LUTHERO yargas GETÚLIO VARGAS. A Revolução Inacabada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUTHERO yargas GETÚLIO VARGAS. A Revolução Inacabada"

Transcrição

1 LUTHERO yargas GETÚLIO VARGAS A Revolução Inacabada 1988

2 índice CAPÍTULO I ( ) Nascimento São Borja A Casa da Praça XV de Novembro Infância Adolescência Episódio de Ouro Preto Ingresso na Escola Militar de Rio Pardo Segue para Mato Grosso Académico Bloco Académico Castilhista. Jornal O Debate Bacharel Advogado. Deputado estadual Casamento Gabinete de Getúlio Getúlio renuncia ao mandato de deputado Conflitos políticos em São Borja Os quatro crimes da Tribuna da Imprensa Novamente deputado estadual Eleições no Rio Grande do Sul Revolução de 1923 Getúlio organiza o 7. CA. da Brigada Militar CAPÍTULO II (1923rl930) Deputado federal Líder da bancada gaúcha Revolução de 1924 Coluna Prestes Governo Artur Bernardes Washington Luís assume a Presidência da República Ministro da Fazenda Presidente do Rio Grande do Sul Pródromos da sucessão presidencial A Aliança Liberal Caravanas ao Norte Troca de cartas Plataformas de governo Ida a São Paulo Dona Tributina Princesa Eleições Conspirações Apuração eleitoral Manifesto de Getúlio Vargas Morte de João Pessoa 3 de outubro de de outubro de 1930 Rio Grande, de pé, pelo Brasil "

3 24 de outubro de 1930 Getúlio chega a São Paulo Getúlio chega ao Rio de Janeiro CAPÍTULO III ( ) Posse como chefe do Governo Provisório Constituição do ministério Ministério do Trabalho Programa da Revolução Rebeliões no Nordeste Novo Código Eleitoral Crises políticas em São Paulo Assalto ao Diário Carioca 9 de julho de 1932 Getúlio dirige-se ao povo paulista São Paulo pacificado Pedra no caminho de Petrópolis Eleições para a Assembleia Constituinte Instalação da Assembleia Constituinte Viagem ao Nordeste Visita do Presidente Agustin Justo Incidente na fronteira Problemas e mais problemas Promulgação da Constituição Trabalhos na Assembleia Posse de Getúlio na Presidência da República Novo interventor em Minas Gerais 1935 Lei de Segurança Nacional Visita presidencial à Argentina e ao Uruguai Extinção da ANL Centenário da Revolução Farroupilha Eleições na Assembleia Fluminense Levante comunista Atividades da ANL Reunião dos generais em 3 de dezembro de 1935 Reforma da Constituição Saudação de Getúlio ao povo brasileiro Prisões após o levante comunista Prisão de Prestes Extradição de Olga Benãrio Falecimento de Cândida Dorneles Vargas Inauguração da nova sede do Instituto do Cacau Visita de Roosevelt Governo consegue eliminar déficit orçamentário Discurso a bordo do Minas Gerais Getúlio prepara sua mudança para São Borja Candidatos à presidência Campanha política CAPÍTULO IV ( ) Carta para Protásio Vargas Situação política no Rio Grande Carta de Osvaldo a Getúlio A execução do estado de guerra no Rio Grande do Sul

4 Atividades subversivas do governador do Rio Grande do Sul Ata da reunião dos generais em Manobras para a implantação de um Estado Castilhista Exposição de motivos dos ministros militares A Câmara dos Deputados aprova o estado de guerra Diário do General Dutra Proclamação do Estado Novo 0 Plano Cohen Resumo do Plano Cohen Técnica da greve moderna xvn Ação Militar xvm Os reféns Plano Cohen: minhas ilações Levante integralista de Carta de Plínio a Getúlio em Assalto ao Palácio Guanabara Realizações do mês de julho Carta do Embaixador Luzardo em Novamente o Plano Cohen A crise económica internacional Reunião de Getúlio com os plutocratas Razões do Estado Novo, segundo Virgílio de Melo Franco Razões do Estado Novo, segundo Getúlio Vargas Roosevelt A luta interna 1937 A decisão Consagrado ao sacrifício Grande momento Getúlio esclarece Alzira sobre a Constituição de 1937 A grande oportunidade Relações entre a indústria e o governo Nacionalismo Encampações Instituto de Resseguros Nacionalização dos bancos A grande siderurgia Ação do CFCE na criação do Conselho Nacional de Petróleo Conselho Técnico de Economia e Finanças Neutralidade Pearl Harbor III Reunião de Consulta dos Chanceleres Americanos Mensagem de Franklin D. Roosevelt a Getúlio Vargas em Torpedeamento de nossos navios Indenizações Acidente do dia 1. de maio de 1942 Guerra FEB Comando da FEB Visita de Stetinius Getúlio fala sobre seu acidente Sociedade dos Amigos da América Manifesto dos Mineiros Osvaldo Aranha afasta-se do governo

5 Reconhecimento da Rússia. Anistia De volta ao Brasil Aniversário de Getúlio Vargas em 1945 Organização dos partidos Decreto-Lei n Lei Malaia O discurso de Berle Jr. Getúlio aconselha os operários a filiarem-se ao PTB 29 de outubro de 1945 Conferência de Sumner Welles em De onde em onde o autor entra de permeio Atividades pessoais até 2 de outubro de 1945 Casa de Saúde Pedro Ernesto Gabinete do Ministro Gustavo Capanema Em Paris Em Berlim Regresso ao Brasil Em Washington Bolsa de estudos Getúlio Vargas Filho vitimado pela poliomielite No hospital da Aeronáutica 1. Grupo de Aviação de Caça Na Itália CRIFA Comissão de Reabilitação dos Incapacitados das Forças Armadas CAPTULO V ( ) De volta aos pagos Uma nova Meca São Borja "Ele disse" Trabalhismo A questão social não é caso de polícia Eleições de 2 de dezembro Sento praça no PTB Getúlio recomenda o PTB Socialismo Getúlio Vargas em campanha petebista Getúlio no pleito paulista para vice-governador PSD e UDN apresentam seus candidatos A indecisão de Getúlio Vargas Getúlio candidato Participo ativamente na política Entrevista de Getúlio Vargas a um jornal paulista A campanha eleitoral Eleições de 1950 Justiça eleitoral proclama vitória de Getúlio Vargas No Hotel Paineiras Diplomado pelo Tribunal Eleitoral Bota o retrato do velho Posse de Getúlio Vargas Composição do ministério Inicio da Guerra Fria Assessoria económica de Getúlio Vargas Discurso no Maracanã em 18 de fevereiro de 1951 O inquérito do Banco do Brasil Conclusão do relatório Mensagem ao Congresso Nacional em março de

6 Comissão Mista Brasil-Estados Unidos João Neves avança o sinal IV Reunião de Consulta dos Chanceleres Americanos Programa Nacional de Industrialização Plano Aranha Getúlio Vargas dispensa o auxílio do capital estrangeiro Assinatura do acordo militar Brasil-Estados Unidos Conselho Nacional de Pesquisas Política nuclear do Brasil Emancipação económica Sangria na economia nacional Sangria duplicada, contínua e crescente 0 que ocorre com os bancos estrangeiros Os lucros são de grande vulto A transferência de lucros e dividendos Projeto n Recursos captados por meio de depósitos pelos bancos estrangeiros Fundo Especial Processo seletivo Sangria económica Recomendação Consequências da apresentação do projeto n Corvo entra em cena Discurso do Deputado Ary Pitombo, em , na Câmara dos Deputados Um ambicioso sem escrúpulos 0 falsário Abandonou os comparsas Caixeiro-viajante da calúnia Nova intriga internacional Lacerda no Banco do Brasil Deputado falsário e perjuro Pregou o fechamento da Câmara Quem está por trás de Lacerdp Desenvolvimento económico As confissões de Lacerda Petrobrás Depoimento de Jesus Soares Pereira sobre a Batalha do Petróleo Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as atividades políticas dos grupos Shell e Esso no Brasil Ata da 24." Reunião da CPI aprovando relatório Conclusões A Dispetrol Justificarão É espantoso, brasileiros! Limite na remessa de lucros A borrasca se aproxima Eleições no Clube Militar V Conferência dos Estados da América Companhia Hidrelétrica do Sâo Francisco Chefe de uma revolução social Pressão económica e tensão política Reforma ministerial Caso do jornal Ultima Hora Comissão Parlamentar de Inquérito com a finalidade de apurar os débitos da imprensa escrita e falada com os organismos oficiais de créditos

7 Meu depoimento perante a CPI 244 Lição de moral, a "eterna vigilância" 246 Prossegue o inquérito. Tentativa de impeachment 252 Discurso em Volta Redonda, em 1. de maio de Realizações do governo trabalhista V 253 Outras medidas de alcance social 254 Desenvolvimento da Previdência Social 254 Situação das Caixas de Aposentadorias e Pensões 255 Boa aplicação dos recursos do fundo sindical 255 Outros benefícios para os trabalhadores 255 Passado e presente da legislação social 256 Reforma Administrativa da União 256 Criação do Banco do Nordeste do Brasil 257 Luta contra o imperialismo ideológico 257 O espírito da América Latina 257 Verdadeiro sentido do ideal pan-americanista 257 Getúlio Vargas e a política expansionista 258 Plano de estabilização econômico-financeira 259 Mensagem ao Congresso Nacional enviando projeto sobre a lei de lucros extraordinários, em Exposição de motivos do Ministério da Fazenda 260 A reforma cambial _, 261 Conferência dos Estados da Bacia do Paraná-Uruguai 262 Discurso de Getúlio Vargas no 3." aniversário de seu último período governamental 262 Getúlio denuncia transferência de dólares 262 Especulação e comércio exterior 262 Ilusão do preço alto e lucro astronómico 263 Deterioração de nossa moeda imposta pelos especuladores 263 Limitação de lucros 264 Providências enérgicas contra o abuso 264 O registro de capital 265 Petrobrás 266 O aumento da produção de energia elétrica criação da Eletrobrâs 267 Recuperação económica 267 Por que não levantam o véu e dizem a verdade 267 Memorial dos coronéis e substituição de João Goulart e Ciro do Espirito Santo Cardoso 267 Movimentos preparatórios de conspiração 268 Check up 269 Observação sobre o memorial dos coronéis 269 A calúnia do pacto do ABC 270 Depoimento de Lourival Fontes em resposta à acusação de João Neves 271 Cartas do Embaixador António Carlos de Abreu e Silva 275 Aumento de 100% do salário mínimo 276 O impedimento {impeachment) 276 Intensificam-se as acusações contra Getúlio Vargas 277 Apresento queixa-crime contra Carlos Lacerda 278 Palavra de ordem do imperialismo: liquidem Vargas 281 Entrevista de Tancredo Neves 284 O pseudo-atentado da Rua Tonelero 285 Depoimento de Carlos Lacerda ao Estado de São Paulo 286 Relatório do Cel.-Av. João Adil de Oliveira, encarregado do IPM 289 Tancredo Neves, 23 anos depois, reconstitui o 24 de agosto 290 Sequência dos fatos até o dia 20 de agosto de

8 Confio na isenção dos tribunais de meu pais 297 O governo continuará agindo na defesa da liberdade de critica 298 Minha proclamação ao povo Rádio Nacional em O crime da Rua Tonelero segundo Carlos Heitor Cony 302 A crise político-militar de agosto de 1954, segundo o Marechal Mascarenhas de Moraes 310 Sondagem frustrada 312 Assembleia nos Clubes Naval e da Aeronáutica 313 Evolução dos acontecimentos no Exército 314 Conselho dos chefes do Estado-Maior 317 Dia 23 de agosto de As verdadeiras causas do golpe de Forças da Cruzada 322 Forças do governo 323 A última reunião do ministério com o Presidente Vargas 326 O que eu vi e ouvi nessa reunião 327 Bilhete encontrado pelo Major Fittipaldi 332 Últimos momentos 333 A Carta Testamento 335 O imperialismo tenta negar a Carta Testamento 336 A Carta Testamento sem mistério 338 Adeus Getúlio 339 Mais de pessoas desfilaram diante do ataúde 339 Fechamento da urna mortuária 340 Movimenta-se o cortejo fúnebre 340 Onda humana 340 Deixa o Catete a esposa do presidente 341 São Borja se transforma em santuário da pátria 341 Homenagem silenciosa 341 O sepultamento 342 Discurso de João Goulart 342 Fala Rui Ramos 342 Minas está presente 342 Discurso de Osvaldo Aranha 343 CAPÍTULO FINAL Homenagem póstuma a Getúlio Vargas Cerimónia cívica no PTB, em Fala Luthero Vargas 350 Vargas foi morto por interesses ocultos 350 O exemplo de Vargas 351 Síntese do 2. governo de Getúlio Vargas por Hélio Jaguaribe 353 Chegando à etapa final 356 Candidatura Sérgio Magalhães ; 357 Deputado estadual 357 Candidato ao Senado Federal 361 Abril de Eleição na Guanabara, no ano de Trava-se a batalha pela posse de Negrão de Lima 364 Falecimento de minha mãe Darcy Sarmanho Vargas 366 Finalmente a verdade começa a aparecer 368 Candidatura espúria do PTB da Deputada Yvete de abril de Comemorações do Centenário de Getúlio Vargas na Cidade de São Borja 370 Duvidando chegamos à verdade 372 Depoimento de Alcino João do Nascimento 373

9 Inquirições Circunstância básica Opinião de técnicos Abreviaturas e siglas usadas neste livro Bibliografia Apêndice (Cartas inéditas de Getulio Vargas) Impresso em Bloch Editores S.A. Rua do Russell, 766 Glória Rio de Janeiro RJ

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

XVI. A Revolução de 1930

XVI. A Revolução de 1930 XVI. A Revolução de 1930 Queda da Bolsa de Valores de Nova York. A Crise do capitalismo e o Café. Desestruturação do poder tradicional. Consciência trabalhista. Problema de salário é caso de polícia. (Presidente

Leia mais

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS)

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Governos Entregar? Populistas Brasileiros (1946-1964) OU Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Nacionalizar? PRINCIPAIS PARTIDOS PSD (Par(do Social Democrá(co): Principal par*do. Criado

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

Governo Provisório ( 1930/1934 ).

Governo Provisório ( 1930/1934 ). Aula 20 Era Vargas (1930/45) A chamada Era Vargas está dividida em três momentos: Governo Provisório, Governo Constitucional e Estado Novo. O período inaugurou um novo tipo de Estado, denominado Estado

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964)

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964) REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964) O principal êxito do período foi ampliar a cidadania sobretudo o direito de votar e, muito teoricamente, o direito de ser eleito - às classes médias e à classe trabalhadora.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO ARTHUR BERNARDES FILHO

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO ARTHUR BERNARDES FILHO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO ARTHUR BERNARDES FILHO Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Fevereiro/2015

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MULHERES NA POLÍTICA Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados mostrando a trajetória da mulher brasileira na política. Centro de

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54)

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) Como pode cair no enem A crise de agosto de 1954, que terminou com o suicídio do Presidente Vargas, teve como antecedentes: a) a oposição dos

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

O novo Trabalhismo João Goulart e a greve dos marítimos de 1953. A greve dos marítimos ocorrida em junho de 1953 é analisada pela historiografia

O novo Trabalhismo João Goulart e a greve dos marítimos de 1953. A greve dos marítimos ocorrida em junho de 1953 é analisada pela historiografia O novo Trabalhismo João Goulart e a greve dos marítimos de 1953. Márcio André Sukman A greve dos marítimos ocorrida em junho de 1953 é analisada pela historiografia como um episódio de extrema importância

Leia mais

Clóvis Salgado da Gama nasceu em Leopoldina (MG) no dia 20 de janeiro de 1906, filho de Luís Salgado Lima e de Virgínia da Gama Salgado.

Clóvis Salgado da Gama nasceu em Leopoldina (MG) no dia 20 de janeiro de 1906, filho de Luís Salgado Lima e de Virgínia da Gama Salgado. SALGADO, Clóvis *rev. 1930; gov. MG 1955-1956; min. Educ. 1956-1961. Clóvis Salgado da Gama nasceu em Leopoldina (MG) no dia 20 de janeiro de 1906, filho de Luís Salgado Lima e de Virgínia da Gama Salgado.

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Realizações e projetos do Estado

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

*dep. fed. MG 1903 1908; pres. MG 1909 1910; vice pres. Rep. 1910 1914; pres. Rep. 1914 1918.

*dep. fed. MG 1903 1908; pres. MG 1909 1910; vice pres. Rep. 1910 1914; pres. Rep. 1914 1918. FARIA, Helena. Wenceslau Brás. In: Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: CPDOC/ FGV. 2000. Disponível em: . BRÁS, WENCESLAU *dep. fed. MG 1903 1908; pres. MG

Leia mais

CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932.

CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932. CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932. Otávio Ismaelino Sarmento de Castro nasceu no Pará no dia 21 de maio de 1905, filho de Manuel Ismael de Castro e de Otávia Sarmento

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

PAIM FILHO, FIRMINO *dep. fed. RS 1924-1928; sen. RS 1930; dep. fed. RS 1935-1937.

PAIM FILHO, FIRMINO *dep. fed. RS 1924-1928; sen. RS 1930; dep. fed. RS 1935-1937. PAIM FILHO, FIRMINO *dep. fed. RS 1924-1928; sen. RS 1930; dep. fed. RS 1935-1937. Firmino Paim Filho nasceu em São Sebastião do Caí (RS) no dia 15 de dezembro de 1884, filho do coronel Firmino Paim e

Leia mais

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano.

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. PROJETOS DE REPÚBLICA MILITARES Relutava em convocar eleições para a Assembleia Constituinte; Queria um governo forte,

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

presidencial por Deodoro. Fracassada a rebelião, foi um dos deportados para Cucuí, no alto Amazonas, e perdeu o cargo de diretor da Faculdade de

presidencial por Deodoro. Fracassada a rebelião, foi um dos deportados para Cucuí, no alto Amazonas, e perdeu o cargo de diretor da Faculdade de SEABRA, J. J. *const. 1891; dep. fed. BA 1891-1893 e 1897-1902; min. Interior e Just. 1902-1906; dep. fed. BA 1909-1910; min. Viação 1910-1912; gov. BA 1912-1915; dep. fed. BA 1916-1917; sen. BA 1917-1920;

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

O Estado na dianteira: intervencionismo e desenvolvimento no segundo governo Vargas

O Estado na dianteira: intervencionismo e desenvolvimento no segundo governo Vargas O Estado na dianteira: intervencionismo e desenvolvimento no segundo governo Vargas A UU L AL A Em dezembro de 1994, quando foi eleito presidente da República, Fernando Henrique Cardoso foi ao Senado para

Leia mais

Seixas Dória e o Golpe Militar de 1964

Seixas Dória e o Golpe Militar de 1964 Seixas Dória e o Golpe Militar de 1964 Charles Pires Neves Márcia Alves de Carvalho Machado Graduados em História/UVA/Pólo Aracaju charles_neves@uol.com.br mac_machado@hotmail.com Resumo: O Golpe Militar

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 329/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 329/VIII PROJECTO DE LEI N.º 329/VIII PROMOVE OS MILITARES DEFICIENTES DAS FORÇAS ARMADAS AO POSTO A QUE TERIAM ASCENDIDO SE TIVESSEM PERMANECIDO NA SITUAÇÃO DE SERVIÇO ACTIVO Exposição de motivos O Decreto-Lei

Leia mais

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse O B R A S I L DE SARNEY A FHC Da redemocratização à globalização O G O V E R N O S A R N E Y (1985-1990) 1990) Antecedentes Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o texto e responda às questões 1 e 2. O primeiro de maio estava sendo comemorado na vila de esportes do Sindicato dos Têxteis.

Leia mais

O STF e a Voz das Ruas: como a Corte vê as manifestações populares?

O STF e a Voz das Ruas: como a Corte vê as manifestações populares? O STF e a Voz das Ruas: como a Corte vê as manifestações populares? Sociedade Brasileira de Direito Público - SBDP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP Julgados sobre as movimentações das

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil. Paulo Abrão

Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil. Paulo Abrão Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil Paulo Abrão A Ditadura Militar no Brasil (1964-1985) Fases - 1ª fase: 64-68 (golpe e aliança civil-militar) - 2ª fase: 68-79 (terrorismo de Estado)

Leia mais

Eleições presidenciais de 1955

Eleições presidenciais de 1955 Candidatos: - Juarez Távora(UDN)-30% Eleições presidenciais de 1955 -Juscelino Kubitscheck (PSD-PTB)-36% - Adhemar de Barros (PSP)-26% - Plínio Salgado (PRP)-8% O sr.getúlio Vargas não deve ser candidato

Leia mais

Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional

Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional Noticiário de fevereiro de 2013 Brasília, março de 2013 SECRETARIA DE TRANSPARÊNCIA Conteúdo 1. Análise de notícias... 3 2. Pré-sal...

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915.

FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915. FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915. José de Melo Carvalho Muniz Freire nasceu em Vitória a 13 de julho de 1861, filho de Manuel Feliciano

Leia mais

Idade recomendada: 16 anos - retirada de ingressos: uma hora antes de cada sessão - Sala Lima Barreto - entrada franca

Idade recomendada: 16 anos - retirada de ingressos: uma hora antes de cada sessão - Sala Lima Barreto - entrada franca Os anos de chumbo pelos olhos do documentário de 2 a 7/12 apoio: Fundação Padre Anchieta Centro Paulista de Rádio e TV Educativas - Centro de Documentação, TV Câmara, Cinemateca Brasileira e Tatu Filmes

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

CURRICULUM VITÆ 24 DE DEZEMBRO DE 1924 - FORTALEZA CEARÁ

CURRICULUM VITÆ 24 DE DEZEMBRO DE 1924 - FORTALEZA CEARÁ CURRICULUM VITÆ NOME: FILIAÇÃO: MÃE: FRANCISCO BATISTA TORRES DE MELO PAI - JOSÉ RAMOS TORRES DE MELO EDITH DE FREITAS TORRES DE MELO NASCIMENTO: 24 DE DEZEMBRO DE 1924 - FORTALEZA CEARÁ CASAMENTO: FILHOS:

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

O jornal Gazeta de Notícias durante o segundo governo Vargas (1950-1954) No segundo governo Vargas, o país apresentava a realidade interna de uma

O jornal Gazeta de Notícias durante o segundo governo Vargas (1950-1954) No segundo governo Vargas, o país apresentava a realidade interna de uma O jornal Gazeta de Notícias durante o segundo governo Vargas (1950-1954) Vera Lúcia Bogéa Borges 1 - UGF No segundo governo Vargas, o país apresentava a realidade interna de uma sociedade democrática,

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

ARANHA, LUÍS *rev. 1930.

ARANHA, LUÍS *rev. 1930. ARANHA, LUÍS *rev. 1930. Luís de Freitas Vale Aranha, também conhecido como Lulu Aranha, nasceu em Itaqui (RS) no dia 18 de dezembro de 1902, filho de Euclides Egídio de Sousa Aranha e de Luísa de Freitas

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. As sentenças a seguir se referem ao segundo governo de Getúlio Vargas. Marque V nas sentenças verdadeiras e F nas falsas.

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História, Relações Internacionais FEVEREIRO/2000 2 2000 Câmara

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929.

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. Adolfo Afonso da Silva Gordo nasceu em Piracicaba (SP) a 12 de agosto de 1858, filho de Antônio José

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2010

RELATÓRIO Nº, DE 2010 RELATÓRIO Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 64, de 2010 (Mensagem 69, de 25/2/2010, na origem), do Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

XIII. A República dos Marechais

XIII. A República dos Marechais XIII. A República dos Marechais Governo (Provisório) de Deodoro Primeiras medidas: - Federalismo - Separação entre Igreja e Estado (registro civil de nascimento e casamento civil) - Novos símbolos nacionais

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO (CNT) Órgão criado pelo Decreto nº 16.027, de 30 de abril de 1923, vinculado ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio e destinado à consulta dos poderes públicos

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR SUB-COMISSÃO DO VOTO ELETRÔNICO E O DEBATE EM TORNO DA ESCOLHA DEMOCRÁTICA DOS REPRESENTANTES POR MEIO DO VOTO ELETRÔNICO, A MANUTENÇÃO E

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo Ciências Humanas Material de apoio para Aula ao Vivo 1. A charge expressa enfaticamente uma característica do processo histórico de urbanização da sociedade brasileira. A crítica contida na charge refere-se

Leia mais

Registo de descrição

Registo de descrição 2016-06-29 23:57:30 PT/PR/AHPR/CH/CH0101/CH010106/CH01010601/D204503 Nível de descrição Código de referência Tipo de título Título P PT/PR/AHPR/CH/CH0101/CH010106/CH01010601/D204503 Formal Datas de produção

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

40 anos do golpe de 1964

40 anos do golpe de 1964 40 anos do golpe de 1964 Tortura, prisões, assassinatos e desaparecimentos de opositores, proibição de partidos, intervenção em sindicatos, censura à imprensa e crescimento económico acelerado: tudo isso

Leia mais

3.01 - Aprovado em concurso público para ingresso na carreira inicial do Ministério Público no Estado de Alagoas, em 1977.

3.01 - Aprovado em concurso público para ingresso na carreira inicial do Ministério Público no Estado de Alagoas, em 1977. 1. IDENTIFICAÇÃO 1.01 - Nome: Paulo Roberto de Oliveira Lima 1.02 Filiação: Edvaldo Santos Lima Maria Aparecida de Oliveira Lima 1.03 Nacionalidade: Brasileira 1.04 Naturalidade: Alagoana 1.05 Nascimento:

Leia mais

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS JOÃO ESTEVES AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS A Primeira Organização Sufragista Portuguesa: a Associação de Propaganda Feminista (1911-1918) EDITORIAL BIZANCIO LISBOA, 1998 ÍNDICE Introdução 11 Capítulo

Leia mais

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil A Corte no Brasil? Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Império Português para a colônia na América.

Leia mais

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses Cargo Administrador de empresa de economia mista destinada à exploração de transporte urbano, que tem como acionista majoritário o município. TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 79 Discurso no lançamento do programa

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS Exposição de motivos A Constituição da República Portuguesa define, na alínea b) do n.º 2 do artigo 38.º, que a liberdade de imprensa implica

Leia mais

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Módulo 13 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Marechal Castello Branco (1964 1967) Chegou a presidência via eleição INDIRETA No seu governo foram criados 4 atos institucionais

Leia mais

O 127º ANIVERSÁRIO DE CRIAÇÃO DO PAVILHÃO NACIONAL Cel Claudio Moreira Bento Presidente da FAHIMTB A atual Bandeira Nacional foi criada há 127 anos,

O 127º ANIVERSÁRIO DE CRIAÇÃO DO PAVILHÃO NACIONAL Cel Claudio Moreira Bento Presidente da FAHIMTB A atual Bandeira Nacional foi criada há 127 anos, 1 O 127º ANIVERSÁRIO DE CRIAÇÃO DO PAVILHÃO NACIONAL Cel Claudio Moreira Bento Presidente da FAHIMTB A atual Bandeira Nacional foi criada há 127 anos, em 19 de novembro de 1989. Participamos das comemorações

Leia mais