OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL"

Transcrição

1 OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

2 APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº / / INSCRITO PELA A EMPRESA SINDOSCON SINDICATO DA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO REGIÃO ABC, CONVÊNIO DO SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO SANTO ANDRÉ, 16 DE OUTIBRO DE ESCOLA SENAI JACOB LAFER AV. SANTOS DUMONT, 300 SANTO ANDRÉ - SP RECONHECIDA PELA PORTARIA CEE Nº 10/80

3 DESCRIÇÃO: 1. SIGNIFICADO DE ALVENARIA. 2. PREPARAÇÃO DE ARGAMASSAS, FERRAMENTAS E TABELAS DE TRAÇOS. 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL. Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA ALVENARIA OFÍCIO DE PEDREIRO Educação de Inclusão Social Todos os direitos Reservados do Autor José Vieira Cabral, CABRAL VERÍSSIMO, Autoria. Livraria e Editora Virtual Cabral Veríssimo i-ltda. São Caetano do sul SP CNPJ: /

4 1. SIGNIFICADO DE ALVENARIA Sf. Construção. Ofício de um pedreiro. Material com o qual são construídas paredes, muros etc.; geralmente, refere-se às pedras que não foram lavradas. Obra executada com tijolos, pedras brutas, cantaria etc., unidos por meio de argamassa, cimento, gesso etc.: a casa é de alvenaria. Qualquer produto ou obra que tenha sido construída com tijolos, pedra e cal. A alvenaria estrutural é um processo construtivo racionalizado caracterizado pela utilização de paredes como a principal estrutura suporte de edificações simples ou dispositivas complementares em substituição ao concreto, ou seja, as paredes desempenham a função estrutural. A alvenaria estrutural subdivide-se em duas classes estruturais: alvenaria não armada ou simples e alvenaria armada: A alvenaria simples é composta apenas de blocos de alvenaria e argamassa; Alvenaria armada é reforçada por armadura passiva de fios, barras ou tela de aço, dimensionadas racionalmente para suportar os esforços atuantes

5 2. PREPARAÇÃO DE ARGAMASSAS, FERRAMENTAS E TABELAS DE TRAÇOS. Chapisco, emboço e reboco. Aprenda a preparar as argamassas, aplicá-las e dar o acabamento adequado para obter paredes com superfícies lisas e planas. Baldes, óculos, luvas, capacetes, desempenadeira, desempenadeira revestida com espuma, broxa, prumo, colher de pedreiro, esquadro, lápis, pedaços de madeira ou, cerâmica (taliscas); martelo, pregos, trena, fio de náilon e caneca dosadora. Em geral, a alvenaria recebe três camadas de acabamento - chapisco, emboço e reboco. O chapisco facilita a ancoragem do emboço. Por isso, a argamassa deve ter alta resistência mecânica. Com espessura entre 3 mm e 5 mm, o chapisco cobre a superfície com uma camada de argamassa fina, que torna a base áspera e aderente.

6 O revestimento mais usado é feito com argamassa. O ideal é fazer três camadas: chapisco, emboço e reboco. Antes de aplicar a primeira camada, tape os rasgos feitos quando foram colocados os encanamentos e os conduítes. Espere cada camada secar, antes de aplicar a seguinte.

7

8 Argamassas para revestimento Aplicação Traço Rendimento por saco de cimento de 50 kg Dica Chapisco 1 lata de cimento 3 latas de areia 30 m2 O chapisco é a base do revestimento. Sem ele, as outras camadas de acabamento podem descolar da parede ou do teto. Em alguns casos, como em muros, pode ser o único revestimento. A camada de chapisco deve ser a mais fina possível

9 Emboço (grossa) 1 lata de cimento 2 latas de cal 8 latas de areia 17 m2 O emboço serve para (massa regularizar a superfície da parede ou do teto. Sua espessura deve ser de 1 cm a 2,5 cm

10 Reboco (massa fina) 1 lata de cimento 2 latas de cal 9 latas de areia 35 m2 Esta camada de acabamento final da parede ou do teto deve ser a mais fina possível

11 Assentamento de azulejos 1 lata de cimento 1 ½ lata de cal 4 latas de areia 7 m2 Os azulejos são assentados sobre o emboço (massa grossa). Eles devem ficar mergulhados na água, no mínimo, de um dia para o outro, antes de serem assentados. Para o rejuntamento dos azulejos, utilize uma pasta de cimento branco com alvaiade, mas aguarde três dias para a argamassa de assentamento secar

12 Ferramentas auxiliares: Peneira, pá, enxada, régua e vassoura. Com espessura entre 1,5 cm e 2 cm (interno) e de 3 a 4 cm (fachada), o emboço corrige pequenas irregularidades, melhorando o acabamento da alvenaria e protegendo-a de intempéries. É produzido com argamassa mista (à base de areia, cal e cimento). O reboco, ou massa fina, tem cerca de 5 mm e é a camada final que torna a textura da parede mais fina para receber pintura. Pode ser substituído pela aplicação de massa corrida. Usa argamassa de areia e cal com granulometria bem mais fina que a do emboço, que pode ser preparada na obra ou industrializada. Aplicado com desempenadeira em movimentos circulares tem tempo de cura em torno de 25 dias.

13 Baldes, óculos, luvas, capacetes, desempenadeira, desempenadeira revestida com espuma, broxa, prumo, colher de pedreiro, esquadro, lápis, pedaços de madeira ou, cerâmica (taliscas); martelo, pregos, trena, fio de náilon e caneca dosadora.

14

15

16

17 Tabela de traços da Argamassa Tipo/uso Cimento Cal Areia Alvenarias Tijolo comum/alicerce Laminado (1 tijolo de espessura) Bloco de concreto de enchimento-19 cm 1 0,5 8 Bloco de concreto de enchimento-6,5 1 0,5 6 Blocos de vidro10,5 Pedras irregulares 1-4 Chapisco Sobre concreto1-3 Para impermeabilização 1-2 Sobre alvenaria1-4 Emboço (massa grossa): Uso externo: Uso interno:

18 Assentamento de Cerâmica ou pastilhas Assentamento de azulejos ou ladrilhos Emboços de forros129 Reboco (massa fina)reboco de forros-12 Reboco para pintura/colagem Reboco externo para pintura Reboco para cimento alisado 1-1,5 Assentamento Interno de azulejos e ladrilhos Assentamento externo lito cerâmica 1 0,5 5 Pisos Piso cimentado1-3 Piso para receber tacos1-4 Piso/base niveladora para ladrilhos 1-5 Piso/colocação de ladrilhos 1 0,5 5

19 Tabela de Aplicação Traço: Rendimento por lata de cimento ou saco de cimento de 50 kg Instruções de uso Regularização ou nivelamento 1 lata de cimento -3 latas de areia Variável Essa argamassa não deve ser muito mole. Fundação de blocos de concreto: 1.1, lata de cimento ½ lata de cal 6 latas de areia 30 m²o bloco canaleta é o mais indicado para este tipo de fundação. Paredes de tijolos maciços de barro 1 lata de cimento 2 latas de cal 8 latas de areia 10 m²os blocos devem estar secos quando forem assentados. Assente as 3 primeiras fiadas com a argamassa de impermeabilização na tabela de argamassa de revestimento.

20 Paredes de tijolos cerâmicos de 6 ou 8 furos 1 lata de cimento 2 latas de cal 8 latas de areia 16 m²os blocos devem estar secos quando forem assentados. Assente as 3 primeiras fiadas com a argamassa de impermeabilização na tabela de argamassa de revestimento. Aplicação Traço: Rendimento por lata de cimento ou saco de cimento de 50 kg Instruções de uso Paredes de bloco de concreto 1 lata de cimento 2 latas de cal 8 latas de areia 30 m²as duas primeiras fiadas devem ser assentadas com argamassa com impermeabilizante. Os blocos devem estar secos para o assentamento. Azulejos1 lata de cimento 3 latas de areia 7 m²os azulejos devem pousar na água de um dia pro outro, no mínimo, antes de ser assentados. Para o rejuntamento dos azulejos, utilize uma pata de cimento branco com alvaiade, mas aguarde 3 dias para a argamassa de assentamento secar.

21 Tacos1 lata de cimento 1 lata e meia de cal 4 latas de areia 4 m²lave a superfície sobre a qual vão ser assentados os tacos, para aumentar a aderência. Ladrilhos1 lata de cimento 1 lata e meia de cal 4 latas de areia 7 m² Lave a superfície sobre a qual vão ser assentados os ladrilhos ou cerâmica, para aumentar a aderência. Ladrilhos e cerâmicas devem pousar na água de um dia para o outro, no mínimo, antes de se assentados. Para rejuntar ladrilhos e cerâmicas, utilize uma pasta de cimento, mas aguarde a argamassa de assentamento secar. Obs.: A lata medida deve ser de 18 litros (tipo galão de tinta). A areia usada deve ser do tipo médio.(0,42 m a 2,0 m).

22 Tijolo baiano (cerâmico) Tijolo comum Tijolo baiano (cerâmico) x tijolo comum Quando se começa a execução de uma obra, surgem dúvidas sobre qual tijolo utilizar. Para ajudar a dirimir essas dúvidas, vamos analisar as diferenças de dois tipos de tijolo, o tijolo comum e o tijolo baiano ou cerâmico.

23 Tijolo baiano (cerâmico) Fabricação Os tijolos baianos ou cerâmicos tem como matéria prima a argila, que misturada com água, é deixada para descansar. Logo após, ela vai para a maromba, onde ganhará o seu formato correto. Depois eles secam antes de serem postas em fornos onde a temperatura passa dos 850ºC. O procedimento para o tratamento térmico em altas temperaturas da argila deve seguir a NBR 15270, da ABNT, para garantir a boa qualidade das peças. Características O tijolo baiano ou cerâmico possui dimensões maiores que o tijolo comum, o que proporciona um rendimento maior no tempo e no custo da execução da obra, pois se consome menos argamassa. O assentamento do bloco cerâmico é mais fácil, dispensando a utilização de mão de obra especializada. Além de ser mais barato. O tijolo baiano ou cerâmico tem um grau de desperdício maior, pois quebra mais facilmente comparado com o tijolo comum. Também sofre maior variação térmica contra as intempéries externas, como frio e calor, apesar de dentro dos padrões para seu tipo de tijolo.

24 Tijolo comum Fabricação Para a fabricação do tijolo comum, é utilizada uma mistura de argila com terra arenosa. Depois, acrescenta-se água até formar uma pasta, que é moldada em formas apropriadas que vão dar o formato ao tijolo. As formas são retiradas com a massa ainda mole, os tijolos comum em estado cru são deixados a secar no sol. O tijolo resultando se chama de adobe. Quando se atinge a dureza necessária e retira-se o excesso de umidade, os tijolos são cozidos em fornos com temperatura entre 900 a 1.100ºC. As peças que ficarem mais próximas do fogo ficarão mais escuros e terão resistência física maior. A cor do tijolo varia com o tipo da argila, porém a mais encontrada é aquela que fica entre o vermelho e o amarelo.

25 Aplicação O tijolo comum dispõe de vários modelos formatos. Existem variedades para compor cantos de 45 e 90º, paredes curvas, modelos semicirculares para colunas e plaquetas para revestimento, tudo depende da finalidade e do acabamento que se quer empregar na obra. e possui aplicações diversas: pode ser usado na construção de paredes estruturais, de vedação ou ficar aparente com finalidade de acabamento, muitas vezes servindo até como revestimento de piso. Nestes dois últimos casos, deve-se optar por peças especiais, mais uniformes e um pouco mais caras, já que os tijolos comuns têm acabamento mais rústico. Quanto às dimensões, o padrão da ABNT do tijolo comum para construção de parede é de 19 cm de comprimento x 9 cm de largura x 5,7cm de altura;

26 Características O tijolo comum proporciona bom isolamento acústico e térmico. Como tem mais densidade que o tijolo baiano, oferece uma melhor vedação térmica demora mais para esquentar e, depois, para esfriar. Além disso, pelo fato de ser uma vedação maciça, suporta melhor qualquer esforço à tração, como a colocação de pregos e até mesmo estantes e armários. O custo de assentamento do tijolo comum é maior do que o do tijolo baiano (cerâmico), por serem peças menores consome mais tempo de mão-de-obra, além de consumir mais argamassa e o peso, por ser mais elevado, exige uma superestrutura, consumindo mais material. O trabalho precisa ser executado por um profissional especializado, pela dificuldade em se obter um bom alinhamento, nível e prumo, nem sempre alcançado. A utilização do tijolo comum para a construção de casas e prédios, muito comum no passado, está atualmente em desuso, pelo alto custo que acarreta para a execução da obra, além do maior tempo para a sua realização. A sua utilização tem se dado apenas com intuito de acabamento. Para a construção de paredes, a opção mais popular e barata é o dos tijolos baianos ou cerâmico.

27 Quando se compra a areia com a condição de pagar somente o que for efetivamente entregue, é preciso fazer a medição do caminhão em obra. A medição é feita enfiando-se um ferro de construção no monte de areia, antes dela ser descarregada. Deve-se também medir as dimensões internas da caçamba (comprimento e largura). As medidas com o ferro de construção devem ser feitas em cinco pontos estratégicos: No centro do monte (parte mais alta) e em cada um dos cantos. O volume será a média das alturas, multiplicado pela largura e pelo comprimento da caçamba. Obs.: Durante o transporte, devido ao movimento e trepidação, a areia se adensa e perde água diminuindo o volume físico em aproximadamente 10%.

28 AREIA e BRITA 1 RACHÃO O calculista (Administrativo) que está cubando a areia precisa ter as mãos - um ferro comprido e fino para enfiar em cinco pontos da areia da caçamba, conforme o desenho acima... E uma trena para medir e uma calculadora para os cálculos, tomados... Depois segurar firme com os dedos aonde terminara a areia para poder medir quantos centímetros deu a parte que penetrara na areia, ou na pedra (brita 1)... O Rachão, pedra grande se mede por fora do caminhão, calculando-se cada medida referente às alturas... Calculo ( Soma-se os cincos pontos): vamos supor que as medidas tomadas foram estas cm+120cm = 630 ( 630/5 = 126 cm altura do material) Área da caçamba: 5.10M x 2.30M = 11.73M2 Área x Altura de material (areia) = Volume. Volume: 1173 x 126 = (c/ arredondamento) M2 (metros quadrados).

29 AREIA FINA AREIA MÉDIA BRITA 1 RACHÃO

30

31 Alvenaria Estrutural é um sistema de construção seguro? Sim, desde que corretamente dimensionada e executada, este dimensionamento é regido NBR de novembro de O sistema é seguro e econômico, permitindo ganhos significativos de recursos, com o uso do sistema de Alvenaria Estrutural a racionalização da construção ocorre naturalmente. A palavra alvenaria deriva do árabe AL-bannã, que significa aquele que constrói.

32 Normalização dos Blocos de concreto. A ABNT define blocos vazados de concreto simples para alvenaria sem função estrutural através da NBR e para alvenaria estrutural através da NBR A caracterização completa de cada categoria é feita através das NBR's / / / / / / / e 9.287, sendo também muito usados a BS 5628 (norma britânica), os blocos de vedação devem ter resistência média de 2,5 MPa, e os blocos estruturais podem alcançar de 4 até 16 MPa.

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo

TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo TRAÇO Exercício (I) 1 Módulo Prof. Marco Pádua Calculo das quantidades de materiais necessários para executar um cômodo considerando uma estrutura modular de 5.00 X 5.00 m, segundo as dimensões abaixo

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

A R G A M A S S A S E CONCRETOS

A R G A M A S S A S E CONCRETOS A R G A M A S S A S E CONCRETOS S U M Á R I O ARGAMASSAS GENERALIDADES TERMINOLOGIA DAS ARGAMASSAS FINALIDADES e PROPRIEDADES PRINCIPAIS TRAÇOS OU DOSAGEM E SUAS APLICAÇÕES CÁLCULO DE TRAÇOS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO DE ESCRITÓRIO EM ARIQUEMES/RO.

PROJETO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO DE ESCRITÓRIO EM ARIQUEMES/RO. UNID. QUANT. UNITÁRIO TOTAL CÓD. DEOSP 1. SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 1.2 Aquisição e assentamento de placas de obras pronta de 3,00 x 2,00 m, conforme modelo. Barracão de obra em chapa de madeira compensada

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa.

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. Distribuição gratuita Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. 1 Este folheto fornece informações úteis para orientá-lo na construção ou reforma de sua casa. Qualquer construção ou

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura

MASSA LISA PROTEC. Embalagem: Saco de 20 kg Consumo: 1,0 a 1,3 kg/m² por milímetro de espessura MASSA LISA Massa extra-lisa para revestimento de paredes e tetos. Substitui a massa corrida e o gesso, reduzindo o uso de lixas. Sem desperdício e de rápida aplicação; Reduz o uso de lixas; Aplicação sobre

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DATA agosto/2013 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.2 74209/001 Aquisição e assentamento de placas de obra em aço galvanizado. Abrigo Provisorio de madeira executado na obra para m² 6,00 157,35 944,10 1.3 01520.8.1.1

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP LAJE As lajes são estruturas destinadas a servirem de cobertura, forro ou piso para uma edificação.

Leia mais

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL Misturadores de Argamassa ANVI Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra FABRICADO NO BRASIL Misturadores e Projetores de Argamassa Solução na medida para a exigência do mercado Misturadores de argamassa

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE

Cargo: Pedreiro. CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções BOA SORTE. Pedreiro COMEDE Cargo: Pedreiro CONCURSO PÚBLICO 01/2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAQUEIRA Instruções Para fazer a prova você usará este caderno e um cartão-resposta. Verifique, no caderno de provas, se faltam folhas,

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA FONTES DE : SINAPI REFERENCIAL 05/14, MERCADO UNITÁRIO TOTAL 1.00 ADMINISTRAÇÃO LOCAL R$ 4.086,08 1.1 Mestre de obras mês 2,00 R$ 17,22 R$ 34,44 22,53% R$ 42,19 SINAPI IS 4069 1.2 PPRA/PCMSO und 1,00 R$

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha Lembrando que receitas sempre evoluem com nosso toque pessoal baseado em experimentações e pesquisas, então:

Leia mais

A segurança de se sentir bem.

A segurança de se sentir bem. Catálogo de Cores Wetroom A segurança de se sentir bem. Crédito Equipotel 2010 - Arquiteta Jorgina Nello Eclipse Aquasafe (cor 036), Aquarelle Wall HFS (cor 025) Recomendado para os segmentos: SAÚDE Hotelaria

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas de vedação vertical. O principal

Leia mais

ADMINISTRATIVO 2. FUNÇÃO ADMINISTRATIVA, NO CANTEIRO DE OBRA.

ADMINISTRATIVO 2. FUNÇÃO ADMINISTRATIVA, NO CANTEIRO DE OBRA. ADMINISTRATIVO 2. FUNÇÃO ADMINISTRATIVA, NO CANTEIRO DE OBRA. APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.092/00453-01-01

Leia mais

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 11 1 REVESTIMENTOS VERTICAIS O que

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

ANEXO I-B. Descrição dos Serviços Material Mão de Obra Quant. Unid. Unitário Total Unitário Total PAVIMENTO TÉRREO. Item. Total

ANEXO I-B. Descrição dos Serviços Material Mão de Obra Quant. Unid. Unitário Total Unitário Total PAVIMENTO TÉRREO. Item. Total ANEXO I-B PLANILHA DE PREÇOS, COM OS SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES DO MEMORIAL DESCRITIVO Item 1 Descrição dos Serviços Material Mão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR SECRETARIA MUNICPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇADOR SECRETARIA MUNICPAL DE EDUCAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA DA ESCOLA ALCIDES TOMBINI LOCALIZAÇÃO: Rua Augusto Driessen Bairro: Sorgatto 1. DEMOLIÇÕES Todas as paredes internas dos banheiros deverão ser demolidas. Todo o revestimento

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL CONSTRUÇÃO CIVIL SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos CARPINTEIRO ESTRUTURAL 1. TÍTULO CÓD. CBO 7155-05 Desenvolver no treinando o conhecimento

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUC, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTR SERVIÇOS MELHORIAS DA INFRAESTRUTURA DO CAMPUS IFRN/SÃO PAULO DO POTENGI DATA: 25/07/24 S/BDI C/ BDI C/BDI

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA Helena Fernanda Graf; Sergio Fernando Tavares; Aloísio Leoni Schmid Laboratório de Ambiente Construído

Leia mais

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando

O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando O mundo da construção civil está em constante evolução. Nosso compromisso não é apenas acompanhar esse ritmo, mas estar à frente dele, antecipando necessidades e soluções. Foi exatamente por pensar assim

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II

RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II Aline Gomes de Oliveira 1 ; Gustavo de Castro Xavier 2 ; Raphael dos

Leia mais

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso 1 Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso Carolina de Lima Accorsi carolaccorsi@hotmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 4.1 APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados

Leia mais

Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 450 m². Recepção Esterilização Assepsia. Lixo. Despensa Ambulatório Farmácia Consultório

Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 450 m². Recepção Esterilização Assepsia. Lixo. Despensa Ambulatório Farmácia Consultório Clínica veterinária Veja os custos detalhados dessa obra com aproximadamente 450 m² Corte AA B Recepção Esterilização Assepsia Sala de curativos Lavanderia Canil Corte BB A Lavagem Sala de espera Jardim

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

Veja os custos detalhados dessa obra de aproximadamente 470 m²

Veja os custos detalhados dessa obra de aproximadamente 470 m² Casa de alto padrão Veja os custos detalhados dessa obra de aproximadamente 470 m² Características empreendimento > Área construída de 471,37 m² > Terreno com 1.1690 m² de área > Residência assobradada,

Leia mais

Quantidades Típicas de Insumos

Quantidades Típicas de Insumos Quantidades Típicas de Insumos - Planilhas do CUB - Materiais - Mão de obra Lote Básico Projeto Padrão HS por m de construção Und. B A B A Mão de obra - Serventes - Pedreiro - Leis sociais hs hs,,, 0,,,0

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOUTOR PEDRINHO Estado de Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOUTOR PEDRINHO Estado de Santa Catarina MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Obra: AMPLIAÇÃO UNIDADE DE SAÚDE CENTRAL Local: Rua Santa Catarina, Centro Área de Ampliação: 161,82 m² Município: Doutor Pedrinho SC Data: Novembro / 2015

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO CASTANHAL (PA) MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. ABRIL/2014 REFORMA

Leia mais

1 ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

1 ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 1 ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 4.1 APRESENTAÇÃO O presente MEMORIAL DESCRITIVO tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados

Leia mais

PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a. Carmeane Effting.

PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a. Carmeane Effting. PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção Unidade Básica de Saúde PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE.

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção Unidade Básica de Saúde PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE. MEMORIAL DESCRITIVO Construção Unidade Básica de Saúde TIPO DE CONSTRUÇÃO: Prédio em Alvenaria UBS Unidade Básica de Saúde da Sede do município. LOCAL: Rua Édimo Luiz Tonial na cidade de Cacique Doble

Leia mais

apresenta Orientações para aplicação do Pastilhado de Casca de Coco

apresenta Orientações para aplicação do Pastilhado de Casca de Coco apresenta Orientações para aplicação do Pastilhado de Casca de Coco O pastilhado da CoconutArt é fabricado com a casca dura do coco, aproveitando os resíduos da indústria alimentícia. A fabricação das

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 1.4 LIMPEZA PERMANENTE DA OBRA Durante a execução, até a entrega definitiva da obra, a mesma será mantida permanentemente limpa.

MEMORIAL DESCRITIVO. 1.4 LIMPEZA PERMANENTE DA OBRA Durante a execução, até a entrega definitiva da obra, a mesma será mantida permanentemente limpa. Identificação da obra: RESIDENCIAL ANCHIETA GOLD Rua Anchieta nº 5034 Projeto e execução: A3 Arquitetura e Krolow Construção e Comércio. MEMORIAL DESCRITIVO 1. SERVIÇOS PRELIMINARES E GERAIS 1.1 SERVIÇOS

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca glass block argamassa para

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. www.giragrill.com

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. www.giragrill.com PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA 584 SC 584 SC www.giragrill.com ELEVGRILL Medidas: E A C B D QUADRO BASE Modelo Prime / SC Medidas em centímetros A B C D E Qtde. Espetos ELEVGRILL 584 49 38 59 49

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO CLIENTE: OBJETIVO: OBRA: PROJETO: LOCAL: CIDADE: MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 21º ANDAR EDIFICIO CENTRAL REFORMA 21º ANDAR EDIFÍCIO CENTRAL RUA CALDAS JUNIOR Nº 120-21º ANDAR- Centro Porto Alegre/RS

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural

CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural Prof. Marco Pádua Neste sistema conhecido como Autoportante os pilares são substituídos por blocos de concreto estruturais vazados preenchidos

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Uso da Cal 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2)

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2) 02/07/22 12/12/22 Versão MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL NERIÁ Rua A.J. Renner, 1.390 Estância Velha Canoas / RS Arquivo: P:\SGQ\Registros\ e Desenvolvimento\0-RE.PRO.023 - Memorial Descritivo V.\Residencial

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES CONCLUSÃO GINÁSIO LINHA MANGUEIRÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO 1. SERVIÇOS GERAIS: MEMÓRIA DE CÁLCULO 1.1. Placa de Obra: 1,50 x 3,00 = 4,50m2 Conclusão Ginásio Linha Mangueirão 1.2. Demolição de Telhas Onduladas:

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais