PATOLOGIA DE FACHADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIA DE FACHADAS"

Transcrição

1 PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas, bem como conhecer os principais métodos utilizados nos sistemas construtivos, visando entender o motivo do aparecimento dessas imperfeições que, além de interferir na aparência do edifício, ainda pode ser o indicador de que outras situações mais graves poderão ocorrer. Palavras chaves: Danos. Fachada. Patologia. Revestimentos. 1 INTRODUÇÃO Derivada do grego, a palavra patologia é determinada como o estudo das doenças, tanto na medicina quanto em outras áreas, como na engenharia. Já a fachada trata-se da parte exterior de uma edificação, são as faces frontais, posteriores e laterais. Com isso, o estudo da patologia das edificações visa buscar informações acerca das possíveis causas e melhorias para essas imperfeições. Em uma obra há diversas fases que proporcionam formato à edificação, sendo assim, é necessária a verificação minuciosa de cada uma dessas etapas, a fim de detectar as possíveis patologias e repará-las. Desta forma, a grande incidência de problemas nos revestimentos confirma que a Engenharia Civil necessita buscar mais investimentos em pesquisas para descobrir causas e correções, compatibilizando os sistemas construtivos e a mão de obra. 2 A PATOLOGIA DE FACHADAS E O SISTEMA CONSTRUTIVO Os revestimentos são importantes não somente pelo seu aspecto visual, mas também para o bom desempenho das vedações, isolamento térmico-acústico, 1 Possui graduação em Engenharia Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1994) e Especialização em Administração Financeira (1996). Professor de Engenharia Civil na Faculdade Kennedy. 2 Graduação em Engenharia Civil pela Faculdade Kennedy.

2 preservação das infiltrações, estética, melhoria na durabilidade e proteção das edificações. Logo, a patologia de fachadas é um dos problemas mais comuns e preocupantes na construção civil, com o crescimento desordenado das cidades e mão de obra desqualificada e escassa, esses fatores vêm agravando gradativamente, comprometendo a imagem da Engenharia e a integridade das construções. Ao mesmo tempo, a cada dia torna-se mais comum o aparecimento de fissuras, manchas, bolores, deslocamento de placas e infiltrações. Com isso, este estudo visa buscar informações pertinentes às melhorias construtivas, suas principais causas e progressos para esses agravantes. 2.1 Composição do sistema de revestimento O revestimento diz respeito ao material destinado a proteger ou compor esteticamente o edifício, é formado pelos itens que serão visualizados pela parte externa. Dentro de uma lista bastante significativa de opções encontráveis no mercado, ele pode ser os convencionais em argamassa texturizada, placas cerâmicas ou de aço, pastilhas, dentre outras. Cabe ressaltar ainda que, a especificação do material a ser utilizado deverá estar em concordância com a concepção geral do projeto do edifício. A seguir são apresentados os principais revestimentos: Base: Essencial ao tratamento prévio do substrato e para que ele tenha aderência ao revestimento. Sendo necessário o uso de materiais e técnicas apropriadas para efetivamente melhorar as condições de aderência. Chapisco: Trata-se da ponte de aderência entre o substrato e a argamassa, sua função é criar uma camada porosa e rugosa de forma que o emboço fixe totalmente evitando o cisalhamento. No mercado existem técnicas para melhor execução desse trabalho, são elas: chapisco manual, rolado, industrializado e projetado. Emboço: Aplicado sobre o chapisco atua como base para aplicação do reboco, devendo promover boa aderência entre as camadas. Suas funções são a vedação e regularização da superfície, assim como a proteção da edificação.

3 Reboco: Tem a função de formar uma superfície impermeabilizante e lisa, preparando-a para o recebimento do revestimento. Ele confere o conforto termo acústico e, para que exerça sua função adequadamente, deve obedecer a técnicas especializadas. Massa única: Conhecida também como emboço paulista trata-se de uma camada de argamassa única aplicada sobre o chapisco, cumprindo as funções de emboço e reboco. Acabamento: A fim de valorizar o aspecto visual e agregar valor à construção, o acabamento está cada dia mais moderno, com a adequação de diversos tipos de revestimentos como: a argamassa, o cerâmico, a texturização, as pedras ornamentais, entre outros. As Figuras 01 e 02 apresentam, respectivamente, a composição do sistema de revestimento com emboço e reboco e massa única: Figura 1 - Composição do sistema de revestimento com emboço e reboco

4 Figura 2 - Composição do sistema de revestimento com massa única 2.2 Origem das patologias De acordo com Verçoza (1991) os principais problemas relacionados à construção civil podem ser classificados da seguinte forma: 40% referem-se ao projeto; 28% referem-se à execução; 18% referem-se aos materiais utilizados; 10% referem-se ao mau uso; 4% referem-se ao mau planejamento.. Sendo assim, com base nessa estimativa, percebe-se a importância de cada componente no processo de uma construção que, muitas vezes, mesmo com o fornecimento do projeto, é executada com a exatidão necessária. Os materiais nem sempre são corretamente acondicionados e os equipamentos são mantidos em estado de conservação precário. Além disso, falta de treinamentos e de qualificação dos funcionários tem contribuído para o aparecimento de doenças nas fachadas. É necessário que exista um cronograma bem definido, juntamente com as determinações das responsabilidades. Analogamente, segundo Sabbatini (2000), As origens para a ocorrência dos problemas patológicos no revestimento de argamassa, podem estar associadas às fases de projeto, execução e utilização desse revestimento ao longo do tempo.. Em virtude disso, as carências nos projetos têm sido um fator significante no quesito de patologias, principalmente em fachadas. É necessário que exista um projeto detalhado atinente às características dos revestimentos, as espessuras das camadas, suas formas de aplicação com padrões de qualidade e detalhes construtivos e arquitetônicos. Igualmente, Sabbatini (2000), ainda complementa que: A elaboração do projeto de revestimento de argamassa é de fundamental importância para obtenção de um melhor desempenho deste revestimento, o que significa aumento da qualidade e produtividade, redução de falhas, desperdícios e custos. Ademais, com relação à fase de execução, essas anomalias podem ocorrer em razão da incompatibilidade entre projeto e execução. Tratando-se da necessidade da mão de obra qualificada, faz-se necessária a preparação da estrutura para receber a argamassa como o preenchimento de imperfeições, eliminação de irregularidades, limpeza da alvenaria e remoção de quaisquer sobejos metálicos.

5 Além disso, a escolha, o armazenamento e o controle tecnológico dos materiais são de suma importância para a construção civil, inclusive no acabamento e na execução de uma fachada saudável e duradoura, juntamente com uma aplicação adequada. Para isso, sendo necessários, então, treinamentos e qualificações dos colaboradores, determinando as atividades determinando e divulgando a responsabilidade de cada um. Dessa forma, durante a fase de utilização da edificação, os problemas patológicos podem aparecer devido à remodelação ou alteração mal planejada, a degradação dos materiais por mau uso e ausência de manutenção. Outro fator que interfere no sistema construtivo são as intempéries, as fachadas são expostas a altas e baixas temperaturas, a ação do vento, do sol e das chuvas. Com essas influências há perda e/ou ganho de água acelerada, interferindo nas suas propriedades e, como consequência, deixando o revestimento mais frágil. Por outro lado, Bauer (1996) ainda complementa: As falhas que ocorrem no revestimento podem ser causadas por deficiência de projeto, desconhecimento das características dos materiais utilizados e/ou emprego de material inadequado, erro de execução, deficiência de mão de obra, e ainda desconhecimento ou não observância de normas técnicas e problemas de manutenção. 2.3 Principais patologias As patologias verificadas nos revestimentos apresentam-se de formas distintas, todas elas resultando na inviabilidade de execução dos objetivos para os quais foram projetados, especialmente no que se refere aos aspectos estéticos, de isolamento e de proteção. A seguir, serão apresentadas as principais imperfeições identificadas nos revestimentos das edificações: a) Eflorescência: Consiste-se de manchas de umidade ou pó branco acumulado na superfície, Figura 03. Tem como causas prováveis a umidade constante, sais solúveis presentes na alvenaria ou na água de amassamento e cal

6 não carbonatada. Para o reparo faz-se necessária a eliminação da infiltração, secagem ou restauração do revestimento e escoamento da superfície. Figura 3 Eflorescência b) Bolor: Como pode ser verificado na Figura 04, trata-se de manchas esverdeadas ou escuras, além da desagregação do revestimento, são formadas devido a umidade constante ou falta de exposição ao sol. Para a correção faz-se necessária a eliminação da infiltração de umidade, lavagem com hipoclorito e reparo no revestimento quando pulverulento. Figura 4 Bolor c) Vesículas: Constitui-se do empolamento nas cores branca, preta ou vermelha acastanhada que acontecem nas pinturas, ver Figura 05. Sua principal causa é a hidratação tardia do óxido de magnésio da cal. Para a reparação é necessário que remova completamente a camada de reboco contaminada.

7 Figura 5 Vesículas d) Deslocamento com empolamento: Conforme apresentado na Figura 06, constitui-se do deslocamento da superfície do reboco ao emboço, formando bolhas cujos diâmetros aumentam progressivamente, além disso, o reboco também pode apresentar som cavo sob percussão. Suas prováveis causas são a hidratação tardia do óxido de magnésio da cal. A correção se dá por meio da renovação da camada de reboco. Figura 6 - Deslocamento com empolamento e) Deslocamento de placas: Neste caso, a placa apresenta-se endurecida e quebrando com dificuldade, outra característica é que, sob percussão,

8 o revestimento apresenta som cavo, Figura 07. Ocorre devido a superfície de contato com a camada inferior apresentar placas frequentes de mica e o uso de argamassa muito rica em cimento ou muito espessa. Por outro lado, a placa pode apresentar-se quebradiça, desagregando-se com facilidade. Acontece devido a utilização de argamassa magra e ausência da camada de chapisco. Assim, para ambos os casos faz-se necessário a renovação do revestimento. Figura 7 - Deslocamento de placas f) Deslocamento com pulverulência: Conforme Figura 08, trata-se do deslocamento da película de tinta luxando o reboco, também pode apresentar o som cavo sob percussão. Acontece devido ao excesso de finos nos agregados, argamassa magra, muito espessa ou rica em cal e ausência de carbonatação da cal. Com isso, é essencial a renovação da camada de reboco. Figura 8 - Deslocamento com pulverulência g) Fissuras horizontais: Apresentam-se ao longo de toda a parede com aberturas ou deslocamento do revestimento em placas, ver Figura 09. Suas

9 principais causas são a expansão da argamassa de assentamento por hidratação tardia do óxido de magnésio da cal, pela reação do cimento com o sulfato ou devido a presença de argilo-minerais expansivos. Logo, é necessária a renovação do revestimento após a hidratação completa da cal da argamassa de assentamento. Figura 9 - Fissuras horizontais h) Fissuras mapeadas: De acordo com a Figura 10, distribui-se sobre toda a superfície do revestimento em monocamada e, também, pode ocorrer deslocamento em placas, além disso, caracteriza-se também pela fácil desagregação. Sua principal causa é a retração da argamassa por excesso de finos de agregados, cimento como único aglomerante e água de amassamento. A solução é o reparo da fissura, renovação da pintura e do revestimento em caso de deslocamento. Figura 10 - Fissuras mapeadas

10 i) Fissuras geométricas: Acompanham o contorno da alvenaria devido a reparação da argamassa de assentamento por excesso de cimento ou de finos no agregado, além da movimentação higrotérmica do componente, Figura 11. Para tanto, faz-se necessário o reparo da fissura e a renovação da pintura. Figura 11 - Fissuras geométricas 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Denota-se que a maior parte das patologias de fachadas é originada, principalmente, de imperícias, diferentemente do setor industrial, a construção civil é passível de erros e falhas devido ao trabalho manual. Enfim, conclui-se que, para que o resultado final das obras civis seja eficaz, há a necessidade da sinergia entre projeto, planejamento e execução. Assim, ressalta-se a importância do planejamento bem elaborado e executado, de um projeto detalhado, do conhecimento das características dos materiais e seu acondicionamento adequado e da mão de obra qualificada e especializada. REFERÊNCIAS BARBOSA, Rogério Roque. Patologia de fachadas. 2005, 73f. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, 2005.

11 BAUER, Roberto José Falcão. Revestimentos: falhas em revestimentos. Apostila. [S.l.]: Centro Tecnológico de Controle de Qualidade L. A Falcão Bauer, f. QUEIROZ, Robson de Oliveira. Patologia em fachadas construídas com revestimento de argamassa. 2007, 89f. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil) Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo. SABBATINI, Fernando Henrique; BAÍA, Luciana Leone Maciel. Projeto e execução de revestimento de argamassa. São Paulo: O Nome da Rosa, 2000.

10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS.

10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS. 10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS. APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Saber analisar as manifestações apresentadas nos revestimentos; Saber as causas prováveis das patologias

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA EM PORTO ALEGRE

REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA EM PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Cristine Groff REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ARGAMASSAS Conceito A argamassa é uma mistura de aglomerantes, agregados e água, dotada de capacidade de endurecimento e aderência, cuja dosagem varia de acordo com a utilização. Tempo de Pega É o tempo

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS A alta competitividade do panorama econômico atual faz com que as empresas busquem um maior ganho de qualidade com redução de custos. A obtenção

Leia mais

LINHA de Argamassas. Uma mistura de qualidade com alta produtividade.

LINHA de Argamassas. Uma mistura de qualidade com alta produtividade. Concreto LINHA de Argamassas Uma mistura de qualidade com alta produtividade. Estabilizada 01Argamassa Projetada A evolução chegou ao canteiro de obras. Elimine etapas, corte custos e aumente o controle

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

X CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS X COBREAP

X CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS X COBREAP X CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS X COBREAP PERÍCIAS EM PATOLOGIAS DE REVESTIMENTOS EM FACHADAS MAIA NETO, FRANCISCO ENGENHEIRO CIVIL - CREA - MG 34.192/D RUA BENVINDA DE CARVALHO,

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DAS PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS EM FACHADAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DAS PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS EM FACHADAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DAS PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS EM FACHADAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB Marcos PADILHA JR (1); Giovanni AYRES (2); Raphaele LIRA (3); Daniel

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes

O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes Ivan Ramalho de Almeida Regina Helena F. de Souza Maria do Rosário Veiga Prof. da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ) Brasil

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II REVEST. EM Ministério ARGAMASSA da Educação e GESSO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) EXECUÇÃO EM ARGAMASSAS E GESSO Chapisco; Emboço; Reboco; Pintura. Etapas

Leia mais

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS ETAPA I LIMPEZA DA ÁREA PROCEDER A LIMPEZA DA ÁREA A SER IMPERMEABILIZADA. -RETIRAR MATERIAIS SOLTOS. -FAZER PEQUENOS REPAROS DE FALHAS NO REBOCO SE HOUVER. -FAZER AJUSTES NAS SAÍDAS DOS EQUIPAMENTOS.

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Revestimentos de Argamassa Aula: Introdução TECNOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO introdução SISTEMA DE REVESTIMENTO DE ARGAMASSA tipos

Leia mais

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

Rua do Príncipe nº 526 - Boa Vista - Recife - PE CEP 50050-900 Fone: (81) 2119-4217

Rua do Príncipe nº 526 - Boa Vista - Recife - PE CEP 50050-900 Fone: (81) 2119-4217 MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS FACHADAS DO BLOCO A Recife, 10 de julho de 2015 1 APRESENTAÇÃO A Universidade Católica de Pernambuco, com mais de 60 anos de história, vem contribuindo cada

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Conhecer da evolução dos problemas Estudar as suas causas Fornecer informações para os trabalhos

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG

AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG Michele Batista Ramalho michelebatram@hotmail.com Rede de Ensino Doctum R. Gustavo Leonardo,

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

AMETISTA REVESTIMENTOS

AMETISTA REVESTIMENTOS AMETISTA REVESTIMENTOS Ficha técnica MASSA CORRIDA É composta de emulsão acrílica, carga minerais inertes e aditivos solúveis em água, desenvolvida para a execução de quaisquer correções em ambientes internos.

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Seguidos os passo listados no guia, é necessária apenas uma manutenção comum, como a realizada em outros jardins.

GUIA DE INSTALAÇÃO. Seguidos os passo listados no guia, é necessária apenas uma manutenção comum, como a realizada em outros jardins. GUIA DE INSTALAÇÃO Este é um guia com um passo a passo para a instalação e acompanhamento do Sistema GreenWall Ceramic. Siga-o corretamente para garantir sua execução correta, além do completo desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA Curso de Engenharia Civil Fabrício Nunes da Silva CARACTERIZAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS PRESENTES EM FACHADAS

Leia mais

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins 2 Diagnóstico do Chafariz dos Contos Régis Eduardo Martins Diagnóstico do Chafariz dos Contos Caderno 2 Sumário: Pag. Introdução 2 de estado de conservação do Chafariz 3 Fichas de diagnóstico: Perdas 6

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRU O I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

MATERIAIS DE CONSTRU O I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS MATERIAIS DE CONSTRU O MSC. RITA DE CASSIA VISIOLI /2013 I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODU O ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + gua (eventualmente aditivos). Intervalo de tempo

Leia mais

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 Definições Pastas Resulta das reações químicas do cimento com a água. Quando há água em excesso, denomina-se nata. Argamassa São misturas

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V Prefeitura da Estância de Atibaia 201 Comércio - Precário Definição: Edificações inacabadas, deficiências aparentes, construídas com tijolos ou blocos. Coberta de telha ou laje pré moldada sem acabamento,

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia, Crea-BA RELATÓRIO VISTORIA Nº. 007/2012

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia, Crea-BA RELATÓRIO VISTORIA Nº. 007/2012 , Crea-BA RELATÓRIO DE VISTORIA Nº. 007/2012 Salvador, 03 de abril de 2012. , Crea-BA RELATÓRIO DE VISTORIA 1 - SOLICITANTE: Vereadora Aladilce Souza Membro da Frente Parlamentar Mista em defesa de Itapuã,

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC MEMORIAL DESCRITIVO 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO O presente Memorial Descritivo tem por finalidade estabelecer as condições que orientarão os serviços de construção,

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

REFORMA DA CATEDRAL METROPOLITANA ORTODOXA ANTIOQUINA DE SÃO PAULO

REFORMA DA CATEDRAL METROPOLITANA ORTODOXA ANTIOQUINA DE SÃO PAULO II Congresso Internacional na "Recuperação, Manutenção e Restauração de Edifícios" 10,11 e 12 de Maio de 2006 - Rio de Janeiro - Brasil REFORMA DA CATEDRAL METROPOLITANA ORTODOXA ANTIOQUINA DE SÃO PAULO

Leia mais

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo Prof. Marco Pádua Calculo das quantidades de materiais necessários para executar um cômodo considerando uma estrutura modular de 5.00 X 5.00 m, segundo as dimensões abaixo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 1 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO Diagnóstico de Anomalias nãoestruturais: causas e metodologias

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais