Norte Têxtil, Vestuário e Calçado. Braz Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norte 2015. Têxtil, Vestuário e Calçado. Braz Costa bz@iapmei.pt"

Transcrição

1 Norte 2015 Têxtil, Vestuário e Calçado Braz Costa

2 Agenda Situação actual Futuro já perceptível Estratégia da UE25 Contributos de estratégia em Portugal Norte dentro de Portugal, dentro da UE Sugestões de estratégia para o Norte 4 eixos de prioritários e urgentes intervenção

3 Apostas ganhas A ITVC portuguesa criou nos últimos 15 anos um conjunto de capacidades que a distinguiram, no contexto mundial, nos domínios da manufactura muito qualificada Elevado nível de apetrechamento em tecnologias de transformação Ímpares capacidades tecnológica e organizacional conducentes à resposta rápida em regime de pequena série Relativa capacidade de desenvolvimento de produtos de moda

4 Objectivos não concretizados Alargamento dos domínios de intervenção a áreas de concentração do valor acrescentado, nomeadamente: Materiais, Matérias primas com elevado conteúdo tecnológico Interpretação do consumo e prescrição de Moda Chegar ao cliente final

5 Resultaram em Apostas ganhas asseguraram o suficiente conforto para não arriscar o suficiente Asseguraram a manutenção do nível de negócio até 2004 Objectivos não atingidos Originaram o envelhecimento e inviabilização do modelo de negócio vigente Geraram a necessidade de impor ritmos de transformação vertiginosos a partir de 2005

6 Reformular desafios O tempo durante o qual se procurou o que não se atingiu foi extraordinariamente bem aproveitado por quem era uma ameaça mal percepcionada pela Europa: China, Índia e Brasil A distância ao alvo incrementou-se, portanto.

7 Futuro

8 A China (por exemplo) tem recursos para manter a pressão durante um período superior à capacidade de resistência dos países europeus, persistirá no horizonte de 2015 Os primeiros países a sofrer com a evolução na cadeia de valor pela china, são os países que se posicionavam nas gamas médias Os países que se posicionaram nas gamas médias, sob ameaça da china, já estão a avançar sobre o espaço competitivo de Portugal (Turquia, Tunísia, por ex:)

9 Portugal e a Europa 3 cenários Portugal como excepção não protegida pela UE Manutenção do modelo de negócio Ênfase na transformação Impossibilidade de concorrer com o mundo, mesmo nos mercados europeus Portugal como excepção protegida pela UE Intensidade da transformação Concorrentes no interior da própria UE a todos os níveis Portugal alinhado com a Europa da frente A concorrer com os países mais avançados, quer em tecnologia, quer em moda, quer em serviço (distribuição)

10 e a Concorrência Interna vai aumentar Portugal na Europa Da UE15 à UE25 mais 10 concorrentes no campo da mão de obra relativamente qualificada e relativamente barata Da UE25 à UE27 mais 2 concorrentes no campo da mão de obra muito barata A vizinhança com a Turquia ou EU 28 Com grande importância para os países mais ricos da EU Com uma Capacidade Produtiva Instalada semelhante à do resto da Europa Europa e o Mundo EuroMed Sobretudo Tunísia, Marrocos, mas também Egipto e Argélia, entre outros Brasil, Índia e China O papel charneira dos Estados Unidos

11 Especificidade de Portugal A pressão da concorrência sobre a Europa tem maior incidência sobre países como Portugal, devido à sua actual especialização. As vantagens competitivas da Europa em matéria de produtos de elevada incorporação tecnológica, têm menor expressão em Portugal, pelo mesmo motivo.

12 Uma realidade mal percepcionada por Portugal Industrial and technical textiles 23% Apparel 44% Interior & household 33% Europe Share of production by end-uses (2003)

13 Artigos em crescimento com baixa expressão 60% 50% 40% 30% 20% Tecidos especiais e tufados 10% Tecidos impregnados, etc 0% Restantes categorias -10% Tecidos especiais e tufados Tecidos impregnados, etc Restantes categorias -20% Variação das exportações 1º bimestre 2005/2004 Peso dos artigos em crescimento, 1º bimestre 2005/2004

14 Estratégia da UE25

15 A estratégia da UE Por iniciativa da Comissão Europeia, foi constituído um Grupo de Alto Nível (HLG) que com a colaboração de especialistas representando os vários stakeholders do negócio T&V da UE25, apresentou um conjunto de recomendações assentes numa estratégia para o sector HLG recommendations O peso da inovação tecnológica nas recomendações do HLG originou consenso com a CE no sentido da oportunidade de constituição de uma Plataforma Tecnológica Europeia para o T&V ETP T&C

16 Recomendações do Grupo de Alto Nível Inovação Tecnológica Materiais Nanotecnologia From Commodities to Specialities Novas aplicações de têxteis TIC e Bens de equipamento From mass production to customization Inovação não Tecnológica Moda, produto, serviço

17 Recomendações do Grupo de Alto Nível Educação e Formação Estratégia à escala europeia Projectos sectoriais que se revistam de um valor europeu. Trade IPR A Abertura dos mercados equidade, lealdade e reciprocidade Protecção da criatividade europeia

18 A Vision for 2020 Move from commodities towards specialty products from high-tech processes; fibres, filaments, fabrics and final products with highly functional, purposetargeted properties based on nano- micro- & biotechnologies, new coatings and laminations, digital processes etc. Establishment and expansion of textiles as raw material of choice in many sectors and application fields (transport systems, construction, medical applications, consumer electronics ) End era of mass manufacture of textile products, move towards the new industrial era characterised by customisation, personalisation, as well as flexible, on-demand production coupled with intelligent logistics, distribution and services.

19 Plataforma Tecnológica Europeia Governing Council + ETP Secretariat Horizontal Task Groups (Financing, Education, Standards) Commodity to Specialty Products New Textile Applications Mass Production to Customisation Expert Working Groups Expert Working Groups Expert Working Groups Innovation Management

20 Contributos de estratégia em Portugal

21 Estratégia Dínamo (TVC) Apostas em 3 eixos Internacionalização, Mercados, Moda Formação e Educação I&D+I

22 Prospectiva

23 Estratégia Evolução em 3 frentes Desenvolvimento de Continuidade (Serviço) Desenvolvimento no sentido dos parceiros europeus (Distribuição, marcas e retalho) Desenvolvimento no sentido de um percursos sustentado na inovação tecnológica (inovação estruturante)

24 ITVC concentrada ITVC do Norte ~ ITVC de Portugal Estratégia de desenvolvimento do Norte obriga a uma estratégia para a ITVC A implementação de uma estratégia será facilitada pela necessidade

25 Sugestões de estratégia para o Norte

26 Do domínio industrial ao domínio do negócio Não será possível manter negócio TVC, exclusivamente centrado na actividade industrial Substituir / transformar empresas que manufacturam por / em empresas que vendem Domínio dos mercados (ênfase nos consumidores) Estratégia específica para os enormes mercados dos países emergentes e com crescente poder de compra Domínio do Sourcing Aprovisionamento inteligente Domínio da Moda-estilo Domínio pioneiro na Moda-funcionalidade (incorporação tecnológica)

27 Novos pontos sensíveis do Valor acrescentado incorporado em produtos Novos Materiais funcionais e inteligentes Têxteis para aplicação técnica Funcionalização de produtos V&C

28 Lucrar com as vantagens competitivas dos concorrentes Países com custos de produção baixos só são uma ameaça para quem os quer (ou não pode deixar de os) imitar São uma oportunidade para quem sabe subcontratar

29 Explorar a utilização de materiais têxteis em sectores de aposta do país Automóvel, caminho de ferro e aeroespacial Novos conceitos de habitat Saúde, lazer e bem-estar Defesa

30 4 eixos de prioritários rios e urgentes intervenção

31 Remodelar o Sistema de Educação e Formação Organizar a oferta de forma focada nos resultados: criar uma única comunidade de aprendizagem com vista à geração de RH para o novo paradigma, remodelação dos actores existentes em detrimento da fragmentação da comunidade de aprendizagem Desenvolvimento de produto TVC (vertentes estilo, funcionalidade e engenharia) Negócio TVC Global (vertentes comprar e vender) Cultura e língua de países não ocidentais com mercados de dimensão relevante

32 Adopção de novos Modelos de Actividade Produtiva Promover decisivamente a criação de capacidades de desenvolvimento de produto TVC nas empresas Transformar empresas de base industrial, que importam resultados de I&D+I, em empresas baseadas na capacidade de desenvolvimento que fazem integração de capacidades de manufactura

33 Orientar meios de I&D+I (tech e não tech) para a aposta Reunir e organizar toda a capacidade disponível fora das empresas Missão primeira: Ajudar à criação de capacidade de desenvolvimento de produto nas empresas Em velocidade de cruzeiro: Garantir produção sistemática de avanços tecnológicos de dimensão significativa Garantir produção sistemática de conceitos de estilo e funcionalidade em ruptura com os anteriores

34 Actuar na distribuição No negócio da moda, o poder da distribuição é decisivo Concentrar recursos financeiros, públicos e privados, nacionais e estrangeiros, para nuclear no Norte uma iniciativa empresarial de dimensão suficiente na área do retalho (preferencialmente mais) Atribuir a estas operações o carácter de Projecto de Decisivo Interesse Nacional garantindo-lhes condições excepcionais, nomeadamente ao nível fiscal

35 finalmente

36 Uma estratégia da região Norte para estes sectores falhará se for cerceada pela ausência de uma outra estratégia que assegure inevitáveis veis impactos sociais da mudança Uma boa estratégia para estes sectores pode não ser aquela que resolva problemas sociais de curto prazo, e para que tenha êxito, tem que ser claramente assumida

37

38 ERROR: syntaxerror OFFENDING COMMAND: --nostringval-- STACK: /Title () /Subject (D: ) /ModDate () /Keywords (PDFCreator Version 0.8.0) /Creator (D: ) /CreationDate (anabela.tavares) /Author -mark-

O Futuro dos Têxteis da Beira Interior numa Economia Globalizada Perigos e Desafios

O Futuro dos Têxteis da Beira Interior numa Economia Globalizada Perigos e Desafios Universidade da Beira Interior Departamento Têxtil Covilhã, Portugal Sindicato dos Trabalhadores do Sector Têxtil da Beira Baixa Covilhã O Futuro dos Têxteis da Beira Interior numa Economia Perigos e Desafios

Leia mais

O Caso da Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa

O Caso da Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa Reunião do Grupo Socialista do Parlamento Europeu Porto, 7 de Dezembro de 2006 O Caso da Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa no quadro da Regeneração Industrial Europeia ATP Associação Têxtil e Vestuário

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

PRODUTECH 2.0 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO. PRODUTECH Página 1

PRODUTECH 2.0 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO. PRODUTECH Página 1 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO PRODUTECH Página 1 ÍNDICE 1 Introdução... 3 2 Enquadramento... 3 3 Estratégia... 4 3.1 O contexto da indústria transformadora na Europa em Portugal... 4 3.2 As tecnologias

Leia mais

A Saúde Ocupacional e a Crise Actual. Álvaro Durão

A Saúde Ocupacional e a Crise Actual. Álvaro Durão Seminário ANTESHT Évora, 27 de Novembro de 2009 Conferência de Encerramento A Saúde Ocupacional e a Crise Actual Álvaro Durão Especialista em Medicina do Trabalho 1 Saúde Ocupacional, Globalização e desafios

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP CURSO: ADMINISTRAÇÃO 5º ADN DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSORA: NAZARÉ ALUNO: ALÉXS SANDRO ALEMEIDA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP CURSO: ADMINISTRAÇÃO 5º ADN DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSORA: NAZARÉ ALUNO: ALÉXS SANDRO ALEMEIDA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP CURSO: ADMINISTRAÇÃO 5º ADN DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSORA: NAZARÉ ALUNO: ALÉXS SANDRO ALEMEIDA O comércio eletrônico (e-commerce) oferece ao empreendedor

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA. ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA. ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A Fileira Têxtil Portuguesa: + 7.000 Empresas (95% PME s) 85% Localizadas na Região Norte 5.360 Milhões Euros de

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar 24.Julho.2009 Auditório do Museu de Portimão Sumário (I) 2 Introdução I. As questões teóricas de enquadramento 1. O contexto económico e social

Leia mais

As Novas Fronteiras da Soberania

As Novas Fronteiras da Soberania As Novas Fronteiras da Soberania 7 de Outubro de 2011 Um Novo Contexto Estratégico de Soberania A Soberania tem que assentar cada vez mais num Novo Contrato de Confiança entre o Estado e o Cidadão, formalizado

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA ORÇAMENTO PARA AS OBRAS 2010

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA ORÇAMENTO PARA AS OBRAS 2010 JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA ORÇAMENTO PARA AS OBRAS 2010 ANEXO 6 - RELATÓRIO DE PENDÊNCIAS DE EXECUÇÃO - VÍCIOS 1 P T Retirar massa de cimento que penetrou nos dutos

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global

Às sextas na Cidade. Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global Às sextas na Cidade Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global Índice Como pode o sector empresarial de Águeda assumir a dianteira da inovação no domínio da mobilidade

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio da Cultura, Criação e Moda

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio da Cultura, Criação e Moda Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio da Instituições www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI 24 Maio 2012 Inteligência Competitiva A Nova Agenda Digital

Leia mais

O Papel da Engenharia no Crescimento

O Papel da Engenharia no Crescimento O Papel da Engenharia no Crescimento Visão e Objectivos Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Iniciativa António Manzoni e Vilar Filipe 11 de Abril de 2013 Projecto Engenharia 2020 Plataforma

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Sector Cultural e Criativo em Portugal

Sector Cultural e Criativo em Portugal Sector Cultural e Criativo em Portugal Em Novembro de 2007, pela primeira vez em todo o processo de construção europeia, o Conselho da UE sob Presidência portuguesa adoptou uma estratégia comum para o

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Objecto e Princípios Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Código estabelece os princípios e as regras disciplinadoras

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Medidas e acções de internacionalização do CEDT

Medidas e acções de internacionalização do CEDT Medidas e acções de internacionalização do CEDT António Murta Coordenador do CEDT 15 de Abril de 2008 Porto Palácio Hotel Agenda 1. Contexto Internacional: Tendência de Deslocação para Leste 2. Como ganhar

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Sistemas Agroambientais e Alimentação

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Sistemas Agroambientais e Alimentação Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Empresas www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Sistemas Agroambientais e Alimentação

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Sistemas Agroambientais e Alimentação Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das SCTR www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui uma

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

O Apoio à Qualificação, Internacionalização e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Qualificação, Internacionalização e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Qualificação, Internacionalização e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 14 de nov de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Adoptada na reunião informal dos Ministros responsáveis pelo Desenvolvimento Urbano e Coesão Territorial, em 24 e 25 de Maio de 2007, em Leipzig

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades Bragança, 16 de Outubro 2014 1 A Inovação em Portugal - Alguns dados recentes Em relação à média da União

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Tecnologias de Largo Espectro

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Tecnologias de Largo Espectro Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Empresas www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS Artigos: 1º OBJECTIVOS São objectivos do Concurso : a) Estimular o empreendedorismo qualificado e inovador junto da comunidade empresarial e académica da região Norte, Centro

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

Centro de Inovação e Competitividade

Centro de Inovação e Competitividade Centro de Inovação e Competitividade Contexto para a criação do centro Tendência Internacional das MO s GS1 Análise de melhores práticas mostra que muitas MO s da GS1 têm vindo a implementar Centros Similares,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

VII Jornadas Pascal. Energia: os desafios do futuro António Comprido Secretário-Geral da Apetro

VII Jornadas Pascal. Energia: os desafios do futuro António Comprido Secretário-Geral da Apetro VII Jornadas Pascal António Comprido Secretário-Geral da Apetro Porto, 2 de Junho de 2011 1 Estrutura da apresentação Onde estamos Para onde caminhamos Quais os desafios que enfrentamos 2 Onde estamos

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

inovação & nas empresas 2020 competitividade

inovação & nas empresas 2020 competitividade inovação & nas empresas 2020 competitividade Desafios e Oportunidades de Inovação A Competitividade das Empresas e os Instrumentos do Portugal 2020 Coimbra Abril 2014 1 PT HOJE Empresas 2020: Desafios

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

O Desenvolvimento Regional como Dinamizador da Recuperação Económica

O Desenvolvimento Regional como Dinamizador da Recuperação Económica PSD da Cidade do Porto XXXV Congresso Nacional do PSD Proposta Temática O Desenvolvimento Regional como Dinamizador da Recuperação Económica O nosso país conhece significativos desequilíbrios territoriais

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL Ponte de Lima, 27 Junho 2015 www.hqnstrategyconsulting.com 1 PLANO REGIONAL DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL O desenvolvimento de um Plano Regional para

Leia mais

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago na abertura da Sessão pública de apresentação das actividades do Conselho Europeu de Investigação (ERC) 3 de Julho 2007

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

O compromisso da Abreu Advogados

O compromisso da Abreu Advogados 2 0 0 15 0 10 0 5 0 0 4 7 65 17 3 7 199 3 19 98 200 3 2011 A n os 16 5 7 5 2 6 Staff Admin istrativo Advogados ( in cluin do só cios) Só cios O compromisso da Abreu Advogados Quem Somos Somos uma Sociedade

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia. Instituições

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia. Instituições Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Instituições www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

5. Cluster Metalúrgico e Metalomecânico em Portugal: Análise Estratégica. Augusto Mateus & Associados

5. Cluster Metalúrgico e Metalomecânico em Portugal: Análise Estratégica. Augusto Mateus & Associados 5. Cluster Metalúrgico e Metalomecânico em Portugal: Análise Estratégica 118 5.1. Macro-Envolvente do Cluster MM Português Macro-Envolvente Envolvente Político-Legal Envolvente Tecnológica Envolvente Económica

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE Cultura, Língua e Comunicação NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA

ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE Cultura, Língua e Comunicação NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA GRUPO: ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE Cultura, Língua e Comunicação NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA Actuar face aos equipamentos e sistemas técnicos usados em contexto doméstico, identificando

Leia mais

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura

Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura Tipologia de Intervenção Formação Acção para PME Programa de Candidatura 1. Enquadramento legal do Projecto Dinamizar Considerando o contrato de delegação de competências da Comissão Directiva do POPH

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Humano e Serviços Especializados

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Humano e Serviços Especializados Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Instituições www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

PORTUGAL. INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009. Ciclo de Workshops INOVAR PARA COMPETIR

PORTUGAL. INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009. Ciclo de Workshops INOVAR PARA COMPETIR PORTUGAL INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009 1. Portugal: indústria automóvel Diagnóstico 2. Portugal: mudança de paradigma - Indústria conversão para VE s 3. Portugal:

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE Plano de Acção ////////////// O FUTURO DA. UM FUTURO SUSTENTÁVEL A mobilidade sustentável é um dos principais desafios da Europa. Empresas construtoras de meios de transporte, fornecedores e vários outros

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA 1 BIOTECNOLOGIA... 3 2 BIOTRAINING... 4 O QUE É?... 4 OBJECTIVOS... 4 A QUEM SE DIRIGE?... 5 QUE POSSO OBTER PARTICIPANDO EM BIOTRAINING?... 5

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais