TRABALHADOR DOMÉSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHADOR DOMÉSTICO"

Transcrição

1 TRABALHADOR DOMÉSTICO Guia SESI-FIEMG dos Direitos e Deveres do Trabalhador Doméstico Edição 1.0 Outubro de

2 SUMÁRIO O EMPREGADO DOMÉSTICO... 3 DIREITOS DO EMPREGADO DOMÉSTICO... 3 PRINCIPAIS PONTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO... 4 SIMPLES DOMÉSTICO... 6 OBRIGAÇÕES GERAIS DO EMPREGADOR... 8 CHECK LIST DO EMPREGADOR DOMÉSTICO... 9 ANEXOS

3 O EMPREGADO DOMÉSTICO Considera-se empregado doméstico aquele maior de 18 anos que presta serviços de forma contínua, subordinada, onerosa, pessoal e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas, por mais de 2 (dois) dias por semana. Assim, o traço diferenciador do emprego doméstico é o caráter não econômico da atividade exercida no âmbito residencial do empregador. Nesses termos, integram a categoria os seguintes trabalhadores: cozinheiro, governanta, babá, lavadeira, faxineiro, vigia, piloto particular de avião e helicóptero, motorista particular, jardineiro, acompanhante de idosos, entre outras. O caseiro também é considerado empregado doméstico, quando o sítio ou local onde exerce a sua atividade não possui finalidade lucrativa. Inicialmente os direitos aos empregados domésticos foram atribuídos pela Lei nº 5.859/1972, regulamentada pelo Decreto nº /1973, dispondo e conceituando a profissão. Em 1988, por meio da Constituição Federal, foram concedidos outros direitos, dentre eles o salário-mínimo, a irredutibilidade salarial, o 13 salário, o repouso semanal remunerado, o gozo de férias anuais remuneradas com adicional de 1/3 sobre o salário, a licença maternidade e paternidade, direito ao aviso-prévio e a aposentadoria por meio da Previdência Social. Com a edição da Lei n.º , de 19 de julho de 2006, que alterou a Lei n.º 5.859, de 11 de dezembro de 1972, os trabalhadores domésticos adquiriram direito às férias de 30 dias, obtiveram a estabilidade para gestantes, direito aos feriados civis e religiosos, além da proibição de descontos de moradia, alimentação, vestuário e produtos de higiene pessoal utilizados no local de trabalho. Por fim, com a publicação da Emenda Constitucional nº 72 em 2 de abril de 2013, foi alterada a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais. DIREITOS DO EMPREGADO DOMÉSTICO Por meio da Lei Complementar nº 150 de 1º de junho de 2015, foram publicadas as novas regras para o contrato de trabalho doméstico, bem 3

4 como foram alteradas as legislações de custeio e de benefícios da Previdência Social para adequação das disposições da mencionada norma, entre outras providências. Dentre as novas regras fixadas, destacam-se as horas extras, adicional noturno, FGTS, seguro-desemprego e auxílio-acidente. PRINCIPAIS PONTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO CTPS É obrigatória a assinatura da Carteira de Trabalho de todo empregado doméstico. Fica caracterizado o vínculo empregatício em casos de prestação de serviços domésticos acima de duas vezes na semana em uma mesma residência. Contrato de Experiência É facultada a contratação do empregado doméstico mediante contrato de experiência, que poderá ser de até 90 (noventa) dias e com as devidas anotações na Carteira de Trabalho. Vale Transporte É obrigação do empregador arcar com as despesas do empregado decorrentes do deslocamento residência-trabalho e vice-versa, o que poderá ser feito com fornecimento de Vale Transporte ou dinheiro. Jornada de Trabalho A duração normal do trabalho doméstico será de no máximo de 8 (oito) horas diárias e 44 (quarenta e quatro) semanais. É obrigatório o registro do horário de trabalho por qualquer meio manual, mecânico ou eletrônico. Intervalos de descanso e alimentação É obrigatória a concessão de intervalo para repouso ou alimentação pelo período de, no mínimo, 1 (uma) hora e, no máximo, 2 (duas) horas, admitindo-se, mediante prévio acordo escrito entre empregador e empregado, sua redução a 30 (trinta) minutos. Para os empregados que moram no local de trabalho, o período de intervalo poderá ser desmembrado em 2 (dois), desde que cada um 4

5 deles tenha, no mínimo, 1 (uma) hora, até o limite de 4 (quatro) horas ao dia. Entre 2 (duas) jornadas de trabalho deve haver período mínimo de 11 (onze) horas consecutivas para descanso. O empregado doméstico tem direito a um descanso semanal remunerado de, no mínimo, 24 (vinte e quatro) horas consecutivas, preferencialmente aos domingos, além de descanso remunerado em feriados. Jornada 12x36 As partes poderão, mediante acordo escrito, estabelecer horário de 12 (doze) horas de trabalho, seguidas por 36 (trinta e seis) horas ininterruptas de descanso. Neste tipo de jornada, os intervalos para repouso e alimentação poderão ser gozados ou indenizados. Horas Extras e Banco de Horas A remuneração da hora extra será, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) superior ao valor da hora normal. Para as 40 primeiras horas trabalhadas acima da jornada contratual, será devido o pagamento. As demais horas extras poderão ser pagas com o adicional acima referido ou compensadas no prazo máximo de 1 (um) ano. Para o cálculo da hora extra, deve-se considerar o salário bruto mensal, dividido pelo número de horas trabalhadas por mês (220 horas). Dessa forma, obter-se-á o valor do salário hora que deverá ser acrescido em 50%, tendo assim o valor de uma hora extra que deverá ser multiplicado pelo número total de horas extras realizadas no período. O trabalho não compensado prestado em domingos e feriados deve ser pago em dobro, sem prejuízo da remuneração relativa ao repouso semanal. Viagens Em caso de viagens com a família do empregador, a remuneração da hora de serviço será acrescida de 25% sobre o valor da hora normal. As eventuais horas extras poderão ser compensadas em outros dias. O empregador não poderá descontar as despesas com alimentação, transporte e hospedagem do empregado. 5

6 Adicional Noturno A remuneração do trabalho noturno, aquele realizado entre as 22h e as 5h, deverá ter acréscimo de, no mínimo, 20% sobre o valor da hora diurna. A hora do trabalho noturno deve ser computada como de 52(cinquenta e dois) minutos e 30 (trinta) segundos ou seja, cada hora noturna sofre a redução de 7 minutos e 30 segundos em relação à hora diurna. Férias Os empregados domésticos têm direito a férias de 30 (trinta) dias por ano, que poderão ser parceladas em até dois períodos, sendo 1 (um) deles de, no mínimo, 14 (quatorze) dias corridos. Descontos no salário Não podem ser descontados do salário do empregado valores referentes ao fornecimento de alimentação, vestuário, higiene ou moradia, quando esta se der na própria residência do empregador. O empregador pode efetuar descontos no salário do empregado em caso de adiantamento salarial e, mediante acordo escrito entre as partes, para a inclusão do empregado em planos de assistência médicohospitalar e odontológica, de seguro e de previdência privada, não podendo a dedução ultrapassar 20% (vinte por cento) do salário. Aviso Prévio Na hipótese do empregado pedir demissão deverá cumprir o aviso prévio de 30 (trinta) dias. A falta de aviso prévio por parte do empregado dá ao empregador o direito de descontar os salários correspondentes ao prazo respectivo. Na hipótese do empregador desligar o empregado, além do aviso prévio de 30 (trinta) dias ao empregado que conte com até 1 (um) ano de serviço, serão acrescidos 3 (três) dias por ano de serviço prestado para o mesmo empregador, até o máximo de 60 (sessenta) dias, perfazendo um total de até 90 (noventa) dias. SIMPLES DOMÉSTICO O governo regulamentou em junho de 2015, o chamado Simples Doméstico um sistema que vai unificar os pagamentos, pelos empregadores, dos novos benefícios devidos aos domésticos, incluindo FGTS, seguro contra acidentes de trabalho, INSS e fundo para demissão 6

7 sem justa causa, além do recolhimento do Imposto de Renda devido pelo trabalhador. O Simples Doméstico promete facilitar a rotina do empregador no pagamento das novas obrigações relativas aos direitos trabalhistas que entraram em vigor em 1º de outubro de O sistema tem como objetivo a unificação e simplificação do recolhimento dos tributos referentes ao emprego doméstico, como FGTS e seguro acidente de trabalho. Todos os valores a serem recolhidos serão calculados automaticamente com base nas informações fornecidas pelo empregador no site do governo. Em seguida, será gerado o boleto para o pagamento na rede bancária. Do total que deve ser pago todo mês, 20% são de responsabilidade do patrão. Veja os percentuais que deverão ser pagos pelo empregador a partir de outubro de 2015: Tabela vigente a partir de outubro de 2015 Alíquota INSS 8% FGTS 8% Indenização em demissão 3,2% Seguro contra acidente 0,8% O empregador doméstico terá obrigatoriamente que efetuar um cadastro no site do esocial (http://www.esocial.gov.br), com os dados do próprio empregador e do empregado. Este cadastro deverá ser realizado apenas uma vez, mas a folha de pagamento deverá ser feita mensalmente, com informações tais como afastamentos (por doenças, licenças, férias, etc.), comunicado de acidente de trabalho, aviso prévio e demissão. Ao fechamento de cada mês, será emitida uma guia para o pagamento de todos os tributos e do FGTS. FGTS Obrigatório a partir de 1º/outubro/2015 e o seu recolhimento deverá ser feito até o dia 7 do mês seguinte à prestação dos serviços. Multa FGTS O empregador deverá recolher mensalmente 3,2% do salário do empregado, para que sirva como indenização em caso de dispensa sem 7

8 justa causa. Caso a rescisão seja por justa causa ou pedido de demissão o empregador levantará o valor. Seguro-desemprego O empregado doméstico que for dispensado sem justa causa fará jus ao benefício do seguro-desemprego, pago pelo Governo Federal, no valor de 1 (um) salário mínimo, por período máximo de 3 (três) meses. Seguro contra acidentes de trabalho Os empregados domésticos passarão a ser cobertos por seguro contra acidente de trabalho, conforme as regras da Previdência Social. A contribuição é de 0,8%, paga pelo empregador. Salário-família Os empregados domésticos terão direito ao benefício pago pela Previdência Social que varia entre R$ 37,18 e R$ 26,20 por filho de até 14 anos. Para solicitar o benefício, o empregado deverá se cadastrar em uma das agências do INSS. INSS A alíquota no INSS, que hoje é de 12% para o empregador, passará a ser de 8%. Já no caso da contribuição do empregado, o pagamento ao INSS continuará igual ao modelo atual, que é de 8% a 11%, de acordo com a faixa salarial. OBRIGAÇÕES GERAIS DO EMPREGADOR O empregador deve efetuar as anotações na Carteira de Trabalho do empregado doméstico devolvendo-a, devidamente assinada no prazo de até 48 horas para nela anotar, especificamente, a data de admissão, a remuneração e as condições especiais, se houver. Ao empregador é proibido efetuar anotações na CTPS do empregado doméstico que sejam desabonadoras de sua conduta ou que não sejam verdadeiras, podendo responder por crime de falsidade, conforme previsto no artigo 299, do Código Penal. O empregador deve exigir do empregado doméstico a apresentação do comprovante de inscrição no INSS e caso o empregado doméstico não possua, o empregador deverá inscrevê-lo. 8

9 O empregador deverá manter toda documentação em boa guarda, devidamente preenchida, principalmente os recibos de pagamento dos salários, recibos de adiantamentos, mensais ou semanais, assinados pelo empregado doméstico no ato do pagamento. Quando a admissão ocorrer no curso do mês, efetua-se o pagamento proporcional aos dias trabalhados. O pagamento do salário deverá ser feito, até o 5º dia útil subsequente ao mês trabalhado, em dinheiro ou mediante depósito em conta bancária, em estabelecimento próximo ao local do trabalho ou indicado pelo empregado. Cabe ao empregador o dever de preencher devidamente os recibos referentes ao pagamento de férias e 13º salário. O empregador deverá fornecer ao empregado doméstico uma via do comprovante de recolhimento mensal dos encargos sociais destinados a Previdência Social. CHECK LIST DO EMPREGADOR DOMÉSTICO O que o empregador deve fazer ao contratar um empregado doméstico: Faça o registro na carteira de trabalho É preciso incluir nome do empregador, endereço, CPF a ser informado no local dedicado ao CNPJ e a função que ele exercerá. Também deve-se informar a data na qual iniciou-se o exercício das funções, computando, inclusive, o contrato de experiência, e o salário percebido por mês ou hora trabalhada. Elabore um contrato de trabalho O documento deve contemplar a função que será exercida pelo empregado, a jornada e o local de trabalho, valor dos salários e demais condições de trabalho. É aconselhável que haja a assinatura de pelo menos duas testemunhas representando cada uma das partes. Nos anexos deste guia, encontra-se o modelo indicado pelo Ministério do Trabalho. 9

10 Estabeleça e registre os horários de trabalho É obrigatório o registro pelo próprio empregado doméstico do horário de início e término da sua jornada, bem como do horário para almoço ou descanso. É a partir deste registro que será verificada a necessidade de pagamento de eventuais horas extras e/ou adicional noturno. O documento deverá conter a assinatura do empregado. Pague as horas extras quando o empregado ultrapassar o período definido no contrato Se a carga horária ultrapassar o limite da jornada semanal de 44 horas, o empregador deve pagar as primeiras 40 horas trabalhadas a mais com um adicional de 50% sobre cada hora. As horas extras excedentes a 40, poderão ser compensadas no período de 1 (um) ano. Adquira vale-transporte para o empregado As despesas com o deslocamento do empregado da sua casa para o trabalho e vice versa deverão ser custeadas pelo empregador, o que poderá ser feito através do fornecimento de vale-transporte ou de dinheiro. O empregador poderá descontar do salário do empregado o custo com o vale transporte até o limite de 6% do valor do salário. Faça recibos mensais para comprovar os pagamentos feitos ao empregado O empregador deve elaborar um recibo de todos os benefícios que forem pagos ao empregado, desde o salário mensal, às férias, 13º salário, horas extras, etc. 10

11 ANEXOS MODELO DE CONTRATO DE TRABALHO Pelo presente instrumento, as partes: (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), titular do CPF nº (...), RG (...), residente na Rua (endereço) que, por força do presente contrato passa a ser denominado(a) EMPREGADOR DOMÉSTICO e (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), titular do CPF nº (...), RG (...), residente na Rua (endereço), doravante designado(a) EMPREGADO DOMÉSTICO, firmam o presente CONTRATO DE TRABALHO DOMÉSTICO, nos termos da Lei nº 5.859, de 11 de dezembro de 1972, com as alterações da Lei nº 150, de 01 de junho de 2015, e da Constituição Federal, com as seguintes cláusulas e condições: 1ª CLÁUSULA O empregado acima nominado se obriga a prestar serviços domésticos que vierem a ser objeto de ordens, verbais ou escritas, segundo as necessidades do empregador, desde que compatíveis com as suas atribuições, na residência deste, mediante o pagamente do salário mensal de R$ (...), (valor por extenso), sujeitando-se, contudo, aos descontos legais e adiantamentos recebidos, a ser pago até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido. Parágrafo Único São considerados serviços domésticos, dentre outros, as atividades de preparo de refeições, assistência às pessoas, cuidados com peças do vestuário, arrumação, faxina, cuidado com plantas do ambiente interno e animais domésticos. 2ª CLÁUSULA - A prestação do serviço se dará de segunda-feira a sábado, no horário de...às..., com intervalo de... às..., de segunda a sexta feira, e no horário de...às..., com intervalo de... às... no sábado, perfazendo a jornada de 8 horas diárias e de 44 horas semanais (se houver necessidade de horas extraordinárias, deverá ser celebrado acordo de prorrogação de jornada) com possibilidade de compensação de horas conforme legislação vigente. Parágrafo Primeiro O empregado terá direito ao seu repouso semanal remunerado, que será concedido preferencialmente aos domingos (observar a periodicidade legal coincidente com o domingo), como também ao gozo dos feriados civis e religiosos (1º de janeiro, Sexta Feira da Paixão, 21 de abril, 1º de maio, 7 de setembro, 12 de outubro, 11

12 2 de novembro, 15 de novembro 25 de dezembro e os declarados em lei), sem prejuízo de sua remuneração, podendo, se houver trabalho nesses dias, ser concedida folga compensatória ou efetuado o pagamento correspondente. Parágrafo Segundo - Como moradora da casa, a contratada ficará à disposição do empregador somente no horário estabelecido acima. Sendo as eventuais horas extraordinárias registradas no controle de ponto. 3ª CLÁUSULA Ficará a cargo do empregador doméstico a decisão acerca de eventual uso de uniforme pelo empregado domestico, devendo o mesmo fornecê-lo de acordo com a necessidade e sem ônus para o empregado. 4ª CLÁUSULA - Sempre que causar algum prejuízo, resultante de alguma conduta dolosa ou culposa ficará obrigado o empregado a ressarcir o empregador pelos danos causados. 5ª CLÁUSULA - O prazo deste contrato é de... dias, a título de experiência, podendo ser prorrogado por mais... dias (desde que a soma desses períodos não exceda de 90 dias), se rescindido, neste prazo, não haverá cumprimento ou indenização do aviso prévio. Parágrafo único - Permanecendo o empregado a serviço do empregador após o término do período de experiência, continuarão em vigor por prazo indeterminado as cláusulas constantes deste contrato. Por estarem de acordo, firmam o presente contrato de trabalho doméstico, para que passa produzir seus efeitos legais. Local e data...,.../.../... (nome) empregador doméstico CPF (nome) empregado doméstico CPF Testemunha Testemunha 12

13 DECLARAÇÃO E TERMO DE COMPROMISSO DO VALE TRANSPORTE Assinale com um X se você deseja adquirir vales-transportes ( ) SIM ( ) NÃO Se sua opção for NÃO, apenas assine o formulário. Se for SIM o preencha com os dados necessários. Eu, (NOME DO EMPREGADO), funcionário da empresa (NOME DO EMPREGADOR DOMESTICO), desejando adquirir vales-transportes, declaro que estou morando no endereço (PREENCHER O ENDEREÇO COMPLETO) e necessito diariamente, no meu deslocamento residência - trabalho - residência, dos seguintes vales-transportes. Qtd. Linha Tarifa Qtd. Linha Tarifa Assumo o compromisso de utilizar o vale-transporte exclusivamente para o meu efetivo deslocamento residência - trabalho - residência, e afirmo ter conhecimento do artigo 7º parágrafo 3º do Decreto nº , de 17/11/87, de que constitui falta grave o seu uso indevido ou a falsidade desta declaração. Comprometo-me a atualizar anualmente as informações ou a qualquer tempo quando ocorrer mudança residencial ou no(s) meio(s) de transporte. Autorizo a empresa a descontar mensalmente, até 6% de meu saláriobase o valor destinado a cobrir o fornecimento de vales-transportes por mim utilizados. Por ser a expressão da verdade, firmo a presente declaração e termo de compromisso., de de. (ASSINATURA DO EMPREGADO) 13

14 DECLARAÇÃO DE RECEBIMENTO DE CARTÃO VALE TRANSPORTE Declaro a (NOME DO EMPREGADOR) ter recebido o cartão referente ao benefício de recebimento de Vale-transporte, conforme minha declaração de residência e opção de recebimento do mesmo. Fico ciente de que: O cartão que portarei é de nº: (Nº EXTERNO DO CARTÃO) O cartão é do empregador. E ao me desligar, devo devolver o cartão ao empregador ou pagar o valor de 08(oito) vezes o custo da tarifa base vigente. Em caso de perda, furto, avaria, extravio ou mau uso, deverei solicitar a empresa empregadora uma nova via do cartão, pagando o valor de custo vigente para aquisição de um novo cartão. Em caso de perda, furto, avaria ou extravio, deverei comunicar imediatamente ao empregador o fato para que os créditos sejam bloqueados imediatamente., de de NOME DO FUNCIONÁRIO 14

15 MODELO DE AVISO PRÉVIO DO EMPREGADOR Ao Sr (NOME DO EMPREGADO) CTPS: Série: UF: Departamento: RESIDENCIA Pelo presente, comunicamos a V.Sa. que não mais convindo manter seu contrato de trabalho, vimos por meio deste, rescindi-lo, na forma de legislação pertinente, devendo V.Sa. cessar suas atividades em / /. Ao término do prazo deste aviso, deverá V. Sa., apresentar, para recebimento das importâncias que lhe são devidas e cumprimento das demais formalidades exigidas para cessação do Contrato de Trabalho, a sua Carteira de Trabalho para as devidas anotações. Solicitamos a devolução da cópia deste, com o seu ciente e opção. 1ª Opção: Redução de duas horas diárias. 2ª Opção: Ausência no Trabalho de dias corridos. Ciente: / / Empregado Empregador 15

16 MODELO RECIBO PAGAMENTO DE SALÁRIO Empregador(a): Empregado(a): Período: / / a / / Salário Contratual:...R$ Descontos Efetuados: Vale-Transporte...R$ Contribuição Previdenciária (INSS)...R$ Adiantamentos...R$ Total:...R$ Recebi a quantia líquida de R$ ( ), referente ao salário que me é devido pelos serviços prestados em razão do contrato de trabalho. Local: Data / / (ASSINATURA DO EMPREGADO) 16

17 MODELO RECIBO PAGAMENTO DE FÉRIAS Observação: preencher na parte de anotações gerais da CTPS do empregado Empregador(a): Empregado(a): Período Aquisitivo: / / Período de Gozo: / / Valor da remuneração:...r$ 1/3 Constitucional:...R$ Descontos:...R$ Adiantamentos...R$ Valor Líquido...R$ Recebi a quantia líquida de R$ ( ), referente ao período de férias acima discriminado. Local: Data / / (ASSINATURA DO EMPREGADO) 17

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais)

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE O nosso item do edital de hoje será: EMPREGADO DOMÉSTICO Algo que devemos atentar de início é ao fato de não aplicarmos a CLT ao empregado doméstico,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE CUIABÁ e VARZEA GRANDE, e do outro lado, representando os empregadores

Leia mais

Empregados Domésticos

Empregados Domésticos Empregados Domésticos O que está valendo hoje? Dos direitos em vigor, destacamos: Salário mínimo: O salário mínimo nacional atual é de R$ 678,00. Há Estados em que existem leis estaduais garantindo um

Leia mais

Empregado Doméstico Normatização da Profissão

Empregado Doméstico Normatização da Profissão Empregado Doméstico Normatização da Profissão 3 DE JUNHO DE 2015 CONTSUL A Lei complementar nº150, publicada no DOU de 02.06.2015, dispôs sobre o trabalho doméstico no que tange ao contrato de trabalho,

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003231/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046809/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.009204/2014-25 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 Pelo presente instrumento, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE SOROCABA E REGIÃO, com sede à Rua Augusto Franco, nº 159, em Sorocaba/SP,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000224/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016542/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000650/2013-11 DATA

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE 2012/2013 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE que entre si fazem, o SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE CRICIÚMA E REGIÃO, entidade representativa sindical da categoria profissional

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE CONGONHAS E A FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CONFORME AS SEGUINTES CLÁUSULAS E CONDIÇÕES:

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000748/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023675/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.006375/2012-81 DATA DO

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO PARA EMPREGADA DOMÉSTICA

CONTRATO DE TRABALHO PARA EMPREGADA DOMÉSTICA CONTRATO DE TRABALHO PARA EMPREGADA DOMÉSTICA EMPREGADOR: (Nome da Empregadora), (Nacionalidade), (Profissão), (Estado Civil), Carteira de Identidade nº (xxx), C.P.F. nº (xxx), residente e domiciliado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061795/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010162/2010-81 DATA DO PROTOCOLO: 27/10/2010 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSOES DE SAO

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005258/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022823/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010185/2011-77

Leia mais

CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008

CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008 CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008 ABRANGENCIA EMPRESAS E EMPREGADOS NO COMERCIO EM GERAL DOS MUNICIPIOS DE BRASNORTE, JUINA, CASTANHEIRA, JURUENA, COTRIGUAÇU E ARIPUANÃ. Por este instrumento, de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, o SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINPAPEL, e, de outro

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001249/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030888/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.001732/2014-15 DATA DO

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

Filiada à. Lei Complementar Nº 150, de 14 de Junho de 2015 Atos do Poder Legislativo

Filiada à. Lei Complementar Nº 150, de 14 de Junho de 2015 Atos do Poder Legislativo LEI COMPLEMENTAR Nº 150, DE 1º DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico; altera as Leis no 8.212, de 24 de julho de 1991, no 8.213, de 24 de julho de 1991, e no 11.196, de 21 de novembro

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000529/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002949/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003317/2014-97 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001186/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054961/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.013060/2015-81 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009. Enfermeiros

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009. Enfermeiros CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009 Enfermeiros O SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ nº 21.854.005/0001-51, portador de Carta Sindical expedida pelo MTb (cópia

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001991/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031479/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.011147/2014-94 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP013466/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065787/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.004239/2014-82 DATA DO

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 C O N V E N Ç Ã O C O L E T I V A D E T R A B A L H O 2014/2015 SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DE RIO DO SUL E REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ SINTIAVI SINDICATO DAS INDÚSTRIAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012504/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060006/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.005100/2012-02 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR012087/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 06/03/2015 ÀS 08:38 FEDERACAO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO E CONGENERES DO ESTADO DE MINAS GERAIS,

Leia mais

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão:

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 01.07.2007 A 30.06.2009 (conforme decisão judicial em dissídio coletivo acórdão TRT 24ª Região no processo nº. 179/2007-000-24-00-9-DC.0 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO entre

Leia mais

CLÁUSULA PREIMEIRA - DATA-BASE E VIGÊNCIA

CLÁUSULA PREIMEIRA - DATA-BASE E VIGÊNCIA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que celebra o Serviço Social da Indústria Departamento Nacional - SESI/DN CNPJ-33.641.358/0001-52, Conselho Nacional - SESI/CN CNPJ - 03.800.479/0001-39, Serviço Nacional de

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001940/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022033/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46238.000478/2015-41 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067405/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 13/10/2015 ÀS 16:29 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.016733/2015 14 DATA DO PROTOCOLO: 16/10/2015 SINDICATO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001437/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018284/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.012545/2014-58 DATA DO

Leia mais

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz)

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2008/2009 (Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) Termo de Convenção Coletiva de Trabalho que entre si

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL.

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN E AREAL. SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE TRÊS RIOS, PARAÍBA DO SUL, COMENDADOR LEVY GASPARIAN, AREAL E SAPUCAIA.

Leia mais

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: NÚMERO DO PROCESSO: DATA DO PROTOCOLO: Página 1 de 8

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: NÚMERO DO PROCESSO: DATA DO PROTOCOLO: Página 1 de 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ENTRE A EMPRESA MOINHO CANUELAS LTDA E O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA SINDALIMENTAÇÃO-BA 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

Supermercados e Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de São José, Biguaçu e Palhoça.

Supermercados e Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de São José, Biguaçu e Palhoça. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE SÃO JOSÉ E REGIÃO Fundado em 09/08/1999 CNPJ: 03.392.229/0001-07 Base Territorial: São José, Biguaçu, Antonio Carlos, Governador Celso Ramos e São Pedro de Alcântara.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CUIABÁ E VÁRZEA GRANDE, por seu Presidente, Sr.. OLAVO DOURADO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS CENTRO REGIONAL DE CULTURA, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 17.860.164/0001-91, com sede na Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves nº 45, bairro Avenida, CEP

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1999

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1999 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1999 O Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Passo Fundo e Região e o Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Passo Fundo,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000362/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR043879/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003330/2015-29 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 SINDICATO DOS EMPREGADOS VENDORES E VIAJANTES DO COMÉRCIO, PROPAGANDISTAS, PRPOAGANDISTAS-VENDEDORES E VENDEDORES DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR075231/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS E TURISMO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, CNPJ n. 15.461.676/0001-50, neste ato representado

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Fundado em 01 de março de 1996 Entidade reconhecida no Arquivo de Entidades Sindicais do MTE sob o nº 46000-006947/96

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 1 Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO COMÉRCIO E EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO,

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000572/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021807/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.005707/2015-00

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000015/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000163/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.000147/2011-48 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 Data-base - Maio/2011 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA,

Leia mais

DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS. art. 7º da Constituição Federal

DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS. art. 7º da Constituição Federal DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS art. 7º da Constituição Federal ASPECTOS GERAIS 1) Os direitos trabalhistas previstos no art. 7º da CF, abrangem os trabalhadores urbanos e rurais; 2) A

Leia mais

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO Produto: Conjunto: Subconjunto: Título: TRABALHO CONTRATO ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO 1. OBJETIVO: 1.1. Definir as políticas, metodologia e diretrizes referentes à rotina

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 Suscitante: Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, com sede à Rua Rondinha, 72/78, Chácara Inglesa, São Paulo, S.P, CEP: 04140-010, inscrito no CNPJ/MF

Leia mais

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da profissão de aeronauta e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip

Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip Uma produção da Fundação Republicana Brasileira 2013 O Congresso Nacional promulgou, no dia 2 de abril, a Proposta de Emenda à Constituição

Leia mais

TRABALHADORES DOMÉSTICOS

TRABALHADORES DOMÉSTICOS Trabalho realizado pela advogada dra. Marília Nascimento Minicucci, do escritório do conselheiro prof. Cássio de Mesquita Barros Júnior TRABALHADORES DOMÉSTICOS Foi publicado, no Diário Oficial da União

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP000528/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/01/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024421/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46255.000080/2009-59 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 CLÁUSULA 1ª - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001597/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024152/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.007124/2015-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que entre si fazem, nos termos do artigo 611 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho, artigos 7º, XXVI, e, 8º VI, da Constituição da República, SINDICATO DOS PROFESSORES

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002142/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067522/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46666.003592/2015-83 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 CODESC Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA CODESC,

Leia mais

SINDIOCESC Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de SC. Data-base 1º de maio de 2016

SINDIOCESC Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de SC. Data-base 1º de maio de 2016 COOPERATIVAS SINDIOCESC Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de SC PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2016-2017 Data-base 1º de maio de 2016 Florianópolis/SC, 15 de abril de 2016 PRÉ-ACORDO: CLÁUSULA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000411/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR008475/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.006310/2013-66 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000053/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001382/2009 NÚMERO

Leia mais

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Legislação Aplicável * LEI Nº 5.859, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1972 * CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 7º, PARÁGRAFO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ediador - Extrato Convenção Coletiva 1 de 7 27/10/2015 11:23 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001167/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:

Leia mais

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES São partes signatárias do presente Termo Aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho, a Empresa INFRAMÉRICA - CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO DE BRASILIA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP004119/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/04/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016929/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.001272/2016-22 DATA DO

Leia mais

I CLÁUSULAS ECONÔMICAS

I CLÁUSULAS ECONÔMICAS PAUTA PARA RENOVAÇÃO DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CLÁUSULAS ECONÔMICAS - ENTRE O SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS E O SINDICATO NACIONAL DA EMPRESAS AEROVIÁRIAS SNEA 2011-2012 01 ABRANGÊNCIA O SINDICATO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998 A presente cópia foi registrada e arquivada na DRT/DF sob o n.º: 46206.006203/97-55 em 01/07/97 Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Empresas Prestadoras de

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026037/2013 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE SAO JOSE E REGIAO, CNPJ n. 03.392.229/0001-07, neste ato representado(a) por seu Membro

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES E OPERADORES DE MESAS TELEFÔNICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES E OPERADORES DE MESAS TELEFÔNICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO REFERÊNCIA: GRUPO TELEFÔNICA / VIVO S/A PRÉ - PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE TELEFONIA FIXA E MÓVEL (OPERADORAS) PARA NEGOCIAÇÃO UNIFICADA DOS SINDICATOS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Convenção Coletiva de Trabalho que entre si fazem, de um lado, o SINDICATO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS E PRODUTOS DERIVADOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS e, de outro lado, o

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001508/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042435/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46271.002617/2013-01 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000120/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016910/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.001354/2010-39 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000696/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024110/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46666.001500/2015-21 DATA

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais