-se obrigações de causação ou obrigações causativas. Nelas, o devedor obriga-se a causar certo resultado, o resultado definidor da prestação. Como o comportamento devido se define pela causação de um facto, esse comportamento ocorre apenas se o resultado ocorrer: só se causa o que acontece. Logo, um acto só será 1 M.ª de Lurdes Pereira é assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Pedro Múrias é doutorando da mesma Faculdade, em exclusividade. 2 DEMOGUE, Traité des obligations en général, parte I, Sources des obligations, tomo V, Arthur Rousseau, Paris, 1925, , está na origem da terminologia assente em Portugal e que usamos. O Autor escrevia a propósito das diferenças quanto ao ónus da prova entre responsabilidade contratual e extracontratual, mas volta a usar a distinção nalguns temas do tomo VI do Traité. Na Alemanha, cf., p. ex., HEINEMANN, Beweislastverteilung, , num estudo comparativo e dogmático. Reportam-se à mesma distinção RÖDL, Die Spannung der Schuld, Duncker & Humblot, Berlim, 2002, CANARIS, Die Behandlung nicht zu vertretender Leistungshindernisse nach 275 Abs. 2 BGB beim Stückkauf, JZ 2004/5, , e LOBINGER, Die Grenzen rechtsgeschäftlicher Leistungspflichten, Mohr Siebeck, Tubinga, No direito inglês, cf. TREITEL, The law of contract, 10.ª ed., Sweet & Maxwell, Londres, 1999, , distinguindo o supply of services dos casos em que se promete um result, e NICHOLAS, Fault and breach of contract, in BEATSON / FRIEDMANN (org.), Good faith and fault in contract law, Clarendon, Oxford, 1995, , aludindo à distinção francesa, que o Autor tem por útil para o common law. O art. 5.4 PUC (Princípios UNIDROIT relativos aos Contratos Comerciais Internacionais) distingue o «duty to achieve a specific result» e o «duty of best efforts», «obrigação de resultado» e «obrigação de meios» na «versão provisória em língua portuguesa» do Ministério da Justiça. 3 Insuficientemente aprofundados em P. MÚRIAS, Por uma distribuição fundamentada do ónus da prova, Lex, Lisboa, 2000, 131 (n. 377) e M.ª LURDES PEREIRA, Conceito de prestação e destino da contraprestação, Almedina, Coimbra, 2001, (n. 515). Podem ver-se nesses locais algumas indicações bibliográficas. 4 Opomo-nos, pois, a uma construção de CANARIS, loc. cit., , e de LOBINGER, loc. cit., , que este autor usa em várias partes do seu estudo. Pelo contrário, concordamos em absoluto com as críticas que, no resto do artigo, CANARIS dirige a PICKER (Schuldrechtsreform und Privatautonomie, JZ 2003/21, ) e que devem tb. ser dirigidas ao conjunto do estudo de LOBINGER. 1

2 qualificado como cumprimento se o resultado vier depois a ocorrer. As obrigações de meios chamar-se-iam com mais clareza obrigações de tentativa ou obrigações de adequação. As obrigações de meios também se definem por um resultado. O devedor, porém, não se obriga a causá-lo, mas a tentar causá-lo, ou melhor, a praticar os actos que, numa apreciação ex ante, sejam adequados a causá-lo. É portanto comum às obrigações de meios e de resultado serem definidas através de um facto que se pretende causar. A diferença está naquilo a que o devedor se obriga: nas de resultado, obriga-se a causá-lo; nas de meios, obriga-se a tentar adequadamente causá-lo. Assim, só há cumprimento das primeiras quando o resultado definidor da prestação ocorra causado pelo devedor; 5 nas de meios, há cumprimento quando o resultado é adequadamente tentado. Note-se que as «obrigações de meios» não se definem por nenhuma indicação dos meios que o devedor usará para cumprir. Pelo contrário, ele é totalmente livre na sua escolha, salvo convenção adicional. O problema do conceito de obrigação de resultado não é muito diferente do problema da análise semântica da linguagem especificamente causal. 6 Aquele conceito jurídico é, aliás, comparável com o conceito linguístico de verbo causativo. Trata-se de verbos transitivos, muito comuns, que descrevem uma acção do sujeito atribuindo-lhe, portanto, o «papel temático» de agente em função de um resultado exterior a essa mesma acção e por ela causado. 7 Pense-se em verbos como aperfeiçoar, arrefecer, construir, curar, entorpecer, matar, produzir, recuperar, salvar, silenciar... Só se pode dizer que alguém aperfeiçoou, construiu, curou, etc., se algo ficar efectivamente aperfeiçoado, construído, curado, etc., por causa daquela acção. E o efeito não é parte da acção causadora. A distinção entre verbos causativos e verbos não causativos (mas que também indiquem um sujeito agente) corresponde à distinção penalista entre crimes de resultado e crimes de mera actividade. Pelo contrário, não tem correspondência perfeita na distinção entre obrigações de meios e de resultado. É que também são prestações de resultado aquelas cujo «efeito» não se distinga da própria acção. Um actor de teatro contrai, pelo menos em regra, a obrigação de resultado de representar, não sendo este resultado autónomo da própria acção. O conceito de obrigação de resultado é, logo na sua definição, mais amplo do que o de verbo causativo, pois só nos interessa a diferença entre conseguir e tentar. Assim, ao falar de resultado podemos estar a referir-nos à própria acção, embora esses casos sejam pouco numerosos e não lhes vamos dar grande reparo. De qualquer modo, uma prestação descrita com um causativo indica em princípio uma prestação de resultado; antepondo-se-lhe o verbo tentar, temos decerto uma obrigação de meios. Com as definições propostas, superam-se de imediato algumas dificuldades. A doutrina actual sustenta que, nas obrigações de resultado, o «devedor deve não só o comportamento, mas 5 Ou por um terceiro que cumpra em seu lugar. 6 Que sempre criou dificuldades aos juristas. Cf. H. HART/T. HONORÉ, Causation in the law, 2.ª ed., reimp., Clarendon, Oxford, 1998 (1985; 1.ª ed. 1959), Apela-se a um conceito intuitivo de acção, aliás coincidente com o que resulta da literatura citada infra, n. 10. Sobre os conceitos linguísticos usados, cf. M.ª HELENA MATEUS et al., Gramática da língua portuguesa, 5.ª ed., Caminho, Lisboa, 2003, e

3 também o resultado». 8 Traduz-se assim que, por muitos que sejam os esforços do devedor, só há cumprimento se o resultado de facto se verificar, o que devemos ter por assente. Ao mesmo tempo, porém, diz-se que a obrigação é essencialmente um dever e que um dever só pode ser de um comportamento. As duas asserções são contraditórias. Resolve-se a contradição ao compreender que se deve apenas um comportamento, mas que aquilo que o define como prestação devida e, logo, como cumprimento, é a causação de um resultado. Então, por muitos que sejam os esforços do devedor, só há cumprimento se o resultado se verificar, pois, caso contrário, não ocorre o comportamento a que o contrato (ou outra fonte) obriga. 9 Este entendimento coincide em absoluto com uma conhecida tradição da filosofia anglófona sobre a linguagem causal e o conceito de acção: uma acção, como qualquer acontecimento, pode ser descrita de um número ilimitado de maneiras, designadamente através de uma ou várias das suas consequências. Mas a acção é só uma, e não é exterior ao corpo do agente. 10 Prova de que não se deve o resultado (distinto da acção) são também as conhecidas situações em que o resultado contratual é obtido por outra forma que não o comportamento do devedor. Quando o resultado é obtido por outra forma, não é um comportamento do devedor que o causa. Não havendo um comportamento causador do resultado que define a prestação, não há qualquer cumprimento, ao contrário do que decorreria da fórmula de que «o devedor deve (não só um comportamento, mas também) um resultado». Estes são, portanto, casos de impossibilidade. 11 Não pode, por outro lado, dizer-se que o devedor deva o resultado e o comportamento, porque, além da causação do resultado, não há nenhuma acção devida, salvo estipulação adicional. Outros actos do devedor são consumidos, tornados irrelevantes, no momento em que o resultado seja causado, mesmo que, ex ante, fossem convenientes ou indispensáveis. Exceptua-se dessa irrelevância a sua utilização indirecta, p. ex., como elemento a ponderar na 8 Cf. M.ª LURDES PEREIRA, Conceito, e , com restrições, e, sem restrições, RÖDL, Spannung, A contradição assinalada foi objecto de uma análise aprofundada por WIEACKER. Porém, o Autor, longe de propor ultrapassá-la através de uma redefinição do papel do resultado no conceito de prestação, preferiu eliminar o outro dos seus termos: seria incorrecta a afirmação corrente de que o devedor deve a prestação. A «prestação» visada pela maioria dos preceitos do direito das obrigações corresponderia à «realização do interesse do credor através de um comportamento do devedor conforme com o dever» (cf. Leistungshandlung und Leistungserfolg im bürgerlichen Schuldrecht, FS Nipperdey zum 70. Geburtstag, Vol. I, Beck, Munique, 1965, , ) e seria de rejeitar a afirmação (aparentemente tautológica) de que «o devedor deve a prestação», por não vigorar um princípio geral de «responsabilidade incondicional» do devedor pela verificação do resultado (cf. WIEACKER, Leistungshandlung, e 812). 10 Cf. o estudo fundador de E. ANSCOMBE, Intention, reimp., Harvard Univ., Cambridge (Mass.)/ Londres, 2000 (1957), passim, esp. te 37 ss., e os primeiros ensaios de D. DAVIDSON, Essays on actions and events, 2.ª ed., Clarendon, Oxford, 2001 ( ). Já temos por menos feliz, embora bastante próxima, a exposição de VON WRIGHT, Explanation and Understanding, reimp., Cornell University, Ithaca, 2004 (1971), p Para a crítica de entendimentos opostos, desenvolvidamente, M.ª LURDES PEREIRA, Conceito, Nas prestações de coisa específica pertencente ao devedor, porém, há normalmente «cumprimento» desde que a coisa seja recebida pelo credor, ainda que por facto natural ou por acto de terceiro que não pretenda cumprir. São pensáveis casos com alguma semelhança em sede de obrigações genéricas. Isto tem algum interesse para a compreensão das prestações de coisa, diminuindo o seu cunho de «prestações». Os casos inversos aos referidos no texto, em que o resultado é impossibilitado, tb. tratados por M.ª L. PEREIRA, ibidem, são por vezes erradamente designados como casos de «frustração do fim da prestação», o que confunde o resultado definidor com resultados exteriores. Cf. infra, no texto das nn. 15 e ss. 3

4 decisão equitativa do art. 883.º/1 ou nos «descontos» dos arts. 795.º/2 e 815.º/2. O dito que recusamos deixaria entender que, ao lado da causação do resultado definidor, seria devida alguma outra coisa, o que é falso. Neste ponto, aliás, as obrigações de resultado vinculam a menos do que as obrigações de meios. Apesar de tudo, talvez seja útil manter ao lado da formulação correcta a afirmação meio metafórica de que o devedor deve o resultado, mas apenas por comodidade de linguagem, evitando rodeios. P. ex., as locuções cumprimento parcial e impossibilidade parcial significam que só parte do resultado foi alcançada ou é possível. Nas obrigações de resultado, não se encontram partes do cumprimento nos actos de prestação. Fica superada, em segundo lugar, a própria dificuldade de definir as obrigações de meios. Dizia-se que, nelas, o devedor seria obrigado «apenas a certo esforço» ou «apenas a um comportamento diligente» na realização da actividade devida. Contudo, havia uma primeira insuficiência ao falar-se de «actividade devida» e «esforço devido». Na verdade, não era claro aqui se o cumprimento era o «esforço» ou a «actividade». Se, por outro lado, se dissesse apenas que o devedor fica obrigado «a certo esforço», cairíamos na total indeterminação. Qual o esforço devido? A falha decisiva que nos interessa especialmente era a de nas obrigações de meios se reduzir a definição da prestação ao emprego de um esforço de certa intensidade, de uma certa diligência, que seria determinada segundo o critério do bonus pater familias ou afim. Daqui se seguiria também, numa conclusão a contrario, que nas obrigações de resultado o devedor estaria obrigado a esforços de uma intensidade máxima, não podendo reclamar a eficácia exoneratória de um acréscimo, ainda que enorme, de despesas. Assentando em que a distinção entre as obrigações de meios e as obrigações de resultado não exige uma alusão às ideias de esforço ou de diligência, mas só ao facto de que o devedor de meios tem de tentar adequadamente alcançar o resultado, e não de causá-lo, é fácil reconhecer que a distinção não apoia um regime diverso quanto a custos. Mais do que isso: a definição que propomos permite demonstrar que as obrigações de meios seguem em matéria de custos precisamente o mesmo regime que valha para as de resultado. Desde logo, note-se que as obrigações de meios também consentem a distinção entre actos necessários e cautelas e que, nelas, como em quaisquer outras obrigações, estes dois tipos de actos colocam problemas jurídicos completamente distintos em matéria de custos, em moldes tais que revelam a inexistência de analogia. 12 Nas obrigações de meios, o devedor está vinculado a todo o acto necessário necessário, não suficiente, pois todos os actos indispensáveis ao resultado definidor (i.e., necessários) se incluem forçosamente nos actos a ele adequados. Os actos adequados englobam todos os actos necessários, embora insuficientes, e ainda, nos termos gerais, as cautelas próprias do bonus pater à face da situação (salvo estipulação adicional). Segue-se que, à semelhança do que acontece nos demais casos, actos necessários e cautelas desencadeiam aqui questões distintas em matéria de custos: designadamente, a presença de uma obrigação de meios implica só por si a vinculação aos actos necessários, sem que tenha de recorrer-se a qualquer critério para afirmá-lo; o problema dos custos excessivos só se coloca ex post. A 12 Desenvolve-se a importância da distinção entre actos necessários e cautelas no artigo Medida da diligência e acréscimo de custos da prestação, a publicar em breve. 4

5 vinculação às cautelas, pelo contrário, sofre de uma indeterminação inicial; o problema dos custos surge à partida. Depois, não existe qualquer razão privativa das obrigações de meios que aponte para que nelas os actos necessários se sujeitem a um regime de custos diverso do geral. Por um lado, a circunstância de a execução dos actos necessários se traduzir, nas obrigações de meios, no cumprimento (parcial) do dever de prestar não aponta para uma fasquia diversa das despesas a suportar pelo devedor e muito menos para que esse limite, a existir, seja inferior ao que se mostre valer nas obrigações de resultado (em que a realização dos actos necessários não concretiza só por si o cumprimento, que supõe a ocorrência do resultado). Os actos necessários não são devidos com «menos intensidade» nas obrigações de meios. Por outro lado, o facto de as cautelas serem nas obrigações de meios elementos da prestação não pode, de forma nenhuma, apoiar a ilação de que a prestação seria totalmente definida à luz do critério do bonus pater familias. É certo que estas cautelas são diligência e, em simultâneo, elementos da prestação, mas não esgotam a prestação nem afastam que esta se defina em função de um resultado. Sem referir o resultado não se consegue identificar a prestação; e uma cautela devida também só é elemento daquela prestação se se adequar ao resultado definidor, o que interessa para discernir deveres de prestação e deveres de protecção. Se o critério da culpa é ao mesmo tempo critério da prestação, a verdade é que não a consome, visto haver ainda os actos necessários, nem a identifica por si, visto ser preciso referir o resultado. Em reforço, deve registar-se que, numa perspectiva ex ante, os actos devidos são rigorosamente idênticos numa obrigação de meios e numa obrigação de resultado que visem o mesmo. Não há distinção entre obrigações de meios e de resultado quanto aos actos concretamente devidos a cada momento. Suponhamos que alguém contrata um advogado com vista a obter um projecto contratual que evite certo custo tributário numa operação com imóveis. O contrato pode obrigar o advogado a projectar a operação sem o custo fiscal ou apenas a fazer a correspondente tentativa. A obrigação será, pois, de resultado ou de meios conforme o que se convencione, relevando os critérios gerais de interpretação. As partes têm aqui total liberdade de estipulação, sem prejuízo de que, em regra, só se estipula uma obrigação de resultado quando o sucesso é visto como praticamente certo. No nosso caso, podia ser assim ou não. O que importa notar é que, quer com uma, quer com outra estipulação, o advogado deverá realizar o mesmo trabalho. O mesmo estudo, a mesma reflexão, as mesmas correcções: por outras palavras, o mesmo esforço e diligência, os mesmos actos necessários e cautelas. Numa perspectiva ex ante, o devido é idêntico. A diferença está apenas em que, se a obrigação for de meios, esses actos devidos ex ante são sempre cumprimento da obrigação. Se a obrigação for de resultado, esses actos só são cumprimento, só têm o nome de cumprimento e respectivos efeitos se o resultado for conseguido. Em rigor, chama-se cumprimento ao último acto causador do resultado (no caso, a entrega do projecto). 5

6 Numa última nota, acrescente-se que pode ser aposta uma cláusula do razoável 13 quer a uma obrigação de meios, quer a uma obrigação de resultado. São fáceis de configurar fundamentos razoáveis para uma recusa válida do cumprimento em qualquer dos casos. Conclua-se, pois, que, no plano dos custos, obrigações de resultado e de meios seguem exactamente o mesmo regime. O recurso à ideia de esforço na definição das obrigações de meios não só não permitia explicá-lo, como ainda o encobria e favorecia até a conclusão oposta. Também por isso deve ser rejeitado. Com o modo de delimitação sugerido, afastam-se os principais argumentos contra a distinção. Sustentou-se a invalidade de uma separação entre obrigações de meios e de resultado afirmando que, nas obrigações de meios, também se deveria um resultado, o próprio «esforço» do devedor, ou que as obrigações de meios compreenderiam no seu interior outros resultados. Neste sentido, um médico não estaria geralmente obrigado ao resultado cura, mas estaria obrigado, por exemplo, a realizar certos exames: o exame seria, ele próprio, um resultado. Em suma, pretendeu-se que as obrigações de meios seriam obrigações de resultado, embora o resultado não fosse aquele em que normalmente se pensa. 14 Essa argumentação é, todavia, incorrecta, por não atender ao conceito-chave de resultado definidor da prestação, que se contrapõe aos resultados exteriores por vezes chamados «fim da prestação» 15 e aos resultados subalternos, de que aquele exame médico é exemplo. A tese que contesta a distinção entre obrigações de meios e de resultado supunha que os resultados subalternos teriam um papel idêntico ao do resultado definidor e que o resultado definidor de uma obrigação de meios seria um resultado exterior. Ambas as suposições são incorrectas. Entre o resultado definidor e os restantes há, a começar, uma diferença teórica. A prestação, quer de meios, quer de resultado, não pode ser descrita com exactidão sem se referir o resultado definidor, explícita ou implicitamente. Pelo contrário, os resultados exteriores e subalternos são desnecessários a tal descrição e nela tendencialmente redundantes. Muitas vezes, um resultado aparentemente subalterno ou exterior é, na verdade, co-definidor da prestação e tem de ser referido, como veremos, mas esse é outro problema, o das frequentes obrigações mistas. Saber o que é e o que não é resultado definidor depende da interpretação da fonte da obrigação, maxime o contrato, nos termos gerais da interpretação e das regras interpretativas específicas que no caso caibam. 13 Cf. BAPTISTA MACHADO, A cláusula do razoável, na Obra dispersa, Scientia Iuridica, Braga, vol. I, 1991, O que se diz no texto parece-nos perfeitamente compatível com a exposição do autor. 14 Esta linha de argumentação foi usada por GOMES DA SILVA, O dever de prestar e o dever de indemnizar, vol. I, s. e., Lisboa, 1944, (note-se que há duas impressões deste livro, com paginação distinta), e FERREIRA DE ALMEIDA, Os contratos civis de prestação de serviço médico, in Direito da Saúde e Bioética, AAFDL, 1996, e A terminologia não é constante. Na locação (arts º, 1028.º, 1032.º, 1038.º, 1043.º, 1067.º, etc.) e no comodato (arts º, 1135.º, 1136.º, etc.), a palavra «fim» pode ser substituída por «uso permitido» e designa um elemento definidor da atribuição contratual. O sentido a que se alude no texto é o da doutrina geral sobre o «fim do negócio jurídico» (incluindo a matéria do negócio indirecto), presente nos arts. 281.º, 293.º, 460.º, 913.º, 925.º e 1222.º, e noutros lugares expresso pelo termo «finalidade» (arts. 792.º, 936.º, 1198.º, etc.). 6

7 Depois, os resultados exteriores, que respeitam a ambos os tipos de obrigação, distinguem-se do definidor por não terem de ser causados nem tentados. São resultados do resultado definidor que só podem relevar de modo indirecto: ora representando o «interesse do credor» convocado em certos casos de perturbação, determinada de outro modo (cf. arts. 792.º/2, 793.º/2, 802.º/2, 808.º, 1222.º/1, in fine, etc.), ora através da cláusula da boa fé, designadamente, mas com pouca frequência, no instituto da alteração das circunstâncias, ora num momento prévio, como argumentos para a interpretação e integração do negócio constitutivo, em especial para a identificação do próprio resultado definidor (cf. as regras interpretativas dos arts. 767.º/2 «quando o prejudique» 913.º e 1032.º 16 «do fim» ou 1208.º «o uso ordinário ou previsto»). Cabe aqui uma prevenção: dada a relevância interpretativa decisiva dos resultados exteriores, poderia querer dizer-se que eles também «definem» a obrigação. Este modo de dizer não deve, todavia, ser aceite. Os resultados exteriores contribuem muito como pistas e argumentos para a identificação do resultado definidor. Nem se afasta, como dissemos, a possibilidade de maiores reflexos através da boa fé. Contudo, logo que identificado o definidor, o resultado exterior deixa de ter de ser referido, e não pode jamais dizer-se que incumba ao devedor causá-lo ou tentá-lo. O devedor não se vincula a praticar actos adequados ao resultado exterior, mas sim a causar ou tentar certo resultado que, no momento da celebração, foi tido como adequado a um outro, o resultado exterior. Logo, este não define a obrigação. O mais frequente, aliás, é que não se identifique no contrato o concreto resultado exterior, mas sim uma categoria de factos entre os quais ele se inscreve. Junte-se que alguns resultados exteriores são até irrelevantes para o processo interpretativo, desde logo quando desconhecidos ou, porventura, não «aceites» pelo devedor e, por isso, não «incluídos no contrato» (cf. arts. 913.º/2 e 1208.º ou o art. 2.º/b) LVC, D.L. 67/2003, de 8 de Abril). Se o resultado definidor foi causado ou adequadamente tentado, conforme os casos, a obrigação considera-se cumprida mesmo que os resultados exteriores não ocorram e nem sequer tenha havido actos concretamente adequados à sua causação: numa terminologia mais comum, se a obrigação foi cumprida, a não realização do interesse final do credor cai totalmente na sua «esfera de risco», não sendo oponível ao devedor. O mesmo se diga quando o resultado exterior pretendido se altera ou torna impossível: não decorrem daí consequências para a obrigação, que se mantém. Pelo contrário, quando o resultado definidor se torna impossível, a obrigação extingue-se, quer por o cumprimento ser (total ou parcialmente) impossível, nas obrigações de resultado e nas de meios ainda por executar, quer por ser impossível continuá-lo, nas obrigações de meios em que já tenha havido actos de cumprimento. Um aspecto interessante é que, nas obrigações de meios, segundo parece, a impossibilidade do resultado definidor só torna impossível a prestação, extinguindo a obrigação, quando for conhecida ou cognoscível pelo devedor. Na verdade, pode tentar-se o impossível enquanto não se souber que o é; depois de se saber, 16 Em boa verdade, o termo «fim», na locação, indica normalmente um elemento definidor da atribuição. Cf. a n. anterior. 7

8 pelo contrário, não será apropriado descrever comportamento algum como tentativa. P. ex., um veterinário contratado para tratar um animal à beira da morte cumpre a sua obrigação enquanto não for certo que o animal vai morrer, mesmo que posteriormente se determine que era impossível salvá-lo desde o primeiro momento. 17 Em suma, o resultado definidor de uma obrigação de meios não é um resultado exterior. P. ex., um veterinário contratado para tratar um animal, embora sabendo que o dono pensa levá-lo em breve a certo concurso, não vê a sua obrigação afectada por o concurso ser cancelado, mas só pela verificação de que a doença é incurável. A participação no concurso é um resultado exterior; a cura é o definidor. Subalternos são os resultados destinados a causar ou a contribuir para causar o definidor. A diferença entre uns e o outro confirma a bondade da distinção entre obrigações de meios e de resultado. Nestas, os subalternos são irrelevantes. Nas de meios, a causação dos subalternos é parte do cumprimento. Contudo, os subalternos não consomem os respectivos actos preparatórios, situando-se uns e outros no mesmo plano. P. ex., o advogado de um réu deverá entregar a contestação. Este resultado subalterno é um acto de cumprimento, mas tem estatuto igual ao dos actos de redigir a contestação, estudar o direito relevante, ler a petição inicial, etc. Se, por qualquer causa, o processo se extinguir momentos antes da entrega da contestação, o advogado não deixa de ter cumprido a sua obrigação, embora afinal menos extensa do que planeado, com direito à remuneração que se apure. Se, pelo contrário, se tivesse estipulado simplesmente a obrigação de resultado de contestar, o cumprimento ter-se-ia tornado impossível. 18 Numa obrigação de resultado, o cumprimento depende de o resultado ocorrer causado pelo devedor; numa obrigação de meios, a causação de um resultado subalterno é tão acto de cumprimento quanto os actos que a prepararam. Precisamente por isso, a identificação de resultados (subalternos) nestas últimas não traduz de modo nenhum o reconhecimento de obrigações de resultado no interior das de meios, ao contrário do que sugerem os opositores da distinção. Acresce que os subalternos não valem por si, mas só na medida em que se adeqúem ao definidor, com vários reflexos. A impossibilidade de um resultado subalterno, mantendo-se possível o definidor, não tem nenhum efeito na obrigação. Permanece a mesma, sendo sempre actos devidos e actos de cumprimento aqueles que, em cada momento, sejam adequados ao resultado definidor. Veja-se que a diferença é também metodológica: o resultado definidor, quer nas de meios, quer nas de resultado, é estabelecido na fonte da obrigação; os subalternos determinam-se ao longo do tempo em juízos de adequação ao definidor. O sentido normativo da distinção entre obrigações de meios e de resultado detecta-se em vários dos exemplos apresentados. Antes de sintetizar essa diferença de regras, convém todavia esclarecer que as figuras não se situam em hemisférios incomunicáveis. Seria viável configurar o direito do não cumprimento em termos genéricos, sem separar obrigações de meios e de resultado. Nem nós pretendemos outra coisa, partindo do esquema básico da triplicidade. Mas a distinção não deixa de ser normativa e indispensável. Tem papel semelhante à das 17 Outro exemplo claro é o de um detective contratado para procurar certa pessoa em certo país, quando se descobre mais tarde e por outra via que a pessoa se encontra noutro. 18 Sobre os casos de impossibilidade «próximos» da mora do credor, cf. M.ª LURDES PEREIRA, Conceito, passim. 8

9 dicotomias entre prestações fungíveis e infungíveis ou entre obrigações genéricas e específicas. Há grupos distintos de soluções etiquetados destes modos. Por exemplo, dizer que a impossibilidade subjectiva só exonera nas prestações infungíveis (cf. art. 791.º) não acrescenta nada à afirmação de que há impossibilidade quando é impossível a prestação tal como definida pela interpretação do contrato. O mesmo raciocínio dispensaria, por assim dizer, o brocardo genus nunquam perit e o art. 540.º. Mecanismos essencialmente interpretativos como os dos arts. 539.º ou 767.º também não deixam de se enquadrar no problema geral da interpretação. No entanto, estes tópicos não são verdadeiramente dispensáveis ao sistema externo, entendido como ferramenta para a aplicação, a fundamentação e a comunicação do direito. Seria superficial uma apresentação do direito do não cumprimento que quisesse deles prescindir. Ora, também a diferença entre obrigações de meios e de resultado traz um acrescento significativo à compreensão das regras jurídicas. Em primeiro lugar, a diferença importa para a determinação do que é a impossibilidade da prestação. Como visto, só há impossibilidade nas obrigações de meios se o devedor souber ou dever saber que é impossível o resultado definidor. Encontra-se aqui um paralelo curioso, já que o modo de determinação da impossibilidade marca igualmente uma clara diferença entre obrigações genéricas e específicas ou fungíveis e infungíveis. 19 A mais importante disparidade de regime entre obrigações de meios e de resultado concerne, todavia, à determinação dos actos de cumprimento. Nas primeiras, todos os actos necessários e cautelas adequados são momentos do cumprimento. Nas segundas, todos esses actos são consumidos pela causação final do resultado definidor, só ela valendo como cumprimento. Uma eventual relevância dos actos que a prepararam será sempre indirecta, como nos exemplos há pouco indicados. Simetricamente, é exacto dizer que as obrigações de resultado, em certo sentido, exigem menos do que as de meios, por se bastarem com aquela causação. Numa obrigação de meios, não é impensável que o resultado tenha sido causado e, ainda assim, haja um não cumprimento, embora a questão deixe dúvidas. Os reflexos na contraprestação são evidentes. Pagando-se pelo cumprimento, ser ele uma coisa ou outra é essencial, como ainda sublinharemos. Mas também há reflexos em problemas da prestação. Suponha-se que um devedor de meios consegue causar o resultado definidor, mas imperfeitamente. Não temos aqui um cumprimento defeituoso, salvo se não tiverem sido devidamente praticados os actos adequados. Não há por isso lugar a uma correcção da prestação. De qualquer modo, a obrigação pode manter-se, quando caiba continuar a tentar o resultado (perfeito); haverá assim um prolongamento da prestação. A propósito da «quantidade» do prestado, diga-se que, numa «pura» obrigação de meios, dificilmente poderá falar-se de «cumprimento parcial» ou de «impossibilidade parcial». Nas obrigações de resultado, estes conceitos aferem-se pela medida do resultado definidor causado. Nas de meios, não sendo devida a 19 Pelo contrário, a impossibilidade subjectiva tem o mesmo regime nas obrigações de meios e de resultado. Basta pensar que os actos concretamente devidos, ex ante, são os mesmos numas e noutras ou que o devedor de meios também pode fazer-se substituir no cumprimento. Cf., porém, M. DE ANDRADE, Teoria geral das obrigações, 3.ª ed., Almedina, Coimbra, 1966, , seguido por PIRES DE LIMA/ANTUNES VARELA, Código Civil anotado, Coimbra Ed., Coimbra, vol. II, 4.ª ed., 1997, 44, criticados por PESSOA JORGE, Ensaio sobre os pressupostos da responsabilidade civil, reimp., Almedina, Coimbra, 1995 (1968), , n

10 causação, mas apenas o que se for determinando como adequado, a prestação será mais ou menos extensa, faltando-lhe porém um todo de referência que permita a qualificação como parcial. Assim, uma impossibilidade parcial do resultado definidor não tem consequências inequívocas, porque podem não resultar daí variações na extensão da prestação; sem embargo de que o interesse do credor deverá ser tido em conta para uma eventual extinção da obrigação. Disposições como os arts. 793.º e 802.º valem, pois, em termos limitados. No entanto, já se falará com simplicidade de cumprimento ou impossibilidade parcial se a prestação de meios for também definida pelo período de tempo em que deva ser realizada, por um certo conjunto de coisas (v.g., no depósito) ou pessoas (v.g., num contrato de serviços médicos ou de guarda de crianças) a que respeite, ou por critério análogo. Ainda assim, a intervenção daquelas disposições legais pode ter especialidades. No campo da responsabilidade civil, pelo contrário, não há grande vantagem substantiva em distinguir obrigações de meios e de resultado. O dano produz-se na esfera do credor, podendo em qualquer caso abranger ou não a própria falta do resultado definidor. O pressuposto da culpa hoc sensu, ilicitude subjectiva corresponde sempre a uma situação de dolo ou negligência, que se avaliam em termos comuns. O dolo, em qualquer caso, reporta-se à falta do resultado definidor. Claro que isto não vale sem duas notas. Uma, comparativa, para dizer que os direitos anglo-saxónicos admitirão a diferença entre obrigações de meios e de resultado justamente por só nas primeiras a obrigação de indemnizar depender de culpa. 20 Ou melhor: diz- -se no common law que a «responsabilidade» por violação do contrato é «estrita», independente de culpa. Em contratos que podemos traduzir como de obrigações de meios, porém, identifica-se uma «excepção» à regra de strict liability. 21 A outra nota serve para aflorar o tema do ónus da prova. Como é sabido, afirma-se frequentemente que a «presunção» de culpa do art. 799.º/1 não vigora nas obrigações de meios. 22 A questão está longe de pacificada ou esclarecida. Aspecto crucial é o da ligação, no ónus da prova, entre a dicotomia obrigações de meios/obrigações de resultado e a chamada teoria das esferas de risco. 23 Não sendo altura para desenvolvimentos, sirvam os parágrafos 20 Cf., p. ex., SCHMIDT-KESSEL, Standards vertraglicher Haftung nach englischem Recht. Limits of Frustration, Nomos, Baden-Baden, 2003, , embora compreendendo a distinção em termos que não aprovamos totalmente, MCKENDRICK, Contract law. Text, cases and materials, Oxford University, Oxford/Nova Iorque, 2003, , e ainda as indicações supra, n Esta regra, também chamada dos absolute contracts, vem firmada desde Paradine v. Jane, de A principal excepção é a conhecida doctrine of frustration, estabelecida como precedente em Taylor v. Caldwell, de 1863, mas este mesmo aresto (facilmente acessível na Internet) indicava casos paralelos antes decididos, como o de morte do devedor de prestações infungíveis. 22 Cf., recentemente, RIBEIRO DE FARIA, Da prova na responsabilidade civil médica. Reflexões em torno do direito alemão, RFDUP, n.º I, 2004, , com indicações. O Autor, porém, define as obrigações de meios através da ideia de diligência, o que, como se viu, não aceitamos, além de associá-las aos deveres de protecção, o que só sucederá em casos contados, sobretudo de obrigações médicas. Lembre-se, inclusive, que cabe às partes determinar no contrato aquilo a que se obrigam: se a tentar, se a causar. 23 Ligação apontada por HEINEMANN, Beweislastverteilung, sobretudo e Cf. MÚRIAS, Distribuição, 131 (n. 377), para uma síntese sobre a polémica quanto à relevância daquela dicotomia. A «teoria das esferas» foi primeiro dogmatizada em 1964, por J. PRÖLSS, Die Beweislastverteilung nach Gefahrenbereichen, VersR 1964, 33(A), , seguindo decisões dos tribunais supremos alemães (o RG e o BGH). Estes problemas são especialmente estudados na responsabilidade civil de médicos, como pode ver-se no estudo citado na n. anterior. Alertamos para o facto de a 10

11 anteriores apenas para evidenciar que, nas obrigações de meios, a falta do resultado definidor não é ainda uma situação de não cumprimento, ficando por isso vedado partir daí para uma atribuição ao devedor do risco da falta de prova. Acresce que os resultados subalternos numa obrigação de meios não têm um estatuto probatório material idêntico ao do definidor de uma obrigação de resultado. Por não constarem da fonte da obrigação e só serem devidos se assim decorrer dum juízo de adequação feito ao longo do tempo, impõem um alargamento do tema de prova, com certeza onerando o credor. Insistimos que uma obrigação é de meios ou de resultado conforme dispuser a respectiva fonte, em especial a convenção das partes. 24 Certas actividades prestam-se mais a um ou a outro caso, mas a natureza da actividade não é por si determinante, servindo sobretudo de contexto interpretativo. 25 A autonomia privada traz ainda à distinção algumas variações e figuras híbridas. A mais frequente é a estipulação de obrigações subalternas, 26 sobretudo obrigações de resultado subalternas. Assim, p. ex., quando um empreiteiro se obriga a usar certas ferramentas, a ter ao serviço trabalhadores em certo número 27 ou com certas qualificações, a realizar determinados testes antes de entregar a obra ou a atingir determinadas fases dos trabalhos em prazos anteriores ao prazo final. Veja-se que nenhuma destas cláusulas altera o resultado definidor, ao contrário do que sucede, p. ex., quando o empreiteiro se obriga a usar certos materiais, a entregar uma máquina que obtenha certos valores nos testes realizados ou, sendo o resultado definidor uma acção, quando se obriga a realizá-la pessoalmente ou através de certos trabalhadores. No primeiro conjunto de casos, os resultados subalternos da obrigação principal são definidores de obrigações subalternas. A sua simples falta dá origem a situações de não cumprimento, que é teoria das esferas de risco e domínio (fáctico ou devido) ser insuficientemente conhecida no direito português. Temas importantes do ónus da prova em que ela pode jogar um papel decisivo têm sido aflorados exclusivamente por outras vias (cf. a anot. de SINDE MONTEIRO ao ac. STJ de , na RLJ 131, 1998, 48 ss. e RLJ 132, 1999, 27 ss.). Assim, p. ex., alguns famigerados casos de acidentes em auto-estradas causados por animais ou outros objectos aí encontrados, em que a existência de uma clara esfera de domínio e dever da concessionária ou do próprio Estado aconselha a uma distribuição do ónus da prova em seu desfavor (cf. hoje o art. 12.º/1 da L. 24/2007, de 18 de Julho, cuja redacção, aliás, suscita dúvidas). As disposições legais que mais claramente devem ser interpretadas como regras de ónus da prova assentes na teoria das esferas são os arts. 491.º, 492.º, 493.º e 799.º/1. Recorda-se, a propósito, que as regras sobre o non liquet, incluindo as chamadas presunções iuris tantum, não são regras excepcionais, antes se sujeitando aos cânones metodológicos comuns, como se disse em P. MÚRIAS, Distribuição, n Assim, expressamente, o art. 5/5 dos PUC. 25 DEMOGUE, Traité, t. V, cit., 544, e t. VI (parte II, Effets des obligations, tomo VI, Arthur Rousseau, Paris, 1931), 184 e , dava a entender o contrário, embora admitisse «excepções». 26 Não lhes chamamos obrigações secundárias porque esta expressão pode querer representar acréscimos ao resultado definidor da obrigação principal, como no caso de um vendedor se obrigar a instalar ou embalar a coisa vendida. As obrigações subalternas, tal como as secundárias, não subsistem sem a obrigação principal. O não cumprimento das subalternas, contudo, tem apenas o valor autónomo que seja adicionalmente estipulado, visto que não impede a obtenção perfeita do resultado definidor da obrigação principal. Ainda assim, este não cumprimento origina, em qualquer caso, um cumprimento defeituoso da obrigação principal, embora por natureza não danoso. Cf. já a seguir, no texto. 27 Dá exemplo de uma cláusula destas o caso New Orleans v. Firemen (cf., v.g., A. BURROWS/ E. MCKENDRICK, Cases and materials on the law of restitution, Oxford Univ., Oxford, 1997, ). 11

12 cumprimento defeituoso da obrigação principal, mesmo quando seja atingido o resultado definidor desta. Se a obrigação principal for de resultado, actos que normalmente se qualificariam como cautelas passam a actos de cumprimento, embora cumprimento de uma obrigação dependente de outra. Se a obrigação principal for de meios, gera-se uma figura mista, com elementos de resultado. As obrigações subalternas são, de alguma sorte, o inverso da dispensa de cautelas determinadas, que as partes estipulam atenuando a medida da diligência devida em pontos específicos. A dispensa de cautelas situa-se num momento anterior ao das cláusulas de exclusão de responsabilidade, embora apontando para finalidades equivalentes. 28 A estipulação de obrigações subalternas é como que uma forma de determinação das cautelas devidas, embora dando-lhes por força um regime diferente do das cautelas em sentido próprio. Ligeiramente diferentes são os casos, também mistos, de dupla definição da prestação, em que o devedor se obriga a causar certo resultado enquanto tentativa de um outro. São casos muito frequentes, que têm de ser tidos em conta mesmo numa apreciação sumária da matéria. Algumas vezes, diz-se que estas são obrigações de meios. Outras, usam-se exemplos deste género para contestar a distinção. Qualquer das leituras parece incorrecta. Normalmente, os resultados do resultado definidor de uma obrigação causativa são exteriores, não tendo de ser tentados. Contudo, excepto se assim se criasse alguma contradição no texto negocial, nada impede as partes de estipularem como característica acrescida do resultado definidor a sua adequação a um outro. Assim, p. ex., quando um veterinário se obriga a administrar certa droga com vista a curar certa doença. Ele não se obriga genericamente a tentar a cura, mas só a administrar o medicamento com esse fim. Por outro lado, não se obriga só a administrar o medicamento, mas a fazê-lo para curar. A obrigação torna-se impossível quer quando a doença atinja um estádio que a torne incurável, quer quando seja impossível administrar o medicamento. 29 Parece que, quando um cirurgião ou uma clínica se vinculam a certa operação, a interpretação do contrato também deverá ser, em regra, no sentido de que essa operação tem de ser em simultâneo um meio adequado para a cura, 30 embora em face de exames anteriores ou de diagnósticos doutros médicos. Mais um caso será o de alguém se obrigar a tentar descobrir uma morada pesquisando num conjunto de bases de dados. A pesquisa nas bases de dados é um resultado definidor, pois não há obrigação de pesquisar doutros modos; a obtenção da morada é um segundo resultado definidor, pois a pesquisa só vale como cumprimento na medida em que tenha esse fim. Se o devedor conseguir a morada por outra via a que não estava obrigado não há cumprimento. Ainda assim, neste caso específico, o devedor terá porventura direito à 28 Cf. PINTO MONTEIRO, Cláusulas limitativas e de exclusão de responsabilidade civil, reimp. com aditamento, Almedina, Coimbra, 2003 (1985), e , e ANA PRATA, Cláusulas de exclusão e limitação da responsabilidade contratual, Almedina, Coimbra 1985, e Já a dispensa de actos necessários envolveria, por definição, uma dispensa do dever de cumprir. Conforme os casos, tratar-se-á de uma contradição no texto contratual ou de uma condição extintiva. 29 Com maior verosimilhança, a obrigação tornar-se-ia contrária à lei com um diploma superveniente que proibisse o medicamento. 30 Tratando-se, evidentemente, de uma operação destinada a curar alguma coisa. 12

13 totalidade ou a parte da contraprestação, dada a instrumentalidade da sua tarefa, embora já não numa simples aplicação do pacta sunt servanda. 31 Teremos ainda um caso do mesmo género quando se cede um cavalo reprodutor para emprenhar certa égua. É preciso, contudo, algum cuidado na interpretação do acordado, porque algumas vezes a gravidez será apenas um resultado exterior. Pode trabalhar-se o exemplo para ilustrar a diferença entre as duas situações: se o cavalo for alugado por x dias, asseverando o locador as suas qualidades reprodutivas devido ao interesse que o locatário manifestou, a gravidez da égua é uma finalidade exterior. Se o cavalo for «cedido pelo período conveniente a engravidar a égua, com o limite de x dias» suponhamos esse texto contratual temos uma definição dupla da atribuição: cedência do cavalo na medida em que adequada ao segundo resultado definidor. Já vimos as consequências em sede de determinação do cumprimento e impossibilidade. A imaginação e as conveniências das partes permitem variações infinitas. O objectivo destes parágrafos é apenas dar alguns exemplos que, supomos, ajudam a compreender a distinção entre obrigações de meios e de resultado, e a diferença entre os resultados definidor, subalternos e exteriores. Vejam-se agora os problemas da contraprestação. Paga-se em regra pelo cumprimento. Ou seja, paga-se pela causação, nas de resultado, e pelos actos adequados nas obrigações de meios. Por isso, é comum convencionar uma contraprestação unitária e predeterminada nas primeiras e, nas segundas, um pagamento em função das horas de trabalho efectivo ou de outros custos. Nenhuma destas soluções é necessária, evidentemente, dada a liberdade contratual, mas as cláusulas desviantes podem trazer alterações de estrutura. Numa obrigação de resultado, desde logo, o modo de cálculo da contraprestação pode ser uma função dos actos praticados e respectivos custos, o que sucede até com alguma frequência. Quer isto dizer que se retribui apenas se houver causação, mas o montante da contraprestação dependerá dos meios empregados. Aqui ainda há um puro sinalagma. Outras possibilidades já impedem que se fale de «sinalagma» ou de «contraprestação» em sentido estrito. Estipulando-se uma obrigação de resultado com retribuição dependente apenas dos actos praticados e dos custos, a impossibilidade fortuita da prestação não conduz, designadamente, ao disposto no art. 795.º/1, e o credor só é plenamente protegido numa impossibilidade culposa através da responsabilidade civil. É claro que este tipo de acordo não é comum. Convencionando-se uma obrigação de meios apenas remunerada, total ou parcialmente, se o resultado definidor for causado, o contrato aproxima-se de uma natureza aleatória. Estas cláusulas são vulgares, falando-se aqui normalmente de «prémios». Havendo pois sinalagma, é sobretudo no regime da contraprestação que se patenteia uma diferença de regime entre obrigações de meios e de resultado, aliás, a mais notória, conquanto não única. Sendo idênticos os actos concretos devidos, ex ante, numas e noutras obrigações, nas de resultado retribui-se apenas se este ocorrer e na medida em que ocorra; nas de 31 A boa fé poderá fundar o direito à contraprestação. Seria um caso de primazia da materialidade subjacente, na terminologia de MENEZES CORDEIRO. 13

14 meios, cada acto devido cria um dever de remunerar. Embora, como dissemos, haja uma regra geral unificadora: no sinalagma, retribui-se o cumprimento. Aquela oposição de soluções ajuda ainda a mostrar uma outra coisa, já não relacionada com a contraprestação: nas obrigações de resultado, as partes identificam como bem económico o resultado definidor; nas de meios, o valor económico atribuído é a actividade do obrigado. O bem provindo da esfera do devedor e obrigacionalmente destinado à esfera do credor é, nas primeiras, o resultado. Nas segundas, é a própria actividade do devedor, todos os actos que a compõem e cada um deles. 32 O que quer dizer ainda que o resultado definidor de uma obrigação causativa consome todo o valor económico do processo que o produziu. Nas obrigações de meios, pelo contrário, são viáveis distinções. Por isto mesmo, uma «pura» prestação de coisa será sempre uma obrigação de resultado. Vendo agora às avessas, dir-se-á que, quando as partes tenham em vista como bem económico o conjunto e cada parte da actividade do devedor, deverão estipular uma obrigação de meios. Quando reconheçam como bem apenas o resultado definidor, será de esperar uma obrigação de resultado. Isto, claro, a confirmar ou infirmar pela restante interpretação. Repita-se, então, que não há a indicar nenhuma diferença no regime dos custos a suportar pelo devedor. Esta a principal decorrência da delimitação que propomos entre obrigações de meios e obrigações de resultado. Resta precisar que tratámos o problema dos custos na distinção entre obrigações de meios e de resultado abstraindo de eventuais obrigações de reembolso. Questão de certa forma prévia é, na verdade, a da eventual obrigação de o credor reembolsar o devedor das despesas necessárias ao cumprimento. 33 Nestas situações, se certos custos couberem nas despesas reembolsáveis, será naturalmente o credor quem poderá pretender uma extinção ou modificação do contrato em face de um acréscimo desses custos, o que conduz a problemas jurídicos que agora não nos interessam. Em obrigações tipicamente de meios como as dos advogados, surgem com toda a frequência obrigações acessórias de reembolso. Numa relação de resultado como a de empreitada, é típica a inexistência dessas obrigações. Poderia pensar-se numa interferência deste tema na distinção entre obrigações de meios e de resultado. Contudo, cabe esclarecer que as questões são autónomas. As obrigações de reembolso podem surgir na empreitada, nos termos de estipulação nesse sentido (cf. art º), e com outras obrigações de resultado, tal como podem não surgir junto de obrigações de meios. Veja-se o caso do contrato de agência, em que nem têm previsão legal específica. 34 Portanto, as eventuais obrigações de reembolso não deverão perturbar a identidade de regime quanto a custos entre obrigações de meios e obrigações de resultado Quando o resultado definidor duma obrigação de resultado é ainda uma actividade do devedor, parece que só esse acto final compõe a atribuição, e já não os actos anteriores. 33 Sobre as obrigações de reembolso e a sua exterioridade a um sinalagma ou a qualquer outra configuração das atribuições principais, cf. o início da al. c) do nosso Prestações de coisa: transferência do risco e obrigações de reddere, a publicar em breve. 34 Cf. D.L. 178/86, de 3 de Julho. 35 Ficámos longe de esgotar o tema da distinção entre obrigações de meios e de resultado. A exposição destinou-se a enquadrar o problema dos reflexos desta distinção em matéria de regime aplicável aos custos. Além de outros atrás indicados, como o do ónus da prova, um tema que deixamos por tratar é o das possibilidades de «transfor- 14

15 mação» de obrigações de resultado em obrigações de meios, ou mesmo vice-versa, em face de problemas quer originários, por conversão do negócio (cf. art. 293.º), quer supervenientes. Outro tema pensável seria o de transportar a distinção para o plano da responsabilidade extra-obrigacional. O transporte parece, todavia, inadmissível, sobretudo porque o campo extra-obrigacional não usa o conceito de cumprimento. Para efeitos de ónus da prova, devem ser procurados argumentos directamente na teoria das esferas de risco (cf. supra, n. 23). 15

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Trabalho de Direito Civil Curso Gestão Nocturno Realizado por: 28457 Marco Filipe Silva 16832 Rui Gomes 1 Definição: Começando, de forma, pelo essencial, existe uma situação de responsabilidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Privado. Direito Civil. Tema geral: Direito dos Contratos

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Privado. Direito Civil. Tema geral: Direito dos Contratos I Curso de Doutoramento em Direito Ramo de Direito Privado Direito Civil Tema geral: Direito dos Contratos Profª. Doutora Assunção Cristas Prof. Doutor Vítor Neves A) Programa: Módulo I Formação e conteúdo

Leia mais

Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma perspectiva jurídica)

Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma perspectiva jurídica) Gestão de riscos e o Código da Contratação Pública (CCP) Que consequências para o dono de obra, projectista e empreiteiro? Ordem dos Engenheiros 6 de Maio de 2011 Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma

Leia mais

GARANTIAS BANCÁRIAS AUTÓNOMAS

GARANTIAS BANCÁRIAS AUTÓNOMAS compilações doutrinais VERBOJURIDICO GARANTIAS BANCÁRIAS AUTÓNOMAS E IMPOSTO DO SELO (TRIBUTAR OU NÃO TRIBUTAR? ESSA É A QUESTÃO) LUÍS FRAGOSO ADVOGADO verbojuridico MARÇO 2010 2 : GARANTIAS BANCÁRIAS

Leia mais

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça N... P..., SA intentou, no dia 13 de Dezembro de 2005, contra AA, acção declarativa de condenação,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial? Pº C. Co. 101/2010 SJC-CT. Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?... solicitou ao IRN, I.P. que

Leia mais

Termos de Venda da Groupon Portugal

Termos de Venda da Groupon Portugal Termos de Venda da Groupon Portugal Esta página estabelece as condições para a venda de Vouchers por nós. 1. NOÇÕES BÁSICAS QUE DEVE TER CONHECIMENTO SOBRE ESTES TERMOS DE VENDA 1.1 O que é este documento

Leia mais

Breves notas sobre o regime do artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais

Breves notas sobre o regime do artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais Breves notas sobre o regime do artigo 35.º do Código das Sociedades Comerciais 1. INTRODUÇÃO 2. PERDA DE METADE DO CAPITAL Artigo 35º Perda de metade do capital 2.1 Noção de perda de metade do capital

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES 2.º Ano Turma B (2014/2015)

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES 2.º Ano Turma B (2014/2015) DIREITO DAS OBRIGAÇÕES 2.º Ano Turma B (2014/2015) Regente: Pedro Romano Martinez INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA (Obras gerais) CORDEIRO, António Menezes Direito das Obrigações, Tratado de Direito Civil, Vols.

Leia mais

ALGUMAS NOÇÕES RELATIVAS A RACISMO E A RESPONSABILIDADE CIVIL

ALGUMAS NOÇÕES RELATIVAS A RACISMO E A RESPONSABILIDADE CIVIL PAULO MARRECAS FERREIRA Técnico Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Geral da República ALGUMAS NOÇÕES RELATIVAS A RACISMO E A RESPONSABILIDADE CIVIL Documentação e

Leia mais

Plano de Curso de Direito das Obrigações. Disciplina do 3º Ano da Licenciatura em Direito

Plano de Curso de Direito das Obrigações. Disciplina do 3º Ano da Licenciatura em Direito Faculdade de Direito da Universidade de Macau Plano de Curso de Direito das Obrigações Disciplina do 3º Ano da Licenciatura em Direito Ano Lectivo 2010/2011 Regente: Manuel M. E. Trigo Assistente: João

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

TEXTOS DE APOIO ÀS ACÇÕES DE FORMAÇÃO MINISTRADAS NO ÂMBITO DA REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA

TEXTOS DE APOIO ÀS ACÇÕES DE FORMAÇÃO MINISTRADAS NO ÂMBITO DA REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA Eduardo Paiva e Helena Cabrita Juízes de Direito TEXTOS DE APOIO ÀS ACÇÕES DE FORMAÇÃO MINISTRADAS NO ÂMBITO DA REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA Câmara dos Solicitadores 2009 1 TÍTULOS EXECUTIVOS Em primeiro

Leia mais

Contrato de Empreitada

Contrato de Empreitada Contrato de Empreitada anotado Artigos 1207.º a 1230.º do Código Civil Legislação Complementar, Jurisprudência e Anotações José António de França Pitão 2011 Errata Contrato de Empreitada autor José António

Leia mais

SUMÁRIOS DESENVOLVIDOS CONTRATOS CIVIS E COMERCIAIS Ano letivo de 2011/2012 Doutor Alexandre Mota Pinto (Com a colab. da Dra. Joana Torres Ereio)

SUMÁRIOS DESENVOLVIDOS CONTRATOS CIVIS E COMERCIAIS Ano letivo de 2011/2012 Doutor Alexandre Mota Pinto (Com a colab. da Dra. Joana Torres Ereio) I. ASSOCIAÇÃO EM PARTICIPAÇÃO 24/02/2012 Bibliografia recomendada: RAÚL VENTURA, Associação em Participação (Anteprojecto), in Boletim do Ministério da Justiça, n.º 189, págs. 15-136 e n.º 190, 1969, págs.

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Proposta de trabalho. A audiência de julgamento

Proposta de trabalho. A audiência de julgamento Proposta de trabalho A audiência de julgamento I. Na qualidade de mandatário da Autora, para preparar a audiência de julgamento, agenda com o seu cliente uma reunião, na qual este lhe entrega um balancete

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Fiscalidade. Fundos de Pensões. Obrigações Declarativas dos Participantes algumas questões pertinentes (Parte II)

Fiscalidade. Fundos de Pensões. Obrigações Declarativas dos Participantes algumas questões pertinentes (Parte II) Fiscalidade Fundos de Pensões Obrigações Declarativas dos Participantes algumas questões pertinentes (Parte II) 54 Tiago dos Santos Matias Advogado João Pedro A. Luís Consultor e Auditor Fiscal Fiscalidade

Leia mais

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A.

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Processo: R-36/04 Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Assunto: Ordenamento do território servidões administrativas propriedade

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: nº 1 do artº 4º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: nº 1 do artº 4º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA nº 1 do artº 4º Indemnizações - Revogação antecipada de contrato locação seja por parte do locador seja por parte do locatário. Processo: nº 2611, despacho

Leia mais

CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS

CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS Void clauses in transport contracts NOTICE OF LOSS DUE TO DELAY DAMAGES obliged to indemnify 1 Nuno

Leia mais

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito Responsabilidade Civil Profissional Responsabilidade Civl Profissional dos Advogados Código de Deontologia

Leia mais

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2.

LEI N.º67/2007. Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas. Artigo 1.º. Aprovação. Artigo 2. LEI N.º67/2007 Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais Entidades Públicas Artigo 1.º Aprovação É aprovado o Regime da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado e Demais

Leia mais

FORMAÇÃO REGULAMENTO

FORMAÇÃO REGULAMENTO FORMAÇÃO REGULAMENTO Data: Julho de 2010 1. Politica e Estratégia A Formação desempenha um papel preponderante no desenvolvimento do indivíduo. É através dela que as pessoas adquirem os conhecimentos necessários

Leia mais

Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2015/2016 TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL I TURMA B

Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2015/2016 TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL I TURMA B Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2015/2016 TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL I TURMA B Coordenação e regência: Profª Doutora Rosário Palma Ramalho Colaboradores: Prof. Doutor Pedro Leitão Pais

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

RECURSOS EM PROCESSO CIVIL

RECURSOS EM PROCESSO CIVIL compilações doutrinais RECURSOS EM PROCESSO CIVIL ESTUDO SOBRE FACTOS INSTRUMENTAIS OU INDICIÁRIOS E AMPLIAÇÃO DA MATÉRIA DE FACTO Dr. André Mouzinho ADVOGADO VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO RECURSOS EM PROCESSO

Leia mais

PARECER N.º 46/CITE/2007

PARECER N.º 46/CITE/2007 PARECER N.º 46/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29

Leia mais

Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER

Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER A Senhora Conservadora do Registo Civil de formula a questão de saber qual o procedimento

Leia mais

Processo nº 2802/2007 Acórdão de: 15-12-2011

Processo nº 2802/2007 Acórdão de: 15-12-2011 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 2802/2007 Acórdão de: 15-12-2011 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça: I. Resumo dos termos essenciais da causa e do recurso AA propôs em 14/6/07 uma acção ordinária

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos:

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos: Pº C.C. 24/2010 SJC-CT DELIBERAÇÃO Assunto: Emissão pelos Serviços Consulares de certificado de capacidade matrimonial havendo suspeita de destinar-se a casamento de conveniência Os competentes Serviços

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA NEGOCIAÇÃO INFORMÁTICA( )

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA NEGOCIAÇÃO INFORMÁTICA( ) 1 A RESPONSABILIDADE CIVIL NA NEGOCIAÇÃO INFORMÁTICA( ) ANTÓNIO PINTO MONTEIRO 1. INTRODUÇÃO O tema que me foi proposto é muito rico, amplo e complexo; por si só, ele justificaria um curso ou, ao menos,

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

Processo de liquidação

Processo de liquidação Processo de liquidação Regra geral, a sociedade dissolvida entra imediatamente em liquidação, permitindo que se realizem as operações necessárias para que os bens sociais fiquem em condições de ser partilhados

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) no n.º 1 do artigo 18.º Exclusão da aplicação ao "Contrato de Gestão Discricionária de Valores Mobiliários" da alínea e) do n.º 27 do artigo 9.º

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA RESPONSABILIDADE Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA RESPONSABILIDADE Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO DA RESPONSABILIDADE Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO DA RESPONSABILIDADE

Leia mais

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa Assunto: Audição do CNC - Transposição da Diretiva Consumidores - Diretiva 2011/83/UE

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280.

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280. NOTA JURÍDICA 1) A MULTICENCO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, S.A., ora CONSULENTE, solicitou esclarecimentos sobre a seguinte questão: a celebração, entre a CONSULENTE e o MUNICÍPIO DE SETÚBAL, de contrato

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA Versão Consolidada do REGULAMENTO DAS ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Aprovado na Sessão Plenária de 14-02-2012, DR, II Série, de 10-04-2012. Alterado na Sessão Plenária de 08-10-2013. Preâmbulo 1.

Leia mais

Disciplina: DIREITO CIVIL III (OBRIGAÇÕES) Professora: Juliana Oliveira

Disciplina: DIREITO CIVIL III (OBRIGAÇÕES) Professora: Juliana Oliveira Disciplina: DIREITO CIVIL III (OBRIGAÇÕES) Professora: Juliana Oliveira BIBLIOGRAFIA BÁSICA DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. V.II São Paulo: Saraiva. GAGLIANO, Pablo Stolze. Novo

Leia mais

NOTAS ANÁLISE À PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO CCP

NOTAS ANÁLISE À PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO CCP NOTAS ANÁLISE À PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO CCP 1. As presentes notas têm em consideração o anteprojecto de diploma apresentado pelo INCI em 08/09/2011. O referido anteprojecto apresentado na sequência das

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

- 1 - Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT

- 1 - Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT Consulente: Conservatória do Registo Predial, Comercial e Automóvel de... Objecto da Consulta: Termo final do contrato de locação financeira/vigência do registo. Relatório 1. Por

Leia mais

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Definição e Características. Direito Administrativo. Prof. Almir Morgado CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Definição e Características. Direito Administrativo. Prof. Almir Morgado CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Direito Administrativo Prof. Almir Morgado CONTRATOS Definição e Características Analisando-se o conceito civil de contrato, vemos que o mesmo é um acordo de duas ou mais vontades, formando uma relação

Leia mais

Miguel Ângelo Martins Valente INCIDÊNCIA PRÁTICA DO RECURSO AO CONTRATO DE FACTORING E A INFLUÊNCIA DA FUNÇÃO DE GARANTIA M 2

Miguel Ângelo Martins Valente INCIDÊNCIA PRÁTICA DO RECURSO AO CONTRATO DE FACTORING E A INFLUÊNCIA DA FUNÇÃO DE GARANTIA M 2 t e s e s Miguel Ângelo Martins Valente INCIDÊNCIA PRÁTICA DO RECURSO AO CONTRATO DE FACTORING E A INFLUÊNCIA DA FUNÇÃO DE GARANTIA M 2 Incidência prática do recurso ao contrato de factoring e a influência

Leia mais

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO AS NOVAS REGRAS Dia 17 de Fevereiro entra em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

Processo R-3138/08 (A6) Assunto: Estatuto do Jornalista. Liberdade de expressão e criação. Direito de autor.

Processo R-3138/08 (A6) Assunto: Estatuto do Jornalista. Liberdade de expressão e criação. Direito de autor. Processo R-3138/08 (A6) Assunto: Estatuto do Jornalista. Liberdade de expressão e criação. Direito de autor. 1. Reporto-me ao conjunto de questões colocado oportunamente por V.ªs Ex.ªs a propósito de três

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos.

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. Proc.º n.º C. N. 20/2009 SJC CT ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO PROBLEMA: O helpdesk do Balcão das Heranças e Divórcios com Partilha colocou

Leia mais

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano 5 de Janeiro de 2012 IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano Em concretização de compromissos assumidos ao abrigo do Memorando de Entendimento celebrado entre Portugal e a Comissão Europeia, o Banco

Leia mais

Política de Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A.

Política de Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A. Política de Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses do Haitong Bank, S.A. POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E DO HAITONG BANK, S.A. ( BANCO ) 1. Objecto, âmbito e competência 1.1.

Leia mais

Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários e Respostas da PT Comunicações às Questões Suscitadas

Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários e Respostas da PT Comunicações às Questões Suscitadas Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários e Respostas da PT Comunicações às Questões Suscitadas Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários

Leia mais

Processo n.º 184/2013. Sentença. I - O processo

Processo n.º 184/2013. Sentença. I - O processo Processo n.º 184/2013 Demandante: A. Demandada: B. Sentença I - O processo 1. O Demandante solicitou a intervenção do Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo () no âmbito de

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA DE INVESTIGAÇÃO ALGUNS ASPECTOS DO SEU REGIME JURÍDICO

CONTRATO DE BOLSA DE INVESTIGAÇÃO ALGUNS ASPECTOS DO SEU REGIME JURÍDICO CONTRATO DE BOLSA DE INVESTIGAÇÃO ALGUNS ASPECTOS DO SEU REGIME JURÍDICO CONSULTA A ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA (ABIC) solicita-me uma breve informação sobre a legalidade de uma

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único.

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. SOLIDARIEDADE PASSIVA É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. Decorre da lei (art.154, 828,II) ou da vontade das partes.

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1.ª REAJA SUMÁRIO: Introdução. Propostas apresentadas na 1.ª REAJA: I Organização Judiciária; II Processo administrativo;

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional.

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional. Processo n.º 257/2004 (Recurso cível) Data: 14/Dezembro/2004 ASSUNTOS: - Qualificação jurídica do contrato - Contrato em regime de draubaque - Insuficiência de factos alegados - Insuficiência de motivação

Leia mais

associação portuguesa de bioética

associação portuguesa de bioética associação portuguesa de bioética PROJECTO DE DIPLOMA N.º P/06/APB/06 QUE REGULA O EXERCÍCIO DO DIREITO A FORMULAR DIRECTIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE NO ÂMBITO DA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE E CRIA O

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

A Sentença, em especial a decisão de facto

A Sentença, em especial a decisão de facto Jornadas de Processo Civil CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS Fórum Lisboa 19 de Abril de 2013 A Sentença, em especial a decisão de facto Com base no texto final da Proposta de Lei n.º 113/XII, aprovado na

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

PARECER N.º 10/CITE/2010

PARECER N.º 10/CITE/2010 PARECER N.º 10/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Processo n.º 9 DL-E/2010

Leia mais

* Fixo em 5.288,05 o valor da acção (arts. 306º, nºs 1 e 2, e 315º, nºs 1 e 2, do Código de Processo Civil).

* Fixo em 5.288,05 o valor da acção (arts. 306º, nºs 1 e 2, e 315º, nºs 1 e 2, do Código de Processo Civil). 5º Juízo Cível Processo nº 4321/09.9 TBGMR * Fixo em 5.288,05 o valor da acção (arts. 306º, nºs 1 e 2, e 315º, nºs 1 e 2, do Código de Processo Civil). O tribunal é absolutamente competente. * O processo

Leia mais

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Junho 2013 Direito do Trabalho A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO

CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO compilações doutrinais VERBOJURIDICO CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO SENTIDO DA APLICAÇÃO DO DIPLOMA DAS CLAUSULAS CONTRATUAIS GERAIS AOS CONTRATOS DE TRABALHO VÍTOR PACHECO ADVOGADO ESTAGIÁRIO verbojuridico

Leia mais

Espero que esta iniciativa seja bem acolhida.

Espero que esta iniciativa seja bem acolhida. U ma das principais preocupações da intervenção do Banco de Portugal tem sido a de progressivamente alargar as suas funções de prestação de serviços à comunidade, designadamente, informando os consumidores

Leia mais

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT.

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT. P.º n.º R.P. 60/2010 SJC-CT Penhora. Cancelamento não oficioso. Eventual conexão com o registo de aquisição, conjuntamente requerido. Tributação emolumentar DELIBERAÇÃO 1 Os presentes autos respeitam à

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital É próprio das obras literárias e artísticas poderem ser utilizadas por públicos de qualquer nacionalidade. As barreiras linguísticas,

Leia mais

Exmo. Senhor Provedor de Justiça Rua Pau de Bandeira, n.º 9 1249-088 LISBOA. Exmo. Senhor Provedor de Justiça,

Exmo. Senhor Provedor de Justiça Rua Pau de Bandeira, n.º 9 1249-088 LISBOA. Exmo. Senhor Provedor de Justiça, Exmo. Senhor Provedor de Justiça Rua Pau de Bandeira, n.º 9 1249-088 LISBOA N/Refª: Ofício nº 1507/GES/PB/Lisboa, 04-10-04 Exmo. Senhor Provedor de Justiça, É entendimento da CGTP-IN que o regime de acesso

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 Assunto: Locação de imóveis L201 2006049 - despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-07-07 Conteúdo: 1. A requerente pretende

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 3/A/2004

RECOMENDAÇÃO Nº 3/A/2004 Número: 3/A/2004 Data: 22-03-2004 Entidade visada: Presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva Processo: P-1/04 Área: A1 Assunto: Concurso Chefe da Divisão Municipal de Planeamento, Urbanismo e

Leia mais