1) ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1) ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA:"

Transcrição

1 1 1) ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS 1. Administração Financeira 1.1. Conceitos e Objetivos; 1.2. Mercados financeiros e sociedades por ações; 1.3. Matemática financeira. 2. Análise de demonstrações financeiras 2.1. Demonstrações financeiras; 2.2. Análise através de indices; 2.3. Valor Econômico Agregado (EVA Economic Value Added) Valor de Mercado Agregado (MVA Market Value Added); 2.5. Previsão de falência. 3. Previsão, planejamento e orçamento financeiro 3.1. Projeção de demonstrações; 3.2. Projeção de fluxos de caixa. 4. Risco e taxas de retorno 5. Modelos CAPM e APT 5.1. Estimação dos parâmetros Rm, Rf, Beta; 5.2. CAPM (Capital Asset Pricing Model); 5.3. APT (Arbitrage Pricing Theory). 6. Técnicas de engenharia econômica e análise de risco 6.1. Critérios determinísticos de decisão: VPL, TIR, Valor Anual, Pay-Back; 6.2. Simulação de Monte-Carlo; 6.3. Árvore de decisão; 6.4. Opções reais. 7. Valor econômico de uma empresa 8. Financiamento 8.1. Análise de alavancagem financeira, operacional e combinada; 8.2. Estrutura de capital; 8.3. Custos de capital; 8.4. Política de dividendos; 8.5. Emissão de ações, dívidas, opções, arrendamento e hedging; 8.6. Financiamento de dívidas e sistemas de amortização. 9. Administração de capital de giro 9.1. Gestão de caixa, contas a receber, estoques. 10. Custos empresariais Sistemas de custos; Gestão estratégica de custos. ASSAF NETO, A., Finanças Corporativas e Valor. Editora Atlas, 2003; BERLINER, C.; BRIMSON., Cost Management for Today s Advanced Manufacturing. Harvard Business School Press, 1988; BRIGHAM, E. F.; GAPENSKI, L. C.; EHRHARDT, M. C., Administração Financeira: Teoria e Prática, São Paulo, Editora Atlas, 2001; CASAROTTO, N. F.; KOPITTKE, B. H., Análise de Investimento, 10ª edição, São Paulo, Editora Atlas, 2007;

2 DAMODARAN, A., Avaliação de Investimento, Rio de Janeiro, Quality mark Editora, 1997; GITMAN, L. J., Administração Financeira: Uma Abordagem Gerencial, São Paulo, Editora Pearson, HORNGREN, C. T.; DATAR, S. M.; FOSTER, G., Contabilidade de Custos, São Paulo, Editora Pearson, 2005; KEOWN, A. J.; SCOTT, D.F.; MARTIN, J. D.; PETTY, J. W., Basic Financial Manegement, Londres, Prentice Hall International, 7ª edição, 1996; KEOWN, A. J.; SCOTT, D. F.; MARTIN, J. D.; PETTY, J. W., Financial Manegement: Principles and Applications, Prentice Hall International, 9ª edição, Londres, 2002; MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. Atlas, 2003; MATARAZZO, D.C., Análise Financeira de balanços, 6ª edição, Editora Atlas, 2003; MATARAZZO, D. C.; PESTANA, A. O., Análise Financeira de Balanços, São Paulo. Editora Atlas, 1995; OSTRENGA, M.; OZAN, T. R.; MCLLHATTAN, R. D.; HARWOOD, M. D., Guia da Ernest & Young para Gestão Total dos Custos, 12ª edição, Editora Record, 1994; ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R.W.; JAFFE, J.F., Administração Financeira: Corporate Finance, Editora Atlas, 2ª Edição, São Paulo, 2002; ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JORDAN, B. D., Princípios da Administração Financeira, Editora Atlas, 2ª Edição, São Paulo, 2000; SHANK, J.; GOVINDARAJAN, V., Gestão Estratégica de Custos, Editora Campus WESTON, J. F.; BRIGHAM, E., Fundamentos de Administração Financeira, Makron Books, 2000; WOILER, S.; MATHIAS, W. F., Projetos: Planejamento, Elaboração e Análise, São Paulo, Editora Atlas, ) BANCO DE DADOS 1. Modelo Entidade-Relacionamento, Modelo de Dados Relacional, Mapeamento do Modelo Entidade-Relacionamento para o Relacional e Dependências Funcionais e Normalização. 2. Álgebra Relacional e Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) 3. Gerenciamento de Transações e Controle de Concorrência. 4. Banco de Dados Orientado a Objetos e Banco de Dados Objeto Relacional. 5. Banco de Dados Distribuído. 6. Data Warehouse e Mineração de Dados. DATE, C.J. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados, 8a ed. Campus, ELMASRI, R.; NAVATHE, S.B. Sistemas de banco de dados, 4a ed. São Paulo: Addison Wesley, SILBERSCHAT, A.; KORTH, H.F.; SUDARSHAN, S. Sistemas de bancos de dados, 5a ed. Rio de Janeiro: Elsevier, RAMAKRISHNAN, R. Database Management Systems, 3a ed. McGraw-Hill Professional,

3 3 3) CIÊNCIAS DO SOLO 1. Pedologia: Fatores de formação do solo. Relação solo/paisagem. Tipos e critérios de levantamentos pedológicos. Caracterização analítica para fins de levantamento e classificação. Relatórios e mapas. Interpretação de levantamentos pedológicos. Pedologia aplicada a meio ambiente. 2. Manejo e Conservação: Erosão do Solo. Sistemas de Controle de Erosão. Capacidade de uso da terra. 3. Recuperação de Áreas Degradadas: Técnicas de Bioengenharia. Geotecnia aplicada à estabilidade de taludes. Métodos de recuperação de nascentes e matas ciliares. Recuperação em áreas de mineração. BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. São Paulo: Ícone, BIGARELLA, J.J.; BECKER, R.D. e SANTOS, G.F. dos, Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais, v. I. Ed. UFSC, Florianópolis, SC. CURI et al. Vocabulário de ciência do solo. SBCS, EMBRAPA.Normas e critérios para levantamentos pedológicos. EMBRAPA-SNLCS, EMBRAPA.Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. EMBRAPA, EMBRAPA Manual de métodos de análise do solo. EMBRAPA-CNPS, OLIVEIRA,J.B. et al. Classes gerais de solos do Brasil. Jaboticabal, FUNEP, p. OLIVEIRA, J. B. de. Pedologia Aplicada. 2ª ed. Piracicaba, FEALQ, p. GUERRA, et al. Novo dicionário geológico-geomorfológico. IBAMA Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Manual de Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração. Brasília, IBAMA, p. KIEHL, E. J. Manual de edafologia. Ceres, LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia geral. Nacional, LEPSCH, I. F. Formação e Conservação dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos, MACEDO, A. C., KAGEYAMA, P.Y., COSTA, L. G. S. Revegetação:matas ciliares e proteção ambiental. São Paulo: Fundação Florestal, SMA, 26p MARTINS, S. V. A recuperação de áreas degradadas: avanços e perspectivas. Opiniões, mar-mai, p. 33, MARTINS, S.V. Recuperação de matas ciliares. Viçosa: CPT, 225p MEURER, E. J. (Ed.) Fundamentos de química do solo. Porto Alegre: Genesis, POPP, J. H. Geologia geral. Livros Técnicos e Científicos. Editora Ltda, RODRIGUES, R.R., Leitão Filho, H. F. Matas Ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Edusp-Fapesp, SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. SBCS, RESENDE et al. Pedologia: base para distinção de ambientes. NEPUT, TEIXEIRA, W. et al. (coord.) Decifrando a Terra. Oficina de Textos, VIEIRA, L. S. Manual de ciência do solo. Ceres, ) COMPILADORES 1. Programação orientada por objetos

4 2. Formas de Polimorfismo: paramétrico, de sobrecarga, coerção, subtipagem etc. 3. Linguagens de programação funcionais e lógicas 4. Formas de passagem de parâmetros: passagem por valor, por referência, expansão de macros, avaliação por necessidade etc. 5. Máquinas virtuais e interpretadores. 6. Gerenciamento de memória heap e sistemas de coleta de lixo. 7. Análise léxica e sintática 8. Semântica de linguagens de programação 9. Geração de código (tradução de árvores de sintaxe em linguagem de três endereços ou assembly) 10. Análise e Otimização de código (alocação de registradores, análise de longevidade, loop unrolling etc) SETHI, RAVI; AHO, ALFRED V.; LAM, MONICA S.; Compliadores Principios, Tecnicas e Ferramentas. 2a. Edição., Editora Pearson Education, SEBESTA, R. W.; Conceitos de Linguagens de Programação. 5a. Edição. Bookman, 2003 HOPCROFT, J.E.; ULLMAN, J.D.; MOTWANI, R.; Introdução à Teoria de Autômatos, Linguagens e Computação. 2a. Edição. Editora Campus ) ENGENHARIA DA QUALIDADE 1. Controle da qualidade 1.1 Evolução da qualidade ; 1.2 Programa de melhoria da qualidade; 1.3 Controle da qualidade total. 2. Organização do controle de qualidade 2.1 Implantação da rotina; 2.2 Gerenciamento pelas diretrizes. 3. Padronização de empresas 3.1 Procedimentos para a Padronização 3.2 Principais Padrões da Empresa 4. Sistemas de gestão normalizados 4.1 ISO Visão geral e principais requisitos; 4.2 QS 9000/ISO TS Visão geral; 4.3 Auditoria da qualidade - ISO Controle estatístico da qualidade 5.1 As sete ferramentas da qualidade (Pareto, causa e efeito, check-list, histograma, estratificação, gráficos de controle e correlação); 5.2 Cartas de Controle para variáveis 5.3 Cartas de Controle por atributos 5.4 Amostragem 5.5 Cartas de Controle para processos multivariados. 6. Capacidade de Processos 6.1 Cálculo de capacidade para variáveis 6.2 Cálculo de capacidade para atributos 6.3 Cálculo de capacidade para múltiplas características. 4

5 5 6.4 Cálculo de capacidade para processos multivariados 6.5 Projeto de tolerâncias. 7. Análise do sistema de medição 7.1 Repetividade 7.2 Reprodutividade 7.3 Linearidade 7.4 Erros sistemáticos 7.5 Análise de R&R usando o método análise de variância. 8. Projeto de Experimentos 8.1 Fatoriais completos 8.2 Fatoriais fracionados 8.3 Arranjos de Taguchi 8.4 Metodologia de Superfície de Resposta 8.5 Otimização de múltiplas Respostas CAMPOS, V. F., TQC - Controle da Qualidade Total no estilo japonês, Belo Horizonte, Fundação de Desenvolvimento Gerencial, EVANS, J. R; LINDSAY, W. M., The Management and Control of Quality, Cincinnati, Ohio, South-Western College Publishing, MELLO, C. H. P.; SILVA, C. E. S.; TURRIONI, J. B.; SOUZA, L. G. M. S, ISO 9001: Sistema de gestão da qualidade para operações de produtos e serviços, São Paulo, Editora Atlas, MONTGOMERY, D. C., Introdução ao Controle Estatístico da Qualidade, LTC, Rio de Janeiro, MILLS, C. A., A Auditoria da Qualidade, São Paulo, Makron Books, WERKEMA, M. C. C., As ferramentas da qualidade no gerenciamento de processos, Belo Horizonte, Fundação Christiano Ottoni, ) ENGENHARIA DE PRODUTO 1. Processo de desenvolvimento de produtos (PDP como vantagem competitiva) 2. Technology Roadmapping (mercado, tecnologia e produtos) 3. Contexto estratégico do PDP 4. Etapas genéricas do PDP (requisitos gerais e técnicos, análise de viabilidade, projeto do produto e do processo, lançamento, comercialização, acompanhamento, retirada) 5. Gerenciamento de projetos (processos: escopo, planejamento, execução, controle, encerramento, áreas de conhecimento preconizadas pelo PMBoK: escopo, prazo, orçamento, comunicação, riscos, integração, recursos humanos, aquisições e qualidade) 6. Mapeamento do PDP 7. Estrutura do produto 8. Medição de desempenho do PDP 9. Conceituar problema no contexto do PDP 10. Gestão de portfólio (produto e projetos) 11. Propriedade intelectual no PDP (patentes de inovação e utilização). 12. Aplicativos de gerenciamento de projetos. 13. Contextualização do Processo de Desenvolvimento do Produto (PDP)

6 14. Normalização do PDP (ISO 9001 com ênfase no PDP, APQP e PPAP) 15. Desdobramento da função qualidade (QFD) 16. Engenharia simultânea 17. Ergonomia de produto 18. PDP e meio ambiente (produtos sustentáveis) 19. Design for X (DFX) 20. Engenharia e análise do valor 21. Confiabilidade de produtos (medidas de confiabilidade e definições básicas, distribuições de probabilidade com ênfase nas estimativas de parâmetros e tempos-até-falha, função de risco ou taxa de falha, ensaios acelerados, análise de sistemas) 22. Análise do modo e efeito da falha (FMEA) 23. Prototipagem rápida BAXTER, M. Projeto de produto. Porto Alegre: Editora Edgard Blucher, BROWN, S.L.; EISENHARDT, K.M. Product Development: Past Research, Present Findings, and Future Directions. Academy of Management Review, v.20, n.2, p , 1995 CHENG, L. C.; MELO FILHO, L. D. R. QFD Desdobramento da função qualidade na gestão de desenvolvimento de produtos, Editora Edgard Blucher, CLARK, K.B.; FUJIMOTO, T. Product Development Performance: strategy, organization and management in the world auto industry. Boston: HBS Press, 1991 CLARK, K.B.; WHEELWRIGHT, S.C. Revolutionizing product development: quantum leaps in speed, efficiency, and quality. New York: NY, p. CSILLAG, J. M. Análise do valor. 4ª. Ed., Editora Atlas, HARTLEY, J. R. Engenharia simultânea. Editora Bookman, JURAN, J. M. A Qualidade desde o projeto. 2.ed. São Paulo, Editora Pioneira, 1994 MELLO, C. H. P.; COSTA NETO, P. L. O.; TURRIONI, J. B.; SILVA, C. E. S. Gestão do Processo de Desenvolvimento de Serviços. São Paulo: Editora Atlas, MONTGOMERY, D. C. Introdução ao controle estatístico da qualidade. Rio de Janeiro, LTC, 2004 PALADY, <http://www.submarino.com.br/portal/artista/47841/+paul+palady> P. FMEA: Análise dos Modos de Falha e Efeito. São Paulo: Instituto IMAM, PRANCIC, E. ; MARTINS, R. A.. Uma revisão teórica sobre a medição de desempenho do processo de desenvolvimento de produto. In: Congresso Brasileiro de Gestão e Desenvolvimento de Produtos, 4, 2003, Gramado. Anais do 4º Congresso Brasileiro de Gestão e Desenvolvimento de Produtos, p PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um guia do conjunto de conhecimentos do gerenciamento de projetos. ( PMBOOK guide) Pennsylvânia: Project Management Institute, 2000 SHIBA, S.; GRAHAM, A.; WALDEN, D. TQM: quatro revoluções na gestão da qualidade. Porto Alegre: Bookman, 1997 ROZENFELD, H., FORCELLINI, F. A., AMARAL, D. C., TOLEDO, J. C., SILVA, S. L., ALLIPRANDINI, D. H., SCALICE, R. K. Gestão de desenvolvimento de Produtos Uma referencia para a melhoria do processo. São Paulo: Editora Saraiva, ) GEOTECNIA/MECÂNICA DOS SOLOS 6

7 1. Condicionamento Geológico: Estradas (projeto geométrico, drenagem e terraplenagem). Barragens (tipos e dimensionamento). Túneis (rodoviários, metroferroviários, hidrelétricas, de passagens e travessias) e obras subterrâneas e enterradas. 2. Mecânica dos Solos e Fundações: Estrutura e propriedades físicas e mecânicas dos solos. Estabilidade de Taludes em Solos. Plasticidade e consistência. Fenômenos Capilares. Permeabilidade. Compressibilidade. Tensões e deformações. Compactação. Concepção de obras de fundações. Análise e projetos de fundações rasas e profundas. Projeto e execução de escavações e contenções. Rebaixamento e drenagem. Tirantes. Reforço do terreno. 3. Transporte e Geotecnia Ambiental: Modais de transporte (aspectos técnicos e econômicos). Transporte Rodoviário (dimensionamento e técnicas de construção, mecânica dos pavimentos, misturas betuminosas e conservação de pavimentos). Transporte Ferroviário (dimensionamento e técnicas de construção, superestrutura da via permanente, sinalização, material rodante). Geotecnia Ambiental em obras civis que visem à prevenção, controle e técnicas de remediação da contaminação do solo e da água. Revestimentos impermeabilizantes, barreiras verticais impermeáveis e capilares. ALONSO, U. R. Dimensionamento de Fundações Profundas. São Paulo: Edgard Blucher, ALONSO, U. R. Exercícios de Fundações. São Paulo: Edgard Blucher, AMARAL, A. D. Manual de Engenharia Ferroviária. Editora Globo, Brasil, 1957, 696p. BALBO, J. T. Pavimentação Asfáltica: Materiais, Projetos e Restauração. Ed. Oficina de Textos, BORGES, A. C. Topografia Aplicada à Engenharia Civil, v1, v2, Ed. Blücher, BRINA, Helvécio Lapertosa. Estradas de Ferro. V.1. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos S. A., BRINA, Helvécio Lapertosa. Estradas de Ferro. V.2. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos S. A., CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações. 6ª Ed. Rio de Janeiro:LTC, CRUZ, P.T. 100 Barragens Brasileiras, 2º Ed, Oficina de textos, Comitê Brasileiro de Túneis CBT. Túneis do Brasil. 1ª edição. Editora DBA, BOSCOV, M. E. G. Geotecnia Ambiental. 1ª edição. Editora Oficina de Textos, FILHO MACIEL, C. L. Introdução à Geologia de Engenharia. 3ª edição. Editora UFSM, HACHIC, W. & FALCONI, F.F. Fundações Teoria e Prática. 2º Ed. Pini, 751 p, LEE, S. H. Introdução ao Projeto Geométrico de Rodovias, Ed. UFSC, MASSAD, F. Obras de Terra. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Oficina de Textos, McCORMAC, J. Topografia, Ed. LTC, MEDINA, J. Mecânica dos Pavimentos. Ed. UFRJ, PINTO, C.S. Curso básico de Mecânica dos Solos. 3º Ed. Oficina de textos, PIORI, A. P. & CARMIGNANI, L. Fundamentos de Mecânica dos Solos e das Rochas (Aplicações na estabilidade de taludes). 2ª edição. Editora Oficina de Textos & UFPR, SENÇO, W. de. Manual de Técnicas de Pavimentação. Vol. 1. Ed. PINI, SENÇO, W. de. Manual de Técnicas de Projetos Rodoviários. Ed. PINI, SILVA, P. F. Manual de Patologia e Manutenção de Pavimentos. Ed. PINI, SILVEIRA, J. F. A. Instrumentação e Comportamento de Fundações de Barragens de Concreto. 1ª edição. Editora Oficina de Textos, VELLOSO, D. A. & LOPES, F. R. Fundações (Critérios de Projeto Investigação do Subsolo Fundações Superficiais). Vol. 1. 1ª edição. Editora Oficina de Textos,

8 VELLOSO, D. A. & LOPES, F. R. Fundações. Vol. 1. 1ª edição. Editora Oficina de Textos, ) GESTÃO DA QUALIDADE 1. Histórico e evolução da qualidade. 2. Qualidade total: Princípios e conceitos básicos. 3. Processo. 4. Item de controle. 5. Mapeamento. 6. Gerenciamento da rotina. 7. Padronização. 8. Melhoria continua. 9. Metodologia de solução de problemas. 10. PDCA. 11. Ferramentas da qualidade. 12. Implementação de programas de melhoria (5S, CCQ, etc). 13. Histórico da normalização. 14. Princípios do sistema de gestão da qualidade. 15. Abordagem por processos (mapeamento de processos). 16. Requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade - Padrão ISO Sistemas de gestão da qualidade setoriais (ISO TS 16949). 18. Etapas para Implementação do SGQ. 19. Auditoria Interna para SGQ. CAMPOS, V. F. TQC Controle da Qualidade Total no Estilo Japonês. 8ª Ed. São Paulo: Editora INDG, CARVALHO, M. M.; PALADINI, E. P. Gestão da Qualidade: Teoria e Casos. São Paulo: Editora Campus, MELLO, C. H. P.; TURRIONI, J. B.; SILVA, C. E. S.; SOUZA, L. G. M. ISO 9001:2008 Sistema de gestão da qualidade para operações de produção e serviço. São Paulo: Editora Atlas, MONTGOMERY, D. C. Estatística aplicada e probabilidade para engenheiros. 4ª Ed. São Paulo: Editora LTC, ROTONDARO, R. G. (Coord.). Seis Sigma: Estratégia Gerencial para a Melhoria de Processos, Produtos e Serviços. São Paulo: Editora Atlas, ) HIDRÁULICA 1. Propriedades dos escoamentos em canais: Tipos, formatos, características geométricas. Medição de velocidade e vazão. Medição do nível d água Curva-chave. Medição de declividade de um canal. 8

9 2. Conservação da energia e da quantidade de movimento nos canais: Equação básica para conservação da energia em canais. Equação básica para quantidade de movimento em canais. Diagrama de energia específica 3. Escoamento permanente e não permanente em canais: Cálculo de escoamento uniforme. Cálculo de escoamento variado. As equações de Saint-Venant. A utilização do modelo HEC-RAS em canais. CHADWICK, Andrew; Morfett, John. Hydraulics in civil and environmental engineering. 3 ed. London: E & FN SPON, p. ISBN CHANSON, Hubert. The hydraulics of open channel flow: An introdution. 2 ed. Amsterdam: Elsevier, p. ISBN CHOW, Van Te. Open-Channel Hydraulics. New York: McGraw-Hill, p. HENDERSON, F. M. Open Channel Flow. New York: The Macmillian Co, 522 p. JAIN, Subhash C. Open-Channel Flow. 1 ed. New York: John Wiley & Sons, p. ISBN PORTO, Rodrigo de Melo. Hidráulica básica. 2. São Carlos: EESC-USP, p. RIGHETTO, Antonio Marozzi. Hidrologia e recursos hídricos. São Carlos: EESC/USP, p. TOWNSON, John M. Free-Surface Hydraulics. London: Unwin Hyman, p. ISBN TUCCI, Carlos E. M. (org.). Hidrologia : ciência e aplicação. 2 ed. Porto Alegre: Ed. da Universidade - ABRH, p. Organizado por: Carlos E. M. Tucci. MANUAL DO HEC-RAS (disponível em RAS_4.0_Reference_Manual.pdf) 10) IDENTIFICAÇÃO DE SISTEMAS 1. Funções de transferência: transformada de Laplace, pólos e zeros, resíduos, decomposição em frações parciais, resposta temporal, resposta de sistemas de primeira ordem, segunda ordem e ordem superior a entradas do tipo impulso, degrau unitário e rampa unitária. Representação por diagramas de blocos. Aplicações utilizando Matlab; 2. Representação no espaço de estados: obtenção da função de transferência a partir do modelo por variáveis de estado, obtenção de um modelo por variáveis de estado a partir da função de transferência, classificação dos modelos por variáveis de estado (SISO a MIMO), definições: realimentação de saída (estática e dinâmica), realimentação de estados (estática e dinâmica), controle em malha aberta e controle em malha fechada, resposta temporal, observabilidade e controlabilidade. Aplicações utilizando Matlab; 3. Estabilidade: Algoritmo de Routh-Hurwitz, decomposição por autovalores e autovetores, critério de estabilidade de Lyapunov, pontos de equilíbrio e sua classificação, linearização de modelos. Aplicações utilizando Matlab; 4. Controle contínuo: Tipos de controladores (PI, PD, PID, atraso e avanço de fase), resposta em frequência, lugar das raízes, projeto de controladores utilizando resposta em frequência e lugar das raízes, alocação de pólos, observadores de estado, controle ótimo. Aplicações utilizando Matlab; 5. Controle Digital: transformada Z, equações a diferenças, amostragem e reconstrução, tipos de controladores (PI, PD, PID, atraso e avanço de fase), resposta em frequência, lugar das 9

10 raízes, projeto de controladores utilizando resposta em frequência e lugar das raízes, alocação de pólos, observadores de estado, controle ótimo. Aplicações utilizando Matlab; 6. Representações em tempo discreto: modelos: resposta ao impulso finita, ARX, ARMAX, ARMA e Box-Jenkins. Aplicações utilizando Matlab; 7. Métodos determinísticos: identificações: em malha fechada, usando convolução e no domínio da freqüência. Aplicações utilizando Matlab; 8. Estimadores: estimadores de mínimos quadrados (MQ): MQ, MQ estendido e MQ generalizado, estimadores recursivos e filtro de Kalman. Aplicações utilizando Matlab; 9. Escolha de estruturas e validação de modelos. AGUIRRE, Luis Antônio. Introdução à Identificação de Sistemas Técnicas Lineares e Não-Lineares Aplicadas a Sistemas Reais, 3ª Edição, Editora UFMG, LENNART Ljung, System Identification: Theory for the User, 2 nd Edition, Prentice Hall, KATSUHIKO, Ogata, Engenharia de Controle Moderno, 4ª Edição, Prentice Hall Brasil, RICHARD C. Dorf, Robert H. Bishop, Sistemas de Controle Modernos, 11ª Edição, Editora LTC, Norman S. Nise, Engenharia de Sistemas de Controle, 3ª Edição, Editora LTC, KATSUHIKO, Ogata, Discrete-Time Control Systems, Second Edition, Prentice Hall, CHARLES L. Phillips, H. Troy Nagle, Digital Control System Analysis and Design, Third Edition, Prentice Hall, ) INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES 1. Escolha do traçado de rodovias e ferrovias; 2. Conceituação e tipos de pavimentos; 3. Estudo do subleito e camadas de reforço, sub-base e base; 4. Revestimentos asfálticos, concepção, dimensionamento e análise mecanística de pavimentos; 5. Planejamento e projeto de estradas; 6. Terraplenagem; 7. Materiais e ensaios para pavimentação; 8. Pavimentos rodoviários: classificação, dimensionamento e construção; 9. Conservação, manutenção e reabilitação de rodovias; 10. Método Marshall e energias de compactação. 11. Via permanente: introdução à ferrovia; interação veículo/via; geometria de linha; infraestrutura e superestrutura ferroviária. 12. Modos de transportes: aspectos técnicos e econômicos; intermodalidade/multimodalidade. BERNUCCI, L.B.; MOTTA, L.M.G.; CERATTI, J.A.P. e SOARES, J.B. - Pavimentação Asfáltica - Formação Básica para Engenheiros. PETROBRAS e ABEDA, DER/SP; CARVALHO, M. P. Curso de estradas. 3. ed. Rio de Janeiro: Científica,

11 Diretrizes Básicas para a Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários. Ministério dos Transportes, 2002.DNER -DNIT - Manual de Pavimentação. 3. ed. Rio de Janeiro, p (IPR. Publ., 719). (Disponível na internet: DNIT - Manual de projeto de rodovias rurais. Rio de Janeiro, p (IPR. Publ., 706). (Disponível na internet: Manual de Pavimentação. Ministério dos Transportes, 1996.DNER -Manual de Implantação Básica. Ministério dos Transportes, Manual de técnicas de pavimentação. São Paulo: PINI, MEDINA, J. Mecânica dos pavimentos. Rio de Janeiro: UFRJ, Pavimentação Rodoviária. Livros Técnicos e Científicos Editora, PIMENTA, C.R.T. & OLIVEIRA, M.P. Projeto Geométrico de Rodovias. Editora Rima. 198p Projeto Geométrico e de Terraplanagem de Rodovias. Publicação da Escola de Engenharia de São Carlos, USP p. SENÇO, W. Estradas de rodagem: projeto. São Paulo: Grêmio Politécnico, AMARAL, A. D. Manual de Engenharia Ferroviária. Editora Globo, Brasil, 1957, 696p. BRINA, Helvécio Lapertosa. Estradas de Ferro. V.1. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos S. A., BRINA, Helvécio Lapertosa. Estradas de Ferro. V.2. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos S. A., SILVA, P. F. Manual de Patologia e Manutenção de Pavimentos. Ed. PINI, FILHO, E. R. Transporte e Modais. Ed. IBEX, ) LÍNGUA INGLESA 1. Estratégias de leitura: skimming, scanning, top-down, bottom up 2. Cognatos e falsos cognates 3. Gêneros textuais do ambiente acadêmico: abstract 4. Gêneros textuais do ambiente acadêmico: descrição técnica/vocabulário técnico relacionado à engenharia. 5. Gêneros textuais do ambiente acadêmico: relatório 6. Coesão e coerência: conectivos e palavras de referência 7. Progressão textual: organização de idéias 8. Textos instrucionais, manuais e formulários: modo imperativo + vocabulário técnico 9. Gêneros textuais e práticas sociais de linguagem: entrevista e currículo 10. Gêneros textuais e recursos tecnológicos: e linguagem ao telefone. AXELROD, R. B.; COOPER, C. R. The St. Martin s Guide to Writing (Hardcover) Sixth Edition. Bedford/St. Martin, 2000 BAILEY, S. Academic Writing. Taylor & Francis, 2003 BAILEY, S. Academic Writing: A Handbook for International Students (Routledge Study Guides) (Paperback), 2006 FINKRLSTEIN JR.; LEO J. Pocket book of English Grammar For Engineers and Scientists. Mcgraw Hill Professional ISBN, 2005 FOLEY, M; HALL, D. Longman Advanced Learner s Grammar With Answers (New Edition). Pearson Elt,

12 GLENDINNING, E. H. Oxford English For Electrical and Mechanical Engineering Student s Book. Oxford University Press, 2005 Guide to writing as an Engineer, 2nd Edition Wiley International Editions, 2005 JORDAN, R.R. Academic Writing Course Student s Book (Third Edition) Pearson ELT, 1999 OXFORD, R. Language Learning Strategies: What Every Teacher Should Know. Boston: Heinle & Heinle, 1990 SWALES, J. M.; FEAK, C. Academic Writing for Graduate Students: : a course for nonnative speakers of English. Second Edition. Ann Arbor: The Michigan University Press, 2004 SWALES, J. M.; FEAK, C. B. Abstracts and the of Writing of Abstracts (Michigan Series in English for Academic &Professional Purposes) (Paperback), 2009 WILLIAMS, I. English For Science and Engineering. Thomson, ) PROJETOS DE CIRCUITOS INTEGRADOS ANALÓGICOS 1. Introdução a microeletrônica. Classificação de materiais. Concentração de portadores e nível de Fermi. Teoria das bandas de energia. Impurezas e dopagem. Teoria de junções PN. Densidades de corrente de deriva e de difusão. Teoria de efeito de campo. Capacitores MOS. Análise de pequenos sinais. Modelagem SPICE. Ferramentas de CAD para circuitos integrados. 2. Modelagem de transistores BJT e MOS. Características de construção. Curvas características. Ponto de operação. Modelagem. Análise de pequenos sinais. Capacitâncias intrínsecas. Configurações com BJT e FET. Resposta em Freqüência. Operação diferencial e em modo comum. Conceito de realimentação positiva e negativa. Análise computacional utilizando SPICE. 3- Circuitos integrados analógicos. Configurações de amplificadores BJT. Configurações de amplificadores MOS. Chave Analógica MOS. Efeitos de Freqüência em transistores BJT e MOS. Amplificador diferencial MOS. Resposta em freqüência de amplificadores. Projeto de amplificadores operacionais MOS. Análise computacional utilizando SPICE. Layout de circuitos integrados. Processos de fabricação. 4- Processos de fabricação em tecnologias BJT, MOS e BiCMOS. Descrição de etapas de processos de fabricação (limpeza de amostras, oxidação, fotogravação, difusão e implantação de íons, deposição e crescimento de filmes, corrosão úmida e seca, etc.). Análises físicas e elétricas para a caracterização do processo de fabricação (FTIR, SIMS, SEM, medida de resistência de folha, etc.) 5. Projeto de circuitos integrados analógicos. Fluxo de projeto de circuitos integrados analógicos (front-end e back-end); Projeto assistido por computador e ferramentas de software de padrão industrial. FRANSSILA, SAMI. Introduction to Microfabrication, 2a ed. John Wiley & Sons, SEDRA, A. S., SMITH, K. C. Microeletrônica, 5a ed, Pearson, RAZAVI, B. Design of Analog CMOS Integrated Circuits, McGraw Hill, JOHNS, D.; MARTIN, K. Analog Integrated Circuit Design, John Wiley & Sons,

13 GRAY, P. R.; HURST, P. J.; LEWIS, S. H.; MEYER, R. G. Analysis and Design of Analog Integrated Circuits, 5a ed, John Wiley & Sons, LAKER, K. R.; SANSEN, W. M. C. Design of Analog Integrated Circuits and Systems, McGraw Hill, MALVINO, A.P., Eletrônica. v. 2., 7ª ed., McGrawHill Ltda:São Paulo, BOYLESTAD, R. L.; NASHELSKY L., Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos, 8ª Ed., Prentice Hall, ) REDES INDUSTRIAIS 1. Redes de comunicação de dados para ambientes industriais:evolução das arquiteturas de rede. Visão Geral de protocolos: tipos (DeviceNet, Hart, Profibus, Foundation Fieldbus, Modbus, Ethernet), características e aplicações. Escalonamento de mensagens em redes industriais. Técnicas e exemplo de aplicações. 2. Instrumentação Industrial: Princípio de funcionamento de Transdutores/Sensores: temperatura, pressão, vazão, nível, rotação/posição. Exemplos de aplicações. Redes de sensores sem fio. Exemplo de Aplicações. 3. Automação Industrial: Estrutura de hardware de CLPs: Características de Unidade de Processamentos; Memórias; Interfaces de Comunicação de Dados; I/Os. Funcionamento em redes industriais. Exemplos de Aplicações. Linguagens de programação baseadas na norma IEC 61131: Ladder; Blocos Funcionais; etc. Luiz Antônio Aguirre, Augusto Humberto Bruciapaglia, Paulo Eigi Miyagi. Enciclopédia de Automática: Controle e Automação. Volume II. Editora Blucher Jonas Berge. Fieldbuses for Process Control: Engineering, Operation and Maintenance. ISA The Instrument, Sytems and Automation Society, John Park, Edwin Wright, Steve Mackay. Practical Data Communications for Instrumentation and Control. Newnes, Egídio Alberto Bega. Instrumentação Industrial, 2ª ed. InterCiência, 2006, Rio de Janeiro. João Maurício Rosário. Princípios de Mecatrônica, Pearson, 2005, SP. Arivelto Bustamante Fialho. Instrumentação Industrial: Conceitos, Aplicações e Análises, 3ª ed. Érica, 2002, São Paulo. Frank D. Petruzalla.Programmable Logic Controllers.New York: McGraw Hill,1998,464p. BRYAN, L. A, BRYAN, E.A Programmable controllers: theory and implementation - 2nd ed.- Industrial Text Company Marcos de Oliveria Fonseca, Constantino Seixas Filho, João Aristides Bottura Filho. Aplicando a Norma IEC na Automação de Processos, ISA - Sociedade de Instrumentação, Sistemas e Automação/ Distrito 4 - América do Sul,

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

Sistemas de Informação 3º ANO

Sistemas de Informação 3º ANO Sistemas de Informação 3º ANO BANCO DE DADOS Carga horária: 120h Visão geral do gerenciamento de banco de dados. Arquitetura de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Modelagem e projeto de banco de

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello 1 O que são sistemas de controle Um sistema de controle é um conjunto de componentes organizados de forma a conseguir a resposta desejada

Leia mais

DISCIPLINA: Eletrônica II

DISCIPLINA: Eletrônica II DISCIPLINA: Eletrônica II Vigência: a partir de 2007/1 Período Letivo: 7º semestre Carga Horária Total: 60h Código: EE.761 Ementa: Amplificadores diferenciais e de múltiplos estágios, circuitos eletrônicos

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição.

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição. Apresentação A disciplina Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra foi oferecida pela primeira vêz nesta Faculdade em 1996, logo após sua criação e aprovação nos orgãos colegiados. Foi criada com a intenção

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA EMENTAS DA 3ª. ETAPA Núcleo Temático: PROGRAMAÇÃO Disciplina: ESTRUTURA DE DADOS 108 há ( 72 ) Teóricas ( 36 ) Práticas Tipos abstratos de dados. Estudo das estruturas lineares: pilhas, filas e listas

Leia mais

PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITAS E DIDÁTICAS

PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITAS E DIDÁTICAS PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITAS E DIDÁTICAS DISCIPLINAS: Mecânica Geral I; Estruturas de Aço; Estrutura de Concreto Armado I; Estrutura de Concreto Armado II. 1. Equilíbrio dos Corpos Rígidos em 2D e 3D;

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia AUTOMAÇÃO CODICRED 44637-04 PROGRAMA DE DISCIPLINA 01 SÍNTESE DISCIPLINA: CURSO (S): Engenharia

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS Nome da Disciplina: Introdução à Banco de Dados teoria e projeto Carga horária: 50 Docente responsável: Plínio de Sá Leitão Júnior (INF/UFG)

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO Vlademir Aparecido Freire Junior vlad_freire@hotmail.com Alessandro do Nascimento Vargas avargas@utfpr.edu.br Cristiano Marcos

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLO. Objectivos Pedagógicos

SISTEMAS DE CONTROLO. Objectivos Pedagógicos SISTEMAS DE CONTROLO Responsável: Prof. Doutor João Miguel Gago Pontes de Brito Lima Atendimento (Gab. 2.63): Terça e Quarta das 11:00 à 13:00 Objectivos Pedagógicos Pretende-se com esta disciplina fornecer

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS II

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS II EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 FACUL DADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMATICA MODELAGEM DE NEGÓCIOS ( 68) Teóricas Desenvolvimento do conceito e as tipologias de estrutura organizacional. Análise estrutural e requisitos

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

Um Sistema On-Line para o Design de Produtos

Um Sistema On-Line para o Design de Produtos An On-Line System for Product Design Teixeira, Fábio; PhD; PgDesign Universidade Federal do Rio Grande do Sul fabiogt@ufrgs.br Silva, Régio; PhD; PgDesign Universidade Federal do Rio Grande do Sul regio@ufrgs.br

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil bibliografia complementar ALMEIDA, Márcio de Souza S. Aterros sobre solos moles: projeto e desempenho. 1. reimpr.

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 FACUL DADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMATICA NEGÓGIOS GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ( 68) Teóricas Etapa: 7ª ( ) Práticas Interpretação de Governança e estratégia organizacional:

Leia mais

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * *

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * * ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA 1. Sistema de formação. 2. Sistema de revestimento (de proteção). 3. Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima). 4. Sistema

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS Departamento de Gestão de Empresas GESTÃO FINANCEIRA SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS IV - LOCAL E HORÁRIO DE APOIO AOS ALUNOS V - BIBLIOGRAFIA O Docente

Leia mais

Automação Industrial. Sensores e Actuadores Sistemas de Controlo Controlo de Processo Sistemas Flexíveis de Produção

Automação Industrial. Sensores e Actuadores Sistemas de Controlo Controlo de Processo Sistemas Flexíveis de Produção Automação Industrial Automação Industrial Sensores e Actuadores Sistemas de Controlo Controlo de Processo Sistemas Flexíveis de Produção J. Norberto Pires Departamento de Engenharia Mecânica Universidade

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Ementa/Bibliografia Acionamentos Elétricos Conversão Eletromecânica de Energia: Circuitos magnéticos. Sistemas e dispositivos magnetelétricos.

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 102, de

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Banco de Dados Ementa/Bibliografia Conceitos básicos; Modelos de dados; Aspectos de modelagem de dados; Projeto e Aplicações de Banco de Dados.

Leia mais

Sistemas de Controle Evolução Histórica

Sistemas de Controle Evolução Histórica Sistemas de Controle Evolução Histórica Romeu Reginatto O que motiva a evolução dos sistemas de controle? Melhoria da qualidade dos processos produtivos Aumento da produtividade Automação dos processos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS CENG CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS CENG CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2015-2. PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Administração Aplicada à Gestão Ambiental. I. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade Federal de Pelotas - UFPel 2. Campus: Porto 3. Endereço: Rua: Gomes Carneiro, 01

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS MATRIZ CURRICULAR ELETIVAS 7ª ETAPA GESTÃO EMPRESARIAL: FOCO SISTEMAS CORPORATIVOS Disciplina: ESTRATÉGIAS EM SISTEMAS DE GESTÃO EMPRESARIAL ENEX00614 (34) Teóricas 34 h/a Conceitos básicos de estratégia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais

Prática: 80. PROFESSOR: José Alberto F. Rodrigues Filho. CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 Prática: 4

Prática: 80. PROFESSOR: José Alberto F. Rodrigues Filho. CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 Prática: 4 PLANO DE ENSINO Período Letivo: 1º Semestre de 2014 Faculdade de Tecnologia de Bragança Paulista CURSO: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação TURNO: Tarde / Noite DISCIPLINA: Projeto Interdisciplinar

Leia mais

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 Motivação Problemas reais encontrados por engenheiros exigem uma visão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO 2007 ANO DO CURSO 4 o Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral Centro: Centro de

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS CRUZ DAS ALMAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CETEC Área de Conhecimento Materiais, Estrutura e Sistemas Eletromecânicos PONTOS DO

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Ementa/Bibliografia Compiladores Alfabetos e Linguagens. Linguagens, gramáticas e expressões regulares, autômatos finitos. Linguagens e gramáticas

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia Eletrônica e Elétrica Disciplina: Engenharia Econômica Código da Disciplina: 25019724 Professor: Doutor Agostinho Celso Pascalicchio Carga

Leia mais

PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITA OU ESCRITA/PRÁTICA E DIDÁTICA

PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITA OU ESCRITA/PRÁTICA E DIDÁTICA Magistério Superior Edital nº 04/23 PARA AS PROVAS ESCRITA OU ESCRITA/PRÁTICA E DIDÁTICA Engenharia da Computação/Teoria da Computação, Linguagens Formais e Autômatos Engenharia da Computação/Computação

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Conteúdo Programático: UNIDADE I: O Universo Organizacional

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

4 - DO SORTEIO DO PONTO PARA A PROVA DE DESEMPENHO DIDÁTICO

4 - DO SORTEIO DO PONTO PARA A PROVA DE DESEMPENHO DIDÁTICO EDITAL Nº 010/2011 - PS PG De ordem do Magnífico Reitor da, consoante Portaria Interministerial nº 22, de 23.02.2011, publicada no DOU de 24 subsequente, c/c Portaria/MEC nº 196, de 24.02.2011, publicada

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso: Letras Habilitação Única: Inglês e Literaturas Correspondentes Campus: UEM Departamento: Departamento de Letras Centro:

Leia mais

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografía BREALEY, Richard A.; MYERS, Stewart C. - Princípios de Finanças Empresariais.

Leia mais

1. ÁREA DE CONHECIMENTO: Matemática

1. ÁREA DE CONHECIMENTO: Matemática SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA O PROVIMENTO DE CARGOS DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO ENSINO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 74, de

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CIV334 Fundações

Programa Analítico de Disciplina CIV334 Fundações Programa Analítico de Disciplina CIV33 Fundações Departamento de Engenharia Civil - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

Programação de Computadores em C

Programação de Computadores em C Programação de Computadores em C Primeira edição Carlos Camarão Universidade Federal de Minas Gerais Doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Manchester, Inglaterra Lucília Figueiredo Universidade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO: Fundamentos da Computação CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação DISCIPLINA: Fundamentos da Computação CÓDIGO: 4610H CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula VALIDADE: a partir de

Leia mais

Sistemas Digitais. Sistemas Digitais III - Ementa

Sistemas Digitais. Sistemas Digitais III - Ementa Sistemas Digitais Sistemas Digitais I - Sistemas Combinatórios As saídas atuais são determinadas diretamente a partir das entradas atuais. Portas Lógicas. Sistemas Digitais II - Sistemas Seqüenciais As

Leia mais

BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA AS DISCIPLINAS DA ÁREA DE ENGENHARIA

BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA AS DISCIPLINAS DA ÁREA DE ENGENHARIA BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA AS DISCIPLINAS DA ÁREA DE ENGENHARIA 1. ALGEBRA LINEAR ANTON, H.; RORRES, C. Álgebra linear com aplicações. 10 ed. Rio de Janeiro: Bookman, 2012. 786p. BOLDRINI, J.L.; COSTA, S.I.R.,

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA VI - BIBLIOGRAFIA

PLANO DE DISCIPLINA VI - BIBLIOGRAFIA CURSO: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS DISCIPLINA: RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS CÓDIGO: PG - 419 PERÍODO: 4º CARGA HORÁRIA: 80ha = 66,67h I - COMPETÊNCIAS Entender o foco e objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

013/2013 Câmpus Juiz de Fora. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. 1.1. Sobre a vaga para o cargo de PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO e TECNOLÓGICO

013/2013 Câmpus Juiz de Fora. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. 1.1. Sobre a vaga para o cargo de PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO e TECNOLÓGICO 013/2013 Câmpus Juiz de Fora O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, conferidas pelo decreto presidencial de 24.04.2013,

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão Industrial

Pós-Graduação em Gestão Industrial Pós graduação lato sensu da Universidade de São Paulo (USP) O Curso de Especialização em aborda, de maneira conceitual e prática, os processos de suprimento, produção, distribuição e vendas, com uma concepção

Leia mais

DISCIPLINA CRED CH PRÉ - REQUISITOS 1ª FASE Geometria Analítica e Álgebra Linear

DISCIPLINA CRED CH PRÉ - REQUISITOS 1ª FASE Geometria Analítica e Álgebra Linear CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AUTORIZAÇÃO: Portaria UDESC nº 646/2001 RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 3324/2005 renovado pelo Decreto Estadual nº 1664/2013 PERÍODO

Leia mais

Projeto e simulação de um controlador digital para um sistema aeroestabilizador

Projeto e simulação de um controlador digital para um sistema aeroestabilizador JAN. FEV. MAR. l 007 l ANO XIII, Nº 48 l 61-65 INTEGRAÇÃO 61 Projeto e simulação de um controlador digital para um sistema aeroestabilizador ALEXANDRE BRINCALEPE CAMPO* Resumo l Neste trabalho é descrito

Leia mais

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA TÍTULO: INSPEÇÃO E RASTREABILIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

9 Referências bibliográficas

9 Referências bibliográficas 136 9 Referências bibliográficas ALVARENGA, A. C. ; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. 3. ed. 1. reimp. São Paulo: Edgard Blücher, 2000. 194 p. BAÍDYA, T. K. N. ; AIUBE,

Leia mais

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NOME: SEL0302 Circuitos Elétricos II PROFESSORES: Azauri Albano de Oliveira Junior turma Eletrônica PERÍODO LETIVO: Quarto período NÚMERO DE AULAS: SEMANAIS: 04 aulas TOTAL: 60

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006

XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006 Investigação do processo de desenvolvimento do produto de uma média empresa de base tecnológica e definição do seu nível de maturidade segundo Modelo Unificado de Referência Rafaela Fernandes Amado (USP)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

Pavimentos Permeáveis

Pavimentos Permeáveis PRÁTICA RECOMENDADA PR- Sistemas construtivos Pavimentos Permeáveis Conceitos e Requisitos para Pavimentos Intertravado Permeável MSc. Mariana L. Marchioni e MSc. Cláudio Oliveira Silva Associação Brasileira

Leia mais

JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il.

JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il. BSP Especializados BSP - Especializados JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il. UNIDADE: Morumbi

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015 Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS Marcelo Augusto Ambrozini marceloambrozini@usp.br Mestrado em Controladoria e contabilidade JUSTIFICATIVA

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014.

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR 1.1 QUADRO GERAL DA ESTRUTURA CURRICULAR Carga Horária LOTAÇÃO Módulo Disciplina Teoria Prática

Leia mais

5º ANO Disciplina: Automação Industrial Ementa: Medição, atuação e controle. Estabilidade e desempenho de sistemas realimentados. Controle de sistemas a eventos discretos. Hierarquia em sistemas automatizados.

Leia mais

PRÁTICAS DE APRENDIZAGEM PARA SISTEMAS DE CONTROLE DE PROCESSOS: IDENTIFICAÇÃO DE SISTEMAS UTILIZANDO UMA PLANTA DIDÁTICA INDUSTRIAL

PRÁTICAS DE APRENDIZAGEM PARA SISTEMAS DE CONTROLE DE PROCESSOS: IDENTIFICAÇÃO DE SISTEMAS UTILIZANDO UMA PLANTA DIDÁTICA INDUSTRIAL PRÁTICAS DE APRENDIZAGEM PARA SISTEMAS DE CONTROLE DE PROCESSOS: IDENTIFICAÇÃO DE SISTEMAS UTILIZANDO UMA PLANTA DIDÁTICA INDUSTRIAL Lyvia Regina Biagi Silva 1 lybiagi@hotmail.com Wagner Endo 1 wendo@utfpr.edu.br

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Motivação/Justificativa Conteúdo fundamental para a Formação Tecnológica

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Wagner André dos Santos Conceição (UEM) wasconceicao@bol.com.br Paulo Roberto Paraíso (UEM) paulo@deq.uem.br Mônica Ronobo Coutinho (UNICENTRO)

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA CIVIL

ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA CIVIL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENADORIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA

Leia mais