Manual de Orientações de Regularização de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica CND DE OBRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Orientações de Regularização de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica CND DE OBRAS"

Transcrição

1 Manual de Orientações de Regularização de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica CND DE OBRAS 1

2 2

3 Manual de Orientações de Regularização de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica CND DE OBRAS

4 4

5 ÍNDICE Introdução Formas de Regularização da Obra Quem Pode Solicitar Regularização da Obra? Informações Relevantes Responsáveis pela Matrícula no CEI Observações Referentes à Documentação Apresentada Regularização por Contabilidade Regularização por Aferição Regularização por Decadência Inconsistência na Documentação Apresentada Do Aviso para Regularização da Obra (ARO) Documentos Anexados ao Pedido de Regularização da Obra SeqUência de Conferência da Documentação...21 Planilha de Prestadores de Serviços Prova de Propriedade/Posse

6

7 INTRODUÇÃO A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP, em parceria com a Receita Federal do Brasil RFB, disponibilizou às empresas associadas o protocolo dos pedidos de Regularização de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica, conhecido como CND de Obra, com o objetivo de auxiliar nos trâmites necessários para deferimento dos pedidos, orientações diversas, prazos, procedimentos e viabilizar a análise do pedido no prazo estipulado, sem pendências. Segundo a legislação previdenciária, ao se edificar uma construção nova, demolição, reforma ou ampliação, instalação ou qualquer outra benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo do imóvel, é obrigatório o recolhimento de contribuições previdenciárias para a Seguridade Social. Para melhor entendimento é interessante a análise da legislação pertinente sobre a Regularização de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica, qual seja: Instrução Normativa RFB 971, de 13/11/2003, em seus Artigos 322 a Para Regularização de Obra de Construção Civil, o proprietário do imóvel, o dono da obra, o incorporador, a pessoa jurídica ou física ou a empresa construtora contratada para executar a obra mediante empreitada total deverá informar à Receita Federal do Brasil os dados do responsável pela obra e os dados relativos à obra, mediante apresentação da Declaração e Informação sobre Obra DISO. Compete à Unidade da Receita Federal do Brasil da jurisdição do estabelecimento-matriz do responsável pela matrícula a expedição da Certidão Negativa de Débitos CND ou da Certidão Positiva de Débitos com Efeitos de Negativa CPD-EN de Obra de Construção Civil de Pessoa Jurídica. Relacionamos a seguir algumas informações relevantes que devem ser observadas ao solicitar o pedido de Regularização de Obra de Construção Civil e o procedimento para protocolo da documentação necessária. Pedimos total atenção por parte das empresas e a consciência de que, sendo este protocolado sem pendências ou falhas, isso evitará prazos mais extensos e sanções.

8 FORMAS DE REGULARIZAÇÃO DA OBRA A obra pode ser regularizada da seguinte forma: I) Por CONTABILIDADE, para as empresas que possuem contabilidade regular durante a execução da obra e quando a execução total da obra estiver abrangida pela contabilidade, ou seja, nos casos em que não ocorreu alteração do responsável pela mão de obra durante a execução da obra. Pode ser requerida pelo proprietário, dono da obra ou incorporador, nos casos de obra própria ou com contrato de empreitada parcial; e, nos casos de empreitada total, poderá ser requerida pela construtora. II) Por AFERIÇÃO, quando a empresa não dispõe de contabilidade regular no período de regularização da obra. Pode ser requerida pelo proprietário, dono da obra, incorporador, no caso de obra própria ou contratada por empreitada parcial, e pela empresa construtora, quando contratada por empreitada total. Obs.: A substituição de responsável pela mão de obra acarretará o fechamento da obra por aferição indireta. Para que isso não ocorra, deverá ser solicitada junto à RFB a regularização de obra inacabada. III) Por DECADÊNCIA, quando o término da obra ocorreu em período abrangido pela decadência (mais de 5 anos). Pode ser requerida por proprietário, dono da obra, incorporador e construtora, no caso de empreitada total. 8

9 QUEM PODE SOLICITAR A REGULARIZAÇÃO DA OBRA? No caso de Contrato de Empreitada TOTAL, quando celebrado exclusivamente com uma única empresa construtora, devidamente habilitada no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo CREA, que assume a responsabilidade pela execução de todos os serviços necessários para o andamento da obra, com ou sem fornecimento de material. Nesse caso, somente a construtora contratada poderá solicitar a regularização da obra. No caso de Contrato de Empreitada PARCIAL, quando celebrado com empresa que não é construtora ou empresa construtora habilitada no CREA contratada apenas para alguns serviços. Nesse caso, a regularização da obra será realizada pelo proprietário ou dono da obra. No caso de Contrato de Administração, aquele em que a empresa contratada somente administra a obra de construção e recebe como pagamento uma porcentagem sobre o total das despesas (taxa de administração), a regularização da obra será realizada pelo proprietário, pois o contrato de administração não tem mão de obra. Obs.: Descaracteriza-se o Contrato de Administração se houver a aplicação de mão de obra própria. Proprietário do imóvel é a pessoa física ou jurídica detentora legal da titularidade do imóvel, comprovada pela escritura. Dono da obra é a pessoa física ou jurídica, não proprietária do imóvel, mas investida em sua posse, na qualidade de promitente comprador, locatário, arrendatário, usufrutuário, que executa a obra de construção civil por meio de terceiros. Nesse caso, se a solicitação for por empreitada total, a regularização será feita pela construtora; mas, se ocorrer por empreitada parcial ou por várias empresas contratadas, a regularização será solicitada somente pelo proprietário. A incorporação imobiliária é a atividade exercida com o intuito de promover e realizar a construção de edificações, composta por unidade autônoma, para alienação total ou parcial, antes ou durante a construção, conforme a Lei nº 4591/1964. A incorporação será comprovada através da cópia autenticada do Memorial de Incorporação, que deverá estar 9

10 registrado no Cartório de Registro de Imóveis. Deste modo, adquire-se o direito de regularizar a obra, quando esta for realizada com mão de obra própria ou contratos de empreitada parcial. Quando o contratante for órgão público, não haverá apresentação de alvará, Habite-se, projeto e prova de propriedade, os quais serão substituídos pelo termo de início e pelo termo de recebimento, a serem emitidos pelo setor de engenharia do órgão público, e pelo contrato de prestação de serviços. Deve-se lembrar que: Quando uma empresa construtora solicita a regularização da obra sem ser a proprietária, dona da obra ou incorporadora, ela terá que comprovar que foi contratada por meio de contrato de empreitada total. Comprovada a empreitada total, a construtora passa a ser responsável pela matrícula no CEI, pela mão de obra, pela obra e somente a construtora poderá requerer regularização da obra pela contabilidade. 10

11 INFORMAÇÕES RELEVANTES Empresa construtora é a pessoa jurídica legalmente constituída, cujo objeto social é a indústria da construção civil com registro no CREA. Cadastro Específico de Inscrição CEI é o número atribuído para fins de cadastro da obra e utilizado na situação do Artigo 18º da IN/RFB 971/2009. O CEI não tem Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CNPJ. Mão de obra própria ocorre quando a contratação da mão de obra é feita diretamente pelo proprietário, dono da obra ou incorporador. Obra de construção civil é a construção, a demolição, a reforma, a ampliação ou qualquer outra benfeitoria agregada ao solo ou subsolo. Obra de regularização é aquela para a qual já existe CND emitida, devidamente averbada no Cartório de Registro de Imóveis ou que tenha sido encerrada em período abrangido pela decadência (mais de 5 anos); neste caso, será registrada apenas a parte acrescida. 11

12 RESPONSÁVEIS PELA MATRÍCULA NO CEI O cadastro da obra, através da matrícula no CEI, deverá ser providenciado pelo responsável até 30 dias antes do início da obra. A CEI ficará vinculada à raiz do CNPJ do responsável e a obra será tratada como um estabelecimento temporário da pessoa jurídica (a solicitação pode ser feita pela internet). O responsável pela CEI será o proprietário, dono da obra ou incorporador, quando se tratar de obra própria ou com contrato de empreitada parcial. O responsável pela CEI será a empresa construtora, quando o contrato for de empreitada total. O responsável pela CEI será a empresa líder, quando se tratar de consórcio de empresas e o contrato for de empreitada total. 12

13 OBSERVAÇÕES REFERENTES À DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA Documentação básica DISO, anexo V da IN/RFB/971/2009, assinada pelo responsável da empresa. Planilha de Prestadores de Serviços, Anexo VI da IN/RFB/971/2009, caso exista mão de obra terceirizada, assinada pelo responsável pela empresa. Comprovante da propriedade do imóvel através da certidão da matrícula fornecida pelo Cartório de Registro de Imóveis, escritura de venda e compra (cópia autenticada). Fica dispensada a apresentação de tais documentos quando o contratante for órgão público ou obra contratada por empreitada total. Memorial de incorporação registrado no Cartório de Registro de Imóveis, no caso de obra por incorporadora (cópia autenticada). Contrato de locação para comprovar a posse, quando for o caso (cópia autenticada). Última alteração contratual para comprovar a assinatura do responsável pela empresa. No caso de sociedade anônima, são nescessários estatuto social, ata de eleição da diretoria e cópia do documento de identidade do diretor (cópia autenticada). Prévia da CND para comprovar a inexistência de impedimentos para a emissão da CND (Relatório de Restrições Previdenciárias). Procuração, se for o caso, com firma reconhecida e cópia autenticada do documento de identidade do procurador. Quando se tratar de edificação, deve-se apresentar alvará, Habite-se ou auto de conclusão (cópia autenticada). Cópia do projeto aprovado, somente a planta baixa, também deve ser apresentada. Quando o contratante for órgão público, apresentar cópia autenticada dos termos de início e recebimento da obra. 13

14 Quando se tratar de reforma sem ampliação de área construída, obras de urbanização ou obras não sujeitas à alvará/habite-se, devese apresentar contrato de prestação de serviços. Cópia autenticada do contrato de constituição de consórcio de empresa, quando for o caso. 14

15 REGULARIZAÇÃO POR CONTABILIDADE Documentação: 1. DISO devidamente preenchida e com firma reconhecida em cartório. 2. Verificar os poderes para assinar a DISO através de cópia autenticada do contrato social. 3. Se a assinatura da DISO for feita por procurador, anexar procuração com poderes específicos e cópia autenticada do documento de identificação do procurador. 4. Se for utilizada prestação de serviço terceirizado, apresentar Anexo VI da IN/RFB/971/ Se for utilizado pré-moldado/pré-fabricado, apresentar anexo I IN/RFB/ 971/2009 e as respectivas notas fiscais. 6. Cópia das notas fiscais de prestação de serviços terceirizado. 7. Declaração de existência de Escrituração Contábil Regular. 8. Balanço patrimonial e demonstração de resultado do exercício. 9. Prova de propriedade. 10. Contrato de empreitada total, para construtora que não seja proprietária da obra e para obra contratada por órgão público. 11. Alvará, Habite-se ou auto de conclusão e projeto aprovado. 12. Termo de início e termo de recebimento da obra, quando o contratante for órgão público. 13. Relatório de Restrições Previdenciárias. 15

16 Anexos serão obtidos através do link: Observação: Órgão Público não tem Habite-se, alvará, projeto ou prova de propriedade. Toda a documentação deve ser apresentada com cópia autenticada. Procuração e Declaração de Contabilidade devem ser apresentadas com firma reconhecida em cartório. Lucro Presumido A empresa optante pelo lucro presumido deverá apresentar Livro Diário, Razão e balanço para regularizar a obra pela contabilidade. 16

17 REGULARIZAÇÃO POR AFERIÇÃO Documentação: 1. DISO devidamente preenchida e com firma reconhecida em cartório. 2. Verificar os poderes para assinar a DISO através de cópia autenticada do contrato social. 3. Se a DISO for assinada por procurador, anexar procuração com poderes específicos e cópia autenticada do documento de identificação do procurador. 4. Prova de propriedade. 5. Requerimento de aferição. 6. Se necessário, preencher Anexos I e II da DISO. 7. Cópia simples das notas fiscais de pré-moldado, pré-fabricado e/ou concreto usinado, massa asfáltica ou argamassa usinada. 8. Contrato de Empreitada Total, para construtora que não seja a proprietária da obra e para obra contratada por órgão público (cópia autenticada). 9. Alvará, Habite-se ou auto de conclusão e projeto aprovado. 10. Termo de início e de recebimento, quando o contratante for órgão público. 11. Relatório de restrições previdenciárias. Observação: Órgão Público não tem Habite-se, alvará, projeto ou prova de propriedade. Toda a documentação deve ser apresentada com cópia autenticada e procuração com firma reconhecida em cartório. 17

18 REGULARIZAÇÃO POR DECADÊNCIA Documentação: 1. DISO devidamente preenchida e com firma reconhecida em cartório. 2. Verificar os poderes para assinar a DISO através de cópia autenticada do contrato social. 3. Se a DISO for assinada por procurador, anexar procuração com poderes específicos e cópia autenticada do documento de identificação do procurador. 4. Prova de propriedade. 5. Prova de decadência: Imposto Predial e Territorial Urbano IPTU, histórico da edificação ou auto de conclusão e projeto aprovado. 6. Apresentar Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS e Informações à Previdencia Social GFIP sem movimento. 7. Relatório de restrições previdenciárias. Não existe requerimento específico para decadência, o pedido é realizado por meio do formulário da DISO. A obra encerrada há mais de cinco anos será considerada regular. A decadência pode ser comprovada através da apresentação do IPTU de 2005 e de 2011, histórico da edificação, auto de conclusão, Habite-se ou certidão fornecida pela Prefeitura. A decadência também pode ser comprovada com a apresentação de, no mínimo, três dos seguintes documentos: correspondência bancária, contas de luz/telefone, vistoria do corpo de bombeiros, planta, aerofotogrametria com laudo técnico, com a devida Anotação de Responsabilidade Técnica ART elaborada por um responsável que tenha registro no CREA. Observação: Órgão Público não tem Habite-se, alvará, projeto ou prova de propriedade. Toda a documentação deve ser apresentada com cópia autenticada e procuração com firma reconhecida em cartório. 18

19 INCONSISTÊNCIA NA DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA Quando existe obra nova e demolição, comprovar que a área original e todas as acessões no terreno estão regularizadas. A não apresentação do comprovante de propriedade ou posse. A não apresentação do contrato de prestação de serviços, no caso de obras por empreitada total. Deixar de apresentar todos os prestadores de serviços da obra no Anexo VI da IN/SRF/2009. Lançar o valor da nota fiscal de serviço no campo 8 do Anexo VI da IN/ RFB/971/2009, quando o correto é o salário da contribuição da GFIP, código 150, enviado pelo prestador de serviços, com vinculação à matrícula no CEI (não é o valor da nota). Declaração de que possui contabilidade regular que não confere com o modelo disponível no site da RFB ou assinada por procurador e quando a procuração não é clara em relação aos poderes atribuídos. Balanço Patrimonial desacompanhado da Demonstração do Resultado do Exercício; Balanço Patrimonial que não se refere ao exercício do término da obra, ou seja, se o término da obra ocorreu em 2007, o balanço a ser apresentado será o de 2007 e não o da data de pedido de regularização. Se na DISO não constar número de telefone para contato. Quando o contrato para a realização da obra for de empreitada total, a regularização pela contabilidade terá que ser feita através da empresa construtora e não do contratante. Deixar de solicitar a CND de obra inacabada quando ocorre substituição do responsável pela mão de obra. Deixar de apresentar a certidão da matrícula no Cartório de Registro de Imóveis das áreas parciais já averbadas, quando se tratar da última regularização parcial. Quando o responsável pela empresa, que assinou as declarações, não constar no cadastro de CNPJ. 19

20 Erro no preenchimento do Quadro 7 da DISO. Este quadro destina-se ao lançamento da mão de obra própria, ou seja, declarada em GFIP, código 155, e Guia da Previdência Social GPS recolhida no identificador CEI. É comum o lançamento neste quadro de mão de obra terceirizada, GFIP, código 150 e GPS, recolhida no CNPJ do prestador de serviços, quando a empresa contratante e a prestadora possuem o mesmo responsável (se for empresa do grupo, esta também é prestadora de serviços). Do aviso para regularização de obra (ARO) Art. 340º Para as pessoas jurídicas sem contabilidade regular e para as pessoas físicas, a partir das informações prestadas na DISO, após a conferência dos dados nela declarados com os documentos apresentados, será expedido pela Receita Federal do Brasil o ARO (Aviso de Regularização de Obra), em 2 (duas) vias, destinado a informar ao responsável pela obra a situação quanto à regularidade das contribuições sociais incidentes sobre a remuneração aferida, sendo que: I - uma via do ARO deverá ser assinada pelo responsável pela obra ou por seu representante legal e anexada à DISO; II - uma via será entregue ao responsável pela obra ou ao seu representante legal. 1º Havendo contribuições a recolher, e caso o responsável pela obra ou o seu representante legal se recuse a assinar o ARO, o servidor anotará no mesmo o comparecimento e a recusa em assinar, indicando o dia e a hora em que o sujeito passivo tomou ciência do ARO. 2º No cálculo da remuneração despendida na execução da obra e do montante das contribuições devidas, se for o caso, será considerada como competência de ocorrência do fato gerador o mês da emissão do ARO, e o valor das contribuições nele informadas deverá ser recolhido até o dia 20 (vinte) do mês subsequente ao da sua emissão, antecipando-se o prazo de recolhimento para o dia útil imediatamente anterior, se no dia 20 (vinte) não houver expediente bancário. 3º O ARO deverá ser emitido até o último dia útil da competência seguinte ao da protocolização da DISO, caso em que serão usadas as tabelas do CUB* da competência de emissão do ARO referentes ao CUB apurado para o mês anterior. 4º Caso as contribuições não sejam recolhidas no prazo previsto no 2º, o valor devido sofrerá acréscimos legais, na forma da legislação vigente. *CUB = Custo Unitário Básico da Construção 20

21 5º O contribuinte poderá requerer o parcelamento das contribuições apuradas indiretamente no ARO. 6º Não tendo sido efetuado o recolhimento nem solicitado o parcelamento espontâneo, o ARO será encaminhado à Delegacia ou Inspetoria da Receita Federal do Brasil para a constituição do crédito, no prazo de 60 (sessenta) dias após a data de sua emissão. Art. 341º Será preenchida uma única DISO e emitido um único ARO consolidado, quando a regularização da obra envolver, concomitantemente, 2 (duas) ou mais das seguintes espécies: obra nova, reforma, demolição ou acréscimo. Documentos anexados ao pedido de regularização da obra Não há necessidade de anexar a GFIP, códigos de recolhimento 150 e 155, pois os sistemas da RFB já dispõem dessas informações. As notas fiscais de aquisição de concreto usinado só devem ser anexadas no caso de regularização por aferição. Não há necessidade de anexar as notas fiscais de serviços relacionados no Anexo VI da IN/RFB/971/2009, pois o sistema da RFB irá verificar se a retenção dos onze por cento na cessão de mão de obra ou empreitada que foi informada está devidamente recolhida. As notas fiscais relacionadas de aquisição de pré-moldados e pré-fabricados, se for o caso, devem ser anexadas ao pedido. A via original do documento nunca será juntada ao processo. Sequência de conferência da documentação DISO O Quadro 4 deve estar preenchido com os dados do responsável pela matrícula no CEI e a jurisdição da empresa é o município de São Paulo. O Quadro 5 está preenchido com os dados da obra. A DISO foi assinada pelo responsável pela empresa, conforme cópia autenticada do contrato social. 21

22 A DISO foi assinada por diretor da S/A, conforme cópia autenticada do Estatuto/Ata de Eleição dos Diretores e documento de identidade do mesmo. A DISO foi assinada por procurador. A procuração deve ser apresentada com cópia autenticada e com cópia autenticada do documento de identidade do procurador. A relação de notas fiscais de pré-moldados/pré-fabricados, Anexo I da DISO, foi preenchida e as notas fiscais anexadas. A relação de notas fiscais de concreto usinado/massa asfáltica, Anexo II da DISO, está preenchida e as notas foram anexadas, pois trata-se de regularização por aferição. A DISO foi assinada pelo responsável da empresa, não consta procuração, consta autorização para apresentação da DISO. O Quadro 7 da DISO não está preenchido, pois não existe mão de obra própria. Planilha de prestadores de serviços Não consta planilha no pedido de regularização da obra, pois não existe mão de obra terceirizada. A planilha está preenchida com todos os prestadores de serviços da obra. O Campo 8 da planilha está preenchido com salário de contribuição que consta na GFIP. A planilha está assinada conforme rotina de verificação da DISO. A planilha pode ser assinada pelo chefe dos Recursos Humanos ou contador. Prova de propriedade/posse Consta cópia autenticada da matrícula no Cartório de Registro de Imóveis. Consta cópia autenticada do memorial de incorporação registrado no Cartório de Registro de Imóveis. 22

23 Consta cópia autenticada da escritura de venda e compra. Consta cópia autenticada do contrato de locação para comprovar a posse. Não consta prova de posse ou propriedade, pois o contratante é órgão público. Consta o contrato de prestação de serviços. Pedido de regularização Não consta prova de propriedade ou posse, mas existe contrato de empreitada total e a regularização está sendo solicitada pela empresa construtora. Consta pedido de regularização por aferição indireta, conforme modelo no site da RFB, assinado pelo responsável pela empresa, conforme rotina de assinatura da DISO. Consta pedido de regularização por aferição, conforme modelo no site da RFB, assinado por procurador com procuração e poderes para assinar. Consta contrato de prestação de serviços, pois trata-se de empreitada total e o requerente é a empresa construtora. Consta declaração de contabilidade, conforme modelo no site da RFB, assinada pelo responsável pela empresa, sem firma reconhecida, conforme rotina de assinatura da DISO. Consta cópia autenticada do documento de identidade do contador (carteira Conselho Regional de Contabilidade CRC) para comprovar assinatura. Consta cópia autenticada do último balanço, de acordo com o término da obra, e a demonstração do resultado do exercício. Consta cópia autenticada do termo de início, termo de entrega e contrato de prestação de serviços, pois trata-se de obra contratada por órgão público. Consta cópia do contrato de empreitada total, pois a requerente é construtora. 23

24 Consta prova da área regularizada, tais como: CND já emitida, área já averbada conforme Certidão da Matrícula do Imóvel fornecida pelo Cartório de Registro de Imóveis e término da obra abrangido pela decadência. Consta prova da decadência, tais como: cópia autenticada dos IPTU de 2005 e 2011, histórico da edificação, certidão fornecida pela prefeitura. Montagem do processo DISO; Planilha de Prestadores de Serviços, caso exista mão de obra terceirizada; Anexos da DISO; Notas fiscais; Contrato Social; Procuração (se for o caso) e documento de identificação do procurador; Prova de Propriedade ou Posse do Imóvel; Prévia da CND; Documentação referente ao tipo de Regularização que será solicitado. Procedimentos para protocolo Toda a documentação solicitada deve ser encaminhada ao convênio, a qual será redirecionada na manhã seguinte à unidade e analisada no prazo de até 10 dias corridos. Verificar se a documentação encontra-se na sequência de verificação da DISO, se as cópias estão autenticadas e se as assinaturas estão com firma reconhecida em cartório. Serão protocolados somente pedidos de pessoa jurídica, da jurisdição do Município de São Paulo/SP. 24

25 Entrega da documentação: Posto da Receita Federal Avenida Paulista, 1313 Piso Alameda Santos Cerqueira César São Paulo/SP - CEP: Horário de Atendimento: segunda à sexta-feira (exceto feriados e pontes) Das 9h às 12h e das 14h às 17h Tel.:

26 26

27

28 Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Rua Dona Veridiana, 55 Santa Cecília CEP São Paulo, SP Tel (11) Bauru Campinas Mogi das Cruzes Presidente Prudente Ribeirão Preto Santo André Santos São José do Rio Preto São José dos Campos Sorocaba Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Central de Serviços - CSER Av. Paulista, º andar São Paulo - SP CEP: Fone:

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: RECEITA FEDERAL ALTERA PROCEDIMENTOS REFERENTES A CONSTRUÇÃO CIVIL.

ANEXO AO COMUNICADO: RECEITA FEDERAL ALTERA PROCEDIMENTOS REFERENTES A CONSTRUÇÃO CIVIL. ANEXO AO COMUNICADO: RECEITA FEDERAL ALTERA PROCEDIMENTOS REFERENTES A CONSTRUÇÃO CIVIL. Abrangência: pessoas jurídicas responsáveis pela regularização de obra de construção civil. Conteúdo: documentação

Leia mais

ANEXO ÚNICO (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1477, de 03 de julho de 2014.) MINISTÉRIO DA FAZENDA

ANEXO ÚNICO (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1477, de 03 de julho de 2014.) MINISTÉRIO DA FAZENDA ANEXO ÚNICO (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1477, de 03 de julho de 2014.) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

INSS na atividade de Construção Civil. Johnatan Abreu Agosto de 2013

INSS na atividade de Construção Civil. Johnatan Abreu Agosto de 2013 INSS na atividade de Construção Civil Abreu Agosto de 2013 DEFINIÇÕES - O que é atividade de Construção Civil do ponto de vista previdenciário? 1 Construção; 2 Ampliação; 3 Reforma *; 4 Demolição. } Benfeitoria

Leia mais

ANEXO V MINISTÉRIO DA FAZENDA

ANEXO V MINISTÉRIO DA FAZENDA ANEXO V MINISTÉRIO DA FAZENDA 1 - Folha SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Nº Quantidade DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL (DISO) 2 - Órgão Receptor: 3 - Recepção (mês/ano): 4

Leia mais

ANEXO XI DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL - DISO

ANEXO XI DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL - DISO ANEXO XI DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL - DISO MINISTÉRIO DA FAZENDA MF - RFB DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DISO 1 Folha N Quantidade 2 Órgão Receptor:

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 29 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 23 Data 15 de outubro de 2012 Origem DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CARUARU (DRF/CRU) E DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL

Leia mais

CERTIDÃO DE REGULARIDADE FISCAL RFB/PGFN

CERTIDÃO DE REGULARIDADE FISCAL RFB/PGFN CERTIDÃO DE REGULARIDADE FISCAL RFB/PGFN DIFERENÇAS ENTRE AS CERTIDÕES ATÉ 02/11/2014 Duas certidões comprovavam a regularidade do sujeito passivo (pessoa física e pessoa jurídica) perante a Fazenda Nacional:

Leia mais

Manual para Regularização de Obra. de Construção Civil

Manual para Regularização de Obra. de Construção Civil Manual para Regularização de Obra de Construção Civil Antes de adquirir, construir ou reformar consulte a Prefeitura onde está localizado o imóvel e profissionais de sua confiança, na maioria das vezes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012)

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) ÍNDICE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seção II Dos Segurados Contribuintes Obrigatórios

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda.

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda. Prezado(a) Consorciado(a), Para melhor atendê-lo, elaboramos este Guia Prático de Contratação de Imóvel destacando as modalidades de aquisição, fases do processo, documentos necessários, emissão e registro

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1 PARCELAMENTO DE DÉBITO 1.1 No caso de titular da conta 1. Original e cópia do RG ou da Carteira de Habilitação;

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 141

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 141 DECRETO Nº 141 Altera dispositivos do Decreto Municipal nº 1.876, de 30 de dezembro de 2013, que dispõe sobre a emissão da certidão negativa do Imposto Sobre Serviços - ISS, para fins de liberação do Certificado

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS. Locatário Pessoa Física:

INSTRUÇÕES BÁSICAS. Locatário Pessoa Física: INSTRUÇÕES BÁSICAS O que é necessário para alugar um imóvel na Bandeirantes Imóveis? Para alugar quaisquer dos imóveis disponíveis na carteira de locação da Bandeirantes Imóveis siga os seguintes passos:

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL Nota: Os documentos abaixo relacionados deverão ser apresentados na forma original ou por cópia autenticada em cartório. DOCUMENTOS DO COMPRADOR

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS)

CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) CADASTRO DE FORNECEDORES (MATERIAL/SERVIÇOS) ÍNDICE RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE FORNECEDORES DE MATERIAL/SERVIÇOS PÁGINA 2 FICHA DE INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES PÁGINA 4 DECLARAÇÃO

Leia mais

INSS NA CONSTRUÇÃO CIVIL CND DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

INSS NA CONSTRUÇÃO CIVIL CND DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL INSS NA CONSTRUÇÃO CIVIL CND DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes EXIGIBILIDADE DA CND A CND Certidão Negativa de Débito relativa às contribuições previdenciárias, será exigida: Pela autoridade

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE)

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE) VISTORIA PREVIA REQUERIMENTO PREENCHIDO E ASSINADO PELO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA DECLARACAO A PROPRIO PUNHO INFORMANDO O RAMO DE ATIVIDADE GUIA DE IPTU DO ULTIMO ANO QUITADA LISTA DE DOCUMENTOS DISPONIVEL

Leia mais

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001 ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL A presente Instrução Normativa obedece ao disposto no 3º, art. 3º do Decreto Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, Lei nº 5.194, de 24 de dezembro

Leia mais

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS)

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) ÍNDICE: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE TERRENOS, LOJAS E ESPAÇOS DE PROPRIEDADE DA COMPANHIA DO

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO Este Manual contem regras para Cadastramento com fins de Licitação, nos termos da Lei 8.666/93 e alterações posteriores. e está disponível no site www.aracaju.se.gov.br/emurb. REGRAS PARA

Leia mais

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO LISTA DE DOCUMENTOS 1 Lei 4.591/64, Provimento nº 260/CGJ/2013. O incorporador deverá apresentar, no Ofício de Registro de Imóveis, os seguintes documentos, organizados nesta ordem. CHECK LIST O 1. MEMORIAL

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO:

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO: O QUE É ACERVO TÉCNICO? O Acervo Técnico é o conjunto das atividades desenvolvidas ao longo da vida do profissional, compatíveis com suas atribuições desde que registradas no Crea-ES por meio de ARTS -Anotações

Leia mais

Documentos CICAP - ampliação e reformas residenciais e conclusão de unidades comerciais.

Documentos CICAP - ampliação e reformas residenciais e conclusão de unidades comerciais. Documentos CICAP - ampliação e reformas residenciais e conclusão de unidades comerciais. Adicionar os documentos abaixo aos demais documentos do comprador. Certidão de Tributos Estaduais, da UF onde está

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Imóveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO VAPT VUPT EMPRESARIAL PREFEITURA DE GOIANIA Responsável: Rosana Mérola Martins Cópia

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS 01) ALTERAÇÃO DE DADOS NO CADASTRO IMOBILIÁRIO FISCAL ; - Registro do imóvel (emissão com menos de 1 ano); - CPF e identidade do titular ou dos sócios

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

Relação de Documentos para a Concessão do Financiamento

Relação de Documentos para a Concessão do Financiamento 1 Prezado(a) Cliente, Estamos felizes em receber sua Proposta de Financiamento Imobiliário. Sabemos que é um importante momento de sua vida e nos sentimos orgulhosos de fazer parte dele. Para que tudo

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA BAIXA DE EMPRESA

ROTEIRO BÁSICO PARA BAIXA DE EMPRESA ROTEIRO BÁSICO PARA BAIXA DE EMPRESA Em conformidade com o Novo Código Civil,o processo de baixa de registro de empresas,possui uma ordenação para retirada de certidões negativas e verificação de regularidade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1)

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1) (I) DO COMPRADOR ( ) Ficha Cadastral do Proponente (Original, preenchida, datada e assinada) ( ) Documento de Identidade de todos os compradores e seus respectivos cônjuges, se for o caso ( ) CPF de todos

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana São campos de informações, destinado exclusivamente a Prefeitura Municipal de Viana.

Leia mais

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO Após a aprovação do crédito e a avaliação do imóvel, retorne à sua Agência com a relação completa dos documentos descritos nos itens abaixo, para a efetivação de seu financiamento. 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação DIRETORIA DE APROVAÇÃO DE PROJETOS Onde requerer: Praça de Atendimento 2 - Centro Administrativo Térreo Endereço: Avenida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATO RICO ESTADO DO PARANÁ CNPJ - 95.684.510/0001-31 COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATO RICO ESTADO DO PARANÁ CNPJ - 95.684.510/0001-31 COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REGISTRO CADASTRAL (Conf. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993) I - Para a habilitação jurídica: a) Cédula de identidade e registro comercial na repartição competente, para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/ 2013 Dispõe sobre a criação e funcionamento da comissão de avaliação de imóveis para fins de calculo do Imposto sobre transmissão inter-vivos de bens imóveis, e dá outras providências.

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

C rédito Imobiliário Assessoria Imobiliária Repasse

C rédito Imobiliário Assessoria Imobiliária Repasse C rédito Imobiliário Assessoria Imobiliária Repasse Informações Gerais e Listas de Documentos ATENÇÃO As regras deste informativo são apenas orientativas e a qualquer momento podem ser alteradas, sem aviso

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA (Cópias e originais ou cópias autenticadas) 1- Requerimento; 2- Contrato Social + Aditivos (se tiver, todos); 3- CNPJ (atualizado); 4- Indicação

Leia mais

Taxas: Certidão R$ 36,89 ART R$ 60,00

Taxas: Certidão R$ 36,89 ART R$ 60,00 DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA IDICAÇÃO DE RESPONSÁVEL TÉCNICO (Cópias e originais ou cópias autenticadas) 1- Requerimento; 2- Indicação de responsável (eis) técnico (s) para atividades técnicas da Empresa

Leia mais

NORMA OPERACIONAL/IFTM Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013

NORMA OPERACIONAL/IFTM Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013 NORMA OPERACIONAL/IFTM Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013 Dispõe sobre procedimentos relativos à gestão de imóveis no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. O

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

Central de Relacionamento: 0800 702 4231 Site: www.caixaseguradora.com.br V.9.15

Central de Relacionamento: 0800 702 4231 Site: www.caixaseguradora.com.br V.9.15 0 Central de Relacionamento: 0800 702 4231 Site: www.caixaseguradora.com.br 1 CONHEÇA O PASSO-A-PASSO PARA O PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DA SUA CARTA DE CRÉDITO Sumário 1. PRINCIPAIS ORIENTAÇÕES... 2 2. MODALIDADES

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES)

ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES) ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES) REFORMA DAS INSTALAÇÕES DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO DO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS DO ABRIGO DO

Leia mais

Guia Crédito Imobiliário Itaú

Guia Crédito Imobiliário Itaú Guia Crédito Imobiliário Itaú Preencha todos os formulários necessários para o financiamento de forma legível e na sua totalidade, utilizando como base as orientações abaixo. Todos os detalhes dos documentos

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Roteiro Operacional Última atualização 20/11/2014

Roteiro Operacional Última atualização 20/11/2014 Roteiro Operacional Última atualização 20/11/2014 1. Público alvo Pessoas Físicas que possua imóvel com documentação regular, bem como: ASSALARIADO e FUNCIONÁRIO PÚBLICO; APOSENTADOS E PENSIONISTAS; SÓCIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA 1 - Folha SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Nº Quantidade DECLARAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL (DISO) 2 - Órgão Receptor: 3 - Recepção (mês/ano): 4 - Dados

Leia mais

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL 1. DA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO 1.1. Os interessados em se inscrever e/ou renovar o Registro Cadastral junto ao GRB deverão encaminhar a documentação a seguir estabelecida,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD

REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04/04/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Prova de Inexistência

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

1. Conceito e Objetivo do Consórcio 2. Personalidade Jurídica 3. Falência 4. Constituição VERITAE

1. Conceito e Objetivo do Consórcio 2. Personalidade Jurídica 3. Falência 4. Constituição VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL CONSÓRCIOS ASPECTOS FISCAIS PREVIDENCIÁRIOS E TRIBUTÁRIOS SUMÁRIO 1. Conceito e Objetivo

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA 0 HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA RESOLUÇÃO 541/2007 - CJF JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SÃO PAULO NÚCLEO FINANCEIRO SEÇÃO DE

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Desoneração da Folha e CND de obra na Construção Civil

Desoneração da Folha e CND de obra na Construção Civil Desoneração da Folha e CND de obra na Construção Civil Abreu novembro DEFINIÇÕES - Contratos de Construção Aquele celebrado entre o proprietário do imóvel, o incorporador, o dono da obra ou o condômino

Leia mais

Cartilha Entrega de Chaves

Cartilha Entrega de Chaves Cartilha Entrega de Chaves Plano Associativo Você que optou pelo Plano de Financiamento Associativo irá percorrer o seguinte caminho até receber suas chaves: Aquisição do Imóvel com o Banco Pagamento de

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, RESOLUÇÃO SMF Nº 2.771, DE 29 DE ABRIL DE 2013. [Publicada no D. O. Rio de 30.04.2013] * Estabelece procedimentos a serem adotados para a entrega de prêmios aos tomadores de serviços pessoas naturais titulares

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005

LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005 LEI COMPLEMENTAR Nº 251, De 26 de dezembro de 2005 ESTABELECE CRITÉRIOS PARA CÁLCULO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISQN - NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Faço saber a todos os habitantes do Município

Leia mais

Guia Rápido Registro Integrado/ES

Guia Rápido Registro Integrado/ES Guia Rápido Registro Integrado/ES O Registro Integrado/ES, através do sistema REGIN integra os órgãos públicos envolvidos no registro de empresas como Junta Comercial (JUCEES), Receita Federal (RFB), Secretaria

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO D.O.U. de 05/10/1992 INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 O Diretor do Departamento da Receita Federal, no uso de suas

Leia mais

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente A THOMSON COMPANY INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Direitos autorais cedidos

Leia mais

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO ANEXOS AO DECRETO Nº 25.023 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO 2.Cópia do contrato de locação do imóvel onde funcionará a atividade,

Leia mais

Nota Técnica n. 006/2011 Florianópolis, 10 de agosto de 2011.

Nota Técnica n. 006/2011 Florianópolis, 10 de agosto de 2011. Nota Técnica n. 006/2011 Florianópolis, 10 de agosto de 2011. Assunto: Revisão e Alteração da Nota Técnica n 013/2005 Contabilização de Obras em Andamento. Senhor Diretor de Contabilidade Geral, 1 Esta

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA DECRETO MUNICIPAL N.º 102/2014, de 11 de dezembro de 2014. REGULAMENTA PROCEDIMENTOS, RELATIVOS A AIDOF, NOTAS FISCAIS DE SERVIÇO, ESCRITURAÇÃO FISCAL E REQUERIMENTOS E APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

O Feirão DA SUA CASA.

O Feirão DA SUA CASA. O Feirão DA SUA CASA. Tudo o que você queria saber sobre o financiamento da CAIXA para comprar, construir ou reformar sua casa. E tudo sobre o Programa Minha Casa Minha Vida para quem ganha até R$ 4.900,00.

Leia mais

Câmara Municipal de Itatiba

Câmara Municipal de Itatiba DOCUMENTOS PARA EFETUAR CADASTRO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL "CRC" INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES Razão Social: Endereço: Bairro: Cidade: CEP: CNPJ: Inscrição Estadual:

Leia mais

Consórcio Contemplação de Imóveis Para quem quer planejar e realizar seus objetivos.

Consórcio Contemplação de Imóveis Para quem quer planejar e realizar seus objetivos. Consórcio Contemplação de Imóveis Para quem quer planejar e realizar seus objetivos. Bradesco Consórcios ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Central de Atendimento às Agências (11) 3357-1799 Central de Atendimento

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FINANÇAS E O COORDENADOR-GERAL DA RECEITA ESTADUAL, no uso de suas atribuições legais e

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FINANÇAS E O COORDENADOR-GERAL DA RECEITA ESTADUAL, no uso de suas atribuições legais e RESOLUÇÃO CONJUNTA N. 004 /2013/GAB/SEFIN/CRE Porto Velho, 09 de dezembro de 2013 Publicada no DOE n.2364, de 18.12.13 Disciplina a homologação, a apropriação e o aproveitamento de crédito fiscal do ICMS

Leia mais