Ferramenta ERwin. Origem, Funcionamento e Utilização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferramenta ERwin. Origem, Funcionamento e Utilização"

Transcrição

1 Origem, Funcionamento e Utilização 2010

2 Origem, Funcionamento e Utilização Técnicas e Linguagens para Banco de Dados II Líder: Natalia Cordeiro Costa Alex Cavalcante Pereira André Tavares Lima Diego Alberto Fialho Lima Esteban Kevin Huerta Henrique Baldin Rosa Roaldo de Oliveira Santos Professor: Gilberto Braga de Oliveira 2010

3 Sumário Introdução... 5 CA ERwin Data Modeler... 6 Requisitos... 6 Instalação... 6 Interface... 7 Tipos de Modelos de Dados... 8 Derivação de Modelos de Dados... 9 Formas de Utilização... 9 Recursos Básicos Recursos Extras Conclusão

4 Lista de ilustrações Figura 1: Escolha do local de instalação e dos componentes a serem instalados... 7 Figura 2: Área de trabalho do ERwin Figura 3: Selecionando o tipo do modelo de dados a ser criado... 8 Figura 4: Derivação e sincronização... 9 Figura 5: Modelos no formato de arquivo X Modelos de dados no repositório Figura 6: Bancos de Dados suportados pelo ERwin Figura 7: Exemplo de modelo de dados relacional no ERwin Figura 8A: UDP de tabela. Figura 8B: UDP de modelo Figura 9: Recursos de edição do ERwin Figura 10: Subject Area no ERwin Figura 11: Stored Display no Erwin com duas opções de exibição para o mesmo modelo de dados Figura 12: Complete Compare, Forward Engineer e Reverse Engineer Figura 13: Macro para a geração de script de privilégios nas tabelas do modelo de dados Figura 14: Naming Standards (glossário) Figura 15: Datatype Standards Figura 16: Relatório HTML com mapa de imagens e janelas pop-up com descrição dos itens. 19 4

5 Introdução Neste trabalho-pesquisa, apresentaremos uma ferramenta CASE, bem conceituada, conhecida como ERwin. Ferramentas CASE são auxiliares de banco de dados. Elas facilitam a construção, a documentação, a padronização, a disponibilização e a consulta de dados. Dentre as inúmeras ferramentas CASE existentes, a ferramenta ERwin se apresenta como uma ferramenta de excelente qualidade, que se originou com um objetivo semelhante as demais e teve um desenvolvimento também parecido, porém, possuindo suas peculiaridades. Como peculiaridade, pode mencionar-se as funções especificas que essa ferramenta é uma das únicas a apresentar ou a facilidade em trabalhar com ela. Porém, tais aspectos visam apresentar as diferenças entre ERwin e outras ferramentas. Talvez, mais importante que isso seja entender como a ferramenta funciona e como trabalhar com ela. Por isso, as páginas seguintes fazem um apanhado geral sobre a forma de instalar a ferramenta, os tipos a serem utilizados, como utilizá-los e quais recursos a ferramenta disponibiliza. Para conhecê-la bem é importante conhecer tais aspectos, para um complementar o outro, e assim, adquirir mais facilidade ao trabalhar com um banco de dados. 5

6 CA ERwin Data Modeler Quando lançada, em 1989, a ferramenta era denominada AllFusion ERwin Data Modeler; atualmente comercializada pela CA (Computer Associates), ela é chamada CA ERwin Data Modeler. Consiste em uma ferramenta de software utilizada para a modelagem de dados relacional e dimensional, que permite a construção de modelos de dados lógicos e modelos de dados físicos. Assim como as demais ferramentas de modelagem, surgiu para facilitar ou fornecer apoio a criação dos modelos e desenvolvimento de software. Portanto, pertence ao grupo de programas denominado Ferramentas CASE. ERwin foi lançada numa época em que o mercado era dominado por ferramentas CASE de alto custo e difíceis de usar. ERwin surgiu com baixo custo e caracteriza-se pelo fácil manuseio e rápido entendimento das funcionalidades, sem, no entanto, deixar de disponibilizar recursos avançados para a construção, documentação, padronização, disponibilização e consulta de modelos de dados. Devido à facilidade de utilização e acessibilidade do ERwin, ele cresceu rapidamente para tornar-se líder de mercado e a ferramenta de modelagem de dados mais popular entre os profissionais de TI em todo o mundo. Requisitos Compatível com o sistema operacional Windows (2000 / Millennium Edition / XP / 2003), o ERwin requer recursos de software e hardware relativamente baixos: 85 MB de espaço livre em disco e 256 MB de memória RAM, recomendando-se 512 MB de RAM para modelos de dados grandes. Instalação O processo de instalação do ERwin é extremamente simples e inicia-se com a execução do assistente de instalação (InstallShield Wizard for AllFusion ERwin Data Modeler 4.1.4). Este assistente basicamente solicita ao usuário que informe o local de instalação do software e quais componentes devem ser instalados, como mostra a Figura 1. 6

7 Figura 1: Escolha do local de instalação e dos componentes a serem instalados. As demais janelas do assistente exibem algumas informações, possibilitando ao usuário prosseguir com a instalação (botão Next / Agree), voltar à tela anterior (botão Back) para alterar alguma escolha, ou cancelar o processo (botão Cancel). Após a cópia dos arquivos, é executado o processo de registro (RegisterIT) do ERwin. Caso o registro não seja concluído, a instalação do ERwin ficará como Trial. Interface A interface do ERwin é muito intuitiva, além de apresentar recursos e qualidade gráfica excepcionais. Sua área de trabalho é composta pela janela de visualização do modelo (Stored Display), pelos menus, barras de ferramentas (Toolbars) e pelo painel de navegação (Model Explorer), como mostra a Figura 2. 7

8 Figura 2: Área de trabalho do ERwin. Tipos de Modelos de Dados O ERwin permite ao usuário trabalhar com três tipos de modelos de dados: somente lógico (Logical Only), somente físico (Physical Only) ou lógico e físico (Logical/Physical), que é um modelo que contém o modelo de dados lógico e o modelo de dados físico juntos. O tipo de modelo é selecionado ao criar um novo modelo de dados do ERwin, como mostra a Figura 3. Figura 3: Selecionando o tipo do modelo de dados a ser criado. OBS: antes da versão 4, todo modelo de dados do ERwin tinha, obrigatoriamente, o modelo lógico e o modelo físico juntos, ou seja, o modelo sempre era do tipo Logical/Physical. Devido a isto, no momento da criação do modelo de dados lógico, era necessário especificar o banco de dados para o qual o modelo de dados físico seria criado. Isto era um problema, visto que nesta fase do projeto lógico, na maioria das vezes, ainda não havia sido definido o banco de dados do sistema (esta decisão geralmente é feita no projeto físico). 8

9 Derivação de Modelos de Dados Na nova versão do ERwin, foi incluído o recurso de derivação de modelos que permite gerar um modelo de dados a partir de outro. Por exemplo, a partir de um modelo de dados lógico deriva-se facilmente um modelo de dados físico. Por definição, o modelo lógico sempre é o source (origem ou pai) do outro modelo, mesmo que ele (o modelo lógico) tenha sido derivado a partir de um modelo físico, como mostra a Figura 4. As derivações permitidas no ERwin são: - Derivar um modelo lógico a partir de um modelo lógico, físico ou lógico/físico; - Derivar um modelo físico a partir de um modelo lógico, físico ou lógico/físico; - Derivar um modelo lógico/físico a partir de um modelo lógico. As alterações feitas em qualquer um dos modelos, pode ser replicada para o outro modelo linkado, seja ele source ou não, através do recurso de Sync with Model Source (sincronização entre os modelos de dados). Formas de Utilização Figura 4: Derivação e sincronização.. O ERwin permite que o usuário trabalhe com os modelos de dados de duas maneiras. A primeira delas e a mais convencional trata os modelos de dados como arquivos físicos do Windows, geralmente com a extensão ER1. A outra maneira envolve a ferramenta da CA, chamada de AllFusion Model Manager. O Model Manager, como é conhecido, é o repositório dos modelos de dados do ERwin. Este repositório é criado em um banco de dados, e neste caso, o modelo de dados do ERwin é salvo no formato de registros nas tabelas do Model Manager. A Figura 5 ilustra esta idéia. 9

10 Figura 5: Modelos no formato de arquivo X Modelos de dados no repositório. OBS: o ERwin também trabalha com os modelos de dados no formato XML. Recursos Básicos O ERwin disponibiliza os padrões de notação IDEF1X (Integration DEFinition for Information Modeling) e IE (Information Engineering, mais conhecida como pé-de-galinha ) para os modelos de dados lógicos e as notações IDEF1X, IE e DM (Dimensional Modeling) para os modelos de dados físicos. É compatível com a maioria dos SGBD s, como mostra a Figura 6. Para os bancos de dados não suportados, pode-se utilizar o tipo ODBC / Generic. 10

11 Figura 6: Bancos de Dados suportados pelo ERwin Provê suporte a todos os conceitos de modelagem relacional, tais como entidades fracas, supertipos e subtipos (generalização / especialização), relacionamentos identificadores e não-identificadores, chaves primárias (PK), chaves estrangeiras (FK), etc., como mostrado no exemplo da Figura 7. O ERwin também permite a criação de modelos de dados dimensionais para a construção de Data Warehouse. Além disto, como princípio básico de toda ferramenta case, o ERwin permite a criação de entidades/tabelas, atributos/colunas, índices, regras de verificação (check constraint), especificação do domínio do atributo, do tipo de dados da coluna, bem como da descrição da funcionalidade de qualquer objeto criado no modelo de dados. No modelo de dados físico, permite a criação de objetos de banco de dados, tais como sequences, views, procedures, triggers, tablespaces / filegroups, rollback segments e databases. 11

12 Figura 7: Exemplo de modelo de dados relacional no ERwin. O ERwin possui também um recurso muito flexível e útil para documentar itens definidos pelo usuário. Este recurso, chamado de UDP (User Defined Properties) permite, por e- xemplo, a criação de um campo, ou seja, uma UDP, para se preencher o nome do analista responsável por cada tabela do modelo de dados, ou uma UDP para categorizar a tabela de acordo com o seu volume, como mostra a Figura 8A. É possível criar UDP s em vários níveis, ou seja, podem ser criadas UDP s de tabela, de modelo, de atributo, de relacionamento, de índice, etc. As UDP s podem ser do tipo texto, inteiro, real, data, lista de valores, ou do tipo Command que permite abrir um arquivo externo ao modelo de dados, como mostrado na Figura 8B. Figura 8A: UDP de tabela. Figura 8B: UDP de modelo. Para refinar o modelo de dados, o ERwin disponibiliza recursos de edição, tais como formatação das fontes dos nomes dos objetos, das cores dos objetos, e itens de desenho como linhas, círculos e retângulos (disponíveis na barra de ferramentas Drawing Objects). Alguns destes recursos são mostrados na Figura 9. 12

13 Figura 9: Recursos de edição do ERwin. Para organizar o modelo de dados utiliza-se o recurso de Subject Area, que permite a segmentação do modelo de dados em módulos, de acordo com os critérios definidos pelo modelador. Um modelo de dados do ERwin possui sempre no mínimo uma subject area, denominada Main Subject Area, que contém todas as entidades/tabelas e relacionamentos do modelo. Um modelo pode ter várias subject areas, cada uma com seu conjunto de entidades/tabelas. Por outro lado, uma entidade/tabela pode estar inserida em mais de uma subject area. Isto não implica em duplicá-la no modelo (o ERwin apenas a define como integrante da subject area). A Figura 10 ilustra este recurso. Figura 10: Subject Area no ERwin. O recurso Stored Display permite ao modelador definir quais informações deseja mostrar no modelo de dados, e qual o nível de detalhe a ser exibido. Com este recurso, um mesmo 13

14 modelo de dados pode ser exibido de várias formas. Por exemplo, para uma apresentação de nível gerencial, pode ser criada uma stored display que exibe apenas as entidades e seus relacionamentos; para uma apresentação mais técnica, pode ser criada uma stored display que exibe as entidades e seus atributos, com a indicação do tipo de dados, chaves primárias, chaves estrangeiras e chaves secundárias (AK e IE), como mostra o exemplo da Figura 11. Figura 11: Stored Display no Erwin com duas opções de exibição para o mesmo modelo de dados. Como toda ferramenta case que se preze, o ERwin disponibiliza alguns recursos úteis para auxiliar as atividades diárias de modelagem de dados, automatizando algumas tarefas e agilizando outras. O primeiro deles, denominado Forward Engineer / Schema Generation, permite a geração dos scripts de criação dos objetos existentes no modelo de dados físico. Permite ainda selecionar quais objetos ou tipos de objetos (tabelas, views, sequences, etc) deseja-se gerar, podendo-se salvar o script ou disparar a criação diretamente no banco de dados. O processo inverso também é possível no ERwin. Com o recurso de Engenharia Reversa (Reverse Engineer) os objetos existentes em um banco de dados ou script podem ser importados para um modelo de dados. Para atualizar um modelo de dados com base em outro modelo, script ou até mesmo a partir de um banco de dados, pode-se utilizar o recurso Complete Compare. Este recurso realiza as comparações e disponibiliza um relatório com as diferenças existentes entre os itens comparados, possibilitando a atualização automática das opções desejadas. A Figura 12 ilustra a idéia destes recursos. 14

15 Figura 12: Complete Compare, Forward Engineer e Reverse Engineer. A utilização de macros permite automatização de tarefas. Como exemplo, pode-se construir uma macro que para cada tabela do modelo de dados, gera um script adicional com as permissões a serem concedidas no(s) objeto(s) criado(s). A Figura 13 exibe uma macro criada e seu resultado quando da geração do script. 15

16 Figura 13: Macro para a geração de script de privilégios nas tabelas do modelo de dados. Recursos Extras Além dos recursos básicos de uma ferramenta case tradicional, o ERwin disponibiliza alguns recursos extras que agregam qualidade e padronização aos modelos de dados. Um deles, o recurso Naming Standards, permite a criação de um glossário de termos que pode ser utilizado como forma de consulta, checagem, conversão e padronização dos termos que compõem os nomes dos objetos. Por exemplo, pode-se criar um glossário de termos utilizados nos nomes das colunas das tabelas. Neste glossário, a palavra CODIGO será sempre abreviada para COD, a palavra DESCRICAO abreviada como DESC e assim por diante. Deste modo, quando o modelo físico for gerado a partir do modelo lógico (onde as palavras que compõem o nome dos atributos das entidades estão escritas por extenso), o ERwin pode ser configurado para consultar este glossário e aplicar as devidas abreviações nas palavras que irão compor os nomes das colunas das tabelas. A Figura 14 mostra um exemplo de glossário. 16

17 Figura 14: Naming Standards (glossário). Já o Datatype Standards provê o mapeamento dos domínios do modelo lógico em tipos de dados lógicos, que não necessariamente são específicos para algum banco de dados. O conceito de domínio do atributo refere-se à natureza dos dados deste atributo (string, data, numérico, dado formatado, como por exemplo CPF, etc.). O Datatype Standard também realiza o mapeamento dos tipos de dados lógico para os tipos de dados físico, de acordo com o SGBD selecionado, além de permitir a construção de um de-para dos tipos de dados físicos de um SGBD para outro. Por exemplo, o domínio DATETIME pode ser mapeado para o tipo de dados lógico DATETIME HOUR TO HOUR, que por conseguinte será mapeado no SGBD SQL Server 2000 para o tipo de dados físico DATETIME e no SGBD Oracle 9i para DATE. A Figura 15 mostra um exemplo de mapeamento criado. 17

18 Figura 15: Datatype Standards. Se tratando de uma ferramenta bem completa como o ERwin, não poderiam faltar os recursos para a disponibilização e consulta dos modelos de dados. Para isto, existem vários tipos de relatórios, com destaque para os relatórios HTML construídos através do Report Builder, como mostra o exemplo na Figura 16. Também é possível construir relatórios textos (.txt,.csv, etc) com o recurso Data Browser 18

19 Figura 16: Relatório HTML com mapa de imagens e janelas pop-up com descrição dos itens. Para finalizar, grande parte das configurações mostradas podem ser salvas em um modelo de dados padrão (lógico, físico ou lógico/físico) denominado de ERwin Template, cujo arquivo possui a extensão ERT. A utilização de templates aumenta a produtividade e garante, de certa forma, um nível de padronização na construção do modelo de dados. 19

20 Conclusão Neste trabalho-pesquisa deparamo-nos com uma ferramenta em que nenhum integrante do grupo conhecia, o ERwin, cujo verdadeiro nome é AllFusion ERwin Data Modeler. Uma ferramenta CASE, ou seja, uma ferramenta auxiliadora de banco de dados, que serve para a construção, a documentação, a padronização, a disponibilização de consulta aos dados. Pensávamos que era uma ferramenta "pesada" e de difícil manuseio, porém, através destas pesquisas, vimos que é o contrário: uma ferramenta leve, de fácil manuseio e de resultados excelentes. Para quem conhecia a ferramenta, esperamos que este trabalho-pesquisa tenha adicionado mais informações acerca dela, para quem não a conhecia, esperamos que tenham entendido o seu funcionamento e utilização, e que tenham se interessado pela ferramenta. Esperamos que tenham gostado do trabalho-pesquisa e que tenham adquirido novos conhecimentos ou aprimorado os já existentes. 20

21 Referências Artigo - AllFusion ERwin Data Modeler Overview. São Paulo, Disponível em <http://www.devmedia.com.br> Acesso em 20 de novembro de 2010; 21

22

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS

AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS Manual de Instalação Tempro Software StavTISS Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3. INSTALAÇÃO... 4 4.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Gerenciador de Imóveis

Gerenciador de Imóveis Gerenciador de Imóveis O Corretor Top é o mais completo sistema de gestão de imóveis do mercado, onde corretores terão acesso à agenda, cadastro de imóveis, carteira de clientes, atendimento, dentre muitas

Leia mais

atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher

atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher Desenvolvido por: Clarice Mello, Denis Marques Campos Dezembro de 2014 Sumario 1. Objetivo deste manual...3 2. Requisitos para instalação...3

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 9

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 9 ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 9 Índice 1. Modelagem de Dados - Continuação...3 1.1. Ferramentas CASE... 3 1.1.1. Definição... 3 1.1.2. A ferramenta CASE ErWin... 3 2 1. MODELAGEM DE DADOS - CONTINUAÇÃO

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

Guia de Instalação do SARA Portal Web TOTVS [06/2015]

Guia de Instalação do SARA Portal Web TOTVS [06/2015] Guia de Instalação do SARA Portal Web TOTVS [06/2015] Sumário 1. Instalação do Portal WEB SARA... 3 2. Instalação do Protheus... 4 3. Atualização do Binário do Protheus... 5 4. Atualização do RPO... 6

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Manual de Instalação do GRAVADOR DE DVD USB2.0

Manual de Instalação do GRAVADOR DE DVD USB2.0 Manual de Instalação do GRAVADOR DE DVD USB2.0 Conteúdo Versão2.1 Capítulo1 : Instalação do GRAVADOR DE 2 1.1 Conteúdo da Embalagem...2 1.2 Exigências do Sistema...2 1.3 Instalação do Hardware...2 Capítulo

Leia mais

Manual de Operação do Oracle Designer Projeto PRINT

Manual de Operação do Oracle Designer Projeto PRINT Manual de Operação do Oracle Designer Projeto PRINT Versão 1.0 05 de abril de 2010 Sumário Introdução...3 Referências...4 Considerações Inicias...5 1 Acesso a aplicação....6 2. Case...7 3. Atividades...8

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Manual STCP Web Admin 27/07/2009, Riversoft Integração e Desenvolvimento

Manual STCP Web Admin 27/07/2009, Riversoft Integração e Desenvolvimento STCP OFTP Web Admin Versão 4.0.0 Riversoft Integração e Desenvolvimento de Software Ltda Av.Dr.Delfim Moreira, 537 Centro Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais CEP 37540 000 Tel/Fax: 35 3471 0282 E-mail:

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR Julho/2007 Ministério da saúde SUMÁRIO Módulo 1. Instalação... 4 Introdução... 4 Configurações de equipamentos para instalação

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

Manual de Utilização Utilização do PDFSam

Manual de Utilização Utilização do PDFSam Manual de Utilização Utilização do PDFSam ASPE/RO Conteúdo desenvolvido por: Ângelo Mendonça Neto Download e Instalação O PDFSam é uma ferramenta de manipulação de arquivos PDF, é possível fazer inúmeras

Leia mais

Visualize o poder de seus dados

Visualize o poder de seus dados Visualize o poder de seus dados 10 principais razões para escolher CA ERwin Modeling Introdução CA ERwin tem sido o nome de confiança em modelagem de dados há mais de vinte anos. Há uma boa razão pela

Leia mais

NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR

NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR NOVO PROCESSO DE CENTRO DE CUSTO DO WINTHOR Todos os direitos reservados. PC Sistemas 1.0 - Data: 28/08/2012 Página 1 de 47 Sumário Apresentação... 4 1. PROCEDIMENTOS INICIAIS... 5 1.1. Realizar Atualizações...

Leia mais

Diferenças da versão 6.3 para a 6.4

Diferenças da versão 6.3 para a 6.4 Release Notes Diferenças da versão 6.3 para a 6.4 Melhorias Comuns ao Sistema Help O Help Online foi remodelado e agora é possível acessar os manuais de cada módulo diretamente do sistema. Mapeamento de

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais

TUTORIAL SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP

TUTORIAL SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP TUTORIAL SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP Abaixe o assistente no site: www.virtualbox.org Assistente de Instalação da Virtual Box Bem vindo ao Assistente de Instalação Virtual Box, clique em NEXT Esta é

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 13/11/2009 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Passos para a instalação do SQL Server O MS SQL Server Conceitos relacionais Bancos de dados

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS LÍCIO SÉRGIO FERRAZ DE BRITO MARCELO AUGUSTO SANTOS TURINE

Leia mais

SUMÁRIO. Cursos STE SUMÁRIO... 1

SUMÁRIO. Cursos STE SUMÁRIO... 1 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 STEGEM - INTERFACE... 2 1 Introdução... 2 2 A interface... 2 2.1 Painel de Navegação... 3 2.2 Barra de Menus em forma de Ribbon... 4 2.3 Painel de Trabalho... 5 2.4 Barra de Status...

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.2 Versão 4.20-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g

Banco de Dados Oracle 10g 2010 Banco de Dados II Líder: George Petz... 19 Bruno Aparecido Pereira... 07 Gustavo da Silva Oliveira... 24 Luis Felipe Martins Alarcon... 32 Rubens Gondek... 41 Professor: Gilberto Braga de Oliveira

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4 REFLEXÃO 4 Módulos 0776, 0780, 0781, 0786 e 0787 1/10 8-04-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0776 - Sistema de informação da empresa, 0780 - Aplicações

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas SIGMA Sistema de Gerenciamento de Manutenção CMMS - Sistema Computadorizado de Gestão da Manutenção Estrutura Base de Dados Plataforma O SIGMA é um software utilizado na plataforma

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

TeamViewer 9 Manual Management Console

TeamViewer 9 Manual Management Console TeamViewer 9 Manual Management Console Rev 9.2-07/2014 TeamViewer GmbH Jahnstraße 30 D-73037 Göppingen www.teamviewer.com Sumário 1 Sobre o TeamViewer Management Console... 4 1.1 Sobre o Management Console...

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM Visão Geral Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM 2.0 Desafios na Simulação de Engenharia PAGE 2? Cenário 1: Colaboração Cenário 2: Reutilização Vários analistas trabalhando no mesmo Projeto

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

BANCO DE DADOS. Ferramenta ERWin Parte 1. Introdução. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 9. Formas de trabalho. Formas de trabalho

BANCO DE DADOS. Ferramenta ERWin Parte 1. Introdução. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 9. Formas de trabalho. Formas de trabalho Banco de Dados / 1 Banco de Dados / 2 Introdução Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 9 Ferramenta ERWin Parte 1 Ferramenta da empresa Logic Works: Suporta várias metodologias Vamos usar

Leia mais

Como Usar o DriverMax

Como Usar o DriverMax Como Usar o DriverMax Este programa é uma mão na roda para proteger os drivers dos componentes de um computador. Veja porquê. O DriverMax é uma ferramenta que faz cópias de segurança de todos os drivers

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft Manual de Instalação e Configuração MG-Soft V 1.5.3 www.pinaculo.com.br (51)3541-0700 Sumário Apresentação... 3 1. Instalando o MG-Soft Server... 3 1.1. Liberar as portas do Firewall... 3 1.2. Autorun...

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Analysis Services. Manual Básico

Analysis Services. Manual Básico Analysis Services Manual Básico Construindo um Banco de Dados OLAP... 2 Criando a origem de dados... 3 Definindo as dimensões... 5 Níveis de dimensão e membros... 8 Construindo o cubo... 11 Tabela de fatos...12

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 001/2015. Objeto: FERRAMENTA DE MODELAGEM, DOCUMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE DADOS

CONSULTA PÚBLICA Nº 001/2015. Objeto: FERRAMENTA DE MODELAGEM, DOCUMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE DADOS CONSULTA PÚBLICA Nº 001/2015 FERRAMENTA DE MODELAGEM, DOCUMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE DADOS ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto:

Leia mais

splinker Manual de instalação, configuração e uso

splinker Manual de instalação, configuração e uso splinker Manual de instalação, configuração e uso Índice ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. SPLINKER E A REDE SPECIESLINK... 3 1.2. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO E EXECUÇÃO DO SPLINKER... 3 2. INSTALAÇÃO...

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO AOS SISTEMAS. 05 3 DOCUMENTOS MANUTENÇÃO. 08 08 3.2 10 3.3 OCR. 11 4 REGISTRO DE DOCUMENTOS. 13 5 GERANDO DOCUMENTOS

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO AOS SISTEMAS. 05 3 DOCUMENTOS MANUTENÇÃO. 08 08 3.2 10 3.3 OCR. 11 4 REGISTRO DE DOCUMENTOS. 13 5 GERANDO DOCUMENTOS ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 04 2 ACESSO AOS SISTEMAS... 05 3 DOCUMENTOS MANUTENÇÃO... 08 3.1Tipos de Documentos... 08 3.2 Relações entre Documentos... 10 3.3 OCR... 11 4 REGISTRO DE DOCUMENTOS... 13 5 GERANDO

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

NFS-e AGL Versão X.X.0.26

NFS-e AGL Versão X.X.0.26 NFS-e AGL Versão X.X.0.26 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One e diversas prefeituras para emissão de notas fiscais de serviços

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas Funções Básicas Fevereiro 2015 - 1) Selecionar o menu Portfólio > Projetos, clique para janela projetos abrir. 2) Selecione botão incluir para abrir um projeto. Preencha os campos obrigatórios nos Dados

Leia mais

Impressão do Manual do Utilizador

Impressão do Manual do Utilizador bibliopac Interface WWW Versão 2003 Guia de instalação rápida Junho 2003 ATENÇÃO! Impressão do Manual do Utilizador No CD de instalação está disponível o ficheiro Interface WWW Manual.PDF. Este manual,

Leia mais

MANUAL DO SOFTWARE. EPmfd III. Standard. Rev. Nro. Notas. Data da cópia Impresso por EPSON PAULISTA LTDA. SEIKO EPSON CORPORATION

MANUAL DO SOFTWARE. EPmfd III. Standard. Rev. Nro. Notas. Data da cópia Impresso por EPSON PAULISTA LTDA. SEIKO EPSON CORPORATION MANUAL DO SOFTWARE EPmfd III Rev. Nro. Notas Standard K Data da cópia Impresso por EPSON PAULISTA LTDA. SEIKO EPSON CORPORATION 1 Ver.: 3.2.0 Data: 03/01/2012 Pg.: 2/33 Índice Controle de Revisões... 3

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

"Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014

Manual de Acesso ao Moodle - Discente 2014 "Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014 Para acessar a plataforma, acesse: http://www.fem.com.br/moodle. A página inicial da plataforma é a que segue abaixo: Para fazer o login, clique no link Acesso

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico MANUAL DE INSTALAÇÃO LSoft Ponto Eletrônico SUPORTE TÉCNICO AO USUÁRIO: Atendimento On-line: www.lsoft.com.br E-Mail: suporte@lsoft.com.br (37) 3237-8900 Versão 1.0-2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Microsoft Analysis Service

Microsoft Analysis Service Microsoft Analysis Service Neste capítulo você verá: BI Development Studio Analysis Services e Cubos Microsoft Analysis Services é um conjunto de serviços que são usados para gerenciar os dados que são

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Moodlerooms Instructor Essentials

Moodlerooms Instructor Essentials Moodlerooms Instructor Essentials [Type the company address] 2015 Moodlerooms Índice VISÃO GERAL DO BOLETIM JOULE... 4 Benefícios do Boletim Joule... 4 Documentação do professor no Boletim Joule... 4 Acesso

Leia mais

Manual de Instalação GBS-EGIS

Manual de Instalação GBS-EGIS INDÍCE Capítulo Página Microsoft SQL Server 2000 03 Instalação EGIS - SERVIDOR 04 Instalação EGIS - CLIENT 20 Acessando e Configurando o Sistema 24 Instalação do Cliente do MS SQL Server 2000 25 Configurações

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-mf Ricoh Versão do produto: 4..3 Autor: Barbara Vieira Souza Versão do documento: 1.0 Versão do template: Data: 08/1/011 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso Este Manual destina-se ao usuário do sistema Smart Manager. É proibida a duplicação ou reprodução, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou qualquer meio, sem

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 Manual do Usuário Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 1. CONFIGURAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA ACESSO... 4 2 GUIAS... 11 2.1 DIGITANDO AS GUIAS... 11 2.2 SALVANDO GUIAS... 12 2.3 FINALIZANDO UMA GUIA... 13

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Manual do Usuário DENATRAN

Manual do Usuário DENATRAN Manual do Usuário DENATRAN Confidencial Portal SISCSV - 2007 Página 1 Índice Analítico 1. INTRODUÇÃO 5 2. ACESSANDO O SISCSV 2.0 6 2.1 Configurando o Bloqueador de Pop-Ups 6 3. AUTENTICAÇÃO DO USUÁRIO

Leia mais

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Produção de Páginas Web para Professores de Matemática Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais