Práticas recomendadas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Práticas recomendadas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares"

Transcrição

1 Práticas recomendadas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa e Sociedade Americana de Enfermagem em Oftalmologia. Síndrome tóxica do segmento anterior (TASS) é uma inflamação aguda da câmara anterior ou segmento do olho após cirurgia de catarata. Uma variedade de substâncias pode estar relacionada como causa da TASS. Há substâncias que podem ser divididas em substâncias extraoculares que, inadvertidamente, entram na câmara anterior do olho durante ou após a cirurgia (agentes tópicos antissépticos, 1,2 talco das luvas cirúrgicas, 3,4 pomadas tópicas oftalmológicas), produtos que são introduzidos dentro da câmara anterior como parte do procedimento cirúrgico (agentes anestésicos, 6,7 preservativos, 8 11 preparações intraoculares reconstituídas de forma inapropriada, 12 mitomicina-c, 13 lentes intraoculares 14 ), e substâncias irritantes na superfície dos instrumentos cirúrgicos que se acumularam como consequência de limpeza inadequada do instrumental, 15 detergentes, 16 endotoxina termoestável para crescimento de bacilos gramnegativos em água de lavadoras ultrassônicas, 17,18 degradação do metal de instrumentais cirúrgicos devido à esterilização por plasma, 19 e impurezas de autoclaves a vapor 20 ). Considerando que as oportunidades existentes para prevenção de TASS resultantes da aplicação de produtos extra e intraoculares através da retirada de produtos, comunicação de produtos e alerta dos componentes previnem a TASS através do gerenciamento apropriado dos instrumentais cirúrgicos intraoculares é um desafio que precisa ser repetido em cada ciclo de limpeza e esterilização de instrumentos de cirurgia de catarata em cada instituição que realiza a cirurgia. Em fato, este desafio não é sempre satisfatoriamente direcionado, resultando em surtos de TASS que, frequentemente, diminuem quando os passos de limpeza e esterilização melhoram. Uma cuidadosa revisão do número de instituições que reportaram casos de TASS ao Centro de pesquisa Intermountain Ocular da Universidade de Utah no verão de 2006 identificou muitas oportunidades de diminuição do risco de TASS através da melhora dos processos de limpeza e esterilização. 21 O objetivo destas recomendações práticas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares é prevenir surtos de TASS relacionados a instrumentos contaminados ou degradados. Também é esperada a disponibilidade das práticas recomendadas que podem facilitar a identificação das causas de TASS e a resolução de surtos de TASS quando ocorrerem. As recomendações foram escritas de forma genérica para que pudessem ser aplicadas a todas as instituições que realizam cirurgia de catarata, reconhecendo as diferenças entre os procedimentos e atividades que existem entre as instituições. As práticas recomendadas são procedentes das já existentes, baseadas em evidências de recomendações gerais para limpeza e esterilização de todos os instrumentos cirúrgicos 22 24, de evidências procedentes de documentação pública de surtos de TASS, 3,4,15 20 e das direções de gerenciamento dos equipamentos fornecidos pelos fabricantes. O desafio de prevenir a TASS é multifacetado. Fatores relevantes como: tempo de utilização de substâncias irritantes necessárias para causar inflamação da câmara anterior pósoperatória significativa clinicamente, a frequência com que a cirurgia de catarata é realizada - baseada em um valor de base diário determinado por cada país - a variedade dos instrumentos utilizados e as diversas recomendações para limpeza de diferentes tipos de instrumentos. Consequentemente, as recomendações para limpeza e esterilização foram desenvolvidas através de sociedades representativas de profissionais cirurgiões de catarata, enfermeiras de centro cirúrgico e de controle de infecção em colaboração com o guia da Sociedade Americana de

2 Catarata e Cirurgia Refrativa unidos em prol da limpeza e esterilização de instrumentos intraoculares. O guia é provido pela Associação de Enfermeiras de Centro Cirúrgico, Associação de profissionais de Controle de Infecção Hospitalar e Epidemiologia, Sociedade de Cuidados com a Saúde e Epidemiologia da América, o CDC (Centro de Controle de Doenças) e o FDA (Administração de alimentos e produtos para saúde dos EUA). Nota do editor: Estes guias foram distribuídos com a publicação de março do JCRS. Nós estamos reimprimindo-os na publicação para que possam ser citados e estarem disponíveis para todas as pessoas que lidam com oftalmologia e para os fabricantes de instrumentos cirúrgicos intraoculares para catarata. O guia também será provido pelo Centro de Controle de Prevenção de Doenças (CDC) e o FDA - USA. Estas práticas recomendadas não pretendem enumerar todas as recomendações para esterilização e garantia de qualidade do processo de esterilização. Elas devem ser utilizadas em conjunto com os guias atuais de consenso da Associação para o Avanço da Instrumentação Médica (AAMI), a Sociedade Americana de Enfermeiras em Oftalmologia (ASORN) e a Associação de Enfermeiras de Centro Cirúrgico (AORN) ,30 As recomendações são tidas como relevantes para os instrumentos utilizados em todo procedimento cirúrgico intraocular, a maioria deles são procedimentos de cirurgia de catarata, entretanto, para realizar um gerenciamento adequado e consistente, as recomendações devem ser aplicadas a todos os instrumentos cirúrgicos intraoculares. Quando recomendações para gerenciamento de instrumentos incluir limpeza sem desinfecção antes da esterilização, instrumentos não esterilizados devem ser considerados contaminados e perigosos para manuseio, a menos que barreiras apropriadas e precauções forem utilizadas (ex: luvas e separação dos ambientes nos quais os itens desinfetados são manuseados). As recomendações são divididas em 2 seções. A primeira estabelece princípios gerais de limpeza e esterilização que devem ser seguidas para prevenir TASS. A segunda, avalia recomendações específicas para limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares. PRINCÍPIOS GERAIS DE LIMPEZA E ESTERILIZAÇÃO DE INSTRUMENTOS CIRÚRGICOS INTRAOCULARES Os instrumentos devem ser mantidos úmidos até que o processo de limpeza se inicie para que evite a secagem dos debris. 23,25,26 Todos os debris devem ser removidos. 15,25,27 Qualidade e volume de água a ser utilizada deve ser mantida assim como o especificado pelo modo de uso do fabricante para suspensão de detergentes e para limpeza e enxágue de instrumentos. 22,23,28 As instruções de uso para muitos instrumentais cirúrgicos intraoculares necessitam ou recomendam água destilada ou deionizada para o enxágue final. 25 Seguir as instruções de uso do fabricante do instrumental com relação ao detergente para assegurar o uso adequado do detergente e garantir a compatibilidade com os instrumentais. 22,23,28 O enxágue deve remover todos os agentes de limpeza assim como todos os debris durante o processo de limpeza. 25,26,29 O método de esterilização aplicado aos instrumentais deve ser aprovado por ambos: fabricante do instrumental e fabricante do esterilizador. Os esterilizadores devem ser mantidos conforme as recomendações do fabricante. Procedimentos para limpeza e esterilização do instrumental devem ser desenvolvidos e escritos por cada instituição Tempo adequado deve ser utilizado para permitir a completa execução dos passos de limpeza e esterilização. 22,23 Treinamento da equipe, validação competente e revisão periódica de desempenho devem ser implementados em toda instituição de saúde. 22,23,30 RECOMENDAÇÕES PARA LIMPEZA E ESTERILIZAÇÃO DE INSTRUMENTOS CIRÚRGICOS INTRAOCULARES 1. Tempo adequado para que uma limpeza e esterilização completa dos instrumentais seja realizada. a. Aderência rigorosa para recomendação de procedimentos de limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos nunca devem ser contornadas para economizar tempo ou dinheiro. 30,31

3 b. O inventário dos instrumentais deve ser suficiente para receber volumes de cirurgia e para fornecer o tempo adequado para uma completa limpeza e esterilização. 22,23 c. A esterilização flash é destinada a gerenciar necessidades emergenciais de instrumentos e não deve ser utilizada para economia de tempo ou como substituto por ter um inventário deficiente de instrumentais Para cada peça de equipamento, as instruções do fabricante referentes à limpeza e esterilização devem ser seguidas A solução viscosa presente nos instrumentos cirúrgicos pode secar e endurecer em alguns minutos, não deve ser permitido deixá-la secar no instrumental. 25 a. Instrumentos devem ser limpos com um pano umedecido e lavado e/ou imerso em água estéril na sala de operação (SO) imediatamente após o uso, conforme a orientação do fabricante para cada instrumento. 23,24 Banho em água estéril utilizada para limpeza ou imersão de instrumentos deve ser mantido em áreas fora do campo operatório e removido de locais que supram as necessidades dos instrumentais para que o procedimento cirúrgico seja completado. b. As instruções de uso para alguns instrumentos canulados reutilizáveis especificam as soluções, volumes e frequência de lavagem de cada lúmen. A lavagem deve ser completada conforme especificada na SO ou na área de descontaminação. 23,24 4. Se forem utilizados instrumentos desembalados em um procedimento, eles devem ser transportados em uma caixa fechada para a área de descontaminação, onde serão imediatamente limpos. 23,24 5. Cânulas descartáveis e tubos devem ser utilizados sempre que possível, e eles devem ser descartados após cada uso. Estes materiais são vendidos sem instruções para limpeza e, por isso, uma limpeza completa e perfeita é difícil de ser realizada e validada Materiais embalados como para uso único não devem ser reutilizados; materiais de uso único não incluem instruções para reuso ou reprocessamento. O FDA regula ativamente a área de reprocessamento de materiais de uso único de acordo com suas diretrizes Para evitar contaminação com bioburden e agentes químicos, os instrumentos intraoculares devem ser limpos separadamente dos instrumentos cirúrgicos não oftalmológicos. 8. A importância do detergente enzimático para a limpeza de instrumentos intraoculares não foi estabelecida. Uso inadequado e enxágue incompleto estão associados aos surtos de TASS. 16 Se as instruções não proibirem o uso de detergente e um detergente for utilizado: a. Cuidado deve ser tomado para assegurar que as instruções para a diluição apropriada, data e descarte sejam seguidas. A solução de limpeza deve ser misturada com quantidades corretamente dimensionadas de água e detergente (ex: nunca misturar baseando-se em volumes estimados), conforme as instruções do fabricante do detergente. 23,24,28 b. Seguindo a limpeza com detergentes, com ou sem o uso de lavadora ultrassônica, instrumentos devem ser enxaguados completamente com volumes grandes de água para assegurar a retirada de todo o detergente. Se o volume do enxágue for especificado pelo fabricante do detergente ou pelo fabricante do equipamento, eles devem considerar os volumes mínimos. Utilize água de torneira para o enxágue e para remoção do detergente. Esta instrução deve ser compatível com as instruções do fabricante do detergente e do equipamento. A água final deve ser destilada estéril ou deionizada. 25,29,30 9. Se uma lavadora ultrassônica for utilizada: a. Assegure-se que a oleosidade foi removida antes de colocar o instrumental na lavadora ultrassônica. b. Verifique as instruções do fabricante para identificar instrumentais que não devem ser submetidos à lavagem ultrassônica. c. Uma unidade ultrassônica deve ser designada para limpeza de instrumentais. 24 d. Validação do funcionamento, verificação de gases e manutenção preventiva devem ser realizadas conforme o recomendado para as lavadoras ultrassônicas.23,24 e. Máquinas ultrassônicas devem ser esvaziadas, limpas e secas ao menos uma vez ao dia, preferencialmente, após cada uso. 17,18,33 A menos que seja especificado de outra forma pelo fabricante, a limpeza deve ser realizada com desinfetante aprovado pela instituição e seguida de esterilização ou enxágue com água da torneira em quantidade suficiente para remoção completa do agente de limpeza.

4 Se não for contra-indicado pelo fabricante da lavadora ultrassônica, o enxágue final com álcool etílico ou isopropílico a 70% a 90% é recomendado quando viável e desassociado de riscos de incêndio. A máquina deve ser completamente seca com um pano f. O preenchimento deve ocorrer imediatamente antes do uso. 10. Processo manual de limpeza: a. Escovas devem ser específicas para limpeza de instrumentais médicocirúrgicos. 24 b. Materiais como seringas e escovas devem ser descartadas após cada uso. Se as escovas forem reutilizadas, elas devem ser reutilizáveis, limpas e sofrer desinfecção de alto nível ou esterilização, preferencialmente após cada uso ou, ao menos, diariamente. 24,34 c. Soluções de limpeza devem ser descartadas após cada uso. 24 d. Quando a lavagem for realizada como parte da limpeza, o efluente deve ser descartado em uma pia ou em uma base separada para que o líquido não seja reutilizado. O descarte do efluente deve ser completo para minimizar respingos e aerossolização. 11. Enxágue: a. Siga as instruções do fabricante para seleção do método apropriado para enxágue com água. b. A menos que haja outra especificação pelo fabricante, água destilada estéril ou deionizada devem ser utilizadas para o enxágue final dos instrumentais. 25 c. O enxágue deve prover fluxo de água através e/ou sobre os instrumentais, com descarte de efluentes como o usual, então uma água livre de debris será utilizada para o enxágue. d. Água corrente em uma bacia não deverá ser utilizada para enxágue. 12. O enxágue deve ser seguido adequadamente, os lúmens devem ser secos com ar comprimido: a. O ar comprimido deve ser filtrado e livre de água ou óleo. b. Instrumentos com lúmens devem ser totalmente secos Instrumentos específicos: peças do facoemulsificador, peças do irrigador/aspirador e inserções. a. Lave as peças do facoemulsificador com solução salina balanceada antes de remover do campo operatório b. Limpe cada instrumento com um pano, coloque-o e deixe-o imerso em água estéril. Remova-o do campo operatório e deixe as partes necessárias para o término da cirurgia, conforme as instruções do fabricante para cada peça do equipamento. Para evitar a introdução de água ou reintrodução de sujeiras no campo operatório, a imersão em água estéril deve ser claramente separada do campo operatório. 23 c. Limpe e lave cada item conforme as instruções do fabricante e verifique a remoção de todos os debris. 23 d. Inspecione as peças do irrigador/aspirador preferencialmente sob lentes de aumento antes da esterilização. 23, Se campos reutilizáveis forem utilizadas como campo estéril, para absorver partículas condensadas nas autoclaves ou para embalar instrumentos, elas devem ser brancas e enxaguadas completamente entre os usos para eliminar componentes cirúrgicos, debris e agentes de limpeza. a. Um enxágue inadequado de detergentes com ph muito elevados usados em instituições pode deixar resíduos que são transferidos para instrumentos intraoculares. 30 Procedimentos de lavanderia devem ser revistos e monitorados para assegurar a entrega de produtos livres de resíduos para materiais com embalagens reutilizáveis; por outro lado, agentes químicos e descartáveis devem ser utilizados. b. Todos os materiais embalados utilizados em cirurgia intraocular ou no gerenciamento de instrumentais devem ser livres de fiapos. 15. Limpeza e integridade dos instrumentais deve ser verificada. 23,24 a. Instrumentais devem ser inspecionados visualmente à procura de debris e danos, preferencialmente sob lentes de aumento, imediatamente após a limpeza e antes da embalagem e esterilização para assegurar a remoção de debris visíveis. 24,25,30,37 b. Passos adicionais ou repetidos de limpeza e enxágue podem ser necessários de acordo com cada caso para que todo os debris sejam removidos. c. Os cirurgiões devem examinar os instrumentais sob microscópio antes de cada uso e rejeitar qualquer instrumento que mostre sinais de resíduos, debris ou defeito Esterilização: a. O método para esterilizar instrumentos cirúrgicos intraoculares deve estar de acordo com as instruções do fabricante do instrumental e do fabricante do esterilizador. 22,24

5 b. Esterilização a vapor deve estar completamente de acordo com as recomendações publicadas. 22,24 c. Glutaraldeído não é recomendado para esterilizar instrumentos intraoculares devido a sua toxicidade de resíduos de glutaraldeído ou contaminação durante o manuseio pós esterilização. Outros métodos de esterilização à baixa temperatura não devem ser utilizados a menos que o fabricante do instrumento ótico e o fabricante do esterilizador tenham validado o método para o instrumento específico respeitando a eficácia da esterilização, toxicidade ocular potencial (ex: da oxidação dos metais), e funcionalidade do instrumental. 19 d. Verificação (teste) da função do esterilizador deve ser completada ao menos semanalmente, de preferência diariamente, de acordo com as instruções do fabricante do esterilizador e das recomendações publicadas e documentadas no local da instalação. 22,24 e. Medidas devem ser tomadas para assegurar a manutenção preventiva adequada, limpeza e inspeção dos esterilizadores em um calendário préestabelecido, de acordo com o manual de instruções do fabricante do esterilizador. 22,24 Todas as manutenções preventivas deverão ser documentadas. f. Manutenção de caldeiras, sistemas de filtração de água e fornecimento de água para o sistema das autoclaves deve ser verificado ao menos anualmente. Associações de saúde devem entrar em contato com as empresas especializadas em manutenção de caldeiras e qualidade de água para obter auxílio. 20,22, Controles administrativos devem ser implementados: a. Políticas e procedimentos que abordem limpeza e esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares devem ser escritos e revistos periodicamente (ao menos anualmente) e estar disponíveis para leitura no local de trabalho. 22,23 b. Um número suficiente de conjunto de instrumentais, peças de facoemulsificador, irrigadores/ aspiradores e inserções devem ser solicitadas para permitir tempo adequado para limpeza e esterilização entre os procedimentos. c. As pessoas envolvidas no manuseio e limpeza e/ou esterilização de instrumentos cirúrgicos intraoculares devem: i. Ser educadas sobre a TASS e suas causas e serem reeducadas de tempos em tempos. 25 ii. Receber educação inicial, treinamento e validação da competência na inspeção, na limpeza, preparação, embalagem, esterilização, armazenamento e distribuição de todo instrumental cirúrgico. Educação, treinamento e validação da competência devem ser atualizados ao menos anualmente e antes da introdução de qualquer material ou procedimento novo. 22,23 iii. Educação e treinamento em procedimentos de limpeza e esterilização assim como tarefas relacionadas (ex: operação de equipamento, manutenção preventiva) através de um programa formal e padronizado de treinamento administrado através de pessoal qualificado. 22,23 iv. Submeter-se às validações da competência através de observação direta do desempenho, usando um checklist de competências para assegurar uma avaliação uniforme de todo o pessoal. 22,23 d. Registros do uso de instrumentos, uso de medicamentos e da esterilização devem ser mantidos de acordo com a política da instituição. 22,24,25 Registro completo e detalhado ajudará na investigação de qualquer ocorrência de TASS. e. Um sistema de vigilância para detecção de TASS deve ser implementado. Casos de TASS devem ser reavaliados prontamente com relação aos procedimentos de limpeza e esterilização. 21 Traduzido por Stéfanni Cerboncini Reina Enfermeira REFERÊNCIAS 1. MacRae SM, Brown B, Edelhauser HF. The corneal toxicity of presurgical skin antiseptics. Am J Ophthalmol 1984; 97: Phinney RB, Mondino BJ, Hofbauer JD, et al. Corneal edema related to accidental Hibiclens exposure. Am J Ophthalmol 1988; 106:

6 3. Cox MJ, Woods JA, Newman S, Edlich RF. Toxic effects of surgical glove powders on the eye. J Long-Term Eff Med Implants 1996; 6: Bene C, Kranias G. Possible intraocular lens contamination by surgical glove powder. Ophthalmic Surg 1986; 17: Werner L, Sher JH, Taylor JR, et al. Toxic anterior segment syndrome and possible association with ointment in the anterior chamber following cataract surgery. J Cataract Refract Surg 2006; 32: Guzey M, Satici A, Dogan Z, Karadede S. The effects of bupivacaine and lidocaine on the corneal endothelium when applied into the anterior chamber at the concentrations supplied commercially. Ophthalmologica 2002; 216: Anderson NJ, Nath R, Anderson CJ, Edelhauser HF. Comparison of preservative-free bupivacaine vs lidocaine for intracameral anesthesia: a randomized clinical trial and in vitro analysis. Am J Ophthalmol 1999; 127: Liu H, Routley I, Teichmann KD. Toxic endothelial cell destruction from intraocular benzalkonium chloride. J Cataract Refract Surg 2001; 27: Eleftheriadis H, Cheong M, Sandeman S, et al. Corneal toxicity secondary to inadvertent use of benzalkonium chloride preserved viscoelastic material in cataract surgery. Br J Ophthalmol 2002; 86: Hull DS, Chemotti MT, Edelhauser HF, et al. Effect of epinephrine on the corneal endothelium. Am J Ophthalmol 1975;79: Jumper JM, McCauley MB, Equi RA, et al. Corneal toxicity of intraocular hyaluronidase. J Ocul Pharmacol Ther 2002;18: Holley GP, Alam A, Kiri A, Edelhauser HF. Effect of indocyanine green intraocular stain on human and rabbit corneal endothelial structure and viability; an in vitro study. J Cataract Refract Surg 2002; 28: Fukuchi T, Hayakawa Y, Hara H, Abe H. Corneal endothelial damage after trabeculectomy with mitomycin C in two patients with glaucoma with cornea guttata. Cornea 2002; 21: Jehan FS, Mamalis N, Spencer TS, et al. Postoperative sterile endophthalmitis (TASS) associated with the MemoryLens.J Cataract Refract Surg 2000; 26: Kim JH. Intraocular inflammation of denatured viscoelastic substance in cases of cataract extraction and lens implantation.j Cataract Refract Surg 1987; 13: Breebaart AC, Nuyts RMMA, Pels E, et al. Toxic endothelial cell destruction of the cornea after routine extracapsular cataract surgery. Arch Ophthalmol 1990; 108: Richburg FA, Reidy JJ, Apple DJ, Olson RJ. Sterile hypopyon secondary to ultrasonic cleaning solution. J Cataract Refract Surg 1986; 12: Kreisler KR, Martin SS, Young CW, et al. Postoperative inflammation following cataract extraction caused by bacterial contamination of the cleaning bath detergent. J Cataract Refract Surg 1992; 18: Duffy RE, Brown SE, Caldwell KL, et al. An epidemic of corneal destruction caused by plasma gas sterilization; the Toxic Endothelial Cell Destruction Syndrome Investigative Team. Arch Ophthalmol 2000; 118: Hellinger WC, Hasan SA, Bacalis LP, et al. Outbreak of toxic anterior segment syndrome following cataract surgery associated with impurities in autoclave steam moisture. Infect ControlHosp Epidemiol 2006; 27: Toxic Anterior Segment Syndrome (TASS) Outbreak Final Report September 22, 2006 [online]. Disponível em: TASS-Report.cfm. Acessado em 15 de Fevereiro de AORN. Recommended practices for sterilization in the perioperative practice setting. In: Association of Operating Room Nurses. Standards, Recommended Practices & Guidelines.Denver, CO, AORN, 2007; AORN. Recommended practices for cleaning and caring for surgical instrumentation and powered equipment. In: Association of Operating Room Nurses. Standards, Recommended Practices & Guidelines. Denver, CO, AORN, 2006; Association for the Advancement of Medical Instrumentation. Comprehensive Guide to Steam Sterilization and Sterility Assurance in Health Care Facilities. ANSI/AAMI ST79: Mamalis N, Edelhauser HF, Dawson DG, et al. Toxic anterior segment syndrome. J Cataract Refract Surg 2006; 32: Parikh CH, Edelhauser HF. Ocular surgical pharmacology: corneal endothelial

7 safety and toxicity. Curr Opin Ophthalmol 2003;14: Rutala WA. Disinfection and sterilization of patient-care items.infect Control Hosp Epidemiol 1996; 17: AORN. Recommended practices for the evaluation and selection of products and medical devices used in perioperative practice setting. AORN J 1998; 67: Parikh C, Sippy BD, Martin DF, Edelhauser HF. Effects of enzymatic sterilization detergents on the corneal endothelium. Arch Ophthalmol 2002; 120: Burlew J. Care and Handling of Ophthalmic Microsurgical Instruments, 2nd ed. San Francisco, CA, American Society of Ophthalmic Registered Nurses, AORN. Explications for perioperative nursing. In: Association of Operating Room Nurses. Standards, Recommended Practices, & Guidelines. Denver, CO, AORN, Guidance for Industry and for FDA Staff. Enforcement Priorities for Single-Use Devices Reprocessed by Third Parties and Hospitals [online]. Disponível em: 8.pdf. Acessado em 15 de Fevereiro de Miller CH, Riggen SD, Sheldrake MA, Neeb JM. Presence of microorganisms in used ultrasonic cleaning solutions. Am J Dent 1993; 6: American Society for Gastrointestinal Endoscopy. Multi-society guideline for reprocessing flexible gastrointestinal endoscopes.gastrointest Endosc 2003; 58: Standards of Infection Control in Reprocessing of Flexible Gastrointestinal Endoscopes [online]. Disponível em: guideline3.cfm. Acessado em 15 de Fevereiro de Guideline for Environmental Infection Control in Health-Care Facilities, Recommendations of the CDC and the Hospital Infection Control Practice Advisory Committee, 2003 [online]. Disponível em: nfection.html. Acessado em 15 de Fevereiro de Dinakaran S, Kayarkar VV. Debris on processed ophthalmic instruments: a cause for concern. Eye 2002; 16: Beran RF. Cleaning of ophthalmic diam22. AORN. Recommended practices for sterilization in the perioperative practice setting. In: Association of Operating Room Nurses. Standards, Recommended Practices & Guidelines. Denver, CO, AORN, 2007; AORN. Recommended practices for cleaning and caring for surgical instrumentation and powered equipment. In: Association of Operating Room Nurses. Standards, Recommended Practices & Guidelines. Denver, CO, AORN, 2006; Association for the Advancement of Medical Instrumentation. Comprehensive Guide to Steam Sterilization and Sterility Assurance in Health Care Facilities. ANSI/AAMI ST79: Mamalis N, Edelhauser HF, Dawson DG, et al. Toxic anterior segment syndrome. J Cataract Refract Surg 2006; 32: Parikh CH, Edelhauser HF. Ocular surgical pharmacology: corneal endothelial safety and toxicity. Curr Opin Ophthalmol 2003;14: Rutala WA. Disinfection and sterilization of patient-care items.infect Control Hosp Epidemiol 1996; 17: AORN. Recommended practices for the evaluation and selection of products and medical devices used in perioperative practice setting. AORN J 1998; 67: Parikh C, Sippy BD, Martin DF, Edelhauser HF. Effects of enzymatic sterilization detergents on the corneal endothelium. Arch Ophthalmol 2002; 120: Burlew J. Care and Handling of Ophthalmic Microsurgical Instruments,2nd ed. San Francisco, CA, American Society of Ophthalmic Registered Nurses, AORN. Explications for perioperative nursing. In: Association of Operating Room Nurses. Standards, Recommended Practices, & Guidelines. Denver, CO, AORN, Guidance for Industry and for FDA Staff. Enforcement Priorities for Single-Use Devices Reprocessed by Third Parties and Hospitals [online]. Disponível em: 8.pdf. Acessado em 15 de Fevereiro de Miller CH, Riggen SD, Sheldrake MA, Neeb JM. Presence of microorganisms in used ultrasonic cleaning solutions. Am J Dent 1993; 6:27 31.

8 34. American Society for Gastrointestinal Endoscopy. Multi-society guideline for reprocessing flexible gastrointestinal endoscopes.gastrointest Endosc 2003; 58: Standards of Infection Control in Reprocessing of Flexible Gastrointestinal Endoscopes [online]. Disponível em: guideline3.cfm. Acessado em 15 de Fevereiro de Guideline for Environmental Infection Control in Health-Care Facilities, Recommendations of the CDC and the Hospital Infection Control Practice Advisory Committee, 2003 [online]. Disponível em: nfection.html. Accessed February 15, Dinakaran S, Kayarkar VV. Debris on processed ophthalmic instruments: a cause for concern. Eye 2002; 16: Beran RF. Cleaning of ophthalmic diamond scalpels. J Refract Corneal Surg 1994; 10:

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011

HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011 HEALTHCARE PURCHASING NEWS Fevereiro de 2011 Este estudo auto-dirigido sobre um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pelo 3M Health Care. As lições são preparadas pela KSR Publishing,

Leia mais

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1.

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1. Instrução de Uso KIT INSTRUMENTAL PARA FIXADOR EXTERNO PROCALLUS Indicação de Uso e Finalidade O Kit Instrumental para Fixador Externo Procallus tem por finalidade fornecer ao cirurgião os instrumentos

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional INDICADOR BIOLÓGICO Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional Para os códigos 1292 e 1291 adotaremos, neste documento, a nomenclatura RRBI (Indicador Biológico de Leitura

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens:

O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens: Instruções de Uso Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens: Código Descrição 450160

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA D 6 Elaborada em 30/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA D 6 Elaborada em 30/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA D 6 Elaborada em 30/10/2010 Pág:1/6 RECOMENDAÇÕES SOBRE LIMPEZA, DESINFECÇÃO, ACONDICIONAMENTO, ESTERILIZAÇÃO,

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO. Registro ANVISA n 80083650061 - Revisão 00

INSTRUÇÃO DE USO. Registro ANVISA n 80083650061 - Revisão 00 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: EMULSÃO ASFÁLTICA RR-2C Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: EMULSÃO ASFÁLTICA RR-2C Código interno de identificação: BR0259 Nome da empresa: PETROBRAS DISTRIBUIDORA

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: BIOCAT Nome da Empresa: INDÚSTRIA QUÍMICA ZEQUINI

Leia mais

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde 2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde * Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 3.1 (03/07/2015) - Página 1/7 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 2015/830) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno Noções básicas de Segurança em Laboratório Professora Mirian Maya Sakuno Laboratório labor = trabalho + oratorium = lugar de concentração Uso inadequado do laboratório PERIGO!!! Regras básicas Não... não

Leia mais

: Rust Oxide Remover. SEÇÃO 1: Identificação. SEÇÃO 2: Identificação dos perigos. SEÇÃO 3: Composição e informações sobre os ingredientes

: Rust Oxide Remover. SEÇÃO 1: Identificação. SEÇÃO 2: Identificação dos perigos. SEÇÃO 3: Composição e informações sobre os ingredientes Data de emissão: 08/14/2015 Data de revisão: 08/14/2015 Versão: 1.0 SEÇÃO 1: Identificação 1.1. Identificação Forma do produto Nome do produto : Mistura : Rust Oxide Remover 1.2. Usos recomendados da substância

Leia mais

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes 223 ZENTRALSTERILISATION 13. Jahrgang 2005 O grupo de qualidade promoveu um checklist

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Broca Leitura Rápida, 2,0 mm AO, Conexão rápida Medidor de Profundidade 50 mm, Lapidus Guia de broca, leitura rápida,, 2,0 mm

Broca Leitura Rápida, 2,0 mm AO, Conexão rápida Medidor de Profundidade 50 mm, Lapidus Guia de broca, leitura rápida,, 2,0 mm Instruções de Uso KIT INSTRUMENTAL PARA PLACAS IMPLANTÁVEIS ORTHOFIX O Kit Instrumental para Placas Implantáveis Orthofix é composto pelos seguintes itens: Código DH0410CE DH0411CE DH0412CE DH0413CE DH0414CE

Leia mais

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo Página 1 INSTRUÇÃO DE USO Sistema de Câmera 560 HD Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo INTRODUÇÃO Antes de utilizar os Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo do Sistema

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

PARAFUSOS ÓSSEOS EVOLVE TRIAD 150874-0. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes:

PARAFUSOS ÓSSEOS EVOLVE TRIAD 150874-0. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: PT PARAFUSOS ÓSSEOS EVOLVE TRIAD 150874-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français (fr) Español (es) Italiano (it) Português (pt) 中

Leia mais

LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes:

LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: PT LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8 Português (pt) Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: Para obter idiomas adicionais, visite o nosso sítio da Web www.wmt.com

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TIPO DE PRODUTO : DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS

F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TIPO DE PRODUTO : DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO ALCOOL NORD DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS NOME DO FABRICANTE Cinord

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 024 Data da última 15/04/2014 Página: 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: EQUILÍBRIO SABONETE ESPUMA ANTISSÉPTICO CLOREXIDINA Nome da empresa: DERMELYNE INDUSTRIA DE COSMÉTICOS

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620508 Data da revisão: 21.09.2015 : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620508 Data da revisão: 21.09.2015 : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000620508 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida.

1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida. S E L F - S T U D Y S E R I E S HEALTHCARE PURCHASING NEWS Dezembro de 2010 Patrocinado por Este estudo autodirigido com um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pela 3M Health Care. As

Leia mais

Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT

Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT Product Recall 1-7 Product recall Martha Young, BS, MS, CSPDT Objetivos Ao final desta atividade autoeducativa, o aluno será capaz de: 1. Fazer o recall de dispositivos médicos processados em instalações

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

ELABORAÇÃO (desta versão) Elaborado por: Revisado por: Aprovado por:

ELABORAÇÃO (desta versão) Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Solução química para pronto uso a base de ortoftalaldeído (OPA) apresentada em concentração de 0,55% e indicada para a desinfecção de alto nível de artigos odonto-médico-hospitalares.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO / CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO LIMPADORA Solução Limpadora para Lentes de Contato

INSTRUÇÕES DE USO / CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO LIMPADORA Solução Limpadora para Lentes de Contato INSTRUÇÕES DE USO / CARTUCHO-BULA CLEARLENS SOLUÇÃO LIMPADORA Solução Limpadora para Lentes de Contato DESCRIÇÃO: CLEARLENS Solução Limpadora tem ação de limpar, desinfetar, remover acúmulos de proteínas

Leia mais

Rua Nazira Elias Munhamad, 555 Endereço:

Rua Nazira Elias Munhamad, 555 Endereço: 1 IDENTIFICAÇÃO Nome da substância ou mistura (nome comercial): PENETRON ADMIX Principais usos recomendados para a substância ou mistura: ADITIVO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO Nome da empresa: PENETRON BRASIL

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO Estojo para Acondicionamento de Implantes e Instrumental Cirúrgico Registro ANVISA n 80083659001 - Revisão 01

INSTRUÇÃO DE USO Estojo para Acondicionamento de Implantes e Instrumental Cirúrgico Registro ANVISA n 80083659001 - Revisão 01 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8 Código: FISPQ - 206 BORRACHA DE SILICONE Pág: 1 / 8 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto (nome comercial): Borracha de Silicone c/ Catalisador Código interno de identificação do produto:

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO LipoFilter Mini INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO REFERÊNCIAS DAS PEÇAS APLICÁVEIS: Número REF h ASP-CAN-3S h ASP-CAN-3R h ASP-ADP-2 h ASP-ADP-3 Descrição LipoFilter Mini Seringa de aspiração

Leia mais

Mancha, Descoloração e Corrosão de Instrumentais Cirúrgicos

Mancha, Descoloração e Corrosão de Instrumentais Cirúrgicos Mancha, Descoloração e Corrosão de Instrumentais Cirúrgicos Por dentro da Central de Esterilização Mancha, Descoloração e Corrosão de Instrumentais Cirúrgicos Tradução livre:rosana Sampaio Manchas, descoloração

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO MULTIUSO Solução Multiuso para Lentes de Contato

INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO MULTIUSO Solução Multiuso para Lentes de Contato INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA CLEARLENS SOLUÇÃO MULTIUSO DESCRIÇÃO: CLEARLENS Solução Multiuso tem ação de limpar, desinfetar, enxaguar, lubrificar e conservar as lentes de contato sem irritar os olhos.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO CONSERVADORA Solução Conservadora para Lentes de Contato

INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA. CLEARLENS SOLUÇÃO CONSERVADORA Solução Conservadora para Lentes de Contato INSTRUÇÕES DE USO CARTUCHO-BULA CLEARLENS SOLUÇÃO CONSERVADORA DESCRIÇÃO: CLEARLENS Solução Conservadora tem ação de desinfetar e conservar as lentes de contato sem irritar os olhos. Elimina microorganismos

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620498 Data da revisão: 10.11.2015. Sigunit L-65 BR. Avenida Dr. Alberto Jackson Byington 1525 Osasco CEP 06276-000

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000620498 Data da revisão: 10.11.2015. Sigunit L-65 BR. Avenida Dr. Alberto Jackson Byington 1525 Osasco CEP 06276-000 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000620498 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000113271 Data da revisão: 16.09.2015. Sikasil -AC. : Selante/ Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000113271 Data da revisão: 16.09.2015. Sikasil -AC. : Selante/ Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000113271 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes.

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes. 1 INTRODUÇÃO É consenso que a primeira e mais importante etapa do processo de esterilização de produtos para saúde é a etapa de limpeza. As etapas subseqüentes como desinfecção e esterilização são necessárias

Leia mais

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish 950-0036-00, Rev. D Português Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish Acessórios para endoscópio Arthrex, Inc. 1370 Creekside Blvd. Naples, FL 34108, EUA (800)-934-4404

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Zentrifix KMH - Código interno do produto: 051 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua

Leia mais

: Sika MonoTop -100 Seal

: Sika MonoTop -100 Seal SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000612358 Tipo de produto : sólido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 100000010394 Data da revisão: 19.10.2015. Sika Silicone W : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340.

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 100000010394 Data da revisão: 19.10.2015. Sika Silicone W : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340. SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 100000010394 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ESTRATÉGIAS E BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE FOCADAS NA SUSTENTABILIDADE Principais Leis, Resoluções, Recomendações e Normas Técnicas

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 7 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2009 FISPQ n : 002/02 Data: 02/05/2002 Revisão: 3 Data Rev.: 09/03/11 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NIPPO-FER

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NIPPO-FER NIPPO-FER 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: NIPPO-FER Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

Conjunto de Garrafa de Água, Tampa e Tubagem c/ CO 2 : Reutilizável SCT-469. Conjunto de Garrafa de Água, Tampa e Tubagem: Reutilizável SCT-468

Conjunto de Garrafa de Água, Tampa e Tubagem c/ CO 2 : Reutilizável SCT-469. Conjunto de Garrafa de Água, Tampa e Tubagem: Reutilizável SCT-468 Manual do Utilizador Conjunto de Garrafa de Água, Tampa e Tubagem: Reutilizável SCT-468 Conjunto de Garrafa de Água, Tampa e Tubagem c/ CO 2 : Reutilizável SCT-469 AUTOCLAVÁVEL Referência FSE-058-PT-1.0

Leia mais

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Israelita Albert Einstein A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: FOSFATO DE CÁLCIO MONOBÁSICO H 2O - Código interno de identificação do produto: F1027 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

Recomendações para Descontaminação e Esterilização de Dispositivos da Smith & Nephew Endoscopy

Recomendações para Descontaminação e Esterilização de Dispositivos da Smith & Nephew Endoscopy Recomendações para Descontaminação e Esterilização de Dispositivos da Smith & Nephew Endoscopy Este documento foi preparado para facultar instruções de descontaminação e esterilização para os dispositivos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO Brocas Registro ANVISA n 80083650035 - Revisão 00

INSTRUÇÃO DE USO Brocas Registro ANVISA n 80083650035 - Revisão 00 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: 12044 (1,5L) Aplicação: Desinfetante para Roupas Empresa: BOMBRIL S/A - Marginal Direita da Via Anchieta, km14 -

Leia mais

Isento de odores desagradáveis Sua formulação à base de ácido orgânico permite menor liberação de odores, se comparado a outros neutralizantes.

Isento de odores desagradáveis Sua formulação à base de ácido orgânico permite menor liberação de odores, se comparado a outros neutralizantes. JohnsonDiversey Clax TIRA FERRUGEM Removedor de manchas de ferrugem. Contém sequestrante de ferro Seu uso contínuo evita amarelamento dos tecidos causados por traços de ferro na água. Evita amarelamento

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

Orientação Técnica: Cuidado com o Material

Orientação Técnica: Cuidado com o Material Orientação Técnica: Cuidado com o Material 1 EM RELAÇÃO AO AÇO INOXIDÁVEL 1.1 Os produtos marca RICHTER são fabricados com aços inoxidáveis que seguem a norma NBR ISO 7153-1. Esta norma brasileira foi

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop HD 150 - Código interno do produto: 721 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

Kit Instrumental para Implante das Placas de Compressão Percutânea GOTFRIED (PC.C.P.)

Kit Instrumental para Implante das Placas de Compressão Percutânea GOTFRIED (PC.C.P.) Instruções de Uso Kit Instrumental para Implante das Placas de Compressão Percutânea GOTFRIED (PC.C.P.) ORTHOFIX Finalidade O Kit Instrumental para Implante das Placas de Compressão Percutânea GOTFRIED

Leia mais

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 PT MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français

Leia mais

Versão 1.1 Numero da FISPQ: 000000610265 Data da revisão: 12.09.2015. Separol BIO : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340. : Não conhecido.

Versão 1.1 Numero da FISPQ: 000000610265 Data da revisão: 12.09.2015. Separol BIO : PROQUÍMICA: 0800118270 SIKA (DDG): 08007037340. : Não conhecido. SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000610265 Tipo de produto : líquido Detalhes do fabricante ou do fornecedor Empresa : Sika S.A. Avenida Dr. Alberto

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) KALIPTO (Eucalipto, Herbal, Lavanda, Marine, Pinho, Talco e Flores do Campo)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) KALIPTO (Eucalipto, Herbal, Lavanda, Marine, Pinho, Talco e Flores do Campo) Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Kalipto Código interno: Eucalipto: 8028 (750ml), 19027 (2L) e 19029 (5L) Herbal: 8029 (750ml), 19028 (2L) e 19277 (5L) Lavanda: 8031 (750ml),

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Limpa Vidros Búfalo

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Limpa Vidros Búfalo FB 012 1/9 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Empresa: Endereço: Limpa Vidros Búfalo Búfalo Ind. E Com. de Produtos Químicos Ltda. Rodovia Régis Bittencourt, Km 276 Jd. Vista Alegre

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais