Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014"

Transcrição

1 PROPOSTA DE ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS PARA INTEGRAÇÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO INTELIGENTE Anderson Antônio Giacomolli, Thiago Regal da Silva, Carlos Eduardo Pereira, Renato Ventura Bayan Henriques Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Av. Osvaldo Aranha, 103 Porto Alegre, RS, Brasil s: Abstract The costs associated with equipments maintenance still represent a large portion of the resources available to a company. Therefore, the improvement of maintenance techniques, and development of the new ones, are growing, since they impact directly on the economic side of the companies. Thus, the current work presents a service-oriented architecture proposal for an intelligent maintenance system. The architecture intends to integrate equipments and degradation analysis tools, improving the health estimation process. Keywords Intelligent Maintenance Systems, Service-Oriented Architectures, Systems Integration. Resumo O custo empregado na manutenção de equipamentos ainda representa uma grande parcela dos investimentos no setor industrial. Portanto, o desenvolvimento de novas técnicas de manutenção, bem como o aperfeiçoamento das já existentes, cada vez é tido como foco nas corporações, por impactarem diretamente no fator econômico das empresas. Dessa forma, o trabalho em questão apresenta a proposta de uma arquitetura orientada para integração de sistemas de manutenção inteligente. A arquitetura tem por objetivo a integração de equipamentos e ferramentas, visando melhorar o processo de obtenção dos índices de saúde dos equipamentos. Palavras-chave Sistemas. Sistemas de Manutenção Inteligente, Arquiteturas Orientadas a Serviços, Integração de 1 Introdução Atualmente, a importância do emprego de técnicas de manutenção no âmbito industrial está em constante ascensão devido à necessidade de aumentar a disponibilidade e segurança dos equipamentos, bem como a qualidade do processo produtivo (Muller et al., 2008). Dessa forma, o desenvolvimento de novas técnicas de manutenção para uso nas mais diversas áreas e o correto planejamento dos processos de manutenção estão cada vez mais importantes, uma vez que impactam diretamente no fator econômico, alterando a disponibilidade do sistema e também a segurança (Zhao et al., 2010). Nos últimos anos, tem-se observado um crescimento no uso de um novo paradigma de manutenção denominado de manutenção inteligente (Zhang et al., 2013). Diferentemente dos métodos tradicionais, conhecidos por aplicar o conserto aos equipamento somente após a falha ou por manterem processos de manutenção agendados baseado no histórico de falhas dos componentes, o paradigma de manutenção inteligente visa predizer a condição do sistema e prevenir uma possível falha. Outra linha de pesquisa também está em constante crescimento: o uso de Service-Oriented Architecture (SOA) ou Arquiteturas Orientadas a Serviços. O uso do padrão SOA está evoluindo e está cada vez mais presente em aplicações nos mais diversos segmentos, sejam eles a nível de, na implementação de camadas de negócios ou mesmo no setor industrial, como apresentado em (Papazoglou and Heuvel, 2007), (Ragavan et al., 2012) e (Choi et al., 2010). É um conceito de arquitetura que suporta acoplamento mínimo entre componentes, possibilitando ganhos em flexibilidade e interoperabilidade. Por conseguinte, qualquer tipo de aplicação pode ser representada como um conjunto complexo s, inclusive no âmbito industrial (Bohn et al., 2006), (de Deugd et al., 2006), (Colombo et al., 2010) e (Karnouskos et al., 2010). Nesse contexto, um sistema de manutenção inteligente também pode se valer da utilização dos conceitos empregados pelo padrão SOA. Do ponto de vista da arquitetura SOA, o sistema de manutenção pode conter serviços para relatórios de saúde e falhas, informações sobre o prognóstico do tempo de operação sem necessidade de manutenção, além s de configuração de ferramentas de diagnóstico ou dos modos de operação suportados pelo equipamento. O monitoramento remoto do sistema também possibilita a integração das informações de saúde dos equipamentos em sistemas Manufacturing Execution Systems (MES) e Enterprise Resource Planning (ERP), a fim de se obter o correto gerenciamento da cadeia de suprimentos de peças de reposição (Oldham et al., 2003). 3814

2 Com base nestes aspectos, o presente artigo aborda a definição de uma arquitetura orientada para integração de diferentes componentes que fazem parte de um sistema de manutenção inteligente. Os componentes são abstraídos como entidades SOA e casos de uso ilustram diferentes cenários para a utilização da proposta. Dessa forma, este trabalho está estruturado da seguinte maneira: na seção 2 é apresentada uma análise do estado da arte, cobrindo os dois assuntos principais empregados no artigo; a seção 3 apresenta a proposta de arquitetura; na seção 4 é apresentada a implementação da proposta e resultados; e, por fim, a seção 5 apresenta as conclusões. 2 Sistemas de Manutenção Inteligente e Arquiteturas Orientadas a Serviços Nesta seção são apresentados os conceitos de sistemas de manutenção inteligente e arquiteturas orientadas, utilizados como base para a construção da arquitetura proposta. 2.1 Sistemas de Manutenção Inteligente Em uma visão geral, manutenção consiste de uma série de medidas de prevenção, correção e predição de falhas (Lee et al., 2006). Equipamentos ou máquinas tendem a deteriorar e alterar o seu padrão de funcionamento durante o uso devido a diversos fatores, como desgaste, rachaduras, corrosão ou sujeira. Nessas condições, torna-se imprescindível a restauração do sistema, a fim de evitar defeitos que podem ocasionar falhas ou indisponibilidades (Marçal and Susin, 2005). Três estratégias de manutenção são encontradas na literatura clássica: corretiva, preventiva e preditiva (Marçal and Susin, 2005). A corretiva visa reestabelecer o sistema danificado; a preventiva se objetiva a manter o sistema funcionando; e a preditiva visa monitorar o sistema, detectando falhas insipientes e fornecendo meios para o planejamento de ações preventivas ou corretivas. Uma quarta estratégia, que está ganhando força nos últimos anos, é denominada de manutenção proativa ou manutenção inteligente (Lee et al., 2009). Este novo paradigma está em acensão como substituto das estratégias de manutenção preventiva. A nova estratégia visa não somente a predição do estado do sistema, mas também o diagnóstico de falhas e a intervenção de forma automática. Dessa forma, no caso de falhas repentinas, o próprio sistema pode se ajustar para tomar decisões em relação à falha ocorrida (Gonçalves, 2011). A fim de prover uma plataforma flexível e funcional para integrar uma variedade de sistemas de software e hardware, o Open Systems Architecture for Condition-Based Maintenance (OSA-CBM) foi criado (Thurston, 2001). O padrão tem como objetivo definir uma convenção para troca de dados entre elementos. A arquitetura OSA-CBM é descrita de acordo com sete camadas funcionais, ilustradas na fig. 1 (MIMOSA, 2014). As duas primeiras camadas, aquisição e manipulação de dados, definem o modo como os dados de sensores ou transdutores são obtidos, digitalizados e quais manipulações de sinais são realizadas. A camada seguinte, identificada como detecção do estado do sistema, recebe os dados dos sensores e os compara com valores previamente definidos, gerando alertas quando os limites definidos forem ultrapassados. A camada de avaliação da saúde do sistema recebe dados da camada anterior e determina se o sistema está degradando. Na camada de prognóstico, o tempo de utilização restante do equipamento é estimado, levando em conta padrões futuros de utilização. A camada seguinte, tomada de decisão, tem por objetivo gerar ações de utilização para que os equipamentos preservem as condições de saúde até que a próxima falha ocorra, levando em conta o histórico de operações e outros indicadores. A última camada, apresentação, é responsável por prover meios de visualização dos dados obtidos nas camadas anteriores. Apresentação Tomada de decisão Prognóstico Avaliação da saúde do sistema Detecção do estado do sistema Manipulação dos dados Aquisição dos dados Figura 1: Camadas do modelo OSA-CBM. Vários trabalhos conduzem o desenvolvimento de técnicas e metodologias para problemas relacionados a manutenção de predição e prevenção (Jay Lee, 2003), (Lee et al., 2006), (W.J. Moore and A.G. Starr, 2006). Neste meio, o Intelligent Maintenance System Center (IMS Center) propôs uma das mais importantes ferramentas neste segmento, denominada Watchdog Agent (Djurdjanovic et al., 2003). O Watchdog Agent é um software composto por vários algoritmos para análise do desempenho do sistema, e que permite analisar diferentes partes de equipamentos, a fim de obter um indicador. É composto por módulos, estruturados de acordo com o modelo de camadas OSA-CBM. O Watchdog Agent permite a manipulação de dados e extração de padrões de sinais. O software dispõe de um conjunto de ferramentas como Transformada Rápida de Fourier, Transformada Wavelet, Regressão Logística e Reconhecimento Estatístico de Padrões (IMS CENTER, 2007). 3815

3 Combinando estas ferramentas, juntamente com dados dos sensores, é possível predizer a degradação do sistema e avaliar o estado dos equipamentos. 2.2 Arquiteturas Orientadas a Serviços Técnicas para desenvolvimento de aplicações SOA representam uma mudança de paradigma na engenharia de software, onde os componentes são definidos como serviços (Ramollari et al., 2007). Estas técnicas, inicialmente desenvolvidas para uso em ambiente gerencial e corporativo de empresas, logo teve aceitação em diversos segmentos, entre eles, a automação industrial. De forma geral, arquiteturas SOA têm como característica principal a criação e disponibilidade s, que, quando agrupados, dão origem a um sistema funcional (Josuttis, 2009). O termo serviço se refere a uma funcionalidade ou lógica que é encapsulada e oferecida ao sistema através de uma interface. Dessa maneira, outros serviços, entidades ou programas são capazes de acessá-lo e empregá-lo na resolução de determinada tarefa. Para que possam ser utilizados, os serviços necessitam de exposição, a fim de que os utilizadores os encontrem (Papazoglou and Heuvel, 2007). Portanto, uma aplicação SOA deve prover meios para que os serviços possam se comunicar e efetuar a troca de informações de forma padronizada. Dessa forma, todos os componentes da arquitetura devem obedecer a alguns conceitos, entre eles: acoplamento mínimo, a fim de minimizar a dependência de outros serviços; contrato, utilizando um mesmo padrão de comunicação; autonomia, sendo o próprio serviço responsável pelas tarefas que executa; abstração, escondendo a lógica e recursos utilizados; reuso, possibilitando a utilização da mesma funcionalidade em várias partes do sistema; composição, tendo objetivo de organizar um conjunto s para a execução de uma tarefa mais complexa; independência de estado, onde o serviço não retém informações sobre as atividades executadas; e possibilidade de descoberta, que permite a outros serviços encontrá-lo (Josuttis, 2009). A troca de informações entre os serviços normalmente ocorre utilizando o protocolo Simple Object Access Protocol (SOAP). Neste protocolo, as mensagens são codificadas no formato Extensible Markup Language (XML). O protocolo SOAP pode ser utilizado sobre diferentes protocolos de transporte, como, por exemplo, o Hypertext Transfer Protocol (HTTP). A descrição das interfaces dos serviços são realizadas utilizando Web Service Description Language (WSDL). Documentos WSDL também são baseados em XML e contém a informação necessária para utilização do serviço descrito. Nos documentos WSDL são descritas todas as operações que o serviço possibilita, bem como os tipos de dados por ele suportados. O documento também pode ser estendido, definindo novos tipos de dados para troca de mensagens. Em uma aplicação SOA, a descrição dos serviços disponíveis e o endereço para acessá-los estão disponíveis no Universal Description Discovery Integration (UDDI). O padrão UDDI define o protocolo para os serviços de diretório, ou intermediadores, onde são armazenadas as informações de cada um dos serviços da aplicação. Esta entidade é utilizada para informar aos clientes quais serviços estão disponíveis, possibilitando meios para descoberta e obtenção de. A interoperabilidade entre os componentes de uma aplicação SOA é apresentada na fig. 2. Consumidor de serviço Pesquisa Cliente Registro de serviço Conexão e invocação Registro Contrato de serviço Serviço Provedor de serviço Figura 2: Interoperabilidade entre os elementos de uma aplicação SOA. As especificações para web services normalmente seguem o padrão de grafia WS- (Candido, 2013). Porém, dentre as especificações, o Devices Profile for Web-Services (DPWS) define um conjunto mínimo de implementações que permitem a troca de mensagens, descoberta, descrição, geração de eventos e autenticação para a utilização de web services em clientes com recursos computacionais limitados (Ribeiro et al., 2008). Apesar de utilizar um conjunto mínimo de implementações, clientes que utilizam DPWS podem ser integrados a outros, com recursos mais flexíveis. O DPWS utiliza uma pilha de protocolos e especificações para consistência na conexão entre os. Dentre as especificações, destacamse o WS-Addressing, utilizado para a transferência de mensagens, o WS-Discovery, que possibilita a descoberta s em uma rede local, e o WS- Eventing, para a utilização de eventos. O DPWS utiliza os protocolos Transmission Control Protocol (TCP) e HTTP para a transmissão de dados. 3 Arquitetura proposta Um sistema de manutenção inteligente deve ser composto por a serem analisados, instrumentados para obtenção dos dados de sensores, e um analisador de dados, que irá determinar o nível de degradação dos equipamentos (Lee et al., 2006). Contudo, as técnicas utilizadas atualmente necessitam que os dados sejam obtidos e 3816

4 analisados separadamente dos equipamentos (IMS CENTER, 2007). O tempo envolvido na instrumentação do equipamento, obtenção dos dados e posterior análise, se replicado para um número elevado de, torna a análise das condições de degradação uma tarefa complexa e despendiosa. Tecnologias SOA estão cada vez mais presentes na indústria e o seu uso reflete a busca pela interconexão de distribuídos (Cannata et al., 2010). A padronização da comunicação entre componentes e a facilidade de construção de novas aplicações estão entre as principais vantagens. Portanto, esta técnica também pode ser aplicada no desenvolvimento de aplicações de manutenção inteligente. A fim de possibilitar a integração dos diversos equipamentos que fazem parte de um sistema de manutenção inteligente, uma arquitetura baseada em SOA foi definida, sendo composta por entidades de software, cada uma responsável por uma tarefa específica. As entidades são aplicativos que se comunicam por meio s e foram identificadas com base nos requisitos da aplicação. Dessa forma, a integração do sistema é realizada por um conjunto s bem definido. Esta seção apresenta a arquitetura proposta e casos de uso, ilustrando algumas situações onde o sistema pode ser empregado. 3.1 Proposta de Arquitetura Orientada a Serviços Neste trabalho, optou-se por utilizar uma arquitetura SOA para integrar de forma facilitada as entidades do sistema. A fig. 3 ilustra as entidades principais da arquitetura proposta. Cada entidade é um componente SOA, responsável por desempenhar uma tarefa específica na aplicação, sendo implementados utilizando a especificação DPWS. Neste contexto, as entidades são conectadas por serviços web. A arquitetura conta com seis entidades:, de s, de Análises, Analisador de s, Base de Dados e Repositório de Serviços. A entidade identificada por é um componente de software utilizado para abstrair um elemento físico da arquitetura proposta. O dispositivo em questão é denominado de lógico, por executar embarcado em um dispositivo físico. Pode abrigar funcionalidades relativas ao dispositivo físico ou outras, que auxiliam em alguma tarefa específica não relacionada diretamente com o hardware hospedeiro. A entidade controla o dispositivo físico, obtendo os dados de sensores e enviando para um banco de dados. O também pode apresentar, definidos como o modo de operação que o equipamento irá assumir frente às condições de degradação. O de s, como o nome Base de dados de s Analisador de Repositório s Serviços Figura 3: Arquitetura orientada proposta para integração de um sistema de manutenção inteligente. sugere, possui as ferramentas necessárias para o gerenciamento dos na rede. A obtenção da lista de e configuração de cada um deles são tarefas executadas pelo gerenciador. Como exemplo de configuração está o envio de novos para o dispositivo. O de Análises é utilizado para o gerenciamento de planos de equipamentos pelo operador do sistema. O plano é a estrutura que armazena as informações necessárias para que uma análise de degradação de um equipamento possa ser executada corretamente. O de Análises possibilita o agendamento dos planos e a definição de execuções periódicas das análises. No Analisador de s os planos são executados. A entidade opera com base nos planos criados pelo operador do sistema no de Análises. O analisador possui as ferramentas necessárias para manipulação dos dados dos equipamentos e obtenção dos indicadores de saúde. A entidade Base de Dados é utilizada como uma interface para um banco de dados. No banco de dados são armazenadas todas as informações da aplicação. Para garantir a estrutura de uma aplicação SOA, a entidade foi especificada com o intuito de abstrair os acessos ao banco através de serviços. O Repositório de Serviços armazena os lógicos e seus serviços, os quais podem ser obtidos e implantados dinamicamente em físicos. Esta entidade pode fazer parte da rede local ou remota. Dessa forma, uma nova aplicação pode ser construída com base em componentes já definidos. Com esta abordagem, também é possível o compartilhamento de uma base de dados de componentes lógicos entre diferentes aplicações. 3.2 Casos de uso para a arquitetura proposta No contexto de uma aplicação de manutenção inteligente, a arquitetura aqui proposta pode ser empregada em alguns casos de uso. Os casos 3817

5 de uso apresentados neste trabalho exemplificam a interação do operador do sistema na busca ou configuração de e na criação de planos para determinado equipamento. Da mesma forma, para a execução dos planos agendados pelo operador do sistema, foi utilizado um ator denominado de tarefa periódica. A descoberta e configuração dos é representada pelo diagrama Unified Modeling Language (UML) de casos de uso da fig. 4. No diagrama são ilustradas as interações que o operador do sistema pode realizar nos utilizando o de s. De acordo com o diagrama, o gerenciador permite a visualização dos encontrados na aplicação orientada, a busca de informações mais detalhadas, através de, bem como a sua configuração, com atualização das informações e envio de novos. Operador do sistema de análises Remover plano Criar plano Editar plano Verificar recursos disponíveis ferramentas Base de dados Remover plano Inserir plano plano 1 estado n Analisador de ferramentas Operador do sistema de Descobrir e serviços <extends> topologia dos Atualizar do dispositivo estado Atualizar 1 2 n atualização dos estado Figura 5: Diagrama de casos de uso para o gerenciamento s pelo operador do sistema. de casos de uso da fig. 6. Operador do sistema de Descobrir e serviços Enviar dados de treinamento Base de dados Inserir dados de treinamento Figura 4: Diagrama de casos de uso para descoberta e configuração de. O gerenciamento dos planos pelo operador do sistema é ilustrado no diagrama UML da fig. 5. Novos planos podem ser criados e associados a determinado equipamento, a fim de obter os indicadores de desempenho para tomada de decisão. Além das informações associado à análise, o plano também armazena as ferramentas, presentes no Analisador de s, que serão utilizadas e os que o dispositivo deve assumir dado o resultado obtido com a análise. Como, entende-se as ações realizadas pelo equipamento a fim de garantir a operação até que uma manutenção corretiva possa ser realizada. Para a obtenção dos índices de degradação, as ferramentas necessitam de dados de treinamento do equipamento. O de s dispõe de meios para o envio destes dados. O envio de dados de treinamento pelo operador do sistema é apresentado no diagrama UML Figura 6: Diagrama de casos de uso para envio de dados de treinamento para um dispositivo. A execução das análises dos é feita automaticamente por uma tarefa periódica. No plano, o operador do sistema define a frequência de execução para cada equipamento e, baseado nisso, uma tarefa periódica é executada no Analisador de s. O analisador verifica quais os planos estão ativos, os carrega e executa. Na execução, os dados do são obtidos e analisados pelas ferramentas definidas no plano pelo operador do sistema. Após finalizada a análise, e baseado no indicador de degradação obtido, o equipamento pode ser sinalizado a assumir um comportamento diferente, a fim de evitar uma maior degradação até que uma manutenção corretiva possa ser efetuada. A fig. 7 ilustra o diagrama UML de casos de uso para a execução dos planos. Relatórios de saúde dos equipamentos em análise podem ser obtidos através do de 3818

6 Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Analisador de planos ativos e implementada, foi escolhido um estudo de caso que consiste em um conjunto atuador ele trico e va lvula. O atuador em questa o e utilizado para o controle de fluxo em redes de distribuic a o de petro leo, permitindo abertura e fechamento dos dutos pelo movimento da haste, cujo acionamento e feito por um motor. O conjunto, modelo CSR6, fabricado pela empresa Coester Automac a o Ltda, e ilustrado na fig. 9. Por se tratar de um equipamento sujeito a degradac a o constante, foi escolhido como estudo de caso. Base de dados <extends> plano Inserir resultados da análise Carregar plano Tarefa periódica plano Executar plano Selecionar ferramenta dados brutos dados Verificar recursos disponíveis estado Figura 7: Diagrama de casos de uso para a obtenc a o e execuc a o das ana lises. s, entidade que se comporta como interface entre o operador do sistema e os que compo e a arquitetura. E possibilitado ao operador do sistema realizar a busca pelos na rede e obter os resultados das ana lises anteriores. Na arquitetura proposta, os resultados das ana lises sa o armazenados na Base de Dados. A fig. 8 apresenta o diagrama UML para obtenc a o dos relato rios de sau de de um dispositivo pelo operador do sistema. Figura 9: Atuador ele trico modelo CSR6. Neste trabalho, utilizou-se os dados de instrumentac a o obtidos nos trabalhos de (Bo esch, 2011) e (Faccin, 2011) com intuito de avaliar somente o comportamento das entidades da arquitetura proposta. Dessa forma, a entidade denominada (fig. 3) foi utilizada como um simulador a ser monitorado, utilizando os dados de sensores previamente obtidos. O atuador ele trico foi instrumentado com tre s sensores, sendo realizados seis testes, conforme tab. 1 Base de dados de relatório do dispositivo Descobrir e serviços Operador do Sistema relatório das análises Tabela 1: Situac o es definidas para coleta dos dados. 1 Figura 8: Diagrama de casos de uso para obtenc a o dos relato rios de sau de. 4 Situac a o Acionamento do freio Engrenagens bar 3 bar 1 desgastada 3 desgastadas 1 quebrada <extends> As engrenagens utilizadas nos testes, presentes no conjunto de engrenagens sate lite do atuador, sa o ilustradas na fig. 10. A da esquerda e uma engrenagem normal, a do meio desgastada e a da direita com dentes quebrados. A ana lise de degradac a o foi feita a partir dos dados de vibrac a o do atuador. Primeiramente foram extraı das as caracterı sticas dos sinais utilizando a transformada de wavelet packet. Apo s, o algoritmo de detecc a o de falhas foi treinado com o me todo da Regressa o Logı stica utilizando, para isso, dados de funcionamento normal e em falha. A fig. 11 apresenta a tela do aplicativo implementado a partir da arquitetura pro- Implementac a o e resultados Para validac a o da arquitetura proposta, as entidades descritas na sec a o 3 foram implementadas. Para a implementac a o das entidades escolheuse a linguagem de programac a o Java e a implementac a o DPWS denominada Java Multi Edition DPWS Stack (JMEDS), que faz parte do projeto WS4D (WS4D-JMEDS, 2013). As entidades sa o aplicativos de ambiente gra fico que permitem realizar as operac o es descritas nos casos de uso apresentados. Como forma de avaliar a arquitetura proposta 3819

7 Engrenagem normal Engrenagem desgastada Engrenagem quebrada Figura 10: Engrenagens utilizadas no estudo de caso. posta. Como mencionado, o aplicativo é utilizado para simular os dados de uma das seis situações apresentadas na tab. 1. Figura 13: Tela principal do Analisador de s. Neste trabalho, uma arquitetura orientada para um sistema de manutenção inteligente foi proposta, a fim de facilitar a integração entre os diferentes componentes envolvidos neste tipo de aplicação. Foram definidas e apresentadas as entidades que fazem parte da arquitetura e casos de uso onde a proposta pode ser empregada. Além disso, foi apresentada a implementação das entidades e um estudo de caso específico para validação da proposta. Referências Figura 11: Tela principal do simulador de. A definição de um plano para o dispositivo é feita no de Análises. Uma das telas do software é apresentada na fig. 12. A tela ilustra a escolha das ferramentas que serão utilizadas para determinar o nível de degradação do equipamento em análise. Figura 12: Diálogo para escolha das ferramentas utilizadas na análise. O Analisador de s, que utiliza as informações definidas no plano, realiza as análises de forma automática. A entidade verifica os planos pendentes, busca os dados necessários e obtém o nível de degradação utilizando as ferramentas definidas no plano. A fig. 13 ilustra a tela principal do Analisador de s. 5 Conclusão O monitoramento de diversos equipamentos com técnicas de manutenção inteligente ainda é dificultado pelo tipo de solução adotada para análise dos dados e pela distribuição dos. Bohn, H., Bobek, A. and Golatowski, F. (2006). Sirena service infrastructure for realtime embedded networked devices: A service oriented framework for different domains, Proceedings of the International Conference on Networking Systems and International Conference on Mobile Communications and Learning Technologies, IEEE, Mauritius, pp Böesch, K. (2011). Detecção de falhas por fusão de sensores em atuadores elétricos, Projeto de diplomação (graduação em engenharia elétrica), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Candido, G. (2013). Service-Oriented Architecture for device lifecycle support in industrial automation, Tese (doutorado em engenharia eletrotécnica e de computadores), Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Cannata, A., Karnouskos, S. and Taisch, M. (2010). Dynamic e-maintenance in the era of SOA-ready device dominated industrial environments, in D. Kiritsis et al. (eds), Engineering Asset Lifecycle Management, Springer, London, pp Choi, J., Nazareth, D. and Jain, H. (2010). The impact of SOA implementation strategies on business value and agility: A systems dynamics approach, Proceedings of the 6 International Conference onadvanced Information Management and Service (IMS), IEEE, Seoul, pp

8 Colombo, A.-W., Karnouskos, S. and Mendes, J.-M. (2010). Factory of the future: A service-oriented system of modular, dynamic reconfigurable and collaborative systems, in L. Benyoucef and B. Grabot (eds), Artificial Intelligence Techniques for Networked Manufacturing Enterprises Management, Springer, London, pp de Deugd, S. et al. (2006). Soda: Service oriented device architecture, Pervasive Computing, IEEE 5(3): Djurdjanovic, D., Lee, J. and Ni, J. (2003). Watchdog agentan infotronics-based prognostics approach for product performance degradation assessment and prediction, Advanced Engineering Informatics 17(34): Faccin, F. C. (2011). Manutenção inteligente: Fusão de sensores aplicada na detecção de falhas em atuadores elétricos, Projeto de diplomação (graduação em engenharia elétrica), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Gonçalves, L. F. (2011). Desenvolvimento de um sistema de manutenção inteligente embarcado, Tese (doutorado em engenharia elétrica), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. IMS CENTER (2007). Documentation of watchdog agent toolbox algorithms. Jay Lee (2003). E-manufacturing fundamental, tools, and transformation, Robotics and Computer-Integrated Manufacturing 19(6): Leadership of the Future in Manufacturing. Josuttis, N. (2009). SOA in Practice: The Art of Distributed System Design, O Reilly Media. Karnouskos, S. et al. (2010). Towards an architecture for service-oriented process monitoring and control, Proceedings of the 63th Annual Conference on IEEE Industrial Electronics Society (IECON), IEEE, Glendale, pp Lee, J. et al. (2006). Intelligent prognostics tools and e-maintenance, Comput. Ind. 57(6): Lee, J. et al. (2009). Informatics platform for designing and deploying e-manufacturing systems, in L. Wang and A. Y. C. Nee (eds), Collaborative Design and Planning for Digital Manufacturing, Springer, London, pp Marçal, R. F. M. and Susin, A. A. (2005). Detectando falhas incipientes em máquinas rotativas, Revista Gestão Industrial 1(2). MIMOSA (2014). OSA-CBM 3.3.0: Open systems architecture for condition-based maintenance, Muller, A., Suhner, M.-C. and Iung, B. (2008). Formalisation of a new prognosis model for supporting proactive maintenance implementation on industrial system, Reliability Engineering & System Safety 93(2): Oldham, J., James, P. and Shaw, B. (2003). Delivering resource productivity the service solution, Green Alliance. Papazoglou, M. P. and Heuvel, W.-J. (2007). Service oriented architectures: approaches, technologies and research issues, The VLDB Journal 16(3): Ragavan, S. V., Kusnanto, I. K. and Ganapathy, V. (2012). Service oriented framework for industrial automation systems, Procedia Engineering 41: Ramollari, E., Dranidis, D. and Simons, A. J. (2007). A survey of service oriented development methodologies, Proceedings of the 2nd European Young Researchers Workshop on Service Oriented Computing, Leicester, p. 75. Ribeiro, L. et al. (2008). A generic communication interface for DPWS-based web services, Proceedings of the 6th IEEE International Conference on Industrial Informatics (INDIN), IEEE, Daejeon, pp Thurston, M. (2001). An open standard for web-based condition-based maintenance systems, Proceedings of the IEEE Systems Readiness Technology Conference AUTOTEST- CON, IEEE, Valley Forge, pp W.J. Moore and A.G. Starr (2006). An intelligent maintenance system for continuous costbased prioritisation of maintenance activities, Computers in Industry 57(6): E-maintenance Special Issue. WS4D-JMEDS (2013). WS4D-JMEDS web services for devices, Zhang, L., Cao, Q. and Lee, J. (2013). Performance assessment for a fleet of machines using a combined method of ant-based clustering and CMAC, Advances in Mechanical Engineering Zhao, F. et al. (2010). SOA-based remote condition monitoring and fault diagnosis system, The International Journal of Advanced Manufacturing Technology 46(9-12):

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Proposição de Novos Serviços para o SEMSuS: Middleware para Redes de Sensores sem fio baseado em Serviços Semânticos

Proposição de Novos Serviços para o SEMSuS: Middleware para Redes de Sensores sem fio baseado em Serviços Semânticos Proposição de Novos Serviços para o SEMSuS: Middleware para Redes de Sensores sem fio baseado em Serviços Semânticos Marianna Angélica de Araújo 1, Francisco Cassimiro Neto 2, Cláudia Maria Fernandes Araújo

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Carlos E. G. Paiola Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc. Gerente Comercial - Aquarius Software Ricardo Caruso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROPOSIÇÃO DE UMA NOVA ARQUITETURA BASEADA EM

Leia mais

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Wonderware Mobile Solutions & CBM (Condition Based Monitoring )

Wonderware Mobile Solutions & CBM (Condition Based Monitoring ) Wonderware Mobile Solutions & CBM (Condition Based Monitoring ) Fabiano A. Sant Ana Sales Manager Wonderware Brasil MIMOSA?! O que é? Depende aonde M I M O S A achinery nformation anagement pen ystem lliance

Leia mais

Comunicado Técnico 11

Comunicado Técnico 11 Comunicado Técnico 11 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Web Services e XML Comunicação Inteligente entre Sistemas Responsáveis: Daniela Justiniano de Sousa E-mail: dsol_dani21@hotmail.com Graduada

Leia mais

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008 Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento Lúbia Vinhas 13/05/2008 Desejo saber estatísticas sobre áreas queimadas. Desejo fazer análises por localização, por classes de uso ou ainda por seleção

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Luan Lima 1, Ricardo Diniz Sul 1,2, Leonardo Guerreiro Azevedo 1,2,3 1 Departamento de Informática Aplicada (DIA) Universidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Integração de Sistemas: um estudo de caso do Sistema de Agendamento de Relatórios de uma Instituição Financeira RESUMO

Integração de Sistemas: um estudo de caso do Sistema de Agendamento de Relatórios de uma Instituição Financeira RESUMO Integração de Sistemas: um estudo de caso do Sistema de Agendamento de Relatórios de uma Instituição Financeira Luiz Henrique Santana 1 Leandro Libério da Silva 2 RESUMO Este artigo apresenta um estudo

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II

S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES Aluno: Me. Flávio Galvão Calhau Orientador: Dr. Romildo Bezerra S G O R T ECDU INF 621 - Seminários Científicos II Um

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços João Paulo A. Almeida Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias (NEMO) Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

Aplicação de Apoio Computacional Baseado em Processos de Negócio e Serviços Web para o Desenvolvimento Distribuído de Software

Aplicação de Apoio Computacional Baseado em Processos de Negócio e Serviços Web para o Desenvolvimento Distribuído de Software Aplicação de Apoio Computacional Baseado em Processos de Negócio e Serviços Web para o Desenvolvimento Distribuído de Software Gabriel Costa Silva 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1, Marcelo Fantinato 2,

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e PING: Segmentação Interconexão Segurança Meios de acesso Organização e intercâmbio de informações

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Otimização dos processos de integração de sistemas de informação por meio de barramento de serviços

Otimização dos processos de integração de sistemas de informação por meio de barramento de serviços Otimização dos processos de integração de sistemas de informação por meio de barramento de serviços Celly de Siqueira Martins, André Lara Temple de Antonio Diretoria de Soluções em Billing Fundação CPqD

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Artigos científicos / Scientific articles

Artigos científicos / Scientific articles Artigos científicos / Scientific articles Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 1, p. 31-35, jan./jun. 2011 REUSO DE REQUISITOS PARA FAMÍLIAS DE PRODUTOS EM SISTEMAS EMBARCADOS Cristiano Marçal Toniolo Universidade

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

Arquiteturas SOA, WOA, e REST

Arquiteturas SOA, WOA, e REST Arquiteturas SOA, WOA, e REST Aplicação de Software Social Fred Figueiredo Luiz Borges Pedro Pires Arquiteturas SOA, WOA e REST Desenvolvimento de aplicações orientadas ao fornecimento de serviços que

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados.

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados. Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Visão Geral e-coree Estabelecida em 1999 Escritórios rios no Brasil e EUA Aproximadamente 100 profissionais Atua em prestação de serviços offshore desde 2004 Roteiro

Leia mais

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES Tatiana Meola Universidade Federal de Uberlândia tatiana.meola@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INTEGRAÇÃO ORIENTADA A SERVIÇOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CEFET-AL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INTEGRAÇÃO ORIENTADA A SERVIÇOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CEFET-AL IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INTEGRAÇÃO ORIENTADA A SERVIÇOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CEFET-AL Marcilio SOUZA JÚNIOR (1); Mônica CUNHA (2); João Gabriel CAMPOS NETO (3); Heitor SANTOS BARROS

Leia mais

Programação orientada a aspecto no paradigma orientado a serviço: Uma análise sobre acoplamento tecnológico

Programação orientada a aspecto no paradigma orientado a serviço: Uma análise sobre acoplamento tecnológico UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA Relatórios Técnicos do Departamento de Informática Aplicada da UNIRIO n 0013/2009 Programação orientada a aspecto

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle

Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle Márcio Araújo Varchavsky, Eduardo Martins Guerra, Clóvis Torres Fernandes

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Infra-estrutura de Serviços na Biblioteca de Componentes Brechó

Infra-estrutura de Serviços na Biblioteca de Componentes Brechó Infra-estrutura de Serviços na Biblioteca de Componentes Brechó Anderson Marinho¹, Cláudia Werner¹, Leonardo Murta² ¹ PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro RJ Brazil ² Instituto

Leia mais

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS Edson Alves de Oliveira Junior (1) Igor Fábio Steinmacher (2) eaojunio@bol.com.br ifsteinm@din.uem.br Edna Tomie Takano

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Web Services como Tecnologia de Suporte a Processos de Negócio

Web Services como Tecnologia de Suporte a Processos de Negócio Web Services como Tecnologia de Suporte a Processos de Negócio Rodrigo C. Macedo, Vasco Mesquita, Artur Caetano, André Vasconcelos, José Tribolet Centro de Engenharia Organizacional, INESC INOV e Departamento

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Aplicação de arquitetura orientada a serviços na modelagem de um sistema de monitoramento de ovinos e bovinos confinados

Aplicação de arquitetura orientada a serviços na modelagem de um sistema de monitoramento de ovinos e bovinos confinados Aplicação de arquitetura orientada a serviços na modelagem de um sistema de monitoramento de ovinos e bovinos confinados Juciara Nepomuceno de Souza, Kleber Padovani de Souza, Leonardo Souza Silva 1 Universidade

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Uma abordagem utilizando Business Intelligence para apoiar o processo de tomada de decisão na gestão da evolução de serviços web 1

Uma abordagem utilizando Business Intelligence para apoiar o processo de tomada de decisão na gestão da evolução de serviços web 1 Uma abordagem utilizando Business Intelligence para apoiar o processo de tomada de decisão na gestão da evolução de serviços web 1 Ernando Silva 1, Renata Galante (Orientadora) 1, Karin Becker (Coorientadora)

Leia mais

Introdução a Arquiteturas ESB I N S T I T U T O D E G E S TÃ O E M T E C N OLOGIA D A I N F OR M A Ç Ã O

Introdução a Arquiteturas ESB I N S T I T U T O D E G E S TÃ O E M T E C N OLOGIA D A I N F OR M A Ç Ã O Introdução a Arquiteturas ESB Uma típica sala de TV Uma TV e um DVD. Uma típica sala de TV em operação Conexão ponto a ponto entre a sala de TV e o DVD. A sala de TV dos seus sonhos Uma TV Digital, sistemas

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Visão Geral A Logica Adviser SAP A Logica Adviser SAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente Core Business Soluções para controle e gestão de processos. Mercados Alvo Alimentos; Nutrição animal; Polímeros; Química Auto peças. Unidade

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais