XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE e PRÉ- ALAS BRASIL. 04 a 07 de setembro de 2012 UFPI Teresina-PI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE e PRÉ- ALAS BRASIL. 04 a 07 de setembro de 2012 UFPI Teresina-PI"

Transcrição

1 XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE e PRÉ- ALAS BRASIL. 04 a 07 de setembro de 2012 UFPI Teresina-PI GT15 - Reestruturação produtiva, precarização do trabalho e saúde do trabalhador. INVISIBILIDADE DO TRABALHADOR SAMU: ESTUDO DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO E CONSEQUÊNCIAS SOBRE A SAÚDE. Autores: Ana Maria Almeida Marques Universidade Estadual do Ceará João Bosco Feitosa dos Santos Universidade Estadual do Ceará Maria das Graças Guerra Lessa Universidade Estadual do Ceará Teresina-PI 2012

2 INVISIBILIDADE DO TRABALHADOR SAMU: ESTUDO DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO E CONSEQUÊNCIAS SOBRE A SAÚDE. RESUMO A relevância do tema deste estudo pode ser comprovada pela necessidade de se compreender as condições e organização do trabalho das equipes atuantes no serviço pré-hospitalar do SAMU 192. O objetivo foi investigar os trabalhadores das unidades móveis de atendimento de emergência no Ceará tipo USB e USA no que se refere à falta de conexão entre o trabalho prestado ao usuário e a saúde do trabalhador. Outra questão refere-se a uma negação ou distanciamento do profissional (ser) diante do sofrimento do outro (usuário) na tentativa de tornar-se indiferente à situação de dor que o envolve quando no processo de cuidado. Através das falas dos trabalhadores envolvidos nessa pesquisa, pode-se perceber dilemas vivenciados que estão em consonância com as condições de trabalho ofertadas. Caso não enfrentados, tais situações podem ser geradoras não apenas da possibilidade de inviabilizar o trabalho, gerando a perda do emprego, bem como gerar o adoecimento pela atividade realizada. Foram estas as vertentes que guiaram o presente estudo. PALAVRAS-CHAVE: Trabalho. Saúde. Emergência. SAMU. INTRODUÇÃO A organização do trabalho e as condições ofertadas ao trabalhador na sociedade capitalista em nada se diferenciam quando se fala do trabalhador da saúde ou de qualquer outra categoria, salvo o fato de ser este um trabalho cujas condicionantes se revestem de uma invisibilidade. De fato, a invisibilidade inicia-se pela dificuldade de o Estado reconhecer que há um processo de precarização, adoecimento e conflitos advindos da atividade desenvolvida, e por isto mesmo, não há dados claros que apontem esses agravos e problemas cujas manifestações se materializam por meio de um sofrimento íntimo do trabalhador. Invisível também parece ser a exposição que sofrem esses profissionais da urgência e emergência diante da dor alheia, associada a uma sensação de incompetência, segundo caracterização do sofrimento do trabalhador descrita por Grau (2001). No contexto até aqui trabalhado, integra a articulação organização e condição do trabalho para o profissional da saúde, o vetor tempo, especialmente quando se fala daquele que atua nos serviços de urgência: é a 2

3 categoria tempo-resposta 1 à ocorrência, capaz de determinar o sucesso ou insucesso de uma intervenção específica, podendo contribuir para a revitalização ou óbito do socorrido, o que certamente contribui para um ambiente de trabalho tenso. Este estudo apresenta dados preliminares da pesquisa de campo em três dos municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), que têm atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) 192 Ceará Polo I, que se encontra atuante desde meados da década de METODOLOGIA Trata-se de uma pesquisa, descritiva, exploratória com abordagem qualitativa. Foram realizadas seis vistas às bases de três municípios da RMF, sendo que nessa oportunidade, foram realizadas seis entrevistas semiestruturadas (a partir de um roteiro pré-estabelecido) com os profissionais: Medico Regulador e Intervencionista, Enfermeiros Intervencionistas e Condutores de Veículos de Urgência que trabalham no tipo de Unidade de Serviço avançado (USA). A coleta desses dados compreendeu o período de 21 de novembro de 2011 a 16 de maio de Além da utilização desse instrumento para a coleta de dados, utilizamos também anotações em diário de campo e realizamos pesquisa bibliográfica e documental sobre o tema discutido. 2. O COTIDIANO DO TRABALHADOR EM URGÊNCIAS: ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SAMU 192 CEARÁ O trabalho do profissional da saúde, especialmente daquele que trabalha no socorro em situações de urgência, requer dele um perfil profissional capaz de suportar não apenas o estresse, mas as situações que expressam a fragilidade humana, a precariedade das políticas públicas na proteção integral dos cidadãos e o lidar com a tênue linha que entrelaça vida e morte. Várias são as situações enfrentadas pelos profissionais socorristas, sejam estes médicos, 1 Tâmara Teixeira, descreve o quanto o tempo para chegada da equipe de socorro ao local do sinistro contribui para o sucesso ou não da intervenção no âmbito do socorro de urgência. (Acesso em 20/04/2012). 3

4 enfermeiros, técnicos em enfermagens ou condutor de veículos de urgência, até que cheguem ao hospital e possam então repassar o atendimento àquela instituição. O atendimento pré-hospitalar (APH) é imprescindível para a concretização da política do Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente quando se tem em mente a necessária abrangência que deve ter a política e o público que utiliza os serviços do atendimento de resgate (AR). De acordo com SILVA (2011) o SUS é uma rede e (...) ter redes significa, na prática, ter possibilidade de integralidade (p. 09). O SAMU faz parte desta política de integralidade e se organiza a partir das Centrais de Regulações (Central SAMU 192) e dos Núcleos de Educação em Urgência, implantados a partir da Política Nacional de Atenção às Urgências. (BRASIL, 2002). Importe elucidar que a atual organização do SAMU no país, se originou a partir de um acordo estabelecido com a França, que importou o modelo francês de atendimento às urgências, iniciada pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo no início da década de 1990, cujo pacto compreendeu uma troca de informações de cunho científico e tecnológico, resultando na atual forma de se conceber o trabalho de urgência no Brasil (BRASIL, 2000). A referência ao modelo francês é encontrado no relato de campo, demonstrando que os colaboradores, em sua maioria, são conhecedores da história, mesmo sem compreender como foi seu desenrolar (...) o nosso SAMU é montado um pouco copiando a França e um pouco copiando os Estados Unidos. Na França é Serviço de Atendimento Médico de Urgência, aqui é Serviço de Atendimento Móvel de Urgência porque não tem condições de colocar um médico em cada unidade, sai muito caro. Então alguns carros têm médicos que são as USA (unidades de suporte avançado) e a USB (unidades de suporte básico) não têm médicos. (Médico Regulador 1). O modelo francês ele leva o recurso de emergência para a cena. (...) O modelo americano é o contrário, leva o cidadão para dentro do hospital. Então o que foi que a gente teve que fazer? Uma adaptação dos dois. (...) Nos Estados Unidos eles criaram os protocolos que facilita o atendimento. (...) Então a 4

5 gente ficou copiando um e outro e ainda estamos adaptando o modelo para a realidade brasileira. (Médico Regulador 1). Conforme as falas de um dos entrevistados para este estudo, o SAMU 192 Ceará obedece em parte o modelo francês, o que corrobora com a literatura que diz que o modelo francês se diferencia do modelo estadunidense pelo fato de nos Estados Unidos o atendimento ser realizado por profissionais para-médicos, profissionais estes que inexistem no Brasil. (LOPES & FERNANDES, 1999). Ainda com relação ao trecho transcrito referente ao modelo de organização do SAMU Ceará, destaca-se que à medida que esse serviço procura adaptação para a realidade brasileira, no momento da prestação desse serviço, o profissional experimenta situações novas que não se enquadram nas diretrizes da Portaria que instaura o Serviço. Dessa forma, se faz necessário pensar quais são as condições reais de trabalho desses profissionais. Todo o trabalho se inicia com uma chamada telefônica, para o número 192 que no Brasil é utilizado de modo uniforme. As chamadas se destinam a uma Central de Regulação (CR), cujos princípios e diretrizes foram estabelecidos pela Portaria GM/MS nº de 05 de novembro de 2002, instituidora da regulamentação técnica e forma de operação dos sistemas estaduais de urgência e emergência no país, iniciativa tomada após o estabelecimento da Norma Operacional de Assistência à Saúde (NOAS /SUS/01/2001) que foi aprovada pelo Conselho Nacional de Saúde. A Central de Regulação (CR) do SAMU Ceará é composta por um médico regulador que trabalha em turno na modalidade revezamento de 12 horas, e há uma equipe chamada de Técnicos Auxiliares de Regulação Médica TARMS, responsáveis pelo atendimento às chamadas telefônicas e o devido encaminhamento ao médico regulador, todos lotados na base central no SAMU Polo I Ceará, situada no município do Eusébio. Nesta base as equipes são organizadas da seguinte forma: 04 auxiliares no horário entre 6h e 13h; 04 entre 13h e 19h e 04 entre 19h e 6h da 5

6 manhã. Anote-se que dos quatro, três atendem ao sistema telefônico e um trabalha como operador de frota, função que sofre rodízio mensal entre todos os membros da equipe. Conta também o Polo I com um Núcleo de Educação em Urgência (NEU) cuja missão é promover a capacitação das equipes de trabalho, promovendo cursos de aperfeiçoamento no intuito de contribuir para uma qualificação dos que atuam no Polo. Atualmente ele conta com a coordenação que é composta por uma equipe de médicos e enfermeiros e com programação semanal regular de palestras e aulas práticas nos laboratórios especialmente preparados para este fim, além de administrar uma pequena biblioteca, no qual estão disponíveis materiais diversos para leitura e estudo dos colaboradores. Os Núcleos de Educação em Urgências devem se organizar como espaços de saber interinstitucional de formação, capacitação, habilitação e educação continuada de recursos humanos para as urgências, coordenados pelo gestor público e tendo como integrantes as secretarias municipais e estaduais e as instituições de à população, de caráter público ou privado e de abrangência municipal, regional ou estadual. (Portaria GM/MS n.º 2.048/02 (BRASIL, 2002). Assim, o atendimento prestado pelo SAMU acontece a partir de uma chamada telefônica atendida pela CR onde o médico regulador analisa a ocorrência e define o tipo de atendimento que pode ser desde um teleatendimento médico até o acionamento de unidade móvel específica para ocorrência, a partir do julgamento da Central. As unidades móveis que já estão devidamente abastecidas pela área da dispensação, com todos os insumos necessários para o atendimento requerido. Quando acionada a unidade sai para realizar sua atribuição de forma autônoma, sem, todavia, deixar de manter contato com a CR, dada a necessidade de ser direcionada quanto ao destino do paciente ou, se for o caso, solicitar o auxílio de outra unidade de socorro. Importante ressaltar que tudo o que ocorre na base deve ser comunicado à Central (CR). O C22 é a minha chegada no hospital de referência, ou seja, qual foi a distância do local onde eu fiz o atendimento até o hospital. Distância e tempo que foi utilizado. E o C23 é o horário que eu fiquei livre, fui liberado do hospital. Porque as vezes eu chego num hospital e a ambulância fica lá presa. Por 6

7 que? Porque aí o colega: Espere aí, que eu tenho que examinar, não sei se o perfil é daqui. Por isso mesmo que a nossa função é esclarecer. (Médico Intervencionista 1) Conforme vemos no trecho transcrito percebe-se que o contato com a Central é imprescindível para verificação se Unidade que se encontra em serviço pode ser liberada para novas ocorrências ou se há a necessidade de recolhimento desta para a Base (o que geralmente acontece no caso de contaminação do veículo, material ou vestimenta dos integrantes da equipe). Dessa forma o serviço faz uso de unidades tipo USA (Unidades de Suporte Avançado) e USB (Unidade de Suporte Básico) que se constituem de equipes compostas por profissionais de diferentes categorias, a saber: médicos e enfermeiros intervencionistas para o primeiro tipo de unidade móvel; e técnicos de enfermagem para o segundo tipo. Ambas contam com condutores de veículos de urgência todos dotados de habilitação especial e treinamento técnico específico voltado para o auxílio nas ocorrências vivenciadas. Este trabalho procurou enfocar os trabalhadores das USA (Unidades de Suporte Avançado) que compreende os profissionais: médicos e enfermeiros intervencionistas e condutores de veículo de urgência. O loci da pesquisa foram as bases dos municípios três municípios da RMF, sendo um deles com duas unidades tipo USA e os demais contam com apenas uma unidade deste tipo. O posicionamento das unidades de tratamento intensivo, como é o caso da USA, depende não apenas da estrutura física ofertada pelo município no qual a base de apoio sedia, mas igualmente tem relação com a posição geográfica do mesmo. É preciso que esteja em uma localização que possibilite não apenas o fácil acesso às vias que facilitam o deslocamento para centros urbanos avançados, dotados de leitos hospitalares, bem como a distância entre a base e os municípios devem ser aproximadas e homogêneas. 7

8 3. TRABALHO E SAÚDE: AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO PROFISSIONAL NO SAMU CEARÁ. As iniciativas que envolvem o trabalhador da saúde e as políticas direcionadas especificamente a este profissionais são precárias no país e não compreendem de modo explícito, que estão eles expostos aos mais diversos modos de adoecimentos decorrentes do trabalho que desenvolvem, a exemplo do que nos indica Adail de Almeida Rollo (2007) ao realizar relato sobre pesquisa ocorrida em Cuba no ano de 2005 e coordenada pelo psicólogo cubano Dr. Jorge Grau Abalo a respeito do adoecimento dos trabalhadores no sistema de saúde de Cuba. Nos diz o autor: (...) Jorge Grau caracterizou o sofrimento mental como uma situação que se observa nos trabalhadores autoculpabilidade, sensação de incompetência, diminuição da auto-estima, piora no rendimento e qualidade profissional com perda da atenção, má acolhida dos usuários e colegas, com tendências a posturas culpabilizantes agressivas, tanto no trabalho como em suas relações sociais, e piora das manifestações de doenças psicossomáticas. A manutenção dessa situação por um período prolongado pode levar à Síndrome de Burnout ( queimar para fora, liquidação da capacidade de trabalho), caracterizada como um estado pessoal de esgotamento emocional com despersonalização, perda da capacidade laborativa e aumento significativo do risco de drogadição e suicídio. É observada, principalmente, em quem trabalha na atenção a pessoas com interação humana intensa e onde a imprevisibilidade é uma constante (...) (ROLLO, 2007, p ). Ainda com referência às situações enfrentadas pelos trabalhadores da saúde, Vale (2012) discute numa perspectiva de política pública, utilizando como parâmetro uma análise da Norma Regulamentadora (NR) número 32, aduz o seguinte: (...) Se por um lado os doentes enfrentam dificuldades para serem tratados, por outro seus cuidadores têm grandes desafios e riscos, até mesmo de adoecerem no exercício da função. (...) Dentre os principais riscos inerentes às atividades desses profissionais estão ferimentos com perfurocortantes, exposição aos agentes biológicos, entres os quais os vírus da AIDS e das hepatites, aos agentes químicos como produtos de limpeza, de desinfecção, qumioterápicos antineopláticos, gases e vapores anestésicos, às radiações ionizantes e, ainda, riscos para o sistema musculoesquelético, causado pelo transporte e transferência de pacientes (VALE, 2012). 8

9 O público participante deste estudo relata que algumas condições de trabalho como as situações de risco de suas vidas e da sua clientela, a violência urbana e no trânsito, além da falta de estrutura para a realização das atividades desses trabalhadores, implicam em situações que afetam não somente o trabalho, a vida privada do trabalhador, mas a sua própria subjetividade. Esse cenário em que se apresenta com certa invisibilidade perante as políticas púbicas de saúde que vislumbram os indicadores dos atendimentos e as estatísticas de encaminhamentos hospitalares. Aquilo que eu falei sobre o impacto psicológico, a gente tem que ter um trabalho muito bacana porque vai absorvendo toda a sua energia. Eu saio daqui com um bebezinho que morreu... Sai dali vai lá pra outro bairro tem uma senhora abandonada numa casa e você remove e morre no hospital. Você sai dali atender um cara ali com cinco tiros na cabeça (...) no final do plantão... (Médico Intervencionista 2). Em Fortaleza teve até um caso marcante que um fisioterapeuta nos chamou porque ele chegou em casa e a secretaria dele, uma moça de 23 anos de idade, que era do Piauí e veio trabalhar aqui na casa dele. A única queixa que ele dizia que ela tinha era uma dor de cabeça. Então a moça tava morta. Pela posição que ela caiu, ela deve ter ficando inconsciente e não se sabe porque, mas ela estava morta. E já fazia tempo ela estava até com um pouco de rigidez cadavérica. Então na noite de natal você atende uma situação dessa! (Médico Intervencionista 1). Assim, o trabalho em saúde não é apenas um processo técnico, desprovido do caráter humanizante dos envolvidos na relação; não se satisfaz pela medicalização social ou pelo encaminhamento do paciente à instituição hospitalar, para dali se esquecer o que ocorreu ou inaugurar o desinteresse do socorrista pelo paciente atendido. É preciso considerar que se trata de uma questão complexa cujas condições geradoras de adoecimento através da prática profissional é uma realidade. Nós não temos uma preparação de psicologia aplicada ao atendimento. Então a gente absorve tudo isso e como é que a gente processa? Aí um vai e fica estressado, o outro vira alcoólatra, o outro vai fumar, o outro vai descontar na próxima ocorrência, o outro vai ter uma gastrite, uma hipertensão. Então isso é interessante a gente discutir. (...) Por isso que eu digo da 9

10 importância de ter uma equipe para trabalhar essas questões internas da pessoa. (Médico Regulador 1) Alguns SAMU tem psicólogo. Eu conheci a psicóloga do SAMU de São Luiz. Ela disse: a minha dificuldade é que as pessoas não querem me acessar no serviço. Eles me procuram fora porque tem um preconceito... (...) se abrir a minha porta uns dizem assim: ei sai daí que ela não resolve problema de chifre não infeliz. Ou então dizem assim: olha eu só vou pegar um negócio aqui com a doutora viu, eu não sou doido não. Então existe o preconceito. Mas eu sempre falo nas palestras com o pessoal que isso é uma necessidade nossa. E que nós temos que ter um profissional para trabalhar isso preventivamente. (Médico Regulador 1). Observa-se que o trabalhador passa a criar mecanismos de defesa para lidar com situações que desafiam a sua integridade não apenas física, como também a psíquica. Essas reações às tensões emocionais crônicas que advém do contato com problemas de outras pessoas, como é o caso dos profissionais desse estudo, foram denominadas como a Síndrome de Burnout. (MASLACH & JACKSON, 1981). Percebeu-se ao longo das conversas empreendidas com alguns trabalhadores, que a Síndrome de Burnout não é incomum, sendo muitas vezes confundida com a depressão, o que igualmente confunde tanto o trabalhador quanto à instituição, delineando uma situação que nem sempre corresponde ao real vivido pelo trabalhador. O médico me afastou porque achou que um dos meus problemas seria relacionado ao trabalho. Porque eu tive um problema de depressão. Ele me afastou mesmo das atividades, mas aí eu pedi pra ficar no posto. Eu pensei que eu ia morrer longe da ambulância porque era tudo na minha vida. Não tinha mais marido, só tinha os filhos que a gente cria e pronto né. Aí eu pensei: agora eu morro de vez. Mas eu sobrevivi. Eu amava muito o meu serviço. Mas agora eu estou acostumada aqui dentro. Para você está na rua você tem que ter flexibilidade, pra se abaixar né. Você tem que saber qual é o seu momento e eu acho que eu não tenho mais idade. (Enfermeira Intervencionista 3 - afastada). Através desse relato percebemos que o profissional não quer aceitar seu afastamento de atividades das quais ele pensa ser vocacionado. Nesse sentido existe um sentimento de culpa que acomete o trabalhador relacionado ao fracasso no trabalho, seja por desconhecimento da atividade, imprudência ou acidente, é quase sempre relacionado à sua própria forma de se conduzir naquela atividade, tanto por parte da organização e das condições de trabalho 10

11 ofertadas pelo tomador do serviço, no caso, o Estado, assim como pelo resultado de um processo auto-avaliativo a que se impõe o profissional. Simons (2010) trata da problemática de modo objetivo indicando que a exposição a agentes que violam os limites do trabalhador podem resultar em estresse intolerável e levá-lo a um adoecimento incurável. Indica ainda que (...) de acordo com estatísticas da Isma-BR, o burnout afeta 30% da População Economicamente Ativa (PEA) no Brasil, causando prejuízo estimado de 4,5% do Produto Interno Bruto do ano (p. 47). Este dado é extremamente significativo, especialmente quando se fala do trabalhador da saúde, dado que há uma espécie de ocultação do sofrimento subjetivo vivenciado por ele em seu cotidiano, que é calado; situação na qual se vê ele sem possibilidade de falar a respeito, sem a mínima chance de equacionar sintomas e equilibrar-se psiquicamente. Estas situações, geradoras de sofrimento íntimo, engendram mecanismos de resistência incapazes de dar conta da sintomática, deixando sem solução ou sem superação (cura) as situações dolorosas que enfrenta no cotidiano. Um senhor já bem de idade, um cardiopata. Foi uma transferência. E ele pediu para eu ficar aqui. E a gente não anda agarrado com o paciente, mas ele pediu e eu muito emotiva tendo ele assim como um pai um avô, alguma coisa, coloquei ele aqui no meu ombro e ele morreu no meu ombro. Eu notei que ele fez assim (suspirou), então eu já deitei e fui pegar o aparelho de pressão e tudo pra ver. Mas aí ele já tava era indo embora. Nesse dia eu me abalei. Mas fiz o meu trabalho bem direitinho, cheguei no hospital, disse que era uma transferência isso, isso e isso... o hospital não recebe, mas recebeu, ainda reanimaram, mas aí não deu. Eu fique com aquilo marcado. Uma coisa é você pegar um poli-traumatizado e você acha que pode morrer. Outra coisa é você pegar uma pessoa que está conversando e o coraçãozinho parar né. Apesar que eu sabia que ele tava bem debilitado. Era um cardiopata já bem de idade e que podia... mas eu não esperei. (Enfermeira Intervencionista 1). Um óbito que eu senti muito foi um que vinha a mãe, o filhinho de oito meses e o pai na moto. A criança teve lesões, mas a mãezinha morreu. E essa mãe a gente fez tudo. Estancou hemorragia, mas ela não chegou com vida ao hospital. Aí o pai também tava muito grave. Aí a criança ficou praticamente sem pai e sem mãe né. (Enfermeira Intervencionista 2). 11

12 Percebemos, portanto, que não é o trabalho apenas o prolongamento da vivência do indivíduo em seu cotidiano. Particularmente para o trabalhador da saúde, implica ele na interação entre paciente e cuidador, revelando uma relação interindividual naquilo que Merhy et al (2006, p.37) chama de processo relacional que sugere algo da natureza de um encontro entre quem precisa de cuidados e quem cuida, produzindo (...) um espaço intercessor no qual uma dimensão tecnológica do trabalho em saúde, clinicamente evidente, sustentase (... ). É o que o autor conceitua de tecnologia leve. Independente dos aspectos que visam uma tecnologização da relação estabelecida entre paciente e cuidador, não se pode ignorar a dimensão da subjetividade do trabalhador que, indiscutivelmente sofre diante das condições e organização do trabalho sob o qual está submetido. Gadamer (2006) discute essas condições principalmente sob a manifestação do evento morte. A morbidade do paciente pode ensejar ao cuidador, não apenas a angústia ou levá-lo ao adoecimento como já tratado, mas também, ao reprimir seus sentimentos e até identificações das situações que vivencia ou testemunha, sugere o que o autor chama de despertar o fundamento antropológico da angústia que revela (...) a distinção do ser humano de ser distanciado de si mesmo (p. 69). O distanciamento ou a tentativa de distanciar-se da situação surge como elemento de defesa no intuito de possibilitar o profissional a lidar com experiências dolorosas de modo a tentar esquivar-se do sofrimento que ela possa ensejar. De acordo com Aquino (1999, p.104) (...) o sofrimento mental advém da organização do trabalho, compreendida como a divisão do trabalho (...) e das condições de trabalho, concebida como o ambiente físico (...). Daí não ser possível desconsiderar que estas duas variáveis contribuem para o engendramento de situações geradoras de dor e angústia, associadas à impotência do profissional, mesmo que extremamente capacitado, dado que são variáveis que fogem ao seu controle. 12

13 Borges (2005) a este respeito explica: (...) Nossos resultados apontam que as condições de trabalho de algumas ocupações/profissões de saúde de elevadas exigências de habilidades em lidar com pessoas (usuárias dos serviços), principalmente quando não requereram o serviço e/ou quando expõem o profissional a imprevisíveis riscos de rua, tornam alguns profissionais mais vulneráveis a sentimentos de conteúdos depressivos e de esgotamento. A reduzida experiência dos profissionais amplia tal vulnerabilidade (p. 277). Além das condições subjetivas aqui expostas, outro ponto crucial apontado como deficitário no que diz respeito à organização e às condições de trabalho dos profissionais entrevistados para esse estudo, aponta-se ainda as observações realizadas em campo quanto á estrutura física de uma das Bases que fica mais distante da central. Nessa base os profissionais têm dificuldades de terem à mão recursos simples, como um segundo uniforme, caso aquele que estejam utilizando sejam contaminados durante o atendimento, comunicação, pois os celulares na ocasião da visita não tinham sinal e a base não dispõe de comunicação via rádio, a infra-estrutura para acomodar a equipe ser totalmente improvisada, adaptada... (...) As vezes a pessoa fica sem tomar banho. O macacão pode ficar contaminado, porque só recebemos um macacão. E cada um que lava o seu em casa. O SAMU dá a bota e o macacão, mas cada um cuida do seu material. (...) O SAMU Ceará, que é um bebê que existe há cinco anos, funciona até bem. Por exemplo, o uniforme, a gente deve sempre usar uma roupa por baixo, que aí diminui o risco de contaminação. (...) Havendo contaminação, por exemplo, com sangue, a gente não pode mais trabalhar usando aquele uniforme. (Médico Intervencionista 2). Este simples exemplo, no que se refere à disponibilidade de uniformes extras para as equipes, demonstra as dificuldades no que se refere às condições de trabalho. Outro problema apontado como muito sério no que se refere à saúde do trabalhador, foi citado pelo Condutor de Veículo de Urgência 1 que relatou 13

14 muitos dos colegas sofrerem de problemas de coluna, hérnia de disco, dentre outras enfermidade advindas da condição de trabalho deles. Vocês estão vendo isso aqui? Essa cinta eu comprei com meu dinheiro. Com essa cinta eu tenho menos possibilidade de adquirir uma doença na coluna porque a gente pega muito peso e tudo a gente apoia na coluna. Então você me pergunta: você vibra a favor do seu trabalho é? Não. Isso é pra eu manter minha saúde e continuar trabalhando, mas não era pra eu comprar esse equipamento. Eles devem saber que isso aqui é necessário para nossa atividade, Mas aí fica né... (Condutor de veículo de Urgência 1). Desta feita, condições e organização do trabalho assim como outros fatores ligados à dinâmica organizacional da estrutura da instituição de saúde, seja esta um hospital ou mesmo uma unidade móvel de atendimento de urgência, representada administrativamente por sua base de apoio, podem ser determinantes nas questões de saúde e adoecimento do trabalhador. E deste cuidado não pode o poder público ignorar: é este um dos desafios ao Estado. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A divisão do trabalho tem ligação direta com seu processo de organização tendo em vista a necessidade de ajustamento do trabalhador 2 aos objetivos do trabalho, já que o processo de dividir as etapas de uma determinada operação reflete de modo objetivo a sua transformação, particularmente quando se fala do gerenciamento das rotinas dos trabalhadores. Como nos diz Braverman (1980) a respeito da necessária divisão do trabalho, o capitalista desmonta o ofício e o restitui aos trabalhadores parcelados, de modo que o processo como um todo já não seja mais da competência de um só trabalhador individual (p. 149). Daí haver não apenas uma divisão entre o trabalho manual e o intelectual, mas haver uma clivagem entre os fatores subjetivos e objetivos do 2 Expressão utilizada por Braverman (1980, p.133) 14

15 próprio trabalho. Isto é, há uma convergência que materializa e coisifica (processo de reificação) o ato de trabalhar, alterando o sentido do verbo sa ação para submissão; A única parte subjetiva de toda esta engrenagem é aquela determinada pela gerência. (BRAVERMAN, 1980). Inaugura-se em todas as frentes de trabalho uma nova eticidade, agora maximizada pelo papel do administrador em geral, que engendra um processo de imposição do saber do trabalhador no processo do trabalho. Na saúde, ou mais especificamente no setor público, que toma de modo significativo e de forma precarizada o trabalho, as políticas pouco se empenharam em pensar esta questão e as suas consequências para a saúde do trabalhador (da saúde). Neste sentido Barros et al (2007) ao relatarem as discussões a respeito do Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) afirmam o que: A construção dessas estratégias de intervenção partiu da identificação da nocividade do trabalho nos serviços de saúde pública para seus próprios funcionários, tendo em vista: a precarização e verticalização das relações de trabalho, hierarquizações rígidas, insuficientes condições materiais para oferecer atendimento aos usuários, baixos salários, ritmo extenuante de trabalho, fragmentação das atividades, etc. Segundo relato de muitos trabalhadores que desenvolvem suas atividades nesses estabelecimentos, esse quadro de precariedade tem se expressado em forma de estresse, desgastes, sejam eles físicos e/ou emocionais, resistências, descrédito, sofrimento; sensação de impotência; pouca possibilidade de movimentação diante dos desafios postos pelo cotidiano, podendo produzir até mesmo paralisações. O número e a freqüência considerável de pedidos de licença médica e afastamento do ambiente de trabalho, por exemplo, evidenciam essa nocividade, bem como delineiam algumas de suas manifestações. (BARROS at al, 2007, p.149). Assim, a divisão do trabalho em equipes é importante no que se configura o trabalho em urgências, já que cada um assume uma etapa fundamental que pode fazer ou não a diferença entre a vida ou o óbito do paciente. Todavia, há que se considerar que uma estrutura que presta atendimentos desta natureza deve, pelo menos deveria, contar com uma organização e condição de trabalho, capaz não apenas de garantir o sucesso das intervenções, mas de preservar a saúde dos trabalhadores, que, desgastados pelas dificuldades em operacionalizar a rotina, ainda carregam o 15

16 sofrimento íntimo em relação à dor alheia que, em si, despertam uma dor própria, de caráter subjetivo. Por fim, é fundamental que as políticas públicas de saúde se voltem para esta questão, reconhecendo e enfrentando a suas consequências, especialmente quando tais vivências podem desencadear um esgotamento emocional, levando ao comprometimento não apenas da capacidade laborativa do trabalhador da saúde, mas a sua própria forma de estar no mundo. REFERÊNCIAS: AQUINO, Cassio Adriano Braz de. Uma hipótese sobre o impacto das condições de trabalho na saúde mental do trabalhador no ramo hoteleiro. In: Trabalho, saúde e subjetividade coleção Saúde Coletiva no Ceará, nº01, org. José Jsckson Coelho Sampaio, Erasmo Miessa Ruiz e Isabel Cristina Ferreira Borsoi. Fortaleza: EDUECE, BARROS, Elizabeth; BASTOS, Solange; ZANDONAI, Ana Paula; VIEIRA, Ludmilla Ferraz Dias; BERGAMIN, Margareth Pereira; SCARABELLI, Rodrigo dos Santos. A experiência do programa de formação em saúde e trabalho em um hospital público comserviço de urgência. In: Trabalhador da saúde: muito prazer! Protagonismo dos trabalhadores na gestão do trabalho em saúde. ORg. Serafim Barbosa Santos Filho, Maria Elizabeth Barros de Barros. Ijuí, rio Grande do Sul: Ed. Unijuí, BORGES, Lívia de Oliveira. Os profissionais da saúde e seu trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, BRASIL. Portaria GM/MS n.º 2048, de 5 de novembro de Regulamenta o atendimento das urgências e emergências. Disponível em acesso em 21/12/2011. BRASIL. Regulação médica de urgências e de transferências interhospitalares de pacientes graves. 2. ed. Florianópolis: Rede Brasileira de Cooperação em Emergências, Cooperação Brasil-França, BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista a degradação do trabalho no século XX. 3ª.ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, CASTILHO COSTA, Maria Cristina. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 3ª.ed. rev. e ampl. São Paulo: Moderna, FORRESTER, V. O Horror Econômico. São Paulo: Editora Unesp,

17 GADAMER, Hans-George. O caráter oculto da saúde. Editora Vozes, Rio de Janeiro: Petrópolis, LOPES SLB, FERNANDES RJ. Uma breve revisão do atendimento médico préhospitalar. Medicina, Ribeirão Preto, 32: , out./dez Disponível em acesso em 20/12/2011. MASLACH C, JACKSON SE. The measurement of experienced Burnout. J Occup Behav [online] Disponível em acesso em 05/05/2012. MINAYO, Maria Cecília de Souza. Violência e Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, ROLLO, Adail de Almeida. É possível valorizar o trabalho na saúde num mundo globalizado? In: Trabalhador da saúde: muito prazer! Protagonismo dos trabalhadores na gestão do trabalho em saúde. ORg. Serafim Barbosa Santos Filho, Maria Elizabeth Barros de Barros. Ijuí, rio Grande do Sul: Ed. Unijuí, SILVA, Sílvio Fernandes. Redes de atenção à saúde no SUS: o pacto pela saúde e redes regionalizadas de ações e serviços de saúde. Gilson Carvalho et al; organizador: Sílvio Fernandes Silva. 2ª.ed. Campinas, São Paulo: Saberes Editora, SIMONS, Uldo. Escolha pela vida. Revista Saúde Empresarial melhor gestão de pessoas. Especial saúde. Editora Segmento. ABRH Nacional, junho, SKINNER, B. F. Questões Recentes na Análise Comportamental. Campinas: Papirus, VALE, Adriana do. Proteção para os que cuidam da saúde NR32. Revista CIPA Caderno Informativo de Prevenção de Acidentes. Ano XXXIII, nº 391. São Paulo, Editora Cipa, abril de

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008 Condutor-Socorrista 1. Conduzir veículo terrestre de urgência destinado ao atendimento e transporte de pacientes; 2. Conhecer integralmente o veículo e realizar manutenção básica do mesmo; 3. Estabelecer

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde TÍTULO DO PROJETO Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU Dário Nunes dos Santos Guarulhos Agosto/2012

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

CONFLITOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PRESTADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM

CONFLITOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PRESTADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM 1 CONFLITOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PRESTADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM Maisa Batochi Marani 1 Cassiano Ricardo Rumin INTRODUÇÃO A enfermagem começou a ser inserida na sociedade brasileira a partir do período

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA SAMU CENTRO-SUL Edital nº 11/2010, de 22/07/2010 ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: CONDUTOR-SOCORRISTA Atuar na Central Radioperador e controlador de frota e nas Unidades Móveis

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI 1 A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI INTRODUÇÃO Maria do Socorro Oliveira Guimarães - NOVAFAPI Paula Cristina Santos Miranda Queiroz - NOVAFAPI Rosania Maria de Araújo -

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE: A BUSCA PELA CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE: A BUSCA PELA CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE: A BUSCA PELA CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Introdução Dirce Shizuko Fujisawa Departamento de Fisioterapia UEL 1 Maria Cristina Marquezine Departamento de Educação UEL

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO: UM ESTUDO NO SERVIÇO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINA GRANDE/PB

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO: UM ESTUDO NO SERVIÇO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINA GRANDE/PB CONSIDERAÇÕES SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO: UM ESTUDO NO SERVIÇO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINA GRANDE/PB Rosinélia Suênia de Almeida 1, Thaísa Simplício Carneiro 2 1 Universidade Estadual da

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

SER CARDIOPATA: UMA CONDIÇÃO ESTIGMATIZANTE QUE CAUSA SOFRIMENTO PSÍQUICO

SER CARDIOPATA: UMA CONDIÇÃO ESTIGMATIZANTE QUE CAUSA SOFRIMENTO PSÍQUICO SER CARDIOPATA: UMA CONDIÇÃO ESTIGMATIZANTE QUE CAUSA SOFRIMENTO PSÍQUICO Ana Letícia Soares Nunes Laboratório de Psico(pato)logia Crítica-Cultural Mestrado em Psicologia Universidade de Fortaleza Av.

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM NA ASSISTÊNCIA À CRIANÇA HOSPITALIZADA

PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM NA ASSISTÊNCIA À CRIANÇA HOSPITALIZADA PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM NA ASSISTÊNCIA À CRIANÇA HOSPITALIZADA Neusa Collet 1 Semiramis Melani Melo Rocha 2 Cláudia Silveira Viera 3 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 3 Resumo: Trata-se de

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR Fabiane da Fontoura Messias de Melo 1 Melissa Andréa Vieira de Medeiros 2 Introdução O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

Comunicação (Rádio, Celular, Autotrack)

Comunicação (Rádio, Celular, Autotrack) SAMU 192 MACRO NORTE / MG NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE Protocolo: Nº 06 Elaborado por: Samuel Migdonio Virgilio Wagner Santos Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma

Leia mais

Entrevista com Dr. Alcides de Souza

Entrevista com Dr. Alcides de Souza Entrevista com Dr. Alcides de Souza sexta-feira, fevereiro 04, 2011 http://nucleotavola.com.br/revista/entrevista-com-dr-alcides-de-souza/ por Lucas Arantes e Luis Fernando S. Souza-Pinto A entrevista

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

SAÚDE DO HOMEM NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

SAÚDE DO HOMEM NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SAÚDE DO HOMEM NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Maria das Graças Laurentino Silva 1 ; Ana Lúcia Teixeira de Lima 1, Luzinete Nascimento da Silva Flôr¹, Léa Cristina Almeida Reul 2, Iaponira Cortez

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 04

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 04 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 04 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TARM 1 - ACESSANDO O COMPUTADOR: 1.1 -

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE CARGOS PARA SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU OESTE EDITAL Nº 007, DE 15/07/2015.

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE CARGOS PARA SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU OESTE EDITAL Nº 007, DE 15/07/2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE CARGOS PARA SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU OESTE EDITAL Nº 007, DE 15/07/2015. ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: CONDUTOR SOCORRISTA

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional Nº 228 29/11/11 Seção 1 - p.98 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 804, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Texto construído com base em diversos trabalhos acadêmicos, dados do Cofen, dados do Coren, Fórum Nacional das 30 horas, Aben e do artigo Jornada

Leia mais

Serviço o de Atendimento Móvel M Urgência- SAMU 192

Serviço o de Atendimento Móvel M Urgência- SAMU 192 Serviço o de Atendimento Móvel M de Urgência- SAMU 192 IV Seminário de Engenharia e Arquitetura Hospitalar 26 a 28 de março o de 2008, HUPES, Salvador-BA Lucianne Fialho Batista (Pesquisadora do GEA-hosp/Somasus,

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI

AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI LISABELLE CRISTINA RODRIGUES DA SILVA FRANÇA 1 DANIELA DA COSTA LEITE COELHO 2 VINÍCIUS

Leia mais

Burnout em profissionais de atendimento à vítima: uma abordagem qualitativa

Burnout em profissionais de atendimento à vítima: uma abordagem qualitativa Burnout em profissionais de atendimento à vítima: uma abordagem qualitativa Maria José Magalhães, Ana Castro Forte & Cristina Queirós Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

ATENÇÃO PRÉ-HOSPITALAR: DESAFIOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA NA VISÃO DOS ENFERMEIROS

ATENÇÃO PRÉ-HOSPITALAR: DESAFIOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA NA VISÃO DOS ENFERMEIROS ATENÇÃO PRÉ-HOSPITALAR: DESAFIOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA NA VISÃO DOS ENFERMEIROS SEVERINA ALVES DE ANDRADE RENATA EMANUELA DE QUEIROZ RÊGO KELLY PATRÍCIA MEDEIROS FALCÃO MICELÂNDIA

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 O vácuo moral na contemporaneidade: narrativas e experiência da violência no cotidiano laboral Ana Karina Loiola

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO Aliny de Lima Santos 1, Rafaela Pasquali

Leia mais

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1.

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. 1. 1. Prestar serviços ao CONSAVAP na Manter o sistema funcionando 100% de efetividade no Serviço operante

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR CONSIDERAÇÕES INICIAIS WLLINGTON JORGE DOS SANTOS 1 - UFPI. IVONIZETE PIRES RIBEIRO 2 - NOVAFAPI As Infecções Hospitalares

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA 1 CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA Samuel Rodrigues de Paula Introdução: No mundo inteiro o alcoolismo é considerado, um dos mais graves problemas de ordem social e

Leia mais

5. Abreviaturas: CNS - Cartão Nacional do SUS. DEA Desfibrilador Externo Automático. IN - Instrução Normativa. PA Pronto Atendimento

5. Abreviaturas: CNS - Cartão Nacional do SUS. DEA Desfibrilador Externo Automático. IN - Instrução Normativa. PA Pronto Atendimento Lei Municipal nº 5.383, de 22 de novembro de 2012 Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Município de Vila Velha ES e dá outras providências; Decreto Municipal nº 297, de 11 de dezembro de 2012

Leia mais

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br Parecer Técnico Coren-PE nº 003/2015 Protocolo Coren-PE nº 930/2015 Solicitantes: Kátia Maria Sales Santos Cunha Unidade de Enfermagem do HEMOPE Assunto: No transporte, o profissional de enfermagem deverá

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO / REVISÃO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES Prezado usuário Esta cartilha foi desenvolvida na perspectiva de orientá-lo sobre as rotinas das clínicas de internação

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NOSSO PLANO 1 2 PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Sumário 1. O Nosso Plano 2. Programa de Promoção da Saúde 3. Por que aderir 4. COMO ADERIR 5. Os tipos de planos 6. Como Funciona 7. Dúvidas Frequentes 8.

Leia mais