CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO"

Transcrição

1 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO * * * LAR DE IDOSOS CENTRO DIA APOIO DOMICILIÁRIO

2 O Centro Social Paroquial São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), canonicamente erecta, com personalidade jurídica no foro canónico e civil, pertencente à Paróquia de São João das Lampas e foi fundado em 7 de Fevereiro de 1956, tendo a sua sede em São João das Lampas e desenvolverá a sua actividade por tempo indeterminado. O Centro Social, situado na Avenida Central, 56, em São João das Lampas, Concelho de Sintra e Distrito de Lisboa tem as valências de Creche, Jardim de Infância (Pré-escolar), ATL, 1º Ciclo, Lar de Idosos, Centro Dia e Apoio Domiciliário, tendo os seguintes objectivos: a) Proporcionar à população de São João das Lampas um conjunto de serviços, adequados às suas necessidades, tendo em vista a promoção e desenvolvimento psicossocial; b) Criar um espaço aberto, promotor das potencialidades de cada indivíduo por forma a facilitar a sua realização como pessoa, contribuindo para o seu bem estar; c) Colaborar com outras instituições locais, de modo a promover a interinstitucionalidade, desenvolvendo-se assim um verdadeiro trabalho comunitário que vá ao encontro dos desejos e necessidades da população; d) Fomentar o relacionamento entre os utentes, familiares e amigos de forma a preservar e fortalecer os laços de amizade e solidariedade. Cada Ano Lectivo terá um Tema Geral comum a toda a Instituição que será desenvolvido por cada valência, nos seus conteúdos e objectivos específicos. O Centro constitui uma comunidade educativa e de apoio à família, em que todos Direcção, Pessoal Técnico a Auxiliar, Crianças, Pais, Idosos e Familiares participam responsável e activamente na vida da instituição, segundo os seus níveis de competências. O presente Regulamento destina-se às valências de Lar de Idosos, Centro Dia e Apoio Domiciliário.

3 CAPÍTULO I Admissão: Critérios, Prioridades, Condições Nº1 A admissão do utente constitui atribuição da Direcção do Centro Social com base no parecer da Técnica de Acção Social, sendo este precedido de atendimento individualizado. Nº 2 São condições para a frequência destas valências: a) Estar Reformado ou ser Pensionista; b) Aceitação livre de frequência ou utilização dos serviços por parte do candidato, salvo casos excepcionais. Outras situações atípicas terão que ser submetidas a Reunião de Direcção. Nº 3 Não podem ser admitidas pessoas que: a) Sejam portadoras de doenças infecto-contagiosas; b) Estejam em situação que prejudiquem o regular funcionamento da Instituição ou ponham em causa o bem estar dos outros utentes ou do pessoal, nomeadamente doença mental aguda que prejudique o funcionamento dos Serviços. Nº 4 São prioridades na admissão: a) Ausência total ou parcial de apoio familiar; b) Agravada situação de saúde justificando a intervenção de terceiros; c) Viver isolado, em degradadas condições sócio-económicas; d) Baixo suporte das relações familiares ou existência de desajustamentos familiares que ponham em causa o bem estar do utente; e) Ser residente, natural ou cujo suporte familiar resida na Freguesia de São João das Lampas; f) Manifesta vontade de ser admitido/apoiado; g) Data de inscrição. Nº 5 Todo o utente deverá ter alguém responsável por ele e pelos seus encargos emergentes, que por escrito assuma responsabilidade, salvo casos excepcionais a resolver pela Direcção. Na sua completa impossibilidade deverá o utente nomear a pessoa ou instituição responsável que para o efeito terá que manifestar vontade expressa e registada.

4 CAPÍTULO II Do processo de Admissão e Entrada Nº 6 O candidato ou seu representante deverá solicitar na secretaria do Centro Social Paroquial São João das Lampas a inscrição na valência pretendida e marcar entrevista com a Técnica de Serviço para elaboração do estudo sócio-económico. (Sempre que requerido deverá submeter-se o utente a exames médicos). Nº 7 No dia do atendimento, tendo em vista a admissão, deverão estar presentes as seguintes pessoas: a) Utente a admitir; b) Familiar/Pessoa Responsável; c) Agregado Familiar do utente; d) Outros familiares (filhos ou na ausência destes os netos) independentemente do local em que habitem, unicamente para admissões no Lar. A não comparência de qualquer um destes elementos deverá ser comunicada ou justificada por escrito. Nº 8 A inscrição obriga nomeadamente a apresentação dos seguintes documentos e informações: a) Ficha de Inscrição em modelo do CSPSJL; b) Bilhete de Identidade; c) Cartão de Contribuinte; d) Cartão de Beneficiário da Segurança Social ou Organismo similar; e) Cartão de utilizador do Centro de Saúde da área residencial; f) 2 fotografias tipo passe a cores; g) Declaração de rendimentos do utente e/ou Agregado Familiar, através de fotocópia da declaração de IRS, referente ao ano anterior; h) Comprovativo das despesas mensais fixas: renda/amortização da casa, medicamentos de uso continuado, em caso de doença crónica; i) Declaração médica comprovativa da inexistência de doenças infectocontagiosas, do estado de saúde do utente a todos os níveis, da medicação e respectiva prescrição, cuidados a ter e outras observações consideradas necessárias; j) Determinar sobre o familiar/instituição responsável, cujo termo de responsabilidade, com mensalidade já definida, será assinado aquando do internamento. Na existência de filhos fora do agregado familiar, também estes deverão fornecer comprovativos dos rendimentos e despesas, por forma a ser calculada a comparticipação familiar. A não apresentação de qualquer um destes elementos, ou a sua não actualização, pode implicar a suspensão da inscrição até sua apresentação.

5 Nº 9 Na existência de vaga o pedido é levado a Reunião de Direcção com vista à admissão e definição da comparticipação do utente e seus familiares/instituição pelos serviços prestados por este Centro. Para os casos de admissão em Lar, o utente terá um prazo de 8 dias para se apresentar. Expirado este prazo, sem a comparência ou justificação do convocado ou outra pessoa nomeada responsável, a vaga será considerada não preenchida sendo de imediato convocado novo utente em lista de espera. CAPÍTULO III Da comparticipação Nº 10 A comparticipação dos utentes será calculada com base na situação sócioeconómica do utente e seus familiares, de acordo com a legislação existente sobre esta matéria, tendo por base a aplicação da tabela existentes nas diversas valências. Nº 11 Nas valências de Apoio a Idosos a comparticipação do utente (mensalidade) deve ser paga até ao dia 10 do mês em questão. Nº 12 A mensalidade ou outro tipo de pagamentos poderão ser liquidados em numerário ou cheque endossado ao Centro Social e Paroquial São João das Lampas, na Secretaria do Centro. Nº 13 O internamento até ao dia 15 de cada mês, obriga à totalidade do pagamento. Após o dia 15, a mensalidade será 50% do valor da comparticipação estipulada. Nº 14 A primeira mensalidade/comparticipação é paga no acto de formalização de entrada do utente. Nº 15 A interrupção dos serviços dá direito a uma redução na mensalidade, por períodos superiores a 5 dias. Nestes casos o valor proporcional aos dias em que esteve ausente, será descontado na mensalidade/pagamento do mês seguinte. Os utentes em Lar pagarão uma taxa de ocupação (valor fixado pela Direcção) por cada dia de ausência superior aos 5 dias estipulados.

6 Sempre que possível, os utentes deverão avisar antecipadamente que irão suspender/interromper os serviços e por quantos dias. Nº 16 A comparticipação mensal está sujeita a actualizações anuais, no início de cada ano civil. Para o efeito, os utentes e seus responsáveis serão notificados com a antecedência de 30 dias. Nº 17 O não pagamento da comparticipação estipulada, e a total ausência de justificações neste sentido, permite à Direcção a suspensão dos serviços prestados ao utente, que poderá ir até à exclusão. Nº 18 As falsas declarações ou consciente omissão de rendimentos e/ou de outros valores levará à exclusão da prestação dos serviços ao utente. Nº 19 Não é considerado nem se integra no valor da mensalidade/pagamento as despesas com: a) Consultas médicas (excepto as prestadas pelo médico do Centro); b) Análises e exames médicos; c) Medicamentos; d) Fraldas, pensos; e) Tratamentos específicos de enfermagem; f) Deslocações por motivos de saúde e/ou pessoais, em carro do Centro, ambulância ou outro; g) Taxas moderadoras ou de outros serviços no sistema de Saúde Nacional Público ou Privado. Tais despesas serão devidas adicionalmente nos seus precisos montantes e devem ser pagas aquando do pagamento da mensalidade. Sempre que ocorram estas situações o utente ou seu responsável serão informados. CAPÍTULO IV Dos Direitos dos utentes Nº 20 Os utentes em Lar têm direito: a) À utilização de um quarto de 2 ou 3 camas, por pessoas do mesmo sexo, consoante a vaga existente; b) À utilização das instalações sanitárias e dos espaços comuns; c) À alimentação composta por pequeno almoço, almoço, lanche e jantar e outras refeições intercalares consideradas necessárias à situação de saúde do utente; d) Ao auxilio durante as refeições quando necessário;

7 e) Aos serviços de higiene pessoal quando impossibilitados de os realizarem por si próprios; f) Aos serviços de limpeza. Ainda que possam e devam, sempre que o queiram, colaborar na manutenção dos seus quartos; g) À utilização do telefone para comunicação externa, sendo esta paga pelo utente; h) Aos serviços de lavandaria e rouparia; i) À assistência médica de clínica geral e ao serviço de enfermagem garantidos pelo Centro Social, ministração de medicamentos desde que acompanhado de receita médica; j) Ao atendimento psicossocial; k) A participarem no conjunto de actividades sócio-ocupacionais e de reabilitação proporcionadas e garantidas pelo Centro. Os utentes em Centro Dia têm direito: a) À alimentação: pequeno almoço, almoço, lanche e jantar (poderão optar por uma ou mais refeições) b) Ao auxílio durante as refeições se necessário; c) Ao transporte do seu domicílio para o Centro e vice-versa, desde que este serviço não possa ser assegurado pelo próprio ou seus familiares; d) Aos serviços de higiene pessoal quando impossibilitados de os realizarem por si próprios e desde que este serviço não possa ser assegurado por um familiar; e) Aos serviços de lavandaria e rouparia, quando impossibilitados de serem garantidos pelo próprio ou terceiros; f) Ao apoio na saúde: vigilância médica quando considerada necessária, ministração de medicamentos quando acompanhados de receita médica; g) Ao apoio psicossocial, tendo como finalidade o ajustamento do utente a si próprio e à comunidade a que pertence; h) A participar no conjunto de actividades sócio-ocupacionais e de reabilitação, de acordo com as condições existentes. Os utentes em Apoio Domiciliário têm direito: a) À prestação de cuidados de higiene e conforto pessoal; b) Às refeições no domicílio (almoço) sendo estas confeccionadas no Centro Social; c) Ao auxílio durante as refeições, se confirmada essa necessidade; d) À limpeza e arrumações do domicílio, sendo que este serviço será exclusivo para utentes que se encontrem isolados e sem suporte familiar e não tenham capacidade económica comprovada para solicitar a intervenção de terceiros neste domínio; e) Ao tratamento de roupa no Centro em situações em que o utente não tem capacidades de o fazer no seu domicílio e não possa contar com o apoio de familiares ou de terceiros para a prestação deste serviço; f) À realização de serviços externos (diligências a vários níveis); g) Ao apoio na saúde: vigilância médica quando necessária e administração de medicamentos desde que acompanhado de receita médica; h) Ao atendimento psicossocial; i) À participação nas actividades sócio-ocupacionais e de reabilitação, em função das suas capacidades e necessidades.

8 Nº 21 O Centro Social responsabiliza-se por efectuar as diligências necessárias no sentido de assegurar o transporte do utente para o hospital da zona (Hospital Fernando da Fonseca), em caso de urgência. Sendo que o acompanhamento deverá ser feito por um familiar e só na impossibilidade deste ou pela urgência da situação aquele seja garantido pela auxiliar do Centro. Nº 22 Os serviços especiais de saúde, os internamentos quer em estabelecimentos oficiais, quer em casas de saúde particulares, os meios auxiliares de diagnóstico e terapêutica médica, os exames radiológicos e a enfermagem especializada ou permanente são da inteira responsabilidade e encargo dos utentes. Nº 23 Sempre que seja detectada no utente doença infecto-contagiosa ou alteração no quadro de saúde menta, que ponha em causa a saúde e bem estar dos restantes utentes ou do pessoal ou o bom ambiente e funcionamento do Centro, serão convocados de imediato os familiares/responsáveis do utente em causa de forma a solucionar-se em conjunto o problema, que pode ir até ao internamento adequado, com encargos e responsabilidades do próprio e dos seus familiares/responsáveis. CAPÍTULO V Das roupas Nº 24 Para os utentes a admitir em Lar é fornecida aos próprios e ou familiares uma listagem das peças de roupa e outros acessórios que deverão trazer no dia da sua admissão, lista essa que é conferida por uma funcionária responsável pelo sector, ficando o original no Centro Social e uma cópia entregue ao utente ou aos seus familiares/pessoa responsável. Toda a roupa deve ser marcada com uma etiqueta numerada de acordo com o número atribuído. A marcação é da responsabilidade do utente ou seus familiares e na impossibilidade destes será feita pelo Centro. Para os utentes em Centro Dia ou em Apoio Domiciliário que utilizem os serviços de tratamento de roupa do Centro Social, serão tomadas as medidas consideradas necessárias, que poderão ir até à marcação da roupa com uma letra atribuída ao utente para o efeito. O mesmo se aplica aos utentes que usufruam temporariamente dos serviços em Lar. Nº 25 A limpeza e tratamento da roupa, além do vulgar (por exemplo limpeza a seco), é da inteira responsabilidade do utente.

9 Nº 26 Sempre que o utente ou familiar pretenda alterar a constituição do roupeiro deverá comunicar à funcionária responsável de sector para proceder às mudanças necessárias e verificar a marcação das mesmas e dar entrada no processo do utente. CAPÍTULO VI Da Alimentação Nº 27 A ementa é fixada no refeitório no final de cada semana (6ª feira) e é composta pelo seguinte: sopa, prato principal, normal e dieta, e sobremesa. A dieta só é fornecida sob prescrição médica, ou excepcionalmente, quando a situação de saúde do utente o justificar. Nº 28 Os utentes eventuais, e aqueles que após suspensão retomem os serviços deverão, sempre que necessitarem, requisitar os mesmos na véspera sob pena de, no próprio dia, não lhe poderem ser fornecidos estes serviços. Nº 29 Para os utentes em Lar ou Centro de Dia, a alimentação diária é servida no refeitório, no horário fixado. Excepcionalmente, por motivo justificado ou por questões de saúde, poderá ser servida no quarto. No Apoio Domiciliário, as refeições (almoço) serão entregues entre as 11H 30M e as 13H 30M de acordo com a distribuição a ser realizada. Nº 30 Não é permitido aos utentes em Lar conservarem alimentos nos seus quartos, para além de água, sumos, doces secos ou fruta, e estes em tempo determinado e devidamente aprovisionados. CAPÍTULO VII Da Ocupação de Tempos Livres Nº 31 De acordo com as necessidades e interesses da população destinatária, a Direcção, mediante a orientação de pessoal técnico qualificado, providenciará para que os utentes possam usufruir de uma ocupação adequada e de um conjunto diversificado de actividades sócio-ocupacionais, que estimulem as potencialidades de cada indivíduo e promovam a sua autonomia e o interesse por aquilo que os rodeia.

10 CAPÍTULO VIII Do Dinheiro e Valores dos Utentes Nº 32 A Direcção do Centro Social não se responsabiliza por dinheiro, valores e objectos dos utentes internos que não tenham sido declarados (em impresso próprio) e entregues à sua guarda, quer tenham trazido consigo no acto do internamento ou que venham a ser adquiridos posteriormente. Nº 33 Na saída definitiva ou após falecimento do utente, os seus haveres, dinheiro e valores existentes no Centro serão devolvidos, contra recibo (existente no Centro para o efeito) à pessoa responsável ou a quem de direito pertencerem, mas só depois de saldados os encargos e despesas devidos por esse utente. Nº 34 O funeral do utente é sempre da responsabilidade dos seus familiares/responsáveis e herdeiros legais. Nas situações em que não existam uns ou outros, o Centro Social efectuará as diligências necessárias e, em última instância tratará do funeral. Nesta situação ficará sempre com o direito de reaver as despesa com ele efectuadas. CAPÍTULO IX Das Generalidades Nº 35 É permitido ao utente sair das instalações por si só, desde que tenha capacidades para tal, ou acompanhado por familiares ou amigos, devendo para o efeito dar conhecimento prévio aos responsáveis de serviço. Nº 36 Sempre que o utente interno se ausentar por um ou mais dias, independentemente dos motivos e com quem saia, deverá previamente comunicálo à Técnica de Serviço, ou na ausência desta ao responsável nomeado para o efeito, por forma a serem tomadas as diligências necessárias junto dos vários serviços do Centro Social. Nº 37 As ausências referidas no número anterior, mesmo por motivo de férias, não dão direito a qualquer redução no valor da comparticipação mensal.

11 Nº 38 É permitido aos utentes receberem visitas de familiares ou amigos sempre que tal se As visitas poderão ser feitas no salão de convívio e nas salas proporcionadas para o efeito. As visitas nos quartos só serão permitidas pela impossibilidade ou dificuldade do utente se deslocar para as salas. Deverá ser cumprido o horário estabelecido e afixado em local próprio. Nº 39 A desistência definitiva do utente, por sua iniciativa ou do seu responsável, deve ser comunicada por escrito, até ao dia 15 do mês anterior ao da saída. O não cumprimento deste prazo implica o pagamento por completo da mensalidade do mês seguinte. Nº 40 Todos os casos omissos neste Regulamento deverão ser resolvidos pela Direcção do Centro Social e Paroquial São João das Lampas com o parecer da Técnica de Serviços de Idosos.

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMP01.PC02/00 Valores, um desafio... REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) O Centro Social Paroquial de São João das

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA - INFANTIL ANO LECTIVO 2009/2010 Condições e Serviços do Externato João Alberto Faria Infantil I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS 1- O Externato João Alberto Faria - Infantil destina-se

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa Nota Justificativa Considerando a necessidade de estabelecer novos apoios e ir de encontro às necessidades dos idosos e assim contribuir para a dignificação e melhoria das condições de vida deste sector

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I (Natureza e Objectivos) Artigo 1º Caracterização e Localização A Associação Lageosense de Solidariedade Social (adiante designada por

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

Regulamento do Apoio à Infância

Regulamento do Apoio à Infância Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como

Leia mais

REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS

REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL LAR DE IDOSOS SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO SUL E ILHAS REGULAMENTO LAR DE IDOSOS DO SBSI SAMS Lar de Idosos. Rua de Lisboa 431, 2995-566 Brejos de Azeitão. Telefone

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS ENTIDADE PROMOTORA: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO ENTIDADES PARCEIRAS: MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO E CENTRO DE SAÚDE DE SOBRAL

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

CAPÍTULO VIII APROVEITAMENTO DE BENS DESTINADOS A UTILIZAÇÃO DO PÚBLICO

CAPÍTULO VIII APROVEITAMENTO DE BENS DESTINADOS A UTILIZAÇÃO DO PÚBLICO TABELA DE TAXAS E LICENÇAS CAPÍTULO VIII APROVEITAMENTO DE BENS DESTINADOS A UTILIZAÇÃO DO PÚBLICO Utilização das instalações do complexo municipal de piscinas de Santa Marta de Penaguião (Art. 5º do Regulamento

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO LAR

REGULAMENTO INTERNO LAR REGULAMENTO INTERNO LAR www.cprn.pt 2015 REGULAMENTO INTERNO LAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito e Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Casa do Povo de

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-.

Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ficha de Inscrição (Parte A Inscrição Novos Candidatos) Data de entrada: / / N.º de inscrição provisório (Entrada): P-. Ponto de situação da inscrição: Admitido N.º Processo: / / admitida mas interessada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS MUNICIPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS Normas de Funcionamento Preâmbulo O presente documento concretiza e sistematiza o projecto de «Banco de Ajudas Técnicas do Concelho

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos

Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos Centro Social Paroquial da Santíssima Trindade da Tabua Regulamento interno do Lar de idosos Capítulo I Natureza e objectivos Artigo 1º Caracterização e localização O Centro Social e Paroquial da Santíssima

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE ANEXO I Norma I Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da Creche integrada no Centro Social Paroquial de Carnide. 2. A Creche destina-se a crianças

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL. Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas

Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL. Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 º CENTRO DE Recursos DE AJUDAS TÉCNICAS O Centro de Recursos de Ajudas

Leia mais

REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA (BATIP)

REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA (BATIP) REGULAMENTO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA (BATIP) O presente documento concretiza e sistematiza o serviço «Banco de Ajudas Técnicas e Intervenção Psicológica», gerido pela (Re)Integrar

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento Projecto Mobilidade Para Todos Normas de Utilização e Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com grandes condicionalismos no acesso a vários recursos/serviços existentes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º 1. O Centro Social das Antas é uma associação pública de fiéis, também constituída em Instituição Particular de

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE Introdução O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca da Junta de Freguesia de Baguim do Monte. O principal objectivo é salvaguardar o interesse comum de todos

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS INDÍCE Preâmbulo 1 Artigo 1º Âmbito Artigo º Objecto Artigo º Tipos de apoios Artigo 4º Valor e modalidade de apoios económico

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objetivos de intervenção desta Instituição. Face ao atual contexto socioeconómico cujas consequências

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela 1 Preâmbulo O Concelho de Palmela, com aproximadamente 462 Km2, constitui-se como o maior da Península de Setúbal. Caracteriza-se como sendo

Leia mais

Cáritas Paroquial de Vilar

Cáritas Paroquial de Vilar Cáritas Paroquial de Vilar Regulamento Interno Serviço de Apoio Domiciliário 1/14 Índice Capítulo I Enquadramento, Objectivos e Serviços ----------------------------------------------- pag. 3 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL ESCOLA NACIONAL DO BASQUETEBOL REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I O presente regulamento, aprovado pelo Conselho Nacional de Formação de Treinadores, rege a

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 1/13 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ( nº SM ) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito que seja apreciado o pedido de candidatura

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO No quadro do protocolo celebrado em 27 de Março de 2003 entre a Fundação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) 21102015 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR

Leia mais

Regulamento Interno. Lar de Idosos. Sintra 2009. 2.ª Versão. Agosto de 2009. Reg004_Rev0_10 Página 1 de 16

Regulamento Interno. Lar de Idosos. Sintra 2009. 2.ª Versão. Agosto de 2009. Reg004_Rev0_10 Página 1 de 16 Regulamento Interno Lar de Idosos 2.ª Versão Agosto de 2009 Sintra 2009 Reg004_Rev0_10 Página 1 de 16 CAPITULO I Da Denominação e Fins da Casa de Repouso Artigo 1.º Denominação 1- A Fundação Cardeal Cerejeira,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS P á g i n a 1 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação 1. A Benéfica e Previdente Associação Mutualista, com estatuto

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Art.º 1º (Disposições Gerais) 1 A Câmara Municipal de Paredes atribuirá em cada ano letivo as seguintes bolsas de estudo: - 12 bolsas a alunos do 10º ano

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares

Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares Regulamento de Funcionamento e Gestão dos Refeitórios Escolares Nota Introdutória Com este regulamento pretende-se sistematizar um conjunto de normas que disciplinam uma matéria tão importante como é o

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO. EDITAL Nº 238 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO. EDITAL Nº 238 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO EDITAL Nº 238 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2016 A Diretora do Colégio de Aplicação da UFRJ, no uso de suas

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE

REGULAMENTO INTERNO CRECHE REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar MANUAL DE PROCEDIMENTOS Seguro Escolar Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Setembro de 2014 O Seguro Escolar constitui um sistema de proteção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO PROGRAMA CAMINHAMIGA

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO PROGRAMA CAMINHAMIGA REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO PROGRAMA CAMINHAMIGA ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de acesso Artigo 4.º - Serviços prestados

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO. EDITAL Nº 184 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO. EDITAL Nº 184 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO EDITAL Nº 184 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2015 A Diretora do Colégio de Aplicação da UFRJ, no uso de suas

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida.

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida. I Entidade Organizadora AFUM Associação de Funcionários da Universidade do Minho (AFUM), Campus de Gualtar, 4710-057 Braga, Contribuinte n.º 503595772, número de registo 65/DRN. II Objectivo e caracterização

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais