CLÍNICA NEFROLÓGICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS MANUAL DE ROTINAS MÉDICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLÍNICA NEFROLÓGICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS MANUAL DE ROTINAS MÉDICAS"

Transcrição

1 CLÍNICA NEFROLÓGICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS MANUAL DE ROTINAS MÉDICAS Teresina, Março de

2 SUMÁRIO 1. Abordagem da Anemia em paciente renal crônico em Hemodiálise Intercorrências em Hemodiálise Rotina de passagem e retirada de cateter venoso para Hemodiálise Manejo do paciente diabético em diálise Tratamento da hipertensão arterial Manejo da Doença Cardiovascular Doença Óssea Objetivo Controle de Hiperfosfatemia Procedimentos Coleta de sangue antes do trtamento FAV Reuso de dialisadores Descarte de dialisadores e linhas Rotina de processamento dos artigos Limpeza de artigos e máquinas Iniciar Hemodiálise com cateter duplo lúmen Curativo de cateter duplo lúmen Término da Diálise com cateter de duplo lúmen Início da transfusão de sangue Reação a transfusão de sangue Rotinas para paciente com vírus HIV Recursos Humanos Seleção de pacientes para DPAC

3 1. ABORDAGEM DA ANEMIA EM PACIENTE RENAL CRÔNICO EM HEMODIÁLlSE Objetivo: Identificar e investigar em todo paciente em diálise a presença de anemia. Conhecimento Prévio: A anemia é um achado frequente nos pacientes em hemodiálise. Sua presença se associa a uma pior qualidade de vida e menor sobrevida, assim como seu tratamento com medicamentos estimuladores da eritropoiese (MEE) pode elevar o nível de hemoglobina para valores acima do recomendado. Diagnóstico: O diagnóstico de anemia em pacientes adultos (acima de 18 anos) em hemodiálise, deve obedecer aos critérios diagnósticos recomendados para a população geral. Homens: Hb < 13,0g/dl Mulheres e homens acima de 65 anos: Hb < 12,0g/dl Lembrar que este é um critério diagnóstico e não de intervenção; A - Avaliação laboratorial inicial Na admissão do paciente 1. Hb/Ht (com índices hematimétricos) 2. Reticulócitos 3. Ferro sérico 4. Transferrina (capacidade de ligação do ferro) 5. Saturação de transferrina = (FeS ITransf.) x1 00 B - Avaliações laboratoriais subseqüentes 1. Mensal: Hb / Ht (com índices hematimétricos) 2. Trimestral: Fé sérico, transferrina, reticulócitos, saturação de transferrina 3. Após pulso de Ferro - EV (colher 2 semanas após o término) Ht, Fé sérico, transferrina, saturação C - Reposição de Ferro: Dar sempre preferência a reposição endovenosa de Ferro 1. Pulso de Ferro-EV : Quando: sempre que a saturação de transferrina estiver < 20% Como: 100 mg de Fe por sessão de HO até completar 1.000mg (10 sessões) De que forma: Noripurum 1 amp EV em 15 min SF 0,9% ml durante/após HD 2. Manutenção precoce ou intensiva Quando: sempre que a saturação de transferrina estiver entre 20 e 50% e Ht < 30% Como: 100 mg de Fe por semana até completar 10 semanas De que forma: Noripurum 1 amp EV em 15 min SF 0,9% ml durante/após HD 3

4 3. Manutenção tardia Quando: saturação de transferrina > 20% com Ht > 30% Após pulso ou manutenção tardia Como: de 25 a 100 mg de Fe por semana por tempo indeterminado De que forma: a critério médico. Ex: em semanas alternadas. 4. Suspensão Quando: sempre que saturação> 50% com Ht > 30% Como: manter 3 meses sem reposição e repetir exames após este período. 5. Reações adversas Agudas: hipotensão-reduzir a velocidade de infusão. Reação anafilática - suspender a infusão + epinefrina + Corticóide. Tardias: artralgias e/ou mialgias - reduzir dose por infusão ( dose total ou freqüência de infusões). D - Administração de Eritropoietina 1. Quando iniciar: - saturação :2: 50% e Ht < 30% - Ht < 25% - após pulso e manutenção intensiva de Fé-EVe Ht<30% com saturação> 20% 2. Como iniciar: - Via: EV, dividida pelo menos em 2 doses/semana - Dose: U/Kg/semana ( média 6.000Ulsemana) 3. Quando aumentar a dose: - mesmas indicações de iniciar em paciente que já faz uso - como: aumentar 1/3 da dose que está usando 4. Quando reduzir a dose: - Ht > 35% - como: reduzir 1/3 da dose Darbepoétina: Dose inicial: 0,45ug/kg/semana ou 0,75ug/kg a cada 2 semanas Dose manutenção: 20% - 30% menor que a dose usada na fase de correção. C.E.R.A: Dose inicial: 0,6ug/kg, a cada 2 semanas Dose manutenção: ug a cada duas semanas ou ug a cada mês. 4

5 E - Transfusão de sangue 1. Indicação absoluta: Ht < 18% 2. Indicações relativas: - Ht entre 18 e 24% - Se: ICC ou ICO grave OPOC Sintomatologia - adinamia, dispnéia, vertigens Em vigência de quadro infeccioso F - Mudança na Anticoagulação - É frequente a melhora da coagulação a medida que o hematócrito se eleva acima de 30%, ocorrendo conseqüente queda no reuso e aumento das perdas sanguíneas. Deste modo pode ser necessária mudança na dose de heparina e/ou introdução de anti-agregante plaquetário. -Quando: quando ocorrer queda significante no reuso ou coagulação do sistema. -Como: 1 fazer uma curva de TCA ( tempo de coagulação ativado) e, se necessário, corrigir a curva aumentando a dose de heparina ou fracionando o bolus. 2 se a curva de TCA estiver adequada, deve-se introduzir um anti-agregante plaquetário (AAS 200mg/dia). G - Resistência a Eritropoietina - Quando: apesar da literatura considerar não resposta a EPO apenas quando se alcança a dose de 300 U/Kg/semana e não há elevação do Ht em 4 a 6 semanas em paciente com estoque de Ferro adequado, optamos por investigação mais precoce pela dificuldade em se alcançar esta dose em nosso meio. Assim sugerimos iniciar a investigação quando alcançada a dose de U/semana e não houver elevação do Ht em 4 a 6 semanas, em pacientes com saturação> 20%. - Como investigar (triagem) 1. Infecção / inflamação crônica: hemograma + VHS 2. Perda crônica de sangue: paciente que mantém saturação de transferrina sempre baixa apesar de reposição adequada de ferro. - checar reuso - pesquisar sangue oculto nas fezes - avaliar perda menstrual 5

6 3. Osteíte fibrosa: Ca, P, FA, PTH, Biópsia óssea 4. Intoxicação por alumínio - Ca,P, FA, PTH, teste de desferroxamina, Biópsia óssea. 5. Outras causas: hipotireoidismo, neoplasias, hemoglobinopatias, hemólise (hiperesplenismo), desnutrição. 6

7 ALGORÍTIMO PARA ABORDAGEM DA ANEMIA (Ht < 30%) SATURAÇÃO DE TRANSFERRINA SAT < 20% SAT entre 20 e 50% SAT > 50% PULSO MANUTENÇÃO INTENSIVA INICIAR EPO OU 1/3 DA DOSE HEMOTÓCRITO APÓS 30 DIAS MANUTENÇÃO TARDIA ELEVAÇÃO QUEDA OU ESTABILIDADE HT > 30% HT < 30% NOVA SATURAÇÃO INVESTIGAR PERDAS MANUTENÇÃO TARDIA MANUTENÇÃO INTENSIVA HT > 30% HT < 30% MANUTENÇÃO TARDIA INICIAR EPO OU 1/3 DA DOSE + MANUTENÇÃO TARDIA 7

8 2. INTERCORRÊNCIAS EM HEMODIÁLlSE A - HIPOTENSÃO Causas relacionadas à excessiva redução no volume sangüíneo - flutuações na taxa de UF - altas taxas de UF (para tratar grandes ganhos de peso interdialítico) - peso seco almejado muito baixo - solução de diálise com concentração de Na muito baixa Causas relacionadas à perda de vasoconstricção - solução de diálise contendo acetato - solução de diálise muito quente - ingestão alimentar (vasodilatação esplâncnica) - isquemia tecidual (agravada por baixo hematócrito ) - Neuropatia autonômica (diabético) - medicações antihipertensivas Causas relacionadas a fatores cardíacos - débito cardíaco dependente do enchimento cardíaco (disfunção diastólica devido à HVA, doença cardíaca isquêmica) - falha em aumentar a FC (uso de β-bloqueador, neuropatia autonômica urêmica, idosos) - inabilidade de aumentar a DC por outras razões (contratilidade miocárdica t pela idade, hipertensão,arteriosclerose, calcificação miocárdica, doença valvar, etc.). Causas incomuns - Tamponamento cardíaco - Infarto do miocádio - Hemorragia oculta - Sepse - Arritmia - Reação ao dializador - Hemólise - Embolia gasosa Tratamento - colocar o paciente em posição de trendelemburg - bolus de solução salina 0,9% na linha venosa ( ml) - reduzir a taxa de UF - solução hipertônica de sódio ( NaCI 10 ou 20% ) ou glicose (benefício quando houver cãibra associada) - redução do fluxo sangüíneo (quando hipotensão severa e sem resposta às medidas anteriores). - diminuir temperatura do banho de diálise. 8

9 Estratégias para prevenir hipotensão durante hemodiálise - Usar máquinas de diálise com controle de UF sempre que possível - Orientar o paciente a limitar a ingestão de sal e o ganho de peso interdialítico, idealmente < 1 Kg/dia. - Não ultrafiltrar quando o paciente estiver abaixo do peso seco. - Manter o Na da solução de diállse igualou acima do nível sérico de Na ou utilizar diálise com gradiente de Na (controverso) - Administrar medicações antihipertensivas após a diálise e não antes - Uso de solução de diálise com bicarbonato - Assegurar o Hematócrito > 33% antes da diálise - Não administrar alimentos ou glicose oral durante diálise em pacientes que tendem à hipotensão. - Considerar o uso de agonista adrenérgico durante a diálise. B - CÃIBRAS MUSCULARES Fatores Predisponentes - hipotensão - paciente abaixo do peso seco - uso de soluções de diálise com concentrações de Na baixas - cãibras crônicas das pernas Tratamento - dilatação do leito vascular com soluções hipertônicas - glicose hipertônica é preferida em não-diabéticos - NaCI 10 ou 20% ml ou glicose 50% 5-10 ml Prevenção - Aumento do Na na solução de diálise para 145 meq/l - Estratégias de variação de Na em pacientes com cãibras refratárias ( meq/l no início com redução linear para meq/l no final do tratamento. - Vitamina E 4000U à noite, suplementação com carnitina, exercícios de alongamento. C - SíNDROME DAS PERNAS INQUIETAS queixa subjetiva, sensação irritante e profunda nos músculos dos membros inferiores, especialmente panturrilhas, aparece em repouso, com alívio durante movimentação das pernas. Tratamento - agonistas da dopamina como L-dopa (Sinemet) - benzodiazepínicos - Clonazepan 9

10 D - NÁUSEAS E VÔMITOS Causas - ocorrem em > 10% dos tratamentos - maioria dos episódios relacionados com hipotensão - síndrome de desequilíbrio - reações ao dialisador - manifestações não relacionadas com a diálise ( hipercalcemia) Tratamento - Tratar a hipotensão - Antiemético (plasil 2cc EV diluído ou Dramin 86 1 ampola EV) E - CEFALÉIA Causas - sintoma comum durante hemodiálise - síndrome de desequilíbrio - abstinência da cafeína ( por retirada na diálise, em pacientes que ingerem grandes quantidades de café) - pico hipertensivo - sangramento intracraniano Tratamento - aferir a pressão arterial - antihipertensivo se necessário - analgésico VO ( dipirona, acetaminofen ) ou EV dependendo da intensidade da dor. - Se houver suspeita de sangramento intracraniano - Tomografia computadorizada de crânio; reduzir ou até não administrar heparina na diálise. F - DOR TORÁCICA Dor torácica leve ocorre em 1-4 % das diálises Causas - hipotensão - arritmia - angina - hemólise - embolia gasosa - causa desconhecida Tratamento - aferir a pressão arterial - oxigênio nasal 3L1min - reduzir o fluxo dede sangue (? ) - reduzir a UF para zero - tratar a hipotensão imediatamente - Isordil SL se não houver hipiotensão e se a dor sugere angina - SE PERSISTIREM OS SINTOMAS DESLIGAR A HEMODIÁLlSE 10

11 G - PRURIDO comum em pacientes em diálise e algumas vezes durante a diálise Causas - hipersensibilidade em baixo grau ao capilar ou a componentes do circuito sanguíneo ( acompanhado de outros sintomas alérgicos) - xeratodermia - hiperfosfatemia,produto Cálcio x Fósforo elevado Tratamento - anti-histamínico ( polaramine VO, allegra 120 mg 1 cp/dia ) - esteróide ( evitar uso freqüente) - hidratação e lubrificação da pele com hemolientes - uso de sabonete de glicerina - Se hiperfosfatemia - uso de quelantes de fósforo VO - maior dose de diálise (? ) H - HIPERTENSÃO ARTERIAL Causas - hipervolemia (principal causa) - ingestão excessiva de sal - elevação do hematócrito ( uso de eritrropoietina em doses elevadas) - remoção das medicações antihipertensivas Tratamento 1. Modificações no estilo de vida: moderar ingestão de sal, aumentar atividade física, limitar ingestão de álcool, evitar tabagismo, reduzir ingestão de gorduras saturadas e colesterol. 2. Atingir o peso seco com diálise e/ou diurético 1. Insistir no peso seco e modificações do estilo de vida 2. Iniciar tratamento farmacológico: antagonistas de canal de cálcio, inibidores da ECA, betabloqueadores, agentes antiadrenérgicos 3. Titular a dose máxima. 1. Adicionar uma segunda droga 1. Avaliar causas de hipertensão resistente: não adesão ao tratamento, interação de drogas, administração de eritropoietina, hipertensão secundária 2. Considerar CAPD 3. Considerar nefrectomia ( cirúrgica x embolização ) 11

12 I - SíNDROME DE DESEQUILÍBRIO conjunto de sintomas sistêmicos e neurológicos que podem ocorrer durante ou após a hemodiálise, geralmente nas primeiras sessões, usualmente nas primeiras 24 horas após diálise e duram algumas horas Manifestações clínicas - náuseas, vômitos, fadiga, hipertensão, tremores, cefaléia, agitação, convulsões, delírio e coma. Causas - redução rápida dos solutos plasmáticos durante a diálise - alterações agudas no ph do líquido cérebro-espinhal durante a HD Condições que mimetizam - hemorragia intracraniana - subdural, subaracnóide ou intracraniana - alterações metabólicas = estados hiperosmolares, hipercalcemia, hipoglicemia, hiponatremia. - infarto cerebral - hipotensão - excessiva UF, arritmia cardíaca, infarto do miocádio, anafilaxia - intoxicação por alumínio ( subaguda ) Tratamento - Desequillbrio leve: Tratamento sintomático Reduzir o fluxo sanguíneo Interromper a diálise mais precocemente - Desequillbrio severo (com covulsões): Interromper a diálise Suporte clínico Manitol EV pode ser útil Prevenção - Não prescrever tratamento muito agressivo nas primeiras sessões de HD - Em paciente hipernatrêmico, usar Na em concentração próxima' à do sangue, para reduzir lentamente o Na. J - REAÇÕES AO DIAlISADOR antigamente eram conhecidas como" síndrome do primeiro uso" pois ocorriam mais freqüentemente quando capilares novos eram usados. Tipo A : reação severa tipo anafilactóide. Sensação de calor/queimação no local da FAV ou através do corpo, dispnéia. Casos mais leves podem ter somente prurido, tosse,sibilos, urticária, lacrimejamento. Causa: relacionada ao uso de óxido de etileno, solução de diálise contaminada, Água contaminada, heparina. Tratamento: interromper a diálise imediatamente Desprezar capilar e linhas sem devolver o sangue Suporte cardiorrespiratório imediato Hidrocortisona 0,5-1 9 EV Aminofilina EV (se broncoespasmo) Utilizar capilares novos previamente reprocessados 12

13 Tipo B: dor torácica é a principal manifestação. Sintomas podem iniciar nos primeiros minutos da diálise ou mais tardiamente. Geralmente a diálise pode ser continuada. Tratamento: Suporte clínico Oxigênio nasal Reduzir fluxo sanguíneo Recirculação do sistema Prosseguir a diálise L- HEMÓllSE HEMÓLISE AGUDA DURANTE HEMODIÁLISE É UMA EMERGÊNCIA Sintomas - dor lombar - opressão torácica - dificuldade para respirar - sangue na linha venosa com aspecto de vinho do porto" - queda importante no hematócrito - hipercalemia com repercussões cardíacas, fraqueza muscular podendo haver parada cardíaca. Causas - alterações nas linhas e conexões que levam a excessivo trauma dos eritrócitos - alterações na solução de diálise ( superaquecimento, solução hipotônica, contaminação com formaldeído, hipoclorito ou nitratos. Tratamento - Parar a bomba de sangue imediatamente - Não devolver o sangue - desprezar o sistema completo. - avaliar e tratar a hiperpotassemia e possível queda de hematócrito - internar o paciente - ficar atento para a possibilidade de hemólise tardia. M - EMBOLlA GASOSA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA passagem de ar através de capilares pulmonares e o VE pode resultar em embolização do ar para artérias do cérebro e coração, com disfunção neurológica e cardíaca. locais mais comuns de entrada de ar : agulha arterial, linha arterial pré-bomba, cateter venoso central inadvertidamente aberto. Sintomas - dor torácica, dispnéia súbita e progressiva com sensação de sufocação, cianose Tratamento - clampear a linha venosa e desligar imediatamente a bomba sanguínea - colocar o paciente em decúbito lateral esquerdo, com tórax e cabeça inclinados para baixo - suporte cardiorrespiratório 13

14 N- ARRITMIAS Risco elevado: presença de alterações cardiovasculares como HVE, doença cardíaca isquêmica, idosos Tratamento : - se arritmia severa = suspender hemodiálise - tratamento farmacológico - considerar diálise peritoneal se ocorrência freqüente. O - EDEMA AGUDO DE PULMÃO Sintomas - opressão torácica - dispnéia intensa, cianose - pico hipertensivo associado - secreção rósea na via aérea Causas - hipervolemia - insuficiência cardíaca - hipertensão severa, geralmente associada a hipervolemia Tratamento - assistência ventilatória imediata - oxigênio sob cateter nasal ou máscara 4-5 litros/min - manter o paciente sentado com os pés pesdentes - aferir a pressão arterial - Medicações: - furosemida EV mg EV. Manutenção 0,1 a 0,4 mg/kg/hora. - vasodilatadores - nitroprussiato de sódio =1 ampola 50mg + SG 5% 250 ml - dinitrato de isossorbida ( isordil ) - 5 mg SL a cada minutos - propatilnitrato ( sustrate ) - 10 mg SL a cada minutos - broncodilatadores - aminofilina - 1 ampola + 50 ml de SG 5% em 5 minutos, a seguir infusão contínua de 0,5 mg/hora - cedilanide - meia ampola EV diluída em AO - Enquanto é feita estabilização do quadro deve ser providenciado acesso vascular para hemodiálise naqueles pacientes virgens de tratamento dialítico, de preferência punção femural, em virtude do quadro de dispnéia geralmente intensa. - Ultrafiltração mais acentuada nas primeiras horas de tratamento deve ser instituída - à medida em que a ultrafiltração ocorrer deve ser reduzida progressivamente a dose do nitroprussiato de sódio, para evitar hipotensão severa. 14

15 3. ROTINA DE PASSAGEM E RETIRA DA DE CATETER VENOSO PARA HEMODIÁLlSE A. O paciente deve toma banho previamente a passagem do cateter B. Assepsia rigorosa: lavar e escovar as mãos, usar máscara, avental e campos. Pintar uma área grande adjacente à região a ser canulada C. Escolha do acesso PRIMEIRA OPÇÃO: v. jugular interna direita SEGUNDA OPÇÃO: não estabelecida * OBSERVAÇÕES: - v. subclávia : risco de estenose ( ± 50% ). Puncionar contra-lateral ao acesso vascular presente ou planejado. - v. jugular interna esquerda: obstrução mecânica freqüente - v. femural : PERMANÊNCIA < 48 HORAS. Utilizar cateteres longos (>20 cm). RECIRCULAÇÃO IMPORTANTE. v. jugular interna direita: para quem tenha EXPERIÊNCIA. a) Observar fluxo testando com uma seringa de 20 ml b) Orientar a posição dos furos quando em posição Subclávia (azul para cima) D. verificar posição intratorácica da ponta do cateter por radiologia (Rx ou radioscopia) SEMPRE.!! E. Dialisar imediatamente se possível F. Após o término da diálise, realizar flush com soro fisiológico 20ml, 3 vezes em cada via. G. HEPARINIZAR o cateter adequadamente: de acordo com a indicação no cateter. Não esquecer de aspirar na próxima sessão de hemodiálise. H. FIXAÇÂO com fio mononylon 3-0. Não estrangular o cateter. I. UTILIZAR povidine tópico no local de saída, gaze seca. TROCAR o curativo a cada sessão de hemodiálise. J.ORIENTAR o paciente em relação aos cuidados com o cateter. L. INFECÇÃO LOCAL - somente hiperemia =iniciar tratamento tópico com mupirocina ou ácido fusídico (7-10 dias) - celulite ou presença de secreção = colher cultura da secreção iniciar antibiótico VO - cipro avaliar resposta após horas checar cultura - tratar 7-14 dias - se tiver febre - colher hemocultura 15

16 - RETIRAR O CATETER SE : BACTEREMIA I FUNGEMIA I INFECÇÃO DE TÚNEL I SINAIS DE INFECÇÃO SISTÊMICA M - BACTEREMIA relacionada ao cateter: - colher hemocultura - RETIRAR cateter imediatamente se : ( enviar para cultura) - INFECÇÃO NO LOCAL DE SAíDA I TÚNEL - AUSÊNCIA DE OUTRO FOCO SECUNDÁRIO - INFECÇÃO POR GRAM POSITIVO (especialmente S. aureus) - iniciar antibioticoterapia pareriteral ( vancomicina + amicacina ) manter por dias dependendo da evolução e da bacteriologia SE PERSISTIR FEBRE e/ou HEMOCUL TUIRAS POSITIVAS após 3 dias da retirada do cateter: Ecocardiograma trans-esofágico Pesquisar outros focos metatáticos OBSERVAÇÃO: após a retirada do cateter e início do tratamento, NÃO está contra- indicada a passagem de outro cateter num outro sítio. NÃO há necessidade de se utilizar acesso femoral. NÃO traçar cateter com fio guia; realizar tal procedimento somente quando houver obstrução mecânica e ausência de infecção local. 4. MANEJO DO PACIENTE DIABÉTICO EM DIÁLISE Objetivo: Estabelecer padrões de conduta para otimizar o controle glicêmico nos diabéticos em tratamento dialítico. O controle glicêmico intensivo está associado à redução e ao retardo da progressão da microangiopatia diabética, inclusive em portadores de doença renal crônica. Recomendações: a) Tratamento não medicamentoso: Restrição hídrica de acordo com o volume urinário Rígida orientação dietética Exercício físico Abandono do tabagismo Moderação no consumo de bebidas alcoólicas b) Tratamento medicamentoso com Insulinoterapia: As insulinas que serão utilizadas são a NPH e a insulina rápida ou simples, com possibilidade de prescrevermos análogos basais ou de ação ultra-rápida em pacientes que não consigam obter um bom controle ou que apresentem variabilidade glicêmica importante, ou mesmo hipoglicemias freqüentes. (tabela 2) A diálise interfere não apenas com os horários de alimentação do paciente, mas diretamente com os níveis da glicose sanguínea, já que esta é dializada, propiciando maior chance de hipoglicemias. Assim, do ponto de vista prático, devemos estabelecer dois esquemas 16

17 de insulinoterapia, ou seja, para os dias de diálise e para os sem diálise. Outro ponto importante é não suspender a insulina nos portadores de DM1, devido ao risco da cetoacidose. 5. TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL Objetivo: Estabelecer padrões de conduta que otimizem o manejo clínico dos indivíduos portadores de hipertensão arterial sistêmica (HAS) em tratamento dialítico. A principal relevância da identifcação e controle da HAS reside na redução das suas complicações, tais como: Doença cérebro-vascular Doença arterial coronariana Insufciência cardíaca Doença arterial periférica Recomendações a) Tratamento não medicamentoso: Restrição hídrica de acordo com o volume urinário Controle do peso: instruir o paciente a não ganhar mais que 3% de seu peso corporal entre as sessões de diálise Redução do consumo de sal: abaixo de 5,0 g (85 meq/dia) de sal por dia Controle na prescrição do sódio no dialisato Exercício físico Abandono do tabagismo Moderação no consumo de bebidas alcoólicas Controle do estresse psicoemocional b) Tratamento medicamentoso: Os objetivos principais do tratamento da hipertensão arterial são: diminuição da pressão arterial para níveis normais e diminuição dos riscos cardiovasculares. Fármacos anti-hipertensivos da relação nacional de medicamentos essenciais A. Diuréticos via oral: a maioria dos pacientes portadores de DRC devem ser tratados com diurético de alça caso apresentem diurese. Furosemida 40 mg B. Bloqueadores adrenérgicos Atenolol 50 e 100 mg Cloridrato de propanolol 10 e 40 mg Metildopa 250 mg C. Bloqueadores de canais de cálcio Besilato de amlodipina 5 e 10 mg Nifedipina Retard 10 e 20 20mg Cloridrato de verapamil 80 e 120 mg D. Vasodilatadores Cloridrato de hidralazina 25 mg 17

18 E. Inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA): Captopril 25 mg Maleato de enalapril 5 e 20 mg 6. MANEJO DA DOENÇA CARDIOVASCULAR Objetivo: Estabelecer padrões de conduta que otimizem o manejo clínico das doenças cardiovasculares (DCV) em pacientes em diálise, focando em identificação precoce, modificação de fatores de risco e intervenção. Recomendações: Identificação de DCV Ecocardiograma doppler anual. Avaliação Cardiológica - Alteração na motilidade segmentar no ECO - 3 dos fatores de risco tradicionais. - História de insuficiência vascular periférica e AVC - Pacientes com sinais e sintomas de insuficiência coronariana Fatores de riscos: Idade avançada, sexo masculino, raça branca, hipertensão arterial, LDL elevado, HDL diminuído, diabetes, menopausa, fumo, sedentarismo, história familiar de DCV, estresse psico-emocional, etc 7. DOENÇA ÓSSEA 7.1 Objetivo: Prevenção e detecção precoce da doença óssea em pacientes submetidos à diálise. Além dos efeitos deletérios sobre os ossos, este distúrbio mineral se associa com calcificação cardiovascular e mortalidade. 7.2 Controle de Hiperfosfatemia: RECOMENDAÇÕES: Níveis e freqüência: fósforo (P) de 3,5 a 5,5 e deve ser dosado mensalmente. Avaliação da ingestão dietética: ingestão dietética de P: entre 800 e 1.000mg/dia, respeitando a recomendação de pelo menos 1,0g de proteína/kg/dia (50% de proteína de alto valor biológico), desde que o P sérico não esteja abaixo de 3,5mg/dl; Uso de quelantes de fósforo: Quelantes à base de Ca ou cloridrato de sevelamer, pode-se utilizar uma combinação de ambos os quelantes. Ex: Carbonato de cálcio, acetato de cálcio e sevelamer. -Dose de diálise: aumento da freqüência. Hipercalcemia associada a: PTH< 300pg/mL: dialisato com Ca de 2,5mEq/L Interromper tratamento com Vit. D Mudar quelante à base de Ca 18

19 PTH > ou= 300pg/mL: Mudar quelante à base de Ca Dialisato com Ca 2,5mEq/L por 2 meses Avaliar necessidade de PTX Prevenção e tratamento do Hiperparatireoidismo secundário - Dose inicial do calcitriol: PTH I pg/ml Ca total MG/dl p mg/dl caxp Calcitrol oral ug Calcitrol venoso ug < 9,5 <5 <55 0,5 1,5 0,5 1, < 9,5 <5 < > 1000 < 10 <5 < Biópsia óssea: Padrão ouro para ODR Indicação: incongruência dos parâmetros bioquímicos; Fx óssea atraumatica; calcificação vascular; hipercalcemia de causa indeterminada; intoxicação por alumínio, etc. Paratireoidectomia Indicaçções: - Hiperparatireoidismo secundário grave - Persistência HPS após um ano de transplante Intoxição por alumínio Prevenção: - Evitar quelantes de fósforo à base de alumínio - Monitorisar concentração de Al na água semestralmente Diagnóstico: Teste com desferoxamina (Desferal - DFO) Tratamento: DFO 5 mg/kg, EV, diluído em 100ml de SF 0,9% ou SG 5%, durante 30 min, uma vez por semana, após o término da primeira sessão de HD da semana. Em CAPD, DFO deve ser administrado, via intraperitoneal na troca noturna. 19

20 SERVIÇO DE NEFROLOGIA - HGV COLETA DE SANGUE ANTES DO TRATAMENTO FAV PROPÓSITO: COMPETÊNCIA: MATERIAL: Coletar amostras de sangue para realização dos exames. Téc. enfermagem > Tubos de coleta apropriados, identificados com o nome do paciente > Luvas de procedimentos > Agulhas de F AV > Algodão embebido em álcool a70% PROCEDIMENTO 1. Puncionar o paciente, fixar a agulha arterial ao membro do paciente 2. Retire a tampa do tubo de amostra 3. Retire a tampa da linha da agulha e coloque a extremidade no tubo de amostra 4. Clampeie novamente a agulha 5. Tampe os tubos, balançando-os levemente para misturar o sangue com a solução anticoagulante. 6. Coloque os tubos em local destinado. LÓGICA Certifique-se que a punção foi satisfatória Tire o clamp da agulha e encha o tubo até o nível adequado Tome cuidado para não contaminar a extremidade da linha da agulha Tampe a extremidade da agulha da FAV 20

21 SERVIÇO DE NEFROLOGIA - HGV REUSO DE DIALISADORES PROCEDIMENTO: COMPETÊNCIA: MATERIAL: Retirada de sangue do dialisador e preparar o próximo reuso Deixar o sistema pronto para o próximo uso Proveta graduada Pêra Equipamento de proteção individual PROCEDIMENTO 1. Receber o dialisador da sala, desconectar sets artéria e venosa 2. Lavar o compartimento de sangue com um jato de água pelo lado arterial e venoso 3. Preencher o compartimento de banho com água, fechar a saída com garra hansen, colocando o dialisador sob pressão (ultrafiltração reversa, em posição horizontal 4. As linhas devem ser lavadas com água sob pressão, para retirar todo o reísduo de sangue 5. Deixar o dialisador na pressão até a limpeza das fibras 6. Dar novo jato no compartimento de sangue 7. Aferir o priming das fibras, usando uma proveta graduada e uma pêra LÓGICA Pressão 25 a 30 PSI Usar o mesmo compartimento onde se encontra o dialisador do paciente Em torno de 20 minutos Abre as fibras O dialisador será reutilizado no máximo até 12 vezes e será desprezado antes, casa haja: Priming abaixo de 80%, ruptura das fibras ou coagulação das fibras. O número de reuso poderá ser alterado de acordo com a portaria vigente. Anotar o priming no controle mensal de reuso 21

22 Continuação - REUSO DE DIALISADORES PROCEDIMENTO 8. Se o volume das fibras for maio ou igual a 80% do volume inicial, montar o dialisador deixando o sistema fechado na entrada do soro, abrir a pinça e deixar por gravidade o esterilizante chegar o meio do catabolhas 9. Retirar o restante do ar pelas linhas catabolhas 10. Fechar uma linha do catabolha com conexão apropriada 11. Desligar a bomba de sangue, caso esteja sendo usada, fechar o compartimento de banho 12. Pinçar a linha do soro e com as conexões fechar as linhas do soro e do catabolhas 13. Conferir o sistema e a depósito do paciente, guardando-o em local designado LÓGICA Quando o volume de fibras estiver próximo a 80% preenche-lo com desinfetante e colocá-lo novamente na pressão e realizar nova retirada de priming Deixando o sistema recircular e abrir as pinças do catabolha Com a outra linha de catabolhas preencher o compartimento de banho 22

23 SERVIÇO DE NEFROLOGIA - HGV DESCARTE DE DIALISADORES E LINHAS PROPÓSITO: ambiental RESPONSÁVEL: MATERIAL: RESPONSÁVEL: Reduzir o risco de contaminação Técnico de Enfermagem Seringa de 20 ml: Hipoclorito de sódio a 1 % PROCEDIMENTO 1. Descarte após 20 utilizações ou priming menor que 80% 2. Preencher o sistema com 20ml de hipoclorito a 1% através do catabolhas e recircular por 3 minutos LÓGICA Segundo portaria 082/MS Reduzir contaminação 3. Desprezar em lixo contaminado 4. Procedimento deve ser realizado para descarte de capilares e linhas de todos os pacientes, independentes da sorologia 23

24 SERVIÇO DE NEFROLOGIA - HGV ROTINA DE PROCESSAMENTO DOS ARTIGOS ARTIGO PERIODICIDADE PROCESSAMENTO Tampas de CDL Conexões de linha para recirculação Pinças de Reynald Capilares e linhas de paciente HIV+ ECG Jogo de laringoscópio Tubos do aspirador Estéril a cada diálise Estéril sempre que for usar Após cada turno Final dos turnos e sempre que houver contaminação Após cada paciente Após cada uso Semanalmente Após cada uso Semanalmente Após cada uso Semanalmente Autoclavação Autoclavação Limpeza prévia com água e sabão e emergir em solução de hipoclorito de sódio a 6% e desincrustação com ácido a 30% Descartável Limpeza mecânica com álcool a 70% Fricção mecânica com álcool a 70% Limpeza prévia + imersão no hipoclotito por 30 minutos 24

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. ADEROGIL Gotas acetato de retinol colecalciferol APRESENTAÇÃO Solução oral: frasco conta-gotas

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A 1. Considerando um caso fictício foi prescrito SF 0,45% de 500mL. Porém na sua unidade há disponível somente SF 0,9% de 1000mL, frasco de água destilada de 500mL e ampola de NaCl 20% de 10mL. Como você

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

Vias de administração

Vias de administração Vias de administração Parenteral Intravenosa: I.V. Intraperitoneal: I.P. Intramuscular: I.M. Subcutânea: SC Intradérmica: ID Infiltração Local Aplicação tópica Considerações Antes de tudo: Observação Treinamento

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

VASCLIN mononitrato de isossorbida + ácido acetilsalicílico Cápsulas

VASCLIN mononitrato de isossorbida + ácido acetilsalicílico Cápsulas VASCLIN mononitrato de isossorbida + ácido acetilsalicílico Cápsulas USO ORAL USO ADULTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Cápsulas com 40 mg de mononitrato de isossorbida e 100 mg de ácido acetilsalicílico.

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Manejo de situações de urgência/emergência

Manejo de situações de urgência/emergência Cauterização química de pequenas lesões 19042027 I Ceratolítico (para verruga ou calo) Vaselina Micropore Espátula Manejo de situações de urgência/emergência Situações de urgência Todas as unidades primárias

Leia mais

Terapia de Reposição. Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1

Terapia de Reposição. Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1 Terapia de Reposição Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1 INTRODUÇÃO As agências reguladoras de vários países já aprovaram a utilização da proteína alfa-1 antitripsina (AAT) derivada

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE Cloridrato de sevelâmer Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Tracur besilato de atracúrio Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tracur besilato de atracúrio APRESENTAÇÃO Solução Injetável

Leia mais

SOLUÇÃO DE MANITOL 20% manitol

SOLUÇÃO DE MANITOL 20% manitol Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável SISTEMA FECHADO Solução de manitol 20% (manitol 200 mg/ml): frascos e bolsas de plástico transparente contendo 250 ml. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E

Leia mais

Sustrate. propatilnitrato. APRESENTAÇÃO Comprimido propatilnitrato 10 mg Embalagem com 50 comprimidos. VIA SUBLINGUAL USO ADULTO

Sustrate. propatilnitrato. APRESENTAÇÃO Comprimido propatilnitrato 10 mg Embalagem com 50 comprimidos. VIA SUBLINGUAL USO ADULTO Sustrate propatilnitrato APRESENTAÇÃO Comprimido propatilnitrato 10 mg Embalagem com 50 comprimidos. VIA SUBLINGUAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: propatilnitrato... 10 mg; excipientes q.s.p....

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Administração de oxigênio, a uma pressão maior que a encontrada no ar ambiente, para aliviar e/ou impedir hipóxia tecidual. FINALIDADE Fornecer concentração adicional de oxigênio

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco

Leia mais