REPÚBLICA DEMOCRÁTICA ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964)"

Transcrição

1 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA ( ) O principal êxito do período foi ampliar a cidadania sobretudo o direito de votar e, muito teoricamente, o direito de ser eleito - às classes médias e à classe trabalhadora. Ary Gláucio Soares sociólogo.

2 ELEIÇÕES DE 1945 Após a deposição de Getúlio Vargas do poder, em 1945, as eleições foram mantidas para presidente da República, deputados federais e senadores. Os deputados eleitos formariam uma Assembleia Nacional Constituinte elaborar uma nova Constituição. A vitória do brigadeiro Eduardo Gomes (UDN) era tida como certa; porém, Vargas apoiou Dutra com a condição dele manter as leis sociais e indicasse o PTB para dirigir o Ministério do Trabalho. Com esse apoio Dutra se elegeu com 55% dos votos.

3 ELEIÇÕES DE 1945 Getúlio e Prestes foram eleitos senadores com uma grande votação nas cidades. Pela primeira vez na história do Brasil, os coronéis foram derrotados em seus currais eleitorais. Os trabalhadores passaram a ter vontade política própria, elegendo membros do PTB e do PCB.

4 GOVERNO DUTRA ( ) A Constituição de 1946: Independência dos três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário; Voto secreto e direto, exceto analfabetos; Liberdade de imprensa; Os direitos sociais dos trabalhadores garantidos; Multipartidarismo.

5 GOVERNO DUTRA Na Guerra Fria aliou-se aos EUA e rompeu relações diplomáticas, em 1947, com a URSS. A posição do PCB, no início do governo Dutra, era de solucionar os problemas de maneira pacífica, sendo contra as greves. E tinha um amplo número de filiados. Mas, muitos militantes comunistas participaram de greves nas fábricas. E os sindicatos disputavam operários com o PTB.

6 GOVERNO DUTRA Com a posição contrária do Brasil ao comunismo, em 1947, o Superior Tribunal Eleitoral casou o registro do PCB. Os partidários radicalizaram suas ações: criaram a Frente Democrática de Libertação Nacional convocando o povo a luta armada. No plano econômico: redução dos investimentos governamentais; acabaram-se às restrições às importações; gasto das moedas estrangeiras, o que gerou inflação; retração na indústria nacional; aumento do custo de vida do trabalhador.

7 GOVERNO DUTRA Um dos momentos mais tensos do governo com o trabalhador foi no aumento das passagens dos bondes e dos ônibus. O governo Dutra de liberal passou a interventor lançou o PLANO SALTE um programa quinquenal para desenvolver as áreas de saúde, alimentação, transporte e energia. O que não foi cumprido. Ações do seu governo: proibição de jogos de azar e cassinos; construção da CHESF; pavimentação da estrada entre RJ e SP (via Dutra).

8 O RETORNO DE GETÚLIO VARGAS ( ) Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro

9 GOVERNO VARGAS Nas eleições de 1950, Vargas lançou sua candidatura, pelo PTB, em defesa do nacionalismo e da trabalhismo. O maior opositor de Vargas, nas eleições, era Eduardo Gomes pela UDN, com apoio dos meios de comunicação. Vargas foi eleito com 48,7% dos votos para indignação dos udenistas. O presidente recebeu o país em crise: inflação e baixo PIB, mas, implantou uma política de incentivo à modernização.

10 GOVERNO VARGAS Criações de Getúlio: Petrobras, Eletrobrás, CNPQ e BNDE. Os técnicos do governo planejavam a criação da estrutura para instalação da indústria automobilística. A partir das empresas de capital nacional e da defesa das riquezas naturais visava a saída do Brasil do atraso econômico e uma melhor renda para a população mais pobre O petróleo é nosso.

11 GOVERNO VARGAS Destaque no governo Vargas para a Rádio Nacional: fundada por ele em 1940, era uma empresa estatal, que tinha ampla liberdade de atuação. Transmitia novelas, noticiários, como o Repórter Esso, musicais e programas de auditório. Nesse período teve destaque o cinema nacional, com as chanchadas estilo que misturava paródia e comédia, criando identificação dos trabalhadores com os personagens. Era uma forma de diversão que não exigia leitura, já que era elevado o número de analfabetos; e os ingresso eram baratos, tendo as salas sempre cheias.

12 RÁDIO NACIONAL Cartaz de propaganda da Chanchada

13 CRISE DO GOVERNO VARGAS Os comunistas (PCB) e os trabalhistas (PTB) passaram a atuar juntos nas lutas sindicais, organizando greves como a dos 300 mil, que aconteceu em São Paulo, por reajustes salariais. A oposição formada pela UDN e pelo PCB não aceitava o retorno de Vargas à presidência. A crise política foi motivada pela proposta do Ministro do Trabalho, João Goulart, em reajustar o salário mínimo em 100%, que estava defasado em relação à inflação.

14 CRISE DO GOVERNO VARGAS Empresários, a UDN e alta oficialidade do exército eram contra o aumento salarial. O presidente concedeu o reajuste, mas teve de demitir João Goulart. O maior opositor de Vargas era o jornalista Carlos Lacerda, filiado a UDN. Sem o conhecimento do presidente, seu chefe de segurança, contratou capangas para matar Lacerda o atentado na rua Tonelero. Lacerda acusou Getúlio de ser responsável pelo atentado e, assim, juntou a UDN e as Forças Armadas para afastar Vargas do poder.

15 CRISE DO GOVERNO VARGAS O presidente resistiu por alguns dias até que cometeu suicídio. Ao seu lado foi encontrada uma carta-testamento, que explicava o motivo do suicídio, a tentativa de golpe da UDN e dos militares, a exploração dos trabalhadores e a presença estrangeira no Brasil....Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história. Getúlio Vargas.

16 SUCESSÃO DE VARGAS Com a morte de Getúlio quem assumiu foi o vice presidente: o potiguar Café Filho, o qual organizou um Ministério com políticos udenistas. Nas eleições de 1955, o PSD lançou a candidatura para presidente de Juscelino Kubitschek, tendo como vice João Goulart, do PTB. Essa aliança resgatava o legado de Getúlio e contou com o apoio de Luís Carlos Prestes.

17 SUCESSÃO DE VARGAS A UDN lançou a candidatura de Juarez Távora, mas com receio de uma nova derrota, propôs um golpe militar. A vitória das eleições coube a JK, o que fez políticos da UDN alegarem tratar-se da volta do getulismo. Aliados ao presidente Café Filho tentaram um golpe, o qual foi impedido pelos Exército, que agiu em favor da democracia.

18 JUSCELINO KUBITSCHEK ( )

19 JUSCELINO KUBITSCHEK O governou atuou na atração das empresas multinacionais oferecendo política de crédito e benefícios fiscais. Acreditava que um Estado pobre como o Brasil tivesse que investir na economia e planejasse o desenvolvimento. O planejamento de JK era desenvolver o Brasil através do PLANO DE METAS 50 anos em 5. Para isso aumentaria a produção de petróleo, carvão, energia elétrica, automóveis e caminhões, além da construção de rodovias e ferrovias.

20 JUSCELINO KUBITSCHEK O plano priorizava as indústrias de base e de consumo de bens duráveis, como a automobilística. Além de, ter construído as hidrelétricas de Três Marias e Furnas; investiu no setor dos transportes com rodovias ligando Brasília ao restante do país. O maior destaque do Plano de Metas foi a construção de Brasília, por Oscar Niemeyer e Lucio Costa, no interior de Goiás. Essa passaria a ser o Distrito Federal e foi construída peles fandangos retirantes da seca do Nordeste.

21 JUSCELINO KUBITSCHEK O governo JK tinha apoio no Congresso e dos militares. Teve um crescimento interno de 8%, porém, o país se encontrava endividado, por causa dos gastos com projetos desenvolvimentistas, gerando inflação e dívida externa. O FMI propôs contenção de despesas e desemprego. JK preferiu romper com o FMI e deixar o problema para o sucessor.

22 JUSCELINO KUBITSCHEK No momento de sucessão de JK, grupos que defendiam reformas sociais ganharam espaço como PTB e UNE (União Nacional dos Estudantes). O PC se uniu ao grupo com uma linha mais moderada de implantar o socialismo. E os trabalhadores rurais criaram as Ligas Camponesas. O grupo ligado a UDN venceu o pleito eleitoral com Jânio Quadros. E a oposição elegeu o vice João Goulart Jan Jan.

23 Jânio Quadros e a política da vassoura. João Goulart

24 JÂNIO QUADROS (1961) Jânio ao assumir o poder anunciou que o país estava falido e não tinha como pagar a dívida externa. Para controlar as contas públicas seguiu a orientação do FMI: recessão econômica e contenção dos salários. As outras medidas do presidente foram: proibição do uso de biquínis na TV e de brigas da galo; lei contra a remessa de lucros ao exterior e o combate ao contrabando.

25 JÂNIO QUADROS Jânio trouxe algo de inovador na política externa: acordos comerciais com países do bloco socialista, como Cuba e URSS; e a criação de embaixadas em países africanos. A medida política mais polêmica do presidente foi abrir Comissões para investigar atos de corrupção no governo JK. Isso gerou contrariações entre os deputados. E concedeu a medalha honrosa do Cruzeiro do Sul aos guerrilheiro cubano Che Guevara.

26 JÂNIO QUADROS Em 1961, o vice de Jânio foi orientado pelo presidente a viajar para a China com o objetivo de estabelecer relações comerciais. Dias depois, Jânio renunciou o poder na tentativa de dar um golpe de Estado. De acordo com a Constituição, o vice teria que assumir o poder. Contudo os ministros militares não aceitavam e queriam que o Congresso votasse o impedimento de Jango. Os parlamentares não aceitaram.

27 JÂNIO QUADROS Em prol de Jango partiu o governador do RS Leonel Brizola, com a Campanha da Legalidade. E contou com o apoio da OAB, da UNE, da CNBB e de vários partidos políticos. Após muitas negociações se instituiu no Brasil o regime presidencial parlamentar.

28 JOÃO GOULART ( ) Jango assumiu o poder com uma alta dívida externa e propôs um programa político chamado de reformas de base, no qual incluía reformas fiscal, bancária, urbana, agrária, universitária, a legalização do PCB, a extensão de votos aos analfabetos e o controle de setores estratégicos da economia. Porém, num regime parlamentarista, ele não tinha como levar adiante as reformas.

29 JOÃO GOULART O governo de Jango, em 1963, conseguiu num plebiscito que o regime voltasse a ser o presidencialismo no Brasil, mas a maioria no Congresso não era a seu favor. Os grupos de esquerda, como UNE, Ligas Camponesas e setores do PTB exigiam a realização de reforma agrária. O impasse para ela acontecer estava em se os latifundiários seriam indenizados. Para contornar a crise, Jango tentou renegociar a dívida externa com os EUA, que por sua vez exigiu contenção dos gastos públicos e arrocho salarial. Isso prejudicaria o trabalhador, portanto, não foram aceitas.

30 JOÃO GOULART Estabelecido o presidencialismo, Jango colocou em prática o Plano Trienal: previa o controle das contas públicas e da inflação, por meio de negociações com o FMI. Com a recuperação colocaria em prática as reformas de base, principalmente a agrária. Ações do governo: Embratel, usinas siderúrgicas, refinarias de petróleo e a previdência social para os trabalhadores urbanos.

31 JOÃO GOULART O governo enfrentou muitas greves dos trabalhadores, por causa da alta dos preços. A inflação chegou a 78%, em Os empresários não aceitavam a restrição de créditos, enquanto, a esquerda exigia a reforma agrária imediata e a estatização de setores da economia. O presidente encontrava-se num plano político de radicalização.

32 JOÃO GOULART Sem base no Congresso Nacional, Jango passou a governar com as esquerdas: movimento sindical, FMP, PCB. Um exemplo foi o comício na Central do Brasil, onde propôs a reforma agrária e a nacionalização de refinarias de petróleo particulares. Esse fato, por ter característica comunista, desagradou a direita. Um grupo militar, liderado pelo general Castelo Branco, começou a conspirar contra o presidente. Em São Paulo milhares de pessoas participaram de uma caminhada contra Jango Marcha da Família com Deus pela liberdade.

33 JOÃO GOULART Goulart ainda se indispôs com as Forças Armadas quando ficou a favor de marinheiros que se rebelaram contra o comando da Marinha. Assim, houve a união das Forças Armadas, com os governadores do RJ, MG, SP e RS, do presidente do Congresso, dos meios de comunicação e do governo norteamericano para depor o presidente golpe de 1964.

34 BIBLIOGRAFIA VAINFAS, Ronaldo...(et al.). São Paulo: Saraiva, 2010.

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS)

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Governos Entregar? Populistas Brasileiros (1946-1964) OU Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Nacionalizar? PRINCIPAIS PARTIDOS PSD (Par(do Social Democrá(co): Principal par*do. Criado

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Eleições presidenciais de 1955

Eleições presidenciais de 1955 Candidatos: - Juarez Távora(UDN)-30% Eleições presidenciais de 1955 -Juscelino Kubitscheck (PSD-PTB)-36% - Adhemar de Barros (PSP)-26% - Plínio Salgado (PRP)-8% O sr.getúlio Vargas não deve ser candidato

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) REPÚBLICA POPULISTA ( )

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) REPÚBLICA POPULISTA ( ) 1 - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários associados ao regime de Getúlio Vargas. Políticos

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. As sentenças a seguir se referem ao segundo governo de Getúlio Vargas. Marque V nas sentenças verdadeiras e F nas falsas.

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

XVI. A Revolução de 1930

XVI. A Revolução de 1930 XVI. A Revolução de 1930 Queda da Bolsa de Valores de Nova York. A Crise do capitalismo e o Café. Desestruturação do poder tradicional. Consciência trabalhista. Problema de salário é caso de polícia. (Presidente

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Populismo no Brasil ( )

Populismo no Brasil ( ) Populismo no Brasil (1945-1964) O Populismo foi um fenômeno da América Latina, característico de um mundo pós Segunda Guerra Mundial, momento que exigiase democratização. Fortalecimento das relações entre

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

Modulo 11 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini

Modulo 11 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini Modulo 11 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com O populismo pode ser compreendido como: Uma forma de exercício político garantida pelo apoio da grande massa Um sistema no qual o

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA 11.1 Conteúdo: Anos 60 e Golpe Militar no Brasil

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA 11.1 Conteúdo: Anos 60 e Golpe Militar no Brasil 11.1 Conteúdo: Anos 60 e Golpe Militar no Brasil Habilidades: Analisar o contexto da década de 1960 no Brasil e o golpe civil-militar Governo Jânio Quadros (1961) Ascensão muito rápida na política Estilo

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54)

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) Como pode cair no enem A crise de agosto de 1954, que terminou com o suicídio do Presidente Vargas, teve como antecedentes: a) a oposição dos

Leia mais

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse O B R A S I L DE SARNEY A FHC Da redemocratização à globalização O G O V E R N O S A R N E Y (1985-1990) 1990) Antecedentes Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Revisão IV Brasil República

Revisão IV Brasil República Revisão IV Brasil República Prof. Fernando I- Era Vargas 1930-45; República Nova 1930-64 II- República Populista 1946-64 Democratização. Nacionalismo ou Liberalismo? II- República Populista 1946-64 1º

Leia mais

O Estado na dianteira: intervencionismo e desenvolvimento no segundo governo Vargas

O Estado na dianteira: intervencionismo e desenvolvimento no segundo governo Vargas O Estado na dianteira: intervencionismo e desenvolvimento no segundo governo Vargas A UU L AL A Em dezembro de 1994, quando foi eleito presidente da República, Fernando Henrique Cardoso foi ao Senado para

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar 1 A Era Vargas (1930-1945) Assumiu após a vitória sobre as oligarquias em 1930. 2ª Guerra Mundial: Início dúbio com posterior alinhamento aos

Leia mais

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano.

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. PROJETOS DE REPÚBLICA MILITARES Relutava em convocar eleições para a Assembleia Constituinte; Queria um governo forte,

Leia mais

BRASIL. 50 anos do Golpe de 1964. Profº Enrique Serra Padrós

BRASIL. 50 anos do Golpe de 1964. Profº Enrique Serra Padrós BRASIL 50 anos do Golpe de 1964 Profº Enrique Serra Padrós O contexto anterior ao Golpe GETÚLIO VARGAS - Projeto nacionalista - Suicídio em 1954 (24/08) JUSCELINO KUBITSCHEK GOVERNO JK Desenvolvimento

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 5B AULA 14 e 15. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 5B AULA 14 e 15. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 5B AULA 14 e 15 Profº André Tomasini Formação Industrial Brasileira Proibição da produção (fim do século XVIII). Barão de Mauá (ferrovias e indústrias). Ciclo do café fase capitalista

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais

ECONOMIA E POLÍTICA: REFLEXÕES SOBRE OS GOVERNOS VARGAS, JK E JOÃO GOULART 1

ECONOMIA E POLÍTICA: REFLEXÕES SOBRE OS GOVERNOS VARGAS, JK E JOÃO GOULART 1 ECONOMIA E POLÍTICA: REFLEXÕES SOBRE OS GOVERNOS VARGAS, JK E JOÃO GOULART 1 Introdução Fernanda Melchionna e Silva Marcus Vinicius Martins Vianna 2 O artigo pretende discutir as características gerais

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A Semana no Congresso Nacional

A Semana no Congresso Nacional A Semana no Congresso Nacional Brasília, 10/08/2015 CÂMARA Câmara instalará seis comissões mistas para analisar MPs Relator da CPI do BNDES apresentará plano de trabalho Comissão de Finanças e Tributação

Leia mais

De Juscelino ao Golpe de 64 Prof. Márcio

De Juscelino ao Golpe de 64 Prof. Márcio De Juscelino ao Golpe de 64 Prof. Márcio O que vamos ver no capítulo O Governo de JK - o nacional-desenvolvimentismo - o plano de metas (pontos positivos e negativos) O Governo de Jânio Quadros - Política

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA REPÚBLICA POPULISTA OU 3ª REPÚBLICA O BRASIL DE 1946 A 1964

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA REPÚBLICA POPULISTA OU 3ª REPÚBLICA O BRASIL DE 1946 A 1964 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA REPÚBLICA POPULISTA OU 3ª REPÚBLICA O BRASIL DE 1946 A 1964 01) A gestão do Presidente Eurico Gaspar Dutra foi marcada pela adoção de medidas que visavam à modernização

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I história Unidade 1 A vinda da família real portuguesa para o Brasil Os desdobramentos sociais, políticos e econômicos da independência do Brasil Os aspectos históricos do início do Império brasileiro O

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

Temas relevantes da agenda federativa Agosto de 2012

Temas relevantes da agenda federativa Agosto de 2012 Relatório produzido nos termos do Acordo de Cooperação Técnica firmado entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e a Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, 2011.

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

Populismo II e Regime Militar I. História C Aula 13 Prof. Thiago

Populismo II e Regime Militar I. História C Aula 13 Prof. Thiago Populismo II e Regime Militar I História C Aula 13 Prof. Thiago O Homem da Vassoura Jânio Quadros surpreendeu e venceu as eleições de 1960, em partes devido a agressiva campanha política que prometia varrer

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Exercícios de Ditadura Militar: Geisel e Figueiredo

Exercícios de Ditadura Militar: Geisel e Figueiredo Exercícios de Ditadura Militar: Geisel e Figueiredo Material de apoio do Extensivo 1. Sobre o fim do período militar no Brasil (1964-1985), pode-se afirmar que ocorreu de forma: a) Conflituosa, resultando

Leia mais

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Módulo 13 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Marechal Castello Branco (1964 1967) Chegou a presidência via eleição INDIRETA No seu governo foram criados 4 atos institucionais

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 )

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) 1 - Antecedentes: Esgotamento do populismo: manifestações de massa, greves, agravamento de tensões sociais. Temor dos EUA com a possibilidade de novas revoluções cubanas na América Latina. Apoio de setores

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

BENS DURÁVEIS: A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO JUSCELINO KUBITSCHEK (1956-1960)

BENS DURÁVEIS: A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO JUSCELINO KUBITSCHEK (1956-1960) BENS DURÁVEIS: A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO JUSCELINO KUBITSCHEK (1956-1960) Débora Specht Maria Helena Marin Priscila Farias dos Santos 1 Resumo O presente artigo trata-se da política econômica

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

PROC. Nº 1850/09 PLL Nº 075/09 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 1850/09 PLL Nº 075/09 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Filho de Sebastião Joaquim Borges e Juvelina Ortiz Borges, Ney Ortiz Borges nasceu no antigo 8º Distrito de Soledade, hoje Barros Cassal, em 25 de junho de 1924. Aos 16 anos, por decisão

Leia mais

Documento aprovado na Conferência Estadual do Maranhão em 2011

Documento aprovado na Conferência Estadual do Maranhão em 2011 Documento aprovado na Conferência Estadual do Maranhão em 2011 Impulsionar o governo Dilma a aproveitar a janela de oportunidade aberta pela crise para fazer avançar o Projeto Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO HQ se lga! i CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO Defender a CONSTITUINTE é um erro! Erro, por que? A direita vai aproveitar uma Constituinte

Leia mais

TESE AO 7º CONGRESSO DO SINDPEFAETEC: SINDPEFAETEC INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA, DEMOCRÁTICA E DE QUALIDADE

TESE AO 7º CONGRESSO DO SINDPEFAETEC: SINDPEFAETEC INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA, DEMOCRÁTICA E DE QUALIDADE TESE AO 7º CONGRESSO DO SINDPEFAETEC: SINDPEFAETEC INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA, DEMOCRÁTICA E DE QUALIDADE Conjuntura Internacional A crise do capitalismo, iniciada

Leia mais

Populismo e nacional-desenvolvimentismo

Populismo e nacional-desenvolvimentismo CAPÍTULO 11 Populismo e nacional-desenvolvimentismo Entre os anos de 1900 e 1973 o Brasil foi o país de maior crescimento absoluto do PIB: nem Estados Unidos, nem Japão, nem Coréia do Sul, mas o Brasil.

Leia mais

RESOLUÇÃO POLITICA CEN 17-09-15

RESOLUÇÃO POLITICA CEN 17-09-15 RESOLUÇÃO POLITICA CEN 17-09-15 Reunida em São Paulo no dia 17 de setembro de 2015, a Comissão Executiva Nacional analisou a conjuntura recente do País e aprovou a seguinte resolução política: A oposição

Leia mais