TENDÊNCIAS ATUAIS DA PESQUISA EM LINGÜÍSTICA APLICADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TENDÊNCIAS ATUAIS DA PESQUISA EM LINGÜÍSTICA APLICADA"

Transcrição

1 TENDÊNCIAS ATUAIS DA PESQUISA EM LINGÜÍSTICA APLICADA Maria Aparecida Garcia LOPES-ROSSI Universidade de Taubaté - UNITAU Resumo. Este artigo apresenta, em linhas gerais, as tendências atuais da pesquisa em Lingüística Aplicada (LA) e os métodos de pesquisa mais utilizados na área a fim de familiarizar o estudante iniciante em Lingüística Aplicada com o tema. Inicia-se com uma rápida incursão pelos focos de interesse dos lingüistas e complementa-se com comentários sobre o percurso da LA como área de pesquisa, seu caráter interdisciplinar e sobre as principais características das pesquisas em LA. 1 Apresentação do artigo Este artigo apresenta, em linhas gerais, as tendências atuais da pesquisa em Lingüística Aplicada (LA) e os métodos de pesquisa mais utilizados na área a fim de familiarizar o estudante iniciante em Lingüística Aplicada com o tema. Inicia-se com uma rápida incursão pelos focos de interesse dos lingüistas e complementa-se com comentários sobre o percurso da LA como área de pesquisa, seu caráter interdisciplinar e sobre as principais características das pesquisas em LA. 2 Breve comentário sobre focos de interesse dos lingüistas A Lingüística pode ser definida, de acordo com Lobato (1986), como o estudo científico da linguagem verbal humana (língua oral e escrita). Como ciência, busca responder, no aspecto geral: "o que há nas línguas humanas que lhes atribui caráter único e as distingue dos demais sistemas de comunicação?"; no aspecto específico, busca responder: "o que as diferentes línguas têm em comum e o que as diferencia entre si?". O início da Lingüística como ciência moderna é marcado pela publicação de Cours de Linguistique Générale, do lingüista suíço Ferdinand de Saussure, em Os inúmeros aspectos da língua passíveis de estudo - ou subsistemas da língua originaram, a partir dessa data, diferentes áreas de estudo da Lingüística, em diferentes épocas. Alguns momentos de concentração de interesse em algumas áreas (não são as únicas possíveis), de acordo com Castro (1993), são: anos 30: fonologia; anos 40 e início dos 50, morfologia; final dos anos 50 e anos 60, sintaxe e semântica.

2 Nessas áreas, privilegia-se a língua "em si mesma" e "por si mesma". Alguns autores usam o termo "Lingüística" num sentido estrito (micro), considerando como pertencentes a essa ciência apenas as áreas de fonologia, morfologia e sintaxe, como Roulet (1978, p. 81). O fenômeno lingüístico é descrito de maneira predominantemente formalista, a partir de um número restrito de princípios e de um corpus de análise (pressuposto do método positivista), como comentam Mussalim e Bentes (2001). Nota-se que o objeto de estudo dessa fase da Lingüística é a língua, concebida simplesmente como um código ou um sistema de sinais autônomo, transparente, sem história e fora da realidade social dos falantes. Essa atenção ao sistema e não aos episódios de uso da linguagem talvez justifique, em parte, que um questionamento sobre o ensino de língua portuguesa e de línguas estrangeiras tenha sido retardado até o final dos anos 70 do século XX. A partir dos anos 60, a atenção dos pesquisadores voltou-se para o uso e o funcionamento lingüístico com implicações que são próprias às condições de produção real da língua, ou seja, para a atividade discursiva com todos os fatores nela envolvidos. Com freqüência, passa-se a falar em linguagem mais do que em língua. Passaram a integrar os estudos lingüísticos "Lingüística" entendida agora num sentido macro, além dos anteriormente citados, temas como: contexto, falante, ouvinte, referente, enunciado, enunciador, espaço de interação, fatores socioculturais, entre outros. Algumas das áreas surgidas a partir de então (não necessariamente nesta ordem) foram: semântica argumentativa, sociolingüística, psicolingüística, pragmática, lingüística textual, análise do discurso, análise da conversação, lingüística histórica (numa perspectiva diferente da do séc. XIX), lingüística aplicada (no seu início, entendida como subárea da Lingüística). Marcuschi e Salomão (2004, p. 15), comentando um conjunto de textos sobre fundamentos epistemológicos da Lingüística moderna, afirmam: A Lingüística não se recusa a analisar todos os problemas que dizem respeito a aspectos formais e estruturais, processos comunicativos e interativos, cognitivos e (sócio)históricos que envolvem o ser humano em suas atividades 2

3 diárias. Afinal, a linguagem é o maior empreendimento conjunto do ser humano e não pode ser cercado de um lado apenas. A partir dessa nova perspectiva, o fenômeno lingüístico passou a ser visto como um fenômeno sócio-cultural, fundamentalmente heterogêneo e em constante processo de mudança. Em decorrência dessa mudança de enfoque dos estudos da linguagem, práticas de uso da linguagem em situações específicas antes consideradas fora do escopo da Lingüística passaram a interessar aos estudos lingüísticos. A concepção de língua ampliou-se e sua definição, como comenta Marcuschi (2005, p. 152), pode ser: A língua não é sequer uma estrutura; ela é estruturada simultaneamente em vários planos, tais como o fonológico, o sintático, o semântico e o cognitivo, que se organizam no processo de enunciação. A língua é um fenômeno cultural, histórico, social e cognitivo que varia ao longo do tempo e de acordo com os falantes: ela se manifesta no seu funcionamento e é sensível ao contexto. 3 O desenvolvimento de outras áreas relacionadas à Educação Nessa época em que os focos de interesse dos lingüistas se diversificaram e ampliaram, também ocorriam desenvolvimentos significativos em outras ciências relacionadas à educação. Como comentam Williams e Burden (1997), a psicologia cognitiva, a partir dos anos 60, voltou-se a estudos sobre atenção, percepção, memória, funcionamento da mente. Na área específica da aprendizagem, o psicólogo Jean Piaget desenvolveu a teoria construtivista, segundo a qual a criança participa ativamente do processo de aprendizagem, desde o nascimento, na construção de um sentido pessoal para o mundo a partir de suas próprias experiências. psicológico relacionado ao contrutivismo foi o humanismo, cujo representante, Carl Rogers, Outro enfoque principal defendeu uma aprendizagem significativa relacionada a pensamentos, sentimentos, emoções dos alunos, com respeito às suas diferenças. Também as traduções para o ocidente (em 1962 e 1978) de textos do psicólogo russo Vygotsky contribuíram muito para as pesquisas sobre ensino e aprendizagem. Esse autor demonstrou que o ser humano dá sentido ao mundo pela interação diária com as pessoas, desde o nascimento. A 3

4 construção das funções psíquicas da criança foi vinculada à apropriação da cultura humana, por meio de relações interpessoais na sociedade à qual pertence. A criança se desenvolve à medida que, orientada por adultos ou companheiros, se apropria da cultura elaborada pela humanidade. A linguagem é um fator importante para o desenvolvimento mental da criança, exercendo uma função organizadora e planejadora de seu pensamento, ao mesmo tempo que lhe permite interagir socialmente e adquirir conceitos sobre o mundo que a rodeia, apropriando-se da experiência acumulada pela humanidade no decurso da história social. 4 A Lingüística Aplicada (LA) Nesse contexto de ampliação dos horizontes dos estudos lingüísticos e educacionais, a partir dos anos 60, cresceu a preocupação entre os lingüistas com o ensino de línguas, como comenta Celani (1992), de forma que a Lingüística Aplicada (LA) se constituiu uma área de pesquisa. Inicialmente a LA foi entendida como subárea da Lingüística. Até hoje é assim classificada pelo CNPq. Voltava-se apenas ao ensino e aprendizagem de línguas e era considerada consumidora e não produtora de teorias. Nessa concepção, já ultrapassada, a LA subordinava-se à Lingüística, como as outras áreas citadas no item 2. Na concepção atual, a LA é considerada como área interdisciplinar, empenhada na solução de problemas humanos que derivam dos vários usos da linguagem, de acordo com Celani (1992, p. 20) e (1998, p. 132). Assim, de acordo com a autora, uma visão pluri/multi/interdisciplinar da LA poderia ser representada por uma integração com muitas outras áreas, tais como: Comunicação Social... Didática... Psicologia cognitiva Lingüística Educação Aplicada Lingüística História Sociologia Psicologia do desenvolvimento 4

5 afirma: Moita Lopes (1996, p. 114), a respeito dessa visão interdisciplinar da LA, O lingüista aplicado, partindo de um problema com o qual as pessoas se deparam ao usar a linguagem na prática social e em um contexto de ação, procura subsídios em várias disciplinas que possam iluminar teoricamente a questão em jogo, ou seja, que possam ajudar a esclarecê-la. Não há dúvida de que a interface da LA com a Lingüística é muito forte uma vez que o objeto de estudo de ambas é a língua, ainda que em perspectivas diferentes. No entanto, deve-se notar que, dependendo do tema e do objetivo da pesquisa em LA, a interdisciplinaridade pode ser maior com algumas áreas específicas. Alguns exemplos: pesquisas sobre problemas de ensino e aprendizagem relacionados a aspectos de interação professor-aluno beneficiam-se muito de teorias da Psicologia e da Educação; pesquisa sobre aprendizagem de segunda língua com enfoque em dificuldades gramaticais específicas beneficiam-se de teorias lingüísticas; pesquisa sobre caracterização de gêneros discursivos da esfera jornalística ou publicitária utilizam-se de teorias da Comunicação Social; pesquisas sobre o ensino de tópicos gramaticais em grande variação fundamentos teóricos da sociolingüística. na língua falada necessitam de O ensino de línguas materna e estrangeiras sempre foi uma área de forte atuação da LA e vem passando por mudanças de concepção muito significativas. A idéia de que a língua poderia ser estudada apenas como um sistema de regras foi substituída pela de que a linguagem deve ser considerada pela escola numa dimensão bem mais ampla. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN; BRASIL, 1998, p. 20), capitalizando conhecimentos das últimas décadas da Lingüística e da Lingüística Aplicada, propõem que as atividades de ensino de língua materna tenham sempre em foco a linguagem [...] como ação interindividual orientada por uma finalidade específica, um processo de interlocução que se realiza nas práticas sociais existentes nos diferentes grupos da sociedade, nos distintos momentos de sua história. [...] Nessa perspectiva, língua é um sistema de signos específico, histórico e social, que possibilita a homens e mulheres significar o mundo e a sociedade. Aprendê-la é aprender não somente palavras e saber combiná-las em expressões complexas, mas apreender 5

6 pragmaticamente seus significados culturais e, com eles, os modos pelos quais as pessoas entendem e interpretam a realidade e a si mesmas. Interagir pela linguagem significa realizar uma atividade discursiva: dizer alguma coisa a alguém, de uma determinada forma, num determinado contexto histórico e em determinadas circunstâncias de interlocução. Um rápido exame em cadernos de resumos de congressos da área, como os do Congresso Brasileiro de Lingüística Aplicada (CBLA) e os do Intercâmbio de Pesquisas em Lingüística Aplicada da PUC-SP (InPLA), mostra que temas como gêneros discursivos no ensino de leitura e produção escrita, caracterização de gêneros discursivos, formação de professores, práticas docentes, afetividade e cognição, novas tecnologias no ensino, educação a distância, práticas discursivas em ambientes educacionais, entre muitos outros, passaram a integrar a pauta das pesquisas em LA. Embora ressaltemos essa significativa contribuição da LA para o ensino de línguas, é importante lembrar que essa ciência não se restringe apenas ao ensino. De acordo com Moita Lopes (1996, p. 123): Há uma preocupação cada vez maior em LA com a investigação de problemas de uso da linguagem em contextos de ação ou em contextos institucionais, ou seja, há um interesse pelo estudo das pessoas no mundo. Kleiman (1998, p. 70) comenta que o foco de interesse da LA não é a linguagem em si, mas o conhecimento das práticas de uso e de aprendizagem da língua em instituições, porque seu conhecimento pode ajudar a entender os fatores que condicionam as práticas institucionais (sociais). Nesse sentido, afirma a autora, a LA tem relevância social uma vez que as práticas institucionais, em geral, inibem o desenvolvimento dos grupos minoritários. As linhas de pesquisa predominantes na LA atual, de acordo com Celani (1998, p. 136), são: interação em contextos institucionais e informais, incluindo-se neste caso contextos específicos tais como, negócios, sala de aula, médico/paciente, análise crítica do discurso; interação em aprendizagem, incluindo letramento, aprendizagem de segunda língua, interações transculturais e intraculturais em contexto 6

7 pedagógico. O foco das pesquisas é sociocultural, discursivo e psicológico; aquisição e desenvolvimento da linguagem (materna e estrangeira) e ensino de língua, incluindo aquisição e desenvolvimento de escrita, leitura, habilidade oral; tradução, do ponto de vista da teoria, da prática e do ensino. Celani (1998, p. 142) conclui seu artigo comentando a seguinte frase de Faure (1992; apud Celani, 1998): "O pesquisador interdisciplinar, mais do que qualquer outro, é um nômade, um rei sem reino". A autora comenta que não há problema em ser nômade "se isso significar liberdade, amplitude de ação". Quanto a ser um rei sem reino, pergunta: "há lugar para reinos no domínio do saber?" 5 Métodos de investigação científica em Lingüística e Lingüística Aplicada De acordo com Salomon (1993), a metodologia científica é a disciplina que ensina o "caminho", quer dizer, as normas técnicas que devem ser seguidas na pesquisa científica. Uma pesquisa (ou investigação) científica pressupõe o emprego de método científico, definido por Lakatos e Marconi (1991, p. 83) como: o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo conhecimentos válidos e verdadeiros, traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista. O estudioso de qualquer matéria deve cultivar o espírito científico. Nas palavras de Cervo e Bervian (1983, p. 18), isso é, antes de mais nada, uma atitude ou disposição subjetiva do pesquisador que busca soluções sérias, com métodos adequados, para o problema que enfrenta. Essa atitude não é inata na pessoa. É conquistada ao longo da vida, à custa de muitos esforços e exercícios. Os conceitos de ciência e de método científico têm sido objeto de controvérsia através dos tempos, como comenta Lobato (1986). A tendência atual é a rejeição da existência de um método científico unificado, válido para 7

8 qualquer ciência. Aceita-se uma multiplicidade de métodos de investigação, sendo esses métodos variáveis de ciência para ciência. Vejamos esquematicamente o que se observa em termos de métodos de pesquisa na Língüística, de acordo com Lobato (1986) e Coracini (1991). Especialmente até os anos 60, eram usados métodos de interpretação de base positivista para os dados da língua; as análises baseavam-se em uma certa quantidade de dados - corpus - obtidos de amostras de fala (gravada ou transcrita) e escrita (trechos extraídos de jornais, livros, redações etc.) acreditava-se que só assim a objetividade seria obtida; pesquisas quantitativas, uso de estatísticas; hipóteses teóricas propostas deveriam ser comprovadas pelos dados. O método indutivo é o que usa nessa perspectiva metodológica: observação dos dados para posterior construção de uma teoria; controle de variáveis de modo a se demonstrarem relações de causa e efeito; rejeição do uso de intuições do pesquisador. As pesquisas de base positivista partem de um corpus que é produto do uso da linguagem. Devemos ressaltar que a análise e diagnóstico de produto de uso da linguagem não é em si uma má pesquisa. A resolução de problemas depende de pesquisas dessa natureza para diagnósticos. Certas áreas da linguagem ainda não foram estudadas e certos problemas não foram diagnosticados e, portanto, podem beneficiar-se, numa primeira etapa, desse tipo de pesquisa, embora hoje não se acredite no conceito de objetividade como outrora e na seleção de dados desvinculada de uma concepção teórica. Outras áreas já foram bem mapeadas e carecem de pesquisa para a resolução de problemas já bem descritos. Para essas últimas, pesquisa de base positivista é inútil. O gerativismo americano (a partir de 1957) passou a aceitar o uso de intuições do pesquisador e dos sujeitos de pesquisa; nessa corrente teórica - cujo objetivo é retratar o conhecimento mentalizado que os falantes/ouvintes têm de sua língua - o lingüista cria seus dados (frases) para análise. Isso significou uma forte quebra de paradigmas no que diz respeito a métodos 8

9 considerados científicos e contribuiu significativamente para a discussão sobre o tema. 1 Atualmente admite-se que qualquer seleção e análise de corpus se faz com o auxílio da intuição e com base em concepções teóricas do pesquisador, tanto na coleta de dados quanto no estabelecimento das relações entre os aspectos da língua a serem analisados. A aceitação dessa noção de cientificidade da lingüística admitindo-se que a escolha de um corpus de análise é dependente de alguma concepção teórica decorre das idéias do filósofo da ciência Popper. 2 Faraco (1991, p. 58), comentando sobre o fato de a diversidade teórica não ser apenas um fenômeno desejável, mas uma necessidade lógica, afirma: Como não temos o dom da onisciência, nem o poder de apreensão global instantânea do mundo, nossas aproximações científicas do real são sempre parciais: fazemos recortes nele, construindo nossos objetos de estudo, e formulamos hipóteses explicativas para esses recortes. [...] Isso não significa que a ciência seja toda ela condicionada apenas pelas crenças e valores dos cientistas. Há uma tensão permanente entre as teorias e o real, o que constitui, por assim dizer, um dos aspectos específicos e diferenciadores da ciência em contraste com outras formas de conhecimento (a arte ou o saber prático, por exemplo). 1 A noção de quebra de paradigma foi estabelecida por Thomas Kuhn, filósofo da ciência. A partir da citação de livros clássicos sobre ciências naturais, Kuhn (1987, p ) afirma: [...] esses e muitos outros trabalhos serviram, por algum tempo, para definir implicitamente os problemas e métodos legítimos de um campo de pesquisa para as gerações posteriores de praticantes da ciência. Puderam fazer isso porque partilhavam duas características essenciais. Suas realizações foram suficientemente sem precedentes para atrair um grupo duradouro de partidários, afastando-os de outras formas de atividade científica dissimilares. Simultaneamente, suas realizações eram suficientemente abertas para deixar toda a espécie de problemas para serem resolvidos pelo grupo redefinido de praticantes da ciência. Daqui por diante deverei referir-me às realizações que partilham essas duas características como paradigmas [...]. Com a escolha do termo pretendo sugerir que alguns exemplos aceitos na prática científica real - exemplos que incluem, ao mesmo tempo, lei, teoria, aplicação e instrumentação - proporcionam modelos dos quais brotam as tradições coerentes e específicas da pesquisa científica. [...] O estudo dos paradigmas [...] é o que prepara basicamente o estudante para ser membro da comunidade científica determinada na qual atuará mais tarde. Uma vez que ali o estudante reúne-se a homens que aprenderam as bases de seu campo de estudo a partir dos mesmos modelos concretos, sua prática subseqüente raramente irá provocar desacordo declarado sobre pontos fundamentais. Homens cuja pesquisa está baseada em paradigmas compartilhados estão comprometidos com as mesmas regras e padrões para a prática científica. Esse comprometimento e o consenso aparente que produz são pré-requisitos para a ciência normal, isto é, para a gênese e a continuação de uma tradição de pesquisa determinada. [...] As transformações de paradigmas [...] são revoluções científicas e a transição sucessiva de um paradigma a outro, por meio de uma revolução, é o padrão usual de desenvolvimento da ciência amadurecida. 2 Mais informações sobre esse assunto podem ser encontradas em Coracini,

10 De acordo com Moita Lopes (1996), a LA tem se utilizado de diferentes métodos e privilegiado diferentes enfoques à medida que vai se estabelecendo como área científica autônoma. Algumas de suas tendências, limitações e méritos, quando voltada ao ensino de línguas, são: investigação teórico-especulativa baseada em informação teórica advinda principalmente da Lingüística. A limitação: a descrição de um fato lingüístico não tem uma relação direta com o ato de ensinar/aprender línguas; professores e alunos não são considerados. investigação do produto de ensino/aprendizagem; submissão dos alunos a testes ou atividades para coleta de dados. Pesquisa quantitativa orientada para a sala de aula. A limitação: o processo de ensino/aprendizagem fica fora do alcance do pesquisador. pesquisa de caráter introspectivo, com base em análise de protocolo verbal com o objetivo de revelar aspectos do processamento cognitivo do sujeito de pesquisa; pesquisa qualitativa (baseia-se em poucos sujeitos de pesquisa). As limitações: o sujeito não revela muitos aspectos de seu processamento cognitivo por não ter consciência deles; outros elementos que interagem no processo de ensino/aprendizagem ficam fora da pesquisa. pesquisa baseada em análise interativista, pesquisador utiliza-se de uma grade de categorias previamente estabelecidas com objetivo de detectar o comportamento de professores e alunos em ação em sala de aula 3. As limitações: resultados expressos em números que são tratados estatisticamente; baseia-se em categorias definidas anteriormente à investigação. pesquisas que enfocam o processo de ensinar/aprender línguas, realizadas na sala de aula de línguas (pesquisas interpretativistas). Observam-se dois tipos básicos: 1) pesquisa diagnóstico investigação do processo de ensinar/aprender conforme realizado em sala de aula; qualitativa.; 2) pesquisa de intervenção investiga a 3 Ver: Cavalcante e Moita Lopes (1991). 10

11 possibilidade de se modificar a situação existente em sala de aula. Tendência para a pesquisa qualitativa, notadamente de natureza etnográfica preponderante hoje em dia, descrição narrativa da vida diária da sala de aula a partir de observação participante, diários, entrevistas, gravações de aulas. Essa é a tendência mais moderna, voltada aos processos sociointeracionais envolvidos na construção do conhecimento; o professor pode ser o pesquisador (pesquisaação). Foco no processo de uso da linguagem. Podemos observar que grandes transformações ocorreram nos métodos de pesquisa em Lingüistica e Lingüistica Aplicada, especialmente na segunda metade do século XX. Os estudos sobre a linguagem humana passaram por verdadeiras "revoluções científicas", por "quebras de paradigmas", se nos basearmos na teoria de Kuhn (1987). Para concluir essa seção, devemos lembrar que, de acordo com Kuhn (1987, p. 38), "para ser aceita como paradigma, uma teoria deve parecer melhor que suas competidoras, mas não precisa (e de fato isso nunca acontece) explicar todos os fatos com os quais pode ser confrontada". Também não precisa derrotar todas as teorias competidoras. Daí se explica a diversidade teórica existente em todos os campos de pesquisa. Para os alunos iniciantes na pesquisa em Lingüística Aplicada, bem como em qualquer outra ciência, é bem apropriada a seguinte citação de Faraco (1991, p. 59): Como se vê, a ciência, além de caracterizada pela diversidade teórica é, em conseqüência dessa mesma diversidade, uma atividade em que a crítica, a polêmica, a controvérsia, o pôr em dúvida, o debate são ingredientes indispensáveis: eles é que nos preservam do dogmatismo, do obscurantismo, do irracionalismo que são a morte da própria ciência. Quem se inicia numa disciplina científica precisa, portanto, buscar compreender as suas polêmicas, o que significa ter condições de explicitar os fundamentos de cada uma, bem como sua retórica específica, isto é, os processos de argumentação predominantes. Deve também ter como objetivo delas participar, o que significa amadurecer sua capacidade de trabalhar, não de forma aleatória ou impressionista, mas dentro de um sistema teórico, conhecendo seus fundamentos empíricos, seus pressupostos 11

12 filosóficos, seus métodos e sua localização no conjunto da história da disciplina. 6 Considerações finais Em pesquisas de Lingüística Aplicada centradas no ensino e aprendizagem de línguas, como as que constituem o enfoque do Programa de Pós-Graduação em Lingüística Aplicada da UNITAU, temos também como referência o fato de que os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN (BRASIL, 1998) baseiam sua proposta de ensino na concepção sócio-discursiva de linguagem e nos avanços da Lingüística Aplicada. O conceito mais recente de língua subjaz aos objetivos para o ensino de língua portuguesa e, como observou Geraldi (1998, p. 19) a respeito do ensino de produção de textos e aqui me aproprio de suas palavras para o ensino de línguas de modo geral, não se trata "de mero gosto por novas terminologias. Por trás dessa troca de termos, outras concepções estão envolvidas". No que se refere ao ensino de Língua Portuguesa, buscamos consecução de seu objetivo geral proposto pelos PCN: a [...] criar situações nas quais o aluno amplie o domínio ativo do discurso nas diversas situações comunicativas, sobretudo nas instâncias públicas de uso da linguagem, de modo a possibilitar sua inserção efetiva no mundo da escrita, ampliando suas possibilidades de participação social no exercício da cidadania. (MARCUSCHI, 2004, p. 266) Referências BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília : MEC/SEF CASTRO, Vandersí S. De que vêm se ocupando os lingüistas ultimamente. Trabalhos em Lingüística. Aplicada, Campinas, n. 22, p , jul./dez CELANI, Maria A. A. Afinal, o que é Lingüística Aplicada? In: PASCHOAL, M.S.Z. de. ; CELANI, M.A.A. (Org.). Lingüística Aplicada. São Paulo: EDUC, p Transdisciplinaridade na Lingüística Aplicada no Brasil. In: SIGNORNI, I.; 12

13 CAVALCANTI, M. do C. ; MOITA LOPES, L. P. Implementação de pesquisa em sala de aula de língua estrangeira. Trabalhos em Lingüística Aplicada, Campinas, n.17. p jan./jun CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia Científica. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, CORACINI, Maria José. Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. São Paulo: Educ; Campinas: Pontes, FARACO, Carlos A. Lingüística Histórica. São Paulo: Ática, KLEIMAN, A. B. O estatuto interdisciplinar da Lingüística Aplicada: o traçado de um percurso, um rumo para o debate. In: SIGNORNI, I.; CAVALCANTI, M. C. (Org.). Lingüística Aplicada e trasndisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, p KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. Perspectiva, ed. São Paulo: LAKATOS, Eva M.; MARCONI, Marina de A. Fundamentos da Metodologia Científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, LOBATO, Lúcia M. P. Sintaxe Gerativa do Português. Belo Horizonte: Vigília, MARCUSCHI, Luiz A. Perspectivas no ensino de Língua Portuguesa nas trilhas dos Parâmetros Curriculares Nacionais. In: BASTOS, Neusa B. (Org.). Língua portuguesa em calidoscópio. São Paulo: EDUC, p Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, Acir M.; GAYDECZKA, Beatriz, BRITO, Karim S. (Org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas-PR: Kaygangue, p MARCUSCHI, Luiz A.; SALOMÃO, Maria M. M. Introdução. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Lingüística: fundamentos epistemológicos. Vol. 3. São Paulo: Cortez, p MOITA LOPES, L. P. Oficina de Lingüística Aplicada. Campinas: Mercado de Letras, MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. V. 2. São Paulo: Cortez, SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 2.ed. rev. e atual. São Paulo: Martins Fontes, ROULET, Eddy. Teorias lingüísticas, gramáticas e ensino de línguas. São Paulo: Pioneira,

14 WILLIAMS, Marion; BURDEN, Robert L. Psychology for language teachers. A social constructivist approach. Cambridge: Cambridge University Press,

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 31 ANEXO VI EMENTÁRIO EMENTAS: DISCIPLINAS POR PERÍODO RECOMENDADO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRIMEIRO PERÍODO HDI0123 HFC0065 HFC0067 HFE0068 HFE0051 HFE0054 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM Katharine Dunham Maciel- (UFRJ) Ingeborg Hartl- (UFRJ) Os métodos apontam um caminho para o professor, fornecem-lhe

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Letras com Habilitação em Português e Inglês Disciplina: Estágio Supervisionado I Professor: Joranaide

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores de ( ) anos

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

MANUAL DE DISTRIBUIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS/AJES 700 HORAS

MANUAL DE DISTRIBUIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS/AJES 700 HORAS MANUAL DE DISTRIBUIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS/AJES 700 HORAS 4º. Termo ESTÁGIO CURRICULAR 175 HORAS SUPERVISIONADO I Observação, participação e aplicação de conhecimentos (Observação

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA

OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA Flávio de Ávila Lins Teixeira Universidade Federal da Paraíba/ PIBID/ Letras-Inglês/ Supervisor Resumo: Esse trabalho objetiva analisar algumas

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) DE PEDAGOGIA (LICENCIATURA) 1. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades de

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais