CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG"

Transcrição

1 CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG OLIVEIRA, Shirlene Bemfica de Oliveira 1 CARMO, Kamila Oliveira do 2 LEITE, Gabriela Maria Ferreira Leite 3 OLIVEIRA, Tatiane Morandi de 4 ROSSI, Amanda Mendes de Oliveira 5 Introdução Evidências obtidas de uma série de estudos de natureza qualitativa que investigam o contexto da sala de aula apontam para a necessidade de pesquisas que envolvam os alunos de forma ativa dando-lhes voz para compreender suas expectativas e seus entendimentos do processo de aprendizagem (MICCOLI, 1996). Entendemos o contexto da sala de aula permeado por fatores institucionais, históricos e culturais que, uma vez considerados, envolvem todos os participantes como geradores e co-construtores de conhecimento, responsáveis pelo processo em que estão inseridos (SILVA, 2003). Sendo assim, na sala de aula, o conhecimento deve ser construído na interação e devem ser valorizadas as experiências anteriores, crenças, valores pessoais e coletivos do grupo, pois muitas das ações e dificuldades dos alunos podem ser explicadas a partir da compreensão de suas crenças e experiências e como estas influenciam a aprendizagem (CONCEIÇÃO, 2006, p. 189). Pesquisas que consideram a influência das crenças e dos valores pessoais no ensino e na aprendizagem de línguas surgiram nos meados dos anos 80 e trouxeram contribuições para a compreensão dos processos de aprendizagem, das expectativas e das reações dos alunos as abordagens de ensinar de seus professores. As crenças são componentes do desenvolvimento humano que influenciam na forma como conceituamos o mundo, nas nossas tomadas de decisões e na seleção das estratégias cognitivas que usamos para facilitar a recuperação e reconstrução dos processos de memória e aprendizagem (NESPOR, 1987, p. 317). Não há regras que determinem nosso sistema de crenças, mas sabemos que é uma estrutura em rede que não pode ser analisada de forma isolada (PAJARES, 1992, p. 307). Nosso sucesso ou fracasso educacional pode depender das crenças e expectativas que temos em relação às formas de aprender ou ensinar determinada área, ou seja, sobre os processos de ensino e aprendizagem. 1 Orientadora, Doutora em Estudos Línguísticos (UFMG), professora de língua inglesa, IFMG-OP - MG, Discente do curso Técnico em Edificações, 3o ano integrado, IFMG Campus Ouro Preto. Bolsista de fomento interno IFMG. 3. Discente do curso Técnico em Edificações, 3o ano integrado, IFMG Campus Ouro Preto. Bolsista CNPq. 4. Discente do curso Técnico em Edificações, 2o. ano integrado, IFMG Campus Ouro Preto. Bolsista CNPq. 5 Discente do curso Técnico em Edificações, 3o ano integrado, IFMG Campus Ouro Preto. Bolsista CNPq. 191

2 Barcelos (2001) ao desenvolver uma pesquisa sobre as crenças dos alunos de inglês como língua estrangeira (LE), conclui que elas têm uma relação recíproca com as estratégias de aprendizagem, e esta relação pode guiar comportamentos ou ações para promover o desenvolvimento do aluno. Segundo a autora, esta correlação depende do background dele, da forma de ensinar a que ele é submetido, do nível de proficiência e da motivação que ele tem em aprender a LE. Richards e Lockhart (1996, p. 52) desenvolveram um estudo em relação às crenças dos alunos. Segundo eles, as crenças de seus participantes foram influenciadas pelo contexto social de aprendizagem e, de certa forma, podem influenciar as atitudes, a motivação, as expectativas, percepções e dificuldades em se aprender uma LE. Estas crenças representam a forma como os alunos conceituam o contexto escolar, e elas podem influenciar a aprendizagem de forma positiva ou negativa. Foram identificadas crenças em relação à natureza da língua, a respeito dos falantes nativos da L2, a respeito das habilidades lingüísticas, do ensino, da aprendizagem de línguas, sobre o comportamento apropriado em sala de aula, a respeito do aluno e seus objetivos. Os alunos apresentam comportamentos psicológicos e cognitivos que servem como indicadores de como eles percebem, interagem e respondem ao ambiente de aprendizagem (Richards e Lockhart, 1996, p. 59). Diante deste panorama, este trabalho, um recorte da pesquisa Formulaic sentences versus lexical bundles: aspectos linguísticos da interlíngua em corpus de aprendizes de LE tem por objetivo fazer um diagnóstico do perfil dos aprendizes do Instituto Federal de Minas Gerais a fim de compreender melhor o contexto analisado e para servir de subsídios de ações pedagógicas. O estudo se justifica por envolver os alunos participantes e os bolsistas, trazendo-os como parceiros da atividade de pesquisa e dando voz para a compreensão do contexto investigado. Materiais e métodos A pesquisa foi desenvolvida em um Instituto Federal no Estado de Minas Gerais que atende ao Ensino Médio, a Graduação e a Pós-Graduação em várias áreas técnicas. Nesta investigação, participaram quatro turmas da segunda série do Ensino Médio Integrado (ano base 2010). As turmas tinham um encontro semanal (1h e 40 min.). Nas aulas, era utilizado o material didático Straight Foward Elementary, com o qual eram desenvolvidas atividades que contemplassem as habilidades de compreensão e produção oral e escrita (listening, reading, speaking and writing), além de pronúncia, gramática e vocabulário. Os dados a serem apresentados foram coletados por meio de um questionário elaborado pela pesquisadora e os bolsistas com o objetivo de investigar as habilidades e experiências com a língua inglesa dos alunos envolvidos na pesquisa. 192

3 Análise e discussão dos dados O referido questionário foi aplicado em outubro de 2010 para 95 alunos com o intuito de coletar as experiências e crenças dos alunos sobre a aprendizagem a fim de, a princípio, compreender o contexto para o desenvolvimento da pesquisa cujo foco era na aquisição da LE e buscar estratégias pedagógicas. O questionário foi dividido em duas seções: uma em relação às experiências anteriores e outra em relação às experiências com a língua inglesa no instituto e em relação à motivação em aprender a língua inglesa (LI). A análise dessas experiências e crenças revelam que os alunos compreendem a relevância da LI, estão motivados a aprender, mas demandam aulas mais dinâmicas, comunicativas e prazerosas. As questões 1, 2, 3, e 4 do questionário tinham como objetivo conhecer as experiências dos alunos com a LI antes da entrada no Instituto. 89 alunos afirmaram que estudaram inglês em cursos livres em concomitância com o ensino fundamental que também oferece a disciplina. Nos depoimentos abaixo temos uma prévia das experiências anteriores dos alunos. Tive aulas de inglês no ensino fundamental, de 5ª a 8ª... tinham umas traduções, exercícios... provas, pouca conversação. Fora isso, nunca fiz aulas de inglês fora da escola. (Gabriela) Eu fiz aulas de inglês fora da escola e me ajudaram bastante, mas conquanto a escola mesmo, era muito básica. Eles trabalham muito só com a escuta e escrita, não desenvolviam muito a fala até porque muitos alunos se recusavam a falar (Alice) Fora do IFMG eu faço um curso de inglês, para poder me aperfeiçoar ainda mais. As aulas no IFMG eram muito boas, descontraídas e interessantes, e sem dúvida nenhuma, da maneira que era dada a aula, era fácil de aprender!!!!! (Danilo) Comecei a estudar a língua inglesa com 10 anos de idade, desde que eu comecei as aulas sempre foram divertidas, as aulas sempre jogos e brincadeiras que me ajudava na compreensão da língua aos 12 eu comecei a traduzir pequenas frases e a formar textos (Leidelaine) Foi perguntado aos alunos se eles têm interesse pela LI e se gostam ou não das aulas do Instituto. Pelo quadro abaixo, podemos dizer que a maioria tem interesse em aprender a LI, mas não estão totalmente satisfeitos com abordagem de ensino que estão recebendo. Percebemos também que atualmente, a maioria dos alunos somente tem contato com as aulas do Instituto (62). 27 alunos afirmaram ter contato com LI por um período superior a duas horas semanais e somente 6 deles por mais de 5 horas semanais. INTERESSE PELA LÍNGUA INGLESA AULAS DE INGLÊS NO IFMG ME INTERESSO MUITO 50 GOSTA MUITO 28 ME INTERESSO 16 MAIS OU MENOS 49 ME INTERESSO 20 GOSTA POUCO 15 POUCO NÃO ME INTERESSO 2 DETESTA 3 193

4 TOTAL 95 TOTAL 95 Quadro1: interesse pela língua inglesa Percebemos pelos dados acima citados que os participantes da pesquisa estão motivados a aprender. Eles percebem uma diferença entre as aulas da escola do ensino fundamental que a caracterizam como básica e as aulas do Instituto. Os alunos foram questionados acerca das estratégias que utilizam para aprender melhor a língua inglesa. Eles apresentaram as atividades que, segundo eles, mais ajudam no aprendizado de inglês. Estas atividades foram bastante diversificadas, como mostra o gráfico 1. aula c/música vídeo/filmes leitura exercícios conversação c/professor legendas ouvindo músicas internete curso livre Gráfico 1: Atividades que ajudam no aprendizado de inglês O tipo de estratégias utilizadas pelos alunos pode interferir nas expectativas deles em relação à abordagem de ensinar do professor. Percebemos uma variedade de atividades envolvendo as diversas mídias (músicas, filmes, legendas, internet). Isso mostra uma demanda do uso da tecnologia em sala de aula para aperfeiçoar o processo de aprendizagem. É interessante observar que o número de alunos que aprendem melhor com as atividades desenvolvidas individualmente é maior do que as outras atividades. Acreditamos que o aprender para esses alunos está mais ligado ao receber (ver, ler, ouvir) do que ao produzir ou interagir. Os que afirmaram aprender através da música também é considerável e este fato pode estar relacionado à faixa etária desses alunos. Atribuímos isso as abordagens de aprendizagem que foram submetidos. Atividades envolvendo interação, como a conversação, quase não foram citadas. O curso livre foi apontado como um dos lugares propícios ao desenvolvimento deles na LE. Provavelmente, porque nesse contexto eles têm atividades que mais interativas, o número de alunos é reduzido, as aulas são dadas na língua alvo, o que facilita o desenvolvimento das habilidades de percepção e produção oral e escrita. 194

5 Pesquisas mostram que, nesse contexto, há o desenvolvimento da competência comunicativa e os alunos se mostram mais interessados e participam ativamente do processo (OLIVEIRA, 2004). Os alunos foram questionados quanto à relevância de se aprender inglês. Todos responderam ser relevante aprender a LI. Percebemos pelos dados, que as justificativas são relacionadas às motivações variadas, como mostram os excertos abaixo: Bom, é importante aprender inglês porque o mundo de hoje é muito unido graças à globalização e, o inglês é a língua oficial, teoricamente você sabendo falar em inglês ou pelo menos escrever você consegue se comunicar em qualquer parte do mundo! (Diogo Queiroga) Eu acho importante aprender inglês porque nos ajuda entrar em contato com o mundo, uma vez que, está sendo uma língua mundialmente falada (Leidelaine) O inglês hoje é a língua mãe do mundo, por isso se você souber consequentemente vai estar mais dentro do mercado de trabalho e até para o dia a dia mesmo. (Alice) Aprender inglês é muito importante, ainda mais nos dias de hoje, devido à exigência do mercado de trabalho. (Danilo) Pra mim, a importância em aprender inglês, se dá pelo fato de que o inglês é a língua universal, e hoje tanto para entrar no mercado de trabalho, quanto para fazer viagens para qualquer lugar do mundo, saber inglês é fundamental (Gabriela) É grande o número de alunos que acredita que o conhecimento da mesma é uma necessidade prática. Esses alunos querem aprender inglês por motivos instrumentais, ou seja, eles podem ampliar a visão de mundo, aumentar as chances de arrumar um bom emprego e utilizar o aprendizado como ferramenta para auxiliar na leitura de textos. Muitos dos entrevistados também têm uma motivação integrativa para aprender a língua inglesa, ou seja, para conversar, para ouvir músicas, viajar, ou até mesmo mudar para o exterior. Outros estudos mostram resultados semelhantes no que diz respeito ao conhecimento de inglês ser uma ponte para um futuro melhor, ou para a ascensão social. Nesse sentido, aqueles que não sabem inglês estão fora do mundo (ZOLIN-VESZ, 2003, p. 33). Isso reforça a analogia global x local proposta por (DIAS; ASSIS-PETERSON, 2006, p. 115), em que o inglês é a ferramenta para se alcançar o global e a diferença é lida como carência. Conclusões Os resultados desta investigação demonstraram que os alunos estão interessados em aprender a língua inglesa. As crenças sobre a aprendizagem da LI pelos alunos aqui analisados demonstra que eles vêem a 195

6 importância de estudar a LI e, estão motivados a aprender o idioma. A maioria dos alunos conceitua o Instituto como um contexto propício à aprendizagem da LI. A língua inglesa, para os alunos, é vista tanto como um veículo que os leva para o mundo profissional e pessoal quanto uma ferramenta para a ascensão social. Com certeza essas crenças guiam as estratégias de aprendizagem da LI, o comportamento dos alunos apropriado em sala de aula e seus objetivos. Bibliografia BARCELOS, A. M. Metodologia de pesquisa das crenças sobre aprendizagem de línguas: estado da arte. In: Revista Brasileira de Lingüística Aplicada. Belo Horizonte: ALAB. Associação de Lingüística Aplicada do Brasil, v.1, nº , p CONCEIÇÃO, M. P. Experiências de Aprendizagem: reflexões sobre o ensino de língua estrangeira no contexto escolar brasileiro. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, Belo Horizonte: UFMG, n. 6, vol. 2, 2006, p DIAS, M. H. M.; ASSIS-PETERSON, A. A. O Inglês na Escola Pública: vozes de pais e alunos. Polifonia n. 12, vol. 2, 2006, p MICCOLI, L. S. Refletindo sobre o processo de aprendizagem: um estudo coparativo. In: PAIVA, V. L. O. (Org.) Ensino de Língua Inglesa: Reflexões e experiencias. SP. Pontes, NESPOR, J. The role of beliefs in the practice of teaching. Journal of curriculum studies, v.19, n.4, p , NISBETT, R. ROSS, L. Human inferences: Strategies and shortcomings of social judgments. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, In: JOHNSON, K. E. The emerging beliefs and instructional practices of Preservice English as a second language Teachers. Teaching & Teacher Education, Great Britain, Elsevier Science. v. 10, n.4, p , OLIVEIRA, S. B. Compreendendo o processo interacional na sala de aula de língua inglesa: visões de professores e alunos f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Faculdade de Letras. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, PAJARES, M. F. Teachers beliefs and educational research: cleaning up a messy construct. Review of Education Research, v.62, n.3, p , RICHARDS, J. & LOCKHART C. Reflective Teaching in Second Language Classrooms. Cambridge: Cambridge University Press, SILVA, S. R. E. Experiências e Valores Socioculturais na Sala de Aula de LE. Trabalho apresentado no XVII ENPULI Florianópolis 9 de abril de Anais... XVII ENPULI Florianópolis, ZOLIN-VESZ, F. Reconsiderações sobre o ensino e a aprendizagem da língua inglesa no contexto escolar de mato grosso. In: Revista Norteamentos Disponível em:*projetos.unematnet.br/revista_norteamentos/arquivos/004/.../03.pdf Acesso em 20/08/

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 ENSINAR INGLÊS É O MÁXIMO! : REVELANDO AS CRENÇAS SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

Leia mais

ENSINO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA À LUZ DOS ASPECTOS INTERCULTURAIS

ENSINO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA À LUZ DOS ASPECTOS INTERCULTURAIS ENSINO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA À LUZ DOS ASPECTOS INTERCULTURAIS Anilda Costa Alves (PIBD/CAPESUEPB) anildauepb@gmail.com Jamille Alves (PIBID/CAPES/UEEPB) milygta10@hotmail.com Orientador: Prof.

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 O PAPEL DAS CRENÇAS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE INGLÊS EM ESCOLA PÚBLICA Walter Vieira BARROS 1 (UFCG) waltervieirabarros@gmail.com Edith Estelle Blanche Owono ELONO 2 (UFCG) stephyowono@yahoo.com Marco

Leia mais

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS Resumo Pauliana Duarte Oliveira IFG 1 Grupo de trabalho: Cultura,

Leia mais

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA Talles Henrique LIMA; Neuda Alves do LAGO CAJ/UFG tallesh7@hotmail.com, neudalago@hotmail.com Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa ARTIGO...Letrônica v. 3, n. 1, p.153, julho 2010 O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa Luciane Guimarães de Paula Introdução O presente artigo 1 relata um recorte dos resultados de

Leia mais

CRENÇAS RELACIONADAS À MOTIVAÇÃO DE APRENDER LE (INGLÊS) NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA 1

CRENÇAS RELACIONADAS À MOTIVAÇÃO DE APRENDER LE (INGLÊS) NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA 1 CRENÇAS RELACIONADAS À MOTIVAÇÃO DE APRENDER LE (INGLÊS) NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA 1 Hélvio Frank de Oliveira 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é identificar crenças relacionadas à

Leia mais

A importância do listening para o processo ensino-aprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental

A importância do listening para o processo ensino-aprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental A importância do listening para o processo ensinoaprendizagem na disciplina de inglês do ensino fundamental Priscilla Moreira Diniz SEPÚLVEDA 1, Danielle Ferreira de SOUZA 2 1 Acadêmica do curso graduação

Leia mais

3 Pavimentando o caminho: o contexto

3 Pavimentando o caminho: o contexto 46 3 Pavimentando o caminho: o contexto Because it is we practioners (teachers AND learners) who need understandings of what is happening now (Allwright, 2003) Este capítulo é dedicado a situar o contexto

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Formação Continuada em Inglês para professores de Inglês

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Formação Continuada em Inglês para professores de Inglês MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval Eixo Temático I: Práticas pedagógicas a serviço da educação superior militar Subtema 1: metodologias de ensino e aprendizagem; ensino voltado para competências; hibridismo pedagógico; interdisciplinaridade

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

RECONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO E A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO ESCOLAR DE MATO GROSSO RESUMO

RECONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO E A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO ESCOLAR DE MATO GROSSO RESUMO RECONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO E A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO ESCOLAR DE MATO GROSSO Fernando Zolin Vesz 1 Nada é menos anódino que a reflexão, sobretudo se estivermos dispostos a refletir

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA JOVENS E ADULTOS NA ESCOLA PÚBLICA: DESAFIOS PARA O PROFESSOR

ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA JOVENS E ADULTOS NA ESCOLA PÚBLICA: DESAFIOS PARA O PROFESSOR Revista Científica Interdisciplinar. ISSN: 2358-8411 Nº 3, volume 2, artigo nº 22, Julho/Setembro 2015 D.O.I: http://dx.doi.org/10.17115/2358-8411/v2n3a22 ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA JOVENS E ADULTOS

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus Como funciona uma aula de inglês na Language Plus professores nativos de inglês. Sobre os Cursos da Language Plus Os Cursos de Inglês da Language Plus foram desenhados especialmente para os profissionais

Leia mais

Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira

Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira Fabio Madeira R. Jaguaribe, 629, apto. 3d. São Paulo SP Instituto de Estudos da Linguagem Abstract. This

Leia mais

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ Daniella de Souza Bezerra - daniella@jatai.ifg.edu.br Daniela

Leia mais

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo.

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo. ATIVIDADE DA TUTORIA 1 CURSO: CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS DISCIPLINA: Produção Oral e Escrita em Língua Inglesa I PERIODO: 3º Estratégias de Aprendizagem Parte I: De qual/quais estratégia(s)

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

Palavras-chave: ensino/aprendizagem de inglês, crenças, formação de professor Área Temática: Formação e prática docente (FPD).

Palavras-chave: ensino/aprendizagem de inglês, crenças, formação de professor Área Temática: Formação e prática docente (FPD). A PRÁTICA DO BOM DOCENTE DE LÍNGUA INGLESA DEVE FOCAR EM PROBLEMAS RELEVANTES DA CULTURA EM QUE O ALUNO TÁ INSERIDO : ALGUMAS CRENÇAS ACERCA DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE INGLÊS DE UM PROFESSOR

Leia mais

CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO

CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO Diana Vasconcelos LOPES 1 Eduardo BARBUIO 2 Objetivou-se com o trabalho identificar as principais crenças sobre

Leia mais

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)?

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 2845 PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 0. Introdução Tatiana Diello BORGES - UFG/CAJ Neuda Alves

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

8ª Semana de Licenciatura

8ª Semana de Licenciatura 8ª Semana de Licenciatura O professor como protagonista do processo de mudanças no contexto social De 14 a 17 de junho de 2011 O BOM PROFESSOR CONTINUA A APRENDER : ANALISANDO AS CRENÇAS DE UMA FORMANDA

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

INTERPRETANDO AS DIFICULDADES E AS FACILIDADES DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA NO CURSO DE LETRAS/ESPANHOL COM IDADE IGUAL OU SUPERIOR A 40

INTERPRETANDO AS DIFICULDADES E AS FACILIDADES DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA NO CURSO DE LETRAS/ESPANHOL COM IDADE IGUAL OU SUPERIOR A 40 INTERPRETANDO AS DIFICULDADES E AS FACILIDADES DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA NO CURSO DE LETRAS/ESPANHOL COM IDADE IGUAL OU SUPERIOR A 40 Caroline Emanuele Tiago dos Santos ¹; Luís Otávio Batista² 1 Bolsista

Leia mais

O MATERIAL DIDÁTICO NA AULA DE LÍNGUA INGLESA: análise, produção e utilização.

O MATERIAL DIDÁTICO NA AULA DE LÍNGUA INGLESA: análise, produção e utilização. O MATERIAL DIDÁTICO NA AULA DE LÍNGUA INGLESA: análise, produção e utilização. Keila Mendes dos Santos Universidade do Estado da Bahia Reinaldo Ferreira da Silva Universidade do Estado da Bahia No contexto

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PIAIA, Thaís; RICHTER, Luciana Iniciação Científica - Curso de Ciências Biológicas financiado pelo Programa PEIPSM/UFSM Universidade Federal de Santa

Leia mais

Crenças de uma professora de língua inglesa acerca do ensino/aprendizagem desse idioma

Crenças de uma professora de língua inglesa acerca do ensino/aprendizagem desse idioma Crenças de uma professora de língua inglesa acerca do ensino/aprendizagem desse idioma Beliefs of a teacher of english language about teaching / learning that language Tatiana Diello Borges * Vitalino

Leia mais

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA Maria do Socorro Silva RESUMO: O artigo aqui presente trata-se de uma pesquisa realizada em turmas de 9º ano, de duas escolas de rede publica

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

Palavras-chave: Crenças; Ensino/Aprendizagem; Diário Reflexivo.

Palavras-chave: Crenças; Ensino/Aprendizagem; Diário Reflexivo. Crenças sobre ensinar e aprender inglês no ensino fundamental: um estudo de caso Beliefs about teaching and learning English in elementary school: a case study Márcia Aparecida Silva 1 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Palavras-chave: avaliação, formação de professores, experiências, língua inglesa.

Palavras-chave: avaliação, formação de professores, experiências, língua inglesa. Resumo: EXPERIÊNCIAS DE PROFESSORES DE INGLÊS EM FORMAÇÃO INICIAL: A AVALIAÇÃO EM FOCO Vanessa Leite Barreto (UFMG) A formação de professores de Língua Inglesa (LI) tem sido tema recorrente de inúmeras

Leia mais

CRENÇAS DE APRENDIZES INICIANTES DE ESPANHOL SOBRE O BOM ALUNO 1 SPANISH BEGINNER LEARNERS BELIEFS ABOUT THE GOOD LEARNER

CRENÇAS DE APRENDIZES INICIANTES DE ESPANHOL SOBRE O BOM ALUNO 1 SPANISH BEGINNER LEARNERS BELIEFS ABOUT THE GOOD LEARNER CRENÇAS DE APRENDIZES INICIANTES DE ESPANHOL SOBRE O BOM ALUNO 1 SPANISH BEGINNER LEARNERS BELIEFS ABOUT THE GOOD LEARNER Luciana Schuster 2 Resumo: Esta pesquisa procura verificar as crenças de aprendizes

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO OS MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTAS PARA AUXILIAR NA APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO PRÉ-VESTIBULAR SOLIDÁRIO José Jailson Lima Bezerra (1); Joseclécio Dutra Dantas (2) (1) Discente. Licenciatura em Ciências

Leia mais

Disciplina: O conto em LI Ementa: Análise crítica e interpretação de contos extraídos da produção literária em língua inglesa. Carga Horária: 60h

Disciplina: O conto em LI Ementa: Análise crítica e interpretação de contos extraídos da produção literária em língua inglesa. Carga Horária: 60h 1º Semestre Disciplina: Introdução aos Estudos Literários Ementa: Estudo crítico das noções de literatura. Revisão das categorias tradicionais de gêneros literários e estudo dos novos gêneros ficcionais.

Leia mais

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Jefferson Ebersol da Silva 1 Contexto da narrativa O projeto PIBID, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência da FURG, foi desenvolvido

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução O PERFIL DE ALUNOS DE LÍNGUA INGLESA INGRESSANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: DELIMITANDO EXPECTATIVAS E METAS PARA A COMPETÊNCIA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o perfil dos alunos de inglês de

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO

Leia mais

INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA

INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA INGLÊS PARA INICIANTES: ESTRATEGIAS DE COMUNICAÇÃO E INSERÇÃO NA CULTURA INGLESA 1 Cintia Paula Santos da Silva 2 Lucília Teodora Villela de Leitgeb Lourenço Comunicação Educação - Línguas Estrangeiras

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS SOUSA, Marrine Oliveira (UFG) LAGO, Neuda (UFG) Resumo: Através desta pesquisa foi analisada a importância do trabalho

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO

O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO Elza Maria Duarte Alvarenga de Mello Ribeiro (1); Carla Cristina de Souza (2); Giovana de Oliveira Caxias (3). (1) Instituto Federal

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia ASSESSORIA TARGET IDIOMAS Especialização em línguas estrangeiras Referências: construtivismo e aprendizado de idiomas em contextos multilíngues

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

Education Program. Rodrigo Santana Expansion Director rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313

Education Program. Rodrigo Santana Expansion Director rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313 Sejam bem-vindos! Bilinguismo Education Program Rodrigo Santana Expansion Director rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313 EFL - Frequently Asked Questions From Parents Como posso ajudar meu filho se o meu inglês

Leia mais

Sonhos e possibilidades: um estudo sobre as pretensões de alunos da modalidade EJA em Natividade e Itaperuna/RJ 1

Sonhos e possibilidades: um estudo sobre as pretensões de alunos da modalidade EJA em Natividade e Itaperuna/RJ 1 Sonhos e possibilidades: um estudo sobre as pretensões de alunos da modalidade EJA em Natividade e Itaperuna/RJ 1 Lívia Badaró Fabricio 2 Maria das Graças Estanislau de Mendonça de Mello de Pinho 3 Eliana

Leia mais

Maria da Conceição Aparecida Pereira Zolnier 1

Maria da Conceição Aparecida Pereira Zolnier 1 O ensino ideal de Inglês e a realidade na escola: crenças de estudantes e de uma professora The ideal English teaching and the reality at school: students and teacher s beliefs Maria da Conceição Aparecida

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

TEYL. Education Program. Rodrigo Santana. Expansion Director. rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313

TEYL. Education Program. Rodrigo Santana. Expansion Director. rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313 Sejam bem-vindos! Bilinguismo TEYL Education Program Rodrigo Santana Expansion Director rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313 Quem são os alunos VYL? Aprendem muito rapidamente. Se divertem muito enquanto

Leia mais

DISCURSOS SOBRE A POLÍTICA POR MEIO DE GÊNEROS VARIADOS

DISCURSOS SOBRE A POLÍTICA POR MEIO DE GÊNEROS VARIADOS CAMPUS BAGÉ CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PIBID LETRAS DISCURSOS SOBRE A POLÍTICA POR MEIO DE GÊNEROS VARIADOS Bolsista: Flávia Azambuja Alves Coordenadora: Professora Drª Fabiana Giovani Supervisora:

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

SALA DE AULA DE LE (INGLÊS): PROFESSORA E ALUNOS FALAM A MESMA LÍNGUA?!

SALA DE AULA DE LE (INGLÊS): PROFESSORA E ALUNOS FALAM A MESMA LÍNGUA?! 50 SALA DE AULA DE LE (INGLÊS): PROFESSORA E ALUNOS FALAM A MESMA LÍNGUA?! FOREIGN LANGUAGE (ENGLISH) CLASSROOM: DOES THE TEACHER AND HER STUDENTS SPEAK THE SAME LANGUAGE?! Hélvio Frank de Oliveira Mestre

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

A leitura em português como L2: análise das possíveis crenças dos professores de surdos

A leitura em português como L2: análise das possíveis crenças dos professores de surdos A leitura em português como L2: análise das possíveis crenças dos professores de surdos Reading in Portuguese as L2: analysis of possible beliefs of teachers of the deaf Patrícia Araújo Vieira * Vera Lúcia

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR Tânia Aparecida Rodrigues de Oliveira Faculdade de Educação CCHSA tania.aro@puccampinas.edu.br Profa. Dra. Heloisa Helena

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

CRENÇAS SOBRE APRENDER E A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO BÁSICO

CRENÇAS SOBRE APRENDER E A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO BÁSICO CRENÇAS SOBRE APRENDER E A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO À LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO BÁSICO CRISTIANE MANZAN PERINE 1 ORIENTADOR (A): PROFª. DRA. FERNANDA COSTA RIBAS 2 Resumo: O presente artigo realizará

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com. O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.br Educação e Desenho Universal FATO: NA ESCOLA SOMOS TODOS

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 15/2010 UNEMAT DEPARTAMENTO DE LETRAS - CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES-MT A UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Leandro Leal (UFG Campus Jataí) Neuda Alves do Lago (UFG Campus Jataí) RESUMO: A influência do conhecimento

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA PIPE 6: Investigando necessidades e interesses para o ensino de Língua Inglesa em diferentes contextos Profª Dra: Maria Clara Carelli

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

Oprojeto KeyforSchoolsPORTUGAL

Oprojeto KeyforSchoolsPORTUGAL Oprojeto KeyforSchoolsPORTUGAL O teste Key for Schools O teste Key for Schools é concebido para aplicação em contexto escolar e está de acordo com o Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas O

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA À DISTÂNCIA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA À DISTÂNCIA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA À DISTÂNCIA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES SILVEIRA, Danubia Gisele Santos1 ¹Graduada em Letras Inglês e especialista em Ensino de Língua Inglesa e Educação a Distância pela Universidade

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais