ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA"

Transcrição

1 ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

2 LEGISLAÇÃO Lei de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e /2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP pelas empresas em geral; Manual da GFIP/SEFIP para usuários do SEFIP 8.4 (10/2008) Fornece informações sobre como preencher a GFIP utilizando o sistema SEFIP;

3 CONCEITO E FINALIDADE DA GFIP GFIP = Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social; Finalidades: a) Recolher o FGTS dos empregados informados na GFIP; b) Prestar informações destinadas ao FGTS e à Receita Federal do Brasil (RFB); c) Alimentar o banco de dados do INSS para concessão de benefícios;

4 QUANDO DEVE SER ENVIADA Utilizar o programa preenchimento da GFIP; SEFIP para Enviar o arquivo até o dia 07 (ou dia útil anterior) do mês subseqüente ao da ocorrência dos fatos geradores, inclusive pelas empresas ou equiparados que : deixarem de efetuar o depósito do FGTS devido; deixarem de recolher previdenciárias devidas; as o contribuições não tenham recolhimento à Previdência. Competência 13 (13º salário): entregar até o dia 31 de Janeiro do ano seguinte; Obrigatória desde a competência 13/2005;

5 ENVIO A PARTIR DE 01/2012 A Circular CAIXA 547, de 20/04 04/2011 estabelece a obrigatoriedade da certificação digital, padrão ICP-Brasil, para o envio do arquivo SEFIP a partir de janeiro de 2012.

6 O QUE DEVE SER INFORMADO NA GFIP Dados Cadastrais empregador/contribuinte, trabalhadores (inclusive autônomos) e tomadores de serviços; Fatos geradores RFB, FGTS e outras entidades e fundos Outras informações Movimentações, salário-família, saláriomaternidade, compensação, retenção 11% sobre NF/fatura etc.

7 NÃO ENTREGA OU ENTREGA DEFICIENTE DA GFIP Sujeita a empresa a Auto-de-Infração; Impede emissão de Certidão Negativa de Débito CND; Tipos de Infrações relacionadas à GFIP (RFB): Deixar de entregar a GFIP; Deixar de informar fatos geradores na GFIP; Entregar a GFIP com erro de preenchimento; Apresentar GFIP em desconformidade com o Manual de preenchimento;

8 A omissão de fatos geradores em GFIP, com objetivo de suprimir ou reduzir contribuição previdenciária, caracteriza CRIME de sonegação de contribuição previdenciária, conforme art. 337-A do Código Penal, com as alterações da Lei n 9.983, de 14/07/2000.

9 CÓDIGOS DE RECOLHIMENTO DA GFIP A partir da versão 8.0 do SEFIP, os códigos de recolhimento válidos para a RFB e para o FGTS são oito: situações em geral; trabalhadores avulsos portuários; trabalhadores avulsos não portuários (código novo); cessão de mão-de-obra e empreitada parcial; empreitada total ou obra própria; cooperados que prestam serviços por intermédio de cooperativa de trabalho (código novo); dirigente sindical; reclamatória trabalhista.

10 A partir da versão 8.0 do SEFIP, os tipos de GFIP gerados são: GFIP Inicial GFIP Retificadora GFIP sem Movimento (Sem Fato Gerador) Pedido de Exclusão

11 O que é GFIP INICIAL? É a primeira GFIP com fatos geradores entregue para determinada chave (conjunto de informações).

12 Chave de uma GFIP (Códigos de recolhimento 115, 150 e 155) O conceito de chave de uma GFIP tem grande importância para a RFB e Previdência Social; Chave de uma GFIP são os dados básicos que a identificam. Para os códigos de recolhimento citados, a chave é composta pelos seguintes dados: CNPJ/CEI do empregador/contribuinte; Competência (mês/ano); Código de recolhimento da GFIP; FPAS (Fundo de Previdência e Assistência Social);

13 O que é GFIP RETIFICADORA? É a GFIP enviada com o objetivo de retificar informações prestadas de forma incorreta/incompleta para uma determinada chave; A retificação será processada considerando o conceito de chave: uma nova GFIP substitui a anterior desde que ambas tenham a mesma chave.

14 A GFIP retificadora deverá conter: a) dados corretos da GFIP anterior; b) dados incorretos da GFIP anterior, devidamente retificados; c) dados acrescentados, os quais não constaram na GFIP anterior. Para excluir informação: A GFIP retificadora deverá ser entregue sem a informação que se quer excluir.

15 O que é GFIP SEM MOVIMENTO? É a GFIP enviada para informar que não existe fato gerador ou outra informação a ser prestada para a RFB, Previdência Social ou para a CAIXA; O arquivo deve ser transmitido para a primeira competência em que ocorrer a ausência de informações; Não é necessária a transmissão de GFIP sem Movimento para as competências subseqüentes; Transmitir nova GFIP apenas quando houver fatos geradores ou outras informações a prestar para o FGTS, RFB ou INSS;

16 GFIP DE EXCLUSÃO Será feita quando existir: 1. GFIP com informação incorreta num dos dados que compõem a chave da GFIP; 2. GFIP com informações, quando deveria ter sido entregue a GFIP sem movimento. Nesse caso, é necessário fazer, primeiro, um pedido de exclusão, para depois entregar a GFIP sem movimento.

17 EXCEÇÃO AO CONCEITO DE CHAVE GFIPs de código de recolhimento 115 e 150, e de código de recolhimento 115 e 155, para a mesma competência e FPAS, são consideradas como de mesma chave; Caso sejam transmitidas GFIPs com códigos 115 e 150 ou 115 e 155, com mesmo CNPJ, na mesma competência e no mesmo FPAS: a primeira GFIP será considerada inicial; A segunda GFIP será considerada retificadora;

18 INFORMAÇÃO DE TOMADORES NA GFIP (CÓDIGOS DE RECOLHIMENTO 150 E 155) As empresas que utilizam os códigos 150 ou 155 devem informar todos os tomadores/obras e seu pessoal administrativo numa mesma GFIP, com informações distintas por tomador/ obra. Caso sejam transmitidas várias GFIPs, cada arquivo transmitido substituirá o anterior, para a mesma chave. As empresas construtoras que enviam GFIPs de ambos os códigos de recolhimento (150 e 155) na mesma competência devem informar seu pessoal administrativo na GFIP de código 150.

19 OBRIGAÇÕES Proprietário Dono da Obra Incorporador Mão-de-obra própria Se contratar Cooperativa De trabalho Empreitada Parcial Recolher 15% da NF na CEI FP específica e GFIP 155 GPS específica CEI Cópias da GFIP 150 retenção de 11% NF no CNPJ da contratada

20 GFIP - obra executada pelo proprietário, dono da obra ou incorporador GFIP 155 MÃO DE OBRA PRÓPRIA Construtora Gama Ltda (proprietária da obra) CNPJ: / Tomador/Obra: CEI: Obra Shopping Lago Azul Competência: 05/2011 Código de Recolhimento: 155 GFIP EMPREITEIRA contratada por empreitada parcial Empresa: CNPJ: / Elétrica Santa Rita Ltda Tomador/Obra: CEI: Competência: 05/2011 Código de Recolhimento: 150

21 GFIP - obra executada por CONSTRUTORA mediante EMPREITADA TOTAL GFIP 155 MÃO DE OBRA DA CONSTRUTORA Construtora Alfa (Contratada por empreitada total) Tomador/Obra: CEI: Obra Colina Azul Competência: 05/2011 Código de Recolhimento: 155 GFIP 150 EMPREITEIRA (ou Sub.) contratada pela Construtora Empresa: CNPJ: / Gesso São Judas Ltda Tomador/Obra: CEI: Construtora Alfa Ltda Competência: 05/2011 Código de Recolhimento: 150

22 OBRIGAÇÕES da CONSTRUTORA contratada por EMPREITADA TOTAL folha de pagamento específica para obra GFIP código 155 (campo tomador: matrícula CEI) GFIP código 155 (campo tomador: matrícula CEI) GPS recolhida na matrícula CEI Retenção 11% da NF das Subempreiteiras; Recolhimento desta retenção no CNPJ das Subempreiteiras; cópias GFIP código 150 das subempreiteiras;

23 OBRIGAÇÕES das empresas contratadas por EMPREITADA PARCIAL e da SUBEMPREITEIRA Folha de pagamento específica por tomador GFIP 150 (campo tomador: matrícula CEI) GPS consolidada no seu CNPJ Nota fiscal vinculada à obra Destaque da retenção 11% na NF

24 RETENÇÃO X SOLIDARIEDADE Empreitada TOTAL SOLIDARIEDADE retenção FACULTATIVA, como uma das formas de elisão da solidariedade se houver retenção compensação no CEI ou CNPJ Empreitada PARCIAL Subempreitada retenção OBRIGATÓRIA* compensação no CNPJ

25 DÚVIDAS

26 Prestadora contratada por outra empresa já subcontratada Exemplo: Construtora Alfa (dona da obra) contrata por empreitada parcial a Empreiteira Beta para prestar serviços na obra W; Empreiteira Beta contrata Empreiteira Gama também para prestar serviços na obra W; Dúvida 1: como os envolvidos devem preencher a GFIP? Dúvida 2: Como efetuar a retenção dos 11%?

27 Dúvida 1 PREENCHIMENTO DA GFIP CONSTRUTORA ALFA GFIP 155 (campo tomador: CEI Obra W) para mãode-obra própria; GPS recolhida na matrícula CEI Obra W; Se não houver mão-de-obra própria da Construtora Alfa nesta obra: enviar GFIP Sem Movimento para a CEI Obra W; Retenção 11% da NF da Empreiteira Beta; Recolhimento desta retenção no CNPJ da Empreiteira Beta; Cópia GFIP código 150 da Empreiteira Beta; Folha de pagamento específica para obra W;

28 Dúvida 1 PREENCHIMENTO DA GFIP EMPREITEIRA BETA GFIP 150 (campo tomador: CEI Obra W) GPS consolidada no seu CNPJ; Nota fiscal vinculada à obra; Destaque da retenção 11% na NF; Folha de pagamento específica para o tomador Obra W;

29 Dúvida 1 PREENCHIMENTO DA GFIP EMPREITEIRA GAMA GFIP 150 (campo tomador: CEI Obra W) GPS consolidada no seu CNPJ; Nota fiscal vinculada à obra; Destaque da retenção 11% na NF; Folha de pagamento específica para o tomador Obra W;

30 Dúvida 1 PREENCHIMENTO DA GFIP Se o subempreiteiro for contratado concomitantemente pelo construtor (responsável pela obra) e por um prestador de serviço na mesma obra GFIP 150 (campo tomador: CEI Obra W) informando todos os empregados cedidos para o construtor e para a empreiteira; Valor de retenção informado na GFIP: soma das retenções efetuadas pela construtora e pela empreiteira; GPS consolidada no seu CNPJ; Notas fiscais vinculadas à obra; Destaque da retenção 11% nas NFs; Folhas de pagamentos distintas para Construtora e Empreiteira referentes à mesma Obra W;

31 Dúvida 2 Retenção 11% Ao emitir a NF contra a Construtora Alfa, a Empreiteira Beta pode: a) Discriminar o valor retido por ela da Empreiteira Gama; b) Descontar esse valor do valor a ser retido pela Construtora Alfa, Condição: recolher o valor retido da Empreiteira Gama antes da emissão da NF contra a Construtora Alfa;

32 Dúvida 2 Retenção 11% CONSTRUTORA ALFA Valor Nota Fiscal: R$ ,00 Retenção sem considerar a subcontratação: R$ 1.100,00 Retenção a ser feita: R$ 660,00 (R$ R$ 440,00) EMPREITEIRA BETA Valor Nota Fiscal: R$ 4.000,00 Retenção: R$ 440,00 EMPREITEIRA GAMA

33 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) Noções gerais sobre o SIMPLES NACIONAL (SN) 1. Instituído pela Lei Complementar (LC) 123/2006, alterada pela LC 127/2007, LC 128/2008 e LC 133/2009; 2. Estabelece tratamento diferenciado para microempresas e empresas de pequeno porte com relação à apuração e recolhimento de impostos e contribuições federais, estaduais e municipais, entre outras disposições; 3. A forma de partilha dos valores recolhidos pelas empresas optantes pelo SN é determinada pelo tipo de atividade da empresa, conforme anexos constantes na LC;

34 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) 4. Anexos da LC 123/2006: -Anexo I: Comércio; -Anexo II: Indústria; -Anexo III: Serviços e Locação de Bens Móveis; -Anexo IV: Serviços; -Anexo V: Situações Específicas; 5. LC 128/2008 incluiu o 5º-C no Art. 18 da LC 123/2006: 5º 5º-C as atividades de prestação de serviços seguintes serão tributadas na forma do Anexo IV desta Lei Complementar... : I construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada;

35 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) Temos então duas situações: 1. Empresa que se dedica à contrução de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive como subempreiteira: se optante pelo SN, enquadra-se no anexo IV; 2. Empresa que presta serviço na área de construção civil, porém não se enquadra na descrição do item anterior e realiza serviços por empreitada: se optante pelo SN, enquadra-se no anexo III; Exemplos de atividades nessa situação: - Serviços de instalação, reparos e manutenção em geral (pintura, elétrica, hidráulica etc.)

36 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) PREENCHIMENTO DA GFIP DE EMPRESAS OPTANTES PELO SN 1. Empresa do Anexo IV: - Campo SIMPLES: informar NÃO OPTANTE ; - Campo OUTRAS ENTIDADES: informar 0000 ; - Código de Pagamento da GPS: informar 2100 ; - Pode utilizar a GPS emitida pelo SEFIP; 2. Empresa do anexo III: - Campo SIMPLES: informar OPTANTE ; - Campo OUTRAS ENTIDADES: informar 0000 ; - Código de Pagamento da GPS: informar 2003 ; - Pode utilizar a GPS emitida pelo SEFIP;

37 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) Situação em que o prestador exerce atividades tributadas pelos anexos I a III simultaneamente com atividades do anexo IV (Instrução Normativa RFB 925/2009) - Campo SIMPLES: informar OPTANTE ; - Campo OUTRAS ENTIDADES: informar 0000 ; - Código de Pagamento da GPS: informar 2003 ; - Não utilizar a GPS gerada pelo SEFIP;

38 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) ATENÇÃO 1. Tomador deve efetuar retenção do prestador? - Se o prestador for do anexo IV, deve fazer a retenção; - Se o prestador for do anexo III, não deve fazer a retenção; - ATENÇÃO: verificar o tipo de serviço prestado nesse caso;

39 GFIP DE EMPRESA OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL (SN) ATENÇÃO 2. Para efeito de obtenção de CND da obra por aferição, não será considerada, em princípio, a mão-de obra do prestador cuja GFIP tenha as seguintes informações: -Se o prestador do serviço for optante do SN; -Se a GFIP do prestador de serviço contiver as seguintes informações: - FPAS diferente de 507; - Alíquota RAT diferente de 3%; - Código de Outras Entidades diferente de 0079 (alíquota de 5,8%);

40 Verificação da documentação dos subempreiteiros O contratante (tomador) deve exigir do prestador dos serviços cópia dos seguintes arquivos da GFIP sobre os empregados que prestaram serviço na obra: - Comprovante de transmissão da GFIP; - Relação de Trabalhadores por tomador; - Relação de Tomadores; Outros cuidados que o tomador deve ter: 1. Empreitada parcial: GFIP do prestador no código 150 (não pode ser código 155!!!); 2. Folha de Pagamento específica da obra; 3. Nota Fiscal com destaque da retenção dos 11%;

41 RETENÇÃO 11% - COMPENSAÇÃO E RESTITUIÇÃO Situações em que o tomador (contratante) faz a retenção de 11% do valor da NF do prestador na área de construção civil: 1. Prestador de serviço não é optante pelo SIMPLES NACIONAL e presta serviços sujeitos a retenção (verificar Anexo VIII da IN RFB 971/2009); 2. Empreitada TOTAL: contratante (tomador) pode, a seu critério, reter 11% do valor da NF do contratado (prestador) para não incorrer na responsabilidade solidária;

42 RETENÇÃO 11% - COMPENSAÇÃO E RESTITUIÇÃO Os valores retidos a título de prestação de serviços na construção civil (retenção dos 11%) podem (4 hipóteses): a) Ser compensados por qualquer estabelecimento da empresa, na própria competência em que houve a retenção, com as contribuições devidas quando do recolhimento de sua GPS (não pode compensar valores devidos a Outras Entidades [Terceiros Terceiros]); O que informar na GFIP: apenas os valores retidos no campo Retenção (Lei 9.711/98) ;

43 RETENÇÃO 11% - COMPENSAÇÃO E RESTITUIÇÃO b) Ser compensados por qualquer estabelecimento da empresa, em competências posteriores (quando não foi possível compensar tudo na mesma competência em que houve a retenção); O que informar na GFIP: Da competência em que houve a retenção: apenas os valores retidos no campo Retenção (Lei 9.711/98) ; Das competências posteriores: preencher o campo Compensação e o período a que se refere (competência inicial e competência final);

44 RETENÇÃO 11% - COMPENSAÇÃO E RESTITUIÇÃO c) Em caso de EMPREITADA TOTAL: -Prestador poderá compensar os valores retidos nas contribuições: - Devidas pela obra (matrícula CEI); - Devidas pelo CNPJ (pessoal administrativo); O que informar na GFIP: apenas os valores retidos no campo Retenção (Lei 9.711/98) se for compensar no tomador obra; Se houver sobra de retenção na matrícula CEI e a empresa for compensar no CNPJ, informar o valor da compensação no campo Compensação Compensação do tomador CNPJ;

45 RETENÇÃO 11% - COMPENSAÇÃO E RESTITUIÇÃO d) Ser objeto de pedido de restituição, o qual deverá ser feito via PER/DCOMP para pedidos formulados a partir de 01/12/2009 (IN RFB 900/2008 alterada pela IN RFB 973/2009); O que informar na GFIP: apenas os valores retidos no campo Retenção (Lei 9.711/98) ;

DELEGACIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA VITÓRIA/ES. Novo Modelo da GFIP - Janeiro/2006 VITÓRIA, ES, JANEIRO/2006

DELEGACIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA VITÓRIA/ES. Novo Modelo da GFIP - Janeiro/2006 VITÓRIA, ES, JANEIRO/2006 DELEGACIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA VITÓRIA/ES Novo Modelo da GFIP - Janeiro/2006 Novo Modelo da GFIP 1 VITÓRIA, ES, JANEIRO/2006 Novo Modelo da GFIP I - INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE A GFIP 1 - GFIP - Guia

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA CAXIAS DO SUL/RS, DEZEMBRO/2005.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA CAXIAS DO SUL/RS, DEZEMBRO/2005. MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA CAXIAS DO SUL/RS, DEZEMBRO/2005. 2 Disponível a partir da competência Novembro/2005. Obrigatório a partir de 01/02/2006 e para a competência

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8 PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8 ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Atualização: 12/2006 AVISO

Leia mais

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8.4

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8.4 MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8.4 ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Atualização: 10/2008 AVISO IMPORTANTE NO FECHAMENTO, O SEFIP

Leia mais

Índice 1.Orientações Gerais...2 1.1.O que é GFIP...2 1.2.Quais as vantagens de utilizar o SEFIP?...2 1.3.Prazo de Entrega...2 1.4.Transmissão...

Índice 1.Orientações Gerais...2 1.1.O que é GFIP...2 1.2.Quais as vantagens de utilizar o SEFIP?...2 1.3.Prazo de Entrega...2 1.4.Transmissão... Índice 1.Orientações Gerais...2 1.1.O que é GFIP...2 1.2.Quais as vantagens de utilizar o SEFIP?...2 1.3.Prazo de Entrega...2 1.4.Transmissão...2 1.5.O que deverá ser informado na SEFIP...3 1.6. Ausência

Leia mais

SEFIP OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

SEFIP OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL SEFIP OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ÍNDICE: 1. Tipo de Obras 2. Tomador de Serviço e o Prestador de Serviço (Definição e Obrigação) 3. Obra executada por Construtora empreitada total 4. Obra executada por

Leia mais

27 e 28/05/2013 - Brasília DF - SEFIP VERSÃO 8.4 NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E CONECTIVIDADE SOCIAL ICP. Apresentação. Objetivo.

27 e 28/05/2013 - Brasília DF - SEFIP VERSÃO 8.4 NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E CONECTIVIDADE SOCIAL ICP. Apresentação. Objetivo. Apresentação O treinamento visa levar aos participantes as informações sobre como obter o certificado digital ICP, qual tipo de certificado necessário, como outorgar procurações eletrônicas, como enviar

Leia mais

1.1 - COMPETÊNCIA Informar, no formato MM/AAAA, o mês/ano a que se referem as informações à Previdência Social e o recolhimento ao FGTS.

1.1 - COMPETÊNCIA Informar, no formato MM/AAAA, o mês/ano a que se referem as informações à Previdência Social e o recolhimento ao FGTS. 1.1 - COMPETÊNCIA Informar, no formato MM/AAAA, o mês/ano a que se referem as informações à Previdência Social e o recolhimento ao FGTS. NOTAS: 1. Para o FGTS, a competência deve ser igual ou posterior

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Gerenciamento de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP

Leia mais

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal;

Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Nova sistemática de cálculo da contribuição previdenciária patronal; Até a Lei 12.546/11 a empresa contribuía para o financiamento da Seguridade Social através dos 20% sobre a folha de pagamento. Após

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

TIRA DÚVIDAS GFIP/SEFIP

TIRA DÚVIDAS GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL Ministério da Previdência Social - MPS Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Diretoria de Receita Previdenciária DIREP Divisão de Gerenciamento de Declarações - DIGEDEC TIRA DÚVIDAS

Leia mais

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012)

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) ÍNDICE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seção II Dos Segurados Contribuintes Obrigatórios

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015

ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015 ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA JANEIRO/2015... Pág. 49 ASSUNTOS TRABALHISTAS MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Leia mais

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS!

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 www.qsm.com.br ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! O fato de mudarmos de ano nos faz revigorados e prontos para novos

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2012

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2012 Page 1 of 5 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2012 06/02/2012 SALÁRIOS 07/02/2012 Pagamento de salários - mês de JANEIRO/2012 Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL AFERIÇÃO INDIRETA APURAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DA MÃO DE OBRA

CONSTRUÇÃO CIVIL AFERIÇÃO INDIRETA APURAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DA MÃO DE OBRA Matéria - Trabalhista CONSTRUÇÃO CIVIL AFERIÇÃO INDIRETA APURAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DA MÃO DE OBRA SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceitos 3. Matrícula 3.1. Matrícula Fracionamento 4. Matrícula Dispensa 5. Cadastramento

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 (quinta-feira) 15 Obrigação Salário- Maternidade Salário-Família Folha de Pagamento Código Receita 1007 1163 Fato Gerador e Fundamento Legal Parto e aborto espontâneo, conforme certidão

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO RESPOSTA DA RECEITA FEDERAL AO QUESTIONAMENTO DA CBIC Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br LEI 12.546/2011 ART. 7 Art. 7 o Até

Leia mais

esocial Informações e Orientações Atualizadas

esocial Informações e Orientações Atualizadas esocial Informações e Orientações Atualizadas Conceito e Objetivos do esocial O esocial é uma ação conjunta destes órgãos e entidades do governo federal: Caixa Econômica Federal Instituto Nacional do Seguro

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

INSS na atividade de Construção Civil. Johnatan Abreu Agosto de 2013

INSS na atividade de Construção Civil. Johnatan Abreu Agosto de 2013 INSS na atividade de Construção Civil Abreu Agosto de 2013 DEFINIÇÕES - O que é atividade de Construção Civil do ponto de vista previdenciário? 1 Construção; 2 Ampliação; 3 Reforma *; 4 Demolição. } Benfeitoria

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A JANEIRO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 07 07 08 09 09 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 23 24 25 26 27 28 29 31 31-1 - AGENDA

Leia mais

Desoneração da Folha e CND de obra na Construção Civil

Desoneração da Folha e CND de obra na Construção Civil Desoneração da Folha e CND de obra na Construção Civil Abreu novembro DEFINIÇÕES - Contratos de Construção Aquele celebrado entre o proprietário do imóvel, o incorporador, o dono da obra ou o condômino

Leia mais

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Dia: 06 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Importador O contribuinte importador de combustíveis deverá entregar,

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 52 - Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÕES INCIDENTES SOBRE

Leia mais

03/05/2015. Entendendo o esocial

03/05/2015. Entendendo o esocial Entendendo o esocial 1 O que é o esocial O esocialé o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Legislação Trabalhista... 31. 1. Autenticação... 31. 1. Cadastramento do Trabalhador... 33 2. Comprovantes de Cadastramento... 34

Legislação Trabalhista... 31. 1. Autenticação... 31. 1. Cadastramento do Trabalhador... 33 2. Comprovantes de Cadastramento... 34 Sumário TÍTULO I LEGISLAÇÃO TRABALHISTA... 29 CAPÍTULO 1 Legislação Trabalhista... 31 LIVRO DE INSPEÇÃO DO TRABALHO... 31 1. Autenticação. 31 CAPÍTULO 2 PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS)... 33 1. Cadastramento

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/01/2013. Sumário: 1 - Introdução

Leia mais

1. Conceito e Objetivo do Consórcio 2. Personalidade Jurídica 3. Falência 4. Constituição VERITAE

1. Conceito e Objetivo do Consórcio 2. Personalidade Jurídica 3. Falência 4. Constituição VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL CONSÓRCIOS ASPECTOS FISCAIS PREVIDENCIÁRIOS E TRIBUTÁRIOS SUMÁRIO 1. Conceito e Objetivo

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

Manual para Regularização de Obra. de Construção Civil

Manual para Regularização de Obra. de Construção Civil Manual para Regularização de Obra de Construção Civil Antes de adquirir, construir ou reformar consulte a Prefeitura onde está localizado o imóvel e profissionais de sua confiança, na maioria das vezes

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR

Leia mais

RSN Administrar FGTS/RJ

RSN Administrar FGTS/RJ RSN Administrar FGTS/RJ Índice Legislação Vigente Evolução Procedimental Percentuais Guias em utilização recolhimento regular SEFIP 8.4 - Importação de Folha e Entrada de dados SEFIP 8.4 - Dados do Movimento

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

1. MANUAL DA GFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 6

1. MANUAL DA GFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 6 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 1. MANUAL DA GFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 6 ORIENTAÇÃO SOBRE AS INFORMAÇÕES PRESTADAS NA GFIP Aprovado pela IN INSS/DC n 107, de 22/04/2004. ÍNDICE 2 ÍNDICE...2 APRESENTAÇÃO...7

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações Previdenciárias INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 001 JUNHO/2003

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Diretoria de Arrecadação e Fiscalização ORDEM DE SERVIÇO Nº 209, DE 20 DE MAIO DE 1999 Estabelece procedimentos de arrecadação

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. CISPED, 21/11/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. CISPED, 21/11/2013 CISPED, 21/11/2013 Aspectos Técnicos Utilização do CPF como chave do trabalhador associado ao PIS/NIT; Validação na base do CNIS CPF/PIS/Data de nascimento; Cadastramento inicial apenas dos vínculos ativos;

Leia mais

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Dia: 07 CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados Envio ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da relação das admissões, demissões e transferências

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07 Fl. 15 Fls. 1 0 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 40 Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA.

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Dra. Valéria de Souza Telles esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Manual de Orientação do e - Social Versão 1.0 (Ato Declaratório Executivo SUFIS nº 5/13 DOU de 18/07/2013) Manual de Orientação do

Leia mais

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador:

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: 4.3 - CATEGORIA Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: Cód. 01 Empregado; 02 Trabalhador avulso; Categoria 03 Trabalhador não vinculado ao RGPS, mas com direito ao FGTS;

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer????

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer???? Fevereiro de 2014 O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda E agora, o que tenho que fazer???? O QUE É AFINAL? Componente do SPED (Sistema Público de

Leia mais

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa?

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? SISTEMA HUMANUS DE GESTÃO DE RH O QUE É O ESOCIAL? O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação

Leia mais

Datamace informática Ltda. 0

Datamace informática Ltda. 0 06/2012 EXTRAORDINÁRIO Bl. 06/2012 OBSERVE A PRINCIPAL INFORMAÇÃO E/OU ALTERAÇÃO LEGAL OCORRIDA NESTE PERÍODO QUE PODERÁ TER IMPACTO EM SUAS ATIVIDADES: EFD Contribuições Lucro Presumido Página 2 Desoneração

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 003 SALÁRIO-MATERNIDADE

Leia mais

HISTÓRICO DAS VERSÕES DO SEFIP E DAS TABELAS AUXILIARES DO INSS

HISTÓRICO DAS VERSÕES DO SEFIP E DAS TABELAS AUXILIARES DO INSS HISTÓRICO DAS VERSÕES DO SEFIP E DAS TABELAS AUXILIARES DO INSS Os indicativos (número e data) da Versão SEFIP, Tabelas do INSS e Tabela de Índices do FGTS podem ser visualizados no Menu Principal do SEFIP,

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS SERVIÇOS DE CONTROLE DE VETORES

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONDIÇÕES ESPECIAIS 1. Contribuição

Leia mais

MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO

MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO 5.4 FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo DECRETO N.º 501, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta a instituição do gerenciamento eletrônico do ISSQN- Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a escrituração econômico-fiscal e a emissão de documento

Leia mais

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária Versão 01 - Página 1/10 1. Objetivo Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária. 2. Aplicação Esta instrução aplica-se a emissão de todas as guias de retenções

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO A T U A L I Z A Ç Õ E S DA MP 6 5 1 / 2 0 1 4 QUE T O R N A A D E S O N E R A Ç Ã O D E F I N I T I V A P A R A O S E T O R E L E I 12. 9 9 5 / 2 0 1 4 C O M N O V A R

Leia mais

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2016

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2016 ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2016 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA FEVEREIRO/2016... Pág. 140 SIMPLES NACIONAL - ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 01 De que trata a Instrução Normativa 89? A IN 89 trata da contribuição adicional para financiamento

Leia mais

Impactos do esocial. Projeto multidisciplinar. Impactos. Substituição da GFIP e MANAD (RAIS, CAGED e DIRF prevista para 2015)

Impactos do esocial. Projeto multidisciplinar. Impactos. Substituição da GFIP e MANAD (RAIS, CAGED e DIRF prevista para 2015) Impactos do esocial Impactos Substituição da GFIP e MANAD (RAIS, CAGED e DIRF prevista para 2015) Disponibilização da DCTF Web PER/DCOMP como meio para compensações após a extinção da GFIP Projeto multidisciplinar

Leia mais

Palestrantes: Reginaldo da Silva dos Santos, André Bocchi e. Luis Antônio dos Santos

Palestrantes: Reginaldo da Silva dos Santos, André Bocchi e. Luis Antônio dos Santos esocial SEMINÁRIO Uma realidade RETENÇÕES a ser DE enfrentada IMPOSTOS pelos E CONTRIBUIÇÕES profissionais de RH, Contabilidade e de Gestão Administrativa Palestrantes: André Bocchi da Silva Reginaldo

Leia mais

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA BAIXA DE EMPRESA

ROTEIRO BÁSICO PARA BAIXA DE EMPRESA ROTEIRO BÁSICO PARA BAIXA DE EMPRESA Em conformidade com o Novo Código Civil,o processo de baixa de registro de empresas,possui uma ordenação para retirada de certidões negativas e verificação de regularidade

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 36 - Data 4 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO HIDRÁULICA, ELÉTRICA, SANITÁRIA, DE GÁS

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal EFD Contribuições Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo EFD Contribuições, que faz parte do Bloco Contábil e Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Finalidade. Entes envolvidos. Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas

Finalidade. Entes envolvidos. Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas ariane@ensicon.com.br Finalidade A Escrituração Fiscal Digital Social tem por finalidade: a) Prestar informações

Leia mais

RETENÇÃO DE 11% Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria da Receita Previdenciária - SRP. Delegacia da Receita Previdenciária Vitória/ES

RETENÇÃO DE 11% Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria da Receita Previdenciária - SRP. Delegacia da Receita Previdenciária Vitória/ES RETENÇÃO DE 11% Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria da Receita Previdenciária - SRP Delegacia da Receita Previdenciária Vitória/ES Junho/2005 1 RETENÇÃO DE 11% FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei n.º

Leia mais

Desoneração Folha Pagamento

Desoneração Folha Pagamento CONFIRA NOSSA AGENDA DE CURSOS!! www.cinatcursos.com.br 65.3023.3400 Desoneração Folha Pagamento Fundamentação Legal: - Lei 8.212/91 Plano de Custeio da Previdência Social; -Lei 12.546/11 -Atualizada pela

Leia mais

Dicas de Custeio do Prof. Italo Romano

Dicas de Custeio do Prof. Italo Romano 1. As alíquotas de contribuição dos segurados: empregado, doméstico e trabalhador avulso são 8%, 9% e 11% observando a faixa remuneratória na tabela abaixo: SALÁRIO-DE-CONTRIBUIÇÃO ALÍQUOTAS Até 965,67

Leia mais

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Conceito de EFD-Social O (EFD-Social) é um projeto do governo federal que visa a unificação das obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES CONCEITOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA Colocação à disposição da contratante Em suas dependências ou nas de terceiros indicadas

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial MATÉRIAS Salário-Maternidade Sistemática de Compensação e Atualização do Sistema SEFIP Versão

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO/ ESCRITURAÇÃO FISCAL CONTÁBIL E OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Leia mais

3) Empregador doméstico terá que ter certificado e-cpf? Resposta - Se recolher FGTS, sim. e-cpf contendo o CEI de Empregador Doméstico.

3) Empregador doméstico terá que ter certificado e-cpf? Resposta - Se recolher FGTS, sim. e-cpf contendo o CEI de Empregador Doméstico. 1) Empresas construtoras que possuem várias obras (CEI), precisam de um certificado para cada obra? Resposta - Não, só será necessário um certificado para o CNPJ da construtora, as obras com CEI continuam

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10. São Paulo, 21 de Agosto de 2003 DE: MÁRCIO FERNANDES DA COSTA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.666 DE 08/05/2003

Leia mais