1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)"

Transcrição

1 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante + água; Argamassas: aglomerante + água + agregado miúdo; Concretos: aglomerante + água + agregado miúdo + agregado graúdo. 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES Ativos Inertes Aéreos Hidráulicos Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) Endurecem expostos ao ar e não resistem à ação da água. Ex.: cal aérea e gesso. Endurecem em contato com a água. É o fenômeno da hidratação (péga). Ex.: cal hidráulica, cimento portland.

2 . GESSO É o produto resultante da desidratação da gipsita (CaSO 4.2H 2 O). Obtenção: forno: CaSO 4.2H 2 O + calor CaSO 4.1/2H 2 O (Hemidrato ou gesso comum) ~ 150ºC Hidratação: 2(CaSO 4.1/2H 2 O) + H 2 O = 2(CaSO 4.2H 2 O) Forma de utilização: forros, ornatos, revestimento interno. 4. CAL É o produto resultante da calcinação de rochas calcárias (CaCO ) em temperaturas elevadas. CaCO + calor CaO + CO 2 (cal comum ou cal virgem) Extinção ou hidratação da cal CaO + H 2 O Ca(OH) 2 + calor Cal hidratada: Ca(OH) 2 (uso em construção: CH-I, CH- II, CH-III).

3 5. CIMENTO É o produto resultante da calcinação de pedras calcárias carbonatadas contendo entre 20% a 40% de argila (óxidos: Al 2 O, Fe 2 O, SiO 2 ) e % de gipsita (CaSO 4.2H 2 O). Tabela. Composição potencial do clínquer de cimento Portland. Composto Fórmula Símbolo Teor (%) Silicato tricálcico CaO.SiO 2 C S Silicato bicálcico 2CaO.SiO 2 C 2 S Aluminato tricálcico CaO.Al 2 O C A 6 12 Ferro-aluminato tetracálcico 4CaO.Al 2 O.FeO C 4 AF Características Visuais: pó muito fino, de cor acinzentada ou esverdeada. Densidade elevada: 1,42 Peso específico: 1420 kgf/m 4.2. Tipos (no Brasil) Cimento Portland Comum CP I cimento portland comum CP I-S cimento portland comum com adição Cimento Portland Composto CP II-E cimento portland composto com escória CP II-Z cimento portland composto com pozolana CP II-F cimento portland composto com filler CP III cimento portland e alto forno CP IV cimento portland pozolânico CP V-ARI cimento portland de alta resistência inicial

4 1. CONCEITO São todos os materiais misturados à massa (argamassa e concreto frescos) afim de aumentar a economia e/ou a resistência. Ex.: areia, britas e pedregulhos. 2. AREIA (agregado miúdo) É o material obtido da desagregação de rochas, até formas grãos de tamanho variado Classificação quanto a dimensão: Areia grossa: 2,00 4,80 mm Areia média: 0,42 2,00 mm Areia fina: 0,05 0,42 mm 2.2. Usos e características requeridas: Para concreto: grãos grandes e angulosos; areia grossa; limpa; e quando esfregada na mão deve ser sonora e não sujar; Para alvenaria: Areia grossa: assentamento de pedras e mistura para concreto. Areia média: emboço (1ª camada de revestimento mais grossa) e assentamento de tijolos. Areia fina: reboco (massa fina ou revestimento de acabamento).

5 . BRITAS E PEDREGULHOS (OU SEIXOS) Britas: trituração de pedras calcárias ou graníticas Pedregulhos: são naturais.1. Classificação (qto à dimensão): Pó-de-brita: <5 mm Brita fina: 5 15 mm Brita média: 15 0 mm Brita grossa: 0 50 mm = brita zero = brita um = brita dois = brita três.2. Usos Concreto Outros

6 1. CONCEITO É o produto resultante da associação íntima, através da pega, entre um material aglomerante (cal e/ou cimento) e um agregado miúdo (areia e ou pedriscos) mais água. PEGA: fenômeno físico-químico pelo qual a pasta de cimento se solidifica. A dureza aumenta com o tempo. 2. APLICAÇÕES: Unir Revestimento Impermeabilizante. TRAÇO DA ARGAMASSA Relação em volume entre os elementos que compõem a argamassa (aglomerante e agregado miúdo). Tipos: Simples: 1:x (cimento : areia). Composto: 1 : x : y (cimento : cal : areia)

7 4. CLASSIFICAÇÃO.1. Quanto ao número de aglomerante Simples: presença de apenas um aglomerante. Ex: 1:. Composta: presença de dois aglomerantes. Ex: 1:2:8..2. Quanto à pega Aérea Hidráulica Mista.. Quanto à quantidade de areia Gorda 1:1, 1:2, 1: Magra 1:8 (cimento : areia); 1:4 (cal : areia) 5. CÁLCULO EMPÍRICO Exemplo: Calcular a quantidade de material (cimento e areia média) para preparar 1 m de argamassa no traço 1:4. RESOLUÇÃO: a) Mistura do material seco: Traço 1:4 => 1 m de cimento + 4 m de areia = 5 m de material seco. b) Determinação do volume de água: Volume de água 15% => 5 m de material seco x 0,15 = 0,750 m de água. c) Volume real pós-contração de volume: Após a mistura do material com a água, verifica-se uma retração na massa, fazendo com que o volume inicial (aparente) se reduza após a contração para um volume final (volume real).

8 Tabela. Volumes reais de materiais pós-contração. Material m real/m aparente Cal 0,50 Cimento 0,47 Areia grossa 0,60 Areia média 0,55 Areia fina 0,50 Cal em pasta 1,00 Brita 0,50 Pela tabela, tem-se que: Cimento: 1m x 0,470 = 0,470 m Areia média: 4m x 0,550 = 2,200 m Água: 0,750 = 0,750 m d) Material/m de argamassa: 1 m (cimento) + 4 m (areia) =,420 m x y = 1,000 m - Cimento:,420 m de argamassa 1m x1, 000m x =, 420m = 0, 292m de cimento densidade do cimento = 1420kg/m => 0,292m x 1420 kg/m 415 kg de cimento => 415 kg/50kg (saco) = 8, 9 sacos de 50 kg (incluindo as perdas) - Areia: 4m x1, 000m y =, 420m = 1170, m de areia seca (acrescentar 20-25% de umidade) y = 1,170 x 1,25 = 1,46 m de areia Considerando 5 % de perdas => 1,46 x 1,05 = 1,5 m de areia média

9 TABELA CONSULTIVA USOS E INDICAÇÕES DAS ARGAMASSAS Alvenaria de pedra em fundações e baldrame Cimento areia grossa 1:6 Cimento cal areia grossa 1:2:12 Muro de arrimo, alvenaria de pedra Cimento areia grossa 1:5 Alvenaria de tijolos Cimento areia ou saibro Cimento areia + 10% de terra vermelha peneirada Cimento saibro areia Cal areia Cimento cal - areia Emboços Cimento areia ou saibro Cimento areia + 10% de terra vermelha peneirada Cimento saibro areia Cal areia Cimento cal - areia Rebocos Cimento cal areia fina peneirada Cal areia fina Cal areia fina com 50kg de cimento/m (externo) 1:8 1:8 1: 1:4 1:2:8 1:2:10 1:8 1:8 1::5 1:4 1:2:8 1:2:10 1:2:5 1:1 1:2 Chapisco em superfície lisa Cimento - areia 1:6 Assentamento: tacos, ladrilhos, mármore e pedras em placas Cimento - areia 1:4 1:5 Assentamento de azulejos Cimento cal areia Cimento cal - saibro 1:2:8 1::5 Revestimento de piso cimentado Cimento - areia 1: 1:4

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em:

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em: Materiais de Construção Araujo, Rodrigues & Freitas 18 3. Aglomerantes 1. Definição e Uso Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

A R G A M A S S A S E CONCRETOS

A R G A M A S S A S E CONCRETOS A R G A M A S S A S E CONCRETOS S U M Á R I O ARGAMASSAS GENERALIDADES TERMINOLOGIA DAS ARGAMASSAS FINALIDADES e PROPRIEDADES PRINCIPAIS TRAÇOS OU DOSAGEM E SUAS APLICAÇÕES CÁLCULO DE TRAÇOS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A AGLOMERANTES MINERAIS Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini e

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

Reparação, Fixação e Criação n a p a l m a d a s u a m ã o... aconselha...

Reparação, Fixação e Criação n a p a l m a d a s u a m ã o... aconselha... as.com intinh www.t Gama Reparação, Fixação e Criação n a p a l m a d a s u a m ã o... o aconselha... Reparações e Fixações em paredes e tectos Interior Indicado para enchimento e/ou pequenas reparações

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento Efer Construtores Associados COMPONENTES: Eng o Josemar Araújo Eng o Ronaldo Castellar

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - TEORIA

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - TEORIA Notas de aulas 2006 (sujeita a revisão) Colaboração dos Monitores Renan e Douglas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - TEORIA (APOSTILA N O 2) Notas de aulas 2007 MATERIAIS DE

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso 1 Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso Carolina de Lima Accorsi carolaccorsi@hotmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE Cargo: Pedreiro CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções Para fazer a prova você usará este caderno e um cartão-resposta. Verifique, no caderno de provas, se faltam folhas,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IFRS LABORATÓRIO DE ESTRUTURAS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LEMCC TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS COMPONENTES DO

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Disciplina Materiais de Construção Civil A Agregados para concreto Profa. Lia Lorena Pimentel 1 1. AGREGADOS PARA ARGAMASSAS E CONCRETOS Uma vez que cerca

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS.

APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS. APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS. Marcio JOPPERT, Engenheiro Civil, MSC, Sócio Diretor da Ópera Prima Arquitetura e Restauro Ltda, marjopp@operaprima.com.br Vicente Custódio

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

GUIA DAS ARGAMASSAS NAS CONSTRUÇÕES Construindo para sempre com Cal Hidratada

GUIA DAS ARGAMASSAS NAS CONSTRUÇÕES Construindo para sempre com Cal Hidratada GUIA DAS ARGAMASSAS NAS CONSTRUÇÕES Construindo para sempre com Cal Hidratada José Epitácio Passos Guimarães Rubens Donizeti Gomes Mauro Adamo Seabra Associação Brasileira dos Produtores de Cal Fundada

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE COMPOSIÇÃO ANALÍLITICA DE PREÇOS UNITÁRIOS CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE SÃO MIGUEL - 69/13,8 kv - 5,0/6,25 MVA DESCRIÇÃO

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Dissertação de Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil Dissertação de Mestrado TIPIFICAÇÃO DE PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS Autora: Beatriz Bernardes Dias Ferreira

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA Helena Fernanda Graf; Sergio Fernando Tavares; Aloísio Leoni Schmid Laboratório de Ambiente Construído

Leia mais

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha Lembrando que receitas sempre evoluem com nosso toque pessoal baseado em experimentações e pesquisas, então:

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Uso da Cal 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ARGAMASSAS Conceito A argamassa é uma mistura de aglomerantes, agregados e água, dotada de capacidade de endurecimento e aderência, cuja dosagem varia de acordo com a utilização. Tempo de Pega É o tempo

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal Materiais de Construção Civil Aula 06 Aglomerantes e Cal Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Definição Aglomerante é o material ativo, ligante, cuja principal função é formar uma pasta que promove a união

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil Professora Moema Castro, MSc. TECNOLOGIA DO CONCRETO AULA 02 CAPITULO 2 NEVILLE,

Leia mais

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM FACHADAS COM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS. ESTUDO DE CASO EM EDIFÍCIOS EM FLORIANÓPOLIS

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM FACHADAS COM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS. ESTUDO DE CASO EM EDIFÍCIOS EM FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO ARMANDO FELIPE DA SILVA MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM FACHADAS COM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS.

Leia mais

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 3 Argamassas de revestimento: cimento Sumário Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais

SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 1 DEFINIÇÃO... 2 FABRICAÇÃO DO CIMENTO... 3

SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 1 DEFINIÇÃO... 2 FABRICAÇÃO DO CIMENTO... 3 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 1 DEFINIÇÃO... 2 FABRICAÇÃO DO CIMENTO... 3 A)- DOSAGEM, SECAGEM E HOMOGENEIZAÇÃO DAS MATÉRIAS-PRIMAS... 4 B)- CLINQUERIZAÇÃO... 5 C)- MINERALOGIA DO CLÍNQUER... 6 D)-

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00076/2015-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00076/2015-000 SRP 26243 - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE 153103 - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00076/2015-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - Obras Civis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CT CENTRO DE TECNOLOGIA QUÍMICA INDUSTRIAL I

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CT CENTRO DE TECNOLOGIA QUÍMICA INDUSTRIAL I UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CT CENTRO DE TECNOLOGIA QUÍMICA INDUSTRIAL I PROCESSOS DE FABRICAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE CAL E CIMENTO PETRUCCIO TENÓRIO MEDEIROS - 10321040 1 SUMÁRIO 01- CAL...

Leia mais

Quantidades Típicas de Insumos

Quantidades Típicas de Insumos Quantidades Típicas de Insumos - Planilhas do CUB - Materiais - Mão de obra Lote Básico Projeto Padrão HS por m de construção Und. B A B A Mão de obra - Serventes - Pedreiro - Leis sociais hs hs,,, 0,,,0

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR AREIA ARTIFICIAL EM ARGAMASSA DE CIMENTO CAL E AREIA PARA ASSENTAMENTO

AVALIAÇÃO DA SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR AREIA ARTIFICIAL EM ARGAMASSA DE CIMENTO CAL E AREIA PARA ASSENTAMENTO i UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DETEC DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA EGC ENGENHARIA CIVIL Turíbio Serpa Holsbach AVALIAÇÃO DA SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR AREIA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O TECNOLOGIA DA ARGAMASSA Conceitos Sistema de Revestimento de Argamassa Desempenho do sistema Materiais Constituintes Dosagem Escolha do Sistema de Revestimento

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUC, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTR SERVIÇOS MELHORIAS DA INFRAESTRUTURA DO CAMPUS IFRN/SÃO PAULO DO POTENGI DATA: 25/07/24 S/BDI C/ BDI C/BDI

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 15 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Gesso natural Os termos gipsita, gipso e gesso são usados frequentemente como sinônimos. Os termos gipsita e gipso podem ser usados para denominar o mineral em estado natural,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS

INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS INFLUÊNCIA DOS FINOS E DA CAL NAS PROPRIEDADES DAS ARGAMASSAS Narciso Gonçalves da Silva (1); Vicente Coney Campiteli (2) (1) Prof. Msc. da Universidade Tecnológica Federal do Paraná e-mail: ngsilva@cefetpr.br

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

CIMENTOS COLA ADHERE

CIMENTOS COLA ADHERE CIMENTOS COLA ADHERE Cimentos Cola Adhere. Introdução 03 A utilização de revestimentos cerâmicos como elemento decorativo nas paredes e pavimentos remonta à antiguidade, constituindo uma parte integrante

Leia mais

APOSTILA DE CONSTRUÇÕES E INSTALAÇÕES RURAIS FER 0027

APOSTILA DE CONSTRUÇÕES E INSTALAÇÕES RURAIS FER 0027 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE, ENGENHARIA RURAL E SOLOS APOSTILA DE CONSTRUÇÕES E INSTALAÇÕES RURAIS

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 11 1 REVESTIMENTOS VERTICAIS O que

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Aplicação Campos de Aplicação - Impermeabilização de:. lajes de cobertura;. terraços;. calhas de concreto;.

Leia mais

Gino Ricci José Tadeu Balbo

Gino Ricci José Tadeu Balbo Estudo de Resistências e Módulo de Elasticidade do Concreto Compactado com Rolo com Agregados Reciclados de Construção e de Demolição para Pavimentação Gino Ricci José Tadeu Balbo Objetivo Analisar laboratorialmente

Leia mais

SOBRE A TABELA DE CUSTOS:

SOBRE A TABELA DE CUSTOS: SOBRE A TABELA DE CUSTOS: As composições de custos unitários de serviços aqui apresentadas integram o banco de dados de composições genéricas da PINI resumido no livro TCPO14 - Tabelas de Composições de

Leia mais

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico PRÉ MISTURADOS À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico Conteúdo Definição Usos Características da técnica Materiais: ligantes asfálticos/agregados Tipos de PMF s Composição da mistura Faixas granulométricas:

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca glass block argamassa para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma muro lateral, calçadas e cercas E. M. E. F. Marcelino José Bento Champagnat GENERALIDADES Execução por empreitada global O presente

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%.

NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. NOVOLAC AR 170 Revestimento de alto desempenho Novolac, resistente a ácido sulfúrico 98%. Descrição do Produto NOVOLAC AR 170 é um sistema novolac, 100% sólidos, com resistência a ácido sulfúrico 98% e

Leia mais

1 ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

1 ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 1 ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 4.1 APRESENTAÇÃO O presente MEMORIAL DESCRITIVO tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS. Professora: Mayara Custódio

DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS. Professora: Mayara Custódio DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Professora: Mayara Custódio TRAÇO DE CONCRETO TRAÇO: Expressão das quantidades relativas dos componentes do concreto. Agregados miúdos Agregados graúdos Água

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Definição: é o material resultante da mistura, em determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo - geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita

Leia mais

OBRA: REFORMA E RECUPERAÇÃO DE PISCINA ENTERRADA - IEG

OBRA: REFORMA E RECUPERAÇÃO DE PISCINA ENTERRADA - IEG OBRA: REFORMA E RECUPERAÇÃO DE PISCINA ENTERRADA - IEG DATA: Abril/2011. LOCALIZAÇÃO : Av. Anhanguera Goiânia/GO. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA: Impercia Atacadista LTDA. EXECUÇÃO: - ALDEIA ENGENHARIA LTDA. Situação:

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Capítulo 26. Argamassas

Capítulo 26. Argamassas Capítulo 26 Argamassas Helena Carasek Universidade Federal de Goiás Definição Argamassas são materiais de construção, com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos a partir da mistura homogênea

Leia mais

II SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFPE CAMPUS CARUARU 17 a 21 de outubro de 2011 Caruaru Pernambuco Brasil

II SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFPE CAMPUS CARUARU 17 a 21 de outubro de 2011 Caruaru Pernambuco Brasil II SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFPE CAMPUS CARUARU 17 a 21 de outubro de 2011 Caruaru Pernambuco Brasil DESENVOLVIMENTO DE ARGAMASSAS PARA REVESTIMENTO UTILIZANDO RESÍDUOS DE CERÂMICA VERMELHA

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo Prof. Marco Pádua Calculo das quantidades de materiais necessários para executar um cômodo considerando uma estrutura modular de 5.00 X 5.00 m, segundo as dimensões abaixo

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS CERÂMICOS A fabricação de produtos cerâmicos compreende as fases de: exploração das jazidas tratamento da matéria prima moldagem secagem queima Exploração

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca monta block Pág. 2 utilização

Leia mais

Agregados para Construção Civil

Agregados para Construção Civil Agregados para Construção Civil Agregados são fragmentos de rochas, popularmente denominados pedras e areias. É um material granular, sem forma nem volume definidos, geralmente inerte, com dimensões e

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais