ESTRESSE OCUPACIONAL NA EQUIPE DE ENFERMAGEM DESCRITO POR ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRESSE OCUPACIONAL NA EQUIPE DE ENFERMAGEM DESCRITO POR ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1 ESTRESSE OCUPACIONAL NA EQUIPE DE ENFERMAGEM DESCRITO POR ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Larissa Cristina Jacovenco Rosa da Silva 1 ; Léia Regina de Souza Alcântara 2 ; Juice Ishie Macedo 3 ; Luiz Fabiano Zanatta 4 ; RESUMO A equipe de enfermagem está em constante convívio com a dor, morte, sofrimento, desespero, irritabilidade, incompreensão e demais sentimentos que envolvem processo da doença. Essas vivências podem refletir na profissão gerando um estresse ocupacional no profissional envolvido. O objetivo do estudo foi analisar e identificar através das revisões bibliográficas pesquisadas em estudos epidemiológicos os elementos estressores e realizar uma sucinta comparação do grau de estresse entre as diferentes áreas de atuação da equipe de enfermagem encontradas. Trata-se de um estudo de revisão de literária, onde se insere o descritor estresse ocupacional por área de atuação profissional da equipe de enfermagem. Esta pesquisa abrangeu 14 artigos indexados e publicados desde o ano de 2000, todos escritos em português e relacionado com o tema em discussão. Realizou-se uma síntese dos dados obtidos, que foram descritos em forma quadro de relevância sobre os descritores. A partir deste levantamento averiguo-se que os profissionais de enfermagem que atuam na área de saúde pública e saúde mental não apresentam estresse em nível elevado quando comparado com as demais áreas profissionais estudadas. O estudo possibilitou ainda, verificar que o estresse esteve presente em todas as áreas onde há à atuação da enfermagem. Foi constatado ainda que o fator gerador de estresse mais citado é a sobrecarga de trabalho desses profissionais. PALAVRAS CHAVE: Estresse ocupacional, equipe de enfermagem, pesquisa em enfermagem INTRODUÇÃO Atualmente a palavra estresse faz parte do senso comum, pois, em geral as pessoas se auto-definem como estressadas quando questionadas sobre seus afazeres diários. Porém sob a perspectiva científica, o estresse vai além das qualificações isoladas e das queixas individuais. Pesquisadores de diversas áreas se interessaram em estudar e conceituar o 1 Autora principal, Graduanda do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Norte do Paraná - Campus Luiz Meneghel. UENP-CLM. Bandeirantes-PR. 2 Enfermeira.Coren/PR Especialista, Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Norte do Paraná - Campus Luiz Meneghel. UENP-CLM. Bandeirantes-PR. 3 Enfermeira Coren/PR Mestre em Biotecnologia Médica (UNESP-Botucatu/SP. Doutoranda do PPG da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais UFMG. Bolsista da Fundação Araucária/PR. Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual Norte do Paraná Campus Luiz Meneghel/Bandeirantes PR. 4 Docente do Curso de da Universidade Estadual do Norte do Paraná - Campus Luiz Meneghel. UENP-CLM. Bandeirantes-PR.

2 estresse, sendo que, em 1956, Hans Selye divulgou a chamada Síndrome Geral da Adaptação, onde o estresse é conceituado como o esforço do organismo para conduzir e resolver uma situação indesejada ou adaptar-se a ela produzindo o equilíbrio 3. Estresse é também qualquer estímulo que esgote ou exceda as fontes de adaptação de um indivíduo ou sistema social. Em sua avaliação primária, o indivíduo confronta-se com o evento e avalia-o como irrelevante ou como um desafio, sendo então positivo, ou ainda, como uma ameaça desencadeando as manifestações biológicas da síndrome de adaptação geral, considerado negativo 1. Há ainda dois termos para diferenciar o estresse, o chamado eutresse, que referese à boa adaptação ao estímulo, gerando vitalidade, otimismo e vigor físico e mental, e o termo distresse refere-se à fase negativa do estresse, que se inicia quando os mecanismos de adaptação se esgotam e a resposta ao estímulo torna-se insatisfatória, em consequência o organismo se desregula e surge frequentemente a irritabilidade, a fadiga, a depressão, o pessimismo, a incomunicabilidade, baixa produtividade e falta de criatividade 2. O estresse é um fenômeno complexo, composto por um conjunto de reações fisiológicas, psíquicas e comportamentais, de adaptação, presentes no organismo quando este é exposto a um estímulo excitante, irritante, amedrontador, e até mesmo, que o faça muito feliz 3. O trabalho da equipe de enfermagem tem como essência o relacionamento interpessoal, onde o agente de trabalho é o homem e este mesmo é o próprio sujeito da ação. A ligação entre trabalho e trabalhador é então, por natureza constante e estreita, e por atuar diretamente com o processo de doença, o enfermeiro está em constante convívio com a dor, morte, sofrimento, desespero, irritabilidade, incompreensão e demais sentimentos que envolvem este processo. Esses sentimentos podem refletir na profissão gerando um estresse ocupacional no profissional envolvido. Em um estudo sobre estresse e repercussões psicossomáticas que em trabalhadores da área de enfermagem que as características inerentes da profissão associados a outros fatores descritos como desencadeadores de estresse são: o controle excessivo por parte da instituição, dificuldades nas relações interpessoais, inobservância da ética pelos colegas, atividades rotineiras e repetitivas, excessivo número de pacientes, salário insuficiente, falta de lazer, falta de apoio e reconhecimento pela instituição, entre outros, podem levar o trabalhador a apresentar sintomas psicossomáticos como cansaço, tensão

3 muscular, nervosismo, irritabilidade, dor lombar, ansiedade, tensão pré-menstrual, cefaléias, problemas de memória, depressão e outros 4. O presente estudo tem como objetivo analisar e identificar através das literaturas pesquisadas quais são os agentes estressores que mais contribuem para o estresse ocupacional desses profissionais e através desta analise e identificação fazer uma breve comparação do nível de estresse entre as áreas de atuação profissional. MATERIAL E MÉTODO Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, com análise de conteúdo, através do levantamento das publicações da enfermagem brasileira e que foram divulgadas no período de 2000 a maio de Para a coleta dos dados, foram utilizadas as bases: Base de Dados em Enfermagem (BDEnf), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Scientific Electronic Library Online (SCielo), consideradas as principais da área da saúde brasileira. Os descritores utilizados foram: equipe de enfermagem, estresse ocupacional e pesquisa em enfermagem. O critério de inclusão para seleção dos artigos foram literaturas publicadas em revistas de cunho científico nos últimos dez anos em português e textos que estudaram o estresse e a atividade do enfermeiro. Foram então excluídos os artigos cujos resumos não apresentaram relação com o tema em questão. Para a elaboração desta pesquisa em forma de quadro de relevância foram compreendidas as seguintes etapas: (1) identificação do tema; (2) qualidade da descrição do desfecho a ser estudado; (3) caracterização da amostra incluída; (4) qualidade da descrição e discussão dos principais fatores relacionados ao estresse; (5) qualidade da descrição dos principais achados do estudo. RESULTADO E DISCUSSÃO Neste estudo foram abrangidos 14 artigos que discutem o tema sobre o estresse ocupacional presente nos profissionais da equipe de enfermagem, estes artigos foram divulgados entre os anos 2000 a 2009 os quais foram aqui debatidos e apresentados.

4 O quadro 1 é uma síntese dos estudos realizados, está exposto por: ano de divulgação da pesquisa, os autores que realizaram a pesquisa, qual foi o tipo de estudo realizado, a amostra estudada, quais foram os instrumentos utilizados pelos pesquisadores, a área de atuação dos profissionais envolvidos no estudo e por fim os principais elementos estressores identificados na população estudada. Quadro 1 - Síntese dos Estudos Apresentados

5 Ano Autores Tipo de Estudo Amostra Instrumentos Área de atuação Profissional Principais elementos Estressores Descritos 2000 Bianchi Quantitativo, 116 enfermeiros que Escala de Likert Hospitalar abrange unidades Relacionamento com outras unidades e ERF 5 transversal e pertenciam a duas instituições abertas e fechadas. supervisores; Atividades relacionadas ao descritivo hospitalares funcionamento adequado da unidade; Atividades relacionadas à administração de pessoal; Assistência de enfermagem prestada ao paciente Stacciarini Descritivo 12 enfermeiros assistenciais, 11 Indicador de Stress Assistência, docência e Sobrecarga de trabalho, saber que não dará JMR; exploratório enfermeiros docentes e 10 Ocupacional administração conta das obrigações, pouco poder de decisão, Tróccoli BT 6 enfermeiros administrativos falta de reconhecimento profissional 2003 Costa, JRA; Lima, JV; Almeida, PC Montanholi LL; Tavares DMS e Oliveira GR 8 Pesquisa analítica, descritiva de abordagem quantitativa Descritivo, transversal observacional 2006 Ferrareze MVG; Ferreira V e Carvalho AMP 9 Descritivo 2006 Britto ES 10 Quantitativo e descritivo 2006 Batista KM e Bianchi ERF 11 Descritivo, exploratório abordagem quantitativa e de Exploratório de 2006 Camelo SHH 12 abordagem qualitativa 2008 Panizzon, C; Luz, AMH; Fensterseife r, LM 13 Exploratório enfoque quantitativo, com 42 enfermeiros de sete hospitais psiquiátricos localizados na cidade de Fortaleza Ceará. Enfermeiros de um hospital escola do Triângulo Mineiro 12 enfermeiros da unidade de terapia intensiva 12 enfermeiros de unidades fechadas de um hospital geral e 11 de um hospital psiquiátrico e 7 de unidades abertas 73 enfermeiros de uma unidade de emergência hospitalar Inventário para identificar os sintomas de stress no enfermeiro. Escala de Estresse no Local de Trabalho Inventário de Sintomas de Stress para adultos de Lipp (ISSL) Inventário de Stress em enfermeiros Escala do tipo Likert 09 enfermeiras assistencialistas Instrumento do hospital geral privado do utilizado foi a município de entrevista semiestruturada Araraquara. 98 enfermeiros Escala de fontes de pressão no trabalho Assistência a portadores de transtorno mental Os resultados encontrados mostram que em 62% dos enfermeiros pesquisados não houve a ocorrência do stress, 30,9% encontravam-se na fase de Resistência e apenas 7,1% na fase de Exaustão. Hospitalar Desvalorização, subordinada os pouco competentes, medo de perder o emprego, estar só na tomada de decisão, críticas de subordinados, reuniões de chefia UTI Assistência a portadores de transtorno mental Hospitalar Hospitalar Emergência clínica. Carga de horário exaustiva, ritmo de trabalho intenso, dor e sofrimento do paciente A grande maioria dos enfermeiros não avalia seu trabalho como fonte geradora de estresse excessivo Dificuldades com a estrutura e organização hospitalar, pressões de superiores, ritmo acelerado de trabalho, insuficiência de recursos humanos e materiais, tarefas burocráticas Falta de liberdade e oportunidade para a enfermeira, relacionamento com cliente, familiares, outros profissionais e recursos humanos deficientes A carga de trabalho, dificuldades relacionadas com o cliente e processos e estrutura organizacional

6 2009 Preto VA e Quantitativo 21 enfermeiros da unidade de Pedrão LJ 14 terapia intensiva 2009 Fontana, RT; Siqueira, K I 15 Estudo de natureza descritiva, de abordagem quanti-qualitativa. 11 enfermeiros que trabalham como coordenadores de equipes de ESF ou em outros programas, nas UBS. Inventário de Estresse em Enfermeiros Escala de Estresse no Trabalho e um formulário com perguntas semiestruturadas. UTI Saúde Coletiva Unidade de trabalho como fonte geradora de estresse, carga de horário exaustiva, pouca experiência Não apresentando níveis significativos de estresse laboral Silva, EL; Araújo, AFDV; Pestana, AL; Lopes, MLH; Wadie, WCA Pereira, CA; Miranda, LCS; Passos, JP Menzani, G; Bianchi, ERF 18 Descritivo, abordagem quantitativa Descritiva abordagem qualitativa Estudo quantitativo, transversal descritivo com com e Todas as enfermeiras atuantes no centro cirúrgico de um hospital emergencial da rede municipal de Saúde, nos turnos diurnos e noturnos. 28 trabalhadores da equipe de enfermagem, realizado nos setores fechados de um Hospital Maternidade 143 enfermeiros atuantes em unidades de pronto socorro das 5 regiões brasileiras Investigação estresse trabalho. a semi- e Instrumento entrevista estruturada individual do no Escala Bianchi de Stress Centro Cirúrgico Centro Cirúrgico Obstétrico (CCO), uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI) Pronto Socorro A equipe do setor e escassez de recursos materiais Relações interpessoais, Organização do trabalho, ruídos dos aparelhos utilizados na unidade; a falta ou inadequação de materiais e a sobrecarga de trabalho Condições de trabalho para o desempenho das atividades do enfermeiro; Administração de pessoal e Assistência de Enfermagem prestada ao paciente

7 Foi observado na análise literária que houve um predomínio de artigos realizados com enfermeiros que atuavam em ambientes hospitalares. Poucos estudos foram realizados nas áreas de enfermagem que abrangessem saúde pública, administração e docência. O ambiente hospitalar envolve diversas especialidades de profissionais da área da saúde, os quais atuam sobre um atendimento nas necessidades de saúde dos usuários e, buscam ações ligadas à promoção, prevenção e recuperação da saúde 19. Contudo as áreas hospitalares encontradas foram Pronto Socorro, Unidades de Terapia Intensiva (UTI), UTI neonatal, Centro Cirúrgico, setores de psiquiatria, de forma geral foram analisadas as unidades consideradas. Entre os estudos que analisaram o estresse ocupacional na enfermagem, um estudo investigou que o estresse de enfermeiros nas áreas assistencial, docente e administrativa, concluindo que o estresse se fez presente em todas, variando o agente estressor 6. Verificou-se ainda que em geral, os profissionais de enfermagem, após sua graduação, começam a trabalhar na assistência e depois decidem optar em atuar em outras áreas 6. Essa decisão de optar por dois ou mais empregos é para se ter uma estabilidade de vida melhor e isso é justificável, pois o profissional que atua na área da enfermagem não tem um piso salarial o que leva a desvalorização salarial deste profissional. Portanto, em consequência dessa desvalorização salarial o profissional pode estar insatisfeito economicamente e procura mais empregos para atuar, o que gera uma sobrecarga de trabalho. Foram encontrados também o grau de estresse entre as unidades consideradas abertas e fechadas. O mesmo estudo categoriza essas unidades conforme o fluxo de pacientes e familiares ali presentes 5. Uma unidade fechada inclui o centro cirúrgico, centro de material e esterilização, centro obstétrico, transplante de órgãos, unidades de terapia intensiva, hemodinâmica e hemodiálise. Nas unidades abertas são aquelas que englobam uma unidade de pronto atendimento, clínicas e comissão de controle de infecção hospitalar. O estresse ocupacional é proveniente da relação homem e ambiente de trabalho, onde as pressões exercidas pela atividade de trabalho profissional excedem a capacidade do trabalhador para executá-las, pode ter como conseqüência um desgaste exaustivo do organismo, repercutindo na vida biopsicossocial do individuo 16. Deve-se levar em consideração que cada indivíduo tem uma personalidade própria capaz de reagir diferentemente a situações de estresse.

8 Nos estudos apresentados observamos que os principais agentes estressores presentes em profissionais da área de enfermagem são: relacionamento com outras unidades e supervisores; atividades relacionadas ao funcionamento inadequado da unidade; atividades relacionadas à estrutura organizacional; assistência de enfermagem prestada ao paciente; relações interpessoais, sobrecarga de trabalho; desvalorização do profissional. É possível contextualizar que a desvalorização salarial está interligada com a desvalorização da enfermagem e, a falta de reconhecimento destes profissionais é um dos fatores encontrados nos estudos como gerador de estresse. Nas áreas de saúde pública e nos setores psiquiátricos mostrou que a grande maioria da população estudada não apresenta níveis significativos de estresse. Isto se justifica que esses profissionais estão adaptados a condição de vida imposta pelo trabalho, pois apesar destes profissionais trabalharem com pacientes portadores de transtornos mentais, eles conseguem manter o equilíbrio e assim adaptarem-se ao ambiente. Isso também é justificado para os profissionais que atuam na saúde coletiva 10. Em unidades como UTI, centro cirúrgico, pronto socorro, clinicas, etc., mostrou que o estresse esta bastante presente. Isso é explicado para que neste caso se deve ao avanços de novas tecnologias e também pelas conquistas no espaço da área da saúde adquiridas pelos enfermeiros 5. Os principais fatores que levam o estresse dos profissionais que atuam nestas unidades é a organização do setor, no qual condiz a respeito da preparação da equipe, da falta do funcionamento adequado dos equipamentos, da relação entre o profissional x profissional ou profissional x paciente e a sobrecarga de trabalho, porém a sobrecarga de trabalho é apontada como fator gerador de estresse em todas as áreas. Logo, esta pesquisa leva à reflexão que os profissionais de enfermagem que atuam em ambientes hospitalares apresentam grande índice de estresse ocupacional. Contudo profissionais que atuam com pacientes críticos ou não críticos se apresentam como estressados. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo possibilitou analisar que o estresse está presente em todas as áreas, porém em algumas áreas específicas como saúde coletiva e psiquiatria não apresentou fatores que contribuíssem para um estresse extremo, como as outras especialidades.

9 O enfermeiro demonstra-se preocupado com sua profissão, com sua atuação na instituição, e procura se adequar com cursos especializados, é necessário que haja um investimento nesse profissional. Para alívio do estresse a instituição poderia prover de meios, que permitissem que este profissional participasse de aprimoramentos e reciclagem, a fim de promover as condições básicas para uma atuação correta e uma boa qualidade de vida. A valorização do enfermeiro junto com um incentivo nos planos de carreiras pode influenciar no alívio do estresse, o qual refletirá em uma assistência de qualidade com os pacientes e familiares e também fornecerá um ambiente mais favorável ao trabalho, contribuindo para a melhoria entre as relações interpessoais, organização, etc. Considerando ainda que o fator gerador de estresse que apareceu comum a quase todas as áreas estudadas é a sobrecarga de trabalho, esse estudo serve como subsídio de discussões sobre a necessidade implantação de revisão da jornada de trabalho dos profissionais de enfermagem, bem como a regulamentação do piso salarial desta categoria. REFERÊNCIAS 1. BIANCHI E.R.F., Enfermeiro hospitalar e o stress. Revista Escola de Enfermagem USP. 2003; 34(4) MAURO M.Y.C.; SANTOS C.C; OLIVEIRA M.M.; LIMA P.T., O estresse e a prática de enfermagem: quando parar para refletir? - uma experiência com estudantes de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem. 2000; 13(1): LIPP M.E.M., O stress está dentro de você. São Paulo: Contexto; BELANCIERI M.F.; BIANCO M.H.B.C., Estresse e repercussões psicossomáticas em trabalhadores da área de enfermagem de um hospital universitário. Texto e Contexto Enfermagem. 2004; 13(1); BIANCHI, E.R.F. Enfermeiro hospitalar e o stress. Revista Escola de Enfermagem USP, v. 34, n.4, p , dez STACCIARINI, J.M.R; TRÓCCOLI, B.T. O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Revista Latino-americana Enfermagem mar; 9(2): COSTA, J.R.A; DA LIMA, J.V; ALMEIDA, P.C. Stress no trabalho do enfermeiro. Revista Escola de Enfermagem USP. 2003; 37(3): MONTANHOLI, L.L; TAVARES, D.M. S; OLIVEIRA, G.R. Estresse: fatores de risco no trabalho do enfermeiro hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem set/out; 59(5): FERRAREZE, M.V.G; FERREIRA, V.E; CARVALHO, A.M.P. Percepção do estresse entre enfermeiros que atuam em Terapia Intensiva. Acta Paulista de Enfermagem 2006; 19(3): BRITTO, ES. Enfermeiros psiquiátricos: estresse, enfrentamento e saúde. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-SP, 102f, 2006.

10 11. BATISTA K.M.; BIANCHI E.R.F., Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Revista Latino Americana Enfermagem jul/ago; 14(4): CAMELO, S.H.H. Estresse e atividade ocupacional do enfermeiro hospitalar. Revista Baiana de Enfermagem. Salvador, jan/dez; v. 20, n. 1/2/3, p , 13. PANIZZON C, LUZ AMH, FENSTERSEIFER LM. Estresse da equipe de enfermagem de emergência clínica. Revista Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre (RS) 2008 set; 29(3): PRETO, V.A; PEDRÃO, L.J. O estresse entre enfermeiros que atuam em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Escola de Enfermagem USP. Ribeirão Preto. 2009; 43 (4): FONTANA, R.T; SIQUEIRA, K.I. O trabalho do enfermeiro em saúde coletiva e o estresse: análise de uma realidade. Cogitare Enferm jul/set; 14(3): SILVA, E.L; et al. Fatores geradores de estresse ocupacional em enfermeiros do centro cirúrgico. 61º Congresso Brasileiro De Enfermagem. Fortaleza PEREIRA, CA; MIRANDA LCS; PASSOS JP. O estresse ocupacional da equipe de enfermagem em setor fechado. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental online set/dez. 1(2): MENZANI, G; BIANCHI, E.R.F. Stress dos enfermeiros de pronto socorro dos hospitais brasileiros. Revista Eletrônica de Enfermagem [Internet]. 2009; 11(2): Available from: 19. SVALDI, J.S.D; SIQUEIRA, H.C.H. Ambiente hospitalar saudável e sustentável na perspectiva ecossistêmica: contribuições da enfermagem. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, set

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira²

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² 1 Psicóloga, Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Cristiane Luchtenberg 1 ; Rosangela Costa 1 ; Willian Augusto

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO SBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro nternacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Encontro nte ABSENTEÍSMO DE AUXLARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPTAL GERAL PÚBLCO Erica Macário

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

O PROCESSO DE TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE QUE ATUA EM UNIDADES HOSPITALARES DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS 1

O PROCESSO DE TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE QUE ATUA EM UNIDADES HOSPITALARES DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS 1 O PROCESSO DE TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE QUE ATUA EM UNIDADES HOSPITALARES DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS 1 Estela Regina Garlet 2 José Luis Guedes dos Santos 3 Giselda Quintana Marques 4 Maria

Leia mais

O TRABALHADOR DE ENFERMAGEM PSIQUIÁTRICA E SUA SAÚDE: CONFLITOS E CONTRADIÇÕES

O TRABALHADOR DE ENFERMAGEM PSIQUIÁTRICA E SUA SAÚDE: CONFLITOS E CONTRADIÇÕES O TRABALHADOR DE ENFERMAGEM PSIQUIÁTRICA E SUA SAÚDE: CONFLITOS E CONTRADIÇÕES Carmem Lúcia Colomé Beck ; 1 Eliese Denardi Cesar 2 Luciane Stanislawski de Souza 3 Roberta Mota Holzachuh 4 O ser humano

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho dos Trabalhadores de Enfermagem - Revisão Sistemática da Literatura

Qualidade de Vida no Trabalho dos Trabalhadores de Enfermagem - Revisão Sistemática da Literatura Capítulo 15 Qualidade de Vida no Trabalho dos Trabalhadores de Enfermagem - Revisão Sistemática da Literatura Inajara de Cássia Guerreiro Enfermeira - Unicamp Maria Inês Monteiro Mestre em Educação - Unicamp

Leia mais

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Caroline Fonseca Landim 1 Daniel do Nascimento Tavares 1 Fernanda Machado Pinheiro 1 Resumo: A ansiedade configura um sentimento que

Leia mais

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO Janaíne Chiara Oliveira Moraes Universidade Federal da Paraíba;

Leia mais

ESTRESSE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ESTRESSE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA LUANA ARAÚJO CORRÊA CAMARGO ESTRESSE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CRICIÚMA,

Leia mais

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM Alex Henrique de Oliveira 1 Resumo: A Síndrome de Burnout é um transtorno adaptativo crônico que gera no profissional um sentimento de impotência,

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

Absenteísmo no trabalho

Absenteísmo no trabalho 1 Absenteísmo no trabalho Nuno A. C. Murcho Saul Neves de Jesus O trabalho comporta um conjunto de valores que lhe são intrínsecos, sendo uma atividade indispensável para o desenvolvimento individual e

Leia mais

PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1

PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 Larissa Carolina Rios (Apresentador) 1, Adriana Zilly (Colaborador) 2, Maria de Lourdes de

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Valcenir Silva Bernanrdo vanessadelvale@doctum.edu.br Vanessa Del Vale Pinto vanessadelvale@doctum.edu.br Flávia Rodrigues

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

Danos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho do enfermeiro intensivista: uma análise sob a luz da psicodinâmica do trabalho

Danos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho do enfermeiro intensivista: uma análise sob a luz da psicodinâmica do trabalho Danos físicos e psicossociais relacionados ao trabalho do enfermeiro intensivista: uma análise sob a luz da psicodinâmica do trabalho Juliana Faria Campos Doutoranda UERJ. Professora Assistente da EEAN/

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

STRESS, COPING (ENFRENTAMENTO) E SAÚDE GERAL DOS ENFERMEIROS QUE ATUAM EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA E PROBLEMAS RENAIS.

STRESS, COPING (ENFRENTAMENTO) E SAÚDE GERAL DOS ENFERMEIROS QUE ATUAM EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA E PROBLEMAS RENAIS. ADMINISTRACIÓN - GESTIÓN - CALIDAD STRESS, COPING (ENFRENTAMENTO) E SAÚDE GERAL DOS ENFERMEIROS QUE ATUAM EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA E PROBLEMAS RENAIS. *Da Silva Britto, E. e **Pimenta Carvalho,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM PARA AUDITORIA DE CONTAS HOSPITALARES: REVISÃO DE LITERATURA

A IMPORTÂNCIA DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM PARA AUDITORIA DE CONTAS HOSPITALARES: REVISÃO DE LITERATURA A IMPORTÂNCIA DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM PARA AUDITORIA DE CONTAS HOSPITALARES: REVISÃO DE LITERATURA Ane Marielle Miranda Martins * Katty Carolinne Lêdo Vieira Cardoso* RESUMO: Esse trabalho tem como

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO. Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional.

A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO. Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional. A SAÚDE DO TRABALHADOR NA ENFERMAGEM: UM RESGATE LITERÁRIO 1 Elizandra Fernandes 2 Jocemara de Souza Fermino 3 Maria Zilar Scarmagnani Palavra-chave: acidente de trabalho, enfermagem, saúde ocupacional.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA 1142 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA Andrei Souza Teles¹; Thereza Christina Bahia Coelho² 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduando em Enfermagem,

Leia mais

Palavras-chave: Trabalho. Adoecimento. Formação de Professores.

Palavras-chave: Trabalho. Adoecimento. Formação de Professores. TRABALHO E ADOECIMENTO EVIDENCIADOS PELOS PROFESSORES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UEPA. Claudia Maria Rodrigues Barros 1 RESUMO Esta pesquisa trata da relação entre trabalho e adoecimento no ensino

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 Andréa Cristina Oliveira Ferreira 1, Edna Maria Querido de Oliveira Chamon 2 1 Mestranda em Desenvolvimento

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Introdução: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Introdução: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Caroline F. Landim 1 Daniel do Nascimento Tavares 2 Fernanda M. Pinheiro 3 Fernanda S. Pessanha 4 Juliana C. P. Gonçalves 5 Linda Nice

Leia mais

Apresentação: OBJETIVO :

Apresentação: OBJETIVO : TÍTULO: APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO ALUNO DE ENFERMAGEM EM ATIVIDADES PRÁTICAS DA DISCIPLINA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA AUTORES: Edilene Maria Da Silva Barbosa; Deuzany Leão; Thereza Cristina Cavalcanti ÁREA:

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO

IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL: UM ESTUDO PILOTO REALIZADO JUNTO A COLABORADORES DE UM HOSPITAL PRIVADO Maria Cecilia Rezek Juliano 1 Silvia Renata Rezek Juliano 1 Maria Clara

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

STRESS IN NURSES OF SERVICE MOBILE EMERGENCY (SAMU) OF RECIFE-PE ESTRÉS EN LOS ENFERMEROS DEL SERVICIO MÓVIL DE EMERGENCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

STRESS IN NURSES OF SERVICE MOBILE EMERGENCY (SAMU) OF RECIFE-PE ESTRÉS EN LOS ENFERMEROS DEL SERVICIO MÓVIL DE EMERGENCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE STRESS IN NURSES OF SERVICE MOBILE EMERGENCY (SAMU) OF RECIFE-PE ESTRÉS EN LOS ENFERMEROS DEL SERVICIO MÓVIL DE EMERGENCIA

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A

ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A Patrícia Cristina de Lima Carvalho* Juliana Oliveira Braga** Rosane

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: Profissionais Técnicos em enfermagem, um estudo de caso.

Qualidade de vida no trabalho: Profissionais Técnicos em enfermagem, um estudo de caso. Qualidade de vida no trabalho: Profissionais Técnicos em enfermagem, um estudo de caso. Acimarney Correia Silva Freitas 1, Acimarley Correia Silva Freitas 2, Acimarleia Correia Silva Freitas 3 1 Mestrando

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM ENFERMEIROS DA ÁREA PSIQUIÁTRICA.

AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM ENFERMEIROS DA ÁREA PSIQUIÁTRICA. AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM ENFERMEIROS DA ÁREA PSIQUIÁTRICA. Aline Sorroche Peraza Gianni de Rossi Pereira Izabella Zago Maschietto Orientadora: Vivian Aline Preto Araçatuba - SP 2009 AVALIAÇÃO DO ESTRESSE

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA Acesso da população atendida em Ubá-MG aos serviços referentes à saúde mental na Policlínica Regional Dr. Eduardo Levindo Coelho

PROJETO DE PESQUISA Acesso da população atendida em Ubá-MG aos serviços referentes à saúde mental na Policlínica Regional Dr. Eduardo Levindo Coelho Mariana de Almeida Giffoni Matheus Costa Cabral PROJETO DE PESQUISA Acesso da população atendida em Ubá-MG aos serviços referentes à saúde mental na Policlínica Regional Dr. Eduardo Levindo Coelho Orientadoras:

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL De 19 a 22 de Julho de 2013 1) Tipo e título da atividade proposta: a)

Leia mais

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA Rosani Teresinha da Silva Stachiw 1 Dayane Fernandes Ferreira 2 Eraldo Carlos Batista 3 RESUMO: O estresse prejudica

Leia mais

ATENDIMENTO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

ATENDIMENTO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA ATENDIMENTO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Nadirlene P. Gomes 1 Paula Sampaio 2 Talita Garcia 3 Clarissa Conceição 2 Vanessa Almeida 3 Normélia Maria Diniz 1 1 Enfermeira Profa. Dra. da

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 FATORES QUE INTERFEREM NO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DURANTE A PASSAGEM DE PLANTÃO Samuel Leandro dos Santos 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A comunicação é um processo

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Francisco Junio do Nascimento 1, Sheron Maria Silva Santos 1, Jose Thiago Gois de Alencar 1, Ivanildo do Carmo

Leia mais

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho Aline Peixoto Monteiro Psicóloga Organizacional Recrutamento, Seleção e Acompanhamento Desenvolvimento Humano Origem do Assédio Moral Década de 80: primeiros

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I & PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I Marli Maria Loro 1 Ethiane Roever 2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz 3 Aline Neli Bernat

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL Aline Santana dos Santos Graduanda em Enfermagem Maria Aparecida dos Santos Graduanda em Enfermagem Reginaldo Vicente

Leia mais

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FACULDADE REDENTOR DEPARTAMENTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Autores: Denis Pimentel França Prof.ª Orientadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE ESTRESSE OCUPACIONAL EM ENFERMEIROS DE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE ESTRESSE OCUPACIONAL EM ENFERMEIROS DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE ESTRESSE OCUPACIONAL EM ENFERMEIROS DE UNIDADES DE EMERGÊNCIA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AM JOSÉ RICARDO FERREIRA DA FONSECA

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA Galeazzi, Leiza 1 Deggeroni, Ariane Fátima 1 Rosalen, Camila 1 Hillesheim, Adriana Cristina 2 Resumo:

Leia mais

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE 96 ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE Amanda Mendes Ribeiro, Isabela Maia da Cruz Fernandes, Rayana Loch Gomes, Camila Balsamo Gardim,

Leia mais

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR Ana Paula Freitas; apfreitas@trilhasat.com.br Jessica Ferreira da Silva; jessicafs01@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS FAPAM Curso de Enfermagem. Diva Costa de Castro ESTRESSE DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM SEU PROCESSO DE TRABALHO

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS FAPAM Curso de Enfermagem. Diva Costa de Castro ESTRESSE DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM SEU PROCESSO DE TRABALHO FACULDADE DE PARÁ DE MINAS FAPAM Curso de Enfermagem Diva Costa de Castro ESTRESSE DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM SEU PROCESSO DE TRABALHO Pará de Minas 2014 2 Diva Costa de Castro ESTRESSE DOS PROFISSIONAIS

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS E INDICADORES DE RISCO CARDÍACO

INTERAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS E INDICADORES DE RISCO CARDÍACO INTERAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS E INDICADORES DE RISCO CARDÍACO Michele Mariotto Gutierrez Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida Michele.mg@puccampinas.edu.br Elisa Medici

Leia mais

A AUDITORIA DE ENFERMAGEM E AS GLOSAS HOSPITALARES 1

A AUDITORIA DE ENFERMAGEM E AS GLOSAS HOSPITALARES 1 A AUDITORIA DE ENFERMAGEM E AS GLOSAS HOSPITALARES 1 Cledir Tania França Garcia 2, Carla Denise Viana 3, Luciane Zambarda Todendi De Bragas 4. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida na Associação Hospital

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011 Assunto: Aplicação do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL) pelo Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por Enfermeiro sobre a aplicação do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

PROJETO-PILOTO: GERENCIAMENTO DE ESTRESSE NA AGÊNCIA REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS

PROJETO-PILOTO: GERENCIAMENTO DE ESTRESSE NA AGÊNCIA REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS PROJETO-PILOTO: GERENCIAMENTO DE ESTRESSE NA AGÊNCIA REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS Cibele Regina Willms 04/09/2013 Situação atual -> empregado Trabalho Individuo OBJETIVOS Disponibilizar técnicas psicológicas

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

ESCALA DE TRABALHO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: A QUALIDADE DE VIDA DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM NUM HOSPITAL PÚBLICO.

ESCALA DE TRABALHO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: A QUALIDADE DE VIDA DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM NUM HOSPITAL PÚBLICO. ESCALA DE TRABALHO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: A QUALIDADE DE VIDA DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM NUM HOSPITAL PÚBLICO. LARISSA CAROLINA RIOS ADRIANA ZILLY MARIETA FERNANDES SANTOS MARIA DE LOURDES

Leia mais

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO 465 POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO Bruno de Morais Cury 1 ; Ana Carla Gomes Toledo 2 ; Gabriel Lauriano De Souza Hilário 2 ; Marco Aurélio

Leia mais

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo DESAFIOS DE ENFERMAGEM: ATENDIMENTO DOMICILIAR A PACIENTES COM DEMÊNCIA Aristófenes Rolim de Holanda; Rosyara Lopes Vieira Sá; Aryslane Júlia Andrade Lustosa; Luis Henrique Rodrigues Nunes; Francisco Júnior

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A REFERÊNCIA E CONTRARREFERÊNCIA AO CUIDADO AO IDOSO

PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A REFERÊNCIA E CONTRARREFERÊNCIA AO CUIDADO AO IDOSO PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A REFERÊNCIA E CONTRARREFERÊNCIA AO CUIDADO AO IDOSO Introdução: A enfermagem, em seu cotidiano assistencial, apresenta como principal dimensão do seu

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura Helvécio Miranda Magalhães Júnior Secretário Municipal de Saúde - Belo Horizonte Presidente do CONASEMS Lei 10.216/2001: um pouco da história Apresentada

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Flávia Teixeira Germano, Universidade Potiguar, flavinhabebezao@hotmail.com Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar,

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará O Problema Alcoolismo - um dos mais graves problemas de saúde pública na atualidade. Abuso

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

TÍTULO: PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ESQUIZOFRENIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ESQUIZOFRENIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA TÍTULO: PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ESQUIZOFRENIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO AUTOR(ES):

Leia mais

Curso de Pesquisa Bibliográfica (CPB): uma experiência da UFSM/RS para competência em informação na área de saúde

Curso de Pesquisa Bibliográfica (CPB): uma experiência da UFSM/RS para competência em informação na área de saúde Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Curso de Pesquisa Bibliográfica (CPB): uma experiência da UFSM/RS para competência em informação na área de saúde Eliana Rosa Fonseca (UFRJ) - elianarosa@hucff.ufrj.br

Leia mais

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL

QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL QUEIMADOS E IMAGEM CORPORAL: ABORDAGEM DO TERAPEUTA OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Marcela Maria Medeiros De Melo Silvia Karla Bezerra De Lima Estima-se que em torno de 1 milhão de pessoas sejam acometidas por

Leia mais

ALÉM DAS TAXAS DE SUSPENSÃO CIRÚRGICA: UMA ANÁLISE DE SEUS REAIS MOTIVOS

ALÉM DAS TAXAS DE SUSPENSÃO CIRÚRGICA: UMA ANÁLISE DE SEUS REAIS MOTIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALÉM DAS TAXAS DE SUSPENSÃO CIRÚRGICA: UMA ANÁLISE DE SEUS REAIS MOTIVOS Leonel Alves do Nascimento¹, Luciana Regina Tillvitz 1, Ana Carolina Korki Arrabal

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Objetiva ampliar os estudos científicos acerca da Atividade Física e do Exercício Físico, da Saúde Pública e da Saúde Coletiva, instrumentalizando

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Enfermagem 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Enfermagem 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Enfermagem 2011-1 ACOLHIMENTO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: CONTRIBUIÇÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE Alunos:

Leia mais

ESTRESSE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE EMERGÊNCIA CLÍNICA

ESTRESSE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE EMERGÊNCIA CLÍNICA ARTIGO ORIGINAL 391 ESTRESSE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE EMERGÊNCIA CLÍNICA Cristiane PANIZZON a Anna Maria Hecker LUZ b Lísia Maria FENSTERSEIFER c RESUMO Estudo exploratório com os objetivos de: identificar

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

OFICINAS DE TRABALHO: HISTÓRIA E CONCEITOS

OFICINAS DE TRABALHO: HISTÓRIA E CONCEITOS OFICINAS DE TRABALHO: HISTÓRIA E CONCEITOS Aline Bonetti 1, Fábio Bruno de Carvalho n 1 Pontifícia Universidade Católica de Campinas/Centro de Ciências da Vida/Faculdade de Terapia Ocupacional, Av. John

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Situação do papel do fisioterapeuta nas unidades públicas de saúde enquanto integrante da equipe multiprofissional no município de Jataí-GO.

Situação do papel do fisioterapeuta nas unidades públicas de saúde enquanto integrante da equipe multiprofissional no município de Jataí-GO. Situação do papel do fisioterapeuta nas unidades públicas de saúde enquanto integrante da equipe multiprofissional no município de Jataí-GO. ASSIS, Thaís Rocha; FERREIRA, Walkyria Silva; REIS, Silênio

Leia mais

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M Mês, ano DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1. Razão Social; 2. Nome Fantasia; 3. Entidade Mantenedora; 4. CNPJ; 5.

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 RECÉM NASCIDO PRÉ-TERMO DE MÃE ADOLESCENTE: UM RELATO DE CASO AUTORES: Giovanna Carolina Guedes 1 Cláudia Silveira Viera Jéssica Chritina Acosta Kamila Lubenow Vanessa Rosseto RESUMO: INTRODUÇÃO: Anualmente

Leia mais

Palavras-chave: Educação Infantil; formação do profissional; formação centrada na escola; políticas públicas.

Palavras-chave: Educação Infantil; formação do profissional; formação centrada na escola; políticas públicas. PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO CENTRADA NA ESCOLA: O CASO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Silvia Adriana Rodrigues Simone Conceição Pereira Deák Alberto Albuquerque Gomes Resumo: Este texto é

Leia mais

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR Fabiane da Fontoura Messias de Melo 1 Melissa Andréa Vieira de Medeiros 2 Introdução O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de

Leia mais