INFORMAÇÃO Nº 010/2012 ASSUNTO: MAPA COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSAS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÃO Nº 010/2012 ASSUNTO: MAPA COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSAS"

Transcrição

1 INFORMAÇÃO Nº 010/2012 ASSUNTO: MAPA COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSAS Exmas. Associadas, Na sequência da comunicação efetuada por esta União, no passado dia 21 de março, sobre a alteração da legislação aplicável às estruturas residenciais para pessoa idosas (anteriormente designadas por lares de idosos), serve a presente para informar sobre os aspetos mais significativos da alteração introduzida pela Portaria n.º 67/2012, de 21 de março, conforme melhor consta do mapa comparativo que abaixo se indica. MAPA COMPARATIVO Estrutura residencial para pessoas idosas: Portaria n.º 67/2012, de 21 de março O novo regime jurídico aplica-se a estruturas residenciais a implementar e às já existentes, quer estejam licenciadas quer tenham acordos de cooperação. Às estruturas residenciais já existentes, com licença de funcionamento ou acordo de cooperação que não obedeça às exigências do anexo I do Despacho Normativo n.º 12/98, não lhes são aplicadas as regras relativas à implantação dos equipamentos contidas nos art.ºs 15º a 18º da Portaria n.º 67/2012, de 21 de março, a não ser que realizem obras e que estas impliquem um alargamento da capacidade Lar para idosos: Despacho Normativo n.º 12/98, de 25 de fevereiro; 30/2006, de 8 de maio e 3/2011, de 16 de Fevereiro revogados pela Portaria n.º 67/2012

2 superior a 30%, caso em que lhes é aplicável o anexo II. Capacidade Max: 120/Min: 4 Até 80 residentes não necessita de se organizar em unidades funcionais. A estrutura residencial para pessoas idosas pode assumir várias modalidades de alojamento: Quartos; apartamentos ou moradias; quartos e tipologias habitacionais (apartamentos ou moradias). Processo individual deve respeitar o projeto de vida, potencialidades e competências do residente e integrar o Plano Individual de Cuidados (PIC), o qual deve conter as atividades a desenvolver, o registo dos serviços prestados e a identificação dos responsáveis pelo PIC. Contrato de prestação de serviços pode ser celebrado com o residente e/ou com os seus familiares. Aumentou-se o número de formações que podem ser detidas pelo Diretor Técnico, designadamente no âmbito da saúde. Algumas áreas funcionais passam a ter outras designações e dimensões. Quando exista mais do que uma unidade funcional (mais de 80 residentes) cada unidade é autónoma no que se refere às seguintes áreas funcionais: - Convívio e actividades - Alojamento Art.º 20 - Casos especiais: as estruturas residências já existentes (licenciadas ou com acordo de cooperação) que realizem obras indispensáveis ao reforço da segurança e ao melhoramento das condições de vida dos residentes e à qualidade da prestação de serviços, ficam dispensadas do parecer do ISS, salvo quando tais obras impliquem um aumento de capacidade Ficha 1: área de receção A área depende diretamente da dimensão da estrutura residencial: área útil mínima 9m2. Na proximidade desta área deve prever-se Capacidade - Max: 120, sendo, no entanto, individuais 25% do total de quartos. Distinguia lar de idosos e estrutura residencial para idosos em função da sua capacidade e modelo de organização. Registo individual ficha do utente com dados identificativos e outros elementos mais simples. Contrato de alojamento e de prestação de serviços com os utentes ou seus familiares Ficha 1: área de acesso Átrio Esta área depende diretamente da dimensão do edifício. O átrio deve possuir uma área útil de 9m2.

3 instalações sanitárias, separadas por sexo, e acessíveis a pessoas com mobilidade condicionada. Ficha 2: área de direção, serviços técnicos e administrativos a) Gabinete da direção: 10m2 b) Gabinete(s) técnico(s): 2m2 /posto de trabalho, área útil mínima 10m2 c) Gabinete(s) administrativo(s): 2m2/posto de trabalho, área útil mínima 10m2 d) Sala de reuniões quando a capacidade for igual ou superior a 40 residentes: 10m2 e) Instalação sanitária que pode ser dispensada se houver outra na proximidade: 3m2 O gabinete administrativo pode ser dispensado desde que fiquem asseguradas as funções administrativas. Ficha 3: área de instalação para o pessoal a) Sala de pessoal: 10m2 b) Instalação sanitária, com equipamento sanitário completo, incluindo base de duche, sempre que não existam as instalações sanitárias previstas no número seguinte: 3,5m2 Devem ser incluídas instalações para o pessoal em funções na cozinha e lavandaria: a) Vestiário, zona de descanso: 6m2 b) Instalação sanitária: 3,5m2 Ficha 6: área de alojamento Na modalidade de alojamento em quartos, estes devem estar agrupados de acordo com a estrutura do edifício, por forma a permitir um ambiente mais humanizado: a) Quarto individual 10m2, pode ser utilizado como quarto de casal, devendo para esse efeito ter uma área útil de Ficha 2: área da direção e serviços administrativos a) Gabinete do diretor: 10m2 b) Gabinetes administrativos 10m2, com uma área útil mínima por posto de trabalho de 2m2 c) Sala de reuniões: 10m2 d) Instalação sanitária: 3m2 Ficha 3: área das instalações para o pessoal a) Sala do pessoal 10m2 b) Instalação sanitária 3m2 c) Deve ser considerada uma área de 3,5m2 para a instalação sanitária completa, incluindo base de duche, sempre que não existam as instalações previstas no nº Devem ser incluídas instalações para o pessoal em funções na zona de serviços sempre que o lar tenha uma capacidade superior a 15 idosos. Estas devem localizarse perto de cozinha e da lavandaria a) Vestiário, zona de descanso- 6m2 b) Instalação sanitária, com duche 3,50m2 Ficha 7: área de quartos Os quartos são agrupados por núcleos de 10 unidades, no máximo. Cada unidade dispõe de uma sala de estar com uma pequena copa, para uso dos utilizadores, e também de uma rouparia comum. Os quartos são individuais, duplos ou de

4 12m2 b) Quarto duplo 16m2 c) Quarto triplo 20,5m2 d) Instalações sanitárias próprias, podendo servir, no máximo, quatro residentes, sendo de acesso privado ou localizandose na proximidade dos quartos 4,5m2 e) Sala de estar com copa, por cada núcleo de quartos: 12m2 Deve existir um compartimento de sujos por piso de área de alojamento Ficha 7: área cozinha e lavandaria A cozinha deve ser dimensionada ao número de refeições prestadas, área útil mínima é de 10m2. A lavandaria deve localizar-se junto ao acesso de serviços e deve ser dimensionada ao número de residentes. Os espaços a considerar devem ter em conta: a) Depósito para recepção de roupas sujas; b) Máquinas de lavar e secar roupa; c) Depósito, armários e prateleiras para guardar a roupa lavada; d) Mesa de costura e bancada para passar a roupa a ferro. A área mínima útil da lavandaria é de 12m2 casal Todos os quartos devem permitir o acesso e a circulação em cadeiras de rodas Nos quartos duplos ou de casal, um dos utilizadores deve ter acessibilidade total a) Quarto individual 10m2 b) Quarto de casal 15m2 c) Quarto duplo 16m2 e) Rouparia 3m2 Instalações sanitárias dos quartos: Todos os quartos têm instalações sanitárias próprias, com acesso privado. As instalações sanitárias devem ser totalmente acessíveis e permitir a circulação interior em cadeiras de rodas. a) Instalação sanitária (2,15mx2,1m) 4,50m2 O equipamento a instalar será de sanita, bidé, lavatório apoiado sobre poleias e duche no pavimento Na área destinada ao duche no pavimento (1,5mx1,5m) deve ser instalado um sistema que permita tanto o posicionamento como o rebatimento de um banco para o banho de ajuda. Este tipo de instalação sanitária permite o banho ajudado, casos seja necessário. d) Sala de estar com copa 12m2, devendo ser considerado 2m2 por pessoa Ficha 6: área de serviços Cozinha 10m2 A lavandaria deve ser composta por cinco zonas distintas, lavagem, secagem, engomadoria, arrumos e expediente, deve ser considerada uma área de 1m2 por cama, até 20 camas e acima desse número 0,80m2 por cama, senso a área útil mínima 12m2

5 Ficha 8: área de serviços de enfermagem Destina-se à prestação de cuidados de enfermagem aos residentes, sendo, sempre que necessário, ocupada por médico assistente para atendimento dos residentes Esta área deve incluir: a) Gabinete de enfermagem, com marquesa, com área útil mínima de 12m2 b) Instalação sanitária anexa ao gabinete de enfermagem: 3,5m2, caso não exista outra na proximidade Ficha 8: área da saúde O gabinete de saúde deve permitir o atendimento das pessoas, espaço de trabalho para médico ou enfermeira e espaço com uma cama articulada ou duas macas - área útil mínima 12m2. Do equipamento fixo deve constar um lavatório. Instalação sanitária com duche - 3,50m2 Lisboa, 20 de abril de 2012 O Presidente do Conselho de Administração Luís Alberto Sá Silva

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 Í N D I C E INTRODUÇÃO Págs. 1. Conceito 2. Objectivos. Destinatários 4. Serviços prestados 5. Capacidade 6. Recursos Humanos 7. Organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 1252 Diário da República, 1.ª série N.º 42 2 de março de 2015 ANEXO Montantes dos apoios a atribuir à «Manutenção e recuperação de galerias ripícolas» (a que se refere o n.º 1 do artigo 13.º) Escalões

Leia mais

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Preâmbulo A Portaria nº 138/2012, de 14 de maio, veio proceder à adaptação do regime do alojamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1324 Diário da República, 1.ª série N.º 58 21 de março de 2012 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 67/2012 de 21 de março O Despacho Normativo n.º 12/98, de 25 de fevereiro,

Leia mais

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS 2007 Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO

Leia mais

766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 47 25-2-1998

766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 47 25-2-1998 766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 47 25-2-1998 Portaria n. o 106/98 de 25 de Fevereiro Pela Portaria n. o 722-L11/92, de 15 de Julho, foi concessionada ao Clube de Caçadores da Freguesia de São Martinho

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

ACSS. Unidades de Internamento ACSS. ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos. Recomendações Técnicas para. Guia para RT 07/2011

ACSS. Unidades de Internamento ACSS. ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos. Recomendações Técnicas para. Guia para RT 07/2011 Guia para Recomendações Técnicas para Unidades de Internamento RT 07/2011 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS Ministério da Saúde Unidade Operacional ACSS Normalização de Instalações

Leia mais

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Processo de Atualização por referência a 31 Dezembro de 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES: Modelo de atualização via Internet O processo de atualização da Carta Social

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Desp. 21/95 - O Dec. Regul. 42/93, de 27-11, que estabeleceu o regime do licenciamento e da fiscalização das unidades privadas com ou sem fins lucrativos, que actuem

Leia mais

Guião de Ajuda. Inscrição. Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo

Guião de Ajuda. Inscrição. Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo Guião de Ajuda Inscrição Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo ÍNDICE Títulos Pág. Apresentação do Roteiro do Associativismo 3 Aceder ao Roteiro do Associativismo 4 Inscrever/Atualizar

Leia mais

Funcionamento. Artigo 1.º Âmbito O Banco de Ajudas Técnicas funciona no âmbito da área geográfica do Concelho de Vila Viçosa.

Funcionamento. Artigo 1.º Âmbito O Banco de Ajudas Técnicas funciona no âmbito da área geográfica do Concelho de Vila Viçosa. BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS NORMAS DE CEDÊNCIA DE EQUIPAMENTO Funcionamento O presente documento, visa definir as condições de acesso e de atribuição de ajudas técnicas para Pessoas Portadoras de Deficiência,

Leia mais

Lar de Apoio. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Ana Maria Chichorro

Lar de Apoio. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Ana Maria Chichorro Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Ana Maria Chichorro Lar de Apoio (Condições de implantação, localização, instalação e funcionamento) Lisboa, Dezembro de 1996

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 1/2006de 25 de Janeiro

Decreto Regulamentar n.º 1/2006de 25 de Janeiro Decreto Regulamentar n.º 1/2006de 25 de Janeiro A actual fase de desenvolvimento da rede pública de casas de apoio para mulheres vítimas de violência, criada pela Lei n.º 107/99, de 3 de Agosto, e os cinco

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Introdução 1. As Autarquias locais desempenharam ao longo dos últimos anos um papel insubstituível no desenvolvimento

Leia mais

0,6% para atualização de todos os acordos de cooperação relativos às respostas sociais constantes do Anexo I e II ao Protocolo de Cooperação.

0,6% para atualização de todos os acordos de cooperação relativos às respostas sociais constantes do Anexo I e II ao Protocolo de Cooperação. ADENDA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2013-2014 ENTRE O MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL E A UNIÃO DAS MISERICORDIAS PORTUGUESAS, A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

Regulamento de Instalações da AAFDL

Regulamento de Instalações da AAFDL Regulamento de Instalações da AAFDL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Objecto 1. O presente Regulamento tem por objecto definir as normas de acesso, funcionamento e utilização das instalações da

Leia mais

Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de risco).

Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de risco). OBJETIVO Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de risco). Listar todos os locais de risco indicados não só no

Leia mais

BOLSA DE ALOJAMENTO 2015-2016

BOLSA DE ALOJAMENTO 2015-2016 BOLSA DE ALOJAMENTO 2015-2016 Descrição: Quarto equipado com qualidade Localização: Junto à estação da CP Devesas Condições Especiais: Apartamento constituído por sala, cozinha e loiça, lavandaria com

Leia mais

3166 Diário da República, 1.ª série N.º 149 3 de Agosto de 2010

3166 Diário da República, 1.ª série N.º 149 3 de Agosto de 2010 3166 Diário da República, 1.ª série N.º 149 3 de Agosto de 2010 Portaria n.º 615/2010 de 3 de Agosto O Decreto -Lei n.º 279/2009, de 6 de Outubro, estabelece o novo regime jurídico a que ficam sujeitos

Leia mais

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações 5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: Designação: Localização: Função: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM Largo Cândido dos Reis Empresa que presta serviços de comunicações Acesso exterior ao edifício Estacionamento Não

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-VELHO. Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-VELHO. Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento da Utilização do Centro de Alto Rendimento (CAR) NOTA JUSTIFICATIVA O Desporto de Alto Rendimento reveste-se de especial interesse público na medida em que constitui um importante fator de

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Montante Único

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Norma da Residência de Estudantes de Pós-graduação

Norma da Residência de Estudantes de Pós-graduação Norma da Residência de Estudantes de Pós-graduação Artigo 1 (Âmbito) 1. A presente norma aplica-se a todos os residentes na Residência de Estudantes de Pós-graduação da Universidade de Macau (doravante

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

CATL-Oficina da Criança

CATL-Oficina da Criança Santa Casa da Misericórdia Mértola Centro Infantil Toda A CRIANÇA É UM ARTISTA AO SEU MODO. Precisamos oferecer um monte de possibilidades muitos materiais, muitas linguagens, pois possuir muitas linguagens

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO

REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO (Aprovado na 16.ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 20 de Agosto de 2008 e na 4.ª Sessão Extraordinária

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Objetivos gerais: Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde 2015/2016 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a técnico/a

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008 CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS Processo de actualização anual da Carta Social 2008 Entidades Proprietárias, Entidade Gestora e Equipamentos e Respostas Sociais já existentes na Base

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO MUNICIPIO DA TROFA

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO MUNICIPIO DA TROFA REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO MUNICIPIO DA TROFA PREÂMBULO Com a publicação do decreto-lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, deu-se início a um processo de simplificação

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Guião para os Professores

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Guião para os Professores Escola Secundária José Saramago Mafra Cursos Profissionais Guião para os Professores Ano letivo 2015-2016 1 2 Cursos profissionais e matriz curricular Coordenadora dos cursos profissionais e coordenadora

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 Ao abrigo dos artigos 5.º, n.º 2, 30.º, n.º 11, 35.º, nº 1, e 62.º, n.º 1, alínea b), iii), todos do Decreto Legislativo Regional n.º 7/2012/A,

Leia mais

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Centro de Dia (Condições de localização, instalação e funcionamento) Lisboa, Dezembro de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA. Preâmbulo

REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA. Preâmbulo REGULAMENTO PORTA-A-PORTA: TRANSPORTE DE CIDADÃOS COM MOBILIDADE CONDICIONADA Preâmbulo O Programa de Ação Torres ao Centro Regeneração Urbana no Centro Histórico de Torres Vedras surge na sequência da

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE IMPLANTAÇÃO, LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE IMPLANTAÇÃO, LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 62/99, de 12 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 62/99

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam aumentar a acessibilidade a serviços básicos, que constituem um elemento essencial na equiparação dos níveis de

Leia mais

Preâmbulo CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E ENQUADRAMENTO. Artigo 1º. Objeto âmbito

Preâmbulo CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E ENQUADRAMENTO. Artigo 1º. Objeto âmbito Preâmbulo O Centro Cultural e de Convívio Académico D. Dinis (CCDD) é uma valência da Divisão de Oferta Integrada de Serviços (DOIS) dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC), ligado

Leia mais

ACSS. Serviço de Hemodiálise ACSS. ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos. Recomendações Técnicas para. Guia para RT 06/2011

ACSS. Serviço de Hemodiálise ACSS. ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos. Recomendações Técnicas para. Guia para RT 06/2011 Guia para Recomendações Técnicas para Serviço de Hemodiálise RT 06/2011 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS Ministério da Saúde Unidade Operacional ACSS Normalização de Instalações

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO COTAÇÃO DE PREÇO Nº 09/2014 PROCESSO Nº 09/2014 ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM PROJETO - ARQUITETURA, PROJETOS EXECUTIVOS COMPLEMENTARES E ORÇAMENTO

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Exposição dos Motivos Do conjunto das atribuições que estão confiadas aos Municípios destacam-se as intervenções nas áreas de tempos livres e

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

PROJECTO PROGRAMA CONSTRUÇÃO DA VALÊNCIA LAR DE IDOSOS PROJECTO MODELO

PROJECTO PROGRAMA CONSTRUÇÃO DA VALÊNCIA LAR DE IDOSOS PROJECTO MODELO PROJECTO PROGRAMA CONSTRUÇÃO DA VALÊNCIA LAR DE IDOSOS PROJECTO MODELO RMSF PROJECTO LAR MODELO CLASSE MÉDIA/MÉDIA JUNHO 2008 1. PRESSUPOSTOS Este projecto é fundamentalmente um exercício para encontrar

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 7 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 184/2015 Cria e regula o funcionamento

Leia mais

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento Regulamento PREÂMBULO A prática de actividades físicas e desportivas constitui um factor primordial na promoção da saúde e do bem-estar das populações. Neste sentido, o desporto tem vindo a assumir-se

Leia mais

CONSIDERANDOS PROGRAMA

CONSIDERANDOS PROGRAMA PROCEDIMENTO DE HASTA PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO A TÍTULO PRECÁRIO DA EXPLORAÇÃO ECONÓMICA DE UM MÓDULO DE CAFETARIA INSTALADO A SUL DO PARQUE INFANTIL EM FRENTE AO CENTRO MULTIMEIOS DE ESPINHO CONSIDERANDOS

Leia mais

exercício do mandato, todo deputado federal tem direito a um

exercício do mandato, todo deputado federal tem direito a um 1 APRESENTAÇÃO De acordo com o Ato da Mesa nº 05, de 05/05/2011, no efetivo exercício do mandato, todo deputado federal tem direito a um apartamento funcional para residir com familiares, ou, não havendo

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia. (Santarém)

Santa Casa da Misericórdia. (Santarém) Santa Casa da Misericórdia (Santarém) Índice Santa Casa da Misericórdia Missão, Visão e Valores pág.3 Apoio Domiciliário Serviços de Apoio Domiciliáriopág.5 Cidadãos / Clientes...pág.6 Serviços Prestados..pág.7

Leia mais

Plano de Ocupação Integral dos Tempos Letivos

Plano de Ocupação Integral dos Tempos Letivos Plano de Ocupação Integral dos Tempos Letivos (Plano OITL) Página 1 de 5 PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente plano de ocupação integral dos tempos letivos dos alunos enquadra-se no estipulado no

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Remodelação e Ampliação da Escola do 1º CEB de Coselhas S. Paulo de Frades 2. LOCALIZAÇÃO Coselhas, freguesia de São Paulo de Frades 3. PROJECTO Projecto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Artigo. Grupo. integrante. Artigo. Artigo. novos. públicos;

Artigo. Grupo. integrante. Artigo. Artigo. novos. públicos; sedee do Grupo Desportivo Julho de 2012 CAPÍTULO I: ÂMBITO E ESTRUTURA 1º (Objeto) O presente regulamento define as regras de utilização e cedência das instalações da sede do Grupo Desportivoo e Recreativo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL REGULAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA DE ALUNOS (PORTARIA 60/2012, de 29 de maio) Direção Regional da

Leia mais

Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos

Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos Capítulo I Natureza e objectivos Artigo 1º Caracterização e localização O Centro Social e Paroquial da Santíssima

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS PROJETOS: FÉRIAS DESPORTIVAS DAR DESPORTO ATIVIDADES E REFEIÇÕES

PRINCÍPIOS DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS PROJETOS: FÉRIAS DESPORTIVAS DAR DESPORTO ATIVIDADES E REFEIÇÕES PRINCÍPIOS DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS PROJETOS: FÉRIAS DESPORTIVAS DAR DESPORTO ATIVIDADES E REFEIÇÕES NOTA JUSTIFICATIVA No período de interrupções letivas o Município tem vindo a desenvolver

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Alojamento no ensino superior - Oferta de alojamento nas residências universitárias

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Alojamento no ensino superior - Oferta de alojamento nas residências universitárias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Alojamento no ensino superior - Oferta de alojamento nas residências universitárias António José Mendes Cruz de Sousa João Miguel Senra Lopes Rui Filipe

Leia mais

Guia do cliente. Casa. Segura o seu lar. Tecla. 707 24 7 365 Horário de atendimento personalizado: 7 dias por semana das 8h às 24h

Guia do cliente. Casa. Segura o seu lar. Tecla. 707 24 7 365 Horário de atendimento personalizado: 7 dias por semana das 8h às 24h Casa Segura o seu lar. Guia do cliente 707 24 7 365 Horário de atendimento personalizado: 7 dias por semana das 8h às 24h Informações Subscrições Alterações Tecla 6 Casa Segura o seu lar. O Seguro GNB

Leia mais

REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS

REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL LAR DE IDOSOS SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO SUL E ILHAS REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS Lar de Idosos. Rua de Lisboa 431, 2995-566 Brejos de Azeitão. Telefone

Leia mais

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Normas Orientadoras Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Julho 2007 1 Contexto Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiência ou Incapacidade A criação de uma rede nacional de

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A CASA DE REPOUSO "NOSSA SENHORA DA VITÓRIA 11. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A CASA DE REPOUSO NOSSA SENHORA DA VITÓRIA 11. 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A CASA DE REPOUSO "NOSSA SENHORA DA VITÓRIA 11 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objetivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008. Registado com o n.º DL 178/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008. Registado com o n.º DL 178/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 178/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008 A Lei 44/2004, de 19 de Agosto, com as alterações introduzidas pelo -Lei 100/2005, de 23 de

Leia mais

BLOCO 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

BLOCO 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO QUESTIONÁRIO DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NDF INSTITUIÇÃO IN Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição: Endereço completo (Rua, Av., etc., número):

Leia mais

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas

ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas ACOMPANHAMENTO EM CRECHE E JARDIM DE INFÂNCIA TÉCNICAS PEDAGÓGICAS 50 Horas UFCD 3275 Formadora Fátima Pires Gomes Ação Educativa I Programa da UFCD Objetivos do Módulo Reconhecer as principais técnicas

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

Página 1 ABRIGO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA. Coordenadora: Priscila Laurindo de Carvalho. Email: abrigopmvadfa@hotmail.com

Página 1 ABRIGO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA. Coordenadora: Priscila Laurindo de Carvalho. Email: abrigopmvadfa@hotmail.com ABRIGO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA Coordenadora: Priscila Laurindo de Carvalho Email: abrigopmvadfa@hotmail.com Endereço: Rua Manoel Vivácqua, 295 Bairro: Jabour Telefone: (27) 3317-2171 Horário de

Leia mais

Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo modelo de gestão hospitalar

Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo modelo de gestão hospitalar 2015-11-23 19:36:19 http://justnews.pt/noticias/hospital-central-do-funchal-internistas-na-vanguarda-de-um-novo-modelo-de-gestao-hospitalar Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA nº 7-2010/PR

PORTARIA NORMATIVA nº 7-2010/PR PORTARIA NORMATIVA nº 7-2010/PR Implementa alteração no serviço de Assistência Hospitalar Domiciliar - AHD, no âmbito do Programa IPASGO Domiciliar e revoga PN 004-2009/PR. O Presidente do Instituto de

Leia mais

Programação de equipamentos colectivos

Programação de equipamentos colectivos Programação de equipamentos colectivos Definição e tipologia Conceitos associados à programação de equipamentos Critérios de programação, dimensionamento e localização; exemplos Instituto Superior Técnico/Departamento

Leia mais

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU QUADRO RESUMO DA CARREIRA Escalão Índice Duração Outros requisitos: Quotas, aulas assistidas 1 167 4 2 188 4 2 aulas assistidas 3 205 4

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO Nota introdutória No âmbito das políticas do município para o apoio aos mais desprotegidos, a Câmara Municipal de Nordeste propôs-se criar um Banco de Ajudas Técnicas,

Leia mais

Documento de Identificação N.º: Estado civil. Código Postal Telefone E-mail. PLV-ET: 02/GTP/NEPAE/2010 Versão: 01/2010 Revisão: 02 Data: 2010-09-23

Documento de Identificação N.º: Estado civil. Código Postal Telefone E-mail. PLV-ET: 02/GTP/NEPAE/2010 Versão: 01/2010 Revisão: 02 Data: 2010-09-23 LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EMPREENDIMENTO Identificação Tipologia NIPC Localização Concelho Distrito IDENTIFICAÇÃO Morada Código Postal: Telefone/Fax: E-mail (se aplicável) Representante

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais