Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso"

Transcrição

1 1 Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso Carolina de Lima Accorsi MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção Instituto de Pós-Graduação - IPOG Rio Branco, AC, 06 de Maio de 2015 Resumo O revestimento consiste na aplicação de materiais em substratos com finalidade de proteção contra agentes da natureza, proteção termo acústica, regularização da superfície dos elementos de vedação, acabamento, estética. Além de garantir funções importantes a estrutura do edifício, os revestimentos conferem ao empreendimento qualidade e garantia de vida útil. O presente artigo traz os conceitos de revestimento e suas funções, sendo apresentados dois tipos, o revestimento convencional, produzido a partir da mistura de cimento e areia e o revestimento com pasta de gesso. Por conseguinte serão expostas formas de aplicação, características intrínsecas a cada um, finalidades e propriedades, podendo ser realizada uma identificação de qual se adequa melhor a situação trabalhada. Palavras-chaves: Revestimento. Proteção. Argamassa de Cimento. Gesso 1.Introdução É de consenso geral que com o avanço da tecnologia e surgimento de novos materiais e técnicas construtivas aprimoradas temos visto que o ramo da engenharia civil está sempre em constante evolução, seja para solucionar problemas e apresentar novas soluções, combater crise energética, suprir a escassez de matérias-primas. Com relação ao ramo de materiais de construção o uso de aglomerantes (cimento), aglomerados miúdos (areia) e água sempre predominaram quanto à produção e aplicação de argamassas de revestimento, seja pela obtenção mais facilitada desses produtos quanto pela falta de divulgação e conhecimento de outros. Dessa maneira, o público consumidor absorve a idéia de que os produtos mais usados e difundidos se tornem superiores aos demais, apenas pelo simples fato desses demais não serem conhecidos no mercado. Como mais usual temos o uso de revestimentos argamassados, obtidos a partir da mistura de cimento e areia, e que podem ser classificadas, dependendo de sua função em: chapisco, emboço e reboco. Além de se diferenciarem pela função, também são distintos quanto a sua composição, pois cada um apresenta um traço individual e a forma de aplicação particular. Independente disso, a união desses revestimentos tem como função proteger as superfícies contra agentes, conferir isolamento termo acústico, garantir maior durabilidade além de correção de possíveis imperfeições no substrato e função estética. Um dos novos métodos que surgiu em alternativa aos revestimentos argamassados foi o gesso, obtido a partir do mineral gipsita, que de acordo com o Sumário Mineral de 2011, o

2 2 Brasil é o maior produtor de gipsita da América do Sul, com uma produção em 2010 de aproximadamente 2,75 milhões de toneladas, representando 1,9% do total mundial, em contrapartida a tudo isso o Brasil ainda não popularizou a utilização do gesso como material de construção. Apesar de pouco utilizado e muito desconhecido o gesso apresenta propriedades eficazes a serem aplicadas aos revestimentos, como: rápido endurecimento, proporcionando rapidez na execução dos serviços e elevada produtividade, boa aderência e bom desempenho, ausência de retração por secagem, diminuindo fissuração, excelente acabamento, podendo dispensar outras etapas futuras como emassamento, entre outras. Não temos com definir com exata convicção qual tipo de revestimento é o melhor, cada um apresenta seus prós e contras. O melhor a ser empregado será definido a partir de um projeto bem executado, identificando as necessidades de cada ambiente, aliado propriedades e funções que cada tipo de revestimento possui. Além disso, é importante ainda que seja atendido o prazo de execução, garantia de vida útil e que se adeque ao orçamento disponível. 2. Sistema de Revestimento Para Pereira (2010:61) entende-se como revestimento um sistema atuante desde a proteção à alvenaria, regularização das superfícies, estanqueidade, até funções de natureza estéticas, uma vez que se constitui do elemento de acabamento das vedações. Segundo ele ainda, as funções atribuídas à utilização dos sistemas de revestimento variam enormemente de edifício para edifício, ou seja, dependem em grande parte da concepção do edifício, suas fachadas e paredes e, obviamente, do sistema de revestimento selecionado. Atualmente, com avanço da tecnologia na construção civil e descoberta de novos materiais existe uma gama de possibilidades para melhor ser empregada a cada edificação. Apesar de todo esse avanço os sistemas tradicionais ainda ocupam grande parte do mercado, como diz Peres (et. al, 2001:130) as argamassas convencionais, à base de cimento, cal e areia, estão presentes há muito tempo na construção de edificações e em praticamente todas as etapas da obra, desde o assentamento de blocos cerâmicos até o revestimento final. Por outro lado, as argamassas à base de gesso foram introduzidas no mercado brasileiro no final de 1996, com o lançamento do Super Jete, fabricado no Brasil, e com a importação de argamassas de gesso da Argentina e Itália Revestimentos Argamassados A função de proteção dos revestimentos está, em princípio, associada a questões de durabilidade dos elementos estruturais e de vedação, evitando a ação direta dos agentes agressivos ou deletérios que atuam sobre as superfícies dos edifícios, como por exemplo: umidade (de infiltração, condensação, higroscópica, etc., temperatura ambiente, fogo, poeira, microrganismos, ar e gases poluentes, radiações, vibrações, cargas de impacto e forças externas). Assim a proteção promovida pelos revestimentos argamassados tem o caráter básico de melhor conservar as propriedades estruturais e de vedação de paredes (PEREIRA, 2010:10)

3 3 Figura 01- Agentes atuantes sobre as superfícies dos edifícios Fiorito (2010:29) afirma que as argamassas são definidas como sendo a mistura de aglomerantes e agregados com água, possuindo capacidade de endurecimento e aderência. Sendo que os aglomerantes são essencialmente cimento Portland ou cal hidratada e o agregado areia natural lavada. Os revestimentos argamassados são considerados procedimentos tradicionais de aplicação de argamassa sobre alvenarias/substratos, com objetivo de regularizar e uniformizar superfícies, corrigir irregularidades e criar camada de proteção. Pereira (2010:63) afirma que os revestimentos de argamassa podem ser constituídos por uma ou mais camadas, ou seja: emboço e reboco, e camada única. Uma característica importante da argamassa e que está totalmente relacionada ao nível de desempenho do revestimento é o traço, que consiste na proporção entre os materiais que compõe a argamassa. Eles são indicados em volume, onde o volume do agregado fica sempre em função do volume do aglomerante, por exemplo 1:3 indica que será utilizado 3 volumes de areia para cada volume de cimento Portland. A norma NBR (1995:2) indica as espessuras admissíveis, bem como níveis de aderência mínimos, dentre outros aspectos para essas camadas de revestimento. Camada de Revestimento Espessura (mm) Interna Externa Emboço 5 a a 25 Emboço e Reboco 10 a a 30 Camada Única 5 a a 30 Tabela 01 - Espessuras admissíveis de revestimento para parede Fonte: NBR-13749, 1995.

4 4 Figura 02 - Esquema ilustrativo das três camadas de revestimento em ordem de execução a partir do substrato Chapisco (ou camada de aderência) O chapisco é conhecido como argamassa de aderência, Azeredo (1987:67) diz que, esta argamassa tem como finalidade proporcionar condições de aspereza em superfícies muito lisas e praticamente sem poros como: concreto, cerâmicas, tijolos laminados, tijolos prensados, etc., criando condições de receber outro tipo de argamassa e, portanto, argamassa de suporte. Sua aplicação é diferente, pois é jogada com certa violência a uma determinada distância de lançamento, para que haja impacto, a fim de dar maior aderência e aspereza, o que vem a gerar perda de material e desconforto para o operário. Geralmente a aplicação é feita com colher de pedreiro. Figura 03 - Aplicação do chapisco com colher de pedreiro

5 5 Fonte:http://pedreirao.com.br/geral/alvenarias-e-reboco/como-executar-chapisco-passo-a-passo/ No entanto, com a racionalização dos serviços e procurando-se diminuir perdas e aumentar a produtividade surgiram novas formas de aplicação de chapisco, como o chapisco rolado. O diferencial do chapisco rolado é que a argamassa é adquirida semi-pronta, necessitando apenas misturar com água de acordo com as orientações do fabricante, e a sua aplicação é feita com rolo. Figura 04 - Chapisco rolado, forma de aplicação do chapisco com rolo Fonte: Também está disponível no mercado o chapisco projetado, cuja argamassa também é disponibilizada semi-pronta, mas a aplicação é feita com bomba.

6 6 Figura 05 - Chapisco projetado, forma de aplicação do chapisco com argamassa projetada por bomba Essas novas técnicas possibilitam reduzir perda de material e execução mais rápida. No entanto são materiais que possuem custo maior, logo deve ser feita análise do custo benefício da utilização desses procedimentos. É importante ressaltar que a superfície que irá receber o chapisco não deve ser molhada antecipadamente, pois a argamassa de chapisco é bastante fluida. Pereira (2010:63) ressalta que, o chapisco é um procedimento de preparação de base e não se constitui de uma camada do revestimento. A espessura média deste tratamento situa-se próxima a 5mm, dependendo das características granulométricas da areia empregada Emboço (ou camada de regularização) Preparada a base com argamassa de aderência (chapisco) iniciam-se as camadas, propriamente ditas, do revestimento. O papel do emboço (muitas vezes confundido com o reboco) consiste em cobrir e regularizar a superfície do substrato ou chapisco, propiciando uma superfície que permita receber outra camada, de reboco, de revestimento cerâmico, ou outro procedimento ou tratamento decorativo (que se constitua no acabamento) (PEREIRA, 2010:63) Portanto, o emboço constitui-se de uma camada de argamassa aplicada (geralmente a mais espessa do sistema de revestimento) que consiste no corpo do revestimento, possuindo aderência ao substrato, e apresentando textura adequada à aplicação de outra camada subseqüente. Assim é que o emboço normalmente emprega granulometria um pouco mais

7 7 grossa do que as demais argamassas (camada única, reboco, por exemplo), e o acabamento é somente o sarrafeado (deve se deixar textura áspera para melhorar a aderência quando da aplicação dos outros materiais, como é ocaso da argamassa colante no assentamento de peças cerâmicas, por exemplo). Taco 1 a 1,5 cm (talisca) Máximo 30 cm do teto Chapadas de argamassa 1,0 a 1,5 m Parede chapiscada Chapada de argamassa p/ fixar tacos Máximo 30 cm 1,0 a 2,0 m Etapa 1 - Colocação dos tacos aprumados e nivelados Máximo 30 cm do piso Etapa 3 - Emassamanto e espalhamento 1 a 1,5 cm Mestras Argamassa chapeada em ponto de desempeno Parede chapiscada Régua desempenadeira Superfície sarrafeada Etapa 4 - Sarrafeamento Etapa 2 - Execução das mestras Figura 06 - Etapas de execução do emboço convencional. Fonte: ZULIAN, Carlan; DONÁ, Elton; VARGAS, Carlos, O emboço projetado consiste na técnica de emboçar a superfície com argamassa projetada por meio de máquinas. O professor-doutor da Escola Politécnica de São Paulo, Rafael Pileggi, comenta que a projeção permite melhor compactação (da argamassa sobre a superfície) por lançar o material em grânulos pequenos, os quais se acomodam melhor diminuindo tanto a

8 8 quantidade de defeitos na interface entre a argamassa e a superfície quanto o volume do material aplicado, minimizando também o ar aprisionado na mistura (REVISTA TÉCHNE, 2010) Outro ponto alto da projeção que a garantia de constância da energia de lançamento obtido pelo uso de equipamentos, dificilmente alcançada manualmente. Essas características combinadas resultam em uma resistência de aderência maior e mais uniforme à argamassa de projeção, cuja espessura é similar às das aplicadas pelo método convencional (REVISTA TÉCHNE, 2010) Figura 07 Emboço projeado, forma de aplicação de emboço com argamassa projetada por bomba. Fontes: Reboco (ou camada de acabamento) Para Pereira (2010:63), por fim, temos o reboco, uma camada de revestimento utilizada para cobrir o emboço, propiciando uma superfície que permite receber o revestimento decorativo ou se constitua no acabamento final. Sua espessura é apenas o necessário para constituir uma superfície lisa, contínua e íntegra. Azeredo (1987:69) afirma que o reboco atua como superfície suporte para pintura, portanto, com aspecto agradável, superfície perfeitamente lisa e regular. Com pouca porosidade e de pequena espessura, ordem de 2mm. Ela é preparada com material inerte de granulometria fina. Para Pereira (2010:42), o reboco deve ser feito colocando-se a argamassa sobre uma desempenadeira e por compressão contra a base, num movimento ascensional no sentido vertical, obter uma camada de espessura uniforme Gesso na Construção Civil

9 9 A NBR (1994:01) define gesso de construção como material moído em forma de pó, obtido da calcinação da gipsita constituído predominantemente de sulfato de cálcio, podendo conter aditivos controladores de tempo de pega. A mesma norma divide o emprego do gesso no setor da construção em basicamente dois grupos: para fundição e para revestimento. O gesso para fundição é o material empregado na fabricação de pré-moldados como peças para decoração, placas para forro, blocos reforçados ou não com fibras e chapas de gesso acartonado (drywall). O gesso para revestimento, objeto deste estudo, é empregado para revestir paredes e tetos de ambientes internos e secos, conforme a NBR (1994:01). O gesso possui propriedades especificas como: a) Pega Peres (et. al, 2001:58), afirma que quando se mistura o gesso com água, forma-se uma pasta, acompanhada de elevação da temperatura e um pequeno aumento de volume e da transformação do estado pastoso em sólido, apresentando um ciclo de pega com cerca de 13 minutos de trabalhabilidade. b) Duração da pega Segundo Peres (et. al, 2001:60), citada também como a diferença entre o início e o fim da pega ou como trabalhabilidade, a duração da pega corresponde ao intervalo de tempo no qual a pasta de gesso apresenta uma consistência ideal para a aplicação. Para Peres (et. al, 2001:60), ainda, o mecanismo da pega não é instantâneo e varia com a composição do gesso (mistura) e varia também diretamente proporcional à quantidade de água de empastamento. Quanto maior a quantidade de água de empastamento, maior o tempo de pega. Segundo ele, no caso específico da temperatura, o tempo de pega mais curto está para uma pasta com temperatura em torno de 35ºC. c) Expansão d) Hidratação ou formação da pasta de gesso A reação de hidratação do gesso se processa segundo uma reação endotérmica, com liberação de calor, e um aumento de volume, da ordem de 0,03 a 0,15% a depender do tipo de gesso. Por outro lado, durante a secagem, o gesso sofre uma pequena retração, de cerca de um décimo do valor da expansão, provocada pelo deslocamento da água de mistura que se evapora. Dessa forma, o gesso hidratado e seco apresenta uma dilatação volumétrica positiva (PERES, et al., 2001:62) A formação da pasta ou hidratação do gesso se processa segundo a reação de hidratação do gesso e no momento em que os cristais de dihidrato de cálcio começam a se formar, precipitam e formam uma rede de agulhas aleatoriamente

10 10 e) Comportamento frente ao fogo distribuídas que vão se formando em número cada vez maior, até todo hemidrato de cálcio ter se hidratado e o material ter atingido o endurecimento máximo, o que explica o aumento da resistência mecânica do gesso durante a hidratação (PERES, et al., 2001:62) Segundo Peres (et. al, 2001:63), uma das mais importantes propriedades do gesso é a sua capacidade de combater a propagação do fogo e estabilizar a temperatura, por um determinado tempo, da região onde o gesso foi utilizado. f) Comportamento acústico De acordo com Peres (et. al, 2001:65), os elementos ou revestimentos de gesso podem contribuir para melhorar a sonorização dos ambientes graças à continuidade dos revestimentos, sobre as alvenarias tradicionais, sendo capaz de preencher todas as possíveis fendas e orifícios por onde o som se propaga. g) Isolação térmica Peres (et. al, 2001:65), afirma que os revestimentos e elementos fabricados de gesso, sozinhos ou associados com outros materiais, melhoram sensivelmente o isolamento térmico de paredes em função do seu baixo coeficiente de condutividade térmica. Para ele, possivelmente, o baixo coeficiente de condutividade térmica do gesso, associado a sua forte inércia térmica, é responsável pelo rebaixamento ou amortecimento da intensidade com que o fluxo de calor ou frio se transfere, na parede, de um lado para o outro Revestimento Projetado com Argamassa de Gesso O processo de revestimento projetado com argamassa de gesso permite um controle perfeito das espessuras, pela execução das mestras contínuas, e a adoção de uma relação água/pó predefinida e uniforme, cujo controle é realizado exclusivamente na máquina. Com o advento das argamassas pré-fabricadas, o processo de revestimento com pasta de gesso ficou bastante simplificado, cabendo as equipes de obras apenas o controle operacional. Existem no mercado cerca de seis marcas de máquinas para projeção de argamassas de gesso.

11 11 Figura 08 - Máquina de projetar pasta de gesso Fonte: Revista Equipe de Obra (43ª Edição, 2011) Figura 09 - Projeção do gesso em filetes horizontais Fonte: Peres, Revestimento Manual com Pasta de Gesso Segundo Peres (2001:73), o revestimento manual pode ser aplicado sobre superfícies de blocos cerâmicos de cimento, lajes e vigas de concreto, sobre massa única e sobre blocos de isopor.

12 12 Uma das características mais importantes de um bom gesso para revestimento é a sua trabalhabilidade representada pelo intervalo de tempo entre o início e fim da pega ou endurecimento. O processo de revestimento manual é sabidamente um processo mais lento, mas bastante usado ainda na construção civil. A superfície onde o gesso será aplicado manualmente pode ser mestrada, embora normalmente se aplique sem a necessidade de mestras. A pasta deve ser espalhada sobre a superfície a ser revestida com auxílio de uma desempenadeira de aço ou PVC. Essa operação se repete enquanto, ao mesmo tempo, o operário vai tentando deixar a superfície o mais plana possível, utilizando uma régua como num processo de sarrafeamento. Figura 10 - Etapas do revestimento manual com pasta de gesso. Fonte: Revista Téchne (99ª Edição, 2005) 3. Comparativo entre revestimento argamassado e revestimento em pasta de gesso A partir da apresentação dos dois tipos de revestimento é feita uma comparação entre as principais características e propriedades do revestimento executado com pasta de gesso e o executado com argamassa convencional (de cimento) Fases de aplicação

13 13 A aplicação dos revestimentos de argamassa de cimento é, geralmente, realizada em três fases (chapisco, emboço e reboco), por esse motivo, implica em maiores custo de mão-de-obra e de material. Com relação a este aspecto, a pasta de gesso tornou-se um material alternativo de qualidade para aplicação de revestimentos internos porque pode ser aplicada numa só camada, reduzindo tempo e mão-de-obra na aplicação Trabalhabilidade A trabalhabilidade é uma das características mais importantes das pastas e argamassas em geral, pois permite que estas sejam de fácil aplicação. Nas argamassas de cimento, a trabalhabilidade depende de sua composição bem como da finura e forma dos agregados. O gesso, por ser um material muito fino, resulta numa pasta com maior trabalhabilidade, porém esta característica resulta no rápido endurecimento, em geral inferior a 20 minutos, após misturado com água Tempo de aplicação O tempo de aplicação para que o revestimento de alvenaria esteja pronto é também uma das vantagens do gesso sobre as argamassas tradicionais, devido ao rápido endurecimento. Segundo Hincapié e Cincotto (1997:04) a camada de emboço deve ser aplicada 24 horas após a aplicação do chapisco, e, o reboco, 07 dias após a aplicação do emboço, sendo necessário 30 dias de secagem do reboco para aplicação da pintura. Comparativamente, as pastas de gesso precisam de somente uma semana para que a superfície esteja pronta para receber lixamento e pintura Aderência Uma das propriedades mais importantes a mencionar é a aderência do revestimento de gesso quando aplicado em diferentes tipos de substrato como tijolos, concreto e blocos cerâmicos, de concreto, etc Acabamento (lisura) Um acompanhamento feito em obra permite dizer que embora esta propriedade dependa de diferentes fatores como tipo de substrato, limpeza e preparo da superfície bem como o modo de aplicação, a aderência do gesso nos diferentes tipos de substratos é alta, chegando a ter valores de tensão de arrancamento de 1,5MPa, superior aos valores obtidos com revestimentos de argamassa, sendo o valor exigido, para este último material, pela ABNT, maior que 0,3Mpa (HINCAPIÉ E CONCOTTO, 1997:04) O acabamento do revestimento com gesso, quanto à lisura da superfície endurecida, é muito superior ao de argamassas de cimento e cal, mesmo quando estas são produzidas com areias muito finas, o que confere ao gesso um acabamento de qualidade e base adequada à pintura.

14 Tempo de cura A alta porosidade do revestimento, resultante da evaporação da água de amassamento, vai permitir um isolamento térmico e acústico, porém, estas propriedades variam com a densidade e a espessura do revestimento. Uma outra vantagem é a sua resistência ao fogo, devida à baixa condutividade térmica do material e à sua incombustibilidade. O gesso endurecido conta com cerca de 20% de água na sua composição; pela ação térmica decompõe-se consumindo calor e ao mesmo tempo, protege a estrutura contra incêndio através de água combinada evaporada Durabilidade O gesso possui uma alta durabilidade quando aplicado em interiores; em aplicações externas ou em áreas molhadas, as pasta de gesso não apresentam um bom desempenho devido à sua solubilidade (2,1g/L), sendo um material pouco resistente à ação da chuva. QUADRO COMPARATIVO GESSO X ARGAMASSA DE CIMENTO ASPECTO / CARACTERÍSTICA GESSO ARGAMASSA Pasta de Fases de Aplicação 1 Gesso 3 Chapisco Emboço Reboco Trabalhabilidade Maior Menor Tempo de aplicação Menor Maior Tempo de cura Menor Maior Massa específica Menor Maior

15 15 Acabamento (lisura) Maior Menor Comportamento frente ao fogo Maior Menor Durabilidade frente à umidade Menor Maior 4. Conclusão Apresentado os dois tipos de revestimentos, argamassados e a gesso, vemos que ao mesmo tempo em que o usual nos traz confiança não devemos nos limitar apenas a ele, mas podemos investir em técnicas mais modernas e inovadoras. Não podemos deixar de comentar que ocorreram diversas mudanças na construção civil, principalmente através do desenvolvimento e aplicação de novas técnicas, trazendo a racionalização e otimização de processos construtivos. O ramo de revestimentos foi altamente contemplado com essa onda de modernização, pois além do surgimento de novos tipos, ainda houve o investimento no aprimoramento das técnicas convencionais, como pode ser observado nas diferentes formas de sua aplicação dos revestimentos argamassados bem como na utilização de misturas semi-prontas, trazendo assim maior produtividade e redução de perdas no canteiro de obras. Um aspecto a ser considerado é que deve ser avaliado qual o tipo de revestimento mais adequado em cada situação, aliando as características do sistema com a finalidade da construção. Dessa maneira não há como comparar de maneira genérica os dois tipos de revestimentos apresentados e obter uma conclusão absoluta sobre qual é o melhor entre eles. Cabe ao profissional fazer a escolha em função da situação, pois o desempenho de cada um dependerá do seu emprego e das condições de aplicação (entendendo-se como desde o substrato a ser aplicado até mesmo a região climática em questão). Nesse sentido, não apenas o engenheiro será o responsável por fazer a escolha, sendo de grande valia realizar uma interação com outros profissionais envolvidos no projeto, como os arquitetos, cabendo a eles as definições das funções de cada parte das edificações, sendo identificadas as informações a fim da melhor escolha do tipo de revestimento. Como contribuição ainda entrou em vigor em 2013 a Norma de Desempenho de Edificações NBR , que institui nível de desempenho mínimo ao longo de uma vida útil para os elementos da edificação, dessa forma é exigida uma maior qualidade nos serviços e materiais empregados, nesse caso, tratamos dos revestimentos aplicados. Sendo assim percebemos a interação entre várias áreas, uma vez que a ciência e tecnologia estão cada vez mais inseridas no cotidiano da construção civil, aproximando-a cada vez mais dos processos industriais e afastando-a dos artesanais. Referências

16 16 ANBT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7200: execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas: procedimentos. Rio de Janeiro, ANBT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13207: gesso para construção civil. Rio de Janeiro, ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13749: revestimentos de parede e tetos de argamassas inorgânicas: especificação. Rio de Janeiro, AZEREDO, Hélio Alves de. O edifício e seu acabamento. São Paulo: Blucer, Blog do menor preço - Disponível em: <http://www.blogdomenorpreco.com.br/wpcontent/uploads/2014/07/revestimento.jpg> Acesso em 23 de Abril de FIORITO, Antônio J. S. I. Manual de argamassas e revestimentos: estudos e procedimentos de execução. São Paulo: Pini, HINCAPIÉ, Ângela Maria; CINCOTTO, Maria Alba. Seleção de Substâncias Retardadoras do Tempo de Pega do Gesso de Construção. São Paulo, Misturadores de argamassa - Disponível em: <http://betim.evisos.com.br/fotos-delanuncio/reboco-projetado-chapisco-piso-autonivelante-5-id > Acesso em 29 de Abril de PEREIRA, Solano Alves. Procedimento Executivo de Revestimento Externo em Argamassa. UFMG: Belo Horizonte, Pedreirão Macetes de Construção - Disponível em: <http:// pedreirao.com.br/geral/alvenarias-e-reboco/como-executar-chapisco-passo-a-passo/> Acesso em 29 de Abril de PERES, Luciano. BENACHOUR, Mohand; SANTOS, Valdemir A. dos. O Gesso: Produção e Utilização na Construção Civil. Recife: Editora Bagaço, Projeção de argamassa sobre parede chapiscada - Disponível em: <http:// Acesso em 23 de Abril de Régua - Disponível em: <http:// Acesso em 23 de Abril de 2015.

17 17 Revestimento de argamassa - Disponível em: <http://www.npc.ufsc.br/gda/humberto/09.pdf> Acesso em 23 de Abril de REVISTA EQUIPE de OBRA. Edição 43. São Paulo: Novembro, Gesso projetado. Disponível em: <http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/43/gesso-projetadosaiba-quais-os-procedimentos-para-fazer-o asp> Acesso em: 10 de Janeiro de REVISTA TÉCHNE. Edição 99. Junho: São Paulo, Revestimento de Gesso Liso. Disponível em: <http://pcc436.pcc.usp.br/textost%c3%a9cnicos/gesso/gessoliso.pdf> Acesso em 13 de Dezembro de REVISTA TÉCHNE. Edição 158. Maio: São Paulo, Acabamento projetado. Disponível em: <http:// Acesso em 29 de Abril de ZULIAN, Carlan Seiler. DONÁ, Elton Cunha; VARGAS, Carlos Luciano. Notas de aulas da disciplina construção civil: revestimentos. Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2002.

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas de vedação vertical. O principal

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II REVEST. EM Ministério ARGAMASSA da Educação e GESSO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) EXECUÇÃO EM ARGAMASSAS E GESSO Chapisco; Emboço; Reboco; Pintura. Etapas

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO Gesso. Especificações e propriedades. GESSO Definição: Aglomerante inorgânico

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 11 1 REVESTIMENTOS VERTICAIS O que

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009

MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009 MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009 PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON. OBRA: ENDEREÇO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REALIZAR REFORMA E ADEQUAÇÃO NA

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA Adesivo acrílico em emulsão aquosa PROPRIEDADES DA ARGAMASSA Excelente plasticidade Boa impermeabilidade Minimiza retração após secagem A mistura permanece homogênea,

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Uso da Cal 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Aplicação Campos de Aplicação - Impermeabilização de:. lajes de cobertura;. terraços;. calhas de concreto;.

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC MEMORIAL DESCRITIVO 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO O presente Memorial Descritivo tem por finalidade estabelecer as condições que orientarão os serviços de construção,

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL Misturadores de Argamassa ANVI Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra FABRICADO NO BRASIL Misturadores e Projetores de Argamassa Solução na medida para a exigência do mercado Misturadores de argamassa

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME - 40

MÉTODO EXECUTIVO ME - 40 Objetivo: O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para evitar eflorescência em piscina, utilizando membrana polimérica, de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 STEEL FRAMING: COMPARATIVO DE CUSTOS E AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE UBERABA Jéssica Cristina Barboza 1 ; Amanda Bernardes Ribeiro 2 ; Cássia Fernanda Borges da Silva 3 ; Pedro

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO: CARACTERÍSTICA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

BLOCOS DE CONCRETO: CARACTERÍSTICA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 3 a de outubro de BLOCOS DE CONCRETO: CARACTERÍSTICA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Carlos Wellington de Azevedo Pires Sobrinho (UPE - POLI) carlos@itep.br

Leia mais

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses Produto VEDAPREN é uma manta líquida, de base asfalto e aplicação a frio, pronta para uso e moldada no local. Cobre a estrutura com uma proteção impermeável. Apresenta ótimas características de elasticidade

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 ESTRUTURAS METÁLICAS José Alberto Bittencourt Goulart e-mail: betogoulart@yahoo.com.br Maio/2014 Sorocaba/SP Desde o século XVIII, quando se iniciou a utilização de estruturas metálicas na construção

Leia mais

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL. Miriã Aquino

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL. Miriã Aquino CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL Miriã Aquino Belo Horizonte 2014 1 SUMÁRIO: APLICAÇÕES... 3 Paredes:... 3 Separação de Ambientes internos... 4 Isolamento Acústico Superior... 8 Isolamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

AULA A TIPOS DE LAJES

AULA A TIPOS DE LAJES AULA A TIPOS DE LAJES INTRODUÇÃO Lajes são partes elementares dos sistemas estruturais dos edifícios de concreto armado. As lajes são componentes planos, de comportamento bidimensional, utilizados para

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 33

MÉTODO EXECUTIVO ME 33 Objetivo: FOLHA 1 de 8 O objetivo do MÉTODO EXECUTIVO ME 33 é detalhar o Processo Membrana Acrílica Estruturada Impermeável (MAI), de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência garantir

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

A segurança de se sentir bem.

A segurança de se sentir bem. Catálogo de Cores Wetroom A segurança de se sentir bem. Crédito Equipotel 2010 - Arquiteta Jorgina Nello Eclipse Aquasafe (cor 036), Aquarelle Wall HFS (cor 025) Recomendado para os segmentos: SAÚDE Hotelaria

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE Cargo: Pedreiro CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções Para fazer a prova você usará este caderno e um cartão-resposta. Verifique, no caderno de provas, se faltam folhas,

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS Carmo & Calçada COMPONENTES: Amaury Costa Maurício Brayner Paulo Roberto Marques Carmo & Calçada TITULO Soluções Para Encunhamento Entre

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Sistema de Construção Rápida, Limpa e Econômica QUALIDADE E RESPONSABILIDADE É O NOSSO COMPROMISSO

Sistema de Construção Rápida, Limpa e Econômica QUALIDADE E RESPONSABILIDADE É O NOSSO COMPROMISSO Sistema de Construção Rápida, Limpa e Econômica Quem somos? A Empresa A Monteky - Especializada em construção a seco Produtos: STELL FRAME e DRYWALL. Atuamos na região da grande Florianópolis, desenvolvendo

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO.

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. Luiz Cláudio Ferreira da Silva José Ubiragí de Lima Mendes Rasiah Ladchumananandasivam Universidade

Leia mais

Piso epóxico Solución para estacionamientos. Viafloor EP 250. Objetivo:

Piso epóxico Solución para estacionamientos. Viafloor EP 250. Objetivo: Viafloor EP 250 Piso epóxico Solución para estacionamientos Objetivo: Revestir o piso com uma camada protetora a fim de garantir uma maior vida útil, corrigindo pequenos buracos, evitando o desgaste do

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME GESSO SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME Gesso O gesso é uma substância, normalmente vendida na forma de um pó branco, produzida a partir do mineral gipsita, composto basicamente de sulfato de cálcio hidratado.

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando necessidades e soluções. Foi exatamente por pensar assim

Leia mais

Steel frame - fechamento (parte 3)

Steel frame - fechamento (parte 3) Página 1 de 6 Steel frame - fechamento (parte 3) Hotel Villa Rossa, fechamento em steel frame No segundo artigo desta série sobre steel frame, abordamos a estrutura da edificação. Nela são aplicadas as

Leia mais

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%.

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. Descrição do Produto NOVOLAC AR 170 é um sistema novolac, 100% sólidos, com resistência a ácido sulfúrico 98% e

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente, construtoras, lojas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Acustimix. Características: Cor: Dimensões: Aplicações: BARREIRA & ABSORÇÃO ACÚSTICA

Acustimix. Características: Cor: Dimensões: Aplicações: BARREIRA & ABSORÇÃO ACÚSTICA Acustimix BARREIRA & ABSORÇÃO ACÚSTICA ACUSTIMIX é uma lâmina flexível bifásica, formada por dois materiais de densidades diferentes, que confere ao conjunto, além da característica de barreira acústica,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza EXERCÍCIO IMPERMEABILIZAÇÃO A seguir está modificado um

Leia mais