E-commerce. O novo modelo de compras no mercado brasileiro Caso Shoptime.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-commerce. O novo modelo de compras no mercado brasileiro Caso Shoptime."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E-commerce. O novo modelo de compras no mercado brasileiro Caso Shoptime.. Mônika Barbosa Gonçalves Rio de Janeiro, Fevereiro/2010 1

2 MÔNIKA BARBOSA GONÇALVES E-COMMERCE. O NOVO MODELO DE COMPRAS NO MERCADO BRASILEIRO CASO SHOPTIME Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do título de Pós- Graduada no Curso de Comunicação Empresarial. ORIENTADOR: Fernando Lima Rio de Janeiro, Fevereiro de

3 Dedico este trabalho à minha família, pois sem o apoio e incentivo dela, dificilmente eu poderia concluir este curso; aos amigos Alexandre e Tatiana pela amizade e compreensão em momentos de dificuldades. 3

4 RESUMO Este trabalho é um estudo sobre a evolução do comércio eletrônico no Brasil e sua importância na vida do consumidor. Descreve o tema através da evolução do comércio no Brasil até o surgimento das novas tecnologias da informação, destacando os diversos públicos e perfis. Discorre sobre as ferramentas utilizadas para atrair o consumidor ao produto/serviço, através de todas as etapas do processo de compra desde a escolha até a entrega do produto. Para elucidar algumas das questões abordadas, o Shoptime servirá de amostra para um estudo de caso, a fim de apresentar na prática o que é o comércio eletrônico e quais são as ferramentas utilizadas para atrair clientes. Palavras-chave: publicidade, comércio eletrônico, e-commerce. 4

5 SUMÁRIO Introdução...06 Capítulo 1 O Comércio e a sociedade O surgimento do comércio e as relações de troca Os grupos de consumo A convergência tecnológica...14 Capítulo 2 O deslocamento do comércio para o ambiente virtual O que é comércio eletrônico O novo consumidor Modelos de negócios na Internet As lojas virtuais A conquista do comércio virtual...31 Capítulo 3 O Shoptime A empresa Apresentadores Catálogo Internet Marketing Online Entregas Diferenciais Media Pack Evolução da Marca...45 Conclusão...47 Referências Bibliográficas

6 Introdução As relações de troca sempre fizeram parte do contexto social desde o surgimento dos primeiros grupos. Diante de tantas mudanças sociais, tecnológicas e comportamentais ocorridas entre os séculos XIX e XX o consumidor está cada vez mais individualista e ciente dos seus direitos. O presente estudo tem como objetivo mostrar a evolução dos processos de compra, pois antes as aquisições de bens e serviços eram feitas somente no ponto-de-venda e hoje grande parte é realizada não só no ponto-de-venda, mas também pelo ambiente virtual, portanto esse tema merece alguns questionamentos. Será que as relações de troca no ambiente virtual vão suprimir o antigo sistema de troca realizado no ponto-de-venda? Porque o comércio eletrônico cresce a cada dia no mercado brasileiro? Porque as empresas estão direcionando cada vez mais suas verbas em publicidade on-line e em sistemas de informação inteligentes? O que leva o consumidor a estabelecer relações de troca no âmbito virtual? Portanto é importante que fique claro a importância que consumo tem na sociedade, como afirma Nestor Canclini. (...) o consumo é o conjunto de processos socioculturais em que se realizam a apropriação e os usos dos produtos. (...) é compreendido sobretudo pela sua racionalidade econômica. Estudos de diversas correntes consideram o consumo como um momento do ciclo de produção e reprodução social: é o lugar em que se completa o processo iniciado com a geração de produtos, em que se realiza a expansão do capital e se reproduz a força de trabalho 1. Para entender a evolução do comércio e da sociedade, no capítulo 1 serão levantadas, por meio de fontes bibliográficas, algumas teorias a respeito dos grupos de consumo e a convergência tecnológica. A convergência tecnológica será novamente levantada no capítulo 2, para que se possa compreender o deslocamento do comércio para o ambiente virtual, portanto serão discutidas questões como perfis de consumo e os diversos modelos de negócios realizados no ambiente virtual. É bastante relevante abordar como a internet vem mudando o comportamento do consumidor e como as empresas estão agindo para se adaptar a este novo cenário. 1 CANCLINI, Nestor G. Consumidores e Cidadãos: Conflitos Multiculturais da Globalização. Rio de Janeiro, UFRJ, p.77 6

7 Por fim, no capítulo 3, o Shoptime servirá de amostra para o estudo de caso. Serão levantadas algumas estratégias tomadas pelo marketing para alavancar o processo de vendas nos diversos canais da empresa. É importante ressaltar que o estudo de caso não tem a pretensão de conhecer todos os fatores que interferem na conduta do marketing eletrônico, mas sim abordar, de forma empírica, como algumas questões mencionadas nos capítulos anteriores se fazem presentes nas transações realizadas através do comércio eletrônico. 7

8 1. O comércio e a sociedade Para que se entenda a evolução do comércio no Brasil é necessário conhecer etimologicamente 2 (origem da palavra) o termo, que será mostrado, baseado em reflexões de alguns autores e ainda conhecer a evolução das relações de troca, que teve forte mudança desde o período colonial até os dias de hoje, causando grande impacto no comportamento do consumidor. Segundo o dicionário da língua portuguesa Aurélio, a palavra comércio baseia-se em negócio, operações de compra e venda, portanto pode-se afirmar que o comércio está diretamente ligado nas atividades de troca, venda ou compra de produtos, serviços ou mercadorias. KOTLER afirma: A efetivação ou não da troca depende de as duas partes concordarem com termos que deixarão ambas em uma situação melhor (ou, pelo menos, não em uma situação pior) do que antes. A troca é um processo de criação de valor, porque normalmente deixa as partes envolvidas em melhor situação. 3 Portanto a afirmação de Philip Kotler evidencia que a troca se dá pela necessidade de se ter algo desejado, oferecido por alguém, portanto, o comércio está diretamente relacionado em atender as necessidades do consumidor. O consumo de bens está intrínseco nas relações sociais e muitas vezes ganha uma dimensão simbólica, transformando um mero produto em sinônimo de satisfação e prazer, conferindo status ao produto, a exemplo da garrafa de vinho português como aponta o autor Mike Featherstone quando fala sobre os modos de consumo. (...) Falar de consumo de bens imediatamente oculta o amplo leque de bens consumidos ou adquiridos à medida que mais aspectos do tempo livre (que incluem atividades rotineiras de subsistência, além do lazer) são progressivamente mediados pela aquisição de mercadorias. Isso oculta ainda a necessidade de estabelecer diferença entre bens de consumo duráveis (que 2 Dicionário Novo Aurélio Editora Nova Fronteira KOTLER, Philip; KELLER, Kelvin L. Administração de Marketing. São Paulo, Pearson Prentice Hall, p. 8

9 usamos para subsistência e lazer, como refrigeradores, automóveis, aparelhos de som, câmeras) e não-duráveis (comida, bebida, roupas, produtos para o cuidado do corpo) e as alterações na proporção de renda despendida em cada setor ao longo do tempo. É preciso prestar atenção ainda nas formas como alguns bens podem entrar e sair da condição de mercadorias e na diferente duração de vida que cabe às mercadorias à medida que se deslocam da produção para o consumo. Comida e bebida, em geral, são mercadorias de vida curta, mas nem sempre: uma garrafa de vinho do Porto de boa safra, por exemplo, pode gozar de prestígio e exclusividade; isso significa que ela nunca será consumida de fato (isto é, aberta e bebida), embora possa ser consumida simbolicamente de diversas maneiras (contemplada, desejada, comentada, fotografada ou manipulada) que propiciam uma grande dose de satisfação. 4 A partir da análise de Featherstone, entende-se que a dimensão simbólica dos bens é um instrumento balizador de diferenças de estilo de vida de cada consumidor, dividindo o consumidor em classes sociais. Veremos essa divisão mais adiante, no item O surgimento do comércio e as relações de troca O comércio no Brasil surgiu por influência dos colonizadores portugueses, no período colonial. O desejo pelo consumo de roupas, objetos e mobiliários que refletissem o bom gosto trazido da Europa, aliado a exploração da cana-de-açúcar e do pau-brasil fez com que surgissem as primeiras transações comerciais. Com a grande procura pelo pau-brasil os índios criaram irregularmente a primeira feira livre em 1548, que surgiu com a necessidade da troca de mercadorias entre os índios e os colonizadores portugueses, franceses e espanhóis. Pouco tempo depois, D. João III regulamentou a feira, de forma a garantir melhor controle das mercadorias negociadas. A eficiência do produto e a organização do comércio fizeram com que, mesmo depois da 1ª independência do Brasil, em 1822 o comércio do pau-brasil e outras mercadorias como açúcar, algodão fosse ainda mais intenso. 4 FEATHERSTONE, Mike. Cultura de Consumo e Pós Modernismo. São Paulo, Estúdio Nobel, p.35 9

10 Para sustentar e solidificar as transações do comércio foi criado em 1808 pelo rei D.João VI o Banco do Brasil, com o objetivo de oferecer créditos aos comerciantes, pois eles precisavam de capitais para evoluir seus negócios, devido à abertura dos portos. Com a abertura dos portos, o comércio do Brasil teve contato direto com o exterior, o que resultou numa avalanche de produtos importados como ferragens, pregos, peixes salgados, chapéus, cerâmicas, cervejas em barris etc. Esses produtos não tinham como ser negociados já que nesta época não existia um grande público para fruição. Junto com os importados vieram novos hábitos de consumo trazido pelos ricos portugueses que o acompanharam na fuga para o Brasil. Foi nesse mesmo contexto que surgiram duas modalidades de comércio: o de luxo que se instalava nas principais cidades do país, que era destinado as classes favorecidas e o comércio popular que atendia essencialmente as necessidades básicas da grande massa. Canclini em seu livro Consumidores e Cidadãos aborda a seguinte questão. A América Latina, como se sabe, foi inventada pela Europa, num processo de conquista e colonização, iniciado por Espanha e Portugal, logo reelaborado pelas intervenções da França, da Inglaterra e de outras nações metropolitanas. Essas relações de dependência, que em cada período implicaram conflitos e hibridações, foram-se concentrando no decorrer do século XX nos vínculos com os Estados Unidos. Mas este deslocamento não pode ser visto como simples troca de senhor. As modificações ocorridas enquanto se passava da subordinação européia para a norte-americana nos mercados agrícolas, industriais e financeiros, na produção, circulação e consumo de tecnologia e cultura, e nos movimentos populacionais turistas, migrantes, exilados alteraram estruturalmente o caráter dessa dependência 5 Segundo Canclini a transferência do domínio Europeu para os Estados Unidos nos trouxe a submissão socioeconômica, pois na relação de dependência com a Europa os latinoamericanos aprenderam a ser cidadãos enquanto com os Estados Unidos passamos a posição de meros consumidores. No século XVI as transações comerciais se davam através da troca de mercadorias, já que nessa época poucos tinham acesso as moedas de cobre. Ainda nessa época, no ciclo do café, o açúcar era considerado moeda corrente devido ao sucesso nas exportações, assim como 5 CANCLINI, Nestor G. Consumidores e Cidadãos, Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2008 p.12 10

11 o toucinho, porcos e muitos outros produtos usados desde a época do descobrimento. Foi após a abolição da escravidão que as moedas foram difundidas e ganharam credibilidade, porém um dos grandes entraves para a sua implantação no comércio foi o processo de escravidão, pois como a mão-de-obra escrava não era assalariada, não era possível gerar mercado, sendo assim não havia necessidade de circulação de dinheiro. 1.2 Os grupos de consumo O processo mundial de globalização que teve início entre os séculos XIX e XX trouxe a desterritorialização cultural, através da recepção de bens produzidos pela cultura do outro, adaptados para a nossa cultura. Neste cenário o consumidor apresenta-se em duas classes: A classe dominante que detém os meios de produção e a classe dominada, que corresponde à grande massa que trabalha essencialmente para suprir suas necessidades básicas. Nesse âmbito consumir o que era nacional estava apoiado pela racionalidade econômica, já a procura por produtos estrangeiros era sinônimo de qualidade, elevando os grupos que aderiam esses bens o símbolo de status, como afirma Canclini. (...) Uma peça de roupa, um carro ou um programa de televisão eram mais acessíveis se eram nacionais. O valor simbólico de consumir o nosso era sustentado por uma racionalidade econômica. Procurar bens e marcas estrangeiras era um recurso de prestígio e às vezes uma opção por qualidade. General Electric ou Pierre Cardin: a internacionalização como símbolo de status. Kodak, os hospitais de Houston e Visconti representavam a indústria, a atenção médica e o cinema que os países periféricos não tinham mas poderiam chegar a ter. 6 Um fator de grande importância é que a cada dia a percepção do consumidor muda, tornando-o cada vez mais exigente com a ajuda dos novos meios de comunicação, o consumidor se tornou bem informado, mas esperto a ponto de questionar seus direitos, portanto o mercado está sempre se renovando para atender as necessidades do novo 6 CANCLINI, Nestor G. Consumidores e Cidadãos, Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2008 p.31 11

12 consumidor. Um novo grupo de consumidores que está ganhando bastante destaque é o da terceira idade que possui um grande poder de compra. As empresas estão voltadas para os públicos de classes C e D que hoje ganharam poder de compra, através das facilidades de pagamentos que as mais diversas redes de varejo oferecem. A busca da qualidade de vida e os avanços da medicina fizeram com que os idosos se tornem consumidores mais ativos. Esse novo grupo de consumidores possui mobilidade social e estabilidade econômica já que grande parte não possui despesas com filhos, portanto podem se dar ao luxo de ter hábitos mais sofisticados. Segundo dados do IBGE o Brasil possui mais de 18,5 milhões de pessoas com idade acima dos 60 anos, o que representa 10,5% da população. Estima-se que esse mercado gere um retorno de R$7,5 bilhões. Já a Organização Mundial de Saúde prevê que a população idosa será de 1,9 bilhões de pessoas em Como as empresas estão investindo uma boa parte de suas verbas de marketing para o ambiente virtual, é importante analisarmos o comportamento do consumidor nesse âmbito. Risoleta Miranda, que se tornou referência em marketing digital ao criar o conceito de Virtual Relationship Marketing (VRM), que analisa o comportamento do consumidor on-line define que: Para se ter sucesso no processo de vendas on-line o fundamental é entender o comportamento dos clientes e possíveis clientes dentro do ambiente virtual. Por isso, diversas empresas estão focando seus esforços de marketing em verbas on-line. 7 No inicio do ano passado, a empresa Deloitte Multinacional focada em consultoria de marketing, realizou uma pesquisa com mais de dois mil usuários norte-americanos, de internet para saber sobre seus hábitos e foi constatado que a Internet está a cada dia ganhando mais força. O estudo mostrou ainda que seis em cada dez americanos gostariam de fazer downloads e assistir conteúdos on-line em suas televisões e que aproximadamente 59% ouvem música on-line e 52% assistem vídeos pela internet. Outra questão é o investimento nas tecnologias de Internet nos celulares. Segundo estudos da Comscore Instituto de Pesquisa de Mercado Norte-americano o número de usuários que acessam a Internet através de celulares aumentou 68% nos EUA e 38% na Europa entre 2007 e No Brasil esse serviço vem sendo aperfeiçoado e popularizado, com aparelhos de fácil mobilidade, por isso muitos 7 Mundo do marketing. Disponível em 23/05/2006 (19/01/ :30h) 12

13 usuários já acessam a Internet através da tecnologia 3G. Um exemplo que expressa essa tecnologia é o Iphone, telefone móvel celular da marca americana Apple que possui funcionalidades similares a de um computador pessoal, que possui acesso a Internet através das conexões 3G e WiFi. É difícil não ficar encantado com as funcionalidades desse aparelho que são: GPS, Touch Screen e acelerômetro. Os usuários geralmente são pessoas de classes sociais média e alta, pois seu preço não é muito barato, além de contemplar a despesa extra com assinatura para baixar pacote de transmissão de dados através de conexões via Web. A solução para a massificação dessa tecnologia seria as empresas baixarem os custos de pacotes de transmissão de dados e ainda aperfeiçoar os ambientes de acesso, pois algumas instituições financeiras ainda não disponibilizam acessos para transações bancárias. Marcelo Castelo, que é sócio diretor da F.Biz Marketing Online argumenta: Não tenho dúvida que, no médio prazo, a categoria iphone será uma categoria massificada, levando a reboque a explosão da Internet Móvel. No Reino Unido, por exemplo, o número de acessos à Internet por meio de dispositivos móveis cresceu 25% no terceiro trimestre de 2008 em relação ao mesmo período do ano anterior. Outro estudo, realizado pelo Pew Internet & American Life Project, aponta que o celular será o principal meio de acesso à Internet em Uma mudança de hábito de consumo bastante intrigante, revelada no site do Jornal The New York Times em Janeiro de 2009 foi que a Internet superou os jornais impressos como principal fonte de informação dos americanos 9. A Pesquisa foi realizada pelo Pew Research Center for the People and the Press e revelou que 40% dos americanos usam a Internet como principal fonte de noticias e quando se refere a jornais o percentual é de 35%, porém esses resultados não apontam a queda de popularidade dos jornais. Mudando o foco para o comportamento do consumidor no ponto de venda, as empresas estão investindo em diversas ações para gerar fluxo de caixa. Hoje as empresas 8 Mundo do Marketing. Disponível em 27 /01 /2009 (19 /01/ :22h) 9 New York Times Online. Disponível em 05drill.html?_r=2, 05/01/2009 (19/01/ :33h) 13

14 fazem de tudo para transformar a ida à loja numa experiência prazerosa para o consumidor, e buscam marcá-lo através dos sentidos, remetendo-os a um sentimento de realização e emoção. Por isso estão sendo desenvolvidos estudos para investigar, o que ajuda a criar um ambiente favorável para o consumo. Conforme publicado na edição da Revista Veja, que alguns shoppings americanos aumentam a concentração de oxigênio para tornar o ambiente favorável a venda, isso porque foi constatado por especialista da Universidade de Harvard que em lugares com maior concentração de oxigênio as pessoas tendem a gastar mais. Isso também acontece com o cheiro de carro novo, que é produzido um determinado aroma para cada modelo, a fim de despertar determinados sentidos. O aroma da pipoca que é vendida no cinema aumentou as vendas da rede Cinemark. Segundo Dionísio Ferenc, da empresa americana IFF no Brasil, que produz o aroma, as vendas da rede aumentaram 20%. Portanto é muito importante a implementação de ações de marketing para a satisfação e fidelização do cliente, seja no ponto de venda tradicional ou no ambiente online (ecommerce). 1.3 A convergência tecnológica e o comércio eletrônico Para que se entenda a convergência tecnológica, é preciso analisar a evolução das tecnologias que se deu gradativamente, através da radiodifusão, do surgimento da televisão, do cinema e se consolidou com a imprensa e caminha para novos rumos através da Internet, que é uma tecnologia bastante recente e que está a cada dia mais presente no cotidiano das sociedades pós-modernas. Com grande força na década de 1960, a imprensa apresentou momentos de expressividade e até os dias de hoje não perdeu sua força. A televisão não suprimiu o rádio, que foi rejeitado logo no início do surgimento da televisão. O rádio ainda apresenta grande expressividade na cultura das sociedades latino-americanas. Portanto, é importante analisar que nenhuma tecnologia eliminou a outra, elas coexistiram e se adaptaram, mantendo sua 10 Revista Veja. Disponível em 17/12/2008 (19/01/ :50h) 14

15 função e grau de importância, porém a medida que surgem novas tecnologias, as antigas tecnologias precisam ser reavaliadas e repensadas em termos estruturais. Tom Standage em seu livro The Victorian Internet (1998) cita a Internet como uma evolução do telégrafo: Os usuários modernos da Internet são, de várias maneiras, os herdeiros da tradição da telegrafia, o que significa que hoje estamos em posição especial para entender o telégrafo. E o telégrafo, por sua vez, pode nos dar uma perspectiva fascinante dos desafios, oportunidades e perigos da Internet. 11 A palavra convergência foi denominada por Ethiel de Sola Pool na década de 1980, quando se referia ao desenvolvimento tecnológico no que diz respeito a integração de texto, imagens estáticas ou em movimento sons e outros elementos da mídia. A palavra está também relacionada a associação das industrias de mídia e telecomunicações. Pool que era favorável a desregulamentação de toda a mídia, que em 1983 chamou de tecnologia de liberdade. A convergência trouxe a interação do indivíduo com as novas tecnologias, através dela surgiram os vídeos por assinatura disponíveis através das TVs por assinatura, com isso os catálogos impressos logo foram suprimidos. As novas tecnologias tornaram possível as escolhas individuais, sobre o que ver, quando ver ou ouvir. Em contrapartida, nesse mesmo período, vários teóricos discutiam os impactos e efeitos das novas mídias na sociedade. Segundo J. Meyrowitz em seu livro o Sense of Place (1985) Quando nos comunicamos por telefone, rádio, televisão ou computador, o que somos fisicamente não mais determina onde estamos, nem quem somos socialmente. Portanto a mídia eletrônica afeta as pessoas não pelo seu conteúdo, mas sim por dissociar o lugar físico do social. Segundo Pool, o que estava em jogo na difusão de informação através das novas tecnologias não eram problemas que afetariam as culturas tradicionais, mas sim os governos autoritários que poderiam se desestruturar a ponto de perder o controle social, pois com esses 11 STANDAGE citado por BRIGGS, Asa; BURKE, Peter Uma história social da mídia, Rio de Janeiro, Editora Jorge Zahar, 2006 p

16 novos instrumentos as pessoas teriam a capacidade de produzir e trocar informações sobre questões políticas, sociais e culturais. No entanto, MacLuhan em seu livro Understanding Mídia (1964) afirma que Na era eletrônica, nos vemos cada vez mais sendo traduzidos como informação, nos movendo para o âmbito da consciência tecnológica. Pool reforça: segundo ele os mecanismos de mídia eletrônica permitem maior conhecimento, acesso fácil e maior liberdade de expressão do que jamais foi permitido. Nesse contexto, entre as décadas de 1970 e 1980 vários teóricos levantaram questões sobre os novos rumos para a comunicação mundial, analisando o impacto das novas tecnologias no âmbito político, econômico e cultural nas diversas sociedades. Com o surgimento dos computadores pessoais (PC) na década de 80, acreditava-se que ele viria para resgatar a imprensa, que vivia em estado de crise, mas o resgate só aconteceu após a resistência de jornalistas e editores que mais tarde aderiram à nova tecnologia. É importante salientar que quando as tecnologias da comunicação começaram a ser implementadas, as opções de negócios aumentaram, as sociedades foram se adaptando e se ajustando aos novos mecanismos, a exemplo das publicações de jornais, que foram criados espaços destinados a informações sobre comunicação e tecnologia, com isso surgiram os cadernos de informática. Quando o assunto é convergência, fica bastante difícil não falar sobre computadores que certamente são apontados com exemplo chave desse fato, por isso faz se necessário um breve histórico da evolução dessa tecnologia. No inicio do seu desenvolvimento, os computadores eram usados como máquinas de calcular e ao longo do tempo foram sendo aperfeiçoados ficando menores e os preços cada vez mais baratos, por isso começaram a ser utilizados em escritórios a partir da década de Os primeiros computadores eram gigantes e foram desenvolvidos por propósitos militares da Guerra Fria, nessa época não se pensava em lucratividade e sim funcionalidade para a guerra. Os primeiros modelos Colossus, Eniac e o Unirac foram desenvolvidos na década de 1950, possuíam milhares de válvulas e não eram 100% confiáveis. Mais tarde esses modelos 16

17 que funcionavam através de válvulas foram substituídos por modelos com transistores, que eram menos confiáveis que os com válvulas logo nas primeiras fases de seu desenvolvimento. A partir dos transistores outras tecnologias foram desenvolvidas, como a televisão transistorizada em 1964 e o Walkman, que além de estéreo portátil, reproduzia fita cassete. Essas tecnologias foram lançadas e desenvolvidas pela Sony. O Walkman influenciou bastante no desenvolvimento tecnológico do futuro, sua funcionalidade e mobilidade (mecanismos de radiofreqüência), com acesso a música em qualquer lugar proporcionou estudos sobre o desenvolvimento da telefonia móvel celular. No final da década de 1970, ocorreu o grande volume de vendas de computadores pessoais. Foi fácil identificar que a partir desse momento começaria uma nova fase na história das comunicações e da mídia, pois eles não seriam somente instrumentos de negócios, mas sim máquinas que executariam atividades de mídia, por causar estímulo-resposta aos usuários e em dado momento poderiam afetar diretamente as mídias tradicionais e os mecanismos impressos, porém os mesmos não perderam a força. Nessa mesma época, a máquina de escrever portátil que era um objeto altamente sofisticado foi substituída rapidamente pelos computadores pessoas, tornando-se obsoleta. Uma outra tecnologia bastante importante que aponta a convergência tecnológica e o surgimento dos cabos para sistemas de transmissão de TVs. O cabo surgiu com o objetivo de ser o sistema nervoso da sociedade centrada na informação. O cabo veio compor a família dos novos desenvolvimentos tecnológicos, porém direcionado a televisão a fim de transmitir dados visuais, além de teletexto. O teletexto é um sistema que permite transmitir páginas de informações em uma tela de televisão, mecanismo que não pode ser usado numa transmissão convencional de televisão. Nesse mesmo contexto, surgiu o vídeo texto que consiste no envio de mensagens pela linha telefônica ou através de cabo de informações arquivadas por computador para uma televisão ou um terminal especializado de vídeo texto. Graças ao surgimento do vídeo texto foram desenvolvidos estudos que mais tarde resultaram no que chamamos de Internet e a Word Wide Web e com ela vieram as perguntas de vários teóricos sobre a sociedade inserida nesse novo ambiente tecnológico. 17

18 Em 1997 o governo britânico, após vários estudos sobre padrões técnicos e investimentos na área de transmissão visual desenvolveu a HDTV High Definition television. A televisão de alta definição vem a oferecer melhor definição de cores e clareza de imagens com linhas, em vez de 525 ou 625 como as televisões convencionais. As imagens são transmitidas em uma tela maior que as televisões convencionais, além de distribuição digital, que proporcional maior qualidade ao telespectador, ela oferece maior número de canais. Pré-cursores da tecnologia a cabo o VCR (vídeo cassete) e o vídeo disco (CD ROM) tiveram grande impacto na sociedade. Os dois possuem tecnologias distintas, porém eles levantaram polêmicas sobre direitos autorais e pirataria. Esses aparelhos permitiram a quebra do espaço x tempo, isto porque os telespectadores que faziam uso dessas tecnologias gravavam o conteúdo transmitido pelas emissoras de televisão e reproduziam onde e quando quisessem, permitindo maior mobilidade e reorganização do tempo de audiência. Esses aparelhos serviram também como fonte de lucro para grandes empresas de produção e transmissão de Hollywood, já que produziam filmes direcionados ao uso doméstico, o que gerou entre as décadas de 1980 e 1990 a proliferação das vídeo locadoras, já que a distribuição inicial não permitia a venda de fitas cassete a consumidores finais e sim o aluguel. O conteúdo transmitido pelo vídeo além de entreter os telespectadores, trazia o distanciamento de culturas e por muitas vezes retomava a proximidade e trazia a identificação cultural de telespectadores muito distantes de sua terra natal que agora podem assistir vídeos em suas próprias línguas. O desdobramento tecnológico dos videocassetes (VCR) foram as câmeras de vídeo que passaram a ser o item obrigatório das famílias de classe média e alta. Em seguida surgiu a maquina fotográfica digital que trouxe com ela a quebra da privacidade, trazendo o sucesso de venda dos tablóides na Grã-Betanha. Uma das tecnologias mais atuais que está diretamente relacionada a convergência tecnológica é a Internet. 18

19 A Internet trouxe maior liberdade as pessoas, maior poder, através da força de expressão e maior cooperação internacional. Com ela as pessoas estão interconectadas, trocando experiências, informações e conhecimento. As sociedades se renderam a essa nova tecnologia e se adaptaram incorporando esse novo instrumento tecnológico nas suas ações cotidianas. A Internet oferece aos seus usuários educação, entretenimento e informação, num ambiente livre e quase que totalmente democrático. Num víeis voltado para o ramo de negócios, surge na Internet o e-commerce, que quando implementado no ambiente virtual, virou sinônimo de revolução de consumo, que segundo Bill Gates em seu livro The Way Ahead (1995) fará com que todas as mercadorias do mundo possam estar disponíveis para serem examinadas, comparadas e muitas vezes feitas sob medida. Veremos informações mais adiante no item O que é comércio eletrônico. 2. O deslocamento do comércio para o ambiente virtual A tecnologia digital nos ensinou a sermos mais participativos no âmbito virtual. Hoje, a qualquer hora, em qualquer lugar, podemos solicitar um produto ou serviço quando desejarmos, através dos canais eletrônicos, e ainda, pesquisar a empresa que desejamos através dos sites de busca, personalizamos o nosso próprio produto através da escolha de cores e acessórios que podem ser incluídos no produto antes da entrega final, um ótimo exemplo disso são as páginas virtuais de montadoras de automóveis. Além da opção de personalizar o produto, o consumidor monitora todas as etapas do processo de compra do produto, desde a efetivação da compra até a entrega do produto. O consumidor que navega através do ambiente virtual está disposto a satisfazer suas necessidades fechando negócios com qualquer empresa no ambiente virtual, desde que ela transmita credibilidade, seja segura e ofereça um bom atendimento. Por ter a relação direta com o consumidor os canais eletrônicos são as formas mais recentes de marketing direto, pois o cliente tem a interação e contato personalizado por isso as empresas podem focar suas estratégias em cada cliente. 19

20 Com o surgimento das novas tecnologias de informação fica cada vez mais evidente que o cliente é que tem o controle de todo o processo de troca, além de estar mais participativo, pois é ele que expressa à opinião sobre o produto adquirido através do ou faz algum comentário ou reclamação em blogs ou sites de órgãos em defesa do consumidor. O comércio eletrônico vem ganhando espaço e se consolidando devido à qualidade no atendimento, a rapidez na entrega e a segurança que as empresas oferecem ao consumidor, porém as lojas virtuais não chegaram com o objetivo de substituir as lojas tradicionais, mas sim complementar suas receitas. O ponto-de-venda auxilia o consumidor na escolha de produtos, pois é nele que o consumidor tem a tangibilidade e materialização do produto, além ser impactado por diversas ações de marketing, por isso o ponto-de-venda tem grande parcela de responsabilidade pela decisão de compra do consumidor. Se analisarmos as lojas físicas e virtuais veremos que na segunda, a venda é bastante pessoal, o mesmo acontecia antigamente com as lojas físicas; elas exploravam mais o contato físico com o cliente, os vendedores conheciam os consumidores e não eram apenas tiradores de pedidos, hoje as lojas físicas agem de forma passiva e são menos agressivas ao oferecer um produto ou serviço ao consumidor. Já no ambiente virtual o consumidor é reconhecido imediatamente e possui um perfil de compras baseado no seu histórico de compras e conseqüentemente atingido por ofertas personalizadas. Um outro ponto importante é a concorrência gerada entre as lojas físicas e as virtuais. As lojas virtuais geralmente oferecem bons descontos, menores preços e frete grátis, porém o mesmo produto da loja virtual pode ser encontrado por um preço bem mais em conta numa loja perto de casa, isso elimina a ansiedade e espera pelo produto. O importante é que os novos mecanismos de venda online se integram aos antigos (ponto-de-venda) e servem como um facilitador, pois muitos sites de empresas disponibilizam informações sobre o produto ou serviço e agilizam o processo de compra, porém a efetivação da compra só é feita no ponto-de-venda, outras lojas permitem que o cliente efetue a compra pelo site e retire o produto no ponto-de-venda. Segue abaixo um gráfico que mede a satisfação do consumidor de e-commerce no Brasil medida pelo e-bit (Instituto de pesquisa focado no comércio eletrônico). 20

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Roberto Torres Novatec Editora 23 Capítulo 1 O que é Personalização? Este

Leia mais

Influência da internet nas decisões de compra femininas

Influência da internet nas decisões de compra femininas Influência da internet nas decisões de compra femininas Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL?

SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL? SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL? A EVOLUÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO A evolução dos Meios de Comunicação 1990 2000 telex e-mail internet notebook e hoje?? celular MMS TV aberta TV a cabo DVD

Leia mais

Felipe Morais @plannerfelipe O CENÁRIO DO E-COMMERCE BRASILEIRO

Felipe Morais @plannerfelipe O CENÁRIO DO E-COMMERCE BRASILEIRO Felipe Morais @plannerfelipe O CENÁRIO DO E-COMMERCE BRASILEIRO ESPECIALISTA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL Autor do livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed. Brasport) Autor do Blog do Planejamento

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

O site CAMISETASDAHORA criou um projeto apenas para atendimento a franqueados.

O site CAMISETASDAHORA criou um projeto apenas para atendimento a franqueados. PROPOSTA DE MICROFRANQUIA E FRANQUIA Pelo presente instrumento particular de Microfranquia ou Franquia, de um lado o site CAMISETAS DA HORA, do outro VOCÊ, nosso futuro parceiro, neste ato, passamos a

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

28/08/2015. e-business. Reflita...

28/08/2015. e-business. Reflita... e-business Reflita... 1 Você topa um desafio? Desafio A Universidade dos Negócios é uma empresa jovem na área de Cursos e Treinamentos, consultoria empresarial e palestras. Ela agrega, através de agenciamento,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350 ARTESANATO BOLETIM COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento Em 2012, o faturamento foi de R$ 22,5 bilhões no Brasil, e de aproximadamente R$ 28 bilhões em 2013.

Leia mais

Apresentação para Representantes. www.puro3d.com.br

Apresentação para Representantes. www.puro3d.com.br Apresentação para Representantes www.puro3d.com.br Puro 3D - Resumo Somos focados em desenvolver Games, Vídeos, Sites, Maquete Virtual, Transmídia, Produtos, Protótipos 3D, Design e Comerciais para Empresas

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1

TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1 TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1 Fernando LOUZADA 2 Juliana GIRALDI 3 Tatiana MICHAUD 4 Vinicius CARVALHO 5 Christiane Monteiro MACHADO 6 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O tempo de vida das

Leia mais

Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos. Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012

Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos. Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012 Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012 Marketing criar produtos e serviços que atendam necessidades

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce Os números da INTERNET Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Somos o 4º país do Mundo em número de usuários. Pr of. Ca rlo s No tar i Estatísticas

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Marketing Digital Trabalho científico apresentado ao Professor Edvaldo Jr., docente da matéria Marketing Digital, da turma de Produção

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA Prestação de Serviço de Configuração de Portal de Cidade VISÃO GERAL PESM Projeto Eu Sou de Minas tem a satisfação de enviar esta proposta de serviços

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 1 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 1 Adquira o

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 O Rio ao Vivo é a primeira plataforma de transmissão online, em tempo real,com imagens de alta qualidade dos locais mais movimentados do Rio de Janeiro para o mundo.

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

Panorama do e-commerce tendências e expectativas.

Panorama do e-commerce tendências e expectativas. Panorama do e-commerce tendências e expectativas. As marcas BuscaPé atuam em toda a cadeia de valores do e-commerce na América Latina Ciclo de Compras PERCEPÇÃO INTERESSE DECISÃO AÇÃO PÓS-VENDA REVENDA

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão . Indice 1 Introdução 2 Quem Somos 3 O que Fazemos 4 Planejamento 5 Serviços 6 Cases 9 Conclusão . Introdução 11 Segundo dados de uma pesquisa Ibope de 2013, o Brasil ocupa a terceira posição em quantidade

Leia mais

Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais. Setembro de 2009

Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais. Setembro de 2009 Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais Setembro de 2009 A pesquisa Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais foi direcionada para

Leia mais

23ª edição. Índice. Copyright e-bit Todos os Direitos Reservados. O que é WebShoppers... 03. A e-bit... 04

23ª edição. Índice. Copyright e-bit Todos os Direitos Reservados. O que é WebShoppers... 03. A e-bit... 04 Índice O que é WebShoppers... 03 A e-bit... 04 Dados WebShoppers: Metodologia... 06 Sumário Executivo... 08 Estrutura do Relatório... 09 Parte I Balanço de 2010... 10 2010: Um ano para se lembrar! Quanto

Leia mais

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda.

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda. COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos e formas de

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

7 dicas para. melhorar. a performance do seu e-commerce

7 dicas para. melhorar. a performance do seu e-commerce 7 dicas para melhorar a performance do seu e-commerce Índice 03 Introdução 04 A invasão mobile 07 Mídias Sociais 10 OmniChannel: Sua empresa está preparada? 12 Marketing de conteúdo para e-commerce 14

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

quarta-feira, 8 de outubro de 14

quarta-feira, 8 de outubro de 14 Internet 2G no Brasil Mais usada que 3G... Em julho, o 2G era usado em 48,5% dos celulares, nº menor que o registrado em janeiro (57,8%) 3G passou de 35,9% em janeiro para 44,3% em julho Tecnologia 4G

Leia mais

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais.

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Nós amamos e-commerce! f emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Além do e-commerce full service, na emarket você

Leia mais

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO CONCEITUAÇÃO Comércio Eletrônico (E-Commerce provém de Electronic Commerce ) - termo usado para identificar um sistema comercial

Leia mais

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Extra, Extra notícias fresquinhas Você pode ter uma loja que funciona 24hs, inclusive aos domingos e feriados, não paga aluguel e nem condomínio

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

41% 21% 17% 55% 17% 28%

41% 21% 17% 55% 17% 28% Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital sophia Mind Mulheres querem

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Check list. Plano estratégico de marketing no agronegócio Criando um plano de marketing

Check list. Plano estratégico de marketing no agronegócio Criando um plano de marketing Check list Plano estratégico de marketing no agronegócio Criando um plano de marketing Check list Plano estratégico de marketing no agronegócio Criando um plano de marketing Você ficaria surpreso se soubesse

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 Nova Economia A nova economia está diretamente ligada à velocidade de informações, comunicação, conhecimento, tecnologia.

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais