EDUCAÇÃO INCLUSIVA A DIVERSIDADE EM IMAGENS NAS CAPAS DA REVISTA NOVA ESCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO INCLUSIVA A DIVERSIDADE EM IMAGENS NAS CAPAS DA REVISTA NOVA ESCOLA"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO INCLUSIVA A DIVERSIDADE EM IMAGENS NAS CAPAS DA REVISTA NOVA ESCOLA Eliana Cristina Pereira Santos 1 Introdução O processo de inclusão vem sendo aplicado em todos os aspectos sociais. Todavia, aqui vale a inclusão na educação, ou seja, educação inclusiva. Este trabalho visa identificar como a inclusão vem sendo representada em algumas capas da revista Nova Escola (todas relacionadas ao tema inclusão) nos enunciados das chamadas principais de cada edição. A revista parece trazer respostas especializadas (voz de autoridade) sobre o assunto, uma vez que esse tema é relacionado a várias áreas do conhecimento (científico, médico, humanas e etc.). No entanto, não fica claro, para os profissionais da educação (professores), o que eles podem e devem fazer no âmbito escolar. Nesta perspectiva, este trabalho, apresenta um esboço analítico fundamentado nos estudos da Análise do Discurso (AD), desta forma tenta demonstrar com a seguinte fundamentação teórica: Foucault (2001; 2005); Hernandes (2006), Orlandi (2005) e Pêcheux (2002). Haja vista, que os enunciados, sejam verbais ou imagéticos são sempre repletos de efeitos de sentido, já-ditos que voltam na fala do outro. Este estudo com propósito de identificar a imagem do portador de necessidade especial, ou como essa diversidade na educação, vem sendo apresentada em algumas capas da revista Nova Escola, doravante RNE. Por isso neste trabalho está sendo feito um esboço analítico, ou seja, um iniciar ainda não finalizado, com algumas informações, que poderão ser aprofundadas em outros trabalhos e também que podem ser vistas como brechas para que outros investigadores que pensam sobre o mesmo 1 Pedagoga da rede estadual de ensino de Foz do Iguaçu-PR, especialista em Psicopedagogia. Atualmente é aluna regular do curso de Mestrado Strictu Sensu pela UNIOESTE- Cascavel/PR em Letras, sob orientação do Dr. João Carlos Cattelan.

2 assunto. Para tal, foram selecionadas três capas, especificamente relacionadas ao tema inclusão: a educação inclusiva. As capas da RNE que foram selecionadas aparecem como resposta especializada sobre o assunto, uma vez que esse tema está diretamente relacionado à área de estudo e atuação de várias ciências entre elas a medicina e a educação. No entanto, as capas tal qual estão colocadas trazem dúvidas ao interlocutor em questão, mais precisamente os professores leitores da Nova Escola. Não fica muito claro, o que ele, enquanto educador pode fazer, ou deixar de fazer, diante da heterogeneidade no âmbito escolar, como ele poderá estar lidando com a diversidade de um modo geral. Quando nos referimos à diversidade, estamos não falando somente da inclusão dos portadores necessidades especiais, mas, referimo-nos também os alunos marginalizados pela sociedade e consequentemente pela escola. A escola enquanto instituição social, é, muitas vezes, mantenedora da sociedade vigente, nas palavras de Althusser(), a escola é mais um aparelho ideológico do Estado, eis as palavras do autor: Acreditamos portanto ter boas razões para afirmar que, por trás dos jogos de seu Aparelho Ideológico de Estado político, que ocupava o primeiro plano do palco, a burguesia estabeleceu como seu aparelho de Estado n 1, e portanto dominante, o aparelho escolar, que, na realidade, substitui o antigo aparelho ideológico de Estado dominante, a Igreja, em suas funções. Podemos acrescentar: o par Escola Família substitui o par Igreja Família. (ALTHUSSER, 1985, p. 78). Feitas essas colocações, busca-se fundamentação teórica nos estudos da Análise do Discurso (AD), procurando trazer para a educação discussões pertinentes aos discursos em relação à educação. Entende-se discurso como sentidos em movimento, as errâncias dos sujeitos, a improbabilidade de lugares para as conjunções nas dispersões e discursividade de unidades, de incertezas de trajetos, indistinção, vestígios e ancoragem realizadas pelas e/com as palavras, ou até mesmo com a ausência delas. Ou seja, são os sentidos ou efeitos de sentidos, que estão em constantes mudanças na sociedade, utilizam-se da materialidade contida nas palavras, ou ausência delas; nas cores, nas figuras, nas formas diversas para que seus discursos sejam veiculados. Esses discursos são veiculados como traços culturais, muito bem estabelecidos amarrados e socialmente. São discursos, socialmente considerados óbvios, mas que essa obviedade é fruto da ideologia. Um dos autores a perceber as forças internas que detêm a tarefa de conter o discurso ou de controlar o caráter de acontecimento do discurso, no intuito de entendê-

3 lo é, Foucault (2001). Ele considera o discurso um processo de construção social e de constituição nas relações de interação entre os interlocutores. Para o autor, os discursos nada têm de espontâneo ou de particular, mas ao contrário, seus termos são sempre determinados pelas relações de poder que controlam a práxis humana. Tomando como referencia esse autor podemos afirmar que a RNE, nada mais é que um órgão muito bem institucionalizado, isso significa que, é conferido a ela poderes de interdição do que deve ou não ser publicado. Interdições que Foucault (2001) denomina de tabu do objeto, as capas são materiais muito bem elegidos, o que possivelmente não passe pela aceitação do leitor é automaticamente interditado, por seus produtores. Uma das características básicas da mídia é se passar como transparente, verdadeira, embora, com frequência se venda como imparcial e objetiva, faz falar por diversas formações discursivas (FD), muitas vezes numa mesma capa, supõe-se, assim, que tudo que o discurso formula já se encontra articulado nesse meio-silêncio que lhe é prévio, que continua a correr obstinadamente sob ele, mas que ele recobre e faz calar (FOUCAULT, 2005, p. 28). Diríamos até, que, são várias vozes, falando com o leitor, de vários lugares imaginários, o qual quer dizer que, o que está na capa, é o que pode ser dito, neste lugar especifico, e dessa maneira e não de outra forma. Vale ressaltar que, os meios de comunicação do Brasil pertencem a poucos donos. Por isso, na questão do imaginário reproduzido pelos discursos veiculados nas mídias, observa-se o desempenho de um poderoso papel de conscientização das pessoas. Sodré (1992) assegura que: O setor cada vez mais responsável pelo controle desse imaginário [social brasileiro] imprensa escrita e radiodifusão é um dos mais centralizados ou monopolistas do país. E também um dos mais familiais: nove clãs controlam mais de 90% de toda a comunicação social brasileira. Trata-se de jornais, revistas, rádios, redes de televisão, com mais de 90% de circulação, audiência e produção de informações (SODRÉ 1992, p.43). Nas capas da RNE, as figuras aparecem carregadas de signos ainda não elucidados e direciona a reprodução no inconsciente do interlocutor de uma imagem (modelo-padrão) do que é e como é ser aluno portador de necessidades especiais na sociedade vigente e o que o professor deve fazer. A escolha do tema deve aos estudos das mídias e a importância do tema 2 : corresponder às chamadas minorias sociais, ou as 2 O tema inclusão não é meu foco de pesquisa no Mestrado, por isso, trabalharei com alguns conhecimentos compartilhados de outras áreas do estudo científico.

4 diversidades na escola, que, por razões históricas sempre sofreram de atos discriminatórios, embora, existam leis que prevêem punições para qualquer tipo de discriminação. Nas palavras de Cardoso e Ribeiro (1997) podemos encontrar a seguinte afirmação, que nos auxilia para entendermos essa discriminação velada, principalmente no que tange a postura da escola, e consequentemente da educação em relação a inaceitabilidade: a discriminação parece se consolidar como alguma coisa que se repete, que se reproduz. Não se pode esmorecer na hipocrisia e dizer que o nosso jeito não é esse. Não, o nosso jeito está errado mesmo, há uma repetição de discriminações e há a inaceitabilidade do preconceito. Isso tem de ser desmascarado, tem de ser, realmente, contra-atacado, não só verbalmente, como também em termos de mecanismos e processos que possam levar a uma transformação, no sentido de uma relação mais democrática, entre as raças, entre os grupos sociais e entre classes. (CARDOSO; RIBEIRO, 1997, p.14-16, grifos meus). Desde a idade primitiva as pessoas com necessidades educacionais especiais vêm lutando por sua inserção social. Com o predomínio da burguesia a idéia de liberdade e igualdade de direito, vão sendo discutidas e propostas, afinal, a burguesia exigia a concretude de ações para seus filhos anormais. No século XX, os filósofos e pedagogos Piaget e Vygotsky, entre outros, iniciaram estudos científicos para saber como as crianças aprendem. Segundo documentos do MEC- Ministério da Educação (1997) foi dessa forma, a partir de propostas pedagógicas de muitos autores que a educação especial passou a ganhar espaços nas discussões acerca de uma reforma educacional, primeiro em nível internacional e depois no Brasil. Depois de inúmeras discussões a LDB nº 9.394/96, é aprovada e reafirma a preferência do atendimento da Educação Especial em escolas de ensino regulares, ou seja, atendimento a esses alunos não mais em escolas especializadas,que poderiam transformarem-se em Centros de Apoio. Na Lei, o único trecho que anda tirando o sono de muitos educadores é a última parte, aponta providências de ordem escolar ou assistencial, mas, não define como será feita a inclusão desses alunos nas redes regulares de ensino. O capítulo V, artigo 60, parágrafo único diz assim: O Poder Público adotará, como alternativa preferencial, a ampliação do atendimento aos educandos com necessidades especiais na própria rede pública regular de ensino, independentemente do apoio as instituições previstas neste artigo LDB 9394/96. Dessa forma, pode-se perceber um dos motivos porque a inclusão

5 tem conquistado grandes espaços no cenário educacional, embora, este, ainda, deva ser um dos assuntos amplamente discutidos por pedagogos e profissionais da educação. O corpus e esboços de análises A RNE, enquanto revista de grande circulação entre o professorado brasileiro propõe a atender o imediatismo do professor em exercício. As capas são de épocas distantes entre si, entretanto, abordam o mesmo tema, de grande discussão nos dias atuais, dentro da Educação de forma geral e mais especificamente nos estabelecimentos de ensino. Capa (1), Edição n 165, set/2003 Capa (2), Edição nº182, maio/2005 Capa (3),Edição Especial Na chamada principal da capa (1) A inclusão que dá certo, nesse enunciado e, podemos encontrar o operador argumentativo que introduzindo uma justificativa. Poderia simplesmente, ser a inclusão dá certo, entretanto, é utilizado o que para apresentar uma experiência que já deu certo. As letras são apresentadas em cor diferente juntamente com a palavra dá, em verde escuro. Dessa forma, as outras palavras escritas na cor branca se sobressaem do plano, ou seja, A inclusão - assunto principal - e certo reforçam no leitor a certeza, afinal, elas saltam aos olhos. Se a chamada fosse a

6 inclusão dá certo os efeitos de sentido seriam outro. Mas, a RNE utiliza de estratégias atrativas para o leitor, parafraseando Hernandes (2006), a revista busca a confiança do seu interlocutor/leitor. Para tal, utiliza-se de estratégias linguísticas, aparentemente simples, mas de efeitos de sentido provocadores completamente diferentes, a utilização do que no enunciado, auxilia na busca da veracidade de sua afirmação. Sabemos que somente o linguístico não completa os possíveis efeitos de sentido, faz-se então necessário em uma capa a utilização da imagem. As figuras estão no mesmo plano. Ambas são crianças, brancas, do gênero feminino, cabelos lisos, para diferenciá-las, a criança portadora de necessidade especial, seu rosto sobressai ao da outra, está acima, além das características notáveis da Síndrome de Down. Na capa (2) a chamada principal é: A escola que é de todas as crianças, a linguagem utilizada aponta para a intencionalidade dos produtores da capa em asseverar que a escola é uma instituição de acesso a todas as crianças, principalmente às crianças portadoras de necessidades especiais. O uso do pronome que juntamente com o uso da expressão todas as introduz um efeito discursivo de uma afirmação. O uso do termo todas incide diretamente sobre o substantivo crianças, confirmando efeitos que, independentemente da situação, todas as crianças devem estar na escola. Em destaque a palavra todas é apresentada em cor amarela, enquanto o resto do enunciado está na cor branca. Os participantes representados por um grupo de alunos enfileirados em um tanque de areia, podem ser agrupados a classes simultaneamente: a relação de nacionalidade (brasileiros), a idade (crianças), a instituição (mesma escola).entretanto, o discurso da RNE é que é possível uma sala de aula inclusiva, sem diferenciação o garoto cadeirante é apresentado no início da fila e ou de uma brincadeira. Se pensarmos nos princípios que regulam a produção dos efeitos de sentidos composicionais, podemos justificar o posicionamento do cadeirante em primeiro plano, pelo fato de ser necessário que se faça uma dupla apresentação, do portador de necessidades especiais: ele, enquanto, aluno, matriculado e uniformizado como os demais alunos da escola, realizando a mesma atividade, e, ao mesmo tempo diferente, pois necessita da cadeira de roda para se locomover. Entretanto, o posicionamento dessa criança é justificável, já que o assunto da matéria de capa seja a questão da inclusão de alunos portadores de necessidades especiais em salas do ensino regular, e o mesmo parece estar em evidência. O posicionamento dos demais alunos em segundo plano só reforça os discursos da revista: a inclusão é possível entre outros discursos dispersos. Embora, se possa perceber que uma garota de óculos, se encontra em segundo plano - não a exclui

7 de necessitar também de um artefato (óculos) e possuir necessidades especiais. Há, pois, aqui, um conflito discursivo ocasionados pelas condições de produção que foram proporcionadas à sociedade através, de razões culturais, religiosas, histórias, pelo qual os portadores de alguma deficiência, seres semi-excluídos da sociedade, silenciados durante séculos. A constatação é visível, dadas as condições de planejamento arquitetônico da maioria das escolas em funcionamento: escadas, degraus, piso irregular e outros. No aspecto pedagógico: a formação dos docentes específica, mas aqui, entra a RNE com dicas, planos de aula, projetos, etc. para auxiliar o educador que já teve uma formação acadêmica sobre o assunto, contudo, para os que, não tenham formação específica, a informação primordial que recebe é a da revista. Pelo exposto até agora, é possível perceber que a RNE marca presença e se autoapresenta,na busca de divulgação, a revista transformou-se na embalagem ideal para o produto publicidade (MARTINS, 2008, p. 244). É o caso da capa (3), a garotinha que interpretava a Clara, na Rede Globo em Páginas da Vida exibida em 2006/07 é portadora da síndrome de Down, e na novela com sua interpretação representou, não somente, Joana Mocarzel, pessoa física, portadora da síndrome, mas, os diversos casos que já existiam/existem no Brasil e no mundo. Um tema de muita relevância, merecedor de debates, entretanto, necessitou da ajudinha dos controladores da RNE. Inclusive essa capa pertence a uma edição especial, justamente, enquanto a novela estava no ar, provavelmente, tenha sido lucrativa para o grupo Abril. Segundo Soares (2007) o fato de se considerar importante algo que foi publicado pelo veículo de informação [...] cria um imaginário de verdade em torno dos fatos abordados (SOARES, 2007, p.189). Segundo Orlandi (2002), o silêncio também é um discurso. Podemos entender que o silêncio, portanto, não é ausência de linguagem, de significado e de sentido; também não é complemento de linguagem. Ele tem significância própria (...) o silêncio não está apenas entre as palavras. Ele as atravessa. Acontecimento essencial da significação, ele é matéria significante por excelência. (ORLANDI, 2002 p. 49). Ao observar essa garota na capa, sem que precise de nenhuma palavra, sua imagem fica associada ao papel da novela. Na imagem ela brinca sozinha em um balanço, e fixa os olhos para a câmera com um sorriso. As cores trazem uma harmonia, o vermelho do vestido da garota, com uma blusa branca, incita nossos olhos a percebê-la em primeiro plano. O que combina com o slogan da RNE, também apresentados nas mesmas cores. Na chamada: Inclusão todos aprendem quando as crianças com deficiência vão a

8 escola junto com a outras a primeira palavra destacada pela cor amarela e por ser maior que as demais, denota que o tema maior é a Inclusão, curiosamente é apresentado entre um símbolo matemático: chaves. Na matemática as chaves representam um conjunto, e o conjunto acaba por significar elementos pertences ao mesmo grupo, unido, ligados, conjugados, entretanto, a chave é apresentada só de um lado, por isso dá a idéia de um conjunto aberto. Além, de a chave representar a importância do todo que está dentro do espaço delimitado por ela.. A chave que aparece no slogan, já é fechada por um colchete, ou seja, a inclusão está aberta. Essas são algumas análises percebidas diante das capas e do conceito de inclusão. A inclusão de que se fala são dos portadores de necessidades especiais, sem levar em conta que a segregação social é muito maior dentro de uma escola. Por isso, destacamos, todo discurso marca a possibilidade de uma desestruturação-reestruturação das redes e trajetos. (PÊCHEUX, 2002, p. 56). Isto remete ao sentido de que todo discurso pode registrar um conflito tanto nas filiações sociais, quanto históricas. Considerações finais O discurso veiculado pela RNE, sobre a educação inclusiva, em seus níveis de diversidades, vem imbricado pela ideologia, essa por sua vez, naturaliza certos sentidos, fazendo-os parecer evidentes e óbvios. A educação inclusiva apresenta-se romanticamente linda, entretanto, o discurso realizado pela RNE está ancorado em um já-dito, em outra situação, não tão idealistas, mas, um já dito em consonância com a realidade.com os debates acirrados politicamente em torno do diferente dentro da escola, do direito garantido constitucionalmente de igualdade a todos. No entanto,quando nos deparamos com essas capas, percebemos que os mesmos são apresentados de forma idealizada, acaba por apagar a história, apaga as condições de produção que realmente aqueles discursos foram gerados, ou seja, todo o processo de construção que levou para sua produção é apagado, quase um apagamento histórico. Não são levados em consideração todos os entraves políticos, e processos de discussões que resultaram em leis, em determinações, deliberações, até por fim, chegar à escola, nas mãos do professor. Enquanto revista de grande repercussão, esses discursos, veiculados por ela, vão se alojando na sociedade, e à medida que vão sendo apreendidos e apropriados, sendo apresentados no nível do intradiscurso, como adequados e naturais. Assim, coloca

9 Orlandi (1994) nessa naturalização acontece uma falsa desambiguação no lugar que são edificadas as transparências, podem e devem ser explicadas pelas condições de produção. Essas condições de produção fazem com que os efeitos de sentido sejam interpretados numa determinada direção, ou seja, em uma determinada formação discursiva. Mas, os discursos apresentam opacidade em sua materialidade, o que dá essa transparência é a ideologia. Segundo Orlandi (1994), é a ideologia oculta à realidade e enquanto prática discursiva, não é consciente, somente através dela, é que a relação, língua-história-sujeito, ganha significado. Assim sendo, temos a seguinte situação: os sujeitos, leitores, interlocutores desta revista, pode, através do discurso veiculado por ela, evidenciar uma identificação com a ideologia da realidade apresentada, não condizente com a realidade a qual pertence e sem ter consciência disso. No caso das capas da RNE vista quando lemos estamos produzindo sentidos (reproduzindo-os ou transformando-os), em relação a educação inclusiva brasileira. Mais do que isso, quando estamos lendo, estamos participando do processo (sóciohistórico) de produção de sentidos e o fazemos de um lugar e com uma direção histórica determinada (ORLANDI, 2005, p.59). Por isso, um pressuposto básico da RNE é exaustivamente repetido: os problemas educacionais sempre podem ser resolvidos, bastando para isso que cada um "faça a sua parte", ou seja, cada professor que se responsabilize pela educação, que dê conta do processo de inclusão, afinal, eles enquanto revista estão oferecendo informações. Vale lembrar também que "As escolas e os professores podem muito, mas não podem tudo! (CARVALHO, 2004, p. 09). Referências Bibliográficas: ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Tradução de Maria Laura V. de Castro. Introdução crítica de José Augusto Albuquerque. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, BARTHES, Roland. (1964). Rhétorique de l image. Communications 4. In: VESTERGAARD/SCHRODER A linguagem da propaganda. São Paulo: Martins Fontes BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Lei n , de 23 de Dezembro de 1996, que fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, MEC, BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Plano Nacional de Educação. Brasília, MEC, 1997 CARDOSO, Paulino de Jesus F.;RIBEIRO, Neli Góes e. Racismo, multiculturalismo e currículo escolar. In: LIMA, Ivan C. e ROMÃO, Jeruse, (Orgs). Negros e currículo, Florianópolis. Núcleo de Estudos Negros/NEN, Série Pensamento Negro em Educação nº2, 1997.

10 CARVALHO, Rosita Edler. Dez Anos Depois da Declaração de Salamanca FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. de Laura F. A Sampaio. São Paulo: Ed. Loyola, A arqueologia do saber. Trad. De Luiz Felipe Baeta Neves- 7. ed.- Rio de Janeiro: Forense Universitária, HERNANDES, Nilton. A mídia e seus truques. São Paulo: Contexto, MARTINS, Ana Luiza. Revistas em Revista: imprensa e práticas culturais em tempos de República. São Paulo ( ). 1ª Ed. Editora FAPESP, 2008 MIRANDA, Marília Gouvêa de. Novo paradigma de conhecimento e políticas educacionais na América Latina. Cadernos de Pesquisa, n 100, Fundação Carlos Chagas, São Paulo: Cortez, p , ORLANDI, Eni P. Discurso, imaginário social e conhecimento. In: Em Aberto, n.61, ano 14. Brasília: INEP, jan./mar, Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ, Vozes Editora. 2ª edição As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 3ª. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, Análise de Discurso: Princípios e procedimentos. São Paulo: Pontes PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi. 3. ed. Campinas: Pontes, REVISTA NOVA ESCOLA. A inclusão que dá certo. Editora Abril. Ano XVIII n 165. Setembro/2003 REVISTA NOVA ESCOLA. A escola que é de todas as crianças. Editora Abril. Ano XX n 182. Maio/2005. REVISTA NOVA ESCOLA. Inclusão. Editora Abril. Edição Especial. nº 11, out/2006 SOARES, Alexandre S. F. O Discurso Jornalístico e seus rituais. Revista ECO-PÓS, Rio de Janeiro, n.2, vol. 10, p , julho-dezembro, SODRÉ, Muniz. O social irradiado: violência urbana, neogrotesco e mídia. São Paulo: Cortez, 1992.

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

A DISCURSIVIDADE NO NÃO-VERBAL 1

A DISCURSIVIDADE NO NÃO-VERBAL 1 A DISCURSIVIDADE NO NÃO-VERBAL 1 Geiza da Silva Gimenes Gomes 1. Introdução Segundo Orlandi (1998), ler é atribuir sentidos. Partindo deste princípio e adotando como quadro de referência a Análise de Discurso,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ENUNCIADOS DE PROFESSORES EM BLOGS

PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ENUNCIADOS DE PROFESSORES EM BLOGS 962 PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ENUNCIADOS DE PROFESSORES EM BLOGS Gabriela Alias Rios PPGEEs, UFSCar, bihalias@gmail.com Enicéia Gonçalves Mendes PPGEEs, UFSCar, egmendes@ufscar.br

Leia mais

ESCOLA: Créditos. Um lugar de e para Todos. PROJETO: Com Passos

ESCOLA: Créditos. Um lugar de e para Todos. PROJETO: Com Passos ESCOLA: Um lugar de e para Todos. Créditos. IESGO Instituto de Ensino Superior de Goiás. Bacharel em Psicologia. Psicologia das Pessoas com Necessidades Especiais. Karley Macedo de Araújo. Secretaria de

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE MARTIN, Mariana UEL 1 INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva analisar o material Educar na Diversidade:

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL CAMARGO, Renata Gomes UFSM re_kmargo@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado

Atendimento Educacional Especializado Atendimento Educacional Especializado Do preferencial ao necessário Meire Cavalcante Insira aqui o seu nome Deficiência... EXCLUSÃO NÃO HUMANIDADE SEGREGAÇÃO INTEGRAÇÃO INCLUSÃO Concepções... Segregação

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL DIVONETE BITTENCOURT dbittencourt2009@hotmail.com ALINE PAULA MALHERBI CRISTIANE PERSZEL Orientador(ª) Prof(ª) ROSELI VIOLA RODRIGUES

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 FACULDADES EDUCAÇÃO COM ÁREAS DE

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

ATÉ QUANDO ESPERAR: DESLIZAMENTOS DE SENTIDOS ENTRE O RELIGIOSO E O DISCURSO CAPITALISTA

ATÉ QUANDO ESPERAR: DESLIZAMENTOS DE SENTIDOS ENTRE O RELIGIOSO E O DISCURSO CAPITALISTA ATÉ QUANDO ESPERAR: DESLIZAMENTOS DE SENTIDOS ENTRE O RELIGIOSO E O DISCURSO CAPITALISTA Felipe Souza Ferraz 1 Silvia Regina Nunes 2 INTRODUÇÃO Durante os anos 1960 e 1970, a MPB desempenhou um importante

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Costa, Daiene de Cássia Souza da Email: daienecassia@hotmail.com Vasconcellos, Maura Maria Morita Email: mmorita@sercomtel.com.br

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais