Extreme Programming e Qualidade de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Extreme Programming e Qualidade de Software"

Transcrição

1 Extreme Programming e Qualidade de Software Antonio Sergio Ferreira Bonato Departamento de Sistemas Digitais Escola Politécnica da USP

2 Objetivo (I) mostrar que o uso de um processo de desenvolvimento de software é fundamental para a qualidade do software; mostrar que o CMM é um modelo de qualidade de processo que pode ser adotado por todos, desde que se use o bom senso; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 2

3 Objetivo (II) mostrar, através do CMM, que a Extreme Programming é um processo de desenvolvimento de qualidade, e portanto, produz software de qualidade; mostrar que o uso da XP por pequenas empresas em pequenos projetos propicia o desenvolvimento de software de qualidade. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 3

4 Qualidade de Software Conjunto de características a serem satisfeitas em um determinado grau de modo que o software atenda às necessidades do usuário. As características são definidas na norma ISO 9126 Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 4

5 Total Quality Management Gerência da Qualidade Total um processo de produção de qualidade geralmente produz um produto de qualidade; A Engenharia de Software tem 2 focos: qualidade do processo; qualidade do produto. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 5

6 Modelos de Qualidade de Processo CMM ISO SPICE Bootstrap Trillium Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 6

7 Pequenas Organizações e Pequenos Projetos 1. Os modelos de Qualidade de Processo são adequados para pequenas empresas e pequenas organizações? 2. O CMM é adequado? 3. O CMM é eficaz no desenvolvimento de software orientado à negócios? Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 7

8 Respostas 1. Sim 2. Sim 3. Sim Desde que os modelos sejam interpretados com bom senso! Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 8

9 Importância das Pequenas Organizações Segundo pesquisa feita com 699 empresas filiadas ao núcleo SOFTEX em 2001, o porte das organizações é: 36% - micro - até 10 funcionários 42% - pequeno - 11 a 49 funcionários Quer dizer, 78% são pequenas organizações. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 9

10 O que elas fazem? Ainda segundo a mesma pesquisa: 88,8% desenvolvem software; A maioria desenvolve software orientado a negócios. Alguns exemplos: administração de serviços (31,3%); automação comercial (30,0%); e-business (26,5%) web pages (29,4%) Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 10

11 Grau de sucesso nos projetos Segundo o CHAOS Report de 2000: 28% dos projetos de desenvolvimento de software tiveram sucesso; 23% falharam totalmente; 49% terminaram fora do prazo, acima do orçamento e com menos funcionalidades do que o previamente combinado. Dados dos Estados Unidos Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 11

12 Motivos de Falha Falta de um processo de desenvolvimento bem definido e conhecido por todos: requisitos incompletos; falta de envolvimento do usuário; falta de recursos; expectativas irreais; falta de planejamento. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 12

13 Pequeno Pequenos Projetos 3 a 5 pessoas durante 6 meses Muito pequeno 2 a 3 pessoas durante 4 meses Minúsculo 1 a 2 pessoas durante 2 meses Individual 1 pessoa durante 1 semana Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 13

14 Solução? Pequenas organizações que conduzem pequenos projetos de desenvolvimento de software devem usar um processo de desenvolvimento de qualidade; Este processo pode ser a Extreme Programming? Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 14

15 Extreme Programming criada a partir de um projeto piloto na DaimlerChrysler em 1996 por Kent Back; conjunto de práticas e valores que permitem ao desenvolvedor fazer o que ele faz melhor: escrever código; levar as melhores práticas ao extremo; combinar estas práticas de modo que o todo seja maior que a soma das partes; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 15

16 Os 4 valores fundamentais comunicação simplicidade feedback coragem Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 16

17 12 práticas o jogo do planejamento programação aos pares testes refactoring design simples propriedade coletiva do código integração contínua cliente no local pequenos releases semana de 40 horas padrões de codificação metáfora do sistema Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 17

18 O Jogo do Planejamento (I) você não sabe tudo logo no começo; a idéia é: fazer um plano aproximado no princípio e refiná-lo conforme as coisas se tornam mais claras; o planejamento ocorre com freqüência; artefatos: uma pilha de cartões com as estórias dos clientes - dirigirão as iterações do projeto um plano aproximado do próximo release; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 18

19 O Jogo do Planejamento (II) Os desenvolvedores tomas as decisões técnicas: estimam o tempo para desenvolver uma estória; custos do uso de várias opções tecnológicas; organização da equipe; o risco de cada estória; a ordem do desenvolvimento de cada estória dentro de cada iteração. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 19

20 O Jogo do Planejamento (III) Os clientes tomam as decisões de negócio: escopo (as estórias para um release e as estórias de cada iteração); datas dos releases; prioridades (quais as funcionalidades devem ser desenvolvidas antes, baseados em valor para o negócio) Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 20

21 Programação aos Pares pares de desenvolvedores escrevem todo o código; improdutivo? Fowler diz: Seria, se a tarefa mais demorada fosse a digitação todas as decisões envolvem 2 cérebros; pelo menos duas pessoas conhecem cada parte do sistema; menos chances de duas pessoas serem negligentes; o código é revisto por pelo menos uma pessoa. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 21

22 Testes (I) teste de unidade escrito pelo desenvolvedor antes de escrever o código; escrever código que passe no teste; não pode integrar código antes de passar no teste; deve ser automatizado. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 22

23 teste de aceitação Testes (II) escrito pelo cliente logo após escrever a estória; diz se o sistema tem as funcionalidades que deveria ter; deve ser executado freqüentemente, para ver se nenhuma funcionalidade foi perdida na integração; deve ser automatizado. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 23

24 Refactoring atividade de melhorar o código sem mudar a funcionalidade; tentar simplificar o código; tentar implementar funcionalidades de maneira mais fácil; pode ser feito antes ou depois de implementar uma funcionalidade; leva em consideração o fato de que você aprende durante o desenvolvimento. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 24

25 Design Simples Sempre usar o design mais simples que funcione: rode todos os testes; não tenha código duplicado; comunique as intenções dos programadores claramente; contenha o menor número possível de classes e métodos. Nunca incluir funcionalidades extras. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 25

26 Propriedade Coletiva do Código todos podem mudar o código para melhorá-lo; todos são responsáveis pelo código; quem quebra alguma coisa deve consertá-la; requer extrema disciplina. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 26

27 Integração Contínua evita os pesadelos da integração; integrar várias vezes ao dia - passou no teste de unidade, integra; facilita os teste: se parou de funcionar, então o que eu acabei de integrar deve ser o culpado; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 27

28 Cliente no Local um cliente deve sempre estar disponível para esclarecer estórias e tomar decisões de negócio; as estórias nunca contam tudo; comunicação face-a-face; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 28

29 Pequenos Releases os releases devem ser os menores possíveis, e mesmo assim terem valor para o negócio; liberar um release o mais cedo possível; pequenos releases fornecem feedback concreto do cliente mais rápido. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 29

30 Semana de 40 horas o exato número de horas não é importante; programadores cansados cometem mais erros; horas extras não são uma resposta a um problema no projeto; são apenas um sintoma de um problema maior. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 30

31 Padrões de codificação sem padrão de codificação é difícil: fazer refactoring; trocar os pares de programadores; ir rápido. serve para facilitar a comunicação; não dever ser extenso, mas apenas uma série de guidelines. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 31

32 Metáfora do Sistema é para XP o que muitas metodologias chamam de arquitetura; mostra o modo como o sistema trabalha, onde cada parte se encaixa e qual a forma que devem ter; deve ser entendida por todos; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 32

33 Quando usar XP melhor do que code and fix; projetos pequenos; equipes pequenas - não funcionam bem com equipes grandes; uso de orientação a objetos; desenvolvedores responsáveis e motivados; clientes compreensivos e envolvidos. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 33

34 Capability Maturity Model um modelo de cinco níveis que prescreve prioridades de melhoria de processo para organizações que produzem software; testado em diversas organizações, de diversos tamanhos, pelo mundo afora; aceito pela comunidade de software como padrão de processos capazes de produzir software confiável e de qualidade. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 34

35 Críticas ao CMM muito grande (aproximadamente 500 páginas); feito para grandes organizações e grandes projetos; rígido e burocrático; mas, se interpretado com bom senso, pode ser usado por pequenas empresas com agilidade. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 35

36 OS 5 níveis do CMM nível 1 - inicial: nenhum processo; nível 2 - repetível: foco em gerenciamento de projeto; nível 3 - definido: foco em processos de engenharia e no suporte organizacional; nível 4 - gerenciado: foco na qualidade dos processos e do produto; nível 5 - otimizado: foco na melhoria contínua do processo. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 36

37 Estrutura do CMM 18 processos chave (KPAs), distribuídos pelos 4 níveis superiores; nível 2: RM, SPP, SPTO, SSM, SQA, SCM nível 3: OPF, OPD, TP, ISM, SPE, IC, PR nível 4: QPM, SQM nível 5: DP, TCM, PCM 52 objetivos divididos nas 18 KPAs; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 37

38 RM - Requirements Management Os objetivos da Gerência de Requisitos são: Objetivo 1: Os requisitos de software são controlados para estabelecer uma baseline que será usada como base tanto para o desenvolvimento quanto para atividades de gerência. Objetivo 2: Os planos de desenvolvimento, os produtos e todas as atividades são mantidos em consistência com os requisitos de software. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 38

39 RM com bom senso Documentar os requisitos e os compromissos assumidos, mesmo que seja em apenas uma folha de papel. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 39

40 RM e XP estórias cliente no local integração contínua Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 40

41 SPP - Software Project Planning Os objetivos da KPA Planejamento de Projeto de Software são: Objetivo 1: As estimativas de software são documentadas para uso no planejamento e acompanhamento do projeto. Objetivo 2: O projeto de software tem as suas atividades e compromissos associados planejados e documentados. Objetivo 3: Os grupos e indivíduos que tenham alguma relação com o desenvolvimento do software conhecem os compromissos assumidos e concordam com eles. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 41

42 SPP com bom senso Fazer um plano básico que contenha as principais atividades a serem realizadas, bem como os produtos gerados por cada uma delas. Revisar o plano conforme o projeto estiver em andamento. Estabelecer pontos de verificação. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 42

43 SPP e XP jogo do planejamento pequenos releases Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 43

44 SPTO - Software Project Tracking & Oversight Os objetivos da KPA Acompanhamento e Supervisão de Projeto de Software são: Objetivo 1: É feito um acompanhamento do realizado com relação ao que foi planejado. Objetivo 2: Quando o andamento do projeto desvia de maneira significativa do que foi planejado ações corretivas são executadas e gerenciadas até a sua conclusão efetiva. Objetivo 3: Eventuais mudanças de compromissos de quaisquer natureza são negociadas e concordadas por todos os grupos afetados. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 44

45 SPTO com bom senso Comparar o que foi feito com o que foi planejado. Atualizar o plano de maneira simples. As tarefas devem ser pacotes binários: ou terminadas ou não terminadas. Uma tarefa 87% pronta é sinal de chute. Se o projeto estiver saindo da linha, parar e replanejar. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 45

46 SPTO e XP o grande gráfico visual (the big visual chart); velocidade do projeto; estórias (compromissos); pequenos releases; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 46

47 SSM - Software Subcontract Management Os objetivos da Gerência de Subcontratação de Software são: Objetivo 1: O contratante seleciona subcontratados qualificados. Objetivo 2: O contratante e o subcontratado concordam quanto aos compromissos assumidos mutuamente. Objetivo 3: O contratante e o subcontratado mantém comunicação permanente. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 47

48 SSM com bom senso Pequenas organizações geralmente não subcontratam. Se subcontratarem, escolher organizações competentes e gerenciar seu trabalho. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 48

49 XP e SSM a XP não trata subcontratação. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 49

50 SQA - Software Quality Assurance Os objetivos da Garantia de Qualidade de Software são: Objetivo 1: As atividades de SQA são planejadas. Objetivo 2: Os produtos e atividades em uso atendem a todos os padrões, normas e requisitos aplicáveis. Objetivo 3: Todos os grupos afetados são informados das atividades do grupo de SQA e dos seus relatórios. Objetivo 4: Não conformidades encontradas e não resolvidas no contexto do projeto são tratadas pela gerência superior. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 50

51 SQA com bom senso Verificar se os requisitos e os padrões estão sendo atendidos. Utilizar-se de checklists para isso. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 51

52 SQA e XP pair programming (parcialmente); Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 52

53 SCM - Software Configuration Management Os objetivos da Gerência de Configuração de Software são: Objetivo 1: As atividades de SCM são planejadas. Objetivo 2: Produtos de trabalho selecionados, os itens de configuração, são identificados, controlados e tornados disponíveis. Objetivo 3: As mudanças dos itens de configuração são controladas. Objetivo 4: Os grupos afetados e indivíduos são mantidos informados da situação e conteúdo do baseline de software. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 53

54 SCM com bom senso Estabelecer baselines e controlar sua mudança. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 54

55 SCM e XP propriedade coletiva do código (parcialmente); pequenos releases (parcialmente); integração contínua (parcialmente); Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 55

56 OPF - Organization Process Focus Os objetivos da KPA Foco no Processo Organizacional são: Objetivo 1: Atividades de desenvolvimento e melhoria do processo de software são coordenadas através da organização. Objetivo 2: Os pontos fortes e fracos dos processos de software utilizados são identificados com relação a um processo padrão. Objetivo 3: Atividades de desenvolvimento e melhoria do processo de software em nível organizacional são planejadas. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 56

57 OPF com bom senso Atribuir a responsabilidade de melhoria e manutenção do processo de desenvolvimento para alguém. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 57

58 OPF e XP OPF é tratada pela XP no nível de equipe, e não no nível organizacional; a filosofia de adoção de uma prática da XP por vez implica em questões de processo organizacional. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 58

59 OPD - Organization Process Definition Os objetivos da KPA Definição do Processo Organizacional são: Objetivo 1: Um processo de software padrão para a organização é desenvolvido e mantido. Objetivo 2: Informações relacionadas ao uso do processo de software padrão da organização pelos projetos de software são coletadas, revistas e tornadas disponíveis. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 59

60 OPD com bom senso Documentar o processo de desenvolvimento de software, em alto nível e de maneira e objetiva. Mantenha o processo simples. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 60

61 OPD e XP a XP pode ser adotada como processo padrão, mas isso está fora do escopo da XP; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 61

62 TP - Training Program Os objetivos do Programa de Treinamento são: Objetivo 1: As atividades de treinamento são planejadas. Objetivo 2: Treinamento para desenvolver as habilidades e o conhecimento necessários para realização de tarefas técnicas e de gerência de projeto é fornecido. Objetivo 3: Indivíduos do grupo de engenharia de software e grupos relacionados ao software recebem o treinamento necessário para desempenharem suas tarefas. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 62

63 TP com bom senso Os desenvolvedores tem que dominar as técnicas que utilizam. O treinamento não precisa ser em sala de aula. Atividades de mentoring muitas vezes são mais eficientes. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 63

64 TP e XP TP e XP: parcialmente tratado devido a grande quantidade de livros, sites, artigos e cursos sobre XP. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 64

65 ISM - Integrated Software Management Os objetivos da Gerência Integrada de Software são: Objetivo 1: O processo de software definido para um determinado projeto é uma versão adaptada do processo de software padrão da organização. Objetivo 2: O projeto é planejado e gerenciado conforme o processo de software definido para o projeto. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 65

66 ISM com bom senso Nem todos os projetos exigem o uso do mesmo processo. Por isso, o processo original da organização tem que poder ser adaptado para as necessidades do projeto. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 66

67 ISM e XP não tratado pela XP. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 67

68 SPE - Software Product Engineering Os objetivos da Engenharia de Produto de Software são: Objetivo 1: As tarefas de engenharia de software são definidas, integradas e realizadas consistentemente para produzir software. Objetivo 2: Produtos de trabalho de software são mantidos consistentes uns com os outros. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 68

69 SPE com bom senso Use sempre um processo de desenvolvimento consistente, mesmo para pequenos projetos. Não queime fases. Considere este processo quando for fazer o planejamento. Sempre gaste mais tempo com análise de requisitos, design e planejamento dos testes. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 69

70 SPE e XP SPE é amplamente tratada pela XP: metáfora; design simples; refactoring; turnê da naftalina (mothball tour); padrões de codificação; testes de unidade; testes de aceitação; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 70

71 IC - Intergroup Coordination Os objetivos da KPA Cordenação Entre Grupos são: Objetivo 1: Todos os grupos afetados concordam com os requisitos do cliente. Objetivo 2: Todos os grupos afetados concordam com os compromissos entre os grupos de engenharia. Objetivo 3: Os grupos de engenharia identificam, acompanham e resolvem questões intergrupos. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 71

72 IC com bom senso Comunique-se com seu cliente. Registre compromissos. Resolva conflitos. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 72

73 IC e XP cliente no local; programação por pares; Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 73

74 PR - Peer Reviews Os objetivos das Revisões por Pares são: Objetivo 1: As atividades de revisão por pares são planejadas. Objetivo 2: Os defeitos dos artefatos de software são identificados e removidos. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 74

75 PR com bom senso Submeta sempre todo trabalho a alguma espécie de revisão. Inspeções geralmente são o modo mais adequado. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 75

76 PR e XP programação por pares. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 76

77 QPM - Quantitative Process Management Os objetivos da Gerência Quantitativa do Processo são: Objetivo 1: As atividades de gerenciamento quantitativo de processo são planejadas. Objetivo 2: A performance do processo definido para um projeto é controlada quantitativamente. Objetivo 3: A capacitação do processo de software padrão da organização é conhecida em termos quantitativos. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 77

78 QPM com bom senso Definir poucas métricas simples e coerentes. Coletá-las com disciplina. Comparar os resultados atingidos. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 78

79 QPM e XP não tratada pela XP. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 79

80 SQM - Software Quality Management Os objetivos da Gerência de Qualidade de Software são: Objetivo 1: As atividades de gerenciamento de qualidade de software são planejadas. Objetivo 2: Metas mensuráveis para a qualidade do software e suas prioridades são definidas. Objetivo 3: O progresso verdadeiro em direção ao atingimento das metas de qualidade para os produtos de software é quantificado e gerenciado. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 80

81 SQM com bom senso Usando-se as metas coletadas na KPA QPM, definir metas de qualidade a atingir. Monitorar o atingimento destas metas. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 81

82 SQM e XP não tratada pela XP. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 82

83 DP - Defect Prevention Os objetivos da Prevenção de Defeitos são: Objetivo 1: As atividades de prevenção de defeitos são planejadas. Objetivo 2: As causas comuns dos defeitos são procuradas e identificadas. Objetivo 3: As causas comuns dos defeitos são priorizadas e sistematicamente eliminadas. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 83

84 DP com bom senso Identificar as causas dos defeitos e prevenir que ocorram novamente. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 84

85 DP e XP pequenos releases (parcialmente) Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 85

86 TCM - Technology Change Management Os objetivos da KPA Gerência de Mudança Tecnológica são: Objetivo 1: A incorporação de mudanças tecnológicas é planejada. Objetivo 2: Novas tecnologias são avaliadas para se determinar seus efeitos em termos de qualidade e produtividade. Objetivo 3: Novas tecnologias apropriadas são transferidas para as práticas normais da organização. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 86

87 TCM com bom senso Identificar novas tecnologias e introduzí-las na organização de maneira ordenada. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 87

88 TCM e XP Fazer sempre projetos piloto. Coletar as métricas padrão da organização. Medir o impacto do uso da nova tecnologias nestas métricas. Avaliar o custo/benefício. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 88

89 PCM - Process Change Management Os objetivos da Gerência de Mudança no Processo são: Objetivo 1: A melhoria contínua do processo é planejada. Objetivo 2: Toda a organização participa das atividades de melhoria de processo de software. Objetivo 3: O processo de software padrão da organização e os processos de software adaptados para os projetos são melhorados continuamente. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 89

90 PCM com bom senso Manter um programa de sugestões. Avaliar o uso de novas práticas em projetos piloto. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 90

91 PCM e XP não tratado pela XP. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 91

92 Resumo KPAs KPAs KPAs nível 2 satisfação nível 3 satisfação nível 4/5 satisfação RM XX OPF X QPM --- SPP XX O PD X SQ M --- SPTO XX TP -- SSM -- ISM -- DP X SQA X SPE XX TCM --- SCM X IC XX PCM --- PR XX X: parcialmente; XX: amplamente; ---: não tratado Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 92

93 Conclusão XP tem foco nos aspectos técnicos, enquanto CMM tem foco nos aspectos gerenciais; no ambiente apropriado, XP trata muitas KPAs do nível 2 e 3; uso questionável para sistemas críticos ou de alta confiabilidade; XP é um processo disciplinado; XP e CMM podem ser considerados complementares - CMM diz o quê; XP diz como. é possível ter qualidade com XP. Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 93

94 Bibliografia (I) Fowler, Martin - The New Methodology - Software Development Magazine - Dezembro/2000 Beck, Kent - Extreme Programming Explained - Addison Wesley Miller, Roy W.; Collins, Christopher T. - XP Distilled - IBM DeveloperWorks - Março/2001 Paulk, Mark C. - Extreme Programming from a CMM Perspective - IEEE Software - Novembro/Dezembro 2001 Paulk, Mark C. - Using the Software CMM With Good Judgment - ASQ Software Quality Professional - Junho de 1999 Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 94

95 Bibliografia (II) CMU/SEI - The Capability Maturity Model: guidelines for improving the software process - Addison Wesley MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Secretaria de Política de Informática. Sociedade SOFTEX. Levantamento do Universo das Associadas SOFTEX. Brasilia. Ago 2001 The Standish Group International. The CHAOS Report. Dennis, MA, Antonio Sergio Ferreira Bonato - XP e Qualidade 95

Extreme Programming e Qualidade de Software

Extreme Programming e Qualidade de Software Extreme Programming e Qualidade de Software Antonio Sergio Ferreira Bonato Departamento de Sistemas Digitais Escola Politécnica Universidade de São Paulo asbonato@ieee.org Resumo Nos últimos anos tem surgido

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 Os níveis 3, 4 e 5 No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 descrição sucinta das KPAs dos níveis 3, 4 e 5 INF310 - Modelos

Leia mais

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

RESUMO. Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO

RESUMO. Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO RESUMO Assunto - CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS DE SOFTWARE MODELOS DE CAPACITAÇÃO Consiste em um programa de melhoria de processos nas empresas que deve refletir o acervo de experiência dos profissionais e

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Mapeamento entre PMBOK, CMM e RUP

Mapeamento entre PMBOK, CMM e RUP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Monografia de Conclusão de Curso MBIS Master Business Information System Mapeamento entre PMBOK, CMM e RUP Maurício Nacib Pontuschka Coordenadora Prof.ª Lavínia

Leia mais

Aplicando práticas de extreme Programming(XP) em equipes SW-CMM nível 2

Aplicando práticas de extreme Programming(XP) em equipes SW-CMM nível 2 Aplicando práticas de extreme Programming(XP) em equipes SW-CMM nível 2 Carlos Henrique Rodrigues Cardoso DCOM Departamento de Computação Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) Av. João de Camargo,

Leia mais

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE

Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Cristiano Pereira Godoy Itatiba São Paulo Brasil Novembro de 2004 ii Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. O Processo de Garantia da Qualidade CMM Nível 2: Da Implantação à Melhoria

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. O Processo de Garantia da Qualidade CMM Nível 2: Da Implantação à Melhoria 2003 O Processo de Garantia da Qualidade CMM Nível 2: Da Implantação à Melhoria Denise Lazzeri Gastaldo, Alfredo Tsukumo, Luiz Cruz Resumo O segmento Transport Information olutions da ALTOM em ão Paulo

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br 30 de outubro de 2003 CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações Renato Luiz Della Volpe Sergio Massao Jomori Ana Cecília Peixoto Zabeu www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Evolução

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Rhavy Maia Guedes IN1149 Qualidade, Processo e Gestão de Software Agenda 2 Introdução

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

extreme Programming extreme Programming (XP) Metodologia Ágil Partes do XP Communication (comunicação) 1. Valores do XP

extreme Programming extreme Programming (XP) Metodologia Ágil Partes do XP Communication (comunicação) 1. Valores do XP extreme Programming extreme Programming (XP) Metodologia ágil para equipes pequenas a médias desenvolvendo software com requesitos vagos ou que mudam freqüentemente. [Beck 2000] Em XP, codificação é principal

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br Introdução Criada por Kent Baeck em 1996 durante o projeto Daimler Chrysler. O sucesso

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Comparação entre Metodologias RUP e XP

Comparação entre Metodologias RUP e XP Comparação entre Metodologias RUP e XP Carlos G. Vasco, Marcelo Henrique Vithoft, Paulo Roberto C. Estante Programa de Pós Graduação em Informática Aplicada Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

O Rational Unified Process Um Ativador para a Maturidade de Processo Avançado

O Rational Unified Process Um Ativador para a Maturidade de Processo Avançado O Rational Unified Process Um Ativador para a Maturidade de Processo Avançado Annie Kuntzmann Combelles, Q-Labs France Philippe Kruchten, Rational Software Canada A Rational Software and Q-Labs White Paper

Leia mais

abraçando a mudança extreme Programming Helder da Rocha www.argonavis.com.br

abraçando a mudança extreme Programming Helder da Rocha www.argonavis.com.br abraçando a mudança extreme Programming Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Desenvolvimento de software no passado Engenharia de software tradicional Analisar, projetar, e só depois começar a construir

Leia mais

Tutorial SEPG Software Engineering Process Group

Tutorial SEPG Software Engineering Process Group SIMPROS 2003 Tutorial SEPG Software Engineering Process Group Recife, 3-5 de Novembro de 2003 Renato Luiz Della Volpe www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Definições e Conceitos Estrutura do CMM

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software

Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Formado em 1983 em Engenharia Mecânica pela FEI Pós graduação em Administração Industrial pela

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

XP-CMM2: Um Guia para Utilização de Extreme Programming em um Ambiente Nível 2 do CMM

XP-CMM2: Um Guia para Utilização de Extreme Programming em um Ambiente Nível 2 do CMM Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática RENATA ENDRISS CARNEIRO CAMPELO XP-CMM2: Um Guia para Utilização de Extreme Programming em um Ambiente Nível 2 do CMM ORIENTADOR Prof. Hermano Perrelli

Leia mais

Implantação e Implementação do SW-CMM - Capability Maturity Model Uma Visão Prática. setembro/2002. Renato Luiz Della Volpe

Implantação e Implementação do SW-CMM - Capability Maturity Model Uma Visão Prática. setembro/2002. Renato Luiz Della Volpe Implantação e Implementação do SW-CMM - Capability Maturity Model Uma Visão Prática setembro/2002 Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Formado em 1983 em Engenharia Mecânica pela FEI Pós graduação

Leia mais

CMM. Práticas de Gerência de Configuração

CMM. Práticas de Gerência de Configuração REGINALDO PEREIRA DE SOUZA CMM Práticas de Gerência de Configuração Universidade São Francisco Itatiba 2004 ii REGINALDO PEREIRA DE SOUZA CMM Práticas de Gerência de Configuração Pesquisa desenvolvida

Leia mais

CMMI Capability Maturity Model Integration

CMMI Capability Maturity Model Integration www.asrconsultoria.com.br CMMI Capability Maturity Model Integration Visão Geral Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office 1 Agenda Introdução Maturidade

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

Programação Extrema. Luis Fernando Machado. Engenharia de Software

Programação Extrema. Luis Fernando Machado. Engenharia de Software Programação Extrema Luis Fernando Machado Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil Programação Extrema, ou Extreme Programming (XP) é um modelo de desenvolvimento ágil. Desenvolvimento ágil foi criado

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

A implantação do CMM em um

A implantação do CMM em um A implantação do CMM em um ambiente de P&D EPQS - Campinas, 16/Setembro2004 Ana Pavan Lúcia Gastal 2004 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Tópicos a serem abordados Parte I : A organização HP P&D

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Agenda Introdução - apresentação Maturidade do Processo de Software Qualidade de software no Brasil e no mundo CMM - Overview Utilizando o CMM Melhoria Contínua do Modelo CMMI

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Estudo da aplicação de um processo gerenciado de produção de

Estudo da aplicação de um processo gerenciado de produção de 1 Estudo da aplicação de um processo gerenciado de produção de software em MPEs Sandra Leandro Pereira 1 Thiago Pereira de Brito Vieira 2 leandrlu@terra.com.br tpbvieira@gmail.com 1 Centro de Ciências

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Operação do SEPG na Motorola Brasil

Operação do SEPG na Motorola Brasil Operação do SEPG na Motorola Brasil Jose Mário de Souza Lima Filho- Jose.Lima@motorola.com Ana Luísa Andrade Florencio - Ana.Florencio@motorola.com Márcia Cristina Carvalho Costa - Marcia.Costa@motorola.com

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS DO EXTREME PROGRAMMING PARA A PREVENÇÃO DO DÉBITO TÉCNICO DE PROJETOS DE SOFTWARE

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS DO EXTREME PROGRAMMING PARA A PREVENÇÃO DO DÉBITO TÉCNICO DE PROJETOS DE SOFTWARE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇAO EM ENGENHARAIA DE SOFTWARE CENTRADA EM MÉTODOS ÁGEIS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS DO EXTREME PROGRAMMING

Leia mais

V Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software SBQS 2006

V Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software SBQS 2006 Mapeamento do modelo de Melhoria do Processo de Software Brasileiro (MPS.Br) para empresas que utilizam Extreme Programming (XP) como metodologia de desenvolvimento. Célio A. Santana, Aline L. Timóteo,

Leia mais

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Carlo Giovano Pires, Fabiana Marinho, Gabriela Telles, Márcia Sampaio Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822-780, Fortaleza -

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software (1) Gestão de Projetos (1) Definição e evolução. (2) Processo de Software (2) Processos de software. (3) Projeto de Interface Homem- Máquina (4) SW-CMM/CMMI (3) Gestão de projetos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Utilização de Práticas Genéricas do CMMI para apoiar a utilização de Metodologias Ágeis.

Utilização de Práticas Genéricas do CMMI para apoiar a utilização de Metodologias Ágeis. Utilização de Práticas Genéricas do CMMI para apoiar a utilização de Metodologias Ágeis. Célio Santana,1, Cristine Gusmão 1, Ana Rouiller 2, Alexandre Vasconcelos 3 1 Universidade de Pernambuco, Departamento

Leia mais