Projeto Circulando pela Rede

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Circulando pela Rede"

Transcrição

1 DIAGNÓSTICO DA REDE DE PROTEÇÃO À MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE Projeto Circulando pela Rede MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ACRE 3ª Promotoria de Justiça Criminal de Rio Branco-Acre Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Julho de 22 i

2 ESTADO DO ACRE MINISTÉRIO PÚBLICO 3ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA CRIMINAL DE RIO BRANCO-ACRE ESPECIALIZADA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER DIAGNÓSTICO DA REDE DE PROTEÇÃO À MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO- ACRE RELATÓRIO FINAL ª Versão Julho de 22 ii

3 Procuradora-Geral de Justiça Patrícia de Amorim Rêgo Procuradora-Geral Adjunta para Assuntos Jurídicos, Administrativos e Institucionais Kátia Rejane de Araújo Rodrigues Corregedor-Geral Ubirajara Braga de Albuquerque Subcorregedor-Geral Álvaro Luís Araújo Pereira Membros do Conselho Superior Patrícia de Amorim Rêgo Ubirajara Braga de Albuquerque Edmar Azevedo Monteiro Filho Kátia Rejane de Araújo Rodrigues Gilcely Evangelista de Araújo Souza Colégio de Procuradores Patrícia de Amorim Rêgo Kátia Rejane de Araújo Rodrigues Ubirajara Braga de Albuquerque Giselle Mubarac Detoni Vanda Denir Milani Nogueira Williams João Silva Edmar Azevedo Monteiro Filho Cosmo Lima de Souza Oswaldo D Albuquerque Lima Neto Flávio Augusto Siqueira de Oliveira Sammy Barbosa Lopes Carlos Roberto da Silva Maia Gilcely Evangelista de Araújo Souza Álvaro Luiz Araújo Pereira iii

4 Coordenação da Pesquisa Promotora de Justiça Marcela Cristina Ozório Equipe Técnica Luciana de Carvalho Rocha Gadelha Antonia Francisca de Oliveira Ângela Maria Fernandes Fontes Michele Mauri Ruth Lucimar Gomes Pesquisadores Servidores Agenaira Francielly Mariano Catherine Lamar de Azevedo Juliane Guedes Corrêa Karoliny Rosas de Oliveira Nair Braga Nathan Moreira Vidal Raphael Augusto de Lima Torres Colaboração Adelaide Maria Araújo Vieira Risoleide Martins de Oliveira Maria Helena Pedroza de Carvalho Pesquisadores - Alunos de Psicologia da UNINORTE Elizângela Santana Rodrigues Gislay Cirino Fernandes Hanna Izabel Ferreira Marçal Irene Smangoszevski Jaqueline Frota Pinheiro Larissa Moreira Santana Luzia Litiane Matos Lima Silene da Silva Lima Talita Carvalho Pinheiro Tamires da Costa Honório Colaboração Econ. Msc. Orlando Sabino da Costa Filho iv

5 AGRADECIMENTOS O desenvolvimento dessa pesquisa contou com a colaboração da União Educacional do Norte UNINORTE, através do Curso de Psicologia, por meio da Professora Kariny Costa Gonçalves que considerou como parte de sua disciplina a atividade prática dos alunos como pesquisadores. O número de questionários aplicados só foi possível graças à dedicação dos alunos voluntários, que o fizeram com motivação e profissionalismo. Aos servidores do Ministério Público que foram designados e cedidos pelos seus chefes imediatos a participar como pesquisadores. Ao Professor do Departamento de Economia da Universidade Federal do Acre MS Orlando Sabino que colaborou com a definição da metodologia da pesquisa e revisou os instrumentos de coleta de dados. A Secretaria de Estado de Políticas para as Mulheres, por meio da técnica Amanda Schoenmaker, que revisou os questionários e fez sugestões qualificadas quanto ao conteúdo e a forma de apresentação. A todos os gestores da Rede REVIVA que participaram da validação dos instrumentos da pesquisa e colaboraram com a indicação dos profissionais a serem pesquisados nas suas instituições. As mulheres que gentilmente responderam as perguntas após serem vitimadas e estarem emocionalmente frágeis. v

6 Sumário LISTA DE TABELAS... VII APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO METODOLOGIA RESULTADOS Informações Gerais dos Profissionais Informações Gerais das Vítimas CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES... 9 ANEXOS... 2 vi

7 LISTA DE TABELAS 3. INFORMAÇÕES GERAIS DOS PROFISSIONAIS Característica do profissional segundo sexo e grupos de idade em valores absolutos e relativos da Rede e por Órgão Característica do profissional segundo a escolaridade em valores absolutos e relativos da Rede e por Órgão Características do profissional segundo religião e estado civil valores absolutos em relativos da Rede e por Órgão Características do profissional segundo o seu vínculo empregatício e o tempo de atuação no órgão em valores absolutos e relativos da Rede e por Órgão Outra atividade remunerada fora o seu órgão de origem Carga horária de trabalho e faixa de salário do profissional em valores absolutos e relativos da Rede e por Órgão 3 3. MOTIVAÇÃO DOS SERVIDORES Motivação dos profissionais em valores absolutos e relativos por órgão da Rede 3 3. QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS Qualificação dos profissionais da Rede, por órgão Grupo de anos em que o profissional realizou a sua última capacitação sobre o tema Violência Doméstica e Familiar contra a mulher, em valores absolutos e relativos da Rede e por Órgão CONHECIMENTO DA LEI MARIA DA PENHA Avaliação do profissional sobre o seu conhecimento da Lei Maria da Penha, tipos de violência e medidas protetivas ATUAÇÃO PROFISSIONAL Percepção do profissional sobre sua capacitação voltada para administrar um diálogo e orientar uma mulher vítima de violência doméstica e familiar ATUAÇÃO PROFISSIONAL Conhecimento do profissional sobre o documento "Enfrentamento à violência contra a mulher orientação para profissionais e voluntários (as) de autoria de Bárbara Soares. Pacto de vii

8 enfrentamento à Violência contra a mulher da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres e necessidade em aprender mais sobre o tema Conhecimento do profissional sobre a Rede, quais são os serviços e onde estão localizados os serviços de atendimento à mulher vítima de violência doméstica e familiar ATUAÇÃO PROFISSIONAL Conhecimento do profissional sobre os procedimentos a serem adotados em cada caso de violência contra a mulher CONHECIMENTO DA REDE Órgãos da Rede de atendimento à mulher vítima de violência doméstica e familiar que o profissional conhece Esclarecimento feito pelo profissional a mulher vítima de violência a respeito da rede de atendimento e seus serviços às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar CONHECIMENTO DA VÍTIMA SOBRE A LEI MARIA DA PENHA NA PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS Percepção dos profissionais sobre o conhecimento das mulheres que procuram atendimento nos seus Órgãos sobre a Lei Maria da Penha e suas medidas protetivas Explicação do profissional sobre as medidas protetivas e uso dessas medidas pelas mulheres vítimas de violência doméstica e familiar que são atendidas INSTRUMENTOS DE GESTÃO Existência de documento orientativo a seus profissionais sobre a forma adequada de atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar INSTRUMENTOS DE GESTÃO Existência no órgão de instrumento de controle a avaliação do atendimento e instrumento de registro e cadastro de atendimento de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar Locais mais frequentes que os profissionais encaminham as mulheres vítimas de violência doméstica e familiar ARTICULAÇÃO DA REDE Acompanhamento pelo profissional das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar que foram encaminhadas a outros órgãos 6 3. CONDIÇÕES DE TRABALHO Condições das instalações físicas dos órgãos da Rede 63 viii

9 3..24 Disponibilidade de equipamentos de trabalho, por órgão Disponibilidade colaboradores por órgão FINANCIAMENTO DO ÓRGÃO Financiamento dos serviços do Órgão INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO Participação do Profissional na elaboração do Planejamento do Órgão PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA SERVIDORES Existência de Programa de Capacitação de Profissionais no Órgão CLIMA ORGANIZACIONAL Relação pessoal da equipe no setor de trabalho do órgão da Rede 7 3. INTEGRAÇÃO DA REDE Integração dos serviços de atendimento do Órgão Integração dos serviços de atendimento do Órgão com os demais Órgãos da Rede QUALIDADE DO ATENDIMENTO Qualidade do atendimento às mulheres vítimas no setor de trabalho na percepção do profissional Informações Gerais das Vítimas INFORMAÇÕES GERAIS Informantes segundo grupo de idade, cor/raça, estado civil e religião, valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo a escolaridade, valores absolutos e relativos por Regional Informantes segundo grupo ocupação, vínculo empregatício, faixa de renda familiar, beneficiária de programas de transferência de renda ou outros benefícios, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo existência de filhos, quantidade de filhos, faixa de idade dos filhos e quantidade de filhos do atual companheiro em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional. 84 ix

10 3.2.5 Informantes segundo consumo e frequência de substância psicoativa, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional VÍNCULO ENTRE VÍTIMA E O AUTOR DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Informantes segundo grau de proximidade com o autor de violência, tempo de relacionamento e sexo do autor de violência em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informante segundo a dependência financeira da vítima com o autor da violência em valores absolutos e relativos, por Regional e Rio Branco CARACTERIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA SOFRIDA E VITIMIZAÇÃO Informantes segundo o tipo e gravidade da violência sofrida, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo o local de ocorrência, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo quantidade de vezes que foi vítima de violência e tempo em que sofreu a primeira violência em dias/anos e em relação ao tempo de relacionamento com o autor da violência em valores absolutos e relativos Em Rio Branco por Regional CARACTERIZAÇÃO DO AUTOR DA VIOLÊNCIA E SITUAÇÃO DA DENÚNCIA Informantes segundo o estado em que se encontrava o autor e sua condição de sanidade mental, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo a quantidade de denúncias e procedimentos adotados em relação ao autor referente a última violência praticada, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo a situação do autor em relação à prática de outras violências, em valores absolutos e relativos em Rio Branco por Regional Informantes segundo medo de ser assassinada pelo autor que praticou a violência por Regional Informantes segundo a procura de ajuda para solucionar a situação de violência doméstica e familiar em valores absolutos e relativos, por Regional e Rio Branco Informantes segundo o estímulo à vítima a não realização da denúncia/desistência ou retirada da denúncia por profissionais dos órgãos da Rede no momento em que houve a procura por ajuda CONHECIMENTO DA LEI MARIA DA PENHA 8 x

11 3.2.7 Informantes segundo o conhecimento sobre a Lei Maria da Penha valores absolutos e relativos por Regional e Rio Branco CONHECIMENTO DA REDE DE ATENÇÃO À MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Informantes segundo a forma com que souberam dos serviços de atendimento à mulher vítima de violência Informantes segundo a busca pelos serviços e encaminhamento de instituição e profissional à mulher vítima de violência doméstica e familiar 3.2 QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS ÓRGÃOS DA REDE DE ATENDIMENTO À MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Informantes segundo os profissionais da Rede que atenderam a vítima, o interesse e o preparo desses profissionais para a realização do atendimento em valores absolutos e relativos por Regional e Rio Branco Informantes segundo a solução do problema relacionado a ocorrência atual e Instituições que a vítima recorreu mais de uma vez para solucionar o mesmo problema Informantes segundo a qualidade do atendimento nas instituições da Rede Informantes segundo a satisfação do atendimento realizado pelos profissionais da rede que prestaram o atendimento Sugestões para melhorar na rede de atendimento à mulher vítima de violência na percepção das mulheres vítimas. 7 xi

12 APRESENTAÇÃO O Ministério Público do Acre, por meio da 3ª Promotoria de Justiça Criminal de Rio Branco Especializada no combate à Violência Doméstica e Familiar contra a mulher tomou a iniciativa de verificar o funcionamento dos órgãos que compõem a rede de atendimento à mulher vítima de violência doméstica e familiar, em função de inúmeras reclamações relacionadas à ineficácia, mau atendimento e muitas vezes revitimização dessas mulheres. A Rede de Cuidados no Enfrentamento à Violência contra a Mulher de Rio Branco REVIVA começa a se formar no ano de 22 e em 29 define o seu fluxo de atendimento para as mulheres, sob a orientação da Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres: atuação articulada entre instituições/serviços governamentais, não governamentais e comunidade, visando à ampliação e a melhoria da qualidade do atendimento; à identificação e encaminhamento adequado das mulheres em situação de violência; e o desenvolvimento de estratégias efetivas de prevenção. A constituição da rede de atendimento busca dar conta da complexidade da violência contra as mulheres e do caráter multidimensional do problema, que perpassa nas áreas, tais como: saúde, educação, segurança pública, justiça, assistência social, cultura, entre outras. Esta pesquisa é dedicada a identificar os nós críticos na articulação dos órgãos públicos executores das políticas públicas de atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar a partir da perspectiva dos profissionais e das vítimas, bem como o grau de satisfação das mulheres que procuram os serviços públicos nos órgãos que formam a Rede. As análises dos dados servirão como arcabouço pragmático para aperfeiçoar a eficácia e a eficiência dos investimentos públicos diante dos serviços direcionados a estes fins, sob dois aspectos. O primeiro diz respeito à estruturação dos órgãos da Rede REVIVA e o segundo como forma da sociedade civil entender o que de fato se configura como de interesse comum entre os órgãos da Rede e quais os fatores mais requisitados ao Estado. Política Nacional de Enfrentamento à Violência Contra Mulheres. 2

13 . INTRODUÇÃO A violência contra as mulheres é um fenômeno que atinge indiscriminadamente pessoas de todas as classes sociais, cor, idade e etnia. Pela ausência de dados e informações que atestem essa afirmativa, historicamente é discutida sob a ótica da discriminação, da desigualdade na posição social e de poder entre homens e mulheres. A sutileza e a barbárie com que são praticados os crimes contra a mulher caminham juntas. O conceito de violência adotado no âmbito das políticas públicas para as mulheres foi construído na Convenção de Belém do Pará no ano de 994. Classifica como qualquer ação ou conduta baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público como no privado. Em 22 a Secretaria de Estado de Assistência Social, Secretaria Extraordinária de Políticas para as Mulheres e Ministério Público, em parceria com Centro de Direitos Humanos e Educação Popular - CDDHEP iniciam a formação da Rede de Cuidados no Enfrentamento à Violência contra a Mulher de Rio Branco REVIVA. Em 24 foi assinado um termo de compromisso entre esses órgãos. No ano de 29, a Rede define o fluxo de atendimento e compõe o Comitê Gestor da Rede, coordenado pela Assessoria da Mulher, do Gabinete do Governador. Nesse mesmo ano, o Governo do Estado assina Decreto nº 4.48 de 2 de maio de 29, instituindo O Pacto de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, cria a Câmara Técnica de Gestão Estadual e formaliza a Rede. Embora os órgãos da Rede de Atendimento às mulheres em situação de violência estejam estruturados no município de Rio Branco, a articulação entre os serviços prestados ainda não funcionam enquanto fluxo contínuo; os atendimentos são fragmentados, fazendo com que as mulheres percorram o mesmo circulo várias vezes sem uma resposta efetiva ao seu problema. A pesquisa tem como objetivo identificar os nós críticos da rede, os problemas relacionados à efetivação dos serviços e conhecer o nível de satisfação das mulheres atendidas pelos órgãos que compõem a Rede. Os entrevistados foram servidores dos órgãos públicos que fazem parte da Rede, que responderam a quatro séries de perguntas. A primeira série diz respeito ao seu perfil profissional, seu local de atuação, tipo de vínculo de trabalho, tempo de serviço, valor de remuneração e carga horária de trabalho semanal. A segunda série trata da sua capacitação para atuar no atendimento às mulheres vítimas de violência, onde o profissional respondeu se conhece os principais instrumentos de defesa da mulher vítima de violência e se o mesmo se sente capacitado para atuar na área. A terceira série de perguntas está relacionada ao atendimento prestado à mulher vítima e quais os procedimentos adotados. Por fim, o profissional discorre sobre a caracterização da 3

14 instituição que atua, onde responderam questões relacionadas à integração da rede, trabalho em equipe, condições de trabalho e financiamento dos serviços. Do lado da vítima, que foram entrevistadas após serem atendidas na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher DEAM, na Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e na Casa Abrigo Mãe da Mata, as respostas foram estruturadas em cinco séries. A primeira série tratou da identificação da vítima, onde informaram sua idade, opção religiosa, estado civil, escolaridade, ocupação profissional, faixa de renda familiar e quantidade de filhos. A segunda série de respostas foi relacionada à caracterização da violência sofrida, destacando o perfil do autor, local da violência, tempo de vitimização, procedimentos em relação ao autor e tipo e frequência de violência sofrida. A terceira série de respostas foi sobre a busca pelo serviço e amparo do Estado. As mulheres expressaram nessa série a qualidade do atendimento e satisfação pelos serviços. Na quarta série da pesquisa as vítimas informaram sobre o interesse dos profissionais em resolverem o problema e expressaram sobre o preparo do profissional no ato do atendimento. Por fim, as mulheres informaram sobre o seu conhecimento em relação aos seus direitos expressados na Lei Maria da Penha. A identificação do tamanho da amostra dos profissionais foi feita com base em informações prestadas pelos gestores dos órgãos da Rede sobre a quantidade de servidores nos setores de atendimento à mulher vítima de violência. Para o grupo de profissionais foram excluídos os estagiários, excetuando a Defensoria Pública, onde o atendimento às vítimas é realizado preferencialmente por estagiários. Quanto às vítimas, a pesquisa foi realizada no período de 8 de junho a 8 de julho, no horário das 8: horas às 8: horas durante a semana e em alguns horários dos finais de semana na DEAM, nos dias e horários de audiência na Vara da Violência Doméstica e com % das mulheres que estavam em regime de proteção temporária na Casa Abrigo Mãe da Mata. ÓRGÃOS DA REDE PROFISSIONAIS QUE ATENDEM DIRETAMENTE A VÍTIMA ABS % AMOSTRA (erro de 5%) Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher 28 5% 26 Centro Integrado de Operações de Segurança Pública CIOSP % 44 Instituto Médico Legal IML 6 % 6 Maternidade Barbara Heliodora 2 4% 2 Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco - HUERB 2% Casa Rosa Mulher 4 % 4 Casa Abrigo Mãe da Mata 3 2% 3 Centro de Referência Especializado em Assistência Social - CREAS 3 % 3 Centro de Referência da Assistência Social - CRAS 28 5% 26 4

15 Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos 2 % 2 Defensoria Pública do Estado 6 % 6 Vara da Violência Doméstica 2% Secretaria de Estado de Políticas para as Mulheres 2 % 2 Ministério Público do Estado do Acre 6 % 6 UPAs 2% Polícia Militar % 96 TOTAL 586 % 385 Foram realizadas 38 entrevistas com os profissionais. Contudo, em órgãos de fundamental importância para atendimento pleno das mulheres houve recusa de servidores, com destaque para a Maternidade Bárbara Heliodora e a Polícia Militar. Alguns profissionais não foram encontrados e outros informaram que não prestavam atendimento a mulheres vítimas de violência. Destacamos que no decorrer da pesquisa, as UPAS foram incluídas, por serem as unidades de primeiro atendimento da Rede de Atenção Básica de Saúde. No caso da Polícia Militar, os questionários foram respondidos pelos policiais, com o acompanhamento de seus respectivos Comandantes em horários de troca de plantão. No processo de análise dos resultados dos profissionais ter-se-á atenção quanto aos desvios que porventura a Policia Militar possa ocasionar em função da elevada quantidade de profissionais pesquisados. Faz-se necessário mencionar que a Polícia Militar é o órgão que dispõe do maior número de profissionais que atendem diretamente a mulher em situação de violência doméstica e familiar. Nos 5 (cinco) Batalhões Regionais da PM estão lotados 77 policiais, inclusive exercendo funções administrativas. A presente pesquisa considerou somente os profissionais que estão atuando no atendimento de ocorrências, preferencialmente aqueles (as) que realizam visitas solidárias às vítimas de crimes violentos contra a vida e reincidentes de violência doméstica e familiar, sobretudo aquelas que estão sob medidas protetivas. 2. METODOLOGIA Técnica Amostral A técnica amostral utilizada para os profissionais foi à amostra estratificada. Foram entrevistados somente profissionais que atendem diretamente à vítima seja no primeiro atendimento ou recepção, na realização do serviço finalístico do órgão, voltado para o atendimento à mulher vítima de violência doméstica e familiar ou encaminhamento da vítima a outro órgão da Rede. 2. Recusas e Desvio dos questionários aplicados aos Profissionais em relação ao tamanho da amostra 5

16 ÓRGÃOS DA REDE AMOSTRA (erro de 5%) REALIZADO DESVIO Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher Centro Integrado de Operações de Segurança Pública CIOSP Instituto Médico Legal IML 6 6 Maternidade Barbara Heliodora Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco - HUERB Casa Rosa Mulher Casa Abrigo Mãe da Mata Centro de Referência Especializado em Assistência Social - CREAS 3 3 Centro de Referência da Assistência Social - CRAS Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos 2 3 Defensoria Pública do Estado 6 6 Vara da Violência Doméstica Secretaria de Estado de Políticas para as Mulheres 2 - Ministério Público do Estado do Acre 6 6 UPAS Polícia Militar TOTAL No caso das vítimas adotou-se a técnica amostral intencional não probabilística, escolhidas intencionalmente as mulheres a serem entrevistadas. A amostra corresponde àquelas mulheres que foram vítimas de violência doméstica e familiar no período de 8 de junho a 8 de julho de 22, que registraram boletim de ocorrência na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher DEAM; as que foram ouvidas em audiência na Vara da Violência Doméstica e aquelas que estavam em proteção temporária na Casa Abrigo Mãe da Mata. Excetuando mulheres que não estavam dispostas a responder as perguntas, todas foram entrevistadas. No total foram entrevistadas 23 vítimas na DEAM, 48 mulheres na Vara da Violência Doméstica e 5 mulheres da Casa Abrigo Mãe da Mata, totalizando 76 mulheres vítimas de violência doméstica e familiar no período. O Horário das entrevistas na DEAM foi das 8h às 8h durante os dias da semana, de forma que os horários de maior frequência de registro, que foi a partir das 8h às 24h ficou descoberto. Nos finais de semana não foi possível fazer a cobertura total dos 4 finais de semana. Foram registradas 27 ocorrências de violência doméstica e familiar contra a mulher na DEAM no período da pesquisa, totalizando 46% (23 vítimas) das mulheres entrevistadas na DEAM. Destaque-se que na Regional II, 34% das mulheres residem na área rural, sendo 2 vítimas do Belo Jardim I e II e 2 do Assentamento Benfica. Cabe destacar que a DEAM não é uma unidade que atende exclusivamente os 6

17 8/jun 9/jun 2/jun 2/jun 22/jun 23/jun 24/jun 25/jun 26/jun 27/jun 28/jun 29/jun 3/jun /jul 2/jul 3/jul 4/jul 5/jul 6/jul 7/jul 8/jul 9/jul /jul /jul 2/jul 3/jul 4/jul 5/jul 6/jul 7/jul 8/jul QUANTIDADE casos de violência doméstica e familiar contra a mulher, mas todas as naturezas de ocorrências, sendo esta uma porta de entrada da policia judiciária. Regionais Número de Mulheres Pesquisadas na DEAM Regional I 4 Regional II 4 Regional III 5 Regional IV 29 Regional V 32 Outras Localidades 2 QUESTIONÁRIOS APLICADOS E QUANTIDADE DE OCORRÊNCIAS POR DIA DE 8/6 A 8/ DATA OCORRÊNCIAS QUESTIONÁRIOS APLICADOS Margem de erro A técnica de amostragem estratificada (para profissionais) consistiu em dimensionar o tamanho da amostra, de modo a garantir um nível de confiança de 95%, com margem de erro por cada órgão de 5%. Órgãos Pesquisados Centros de Referência Casa Rosa Mulher: é um espaço de acolhimento/atendimento psicológico e social, orientação e encaminhamento Jurídico. A casa Rosa Mulher desenvolve ainda cursos profissionalizantes. 7

18 Casa Abrigo Mãe da Mata: é um local seguro que oferece moradia protegida transitória e atendimento integral às mulheres em situação de risco eminente em razão da violência doméstica. Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher DEAM: unidade especializada de Polícia Civil. Tem caráter preventivo e repressivo. Defensoria Pública: tem a finalidade de dar assistência jurídica, orientar e encaminhar as mulheres em situação de violência. Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher: são órgãos de justiça Ordinária com competência cível e criminal. Central de Atendimento à Mulher CIOSP 9: é um serviço do Governo Federal que auxilia e orienta as mulheres em situação de violência, através de discagem telefônica direta. Centros de Referência da Assistência Social CRAS: em Rio Branco são 7 unidades, sendo um em cada regional urbana do município. Fazem parte do Programa de Atenção Integral à Família e desenvolvem serviços básicos continuados e ações de caráter preventivo para famílias em situação de vulnerabilidade social (proteção básica). Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS: localizado no centro da cidade de Rio Branco, a instituição oferece serviços de proteção social especial de média complexidade, especializados e continuados a famílias e indivíduos em situação de ameaça ou violação de direitos como violência física e psicológica. Os serviços ofertados no CREAS devem ser desenvolvidos de modo articulado com a rede de serviços da assistência social, órgãos de defesa de direitos e das demais políticas públicas. Centro de Reabilitação do Agressor: será implantado na Secretaria de Estado de Direitos Humanos, por meio do Projeto Ser Homem. Será um espaço de atendimento e acompanhamento de homens autores de violência contra a mulher, que deverão ser encaminhados dos Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar e demais juizados e varas. Polícia Militar: é responsável pelo registro de qualquer ocorrência de violência e por ações de prevenção e repressão à violência. Geralmente é o policial militar que realiza o primeiro atendimento, na maioria das vezes na residência da vítima em situação de flagrante. Instituto Médico Legal: atende as mulheres que sofrem violência física, seja ela sexual ou não. Coleta de provas que serão necessárias ao processo judicial e condenação do agressor. 8

19 Serviços de Saúde em casos de violência sexual - Maternidade Barbara Heliodora: responsável pelo acolhimento, prevenção e tratamento de agravos resultantes de violência sexual. Presta serviços de assistência médica, enfermagem, psicológica e social, inclusive a interrupção de gravidez prevista em Lei em caso de estupro. Serviço de Saúde em caso de violência física Serviço de Urgência e Emergência Pronto Socorro HUERB e Unidade de Pronto Atendimento 24 horas - UPA Tucumã e UPA Segundo Distrito: responsáveis pelo atendimento médico e ambulatorial às mulheres vítimas de qualquer violência física. É obrigatório o preenchimento da ficha de notificação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação para os casos de violência doméstica, sexual e/ou outras violências, do Ministério da Saúde. Secretaria de Estado de Política para as Mulheres responsável pela articulação e execução de políticas para as mulheres. Acesso ao Entrevistado As entrevistas foram realizadas com pessoas físicas no seu local de trabalho para o caso dos profissionais. Já as vítimas foram entrevistadas na saída do atendimento na DEAM e Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e as mulheres em situação de proteção provisória, as entrevistas foram realizadas na Casa Abrigo Mãe da Mata. Instrumentos de Coleta As informações foram colhidas a partir de dados primários, por meio de dois questionários, sendo um para profissionais, composto por 66 questões e uma para vítimas, composto por 72 questões. As perguntas em relação a vitimização das mulheres foram referentes à última ocorrência, a que as motivou a registrar o fato. Tratamento dos Dados Coletados Coletados os dados, foi dado um tratamento de tabulação na ferramenta Google Doc, on line, para a construção do banco de dados. Essa ferramenta permite a importação de dados e a formação em tabelas Access e Excel para a saída de resultados, que balizam o presente relatório. 9

20 3. RESULTADOS 3. Informações Gerais dos Profissionais Foram entrevistados 382 profissionais que atuam na Rede de Atendimento à mulher vítima de violência doméstica e família. Desse total dos profissionais, 7,2% está na área da segurança pública, o que é possível supor que esse tema, no jargão policial, é caso de polícia. A Polícia Militar responde expressivamente por 5,5% do total dos profissionais; o Centro de Operações Integradas de Segurança Pública CIOSP, responsável pela gestão das chamadas e encaminhamento de emergência policial 9, possuem,52% dos profissionais da Rede, entre policiais civis, militares e bombeiros militares; já a DEAM possui em seus quadros 8,64% dos profissionais da Rede. Quanto às políticas de assistência social promovidas no âmbito da Rede pelos CREAS, CRAS e Casa Abrigo Mãe da Mata, a participação dos profissionais correspondeu a,78%, sendo o CRAS com 7,85% do total dos profissionais proporcionalmente em seus quadros; a Casa Abrigo Mãe da Mata com 3,4% proporcionalmente dos profissionais da Rede e o CREAS, com a menor participação na Rede, respondendo por,79% dos profissionais entrevistados. Já a área de justiça, formada pela Defensoria Pública do Estado, Ministério Público do Estado do Acre e Vara da Violência Doméstica possuem 5,76% proporcionalmente dos profissionais da Rede que atendem diretamente a mulher vítima de violência doméstica e familiar, nas funções de recepção, atendimento específico na sua área de atuação e/ou encaminhamento a outros órgãos da Rede. A Vara de Violência Doméstica possui proporcionalmente o maior quadro entre os órgãos dessa área, com profissionais, respondendo por 2,62% dos profissionais da Rede. Já na Defensoria Pública e a Promotoria Especializada de Violência Doméstica do Ministério Público do Ministério Público foram entrevistados igualmente 6 (,57%) profissionais, sendo que esse total corresponde, no caso da Promotoria MP ao total de seus servidores. Já na área da saúde foram entrevistados 36 profissionais, considerados insuficiente tendo em vista o universo deles nos quatro órgãos de atendimento à mulher HUERB, Maternidade, UPAs Tucumã e Segundo Distrito e IML. Particularmente nessa área as profissionais do MP que circularam pela rede fazendo o levantamento quantitativo e qualitativos dos profissionais para a definição do tamanho da amostra tiveram dificuldade em identifica-los, por dois motivos: () os profissionais não se identificaram como sujeitos integrantes da Rede, por isso rejeitaram ser entrevistados; (2) a rede de atendimento de saúde não possui um protocolo ou rotinas que permitam identificar os caminhos que a paciente deve percorrer, nem tampouco conhecem os protocolos obrigatórios do Ministério da Saúde- SINAN, como é o caso do preenchimento da ficha de notificação/investigação individual de violência doméstica, sexual e/ou outras violências, por essa razão não foi possível identificar pontualmente os profissionais. Nesse caso específico, com o auxílio do setor de Vigilância Epidemiológica do HUERB e da Maternidade, que faz busca ativa dos pacientes e conhece os profissionais com 2

13ª Promotoria de Justiça Criminal de Rio Branco-Acre Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

13ª Promotoria de Justiça Criminal de Rio Branco-Acre Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher PESQUISA-DIAGNÓSTICO DA REDE DE PROTEÇÃO À MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE Ministério Público do Estado do Acre 13ª Promotoria de Justiça Criminal de Rio

Leia mais

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar?

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP

FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP Betina Durovni Subsecretária de Atenção Primária, Vigilância e Promoção de Saúde 1 Introdução A violência contra

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO Veículo: Site Institucional do Ministério Público do Pará http://www.mppa.mp.br/index.php?action=menu.interna&id=4963&class=n Principal SANTARÉM: Rede itinerante de serviços de combate à violência doméstica

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

O Paraná Está Ligado!

O Paraná Está Ligado! VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER O Paraná Está Ligado! Lançamento de rede estadual marca o enfrentamento à violência contra a mulher no Paraná O lançamento simbólico de uma rede de atenção à mulher em situação

Leia mais

Edital para Seleção de Estudantes. Edital nº 01/2013

Edital para Seleção de Estudantes. Edital nº 01/2013 Edital nº 01/2013 A Coordenação do Programa Rede de Atenção às Mulheres em Situação de Violência: Construindo e Fortalecendo, no uso de suas atribuições, faz saber que estarão abertas as inscrições para

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP

PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DIALOGANDO PARA A PAZ 1. INTRODUÇÃO A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno multicausal

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE MANIFESTAÇÕES DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER UM ESTUDO DO SERVIÇO SOCIAL NO NÚCLEO DE PRÁTI- CA JURÍDICA DA UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTORES Danieli Cristina Oliveira VELANI Érika Cristina

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Fevereiro/2009 2 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas têm medo de denunciar os agressores O destaque da terceira

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL Cuiabá-MT teve a primeira Promotoria de Justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, iniciando seus trabalhos no dia 22/09/2006, dia em que a Lei Maria da

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC)

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL EM ENFERMAGEM - UFSC/UFPA/CAPES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FILOSOFIA, SAÚDE E SOCIEDADE Doutoranda:

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO Juliana Medeiros da Silva 1 A violência doméstica praticada pelo parceiro íntimo é uma das formas mais comuns de violência

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526.

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526. NORMAS DE ATENDIMENTO AO PACIENTE SOB SUSPEITA DE NEGLIGÊNCIA, MAUS TRATOS OU VIOLÊNCIA DE QUALQUER NATUREZA. 1. AMBITO DE APLICAÇÃO: Todas as Unidades do HGWA. 2. OBJETIVO: Garantir a notificação compulsória

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

Tipos de violência contra o idoso

Tipos de violência contra o idoso VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: FREQUÊNCIA E PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE VÍTIMAS E ACUSADOS EM PROCEDIMENTOS NO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Alba Apolinario 1, Juliana Rosas 3, Valeska Marinho

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania 1) Curso de Educação para Agressores - ONG Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Visa a reconstrução comportamental da conduta dos homens, em atendimento

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA3043 EDITAL Nº 01/2014 1. Perfil: 01 2. Nª de vagas:seis (6) vagas 3. Qualificação educacional: Graduação na área de Serviço Social, preferencialmente

Leia mais

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA CAPACITAÇÃO SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA PARA A POLÍCIA MILITAR E CIVIL 1) INTRODUÇÃO: O Ministério Público desempenha um papel fundamental quando colabora com a capacitação

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Linhagem de Sim 46,6 Enfermagem Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil - 2013. FIOCRUZ/COFEN

Linhagem de Sim 46,6 Enfermagem Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil - 2013. FIOCRUZ/COFEN 1 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM BRASIL BLOCO 1 Descrição (%) Distribuição por região Categoria profissional Sexo Faixa etária Fases de vida profissional Nacionalidade Município

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF COORDENADORIA-GERAL DO SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Nome do Centro Judiciário /CJI Período 1 º de janeiro a 30 de junho/2013 Estrutura de Pessoal Servidores efetivos do TJDFT * Em tramitação pela SUGIP:

Leia mais

A EXPERIÊNCIA SOBRE REDE DE PROTEÇÃO CONTRA VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM ARACAJU

A EXPERIÊNCIA SOBRE REDE DE PROTEÇÃO CONTRA VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM ARACAJU A EXPERIÊNCIA SOBRE REDE DE PROTEÇÃO CONTRA VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM ARACAJU Monique Elen Rodrigues de Araújo Oliveira 1 Catarina Nascimento de Oliveira 2 Magna de Sousa Silva Mendonça 3 O presente trabalho

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1º TRIMESTRE DO 4º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de outubro à dezembro de 2013 fevereiro

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA GRUPOS E CENTROS DE CONVIVÊNCIA DE PONTA GROSSA: PERFIL E DEMANDAS DA PESSOA IDOSA Fabiana Vosgerau

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios CENTRAL DE APOIO JUDICIAL AOS IDOSOS

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios CENTRAL DE APOIO JUDICIAL AOS IDOSOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS COORDENADORIA-GERAL DO SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Nome do Centro Judiciário Central de Apoio Judicial aos Idosos/CAJI Período 1º de janeiro

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

T R I B U N A L DE J U S T I Ç A

T R I B U N A L DE J U S T I Ç A Ata da Segunda Sessão do ano de 2014 da Comissão Executiva da Câmara Técnica do Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres e do Programa: Mulher Viver sem Violência, realizada aos trinta

Leia mais

Estudo do Mercado de Clínicas Veterinárias. Sebrae/DF - UAM

Estudo do Mercado de Clínicas Veterinárias. Sebrae/DF - UAM Estudo do Mercado de Clínicas Veterinárias Sebrae/DF - UAM Sumário Introdução... 03 Objetivos... 04 Metodologia... 05 Análise Perfil... 08 Análise Avaliação da Imagem...16 Análise Avaliação do Consumo...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Via N1 Leste s/n, Pavilhão das Metas, Praça dos Três Poderes Zona Cívica Administrativa CEP: 70.150-908 - Telefones: (061) 3411.4246/4330

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

Agendas Transversais

Agendas Transversais Reunião do Conselho Nacional de Direitos da Mulher - CNDM Agendas Transversais Maria do Rosário Cardoso Andrea Ricciardi 02/10/2013 Ministério do Planejamento 1 AGENDAS TRANSVERSAIS Igualdade Racial, Comunidades

Leia mais

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS NDF IN PROFISSIONAIS Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição (fantasia):

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 Relatório do Painel PANORAMA LEGAL 1. A DEFENSORIA PÚBLICA ESTADUAL NA PREVENÇÃO E NO COMBATE À VIOLÊNCIA Carência de

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

PROJETO CARTAS DE MULHERES

PROJETO CARTAS DE MULHERES PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMESP COORDENADORIA ESTADUAL DA MULHER EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR PROJETO CARTAS DE MULHERES I - HISTÓRICO: Criadas as VARAS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS Atuação dos Psicólogos em Políticas Públicas de Diversidade Sexual e Promoção da Cidadania LGBT Relatório

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA Minuta PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 189, de 2010 (Projeto de Lei nº 3.077, de 2008, na origem), do Poder Executivo, que altera a Lei nº 8.742,

Leia mais

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000 PRINCIPAIS TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EM UMA INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO NO VALE DO PARAÍBA Cruz RASC 1, Galvão RDS 2, Lancia MCF 3 Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi,

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Pólis Pesquisa Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais