ANÁLISE DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL TRIBUTÁRIA DE CONTRIBUINTES DO ICMS PÓS- REMISSÃO: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL TRIBUTÁRIA DE CONTRIBUINTES DO ICMS PÓS- REMISSÃO: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN ANÁLISE DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL TRIBUTÁRIA DE CONTRIBUINTES DO ICMS PÓS- REMISSÃO: UM ESTUDO DE CASO Joao Bosco Lotto Holanda Universidade Federal de Rondônia Sidinei Aparecido Pereira Universidade Federal de Rondônia José Moreira da Silva Neto Universidade Federal de Rondônia Resumo O presente artigo faz uma análise da mudança comportamental tributária de contribuintes do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias - ICMS, em um determinado município, após a remissão concedida pelo Estado em dado período. A pesquisa investigou o comportamento dos contribuintes habitualmente adimplentes relativos ao recolhimento do ICMS, nos exercícios de 2004 e 2005, na perspectiva de manutenção dessa característica em anos posteriores, e investigou também, se os inadimplentes que tiveram débitos remitidos assumiram, eventualmente, a condição de adimplentes. A atividade econômica escolhida foi a de varejistas de produtos alimentícios, subdividido em duas categorias sob os CNAE s: /00 (minimercados) e /02 (supermercados), por representarem juntas 20,27% do universo a ser pesquisado. O referencial teórico traz os conceitos e definições jurídicas e os aspectos da remissão tributária; a especificidade do tributo objeto do estudo; e as características financeiras do município lócus da pesquisa. Os dados coletados são secundários, originários da Lei de Diretrizes Orçamentárias - LOA, e de relatórios de controles internos emitidos pela Secretaria da Fazenda do Estado em estudo. Os dados foram tabulados no Módulo Xlstat Excel da Microsoft e são apresentados em tabelas e gráficos de séries temporais. Os resultados da pesquisa indicam que a remissão tributária incentiva a inadimplência fiscal posteriormente à sua concessão. Palavras-chaves: mudança comportamental, remissão tributária, justiça fiscal.

2 1. INTRODUÇÃO O poder-dever do Estado se origina do princípio republicano, ou seja, por serem públicas as ações governamentais devem primeiro atender as necessidades coletivas. Em contraposição, isso se realiza sob o emprego do poder de comando estatal, o poder coercitivo, no qual a coletividade se submete voluntariamente ao pagamento de tributos, fonte da manutenção do Estado. A partir destes recursos obtidos junto aos particulares, o Estado cumprirá sua finalidade essencial e ainda manterá a máquina pública, de tal modo que a legislação tributária concebe ao Estado o direito de arrecadar junto às pessoas físicas e jurídicas a receita derivada chamada de tributária. Em outra perspectiva, a tributação estatal não se limita a instituição de tributos com o objetivo exclusivo de obter recursos para o financiamento dos gastos do Estado, trata-se de uma atividade mais abrangente e muito mais complexa para a Administração Pública. A sua principal finalidade é a de promover o bem-estar coletivo, por meio da justa distribuição de renda e da justa tributação a um só tempo, devendo estimular o desenvolvimento econômicosocial e garantindo a prevalência dos interesses coletivos sobre o interesse privado. Neste contexto, Nogueira (1995) destaca que a norma jurídica ao disciplinar as relações humanas, no tocante aos direitos e obrigações, cria vínculos entre os indivíduos. Assim, aos direitos de uns correspondem igualmente obrigações de outros. Para as relações disciplinadas pelo direito dá-se o nome de relação jurídica. Neste ensejo, reside a natureza de relação tributária, uma relação de direito no qual o Estado não pode impor ao cidadão o pagamento de tributos que não esteja previsto em lei. Mesmo sendo previsto em lei, a cobrança de tributos sofre certas limitações, sendo estas elevadas à condição de direitos e garantias individuais. A soberania estatal é empregada no momento da edição de leis, a partir daí a exigência de tributos deve respeitar os estritos limites legais. Além disso, a exigência de tributos respeita o princípio de justiça. A retidão deve legitimar toda relação tributária, sendo esta ferida quando contribuintes na mesma situação são injustamente tributados. A desigualdade em si não supõe tributação injusta, a justiça fiscal impõe a mesma carga fiscal para situações iguais e tributação diferenciada para situações desiguais. (PIRES, 1994). Conforme assevera Marinho (2004) é através da capacidade 2

3 contributiva que se atinge, no campo fiscal, a justiça distributiva aristotélica que manda que sejam os desiguais tratados desigualmente na medida de suas desigualdades. Segundo Pires (1994) a carga tributária deve ser regida por um sistema de equivalências dentre o potencial contributivo, para o qual são consideradas a riqueza e as vantagens obtidas do Estado, e o ônus que será suportado pelo contribuinte. Portanto a tentativa de igualar o sacrifício das pessoas, com base em critérios justos de imposição tributária, deve ser a missão principal do legislador estatal. Não restam dúvidas em relação à importância dada ao princípio de igualdade no Estado democrático; sua posição é ímpar, pré-requisito indispensável para o atingimento dos ideais de justiça. Em relação à norma fiscal, a regra não é diferente. O princípio de igualdade, na busca de realização da chamada justiça fiscal, é essencial, uma vez que sem ele não se faz nenhuma espécie de justiça, muito menos a fiscal (MARINHO, 2004). Na seqüência, enquanto a Constituição não define o conceito de tributo, o Código Tributário Nacional, Lei 5.172/66, o faz oferecendo a seguinte definição: Art. 3º - Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. Os tributos se caracterizam pelo caráter compulsório e para distingui-los das multas e das penalidades fora inserida a cláusula que não constituam sanção de ato ilícito. (BALEEIRO, 1986). A doutrina delimita a existência de cinco espécies distintas de tributos: impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições. Neste entendimento o CTN (art.16º) define imposto como o tributo cuja obrigação tenha por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte. Isto é, o fisco cobra imposto sem a existência de contraprestação individualizada ao pagador. Os impostos são tributos descriminados, significa dizer que a própria Constituição fixa as bases econômicas sobre as quais os impostos incidem. A partir destas definições, Baleeiro (1986) se refere à competência tributária como um poder atribuído pela Constituição Federal às pessoas políticas para a edição de leis que instituam e disciplinem tributos, bem como outros aspectos relacionados às obrigações tributárias. 3

4 O estabelecimento de uma nova relação entre Estado e cidadão contribuinte passa pela discussão de uma nova equação de justiça fiscal e de igualdade tributária. O poder de tributar é expresso na soberania estatal, mas esta última se escora cada vez mais na soberania popular, o que aumenta a importância das justificativas da tributação (MOTA, 2007) Sendo assim, a partir de sua competência tributária, o Estado pode renunciar à arrecadação tributária, desde que certos requisitos estabelecidos em lei sejam cumpridos, caso contrário o gestor estatal estará praticando um crime de responsabilidade. A questão a ser colocada é: De que forma a remissão de tributos influencia o comportamento dos contribuintes, fase posterior à sua concessão? Em outros termos, questiona-se: O legado deixado pelo instituto da remissão é o mesmo para os contribuintes adimplentes e para os contribuintes inadimplentes? Pressupõe-se que a remissão tributária desmotiva os não beneficiados (bons pagadores) e não interfere no comportamento tributário dos agraciados (maus pagadores) que continuarão devedores. A hipótese mais evidente leva a crer que os contribuintes que pagavam seus impostos rigorosamente em dia, e não gozaram de qualquer benefício, após a edição da remissão sentem-se desmotivados frente aos que não pagavam em dia. Agora estes primeiros ingressam também ao quadro de inadimplentes. Já aqueles agraciados com o perdão de dívidas tributárias, por hábito, tendem a manutenção da inadimplência, uma vez que aguardarão uma nova remissão de débitos. Partindo do entendimento que o lucro das empresas esteja numa curva inversa ao pagamento de tributos, já que este é despesa contabilizada no desempenho da atividade comercial, se traz a cena à análise posteriori de uma remissão de ICMS com anistia de juros. Através da análise estatística de séries temporais, será traçada a linha de tendência dos recolhimentos efetuados por contribuintes agraciados pela remissão, separados por faixa de benefício, e de outros contribuintes não beneficiados estabelecidos num mesmo domicílio tributário. O objetivo geral deste trabalho foi identificar que conseqüências uma remissão tributária traz aos contribuintes adimplentes e inadimplentes. Especificadamente pretendeu-se: (a) identificar os contribuintes com débitos remitidos, através de grupos iguais separados por faixa de valor perdoado, e os outros com débitos não remitidos de uma mesma atividade econômica. (b) comparar o pagamento de imposto antes, durante e depois da remissão para estes grupos. 4

5 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. REMISSÃO TRIBUTÁRIA A Constituição de 1988 estabeleceu critérios rígidos para a concessão de remissão tributária. Após a redação atual do 6º do art.150 tratando desta matéria, condicionou este benefício à edição de lei específica que trate privativamente do perdão fiscal. Não sendo mais possível sua disposição em leis gerais, amplas e abrangentes. A norma legal que concede favores da espécie deve tratar deles exclusivamente. A concessão de benefícios desta natureza consiste em dispor de dinheiro público, e assim, requer a devida autorização legal (REIS, 1999). Além do mais, a competência tributária é exclusiva, ou seja, o autor do projeto de lei, quem o aprovou e quem o sancionou devem pertencer ao mesmo ente federativo, impedindo que a União perdoe dívidas tributárias dos Estados ou dos Municípios, por exemplo. Não se deve confundir remissão, ato de remitir, com remição, ato de remir, ou seja ato de resgatar uma dívida. Filho (1986) traz uma diferença circunstancial entre remição e remissão. Remição é o direito concedido ao devedor, seu cônjuge, descendente ou ascendente para evitar a arrematação na execução, ou por um acaso, se já estiverem os bens, sido arrematados, tê-los de volta (CPC art.651 e 787), ao passo que remissão, com dois esses, exprime perdão, desistência, benevolência, absolvição da dívida, extinguido-a. A remissão é um meio pelo qual se dá a extinção da dívida, por ato gracioso e a remição, por ato oneroso; a primeira judicial ou extrajudicial, a segunda somente judicial. Para Nunes (1995) a remissão no direito tributário se dá por várias situações, sempre envolvendo o perdão total ou parcial de dívidas por parte do fisco. Pode ocorrer quando o contribuinte não tiver condições econômicas de pagar o tributo, ou quando se percebe que o contribuinte caiu em erro de interpretação da legislação agindo de boa fé. Outro caso faz menção à insignificância do crédito tributário. Por último quando se considera determinadas regiões, estados ou cidades que não tenham condições peculiares de pagar determinado tributo, nesse caso a lei poderá remitir o crédito devido. 5

6 Para Bastos (1995), a remissão é a fórmula extintiva do crédito, consistente na liberação graciosa de uma dívida pelo credor, vale dizer: remitindo, o Estado dispensa o pagamento do crédito tributário. Para tanto, o Código Tributário Nacional estabeleceu cinco hipóteses de perdão da dívida, calcadas na análise da situação factual/econômica do sujeito passivo, da região onde se encontra, e também do sujeito ativo. Para Mota (2007) a prática com arbítrio do poder de tributar se converte no poder de destruir, o que leva à sobrecarga fiscal de alguns em benefício de outros, agraciados por privilégios fiscais odiosos, em franco desrespeito aos princípios da igualdade e da justiça fiscal, o que favorece ainda o desequilíbrio das atividades econômicas. Neste mesmo entendimento, Torres (1986) afirma que o Estado ofende a liberdade relativa do cidadão e do princípio da isonomia quando cria, na via legislativa, administrativa ou judicial, desigualdades fiscais infundadas, através dos privilégios odiosos ou das discriminações. Sempre que se concede a uma pessoa ou a um grupo de pessoas benefício fiscal, o ônus do tributo não pago é assumido pelo restante da sociedade. Todos os demais contribuintes deverão, pois, pagar tributos mais elevados para compensar o que deixou de ser arrecadado em função da isenção concedida. E, se o benefício não encontrar sólido fundamento, que justifique adequadamente essa desigualdade, o Estado estará discriminando todos os demais cidadãos (Weichert, 2000). Assim o CTN, Lei nº 5.172/66 pontua os requisitos exigidos para a autorização da remissão tributária: Art A lei pode autorizar a autoridade administrativa a conceder, por despacho fundamentado, remissão total ou parcial do crédito tributário, atendendo: I - à situação econômica do sujeito passivo; II - ao erro ou ignorância excusáveis do sujeito passivo, quanto a matéria de fato; III - à diminuta importância do crédito tributário; IV - a considerações de eqüidade, em relação com as características pessoais ou materiais do caso; V - a condições peculiares a determinada região do território da entidade tributante. Nestas circunstâncias, o Governo do Estado do Amazonas visando à recuperação de débitos fiscais, editou a Lei nº 2.988, de 26 de outubro de 2005, trazendo em seu bojo o perdão e o parcelamento de créditos tributários da Fazenda pública com vistas à regularização tributária de contribuintes. 6

7 Art. 3º O presente programa compreenderá: I concessão de anistia total ou parcial de multas e juros; III concessão de remissão de créditos tributários pertencentes a contribuintes estabelecidos no interior do Estado, observado o artigo 172 da Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1996, relativos ao ICMS, referentes a fatos geradores ocorridos até 31 de julho de 2005; O do foco deste trabalho não discute o mérito. A referida lei amazonense concedente da remissão não deixa claro sob quais dos requisitos exigidos foi editada. Seus efeitos são controversos a pagadores e beneficiados. Os primeiros alegam serem vítimas de uma grande injustiça fiscal, uma vez que não receberam qualquer contrapartida estatal para compensar o recolhimento anteriore de suas obrigações tributárias. A proposta deste trabalho é investigar, através de análises estatísticas, se o recolhimento habitual de contribuintes adimplentes fora prejudicado pós-remissão. Ou ainda verificar se os contribuintes gozadores da remissão, efetivamente passaram ao grupo de adimplentes, pós-remissão. Este exame será capaz de verificar se o programa de recuperação de débitos tributários do Amazonas foi capaz de atingir êxito quanto à perspectiva posterior de retomada dos recolhimentos dos contribuintes ora inadimplentes O ICMS O imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (ICMS) é o principal tributo cobrado pelos Estados brasileiros. O ICMS incide sobre operações relativas à circulação de mercadorias no território nacional; às prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal; às prestações onerosas de serviço de comunicação; dentre outros. Nestes termos, Harada (1979) afirma que o ICMS é incidente sobre o negócio jurídico bilateral, consensual, da compra e venda, e sobre qualquer outro negócio jurídico bilateral, ou unilateral, de que se irradie circulação comercial. O contribuinte deste imposto é qualquer pessoa, física ou jurídica, que realize com habitualidade ou em volume que caracterize intenção comercial, operações de circulação de mercadoria ou prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. O ICMS, em suma, é um imposto que incide sobre o consumo, de forma a alcançar boa parte, senão a 7

8 totalidade, dos contribuintes brasileiros, independente do patrimônio ou da renda de cada um, já que todos, em algum momento, se posicionam como consumidores (RONCARATTI, 2007). De acordo com Bastos (1995) o vocábulo operações vem à tona como a palavrachave, a referência para o comando constitucional, e foi empregado no sentido de atos produtores de efeitos tributários. Da mesma forma, deve-se entender que o vocábulo circulação está aqui empregado no sentido jurídico da mudança de titularidade e não no sentido de simples movimentação física de um bem. Assim, a operação relativa à circulação de mercadorias só se aperfeiçoa quando ocorre a mudança de proprietário. Quanto ao termo mercadoria, o entendimento predominante é o de que lhe é atribuído o sentido de designação genérica dada a toda coisa móvel que possa ser objeto de comércio MUNICÍPIO PESQUISADO O município de Humaitá localiza-se no sul do Estado do Amazonas, especificamente na fronteira com o Estado de Rondônia, sendo considerado um importante pólo regional. Sua economia se concentra na pecuária de bovinos, madeireiras, serrarias, beneficiadoras de castanha e açaí, na pesca, no garimpo, frutos regionais, além do comercio local. Com uma arrecadação média girando em torno de 3 milhões anuais, figura entre os 10 maiores arrecadadores de tributos estaduais. Nesta perspectiva, se estima que no ano de 2008 ocupará a 5ª. posição no ranking estadual. 1 Por estar próxima de uma fronteira interestadual, Humaitá é abastecida em grande parte por mercadorias provenientes de Rondônia, de tal maneira que ao entrarem em território amazonense devidamente acobertadas por nota fiscal, geram a cobrança do ICMS - diferencial de alíquota, para os respectivos destinatários (contribuintes locais). Sendo assim, a arrecadação do ICMS concentra-se em créditos tributários constituídos a partir da entrada interestadual de mercadorias. Outra fonte de arrecadação importante é a proveniente da partilha do recolhimento mensal do Simples Nacional de contribuintes locais, visto que em Humaitá mais de 500 empresas adotam esse regime simplificado para o pagamento de obrigações tributárias. 1 Fonte: SEFAZ Secretaria de Estado da Fazenda Previsão de Arrecadação para

9 Os registros fazendários informam mais de 1900 inscrições estaduais no Município, entre ativas e inativas (canceladas, baixadas e suspensas). Destas, 60,71% 2 encontra-se em plena atividade comercial. Para a amostra deste estudo foram selecionadas apenas as empresas sob dois ramos de atividade econômica: o de comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios minimercados, mercearias e armazéns (CNAE nº /00) e o de comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios supermercados (CNAE nº /02). O maior número de inscrições estaduais do município dá conta as essas atividades econômicas, que somadas representam o grupo de maior freqüência entre os ativos inscritos no CCEA (Cadastro de Contribuintes do Estado do Amazonas). A maior parte dos contribuintes que tiveram débitos fiscais remitidos e seis entre dez dos maiores débitos remitidos se reporta a um destes CNAE s (Código Nacional de Atividade Econômica). 3. METODOLOGIA O trabalho em tela identificou a relação existente entre os devedores e não devedores de tributos diante de uma remissão tributária, analisando o comportamento tributário através dos recolhimentos de imposto das empresas enquadradas na amostra em momentos distintos: antes, durante e depois do perdão estatal dos débitos vencidos. Para a amostra deste estudo foram selecionadas todas as empresas de Humaitá / AM contribuintes do ICMS, que desempenham atividade econômica sob o CNAE subclasses nº /00 e CNAE subclasses nº /02 e que tenham existência empresarial no período mínimo de janeiro / 2004 a dezembro / Haja vista a remissão tributária, objeto de estudo, ter acontecido em outubro de 2005, ou seja, as séries temporais da amostra serão examinadas em momentos diferentes do seu acontecimento. Todos os valores, listagem de contribuintes e quantitativos foram obtidos junto a Secretaria da Fazenda do Estado do Amazonas - SEFAZ (2008) através do cadastro de contribuintes filtrados por domicílio, tabelas formato.xls dos débitos remitidos e tabela dinâmica.xls dos recolhimentos no período estudado. O tratamento dos dados foi realizado por técnicas estatísticas próprias para análise de estudos desta natureza: estatística descritiva, distribuição de freqüência, medidas de tendência, 2 Fonte: SEFAZ Secretaria de Estado da Fazenda Relatório atualizado de Contribuintes de Humaitá 9

10 tabelas e análise de regressão, cujo objetivo foi descrever o que ocorre na amostra e verificar as relações existentes entre as variáveis envolvidas. O modelo gerado a partir do módulo xlstat utilizado, é referenciado por Pindyck e Rubinfeld (2004): Raiz do erro quadrático médio Onde: 1 T 1 T= número de períodos, Y t a = valor efetivo e Y t s = valor previsto de; T t Y s t Y a t 2 4. RESULTADOS Assim sendo, a amostra estudada compreendeu 96 empresas que atenderam as condições pré-estabelecidas. Esse montante representa 12,16% do total de contribuintes ativos do domicílio tributário estudado, Humaitá/AM, sendo o maior grupo da população. Em seguida, dentre as empresas que tiveram débitos remitidos, 90, foram agrupadas por intervalos quantitativos de benefício e moderados obedecendo essa mesma ordem. Logo, estes contribuintes que tiveram débitos remitidos foram escalados do maior para o menor débito remitido, seccionados, intencionalmente, em grupos iguais. A tabela 1 mostra as características de cada grupo, A, B, C, os respectivos intervalos e a moderação quanto ao benefício fiscal. Além destes, outro grupo, D, de 6 empresas foi formado a partir de contribuintes que não foram beneficiados pela remissão. A formação de grupos é necessária por reunir num mesmo conjunto contribuintes de características semelhantes quanto aos débitos remitidos, em acordo com o objetivo pretendido pelo trabalho. TABELA 1: Descrição do Quantitativo, Representatividade Percentual do Valor Remitido e Moderação de benefício dos Grupos Pré-Estabelecidos. Fonte: autores 10

11 A remissão somada dos contribuintes tomados na amostra representa 19% do total remitido para todos os contribuintes do domicílio tributário estudado. A figura 1 expande em valores somados de cada grupo num conjunto único. Apesar de se tratar de grupos com freqüência fixa, 30 contribuintes cada, tornam-se explícitos a ocorrência de grupos notadamente distintos em relação aos valores dos débitos remitidos. Figura 1: Descrição dos 03 grupos de 30 contribuintes (cada) que tiveram débitos remitidos e sua representação por valor total remitido do grupo de 90. Fonte: autores O emprego de técnicas estatísticas no tratamento de dados apresenta um papel relevante, por delinear características da amostra que indicarão a significância do grupo, na tentativa de responder o questionamento prévio e de consolidar as hipóteses. Valendo-se disto abaixo é exibida a tabela de análises estatísticas da amostra: A tabela 2 detalha as análises estatísticas da amostra a partir da tabela de remissão por contribuinte. Novamente comprova-se a heterogeneidade de grupos a partir da diferença razoável encontrada entre a média e a mediana. 11

12 Tabela 2: Análises estatísticas dos valores remitidos por contribuinte, conforme amostra. Fonte: autores Vale destacar que os débitos são estritamente proporcionais a movimentação comercial de cada contribuinte. Isso implica dizer que os maiores débitos são frutos de maior atividade comercial: maior volume de compras e maior volume de vendas, e, por conseguinte, mais impostos gerados. Figura 2: Recolhimentos somados dos contribuintes que tiveram débitos remitidos Fonte: autores 12

13 Em outro aspecto, uma série temporal é um conjunto de observações ordenadas no tempo, apresentando dependência serial. Nas séries temporais, em geral, a função média é totalmente aleatória em função do tempo, ou seja, se realizando através de um processo estocástico (BARROS, 2007). A figura 2 representa as curvas dos valores recolhidos pelos grupos A, B e C dos contribuintes com débitos remitidos. Nota-se uma queda considerável das curvas no final de 2005 e início de 2006 de todos os grupos, efeitos posteriori da remissão tributária. A figura aponta ainda que num primeiro momento os recolhimentos eram ascendentes, e no momento posterior à remissão os recolhimentos dos grupos passaram a ser descendentes. O importante neste estudo é verificar as distorções de recolhimento mensais entre os grupos, checando a hipótese de que a remissão incentiva a inadimplência dos contribuintes remitidos e não remitidos. Os que tiveram os maiores débitos remitidos, grupo A, que pelo volume comercial notável pagavam mais impostos, agora, pós-remissão são os que menos pagam. A curva do grupo B tem ligeira queda pós-remissão, recuperando a ascendência num momento posterior. A curva de C, daqueles que tiveram débitos remitidos em menor escala, também declina imediatamente pós-remissão, na seqüência segue ascendente. Além dos grupos A, B e C, que tiveram débitos remitidos, o grupo D é formado somente por empresas que não foram beneficiadas pelo indulto fiscal. Isto se faz relevante quando é traçada série temporal de seus recolhimentos e se identifica a tendência de seu comportamento tributário. A figura 3, abaixo, apresenta esse os recolhimentos somados dos contribuintes que não tiveram débitos remitidos, o grupo D. A figura 3 representa as curvas dos valores recolhidos pelos grupos dos contribuintes que não tiveram débitos remitidos. A curva demonstra que a remissão não interferiu no recolhimento habitual de ICMS do grupo D. A tendência linear é ascendente, todavia, existem distorções pontuais encontradas na série, como a queda brusca em meados de outubro de

14 Figura 3: Recolhimentos somados dos contribuintes que não tiveram débitos remitidos (grupo D). D Fonte: autores Tabela 3: Análise de médias estatística dos grupos. Fonte: autores A tabela 3 representa as médias de remissão e de recolhimento dos grupos em momentos diferentes, evidenciando a distorção dos recolhimentos dos grupos de contribuintes que tiveram débitos remitidos e dos contribuintes que não tiveram débitos remitidos. A partir desta análise os critérios de justiça fiscal poderiam ser perfeitamente questionados. Com a aferição por coeficientes, tendo como padrão a média de recolhimentos antes da remissão, se consegue extrair a curva de crescimento dos grupos após períodos pré-fixados. A tabela 4, abaixo, salienta estes indicadores em seqüências iguais de meses. 14

15 Tabela 4: Análise de médias estatística dos grupos. Fonte: autores A tabela 4 demonstra a intervalos de seis meses cada, o recolhimento médio de contribuintes por grupo, fazendo-se registrar que no período de remissão os contribuintes que não tiveram débitos remitidos, grupo D, pagavam 2,5X mais tributos dos que tiveram os maiores débitos remitidos, grupo A. Passados dois anos essa relação sobe para quase 9X, elevando em larga escala a distorção entre esses grupos. Figura 4: Recolhimentos somados dos contribuintes por grupo. Fonte: autores 15

16 Tabela 5: Recolhimento dos grupos A, B, C e D de jan/04 à dez/07 Fonte: Formatado pelos autores a partir de dados SEFAZ/AM (2008) A figura 4, montada a partir dos dados tabulados na tabela 5, demonstra as séries temporais de recolhimentos somados dos contribuintes separados por grupo e suas respectivas linhas de tendência. Em todas as análises e principalmente nesta é importante frisar que as maiores empresas, que apresentam maior volume comercial, maior volume de compras e maior volume de vendas obedecem à seqüência: A, B, C respectivamente. O grupo D se encaixaria por último na ordem por ter menor freqüência na amostra. Entretanto isto não quer dizer que venha a pagar menos ICMS ou que tenha volume comercial inferior aos demais. No período inicial, janeiro/04 os recolhimentos obedecem à ordem: A, B, C, D, entretanto, no final do período, dezembro/07, a ordem se alterna. A tendência do 16

17 grupo A é descendente, a do grupo C é ascendente, já as tendências de B e C permanecem constantes. Em outra análise, o desvio-padrão obtido a partir dos recolhimentos no intervalo de tempo indica séries heterogêneas entre si. Esta medida aponta ainda uma dispersão acentuada em relação ao valor central da média. Considerando a totalidade da amostra, o desvio-padrão encontrado foi de R$ 4.977,32, examinando as séries do período de jan/04 a set/05 (antes da remissão) o desvio padrão declina para R$ 4.495,93, já para o período analisado de out/05 em diante esse valor se eleva para R$ 5.302,18. A média geral de recolhimentos da amostra é de R$ 9.372, CONCLUSÕES Distante da discussão jurídica sobre o desrespeito ou não aos princípios da isonomia e da justiça fiscal no instituto da remissão tributária, considerando ainda, a inexistência de qualquer medida compensatória para os contribuintes adimplentes não beneficiados, este estudo demonstrou que os contribuintes agraciados com o perdão de dívidas tributárias (maus pagadores) tendem a manutenção da inadimplência. As análises comprovam: quanto maior o débito remitido maior será a inadimplência posterior. Os contribuintes que detinham maior poder porte comercial, pertencentes ao grupo A e agraciados pela maior fatia de valores da remissão tributária, segundo as séries temporais, eram os maiores recolhedores de ICMS antes do indulto. Entretanto, passaram ao grupo inverso enquadrando-se entre os menores recolhedores posteriormente, podendo-se presumir que estes contribuintes aguardassem uma nova remissão, desestimulados ao comportamento de adimplência fiscal. Finalmente, os resultados indicaram que a remissão incentivou uma conduta negativa (inadimplência) para quase todos os contribuintes por um curto período imediatamente posterior a sua vigência. Em outro momento, se fez indiferente para os não agraciados (bons pagadores), que mesmo não tendo sido beneficiados pelo perdão de dívidas ou inexistindo medidas compensatórias continuaram rigorosamente adimplentes. REFERÊNCIAS 17

18 AMAZONAS. Decreto nº , de 28 de dezembro de Aprova o regulamento do ICMS e dá outras providências. AMAZONAS. Lei nº 2.988, de 26 de outubro de Cria o programa para recuperação de débitos fiscais do Amazonas e dá outras providências. AMAZONAS, Secretaria da Fazenda do Estado do Amazonas - SEFAZ. Relatório de débitos remitidos do município de Humaitá. Manaus: SEFAZ/AM, AMAZONAS, Secretaria da Fazenda do Estado do Amazonas - SEFAZ. Sítio institucional. Manaus: SEFAZ/AM, Disponível em <http://www.sefaz.am.gov.br> Acesso em 16/12/2008. BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, BARROS, Mônica. Processos estocásticos. São Paulo: Publit, BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de direito financeiro e de direito tributário. 4.Ed.São Paulo: Saraiva, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 05 de outubro de Lei nº 5.172, de 25 de outubro de Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário, aplicáveis a União, Estados e Municípios. FILHO, Nelson Leite. Da incidência e não incidência isenção e imunidade. São Paulo: Resenha Tributária, HARADA, KIYOSHI. ICMS: direito a crédito na isenção e no deferimento. São Paulo: Saraiva, MARINHO, Mayra. A capacidade contributiva como princípio garantidor da justiça fiscal no sistema tributário. Faculdades Maurício de Nassau, Recife, Disponível em: < Acesso em 18/12/2008. MOTA, Humberto Eustáquio César. Justiça fiscal e igualdade tributária no Estado democrático de direito: uma abordagem jusfilosófica. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, (nº 21) Disponível em: <http://www.jfrj.gov.br/ Rev_SJRJ/num21/artigos/artigo_06.pdf> Acesso em 16/12/

19 NOGUEIRA, Ruy Barbosa. Curso de direito tributário. São Paulo: Saraiva, NUNES, Vidal Serrano. Direito tributário comentado. São Paulo: Angelotti, PINDYCK, R.S.; RUBINFELD, D.L. Econometria. Rio de Janeiro: Elsevier, PIRES, Adilson Rodrigues. Contradições no direito tributário. Rio de Janeiro: Forense, REIS, Élcio. Anistia e remissão tributária no processo falimentar. Revista da Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo, São Paulo, (51/52) jan/dez Disponível em: <http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/revistaspge/revista%20pge% pdf>. Acesso em 16/12/2008 RONCARATTI, Luanna Sant Anna. O ICMS como subsistema político. Dissertação de Mestrado em Ciência Política. Universidade de Brasília UnB, Brasília, TORRES, Ricardo Lobo. Tratado de direito tributário brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, WEICHERT, Marlon Alberto. Isenções tributárias em face do princípio da isonomia. Revista de Informação Legislativa, Brasília, (145) abr/jun Disponível em: <www.lfg.com.br/material/sabbag/xatualiz_240707_trib_matapoio_sabag.pdf> Acesso em 17/12/

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA Salvador, 17 de Março de 2014. Da: CAMP - Consultoria em Administração Pública Ltda. Para: Prefeito Municipal de Barrocas Senhor Prefeito, Vimos por meio deste, em atenção a consulta feita por V.Exª.,

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943

MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943 MINUTA LEI ANISTIA / LEI Nº 16.943 Dispõe sobre a concessão de redução na multa e no juros de mora no pagamento de crédito tributário do ICMS nas situações que especifica. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado PROGRAMA REGULARIZE Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado Programa Regularize Perfil dos Créditos Tributários Unidade Fase Qtde Tributo (R$ x mil) Multa (R$ x mil) Juros (R$ x mil)

Leia mais

Direito Tributário. Módulo IV: Obrigação Tributária e Crédito Tributário.

Direito Tributário. Módulo IV: Obrigação Tributária e Crédito Tributário. Direito Tributário Módulo IV: Obrigação Tributária e Crédito Tributário. Obrigação Tributária Relação obrigacional entre Poder Público e Contribuinte. Obrigação Tributária Espécies: 1. Principal (obrigação

Leia mais

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA.

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. 2009-07-31 Adma Felícia B. M. Nogueira Tatiane Aparecida Mora

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado PROGRAMA REGULARIZE Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado Programa Regularize Perfil dos Créditos Tributários Unidade Fase Qtde Tributo (R$ x mil) Multa (R$ x mil) Juros (R$ x mil)

Leia mais

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS

REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS REFIS OPORTUNIDADE PARA AS EMPRESAS PROGRAMA DE PARCELAMENTO INCENTIVADO DE DÉBITOS FISCAIS Abrangência do Programa APRESENTAÇÃO Prezados (as) Industriais Desenvolvemos uma cartilha contendo uma síntese

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 PUBLICADO EM PLACAR Em / / Dispõe sobre a regulamentação da Lei Complementar nº 187, de 12 de agosto de 2009, que autoriza a transação tributária para fins de

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13

RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13 Brasília, 21 de março de 2013. RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13 Origem: Valdir Coscodai. Interessado: Valdir Coscodai. Assunto: Consulta sobre o reconhecimento das receitas de doações e subvenções

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) Estabelece o direito ao reembolso dos gastos efetuados por pessoas jurídicas para cumprimento de obrigações acessórias instituídas pela Secretaria

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO 1 I - O DIREITO TRIBUTÁRIO E O DIREITO FINANCEIRO 1- A atividade financeira do Estado 2- O Direito Financeiro e o Direito Tributário 3- A autonomia do Direito

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Aula 01 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Abordaremos os seguintes pontos: 01.03.03 reconhecimento da receita orçamentária. 01.03.03.01 relacionamento do regime orçamentário com o regime

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01 - (ESAF/2012) Analise as proposições a seguir e

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014.

PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014. 1 PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014. Institui o programa de recuperação de créditos municipais, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Piratuba, Estado de Santa Catarina, no

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS OBJETIVO 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de registro dos componentes e variações

Leia mais

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Ordenamento Jurídico- Tributário 1.Constituição Federal, Título

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 CONSOLIDADA, ALTERADA PELA LEI Nº: 2077, DE 12.05.09, DOE Nº 1242, DE 13.05.09; 2189, DE 25.11.09, DOE Nº 1376, DE 26.11.09. LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 Institui

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 3/5-7 Conceituação e classificação de receita pública. 8 Classificação orçamentária de receita pública por categoria econômica no Brasil. 9.

Leia mais

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Para melhor identificação dos ingressos de recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas e desmembradas nos seguintes níveis:

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü TRIBUTÁRIO 02 QUESTÕES DE CONCURSO 01 - (TTN/97 ESAF) O Distrito Federal pode instituir a) impostos, taxas e empréstimos compulsórios b) imposto sobre serviços de qualquer natureza; taxas, em razão do

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço e boa leitura! Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço e boa leitura! Alipio Filho Olá, pessoal! Trago à reflexão um artigo em que abordo alguns aspectos relativos à etapa do Lançamento da Receita Orçamentária. Convido todos a visitarem o meu blog (www.alipiofilho.blogspot.com), no qual

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina)

PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina) PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina) Cria isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas beneficiárias de ações de cunho previdenciário e assistencial. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

Parágrafo único. O Grupo Ocupações de Fiscalização e Arrecadação OFA, criado pela Lei Complementar nº 81, de 10 de março de 1993, fica extinto.

Parágrafo único. O Grupo Ocupações de Fiscalização e Arrecadação OFA, criado pela Lei Complementar nº 81, de 10 de março de 1993, fica extinto. LEI COMPLEMENTAR Nº 189, de 17 de janeiro de 2000 Extingue e cria cargos no Quadro Único de Pessoal da Administração Direta, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço

Leia mais

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa?

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa? Atualizado: 07 / 10 / 2011 - FAQ AI 1. Parcelamento de débitos em cobrança administrativa não inscritos em dívida ativa 1.1. Tipos de parcelamento de débito 1.2. Parcelamento de débito de AFE / AE 1.3.

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS REFERENTES À ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES DE PROVA OU GABARITO PRELIMINAR

PARECER DOS RECURSOS REFERENTES À ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES DE PROVA OU GABARITO PRELIMINAR QUESTÃO: 22 22- Assinale a alternativa correta: (A) O direito do contribuinte em pleitear a repetição de tributos sujeitos a lançamento por homologação, indevidamente recolhidos, extingue-se em cinco anos,

Leia mais

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no DOE em 19/11/2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. DISPÕE SOBRE A REMISSÃO, A ANISTIA E A TRANSAÇÃO DE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS RELACIONADOS

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA SUMÁRIO 1. Objetivo... 1 2. Motivação e Justificativa... 1 3. Procedimentos e Contabilização no FIPLAN... 2 3.1 Inscrição Do Crédito Em Dívida Ativa Na Unidade Competente... 2 3.2 Atualização Monetária,

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência dos

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em março de 2014, o Estado A instituiu, por meio de decreto, taxa de serviço de segurança devida pelas pessoas jurídicas com sede naquele Estado, com base de cálculo

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

Direito Tributário Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 1

Direito Tributário Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 1 Direito Tributário Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 1 ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO O Estado desenvolve atividades políticas, econômicas, sociais, administrativas, financeiras, educacionais, policiais,

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A Para se compreender a tributação ecológica é necessário que se tenha uma noção ampla da necessidade e importância

Leia mais