RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROVEDOR DE SERVIÇOS P2P NO ORDENAMENTO BRASILEIRO. CIVIL LIABILITY OF P2P SERVICES PROVIDER UNDER THE BRAZILIAN LAW.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROVEDOR DE SERVIÇOS P2P NO ORDENAMENTO BRASILEIRO. CIVIL LIABILITY OF P2P SERVICES PROVIDER UNDER THE BRAZILIAN LAW."

Transcrição

1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROVEDOR DE SERVIÇOS P2P NO ORDENAMENTO BRASILEIRO. CIVIL LIABILITY OF P2P SERVICES PROVIDER UNDER THE BRAZILIAN LAW. RESUMO Marcos Wachowicz Alexandre Pesserl A emergência da sociedade informacional e a crise do direito autoral são fenômenos amplos e com diversas consequências, em especial para as indústrias estabelecidas na difusão de conteúdo. Observa-se uma dissensão doutrinária, com o interesse estabelecido defendendo um direito autoral máximo, fundado em limites taxativos e na interpretação restritiva. É possível identificar a presença de vários dos fatores intrínsecos dessa crise na análise do conceito de redes ponto a ponto (P2P), e como estas estão relacionadas à forma de acesso aos bens culturais e ao conhecimento. Este artigo examina a responsabilidade civil do provedor de serviços P2P, à luz da legislação brasileira, bem como algumas consequências do uso dessa tecnologia junto ao mercado fonográfico. PALAVRAS-CHAVES: DIREITO AUTORAL, SOCIEDADE INFORMACIONAL, PROVEDORES DE CONTEÚDO, RESPONSABILIDADE CIVIL, PROVEDOR DE SERVIÇOS, REDE PONTO A PONTO. ABSTRACT The emergence of the informational society and the copyright crisis are both wide phenomenons with multiple consequences, especially for content-distribution industries. There is a doctrinaire dissension on the subject, with the established interests defending a maximum copyright, centered on straight limits and restrictive interpretation on the subject. It is possible to identify the presence of several of their intrinsical factors through the analysis of peer-to-peer (P2P) networks, and how do they relate to means of access to knowledge and cultural goods. This paper exams the civil liability of the P2P services provider under the scope of Brazilian law, as well as some of the consequences of the usage of this technology for the music industry. KEYWORDS: COPYRIGHT, INFORMATIONAL SOCIETY, CONTENT PROVIDERS, CIVIL LIABILITY, SERVICES PROVIDER, PEER TO PEER NETWORKS 6912

2 1. Introdução A popularização das redes P2P, ou ponto a ponto, trouxe consigo reflexos diretamente relacionados aos modos de acesso aos bens culturais e ao conhecimento. A invenção de um meio rápido, acessível e barato para a troca de arquivos digitais facilitou e ampliou o acesso público às informações; entretanto, tal se deu muitas vezes ao arrepio da vontade dos titulares de certas porções de informações, notadamente àquelas sujeitas ao direito autoral A legislação autoral protege de forma especial as corporações que sejam titulares de direitos autorais. Normalmente são empresas com acesso direto à mídia e ao poder político, de alcance multinacional. O direito autoral está diretamente ligado aos ativos de tais empresas. Assim, não é incomum a realização de campanhas publicitárias por parte de tais empresas, quiçá propositadamente confundindo a população sobre o tema (ao misturar indiscriminadamente conceitos como cópia privada, contrafação, associação com o crime organizado e afins, todos sob a mesma tarja inespecífica da pirataria ). Entretanto, o direito autoral, de cunho constitucional, deve ser interpretado sempre em equilíbrio necessário com os demais direitos constitucionalmente previstos, entre os quais os de direito à cultura e à educação. Neste condão, há considerável discussão doutrinária sobre a legalidade da cópia privada, por exemplo, na qual não há um uso econômico do bem cultural em questão. Outro ponto a se levantar são os limites e exceções legalmente previstos, inclusive todo o domínio público, que representam usos legítimos para essa tecnologia (redes P2P). As associações que reúnem os grandes grupos de mídia têm recorrido ao judiciário em suas tentativas de paralisar a utilização de tais redes, fundamentados na doutrina maximalista do direito autoral. São bem conhecidos os processos (notadamente em território norte-americano) de usuários que supostamente realizaram trocas de arquivos, bem como as diversas críticas que estes atraíram devido a acusações aparentemente aleatórias, processos contra pessoas sem acesso à Internet, e afins. Essa indústria também dispara suas baterias contra determinadas empresas que mantém ou disponibilizam softwares capazes de auxiliar os usuários da Internet na troca de arquivos. Argumentam, de forma geral, que quem disponibiliza tal tecnologia incorre em violação direta de direitos autorais, manutenção de serviço que reputam ilícito, e principalmente na responsabilização solidária por atos de terceiros, usuários do software em questão. Pregam que quem as explora comete ato ilícito, ao facilitar a violação por parte de terceiros de direitos autorais de titularidade das empresas que representam. Esses argumentos se manifestam em casos como Napster e Kazaa (EUA), e agora se repetem na Suécia (Pirate Bay), entre outros. 6913

3 Cabe portanto a pergunta: tais argumentos são oponíveis no Brasil? É possível a responsabilização civil do provedor de serviços P2P, ao facilitar atos de terceiros potencialmente lesivos a interesses de titulares de direitos autorais? 2. Redes ponto a ponto Uma rede P2P (peer-to-peer), ou ponto a ponto, também chamada de distribuída ou não hierárquica, é uma topologia de rede caracterizada pela descentralização das funções na rede, onde cada terminal realiza tanto funções de servidor quanto de cliente. Geralmente, uma rede P2P é constituída por computadores que não possuem um papel fixo de cliente ou servidor; pelo contrário, costumam ser considerados de igual nível e assumem o papel de cliente ou de servidor dependendo da transação sendo iniciada ou recebida de um outro par da mesma rede. Uma rede P2P, diferentemente de uma rede em estrela (com servidor central), é criada com o intuito de compartilhar dispositivos e dados, e não serviços. Como não existe gerenciamento central, a informação trafega por todos ou muitos dos nós da rede, desde sua origem até o destino, sendo ignorada por todos os nós exceto o destinatário. As estações intermediárias atuam simplesmente como repetidoras da informação. O termo tornou-se popular com o surgimento de aplicações de compartilhamento de arquivo, em outras palavras, programas que possibilitam a distribuição de arquivos em rede, permitindo o acesso de qualquer usuário dessa rede a este recurso. Outros tipos de recursos também podem ser compartilhados em redes P2P, tal como capacidade de processamento de máquinas, espaço de armazenamento de arquivos, ou serviços de software. Dessas afirmações podemos inferir que por serem descentralizadas, as redes P2P são muito difíceis de se derrubar ; cada computador que instala um software P2P passa a operar como cliente e servidor, simultaneamente. Quando alguém passa a integrar tal rede, cria um nó de rede extra, que passa a repetir a informação. 3. O mercado fonográfico no Brasil Em 1997, segundo a ABPD, a indústria fonográfica faturou R$ 1,4 bilhão com a venda de 107 milhões de CDs. O Brasil era o sexto mercado mundial. Em 2003 a situação já era completamente diferente. O mercado encolheu para o 13º lugar, com 52 milhões de CDs e 2,5 milhões de DVDs vendidos os dados também são da ABPD. 6914

4 A dilapidação contínua se expressa de forma mais dramática nos números de 2007, recentemente divulgados pela ABPD: 25,4 milhões de CDs e 5,9 milhões de DVDs vendidos. Somando tudo, inclusive a comercialização de downloads, o faturamento obtido não chega a R$ 300 milhões. Em 10 anos, de acordo com estes dados, perdemos mais do que 75% do nosso mercado fonográfico. As multinacionais responsabilizaram a pirataria pela vertiginosa queda. Mas tais dados, em primeiro lugar, ignoram completamente os números do importante mercado musical independente que se consolidou no país nos últimos anos. Em termos de números absolutos, os lançamentos independentes suplantam os multinacionais numa proporção de 14 para 01, de acordo com a Carta do Paraná, redigida durante o 1º Encontro Nacional de Música Independente: Durante o ano de 2007, as quatro gravadoras multinacionais que operam no Brasil produziram apenas 130 títulos. Destes, 75 são licenciamentos de música estrangeira e apenas 55 de produção nacional. No mesmo período, 63 gravadoras nacionais independentes colocaram no mercado 784 títulos novos. De modo inversamente proporcional, a produção de música independente nacional ocupou apenas 9,82% do espaço de veiculação musical, contra 87,37% do espaço ocupado pela produção da indústria multinacional nas rádios comerciais de todo o País. As empresas multinacionais adotam a política de reduzir drasticamente a quantidade de títulos lançados para ocupar com eles, pagando ilegalmente e a peso de ouro, todo o espaço da execução pública nos grandes meios de comunicação ( jabá ). Dentro dessa estratégia de reduzir os lançamentos e massificá-los, a qualidade musical cede seu lugar às jogadas de marketing e já não desempenha qualquer papel no resultado das vendas. Foi assim que os novos talentos, e logo em seguida os grandes nomes já consolidados da MPB, viram as portas das multinacionais se fecharem para eles. O eixo da produção fonográfica brasileira se deslocou então para as independentes - pequenas gravadoras que mantém vivo o registro da nossa cultura musical, mas não conseguem levá-lo ao grande público porque o espaço dos meios de comunicação foi loteado, comprado e cercado pelo monopólio de acesso às estruturas de distribuição. A diminuição dos custos de produção permitidos pelas novas tecnologias derrubou o risco inerente ao negócio musical; atualmente, o papel das gravadoras se limita apenas à prensagem e distribuição do produto acabado. O custo inicial pesquisa, produção, gravação é cada vez mais suportado pelos próprios artistas. Tanto é assim, que João Marcelo Boscoli, diretor da gravadora brasileira Trama, em entrevista ao IDG Now afirma: 6915

5 A Trama apóia o P2P e é contra qualquer tecnologia de DRM (Digital Rights Management), sigla que se refere aos sistemas digitais de gerenciamento de direitos autorais capazes de restringir o acesso e a possibilidade de se copiar um CD ou um arquivo de música digital em MP3 ou qualquer outro formato. "Não estou nem aí para a pirataria digital. Podem copiar quantas vezes quiserem". Para Boscoli, filho de Elis Regina, "as independentes se aproveitam desse novo método", referindo-se ao formato digital. Para ele o MP3 é uma nova versão do single ou da música no rádio, pois ajuda a divulgar o artista e assim incentiva a compra do disco e o agendamento de shows. Em 2003, a Trama realizou uma promoção para divulgar o disco da cantora Fernanda Porto que premiava usuários "flagrados" oferecendo a música da artista para que terceiros a baixassem. A blitz virtual recompensava aqueles que distribuíssem o arquivo na web. A posição da Trama é também a adotada pela Associação de Música Independente (ADMI), da qual é integrante. 4. Da tecnologia de cópia A posição da doutrina maximalista, no sentido de que a exploração comercial de redes P2P é essencialmente um serviço que permite que seus usuários infrinjam direitos autorais em larga escala, pode muito bem se referir à conduta da empresa Xerox, quando comercializa uma máquina de fotocópias, ou da Sony, quando vende um gravador de CDs. Ou ainda das diversas empresas que vendem CDs e DVDs virgens, ou tocadores de MP3, ou pen-drives. A partir do momento em que são comercializados, todos estes produtos têm uma finalidade em comum: permitir reprodução de informações, que podem ou não ser protegidas pelo direito autoral. O usuário de uma rede P2P pode realizar o download de arquivos, tanto aqueles legítimos (cuja distribuição foi autorizada, caídos no domínio público ou em situações de exceção ao exclusivo do autor) quanto ilícitos (obras protegidas, sem autorização). Da mesma forma que quem utiliza uma fotocopiadora pode copiar o texto ou as imagens que escolher, lícita ou ilicitamente. A posição maximalista, ao optar pela via do litígio judicial, consegue apenas afastar os empreendedores honestos, na legalidade, que tentam criar modelos de negócios inovadores. De forma indireta, estimulam a criação de redes cada vez mais despersonalizadas e descentralizadas, tornando cada vez mais difícil a tarefa de construir um esquema que agregue as potencialidades da nova tecnologia com o necessário estímulo aos trabalhadores criativos. 6916

6 Esta miopia da indústria ecoa as tentativas de se matar a tecnologia do vídeo-cassete, no início dos anos 80. No paradigmático caso Betamax (Sony v Universal), examinado pela Suprema Corte norte-americana, também se tentou condenar uma tecnologia de cópia (sem sucesso). A mesma tecnologia que se tornou, anos mais tarde, salvadora dos estúdios de Hollywood, graças ao sucesso das fitas de vídeo e às generosas rendas dali advindas. Tal decisão reconhece que as leis de direito autoral não são feitas para desencorajar ou controlar a emergência de novas tecnologias, inclusive (talvez especialmente) aquelas que ajudam a disseminar informações e idéias com maior alcance ou com mais eficiência. 5. Do potencial lesivo das redes P2P Os papers divulgados pelos representantes desses grupos detentores de direitos autorais, quando abordam as redes P2P, usualmente assumem que há uma correlação direta entre o número de arquivos trocados (nestas redes) e o número de vendas de determinado CD. Logo, se houve troca de arquivos, ela deve ser reparada monetariamente. Mas tais assertivas não se sustentam; estudos científicos demonstram que muitas vezes quem baixa arquivos musicais são justamente as pessoas que mais consomem música, o que pode levar ao conhecimento de novos artistas, aumento na freqüência em shows e a um aumento geral no volume de vendas, incluindo merchandising. O principal trabalho acadêmico sobre o tema é dos professores Oberholzer e Strumpf (2005), da Harvard Business School e da UNC Chapel Hill, respectivamente. É intitulado The Effect of File Sharing on Record Sales An Empirical Analysis ( Os efeitos da troca de arquivos na venda de discos uma análise empírica ). Neste paper, afirmam logo na introdução (em tradução livre): Neste artigo, estudamos o impacto de tecnologias de trocas de arquivos na indústria musical. Em particular, analisamos se a troca de arquivos reduziu as vendas lícitas de música. Enquanto esta questão têm recebido considerável atenção na academia, indústria e no Congresso, nós somos os primeiros a estudar o fenômeno utilizando dados sobre o download realizado de arquivos musicais. (...) Os downloads têm um efeito nas vendas que é estatisticamente indistinguível de zero. Além disso, estimamos que tenham uma significância econômica moderada e que as alegações de que a troca de arquivos pode explicar o declínio na venda de músicas durante o período de estudo são inconsistentes. Argumentam ainda que, provavelmente, aquele que baixou músicas provavelmente não as teria comprado em primeiro lugar. E prosseguem: 6917

7 A troca de arquivos permite que os usuários descubram nova músicas a que de outra forma não seriam expostos. Na comunidade de trocas de arquivos, é prática comum navegar pelos arquivos de outros usuários e discutir música em salas de bate-papo. Tal conhecimento pode promover novas vendas. Em suas conclusões, os estudiosos apontam que, apesar de haver alguma evidência no sentido que os discos mais trabalhados podem vender menos cópias como resultado das redes P2P, o impacto econômico é pequeno, menos de 10% de vendas até para os mais populares. Por outro lado, as estimativas indicam que artistas menos populares, que vendem menos discos, provavelmente não são afetados, ou são afetados positivamente pela troca de arquivos, deixando os incentivos para se entrar na indústria não-modificados ou talvez melhorados. Para o Prof. Yokai Benkler (Professor for Entrepreneurial Legal Studies at Harvard Law School), em seu seminal livro The Wealth of Networks (A Riqueza das Redes), esta crise não é sentida por quem deveria ser de fato protegido pelos direitos autorais (os artistas): Músicos e compositores parecem estar relativamente insulados dos efeitos de redes P2P, e no geral, são provavelmente afetados positivamente. Os melhores dados de pesquisas disponíveis, de fins de 2004, demonstram que 35% de músicos e compositores disseram que downloads gratuitos ajudaram suas carreiras. Apenas 5% disse que isso os prejudicou. Trinta por cento disse que isto aumentou a freqüência em shows, 21% que ajudou na venda de CDs e outros produtos, e 19% que ajudou a ganhar presença nas rádios. Benkler, ao analisar esta mudança de mercado, assim afirma A distribuição, que já foi o domínio solitário de empresas baseadas no mercado, agora pode se dar por redes descentralizadas de usuários, compartilhando músicas que consideram atrativas com outros usuários, usando equipamentos que lhe pertencem e conexões genéricas de redes. Essa rede de distribuição, por sua vez, permite que um escopo muito mais diverso de músicos possa alcançar audiências muito mais específicas do que aquelas necessárias à produção industrial e distribuição física da música nos formatos de vinil ou CD. A batalha legal reflete um esforço de uma indústria estabelecida para preservar seu modelo de negócios amplamente lucrativo. (grifo nosso) Neste prisma, deixam de fazer sentido as alegações de prejuízo sofrido pela autora; conclui-se que o P2P funciona de fato como ferramenta de divulgação para os artistas. Não custa lembrar que uma das fundamentações ideológicas dos direitos autorais é a proteção da parte hipossuficiente da relação de mercado, qual seja, o trabalhador criativo. E é esse trabalhador quem historicamente batalha por direitos básicos seus, constantemente desrespeitados pelos grandes grupos de mídia (por exemplo, a numeração das cópias de um CD). 6918

8 6. Infração direta e indireta a direitos autorais Passemos então à análise da legalidade da conduta do provedor de serviços P2P. É possível o reconhecimento da culpa in vigilando? Pode tal provedor ser diretamente responsabilizado por infração ao direito autoral cometida por usuários de seus serviços? Não nos parece possível a aplicação de tal tese, a não ser que reste provado que tal provedor disponibilizava pessoalmente arquivos digitais com conteúdo protegido e mesmo assim, com as ressalvas relativas à cópia privada. De outra forma, como isentar a Xerox de culpa pelo mau uso de fotocopiadoras? Como isentar a Maxwell pelo fato de que vende CDs e DVDs virgens, se se sabe que provavelmente neles serão apostas obras protegidas? Como proteger a Apple por comercializar ipods no Brasil, país no qual não se podem ainda comprar músicas pelo sistema itunes? Ou a Sony, por seus aparelhos de MP3? A principal tese maximalista, entretanto, parece ser pela aplicabilidade de instituto próprio da common law: a responsabilização por secondary copyright infringement, ou seja, a responsabilização solidária do provedor de tecnologia que permita a troca de arquivos. Em matéria de direito autoral brasileiro, a responsabilidade solidária pode derivar da participação direta de diversos agentes, caracterizando a co-autoria, o que determina a aplicação do preceito contido no parágrafo único do Art. 942 do Código Civil, segundo o qual são solidariamente responsáveis com os autores os co-autores e as pessoas designadas no art Assim, tal tese somente pode ser aplicada é quando puder ser demonstrada a responsabilidade do provedor de serviços P2P por qualquer contrafação ipso facto. Existem, porém, casos de responsabilidade por atos praticados por terceiros. A regra básica dessa responsabilidade solidária está codificada no Art. 104 da Lei 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais LDA), segundo a qual quem comercializa ou auxilia na comercialização de obra reproduzida fraudulentamente (i.e., oculta, tem em depósito ou importa), com a finalidade de obter ganho ou lucro direto ou indireto, para si ou para outrem, é solidariamente responsável com o contrafator. Normas adicionais estão contidas nos Arts. 86, 107, IV, e 110 da LDA. A jurisprudência tem entendido que a regra geral não estabelece uma responsabilidade objetiva, mas sim dependente da comprovação de culpa, o que pressupõe pelo menos a ciência de que se trata de obra fraudulentamente reproduzida. Assim decidiu a 3ª. Turma do STJ em acórdão proferido em sede de Recurso Especial, ainda na vigência da Lei 5.988/73. O requisito de ciência da contrafação tem sido acolhido pela jurisprudência, embora hajam decisões aplicando uma forma de responsabilidade objetiva em casos de infração pela imprensa. 6919

9 No que se refere ao provedor de hospedagem, a jurisprudência também não tem reconhecido a responsabilidade objetiva do mesmo pela inserção, por parte do assinante do serviço, de material ilícito em página hospedada em seu servidor, a não ser na hipótese de flagrante ilegalidade. É o que decidiu o Tribunal de Justiça do Paraná em acórdão de 2002, com grifos nossos: Em contrato de hospedagem de página na Internet, ao provedor incumbe abrir ao assinante o espaço virtual de inserção na rede, não lhe competindo interferir na composição da página e seu conteúdo, ressalvada a hipótese de flagrante ilegalidade. O sistema jurídico brasileiro atual não preconiza a responsabilidade civil do provedor hospedeiro, solidária ou objetiva, por danos morais decorrentes da inserção pelo assinante, em sua página virtual, de matéria ofensiva à honra de terceiro. AC Londrina 5ª. Câmara Cível TJPR Ou seja: para nossos tribunais, parece ser requisito para aceitação da tese da responsabilização solidária que a conduta imputada a terceiro seja flagrantemente ilícita. É a conduta de terceiro fazer o download de arquivos para cópia privada ilícito flagrante? Para a empresa Sony, grande titular de direitos autorais, parece que não. Em data de 22 de abril de 2009, o seguinte texto podia ser encontrado no seguinte endereço eletrônico, pertencente à Sony, E quanto à questão dos provedores de serviços P2P estarem explorando comercialmente tal serviço, visando lucro? Pergunta-se: há uma diferença fundamental entre tal conduta e a da empresa Xerox, que não seja o meio em que operam suas ferramentas? A Xerox, ao que se saiba, visa o lucro com a venda de suas fotocopiadoras, que também podem ser acusadas de uso predominantemente infringente. Tanto quanto a própria Sony lucrou com a venda de aparelhos de VHS, ou como lucraram os vendedores de fitas K- 7, e continuam lucrando com DVRs, CDRs, ipods, MP3s... Rigorosamente o mesmo potencial de ilícito pode ser impingido a todas essas empresas e produtos. Não há diferença real entre o que fazem e os atos dos provedores de serviços P2P. 7. Conclusões A sociedade informacional trouxe consigo consequências de grande impacto para determinados setores, especialmente aqueles estabelecidos nos setores de produção e distribuição de conteúdo. A digitalização de tais informações permite seu livre trânsito, muitas vezes em detrimento dos interesses de seus titulares os quais têm invocado o ordenamento legal como forma de reprimenda de tais condutas. 6920

10 Esse movimento se sustenta na doutrina maximalista do direito autoral, que prega a interpretação absolutamente restritiva dos negócios jurídicos na área, bem como na existência de limites taxativos situação positivada na legislação brasileira. Porém, o ambiente digital não se coaduna com tais limites e restrições. É preciso um balanceamento entre os direitos individuais dos titulares e os direitos coletivos ao conhecimento e à cultura, que se preocupe com a devida remuneração aos trabalhadores criativos. A incapacidade em reconhecer e assimilar essa mudança de paradigma leva os doutrinadores maximalistas a esbravejarem contra tudo o que chamam de pirataria, enquadrando sob essa tarja qualquer conduta que signifique um declínio dos poderes estabelecidos na estrutura de disseminação de conteúdo. Nesse condão, procuram responsabilizar civilmente empresas ou indivíduos que mantém serviços de conexão às redes ponto a ponto (P2P), redes de topologia descentralizadas que permitem a troca de arquivos online, por suposta facilitação de atividades de terceiros potencialmente lesivas à seus interesses. Existe vasta discussão doutrinária a respeito da licitude do direito de cópia privada, bem como usos manifestamente legítimos para tal tecnologia (obras licenciadas e informações sob o domínio público); e a jurisprudência pátria sobre o tema tem estabelecido que a responsabilização solidária, em matéria autoral, só se dá quando existe uma conduta flagrantemente ilícita, por exemplo na comercialização de material pirateado (contrafeito). Assim, não nos parece admissível responsabilizar o provedor de tais tecnologias por eventuais condutas ilícitas cometidas por usuários de tais redes; mormente que é impossível fazer cessar o uso dessas redes, por sua própria característica de descentralização. Enquanto a lei não disser expressamente que devem ser reprimidas tais condutas, elas são lícitas. Qualquer decisão em sentido contrario será, s.m.j., contrarium legem, verdadeiro pronunciamento legiferante, em afronta à expressa disposição legal e à tripartição de poderes. Referências Bibliográficas: BENKLER, Yochai, The Wealth of Networks, How Social Production Transforms Markets and Freedom, Yale University Press, GIL, Gilberto. O Direito Autoral no Brasil hoje. Artigo pubicado no jornal "O Globo", em 23/06/2008 OBERHOLZER, Felix; STRUMPF, Koleman. The Effect of File Sharing on Record Sales An Empirical Analysis. 6921

11 TRABUCO, Claudia. O Direito de Reprodução de Obras Literárias e Artísticas no Ambiente Digital. Coimbra Editora: Referências Adicionais: Ver Eldred vs Ashcroft. Informações detalhadas pela equipe do Prof. Lawrence Lessig em Ver TRABUCO, Claudia. O Direito de Reprodução de Obras Literárias e Artísticas no Ambiente Digital. Coimbra Editora: Associação Brasileira de Produtores de Disco, entidade que reúne empresas multinacionais do setor. Dados sobre o mercado disponíveis em Reuniu representantes das sociedades autorais (AMAR e UBC), dos produtores independentes (ABMI), das rádios públicas (ARPUB), artistas e jornalistas, em abril de 2008 em Curitiba/PR. Texto disponível em Texto disponível em Disponível em In this paper, we study the impact of filesharing technologies on the music industry. In particular, we analyze if file sharing has reduced the legal sales of music. While this question is receiving considerable attention in academia, industry and in Congress, we are the first to study the phenomenon employing data on actual downloads of music files. (...) Downloads have an effect on sales which is statistically indistinguishable from zero. Moreover, our estimates are of moderate economic significance and are inconsistent with claims that file sharing can explain the decline in music sales during our study period. File sharing allows users to learn about music they would not otherwise be exposed to. In the file sharing community, it is a common practice to browse the files of other users and discuss music in file server chat rooms. This learning may promote new sales. BENKLER, Yokai The Wealth of Networks, p Disponível em Distribution, once the sole domain of market-based firms, now can be produced by decentralized networks of users, sharing instantiations of music they deem attractive with others, 6922

12 using equipment they own and generic network connections. This distribution network, in turn, allows a much more diverse range of musicians to reach much more finely grained audiences than were optimal for industrial production and distribution of mechanical instantiations of music in vinyl or CD formats. The legal battles reflect an effort by an incumbent industry to preserve its very lucrative business model. BENKLER, Yokai. Op. Cit. p Art Os bens do responsável pela ofensa ou violação do direito de outrem ficam sujeitos à reparação do dano causado; e, se a ofensa tiver mais de um autor, todos responderão solidariamente pela reparação. Parágrafo único. São solidariamente responsáveis com os autores os co-autores e as pessoas designadas no art Art São também responsáveis pela reparação civil: I - os pais, pelos filhos menores que estiverem sob sua autoridade e em sua companhia; II - o tutor e o curador, pelos pupilos e curatelados, que se acharem nas mesmas condições; III - o empregador ou comitente, por seus empregados, serviçais e prepostos, no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão dele; IV - os donos de hotéis, hospedarias, casas ou estabelecimentos onde se albergue por dinheiro, mesmo para fins de educação, pelos seus hóspedes, moradores e educandos; V - os que gratuitamente houverem participado nos produtos do crime, até a concorrente quantia. Art Quem vender, expuser à venda, ocultar, adquirir, distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou fonograma reproduzidos com fraude, com a finalidade de vender, obter ganho, vantagem, proveito, lucro direto ou indireto, para si ou para outrem, será solidariamente responsável com o contrafator, nos termos dos artigos precedentes, respondendo como contrafatores o importador e o distribuidor em caso de reprodução no exterior. À falta de ciência de que a autoria do projeto e da construção da casa fosse de terceiro e não daquele que se apresentou como tal na reportagem publicada, a editora da revista especializada não responde por danos materiais e morais postulados em razão da 6923

13 usurpação havida. Apelação Cível Rio de Janeiro 5ª Câmara Cível T.J.R.J A solidariedade do que vende ou expõe à venda obra reproduzida com fraude não prescinde da comprovação de culpa. Recurso Especial Minas Gerais DIREITO AUTORAL - Edição de obra traduzida, cujos direitos haviam sido objeto de cessão, pelo tradutor. (omissis). Inteligência do artigo 122 da Lei n /73, vigente à época - Não caracterização, porém, na espécie, da responsabilidade solidária do livreiro, sob a égide do artigo 124 do mesmo diploma legal - Ciência da origem viciada da edição nem sequer insinuada, no pedido inicial - Carência da demanda, nessa parte - Distribuição conseqüente dos ônus sucumbenciais - Preliminares rejeitadas, recurso da editora não provido e do livreiro, provido. Apelação Cível n /8 São Paulo 10ª Câmara de Direito Privado T.J.S.P GIL, Gilberto. O Direito Autoral no Brasil hoje. O Globo, 23/06/

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A decisão contra o Pirate Bay e sua repercussão sobre o futuro do direito autoral na internet Demócrito Reinaldo Filho * Quatro diretores do famoso site Pirate Bay [01] foram condenados,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) Acrescenta parágrafo único ao Art. 932, da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, dispondo sobre a responsabilidade dos locatários de

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet Questões Atuais de Direito Autoral Cópia Privada Compartilhamento de Arquivos - Peer-to-Peer Panorama Atual Digital Music Report

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd!

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Leis de Software U M A V I S Ã O D O S A S P E C T O S R E G U L A T Ó R I O S D A T E C N O L O G I

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES.

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE LICENÇA DE USO E GARANTIA A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. 1.0. INDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

TERMO DE USO 1. ACESSO AO WEB SITE

TERMO DE USO 1. ACESSO AO WEB SITE TERMO DE USO O presente web site é disponibilizado pela VIDALINK DO BRASIL S/A ("VIDALINK") e todos os seus recursos, conteúdos, informações e serviços ( conteúdo ) poderão ser usados exclusivamente de

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Anteprojeto de lei para LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Considerações gerais A expansão da internet trouxe facilidades sem precedentes para o compartilhamento e reprodução de obras,

Leia mais

CREATIVE COMMONS O QUE É?*

CREATIVE COMMONS O QUE É?* CREATIVE COMMONS O QUE É?* Érica Daiane da Costa Silva** Se você está ouvindo falar em Creative Commons já deve ter ouvido falar também em Software Livre. Sem pretensão de apresentar uma explicação aprofundada,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa MANUAL DE NORMAS 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa A criação da composição musical ou lítero-musical, a produção fonográfica, a direção musical, a direção

Leia mais

Curso: Disciplina: Professor: Caso:

Curso: Disciplina: Professor: Caso: Curso: Disciplina: Professor: Caso: Administração Sistemas de Informações Gerenciais - SIG José Carlos Vinhais Será que a indústria fonográfica consegue mudar de ritmo? Livro: Kenneth C Laudon; Jane P.

Leia mais

STJ00098028. Luiz Antonio Scavone Junior I I I I. 5 a edição revista, atualizada e ampliada RIO DE JANEIRO

STJ00098028. Luiz Antonio Scavone Junior I I I I. 5 a edição revista, atualizada e ampliada RIO DE JANEIRO Luiz Antonio Scavone Junior I I I I 5 a edição revista, atualizada e ampliada RIO DE JANEIRO A EDITORA FORENSE se responsabiliza pelos vicios do produto no que concerne à sua edição (impressão e apresentação

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

DIREITO AUTORAL ELETRÔNICO

DIREITO AUTORAL ELETRÔNICO DIREITO AUTORAL ELETRÔNICO Resumo A novidade da Internet tem trazido alguma confusão no que se refere a propriedade de conteúdo disponibilizado on-line. Muitas vezes, pensa-se, erroneamente, que qualquer

Leia mais

3 PROGRAMA DE COMPUTADOR...2

3 PROGRAMA DE COMPUTADOR...2 Sumário 3 PROGRAMA DE COMPUTADOR...2 3.1 Conceito de Software...2 3.2 Aplicação do Direito Autoral...2 3.3 Direitos...2 3.4 Titularidade e Autoria...3 3.5 Prazo de Proteção...3 3.6 Registro...3 3.7 Relação

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

The Wealth of Networks How Social Production Transforms Markets and Freedom

The Wealth of Networks How Social Production Transforms Markets and Freedom Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação Redes Sociais Online The Wealth of Networks How Social Production Transforms Markets and Freedom Chapter 4 The Economics of Social Production

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009 Apresentação O relatório anual da ABPD - Associação Brasileira dos Produtores de Discos, intitulado Mercado Brasileiro de Música 2009 mais uma vez objetiva o desenvolvimento do setor e o melhor conhecimento

Leia mais

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014 Termos de Serviço Política de Privacidade Última atualização dezembro 2014 Este é um acordo de licença com o usuário final, definida a partir de agora, "Contrato". Escogitiamo SRLs é uma empresa italiana,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord CRIMES DE PIRATARIA DE SOFTWARE Prática ilícita caracterizada

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O crime de divulgação de pornografia infantil pela Internet Breves Comentários à Lei 10.764/03 Demócrito Reinaldo Filho Foi publicada (no DOU do dia 13/11) a Lei Federal 10.764,

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A FAIRFIELD: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante denominado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r)

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR, FAZER DOWNLOAD OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE, VOCÊ ESTÁ CONCORDANDO

Leia mais

Curso de DIREITO FINANCEIRO BRASILEIRO

Curso de DIREITO FINANCEIRO BRASILEIRO MARCUS ABRAHAM Curso de DIREITO FINANCEIRO BRASILEIRO 3 a edição I revista, atualizada e ampliada *** ~ FORENSE ~ Rio de Janeiro A EDITORA FORENSE se responsabiliza pelos vícios do produto no que concerne

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

Proteção do Software no Brasil: Requisitos, Etapas e Abrangência.

Proteção do Software no Brasil: Requisitos, Etapas e Abrangência. Proteção do Software no Brasil: Requisitos, Etapas e Abrangência. Daniel Cavaretti UNISUL II Congresso Brasileiro de Propriedade Intelectual Tubarão - Outubro 2015 Software - Legislação Aplicável Lei

Leia mais

Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ).

Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ). Condições de Uso do Website Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ). Ao acessar este site, você concorda em ficar vinculado a

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 1 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 1 Adquira o

Leia mais

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede TEMA: Mudança de paradigma: do bem físico para o intangível POSICIONAMENTOS Governo - O conceito de propriedade está relacionado ao seu contexto. Passamos da noção de centralidade do bem físico na economia

Leia mais

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda.

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS DE USO Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS E USOS: Estes Termos e Usos (doravante denominados Termos e Usos

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA PRESTADORA DNSLINK SOLUÇÕES PARA INTERNET LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº. 11.170.163/0001-39, com sede na Av. Jequitibá 685, sala 328, Águas

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO I O PROBLEMA Direitos Patrimoniais: Art. 29: depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais

Leia mais

SOPA: Proteção à Propriedade Intelectual ou Mero Interesse Econômico

SOPA: Proteção à Propriedade Intelectual ou Mero Interesse Econômico SOPA: Proteção à Propriedade Intelectual ou Mero Interesse Econômico Alice Marques Wilmer Danilo Mitre Perdigão Fabiano Emiliano A. Martins dos Santos Lígia Gomes Souto de Souza Thomaz Afonso de Andrade

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Artes (IA) Campinas, 2013 AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA CS200 Captação e Edição de Áudio Profº. Dr.: José Eduardo Ribeiro

Leia mais

Responsabilidade Objetiva dos Administradores

Responsabilidade Objetiva dos Administradores Responsabilidade Objetiva dos Administradores Richard Blanchet (11) 98426-1866 rblanchet@uol.com.br São Paulo, 19 de março de 2014 Carlos Eduardo Lessa Brandão 02/03/2011 1 Agenda Introdução Responsabilidade

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO CLASSIFICADOS GRAPHAR OURO PRETO

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO CLASSIFICADOS GRAPHAR OURO PRETO TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO CLASSIFICADOS GRAPHAR OURO PRETO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Os Termos e Condições Gerais que seguem, aplicam-se ao uso dos serviços disponibilizados pelo site www.ouropretocultural.com.br,

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos CÓDIGO CIVIL Livro III Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III Dos Atos Ilícitos Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

AULA 07. CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo único. Art. 931. Responsabilidade pelo fato de terceiro 932 até Inciso III.

AULA 07. CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo único. Art. 931. Responsabilidade pelo fato de terceiro 932 até Inciso III. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 07 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 07 CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo

Leia mais

Regulamento Concurso Cultural Problem Ariana Grande"

Regulamento Concurso Cultural Problem Ariana Grande Regulamento Concurso Cultural Problem Ariana Grande" 1. DO CONCURSO 1.1. O Concurso Cultural Problem Ariana Grande ( Concurso ) será promovido pela Universal Music Brasil. (Realizadora). Trata- se de Concurso

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

Mashup e o Novo Jeito de Criar no Século XXI

Mashup e o Novo Jeito de Criar no Século XXI Vitor de Azevedo Lopes Mashup e o Novo Jeito de Criar no Século XXI Dissertação de mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL

DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL DANO AMBIENTAL PODE TRAZER CONSEQUÊNCIAS DE ORDEM CIVIL ADMINISTRATIVA E PENAL DANO É O PREJUÍZO CAUSADO A ALGUÉM PELA DETERIORAÇÃO OU INUTILIZAÇÃO DE BENS SEUS

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES. Introdução

TERMOS E CONDIÇÕES. Introdução TERMOS E CONDIÇÕES Introdução O presente documento de termos e condições rege o uso do website Frente de Guerra; ao utilizar este site, você aceita estes termos e condições na íntegra. Se você não concordar

Leia mais

Sumário. O download desta publicação pode ser feito de forma gratuita no site da ABPD, porém qualquer citação das informações

Sumário. O download desta publicação pode ser feito de forma gratuita no site da ABPD, porém qualquer citação das informações Mercado Brasileiro de Música 2007 Sumário Mercado Fonográfico Brasileiro 03 Pirataria de Música no Brasil 10 Institucional ABPD 13 Ficha Técnica 14 Apresentação O relatório anual da ABPD - Associação Brasileira

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL AULA 06 Prof. Ms Luane Lemos RESPONSABILIDADE POR FATO DA COISA E POR FATO DE OUTREM I. RESPONSABILIDADE POR FATO DE OUTREM

RESPONSABILIDADE CIVIL AULA 06 Prof. Ms Luane Lemos RESPONSABILIDADE POR FATO DA COISA E POR FATO DE OUTREM I. RESPONSABILIDADE POR FATO DE OUTREM RESPONSABILIDADE CIVIL AULA 06 Prof. Ms Luane Lemos RESPONSABILIDADE POR FATO DA COISA E POR FATO DE OUTREM 1. ASPECTOS GERAIS I. RESPONSABILIDADE POR FATO DE OUTREM (CC) ART. 932. SÃO TAMBÉM RESPONSÁVEIS

Leia mais

Há na Justiça uma guerra de titãs sobre o preço do direito autoral para a execução de músicas no Brasil.

Há na Justiça uma guerra de titãs sobre o preço do direito autoral para a execução de músicas no Brasil. 12/06/2011-07h18 Critério de pagamento opõe Ecad e empresas em ações na Justiça ELVIRA LOBATO DO RIO ROBERTO KAZ DE SÃO PAULO Há na Justiça uma guerra de titãs sobre o preço do direito autoral para a execução

Leia mais

Termos de Uso Bem-vindo ao website da TAHE Brasil (o Site ).

Termos de Uso Bem-vindo ao website da TAHE Brasil (o Site ). Termos de Uso Bem-vindo ao website da TAHE Brasil (o Site ). A TAHE BRASIL,oferece os conteúdos e serviços neste Site, cuja utilização está sujeita aos presentes Termos e Condições de Uso, à nossa Política

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

Norton Internet Security Guia do Usuário

Norton Internet Security Guia do Usuário Guia do Usuário Norton Internet Security Guia do Usuário O software descrito neste guia é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado somente conforme os termos do contrato. Documentação versão

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSUMIDOR PARA O PROGRAMA HOTKEY CLUBE DE VANTAGENS

REGULAMENTO DO CONSUMIDOR PARA O PROGRAMA HOTKEY CLUBE DE VANTAGENS REGULAMENTO DO CONSUMIDOR PARA O PROGRAMA HOTKEY CLUBE DE VANTAGENS HOTKEY CLUB ASSESSORIA LTDA, empresa com sede na Cidade de Uberlândia, Estado de Minas Gerais, na Av. João Pinheiro, 1498, Lado B, Centro,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O direito autoral e sua tutela penal na internet Claudia Curi Direito exclusivo, individual, subjetivo, decorrente da garantia Constitucional [1] de que é livre a expressão da atividade

Leia mais

O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey.

O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey. Termos e Condições O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey. Ao acessar este site, você concorda em cumprir estes termos e condições. Leia atentamente. CASO NÃO CONCORDE EM CUMPRIR

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Lojas Virtuais Venda de Produtos Falsificados e Uso de Marcas de Terceiros: Repercussões penais Reflexos Criminais da Pirataria Eletrônica

Lojas Virtuais Venda de Produtos Falsificados e Uso de Marcas de Terceiros: Repercussões penais Reflexos Criminais da Pirataria Eletrônica Lojas Virtuais Venda de Produtos Falsificados e Uso de Marcas de Terceiros: Repercussões penais Reflexos Criminais da Pirataria Eletrônica Eduardo Reale Ferrari eduardo@realeadvogados.com.br Tel : (11)

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, HOSPEDAGEM DE SITE COMPARTILHADA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, HOSPEDAGEM DE SITE COMPARTILHADA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, HOSPEDAGEM DE SITE COMPARTILHADA PRESTADORA DNSLINK SOLUÇÕES PARA INTERNET LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº. 11.170.163/0001-39, com sede na Av. Jequitibá 685, sala 328,

Leia mais

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra.

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra. A Fulano de Tal Endereço Rio de Janeiro, de de Prezado Fulano de Tal, Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica

Leia mais

1. PRÊMIO MEU BLOG É UM SUCESSO 2014/2015 REGULAMENTO - 01 (11/02/2015) - PRAZOS DE INSCRIÇÕES E VOTAÇÃO.

1. PRÊMIO MEU BLOG É UM SUCESSO 2014/2015 REGULAMENTO - 01 (11/02/2015) - PRAZOS DE INSCRIÇÕES E VOTAÇÃO. 1. PRÊMIO MEU BLOG É UM SUCESSO 2014/2015 REGULAMENTO - 01 (11/02/2015) - PRAZOS DE INSCRIÇÕES E VOTAÇÃO. 1.1. Prêmio "Meu Blog é um Sucesso" - 1ª Edição ano 2014/2015 1.2. Categorias 1.3. Os Eleitos (Vencedores)

Leia mais

CONTRATO DO SITE DO ADVOGADO

CONTRATO DO SITE DO ADVOGADO CONTRATO DO SITE DO ADVOGADO ** LICENCIANTE: Empresa Desenvolvedora e de Comércio de Software: Empresa Novaprolink Software Razão social: Prolink Tecnologia Ltda. CNPJ: 02.624.460/0001-16 Inscrição Estadual:

Leia mais

Termos de Licença de Software da Microsoft para:

Termos de Licença de Software da Microsoft para: Termos de Licença de Software da Microsoft para: Windows Embedded For Point of Service 1.0 Estes termos de licença são um acordo entre você e a [OEM]. Por favor, leia-os. Eles aplicam-se ao software incluído

Leia mais

2.1 Esta promoção terá Início em 01/08/2011 e término em 30/08/2011.

2.1 Esta promoção terá Início em 01/08/2011 e término em 30/08/2011. PROMOÇÃO PARA ESCOLHA DO NOME DA BEBIDA ENERGÉTICA DOS REFRIGERANTES QUINARI Indústria e Comércio de Bebidas Quinari LTDA. Estrada Colonial Bairro: Democracia n. 4035 69925-000 Senador Guiomard AC CNPJ/MF

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios IBM Global Technology Services White Paper IBM Resiliency Services Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios Escolha o provedor de serviços gerenciados certo para mitigar riscos à reputação

Leia mais

SITES DE COMPRAS COLETIVAS: UMA NOVA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE CONSUMO E A FORMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS

SITES DE COMPRAS COLETIVAS: UMA NOVA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE CONSUMO E A FORMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS 192 SITES DE COMPRAS COLETIVAS: UMA NOVA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE CONSUMO E A FORMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS SHOPPING SITES OF COLLECTIVE: A NEW TYPE OF RELATIONSHIP OF CONSUMPTION AND WAY OF

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004 1. As Partes A Reclamante é Citrix Systems,

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES- Excludentes

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO

CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO FÁBRICA DE SUCESSOS LTDA. ME, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob Nº 14.464.760/0001-64, com sede na Alameda

Leia mais

Responsabilidade na Internet

Responsabilidade na Internet Responsabilidade na Internet Papos em Rede 26/01/2012 Glaydson Lima Advogado e Analista de Sistema @glaydson glaydson.com http://delicious.com/glaydsonlima/paposemrede Responsabilidade por publicação direta

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Departamento Regional do Amapá MOSTRA DE MÚSICA SESCANTA AMAPÁ 2011 REGULAMENTO

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Departamento Regional do Amapá MOSTRA DE MÚSICA SESCANTA AMAPÁ 2011 REGULAMENTO SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Departamento Regional do Amapá MOSTRA DE MÚSICA SESCANTA AMAPÁ 2011 REGULAMENTO O Serviço Social do Comércio - Departamento Regional no Amapá realiza a Mostra de Música SESCanta

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO fls. 1 Registro: 2013.0000264740 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0035940-51.2009.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é apelante/apelado GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

Termos Gerais e Condições de Uso. Versão Data: Janeiro de 2015. 1. O Serviço do Website

Termos Gerais e Condições de Uso. Versão Data: Janeiro de 2015. 1. O Serviço do Website Termos Gerais e Condições de Uso Versão Data: Janeiro de 2015 1. O Serviço do Website Bem-vindo à www.praticalone.com ( Website ), o portal de internet operado pela Pratical One Tecnologia da Informação

Leia mais

Microsoft e seu Monopólio do mercado de software

Microsoft e seu Monopólio do mercado de software UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Microsoft e seu Monopólio do mercado de software Computadores e Sociedade I SSC-207 São Carlos Maio/2010 Alunos: André Toshio

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido:

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido: 1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO Nº 0008742-88.2010.8.19.0024 APELANTE: ALESSANDRO DA COSTA FONTES APELADA: GOOGLE INTERNET

Leia mais