CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO"

Transcrição

1 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP

2 SUMÁRIO 1. OBJETIVO HISTÓRICO DAS REVISÕES APLICAÇÃO REFERÊNCIA DEFINIÇÕES DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES Fluxograma Tipos de Subestação Transformadores de medição REGISTROS DA QUALIDADE ANEXOS... 5 PÁGINA 2 DE 26

3 1. OBJETIVO Esta Instrução de Trabalho tem como objetivo diminuir a quantidade de inspeções rejeitadas, através da implementação do Check List para inspeção de Subestação de Entrada de Energia e também informar as dimensões dos transformadores de medição a serem instalados na subestação dos Clientes na área de concessão da EDP Bandeirante. 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES Versão Início da Vigência Responsáveis Seções atingidas / Descrição 01 11/11/2015 Elaboração: Antonio Nunes Nascimento, Edson Yakabi, Nayara de Souza Franco e Tamires Rodrigues Souza. Aprovação: Dilvana Lopes P. Moradei e Paulo J. Tavares de Lima. Emissão inicial. 3. APLICAÇÃO Aplica-se a EDP Bandeirante. 4. REFERÊNCIA NBR Instalações elétricas de baixa tensão NBR Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kv a 36,2 kv NR-10 - Segurança em instalações e serviços em eletricidade 5. DEFINIÇÕES ART Anotação de Responsabilidade Técnica DSRR Célula de Entrada DSRS Célula de Suporte Comercial DSRS Célula de Análise de Projeto DSEP Estudo e Projeto MT/BT Documento a ser apresentado pelo profissional habilitado pelo CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) que comprove a sua responsabilidade pelo projeto e/ou execução da obra. Setor do Relacionamento ao cliente, responsável em receber as solicitações por e- mail e transformar em serviço: Nota de Atendimento, Nota de Serviço e Ordem de Venda. Setor responsável por tratar e acompanhar todo serviço: Nota de Serviço, Ordem de Venda até a sua conclusão. Setor responsável por efetuar inspeções em campo na região do Alto Tietê. Setor responsável por efetuar inspeções em campo na região do Vale do Paraíba, litoral e Guarulhos. PÁGINA 3 DE 26

4 DSRS - Célula de Análise de Projetos DSEP Estudos e Projetos MT/BT DSRR Célula de Entrada Cliente DSRS Suporte Comercial INSTRUÇÃO DE 6. DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES Os desenhos e demais informações referentes a montagem de Subestações de Entrada de Energia, poderão ser obtidos no Padrão Técnico de Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição PT.PN Fluxograma O setor Suporte Comercial deverá enviar o Check List e as dimensões dos transformadores de medição por e- mail para o cliente na sequência da liberação da carta de término de Obras e acompanhar o processo até a efetiva ligação. O cliente deverá enviar a concessionária o Check List (Anexo A) devidamente assinado no ato do pedido da inspeção. A Célula de Entrada deverá receber o Check List de confirmação de requisitos e abrir a Nota de Serviço de Inspeção de Posto Primário e anexar o Check List na Nota. Check List - Ligação Nova MT Enviar o Check List por junto com a Carta de Término de Obras para o Cliente Enviar motivo de rejeição para o cliente por Efetuar o Check List em Campo Enviar o Check List devidamente assinado para o e solicitar a Inspeção de Posto Primário Receber o com o check list de confirmação de requisitos e solicitação de inspeção Emitir a Nota de Inspeção de Posto Primário Anexar o Check List na Nota de Serviço Imprimir o Check List entregue pelo o cliente Inspecionar o Posto Primário Inspeção em Ordem? Sim Não Rejeitar a Nota de Serviço Nota: Toda rejeição deve ser inserida dentro do campo resultado no texto da atividade. PÁGINA 4 DE 26

5 6.2. Tipos de Subestação Subestação Convencional em Alvenaria Subestação Simplificada em Alvenaria Subestação Simplificada em Poste Conjunto Blindado Construída no limite da propriedade do consumidor com a via pública, em local de fácil acesso e o mais próximo possível da entrada principal. (Anexo A.1) Pode ser construída uma edificação em alvenaria específica para a subestação, ou pode estar situada no interior de outra edificação no nível do solo. Caso a subestação precise ser instalada um pavimento abaixo ou um pavimento acima, é necessário apresentar uma justificativa para a distribuidora de energia. (Anexo A.2) A sua montagem é externa a qualquer construção e feita em poste de concreto com os respectivos materiais necessários para sua fixação, utilizando para-raios, transformador de serviço e eletrodutos para o ramal de alimentação secundário. (Anexo A.3) Conjunto de Controle e Manobra em invólucro metálico para tensões acima de 1kV até e inclusive 52kV. Esses conjuntos caracterizam-se por apresentarem as montagens eletromecânicas alojadas em cubículos construídos em chapas e perfilados metálicos. (Anexo A.4) 6.3. Transformadores de medição As dimensões dos transformadores de corrente e transformador de potencial indutivo para a medição de energia elétrica deverão ser considerados no momento da montagem dos barramentos ou na instalação dos condutores elétricos nas subestações dos clientes, conforme anexo B. 7. REGISTROS DA QUALIDADE Não aplicável. 8. ANEXOS A. REQUISITOS PARA INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA A1. Subestação convencional em alvenaria A2. Subestação simplificada em alvenaria A3. Subestação simplificada em poste A4. Subestação blindada B. DIMENSÕES DO TRANSFORMADOR DE CORRENTE E TRANSFORMADOR DE POTENCIAL INDUTIVO Transformador de corrente Classe 0,6 kv Uso interno Transformador de corrente Classe 15 kv Uso interno Transformador de potencial indutivo Classe 15 kv Uso interno PÁGINA 5 DE 26

6 A. REQUISITOS PARA INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA PÁGINA 6 DE 26

7 A1. SUBESTAÇÃO CONVENCIONAL EM ALVENARIA INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA Cliente Endereço Bairro Município SUBESTAÇÃO CONVENCIONAL EM ALVENARIA (ANEXO A.1) Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 1 O imóvel possui número fixado em local visível, conforme cadastro na concessionária e projeto liberado. 2 O imóvel possui acesso próximo a subestação primária, com trajeto desimpedido e seguro. 3 A construção civil está localizada e construída conforme projeto liberado pela concessionária. 4 A área ocupada pela subestação está livre da passagem de tubulações de gás, água, esgoto, telefone ou qualquer outro tipo de infraestrutura. 5 A montagem eletromecânica está em conformidade com o projeto liberado pela concessionária. 6 A laje da subestação primária possui declividade adequada e está impermeabilizada. 7 As projeções laterais da laje possuem pingadouro, ou outro meios que impeçam infiltração de água. 8 9 A alvenaria da cabine primária possui acabamento, as paredes e piso possuem pintura, e estão livres de infiltração. No lado interno do imóvel, há calçada ao redor da subestação primária, com largura mínima de 1 metro e com declividade oposta a mesma. 10 A porta de acesso a subestação primária possui sentido de abertura para fora, placa de advertência, trinco para cadeado, vedação para impedir a entrada de água, pequenos animais, e está aterrada. 11 A subestação primária está limpa e livre de materiais estranhos no seu interior e arredores. 12 A porta de acesso ao cubículo de medição: a. Possui sentido de abertura para fora do cubículo; b. Possui dobradiças invioláveis sem parafusos ou pinos extraíveis; c. Possui trinco com cadeado; d. Possui 2 dispositivos para lacre. 13 O cavalete de medição possui bases reguláveis para instalação dos equipamentos de medição. 14 O barramento do neutro no cubículo de medição está a 2,1 metros em relação ao piso interno. 15 Os barramentos para interligação dos TC's e TP's estão dobrados próximo ao cavalete de medição, com as dimensões em conformidade com o desenho dimensional dos equipamentos de medição e possuem terminal tipo olhal na extremidade. 16 Os barramentos para alimentação dos TP's de medição derivam antes dos TC's. 17 A subestação possui dois cabos blindados com 4 veias de 4 mm² identificados nas cores vermelha, branca, marrom (amarela) e azul clara, instalados em 2 eletrodutos de aço com diâmetro de 40 mm (ou niples), para interligaçao dos TC's e TP's de medição ao bloco de aferição. 18 A chave seccionadora do cubículo de medição é acionada por bastão de manobra. 19 As partes energizadas das chaves seccionadoras, quando abertas, estão a 2,7 metros em relação ao piso interno da cabine. PÁGINA 7 DE 26

8 a. b. c. d. e. f. g. h. As chaves seccionadoras possuem placas de advertência, com os dizeres: Não manobrar esta chave em carga". A abertura para instalação da lâmpada sobre a caixa de medição possui tela metálica no lado interno do cubículo, e a lâmpada está acessível pelo lado externo do cubículo. A caixa de medição é de fabricante homologado, possui dobradiças invioláveis e travessas para instalação dos equipamentos de medição. As portas da caixa de medição possuem abertura total, dispositivos para travamento, dispositivos para lacração e vidros com guarnição de borracha. A caixa de medição está instalada com a base a 0,80 m do piso. A interligação terra-neutro abaixo da caixa de medição está identificada com plaquetas adequadas. Os barramentos estão fixados em isoladores e identificados nas cores: fase A vermelha; fase B branca; fase C marrom; neutro - azul clara. Os barramentos primários possuem afastamento mínimo de 20 cm entre fases e 16 cm entre fase e neutro/terra, entre partes vivas. As grades de proteção dos cubículos possuem comprimento mínimo de 1,50 m, estão com a parte inferior no máximo a 0,30 m e com a parte superior no mínimo a 1,80 m em relação ao piso. A grade de proteção do(s) cubículo(s) é (são) articulável(is), abrindo para fora em 90, são em tela em malha máxima de 25 mm, com dispositivos que impeçam ser empurradas para o interior do(s) cubículo(s). Há cópia(s) da(s) plaqueta(s) de identificação do(s) transformador(es) de força / TP's e TC's de proteção, nas respectivas grades de proteção do(s) cubículo(s). A alavanca de manobra da chave seccionadora do(s) cubículo(s) é (são) alongada(s) de forma que sua(s) extremidade(s) fique(m) fora do cubículo. Os TC's de proteção estão instalados a montante do disjuntor. O relé de proteção do disjuntor geral é relé secundário (indireto), possui fonte auxiliar (NOBREAK), dispositivos para selagem e está parametrizado conforme estudo de proteção liberado pela concessionária. Há relé de supervisão trifásica alimentado pelo transformador de potencial da proteção ou pelo transformador auxiliar com as funções sobretensão, falta de fase e inversão de fases. Os TP's de proteção estão: Fixados adequadamente em sua bases; A uma altura máxima de 150 cm do piso acabado; Ligados após a chave seccionadora; Em número de dois ou três; Protegidos no lado de alta tensão por 1 fusível de 0,5 A, para cada bucha primária; Ligados por barramentos de cobre; Aterrados individualmente com cabo de cobre 25 mm²; Com a proteção de seus circuitos secundários localizados fora do cubículo. PÁGINA 8 DE 26

9 a. b. c. d a. b. d. e. f. g. h. i. A malha de aterramento é constituída no mínimo de 3 hastes, distanciadas no mínimo de 3,0 m, interligadas por condutor de cobre com seção mínima de 50 mm², circundando a área da subestação. O sistema de aterramento está conectado a barra terra-neutro. Todas as partes metálicas (massas), não destinadas a conduzir correntes, estão aterradas por meio de condutores de cobre com seção mínima de 25 mm², de forma visível e ininterrupta, a saber: - porta de acesso, base dos TP s e TC s de medição, chaves seccionadoras, grades de proteção dos cubículos, carcaça dos TP s particulares, carcaça dos transformadores de força, disjuntor, caixa de medidores. As venezianas para ventilação permanente dos cubículos de medição, proteção e transformação são de chapas de 8 cm, dobradas em ângulo de 60, em V invertido, afastadas 2 cm entre si; com dimensões mínimas de 40 x 50 cm, instalada a 20 cm do piso interno e 30 cm do piso externo, com grade de proteção externa em malha máxima de 13 mm, galvanizada. A janela para iluminação do cubículo de medição possui vidraça fixa e está fora da área de operação da chave seccionadora. As janelas para iluminação e ventilação estão com a parte superior a 0,20 m do teto. Todas as janelas possuem vidros em bom estado de conservação e limpeza e tela metálica com malha máxima de 13 mm, aterrada, instalada no lado externo da subestação. O(s) transformador(es) e disjuntor(es) está (estão) travado(s) adequadamente. A iluminação artificial e de emergência da subestação primária está instalada no máximo a 2 m do piso interno. A bucha Xo (neutro) do transformador está conectada ao aterramento. Todas as conexões estão com aperto adequado. O diagrama unifilar da cabine primária está plastificado e fixado em local visível. Foram executados os ensaios e elaborados os laudos conclusívos com respectivas ARTs: Execução da cabine primária; Medição de aterramento; Tensão aplicada nos condutores do ramal de entrada; Ensaios de rotina do transformador. Foram atendidas às ressalvas do memorial de liberação do projeto. A subestação primária possui os seguintes equipamentos de proteção: Luvas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Luvas de couro (para proteção das luvas de borracha); Mangas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Capacete e óculos de proteção; Tapete de borracha isolante; Bastão de manobras; Suporte para fixação do bastão de manobras; Extintor de incêndio. PÁGINA 9 DE 26

10 RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 51 No poste da concessionária, os condutores do ramal de entrada estão fixados na cruzeta de ferro, com abraçadeira com anel de borracha. 52 No poste da concessionária, as muflas terminais do cabo subterrâneo são para instalação ao tempo. 53 No trecho exposto, o eletroduto do ramal de entrada é de aço galvanizado com diâmetro nominal mínimo de 100 mm. 54 No trecho instalado no poste da concessionária, o eletroduto do ramal de entrada está fixado com cinta galvanizada, possui uma altura mínima de 4,0 m e a extremidade vedada com massa de calafetar. 55 Há sapata de concreto na base poste da concessionária em torno do eletroduto de entrada, com altura de 0,60 m, acabamento superior em chanfro, pintada em zebrado com tinta refletiva amarela e preta. 56 No trecho subterrâneo, o eletroduto do ramal de entrada está envelopado em concreto e sinalizado com fita de advertência. 57 As blindagens metálicas dos cabos primários subterrâneos estão em ambas extremidades, interligadas ao condutor neutro. 58 A interligação das bases dos para-raios são de cabo de cobre flexível, de seção nominal mínima de 25 mm², isolação na cor verde, 1 kv, individual para cada para- raios. 59 O condutor de aterramento dos para-raios é de cobre, independente até a haste de aterramento e possui seção mínima de 25 mm², com isolação para 1 kv na cor verde. 60 O cabo de entrada subterrâneo possui seção mínima de 25 mm² e isolação classe 8,7/15-12/20 kv. 61 No lado interno da subestação, so terminais das muflas estão afastados 25 cm em relação a parede e 30 cm em relação ao teto. 62 Os condutores do ramal de entrada subterrâneo estão identificados com fitas coloridas nos lados internos e externo da subestação. 63 O condutor neutro tem seção nominal mínima de 25 mm², isolação na cor azul clara, 1kV, até a interligação terra-neutro, derivando individualmente apenas para os terminais de neutro dos TP's de medição. RAMAL DE ENTRADA AÉREO Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 64 A laje sobre a parede de instalação das buchas de passagem possui mureta de proteção e está livre de beiral sobre as buchas e isoladores de suspensão. 65 Há afastamento mínimo de 2 m entre o condutor da fase lateral do ramal aéreo em relação ao limite de propriedade de terceiros/construções. 66 Há condutores de cobre (rabichos) conectados nos terminais externos das buchas de passagem aérea. 67 O neutro do ramal de entrada está fixado na alvenaria através de isolador tipo roldana. PÁGINA 10 DE 26

11 INSTRUÇÃO DE ITENS ALTERNATIVOS Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 68 O imóvel possui cerca sob o ramal de entrada aéreo, que está seccionada e aterrada. 69 No poste da concessionária, a mufla terminal do cabo reserva está conectada a fase mais próxima. 70 O terminal interno do cabo reserva está identificado com placa de advertência com os seguintes dizeres: Perigo de Morte Cabo energizado". 71 O terminal interno do cabo reserva está a 2,7 metros em relação ao piso. 72 A subestação possui saída subterrânea com para-rios instalados. Observações: A subestação possui mais de um transformador ou saída para cabine de transformação, protegidos por fusíveis do tipo limitador de corrente (HH). As bases fusíveis são fisicamente independentes das chaves seccionadoras. Os fusíveis de proteção dos transformadores possuem capacidade nominal conforme projeto liberado. Os cubículos dos equipamentos com liquido isolante inflamável, com volume superior a 100 L, possuem sistema de drenagem e reservatório. A subestação primária faz parte integrante da edificação e possui transformador a seco ou porta de acesso do tipo corta-fogo. Este check list deverá ser apresentado a concessionária devidamente assinado no ato do pedido da inspeção. Cliente: Assinatura: Data: Profissional Responsável pela Execução: Assinatura: Data: Telefone para Contato: PÁGINA 11 DE 26

12 INSTRUÇÃO DE A2. SUBESTAÇÃO SIMPLIFICADA EM ALVENARIA INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA Cliente Endereço Bairro Município SUBESTAÇÃO SIMPLIFICADA EM ALVENARIA (ANEXO A.2) Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 1 O imóvel possui número fixado em local visível, conforme cadastro na concessionária e projeto liberado. 2 O imóvel possui acesso próximo a subestação primária, com trajeto desimpedido e seguro. 3 A construção civil está localizada e construída conforme projeto liberado pela concessionária. 4 A área ocupada pela subestação está livre da passagem de tubulações de gás, água, esgoto, telefone ou qualquer outro tipo de infraestrutura. 5 A montagem eletromecânica está em conformidade com o projeto liberado pela concessionária. 6 A laje da subestação primária possui declividade adequada e está impermeabilizada. 7 A alvenaria da cabine primária possui acabamento, as paredes e piso possuem pintura, e estão livre de infiltração. 8 As projeções laterais da laje possuem pingadouro, ou outro meios que impeçam infiltração de água. 9 No lado interno do imóvel, há calçada ao redor da subestação primária, com largura mínima de 1 metro e com declividade oposta a mesma. 10 A porta de acesso a subestação primária possui sentido de abertura para fora, placa de advertência, trinco para cadeado, vedação para impedir a entrada de água, pequenos animais, e está aterrada. 11 A subestação primária está limpa e livre de materiais estranhos no seu interior e arredores. 12 As partes energizadas das chaves seccionadoras, quando abertas, estão a 2,7 metros em relação ao piso interno da cabine. 13 As chaves seccionadoras possuem placas de advertência, com os dizeres: Não manobrar esta chave em carga". 14 A alavanca de manobra da chave seccionadora do(s) cubículo(s) é (são) alongada(s) de forma que sua(s) extremidade(s) fique(m) fora do cubículo. 15 Os barramentos estão fixados em isoladores e identificados nas cores: fase A vermelha; fase B branca; fase C marrom; neutro - azul clara. 16 Os barramentos primários possuem afastamente mínimo de 20 cm entre fases e 15 cm entre fase e neutro/terra, entre partes vivas. 17 A base fusível é fisicamente independente da chave seccionadora, e possui fusíveis do tipo HH. 18 Os fusíveis de proteção dos transformadores possuem capacidade nominal conforme projeto liberado. 19 O transformador está travado adequadamente. 20 O Tap primário do transformador está em conformidade com a tensão informada pela concessionária na liberação do projeto. 21 A tensão secundária do transformador está em conformidade com o projeto liberado. 22 As buchas secundárias do transformador são protegidas por caixa inviolável com dispositivo para selagem. 23 A bucha Xo (neutro) do transformador está conectada ao aterramento. 24 Os eletrodutos que interligam o secundário do transformador a parte inferior da caixa que aloja os TC s, são de ferro galvanizado. 25 Em cada eletroduto está instalado um circuito completo com 3 fases e neutro. 26 Os cabos secundários estão identificados com fitas coloridas em todas as extremidades. PÁGINA 12 DE 26

13 a. b. c. d. e. As extremidades dos cabos secundários possuem terminais com conexões a compressão. As grades de proteção dos cubículos possuem comprimento mínimo de 1,50 m, estão com a parte inferior no máximo a 0,30 m e com a parte superior no mínimo a 1,80 m em relação ao piso. A grade de proteção do(s) cubículo(s) é (são) articulável(is), abrindo para fora em 90, são em tela em malha máxima de 25 mm, com dispositivos que impeçam ser empurradas para o interior do(s) cubículo(s). Há cópia da plaqueta de identificação do transformador de força na grade de proteção do cubículo. A caixa dos TC's de medição possui dobradiças invioláveis, dispositivos para lacre e barramento de cobre fixados em isoladores, conforme desenho dimensional dos TC's. Os barramentos para interligação dos TC's estão instalados com as dimensões em conformidades do Anexo B e possuem furos oblongo na extremidade? A subestação possui dois cabos blindados com 4 veias de 4 mm² identificados nas cores vermelha, branca, marrom (amarela) e azul clara, instalados em 2 eletrodutos de aço com diâmetro de 40 mm (ou niples), para interligaçao dos TC's e TP's de medição ao bloco de aferição. A caixa de medição é de fabricante homologado, possui dobradiças invioláveis e travessas para instalação dos equipamentos de medição. As portas da caixa de medição possuem abertura total, dispositivos para travamento, dispositivos para lacração e vidros com guarnição de borracha. A caixa de medição está instalada com a base a 0,80 m do piso. A interligação terra-neutro abaixo da caixa de medição está identificada com plaquetas adequadas. As venezianas para ventilação permanente dos cubículos de medição, proteção e transformação são de chapas de 8 cm, dobradas em ângulo de 60, em V invertido, afastadas 2 cm entre si; com dimensões mínimas de 40 x 50 cm, instalada a 20 cm do piso interno e 30 cm do piso externo, com grade de proteção externa em malha máxima de 13 mm, galvanizada. As janelas para iluminação e ventilação estão com a parte superior a 0,20 m do teto. Todas as janelas possuem vidros em bom estado de conservação e limpeza e tela metálica com malha máxima de 13 mm, aterrada, instalada no lado externo da subestação. A iluminação artificial e de emergência da subestação primária está instalada no máximo a 2 m do piso interno. A malha de aterramento é constituída no mínimo de 3 hastes, distanciadas no mínimo de 3,0 m, interligadas por condutor de cobre com seção mínima de 50 mm², circundando a área da subestação. O sistema de aterramento está conectado a barra terra-neutro. A conexão das hastes de aterramento com o condutor, está protegida com massa de calafetar. Todas as partes metálicas (massas), não destinadas a conduzir correntes, estão aterradas por meio de condutores de cobre com seção mínima de 25 mm², de forma visível e ininterrupta, a saber: - porta de acesso, base dos TC s de medição, chaves seccionadoras, grades de proteção dos cubículos, carcaça dos transformadores de força, caixa de medidores. Todas as conexões estão com aperto adequado. O diagrama unifilar da cabine primária está plastificado e fixado em local visível. Foram atendidas às ressalvas do memorial de liberação do projeto. Foram executados os ensaios e elaborados os laudos conclusívos com respectivas ARTs: Execução da cabine primária; Medição de aterramento; Tensão aplicada nos condutores do ramal de entrada; Ensaios de rotina do transformador; Extintor de incêndio. PÁGINA 13 DE 26

14 50 a. b. d. e. f. g. h. A subestação primária possui os seguintes equipamentos de proteção: Luvas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Luvas de couro (para proteção das luvas de borracha); Mangas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Capacete e óculos de proteção; Tapete de borracha isolante; Bastão de manobras; Suporte para fixação do bastão de manobras. RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 51 No trecho exposto, o eletroduto do ramal de entrada é de aço galvanizado com diâmetro nominal mínimo de 100 mm. 52 No trecho instalado no poste da concessionária, o eletroduto do ramal de entrada está fixado com cinta galvanizada, possui uma altura mínima de 4,0 m e a extremidade vedada com massa de calafetar. 53 Há sapata de concreto na base poste da concessionária em torno do eletroduto de entrada, com altura de 0,60 m, acabamento superior em chanfro, pintada em zebrado com tinta refletiva amarela e preta. 54 No trecho subterrâneo, o eletroduto do ramal de entrada está envelopado em concreto e sinalizado com fita de advertência. 55 As blindagens metálicas dos cabos primários subterrâneos estão em ambas extremidades, interligadas ao condutor neutro A interligação das bases dos para-raios são de cabo de cobre flexível, de seção nominal mínima de 25 mm², isolação na cor verde, 1 kv, individual para cada para- raios. O condutor de aterramento dos para-raios é de cobre, independente até a haste de aterramento e possui seção mínima de 25 mm², com isolação para 1 kv na cor verde. 58 O cabo de entrada subterrâneo possui seção mínima de 25 mm² e isolação classe 8,7/15-12/20 kv. 59 No lado interno da subestação, os terminais das muflas estão afastados 25 cm em relação a parede e 30 cm em relação ao teto. 60 Os condutores do ramal de entrada subterrâneo estão identificados com fitas coloridas nos lados internos e externo da subestação. 61 No poste da concessionária, os condutores do ramal de entrada estão fixados na cruzeta de ferro, com abraçadeira com anel de borracha. 62 No poste da concessionária, as muflas terminais do cabo subterrâneo são para instalação ao tempo. 63 O condutor neutro tem seção nominal mínima de 25 mm², isolação na cor azul clara, 1kV, até a interligação terra-neutro RAMAL DE ENTRADA AÉREO Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 64 A laje sobre a parede de instalação das buchas de passagem possui mureta de proteção e está livre de beiral sobre as buchas e isoladores de suspensão. 65 Há afastamento mínimo de 2 m entre o condutor da fase lateral do ramal aéreo em relação ao limite de propriedade de terceiros/construções. 66 Há condutores de cobre (rabichos) conectados nos terminais externos das buchas de passagem aérea. 67 O neutro do ramal de entrada está fixado na alvenaria através de isolador tipo roldana. PÁGINA 14 DE 26

15 ITENS ALTERNATIVOS Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: Observações: O imóvel possui cerca sob o ramal de entrada aéreo, que está seccionada e aterrada. A subestação primária faz parte integrante da edificação e possui transformador a seco ou porta de acesso do tipo corta-fogo. O terminal interno do cabo reserva está a 2,7 metros em relação ao piso. O terminal interno do cabo reserva está identificado com placa de advertência com os seguintes dizeres: Perigo de Morte Cabo energizado". No poste da concessionária, a mufla terminal do cabo reserva está conectada a fase mais próxima. Os cubículos dos equipamentos com liquido isolante inflamável, com volume superior a 100 L, possuem sistema de drenagem e reservatório. Este check list deverá ser apresentado a concessionária devidamente assinado no ato do pedido da inspeção. Cliente: Assinatura: Data: Profissional Responsável pela Execução: Assinatura: Data: Telefone para Contato: PÁGINA 15 DE 26

16 INSTRUÇÃO DE A3. SUBESTAÇÃO SIMPLIFICADA EM POSTE INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA Cliente Endereço Bairro Município SUBESTAÇÃO SIMPLIFICADA EM POSTE (ANEXO A.3) Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 1 O imóvel possui número fixado em local visível, conforme cadastro na concessionária e projeto liberado. 2 O imóvel possui acesso próximo a subestação primária, com trajeto desimpedido e seguro. 3 A subestação primária está localizada e construída conforme projeto liberado pela concessionária. 4 A área ocupada pela subestação está livre da passagem de tubulações de gás, água, esgoto, telefone ou qualquer outro tipo de infraestrutura. 5 A subestação primária está limpa e livre de materiais estranhos no seu interior e arredores. 6 Há o recuo de 1,0 m a 1,5 m entre o poste da subestação e a divisa do imóvel com a via pública. 7 Há afastamento mínimo de 2 m entre o condutor da fase lateral em relação ao limite de propriedade de terceiros/construções. 8 Há afastamento mínimo de 3,20 m entre qualquer tipo de construção e o lado do poste (centro) em que é montado o suporte de escada. 9 Na parte frontal da subestação há calçada com largura de 1,0 m e declividade com sentido oposto a mesma. 10 A montagem eletromecânica está em conformidade com o projeto liberado pela concessionária. 11 Há isoladores de suspensão do tipo polimérico, com sapatilhas, para fixação do ramal de ligação. 12 Os condutores do ramal de entrada são de cobre com seção mínima de 16 mm², estão fixados nos isoladores, interligados aos para-raios, a parte superior das chaves fusíveis, e da saída das chaves até a bucha primária do transformador. 13 As chaves fusíveis possuem dispositivo para LB, e estão com os cartuchos fechados. 14 Os suportes para fixação do transformador no poste possuem 2 parafusos por lado (para TR > 75 kva). 15 O neutro é fixado no poste através de um isolador tipo roldana para baixa tensão, instalado entre os suportes do transformador. 16 O neutro da concessionária está interligado com condutor independente, de cobre 25 mm², isolação azul clara, que desce no eletroduto até a barra de cobre instalada na caixa da chave geral. 17 Na entrada do eletroduto os cabos possuem folga para evitar a entrada de água (pingadeira). 18 Os circuitos de baixa tensão estão instalados em eletrodutos de ferro galvanizado com diâmetro de 100 mm, fixados no poste por abraçadeira de ferro galvanizado. 19 Os eletrodutos estão conectados na parte lateral inferior da cx. dos TC s. 20 O(s) eletroduto(s) tem acabamento nas extremidades com buchas, arruelas e cabeçote. 21 Em cada eletroduto está instalado um circuito completo com 3 fase e neutro. 22 A caixa dos TC's de medição possui dobradiças invioláveis, dispositivos para lacre e barramento de cobre fixados em isoladores, conforme desenho dimensional dos TC's. 23 Existe barramento de neutro na caixa dos TC's de medição. 24 Os cabos secundários estão identificados com fitas coloridas em todas as extremidades. 25 As extremidades dos cabos secundários possuem terminais com conexões a compressão. 26 Os barramentos para interligação dos TC's estão instalados com as dimensões em conformidades do Anexo B? PÁGINA 16 DE 26

17 a. b. c. d. e. f a. b. c. d. A laje de cobertura da alvenaria possui declividade de 2% e beiral de 15 cm com pingadouro. A sobreporta é metálica, as folhas estão aterradas e possuem trinco para cadeado. Há cópia da plaqueta de identificação do transformador de força instalada em local visível. As caixas são de fabricante homologado, possuem dobradiças invioláveis e a caixa de medição possui travessas para instalação dos equipamentos de medição. As portas da caixa de medição possuem abertura total, dispositivos para travamento, dispositivos para lacração e vidros com guarnição de borracha. A caixa de medição está instalada com a base a 0,80 m do piso. A subestação possui dois cabos blindados com 4 veias de 4 mm² identificados nas cores vermelha, branca, marrom (amarela) e azul clara, instalados em 2 eletrodutos de aço com diâmetro de 40 mm (ou niples), para interligaçao dos TC's e TP's de medição ao bloco de aferição. O Tap primário do transformador está em conformidade com a tensão informada pela concessionária na liberação do projeto. A tensão secundária do transformador está em conformidade com o projeto liberado. Os elos fusíveis possuem capacidade nominal conforme projeto liberado. O terminal terra-neutro é barra de cobre e está identificado com plaquetas metálicas ou acrílicas com os dizeres terra e neutro. O condutor que interliga a barra terra neutro até a haste está instalado em eletroduto e possui no mínimo metade da seção do condutor de fase. A malha de aterramento é constituída no mínimo de 3 hastes, distanciadas no mínimo de 3,0 m, interligadas por condutor de cobre com seção mínima de 50 mm², circundando a área da subestação. A haste de aterramento dos para-raios não é a mesma da descida de aterramento do terminal terra neutro. A conexão das hastes de aterramento com o condutor, está protegida com massa de calafetar. As partes metálicas do poste estão aterradas através do terminal Xo do transformador. Todas as partes metálicas (massas), não destinadas a conduzir correntes, estão aterradas por meio de condutores de cobre com seção mínima de 25 mm², de forma visível e ininterrupta, a saber: - porta de acesso, grades, sobreportas, chapa de fixação dos TC's, base dos TC s de medição, eletrodutos, carcaça dos transformadores de força, caixa de medidores. O condutor de aterramento dos para-raios é de cobre com seção mínima de 25 mm², isolação para 1 kv na cor verde e desce independente dos demais condutores de aterramento, pelo interior do poste, até a haste de aterramento. Todas as conexões estão com aperto adequado. O diagrama unifilar da cabine primária está plastificado e fixado em local visível. A subestação primária possui os seguintes equipamentos de proteção: Luvas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Luvas de couro (para proteção das luvas de borracha); Mangas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Capacete e óculos de proteção; Bastão de manobras; Suporte para fixação do bastão de manobras. Foram atendidas às ressalvas do memorial de liberação do projeto. Foram executados os ensaios e elaborados os laudos conclusívos com respectivas ARTs: Execução da cabine primária; Medição de aterramento; Extintor de incêndio; Ensaios de rotina do transformador. PÁGINA 17 DE 26

18 PÁGINA 18 DE 26

19 A4. SUBESTAÇÃO BLINDADA PÁGINA 19 DE 26

20 Nas portas externas e internas, do cubículo do disjuntor estão afixadas placas com os dizeres: Perigo de morte para o acesso ao interior do conjunto blindado deverá ser desligada a chave seccionadora nº 1. As venezianas das portas externas do conjunto blindado tipo externo são guarnecidas, no lado interno, com tela metálica de proteção com malha de 5 mm e filtro de ar caso o blindado seja externo. O cabo de entrada subterrâneo possui seção mínima de 25 mm² e isolação classe 8,7/15-12/20 kv. O condutor neutro tem seção nominal mínima de 25 mm², isolação na cor azul clara, 1kV, até a interligação terra-neutro, derivando individualmente apenas para os terminais de neutro dos TP's de medição. A interligação das bases dos para-raios são de cabo de cobre flexível, de seção nominal mínima de 25 mm², isolação na cor verde, 1 kv, individual para cada para- raios. O condutor de aterramento dos para-raios é de cobre, independente até a haste de aterramento e possui seção mínima de 25 mm², com isolação para 1 kv na cor verde. A montagem eletromecânica está em conformidade com o projeto liberado pela concessionária. A chave seccionadora nº 1 possui as lâminas aterradas na posição aberta. As chaves seccionadoras instaladas antes do disjuntor geral, são elétricamente intertravadas com o mesmo. As chaves seccionadoras possuem travas no punho de manobra, tanto para a posição ligada como para a posição desligada. As chaves seccionadoras possuem placas de advertência junto ao punho de manobra, com os dizeres: Não manobrar esta chave em carga". Os barramentos estão fixados em isoladores e identificados nas cores: fase A vermelha; fase B branca; fase C marrom; neutro - azul clara. Os barramentos primários possuem afastamento mínimo de 20 cm entre fases e 16 cm entre fase e neutro/terra, entre partes vivas. Os barramentos para interligação dos equipamento de medição, estão dobrados e instalados em conformidade com desenho dimensional dos equipamentos de medição (anexo B), e possuem furo oblongo na extremidade; As bases para instalação dos equipamentos de medição são independentes e fixadas sobre trilhos de correr; As grades internas dos cubículos de entrada e portas do cubículo de medição, possuem dobradiças invioláveis, e dispositivos para lacre. A interligação terra-neutro está identificada com plaquetas adequadas. A caixa de medição é de fabricante homologado, possui dobradiças invioláveis e travessas para instalação dos equipamentos de medição. As portas da caixa de medição possuem abertura total, dispositivos para travamento, dispositivos para lacração e vidros com guarnição de borracha. A caixa de medição está instalada com a base a 0,80 m do piso. A subestação possui dois cabos blindados com 4 veias de 4 mm² identificados nas cores vermelha, branca, marrom (amarela) e azul clara, instalados em 2 eletrodutos de aço com diâmetro de 40 mm (ou niples), para interligaçao dos TC's e TP's de medição ao bloco de aferição. A malha de aterramento é constituída no mínimo de 3 hastes, distanciadas no mínimo de 3,0 m, interligadas por condutor de cobre com seção mínima de 50 mm², circundando a área da subestação. O sistema de aterramento está conectado a barra terra-neutro. A conexão das hastes de aterramento com o condutor, está protegida com massa de calafetar. Todas as partes metálicas (massas), não destinadas a conduzir correntes, estão aterradas por meio de condutores de cobre com seção mínima de 25 mm², de forma visível e ininterrupta, a saber: - porta de acesso, base dos TP s e TC s de medição, chaves seccionadoras, grades de proteção dos cubículos, O Tap primário do transformador está em conformidade com a tensão informada pela concessionária na liberação do projeto. Todas as conexões estão com aperto adequado. Foram atendidas às ressalvas do memorial de liberação do projeto. O diagrama unifilar da cabine primária está plastificado e fixado em local visível. PÁGINA 20 DE 26

21 52 a. b. c. d. 53 a. b. c. d. e. f. 54 a. b. c. d. e. A subestação primária possui os seguintes equipamentos de proteção: Luvas de borracha, classe 2, isolação 17 kv; Luvas de couro (para proteção das luvas de borracha); Capacete e óculos de proteção; Tapete de borracha isolante. Foram executados os ensaios e elaborados os laudos conclusívos com respectivas ARTs: Intalação da cabine primária; Ensaios de tipo do conjunto blindado conforme NBR IEC Medição de aterramento Tensão aplicada nos condutores do ramal de entrada Ensaios de rotina do transformador Extintor de incêndio Foram executados os ensaios e elaborados os laudos conclusívos de comissionamento do conjunto blindado após o mesmo ser instalado no local, contemplando: As verificações finais de conformidade e testes funcionais relacionados: Inspeção de conformidade (verificação final), das instalações (incluindo equipamentos e componentes) com as especificações de projeto e considerando as normas técnicas da ABNT e Norma regulamentadora NR10; Integridade das instalações (incluindo materiais e equipamentos); Funcional dos sistemas (painéis de media tensão) incluindo, identificações, faseamento, ligações, comandos, sinalizações e alarmes; Verificações e testes de continuidade dos cabos de proteção (PE); Verificação da identificação dos elementos da instalação conforme projetos; SUBESTAÇÃO CONVENCIONAL Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 55 Os barramentos para alimentação dos TP's de medição derivam antes dos TC's. 56 O relé de proteção do disjuntor geral é relé secundário (indireto), possui fonte auxiliar (NOBREAK), dispositivos para selagem e está parametrizado conforme estudo de proteção liberado pela concessionária. 57 Há relé de supervisão trifásica alimentado pelo transformador de potencial da proteção ou pelo transformador auxiliar com as funções sobretensão, falta de fase e inversão de fases. 58 Os TC's de proteção estão instalados a montante do disjuntor. 59 Os TP's de proteção estão: a. Fixados adequadamente em sua bases; c. Ligados após a chave seccionadora; d. Em número de dois ou três; e. Protegidos no lado de alta tensão por 1 fusível de 0,5 A, para cada bucha primária; f. Ligados por barramentos de cobre; g. Aterrados individualmente com cabo de cobre 25 mm². 60 Há cópia(s) da(s) plaqueta(s) de identificação do(s) transformador(es) de força / TP's e TC's de proteção, nas respectivas grades de proteção do(s) cubículo(s). PÁGINA 21 DE 26

22 SUBESTAÇÃO SIMPLIFICADA Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 61 A tensão secundária do transformador está em conformidade com o projeto liberado. 62 A caixa dos TC's de medição possui dobradiças invioláveis, dispositivos para lacre e barramento de cobre fixados em isoladores, conforme desenho dimensional dos TC's; 63 Em cada eletroduto está instalado um circuito completo com 3 fase e neutro. 64 Os cabos secundários estão identificados com fitas coloridas em todas as extremidades. 65 As extremidades dos cabos secundários possuem terminais com conexões a compressão. 66 Os fusíveis de proteção dos transformadores possuem capacidade nominal conforme projeto liberado. ITENS ALTERNATIVOS Sim Não se aplica Nº. Descrição dos Requisitos: 67 A laje da subestação primária possui declividade adequada e está impermeabilizada 68 As projeções laterais da laje possuem pingadouro, ou outro meios que impeçam infiltração de água. 69 O cercado de proteção da subestação possui altura mínima de 1,80 m, portão abrindo para fora, com trinco para cadeado, placa de advertência, aterrado com cordoalha flexível. 70 A subestação primária faz parte integrante da edificação e possui transformador a seco ou porta de acesso do tipo corta-fogo. 71 No poste da concessionária, a mufla terminal do cabo reserva está conectada a fase mais próxima. 72 O terminal interno do cabo reserva está identificado com placa de advertência com os seguintes dizeres: Perigo de Morte Cabo energizado". 73 A subestação possui mais de um transformador ou saída para cabine de transformação, protegidos por fusíveis do tipo limitador de corrente (HH). 74 A subestação possui saída subterrânea com para-raios instalados. Observações: Este check list deverá ser apresentado a concessionária devidamente assinado no ato do pedido inspeção. Cliente: Assinatura: Data: Profissional Responsável pela Execução: Assinatura: Data: Telefone para Contato: PÁGINA 22 DE 26

23 B. DIMENSÕES DO TRANSFORMADOR DE CORRENTE E TRANSFORMADOR DE POTENCIAL INDUTIVO PÁGINA 23 DE 26

24 001. Transformador de corrente Classe 0,6 kv Uso interno PÁGINA 24 DE 26

25 002. Transformador de corrente Classe 15 kv Uso interno PÁGINA 25 DE 26

26 003. Transformador de potencial indutivo Classe 15 kv Uso interno PÁGINA 26 DE 26

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA

INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA 1. OBJETIVO Este tem como objetivo estabelecer parâmetros a serem considerados na inspeção de Subestação de Entrada de Energia, na área de concessão da EDP Bandeirante para novas instalações, bem como

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS:

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Projeto nº. 59 / 2013 Nome: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Autores: Plácido Antonio Brunheroto

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1 1.1 ITEM DISCRIMINAÇÃO UNID QUANT P.UNIT.S/ BDI P.UNIT.C/ BDI ITEM S/ BDI ITEM C/BDI 1.1.1 Limpeza do terreno m2 24,99 1,84 2,37 45,98 59,23 1.1.2 Locação da obra m2 24,99 4,56 5,87 113,95 146,69 1.2

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

ANEXO I. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM CIDADE: VOTORANTIM/SP 1. Serviços Preliminares 1.1. Acesso Existe estrada de acesso ao local

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN.03.14.011 INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 I INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE GOIÁS. 1.0 - DADOS BÁSICOS: 1.1 - Edifício: Prédio

Leia mais

Especificação Quadro Autoportante de Baixa Tensão

Especificação Quadro Autoportante de Baixa Tensão Especificação Quadro Autoportante de Baixa Tensão Descrição: QUADRO AUTO-PORTANTE ATÉ 4000A Local de Aplicação QGBT Modelo Fabricante: Fabricante Alternativo Normas NBR 6808, IEC 60439-1 Aplicáveis Critério

Leia mais

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA BAIXA TENSÃO edição 2010 Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Fascículo de Medição Eletrônica Centralizada 2010 1º Edição v.01-31/03/2010

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA BARRAMENTO BLINDADO COM MEDIÇÃO CENTRALIZADA

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA BARRAMENTO BLINDADO COM MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.006 SECUNDÁRIA BARRAMENTO BLINDADO COM 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A.

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda Pernambuco - Brasil Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Luis Fernando Santamaria

Leia mais

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08 MEMORIAL DESCRITIVO 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem por objetivo possibilitar uma visão global do projeto elétrico e da implantação da rede de distribuição em Baixa Tensão e iluminação pública do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

FÓRUM DE POÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO E SPDA

FÓRUM DE POÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO E SPDA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE POÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO E SPDA EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 INDICE 1- OBJETIVO... 03 2- CONDIÇÕES GERAIS... 03 2.1- GENERALIDADES... 03 2.2- IDENTIFICAÇÃO... 03 3- CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT CENTRO EDUCAÇÃO INTEGRAL TECNOLÓGICA BOMBINHAS MEMORIAL DESCRITIVO SUBESTAÇÃO DE ENERGIA PROJETO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTC-05 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R1 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 11/04/2014 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM 1.Serviços Preliminares 1.1.Acesso CIDADE: CAMPOS/RJ O local onde

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS De acordo com o item 7 do RIC de BT Fecoergs deverá ser apresentado projeto a Creluz nas seguintes situações: a) unidade consumidora com carga instalada superior a 75 kw; b) prédio de múltiplas unidades

Leia mais

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT 1 Escopo Esta ITA Ampla, tem por objetivo estabelecer os procedimentos a serem adotados para aplicação de condutores de alumínio em substituição

Leia mais

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Pg 2/59 2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO 2.1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 2.1.1 INSTALAÇÃO DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBILCA DO ACESSO A CIDADE DE CAICÓ, PELA BR 427 E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I (AO EDITAL DE CONVITE Nº 1/2006) CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ER 8 SALVADOR - BA MEMORIAL DESCRITIVO 1. Considerações Gerais 1.1. Objetivo O presente memorial tem por finalidade estabelecer

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares

Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares VICE- PRESIDÊNCIA TÉCNICA DIRETORIA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DA DISTRIBUIÇÃO AUTORES: Erminio César Belvedere, Charles Rodrigues.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Canoas, 20 de julho de 2010.

Canoas, 20 de julho de 2010. PROJETO DE SUBESTAÇÃO TRANSFORMADORA ABRIGADA DE 112,5 KVA COM RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO E MEDIÇÃO INDIRETA EM FORNECIMENTO DE TENSÃO PRIMÁRIA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA. LOTEAMENTO CAPRI RUA DR.

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Anexo 3 do PRO-3209-74-24-03 Pág.: 1 de 5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: - Não serão permitidos eletricistas da contratada intervirem nas instalações da contratante,

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS Sistema Normativo Corporativo NORMA TÉCNICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 064 11/07/2011 05/09/2011 ELABORAÇÃO Agostinho G. Barreira S U M Á R I O 1. RESUMO...

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2015 DECISÃO TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- substitui a R-03 e visa estabelecer instruções técnicas

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 31/07/2007 Adequação ao novo modelo, revisão e inclusão de diversos itens.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 31/07/2007 Adequação ao novo modelo, revisão e inclusão de diversos itens. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.004 11ª Folha 1 DE 117 25/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM EDIFÍCIOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM EDIFÍCIOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. REGISTRO DE PREÇOS para eventual contratação de empresa especializada no fornecimento de Extintores de Incêndio portáteis e fornecimento de material de sinalização,

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma 05/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas Memorial Descritivo Revisão - 1 Outubro / 2010 página 1 S U M Á R I O : 1

Leia mais

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA 1/11 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA INTRODUÇÃO A escolha das salas a serem adequadas para o Laboratório de Química e Biologia, para a Sala de Preparo e para o Laboratório de Matemática e Física deverá

Leia mais

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA 1 1. Introdução O presente caderno de encargos tem como objetivo orientar e subsidiar a contratação de empresa para a execução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 1. INTRODUÇÃO Este memorial tem por objetivo descrever os serviços a serem executados, requisitos de segurança e os materiais a serem aplicados na reforma das

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Parque Marinha do Brasil. 2

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m²

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² Este memorial se baseia no programa de necessidades para elaboração de projetos executivos:

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Sistema de Alimentação para lâmpadas UV.

Sistema de Alimentação para lâmpadas UV. Página 1 de 8 Sistema de Alimentação para lâmpadas UV. Linha: UV-TRON - Alimentação bifásica - Alto fator de potência Revisão: 2 Página 2 de 8 Características Gerais: O sistema Rasatronic UV-TRON é um

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Características)

Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Características) CATÁLOGO TÉCNICO TRANSFORMADORES A ÓLEO DE MÉDIA E ALTA TENSÃO Índice Transformador de Força Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais