ANAIS ELETRÔNICOS ISSN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765"

Transcrição

1 O PAPEL DAS CRENÇAS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE INGLÊS EM ESCOLA PÚBLICA Walter Vieira BARROS 1 (UFCG) Edith Estelle Blanche Owono ELONO 2 (UFCG) Marco Antônio M. COSTA 3 (UFCG) Resumo: Este trabalho investiga como crenças de alunos e professores influenciam o ensino/aprendizagem de inglês em escola pública. De acordo com Miccoli (2010), a cada dia, professores e alunos reafirmam e propagam a crença de que inglês de colégio é o único inglês que se aprende em escola pública. A não conscientização do professor a respeito da influência das crenças em sua prática docente pode induzi-lo a tomar decisões que gerem a desvalorização do seu trabalho e/ou a desconfiança por parte dos alunos sobre o conhecimento aprendido, o que pode afetar o contexto de sala de aula (GABILLON, 2012; RICHARDS e LOCKHART, 1996). Durante o período de observação do estágio supervisionado do terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental, que ocorreu em uma turma de sexto ano do ensino fundamental de uma escola pública de Campina Grande-PB, em 2014, percebemos que havia pouca comunicação entre a professora e a turma, o que tornava a aula bastante monótona, centrada na listagem de vocabulários e suas respectivas traduções. Levando em consideração tal contexto, aplicamos questionários escritos com a professora e com os alunos, fizemos o levantamento das respostas, que estão organizadas em gráficos, e as analisamos à luz dos autores supramencionados. Foram identificadas algumas diferenças entre as crenças da professora e dos alunos, como, por exemplo, em relação ao interesse dos alunos em aprender inglês: 13 dos 15 alunos afirmaram ter interesse, enquanto a professora acreditava que esses alunos não queriam aprender inglês. Percebemos, em nossa análise, que essa discrepância juntamente com outras que foram identificadas afetaram o contexto investigado (havia pouca ou nenhuma interação entre os alunos e a professora da turma e as aulas tratavam da língua apenas em seu aspecto estrutural), que de certa maneira acabou reforçando a crença de Inglês de colégio mencionada por Miccoli (2010). Palavras-chave: Ensino de Língua Inglesa. Estágio. Escola Pública. Crenças. 1 Graduando em Letras Língua Inglesa pela (UFCG). 2 Graduanda em Letras Língua Inglesa pela (UFCG). 3 Professor Adjunto da Unidade Acadêmica de Letras da UFCG. 1

2 Introdução Com a evolução da industrialização e da globalização, a comunicação vem acontecendo de maneira mais rápida entre pessoas em diferentes lugares do planeta, porém, foi com o surgimento da internet que a comunicação se tornou instantânea, independentemente da distância entre os falantes de diferentes línguas, o que exige, mais do que qualquer outro momento da história, a necessidade de uma língua comum. Nos dias atuais, essa língua é o inglês, e, paradoxalmente, embora o inglês tenha se tornado uma das línguas mais utilizadas ao redor do mundo, seja no âmbito do lazer, da educação e do trabalho, quando olhamos para escola pública, vemos que o inglês continua sendo uma das disciplinas mais desvalorizadas. De acordo com Miccoli (2010), a cada dia, professores e alunos reafirmam e propagam a crença de que o único inglês que se aprende em escola pública é o inglês de colégio que, segundo a autora, seria um conhecimento limitado da língua que não exige mais que algumas frases feitas (MICOLLI, 2010, p. 177). Vemos que essa crença tem certa força, pois o ensino da língua parece ir na contramão das necessidades que os alunos têm ou possam vir a ter em relação ao uso da língua no atual mundo globalizado. Segundo Gabillon (2012) e Richards e Lockhart (1996), as crenças influenciam a prática docente podendo induzir o professor a tomar decisões que gerem a desvalorização do seu trabalho e/ou a desconfiança por parte dos alunos sobre o conhecimento aprendido, o que pode afetar o contexto de sala de aula. Este trabalho investiga como crenças de alunos e da professora de uma turma de sexto ano do ensino fundamental em uma escola publica de Campina Grande PB influenciaram aquele contexto de ensino/aprendizagem da língua inglesa. A investigação desse contexto ocorreu durante o período de observação do estágio supervisionado do terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental em Nessa turma, percebemos que havia pouca comunicação entre a professora e a turma, o que tornava a aula 2

3 bastante monótona, centrada na listagem de vocabulários e suas respectivas traduções. As perguntas norteadoras de nossa pesquisa foram: Há diferenças entre as crenças da professora e dos alunos? Essas discrepâncias afetaram o contexto investigado? Os participantes dessa pesquisa foram os alunos do sexto ano de uma escola pública de Campina Grande - PB. A turma era composta por quinze alunos com idades que variavam entre treze e dezesseis anos, todos brasileiros. Os participantes afirmaram ter tido contato com o ensino da língua inglesa por meio de aulas de inglês em anos (séries) anteriores (alguns alunos eram repetentes). Essas experiências variaram de um a quatro anos de aula de inglês. A coleta de dados ocorreu por meio da aplicação de questionários 4 : um com a professora da turma e outro com alunos; e de anotações escritas feitas por nós, de falas da professora e de alunos, que, de acordo com nossa interpretação, ajudaram a revelar algumas crenças que não se mostraram evidentes nas respostas escritas dos questionários. Após a coleta, iniciamos um levantamento das crenças da professora e das crenças dos alunos. A partir da nossa interpretação das respostas aos questionários e das nossas anotações, agrupamos as crenças em áreas comuns, fazendo uma análise comparatista entre as crenças dos alunos e da professora em cada uma dessas áreas. Vale ressaltar que, após esse período de observação do estágio supervisionado, continuamos por mais um mês nessa turma para o período de regência, o que nos auxiliou para melhor entender aquele contexto local, assim, ajudando-nos na interpretação na análise de dados. 4 O questionário aplicado com a professora continha seis questões relacionadas a seleção de conteúdos a serem ensinados, o papel da tradução em sala de aula, relevância da aprendizagem de uma LE e a possibilidade de sua aprendizagem na escola pública. O questionário aplicado com os alunos continha oito questões que abordavam aspectos relativos a interesse, propósito e possibilidade de aprender inglês na escola pública, o que deveria ser ensinado e como deveria ser o professor, os alunos e as aulas de inglês. 3

4 1. Ensino de inglês na escola pública A necessidade de aprender uma Língua Estrangeira (doravante LE), principalmente o inglês que é a atual Língua Franca, nunca foi tão forte como nos dias atuais. Enquanto as fronteiras só eram atravessadas no ritmo dos pés humanos, dos cavalos, das canoas [etc], a comunicação se resumia à interação face a face (COX e ASSIS-PETERSON, 2008, p. 36). Com a evolução da industrialização e da globalização, a comunicação vem acontecendo de maneira mais rápida entre pessoas em diferentes lugares do planeta, porém, foi com o surgimento da internet que a comunicação se tornou instantânea independente da distância entre os falantes (de diferentes línguas), o que exige, mais do que qualquer outro momento da história, a necessidade de uma língua comum (cf. COX e ASSIS-PETERSON, 2008). De acordo com os paradigmas emergentes no ensino de LE, o conteúdo não é o foco da aprendizagem, mas sim, o quanto o professor pode incentivar seus alunos a fazerem reflexões sobre o assunto a ser discutido. Assim, como discute Araújo (2000), os conteúdos deixam de ser entendidos como a finalidade da educação e passam a ser encarados como o meio para se alcançar determinado objetivo. Nessa nova visão, o professor não é o detentor do conhecimento e nem tem respostas prontas para todas as perguntas. Portanto, de acordo com Bohn (2006), instaura-se uma relação direta e harmônica entre o professor e o aluno, no qual o último é aquele que descobre e transforma o conhecimento e o professor é um guia/moderador entre o conhecimento e o aprendiz. Com isso, percebe-se que o aluno deveria ganhar mais visibilidade em sala de aula e o professor se tornaria mais flexível. Além disso, espera-se que o professor faça o uso de maneiras inovadoras como a discussão em sala de aula, pois é através dela que se pode conseguir desmistificar os dogmas da língua e contribuir para que os aprendizes possam construir realidades distintas no mundo no qual estão inseridos. Deste modo, ambos, alunos e professores poderão sair do estágio de conforto para criarem um espaço que requer questionamentos e respostas, revisão e reflexão das verdades que se apresentam no cotidiano (cf. BOHN, 2006). 4

5 Embora tenhamos conhecimento dessa perspectiva de ensino de línguas, percebemos que a realidade da sala de aula pode apontar para diferentes direções, principalmente, nas escolas públicas brasileiras. Tende-se a valoriza o ensino centrado no professor e no conteúdo/na estrutura linguística. Talvez esse seja o motivo que tem levado as disciplinas de LE a ocuparem um espaço reduzido nos currículos escolares, já que o foco é aprender apenas estruturas gramaticais da língua-alvo. 2. Influência das crenças no contexto de ensino-aprendizagem de inglês na escola pública Quando olhamos para o ensino de inglês na escola pública, vemos que, como afirma Miccoli (2010), embora os alunos tenham sete anos, do sexto ano do ensino fundamental ao terceiro ano do ensino médio, tendo aula de língua inglesa, eles caracterizam sua aprendizagem como inglês de colégio, indicando depreciação do ensino e vergonha em relação à sua aprendizagem nesse período. [Essa locução] implica um conhecimento limitado para qualquer atividade que exija mais do que algumas frases feitas, evidenciando o não-desenvolvimento de uma competência mínima na língua estrangeira, ao longo da trajetória escolar (MICCOLI, 2010, p. 177). A autora supramencionada mostra que esse inglês de colégio não é uma crença apenas compartilhada pelos alunos, mas também por professores, principalmente de escolas públicas. Esses professores, devido às condições de trabalho, infraestrutura das escolas, salas superlotadas e alunos com diferentes níveis de conhecimento da língua e de motivação, acreditam que seja impossível o ensino comunicativo do inglês. O ensino-aprendizagem de LE é um processo complexo e que pode ser conceituado/entendido de diferentes formas, uma vez que os sujeitos que estão envolvidos constroem diferentes entendimentos acerca do mesmo, de acordo com suas crenças e experiências prévias. Cabendo, assim, a cursos formadores de 5

6 professores, dar o primeiro passo para mudança. Prepará-los para a realidade da escola pública, e também contribuir para a construção de identidades de profissionais abertos à instabilidade (...), sem perder de vista o horizonte dos objetivos da educação em língua inglesa [ou correremos o risco] de não desafiarmos as práticas que se repetem porque as condições para sua existência permanecem as mesmas, embora os indivíduos sejam diferentes (GIMENEZ, 2011.p ). Diante do grande número de alunos, e das diferenças existentes entre cada aluno e cada turma, o professor precisa estar preparado para a imprevisibilidade e a diversidade de crenças que cada aluno possui e que, assim como as do professor, também influenciam aquele contexto de sala de aula. Segundo Richards e Lockhart (1996), os sistemas de crenças dos professores e dos estudantes são constituídos a partir de diferentes fontes, como as próprias experiências enquanto alunos de LE, experiência acerca do que funcionou ou não enquanto professor de LE, personalidade (do aluno, do professor), crenças sobre ensino, crenças sobre aprendizagem, crenças sobre o que é ou deveria ser um bom professor e um bom aluno, atitude em relação a LE que está sendo aprendida/ensinada, dentre outras. Com isso, concordamos com a definição de crenças apresentada por Barcelos (2000, apud COELHO, 2005), que afirma que as crenças são teorias implícitas e assumidas com base em opiniões, tradições e costumes, teorias que podem sofrer modificações devido a novas experiências. Os professores estão constantemente tomando decisões a partir de suas reflexões em ação (durante a aula) e sobre a ação (antes e depois da aula) (SCHON, 1983 apud MCKAY, 2003). As reflexões, em nosso entender, se tornariam mais ricas se, conscientemente, forem consideradas as influências que as crenças dos sujeitos envolvidos exercem no contexto de sala de aula. Essas decisões com base na prática da reflexão é uma característica importante para um professor dos dias atuais. Essa prática é uma ferramenta fundamental e de extrema importância para o professor, uma vez que, quando falamos em ensino, não temos uma receita a se seguir. Cabendo 6

7 assim, ao ato da reflexão, o papel de orientador dos professores nos momentos de planejamento e de tomadas de decisões. Segundo Richards e Lockhart (1996) e Gabillon (2012), quando há diferenças entre as crenças do professor e dos alunos, a aprendizagem dos alunos é afetada. Pois as crenças influenciam a prática docente podendo induzir o professor a tomar decisões que gerem a desvalorização do seu trabalho e/ou a desconfiança por parte dos alunos sobre o conhecimento aprendido, o que pode afetar o contexto de sala de aula, desestimulando ambos, professor e aluno. De acordo com os autores, a melhor forma de evitar que isso aconteça é através da autoconscientização do professor, do poder de influência das próprias crenças e as dos alunos. Portanto, seria importante conhecer melhor os alunos, para que assim, seja possível melhor adequar as propostas do professor com as expectativas dos discentes. Além disso, faz-se importante, também, ser o mais claro possível ao explicar o propósito das atividades, evitando, com isso, desentendimentos, desvalorização das atividades, e falta de confiança de ambas as partes. Logo, vemos que essa conscientização da importância das crenças é algo fundamental, devendo estar presente durante todo processo da pratica reflexiva. Isso reforça a importância de, como sugere Mckay (2003), ser um professor reflexivo. 3. Investigando as crenças no contexto de estágio Conforme esclarecemos, interpretamos as crenças dos alunos e da professora a partir das respectivas respostas aos questionários aplicados e de anotações escritas feitas por nós durante o período em que ficamos no contexto investigado. A análise será baseada em gráficos que mostram um retrato do que foi extraído dos dados, que estão divididos em quatro subseções. Embora grande parte da análise seja baseada nos gráficos, trechos das respostas ou das anotações realizadas por nós serão utilizados para fazermos referência às crenças da professora da turma ou quando uma maior contextualização dos dados expressos nos gráficos for necessária. 7

8 3.1. Interesse e motivação em aprender inglês Analisando as respostas dos alunos 5, percebemos que a maioria gostaria de aprender inglês e que a aprendizagem de uma LE seria algo importante. Vemos também que a crença que os motivam (na maioria das respostas) a querer aprender inglês é a possível utilização dessa língua para fins comunicativos, seja no trabalho ou em viagens. Vejamos abaixo as Fig. 1, 2 e 3: Figura 1 Vontade em aprender inglês Figura 2 Aprender inglês é importante Figura 3 Motivos de aprender inglês 5 Neste e nos demais casos os números dizem respeito a quantidade de alunos com respostas semelhantes. 8

9 Durante o período de observação fizemos anotações, dentre as quais está essa fala da professora Eles não querem nada com nada (BARROS e ELONO, 2014, p. 14) ao comentar que os alunos não tinham interesse em aprender. De acordo com Barcelos (2000, apud COELHO, 2005), as crenças são teorias implícitas e assumidas com base em opiniões, tradições, costumes e experiências. Logo, essa crença da professora pode ter tido origem a partir de suas primeiras aulas e/ou a partir de comentários de outros professores. Também comentou que devido ao pouco tempo de aula e ao grande desinteresse dos alunos, ela passava o máximo de conteúdo para que eles aprendessem o máximo possível e finalizou dizendo que a turma em que estávamos estagiando, em comparação com outras que a mesma professora ministrava aulas, era a que menos demonstrava interesse. No questionário que a professora da turma respondeu, havia uma questão acerca da relevância da aprendizagem de uma LE para seus alunos. Percebemos que a professora da turma considera a LE como uma chave que abre oportunidades, vejamos a resposta: (...) porque aprender uma língua estrangeira abre portas para diversas oportunidades no mundo afora, seja na área de trabalho, seja em outras pertencentes ao lazer, etc. (BARROS e ELONO, 2014, p. 27). Embora ela argumente que aprender uma língua estrangeira abra portas para diversas oportunidades, vemos que sua resposta não demonstra essas diversas oportunidades, ficando mais evidente a área do trabalho, já que as outras possíveis áreas não são especificadas. Isso aponta para a crença de que aprender uma LE abrirá oportunidades de emprego. A primeira diferença que identificamos é em relação ao interesse dos alunos e que a professora não acredita que os mesmos tenham interesse em aprender. A segunda, em relação ao propósito de se aprender uma LE, enquanto os alunos pensam em aprender para fins comunicativos, ela acredita ser importante para abrir oportunidades (de emprego, por exemplo), e prioriza o ensino estrutural da língua, já que, devido ao desinteresse da turma e ao pouco tempo de aula, ela prefere escrever no quadro o máximo de conteúdo possível. Na visão da professora, a grande 9

10 quantidade de conteúdo estrutural visto em sala se igualaria a uma aprendizagem da língua. De acordo com Richards e Lockhart (1996) e Gabillon (2012), discrepâncias entre crenças dos alunos e do professor podem influenciar o contexto de ensinoaprendizagem de maneira negativa. Essas primeiras diferenças poderiam ter sido evitadas, se, como sugerem os paradigmas emergentes, de acordo com Bohn (2006), houvesse estabelecido uma relação direta e harmônica entre professor e aluno. E para isso uma simples sondagem poderia ter sido suficiente, uma vez que o professor precisa conhecer as crenças e expectativas de seus alunos para melhor atendê-las Inglês na escola pública Quanto à possibilidade de se aprender a língua inglesa na escola pública, a maioria dos alunos respondeu que acredita ser possível (ver Fig. 4). Vejamos as respostas de quatro alunos como exemplo: Aluno 1: é sim, porque só basta ter vontade de estudar e aprender ; Aluno 2: se a escola coloca professor de inglês, é possível ; Aluno 3: sim, porque o que vale é se você quer estudar. Quando você quer isso [escola pública] é apenas um detalhe ; Aluno 4: sim, porque é o mesmo ensinamento que a particular (BARROS e ELONO, 2014, p. 28). Isso revela que esses alunos não consideram o fato da escola ser pública, um fator que impeça o ensinoaprendizagem de uma LE. Figura 4 Aprender inglês na escola pública 10

11 No questionário aplicado com a professora, vemos que sua resposta referente à questão sobre a possibilidade de se aprender LE em escola pública, ela primeiramente diz acreditar que sim, Sim, pois o ensino de línguas depende, principalmente, do professor e dos alunos, bem como sua atitude para com ensino e aprendizado de LEs e para um com o outro (BARROS e ELONO, 2014, p. 28), no entanto, essa crença de que é possível aprender LE na escola pública não se sustenta quando analisamos a resposta a questão sobre as possíveis habilidades de serem trabalhadas na escola pública: Leitura, escrita e fala são as [habilidades] mais prováveis de os alunos aprenderem, uma vez que os alunos não possuem conhecimentos sobre a LE para entender atividades de escuta e porque as escolas públicas não tem o material necessário para realizar essas atividades (BARROS e ELONO, 2014, p. 28). A professora diz acreditar na possibilidade de aprender uma LE na escola pública. Porém, quando analisamos a segunda resposta, ela não acredita que a compreensão oral possa ser ensinada ou trabalhada na sala de aula porque as escolas públicas não têm materiais necessários e porque os alunos não têm conhecimento sobre a LE. Ao se referir à compreensão oral, a professora não utiliza verbos como ensinar ou aprender, ela utiliza o verbo entender. Então, não se ensina ou trabalha tal habilidade, só se testa? Vemos também que ela se refere às outras três habilidades (escrita, leitura e fala) como prováveis de serem ensinadas, o que aponta para uma incerteza, quanto à possibilidade de ensiná-la em escolas públicas. Quando relacionamos essa resposta com a crença de igualdade entre aprendizagem da língua e a grande quantidade de conteúdo estrutural visto em sala (ver subseção 3.1), entendemos que ela não tem certeza de que se possa ensinar LE em escolas públicas. Essa incerteza pode revelar um processo de mudança de crenças que, de acordo com Barcelos (2000, apud COELHO, 2005), as crenças são suscetíveis a mudanças com base em novas experiências. Talvez ela, enquanto professora e/ou aluna de LE, tenha vivenciado momentos na escola pública que a fez acreditar que era possível aprender LE e, momentos que a fez questionar essa possibilidade. 11

12 3.3. Papel do professor e papel do aluno Em relação a como deveria ser um professor de inglês, ao analisarmos as respostas expressas na Fig. 5, vemos que cinco alunos utilizaram os adjetivos legal, dois utilizaram alegre e atencioso e um utilizou divertido. Considerando o contexto local dessa turma, entendemos que tais adjetivos referem-se a um estabelecimento de uma relação mais próxima entre o professor e o aluno. Isso porque, durante o período de observação, os alunos alegaram que a professora não era legal, pois não os dava atenção. Um dos alunos chegou a falar que não sabia como era a voz da professora e que nunca a viu sorrir. No que se refere ao papel do aluno de inglês, menos da metade respondeu, como podemos ver na Fig. 6. Isso, de acordo com nossa interpretação, revela uma crença de que o professor é o principal responsável pelo sucesso ou não do ensinoaprendizagem de inglês, por exemplo. Figura 5 Papel do professor de inglês 12

13 Figura 6 Papel do aluno de inglês 3.4. Visão de ensino da Língua Inglesa Durante a realização do estágio, percebemos que a professora utilizava bastante tradução interlingual (Inglês Português). Acredito que a tradução é uma ótima maneira de se aprender vocabulário e até fixar regras gramaticais (BARROS e ELONO, 2014, p. 29), respondeu a professora à questão relacionada ao uso de tradução para o ensino de Inglês. Isso atrelado à crença de que os alunos não têm interesse em aprender, o pouco tempo de aula, e a crença de que não é possível trabalhar a compreensão oral na escola pública, o que impossibilita o uso e ensino comunicativo da língua em sala de aula, de acordo com nossa interpretação, gerou uma nova crença: apenas vocabulários e estruturas gramaticais, com auxilio da tradução, são possíveis de serem ensinados em escola pública, principalmente na turma em questão. A professora reiterou que, devido ao pouco tempo de aula e ao grande desinteresse dos alunos, passava o máximo de conteúdo para que eles aprendessem o máximo possível. Vemos uma valorização dos conteúdos, sendo o passar ou a exposição desses conteúdos, sinônimo da aprendizagem dos mesmos e que simboliza(ria) a 13

14 aprendizagem da LE, o que vai ao encontro com o que Bohn (2006) discute sobre os paradigmas emergentes, e dando continuidade a crença que Micolli (2010) chama de inglês de colégio, aquele inglês que se resume ao conhecimento das estruturas básica da língua, que foi aprendido na escola pública e que nunca será usado em contexto real de comunicação. No questionário, ao serem indagados a respeito do que deveria ser ensinado, nas aulas de inglês, a maioria dos alunos respondeu tudo e falar, como podemos ver na Fig. 7, que interpretamos como representando o conhecimento necessário para o uso da língua como ferramenta de comunicação. Vejamos também exemplos de respostas de três alunos referentes a Fig. 3 (ver subseção 3.1): se caso eu fosse para algum país seria bom saber a língua do outro pois porque só assim sabendo a língua desse país eu poderia falar com as pessoas que moram nele, porque onde chegar tipo um país diferente podemos se comunicar com estrangeiros de outros países ou porque eu quero ser aeromoça e precisa saber novas línguas (BARROS e ELONO, 2014, p ). Ao analisarmos essas respostas, percebemos que há uma vontade de aprender a língua para utilizá-la para fins comunicativos, embora essa comunicação seja colocada como uma possibilidade a vir acontecer no futuro. Em relação a como deveria ser as aulas de inglês, a maioria utilizou os adjetivos divertida e legal (ver Fig. 8), o que demonstra uma crença de que as aulas de inglês deveriam ser mais dinâmicas e interativas. Figura 7 Deveria ser ensinado nas aulas de inglês 14

15 Figura 8 Como as aulas de inglês deveriam ser Acreditamos que, devido à visão estrutural de ensino de língua, a crença sobre o ensino de inglês em escola pública junto com a crença de que os alunos não querem aprender, a professora não interagia com a turma (como percebemos no período de observação do estágio supervisionado). Apenas copiava os conteúdos no quadro o que levou a desvalorização, por parte dos alunos, das atividades propostas pela professora. E essa postura dos alunos também afetou a professora, que além de sentir-se desestimulada, reafirmou a crença de que eles não queriam aprender inglês. Logo, esse círculo de desvalorização e desentendimento se estabelece devido às discrepâncias entre as crenças de ambas as partes, como sugerem Richards e Lockhart (1996) e Gabillon (2012). Considerações finais Conforme análise apresentada, pudemos perceber que houve diferenças entre as crenças da professora e dos alunos e que essas diferenças geraram um círculo de desvalorização e desentendimento de ambas as partes. A nosso ver, essas discrepâncias, de fato, influenciaram de forma negativa o contexto de ensino- 15

16 aprendizagem de Língua Inglesa no sexto ano dessa escola pública de Campina Grande PB, indo ao encontro do que argumentam Barcelos (2000, apud COELHO, 2005), Gabillon (2012) e Richards e Lockhart (1996) sobre o poder de influência das crenças e das diferenças entre elas. Além de ter contribuído, de certa forma, para a crença de inglês de colégio conforme discute Miccoli (2010). Esse resultado é de extrema importância para professores em formação inicial ou continuada, pois indica a necessidade da conscientização do poder de influência que as crenças que cada sujeito (professor e aluno) possui sobre suas experiências, tomadas de decisões e atitudes. E que essa conscientização ajudará o professor em sua reflexão no momento do planejamento de suas aulas, onde se deve tentar adequar suas propostas às necessidades, expectativas e crenças dos alunos. Não só no momento do planejamento, mas também durante a aula, buscando ser o mais claro possível, ao explicar suas propostas, objetivos das aulas e das atividades, além de procurar conhecer melhor os alunos, evitando assim diferenças que possam ter impactos negativos, levando a desvalorização e a desentendimentos de ambas as partes. Referências ARAÚJO, U. F. Escola, democracia e a construção de personalidades morais. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 26, n. 2, p , jul./dez BARROS, W. V.; ELONO, E. E. B. O. O papel das crenças no ensino-aprendizagem de língua inglesa. Campina Grande: Unidade Acadêmica de Letras - UFCG, páginas. Relatório de Estágio. BOHN, H. I. Maneiras inovadoras de ensinar e aprender a necessidade de des(re)construção de conceitos. In: LEFFA, Wilson, J. (Org.) O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. Ed. Pelotas: EDUCAT, 2006, p COELHO, H. S. H. "É possível aprender inglês na escola? Crenças de professores e alunos sobre o ensino de inglês em escolas públicas. 2005, p disponível em < oelho.pdf>acessado 09/01/2015. COX, M. I. P.; ASSIS-PETERSON, A. A. O drama do ensino de inglês na escola pública. In: ASSIS-PETERSON, A. A. (Org.). Línguas estrangeiras: para além do método. São Carlos: Pedro & João Ed.; Cuiabá: EdUFMT., 2008, p

17 GILBILLON, Z. Discrepancies between L2 Teacher and L2 Learner Beliefs. Disponível em < Acesso em 15/12/2014. GIMENEZ, T. Formação de professores de inglês na contemporaneidade. In: LIMA, D. C. Inglês em escola pública funciona? 2011, p MCKAY, S. L. O professor reflexivo: guia para investigação do comportamento em sala de aula. (Tradução Renata Oliveira). São Paulo: Special Book Services Livraria, MICCOLI, L. Ensino e Aprendizagem de Inglês: Experiências, Desafios e Possibilidades. Campinas: Pontes Editores, 2010, p RICHARDS, J.C. & LOCKHART, C. Reflective teaching in second language classrooms. 1996, p Disponível em < _richards_charles_lockhart_reflective_teaching_in_second_language_classrooms_cam bridge_language_education 2007.pdf> Acesso em 15/12/

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG OLIVEIRA, Shirlene Bemfica de Oliveira 1 CARMO, Kamila Oliveira do 2 LEITE, Gabriela Maria Ferreira Leite 3 OLIVEIRA, Tatiane Morandi de 4 ROSSI,

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 COMPLEXIDADE EM AMBIENTES DE SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 COMPLEXIDADE EM AMBIENTES DE SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ Daniella de Souza Bezerra - daniella@jatai.ifg.edu.br Daniela

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO Vanessa Torres dos Santos (vanessa.torres@live.com)¹ Emelynne Gabrielly de Oliveira Santos (nellynha_15@hotmail.com)¹ Izaac Batista Lima (izaac-15@hotmail.com)¹ Marília

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA Denise Knorst da Silva 1 denisek@unijui.tche.br RESUMO Neste trabalho é apresentada uma discussão sobre atividades

Leia mais

3 Pavimentando o caminho: o contexto

3 Pavimentando o caminho: o contexto 46 3 Pavimentando o caminho: o contexto Because it is we practioners (teachers AND learners) who need understandings of what is happening now (Allwright, 2003) Este capítulo é dedicado a situar o contexto

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Poliana Helena Batista Thomaz PUC-Campinas Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid PUC-Campinas Na pesquisa

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Wanderlânyo de Lira Barboza * Emmanuel De Sousa Fernandes Falcão ** Resumo: O presente trabalho aborda reflexões

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

Palavras-chave: avaliação, formação de professores, experiências, língua inglesa.

Palavras-chave: avaliação, formação de professores, experiências, língua inglesa. Resumo: EXPERIÊNCIAS DE PROFESSORES DE INGLÊS EM FORMAÇÃO INICIAL: A AVALIAÇÃO EM FOCO Vanessa Leite Barreto (UFMG) A formação de professores de Língua Inglesa (LI) tem sido tema recorrente de inúmeras

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO Elane Porto Campos-UESB Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Bolsista do subprojeto de Pedagogia PIBID/UESB-CAPES

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Resumo. Palavras- chave: alfabetização, Ciclos de Alfabetização, leitura, escrita.

Resumo. Palavras- chave: alfabetização, Ciclos de Alfabetização, leitura, escrita. V SEMINÁRIO SOBRE LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO As práticas de ensino da leitura e escrita dos professores que participaram do Ciclo de Alfabetização (1986-1988) da Secretaria de Educação da cidade do Recife:

Leia mais

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA UMA PRÁTICA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA INOVADORA

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA UMA PRÁTICA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA INOVADORA 1 O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA UMA PRÁTICA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA INOVADORA CEZÁRIO, Maria Angélica mangelicacezario@gmail.com 1 RESUMO O escopo desse texto

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA

A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA GERLANE BEZERRA CAVALCANTE, - ID¹ Graduanda em Geografia. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. UEPB E-MAIL: gerlane_miranda@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa Dra. Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin 1 Marina Kataoka Barros 2 Resumo Por meio desta comunicação, desejamos refletir sobre

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL Resumo Fabiana Grassi Mayca UFSC fabiana.mayca@gmail.com Aprendizagem nas Diferentes Dimensões

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA Marília Lidiane Chaves da Costa Universidade Estadual da Paraíba marilialidiane@gmail.com Introdução

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

INTERESSE E MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE ESTUDANTES DA PRÁTICA DE ENSINO EM BIOLOGIA

INTERESSE E MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE ESTUDANTES DA PRÁTICA DE ENSINO EM BIOLOGIA INTERESSE E MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE Resumo ESTUDANTES DA PRÁTICA DE ENSINO EM BIOLOGIA TARGA, Adriano Dias Santos UFPR adrianotargads@gmail.com PAIM, Andressa UFPR dessapaim@gmail.com PAREDES,

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO Gabriela Rodrigues Botelho Prof. Camila Maria Corrêa Rocha (Orientador) RESUMO Este artigo tem por objetivo abordar

Leia mais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Vanessa Faoro UNIJUÍ - vanefaoro@yahoo.com.br Kelly Pereira Duarte UNIJUÍ kelly_duartee@yahoo.com.br

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA PARA UM ENSINO SIGNIFICATIVO

A MODELAGEM MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA PARA UM ENSINO SIGNIFICATIVO A MODELAGEM MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA PARA UM ENSINO SIGNIFICATIVO Ranieri Miranda Imperatori (IF-Sudeste/Rio Pomba) Silvana Lucas Bomtempo Matos (IF-Sudeste/Rio Pomba) RESUMO Este artigo tem como objetivo,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Patrícia Roberta de Almeida Castro MACHADO (FL-UFG) patricia_cultura@hotmail.com Lucielena Mendonça de LIMA orientadora (FL-UFG) lucielenalima@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO RECURSO AUDIOVISUAL E TECNOLÓGICO NO ENSINO DA QUÍMICA. Bruna Alves Teixeira Lima (UFPB/CCA Bolsista PROLICEN)

A UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO RECURSO AUDIOVISUAL E TECNOLÓGICO NO ENSINO DA QUÍMICA. Bruna Alves Teixeira Lima (UFPB/CCA Bolsista PROLICEN) A UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO RECURSO AUDIOVISUAL E TECNOLÓGICO NO ENSINO DA QUÍMICA Bruna Alves Teixeira Lima (UFPB/CCA Bolsista PROLICEN) Dayse das Neves Moreira (UFPB/CCA Professora Colaboradora PROLICEN)

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ARACAJU/SERGIPE COM A UTILIZAÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS

UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ARACAJU/SERGIPE COM A UTILIZAÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ARACAJU/SERGIPE COM A UTILIZAÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS Resumo Tâmara Azevedo Nascimento tamara_an212@hotmail.com Darlysson Wesley da Silva darlyssonwesley@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO Wallison Fernando Bernardino da Silva (UFPB/CCA Bolsista Subprojeto Química PIBID/CAPES)

Leia mais

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Jefferson Ebersol da Silva 1 Contexto da narrativa O projeto PIBID, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência da FURG, foi desenvolvido

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DE ESQUEMAS MENTAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras Chaves: Educação Matemática, Educação Infantil; Diagnóstico de Esquemas Mentais.

O DIAGNÓSTICO DE ESQUEMAS MENTAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras Chaves: Educação Matemática, Educação Infantil; Diagnóstico de Esquemas Mentais. O DIAGNÓSTICO DE ESQUEMAS MENTAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Cristiane de Oliveira Cavalcante, UFC Sandra Maria Soeiro Dias, UFC RESUMO: Nas últimas duas décadas, a Educação Matemática no contexto da Educação

Leia mais

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES 1 ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES Luciano Teles Bueno 1, Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo realizado com

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Resumo: Com o enfoque na metodologia de resolução de problemas, nós, bolsistas do PIBID Matemática da UFPR, elaboramos algumas atividades destinadas

Leia mais

ProfMat 2014 TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA

ProfMat 2014 TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA Maria Helena Marques Loth Professora da rede municipal de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. maria.loth@terra.com.br Amarildo Melchiades da Silva Professor da

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO MENDES, C. A, IFMG - Campus Ouro Preto, c.arcanjomendes@gmail.com; CÂNDIDO, T. F, IFMG - Campus Ouro Preto, thiagoferreira750@yahoo.com.br; SILVA, C.

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS SAYONARA RAMOS MARCELINO FERREIRA QUIRINO (UEPB) WILAVIA FERREIRA ALVES (UEPB) RAFAELA CORREIA DOS SANTOS (UEPB) PAULA ALMEIDA DE CASTRO (ORIENTADORA

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD Ednei Nunes de Oliveira A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD UFGD/Faculdade de Educação a Distância Dourados MS, E-mail: edneioliveira@ufgd.edu.br Professor da FACED, Bolsista PIBID/EaD/UFGD. RESUMO Esta

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

O MATERIAL DIDÁTICO NA AULA DE LÍNGUA INGLESA: análise, produção e utilização.

O MATERIAL DIDÁTICO NA AULA DE LÍNGUA INGLESA: análise, produção e utilização. O MATERIAL DIDÁTICO NA AULA DE LÍNGUA INGLESA: análise, produção e utilização. Keila Mendes dos Santos Universidade do Estado da Bahia Reinaldo Ferreira da Silva Universidade do Estado da Bahia No contexto

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs FAMILIA E ESCOLA: EM BUSCA DE ESPAÇOS DE PARCERIA

XIII Congresso Estadual das APAEs FAMILIA E ESCOLA: EM BUSCA DE ESPAÇOS DE PARCERIA XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL FAMILIA E ESCOLA: EM BUSCA DE ESPAÇOS DE PARCERIA BENEDET, Marina

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

O ORIGAMI: MUITO MAIS QUE SIMPLES DOBRADURAS

O ORIGAMI: MUITO MAIS QUE SIMPLES DOBRADURAS O ORIGAMI: MUITO MAIS QUE SIMPLES DOBRADURAS Josyclesio Lima da Silva Universidade Estadual da Paraíba Josyclesio_lima@yahoo.com.br INTRODUÇÃO O presente trabalho foi um estudo realizado na disciplina

Leia mais

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com LIMITES E DIFICULDADES PARA ALFABETIZAR E LETRAR TURMA DA EJA: EXPERIÊNCIA DO PIBID SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I alziralima37@hotmail.com BARBOSA, Maria Julia de Araújo.

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Laura Andrade Santiago

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais