TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo de tempo entre as diversas fases de execução e da decoração final Maturação da argamassa (desenvolvimento das propriedades de aderência e resistência). Superfícies impróprias tela galvanizada. Superfície para aplicação deve ser áspera (lisas chapisco). Bases com elevada absorção devem ser suficientemente pré-umedecidas CLASSIFICAÇÃO DAS ARGAMASSAS. Quanto a utilização : - para assentamento de elementos de alvenaria - para revestimentos * preparadas no canteiro de obras * pré-fabricadas comuns (emboço e reboco)

2 especiais (acabamento final) - para assentamento de pisos, azulejos e pedras (adesivas) * preparadas no canteiro de obras * pré-fabricadas. Quanto aos aglomerante empregados : - argamassas de cal * cal hidratada (em pó) * cal virgem (em pedras ou em pó e hidratada-extinta- na obra) - argamassas de cimento - argamassas de gesso - argamassas de cal e cimento (mistas ou compostas). Quanto o número de aglomerantes utilizados : - argamassas simples (apenas 1 aglomerante) - argamassas compostas (2 ou mais aglomerantes). Quanto a dosagem : - magras ou pobres (o volume da pasta não preenche totalmente os vazios entre o grãos do agregado)

3 - cheias, normais ou básicas (o volume da pasta preenche exatamente os vazios entre os grãos do agregado) - gordas ou ricas (quando há excesso de pasta). Quanto a consistência : - secas - plásticas - fluidas TRAÇO DE UMA ARGAMASSA. Traço proporção relativa entre os constituintes da argamassa (com exceção da água). Volume ou peso ( volume mais comum, menos preciso). Relação numérica entre aglomerante e agregado (1 : m) PROPRIEDADES ESSENCIAIS DA ARGAMASSA. Trabalhabilidade - distribui-se facilmente ao ser assentada - não agarra à ferramenta quando está sendo aplicada - não segrega ao ser transportada

4 - não endurece em contato com superfícies absortivas - permanece plástica por tempo suficiente para que seja completada a operação - argamassas só de cimento possuem pouca trabalhabilidade - o acréscimo de água, até certo limite, melhora esta propriedade, porém piora todas as outras, e deve ser sempre evitada - a adição de cal aumenta a trabalhabilidade (diminui a tensão superficial da pasta e contribui para molhar perfeitamente os agregados) - o aumento da superfície da areia (aumento do teor de finos) também aumenta a trabalhabilidade - para que a trabalhabilidade seja otimizada a capacidade de retenção de água exerce grande influência - Sem retenção adequada de água além de não se manter plástica o tempo suficiente para seu manuseio adequado, terá menor resistência quando endurecida umidade da argamassa garantida por tempo insuficiente para as completas reações de hidratação do cimento e carbonatação da cal

5 - argamassas de cal tem maior capacidade de retenção da água que as de cimento (maior finura, maior superfície específica, maior capacidade de adsorção de suas partículas formação de um gel na superfície das particulas com até 100 % de água em função do volume da partícula). Resistência mecânica - Quanto maior a resistência a compressão, maior a resistência aos outros esforços solicitantes - argamassas de cal e areia pequenas resistências (0,5 a 2,0 MPa à compressão aos 28 dias) - argamassas de cimento e areia, e cimento, cal e areia faixas variadas função das proporções relativa entre os componentes (1,5 a 16,0 MPa à compressão aos 28 dias) - Elasticidade capacidade de se deformar sem apresentar ruptura no regime elástico - a retenção de água e a cura lenta e constante favorecem a elasticidade

6 . Aderência - capacidade de absorver tensões tangenciais e normais à superfície de interface argamassa/base - é importante a aderência tanto da argamassa fresca como da argamassa endurecida. Durabilidade - a partir da sua aplicação a argamassa pode ter a sua integridade comprometida por diversos fatores: * retração na secagem, penetração de água de chuva, temperaturas excessivamente baixas, choque térmico (incêndio), etc.

7 VARIAÇÃO DAS PROPRIEDADES COM ORIGEM NA VARIAÇÃO DOS COMPONENTES (argamassa de cimento, cal e areia) PROPRIEDADE VARIAÇÃO NA PROPORÇÃO DE AUMENTO DE CAL NO AGLOMERANTE Resistência à decresce compressão (E) Resistência à tração (E) decresce Aderência (E) decresce Durabilidade (E) decresce Impermeabilidade (E) decresce Resistência a altas decresce temperaturas (E) Resistências iniciais (F) decresce Trabalhabilidade (F) cresce Retenção de água (F) cresce Plasticidade (F) cresce Elasticidade (E) cresce Retração na secagem (F decresce e E) Custo decresce Obs : E = estado endurecido, F = estado fresco

8 No quadro anterior, manteve-se constante a proporção volume de aglomerante e agregado e a consistência. Alterando-se para mais o teor de água piora-se todas as condições com exceção da trabalhabilidade, (até certo limite de água, que se ultrapassado conduz a perda de trabalhabilidade) PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS ARGAMASSAS ARGAMASSAS DE CAL. Compostas de cal e areia. Desenvolve lentamente a resistência a compressão. Os valores finais da resistência a compressão são pequenos. São indicadas para empregos que exijam elevados graus de : - trabalhabilidade - plasticidade - elasticidade. As vantagens obtidas na utilização de cal hidratada são : - maior facilidade de manuseio, transporte e armazenamento

9 - produto pronto para ser utilizado eliminando operação de extinção e longos envelhecimentos - por ser um produto seco, pulverulento, oferece maior facilidade de mistura na elaboração das argamassas que a pasta de cal resultante da extinção da cal virgem - não está sujeita aos riscos provocados pela hidratação expontânea da cal virgem e por incêndios que podem ocorrer durante o seu transporte ou seu armazenamento ARGAMASSAS DE CIMENTO. Adquirem resistências iniciais e finais bastante elevadas em comparação com outras argamassas. Misturas pobres não possuem trabalhabilidade adequada. Misturas ricas causam problemas de retração indesejáveis. São indicadas para empregos que exijam requisitos determinantes de : - aderência - impermeabilidade - resistência e ou durabilidade - adesividade (ex: assentamento azulejos)

10 . Em se necessitando as características de trabalhabilidade podem ser conseguidas com o emprego de aditivos plastificantes ARGAMASSAS COMPOSTAS DE CAL E CIMENTO. Possuem propriedades desejáveis das argamassas simples feitas com cada material. Apresentam bom desempenho no que se diz respeito a: - resistência, durabilidade e aderência da argamassa endurecida - trabalhabilidade adequada - custo reduzido 2) ARGAMASSAS PREPARADAS NO CANTEIRO DE OBRA CHAPISCO. Consiste em salpicar sobre superfícies lisas ou pouco rugosas (tijolos furados e maciços, blocos de concreto elementos estruturais de concreto armado) uma camada irregular e descontinua de argamassa forte de cimento e areia lavada

11 . Finalidade permitir maior aderência da argamassa de revestimento. Traço 1 x 3 (cimento e areia lavada grossa). Execução : - manual argamassa bem fluida, lançada violentamente com a colher de pedreiro - mecânica máquina de chapiscar (manivela ou ar comprimido) ENCASQUE. Enchimento de depressões com material idêntico ao da alvenaria assentado com argamassa forte de cimento e areia traço 1 : 5. Engrossamento com argamassa alto custo e fissuramento devido a retração. Utilização paredes fora de prumo ou de esquadro e acentuadas irregularidades na alvenaria EMBOÇO. É a segunda camada de revestimento que se aplica a alvenaria. Finalidade servir de base ao revestimento final (regularização). Deve ser executado após a completa solidificação das argamassas das alvenarias e do chapisco

12 . As paredes devem estar arrematadas (instalações elétricas, hidráulicas e gás embutidas). Registros e válvulas com canopla devem ser posicionados segundo as mestras. Os marcos das portas devem estar assentados. Traços : - Industrializadas ensacadas - mista cimento / cal :. * 1 : 5 de cal e areia grossa (comum ou lavada) = massa branca * 1 : 8 de cimento e massa branca. 1:1:6 (cimento / cal aditivada / areia lavada média). 1 saco (20 kg) de pré-misturado cimento/cal aditivada : 3(externo) / 4 (interno) latas (18 litros) de areia lavada média - 1 lata (18 litros) de cimento : 1 saco (20 kg) de filler calcário aditivado : 8 latas (18 litros) de areia lavada média. Técnicas de execução : - Colocação de taliscas p/ execução das mestras (mesmo prumo afastadas de +/- 1,50 m) definindo a espessura do emboço (1,5 a 2,0 cm)

13 - Mestras cantos e internas espaçadas de 2,00 a 2,50 m (linhas) - Após a secagem das mestras faz-se o enchimento e sarrafeamento dos espaços entre as mestras (do teto para o piso) REBOCO. Camada única de argamassa aplicada sobre o chapisco, sarrafeada com régua, alisada com desempenadeira de madeira e feltrada (espuma de poliuretano). Traços : - Industrializadas ensacadas - mista cimento / cal. * 1 : 5 de cal e areia (lavada média a fina) = massa branca * 1 : 10 de cimento e massa branca. 1:2:8 externo e 1:2:10 interno (cimento / cal aditivada / areia lavada fina). 1 saco (20 kg) de pré-misturado cimento/cal aditivada : 4(externo) / 5 (interno) latas (18 litros) de areia lavada fina - 1 lata (18 litros) de cimento : 1 saco (20 kg) de filler calcário aditivado : 10 latas (18 litros) de areia lavada fina

14 . Execução : - Idêntica ao emboço comum - Após o sarrafeamento desempenadeira de madeira borrifa-se água feltro - Espessuras maior que 2,0 cm chapar a argamassa de duas vezes, só sarrafeando e desempenando a 2a. camada. Antes da secagem da superfície varrer para retirada de grãos de areia saliente CHAPISCO RÚSTICO a) Com peneira. Lançamento de argamassa de cimento e areia lavada grossa (1 : 4) através de peneira de malha 0,5 cm sobre o emboço sarrafeado. Revestimento áspero e resistente podendo receber corantes. Variação chapisco rústico desempenado (obtenção de áreas planas e depressões) b) Com brita 0. Sobre o emboço com a colher de pedreiro aplicase um concreto de traço 1 : 2 : 3 de cimento, areia e brita 0

15 BARRA LISA CIMENTADA. Aplicar sobre emboço 1 : 3 (cimento e areia lavada grossa) uma camada de cimento e areia lavada fina (1 : 3) com espessura de 0,5 cm. Acabamentos : - natado : colher de pedreiro + pó de cimento - queimado : sem o pó de cimento. Alto teor de cimento cura (3 dias). Divisão em paineis 1,00 x 1,00 m ou 1,00 x 1,50 m. Utilizam-se corantes. Utilizadas geralmente em sanitários e cozinhas de construções de acabamento baixo com barras de 1,50 m de altura REVESTIMENTO IMPERMEÁVEL. Argamassas de cimento + areia + aditivos impermeabilizantes. Impermeabilização rígida REBOCO COM PÓ DE PEDRA. Utilizado em construções de estilo colonial ou rústico (moldura nos vãos das janelas e portas). Aplicado sobre o emboço

16 . Argamassa de cimento e pó de pedra peneirado (1 : 4). Acabamento liso (desempenadeira de madeira). Dois dias após a aplicação lavagem com solução 1 : 10 de ácido muriático e água e posterior limpeza somente com água PRINCIPAIS NORMAS BRASILEIRAS. NBR 7200 Execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - Procedimento. NBR Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - Especificação

17 PATOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO EFLORESCÊNCIA Aspectos observados :. Manchas de umidade. Pó branco acumulado sobre a superfície Causas prováveis :. Umidade constante. Sais solúveis presentes no elemento alvenaria. Sais solúveis presentes na água de amassamento ou umidade infiltrada. Cal não carbonatada Reparos :. Eliminação da infiltração de umidade. Secagem do revestimento. Escovamento da superfície. Reparo do revestimento quando pulverulento BOLOR : Aspectos observados :. Manchas esverdeadas ou escuras. Revestimento em desagregação Causas prováveis :. Umidade constante. Área não exposta ao sol

18 Reparos :. Eliminação da infiltração da umidade. Lavagem com solução de hipoclorito. Reparo do revestimento quando pulverulento VESÍCULAS : Aspectos observados :. Empolamento da pintura, apresentando-se as partes internas das empolas na cor : - branca - preta - vermelho acastanhada Causas prováveis :. Hidratação retardada da cal. Presença de pirita ou matéria orgânica na areia. Presença de concreções ferruginosas na areia Reparos :. Renovação da camada de reboco. Eliminação da infiltração da umidade DESCOLAMENTO COM EMPOLAMENTO : Aspectos observados :. A superfície do reboco descola do emboço formando bolhas, cujos diâmetros aumentam progressivamente. O reboco apresenta som cavo sob percussão

19 Causas prováveis :. Infiltração de umidade. Hidratação retardada da cal Reparos :. Renovação da pintura. Renovação da camada de reboco DESCOLAMENTO EM PLACAS : Aspectos observados :. A placa apresenta-se endurecida quebrando-se com dificuldade. Sob percussão o revestimento apresenta som cavo Causas prováveis :. A superfície em contato com a camada inferior apresenta placas frequentes de mica. Argamassa muito rica. Argamassa aplicada em camada muito espessa. A superfície da base é muito lisa. A superfície da base está impregnada com substância hidrófuga. Ausência da camada de chapisco Reparos :. Renovação do revestimento. Renovação do revestimento : - apicoamento da base - eliminação da base hidrófuga

20 - aplicação de chapisco p/ melhoria da aderência Aspectos observados :. A placa apresenta-se endurecida mas quebradiça, desagregando-se com facilidade. Sob percussão o revestimento apresenta som cavo Causas prováveis :. Argamassa magra. Ausência da camada de chapisco. Aplicação prematura de tinta impermeável Reparos :. Renovação do revestimento DESCOLAMENTO COM PULVERULÊNCIA Aspectos observados :. A película de tinta descola arrastando o reboco que se desagrega com facilidade. O reboco apresenta som cavo sob percussão Causas prováveis :. Excesso de finos no agregado. Traço pobre em aglomerante. Traço excessivamente rico em cal. Ausência de carbonatação da cal. O reboco foi aplicado em camada muito espessa Reparos :. Renovação da camada de reboco

21 FISSURAS HORIZONTAIS : Aspectos observados :. Apresenta-se ao longo de toda a parede. Descolamento do revestimento em placas, com som cavo sob percussão Causas prováveis :. Expansão da argamassa de assentamento por hidratação retardada da cal. Expansão da argamassa de assentamento por reação cimento-sulfatos ou devido à presença de argilo-minerais expansivos no agregado Reparos :. Renovação do revestimento após hidratação completa da cal da argamassa de assentamento. A solução a adotar é função da intensidade da reação expansiva FISSURAS MAPEADAS : Aspectos observados :. As fissuras têm forma variada e distribuem-se por toda a superfície Causas prováveis :. Retração da argamassa de base Reparos :. Renovação do revestimento. Renovação da pintura

22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1) Convênio EPUSP ENCOL. PROJETO EP/EN-1. Recomendações para Execução de Revestimentos de Argamassas para Paredes de Vedação e Tetos. Desenvolvimento Tecnológico de Métodos Construtivos para Alvenarias e Revestimentos, São Paulo. SP, ) CINCOTTO, Maria Alba et al. Argamassas de revestimento : características, propriedades e métodos de ensaio. São Paulo. SP. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, ) SABBATINI, Fernando Henrique. Argamassas - Notas de Aula. USP. São Paulo. 4) CINCOTTO, Maria Alba. Patologias das argamassas de revestimento: análise e recomendações. Artigo do livro Tecnologia das Edificações. Pini. São Paulo SP. 5) PIROLI, Ênio. Revestimento de Paredes e Pisos. Notas de Aula. Fundação Christiano Ottoni. Belo Horizonte, ) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - Especificação NBR 13749/ ) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Revestimento de paredes e tetos com argamassas - Materiais, preparo, aplicação e manutenção - NBR 7200/98.

MATERIAIS DE CONSTRU O I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

MATERIAIS DE CONSTRU O I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS MATERIAIS DE CONSTRU O MSC. RITA DE CASSIA VISIOLI /2013 I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODU O ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + gua (eventualmente aditivos). Intervalo de tempo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS.

10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS. 10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS. APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Saber analisar as manifestações apresentadas nos revestimentos; Saber as causas prováveis das patologias

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

A R G A M A S S A S E CONCRETOS

A R G A M A S S A S E CONCRETOS A R G A M A S S A S E CONCRETOS S U M Á R I O ARGAMASSAS GENERALIDADES TERMINOLOGIA DAS ARGAMASSAS FINALIDADES e PROPRIEDADES PRINCIPAIS TRAÇOS OU DOSAGEM E SUAS APLICAÇÕES CÁLCULO DE TRAÇOS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II REVEST. EM Ministério ARGAMASSA da Educação e GESSO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) EXECUÇÃO EM ARGAMASSAS E GESSO Chapisco; Emboço; Reboco; Pintura. Etapas

Leia mais

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso 1 Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso Carolina de Lima Accorsi carolaccorsi@hotmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Uso da Cal 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

Patologia das Argamassas de Revestimento

Patologia das Argamassas de Revestimento Patologia das Argamassas de Revestimento Helena Carasek Doutora em Engenharia, Programa de Pós-Graduação em Geotecnia e Construção Civil PPG-GECON Universidade Federal de Goiás e-mail: hcarasek@eec.ufg.br

Leia mais

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS A alta competitividade do panorama econômico atual faz com que as empresas busquem um maior ganho de qualidade com redução de custos. A obtenção

Leia mais

VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento Efer Construtores Associados COMPONENTES: Eng o Josemar Araújo Eng o Ronaldo Castellar

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros

Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros Helena CARASEK Escola de Engenharia Civil/ Universidade Federal de Goiás Brasil hcarasek@eec.ufg.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CONSTRUÇÃO DE 22 (VINTE E DUAS) UNIDADES HABITACIONAL DOIS QUARTOS LOCAL: VILA ESPLANADA I GOIATUBA GO. ÁREA ÚTIL: 49,98 m 2

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CONSTRUÇÃO DE 22 (VINTE E DUAS) UNIDADES HABITACIONAL DOIS QUARTOS LOCAL: VILA ESPLANADA I GOIATUBA GO. ÁREA ÚTIL: 49,98 m 2 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CONSTRUÇÃO DE 22 (VINTE E DUAS) UNIDADES HABITACIONAL DOIS QUARTOS LOCAL: VILA ESPLANADA I GOIATUBA GO. ÁREA ÚTIL: 49,98 m 2 Página 1 de 13 1.- INTRODUÇÃO O presente memorial

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%.

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. Descrição do Produto NOVOLAC AR 170 é um sistema novolac, 100% sólidos, com resistência a ácido sulfúrico 98% e

Leia mais

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE Cargo: Pedreiro CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções Para fazer a prova você usará este caderno e um cartão-resposta. Verifique, no caderno de provas, se faltam folhas,

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO introdução SISTEMA DE REVESTIMENTO DE ARGAMASSA tipos

Leia mais

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície Linha P05 Cime Endurecedor mineral de superfície 1 Descrição. Composto granulométrico à base de cimento e agregados selecionados de origem mineral e/ou mineral metálica, para aplicações em sistema de aspersão

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Piscinas. Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos

Piscinas. Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos Piscinas Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos 1 INTRODUÇÃO Há mais de dois mil anos atrás, revestimento cerâmico já eram usados para revestir piscinas e paredes dos banhos romanos. A grande

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo Prof. Marco Pádua Calculo das quantidades de materiais necessários para executar um cômodo considerando uma estrutura modular de 5.00 X 5.00 m, segundo as dimensões abaixo

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ARGAMASSAS Conceito A argamassa é uma mistura de aglomerantes, agregados e água, dotada de capacidade de endurecimento e aderência, cuja dosagem varia de acordo com a utilização. Tempo de Pega É o tempo

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014.

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas

Leia mais

Recuperação das Casas destinadas ao atendimento de residências estudantis, no Campus da Fazenda Experimental.

Recuperação das Casas destinadas ao atendimento de residências estudantis, no Campus da Fazenda Experimental. PROJETO BÁSICO Recuperação das Casas destinadas ao atendimento de residências estudantis, no Campus da Fazenda Experimental. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1 Título do Projeto Recuperação das Casas destinadas

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS.

APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS. APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS. Marcio JOPPERT, Engenheiro Civil, MSC, Sócio Diretor da Ópera Prima Arquitetura e Restauro Ltda, marjopp@operaprima.com.br Vicente Custódio

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Aplicação Campos de Aplicação - Impermeabilização de:. lajes de cobertura;. terraços;. calhas de concreto;.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS. Relatório Técnico. REFORMA DA SECRETARIA DE TURISMO DE BOMBINHAS ÁREA TOTAL: 291,20 m²

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS. Relatório Técnico. REFORMA DA SECRETARIA DE TURISMO DE BOMBINHAS ÁREA TOTAL: 291,20 m² Relatório Técnico REFORMA DA SECRETARIA DE TURISMO DE BOMBINHAS ÁREA TOTAL: 291,20 m² Av. Leopoldo Zarling Bairro Bombas Município de Bombinhas - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA Adesivo acrílico em emulsão aquosa PROPRIEDADES DA ARGAMASSA Excelente plasticidade Boa impermeabilidade Minimiza retração após secagem A mistura permanece homogênea,

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

Construction. Argamassa de impermeabilização à base de cimento. Descrição do produto

Construction. Argamassa de impermeabilização à base de cimento. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de dezembro de 2013 Nº de identificação: 07.008 Versão nº 2 SikaTop Seal-107 Argamassa de impermeabilização à base de cimento Descrição do produto SikaTop Seal-107 é uma argamassa

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

Edificações - revestimento de pisos

Edificações - revestimento de pisos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MARCELO DADAMO VIEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009

MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009 MEMORIAL DESCRITIVO 025/2009 PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON. OBRA: ENDEREÇO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REALIZAR REFORMA E ADEQUAÇÃO NA

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais