11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas"

Transcrição

1 Apresentação 11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Identificação do órgão: Supremo Tribunal Federal Unidade: Secretaria de Recursos Humanos / Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal / Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento para contato: Nome do Projeto: PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE INSTRUTORES INTERNOS Tema: Gestão de Pessoas Nome do Responsável e Equipe: Responsável: Valéria do Rêgo Monteiro Pereira Vieira (Analista Judiciária / Chefe da Seção). Equipe: Renata Morais Lima Costa (Técnica Judiciária), Laura Vieira Maciel (Analista Judiciária) e Regis Alves dos Santos (Técnico Judiciário). Parceria: Secretaria de Comunicação Social. Delimitação da Ação: Cooptação de servidores capazes de disseminar conhecimento em diversas áreas de interesse do Tribunal, como instrutores internos, a partir da promoção de um programa que os capacite para essa atividade, mediante realização de cursos de formação de instrutores, bem como ofereça oportunidade para aquisição de experiência em docência. Metas: 1 Em 2009, foi incluída como meta estratégica do STF realizar, a cada ano, no mínimo 15% dos eventos internos por instrutoria interna. Em 2009, esse índice foi de 27,3%, aumentando para 44,74% em Em 2011, esse índice já está em 45%. 2 Realizar, a cada ano, pelo menos uma turma do curso de formação de instrutores ; em 2011 já foram realizadas, até o momento, duas turmas. 3 Oferecer, a cada semestre, através da Instrutoria Solidária, pelo menos três cursos/oficinas voltadas para o público-alvo terceirizado. Para este semestre já estão previstos três eventos a serem realizados nos meses de setembro, outubro e dezembro. Objetivos: Aumentar o número de servidores devidamente qualificados para atuarem como instrutores internos do STF, bem como ampliar a rede de conhecimento da Corte, por meio da Instrutoria Solidária.

2 Desenvolvimento Em 27 de outubro de 2010 foi publicada, no âmbito do STF, a Instrução Normativa nº 114, que inovou em diversos pontos quanto aos critérios de habilitação para se tornar um instrutor interno no STF, e, assim, receber remuneração por essa atividade. Os critérios estabelecidos na regulamentação são: nível superior ou especialização na área de conhecimento em que deseja atuar; experiência profissional em atividade relacionada à área em que deseja atuar; participação em ações de treinamento destinadas à formação de multiplicadores; e experiência de, no mínimo, 8 horas em docência. O objetivo maior era oferecer cursos internos com maior qualidade aos servidores da Casa, e, em contrapartida, enaltecer um dos valores do Tribunal (valorização do capital humano). O programa fora lançado oficialmente em fevereiro de 2011 (anexo I). Com a publicação da IN, foram abertas as inscrições para os servidores interessados em se tornarem instrutores internos do STF e dezessete servidores foram habilitados. Em análise aos documentos dos interessados, percebeu-se que era comum a falta de experiência em docência e a não participação em cursos de formação de multiplicadores. A fim de sanar essas deficiências e, então, tornar possível a habilitação desses servidores, o Programa de Formação de Instrutores Internos prevê a realização de duas ações. A primeira delas é fornecer capacitação por meio de duas turmas de curso de formação de multiplicadores (anexos II e III). A princípio, seria oferecida apenas uma, no turno matutino. No entanto, a procura superou as expectativas. Como a instrutora contratada estava em Brasília apenas para este fim, e o custo para formar nova turma seria inferior ao de uma nova contratação posterior, decidiu-se oferecer mais uma, no turno noturno (anexo IV), obedecendo-se assim aos princípios da Administração da economicidade e eficiência. Ao final, foram 39 participantes, que avaliaram muito bem o curso (anexo V). O conteúdo programático foi baseado em: O processo de ensino; Elementos básicos em todo o processo de percepção para uma efetiva aprendizagem (conhecimento da realidade, importância dos objetivos, seleção, organização e avaliação de conteúdos); Etapas da apresentação; Princípios básicos do papel e do perfil do multiplicador; Estilos de aprendizagem e as diferentes formas de aprender; Como lidar com a diversidade na aprendizagem; Habilidades de comunicação e apresentação das ideias; Como reconhecer e lidar com os diferentes tipos de participantes; Como controlar a timidez e o nervosismo; Como lidar com perguntas e conflitos; Como ser um bom multiplicador; Marketing pessoal; Apresentações e feedback.

3 Após essa etapa, para viabilizar o atendimento a mais uma das exigências da IN (experiência mínima de 8 horas em docência), foi lançada a segunda ação denominada de Instrutoria Solidária (anexos VI e VII). A fim de atrair os servidores para se tornarem instrutores internos, a Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento lançou uma campanha dirigida não só àqueles que participaram da primeira fase (curso de formação de multiplicadores), ou àqueles que necessitam preencher o requisito de experiência em docência, mas também aos demais servidores do Tribunal interessados em atuarem como instrutores voluntários em cursos para os colaboradores terceirizados. A ação, mesmo antes de ter uma divulgação oficial, surtiu precocemente um dos efeitos desejados: despertar no instrutor o ânimo da solidariedade, tendo em vista que o público-alvo são os terceirizados do órgão, que comumente não podem ser atingidos pelos cursos regulares que acontecem internamente. Uma das interessadas, por exemplo, já é instrutora interna habilitada, mas se comoveu com a ação e se dispôs a oferecer uma oficina de Redação Oficial aos terceirizados como instrutora voluntária (anexo VIII). E seguindo esse exemplo, a cada dia, recebemos mais manifestações. A divulgação constante do anexo citado será utilizada a fim de convidar os colaboradores a participarem dos eventos e será o meio de divulgação sempre que acontecerem as oficinas. Para este semestre, já estão programadas três ações: uma voltada para o ensino de Redação Oficial, uma para noções de Administração Pública e outra para Gramática. Ao final de cada evento, e com participação satisfatória, os participantes receberão certificados que contarão para seu currículo profissional. A intenção é que, constantemente, sejam oferecidos esses eventos para terceirizados do Supremo com dois objetivos claros: dar oportunidade aos interessados em se habilitarem como instrutores internos do Tribunal de adquirirem as horas de docência e capacitar os terceirizados para que estejam cada vez mais aptos a estarem no mercado de trabalho e a oferecerem melhores serviços à Suprema Corte e à sociedade que busca a prestação jurisdicional, em caráter solidário. Desse modo, procura-se explicitar, em termos práticos, o valor institucional Valorização do Capital Humano e também o da Responsabilidade Social.

4 ANEXOS ANEXO I LANÇAMENTO DO PROGRAMA NO INÍCIO DO ANO a) Matéria publicada na intranet (Supremo em Dia): Segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011 I Instrutoria Interna Interessados em dar aulas no Tribunal devem procurar seção na SRH Para ser instrutor em cursos e treinamentos internos, os servidores devem atender a alguns pré-requisitos, dispostos na Instrução Normativa nº 114/10, que regulamenta a atividade. O interessado deve apresentar, com formulário próprio, certificado de conclusão de nível superior ou especialização na disciplina que deseja lecionar, dentre outros documentos comprobatórios. Os servidores que preencherem as exigências podem fazer a inscrição a qualquer momento na Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento/CDPE. Dependendo da demanda, essas pessoas poderão ser convidadas pelo Tribunal a ministrar cursos internos na disciplina em que forem habilitadas. As possibilidades são amplas e as diversas áreas de atuação do Tribunal podem ser incluídas no programa. Não há tema de preferência, pelo contrário, queremos formar uma lista bastante heterogênea que atenda às necessidades internas, garante Renata Morais Lima Costa, que atua na seção. O formulário está disponível na intranet (Formulários "Drive N" - Instrutor Interno - inscrição) e deve ser encaminhado com a documentação comprobatória dos pré-requisitos à seção, que fica no Anexo II-A, ala B, sala C A Seção de Ações de Capacitação Continuada/CDPE, que atua em parceria com a Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento, escolherá o servidor com base na análise do currículo, na experiência profissional e/ou outros critérios específicos exigidos em decorrência da natureza e complexidade do treinamento. Os selecionados têm algumas atribuições como apresentar proposta do curso a ser ministrado; planejar as aulas; elaborar o conteúdo e o material didático. Mas a seleção não implica em obrigatoriedade de o servidor atuar como instrutor. Ele deverá verificar se estará disponível naquele período, se vai coincidir ou não com férias, licenças ou outro compromisso, esclarece Renata. Caso o curso seja oferecido em horário de expediente, o afastamento do servidor para exercer a atividade de instrutoria interna deverá ser autorizado pela chefia imediata e a carga horária deverá ser compensada.

5 A remuneração é diferenciada, não sendo considerado como serviço extraordinário, por exemplo. Quando atua como instrutor interno, o servidor recebe a Gratificação por Encargo de Curso, prevista pela Lei nº 8.112/90 e regulamentada pelo Decreto 6.114/07. A Gratificação é calculada em horas, correspondendo a percentuais do maior vencimento da Administração Pública Federal, podendo variar de acordo com o tipo de curso e a escolaridade do instrutor. Documentação O servidor interessado deve preencher o formulário e entregá-lo com a comprovação de: 1 nível superior ou especialização na área de conhecimento em que deseja atuar; 2 experiência profissional em atividade relacionada à área em que deseja atuar; 3 participação em ações de treinamento destinadas à formação de multiplicadores; e 4 experiência de, no mínimo, 8 horas em docência. Valorização O principal objetivo da instrutoria interna é disseminar conhecimento, práticas e habilidades, e também valorizar o capital humano. Atualmente, o STF conta com 17 instrutores internos, habilitados em diversas áreas. Além de receber a gratificação, o servidor participante também tem a oportunidade de se destacar nos processos seletivos de bolsas de estudo, já que um dos critérios de classificação é a atuação como instrutor interno. Quem quer trabalhar como instrutor, mas nunca participou de ações destinadas à formação de multiplicadores (condição prevista na norma), pode participar dos cursos de formação que serão oferecidos pela Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal ao longo do ano. Valorização do Capital Humano - Reconhecer o capital humano como principal fator de desenvolvimento da instituição - é um dos valores institucionais do STF. (Assista o RH em Vídeo - Cidadania Corporativa).

6 ANEXO II CARTAZ DE DIVULGAÇÃO DO CURSO

7 ANEXO III MATÉRIA PUBLICADA QUANDO DO LANÇAMENTO DO CURSO Segunda-feira, 13 de junho de 2011 Capacitação Abertas inscrições para o Curso de Formação de Instrutores Internos Começam nesta segunda (13) e vão até o dia 20 de junho, as inscrições para o Curso de Formação de Instrutores Internos, que acontecerá entre os dias 27 e 30 de junho. O curso faz parte do Programa de Formação de Instrutores Internos da Secretaria de Recursos Humanos(SRH). De acordo com a SRH, este projeto propõe uma nova forma de habilitação dos servidores para a atividade de instrutoria interna, bem como despertar nos colaboradores a vontade de expor seus conhecimentos e até mesmo acabar com o temido ato de falar em público. Essa ação será benéfica para o crescimento profissional do servidor que atua no STF, gerando um desenvolvimento pessoal capaz de operar transformações em sua carreira. A ação também visa ampliar a gama de cursos que podem ser oferecidos pelos próprios servidores do Supremo. O curso é dirigido a todos os servidores do STF que desejam se tornar multiplicadores de conhecimentos no âmbito do Tribunal, que necessitam de aperfeiçoamento em questões como didática, desenvolvimento da capacidade de comunicação e que queiram se tornar um agente de mudança, bem como àqueles que já são habilitados para serem instrutores internos e que desejam se aperfeiçoar. Entre os assuntos previstos no conteúdo programático estão os princípios básicos do papel e do perfil do multiplicador, habilidades de comunicação e apresentação de idéias, como controlar a timidez e o nervosismo, além de elementos básicos em todo processo de percepção e motivação para uma efetiva aprendizagem (conhecimento da realidade, importância dos objetivos, seleção, organização e avaliação de conteúdos). Os interessados devem fazer a inscrição por meio do Sistema de Inscrições online no espaço do servidor na Intranet. Agende-se Curso de Formação de Instrutores Internos De 27 a 30 de junho Horário: das 8h às 11h30 Inscrições de 13 a 20 e junho Informações: Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento, ramal 3353 e 3385

8 ANEXO IV DO SURGIMENTO DE NOVAS VAGAS Terça-feira, 21 de junho de 2011 Novas Vagas SRH abre nova turma para Curso de Formação de Instrutores Internos Devido à grande procura, a Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal vai oferecer mais uma turma para o curso, como parte do Programa de Formação de Instrutores Internos da Secretaria de Recursos Humanos (SRH). Serão disponibilizadas mais três vagas, todas no período noturno, das 19h às 22h30. As vagas serão preenchidas por ordem de inscrição. Quem se interessar deve se inscrever até as 19h desta terça-feira (21), por meio do sistema de Inscrições Online na Intranet, menu Espaço do Servidor. As aulas acontecerão na sala de Treinamento (Anexo II-A, 2º andar, sala 208), com exceção da aula do dia 29, que será na Sala de Sessões da Primeira Turma. Serviço Novas Vagas Curso: Formação de Instrutores Internos Período: de 27 a 30 de junho Horário: das 19h às 22h30 Informações: Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento (3353 e 3385). ANEXO V APÓS REALIZAÇÃO DAS DUAS TURMAS DE FORMAÇÃO Quarta-feira, 29 de junho de 2011 Formação de instrutores Curso prepara instrutores para multiplicar o conhecimento no Supremo Servidores do STF participam, até esta quinta-feira (30), de mais uma etapa do Curso de Formação de Instrutores Internos. O curso, que foi dividido em quatro encontros, busca especializar o servidor do Supremo para se tornar um instrutor e, com isso, aumentar a gama dos cursos que podem ser oferecidos dentro do próprio Tribunal. As aulas são ministradas por Nanci Capel Pilares, especialista em desenvolvimento de pessoas e organizações, que explica a intenção do curso em capacitar novos comunicadores: a gente visa à formação de multiplicadores internos, para que essas pessoas possam estar juntas, fazendo trabalhos no Supremo com uma desenvoltura maior ainda do que já se tem. Para a formação desses instrutores, são colocadas em prática dinâmicas de grupo e intensa participação dos alunos, com objetivo de trabalhar questões como timidez e tensão ao falar em público. O curso vai ajudar as pessoas mais tímidas, que têm um conhecimento muito profundo, mas não se colocam em público, explica a instrutora Nanci. O curso apresenta maneiras para o controle do nervosismo, além de elementos básicos no processo de percepção e motivação para a aprendizagem, gerando desenvolvimento na capacidade de comunicação. Socialização do conhecimento A realização do curso abrirá as portas para que servidores passem adiante seus conhecimentos dentro do Supremo. É o caso de Severino Duarte, da Seção de Controle Interno, que já tem um projeto de curso na área de execução orçamentária financeira e, agora está completando sua capacitação para poder passar seu conhecimento pra frente. Eu não tinha os requisitos para colocar em prática o curso, mas agora vou conseguir juntar o projeto do curso mais as aulas de instrutores para conseguir ministrar uma turma, defende. A servidora Keila Cassiane, do Gabinete do ministro Joaquim Barbosa, também avalia positivamente sua participação no treinamento. A gente tem a diversificação do aprendizado, porque aqui você aprende a ensinar, sai da rotina do aprendizado técnico, garante.

9 O curso de formação de instrutores internos está sendo ministrado em duas turmas, pela manhã das 8h às 11h30 e à noite, das 19h às 22h30, na sala de Treinamentos. ANEXO VI CARTAZ DE COOPTAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS PARA O INSTRUTORIA SOLIDÁRIA

10 ANEXO VII MATÉRIA DE DIVULGAÇÃO DE COOPTAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS PARA O INSTRUTORIA SOLIDÁRIA Terça-feira, 30 de agosto de 2011 Instrutoria Solidária Servidores poderão ministrar cursos para terceirizados A Secretaria de Recursos Humanos convida os servidores para participarem do projeto de Instrutoria Solidária voltada para treinamentos e cursos direcionados ao público terceirizado. Como parte do Programa de Formação de Instrutores Internos, esse projeto, além de ser uma maneira de os servidores transmitirem conhecimento ao capital humano do Supremo, é uma oportunidade de poderem adquirir horas de docência para se habilitarem como instrutores internos da Casa, conforme prevê a IN 114/2010. Segundo a chefe da Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento, Valéria Monteiro, a instrutoria tem como objetivo aperfeiçoar as habilidades didáticas do servidor interessado em se tornar instrutor interno do STF e ampliar a rede de conhecimento do Supremo, por meio de um projeto que priorize a responsabilidade social unida ao desenvolvimento intelectual de seus colaboradores. Essa medida também visa investir no valor institucional Valorização do Capital Humano. É uma forma de os futuros instrutores treinarem o modo de repassarem o conhecimento aos seus pares por meio de uma atividade que prioriza a responsabilidade social, justifica Valéria. Além de servir como experiência de, no mínimo, 8 horas em docência para habilitação como instrutor interno do STF requisito previsto no artº 3º, IV, da IN nº 114/2010, a Instrutoria Solidária também possibilitará uma espécie de estágio anterior à efetiva atuação do servidor como instrutor interno do Tribunal. Assim acreditamos aumentar a segurança na qualidade dos próximos cursos e criar um ambiente de ampliação de conhecimento das pessoas, estimulando a produção de novos saberes e informações úteis ao Tribunal, avalia Laura, integrante da Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento. Como ser um instrutor solidário Para participarem, os interessados devem enviar suas propostas de criação de cursos, nas quais devem constar informações como a disciplina, a carga horária, o conteúdo programático, dentre outras, para o ou ligar para os ramais 3385 e 3353, da Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento. A Seção de Programas Institucionais de Desenvolvimento informa ainda que todos os cursos deverão ser ministrados na parte da noite.

11 ANEXO VIII CARTAZ DE DIVULGAÇÃO DE OFICINA PARA TERCEIRIZADOS

12 Conclusão Com o inicio efetivo deste trabalho em 2011, conseguimos ter uma lista atual de 24 instrutores internos. Embora ainda não seja a meta, acreditamos ter investido no fator melhor qualificação dos que forem contratados para ministrarem cursos internamente. No ano de 2010, 44,74% dos eventos internos foram oferecidos por instrutores cadastrados. Até agosto de 2011, foram 45%. Cabe destacar que a meta institucional é oferecer, no mínimo, 15% dos cursos com instrutoria interna. Ou seja, constata-se que há, por parte do público, confiança e credibilidade nesses profissionais na área ministrada. As avaliações de reação, que são preenchidas pelos participantes ao final dos cursos, evidenciam que a qualidade é inquestionável, não sendo passível de descrédito se comparado a instrutores externos. Esse número demonstra a qualidade dos cursos oferecidos e a boa aceitabilidade por parte do público. Muitos dos cadastrados são docentes em faculdades e cursos fora do Tribunal, comprovado através dos currículos recebidos e analisados pela área, o que ressalta a experiência notória desses profissionais. A meta é ter um número cada vez maior de cursos e eventos oferecidos com a instrutoria de servidores da Casa, em diversas áreas do conhecimento (Direito, Controle Interno, Informática, Administração Pública, Língua Portuguesa, dentre outros), mas para isso é necessário oferecer suporte para os interessados. Outra meta é oferecer mensalmente cursos e eventos dirigidos ao público-alvo terceirizado, um público importante para a Administração e que nem sempre possui os mesmos meios de adquirir conhecimento que os servidores efetivos. Esse suporte é dado tanto pelos cursos de aperfeiçoamento (formação de multiplicadores) e oportunidade de atuar em oficinas para terceirizados, quanto por meio do Programa de Aperfeiçoamento e Especialização, em que são oferecidas bolsas de estudos de pós-graduação (lato sensu e strictu sensu) aos servidores que atenderem aos requisitos e forem contemplados. A bolsa é concedida para cursos cujo tema esteja vinculado às áreas de interesse do Tribunal e às atribuições do cargo efetivo. Estão previstas ainda para este segundo semestre, três oficinas para terceirizados, voltados para as áreas de Administração Pública, Redação Oficial e Língua Portuguesa. E após o lançamento da campanha de divulgação do Instrutoria Solidária, foram recebidas muitas manifestações de interesse em participar, várias, inclusive sem qualquer interesse relativo a horas de docência exigidas para habilitação, pelo caráter solidário que de que a ação se reveste. Para o ano de 2012, pretende-se dar continuidade ao Programa com oferecimento de mais turmas de Formação de Instrutores, com aprofundamento no tema, e também oficinas diversas para o público terceirizado durante todo o ano.

Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR

Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR 2008 SUMÁRIO 1 Introdução 2 O que é Monitoria 2 Quem é o Monitor do Cesupa 2 Competências e Deveres do Monitor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007 Regulamenta as atividades de instrutoria interna no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3.

PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3. PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3.029/2014) Regulamenta a Gratificação por Encargo de Curso no âmbito da Justiça

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE A Gerente Substituta de Administração e Desenvolvimento de Pessoas da Anatel - AFPE, no uso de suas

Leia mais

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO O Servidor em Cargos Técnico-Administrativos em Educação possui peculiaridades

Leia mais

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA DO INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE 1. Objetivos e Organização Geral 1.1- Os cursos de pós-graduação lato sensu oferecidos

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 31/2014, DE 01 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 31/2014, DE 01 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal do Espírito Santo Conselho Superior Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES O Programa de Certificação de Formadores busca capacitar profissionais da área da educação como formadores de professores e gestores educacionais. Com esta certificação, os formadores poderão ministrar

Leia mais

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social - PRODHS

Leia mais

SUMÁRIO 1. Atos da PGE...3 1.1 Ordem de serviço...3. 2. Atos da SRH...5 2.1 Ações de capacitação...5

SUMÁRIO 1. Atos da PGE...3 1.1 Ordem de serviço...3. 2. Atos da SRH...5 2.1 Ações de capacitação...5 16 29 29/4/2013 SUMÁRIO 1. Atos da PGE...3 1.1 Ordem de serviço...3 2. Atos da SRH...5 2.1 Ações de capacitação...5 2 1. Atos da PGE 1.1 Ordem de serviço Ordem de Serviço PGE n 0002/2013/PGE-ANEEL/PGF/AGU,

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 8 DE JULHO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 8 DE JULHO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 8 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre a participação de servidores do Supremo Tribunal Federal em ações de treinamento. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais

AUXÍLIO TRANSPORTE TUDO QUE VOCÊ PRECISA PARA MOSTRAR O SEU TALENTO.

AUXÍLIO TRANSPORTE TUDO QUE VOCÊ PRECISA PARA MOSTRAR O SEU TALENTO. AUXÍLIO TRANSPORTE TUDO QUE VOCÊ PRECISA PARA MOSTRAR O SEU TALENTO. ÍNDICE APRESENTAÇÃO...04 MISSÃO E VISÃO DO SISTEMA FIEB... 06 VALORES... 08 OBJETIVOS DO PROGRAMA... 12 APROVEITAMENTO INTERNO... 14

Leia mais

Seção II Dos Gerentes

Seção II Dos Gerentes O EXMO. SR. PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de fomentar e viabilizar o desenvolvimento de servidores e o aperfeiçoamento

Leia mais

MBA EM GESTÃO PÚBLICA

MBA EM GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO PÚBLICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA)

EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA) EDITAL Nº 017, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE MONITORIA (VOLUNTÁRIA) O DIRETOR DE IMPLANTAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS O Incentivo à Qualificação é um benefício, na forma de retribuição financeira, calculado sobre o padrão de vencimento percebido pelo servidor,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF.

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. A Secretária de Gestão de Pessoas, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar.

Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar. DUAS VERDADES IMPORTANTES Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar. DUAS VERDADES IMPORTANTES CERCA DE 80% DO PROFISSIONAIS DE VENDAS VEM PARA A ATIVIDADE DE FORMA CIRCUNSTANCIAL E

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 68 de 01/07/2013 - CAS RESOLVE:

RESOLUÇÃO N o 68 de 01/07/2013 - CAS RESOLVE: RESOLUÇÃO N o 68 de 01/07/2013 - CAS Regulamenta o Serviço Integrado de Atendimento ao Aluno e ao Egresso (SIAE), da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público

A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público 1 A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público Goiânia GO abril/2015 Dayse Mysmar Tavares Rodrigues TJGO dmysmar@hotmail.com

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE TUTORES ENTRE JOVENS PROEMI/PJF

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE TUTORES ENTRE JOVENS PROEMI/PJF EDITAL PARA A SELEÇÃO DE TUTORES ENTRE JOVENS PROEMI/PJF 1. DO EDITAL A Escola de Ensino Médio Barão de Aracati 10ª CREDE, torna pública a seleção de Tutores para atuar na escola, em conformidade com a

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 Link para acessar o ambiente e fazer a pré-inscrição: http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (61) 2025 3376 / 3114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO

Leia mais

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 A, no uso de suas atribuições legais e, tendo em vista o disposto no Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento da UNIVASF, aprovado pela Resolução/CONUNI/02/2008,

Leia mais

REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE APLICADORES DE PROVAS EM PROCESSOS SELETIVOS DA UFOP

REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE APLICADORES DE PROVAS EM PROCESSOS SELETIVOS DA UFOP REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E SELEÇÃO DE APLICADORES DE PROVAS EM PROCESSOS SELETIVOS DA UFOP 1. DO OBJETIVO A Seleção de Aplicadores de Provas em Processos Seletivos - Vestibulares e Processos Isolados

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional Programa Estadual Novas Oportunidades de Aprendizagem na Educação Básica- PENOA Florianópolis, 2016.

Leia mais

DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL

DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL A Psicopedagogia é a área de conhecimento, atuação e pesquisa que lida com o processo de aprendizagem humana, visando o apoio aos indivíduos e aos grupos

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

3. EIXOS DE DESENVOLVIMENTO (*):

3. EIXOS DE DESENVOLVIMENTO (*): PAC UFSCar 2016 1.INTRODUÇÃO A Política de Capacitação da UFSCar estabelece as diretrizes para capacitação de servidores com vistas ao desenvolvimento de um processo de educação continuada e permanente

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas

Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas Margarida M. Krohling Kunsch Introdução No âmbito de uma sociedade cada vez mais complexa, reserva-se à comunicação um papel de crescente

Leia mais

Resumo Gestão de Pessoas por Competências

Resumo Gestão de Pessoas por Competências Resumo Gestão de Pessoas por Competências A coordenação técnica e acompanhamento especializado para a realização do projeto são realizados pela consultora e professora Sonia Goulart, da SG Educação Empresarial.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO RESOLUÇÃO Nº 0XX/CONSUP/IFMA, DE XX DE XXXXXXX DE 2015. Dispõe sobre

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE EAD

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE EAD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO

Leia mais

MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO

MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO SUMÁRIO 1 Introdução... 03 2 Objetivos...03 3 Diretrizes...03 4 Processo...03 4.1 Atividade I...03 4.2 Atividade II...04 4.3 Atividade III...05 5 Responsabilidades...06

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 29 DE AGOSTO DE 2013

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 29 DE AGOSTO DE 2013 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO IFMA EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 29 DE AGOSTO DE 13 SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS DO IFMA PARA ATUAREM

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/N 28, DE 02 DE SETEMBRO DE 2002. Publicação: B.S. Nº 35 de 02/09/2002

NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/N 28, DE 02 DE SETEMBRO DE 2002. Publicação: B.S. Nº 35 de 02/09/2002 NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/N 28, DE 02 DE SETEMBRO DE 2002. Publicação: B.S. Nº 35 de 02/09/2002 Dispõe sobre critérios e parâmetros de participação dos servidores do INCRA em eventos de capacitação de curta,

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO EDUCAÇÃO CONTINUADA E CAPACITAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES DOS CURSOS SUPERIORES DE ENGENHARIA: INICIANDO A DISCUSSÃO Sandra Maria Dotto Stump - sstump@mackenzie.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES CEPED/RS CAPACITAÇÃO

Leia mais

Programa Jovem Aprendiz

Programa Jovem Aprendiz White Paper 1.0 Programa Jovem Aprendiz Despertando Talentos Uma oportunidade de crescimento pessoal e profissional para os jovens do Brasil Programa Jovem Aprendiz Despertando talentos. Uma oportunidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 01 CONSEPE, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e revoga as Resoluções CONSEPE nº 09/2013; 10/2014

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARANÁ SENAR-AR/PR PROGRAMA APRENDIZAGEM DE ADOLESCENTES E JOVENS

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARANÁ SENAR-AR/PR PROGRAMA APRENDIZAGEM DE ADOLESCENTES E JOVENS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARANÁ SENAR-AR/PR PROGRAMA APRENDIZAGEM DE ADOLESCENTES E JOVENS Rua Mal. Deodoro, 450 17º - Centro Curitiba - PR CEP 80.010-910 - Fone

Leia mais

1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015

1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015 1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015 O INSTITUTO DE CULTURA, ARTE, CIÊNCIA E ESPORTES- INSTITUTO CUCA, entidade privada, sem fins lucrativos, qualificada

Leia mais

1º - As capacitações de Formação e Desenvolvimento serão classificadas em facultativas ou obrigatórias, conforme sua natureza, objetivos

1º - As capacitações de Formação e Desenvolvimento serão classificadas em facultativas ou obrigatórias, conforme sua natureza, objetivos Á nos, 70% (setenta por cento) de freqüência presencial no período de avaliação, que corresponde ao ano letivo. Art. 8º - A Bonificação não será devida: I - aos servidores cedidos à Secretaria de Estado

Leia mais

Regimento de estágio não obrigatório

Regimento de estágio não obrigatório PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO - CEA Regimento de estágio não obrigatório Faculdade de Ciências Contábeis Maio 2009 1 CONTEÚDO Apresentação 3 Definição

Leia mais

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO Vanessa Torres dos Santos (vanessa.torres@live.com)¹ Emelynne Gabrielly de Oliveira Santos (nellynha_15@hotmail.com)¹ Izaac Batista Lima (izaac-15@hotmail.com)¹ Marília

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 Regulamenta os critérios de concessão, no âmbito da UFBA, da gratificação por encargos de cursos e concursos e dá outras providencias.

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 Apucarana, dezembro de 2006 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA PROGRAMA DE MONITORIA

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA PROGRAMA DE MONITORIA São Roque/SP - 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 3 CAPÍTULO III DOS

Leia mais

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFCO E TECNOLÓGICO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 Dispõe sobre a participação de servidores do Tribunal Superior do Trabalho em ações de educação corporativa

Leia mais

PREMIO UNOESTE SOLIDÁRIA

PREMIO UNOESTE SOLIDÁRIA PREMIO UNOESTE SOLIDÁRIA A Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE convida seus estudantes, professores e demais profissionais habilitados, de todas as áreas do conhecimento, com ações extensivas cadastradas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE INSTRUTORES PARA CURSOS DE CAPACITAÇÃO - PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFPR

EDITAL DE SELEÇÃO DE INSTRUTORES PARA CURSOS DE CAPACITAÇÃO - PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIDADE DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAS Edital EDITAL Nº 02/2013 PROGEPE/CDP/UCAP

Leia mais

Prezamos pela Transparência, Excelência, Profissionalismo, Ética, Respeito e Solidariedade.

Prezamos pela Transparência, Excelência, Profissionalismo, Ética, Respeito e Solidariedade. JOVEM APRENDIZ A SERCIDADÃO Somos uma organização sem fins lucrativos, certificada como OSCIP que nasceu a partir da atuação de diversos profissionais das diferentes áreas de atuação. Nossos projetos buscam,

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

Pós-Graduação 1ª Gerência em Gestão Empresarial e Marketing

Pós-Graduação 1ª Gerência em Gestão Empresarial e Marketing Pós-Graduação 1ª Gerência em Gestão Empresarial e Marketing Público-alvo Indicado para recém-formados e jovens profissionais. Objetivo do Curso Capacitação gerencial em geral, com ênfase na área de Marketing,

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2016 Apresentação O Sindusfarma deseja oferecer aos seus associados à possibilidade de

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 67, DE 10 DE JULHO DE 2013

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 67, DE 10 DE JULHO DE 2013 O Diretor Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Caxias, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 10/07/2013 a 25/07/2013

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE INGLÊS DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE INGLÊS DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE INGLÊS DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Atento às demandas dos colaboradores das empresas embarcadas, e por entender a importância da continuidade do aprendizado

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Texto Aprovado CONSU Nº 2008-02 - Data:02/04/2008 Texto Revisado e Atualizado CONSU PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Nº 2011-05 - Data: 24/03/11 2012-29 de 29/11/2012 REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO Dispõe sobre a Controladoria e Auditoria Geral do Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º A Controladoria e Auditoria Geral do Município

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

Relatório de Boas Práticas

Relatório de Boas Práticas Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: WEG EQUIPAMENTOS ELETRICOS S/A CNPJ: 07.175.725/0010-50 Responsável pela prática: Natalino Petry Cargo / Função: Chefe da seção QPOP E-Mail: natalinop@weg.net

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Administração Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette Gabriel Atique, 45

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO UNITY 3D AVANÇADO

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO UNITY 3D AVANÇADO REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO UNITY 3D AVANÇADO 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD) para participação

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO WORKFLOW DIGITAL ENTENDENDO A PÓS-PRODUÇÃO

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO WORKFLOW DIGITAL ENTENDENDO A PÓS-PRODUÇÃO REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO WORKFLOW DIGITAL ENTENDENDO A PÓS-PRODUÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do Porto Digital

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS SANTA CRUZ COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETO

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETO REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETO 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CO NSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010 Estabelece os procedimentos relativos à emissão de certificados em eventos de capacitação e desenvolvimento

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA PARA O ENSINO EM SAÚDE Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 019/2016-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 019/2016-UAB-UEM EDITAL Nº 019/2016-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação e formação de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 2/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 2/2014/CM PROVIMENTO N. 2/2014/CM Atualiza a política de gratificação por encargo de curso ministrado/desenvolvido pelos magistrados e servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso que atuarem como instrutores

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Coordenação de Políticas para Migrantes QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014

Coordenação de Políticas para Migrantes QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014 QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014 RELATÓRIO FINAL Coordenação de Políticas para Migrantes Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA Minuta Lei Municipalização Ensino Fundamental 2009 Estabelece critérios para a municipalização do Ensino Fundamental da rede pública do Estado e a movimentação de servidores e estabelece outras providências.

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PAULISTA NAP NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO

FACULDADES INTEGRADAS PAULISTA NAP NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADES INTEGRADAS PAULISTA NAP NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO Profissional Responsável: Psicóloga Mercia Maria Barbosa CRP/06-SP nº6348 Direção Geral: Prof. Silvio Donizete Santos PROPOSTA - O Núcleo

Leia mais