CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE"

Transcrição

1 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP

2 SUMÁRIO 1. OBJETIVO HISTÓRICO DAS REVISÕES APLICAÇÃO REFERÊNCIAS EXTERNAS DEFINIÇÕES DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES Condições Gerais Ponto de entrega Construção Civil Investimento Responsabilidades Procedimento para apresentação de projeto Procedimento para pedido de ligação Tensões e sistemas de fornecimento Subestação Transformadora Tipo de transformadores Localização Dispositivo de Proteção/Seccionamento Principal Finalidade e localização Cabina de Barramentos Blindada Quadro de Distribuição Compacta Capacidade de Ruptura dos Dispositivos de Proteção Geral Instalados em Cabina de Barramentos ou Quadro de Distribuição Compacta Eletrodutos Condutores Sistema de aterramento REGISTROS DA QUALIDADE ANEXOS... 9 PÁGINA 2 DE 23

3 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios, condições gerais e limites de fornecimento de energia elétrica para edificações coletivas em tensão de distribuição secundária alimentada através de subestação de energia elétrica instalado nos limites de propriedade dos clientes, na área de concessão da EDP Bandeirante. 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES Versão Início da Vigência Responsáveis Seções atingidas / Descrição 01 11/12/2015 Elaboração: Edson Yakabi, Camila Volpi Pinto Aprovação: Paulo Jorge Tavares de Lima Emissão inicial. 3. APLICAÇÃO Aplica-se às instalações de uso coletivo residenciais, comerciais e industriais, a serem alimentada através de subestação de energia elétrica instalada nos limites de propriedade dos clientes, obedecidas às normas da ABNT e as legislações vigentes aplicáveis. Deve ser exigido o cumprimento das instruções aqui descritas em todas as instalações novas. As instalações existentes que seguiram exigências de normas anteriores podem ser mantidas, desde que as condições técnicas permitam. Esse Padrão Técnico deverá ser utilizado em conjunto com o Padrão Técnico Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição Edificações Coletivas. 4. REFERÊNCIAS EXTERNAS Na aplicação deste Padrão Técnico é necessário consultar os documentos abaixo relacionados: NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 7289 Cabos de controle com isolação extrudada de PE ou PVC para tensões até 1kV Requisitos de desempenho NBR NBR NBR IEC NBR IEC Caixa para medidor de energia elétrica - Requisitos Linhas elétricas pré-fabricadas de baixa tensão Requisitos para instalação Conjuntos de manobra e controle de baixa tensão - parte 1: conjuntos com ensaio de tipo totalmente testados (TTA) e conjuntos com ensaio de tipo parcialmente testados (PTTA) Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos (código IP) 5. DEFINIÇÕES Para efeitos deste Padrão Técnico adotar as definições abaixo: Cabina de Barramento Caixa de passagem QDC Compartimento destinado a receber os condutores do ramal de entrada e alojar barramentos de distribuição, dispositivos de proteção e manobra e transformadores de correntes para medição. Caixa destinada a facilitar a passagem e possibilitar derivações de condutores. Conjunto de dispositivos elétricos (chave seccionadora verticais, barramentos, isoladores e outros), montado em caixa metálica, destinados à manobra e proteção de circuitos secundários. PÁGINA 3 DE 23

4 Subestação Parte do sistema de potência que compreende os dispositivos de manobra, controle, proteção, transformação e demais equipamentos, condutores e acessórios, abrangendo as obras civis e estruturas de montagem. 6. DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES 6.1. Condições Gerais O interessado não deve iniciar a execução das instalações elétricas da entrada consumidora antes da liberação dos projetos pela EDP Bandeirante. Para os conceitos e definições quanto às responsabilidades, construção e instalação do ramal de ligação, ponto de entrega, padrão de entrada e cálculo de demanda devem atender ao Padrão Técnico Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição Edificações Coletivas. Os casos não abordados neste Padrão Técnico devem ser objetos de consulta junto a EDP Bandeirante Ponto de entrega Conforme o artigo 14 da resolução 414: Quando tratar-se de fornecimento a edificações com múltiplas unidades consumidoras, em que os equipamentos de transformação da distribuidora estejam instalados no interior da propriedade, o ponto de entrega se situará na entrada do barramento geral (terminais secundários do transformador de distribuição) Construção Civil O interessado será responsável pela construção em local de livre e fácil acesso, em condições adequadas de iluminação, ventilação e segurança, de compartimento destinado, exclusivamente, à instalação de equipamentos de transformação e proteção da distribuidora ou do interessado, necessários ao atendimento das unidades consumidoras da edificação Investimento A distribuidora não é responsável pelos investimentos necessários para a construção das obras de infraestrutura básica das redes de distribuição de energia elétrica destinadas ao atendimento dos empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras conforme o artigo 48 da resolução Responsabilidades O interessado é responsável pela montagem e fornecimento dos materiais, desde o ponto de conexão com a rede de distribuição até o ponto de entrega Procedimento para apresentação de projeto O profissional deverá apresentar os documentos e projetos exigidos no Padrão Técnico Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Edificações Coletivas, acrescido de: a. Projeto e ART de Construção Civil da implantação da Subestação; b. Projeto e ART de Montagem elétrica da Subestação; c. Projeto e ART da Cabina de Barramentos, em escala 1:10 no formato A3, com vistas em planta, frontal das chaves ou disjuntores de entrada, frontal das chaves e/ou disjuntores de saída, cortes transversais e longitudinais, com respectivo diagrama unifilar; d. Estudo de parametrização dos relés de proteção que acionam o desligamento dos disjuntores; Para o processo de incorporação de rede, devem ser apresentados os documentos solicitados na Especificação Técnica Projeto e Construção de Rede de Distribuição por Terceiro Procedimento para pedido de ligação Na ocasião da solicitação para a ligação do empreendimento devem ser apresentados os documentos exigidos no Padrão Técnico Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Edificações Coletivas e também: ART de instalação e comissionamento da Cabina de Barramentos e o respectivo relatório; PÁGINA 4 DE 23

5 ART de fabricação e termo de responsabilidade do fabricante da Cabina de Barramentos, assegurando que o sistema foi construído de acordo com os parâmetros elétricos apresentados no projeto liberado; Relatório de comissionamento do sistema de aterramento devidamente assinado pelo responsável técnico habilitado; ART e laudo de graduação de todos os dispositivos de proteção ajustáveis (disjuntores e relés). Para o processo de incorporação de rede (energização do transformador), devem ser apresentados os documentos solicitados na Especificação Técnica Projeto e Construção de Rede de Distribuição por Terceiro Tensões e sistemas de fornecimento A Concessionária fornece a energia elétrica nas tensões secundárias de distribuição nominais em frequência nominal de 60 Hz, conforme módulo 8 da Resolução Nº 395 de 2009 da Agência Nacional de Energia Elétrica e de acordo com o Sistema de fornecimento discriminado abaixo: 6.9. Subestação Transformadora Tipo de transformadores SISTEMA Estrela com neutro aterrado TENSÕES NOMINAIS 220/127 [V] Os transformadores de distribuição a serem instalados devem ser do tipo Pedestal e devem possuir as seguintes potências: 300 kva 500 kva 750 kva O Transformador de Distribuição em Pedestal de 750 kva não poderá ser utilizado como transformador único Localização A construção da subestação transformadora deve ser realizada pelo interessado, dentro dos limites de propriedade, junto ao alinhamento com a via pública. A construção da subestação transformadora somente pode ser iniciada após prévio entendimento com a Concessionária. A localização da subestação transformadora deve sempre possibilitar a interligação direta através de banco de eletrodutos, entre a referida subestação transformadora e o primeiro dispositivo de proteção/seccionamento destinado a instalação da entrada consumidora. Os transformadores devem ser instalados sobre bases de concreto, conforme desenhos 1 ou 2, e adquirido de fabricante cadastrado pela EDP Bandeirante e ser previsto o acesso de caminhões guindauto para instalação e retirada do transformador. Devem ser mantidos espaços livres em todos os lados da base (desenho 3) visando possibilitar inspeção e manutenção do transformador, além da área necessária para ventilação natural dos radiadores do transformador. Os espaços mínimos deverão ser: 800 mm nas laterais e no fundo dos transformadores 1000 mm na frente do transformador A subestação transformadora deverá ser cercada por gradil ou estrutura de concreto e deverá ser previsto um portão de acesso de pessoas para inspeção e manutenção. A parte frontal da subestação deverá possuir um gradil removível. No caso da utilização de gradil metálico, esta deve ser aterrado. As estruturas de concreto ou gradis deverão possuir altura mínima de 1,8 metros. Por questão de estética e projeto arquitetônico será admitido a construção de subestação transformadoras com nível diferente da via pública, desde que esse desnível não ultrapasse a 1,50 metro e seja possível a operação do caminhão guindauto para acesso ao transformador. Nos edifícios, onde o recuo frontal é ocupado por subsolos, a base do transformador pode ser construída sobre lajes do pavimento ao nível da via pública, conforme desenho 4, devendo ser apresentado laudo técnico PÁGINA 5 DE 23

6 assinado por engenheiro civil, atestando a resistência mecânica adequada da laje e das respectivas estruturas para instalação dos transformadores em pedestal. A superfície superior da base deve ser nivelada a 10 cm acima do nível acabado da laje. Os eletrodutos de interligação com a rede de distribuição devem ser instalados em poste a ser determinado pela Concessionária Dispositivo de Proteção/Seccionamento Principal Finalidade e localização Dispositivo destinado a receber/seccionar os condutores do ramal de entrada e alojar as chaves seccionadoras com fusíveis e disjuntores termomagnéticos. Os dispositivos devem ser alojados em cubículo construído em alvenaria, de dimensões adequadas para que sejam mantidas as distâncias mínimas. Esse cubículo deve ser provido de sistema de ventilação natural permanente e iluminação artificial adequada. O dispositivo deve ser localizado no pavimento da via pública ou no pavimento imediatamente inferior em local de fácil acesso e deve ser instalado no máximo a 20 metros, medido a partir do ponto de entrega, ou seja, dos terminais secundários do transformador de distribuição. Nas subestações com capacidade até 1000 kva poderá ser utilizado os Quadros de Distribuição Compacta (QDC), acima dessa capacidade deverá ser instalado uma Cabina de Barramentos Blindada. A alimentação do Sistema de Combate a Incêndio deverá derivar antes do primeiro dispositivo de proteção geral e deverá possuir uma chave seccionadora, antes da medição de energia elétrica Cabina de Barramentos Blindada Estrutura confeccionadas em perfis e chapas metálicas onde são fixados dispositivos de proteção e manobra, barramentos de cobre, isoladores e transformadores de corrente sendo destinada a receber os condutores do ramal de entrada. A Cabina deve ser montada em fábrica e deve atender à Norma NBR IEC O fabricante deve apresentar o respectivo projeto, para liberação da Concessionária. No projeto poderá ser previsto a instalação dos transformadores de corrente para medição indireta de energia elétrica, desde que a caixa de medição esteja no mesmo recinto e a distância não ultrapasse a 3,0 metros, nesse caso os cabos de medição deverão ser do tipo: Cabo de cobre com blindagem metálica de 4 (quatro) veias, seção nominal de 4 mm², tensão de isolamento 750 V, capa externa PVC-ST1-Preta, classe de encordoamento 5, identificados pelas cores vermelho, azul, branco e amarelo (marrom), conforme NBR Quando as caixas de medição estiverem no mesmo recinto da cabina de barramentos, os dispositivos de proteção e manobra para alimentação das caixas podem estar na Cabina de Barramentos. Quando a cabina de barramentos estiver instalada a mais de 20 metros do ponto de entrega, devem ser previstos a instalação de caixas de distribuição e caixas de dispositivos de proteção e manobra. A montagem e os equipamentos da cabina de barramentos devem suportar os esforços eletrodinâmicos em qualquer ponto da instalação, quando em condições de curto circuito. Nos pontos de conexão entre barras, a fixação deve ser feita de modo a evitar oxidação, mau contato, aquecimento, etc. e os furos nas barras, que não forem utilizados, devem ser preenchidos, convenientemente, com parafusos de cobre, bronze ou latão. As conexões com parafusos devem ser providas de arruelas de pressão. A estrutura da cabina de barramento, bem como as telas de proteção devem ser devidamente aterradas. As portas do painel frontal e de acesso ao interior da cabina de barramentos devem possuir dispositivos para lacre e possuir abertura para fora. A cabina de barramentos deve ser instalada sobre uma base de concreto e possuir uma área sob a mesma para acomodar os condutores de entrada e saída dos dispositivos de proteção. As portas de acesso aos disjuntores de entrada e saída da cabina de barramento, quando abertas a 90º, devem obedecer ao afastamento mínimo de 300 mm entre a extremidade da porta a parede ou outro obstáculo. PÁGINA 6 DE 23

7 O corredor de circulação e acesso aos disjuntores de entrada da cabina de barramentos deve possuir largura mínima de 1,20 metros, observando ainda os afastamentos das portas em relação a parede ou obstáculo, e ser provida de piso removível construído em material isolante ou metálico devidamente aterrado revestido de tapete isolante antiderrapante ao longo de todo o corredor. Deverá ser instalado placa de advertência com os respectivos símbolos indicativos na cabina de barramentos Quadro de Distribuição Compacta Para utilização do QDC verificar o Padrão Técnico INSTALAÇÃO DE QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTO (QDC) COM CHAVE SECCIONADORA VERTICAL EM EDIFICAÇÕES COLETIVAS Capacidade de Ruptura dos Dispositivos de Proteção Geral Instalados em Cabina de Barramentos ou Quadro de Distribuição Compacta Número de transformadores Potência dos Transformadores (kva) Capacidade da Subestação (kva) Capacidade de Ruptura (ka) Eletrodutos Para os tipos, dimensionamentos, instalação e fixação de eletrodutos destinados a alojar condutores elétricos de aterramento deve atender ao Padrão Técnico Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição Edificações Coletivas Condutores A quantidade de condutores do ramal de entrada em ligação através de Subestação Transformadora deve atender ao indicado na tabela a seguir: Número de Transformadores Potência dos Transformadores (kva) Capacidade da Subestação (kva) Circuitos Condutores de Baixa Tensão cabos de 240 mm² (12F + 4N) cabos de 240 mm² (12F + 4N) cabos de 240 mm² (24F + 4N) cabos de 240 mm² (36F + 6N) cabos de 240 mm² (48F + 8N) cabos de 240 mm² (36F + 6N) cabos de 240 mm² (54F +9N) PÁGINA 7 DE 23

8 Os condutores devem possuir isolação de polietileno reticulado (XLPE) ou de etileno-propileno (EPR) para tensão de 0,6/1,0 kv, conforme normas da ABNT e devem ser identificados conforme tabela a seguir: Condutor Fase A Fase B Fase C Neutro Cor da Isolação dos Condutores ou Fita Isolante Preto Cinza (Branco) Vermelho Azul Claro Sistema de aterramento O consumidor deve prover, em sua instalação, uma infraestrutura de aterramento, denominada eletrodo de aterramento, conforme prescreve a seção 6.4 da norma NBR 5410, da ABNT. No interior da cabina de barramentos deve ser instalado um barramento de neutro destinado a conexão dos cabos neutro dos ramais de entrada e dos ramais alimentadores de saída, devendo este estar posicionado no lado dos disjuntores de entrada da cabina de barramentos. Os cabos de aterramento devem ser fixados na barra no interior da cabina de barramentos e este deve ser interligado ao barramento de neutro por meio de barra de cobre. Em ligações através de cabina de barramentos, a seção mínima do condutor de aterramento das partes metálicas (massas) deve ser de 2 x 240 mm². Os condutores do sistema de aterramento da entrada consumidora devem, obrigatoriamente, ser de cobre. Nos casos de cabina de barramentos instalados sobre lajes de concreto, o profissional responsável deverá garantir a eficiência do sistema de aterramento através de estudos específicos. O valor da resistência de terra, em qualquer época do ano, deve ser no máximo 10 ohms. 7. REGISTROS DA QUALIDADE Não aplicável. PÁGINA 8 DE 23

9 8. ANEXOS A. DESENHOS 001. Base de concreto para transformador em pedestal até 500 kva 002. Base de concreto para transformador em pedestal de 750 kva 003. Distâncias de instalação dos equipamentos 004. Instalação de transformador em pedestal sobre laje 005. Cabina de Barramentos com a passagem do ramal de entrada exposto 006. Fixação dos condutores do ramal de entrada 007. Cabina de Barramentos com o ramal de entrada no interior de eletroduto 008. Vista Lateral da Cabina de Barramentos 009. Diagrama unifilar da Cabina de Barramentos 010. Adaptador de disjuntor para conexão do ramal de entrada em Cabina de Barramentos 011. Terminal de cabos para conexão do ramal de entrada PÁGINA 9 DE 23

10 ANEXO A DESENHOS PÁGINA 10 DE 23

11 A A PLANTA Tampa de Ferro Padrão Bandeirante (1100x560 mm) 660 Nível do solo ou piso acabado Acabamento argamassa cimento/areia traço 1:3 inclinação 1% em direção ao dreno/rebaixo 235 Lastro de brita espessura = Furo para drenagem 400x400 Dreno de brita h = 1500 / d = 250 Poderá ser suprimido de acordo com a EDP Bandeirante, em função das condições locais do solo Lastro de brita espessura = 50 CORTE A-A 001. Base de concreto para transformador em pedestal até 500 kva 01 / 01 PÁGINA 11 DE 23

12 A A PLANTA 520 Nível do solo ou piso acabado Acabamento argamassa cimento/areia traço 1:3 inclinação 1% em direção ao dreno/rebaixo 1000 Furo para drenagem Dreno de brita Poderá ser suprimido de acordo com a EDP Bandeirante, em função das condições locais do solo CORTE A-A 002. Base de concreto para transformador em pedestal de 750 kva 01 / 01 PÁGINA 12 DE 23

13 800 TRANSFORMADOR PEDESTAL TRANSFORMADOR PEDESTAL 800 Estrutura de Concreto ou Gradil Gradil Removível 1000 LIMITE DA CALÇADA TRANSFORMADOR EM PEDESTAL (Nível térreo) QDC OU CABINA DE BARRAMENTOS BLINDADA (Nível térreo ou subsolo) Distância Máxima 20 metros Notas: 1. A disposição do transformador em pedestal poderá variar em função das características do empreendimento, devendo ser evitado o cruzamento entre os condutores de média e baixa tensão Distâncias de instalação dos equipamentos 01 / 01 PÁGINA 13 DE 23

14 TRANSFORMADOR EM PEDESTAL (Nível térreo) Eletrodutos do ramal de entrada Eletrocalha para passagem dos condutores de baixa tensão Tela de malha máxima 13 mm com dispositivo para lacre Piso removível revestido de tapete isolante antiderrapante 400 a (mínimo) QDC OU CABINA DE BARRAMENTOS BLINDADA (subsolo) Notas: 1. Nos casos de instalação de quadro de distribuição compacto deve ser garantido a abertura das portas da caixa a 110 e um vão livre entre a extremidade da porta e qualquer parede ou obstáculo, de no mínimo 300 mm Instalação de transformador em pedestal sobre laje 01 / 01 PÁGINA 14 DE 23

15 A passagem na base de concreto da cabina de barramentos deve ser vazada a fim de possibilitar a entrada dos cabos aos disjuntores pela parte inferior da cabina Piso removível revestido de tapete isolante antiderrapante ao longo de toda a área de acesso aos disjuntores de entrada h = 30 a 50 cm do piso acabado Eletrodutos para passagem dos cabos do ramal de entrada a serem interligados com a(s) transformador(es) em pedestal mín. 300 mm Mín mm livre de obstáculo Embocadura a ser preparada pelo interessado mín. 200 mm Mín mm CABINA DE BARRAMENTOS BLINDADA Ventilação Permanente Tela DE FABRICANTE HOMOLOGADO Tela malha máx. 13mm 800 x 2000 com dispositivo para lacre mín. 300 mm Caixa com tampa de vidro e dispositivo para selagem para alojar chave de acesso ao cubículo Extintor de incêndio Porta (tela ou veneziana) com abertura para fora 800 x 2000 Notas: 1. Toda a estrutura metálica, perfilados e tela de máxima de 13mm de fechamento do entorno da cabina de barramentos devem ser rigidamente aterradas. 2. A Cabina de Barramentos deve ser obtida somente de fabricante homologado pela EDP Bandeirante. 3. A quantidade e disposição das janelas poderá variar em função das características do recinto Cabina de Barramentos com a passagem do ramal de entrada exposto 01 / 02 PÁGINA 15 DE 23

16 Ventilação Permanente 500 (mínimo) Tela de malha máx 13mm aterrada Chave seccion. semfusíveis Dispositivo para lacre Transformadores de corrente Fechadura de trinco com cadeado Dobradiça inviolável Dispositivo p/ selagem Piso removível revestido de tapete isolante antiderrapante Dispositivo para lacre Notas: 1. Toda a estrutura metálica, perfilados e tela de máxima de 13mm de fechamento do entorno da cabina de barramentos devem ser rigidamente aterradas. 2. A Cabina de Barramentos deve ser obtida somente de fabricante homologado pela EDP Bandeirante. 3. A porta e as janelas dependem das condições de segurança e ventilação existente no local Cabina de Barramentos com a passagem do ramal de entrada exposto 02 / 02 PÁGINA 16 DE 23

17 A A Perfilado Embocadura 600 (máx.) Fixação com abraçadeira ou similar Material não ferro-magnético Vem da subestação de transformação 1000 Cabo de ligação Vai ao disjuntor da cabina de barramentos Cabo de aterramento Segue para o aterramento geral na origem do sistema 60 CORTE A - A 006. Fixação dos condutores do ramal de entrada 01 / 01 PÁGINA 17 DE 23

18 Eletrodutos para passagem dos cabos do ramal de entrada a serem interligados com a(s) transformador(es) em pedestal mín. 300 mm Mín mm livre de obstáculo mín. 200 mm Mín mm CABINA DE BARRAMENTOS BLINDADA DE FABRICANTE HOMOLOGADO Ventilação Permanente mín. 300 mm Extintor de incêndio Porta (tela ou veneziana) com abertura para fora 800 x 2000 Nota: 1. A Cabina de Barramentos deve ser obtida somente de fabricante homologado pela EDP Bandeirante. 2. A porta e as janelas dependem das condições de segurança e ventilação existente no local Cabina de Barramentos com o ramal de entrada no interior de eletroduto 01 / 02 PÁGINA 18 DE 23

19 Ventilação Permanente 500 (mínimo) Chave seccion. semfusíveis Transformadores de corrente Dobradiça inviolável Dispositivo p/ selagem Eletrodutos do ramal de entrada Notas: 1. A Cabina de Barramentos deve ser obtida somente de fabricante homologado pela EDP Bandeirante. 2. A porta e as janelas dependem das condições de segurança e ventilação existente no local Cabina de Barramentos com o ramal de entrada no interior de eletroduto 02 / 02 PÁGINA 19 DE 23

20 Chave Seccionadora de abertura sob carga ou Disjuntor Dispositivo de Proteção Geral Transformadores de Corrente Disjuntor Ramal de entrada Neutro Consumidor Disjuntor ou Chave Seccionadora sob carga com proteção Neutro Terra Terra 008. Vista Lateral da Cabina de Barramentos 01 / 01 PÁGINA 20 DE 23

21 Cabos do ramal de entrada Vão ao(s) centro(s) de medição e/ou caixa(s) de medição Legenda: 1. Dispositivo de Proteção Geral 2. Chave Seccionadora de abertura sob carga ou disjuntor para o sistema de combate a incêndio 3. Dispositivo de Proteção e Manobra 4. Chave Seccionadora de abertura sob carga ou disjuntor 5. Transformador de Corrente para medição 6. Dispositivo de proteção individual 7. Barramento Principal 8. Barramento PEN Nota: 1. Em medições indiretas quando for utilizado disjuntor antes dos transformadores de corrente não será necessário a instalação de dispositivo de proteção individual Diagrama unifilar da Cabina de Barramentos 01 / 01 PÁGINA 21 DE 23

22 ÁREA DO DISJUNTOR Terminal Parafuso de Latão 10 Adaptador 100 Conector Terminal ADAPTADOR DUPLO PARA DISJUNTORES PARA A CONEXÃO DE ATÉ 4 CABOS DE NO MÁXIMO 240 mm² ÁREA DO DISJUNTOR Terminal Parafuso de Latão Adaptador 12,5 Conector Terminal 180 ADAPTADOR DUPLO PARA DISJUNTORES PARA A CONEXÃO DE ATÉ 6 CABOS DE NO MÁXIMO 240 mm² Nota: 1. Os adaptadores devem ser de cobre e possuir tratamento por estanho ou prata Adaptador de disjuntor para conexão do ramal de entrada em Cabina de Barramentos 01 / 01 PÁGINA 22 DE 23

23 L (Mínimo) A B 4 4 R7 A C R7 2 B 60 ±1 2 F 44,5 D A ± 0,2 ± 0,2 B E A±0,2 B ±0,2 ESTANHO CORTE A-A CORTE B-B CONDUTOR A B C D E F L 240 mm² 27, ,5 16,0 6,8 24,0 157 Nota: 1. Detalhe do conector terminal de compressão, 2 furos, para condutores de 240 mm² Terminal de cabos para conexão do ramal de entrada 01 / 01 PÁGINA 23 DE 23

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Autores: Plácido Antonio Brunheroto

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN.03.14.011 INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA BAIXA TENSÃO edição 2010 Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Fascículo de Medição Eletrônica Centralizada 2010 1º Edição v.01-31/03/2010

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA BARRAMENTO BLINDADO COM MEDIÇÃO CENTRALIZADA

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA BARRAMENTO BLINDADO COM MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.006 SECUNDÁRIA BARRAMENTO BLINDADO COM 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTC-05 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS Sistema Normativo Corporativo NORMA TÉCNICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 064 11/07/2011 05/09/2011 ELABORAÇÃO Agostinho G. Barreira S U M Á R I O 1. RESUMO...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 INDICE 1- OBJETIVO... 03 2- CONDIÇÕES GERAIS... 03 2.1- GENERALIDADES... 03 2.2- IDENTIFICAÇÃO... 03 3- CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT CENTRO EDUCAÇÃO INTEGRAL TECNOLÓGICA BOMBINHAS MEMORIAL DESCRITIVO SUBESTAÇÃO DE ENERGIA PROJETO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R1 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 11/04/2014 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

Canoas, 20 de julho de 2010.

Canoas, 20 de julho de 2010. PROJETO DE SUBESTAÇÃO TRANSFORMADORA ABRIGADA DE 112,5 KVA COM RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO E MEDIÇÃO INDIRETA EM FORNECIMENTO DE TENSÃO PRIMÁRIA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA. LOTEAMENTO CAPRI RUA DR.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1 1.1 ITEM DISCRIMINAÇÃO UNID QUANT P.UNIT.S/ BDI P.UNIT.C/ BDI ITEM S/ BDI ITEM C/BDI 1.1.1 Limpeza do terreno m2 24,99 1,84 2,37 45,98 59,23 1.1.2 Locação da obra m2 24,99 4,56 5,87 113,95 146,69 1.2

Leia mais

Especificação Quadro Autoportante de Baixa Tensão

Especificação Quadro Autoportante de Baixa Tensão Especificação Quadro Autoportante de Baixa Tensão Descrição: QUADRO AUTO-PORTANTE ATÉ 4000A Local de Aplicação QGBT Modelo Fabricante: Fabricante Alternativo Normas NBR 6808, IEC 60439-1 Aplicáveis Critério

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais FL.: 1/16 REV.: 00 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTALAÇÃO ELÉTRICA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma 05/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

Transformador de Distribuição Tipo Pedestal

Transformador de Distribuição Tipo Pedestal Nº Data Revisões Visto. Vanderlei Robadey Página 1 de 14 Legenda 1 Compatimento de alta tensão; 2 Compatimento de baixa tensão; 3 Bucha de alta tensão tipo poço removível; 4 Bucha baixa tensão 1,3kV; 5

Leia mais

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS 2-22 INDICE INTRODUÇÃO... 3 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT 1 Escopo Esta ITA Ampla, tem por objetivo estabelecer os procedimentos a serem adotados para aplicação de condutores de alumínio em substituição

Leia mais

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Pg 2/59 2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO 2.1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 2.1.1 INSTALAÇÃO DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBILCA DO ACESSO A CIDADE DE CAICÓ, PELA BR 427 E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

ANEXO I. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM CIDADE: VOTORANTIM/SP 1. Serviços Preliminares 1.1. Acesso Existe estrada de acesso ao local

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08 MEMORIAL DESCRITIVO 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem por objetivo possibilitar uma visão global do projeto elétrico e da implantação da rede de distribuição em Baixa Tensão e iluminação pública do

Leia mais

Produtos. Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V. Fio e Cabo de Cobre Nu. 2 www.ipce.com.br. Fios e cabos para uso geral de baixa tensão

Produtos. Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V. Fio e Cabo de Cobre Nu. 2 www.ipce.com.br. Fios e cabos para uso geral de baixa tensão Fio e Cabo de Cobre Nu Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V Características dimensionais e resistência elétrica de fios e cabos de cobre nu, meio duro e duro Empregados em linhas aéreas para transmissão e distribuição

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada. Dicas para

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 31/07/2007 Adequação ao novo modelo, revisão e inclusão de diversos itens.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 31/07/2007 Adequação ao novo modelo, revisão e inclusão de diversos itens. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.004 11ª Folha 1 DE 117 25/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Departamento Responsável Superintendência de Engenharia Primeira Edição - Dezembro de 06 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 I INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE GOIÁS. 1.0 - DADOS BÁSICOS: 1.1 - Edifício: Prédio

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA

QUI-BIO. Laboratório de Química e Biologia PROGRAMA ENSINO MÉDIO INTEGRAL ENSINO INTEGRAL 2014 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA 1/11 MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA INTRODUÇÃO A escolha das salas a serem adequadas para o Laboratório de Química e Biologia, para a Sala de Preparo e para o Laboratório de Matemática e Física deverá

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Parque Marinha do Brasil. 2

Leia mais

ND-2.008 Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais

ND-2.008 Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais ND-2.008 Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica ND-2.008 Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS:

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Projeto nº. 59 / 2013 Nome: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-136/2010 R-01

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-136/2010 R-01 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /20 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica /20 R- define o padrão de uso de condutores concêntricos de alumínio

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Anexo 3 do PRO-3209-74-24-03 Pág.: 1 de 5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: - Não serão permitidos eletricistas da contratada intervirem nas instalações da contratante,

Leia mais

ANEXO XII PLANILHA ORÇAMENTÁRIA. Planilha Orçamentária

ANEXO XII PLANILHA ORÇAMENTÁRIA. Planilha Orçamentária ANEXO XII PLANILHA ORÇAMENTÁRIA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- Embrapa Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura-CEN/DRM PLANILHA DE ORÇAMENTO UNIDADE: Embrapa Algodão OBRA: REFORMA DO LABORATÓRIO

Leia mais

TREVO CARRION JUNIOR (VIADUTOS DO AEROPORTO) E ENTORNO REFORMULAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE IP I L U M I N A Ç Ã O P Ú B L I C A

TREVO CARRION JUNIOR (VIADUTOS DO AEROPORTO) E ENTORNO REFORMULAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE IP I L U M I N A Ç Ã O P Ú B L I C A ANEXO XIV - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Trevo Carrion Junior (Viadutos

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C

Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C 1 Dados Construtivos: 1.1 Desenho: 1 2 3 4 1 Condutor: Fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole. Encordoamento classe 05. 2 Separador: Fita não higroscópica

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 4 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES... 5 3.1. Abreviaturas utilizadas... 5 3.2. Caixa de entrada e

SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 4 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES... 5 3.1. Abreviaturas utilizadas... 5 3.2. Caixa de entrada e SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 4 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES... 5 3.1. Abreviaturas utilizadas... 5 3.2. Caixa de entrada e distribuição (CED)... 6 3.3. Caixa de passagem... 6

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

1. Considerações Gerais

1. Considerações Gerais Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Básica Coordenadoria Administrativa Financeira Engenharia SEDUC MEMORIAL DESCRITIVO Unidade de Trabalho: CREDE 13-CRATEÚS Obra: REFORMA ELÉTRICA Engenheiro

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM 1.Serviços Preliminares 1.1.Acesso CIDADE: CAMPOS/RJ O local onde

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo DESENHO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-11/10/2012/2012 11/10/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti DTES-BD 1. RESUMO Este documento padroniza as caixas

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO CONTAINER MÓDULO ESCRITÓRIO CONT 05 A 08_10_11_14 A 19 e CT 10 CONTAINER MÓDULO ESCRITÓRIO/MÓDULO HABITACIONAL

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares

Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares VICE- PRESIDÊNCIA TÉCNICA DIRETORIA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DA DISTRIBUIÇÃO AUTORES: Erminio César Belvedere, Charles Rodrigues.

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DOS SERVIÇOS. CONSTRUÇÃO DE PRAÇA (Campo Belo) CONTRATO DE REPASSE Nº PRUDENTE DE MORAIS/MG

MEMORIAL DESCRITIVO DOS SERVIÇOS. CONSTRUÇÃO DE PRAÇA (Campo Belo) CONTRATO DE REPASSE Nº PRUDENTE DE MORAIS/MG MEMORIAL DESCRITIVO DOS SERVIÇOS CONSTRUÇÃO DE PRAÇA (Campo Belo) CONTRATO DE REPASSE Nº PRUDENTE DE MORAIS/MG Especificação Técnica dos Serviços INTRODUÇÃO Preliminares: Esta especificação, juntamente

Leia mais

Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Características)

Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Características) CATÁLOGO TÉCNICO TRANSFORMADORES A ÓLEO DE MÉDIA E ALTA TENSÃO Índice Transformador de Força Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais