FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GUSTAVO GIMENES ZAFRA FERRAMENTA COMPARATIVA DE INDICADORES DE LOJAS E- COMMERCE MARÍLIA 2014

2 GUSTAVO GIMENES ZAFRA FERRAMENTA COMPARATIVA DE INDICADORES DE LOJAS E- COMMERCE Trabalho de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação da Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha, mantenedora do Centro Universitário Eurípides de Marília UNIVEM, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador Profª Ms. Giulianna Marega Marques. MARÍLIA 2014

3 GIMENES ZAFRA, Gustavo Ferramenta comparativa de indicadores de lojas e-commerce / Gustavo Gimenes Zafra; orientadora: Profª. MSc. Giulianna Marega Marques. Marília, SP: [s.n.], folhas Monografia (Bacharelado em Sistemas de Informação): Centro Universitário Eurípides de Marília CDD: 005.2

4

5 Dedicatória...

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus pela inspiração e motivação desse trabalho. Logo agradeço a Prof. Giulianna Marega Marques por ter acreditado em mim quando ninguém acreditava, e por ter me inspirado e motivado todo esse tempo a realizar esse trabalho, por ter me auxiliado em tudo que estava a seu alcance. Também agradeço ao Prof. Ricardo José Sabatine, por ter me auxiliado com sua visão tecnológica, mesmo não tendo essa obrigação, sempre se mostrou presente e disposto a ajudar. Ao Prof. Geraldo Pereira por além de ter sido meu professor e examinador, se mostrou um grande amigo me auxiliando com dicas e conteúdos para que esse trabalho fosse realizado. Agradeço a minha noiva e futura esposa Danielle Chrysostomo, por ter me motivado a nunca desistir e a me manter firme, por me fazer sorrir e relaxar quando eu mais precisava, nos dias mais tensos em que o TCC me sufocava. Agradeço também a minha mãe, a meu pai, minha avó e meu avô por terem me auxiliado financeiramente na faculdade. Agradeço ao Guilherme Macedo por ter feito muitos trabalhos da faculdade por mim, sem ele eu não teria chegado ao 4º Ano. Agradeço ao Flavio Mendes (Filhão), Maicon Tonezzi, João Vitor (Xibiu), Lucas (Coxinha) e André Sabes por toda zoeira e bullying sem limites durante 4 anos da minha vida que sei não voltam mais mas nunca irei me esquecer. Agradeço ao Giorgio Pereira por sempre abrir as portas dos laboratórios e por não ter bloqueado meu RA quando me pegou jogando Counter Strike no laboratório de Pesquisa. Agradeço ao pessoal da Persys: Ao Prof. Adriano Bezerra, por nos agraciar com bolo e sorvete quando não está em sua segunda identidade de DJ Alemaum; Ao João Paulo (Mister JP), Thiago Corredo e Leonardo Lima por toda zoeira sem limites; A Gisele por recolher o lixo todos os dias e abrir as portas da Persys; Ao Gustavo Pinsard por me agraciar com muita zoeira, informações antes desconhecidas e novas culturas.

7 Ao Rodrigo Maykot que mesmo não muito presente nos agracia com sua segunda identidade, Osmar o encanador. Agradeço também ao Alan por abrir os portões do CIEM todos os dias, ou pelo menos por tentar fazer isso. Agradeço ao tio da paçoca, que esteve presente todos esses anos nos agraciando com sua propaganda de paçoca e doce de leite. Agradeço a Dona Antônia, mais conhecida como Oráculo, por sempre saber onde os professores estão e saber de tudo que acontece no universo. Agradeço a Odin, por sua benção para realizar esse trabalho, me dando forças assim como deu a seu filho Thor o deus do trovão, além de toda promessa no paraíso com hidromel e cordeiro a vontade, enquanto aguardamos pelo Ragnarok.

8 "Nunca desista do controle. Viva sua vida sob suas próprias regras." Walter White Heisenberg (Breaking Bad)

9 RESUMO Neste documento é apresentada uma solução tecnológica de fácil manuseio por usuários com diferentes tipos de conhecimentos sobre tecnologia. A ferramenta em questão tem como principais funcionalidades coletar dados de sites de reclamação online (como ReclameAqui, Ebit e Buscapé) e compilá-los, trazendo um resultado de fácil interpretação aos usuários. O propósito é facilitar a vida dos usuários do e-commerce, buscando sanar suas dúvidas sobre as lojas na pré-venda e auxiliando-os na tomada de decisão. Palavras-Chave: Sistema de Apoio a Decisão, SAD, Comparador de lojas, e-commerce.

10 ABSTRACT In this document is presented a technological solution easy to use by users with different types of knowledge about technology. The tool in question has as main features, collect data from complaint sites (as ReclameAqui, Ebit and Buscapé) and compile them, bringing a result of easy interpretation to the user. The purpose is to make life easier for users of e-commerce, seeking to solve his doubts about the stores in the pre-sales and assisting them in decision making. Keywords: Decision Support System, SAD, comparison shopping, e-commerce.

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Categoria de produtos mais vendidos em Figura 2: Faturamento anual do e-commerce brasileiro exibido em gráficos Figura 3: Faturamento anual do e-commerce brasileiro detalhado Figura 4: Crescimento dos e-consumidores no Brasil exibido em gráfico Figura 5: Dados sobre o crescimento dos E-Consumidores no Brasil Figura 6: Componentes dos SAD Figura 7: Design responsivo aplicado em diversas resoluções Figura 8: Exemplo do uso do PHP Figura 9: Sintaxe da regra CSS Figura 10: Exemplo do uso de JavaScript Figura 11: Exemplo de requisição AJAX via POST Figura 12: Exemplo de requisição AJAX via GET Figura 13: Exemplo de uma estrutura object em JSON Figura 14: Exemplo de uma estrutura array em JSON Figura 15: Arquitetura de um web crawler Figura 16: Como funciona uma API Figura 17: Aplicação do design responsivo na ferramenta Econfiável Figura 18: Diagrama de caso de uso da ferramenta Econfiável Figura 19: Diagrama de sequencia do modulo pesquisar Figura 20: Diagrama de sequencia do modulo comparar Figura 21: Arquitetura da aplicação Econfiável Figura 22: Módulo Pesquisar Econfiável Figura 23: Caso de Teste A no módulo Pesquisar (WEB) Figura 24: Caso de Teste B no módulo Pesquisar (WEB) Figura 25: Caso de Teste C no módulo Pesquisar (WEB) Figura 26: Caso de Teste D no modulo Pesquisar (WEB) Figura 27: Módulo Comparar Econfiável Figura 28: Caso de Teste A no módulo Comparar (WEB) Figura 29: Caso de Teste B no módulo Comparar (WEB) Figura 30: Caso de Teste C no módulo Comparar (WEB)... 55

12 Figura 31: Caso de Teste D no módulo Comparar (WEB) Figura 32: Função de acesso a API do crawler ReclameAqui Figura 33: Função de acesso a API do crawler Buscapé... 58

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Comparação de tempo de transmissão entre JSON e XML

14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS B2C B2B PIB CDC SAD SADG PHP CSS JSON API HTML HTTP IDE REST DSO CGI FTP Business to Commerce Business to Business Produto Interno Bruto Código de Defesa do Consumidor Sistema de Apoio a Decisção Sistema de Apoio a Decisão em Grupo PHP: Hypertext Preprocessor Cascading Style Sheets JavaScript Object Notation Application Programming Interface HyperText Markup Language Hyper Text Transfer Protocol Integrated Development Environment Representational State Transfer Dynamic Shared Objects Common Gateway Interface File Transfer Protocol

15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DO E-COMMERCE Perfil Dos Usuários De E-Commerce Perfil Das Lojas De E-Commerce Sistemas De Apoio A Decisão FERRAMENTAS E RECURSOS UTILIZADOS PARA DESENVOLVIMENTO DA FERRAMENTA ECONFIÁVEL Design Responsivo Desenvolvimento PHP CSS Javascript JSON Eclipse Apache Import.io Crawler API ECONFIÁVEL DESCRIÇÃO DO PROJETO Diagramas Diagrama De Caso De Uso Diagrama De Sequência Arquitetura Da Aplicação Funcionalidades Módulo Pesquisar Modulo Comparar Controller CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 61

16 16 INTRODUÇÃO O comércio sempre esteve presente na sociedade mesmo antes da existência do dinheiro, quando as pessoas realizavam as trocas mais conhecidas como escambo. Veio então a Era do Conhecimento, onde as pessoas começaram a aperfeiçoar os processos já existentes. Após o surgimento da Internet, as pessoas começaram a virtualizar suas tarefas rotineiras, adaptando-as ao mundo virtual. Graças ao desenvolvimento que se notou, hoje a Internet encontra-se à disposição de quase todos que tenham acesso a um computador. Por meio da inclusão digital, as pessoas se adaptaram as novas tecnologias e se tornaram usuários aptos, exercendo suas atividades corriqueiras e tornando suas rotinas totalmente digitais e automatizadas. Assim a necessidade de sair de casa para comprar algo se tornou ultrapassada, dessa forma surgiu o e-commerce, que em português significa comércio eletrônico, ou seja, é uma modalidade de comércio que realiza suas transações financeiras por meio de dispositivos e plataformas eletrônicas, como computadores, smartphones, tablets, etc. (E-BIT, 2014). O e-commerce que veio com o propósito de simplificar as operações e procedimentos administrativos, reduzir custos com pessoas e recursos físicos, otimizar e gerenciar o fluxo dos produtos dentro das empresas, proporcionar maior performance e muitos outros benefícios que variam de acordo com o modelo adaptado. Do ponto de vista do consumidor, esse tipo de comércio visa adquirir produtos com um menor preço, sem que tenha gastos com deslocação, trânsito, filas e tudo o que está envolvido em um processo de compra tradicional. Outra vantagem para os usuários do e- commerce é poder realizar importações de qualquer lugar do planeta, muitas vezes de produtos que não estão disponíveis em sua localidade. A forma de e-commerce mais utilizada hoje são as lojas virtuais, onde empresários de grandes e pequenas estruturas realizam a venda de produtos ou serviços, utilizando os meios de pagamento online, e entrega através de transportadoras na maioria das vezes. MOTIVAÇÃO Com o surgimento dessa nova modalidade de negócio, várias dificuldades foram encontradas. Novas tecnologias apresentadas, novos processos a serem adaptados se tornaram

17 17 um tabu aos empresários no inicio da era e-commerce. Observando o cenário atual do país em relação ao e-commerce, os números vêm apresentando a cada ano, negatividade nos resultados quanto à satisfação dos clientes. O crescimento das reclamações em redes sociais e sites de reclamação aumentaram significativamente, onde vários motivos foram apresentados. Diante das problemáticas apresentadas, surgiu a necessidade de criar uma ferramenta que auxilie o usuário a tirar dúvidas sobre a confiabilidade da loja na pré-venda, além de auxiliá-lo na tomada de decisão, a fim de diminuir os riscos de um acordo comercial mal sucedido. OBJETIVO O objetivo geral desse trabalho é desenvolver uma aplicação voltada para usuários de e-commerce, de todos os níveis de conhecimento em informática, que venha por meio deste facilitar o processo de compra pela Internet, buscando sanar suas dúvidas sobre a loja na prévenda, apresentando dados que irão influenciar a tomada de decisão do usuário, assim garantindo que o usuário assuma os riscos de ter ciência de onde está comprando. Por meio dessas informações é possível deduzir que, a satisfação dos clientes venha aumentar, consequentemente reduzindo o número de reclamações, e o percentual de um acordo comercial mal sucedido. Assim, a tendência é que as lojas virtuais venham a melhorar seus serviços, produtos e atendimentos, a fim de obter uma boa qualificação no mercado. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os objetivos específicos são: auxiliar os usuários do e-commerce na tomada de decisão logo na pré-venda, mostrando qualificações de outros usuários sobre a loja; facilitar o processo de compra na Internet para todos os tipos de usuários, desde os mais experientes até os com menor conhecimento; garantir maior segurança ao usuários de e-commerce em suas compras online; diminuir o número de reclamações de compras pela Internet no país;

18 18 aumentar a lucratividade de pequenas e grandes lojas, que trabalham às vezes com menores preços, e que não possuem credibilidade.

19 19 1 FUNDAMENTOS DO E-COMMERCE O e-commerce pode ser definido como intercambio ou compra e venda de serviços e produtos por meios eletrônicos. Embora algumas pessoas definam o e-commerce somente como transações eletrônicas de dinheiro, também são incluídas transações que envolvam cheques, telefones ou outros meios, de forma digital. O e-commerce envolve tanto comercio varejista entre pessoas e empresas, o famoso B2C, quanto comércio entre empresas, conhecido como B2B (GORDON, GORDON, 2013). Por outro lado se tem o e-business, que pode ser definido como o uso das tecnologias de informação e comunicação para executar funções de negocio (GORDON, GORDON, 2013). O e-business é, portanto, um termo amplo que inclui o e-commerce. Exemplificando, e-business inclui atividades tais como inserir informações sobre clientes potenciais no banco de dados da empresa, trocar informações por sobre o projeto de um novo produto que está sendo desenvolvido e ler através de um scanner, o código de barras de uma peça necessária para produção, quando a mesma for retirada do estoque. Nenhum desses exemplos seriam considerados e-commerce por sua definição, embora definido o e-commerce e e-business como duas coisas distintas, muitas pessoas usam os termos de forma intercambiável. Um empreendimento de e-business utiliza Internet, intranets e extranets para apoiar a cada etapa do processo comercial. Isso poderia abranger tudo desde a propaganda, as vendas e o suporte ao cliente pela rede mundial de computadores, à segurança da Internet e mecanismos de pagamento que asseguram a conclusão de processos de entrega e pagamento (O'BRIEN, 2004). O crescimento explosivo da Internet, das tecnologias e aplicações a ele relacionadas, está revolucionando o modo de operação das empresas, o modo que as pessoas trabalham, a forma como a tecnologia da informação apoia as operações das empresas e as atividades de trabalho dos usuários finais (O'BRIEN, 2004). Em 1996, cerca de 54% de todos internautas nos Estados Unidos já haviam comprado pela Internet (GORDON, GORDON, 2013). É um numero significativamente grande, observando o fato de que no ano em que se obtiveram os dados, a Internet não era utilizada por muitas pessoas e o e-commerce era apenas uma tecnologia que tinha acabado de chegar ao mercado. À medida que as pessoas ganhavam confiança na segurança que o e-commerce as oferecia, os indicadores continuaram aumentando ano após ano e novas lojas foram surgindo.

20 20 No início, o e-commerce era utilizado basicamente para vender bens tangíveis com valores modestos, como: livros e CDs. Hoje, ele é utilizado para comercializar desde produtos que custam milhões, como: iates, carros de luxo e mansões, até produtos que há pouco tempo eram inimagináveis pela sua incompatibilidade com este tipo de comércio, como roupas, sapatos, perfumes e alimentos (MUNDO DO MARKETING, 2014). Na Figura 1 é ilustrada a categoria de produtos mais vendidos em Figura 1: Categoria de produtos mais vendidos em 2013 Fonte: (E-COMMERCE.ORG, 2014) Além dos produtos tangíveis, o comércio de serviços online tem se tornado muito frequente, como a venda de jogos online e bens intangíveis, onde à entrega é realizada de forma digital, ou seja, por ou por link para download. Um grande exemplo de bens intangíveis hoje são os famosos sites de compra coletiva, onde as empresas vendem cupons de serviços pela Internet, oferecendo um menor preço a seus utilizadores. As lojas se tornaram totalmente virtuais com os meios de pagamento online, assim a sua logística de entrega dos produtos se tornou um fator decisivo aos compradores na hora da compra, levando a loja a adaptar a logística de sua empresa para que efetuem o serviço de

21 21 forma rápida e segura, atendendo assim a necessidade de seus consumidores. Assim, esse novo modelo de negocio vem crescendo abundantemente no Brasil a cada ano, trazendo mais empregos ao mercado de trabalho e estimulando o empreendedorismo no país, de uma forma fácil e rápida. Porém, com o crescimento do e-commerce várias problemáticas surgiram, tais como as reclamações dos usuários por insatisfação do produto ou serviço prestado pela loja. Enquanto o crescimento do PIB não chegou nem a 2% em 2012, o e-commerce brasileiro cresceu aproximadamente 25%, isto quer dizer que dentro do próprio PIB, o e-commerce já representa 1% do montante (E-COMMERCE BRASIL, 2013). Em junho de 2012 as compras virtuais realizadas por meio de dispositivos móveis representaram 1,3% do total. Na mesma época de 2011 este número foi de 0.3% (E- COMMERCE BRASIL, 2013). Já em 2013, o setor movimentou cerca de 28,8 milhões de reais, 28% a mais do que em Apesar da inflação e da desaceleração econômica, o crescimento superou as expectativas que eram de 25% (E-BIT, 2014). Na Figura 2 é ilustrado graficamente o faturamento do e-commerce anual no Brasil. Figura 2: Faturamento anual do e-commerce brasileiro exibido em gráficos Fonte: (E-COMMERCE.ORG, 2014)

22 22 Na Figura 3 é ilustrado detalhadamente o faturamento anual do e-commerce no Brasil. Figura 3: Faturamento anual do e-commerce brasileiro detalhado Fonte: (E-COMMERCE.ORG, 2014) Estima-se que em 2014, o e-commerce deve crescer cerca de 20% com base nos 28,8 bilhões alcançados em 2013, uma vez que o e-commerce vem dominando o poder aquisitivo dos usuários, oferecendo uma maior variedade de produtos e serviços que de certa forma vem sanando as suas necessidades, oferecendo ao usuário o que precisa sem que haja necessidade de sair de casa (MUNDO DO MARKETING, 2014). Paralelo estes acontecimentos, a satisfação do consumidor caiu de 87% em 2007, para 85,5% em Esta queda foi acarretada devido a fatores como: menor oferta de frete grátis, redução no prazo de pagamentos e falha na entrega dos produtos, isto sem falar no amadurecimento do consumidor, que exige mais qualidade no pré e pós venda (E- COMMERCE BRASIL, 2013). Para que o crescimento ocorra de forma esperada, é necessário que a atenção seja direcionada a alguns gargalos que impedem uma expansão maior do varejo eletrônico no Brasil. Um dos principais desafios é a entrega com foco na conveniência, diversificando os serviços oferecidos ao consumidor. Outro ponto que merece atenção é responsividade das telas de contato já que o Brasil tem hoje 140 milhões de usuários de smartphones, o que representa um grande potencial de

23 23 compras no canal mobile. Os empreendedores do comércio eletrônico também devem aperfeiçoar os seus conhecimentos em métricas online, dominando as ferramentas necessárias para isso (MUNDO DO MARKETING, 2014). Em uma pesquisa realizada pela empresa MITI Inteligência, onde foram monitorados 17 mil interações nas redes sociais e sites de reclamação durante quatro dias, dentre os resultados obtidos os principais motivos das reclamações são sobre atrasos nas entregas dos produtos e falta de qualidade no atendimento. As três palavras mais citadas foram: atraso na entrega, enrolação e falta de respeito. Dentre as lojas com maior índice de reclamação na pesquisa, as empresas de telefonia e e-commerce lideram o ranking (E-COMMERCE NEWS, 2011). Segundo a gerente de inteligência Elizangela Grigoletti da empresa MITI Inteligência: É fundamental que as empresas monitorem essas reclamações de consumidores, tanto nos canais específicos quanto nas redes sociais. Com qualificação e quantificação das informações obtidas, é possível aplicar ações de melhorias e sentir como o planejamento está refletindo no consumidor (E-COMMERCE NEWS, 2011). Apresentado os números, é possível verificar que a quantidade de consumidores com experiências ruins de compra teve um grande crescimento, devido a alguns fatores como: Lojas com produtos de originalidade duvidosa e qualidade contestável, e por fim acabam não prestando um serviço de garantia satisfatório ao cliente; Lojas com problemas de logística, onde acabam não enviando os produtos ofertados, ou proporcionando um atraso acima do limite informado, causando desconfortos, e insatisfação dos clientes. É normal que nas decorrentes situações ocasionadas pelas compras online, novas propostas sejam apresentadas a fim de sanar os problemas expostos, uma vez que o Brasil é regidos por leis e normas, dentre elas o CDC, que determina que o comprador é detentor das prioridades em um acordo comercial, ou seja, todos os direitos são aplicados de forma favorável ao mesmo. Uma das soluções apresentadas são as ferramentas de reclamação online, onde os mesmos possuem um espaço voltado para expor sua situação decorrente de compras com uma loja específica e compartilhar com os demais usuários de Internet e redes sociais. Por meio dessa exposição, as lojas buscam ou não formas de solucionar as situações a qual os seus clientes foram expostos, a fim de fazer com que a imagem da sua empresa não

24 24 perca a credibilidade e também garantir a satisfação de seus clientes para que os mesmos possam voltar a transacionar em suas lojas. Muitas empresas, no entanto, acabam por não se preocupar ou direcionar um setor para dar as devidas tratativas aos casos, gerando imagem negativa da empresa e levando consequentemente a queda de transações e rendimentos de sua loja. 1.1 Perfil Dos Usuários De E-Commerce Com o crescimento da Internet e da inclusão digital de forma global, seguido do surgimento e expansão do comercio eletrônico, os internautas migraram sua forma de comércio para o e-commerce. Assim estudiosos tem se empenhado em buscar entender o perfil desses novos usuários. Na Figura 4 é exibido o gráfico de crescimento dos e-consumidores no Brasil. Figura 4: Crescimento dos e-consumidores no Brasil exibido em gráfico Fonte: (E-COMMERCE. ORG, 2014)

25 25 Na Figura 5 são exibidos os índices de crescimento dos E-Consumidores no Brasil. Figura 5: Dados sobre o crescimento dos E-Consumidores no Brasil Fonte: (E-COMMERCE. ORG, 2014) Junto ao e-commerce uma nova categoria de consumidores surgiu, os clientes 2.0 são clientes antenados, por dentro dos assuntos e seus direitos, que não aceitam ser menosprezados ou enganados por propagandas que criam falsas expectativas. Os clientes 2.0 buscam excelência no atendimento e relacionamento com a empresa, de forma que deseja ser mantido informado sobre suas solicitações e caso não obtenha resposta irá buscar através de outros meios como sites de reclamação e redes sociais uma forma de ter sua dúvida sanada ou problema resolvido. Por meio do seu poder argumentativo e engenharia social, utilizando as ferramentas a seu alcance, os clientes 2.0 podem espalhar sua insatisfação de forma viral, atingido outros milhões de consumidores, assim denegrindo a imagem da empresa não só na Internet, como no seu circulo de contatos (DECISION REPORT, 2014). Do ponto de vista dos clientes, as companhias que oferecem constantemente o melhor valor são capazes de se manter em sintonia com as preferências individuais de seus clientes, de atualizarem-se às tendências do mercado e de oferecer produtos, serviços e informações em qualquer momento e em qualquer lugar, buscando suprir suas necessidades individuais (O'BRIEN, 2004). 1.2 Perfil Das Lojas De E-Commerce As empresas por outro lado estão se tornando empreendimentos de e-business, buscando adaptar suas lojas online e processos internos, de forma que atendam as necessidades esperadas pelos consumidores. A Internet, intranets e extranets tem se tornado a principal infraestrutura de tecnologia da informação no apoio às operações de muitas organizações. Empreendimentos de

26 26 e-business dependem de tais tecnologias para reestruturar e revitalizar os processos de negócios internos, implementar sistemas de e-commerce entre as empresas e seus clientes e fornecedores. As tecnologias da Internet podem tornar os clientes o ponto focal de todos os aplicativos de e-business e de e-commerce. Geralmente os clientes de e-commerce utilizam a Internet para fazer perguntas, reclamações, avaliar produtos, solicitar suporte, fazer e confirmar suas compras. Usando a Internet e as intranets de empresas, especialistas das mais diversas funções comerciais de uma organização podem contribuir para uma resposta eficaz, isso encoraja a criação de grupos de discussão de funções mistas, de equipes de solução de problemas dedicadas ao contato, atendimento e suporte ao cliente, também de contato com os fornecedores e prestadores de serviço, a fim de cuidar para que serviços como à entrega de seus produtos sejam realizadas de forma eficiente e eficaz. É dessa forma que o e-business demonstra seu foco no valor par ao cliente (O'BRIEN, 2004). Para muitas companhias a principal vantagem de se transformar em uma empresa e- business focada no cliente reside em adquirir capacidade de manter os consumidores leais, prever suas necessidades futuras, reagir às preocupações do cliente, fornecendo-lhe atendimento de alta qualidade. Esse enfoque estratégico no valor para o cliente reconhece que a qualidade mais do que o preço, tornou-se o principal determinante na percepção de valor do cliente (O'BRIEN, 2004). Uma empresa de e-business bem sucedida simplifica todos os processos de negócios que influem sobre seus clientes e proporciona a seus funcionários uma visão completa de cada cliente, de forma que possam oferecer um serviço personalizado de alto nível. Elas auxiliam seus clientes de e-commerce a se ajudarem, embora também os ajudem a realizar seus trabalhos, além disso, cultivam uma comunidade de clientes, funcionários e parceiros comerciais, leais aos seus serviços prestados e produtos oferecidos. Por isso o e-commerce se tornou uma oportunidade estratégica para grandes e pequenas empresas, que oferecem prontidão e rapidez na entrega de seus produtos, mantendo sempre a qualidade e buscando atender as preferências individuais de cada cliente. 1.3 Sistemas De Apoio A Decisão Os SAD são sistemas baseados em computadores que através de informações e modelos especializados ajudam a resolver problemas organizacionais. Sua principal função é

27 27 apoiar o processo de tomada de decisão em áreas de planejamento estratégico, controle gerencial e controle operacional, sendo isso o que o diferencia dos demais tipos de sistemas de informações. Nas empresas, esses sistemas atuam de forma diferente dos sistemas de emissão de relatórios, que trazem informações para serem utilizadas na análise de problemas, eles trazem informações sobre previsões, assim auxiliando o setor estratégico em tomadas de decisões que irão implicar futuramente na empresa (GORDON, GORDON, 2013). Sua demanda surgiu diante do crescimento competitivo das organizações, pois o SAD é desenvolvido através de dados históricos e experiências individuais que são incorporados como informações úteis possibilitando melhores condições para a tomada de decisão e aumentando as vantagens obtidas pela empresa. Os benefícios do SAD incluem (GORDON, GORDON, 2013): Um processo de tomada de decisão melhorado, através de um melhor entendimento do negócio; O exame do maior número de alternativas para uma tomada de decisão; Respostas mais rápidas a situações previstas; Uma comunicação aprimorada; Trabalho em equipe de forma eficaz; Melhor controle; Economia de tempo e custos. Um sistema de apoio à decisão completo consiste em quatro componentes principais de forma estruturada: I. Um banco de dados: O banco de dados SAD que é uma coleção de dados atuais e históricos de uma variedade de sistemas ou grupos. Pode ser um pequeno banco de dados em um computador isolado, coletando dados externos e corporativos, combinando-os para auxiliar na tomada de decisão. Ou ele pode ser um poderoso data warehouse continuamente atualizado por dados organizacionais. II. Uma base de conhecimento: A base de conhecimento fornece informações sobre relacionamentos altamente complexos entre os dados que o banco tem dificuldade em representar. Ele consiste em princípios básicos, como heurística, que define soluções e métodos aceitáveis para sua

28 28 avaliação. III. Uma base de modelos: Esse componente inclui uma série de ferramentas analíticas para construção do modelo de processos e atividades de um negócio. Também incluem modelos desenvolvidos anteriormente, para que possam ser desenvolvidos novamente se necessário. IV. Uma interface com o usuário: A interface permite ao usuário interagir com o sistema de software. Geralmente, seus usuários são executivos ou gerentes de corporações e não possuem muita perícia no uso da tecnologia, levando essa interface a ser amigável ao extremo para que o se possa tirar o máximo proveito da ferramenta. Na Figura 6 são exibidos os componentes de um sistema de apoio à decisão. Figura 6: Componentes dos SAD Fonte: (GORDON, GORDON, 2013). Teoricamente, um SAD pode ser aplicado em qualquer área do conhecimento. Alguns exemplos seriam: diagnósticos médicos, preparo do solo para plantio, uso na meteorologia, na produção de aviões e para controle de irrigação de um solo, analisando o tipo de cultura e solo para determinar o tipo de irrigação a ser implantado.

29 29 Vale lembrar que algumas decisões são tomadas em grupos abrangendo diversas visões sobre um mesmo tema. Para atender a essa situação, foram desenvolvidos os SADG que convergem diferentes pontos de vista em uma solução comum. Uma grande vantagem desse sistema é a participação de vários gerentes de diversas filiais em cidades diferentes no processo decisório, utilizando-se de ferramentas como: rede local de decisões, sala de decisões, rede remota de decisões e teleconferência. Utilizando um SAD é possível aos tomadores de decisão buscar informações em bancos de dados diferentes, mesmo que estejam em lugares distintos. É possível também acessar a outras fontes de dados pela Internet ou por uma Intranet da organização. O processo de tomada de decisão necessita que se tenham informações específicas sobre o determinado problema, para que desta maneira o gerente possa analisá-lo e suprir suas necessidades.

30 30 2 FERRAMENTAS E RECURSOS UTILIZADOS PARA DESENVOLVIMENTO DA FERRAMENTA ECONFIÁVEL Para o desenvolvimento da ferramenta Econfiável, foram utilizadas algumas ferramentas, técnicas e recursos descritos nas seções a seguir. 2.1 Design Responsivo O Design Responsivo é uma técnica que faz com que um site se adapte a resolução de qualquer dispositivo, a fim de proporcionar ao usuário uma experiência única, independente do dispositivo em que ele estiver acessando o website. Essa técnica é composta por três outras técnicas, que são: Layout Fluído, Imagens e recursos flexíveis e Media Queries. Essas três técnicas são aplicadas a partir de configurações no arquivo de estilização do projeto (como o CSS), com o intuito de garantir que o site seja totalmente flexível a todas as resoluções. O layout fluído é aplicado para que haja uma adaptação automática do site na tela, a fim de evitar as barras de rolagem horizontais e conteúdos incompletos. Imagens e recursos flexíveis é uma técnica que pode ser aplicada no site apenas com a especificação em porcentagem nas marcações que contém o elemento no qual se deseja que seja flexível, a fim de fazer com que o elemento possa ter qualquer tamanho, variando de acordo com o tamanho do elemento que o contém. O uso de media queries pode fazer com que elementos fiquem ocultos, apareçam ou se reposicionem de acordo com a resolução, pois um site não precisa ter a mesma aparência de seus elementos em qualquer dispositivo (ZEMEL, 2012).

31 31 resoluções. Na Figura 7 é exemplificado como o layout responsivo se adapta a diversas Figura 7: Design responsivo aplicado em diversas resoluções. Fonte: Adaptado pelo autor. Aplicando as técnicas de design responsivo, a ferramenta Econfiável proporciona a seu usuário uma utilização fácil e a partir de qualquer dispositivo com conexão a Internet. 2.2 Desenvolvimento O desenvolvimento teve inicio em março de Após análise de requisitos do sistema, chegou-se a conclusão de que o sistema de deveria ser desenvolvido nas seguintes especificações para que fosse atingido o resultado esperado PHP PHP é uma linguagem de programação aberta, que tem como objetivo primário a geração de conteúdo dinâmico para páginas web. Criado em 1995 por Rasmus Lerdof, que deu o nome de Personal Home Page Tools, um conjunto de scripts para guardar estatísticas de acessos de seu site pessoal. Lerdof compartilhou o seu código-fonte e, posteriormente, em O PHP foi reescrito por Zeev e

32 32 Andi e ganhou um novo significado, PHP: Hypertext Preprocessor, sendo PHP um acrônimo recursivo (BACON, 2007). O PHP trabalha com o HTML incorporado ao seu conteúdo, ou seja, ao invés de criar um programa para gerar e imprimir HTML, você pode escrever HTML com o código PHP embutido para gerar conteúdo dinâmico. Na Figura 8 é exemplificado o uso do PHP e uma página web. Figura 8: Exemplo do uso do PHP Fonte: Elaborado pelo autor. Suas principais características são: É uma linguagem de programação robusta e veloz; O usuário por programar o código PHP de forma estruturada e orientada a objetos; O mesmo código pode ser executado em vários sistemas; Ele possui tipagem dinâmica; O conteúdo escrito em PHP não pode ser visto pelo usuário do sistema, a não ser que a pessoa tenha acesso ao arquivo. Para a ferramenta Econfiável, a linguagem PHP ofereceu um grande suporte para manipulação dos dados necessários e uma integração mais ampla aos aplicativos necessários.

33 CSS CSS é uma linguagem de estilo, que é utilizada para definir a forma que documentos escritos em linguagem de marcação como o HTML serão apresentados. A CSS surgiu em 1994, como resultado dos estudos de Hakon Wium Lie e Bert Bos na área de especificação de documentos para web. Seu objetivo era ser um meio de definição de estilo ou apresentação de documentos HTML. Em 1996, foi lançado a versão CSS Level 1, com uma recomendação da W3C (LIE et. al, 2005). Essa linguagem define através uma série de regras, como um documento HTML deve se apresentar. Dessa forma, separa-se o conteúdo e estrutura das paginas em documentos HTML e sua apresentação visual em CSS. Esta diferenciação trás alguns benefícios significativos, tornando a interface com o usuário mais poderosa e flexível. Na Figura 9 é exibida uma sintaxe de uma regra CSS. Cada regra é composta por um seletor e sua declaração. Figura 9: Sintaxe da regra CSS Bootstrap Fonte: Adaptado pelo autor. O Twitter Bootstrap é um kit de ferramentas front-end gratuita, criado pelos engenheiros do Twitter Mark Otto e Jacob Thornton em 2010, com intuito de oferecer aos seus utilizadores, um desenvolvimento ágil de projetos web (GET BOOSTRAP, 2014). Esse framework contém uma coleção de padrões de CSS, HTML e JavaScript para o desenvolvimento da interface de formulários, tabelas, botões, entre outros componentes de interface. Sua utilização na ferramenta Econfiável é de extrema importância, uma vez que nas atuais versões do Bootstrap oferece suporte a design responsivo, proporcionando um design apresentável e ajustável a resolução.

34 Javascript JavaScript é uma linguagem multiplataforma e orientada a objetos. Essa linguagem é leve, pequena e foi criada com o intuito de aplicar as características do Java em páginas web. O JavaScript foi originalmente desenvolvida por Brendan Eich da Netscape com o nome Mocha, posteriormente teve seu nome alterador para LiveScript e finalmente JavaScript. Essa linguagem foi originalmente implementada para ser interpretada por navegadores e para ser executada diretamente no cliente e não no servidor (JAVASCRIPT, 2013). Na Figura 10 é ilustrado um exemplo do uso de JavaScript. Figura 10: Exemplo do uso de JavaScript Fonte: Elaborado pelo autor. A linguagem possui algumas características; Sua tipagem é fraca e dinâmica, ou seja, suas variáveis podem ser interpretadas de formas diferentes, dependendo do contexto em que se encontram. Possuem funções de primeira classe, ou seja, funções que podem ser passadas como argumentos e funções que podem retornar outras funções como resultado.

35 Jquery jquery é uma leve biblioteca JavaScript de código aberto criada por John Resign, um desenvolvedor com imenso conhecimento em JavaScript, que por suas frustações em escrever códigos exaustivos resolveu criar a biblioteca pensando em simplificar e agilizar os códigos longos e complexos, tornando a linguagem JavaScript acessível não somente aos desenvolvedores experts mais também para os desenvolvedores com pouco conhecimento na linguagem (JQUERY, 2013). O objetivo de jquery é deixar as páginas web mais ricas com dinamismo e interatividade, disponibilizando para os desenvolvedores funcionalidades necessárias aos scripts que desejam incrementar, de forma progressiva e não obstrutiva. Além disso, pode ser usado para adicionar animações e efeitos visuais, acessar e manipular o DOM, prover interatividade, alterar conteúdos e simplificar operações JavaScript. Além disso, o jquery oferece uma ferramenta de requisições chamada AJAX. Essa ferramenta proporciona ao desenvolvedor realizar requisições a uma API por meio de uma URL via GET ou POST, assim trazendo um resultado a ser manipulado pelo sistema. Na Figura 11 é exemplificado o uso AjAX em uma requisição POST. Figura 11: Exemplo de requisição AJAX via POST Fonte: Elaborado pelo autor.

36 36 Na Figura 12 é exemplificado o uso AJAX em uma requisição GET. Figura 12: Exemplo de requisição AJAX via GET Fonte: Elaborado pelo autor. Na ferramenta Econfiável, o framework jquery além de ser utilizado para animações de tela e objetos da interface, é utilizado para realizar requisições AJAX com a API de onde os dados serão extraídos JSON JSON é formato de intercambio de dados em texto plano, ou seja, é um formato de dados leve que proporciona a transferência e serialização de informações via rede, sendo uma grande alternativa ao padrão dominante no mercado hoje, o XML. Como o próprio nome já diz, o JSON é baseado em um subconjunto de JavaScript, porém, pode trabalhar independente de sua linguagem mãe e possui hoje um grande suporte e muitas bibliotecas em todas as mais utilizadas linguagens de programação como Java, C, C++, C#, Ruby, PHP, Objective C, dentre outras. (JSON, 2014) Uma de suas principais características é que ele é de fácil compreensão tanto para seres humanos como para máquinas, além disso, seu processamento também é leve.

37 37 Na Figura 13, o exemplo de estrutura de um object JSON. Figura 13: Exemplo de uma estrutura object em JSON. Fonte: (JSON, 2014) Na Figura 13, um exemplo de array (vetor) em JSON. Figura 14: Exemplo de uma estrutura array em JSON. Fonte: (JSON, 2014) O JSON apresenta uma série de vantagens em relação ao seu atual concorrente o XML, dentre elas: maior facilidade de leitura e compreensão e melhor velocidade no processamento e transmissão dos dados.

38 38 Na Tabela 1 um comparativo de tempo de transmissão de um JSON e um XML. Tabela 1: Comparação de tempo de transmissão entre JSON e XML. JSON XML Numero de Objetos Tempo total (ms) Tempo médio (ms) Fonte: (NURSEITOV, et. al., 2009) O JSON tem fundamental importância na ferramenta Econfiável, ele é o formato de transferência de dados utilizado pela API. Nele estarão contidos os indicadores extraídos pelo crawler, que serão interpretados pelo sistema e exibidos ao usuário Eclipse O Eclipse é um IDE que possui elementos que facilitam o desenvolvimento de um software, tais como editor de código, ferramentas de construção automática e depurador, mais conhecido como debbuger. Além disso, ele é uma plataforma de desenvolvimento multilinguagem, que permite ao usuário, desenvolver várias aplicações de acordo com a linguagem escolhida. Segundo o Wiki Eclipse (2006), uma enciclopédia oficial da ferramenta, o Eclipse Project foi criado pela empresa IBM, que desenvolveu a IDE para integrar todos os seus produtos, apoiada por um consórcio formado com várias empresas de software, como Borland, MERANT, QNX Software Systems, Rational Software, Red Hat, SuSE e TogetherSoft. Assim surgiu o Eclipse, uma IDE open source, com suporte a vários sistemas operacionais, que até o seu ciclo final, contava com cerca de 80 empresas apoiando e financiando o projeto. Por conta desse crescimento, em janeiro de 2014 foi criada a Eclipse Foundation,

39 39 uma organização independente sem fins lucrativos, para agir como administradores da comunidade Eclipse. Consequentemente, essa situação proporcionou uma comunidade transparente, aberta e neutra, não sendo um ambiente competitivo, mas sim colaborativo. A Eclipse Foundation foi um pontapé inicial para criação de vários softwares de grandes empresas baseados nessa plataforma, redução do grande número de ambientes de desenvolvimento incompatíveis oferecidos e aumento da reutilização dos componentes comuns nesses ambientes. De acordo com a Eclipse.org (2013), a Google Inc. faz parte dos membros estratégicos da fundação. Como membro dessa categoria ela vê o Eclipse como uma plataforma estratégica, investindo em desenvolvedores e outros recursos para enriquecer o desenvolvimento da tecnologia Eclipse e tornar esse ambiente mais atrativo para os desenvolvedores colaboradores de seus produtos, com a finalidade de promover um crescimento do seu valor econômico e arrecadar mais usuários. O site The H Open aponta que em setembro de 2012, a Google contribuiu com 20 mil dólares para a fundação adquirir um hardware que melhora a performance de teste do IDE. Apesar de Java ser a linguagem predominante da IDE, o Eclipse fornece um sistema de plug-ins onde pode ser usado para desenvolver aplicações em várias linguagens, como C/C++, Python, Android e inclusive para a linguagem PHP. 2.3 Apache Por se tratar de uma linguagem server-side, o PHP requer um servidor para execução de seu código. Um servidor web é um computador que processa solicitações HTTP, o protocolo padrão da web (GUIFOCA.ORG, 2014). O Apache é um servidor web extremamente configurável, robusto e de alta performance, desenvolvido por uma equipe de voluntários conhecida como Apache Group, buscando criar um servidor web com muitas características e com código fonte disponível gratuitamente via Internet. A Apache Foundation surgiu quando Brian Behlendorf e Cliff Skolnick trabalhavam, quando passaram a controlar "patches" (adição de recursos ou correções) atrás de uma lista de discussão. Dessa lista constituíram sua primeira equipe, que foi constituído inicialmente de

40 40 oito pessoas (GUIFOCA.ORG, 2014). A primeira versão do Apache, a 0.6.2, foi lançada em abril de 1995 quando Brandon Long e Beth Frank retomavam o desenvolvimento de seu servidor web. Posteriormente os dois também se tornaram membros do grupo Apache, compartilhando ideias sobre seus projetos (GUIFOCA.ORG, 2014). O Apache é o servidor web mais conhecido e mais usado atualmente. Os motivos do seu sucesso são excelente performance, segurança, compatibilidade com diversas plataformas e todos os seus recursos (GUIFOCA.ORG, 2014). Algumas de suas principais características (GUIFOCA.ORG, 2014): Suporte a scripts CGI utilizando linguagens como PHP, Perl, ASP, Shell Script, etc; Suporte a autorização de acesso podendo ser especificadas restrições de acesso separadamente para cada endereço, arquivo ou diretório acessado no servidor; Autenticação requerendo um nome de usuário e senha válidos para acesso a alguma página, subdiretório, e arquivo, suportando criptografia Crypto e MD5; Negociação de conteúdo, permitindo a exibição da página web no idioma requisitado pelo navegador; Suporte a tipos MIME; Logs personalizados; Mensagens de erro; Suporte a duas ou mais páginas com endereços e portas diferentes através do mesmo processo ou usar mais de um processo para controlar mais de um endereço. Esse método é chamado virtual hosting; Suporte a IP virtual hosting e name virtual hosting; Suporte a servidor proxy FTP e HTTP, com limite de acesso, caching (todas flexivelmente configuráveis); Suporte a proxy e redirecionamento de URLs para endereços internos; Suporte a criptografia SSL;

41 41 Certificados digitais; Módulos DSO que permite adicionar e remover funcionalidades e recursos sem necessidade de recompilação do programa. Por meio dessas vantagens, viu-se a necessidade de utilização do servidor Apache para execução da ferramenta Econfiável. 2.4 Import.io Import.io é uma plataforma baseada na web, que fornece meios para extração dados de páginas da web, sem escrever qualquer código. Os dados coletados pelos usuários são armazenados em servidores em nuvem fornecidos pela import.io chamados DataSets, e pode ser exportado nos formatos CSV, Excel, Google Sheets ou JSON. Os usuários também podem gerar uma API a partir dos dados que lhes permite integrar facilmente os dados de web ao vivo em seus próprios aplicativos ou de análise de terceiros e software de visualização. Para os usuários mais técnicos, import.io oferece recuperação de dados em tempo real, baseados em REST JSON e APIs de streaming, integração com diversas linguagens de programação comum e ferramentas de manipulação de dados, bem como uma plataforma que permite consultas simultâneas em até 100 fontes de dados Crawler Crawlers ou Web Crawlers são softwares desenvolvidos para realizar uma varredura na Internet de maneira sistemática através de informação vista como relevante a sua função. Eles capturam os textos das páginas e cadastram os links encontrados e assim possibilitam encontrar novas páginas. Os crawlers também são conhecidos como spider ou bot (robô) (POZZEBON, 2014). O processo que um web crawler executa é chamado de web crawling ou spidering. Muitos sites, em particular os motores de busca, usam crawlers para manter uma base de dados atualizada. O Google é um exemplo, a empresa possui seu próprio crawler, um dos mais poderosos do mundo, que é utilizado em sua ferramenta de busca (POZZEBON, 2014).

42 42 Os web crawlers são principalmente utilizados para criar uma cópia de todas as páginas visitadas para um pós-processamento por um motor de busca que irá indexar as páginas baixadas para prover buscas mais rápidas. Crawlers também podem ser usados para tarefas de manutenção automatizadas em um web site, como checar os links ou validar o código HTML. Além disso, pode ser usado para obter tipos específicos de informação das páginas da web, como minerar endereços de (mais comumente para spam) (POZZEBON, 2014). Na Figura 15, é representado à arquitetura de um web crawler. Figura 15: Arquitetura de um web crawler. Fonte: (WAN, 2014). A ferramenta import.io disponibiliza aos usuários de seu sistema como forma de extração de dados, um web crawler que extrai as informações de páginas da Internet, e armazena as informações diretamente em seus DataSets ou podendo salvar os dados em vários formatos disponíveis. O crawler será o responsável pela extração dos indicadores nos sites de reclamação e avaliação, ele disponibilizará para a API o arquivo com os dados extraídos a serem enviados para a ferramenta.

43 API API é um conjunto de rotinas e padrões estabelecidos por um software para utilização de suas funcionalidades por programas aplicativos, isto é, programas que não querem envolver-se em detalhes da implementação do software, mas apenas usar seus serviços. A API é composta por uma série de funções acessíveis somente por programação, e que permitem utilizar características do software menos evidentes ao usuário tradicional. Por meio de solicitações HTTP, programas podem conversar entre si e enviar e receber informações. Dentre as requisições HTTP, as requisições mais usadas são GET e POST: GET é uma requisição simples que é enviada como string anexada a URL Por meio dessa requisição é possível solicitar algo e obter um retorno, como por exemplo, um documento no formato PDF ou uma imagem; O POST é uma solicitação mais poderosa. Com o POST você pode solicitar algo e, ao mesmo tempo, enviar os dados de um formulário para o servidor. Na Figura 16 é ilustrado o funcionamento de uma API. Figura 16: Como funciona uma API Fonte: Adaptado pelo autor. A ferramenta import.io disponibiliza aos usuários do seu sistema uma API onde é possível integrar seu sistema aos seus crawlers e datasets, e por meio dessas requisições, poderem executar a extração de dados e obter o retorno dos dados em formato JSON.

44 44 3 ECONFIÁVEL DESCRIÇÃO DO PROJETO Foi atribuído à ferramenta o nome Econfiável, cuja origem se deve a junção das palavras e-commerce e confiável, passando ao usuário a ideia de segurança ao realizar transações por meio da web. A ferramenta possui layout responsivo para que possa ser acessado de qualquer dispositivo, com diversas resoluções. Na Figura 17 é exemplificada a aplicação do conceito de design responsivo na ferramenta Econfiável. Figura 17: Aplicação do design responsivo na ferramenta Econfiável Fonte: Elaborado pelo autor. Para utilização da ferramenta, é necessário: Dispositivo de qualquer sistema operacional; Acesso à Internet, seja rede Wi-fi ou Internet móvel, oferecida por empresas de telefonia móvel. 3.1 Diagramas Essa seção apresenta os diagramas de caso de uso e diagrama de sequência.

45 Diagrama De Caso De Uso ferramenta. Na Figura 18, o caso de uso gerado descreve o papel do usuário em um acesso a Figura 18: Diagrama de caso de uso da ferramenta Econfiável. Fonte: Elaborado pelo autor Diagrama De Sequência Econfiável. Representado pelas figuras a seguir, os diagramas de sequência da ferramenta Diagrama De Sequência do Modulo Pesquisar Na Figura 19 é representando o diagrama de sequência do modulo Pesquisar da ferramenta Econfiável. Figura 19: Diagrama de sequencia do modulo pesquisar Fonte: Elaborado pelo autor

46 Diagrama De Sequência do Modulo Comparar Na Figura 20 é representando o diagrama de sequência do modulo Comparar da ferramenta Econfiável. Figura 20: Diagrama de sequencia do modulo comparar Fonte: Elaborado pelo autor 3.2 Arquitetura Da Aplicação A arquitetura da aplicação é responsável por descrever a estrutura da aplicação e suas interações. Na Figura 21 é exibida a arquitetura da aplicação da ferramenta Econfiável. Figura 21: Arquitetura da aplicação Econfiável Fonte: Elaborado pelo autor

47 Funcionalidades Essa seção apresenta as funcionalidades de cada módulo da ferramenta e suas principais funções Módulo Pesquisar Na opção Pesquisar, é oferecido ao usuário um módulo onde o mesmo poderá efetuar uma pesquisa sobre uma Loja específica, obtendo os resultados das duas plataformas de reclamação e avaliação, onde são obtidos os indicadores. Na Figura 22 é exibido a pagina do modulo pesquisar da ferramenta Econfiável. Figura 22: Módulo Pesquisar Econfiável Fonte: Elaborado pelo autor

48 48 A. O usuário irá informar à loja que deseja visualizar as informações, conforme é ilustrado na Figura 23; Figura 23: Caso de Teste A no módulo Pesquisar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor

49 49 B. Caso não encontre, o sistema irá retornar uma mensagem informando que a loja não foi encontrada, conforme Figura 24; Figura 24: Caso de Teste B no módulo Pesquisar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor

50 50 C. Se os dados informados forem vazios ou inválidos, a aplicação irá retornar uma mensagem de erro conforme a Figura 25; Figura 25: Caso de Teste C no módulo Pesquisar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor

51 51 D. Caso a loja seja localizada, a mesma irá exibir na tela os indicadores coletados pelo crawler conforme exibido pela Figura 26. Figura 26: Caso de Teste D no modulo Pesquisar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor Modulo Comparar Na opção Comparar, é oferecido ao usuário um módulo onde o mesmo poderá efetuar uma comparação entre duas Lojas de acordo com a plataforma que o mesmo selecionar, obtendo os resultados das duas plataformas selecionadas pelo usuário.

52 52 Na Figura 27 é exibido a pagina do modulo comparar da ferramenta Econfiável. Figura 27: Módulo Comparar Econfiável Fonte: Elaborado pelo autor

53 53 A. O usuário irá informar o nome das Lojas e a plataforma que deseja visualizar as informações conforme a Figura 28; Figura 28: Caso de Teste A no módulo Comparar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor

54 54 B. Caso não encontre, o sistema irá retornar uma mensagem informando que a loja não foi encontrada, conforme é ilustrado na Figura 29; Figura 29: Caso de Teste B no módulo Comparar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor

55 55 C. Se os dados informados forem vazios ou inválidos, a aplicação irá retornar uma mensagem de erro conforme é exibido na Figura 30; Figura 30: Caso de Teste C no módulo Comparar (WEB) Fonte: Elaborado pelo autor

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL 1 ÍNDICE 1. WIX SISTEMAS E O /LOJA VIRTUAL 03 1.1.1 GRANDE VARIEDADE DE LAYOUTS E PERSONALIZAÇÃO 03 1.1.2 SERVIDOR E SSL (CADEADO DE SEGURANÇA) COMPARTILHADOS 04 2. RECURSOS 05 3. NOSSOS PLANOS DE /LOJA

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de TI (GTI034) 06/11/2012 RESUMO Escrever programas de computador,

Leia mais

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI034)

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE

G3 COMMERCE G3 COMMERCE  G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE O aumento da concorrência e necessidade de otimizar o tempo por grande parte dos consumidores acelerou e dinamizou consideravelmente as formas e mecanismos de divulgação e comercialização dos mais diversos

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Linux - Servidor de Redes

Linux - Servidor de Redes Linux - Servidor de Redes Servidor Web Apache Prof. Roberto Amaral WWW Breve histórico Início 1989 CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) precisava de um meio de viabilizar o trabalho cooperativo

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Linha : a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Leve Criado apenas com a funcionalidade que você precisa Barato Do uso gratuito ao licenciamento flexível Eficiente Software fácil de usar e

Leia mais

BANCO DE DADOS PARA WEB

BANCO DE DADOS PARA WEB BANCO DE DADOS PARA WEB PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com INTRODUÇÃO O desenvolvimento de aplicações para Web tem sido uma das maiores tendências no panorama

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE 27/02/2012

SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE 27/02/2012 O servidor Apache é o mais bem sucedido servidor web livre. Foi criado em 1995 por Rob McCool, então funcionário do NCSA (National Center for Supercomputing Applications). Em maio de 2010, o Apache serviu

Leia mais

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002 Introdução E-business é a nova onda nas empresas. A Internet não permite apenas que as empresas façam negócios de maneiras novas, ela praticamente as obriga a fazer isso, por questões de sobrevivência.

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 9: Fundamentos do JQuery Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Capacitar o aluno para o trabalho com o framework JQuery. INTRODUÇÃO JQuery é uma biblioteca

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2012-2 SISTEMA GERENCIADOR DE REVENDAS DE COSMÉTICOS Alunos: BARROS,

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação.

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Desenvolvemos lojas virtuais, websites, portais, intranets, webmails, hotsites, entre outros serviços

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS GUARAPUAVA CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET HELBERT DA ROCHA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO GUARAPUAVA 2013 HELBERT DA ROCHA RELATÓRIO FINAL DE

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

Produto: Webscan Relatório II Programas desenvolvidos, testados e documentados

Produto: Webscan Relatório II Programas desenvolvidos, testados e documentados Produto: Webscan Relatório II Programas desenvolvidos, testados e documentados Sérgio Oliveira Campos Contrato N : 2008/000514 Sumário 1 Introdução 1 2 Bibliotecas Utilizadas 2 2.1 Reconhecimento de Texto

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR Acompanhe o ritmo de aceleração dos ciclos de lançamento. Descubra a automatização com um toque humano EXECUTE UM TESTE 26032015 Com a Borland, tanto analistas de negócios

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

O e-business é a bola da vez A Empresa Portal de Relacionamentos Hospedagem Serviços Projetos Customizados Certificados

O e-business é a bola da vez A Empresa Portal de Relacionamentos Hospedagem Serviços Projetos Customizados Certificados O e-business é a bola da vez A Empresa Portal de Projetos Customizados pág. 4 pág. 5 pág. 7 pág. 8 pág. 12 pág. 13 pág. 14 3 O e-business é a bola da vez A Empresa A cada ano cresce a busca por novas tecnologias

Leia mais

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Por Matheus Orion Principais tecnologias front-end HTML CSS JAVASCRIPT AJAX JQUERY FLASH JAVA APPLET Linguagens que executam no cliente HTML

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Helder da Rocha Criação de Web Sites II Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Copyright 2000 por Helder Lima Santos da Rocha. Todos os direitos reservados. Os direitos

Leia mais