MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIDAS ASSECURATÓRIAS"

Transcrição

1 MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o Código de Processo Penal reservou o Título VI para tratar de matérias que devem ser analisadas antes de se adentrar ao mérito de uma ação penal. O Título VI é descrito com a seguinte locução: DAS QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES. A doutrina separa o assunto em Questões Prejudiciais, que são cuidadas no Juízo Cível, e Processos Incidentes, nos quais se discute: a) questões tipicamente preliminares, b) questões de natureza acautelatórias e c) questões tipicamente probatórias. É válido ressaltar, conforme respeitado doutrinador, que não se trata efetivamente de processo, na acepção técnica do termo, mas de procedimento, pois o processo continua o mesmo, propiciando-se, apenas, o surgimento de procedimentos novos e secundários, voltados a resolver matérias igualmente secundárias. Dentre esses procedimentos incidentes, estão as Medidas Assecuratórias que visam genericamente cuidar de questões de natureza acautelatórias sem maiores interferências na solução do caso penal.

2 Destacam-se nesse procedimento dois objetivos específicos: funcionar como garantidor da efetividade da ação civil ex delicto, principalmente na fase de execução, e atuar como obstáculo à continuidade de práticas criminosas por meio material ilícito ou produto de crime. É fracionado em três espécies, a saber, seqüestro, arresto e inscrição de hipoteca. Vejamos cada uma com suas especificidades. 2. SEQUESTRO Na concepção de Guilherme de Souza Nucci, consiste no ato de reter os bens moveis e imóveis do indiciado ou acusado, ainda que em poder de terceiros, quando adquiridos com o proveito da infração penal, para que deles não se desfaça, durante o curso da ação penal, a fim de viabilizar a indenização da vitima e impossibilitar ao agente usufruir do provento do ato criminoso. Um ponto de grande importância se faz necessário ressaltar a princípio, é o fato de que, no Código de Processo Penal, o termo SEQUESTRO, diferentemente da acepção técnica definida pela doutrina (retenção da coisa litigiosa até que se eleja o seu autêntico dono) é utilizado no para recolher os proventos do crime, de modo a assegurar indenização à parte lesada e impedir que alguém aufira lucro com a pratica delitiva. Porém não havendo ofendido a requerer indenização, serão os proventos do crime confiscados pela União, nos termos do art. 91, II, b, do Código Penal. Outro aspecto importante é o fato de ser inadmissível o sequestro emanado de Comissões parlamentares de Inquérito (CPIs), em face do que já decidiu o Supremo Tribunal Federal, pois apesar destas possuírem poderes investigatórios típicos de juiz, não se pode considerar parte da investigação a indisponibilidade de bens.

3 2.1. Requisito Requisito essencial para o sequestro é a demonstração, nos autos, da existência de indícios veementes da procedência ilícita dos bens. Além da prova indiciária, torna-se indispensável que ela seja veemente, ou seja, não são quaisquer indícios que servirão para fundamentar o sequestro, pois a privação dele resultante recai sobre o direito de propriedade, que é constitucionalmente assegurado, mas somente àqueles que forem vigorosos. Os indícios veementes devem apontar para a origem ilícita dos bens e não para a responsabilidade do autor da infração penal. Busca-se uma quase certeza da proveniência ilícita do bem sequestrável, a fim de que seja propícia a decretação da medida assecuratória Procedimento A possibilidade de provocação do instituto em tela se mostra de forma muito ampla, uma vez que a lei conferiu sua iniciativa ao Ministério Público, ao ofendido, seu representante legal ou seus herdeiros, à autoridade policial condutora das investigações e ao próprio magistrado, agindo de oficio. Decretado o seqüestro nos autos do procedimento incidente, é suficiente que determine o juiz a expedição de mandado para sua inscrição no Registro de imóveis, com fulcro no artigo 239 da Lei 6.015/73. Assim fazendo, não é possível que o imóvel seja vendido a terceiros de boa fé, uma vez que qualquer certidão extraída do Registro de Imóveis, o que é fundamental para uma boa transação, acusará a indisponibilidade do bem.

4 Caso seja o imóvel objeto de compra e venda, a despeito do sequestro, o terceiro que o detiver perderá o bem que será vendido em hasta publica encaminhando-se o apurado para a vítima ou para a União ao termino do processo criminal. A autuação do incidente deve ser feito em autos apartados para evitar o tumulto do feito principal, ainda que seja o juiz a autoridade provocadora, devendo fazê-lo, de forma a demonstrar os motivos que o levaram tomar tal iniciativa, permitindo que as partes tomem ciência, inclusive aquelas que tiverem interesse em contrariar a decisão. Aponta o artigo 129, do Ordenamento Processual Pátrio, caber contra o sequestro embargos de terceiro, completamente alheios à prática da infração criminosa. Os embargos devem ser julgados tão logo termine a instrução do procedimento incidente, não havendo necessidade de se aplicar o disposto no artigo 130, parágrafo único, l do CPP, que prevê a prolação de decisão somente após o trânsito em julgado da sentença condenatória do processo-crime. Quando se tratar de terceiro de boa-fé estranho ao processo, não há razão de se reter o bem imóvel daquele que não tem ralação nenhuma com o crime por tempo excessivo, merecendo neste caso julgamento imediato. Já no que diz respeito ao terceiro adquirente a título oneroso, cabe a previsão feita no parágrafo único do artigo 130, ou seja, os embargos por ele interpostos serão apreciados somente após o termino definitivo do processo criminal. Competindo em ambos os casos a apreciação dos embargos pelo juiz criminal.

5 A defesa do réu, no caso de meros embargos (art.130, I, CPP), limita-se a demonstrar que o bem seqüestrado não tem qualquer relação com a infração penal que lhe é imputada, não se discutindo a existência do crime, nem sua autoria. Sendo o terceiro a apresentar a impugnação, deve provar a sua boa-fé, consistente no fato de não ter sabido, nem lhe ter sido possível saber, que se tratava de bem dessa natureza, sendo expressamente exigível que a transação tenha sido feito a título o oneroso, pois em contrário perderá a coisa, caso réu seja considerado culpado. Ocorrendo o confisco. Não cabe falar em sequestro de bens móveis, quando estes forem passíveis de apreensão, seja pelo fato de constituírem coisas interessantes a prova no processo criminal, seja porque foram obtidas como produto do crime, bem como, ainda, pelo motivo de representarem coisas de fabrico, alienação, posse, uso ou detenção ilícita. Por outro lado, tratando-se de provento do crime, aplica se o sequestro do artigo 132, do Codex Processual Penal. A finalização da medida assecuratória se dá com ao trânsito em julgado da sentença condenatória, determinado o juiz, de oficio ou a requerimento do interessado, a avaliação e a venda dos bens em leilão público, destinando-se o dinheiro à União em caso de confisco. Porventura, poderá ser encaminhado o montante apurado a vitima ou ao terceiro de boa-fé, quando após o trânsito da sentença penal condenatória, ordenar o juiz criminal leilão em hasta pública dos bens oriundos de sequestro.

6 Cabe ainda ressaltar que no caso dos bens, sejam eles produtos ou proventos do crime, estes só poderão ir a leilão caso seja deferido pelo juízo criminal. Cabendo ao juiz cível a permissão da venda para eventuais indenizações, apenas daqueles bens oriundos de Arresto Levantamento Como o seqüestro se trata de medida excepcional, está o mesmo suscetível de revisão, desde que ocorra uma das três situações a seguir elencadas: a. Quando decretada durante a fase investigatória, não for intentada ação penal, no prazo máximo de 60 dias; b. Quando decretada em qualquer outra fase, o terceiro de boa-fé oferecer garantia para assegurar eventual indenização a vitima e que o bem não voltar ao acusado; c. Quando for julgada extinta a punibilidade do réu, ou for este absolvido, por decisão definitiva, já que a origem ilícita do bem não foi evidenciada, merecendo cessar a constrição. 3. ESPECIALIZAÇÃO DE HIPOTECA Segunda espécie do gênero Medidas Assecuratórias, a Especialização de Hipoteca é uma medida instrumentalizada da mesma forma que o sequestro, ou seja, o juiz determina a averbação, no cartório de registro de imóveis, de pendência judicial que, ao final, possivelmente levará à expropriação do imóvel hipotecado.

7 No entanto, desta vez, diferentemente do sequestro, o imóvel não se trata de objeto ilícito ou relacionado como proveito do crime que deva ser perdido em favor da União, como no caso do Art. 91, II, CP, o imóvel hipotecado pela Especialização de Hipoteca faz parte do patrimônio legal do delinqüente, o que leva a definir esta media como um meio garantidor da efetividade da ação civil ex delicto. Como a finalidade da Especialização de Hipoteca é vinculada à proteção de direito privado, compete ao ofendido o seu requerimento, não havendo previsão de atuação de ofício por parte do magistrado ou legitimação concorrente de outras figuras, como é o caso do sequestro tratado no tópico anterior. No requerimento desta medida, a Legislação Processual Penal exige do ofendido a demonstração da certeza da materialidade e dos indícios suficientes da autoria, o que se pode afirmar indubitavelmente se a denúncia ou queixa já houver sido recebida. Exige também que, no requerimento, se apresente a estimação do valor da responsabilidade civil, corroborando com a nossa afirmação a respeito da finalidade desta medida, e a indicação e estimação do valor do imóvel a ser hipotecado. Estes dois requisitos serão objetos de análise pericial. Haverá instrução do procedimento com as provas anteriormente indicadas pelo autor, com os laudos produzidos pela perícia, findando com a participação das partes, no prazo de comum de dois dias, em que os autos permanecerão no cartório. O procedimento se encerra com a confirmação ou alteração do juiz acerca do arbitramento da responsabilidade civil e com a determinação de inscrição de hipoteca do imóvel ou imóveis necessários à garantia da responsabilidade.

8 É válido ressaltar que o arbitramento da responsabilidade civil é precário e será definitivamente resolvido na sentença condenatória, havendo possibilidade de pedido de alteração pelas partes. A medida ora tratada não será deferida se o réu oferecer caução suficiente, em dinheiro ou títulos da dívida pública. Por fim, deferida a medida, sua finalidade só será concretizada no juízo cível, após o trânsito em julgado da sentença penal condenatória. 4. ARRESTO Na ausência de bens imóveis para assegurar o pagamento de indenização ao ofendido ou custeio das despesas do processo, menciona o artigo 137, do ordenamento repressivo processual brasileiro, ser viável o arresto de bens móveis suscetíveis de penhora. Na concepção de Sérgio Marcos de Moraes Pitombo, aresto é ato de constrição judicial, pelo qual se inicia a expropriação de bens do devedor executado, na execução por quantia certa, para satisfação de direito de credor exeqüente. Perdendo ele o poder de dispor de seus bens, sem, no entanto ser privado da propriedade dos mesmos. Merece destaque ainda o fato de o arresto só poder incidir sobre bens que sejam penhoráveis. 4.1 Procedimento A guarda e conservação dos bens arrestados serão confiados a depositário ou administrador, caso a lei não disponha de outra forma. Percebera o administrador remuneração por seu trabalho, podendo ainda o juiz nomear preposto para auxiliá-lo.

9 Responde o administrador ou depositário pelos prejuízos que por dolo ou culpa causar a parte, perdendo a remuneração que lhe foi atribuída, mas tendo o direito a haver o que legitimamente despendeu no exercício do cargo. 5. CONCLUSÃO Quanto as finalidades de impedir a continuidade do aferimento de vantagens pelo produto do delito e fazer cessar o crime de utilização de determinados objetos, fez bem o Legislador Processual proporcionando meios para, na primeira oportunidade da atuação pública, se efetivar medidas que atuem concretamente. No sentido de garantir a efetividade da ação civil ex delicto, merece destaque a atuação legislativa, que visionou além das fronteiras do processo penal e criou medida que entrega uma prestação jurisdicional integral, tanto à sociedade, com a condenação do delinqüente, quanto ao ofendido, com a restituição de seu patrimônio. 6. BIBLIOGRAFIA Oliveira, Eugênio Pacelli de. Curso de Processo Penal, 11ª Edição, Editora Lumen Juris, Rio de Janeiro Nucci, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal, 5ª Edição revista, atualizada e ampliada, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo Código de Processo Penal. Editora Saraiva, 2009.

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS. Jean Charles de Oliveira Batista¹

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS. Jean Charles de Oliveira Batista¹ DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS Jean Charles de Oliveira Batista¹ ¹ Bacharel do Curso de Direito. Faculdade Guanambi FG. Guanambi BA. INTRODUÇÃO O Processo Penal tem por finalidade solucionar um

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal I Código PRO0065 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º II Ementário O direito processual penal. A norma: material

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Excelentíssimo(a) Sr(a) Dr(a) Juiz(a) de Direito da 7ª Vara Criminal Da Comarca De Goiânia Go. Autos n.º 7ª Vara Criminal. Ação Penal Acusados:,, Protocolo PGJ n.º - Distribuição por dependência: PENAL.

Leia mais

FIXAÇÃO DO VALOR MÍNIMO DE INDENIZAÇÃO E SUA INSTRUMENTALIZAÇÃO PRÁTICA VALOR MÍNIMO DE INDENIZAÇÃO: FIXAÇÃO E NSTRUMENTALIZAÇÃO

FIXAÇÃO DO VALOR MÍNIMO DE INDENIZAÇÃO E SUA INSTRUMENTALIZAÇÃO PRÁTICA VALOR MÍNIMO DE INDENIZAÇÃO: FIXAÇÃO E NSTRUMENTALIZAÇÃO FIXAÇÃO DO VALOR MÍNIMO DE INDENIZAÇÃO E SUA INSTRUMENTALIZAÇÃO PRÁTICA José Roberto Torres da Silva Batista * Isaiane Costa Pereira ** RESUMO Este artigo discute uma visão dialética do conhecimento, a

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito

PLANO DE ENSINO. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Processo Penal I PLANO DE ENSINO Código

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

OAB. INCIDENTES PROCESSUAIS Breve Conceito: matérias que devem ser resolvidas antes do julgamento da causa principal.

OAB. INCIDENTES PROCESSUAIS Breve Conceito: matérias que devem ser resolvidas antes do julgamento da causa principal. INCIDENTES PROCESSUAIS Breve Conceito: matérias que devem ser resolvidas antes do julgamento da causa principal. 1) QUESTÕES PREJUDICIAIS: versam sobre direito material (penal ou extrapenal) e que devem

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

II ESPÉCIES: O título VI do Código de Processo Penal fala em Das questões e processos incidentes em sentido amplo, prevendo oito hipóteses, a saber:

II ESPÉCIES: O título VI do Código de Processo Penal fala em Das questões e processos incidentes em sentido amplo, prevendo oito hipóteses, a saber: PONTO QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES I CONCEITO: Incidente é aquilo que sobrevém. Questão é discussão, controvérsia. Assim, questões incidentes são aquelas controvérsias que podem surgir no curso do processo

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

Cabe, inicialmente, desta car que o sequestro cons titui uma das DO SEQUESTRO PROCESSUAL PENAL

Cabe, inicialmente, desta car que o sequestro cons titui uma das DO SEQUESTRO PROCESSUAL PENAL DO SEQUESTRO PROCESSUAL PENAL SEQUESTRATION OF CRIMINAL PROCEDURE Voltaire de Lima Moraes 1 Professor da Faculdade de Direito da PUCRS RESUMO: Este artigo procura analisar os principais aspectos relacionados

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 Para conceituarmos restrição judicial, há de se definir restrição, que é limitação imposta ao

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014. 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B Turno: Diurno

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014. 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B Turno: Diurno FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014 1. INFORMAÇÕES GERAIS: 1.1 Professor: Décio Antônio Piola 1.2 Departamento: Direito Público 1.3 Disciplina: Direito Processual Penal I 1.4 Série: 3ª

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FERNANDO ORBEN BIANCO A ALIENAÇÃO ANTECIPADA DE BENS APREENDIDOS OU SEQUESTRADOS NO PROCESSO PENAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FERNANDO ORBEN BIANCO A ALIENAÇÃO ANTECIPADA DE BENS APREENDIDOS OU SEQUESTRADOS NO PROCESSO PENAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FERNANDO ORBEN BIANCO A ALIENAÇÃO ANTECIPADA DE BENS APREENDIDOS OU SEQUESTRADOS NO PROCESSO PENAL CURITIBA 2009 FERNANDO ORBEN BIANCO A ALIENAÇÃO ANTECIPADA DE BENS APREENDIDOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade...

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... Sumário Título I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL Capítulo I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... 35 Capítulo II APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

PROCESSO E JULGAMENTO DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL

PROCESSO E JULGAMENTO DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL PROCESSO E JULGAMENTO DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado e advogado I CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL Tais crimes são aqueles

Leia mais

TRT Comentário da Prova de Analista

TRT Comentário da Prova de Analista TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9a REGIÃO Direito Processual Civil Glauka Archangelo Pessoal. A prova de processo civil, não trouxe nenhuma surpresa, o edital foi respeitado e não há nenhuma questão passível

Leia mais

LIBERDADE PROVISÓRIA E FIANÇA NO PROJETO DE CÓDIGO DE PROCESSO PENAL (PLS 156/2009)

LIBERDADE PROVISÓRIA E FIANÇA NO PROJETO DE CÓDIGO DE PROCESSO PENAL (PLS 156/2009) LIBERDADE PROVISÓRIA E FIANÇA NO PROJETO DE CÓDIGO DE PROCESSO PENAL (PLS 156/2009) ANDRÉ VINÍCIUS MONTEIRO Assistente Jurídico do Tribunal de Justiça de São Paulo, graduado pela PUC/SP e pesquisador do

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A multa e a penhora on line como formas de efetivar a antecipação de soma em dinheiro Luiz Guilherme Marinoni* 1. O uso da multa Como é óbvio, a tutela antecipatória de soma supõe

Leia mais

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Decisão que rejeitar a denúncia ou queixa - Decisão que concluir pela incompetência do juízo - Decisão que julga procedente alguma das exceções,

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 2ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 O : É o conjunto de atos cronologicamente concatenados (procedimentos), submetido a princípios e regras

Leia mais

Anexo Tabela única de classes da 2ª Região

Anexo Tabela única de classes da 2ª Região CLASSE 01000 AÇÕES ORDINÁRIAS Anexo Tabela única de classes da 2ª Região CORRESPONDÊNCIA NA TABELA ÚNICA DE CLASSES DO DA 01001 ORDINÁRIA / TRIBUTÁRIA 29 AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM 07 ORDINÁRIO)

Leia mais

Nota Técnica nº 2011/11/06/OJAF. 1. Sobre a consulta

Nota Técnica nº 2011/11/06/OJAF. 1. Sobre a consulta Nota Técnica nº 2011/11/06/OJAF EMENTA: penhora em boca do caixa. Ilegalidade da condição do oficial como depositário provisório até novo expediente bancário. Consequências. 1. Sobre a consulta Os mandados

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 03, DE 19 FEVEREIRO DE 2013.

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 03, DE 19 FEVEREIRO DE 2013. PROVIMENTO Nº 03, DE 19 FEVEREIRO DE 2013. Dispõe sobre o procedimento das hastas públicas unificadas no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Alagoas. O Desembargador ALCIDES GUSMÃO DA SILVA, Corregedor

Leia mais

Professor: Rodrigo J. Capobianco

Professor: Rodrigo J. Capobianco Professor: Rodrigo J. Capobianco 1. Critérios de Avaliação Independente dos critérios específicos de cada prova, a OAB sempre analisa os exames tendo base alguns fatores: 1. Critérios de Avaliação a)

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) EMENTA: Orienta os juízes sobre a competência do Juizado de Violência Doméstica

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS 1. ATIVIDADES AVULSAS OU EXTRAJUDICIAIS 1.1 Consulta R$ 200,00 Consulta em condições excepcionais R$ 500,00 1.2 Hora intelectual R$ 500,00 1.3 Acompanhamento ou exame de documentos em órgão público R$

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS VOL. I Universidade Católica Editora Lisboa, 2013 PREFÁCIO Este livro deveria

Leia mais

BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais

BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 2. REAÇÃO A UMA PROVOCAÇÃO INJUSTA 3. OFENSAS FÍSICAS 4. OFENSAS VERBAIS 5. BRIGAS FORA DA EMPRESA 5.1. Em frente ao estabelecimento empresarial

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

O ÔNUS DA PROVA E O SISTEMA ACUSATÓRIO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO

O ÔNUS DA PROVA E O SISTEMA ACUSATÓRIO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO O ÔNUS DA PROVA E O SISTEMA ACUSATÓRIO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO Prof. Claudiney Alessandro Gonçalves Professor do Curso de Direito da Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade Milton Campos Curso: Direito Departamento: Ciências Penais FACULDADE MILTON CAMPOS Disciplina: Direito Processual Penal II Carga Horária: 80 h/a Área: Direito PLANO DE ENSINO EMENTA Atos processuais:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas.

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas. Francisco Marcelo Avelino Junior, Msc. Presidente APCEC 2010-20122012 (85) 96.145600 Contexto atual Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência

Leia mais

a) Verificar o direito real do promitente comprador;

a) Verificar o direito real do promitente comprador; PROMESSA DE COMPRA E VENDA 1 Lindiara Antunes Do Nascimento 2, Carlos Guilherme Probst 3. 1 TRABALHO DE CURSO - TC 2 AUTOR- Aluna do curso de Direito pela UNIJUI 3 COUATOR - Mestre em Educação nas Ciências

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000094980 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0000391-04.2013.8.26.0000, da Comarca de Araraquara, em que é paciente

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Supervisão: Habermann Editora Capa: Kaloã Tuckmantel Habermann Diagramação: Habermann Editora Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Soluções Práticas do Dia a Dia do Advogado - Doutrina, Legislação,

Leia mais

Execução por Quantia Certa fundada em Título Extrajudicial. Prof. Murillo Sapia Gutier

Execução por Quantia Certa fundada em Título Extrajudicial. Prof. Murillo Sapia Gutier Execução por Quantia Certa fundada em Título Extrajudicial Prof. Murillo Sapia Gutier Da Penhora e do Depósito Art. 659. A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o pagamento: (a) do

Leia mais

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada Condições de Venda em Hasta Pública Unificada ORIENTAÇÕES DO PREGÃO JUDICIAL Última atualização em Terça, 26 Agosto 2014 01. Para todas as Varas do Trabalho deste Regional, a Hasta Pública Unificada realizada,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Processual Penal I Departamento III: Penal e Processo Penal Docente Responsável: Ricardo Barbosa Alves Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05

OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05 OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA I FALÊNCIA (Lei 11.101/05) 1) Legitimidade Passiva (Art. 1º e 2º

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos CÓDIGO CIVIL Livro III Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III Dos Atos Ilícitos Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que

Leia mais

Analista Judiciário TRT/RS

Analista Judiciário TRT/RS 8. EXECUÇÃO A execução é fase diferenciada do processo, visando o cumprimento da sentença ou do acordo firmado entre as partes. Regra geral, é deflagrada de ofício pelo juiz (embora possa ser deflagrada

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 Consolidada, alterada pela Lei nº: 3250, de 19.11.13 DOE n. 2343, de 19.11.13 Autoriza o Poder Executivo a realizar a compensação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 852.937-1, DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE TOLEDO AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVADA: RELATORA: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ DES.ª VILMA

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

Ementário do curso de

Ementário do curso de Introdução ao Estudo de I Fase: I Carga Horária: 60 h/a Créditos: 04 A sociedade. e ordem jurídica. Conceito de justiça. e moral. Fontes do. Positivo. objetivo e subjetivo. Público e Privado. Capacidade

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO PREPARATÓRIO PARA PROCESSO SELETIVO

ESTRUTURA DO CURSO PREPARATÓRIO PARA PROCESSO SELETIVO ESTRUTURA DO CURSO PREPARATÓRIO PARA PROCESSO SELETIVO As Aulas serão no Edf. Metrópole, Auditório do Terraço, R. Dr. José Peroba, no Costa Azul. 18/10 18hs às 22hs (total 4hs) PROFESSOR: JOSINALDO LEAL

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva

APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva EMBARGOS À EXECUÇÃO. AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

Leia mais

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DO INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL A lei 11.441/2007 alterou os dispositivos do CPC, possibilitando a realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação

Plano de Ensino. Identificação Identificação Plano de Ensino Curso: direito Disciplina: processo penal I Ano/semestre: 2012/1º Carga horária: Total: 80h Semanal: 8h Professor: Breno José Bermudes Brandão Período/turno: 6 periodo A e

Leia mais

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Diretoria de Modernização Judiciária Aracaju, 29 de agosto de 2008 1 1 APRESENTAÇÃO Este Manual tem por escopo apresentar

Leia mais

SIMONE COVOLAN CARVALHO PROJETO DE PESQUISA APLICADA: APERFEIÇOAMENTO DE CONHECIMENTOS EM DIREITO E PROCESSO PENAL ASSIS CHATEAUBRIAND 2011

SIMONE COVOLAN CARVALHO PROJETO DE PESQUISA APLICADA: APERFEIÇOAMENTO DE CONHECIMENTOS EM DIREITO E PROCESSO PENAL ASSIS CHATEAUBRIAND 2011 1 SIMONE COVOLAN CARVALHO PROJETO DE PESQUISA APLICADA: APERFEIÇOAMENTO DE CONHECIMENTOS EM DIREITO E PROCESSO PENAL ASSIS CHATEAUBRIAND 2011 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro MANDADO DE SEGURANÇA (TURMA) (MSTR) Nº 103144/SE (0000385-44.2015.4.05.0000) IMPTTE : FERNANDO LIMA COSTA ADV/PROC : PAULO ROBERTO NERY NASCIMENTO E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 6ª VARA FEDERAL DE SERGIPE

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 559, DE 26 DE JUNHO 2007. Regulamenta, no âmbito da Justiça Federal de primeiro e segundo graus, os procedimentos relativos à expedição de requisições, ao cumprimento da ordem cronológica

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos ASSENTO nº 010/2009 Ministério Público do Estado de Mato Grosso I) A gravação audiovisual da audiência nos processos criminais não é obrigatória. A regra do art. 405, 2º do CPP é norma de natureza permissiva,

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003.

PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003. PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003. O PAPEL DO PODER JUDICIÁRIO NO PROCESSO LEGISLATIVO, NA APLICAÇÃO E EXECUÇÃO DA PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS.

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 35 Registro: 2016.0000031880 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0003042-68.2011.8.26.0003, da Comarca de, em que é apelante/apelado JOSUÉ ALEXANDRE ALMEIDA (JUSTIÇA

Leia mais

Processo no. 014.2003.003.355-0/001

Processo no. 014.2003.003.355-0/001 EL -621,11 gfflus :tem? ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque ACÓRDÃO Agravo de Instrumento - no 014.2003.003.355-0/001 Relator:

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 70048967012 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 14/08/2012 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:24/08/2012 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Novo Hamburgo Relator:

Leia mais

ATENÇÃO EDIÇÃO ATUALIZÁVEL. NÃO DESCARTE

ATENÇÃO EDIÇÃO ATUALIZÁVEL. NÃO DESCARTE JURISPRUDÊNCIA CONSOLIDADA Súmulas, Orientações Jurisprudenciais e Precedentes Normativos dos Tribunais Superiores e do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região SUMÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais