REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS"

Transcrição

1 SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL LAR DE IDOSOS SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO SUL E ILHAS REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS Lar de Idosos. Rua de Lisboa 431, Brejos de Azeitão. Telefone

2 Junho de NATUREZA E FINS O Lar de Idosos dos SAMS Serviços de Assistência Médico-Sociais do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, sito em Brejos de Azeitão é um estabelecimento onde se desenvolvem actividades de apoio social a pessoas idosas em alojamento colectivo e permanente, fornecimento de alimentação, cuidados de saude, higiene e conforto, fomentando o convívio e proporcionando a animação social e a ocupação de tempos livres dos utentes. 2. OBJECTIVOS a) Proporcionar serviços permanentes e adequados à problemática bio-psico-social das pessoas idosas; b) Contribuir para a estabilização ou retardamento do processo de envelhecimento; c) Criar condições que permitam preservar e incentivar a relação inter familiar; d) Potenciar a integração social; e) Garantir um alojamento condigno que favoreça uma vida confortável; f) Fomentar a convivência social através do relacionamento dos idosos entre si e com os familiares e amigos. 3. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO 3.1. Condições Gerais O candidato deverá: a) Estar enquadrado nas condições definidas no Regulamento do Fundo Sindical de Assistência dos SAMS do SBSI e em condições de usufruir dos direitos que nele constam; b) Ter um quadro clínico compatível com as condições de tratamento existentes no Lar c) Não apresentar grau de dependência que obrigue a acompanhamento para as actividades de vida diária; d) Ter mais de 65 anos; e) Manifestar vontade expressa em consentimento informado cujo modelo faz parte deste Regulamento; f) Apresentar responsável directo pela admissão, podendo ser familiar ou não, que expresse essa vontade em documento próprio cujo modelo faz parte deste Regulamento em; g) Garantir o pagamento das mensalidades e outras despesas por transferência bancária através de preenchimento de documento próprio, cujo modelo faz parte deste Regulamento; h) Apresentar a documentação solicitada e definida neste Regulamento. OBS: A admissão de idosos portadores de doenças infecto-contagiosas ou psíquicas agudas apenas poderá ocorrer se o Lar tiver as correspondentes e necessárias condições e após parecer médico favorável, a emitir pelo médico do Lar Casos Especiais Independentemente das condições gerais dispostas no número anterior, deverá ser observado o seguinte: Regulamento Lar Idosos 1

3 a) O Lar reservará uma percentagem não superior a 10% dos residentes, para contemplar um número de casos especiais; b) Deverá ser confirmada a insuficiência de meios, ausência de apoios familiares, situação clínica que obrigue a dependência de terceiros, situações a averiguar e confirmar pelo serviço social; c) Admissão em quarto duplo; d) Despacho favorável do Conselho de Gerência, a inserir em acta de reunião Processo de inscrição a) O Candidato deve fazer a sua inscrição em impresso próprio cujo modelo faz parte deste Regulamento em; b) A inscrição pode ser feita no Lar ou em qualquer serviço do SAMS/SBSI e neste caso enviada ao Lar; c) Os candidatos inscritos devem encontrar-se nas condições previstas no ponto 3.1; d) Junto ao impresso de inscrição devem ser anexados os seguintes documentos: Cópia do cartão único ou, na sua ausência, cópias do bilhete de identidade, cartão de contribuinte, cartão de eleitor; Cartão de beneficiário SAMS do S.B.S.I. cartões do SNS e de outros sistemas de saude complementares; Comprovativo de morada actualizado (factura de água, luz, telefone, etc.); Se solicitada, nota de liquidação de ultimo IRS ou, no caso de viver em coabitação com familiares e fazendo parte da declaração de IRS desse (s) familiar(es) deve enviar cópia de nota de liquidação do agregado a que se encontra a cargo; e) O processo de selecção e admissão consta de Regulamento próprio designado por Regulamento de Admissões constituindo parte integrante deste Regulamento Selecção e admissão a) A tramitação do processo de selecção e admissão será regulada no Regulamento de Admissões b) A admissão será efectuada por período experimental; 4. PREÇÁRIO a) O preçário do Lar é definido superiormente pelo C.G. dos SAMS do S.B.S.I., sendo actualizado anualmente e consta de anexo a este Regulamento; b) A actualização da mensalidade tem efeito retroactivo a Janeiro de cada ano; c) Será feita comunicação escrita ao residente e seu responsável sobre a actualização da mensalidade; d) À mensalidade podem acrescer outras despesas que o residente tenha, conforme o previsto neste regulamento; e) A mensalidade é cobrada em função do dia de admissão e do dia de saída definitiva se for caso disso, sendo exclusivamente cobrados os dias em que o residente se encontre no Lar desde que a saída do residente seja comunicada à coordenação do Lar com um prazo mínimo de 30 dias; f) O processamento das mensalidades é feito informaticamente; g) Em caso de erro na cobrança da mensalidade os acertos serão feitos na mensalidade do mês seguinte. 5. DESCONTOS Regulamento Lar Idosos 2

4 5.1. Ao valor de tabela das mensalidades será deduzido o valor correspondente à comparticipação dos SAMS do S.B.S.I. por internamento em Lar, calculada nos termos do Regulamento do FSA; 5.2. Poderão ocorrer outros descontos ao valor das mensalidades desde que respeitem ao não consumo de refeições por ausência do Lar, a situações extraordinárias expressamente previstas, conforme normativo e regras internas e despacho de quem tenha competência delegada. 6. FORMAS DE PAGAMENTO 6.1. O pagamento da prestação de serviços deve ser feito exclusivamente por transferência bancária sendo obrigação do residente ou do seu responsável indicar conta bancária para o efeito dotar a mesma de fundos suficientes nas datas determinadas para a transferência; 6.2. A transferência será feita entre os dias 25 e 31 de cada mês, sendo emitida carta/factura até ao dia 20 do mês seguinte que deve ser levantada na secretaria do Lar; 6.3. Em caso de falta de pagamento até à data prevista da prestação devida, é o residente ou o seu responsável penalizado em 0,05% por cada dia de atraso As despesas extra não incluídas na mensalidade serão liquidadas através de transferência no mês seguinte acrescentando-se esse valor ao da mensalidade. 7. SERVIÇOS INCLUÍDOS NA MENSALIDADE Estão incluídos na mensalidade os seguintes serviços nos termos das cláusulas seguintes: a) Alojamento b) Alimentação c) Tratamento de roupa d) Cuidados de higiene e conforto dos residentes e do ambiente e) Assistência médica, medicamentosa, enfermagem e fisioterapia f) Ocupação e lazer g) Apoio administrativo h) Transportes 7.1. Alojamento a) O alojamento é parte integrante do Lar e pertença da Instituição sendo a sua utilização pelo residente ou seus familiares feita sempre tendo presente a sua inserção no lar e no conjunto de residentes; b) O Lar dispõe de quartos individuais, duplos e apartamentos, todos com casa de banho privativa; c) A utilização do alojamento é feita segundo normas internas, sendo expressamente proibida a utilização de aparelhos electrodomésticos, eléctricos e a gás, excluindo televisão e rádio, bem como a confecção de refeições e armazenamento de alimentos e permitido a utilização de mobiliário próprio que não ponha em causa a mobilidade e segurança, após avaliação e autorização da Coordenação do Lar; d) Não são autorizados utensílios, cortinas ou cortinados, antenas e outros elementos que ponham em causa a estética, higiene e segurança do alojamento ou que, de alguma forma, possam ser incomodativos para o companheiro(a) de quarto; e) A mudança/transferência de alojamento poderá ser necessária por motivos de gestão administrativa ou por razões de saude, sendo dado conhecimento ao residente e ao responsável pela admissão; f) A segurança do alojamento é garantida pela entrega de chave própria ao residente não existindo responsabilidade do Lar pelos haveres guardados no alojamento; Regulamento Lar Idosos 3

5 g) O residente não poderá mudar a fechadura do quarto ou utilizar outras formas que impeçam a entrada de pessoal do Lar; h) O Lar está dotado de um serviço de internamento em enfermaria para o qual poderão ser transferidos residentes através de decisão médica para garantir um mais eficiente acompanhamento da sua situação de saude. No caso da transferência para a enfermaria e manutenção dessa situação por tempo indeterminado, considera-se que o alojamento do residente passa a ser a enfermaria podendo o seu alojamento vir a ser ocupado por outro beneficiário; i) No caso de um casal que ocupe um alojamento tipo quarto duplo, quando do falecimento de um dos conjugues, o conjugue sobrevivente poderá ser objecto de mudança de alojamento, em função das necessidades de gestão e administrativas determinadas pela Coordenação do Lar; j) Nos quartos duplos cada residente deverá respeitar o espaço do companheiro(a) Alimentação a) Será assegurada a alimentação dos residentes; b) Poderão ser fornecidas dietas específicas por indicação médica ou de enfermagem sem agravamento da mensalidade; c) As refeições fornecidas pelo Lar são: pequeno-almoço, almoço, lanche, jantar e ceia; d) A ementa é elaborada semanalmente e afixada em local visível; e) Será de afixação obrigatória tabela de preços dos pratos alternativos; f) Os residentes poderão confeccionar refeições exclusivamente em espaço próprio destinado para o efeito e designado por atelier de culinária; g) Não são fornecidas refeições nos alojamentos nem para transportar para os alojamentos excluindo as indicações médicas ou de enfermagem devidamente justificadas; 7.3. Tratamento de Roupas a) As roupas de uso pessoal e outras roupas pertencentes ao residente devem estar devidamente marcadas com número de admissão do residente, que é atribuído pelo Lar; b) A marcação das roupas é da exclusiva responsabilidade dos residentes; c) O tratamento de roupas é garantido pelo Lar e constituído pelos processos de lavagem e engomagem, desde que essas roupas não requeiram tratamentos especiais; d) A entrega e recolha de roupa para tratamento deve ser feita na lavandaria do Lar pelos residentes em horários a definir por norma interna; quando da sua incapacidade esse serviço será assegurado pelos meios do Lar que assumirá a responsabilidade de decisão sobre o tratamento da roupa do residente; e) O Lar disponibiliza meios para o tratamento das roupas por parte dos residentes em espaço próprio designado por Sala de Lavagens, devendo ser exclusivamente neste espaço que se faz o tratamento da roupa incluindo a secagem; f) Os residentes só poderão ter a roupa nos alojamentos que possa ser arrumada e acondicionada nos espaços próprios para o efeito (roupeiros). A restante roupa deverá ser acondicionada em caixas de preferência plásticas para arrumar em espaço colectivo fechado e seguro; g) O Lar poderá tomar a decisão de passarem a fazer o tratamento de roupa de residentes cuja capacidade física ou mental diminua, pondo em causa a higiene pessoal e do meio. Esta decisão será sempre comunicada ao responsável do residente Cuidados de Higiene e Conforto dos Residentes e do Ambiente a) O Lar é responsável pela higiene individual dos residentes sempre que a sua situação de saude deixe de permitir que o façam de uma forma autónoma; Regulamento Lar Idosos 4

6 b) Os cuidados de higiene são prestados por auxiliares de acção médica conforme avaliação feita pela equipa de saúde; c) Por avaliação médica e de enfermagem poderá ser imposta a prestação de cuidados de higiene a residentes que apresentem claras limitações não assumidas pelos próprios, considerando-se desadaptação à vida do Lar e ao bom ambiente a recusa a esses cuidados; d) Os produtos de higiene são da responsabilidade dos residentes podendo vir a ser fornecidos pelo Lar sendo acrescentados esses custos à mensalidade; e) O Lar poderá fazer a aquisição de roupas para o residente face à premente justificação de necessidades básicas, interpolando previamente os seus familiares e ou responsável caso existam. Os custos dessa aquisição serão acrescentados à mensalidade; f) O Serviço de limpeza e arrumação dos alojamentos é garantido pelo Lar, sendo contudo os residentes responsáveis pela manutenção dos espaços em geral e pelas instalações que lhe forem destinadas em particular, dentro de um espírito de colaboração e de manutenção de vida activa e autonomia; g) No que respeita ao atelier de culinária e sala de lavagem, a sua arrumação competirá aos residentes, na medida em que para tal não se encontrem impossibilitados por razões de dependência físico -psíquica Assistência Médica, medicamentosa, enfermagem e fisioterapia a) A assistência médica, de enfermagem e fisioterapia prestada pelo Lar através de uma equipa de saúde constituída por médicos, enfermeiros e fisioterapeutas está incluída na mensalidade, não se traduzindo em encargo para o residente; b) A assistência medicamentosa é objecto de comparticipação nos termos do Regulamento do Regime Geral, salvo a prestada na enfermaria do Lar, por iniciativa da respectiva equipa de saúde; c) Toda a restante assistência médica, de enfermagem e fisioterapia, exames complementares de diagnóstico, tratamentos, consultas de especialidade, material de consumo clínico (fraldas, resguardos, pensos), meios auxiliares de marcha, próteses, cirurgias e internamento hospitalar prestada nos serviços clínicos internos, por prescrição do médico do Lar/requisição da equipe de Saúde do Lar, (conforme as respectivas competências profissionais), será objecto de comparticipação ao residente como de seguida se indica: Nos termos do Regulamento do Regime Geral; Em 50% do encargo remanescente ao abrigo de outras comparticipações do Regulamento do FSA, havendo disponibilidade financeira do referido Fundo. d) Os residentes poderão recorrer a outros serviços de saúde e tomarem a iniciativa de recurso a serviços internos da Instituição que não sejam prescritos e/ou solicitados pela equipa de saúde do Lar, suportando os respectivos custos associados e habilitando-se à correspondente comparticipação nos termos do Regulamento do Regime Geral dos SAMS; e) Os serviços do Lar fornecerão o apoio dentro das suas limitações para que os residentes possam utilizar os recursos e/ou pedidos feitos pela equipa de saúde do Lar; f) Os serviços do Lar declinam toda a responsabilidade da utilização de recursos que não sejam prescritos e ou/requisitados pela equipa de saude do Lar, incluindo o acompanhamento médico; g) Os residentes devem contribuir para que a equipa de saúde do Lar possa acompanhar com rigor as suas necessidades de saude, sendo responsáveis pela comunicação de quaisquer intervenções em consequência dos recursos que faz atempadamente; h) A responsabilidade do médico do Lar é limitada aos actos em que intervém, não assumindo o Lar qualquer responsabilidade em relação a decisões ou prescrições de terceiros. Regulamento Lar Idosos 5

7 i) A prescrição médica será preferencialmente feita tendo em atenção a lista de medicamentos comparticipáveis pelo SNS e, sempre que possível, a existência de genérico do medicamento em causa; j) A comparticipação de medicamentos e actos clinicos não prescritos e/ou não requisitados pela equipa de saude do Lar será feita conforme critérios definidos no regulamento do regime Geral e tendo em atenção o preço de referência do medicamento no SNS Ocupação e Lazer a) O serviço de ocupação e lazer tem como objectivo promover e apoiar a organização de actividades individuais e de grupo, procurando o envolvimento e participação dos residentes; b) O princípio geral deste serviço é oferecer a maior variedade possível de actividades que possam ir ao encontro dos desejos dos residentes; c) Deve ser preocupação deste serviço autonomizar as actividades de ocupação e lazer de forma a poderem ser desenvolvidas e geridas pelos próprios residentes, oferecendo as condições necessárias para esse fim; d) Será definido anualmente um Programa para esta área que deverá ser discutido com os residentes; e) Deve procurar-se sempre que possível a participação e envolvimento dos familiares e responsáveis dos residentes nas actividades promovidas e apoiadas pelo serviço; f) O serviço de ocupação e lazer deve apresentar relatório no final de cada ano das actividades realizadas e do número de residentes envolvidos; g) Será da responsabilidade do serviço de ocupação e lazer a promoção de programas específicos para residentes totalmente dependentes; h) Este serviço poderá gerar receitas próprias às quais serão acrescentados subsídios particulares e institucionais cuja gestão será feita pelo próprio serviço autonomamente e sempre que possível pelos próprios residentes com apresentação de contas anual; i) O serviço de ocupação e lazer poderá ser igualmente subsidiado pelo Lar nos montantes e condições definidos pelo Conselho de Gerência dos SAMS do S.B.S.I.; j) A gestão de contas do serviço de ocupação e lazer bem como o seu pormenorizado funcionamento será objecto de regulamento próprio a aprovar pela Instituição e residentes; 7.7 Apoio administrativo a) O Lar assegura apoio administrativo aos residentes através da secretaria, dentro das suas limitações e tendo como principio a não substituição da responsabilidade da família ou responsável do residente; b) Quando da admissão no Lar, é da responsabilidade do residente solicitar a serviços públicos, privados, externos e internos da Instituição a mudança dos seus dados pessoais; c) A secretaria do Lar terá um horário afixado que define períodos específicos e exclusivos para atendimento aos residentes; d) A secretaria do Lar poderá prestar serviços aos residentes cujos custos sejam suportados pelos mesmos; e) Os serviços administrativos do Lar organizarão um processo individual administrativo próprio de cada residente em que constam os seus dados, processo de inscrição, selecção e admissão, cópias dos seus documentos e ocorrências significativas; f) Os serviços administrativos do Lar poderão tratar de assuntos particulares mediante autorização expressa aquando da admissão e em situações de abandono evidente do residente pelo responsável e familiares. Considera-se abandono do residente quando decorrido um período de não contacto com o Lar, de 60 dias da parte do responsável e Regulamento Lar Idosos 6

8 familiares e após aviso em correio registado com aviso de recepção a esse responsável onde expressamente seja dada essa informação. g) Do tratamento de assuntos particulares dos residentes nas condições previstas na alínea anterior será feito registo permanente, sendo obrigatório, o visto concordante do Coordenador do Lar e o conhecimento ao Conselho de Gerência dos SAMS para os efeitos tidos por convenientes Transportes a) O Lar fornece transporte aos residentes para deslocações ao exterior como acompanhamento a actos clinicos e outros recursos dentro das limitações do Lar e exclusivamente em consequência de prescrição médica e/ou solicitação da equipa de saude do Lar; b) As necessidades de deslocação dos residentes em consequência de marcações de actos clinicos feitas pelos próprios ou seguimento posterior em consequência dessas marcações não são asseguradas pelo Lar; c) Os residentes deverão sempre informar os médicos ou outros técnicos a quem recorram que o Lar tem limitações de transporte e só poderão deslocar-se por marcação gerida pelos serviços do Lar, evitando consultas de seguimento para as quais não é fornecido transporte; d) Os transportes serão geridos através de marcações prévias e o mapa de transportes é semanalmente afixado no Lar. 8. HORÁRIOS a) Os horários de entrada e saída do Lar são definidos em norma interna tendo como principal objectivo garantir a livre circulação dos residentes, respeitando as suas necessidades e expectativas e estes respeitando as boas normas de conduta social. b) O horário de silêncio do Lar é das horas às horas; c) Os horários de visitas constam de normas internas tendo como principio o mínimo de limitações às visitas e o respeito mútuo por regras e normas de conduta social; d) Os horários de refeições são estabelecidos em normas internas. 9. SAIDAS E ENTRADAS DE RESIDENTES NO LAR a) O Lar é um espaço aberto reconhecendo a liberdade de saída e entrada dos residentes e não se responsabilizando por esse movimento, excluindo situações em que, por indicação da equipa de saúde, sejam necessárias medidas de restrição de liberdade de circulação do residente; b) As medidas referidas no parágrafo anterior decorrem de parecer devidamente fundamentado do médico do Lar ou por decisão da coordenação do Lar, em situações urgentes, sempre que esteja em causa um perigo para a saúde do residente ou de terceiros; c) É da responsabilidade do residente a saída do lar, sendo obrigatório o aviso aos serviços administrativos ou aos trabalhadores de serviço quando essa saída implicar falta às refeições, por motivo de controlo da sua própria segurança; d) A não presença do residente no jantar sem qualquer aviso implica o contacto imediato ao responsável e a comunicação dessa ausência; e) Não são aconselháveis entradas e saídas do Lar entre o período das 22 horas e 8 horas, devendo se isso for absolutamente necessário ser comunicado aos serviços do Lar ou aos trabalhadores de serviço; f) No caso de restrição da liberdade de movimento do residente será comunicado ao responsável e serão tomadas as medidas necessárias para que isso aconteça; Regulamento Lar Idosos 7

9 g) A restrição da liberdade de movimento do residente poderá ser solicitada pelo responsável, devendo, contudo, a decisão passar sempre pela avaliação da equipa de saúde. 10. VISITAS a) Todos os residentes têm o direito de receber as visitas que desejarem dentro das normas que estejam determinadas para os horários; b) As visitas devem identificar-se sempre que entrem no Lar junto da secretaria ou quando esta se encontrar fechada junto de um trabalhador de serviço; c) A circulação das visitas nos espaços colectivos é livre desde que acompanhada pelo residente; d) Não é permitida a circulação de visitas nos alojamentos de residentes (zonas residenciais) que não seja devidamente autorizada pelo enfermeiro de serviço ou outro trabalhador de serviço que deverá comunicar ao enfermeiro; 11. ESPÓLIO (VALORES E BENS) a) O Lar não se responsabiliza por quaisquer valores e bens que não estiverem à sua guarda e devidamente registados; b) O Lar dispõe de cofres individuais para a guarda de valores e bens cuja abertura é feita através de duas chaves, sendo uma entregue ao residente após o registo dos bens colocados no cofre; c) Quando o residente não possa responsabilizar-se pela guarda dos seus valores e bens, será feito espólio dos mesmos pelo enfermeiro de serviço com a presença de outro trabalhador do Lar para entrega à coordenação do Lar que os colocará num cofre, lavrando-se a respectiva Acta; d) Será da responsabilidade da coordenação do Lar comunicar por escrito em carta registada com aviso de recepção ao responsável do ex-residente a situação e pedir a sua presença para a entrega desses valores e bens; e) No caso de falecimento será feito igualmente espólio de roupas e outros objectos do residente, guardados em arrumação própria no sentido de libertar o alojamento e procede-se como descrito nas alíneas c) e d); f) Caso tal levantamento não ocorra no prazo de 60 dias, após a comunicação ao responsável do residente, através de carta registada com aviso de recepção, os bens serão selados e guardados pelo prazo de um ano, após o que reverterão para o Lar, que deles fará o destino que entenda mais conveniente. g) Não existe registo de espólio quando da admissão no Lar. 12. RECLAMAÇÕES a) O Lar tem livro de reclamações em conformidade com a legislação em vigor; b) As reclamações terão o tratamento obrigatório previsto na Lei; c) Para além do direito à reclamação previsto na lei, o residente e seu responsável têm o direito de recorrer, sempre que o desejar, a reclamação interna junto da coordenação do Lar, devendo fazê-lo por escrito; d) O Lar promoverá um sistema de reclamação/sugestão em relação ao serviço de alimentação, prestação de cuidados e funcionamento do Lar em geral; Regulamento Lar Idosos 8

10 13. INFORMAÇÃO a) O Lar e especialmente a coordenação manterá permanentemente informados os residentes e seus responsáveis sobre as alterações que se introduzem por normas internas no funcionamento do Lar, existindo para isso locais próprios para a afixação dessa informação; b) É objectivo do Lar a realização periódica de reuniões com os residentes colectivas e individuais bem como com os seus responsáveis; c) Os residentes do Lar têm atribuído um enfermeiro de referência e pelo menos duas auxiliares de acção médica de referência, devendo as questões de rotina serem colocadas a esses trabalhadores tanto pelos residentes como pelos seus responsáveis; d) A coordenação do Lar disponibilizará um domingo por mês para atendimento de responsáveis de residentes que não se possam deslocar ao Lar durante a semana. Esses dias serão fixados no início de cada ano e publicitados nos locais próprios e os responsáveis deverão fazer a marcação de reuniões nos serviços da secretaria com a antecedência mínima de 5 dias; e) O médico do Lar fixará dias e horas específicas para atendimento de responsáveis em calendário a fixar anualmente. As marcações deverão ser feitas com pelo menos 5 dias de antecedência junto dos serviços da secretaria; f) Para além dos dias fixados a coordenação do lar estará sempre disponível para reunir com qualquer responsável desde que seja feita marcação prévia; g) A coordenação do Lar estará sempre disponível para tratar de qualquer assunto dos residentes não necessitando de marcação. h) As informações específicas constituem competência dos responsáveis das respectivas áreas (do Coordenador informações de gestão e referentes à relação do residente com o Lar; do médico e Enfermeiros e fisioterapeutas quando, para o efeito autorizados pelo médico informações de natureza clínica). 14. REGISTOS a) Para além do processo individual administrativo cujos registos estão definidos neste Regulamento, existe um processo clínico do residente; b) Este registo é feito em suporte informático de acordo com o funcionamento geral do SAMS; c) O processo clínico do residente pode ser consultado pelos técnicos de saude que a ele tem acesso e por terceiros mediante autorização escrita do médico do Lar. d) Não são fornecidas informações do processo de saude do residente que ponham em causa a ética e as obrigações profissionais a que os técnicos estejam obrigados; 15. DIRECÇÃO TÉCNICA E ORGANOGRAMA a) A Direcção técnica do Lar é exercida por um Coordenador, sendo este um profissional habilitado para o efeito pela legislação actual; b) O Coordenador é nomeado pelo Conselho de Gerência do SAMS; c) A hierarquia definida para o Lar de Idosos é a prevista na estrutura orgânica e funcional dos SAMS do S.B.S.I DISPOSIÇÕES FINAIS a) Sempre que o residente não se adapte à vida do Lar será determinada a cessação da sua utilização; b) A alteração do responsável do residente poderá ser feita por declaração escrita e expressa e exclusivamente deste; Regulamento Lar Idosos 9

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO * * * LAR DE IDOSOS CENTRO DIA APOIO DOMICILIÁRIO O Centro Social Paroquial São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I (Natureza e Objectivos) Artigo 1º Caracterização e Localização A Associação Lageosense de Solidariedade Social (adiante designada por

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos

Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos Capítulo I Natureza e objectivos Artigo 1º Caracterização e localização O Centro Social e Paroquial da Santíssima

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR O contrato de seguro estabelecido entre a GROUPAMA SEGUROS, S.A., adiante designada por

Leia mais

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-.

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ponto de situação da inscrição: Admitido N.º Processo: / / admitida mas interessada

Leia mais

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento Projecto Mobilidade Para Todos Normas de Utilização e Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com grandes condicionalismos no acesso a vários recursos/serviços existentes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO No quadro do protocolo celebrado em 27 de Março de 2003 entre a Fundação

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE Introdução O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca da Junta de Freguesia de Baguim do Monte. O principal objectivo é salvaguardar o interesse comum de todos

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA O que é o Fundo de Emergência Social de Lisboa (FES)? É um programa municipal criado em 2012 e que se

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Regulamento Interno. Lar de Idosos. Sintra 2009. 2.ª Versão. Agosto de 2009. Reg004_Rev0_10 Página 1 de 16

Regulamento Interno. Lar de Idosos. Sintra 2009. 2.ª Versão. Agosto de 2009. Reg004_Rev0_10 Página 1 de 16 Regulamento Interno Lar de Idosos 2.ª Versão Agosto de 2009 Sintra 2009 Reg004_Rev0_10 Página 1 de 16 CAPITULO I Da Denominação e Fins da Casa de Repouso Artigo 1.º Denominação 1- A Fundação Cardeal Cerejeira,

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares

Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares Nota Introdutória Com este regulamento pretende-se sistematizar um conjunto de normas que disciplinam uma matéria tão importante como é o

Leia mais

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Preâmbulo A regulamentação municipal sobre a actividade de comércio a retalho exercida por feirantes

Leia mais

ASSUNTO: LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO

ASSUNTO: LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO CIRCULAR Nº 036/2016 (SF) RF/RC Lisboa, 09 de Março de 2016 ASSUNTO: LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO Informação aos clientes quanto à existência de entidades de resolução alternativa de litígios de consumo

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

Regulamento Interno. (Artigo 25º do Decreto Lei nº 500/99)

Regulamento Interno. (Artigo 25º do Decreto Lei nº 500/99) Regulamento Interno (Artigo 25º do Decreto Lei nº 500/99) Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Definição) 1 A Santa Casa da Misericórdia de Galizes é uma associação de solidariedade social, vulgo Instituição

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela 1 Preâmbulo O Concelho de Palmela, com aproximadamente 462 Km2, constitui-se como o maior da Península de Setúbal. Caracteriza-se como sendo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS

CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2015 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO REGULAMENTO Espinho, 4 de Maio de 2015 INDICE 1. Entidade responsável pela organização

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa Nota Justificativa Considerando a necessidade de estabelecer novos apoios e ir de encontro às necessidades dos idosos e assim contribuir para a dignificação e melhoria das condições de vida deste sector

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL Os parques de campismo são empreendimentos turísticos definidos no Decreto- lei nº 39/2008, de 7 de março alterado pelo Decreto-Lei nº 228/2009, de 14

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL ESCOLA NACIONAL DO BASQUETEBOL REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I O presente regulamento, aprovado pelo Conselho Nacional de Formação de Treinadores, rege a

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

Regulamento do Apoio à Infância

Regulamento do Apoio à Infância Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Edição Especial 28 de maio de 2014

Edição Especial 28 de maio de 2014 Edição Especial REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE FOGOS DO EMPREENDIMENTO DA AZINHAGA DOS BESOUROS, QUINTA DA FIGUEIRA, ENCOSTA DO SOL (Deliberação da CMA 19.03.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA (Deliberação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I FUNCIONAMENTO 1. Natureza O presente Regulamento aplica-se ao Serviço de Apoio Domiciliário da Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO

REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO Artigo 1º (Disposições estatutárias) 1. Poderão filiar-se na Associação como sócios efectivos quaisquer empresas, singulares ou

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 Í N D I C E INTRODUÇÃO Págs. 1. Conceito 2. Objectivos. Destinatários 4. Serviços prestados 5. Capacidade 6. Recursos Humanos 7. Organização

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLECTIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLECTIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLECTIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição e Alteração de Dados Pessoa Colectiva (2001 v5.1) PROPRIEDADE

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA 1.ª FASE do Projeto (12 meses contados a partir da data de inauguração do espaço) Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

Cáritas Paroquial de Vilar

Cáritas Paroquial de Vilar Cáritas Paroquial de Vilar Regulamento Interno Serviço de Apoio Domiciliário 1/14 Índice Capítulo I Enquadramento, Objectivos e Serviços ----------------------------------------------- pag. 3 Capítulo

Leia mais

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças Freguesia de Marmelete - Junta de Freguesia - Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças Nota Justificativa Considerando o exercício do poder tributário da Freguesia e a entrada em vigor da Lei das

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE ANEXO I Norma I Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da Creche integrada no Centro Social Paroquial de Carnide. 2. A Creche destina-se a crianças

Leia mais

PADEL SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 (ACIDENTES PESSOAIS) Manual de Procedimentos E Serviços Médicos Convencionados 1/7

PADEL SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 (ACIDENTES PESSOAIS) Manual de Procedimentos E Serviços Médicos Convencionados 1/7 PADEL SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 (ACIDENTES PESSOAIS) Manual de Procedimentos E Serviços Médicos Convencionados 1/7 Padel SEGURO DESPORTIVO ÉPOCA 2016 Manual de Procedimentos e Serviços Médicos Convencionados

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

O que é o Contrato de Seguro?

O que é o Contrato de Seguro? O que é o Contrato de Seguro? O contrato de seguro é um acordo através do qual o segurador assume a cobertura de determinados riscos, comprometendo-se a satisfazer as indemnizações ou a pagar o capital

Leia mais