Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O"

Transcrição

1 Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O

2 TECNOLOGIA DA ARGAMASSA Conceitos Sistema de Revestimento de Argamassa Desempenho do sistema Materiais Constituintes Dosagem Escolha do Sistema de Revestimento Patologias de Revestimento Normalização

3 Materiais Constituintes Aglomerante : Cimento Agregado : Areia Água Adições : Cal Aditivos

4 Função dos materiais Aglomerante : aglutinação dos agregados pega propriedades resistentes

5 Função dos materiais Agregado miúdo esqueleto inerte redução de custo controle de retração propriedades resistentes

6 Função dos materiais Água de amassamento promover a reação de hidratação ou do endurecimento do aglomerante homogenização da mistura trabalhabilidade

7 Função dos materiais Adição material inorgânico, finamente dividido, usado para modificar propriedades das argamassas e em teor acima de 5%

8 Função dos materiais Aditivo produto adicionado em pequena quantidade, para modificar propriedades das argamassas e expresso em porcentagem do aglomerante

9 Cimento Portland calcário + argila clínquer ( 1350 o C) clínquer + gesso + adições cimento portland

10 CRISTALIZAÇÃO E HIDRATAÇÃO DO CIMENTO

11 Cimento Portland NOMENCLATURA CP XXX RR Cimento Portland Composição Adições Resistência compressão aos 28 dias (MPa) Ex: CP II E 32

12 Cimento Portland Cimento Portland Comum Sigla CPI CPI-S CPII-E Composto CPII-Z CPII-F Classe Clínquer Escória Pozolana Carbonato + Gesso

13 Cimento Portland Cimento Portland Sigla Classe Clínquer + Gesso Escória Pozolana Carbonato Alto forno CPIII Pozolânico CPIV Alta resistência inicial CPV- ARI

14 Cimento Portland Amostras Intercâmbio 2000 CP I-S 32 CP II- E 32 CP II- E 40 CP II- F 32 CP II- Z 32 CP III 32 CP III 40 CP IV 32 CP V ARI CP V ARI- RS Área Específica (m 2.kg -1 ) Água Consistência Normal (%) 27,5 27,3 29,5 26,5 28,5 26,9 29,2 32,9 29,3 29,2 Tempo de pega (min) Início Fim

15 Cimento Portland - Ação aglomerante (aglomerante hidráulico) - Resistência Mecânica - Retenção de água Cimento Potencial de retração Aderência à base

16 Cimento Portland Recomendações praticas Todos os tipos cimentos são apropriados para argamassa Desde que dosado adequadamente Dosagem leva em conta as características próprias de cada tipo de cimento receita de bolo genérico não serve para condições atuais

17 Cal Hidratada Cal virgem CaCO 3 CaO + CO 2 Cal hidratada CaO + H 2 O = Ca(OH) na argamassa endurece com o ar Ca(OH) 2 + CO 2 = CaCO 3 + H 2 O

18 Cal hidratada Resíduo insolúvel com HCl Resíduo nas peneira 600 µm e 75 µm Densidade de massa aparente (Massa unitária)

19 Cal hidratada Em argamassas mistas - Melhora retenção de água - Contribui para a hidratação do cimento - Boa capacidade de absorver deformações - Melhora trabalhabilidade Cal Trabalhabilidade Capacidade de absorver deformações

20 Cal hidratada Recomendações praticas Verificar a qualidade de cal Teste de massa unitária, quanto menor, mais fino e mais puro é a cal. Teste de resíduo insolúvel para verificação de adições

21 Agregados para argamassas Areia - Origem: rios, cava, britagem - Granulometria influencia na dosagem e quantidade de água na mistura - A curva granulométrica deve ser contínua Lembrando: o que é curva granulométrica?

22 AGREGADOS CURVA GRANULOMÉTRICA

23 AGREGADOS ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE UMA AREIA Peneira ABNT (mm) Massa (g) Porcentagem retida Acumulada GLOBAL NORMAL INTERM. 6, , , , , , , <0, TOTAL 1000 * 281 D máx. = 4,8mm MF = 2,81 1,2

24 Agregados para argamassas Não existe uma especificação Dimensão máxima característica (D) Assentamento < 2.4mm Chapisco < 4,8mm Emboço < 2,4 mm Reboco < 1,2 mm Colante < 0,6 mm

25 Agregados para argamassas Contaminantes deletérios Material pulverulento argiloso < 3% Torrões de argila < 1,5 % Matéria orgânica (<300ppm) Formato dos grãos o mais esférico possível Distribuição granulométrica contínua

26 Agregados para argamassas Massa unitária- seco e solto - (NBR 7251) Umidade Inchamento (NBR 6467) Caracterização para cálculo c de consumo para traço o em volume

27 Agregados para argamassas Propriedade Quanto menor o módulo de finura Quanto mais descontínua a granulometria Quanto maior o teor de grãos argilosos Trabalhabilidade Melhor Pior Pior Retenção de água Melhor Melhor Retração na secagem Aumenta Aumenta Porosidade Aumenta Aderência Pior Pior Melhor Resistência mecânica Pior Impermeabilidade Pior

28 Água - Confere continuidade à mistura, permitindo a reação entre componentes - É o meio que confere trabalhabilidade desejada - Deve ser utilizada água potável, isenta de contaminação

29 Aditivos -Compostos adicionados em pequenas quantidades para melhorar uma ou mais propriedades no estado fresco ou endurecido.

30 Aditivos Redutores de água (plastificantes) Retentores de água Incorporadores de ar Retardadores de pega Polímeros São utilizados para melhorar a trabalhabilidade sem alterar a quantidade de água Reduzem a evaporação e exsudação de água da argamassa fresca e garantem retenção de água em bases absorventes Formam micro bolhas de ar estáveis, aumentam a trabalhabilidade e a permeabilidade Retardam a hidratação do cimento, aumentando o tempo de utilização Proporcionam aderência química ao substrato

31 TRAÇO Volume aparente p = plastificante q = agregado miúdo a/c = relação água/cimento Massa M V traço kg dm 3 M/M V / V cimento cal (p) ,5 1,0 areia (q) ,2 6 água (a) ,8 2

32 MATERIAIS CONSTITUINTES Faixas de densidade de massa (kg/dm 3 ) Aparente Específica Cimento ~ 1,15 ~ 3,1 Cal hidratada 0,5 a 0,8 ~ 2,6 Areia úmida 1,1 a 1,25 ~ 2,6 Areia seca 1,35 a 1,65 ~ 2,6

33 CONSUMO DE MATERIAIS / M 3 Consumo prático Consumo teórico γ C= 1 + p+ q+ a/ c C = 1 γ c 1000 p q + + γ γ p q + a / c C = consumo de cimento/m 3 g = densidade de massa da argamassa fresca g x = massa específica dos constituintes

34 Rendimento Verificar quanto de material é necessário kg/m 2 /cm (material/area/espessura do revestimento) A partir da densidade no estado fresco da argamassa

35 Redução na APO 01 de Cimento 1 02 de Cal 2 08 partes de Areia 8 A Argamassa Convencional apresenta redução de volume com índice que varia entre 30% e 50%. Água Potável 1,0 m 3 + = 0,7 m 3 a 0,5 m 3 Volume - Mistura seca Volume - Mistura úmida

36 Redução na AI A Argamassa Industrializada não apresenta redução de volume. Água Potável 1,0 m kg de AI + = 1,0 m 3 Volume - Mistura seca Volume - Mistura úmida

37 Redução:APO Teor de inchamento da areia (25 a 30 %). Falta de controle granulométrico da areia. Incorporação de ar ( 9%).

38 Redução:AI Areia isenta de umidade, portanto o teor de inchamento é ZERO. Controle granulométrico da areia, diminuindo os vazios entre os grãos. Incorporação de ar (»20%) => aditivos na composição que melhoram o desempenho da argamassa.

39 Classificação das argamassas NBR Requisitos Resistência à compressão aos 28 dias (MPa) (NBR /95) Capacidade de retenção de água (%) (NBR /95) Teor de ar incorporado (%) (NBR /95) Limites 0,1 e <4 4 e 8 >8 80 e 90 >90 <8 8 e 18 >18 Tipo de argamassa I II III Normal Alta a b c

40 Argamassa colante Tempo em aberto- É o tempo disponível para executar o assentamento da cerâmica, antes de ocorrer uma secagem superficial da argamassa Tempo de ajuste- É o período no qual após o assentamento ainda é possível pequenos ajustes Tempo de pote- Vida útil da argamassa, após a mistura com a água Consistência- Liga do produto - ponto ideal para aplicação Tempo de maturação- Corresponde ao intervalo de tempo entre o fim da preparação da argamassa fresca e o início da aplicação.

41 Argamassa colante Propriedades Método de Ensaio Unidade Argamassa Adesiva Industrializada I II III III-E Tempo em aberto NBR Min > 15 > 20 > 20 > 30 Resistência de aderência a 28 dias em: NBR *cura normal MPa > 0,5 > 0,5 > 1,0 > 1,0 *cura submersa em água MPa > 0,5 > 0,5 > 1,0 > 1,0 *cura em estufa MPa > 0,5 > 1,0 > 1,0 Deslizamento NBR mm < 0,5 < 0,5 < 0,5 < 0,5 Fonte: NBR

42 Tipos: Argamassa de rejuntamento Rejunte comum de cimento Rejunte de cimento e areia Rejunte de cimento e areia + aditivos Rejunte à base de resinas Epoxi ou Furânica

43 Argamassa de rejuntamento Estabilidade da cor Limpabilidade Baixa Absorção d água Boa trabalhabilidade Boa Aderência à placa cerâmica Impermeável Resistir aos agentes de degradação específicos do ambiente

44 Selantes Acrílico Poliuretânico Silicone

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas de cimento, cal e areia destinadas ao uso em alvenarias e revestimentos Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: NBR 7200:1998 NBR 13529:2013

Leia mais

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Sumário. 1 Concreto como um Material Estrutural 1. 2 Cimento 8

Sumário. 1 Concreto como um Material Estrutural 1. 2 Cimento 8 Sumário 1 Concreto como um Material Estrutural 1 O que é o concreto? 2 O bom concreto 3 Materiais compósitos 4 Papel das interfaces 5 Forma de abordagem do estudo do concreto 6 2 Cimento 8 Produção do

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO O concreto, de emprego usual nas estruturas, são constituídos de quatro materiais: 1. Cimento Portland 2. Água 3. Agregado fino 4. Agregado graúdo O cimento e a água

Leia mais

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades É um aglomerante hidráulico obtido pela moagem do clínquer Portland com adições de gesso e, eventualmente, escória básica de alto-forno, pozolana

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA continuação

AULA 6 ARGAMASSA continuação AULA 6 ARGAMASSA continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS - PROPRIEDADES

Leia mais

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º Disciplina: Materiais de Construção Civil I Ano letivo: Carga horária: 80 h/a Período: 2º Pré-requisito: ------ EMENTA Origem dos materiais utilizados na construção civil, suas propriedades físico-químicas,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Concreto translúcido M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Concreto Translúcido Uma empresa húngara desenvolveu um tipo de concreto que, misturado a uma pequena porcentagem de fibras

Leia mais

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016

Argamassa TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA. Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES ARGAMASSA Elizeth Neves Cardoso Soares 2016 Definições Pastas Resulta das reações químicas do cimento com a água. Quando há água em excesso, denomina-se nata. Argamassa São misturas

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 DEFINIÇÃO. Mistura de aglomerantes e agregados com água, possuindo capacidade de endurecimento (NBR 7200).. São materiais de construção constituídos por uma mistura

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015 AULA 6 ARGAMASSA Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS DEFINIÇÃO Materiais

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aula 3: Argamassa Prof. Eduardo Cabral Definição e Histórico Piso de 180m 2 no sul da Galiléia entre 7.000a.C. e 9.000a.C. Laje de 25cm de espessura

Leia mais

Curso Superior em Tecnologia em Produção da Construção Civil. Materiais de Construção Civil. Prof. Marcos Alyssandro. Natal, 2013

Curso Superior em Tecnologia em Produção da Construção Civil. Materiais de Construção Civil. Prof. Marcos Alyssandro. Natal, 2013 Curso Superior em Tecnologia em Produção da Construção Civil Materiais de Construção Civil Prof. Marcos Alyssandro Natal, 2013 Conteúdos 1) Generalidades sobre materiais de construção; 2) Introdução à

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO SILÍNDRICO...45,00 ALUMÍNIO...33,10 TITÂNIO...1,00 FERRO...2,00 CÁLCIO...0,10 MAGNÉSIO...2,20 SÓDIO...0,70 POTÁSSIO...11,20 PERDA AO FOGO... 5,30 TOTAL...100,60 NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

Propriedades da Argamassa com Areia Artificial para Revestimento de Alvenaria.

Propriedades da Argamassa com Areia Artificial para Revestimento de Alvenaria. Propriedades da Argamassa com Areia Artificial para Revestimento de Alvenaria. Paulo H. Ishikawa FATEC-SP Brasil paulo.ishikawa@uol.com.br Luiz Pereira-de-Oliveira C_MADE/UBI Portugal luiz.oliveira@ubi.pt

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES TIPOS DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

ANÁLISE DE DIFERENTES TIPOS DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO RESUMO ANÁLISE DE DIFERENTES TIPOS DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Gustavo Spillere Bif (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)gustavobif@hotmail.com (2)fep@unesc.net

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto VEDAFIX é um adesivo e selador de base acrílica, compatível com cimento e cal. Tem ação adesiva, o que aglutina as partículas do cimento e dos agregados, proporcionando melhor trabalhabilidade

Leia mais

BIANCO. Misturar antes de usar. Adicionar BIANCO à água de amassamento na diluição indicada

BIANCO. Misturar antes de usar. Adicionar BIANCO à água de amassamento na diluição indicada Produto BIANCO é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade, aumenta a impermeabilidade e evita

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais ASTM C125 Aditivos/adições (Admixtures): Qualquer

Leia mais

Tecnologia de aditivos e adições para conreto

Tecnologia de aditivos e adições para conreto santos.geniclesio@br.sika.com Tecnologia de Aditivos e adições para concreto Parte 03 Eng Geniclesio Santos Coordenador Técnico Salvador, 15 de setembro de 2014 1.1. Programa Parte 1 1.1. Apresentação

Leia mais

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: Função da relação

Leia mais

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil Professora Moema Castro, MSc. TECNOLOGIA DO CONCRETO AULA 02 CAPITULO 2 NEVILLE,

Leia mais

aditivo para rejuntamento

aditivo para rejuntamento 01 Descrição: votomassa deve ser misturado ao votomassa flexível ou similar. Usado em substituição à água na mistura, o produto melhora a impermeabilidade e a resistência do, proporcionando um rejunte

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Referências para essa aula: (BAUER, 2011)

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Materiais de Construção II Propriedades Mecânicas do Concreto em seu estado ENDURECIDO Professora: Mayara Moraes Propriedades no estado endurecido

Leia mais

Dosagem Experimental do Concreto - Método ABCP/ACI

Dosagem Experimental do Concreto - Método ABCP/ACI UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA ICET - Instituto de Ciências de Exatas e de Tecnologias Profª. Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Dosagem Experimental do Concreto - Método ABCP/ACI Página 1

Leia mais

CASE: Concreto com Sílica Ativa e Aditiva Polifuncional Estação de Tratamento de Esgoto, Palmas-TO.

CASE: Concreto com Sílica Ativa e Aditiva Polifuncional Estação de Tratamento de Esgoto, Palmas-TO. Obra: ETE Estação de Tratamento de Esgoto de Palmas-TO Data: Março /2011. Localização: Vila União Palmas-TO. Especificação Técnica: Impercia Palmas Atacadista Fiscalização: SANEATINS Companhia de Saneamento

Leia mais

MÓDULO DE ELASTICIDADE DINÂMICO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

MÓDULO DE ELASTICIDADE DINÂMICO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO MÓDULO DE ELASTICIDADE DINÂMICO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Narciso Gonçalves da Silva (UTFPR) ngsilva@cefetpr.br Vicente Coney Campiteli (UEPG) vicente@uepg.br Resumo A qualidade e a durabilidade de

Leia mais

PROPRIEDADES DO. Trabalhabilidade e Consistência CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO. Trabalhabilidade e Consistência CONCRETO FRESCO Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil Professora Moema Castro, MSc. CONCRETO FRESCO CONCRETO ENDURECIDO TECNOLOGIA

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES DEFINIÇÃO São materiais ligantes, em geral pulverulentos, que promovem a união entre os grãos de agregados. Estes materiais sofrem transformações químicas, por isso

Leia mais

Avaliação das propriedades das argamassas de revestimento produzidas com resíduos da construção e de demolição como agregado

Avaliação das propriedades das argamassas de revestimento produzidas com resíduos da construção e de demolição como agregado Artigos Avaliação das propriedades das argamassas de revestimento produzidas com resíduos da construção e de demolição como agregado Lucinei Tavares de Assunção Engenheira Civil Faculdade Ideal (FACI).

Leia mais

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula.

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula. Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II Curso: ENGENHARIA CIVIL Código Créditos Carga horária Período Co-requsito Pré-requisito ENG 2301 6 90 6º - ENG 1071 EMENTA Argamassa: Conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FTC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 01

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FTC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 01 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIA - FTC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 01 APOSTILA DE EXERCÍCIO RESOLVIDO ESTUDO DIRIGIDO PROF: CLÁUDIO GOMES DO NASCIMENTO Lista de

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001 1. Descrição: A Argamassa é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos de vidro em sistemas de vedação

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 GRUPO ARGAMASSAS LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam a produção de argamassas, que serão incorporadas ao

Leia mais

CONFECÇAO DE PAVER PARA CALÇADAS E JARDINS COM CIMENTO PORTLAND E CAL HIDRATADA. Solange, Cristina da Costa; Costa, Juzélia Santos da Drª.

CONFECÇAO DE PAVER PARA CALÇADAS E JARDINS COM CIMENTO PORTLAND E CAL HIDRATADA. Solange, Cristina da Costa; Costa, Juzélia Santos da Drª. CONFECÇAO DE PAVER PARA CALÇADAS E JARDINS COM CIMENTO PORTLAND E CAL HIDRATADA Solange, Cristina da Costa; Costa, Juzélia Santos da Drª. (1)Aluna do Curso Superior em Tecnologia em Controle de Obras,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

REVESTIMENTO EM ARGAMASSAS

REVESTIMENTO EM ARGAMASSAS REVESTIMENTOS Ministério EM ARGAMASSAS da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) REVESTIMENTO EM ARGAMASSAS Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCRETOS ESPECIAIS PROF. WELLINGTON MAZER

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCRETOS ESPECIAIS PROF. WELLINGTON MAZER PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCRETOS ESPECIAIS PROF. WELLINGTON MAZER INSTRUÇÕES INICIAIS FORMA DE AVALIAÇÃO 2 Provas teoricas Dia 17/12/2013 Dia 18/03/2014 Praticas de Laboratório Nota

Leia mais

Aditivos para concreto em Pisos industriais. Texto corrido Tabulação 1 o Tabulação 2

Aditivos para concreto em Pisos industriais. Texto corrido Tabulação 1 o Tabulação 2 Aditivos para concreto em Pisos industriais Texto corrido Tabulação 1 o Tabulação 2 Rafael Bitencourt Arquiteto e Urbanista, Esp. Coordenador Técnico Regional Sika Brasil Especialista em Patologia nas

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR CAMPUS JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL. Disciplina MATERIAIS, PROCESSOS E CONSTRUÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR CAMPUS JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL. Disciplina MATERIAIS, PROCESSOS E CONSTRUÇÃO Disciplina MATERIAIS, PROCESSOS E CONSTRUÇÃO Professora Esp. EDILENE DA SILVA PEREIRA Ji-Paraná/RO, 02 de junho de 2016. 1 Disciplina MATERIAIS, PROCESSOS E CONSTRUÇÃO Professora Esp. EDILENE DA SILVA

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONCRETO COM SUBSTITUIÇÃO DO AGREGADO MIÚDO CONVENCIONAL POR AGREGADO MIÚDO RECICLADO

COMPORTAMENTO DO CONCRETO COM SUBSTITUIÇÃO DO AGREGADO MIÚDO CONVENCIONAL POR AGREGADO MIÚDO RECICLADO COMPORTAMENTO DO CONCRETO COM SUBSTITUIÇÃO DO AGREGADO MIÚDO CONVENCIONAL POR AGREGADO MIÚDO RECICLADO Matheus Lucas Duarte (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo Sul

Leia mais

APLICAÇÕES DO CIMENTO

APLICAÇÕES DO CIMENTO UNIVERSIDADE DO ALGARVE APLICAÇÕES DO CIMENTO Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos, S.A. Definição de Cimento Material inorgânico finamente moído que, quando misturado com água, forma uma pasta

Leia mais

TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS (Parte II)

TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS (Parte II) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Construção Civil TC 034 Materiais de Construção III TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS (Parte II) Aulas: Prof a. Marienne R.M.Maron da Costa colaboração Prof.Eduardo

Leia mais

Materiaisde Construção. UCP Engenharia Civil

Materiaisde Construção. UCP Engenharia Civil Materiaisde Construção Parte II CimentoPortland UCP Engenharia Civil II Clinker (silicatos hidráulicos de cálcio)+ adições Clinker = produto granular resultado da calcinação de cal (CaO), sílica(sio2),

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor Agregados Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 255/ 266 / 15

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 255/ 266 / 15 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Argamassa Brasil Pedido n º 255/14 Endereço: R9 QD 15 Cidade: Maricá CEP: 24900-000 DADOS DO MATERIAL ENSAIADO

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

CONTRAPISO COM ENTULHO DE OBRA: UMA SOLUÇÃO VIÁVEL?

CONTRAPISO COM ENTULHO DE OBRA: UMA SOLUÇÃO VIÁVEL? CONTRAPISO COM ENTULHO DE OBRA: UMA SOLUÇÃO VIÁVEL? TURMINA, Rogério Fabiano (1); BARROS, Mercia M. S. B. (2) (1) Aluno de graduação da EPUSP e pesquisador do Departamento de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND Adição material inorgânico, com finura à do cimento, adicionado ao betão o na amassadura para melhorar certas propriedades ou para adquirir propriedades especiais Tipos de adições Podem substituir parcialmente

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS

ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS Julia Thais de Oliveira Cardoso Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.toc@puccamp.edu.br Nádia Cazarim

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS II PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA

CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS II PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA AS FISSURAS NOS REVESTIMENTOS RESPONDEM EM MÉDIA POR 15% DOS CHAMADOS PARA ATENDIMENTO PÓS-OBRA DENTRO DO PRAZO DE GARANTIA ORIGEM E INCIDÊNCIA DAS MANIFESTAÇÕES

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO UTILIZANDO AREIA ARTIFICIAL, CAL E ADITIVO PLASTIFICANTE

UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO UTILIZANDO AREIA ARTIFICIAL, CAL E ADITIVO PLASTIFICANTE UMA CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO UTILIZANDO AREIA ARTIFICIAL, CAL E ADITIVO PLASTIFICANTE Márcio Montagner (1); Cristina E. Pozzobon (2); Luis Eduardo A. Modler (3) (1) Curso de

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS Ensaios NBR ISO/IEC 17025 Falcão Bauer Falcão Bauer Página: 1/5 CRL 0003 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/lnmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o n CRL003. RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 189 / 092 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 189 / 092 / 13 Folha 1/5 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 189/12 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo (http://www.tallestskyscrapers.info/images/tallest-buildings.jpg) MCC I - AGLOMERANTES MCC I Aglomerantes Aglomerante Aéreo Gesso de Construção O gesso de construção é produzido por calcinação do minério

Leia mais

ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1

ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1 ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1 Guilherme Amaral De Moraes 2, Marcos Tres 3, Jessamine Pedroso De Oliveira

Leia mais

Cimento Portland comum

Cimento Portland comum CDU: 666.942.2 JUL 1991 NBR 5732 Cimento Portland comum ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA NO DESEMPENHO DE ARGAMASSAS COM AREIA BRITADA

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA NO DESEMPENHO DE ARGAMASSAS COM AREIA BRITADA ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA NO DESEMPENHO DE ARGAMASSAS COM AREIA BRITADA Cleverson de Freitas (1); Marienne do Rocio de Mello Maron da Costa (2) (1) Departamento de Construção

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL AULA 12 : Traço de Concreto e suas propriedades PROFESSOR: DANILO FERNANDES DE MEDEIROS, M.SC danilofmedeiros@yahoo.com.br Bem como outros conhecimentos já abordados nas aulas

Leia mais

Rodovia Presidente Dutra, km 163 Nº total de Centro Rodoviário Vigário Geral

Rodovia Presidente Dutra, km 163 Nº total de Centro Rodoviário Vigário Geral DNIT MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA ESTRUTURA DE TRANSPORTES NORMA DNIT 050/2004 EM Pavimento rígido Cimento Portland Especificação de material Autor: Diretoria de Planejamento

Leia mais

Aglomerantes são produtos empregados na construção civil para fixar ou aglomerar materiais entre si.

Aglomerantes são produtos empregados na construção civil para fixar ou aglomerar materiais entre si. 1. Conceito Aglomerantes são produtos empregados na construção civil para fixar ou aglomerar materiais entre si. São pulverulentos. Endurecem por simples secagem e/ou em consequência de reações químicas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RESUMO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RESUMO 24 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Renato Marcon Pinto 1 Poliana Bellei 2 RESUMO O estudo procura analisar as propriedades no estado

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II Código da Disciplina: ECV 007 Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre de oferta da disciplina: 4 Faculdade responsável: ENGENHARIA CIVIL Programa

Leia mais

Tecnologia de concreto para pavimentos. Engº Rubens Curti

Tecnologia de concreto para pavimentos. Engº Rubens Curti Tecnologia de concreto para pavimentos Engº Rubens Curti PAVIMENTOS DE CONCRETO Definição Utilização Materiais Controle tecnológico Texturização Cura Perfilógrafo DEFINIÇÃO Concreto com consumo de cimento

Leia mais

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Boas práticas para compra e recebimento do concreto Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Cadeia Construtiva: Fluxo simplificado de informações Projetista o que comprar

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Materiais adotados nas camadas do pavimento anaelza00@hotmail.com Aula Passada Histórico Definições Esforços no Pavimento Seção Tipo 2

Leia mais

CAPÍTULO VIII USO DO AGREGADO RECICLADO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO

CAPÍTULO VIII USO DO AGREGADO RECICLADO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO CAPÍTULO VIII 262 USO DO AGREGADO RECICLADO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO USO DO AGREGADO RECICLADO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO Marcos Jorge Almeida Santana Alex Pires Carneiro Taís Santos Sampaio 263

Leia mais

cerâmica interna ficha técnica do produto

cerâmica interna ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas s. Excelente para o assentamento de revestimentos cerâmicos em ambientes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS PARA A PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS UTILIZANDO CINZA VOLANTE E RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS PARA A PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS UTILIZANDO CINZA VOLANTE E RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS PARA A PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS UTILIZANDO CINZA VOLANTE E RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL K. C. FERREIRA 1, S. G. e GONÇALVES 1, D.N.P CARDOSO 1, J. A. da S. SOUZA

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO PROPRIEDADES DO CONCRETO ENDURECIDO

TRABALHO ACADÊMICO PROPRIEDADES DO CONCRETO ENDURECIDO TC-031 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II TRABALHO ACADÊMICO PROPRIEDADES DO CONCRETO ENDURECIDO GABARITO E CONSIDERAÇÕES José Marques Filho 1. Na Figura 1, está apresentada uma seção transversal típica

Leia mais

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CIMENTO PORTLAND

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CIMENTO PORTLAND UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CIMENTO PORTLAND Unidade II (Continuação) Prof. Adailton de O. Gomes CIMENTO PORTLAND

Leia mais

ARGAMASSA PRODUZIDA COM AGREGADO DE PÓ DE PEDRA, AREIA, CIMENTO E CAL. Lillian Dias de Oliveira (1). Juzelia Santos da Costa(2).

ARGAMASSA PRODUZIDA COM AGREGADO DE PÓ DE PEDRA, AREIA, CIMENTO E CAL. Lillian Dias de Oliveira (1). Juzelia Santos da Costa(2). ARGAMASSA PRODUZIDA COM AGREGADO DE PÓ DE PEDRA, AREIA, CIMENTO E CAL Lillian Dias de Oliveira (1). Juzelia Santos da Costa(2). Rua 03, Quadra 02, Casa 529 Osmar Cabral Cuiabá MT CEP (1) Discente do curso

Leia mais

Capítulo 5. Agregados MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 CAPITULO 3

Capítulo 5. Agregados MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 CAPITULO 3 Capítulo 5 Agregados AGREGADOS Materiais granulares, geralmente inertes, sem tamanho e forma definidos, que compõem argamassas e concretos. Cerca de ¾ do volume do concreto são ocupados pelos agregados.

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Tecnologia de aditivos e adições para conreto

Tecnologia de aditivos e adições para conreto santos.geniclesio@br.sika.com Tecnologia de Aditivos e adições para concreto Parte 04 Eng Geniclesio Santos Coordenador Técnico Salvador, 15 de setembro de 2014 1.1. Programa Parte 1 1.1. Apresentação

Leia mais

PAVER PRODUZIDO COM RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCC) PÓ DE PEDRA E PÓ DE VIDRO

PAVER PRODUZIDO COM RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCC) PÓ DE PEDRA E PÓ DE VIDRO PAVER PRODUZIDO COM RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCC) PÓ DE PEDRA E PÓ DE VIDRO Anderson, Amaral Gomes (1) Juzélia Santos (2) Rua n quadra 19 casa n: 8 bairro residencial Despraiado Cuiabá-MT CEP 78049320

Leia mais

Estúdio de Arquitetura: sustentabilidade

Estúdio de Arquitetura: sustentabilidade Estúdio de Arquitetura: sustentabilidade Lorrânia Pimenta Orientadores: André Prado/ Sheila Passos Piso Áreas Molhadas SUMÁRIO Características de cerâmica e porcelanato Exemplos de cerâmica e porcelanato

Leia mais

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência Utilização dos Resíduos de Empresas de Beneficiamento de Granito e Mármore como Adição na Produção de Concreto de Alto Desempenho na Região do Agreste Alagoano. Júlia Karolline V. Duarte 1, Lucas R. Silva

Leia mais

Construções Rurais. Prof. Amison de Santana

Construções Rurais. Prof. Amison de Santana Construções Rurais Prof. Amison de Santana Plano de Curso Objetivo Geral Repassar ao aluno o conhecimento científico e discussões sob os aspectos mais atuais da área de Construções Rurais e Ambiência.

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL TÉCNICAS CONSTRUTIVAS ESPECIAIS ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Msc. Fábio Usuda Sorocaba / SP FEVEREIRO - 2004 1 MATERIAIS UTILIZADOS NA ALVENARIA ESTRUTURAL 1. INTRODUÇÃO Dos diversos materiais

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Revest. em Ministério argamassas da e gesso Educação 14:52 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Prof. José de Almendra

Leia mais

O cimento CP V ARI PLUS teve sua caracterização físico-químico realizada na Fábrica Ciminas Holcim (Tab. A.I.1).

O cimento CP V ARI PLUS teve sua caracterização físico-químico realizada na Fábrica Ciminas Holcim (Tab. A.I.1). Anexo I A.I Caracterização dos materiais A. I.1 Cimento A. I.1.1 Cimento ARI O cimento CP V ARI PLUS teve sua caracterização físico-químico realizada na Fábrica Ciminas Holcim (Tab. A.I.1). A.I.1.2 Cimento

Leia mais

Apostila De Materiais de Construção CIMENTO PORTLAND DEFINIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E PROPRIEDADES

Apostila De Materiais de Construção CIMENTO PORTLAND DEFINIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E PROPRIEDADES Apostila De Materiais de Construção CIMENTO PORTLAND DEFINIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E PROPRIEDADES Definição CIMENTO PORTLAND É o produto obtido pela pulverização do clínker, contendo eventualmente, adições

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto VEDACIL ACQUA é um verniz à base de resina acrílica dispersa em água. É indicado para proteção de estruturas e, após a cura, forma um filme transparente, impermeável, de fácil limpeza, de boa resistência

Leia mais

A Nova NBR Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade

A Nova NBR Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade A Nova NBR 12655 Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 A Nova NBR 12655:2006 Principal exigência para

Leia mais

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO 1/10 RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 Interessado: Chimica Edile do Brasil Ltda. Endereço: Rod. Cachoeiro X Safra BR 482, km 06 Cachoeiro de Itapemirim/ES CEP: 83707-700 Referência:

Leia mais

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental OPORTUNIDADES DE APLICAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS EM FUNÇÃO DAS CARACTERISTICAS DOS RESIDSUOS DA CONSTRUÇÂO CIVIL DE UMA UNIDADE DE RECICLAGEM DE PEQUENO PORTE Laís Carlos Boaventura Santos (1) Urbanista

Leia mais