Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos. Samara Wilhelm - DPRS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos. Samara Wilhelm - DPRS"

Transcrição

1 Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos Samara Wilhelm - DPRS A Lei Maria da Penha como Novo Paradigma de Acesso Integral à Justiça Categoria Defensores Públicos

2 A Lei Maria da Penha como Novo Paradigma de Acesso Integral à Justiça A Lei nº , mais conhecida como Lei Maria da Penha, criou mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos parágrafo 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e ainda dispôs sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Contudo, muito mais do que apenas prever e assegurar mecanismos de prevenção e de proteção, ela apresentou um novo paradigma para o acesso integral à justiça, na medida em que destacou os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana e assegurou o acesso à Defensoria Pública. Outrossim, a Lei Maria da Penha assegurou efetivamente às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar as condições para o exercício efetivo e pleno do acesso à justiça, à cidadania, à dignidade, ao respeito, à convivência familiar e comunitária. A nova legislação tratou da violência doméstica e familiar contra a mulher como forma de violação dos direitos humanos, como já vem sido considerado o tema em outras legislações nacionais. A partir daí, indubitavelmente, apresentou-nos um novo modelo de acesso integral à justiça, baseado nos princípios da efetividade e da celeridade processual, os quais, ponderados no caso concreto, possibilitam efetiva fruição dos direitos fundamentais. 2

3 Nessa linha de pensamento, como não poderia deixar de ser, a lei, em seu art. 28, assegurou à mulher vítima de violência doméstica e familiar o acesso à Defensoria Pública, em sede policial e judicial, mediante atendimento específico e humanizado. Ou seja, a Lei Maria da Penha ressaltou a importância do atendimento prestado pela Defensoria Pública, como forma de garantir o efetivo acesso integral à justiça, seguindo a lógica constitucional de instituição essencial à função jurisdicional do Estado 1. Nessa lógica, a partir do imperativo legal, resta às Defensorias Públicas a idealização e a implementação de Núcleos de Atendimento Especializados, o que inclusive foi recomendado na Carta de Belém no VI Congresso Nacional de Defensores Públicos, promovido pela Associação Nacional dos Defensores Públicos ANADEP, em seu item Vale destacar que a atuação do Defensor Público na questão da violência doméstica, muitas vezes, precede até mesmo a atuação do Delegado de Polícia, pois inúmeros são os atendimentos realizados pelos Defensores Públicos nos quais assistidos(as) relatam situação de violência doméstica e familiar. A partir desse primeiro contato, é dever do Defensor prestar as informações corretas e encaminhá-los(as) à autoridade policial para registro de ocorrência. 1 Art A Defensoria Pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art. 5º, LXXIV. 2 Item 11 da Carta de Belém do Pará do VI Congresso Nacional de Defensores Públicos: Os efeitos da Lei Maria da Penha Superando Desafios A lei Maria da Penha surgiu da luta do movimento de mulheres em razão de inúmeros casos de impunidade de crimes de violência doméstica ocorridos no Brasil ao longo da história e para ser efetivada, mister se faz que sejam atendidas as seguintes recomendações: 1) A mulher vítima de violência doméstica deve ter prioridade no atendimento pela Defensoria, mas o agressor também deve ser atendido; 2) A Defensoria Pública deve provocar o Poder Judiciário a instalar Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher em todas as comarcas onde se fizerem necessários; 3) A Defensoria Pública deve colaborar e estimular a capacitação dos profissionais que lidam com a temática (polícia, profissionais da saúde, operadores do direito etc.), contribuindo para a efetiva criação e aprimoramento de equipe multidisciplinar; 5) Instalação de núcleos da Defensoria especializados no atendimento à mulher; 6) Criação de grupos de estudos de violência doméstica para subsidiar o trabalho dos Defensores Públicos em todo o Brasil; 3

4 Depreende-se, então, que é o Defensor Público, na maioria das vezes, quem possibilita o acesso integral à justiça previsto na Lei Maria da Penha, por exemplo. Vale dizer que é o Defensor Público quem proporciona a democratização do acesso integral à justiça, na medida em que se encontra frente a frente com a situação de violência. Quando se fala em acesso integral à justiça, como destacado por J. E. Carreira Alvim (2003), pensa-se logo numa justiça eficaz, acessível aos que precisam dela e em condições de dar uma resposta imediata às demandas; enfim, uma justiça capaz de atender a uma sociedade em constante mudança. A expressão acesso à justiça, registra Cappelletti (1988, p. 8), é reconhecidamente de difícil definição, mas serve para determinar duas finalidades básicas do sistema jurídico, o sistema pelo qual as pessoas podem reivindicar seus direitos e/ou resolver seus litígios sob os auspícios do Estado. Primeiro, o sistema deve ser igualmente acessível a todos; segundo, ele deve produzir resultados que sejam individual e socialmente justos. Ou seja, o acesso à justiça deve vir acompanhado de mecanismos que permitam a efetivação dos direitos, como é o caso da Lei Maria da Penha. Muito mais do que detalhar conceitos de violência e de medidas públicas de prevenção, o legislador assegurou medidas de proteção efetivas para as mulheres em situação de violência doméstica, colocando fim ao antigo sistema do Juizado Especial Criminal, tão criticado em razão de sua ineficácia jurídica e social. Como se sabe, antes do advento da Lei Maria da Penha, a questão da violência doméstica era tratada no âmbito dos Juizados Especiais Criminais, como crime de menor potencial ofensivo. Naquele sistema, era permitida a concessão dos benefícios previstos na 4

5 Lei nº 9.099, como a transação penal e a suspensão condicional do processo, os quais restaram expressamente afastados pela nova legislação. A vítima não dispunha, naquele sistema legal, de efetivas medidas de proteção e nem mesmo permitia-se a decretação da prisão preventiva do agressor. É bem verdade que a vítima, antes da entrada em vigor da Lei Maria da Penha, podia contar com as medidas cautelares de separação de corpos, a fim de resguardar sua integridade física e psíquica. Contudo, vale destacar que tais medidas apenas podiam ser deferidas em processo judicial destinado a tal fim, instruído a partir de um conjunto probatório que amparasse sua proteção. Sendo assim, verifica-se que a nova legislação tratou de atribuir maior celeridade e, na maioria das vezes, efetividade ao procedimento, que se inicia com o registro de ocorrência na Delegacia de Polícia. Outrossim, no sistema anterior, não havia a previsão da necessidade de implementação de medidas de integração entre as diversas esferas do Poder Público e a criação de um sistema de rede multidisciplinar de atendimento às vítimas e aos agressores. A partir disso, verifica-se que, como destacado por Cappelletti anteriormente, é necessário entender o acesso integral à justiça de forma bipartida. Não há falar em inobservância completa do acesso à justiça diante do antigo sistema legal anterior. O acesso à justiça era sim garantido, mas de forma incompleta, ineficaz. A legislação priorizava a pessoa do agressor em detrimento da vítima, a qual se encontrava em situação de risco e fragilidade na relação. 5

6 E isso foi considerado pela Lei Maria da Penha, a qual disciplinou um novo sistema legal e processual para os casos de violência doméstica, apresentando um novo paradigma de acesso integral à justiça e, principalmente, assegurando o acesso das vítimas à Defensoria Pública. Horácio Rodrigues (1994, p. 28) entende que, partindo-se de uma visão axiológica da expressão justiça, compreende-se o acesso à justiça como o acesso a uma determinada ordem de valores e direitos fundamentais para o ser humano. J. E. Carreira Alvim (2003), por sua vez, aduz que três são as correntes que traduzem o acesso à justiça: a assistência judiciária para os pobres, a representação dos direitos difusos e o acesso à representação em juízo, com uma concepção mais ampla de acesso à justiça e um novo enfoque de acesso à justiça. Vale destacar que a primeira corrente viabilizou a Lei nº 1.060, de 5 de fevereiro de 1950, a qual disciplinou a assistência judiciária aos necessitados. Esta lei facilitou de tal forma o acesso à justiça que considera necessitado, para os fins legais, todo aquele cuja situação econômica não lhe permita pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo do sustento próprio ou da família (art. 2º, parágrafo único). E é a Defensoria Pública a instituição incumbida de conferir acesso integral à justiça para a grande maioria da população brasileira, privada das mínimas condições de vida digna. Em especial, no caso da violência doméstica e familiar, às mulheres desprezadas e vitimizadas por seus agressores e por grande parte da sociedade que lhe cobra, agride e culpa pela violência sofrida. 6

7 Pode-se dizer, então, que é a Defensoria Pública que possui o papel de democratizar o acesso integral à justiça, na medida em que representa modelo oficial de assistência jurídica pela Constituição Federal de 1988 e garante efetividade aos direitos fundamentais. Em especial na questão da violência doméstica, percebe-se a necessidade de garantir à vítima o atendimento especializado pela Defensoria Pública, como forma de tornar reais as possibilidades de prevenção e proteção trazidas pela Lei nº Como destacado por Amélia Soares da Rocha (2004), o Direito que se realiza pacificamente é o ideal praticamente inatingível de uma sociedade que se queira justa, a seu turno, exige efetivação de direitos humanos, configuração da verdadeira cidadania, a qual abrange, obrigatoriamente, direitos civis, sociais e políticos; adoção de políticas públicas amplas e eficazes. Justiça não é simplesmente acesso ao Judiciário, o qual por mais estruturado e eficiente que seja,não a promove sozinho. Assim, vislumbra-se a importância da Defensoria Pública como garantidora do acesso à justiça no novo paradigma trazido pela Lei Maria da Penha e em todas as demais áreas do Direito. Dizimar a ignorância é papel essencial da Defensoria Pública. Democratizar o acesso integral à justiça é papel essencial da Defensoria Pública. Promover as medidas de proteção cabíveis em caso de violência doméstica e familiar é papel da Defensoria Pública. Não mais se deve entender a Defensoria Pública, na área criminal, com exclusividade de assistência ao réu, principalmente no que diz respeito à questão da violência doméstica e familiar, uma vez que é a vítima quem figura como parte hipossuficiente. 7

8 Acertadamente, na Carta de Belém do Pará do VI Congresso Nacional de Defensores Públicos promovido pela ANADEP, constou orientação para que se dê prioridade ao atendimento da mulher vítima de violência, em que pese o agressor também deva receber assistência da Defensoria Pública. A Defensoria Pública possui compromisso constitucional com o acesso à justiça, assim como possui papel de transformadora social. A defesa técnica não é a função primeira do Defensor Público; esta é apenas mais uma das suas possibilidades e prerrogativas viabilizadoras da efetividade do acesso integral à justiça ao necessitado. A Defensoria Pública, assim, atua nas três diretrizes delimitadas pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos: na prevenção, na reparação e na promoção de direitos. Em razão disso, o legislador infraconstitucional assegurou o acesso das mulheres vítimas de violência ao atendimento da Defensoria Pública, como forma de garantir-lhes o efetivo acesso às medidas de prevenção e proteção trazidas pela lei. Na mesma linha de pensamento, como ensina Amélia Rocha (2004), a Defensoria Pública não é apenas uma instituição burocrática, mas um agente político do Estado na promoção do acesso à justiça e, por conseqüência, não pode ser vista apenas como um órgão de recepção de ações judiciais, mas como uma instância de pensamento. A importância das inovações trazidas pela Lei nº podem ser traduzidas nos ensinamentos de Pontes de Miranda (1972, p. 689), quando este afirma que a desigualdade econômica não é, de modo nenhum, desigualdade de fato, e sim a resultante, em parte, de desigualdades artificiais, ou desigualdades de fato mais desigualdades econômicas mantidas por leis. O direito que em parte as fez, pode amparar e extinguir as desigualdades econômicas que produziu. Exatamente aí é 8

9 que se passa a grande transformação da época industrial, com a tendência a maior igualdade econômica, que há de começar, como já começou em alguns países, pela atenuação mais ou menos extensa das desigualdades. Ou seja, cabe ao Direito dirimir os conflitos que ele próprio criou e minimizar as desigualdades existentes entre as pessoas, como forma de garantir os direitos fundamentais da pessoa humana e propiciar, através da atuação da Defensoria Pública, o efetivo acesso integral à justiça. José Afonso da Silva (2005, p. 607), por sua vez, entende que a Constituição deu um passo importante, prevendo, em seu art. 134, a Defensoria Pública como instituição essencial à função jurisdicional, incumbida da orientação jurídica e defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art. 5º, LXXIV. A partir daí, vislumbra-se a estreita ligação entre a atividade desenvolvida pela Defensoria Pública e a efetivação dos direitos fundamentais, em especial os constitucionais individuais quando se fala em violência doméstica. O acesso à justiça, no sentir de Alexandre de Moraes (2005, p. 29), constitui garantia uma vez que os direitos representam só por si certos bens, as garantias destinam-se a assegurar a fruição desses bens; os direitos são principais, as garantias acessórias. Como ensina Jorge Miranda (1990, p. 88/89), os direitos declaram-se, as garantias estabelecem-se. Da mesma forma, como bem destacado por Ângelo Giannakos (2008, p. 17), o verdadeiro acesso à Justiça significa buscar os meios efetivos que façam as partes utilizarem plenamente o Estado na solução de todos os seus conflitos, mesmo daquele que até agora não têm sido levados ao Poder Judiciário, pois novos canais se abrem hoje para o Estado prestador de serviços, ligados a uma assistência judiciária entendida no seu mais amplo sentido, e que também sirva aos conflitos 9

10 emergentes, os conflitos próprios da sociedade de massa, nas grandes e nas pequenas causas. Nessa esteira de pensamento, depreende-se a importância da atuação da Defensoria Pública no atendimento jurídico das pessoas menos favorecidas e também a importância da previsão de mecanismos legais que permitam a efetivação dos direitos e a garantia do acesso integral à justiça. Isso é o que ocorre com a nova sistemática trazida pela Lei Maria da Penha que, ao contrário do que estabelecia o sistema anterior, busca propiciar maior proteção e efetivação dos direitos das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. Assim, não há dúvidas de que a Lei nº apresenta-nos um novo paradigma de acesso integral à justiça, na medida em que inovou toda a sistemática legal referente à questão da violência doméstica. Foi a partir da Lei Maria da Penha que a desigualdade e a ineficácia do sistema legal anterior foram extintas. Muito mais do que prever maior punição ao agressor, a nova legislação preocupou-se com a proteção da vítima. E mais. Passou a considerar a violência doméstica um problema social a ser combatido por todas as esferas do Poder Público e das instituições privadas, prevendo a necessidade de organização e de articulação da sociedade para a prevenção da violência. A Defensoria Pública, por sua vez, cumpre sua parte como instituição essencial à função jurisdicional do Estado na medida em que implementa os núcleos de atendimento especializado às mulheres vítimas de violência, cumprindo seu papel de transformadora social e garantidora do acesso integral à justiça. 10

11 Na verdade, muito mais do que prestar assistência jurídica, a Defensoria Pública REALIZA o Direito e permite que o cidadão em situação menos favorecida possa usufruir efetivamente dos direitos e garantias que lhe são assegurados pela Constituição Federal, traduzindo, assim, o verdadeiro modelo de acesso integral à justiça. 11

12 BIBLIOGRAFIA ALVIM, J. E. Carreira. Justiça: acesso e descesso. Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 65, maio Disponível em <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=4078> Acesso em 14 ago BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. LEI nº Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /lei> Acesso em 14 ago BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. LEI nº Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l1060.htm> Acesso em 01 set CAPPELLETTI, Mauro. Acesso à Justiça, trad. de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, GIANNAKOS, Ângelo Maraninchi. Assistência Judiciária no Direito Brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. 4ª ed. Coimbra: Coimbra Editora, MIRANDA, Pontes de. Comentários à Constituição de São Paulo: Revista dos Tribunais, 1972, t. IV/

13 ROCHA, Amélia Soares da. Defensoria Pública e transformação social. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 400, agosto Disponível em <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5572> Acesso em 14 ago SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros,

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica Pág. 01 Pág. 02 Pág. 03 Pág. 04 Pág. 05 Pág. 06 Pág. 07 Pág. 08 As condutas delituosas inseridas no contexto da Violência Doméstica e/ou familiar contra a mulher receberam uma conceituação legal a partir

Leia mais

A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA

A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA Gonçalves, Priscila de Fátima Faculdade de Jaguariúna Resumo: O artigo busca analisar pela perspectiva da Jurimetria a aplicação

Leia mais

SWOT 2009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

SWOT 2009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS SWOT 009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Nº OCOR- % OPORTUNIDADES RÊNCIAS TOTAL OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Informática: Sistema de automação de dados MP; instituição do processo

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431 RESOLUÇÃO N 3431 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Complementar Estadual n 85, de 27 de dezembro de 1999, tendo em vista o contido

Leia mais

A DEFENSORIA PÚBLICA COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS

A DEFENSORIA PÚBLICA COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS A COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS Maicom Alan Fraga Vendruscolo. Defensor Público do Estado de Mato Grosso, pós-graduado em Ciências Penais e atua na Comarca

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES

DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES Vitor Vilela Guglinski Assessor de juiz, especialista em Direito do Consumidor em Juiz de Fora (MG). A 2ª Câmara Especial

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO EMENDA ADITIVA PROJETO DE LEI N.º 2.648, DE 2015

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO EMENDA ADITIVA PROJETO DE LEI N.º 2.648, DE 2015 COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO EMENDA ADITIVA ao PROJETO DE LEI N.º 2.648, DE 2015 Altera dispositivos da Lei n.º 11.416, de 15 de dezembro de 2006, Plano das Carreiras dos Servidores

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS VOL. I Universidade Católica Editora Lisboa, 2013 PREFÁCIO Este livro deveria

Leia mais

O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A E O DIAGNÓSTICO DOS JUIZADOS ESPECIAIS. Comissão dos Juizados Especiais

O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A E O DIAGNÓSTICO DOS JUIZADOS ESPECIAIS. Comissão dos Juizados Especiais O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A E O DIAGNÓSTICO DOS JUIZADOS ESPECIAIS Comissão dos Juizados Especiais Formulário rio dos Juizados Criminais Estatísticas da Justiça Federal e prognósticos de seguros -

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Alice Bianchini Doutora em Direito Penal (PUC-SP). Mestra em Direito (UFSC). Coeditora do Portal

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente

Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução 113/Conanda/2006 Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução 113/Conanda/2006 Centro de Defesa dos Direitos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal I Código PRO0065 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º II Ementário O direito processual penal. A norma: material

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Regimento Interno da Escola da Magistratura Regional Federal da Segunda Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA SEGUNDA REGIÃO, no

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. Mary Ann Kerber Steingraber O IMPACTO E A FINALIDADE SOCIAL DA LEI MARIA DA PENHA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. Mary Ann Kerber Steingraber O IMPACTO E A FINALIDADE SOCIAL DA LEI MARIA DA PENHA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Mary Ann Kerber Steingraber O IMPACTO E A FINALIDADE SOCIAL DA LEI MARIA DA PENHA Projeto de pesquisa aplicado apresentado ao Ministério Público do Estado do Paraná

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA O termo Fazenda Pública significa a presença em juízo de pessoa jurídica de direito público interno, descritas no artigo 41 do Código Civil como sendo a União, os Estados,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PROCESSUAL PENAL Objectivos, métodos de trabalho, programa e bibliografia Ano lectivo de 2015-2016 (1.º Ciclo, 1.º Semestre) Regente: Frederico de Lacerda da Costa Pinto OBJECTIVOS 1. Conhecer

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.939, DE 2015 (Do Sr. Weverton Rocha)

PROJETO DE LEI N.º 1.939, DE 2015 (Do Sr. Weverton Rocha) *C0054196A* C0054196A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.939, DE 2015 (Do Sr. Weverton Rocha) Dispõe sobre a criação e a estruturação do regime jurídico de Advogado de Empresa Estatal Federal e

Leia mais

A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05

A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05 A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05 MARCO AURÉLIO MARTINS ROCHA ADVOGADO, ESPECIALISTA EM DIREITOS REAIS, JUIZ LEIGO A existência de título executivo

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA Nº XX/20XX

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA Nº XX/20XX - Minuta de Recomendação Administrativa - Saúde - Necessidade de o Município, por intermédio do órgão responsável pelo setor de saúde, disponibilizar atendimento especializado a crianças e adolescentes

Leia mais

o que é muito pouco. E o empoderamento das mulheres só se dará com a inserção delas no mercado de trabalho, comentou a coordenadora do Dandara no

o que é muito pouco. E o empoderamento das mulheres só se dará com a inserção delas no mercado de trabalho, comentou a coordenadora do Dandara no NIQUELÂNDIA O Grupo de Mulheres Negras Dandara no Cerrado, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social de Niquelândia, promoveu na cidade, entre a manhã e a tarde de sexta-feira (23),

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014. 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B Turno: Diurno

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014. 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B Turno: Diurno FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014 1. INFORMAÇÕES GERAIS: 1.1 Professor: Décio Antônio Piola 1.2 Departamento: Direito Público 1.3 Disciplina: Direito Processual Penal I 1.4 Série: 3ª

Leia mais

SIMONE COVOLAN CARVALHO PROJETO DE PESQUISA APLICADA: APERFEIÇOAMENTO DE CONHECIMENTOS EM DIREITO E PROCESSO PENAL ASSIS CHATEAUBRIAND 2011

SIMONE COVOLAN CARVALHO PROJETO DE PESQUISA APLICADA: APERFEIÇOAMENTO DE CONHECIMENTOS EM DIREITO E PROCESSO PENAL ASSIS CHATEAUBRIAND 2011 1 SIMONE COVOLAN CARVALHO PROJETO DE PESQUISA APLICADA: APERFEIÇOAMENTO DE CONHECIMENTOS EM DIREITO E PROCESSO PENAL ASSIS CHATEAUBRIAND 2011 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

PRINCÍPIOS. 2. Pautar-se na manutenção da previsão constitucional vigente dos órgãos da área, conforme artigo 144 da Constituição Federal.

PRINCÍPIOS. 2. Pautar-se na manutenção da previsão constitucional vigente dos órgãos da área, conforme artigo 144 da Constituição Federal. PRINCÍPIOS 1. Ser uma política de Estado que proporcione a autonomia administrativa, financeira, orçamentária e funcional das instituições envolvidas, nos três níveis de governo, com descentralização e

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS Bruno Marques da SILVA 1 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise história e objetiva sobre as adaptações que as

Leia mais

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA CAPACITAÇÃO SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA PARA A POLÍCIA MILITAR E CIVIL 1) INTRODUÇÃO: O Ministério Público desempenha um papel fundamental quando colabora com a capacitação

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE NEGOCIAÇÕES TRABALHISTAS E SINDICAIS DIANTE DA NOVA REALIDADE SÓCIO-ECONÔMICA

PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE NEGOCIAÇÕES TRABALHISTAS E SINDICAIS DIANTE DA NOVA REALIDADE SÓCIO-ECONÔMICA PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE NEGOCIAÇÕES TRABALHISTAS E SINDICAIS DIANTE DA NOVA REALIDADE SÓCIO-ECONÔMICA RAÍZES CULTURAIS E HISTÓRICAS DA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Alternativa para solucionar disputas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO Nº 1.22.003.000316/2011-10

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO Nº 1.22.003.000316/2011-10 INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO Nº 1.22.003.000316/2011-10 RECOMENDAÇÃO N 36/2013/PRM/UDI/3 OFÍCIO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República signatário, no cumprimento de suas atribuições

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N, DE 2015.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N, DE 2015. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N, DE 0. Institui a Unidade Nacional de Capacitação do Ministério Público, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

Defensores Públicos. Defensores do Povo.

Defensores Públicos. Defensores do Povo. X CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS CONCURSO DE TESES TEMA: ERRADICAÇÃO DA POBREZA NA ATUAÇÃO DA DEFENSORIA PÚBLICA: AS VÁRIAS DIMENSÕES DO ACESSO À JUSTIÇA. Defensores Públicos. Defensores do

Leia mais

AUTONOMIA GERENCIAL PARA UNIDADES PÚBLICAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DO SUS: OPORTUNIDADE E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO

AUTONOMIA GERENCIAL PARA UNIDADES PÚBLICAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DO SUS: OPORTUNIDADE E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO AUTONOMIA GERENCIAL PARA UNIDADES PÚBLICAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DO SUS: OPORTUNIDADE E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO Subsidio à Reunião de Planejamento do CEBES de 26 e27/fev/2010 Elaborado com base

Leia mais

II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE II CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS TUTELARES E DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SEDESE Belo Horizonte, 25 de Outubro de 2012. ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL INFANTO-JUVENIL Maria de Lurdes Rodrigues Santa

Leia mais

Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo)

Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo) Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo) Por Carlos Eduardo Rios do Amaral - Titular do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

TESE. Moradia e Meio Ambiente: desmanchando consensos em torno do conflito entre o. Direito à Moradia Digna e o Direito ao Meio Ambiente Sustentável

TESE. Moradia e Meio Ambiente: desmanchando consensos em torno do conflito entre o. Direito à Moradia Digna e o Direito ao Meio Ambiente Sustentável TESE Moradia e Meio Ambiente: desmanchando consensos em torno do conflito entre o Direito à Moradia Digna e o Direito ao Meio Ambiente Sustentável Carlos Henrique A. Loureiro Defensor Público Defensoria

Leia mais

A petição inicial veio acompanhada de documentos (movimentos 1.2 a 1.16).

A petição inicial veio acompanhada de documentos (movimentos 1.2 a 1.16). PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL DE CURITIBA 2ª VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE E ADOÇÃO DE CURITIBA - PROJUDI Processo n. 001566-59.2015.8.16.0188

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL Apresentação O curso de Pós-graduação em Direito Processual Civil e Práticas Processuais qualifica o participante para a aprovação em concursos públicos,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Barra do Bugres 2º Vara

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Barra do Bugres 2º Vara Referência: Autos 50595 (1678-63.2011.811.0008) Tratam-se os presentes autos de ação civil pública proposta pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO em desfavor do ESTADO DE MATO GROSSO e do MUNICÍPIO

Leia mais

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o procedimento nº 2009.000.30103, da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Planejamento Institucional, AVISA aos Membros

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 422 - Direitos Individuais, Coletivos e Difusos UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 422 - Direitos Individuais, Coletivos e Difusos UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 0698 Gestão e Apoio Institucional na Área da Justiça Numero de Ações 8 Ações Orçamentárias 1B30 do Plano Nacional de Combate à Pirataria Produto: Ação implementada Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS

EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS Ref. Indicação n. 107/2006 Assunto: projeto de Lei 7.404/96 Autor do Parecer: Membro da Comissão Permanente de Direito Constitucional Dra Leila

Leia mais

A INSTRUMENTALIZAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PRIORIDADE ABSOLUTA DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS AÇÕES INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA

A INSTRUMENTALIZAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PRIORIDADE ABSOLUTA DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS AÇÕES INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA A INSTRUMENTALIZAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PRIORIDADE ABSOLUTA DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS AÇÕES INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA DIEGO VALE DE MEDEIROS DEFENSOR PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO CATEGORIA:

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RECOMENDAÇÃO Nº /2015 Dispõe sobre a atuação do Ministério Público na garantia à Educação Infantil. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo art.

Leia mais

- CARTA DE LIBERDADES SINDICAIS, DE FORTALEZA -

- CARTA DE LIBERDADES SINDICAIS, DE FORTALEZA - - CARTA DE LIBERDADES SINDICAIS, DE FORTALEZA - Movidos pela convicção de que a democracia reclama permanentes aperfeiçoamentos na direção da efetivação da cidadania social e da redução das desigualdades;

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 1. Fontes do Direito Processual do Trabalho A abordagem relativa às fontes processuais trabalhistas é de extrema relevância para a compreensão das

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento, que tem como finalidade, normatizar a estrutura e funcionamento do Núcleo de Prática

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL DOAÇÃO DE LIVROS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL DOAÇÃO DE LIVROS MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL DOAÇÃO DE LIVROS Conforme dispõe a Instrução Normativa MPF/SG/SA nº 001/1993, os bens classificados como IRRECUPERÁVEIS poderão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL DISCIPLINAS MÓDULOS CH 01 ÉTICA NA SEGURANÇA PÚBLICA E PRISIONAL Capacitar o aluno para assumir uma conduta ética e legal no relacionamento profissional e

Leia mais

. PROFESSOR (A) RESPONSÁVEL: ALEXANDRE LEOPOLDINO POLONIATO PLANO DE CURSO

. PROFESSOR (A) RESPONSÁVEL: ALEXANDRE LEOPOLDINO POLONIATO PLANO DE CURSO FIBRA Faculdade do Instituto Brasil Instituto Brasil de Ciência e Tecnologia Ltda I.B.C.T. BR 060/153, km 97, nº 3.400, B. São João, Anápolis/GO, CEP 75.133-050 Fone: (62) 3313-3500 Site: www.fibra.edu.br

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE DE SETEMBRO DE 2013

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE DE SETEMBRO DE 2013 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE DE SETEMBRO DE 2013 Altera os arts. 21, 24 e 144 da Constituição; acrescenta os arts. 143-A, 144-A e 144-B, reestrutura o modelo de segurança pública a partir da

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.958, DE 2015 (Do Sr. Rogério Rosso)

PROJETO DE LEI N.º 1.958, DE 2015 (Do Sr. Rogério Rosso) *C0054198A* C0054198A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.958, DE 2015 (Do Sr. Rogério Rosso) Dispõe sobre a criação de Centros de Ressocialização Juvenil, mediante Regime Diferenciado de Contratações

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado INTRODUÇÃO O Manual de Estágio Supervisionado tem como objetivo orientar o aluno do Curso de Direito da Universidade de Santo Amaro sobre a Prática do Estágio

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

GRUPO 8 - SEGURANÇA e ACESSO À JUSTIÇA

GRUPO 8 - SEGURANÇA e ACESSO À JUSTIÇA GRUPO 8 - SEGURANÇA e ACESSO À JUSTIÇA Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Criar no ministério da justiça um ponto focal especializado nos direitos da pessoa com deficiência e estimular também

Leia mais

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil DIALOGANDO SOBRE JUSTICIA MILITAR BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil 1. De acordo com as leis de seu País, qual

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 2.785, DE 2011 Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, para assegurar a convivência

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA

O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN 2447-3251- Montes Claros, MG-p. 1 O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA BISPO, Bruno Henrique Câmara Acadêmico

Leia mais

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA 2129275$7$0(1723(1$/$23257('($50$'()2*2$ 7(1'Ç1&,$'(75$16)250$d 2'23257('($50$(0&5,0( +(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA Estagiário do Ministério Público Federal atuando na Procuradoria da República

Leia mais

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros;

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros; Fundamento Legal RESOLUÇÃO N 02/CED/2007 O Presidente do Conselho Estadual de Desportos, no uso de suas atribuições regimentais e de acordo com as deliberações da plenária do CED de 9 de julho de 2007,

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 41/04 Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DECRETO Nº 5.224, de 1º de outubro de 2004 Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL. Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015/2020

ESTRATÉGIA NACIONAL. Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015/2020 Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça ESTRATÉGIA NACIONAL Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015/2020 Versão 7 Planejamento Estratégico Nacional do Poder Judiciário 2015-2020

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Estatuto do Idoso Lei 10.741/2003

200 Questões Fundamentadas do Estatuto do Idoso Lei 10.741/2003 1 Para adquirir a apostila de 200 Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br SUMÁRIO Apresentação...3 Questões...4 Respostas...66 Bibliografia...93 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL

JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL DIREITO TRIBUTÁRIO Hélcio Corrêa JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL TAX COURTS IN SOUTHERN BRAZIL 89 Sérgio Ricardo Ferreira Mota RESUMO Aponta o atual estágio de especialização

Leia mais

PARECER. Em suma, as providências postuladas pelo parquet federal referemse aos seguintes fatores:

PARECER. Em suma, as providências postuladas pelo parquet federal referemse aos seguintes fatores: PARECER Proposta de especialização de varas com competência para processar ações relacionadas aos interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos, e de outras providências relacionadas ao bom andamento

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Relatório de atividades 2011-2012 Núcleo de Gênero Pró-Mulher

Relatório de atividades 2011-2012 Núcleo de Gênero Pró-Mulher MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Coordenação dos Núcleos de Direitos Humanos - CNDH Núcleo de Gênero Pró-Mulher Relatório de atividades 2011-2012 Núcleo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO TEORIA GERAL DO PROCESSO (JUR1060) CARGA HORÁRIA 60h/a (teórica) CRÉDITOS 4 2º semestre/2015-1 Professora Mestra Waleska Mendes Cardoso OBJETIVOS DA DISCIPLINA Compreender que a intervenção

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS O Doutor ANDRÉ GUASTI MOTTA, MM Juiz de Direito Titular da Comarca de Boca da

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Carta de São José sobre os direitos das pessoas idosas da América Latina e do Caribe

Carta de São José sobre os direitos das pessoas idosas da América Latina e do Caribe Carta de San José sobre los derechos de las personas mayores de América Latina y el Caribe Carta de São José sobre os direitos das pessoas idosas da América Latina e do Caribe PORTADA 1 2 Carta de São

Leia mais

LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES:

LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES: LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES: Representação ou Substituição?? ROGERIO FAVRETO XXV Convenção Nacional da ANFIP Maceió/AL, 24 de maio de 2015 ABORDAGEM Previsão constitucional Debate

Leia mais

EDITAL Nº 01, de 18 de março de 2015.

EDITAL Nº 01, de 18 de março de 2015. EDITAL Nº 01, de 18 de março de 2015. Convocação de Audiência Pública sobre as providências cabíveis relacionadas às mortes de jovens negros, ocorridas em maio de 2006, no Estado de São Paulo, fato conhecido

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O PROJETO TERCEIRA IDADE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ, QUE REGULAMENTA O DIREITO DE PRIORIDADE PROCESSUAL RESUMO

REFLEXÕES SOBRE O PROJETO TERCEIRA IDADE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ, QUE REGULAMENTA O DIREITO DE PRIORIDADE PROCESSUAL RESUMO REFLEXÕES SOBRE O PROJETO TERCEIRA IDADE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ, QUE REGULAMENTA O DIREITO DE PRIORIDADE PROCESSUAL Alexandre de Oliveira Alcântara i RESUMO O Estatuto do Idoso, Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP.

RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP. RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP. Aprova e torna público o Regulamento do V Concurso Público de Provas e Títulos para ingresso na carreira da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais