APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO À MANUTENÇÃO DE AERONAVES REALIZADA NA AVIAÇÃO DO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO À MANUTENÇÃO DE AERONAVES REALIZADA NA AVIAÇÃO DO"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO À MANUTENÇÃO DE AERONAVES REALIZADA NA AVIAÇÃO DO EXÉRCITO por ANDERSON DE SOUSA SILVEIRA E MARCOS LOPES

2 APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO À MANUTENÇÃO DE AERONAVES REALIZADA NA AVIAÇÃO DO EXÉRCITO por ANDERSON DE SOUSA SILVEIRA E MARCOS LOPES Centro de Instrução de Aviação do Exército Seção de Manutenção de Aeronaves Inspetor de Manutenção de Aeronaves Projeto Interdisciplinar apresentado à Seção de Manutenção de Aeronaves SMA/CIAVEX, como parte dos requisitos para a conclusão do Curso de Inspetor de Manutenção de Aeronaves. TAUBATÉ - SP, primeiro semestre de

3 LISTA DE ABREVIATURAS CENIPA Centro de Investigação e Prevenção de Acidente Aeronáutico CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes EPI Equipamento de Proteção Individual MTA Ministério do Trabalho e da Administração NR Norma Regulamentadora NSMA Normas do Sistema do Ministério da Aeronáutica OIT Organização Internacional do Trabalho OM Organização Militar OMS Organização Mundial de Saúde OSV Oficial de Segurança de Vôo PCA Programa de Conservação da Audição PPAA Programa de Prevenção de Acidente Aeronáutico SESMT Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SIPAER Serviço de Investigação e Prevenção de Acidente Aeronáutico UAe Unidade Aérea 3

4 SUMÁRIO Resumo I- Introdução Desenvolvimento II- Objetivo III- Origens Históricas da CIPA IV- Conceito de Saúde V- Do Acidente de Trabalho VI- Causas do Acidente de Trabalho VII- Aplicação Prática dos Princípios da Segurança do Trabalho -22 VII- Conclusão Referências Bibliográficas

5 RESUMO Tomando-se por base o tema proposto pelo CIAvEx, o qual fora: Aspectos da prevenção de acidentes do trabalho aplicáveis à realidade da manutenção realizada na Aviação do Exército, que transliteramos para o título do presente estudo; realizamos uma pesquisa de campo no sentido de apresentar e destacar alguns dos princípios da segurança do trabalho mais aplicáveis à realidade da nossa manutenção. Alguns deles, como será notado através da observação do leitor, já são amplamente utilizados na Aviação, contudo, outros podem ser aplicados e, até mesmos melhorados em sua eficácia, para trazer retorno mais específico. Enfocamos diversos aspectos, como se segue: Comentamos, rapidamente sobre as origens históricas da CIPA, apresentamos um Conceito de Saúde, falamos do Acidente de Trabalho através de sua definição legal e de suas causas (ato e condição insegura);e, como fazer a aplicação prática dos Princípios da Segurança do Trabalho através da apresentação de alguns deles, como a Inspeção de segurança e a Investigação de acidentes, o uso dos EPI, a confecção do mapa de riscos ambientais, a aplicação de um programa de saúde laboral através da existência de um Programa de Conservação Auditiva e, citamos da necessidade do uso das cores na sinalização de segurança. Cremos que, em conclusão, esses aspectos como acima apresentados, em um conjunto somativo de forças, em sendo efetivamente aplicados, servirão para uma maior confiabilidade e mais eficiente segurança na manutenção realizada na Aviação, tendo reflexo direto no nível e qualidade da nossa produção e bem estar físico de nossos profissionais. 5

6 I- INTRODUÇÃO A Segurança do Trabalho começou a ser alvo das atenções, com mais ênfase, a partir da Revolução Industrial, que teve início nos fins do século XVIII, na Inglaterra. A era das máquinas, como pode ser chamada, revolucionou a indústria, com a criação de maquinários mais velozes, mais possantes, visando aumentar a produtividade. Em contrapartida ao avanço tecnológico, aumentou também o índice de ocorrências de acidentes, tendo-se em vista que, na época, tais máquinas não possuíam os dispositivos de segurança que as de hoje obrigatoriamente possuem, e o fato de o trabalhador nem sempre estar devidamente treinado quanto à operação correta e segura de tais máquinas, bem como constantemente estar sob a influência de determinados desajustes físicos ou emocionais ou condições adversas de trabalho no que se refere a conforto térmico, visual, etc. Foi sentida, então, a necessidade da existência, nas empresas, de um GRUPO DE FUNCIONÁRIOS, representantes do Empregador e dos Empregados, atualmente representado pela CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que pudessem periodicamente se reunir para apresentarem sugestões e reivindicarem medidas para a correção de possíveis riscos de acidentes. Em virtude do ideal de cumprimento da missão, o espírito de empresa e o espírito prevencionista ainda não fazem parte de muitas das nossas organizações militares, não havendo verdadeira compreensão de que a prevenção de acidentes e o bem estar físico e social dos seus homens e mulheres concorre para uma maior produtividade por parte dos mesmos, ocasionando maior segurança. O SESMT tem a finalidade de promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho. A CIPA tem como objetivo observar e relatar condições de risco no ambiente de trabalho e solicitar medidas para reduzir até eliminar os riscos existentes e/ou neutralizá-los, discutir os acidentes ocorridos, encaminhar ao SESMT e ao empregador o 6

7 resultado da discussão, solicitando medidas que previnam acidentes semelhantes e, ainda, orientar os demais trabalhadores quanto à prevenção de acidentes. Quer no campo prático, educando seus companheiros de trabalho quanto ao uso adequado dos dispositivos de proteção, quer no campo doutrinário, através de reuniões e palestras, discutindo e aplicando os conhecimentos adquiridos, mais se robustece a atividade de uma SIPAER - Serviço de Investigação e Prevenção de Acidente Aeronáutico, órgão análogo a CIPA, devidamente organizada e prestigiada pela Organização Militar, em favor da prevenção de acidentes de forma bastante proveitosa e econômica. Uma SIPAER só pode ser bem-sucedida se o Comando e os militares da Organização Militar acreditarem no seu trabalho e apoiá-la moral e materialmente, de tal maneira que todos aprendam a confiar nela e acatar as suas recomendações. 7

8 II- OBJETIVO O presente estudo tem por finalidade apresentar à manutenção realizada na Aviação do Exército, alguns princípios da segurança do trabalho, levando ao conhecimento de todos os militares, técnicos, mecânicos, gerentes, membros das Sessões de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos e Comando, a possibilidade de aplicar conhecimentos que lhes possibilitem atuarem com uma maior eficácia na Prevenção de Acidentes; apresentando-lhes conceitos e práticas que lhes ajudem a: Observar e relatar condições de risco nos ambientes de trabalho; Solicitar medidas para reduzir, até eliminar e ou neutralizar os riscos existentes; Discutir os acidentes ocorridos e solicitar medidas que previnam acidentes semelhantes; Orientar os demais colegas de trabalho quanto à prevenção de acidentes laborais e de vôo, aplicando princípios da segurança do trabalho. 8

9 III- ORIGENS HISTÓRICAS DA CIPA A idéia da criação de um grupo de funcionários que, além de terem suas atribuições normais, se preocupassem também com a Prevenção de Acidentes foi desenvolvida pela OIT - Organização Internacional do Trabalho. A OIT, fundada em 1919, com sede em Genebra, na Suíça, tem por objetivo fazer recomendações buscando a solução de problemas relacionados com o trabalho. Como não poderia deixar de ser, o ACIDENTE DE TRABALHO, tendo-se em vista os altos índices já registrados na época, levou OIT e OMS a preocuparem-se com o fato, a ponto de, em 1921, surgir a idéia de criar os Comitês de Segurança nas empresas com pelo menos 25 empregados. A idéia ficou em estudo durante 2 (dois) anos, sendo recomendada ao mundo em No Brasil, essa recomendação foi atendida parcialmente por meio do Art.82 do Decreto-Lei nº 7036, de 10/11/44, que determinava que todas as empresas com 100 (cem) ou mais empregados deveriam providenciar em seus estabelecimentos a organização de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes. Posteriormente, esse Decreto-Lei foi sendo aperfeiçoado por meio de Portarias Ministeriais e de outros institutos como as Normas Regulamentadoras (NR), num total de 31 (trinta e uma) até hoje, que o regulamentam até os dias atuais. 9

10 IV- CONCEITO DE SAÚDE A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu o conceito de saúde como: Um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência da doença. Outro conceito, sob o enfoque ecológico, afirma que a saúde é um estado de equilíbrio dinâmico entre o individuo e o seu ambiente, considera que a doença ocorreria da ruptura desse mesmo equilíbrio dinâmico. Devemos estabelecer algumas diferenciações que afetam a saúde do trabalhador para que possamos melhor trabalhar estes conceitos, como segue abaixo: Condições de Trabalho: Ambiente Físico: temperatura, barulho, vibrações, etc. Ambiente Químico: vapores, fumaças, tóxicos, etc. Ambiente Biológico. Condições de Higiene e Segurança. Organização do Trabalho: Divisão do Trabalho Conteúdo da Tarefa Sistema Hierárquico Modalidades de Comando Relações de Poder Questões de Responsabilidades, etc. 10

11 V- DO ACIDENTE DE TRABALHO LEI DE 24 DE JULHO DE DECRETO 357 DE 7 DE DEZEMBRO DE 1991 (LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA) 5.1- C O N C E I T O L E G A L: ART.19 - Acidente de trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. * 1º - A empresa é responsável pela adoção e uso de medidas coletivas e individuais de proteção e segurança do trabalhador. * 2º - Constitui contravenção penal punível com multa, deixar a empresa de cumprir as normas de segurança e higiene do trabalho. * 3º - [...]; * 4º - [...]. ART.20 - Considera-se acidente de trabalho, nos termos do artigo anterior: - Doença profissional, assim entendida e produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social. - Doença do trabalho, assim entendida e adquirida ou de desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é 11

12 realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso. * 1º - [...]; * 2º - [...]. ART-21 - Equipara-se também ao acidente de trabalho, para efeitos desta lei: I - O acidente ligado ao trabalho que, embora não tenha sido causa única, haja contribuído diretamente para a morte do segurado, para redução ou perda da sua capacidade para o trabalho, ou produzindo lesão que exija atenção médica para a sua recuperação; II - O acidente sofrido pelo segurado no local e no horário de trabalho, em conseqüência de: a) - Ato de agressão, sabotagem ou terrorismo praticados por terceiros ou companheiros de trabalho; b) - Ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa relacionada com o trabalho; c) - Ato de imprudência, de negligência ou imperícia de terceiros no trabalho; d) - Ato de pessoa privada do uso da razão; e) - Desabamento, inundação, incêndio e outros casos fortuitos ou decorrentes de força maior. III - A doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua atividade; IV - O acidente sofrido pelo segurado, ainda que fora do local e horário de trabalho; 12

13 a) - Na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da empresa; b) - Na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para lhe evitar prejuízo ou proporcionar proveito; c) - Em viagem a serviço da empresa inclusive para estudo quando financiada por esta, dentro dos seus planos para melhor capacitação de mão de obra, independentemente do meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de propriedade do segurado; d) - No percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado. e) * 1º - Nos períodos destinados à refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação de outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante este, o empregado é considerado no exercício do trabalho. f) * 2º - Não é considerada agravação ou complicação de acidente de trabalho a lesão que resultante de acidente de outra origem, se associe ou se superponha às conseqüências do anterior. Portanto, é a Lei que determina uma preocupação específica com a Segurança do Trabalho, também, nas atividades de manutenção realizada na Aviação do Exército DEFINIÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO: Devemos compreender, claramente, o que é um acidente de trabalho. Antigamente, considerávamos que acidente era um erro que resultava em ferimento, mas essa definição, na verdade, era incompleta. Alguns acidentes realmente causam ferimentos, mas os acidentes também danificam ferramentas, máquinas, matéria prima, 13

14 edifícios, etc..., e certos acidentes têm pouca ou nenhuma conseqüência óbvia. De acordo com a definição legal (Lei número 6367 de 19/10/1976): Acidente de trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda, ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Vamos analisar o significado desta definição, em partes: Exercício do Trabalho a Serviço da Empresa Para que uma moléstia ou lesão seja considerada como acidente de trabalho é necessário que haja uma ligação entre o resultado final e o trabalho, ou seja, que o resultado (no caso a lesão ou moléstia) tenha origem no trabalho realizado e em função do serviço realizado. Por exemplo, se você assistir uma partida de futebol e sofrer algum tipo de acidente dentro do estádio, não podemos considerar que tenha sido acidente do trabalho. Porém se você trabalhar no estádio e sofrer o mesmo tipo de acidente, aí sim será um acidente de trabalho e você estará coberto pelas leis trabalhistas vigentes no país. Lesão Corporal Lesão Corporal deve ser entendido como qualquer tipo de dano anatômico no organismo, por exemplo, quebra de uma perna, corte na mão, perda de um membro, etc... Perturbação Funcional Devemos entender como Perturbação Funcional ao prejuízo de funcionamento de qualquer órgão ou sentido do ser humano, como por exemplo, uma perturbação mental devido a uma forte pancada no crânio, mau funcionamento de algum órgão (pulmão, etc...), pela 14

15 aspiração ou ingestão de um elemento nocivo à saúde usando no ambiente de trabalho. Doenças Profissionais As doenças profissionais foram igualadas ao acidente de trabalho, quer sejam doença típica ou atípica quando elas ocasionem incapacidade ao trabalho. Doenças do Trabalho Típicas As Doenças do Trabalho Típicas ou Doenças Profissionais são causadas por agentes físicos, químicos, ou biológicos pertencentes a certas funções, desde que estejam relacionadas pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (artigo 2º, # 1º, I, da Lei 6367). Exemplos: Saturnismo (intoxicação de chumbo), Silicose (trabalhadores de sílica). Doenças do Trabalho Atípicas Doenças do Trabalho Atípicas são aquelas que, não constando da relação elaborada pelo Ministério da Previdência e Assistência Social, resultam das condições especiais em que o trabalho é executado e com ele se relaciona diretamente CONCEITO PREVENCIONISTA: Do ponto de vista prevencionista, podemos definir, o acidente de trabalho como sendo: Acidente é um evento não planejado e indesejado que poderia resultar em ferimento, dano à saúde, avaria do produto, equipamento ou instalações, ou outras perdas financeiras para a companhia. 15

16 Notamos, nesta definição, algumas mudanças em relação a definições anteriores. Por exemplo, no passado, definíamos acidente de pessoal como uma ocorrência inesperada geralmente envolvendo contato entre um funcionário e um objeto, substâncias ou condição de exposição que interrompesse o trabalho. O esforço de segurança e saúde hoje deve ser muito mais amplo. Por exemplo, acidentes nem sempre são inesperados. Se tivermos consciência de que existe um acidente potencial e não o tratamos, não podemos ficar surpresos se o acidente acontecer, o acidente poderia ser evitado. O uso de nossa nova definição de acidente requer uma abordagem mais completa para prevenção de acidente e saúde ocupacional. Hoje, o esforço de prevenção de acidente deve identificar e corrigir comportamentos perigosos que levem a acidentes, em vez de enfatizar a coragem dos tipos de ferimentos e espécies de acidentes. O Significado do Acidente Frustrado Na prevenção de ferimentos ou perdas futuras, é importante estudar as causas, e não as conseqüências. Portanto, o que aprendemos com acidentes sem ferimentos é tão valioso quanto o que aprendemos com acidentes com ferimentos graves. É também igualmente importante não só ter um sistema funcionando que colete e analise dados dos acidentes frustrados como ter um sistema que investigue as ocorrências com ferimentos graves. Para tanto, existe uma série de meios. O diagrama a seguir ilustra o relacionamento entre acidentes com e sem ferimentos: Ferimentos Graves... 1 Ferimentos Sem Gravidade...29 Acidentes Sem Ferimentos Comportamentos Perigosos

17 Abaixo, temos algumas das principais atividades de um técnico de segurança do trabalho, membro do SIPAER ou inspetor de manutenção de aeronaves objetivando a diminuição dos acidentes de trabalho na sua Unidade Aérea: 1. Assessorar tecnicamente os Superiores em relação a Segurança do Trabalho e Higiene Industrial, bem como fornecer subsídios para aplicação da Política de Segurança e Higiene da OM. 2. Auxiliar nas investigações de acidentes e através delas propor ações e recomendações para evitar e reincidência dos acidentes. 3. Auxiliar na elaboração de normas e procedimentos relativos a Segurança e Higiene do Trabalho. 4. Divulgar as mudanças ocorridas e/ou promulgadas na legislação brasileira referente a Segurança do Trabalho e Higiene Industrial. 5. Elaborar e divulgar as Estatísticas de Segurança do Trabalho. 6. Auxiliar na escolha de EPI s utilizados ou a ser utilizados, garantir a eficiência, conforto e qualidade, bem como auxiliar no desenvolvimento de novos fornecedores. 7. Assessorar o Comando. 8. Coordenar as atividades da Brigada de Incêndio. 9. Auxiliar nas avaliações ambientais. 10. Assessorar os Superiores nas Reuniões de Segurança. 11. Executar e/ou auxiliar nas Inspeções de Segurança. 12. Executar as Palestras de Integração de Segurança. 13. Acompanhar e orientar os serviços de empresa contratadas em relação a Segurança e Higiene Industrial no local de trabalho. 17

18 VI- CAUSAS DOS ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO, Definição: São os motivos, as circunstâncias, os comportamentos e as ações, que possam vir a gerar um acidente. Como todos os eventos, os acidentes possuem uma ou mais causas e conseqüências. A prevenção de acidentes consiste em eliminar as causas, evitando assim a sua ocorrência. Os acidentes de trabalho decorrem, basicamente de duas causas primárias: ATOS E CONDIÇÕES INSEGURAS, acidentes do trabalho podem ainda decorrer por atos de terrorismo praticado por terceiros, ou ainda originar-se de causas que escapam do controle humano, como os tufões, terremotos, inundações, etc. Conforme estatísticas mundiais, em média, os acidentes de trabalho estão quantificados, segundo suas causas, da seguinte forma: * Atos inseguros - de 80 a 86 %; * Condições inseguras de 12 a 20 %; Elementos da natureza/situações especiais de 0 a 2% ATOS INSEGUROS Os atos inseguros são geralmente, definidos como causas de acidentes de trabalho que residem exclusivamente no fator humano, isto é, aqueles que decorrem da execução das tarefas de forma contrária as normas de segurança, ou seja, a violação de um 18

19 procedimento aceito como seguro, que pode levar a ocorrência de um acidente. Exemplos: - Agir sem permissão; - Brincar em local de trabalho; - Não usar EPI; - Não cumprir as normas de segurança, etc. Seguem para orientação, alguns fatores que podem levar os trabalhadores a praticar atos inseguros. a) - Inadaptação entre homem e função por fatores constitucionais Eis alguns exemplos: Sexo; Idade; Tempo de reação aos estímulos; Coordenação motora; Estabilidade x instabilidade emocional; Extroversão/Introversão; Agressividade; Grau de atenção; e, Nível de inteligência. b) - Fatores circunstanciais: São fatores que estão influenciando o desempenho do indivíduo no momento. Alguns exemplos: Problemas familiares; Abalos emocionais; Discussão com colegas; Alcoolismo; Grandes preocupações; Doença; e, Estado de fadiga. c) - Desconhecimento dos riscos da função e/ou da forma de evitá-los. Causado por: Seleção ineficaz; Falhas de treinamento; e, Falta de treinamento. 19

20 d) Desajustamento, causado através de: Problemas com chefia; Problemas com os colegas; e, Clima de insegurança. e) - Personalidade. São os fatores que fazem parte das características de personalidade do trabalhador e que se manifestam por comportamentos impróprios, tais como: O desleixado; O machão; O exibicionista calado, o falador; O desatento; e, O brincalhão CONDIÇÕES INSEGURAS São aquelas que, presentes no ambiente de trabalho, comprometem a segurança do trabalhador e a própria segurança das instalações e dos equipamentos. EXEMPLOS: - Falta de dispositivos de proteção ou dispositivos inadequados; - Ordem e limpeza deficientes; - Falha de processo e ou método de trabalho; - Excesso de ruído; - Piso escorregadio; - Iluminação inadequada; - Arranjo físico inadequado; - Ventilação inadequada, etc. 20

21 a) - Na construção e instalação em que se localiza a empresa: Áreas insuficientes, pisos fracos e irregulares, excesso de ruído e trepidações, falta de ordem e de limpeza, instalações elétricas impróprias ou com defeitos, falta de sinalização; b) - Na maquinaria: Localização imprópria das máquinas, falta de proteção em partes móveis e pontos de agarramento, máquinas apresentando defeito. c) - Na proteção do trabalhador: Proteção insuficiente ou totalmente ausente, roupas não apropriadas, calçados impróprios, equipamento de proteção com defeito ou não apropriado à natureza do risco existente. d) - Fatores de ordem física: Cor; Higiene; Luminosidade; Temperatura; Ruído; etc. 21

22 VII- APLICAÇÃO PRÁTICA DOS PRINCÍPIOS DA SEGURANÇA DO TRABALHO Para nós não basta saber da sua existência, mas, também, precisamos aplica-los. Os 5 mandamentos da Segurança Ocupacional: 1- Todo acidente pode e deve ser evitado; 2- Programa de segurança não restringe a missão; 3- A prevenção visa conhecer, controlar ou eliminar condições inseguras e não encontrar culpados ou erros; 4- Mente aberta é a chave para um bom programa de segurança; 5- A Segurança de Vôo começa em terra REALIZAÇÃO DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA A inspeção de segurança, prevista através da NR 1, consiste na observação cuidadosa dos ambientes de trabalho, com finalidade de detectar e identificar riscos que poderão transformar-se em CAUSAS DE ACIDENTES. Quando bem processada e envolvendo todos os que devem assumir sua parte de responsabilidade, a inspeção proporciona resultados compensadores e atinge os seguintes objetivos: a) - Possibilita a determinação de meios preventivos, antes da ocorrência de acidentes; b) - Ajuda a desenvolver e fixar uma consciência preventiva nos agentes da inspeção. c) - Colabora com a administração, indicando medidas a serem tomadas para evitar prejuízos e tornar o local, bem como as condições de trabalho, o melhor possível. 22

23 Boa parte da consolidação das Leis do Trabalho, Decretos-Lei, Portarias e livros técnicos sobre Segurança do Trabalho, servem de base para todos que realizam inspeções em busca de possíveis causas de acidentes, com a finalidade de eliminá-las. Numa inspeção de segurança podem participar, isoladamente ou em equipe, pessoas com funções e responsabilidades diferentes, exemplo: Membros da SIPAER, técnicos, engenheiros, inspetores, assistentes sociais, médicos, enfermeiros, mecânicos, dentre outros especialistas. São modalidades de inspeção: INSPEÇÃO GERAL e INSPEÇÃO PARCIAL, que pode ser de rotina, periódica, eventual, especial (onde se enquadra a de segurança de vôo) e oficial. SEGURANÇA DE VÔO A finalidade da segurança de vôo é assegurar o cumprimento da missão de organização através da manutenção da sua capacidade operacional. Os 10 mandamentos da Segurança de Vôo: 1- PENSE e atue sempre com segurança; 2- OBEDEÇA aos regulamentos e às regras de segurança, elas existem para protegê-lo; 3- CONHEÇA o modo mais seguro de realizar sua tarefa, antes de iniciá-la; 4- INSPECIONE as ferramentas e equipamentos quanto às condições de segurança antes de iniciar a tarefa; 5- OPERE somente os equipamentos a que estiver autorizado; 6- UTILIZE roupas e equipamentos de segurança; 7- AVISE seu superior logo que constatar procedimento ou condições de perigo; 8- COMUNIQUE imediatamente qualquer acidente; 9- APOIE seu programa de segurança e participe ativamente em 23

24 reuniões de segurança; 10- PROCEDA sempre adequadamente, evite brincadeiras. Vistoria de Segurança de Vôo A vistoria de segurança de vôo é um dos principais instrumentos da prevenção de acidentes, pois permite que sejam descobertas situações de perigo real ou em potencial que, muitas vezes, são desconhecidos pelo comando da organização. A finalidade da vistoria de segurança de vôo é fornecer ao comando da organização uma análise detalhada das condições ou situações insatisfatórias, ou dos fatores potenciais de perigo que afetam ou que possam vir afetar a segurança das operações para então permitir que sejam estabelecidas ações corretivas pertinentes a cada caso, a partir de recomendações específicas e objetivas. A vistoria de segurança de vôo deve abranger todos os setores das áreas de operação, manutenção, recursos humanos, apoio e outras que se relacionem direta ou indiretamente com o vôo, dentre as quais destaca-se a área da segurança ocupacional e a do fator humano. Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos O Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (PPAA) é uma orientação básica para a atividade de segurança de vôo em uma organização, caracterizando-se num esforço conjunto entre todo o pessoal envolvido, direta ou indiretamente, na atividade aérea, tendo como objetivo a redução da ocorrência de acidentes. O Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos traz, em seu conteúdo, vários aspectos, dentre os quais ressaltamos as vistorias de segurança de vôo e os subprogramas específicos que possam ou devam ser desenvolvidos em benefício da operação, tais como: Segurança Ocupacional e Conservação da Audição. A FOLHA-GUIA DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA (CHECK-LIST) é uma lista que tem como objetivo servir de guia para os pontos que devem ser 24

25 verificados durante uma inspeção de segurança de vôo, tais como: ordem e limpeza, prevenção a incêndios, máquinas e ferramentas, condições ambientais, equipamento móvel, equipamento de proteção individual e coletiva; e, inflamáveis INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES A responsabilidade da SIPAER em investigar os acidentes ocorridos é de fundamental importância, será desenvolvido todo um processo investigativo, baseado em diretrizes próprias, para que se chegue a(s) causa(s) real(is) do evento. Os procedimentos de investigação de acidentes já se encontram bem estabelecidos, porém, muito freqüentemente, o principal objetivo da investigação - evitar que aconteça de novo - é prejudicado pela procura da pessoa responsável pelo acidente (culpado). Assim sendo, as pessoas se tornam defensivas e fica difícil esclarecer os fatos. É importante que os membros da SIPAER conheçam bem as verdadeiras causas dos acidentes, pois, por incrível que pareça, muitas pessoas ainda acham que um acidente acontece por acaso, azar, fatalidade, destino ou porque tinha que acontecer. Também é muito importante que não sejam confundidas as perguntas: o que causou o acidente? com quem é o responsável?. Mesmo que durante a investigação seja identificada a pessoa que diretamente causou o acidente, o assunto deve ser tratado em uma esfera mais ampla. Muitas vezes, o indivíduo considerado culpado pelo acidente não recebeu o treinamento nem o acompanhamento necessários para assumir o posto de trabalho, os procedimentos internos não eliminaram os riscos das tarefas, um mau relacionamento/integração no ambiente de trabalho fizeram com que trabalhasse sob tensão, etc.. 25

26 Existem algumas diretrizes para a investigação de acidentes: * Investigar imediatamente após a ocorrência. * Envolver aqueles que tem um conhecimento real da situação. * Coletar e registrar os fatos, incluindo os relacionamentos organizacionais, as ocorrências similares e outras informações úteis e importantes que sirvam de suporte. * Ter como principal objetivo evitar que acidentes similares aconteçam novamente. * Identificar as causas básicas. * Recomendar as ações corretivas. * Providenciar o preenchimento da Ficha de Análise de Acidentes USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Os EPI, previstos através da NR 6,por definição, são: equipamentos de uso pessoal cuja finalidade é proteger a integridade física do trabalhador. São usados sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou não oferecerem completa proteção contra os riscos de acidentes de trabalho e/ou doenças profissionais e do trabalho, e enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas. É importante lembrar que o EPI é o recurso de que se deve lançar mão quando não for possível eliminar ou controlar o risco na fonte. 26

27 São tipos de proteção oferecidos pelos EPI: Proteção do crânio, visual e facial, respiratória, auricular, proteção do tronco, dos membros superiores e dos inferiores, contra queda livre, e proteção contra temperaturas extremas MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS Para o correto entendimento do que significa o Mapa de Riscos Ambientais, previsto através da NR 9, e para o uso eficaz e eficiente da oportunidade que ele oferece, é preciso clareza em relação a dos conceitos básicos: Perigo e Risco. PERIGO é a propriedade de causar dano inerente a um agente físico, mecânico, biológico, químico ou ergonômico. RISCO é a propriedade de que um dado perigo se materialize, causando um dano especificado. OBJETIVO DO MAPA DE RISCOS O mapa de Riscos tem os seguintes objetivos: a) - Reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da situação de segurança e saúde no trabalho na Organização Militar; b) - Possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e divulgação de informações entre os profissionais, bem como estimular sua participação nas atividades de prevenção; c) Informação do pessoal. Riscos Ocupacionais a Serem Identificados a) RISCOS FÍSICOS: ruídos, vibrações; radiações, ionizantes; frio; calor; radiações não ionizantes; pressões anormais, umidade. 27

28 B) RISCOS QUÍMICOS: poeiras; fumos; névoa; neblinas; gases; vapores; substâncias, compostos ou produtos químicos em geral. c) RISCOS BIOLÓGICOS: vírus; bactérias; protozoários; fungos; parasitas; bacilos. d) RISCOS ERGONÔMICOS: esforço físico intenso; levantamento e transporte manual de peso; exigência de postura inadequada; controle rígido de produtividade; imposição de rítmicos excessivos; trabalho em turno e noturno; jornadas de trabalho prolongadas; monotonia e repetitividade; outras situações causadoras de stress físico e/ou psíquico. e) RISCOS DE ACIDENTES: arranjo físico inadequado; máquinas e equipamentos sem proteção; ferramentas inadequadas ou defeituosas; iluminação inadequada; eletricidade; probabilidade de incêndio ou explosão, armazenamento inadequado; animais peçonhentos; outras situações de risco que poderão contribuir para a ocorrência de acidentes. A interpretação da simbologia dos riscos consiste em uma representação gráfica decorrente de uma avaliação dos riscos ocupacionais existentes nos locais de trabalho, com o objetivo de conscientizar os trabalhadores sobre os riscos a que estão expostos dentro do estabelecimento. Os riscos ambientais serão simbolizados em função de sua gravidade e em cores preestabelecidas, em planta baixa (lay-out) da empresa ou setor, por círculos identificados por cores preestabelecidas, que indicarão o grupo a que pertence o risco. O número de trabalhadores expostos e a especificação dos riscos devem ser anotados dentro do círculo; OBSERVAÇÃO: É preciso deixar bem claro que os itens que serão levantados no mapa não são críticas à OM ou militares, mas uma constatação de que os mesmo prejudicam o bom andamento das 28

29 atividades e, portanto, devem ser identificados, avaliados e controlados. CLASSIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS RISCOS OCUPACIONAIS EM GRUPOS, DE ACORDO COM A NATUREZA E A PADRONIZAÇÃO DAS CORES CORRESPONDENTES. GRUPO I GRUPO II GRUPO III GRUPO IV GRUPO V VERDE VERMELHO MARROM AMARELO AZUL RISCOS RISCOS RISCOS RISCOS RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS ERGONÔMICOS ACIDENTES RUÍDO POEIRAS VÍRUS ESFORÇO FÍSICO INTENSO ARRANJO FÍSICO DEFICIENTE VIBRAÇÕES FUMOS BACTÉRIAS LEVANTAMENTO DE PESO MÁQUINAS EQUIPAMENTOS SEM PROTEÇÃO E RADIAÇÕES IONIZANTES NÉVOA PROTOZOÁRIOS EXIGÊNCIAS DE POSTURAS INADEQUADAS FERRAMENTAS INADEQUADAS FRIO VAPORES FUNGOS RITMOS INTENSIVOS PERIGO INCÊNDIO EXPLOSÃO DE OU CALOR PRODUTOS PARASITAS TRABALHO EM ARMAZENAMENTO QUÍMICOS EM TURNOS E INADEQUADO GERAL NOTURNOS PRESSÕES BACILOS JORNADAS DE OUTRAS ANORMAIS TRABALHO SITUAÇÕES DE PROLONGADAS RISCO UMIDADE MONOTONIA E REPETIVIDADE 29

30 Exemplo de mapa de riscos ambientais: 30

31 7.5- PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Na nossa vida diária, em casa, no trabalho, em viagem ou diversão, existem inúmeras situações nas quais estamos expostos ao ruído. O trabalho, na maioria dos casos, se apresenta como a situação mais perigosa em função das muitas máquinas e equipamentos ruidosos existentes, e do longo tempo que passamos sob estas condições. O ruído contínuo e excessivo pode, com o passar do tempo, causar a perda da audição. Os fatores que mais influenciam nos riscos da perda auditiva são: o tempo de exposição, o tipo de ruído, lesões no ouvido, sensibilidade individual, distância da fonte ruidosa e intensidade. O grande problema do ruído é que os seus efeitos não são imediatos, ou seja, a perda da audição ocorre aos poucos e vai aumentando com o passar do tempo. Quando nos damos conta, não existe cura ou tratamento, pois a situação é irreversível. Para evitar que a nossa audição seja afetada pelo ruído, devemos realizar regularmente o exame audiométrico constante do programa de conservação auditivo, previsto através da NR 7, de modo a conhecer, acompanhar e controlar as possíveis perdas. 31

32 7.6- USO DAS CORES Funções das cores na segurança do trabalho, conforme constante na NR 8, são: Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações de líquidos e gases advertindo contra riscos; Identificar e advertir acerca dos riscos existentes. O uso de cores deverá ser o mais reduzido possível, a fim de não ocasionar distração, confusão e fadiga ao trabalhador. Cores adotadas para sinalização: Vermelho; Amarelo; Branco; Preto; Azul; Verde; Laranja; Púrpura; Lilás; Cinza; Alumínio; e, Marrom. 32

33 VII- CONCLUSÃO Numa rápida conclusão, corroborando com o já citado em nosso resumo, não obstante o maior volume do assunto, suas implicações e aplicabilidade, cremos que a manutenção realizada na Aviação do Exército já aplica alguns destes princípios que citamos, e ainda pode valer-se de muitos dos conceitos e práticas citados neste estudo, objetivando uma maior confiabilidade no quesito segurança do trabalho, garantindo produção, saúde e integridade física aos seus profissionais e aos materiais, observando, antes de tudo, aquilo que a lei prevê e o bom senso. Aviação! 33

34 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Atlas. Segurança e Medicina do Trabalho. Manual de Legislação Atlas. 42ª ed. Editora Atlas CIAvEx. Apostila de Segurança de Vôo. Maio de 2001 CENIPA. A Filosofia do SIPAER. Maio de 2000 CENIPA. NSMA 3-3 / Prevenção de Acidentes e Incidentes Aeronáuticos. Disponível na Internet no endereço Acessado em 10/03/05. Consolidação das Leis do Trabalho. Editora SARAIVA, Diretoria de Engenharia da Aeronáutica. Apostila de Noções Básicas sobre Segurança no Trabalho. 2ª ed. Novembro de Helibrás. Segurança e Higiene no Trabalho (4). Centro de Treinamento. Novembro de Programam de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. Disponível na Internet no endereço Acessado em 02/10/04. Segurança Ocupacional em Aviação. Disponível na Internet no endereço Acessado em 12/03/05. Vistoria de Segurança de Vôo. Disponível na Internet no endereço Acessado em 15/03/05 Observação: foi realizada consulta junto a equipe de engenheiros do trabalho do CTA, capitaneada pelo Eng. de Segurança do Trabalho Sr. João Jorge, ao qual agradecemos, pois muito colaborou para a apresentação deste estudo através do fornecimento de material de consulta. 34

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS EM UAN / UPR SEGURANÇA DO TRABALHO Profª Celeste Viana TREINAMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Portaria 3.214/78, NR nº9, subítem 9.5.2: Os empregadores deverão informar aos trabalhadores, de

Leia mais

Acidentes do Trabalho

Acidentes do Trabalho 01 coletanea de acidentes.mp4 Consequências dos acidentes por mínimas que eles sejam, sempre requerem cuidados especiais no tocante à readaptação do homem ao trabalho e, num sentido mais amplo, dependendo

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1 Portaria nº 3.214, de 08 de Junho de 1978 O Ministro de Estado, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no Artigo 200, da Consolidação das Leis do Trabalho,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO UNESP-2014 DANIELLE VARGAS E-mail:danielle@franca.unesp.br COSTSA Grupo de Segurança e Sustentabilidade Ambiental -7 (sete) TST -1 engenheiro de Segurança -1 engenheiro eletricista

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C1 OBJETIVOS DA CIPA Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes: no ambiente nas condições e na organização do

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO ENGENHARIA CIVIL

ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO ENGENHARIA CIVIL ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO ENGENHARIA CIVIL Adaptado do Trabalho de Emanuel J. C. Castilho Engenharia Civil Noturno Professora: Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO O PROGRAMA É UM DOCUMENTO TÉCNICO - LEGAL PODER CONSTITUINTE DE DIREITO; DECIFRADOR DE DÚVIDAS MATERIAIS; DESCOMPASSO

Leia mais

Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho. Paulo Gama Engº de Segurança a do Trabalho

Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho. Paulo Gama Engº de Segurança a do Trabalho Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho Paulo Gama Engº de Segurança a do Trabalho SUPERNORTE - 2011 O que é Higiene, Segurança a e Saúde no Trabalho? Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho pode ser entendida

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

TRABALHO NO RS Um acidente a cada 10 minutos. Fonte: Zero Hora Dezembro de 2013 (Sábado 14/12/2013)

TRABALHO NO RS Um acidente a cada 10 minutos. Fonte: Zero Hora Dezembro de 2013 (Sábado 14/12/2013) TRABALHO NO RS Um acidente a cada 10 minutos Fonte: Zero Hora Dezembro de 2013 (Sábado 14/12/2013) ACIDENTES Descaso com a segurança no ambiente profissional provocou 166 mortes de trabalhadores no Rio

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA E SEGURANÇA PARA USUÁRIOS DOS LABORATÓRIOS E PLANTAS PILOTO DO DCA

NORMAS DE CONDUTA E SEGURANÇA PARA USUÁRIOS DOS LABORATÓRIOS E PLANTAS PILOTO DO DCA Pág. 11/49 Código: NLP- 5.4. Instrução para Elaborar Mapa do Risco (ANEXO IV) 5.4.1 Conhecer o processo de trabalho no local analisado: Os servidores: número, sexo, idade, treinamentos profissionais e

Leia mais

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Medicina e segurança no trabalho Filmes Vídeo humorístico sobre segurança no trabalho. Duração: 3 20 Filmes Sequência de vídeos de acidente de trabalho. Duração:

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

Edital Nº. 08/2009-DIGPE 13 de dezembro de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 08/2009-DIGPE 13 de dezembro de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO Edital Nº. 08/2009-DIGPE 13 de dezembro de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS SEDE ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PAC SÃO JOSÉ ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Concórdia- SC 2014 1 EDICLÉIA KARINE

Leia mais

CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO

CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO É POSSÍVEL ACONTECER UM ACIDENTE DE TRABALHO NESTAS CONDIÇÕES? Percepção de Riscos e Prevenção As pessoas são realmente descuidadas? As pessoas realmente percebem os riscos?

Leia mais

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho.

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho. ACIDENTE DO TRABALHO Conceito Legal: Lei 8.213/9 Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou pelo exercício do trabalho do segurado especial (autônomos, qual

Leia mais

17APOSTILA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES

17APOSTILA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES 17APOSTILA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES Caros Colegas, Apresentamos a XVIl apostila da nossa Olimpíadas de Segurança, cujos temas são: Investigação e Análise de Acidentes. A Investigação ou Análise

Leia mais

HIGIENE OCUPACIONAL 10/03/2011 CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL HISTÓRIA DA HIGIENE OCUPACIONAL

HIGIENE OCUPACIONAL 10/03/2011 CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL HISTÓRIA DA HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL CONHECENDO A HIGIENE OCUPACIONAL A Higiene do Trabalho é uma das ciências que atuam no campo da Saúde Ocupacional. Aplica os princípios e recursos da Engenharia, da Medicina,

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 Dispõe sobre a especialização de Engenheiros e Arquitetos em Engenharia de Segurança do Trabalho, a profissão Técnico de Segurança do Trabalho e dá outras providências.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1967 - direito do

Leia mais

REVISTA DIGITAL REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REVISTA DIGITAL REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REVISTA DIGITAL Saúde e Segurança do Trabalho - Direito do Trabalho e Previdenciário REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Odemiro J B Farias Esse Texto da Portaria de Regulamentação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014. CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014. CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014 CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013

NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013 NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013 Do Objeto Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores

Leia mais

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva Classificação Conceito de Higiene dos riscos Industrial ambientais PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar Prof. Ricardo Henrique de L Silva ricardo.henrique@caruaru.ifpe.edu.br O QUE O PPRA? PARA QUE SERVE

Leia mais

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS Jaques Sherique - Engenheiro de Segurança do Trabalho, Presidente da ABPA-SP 2º Vice-Presidente

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Juliana A. Nepomuceno Eng. de Seg. do Trabalho Cood. SESMT/SES SESMT O que é? Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho EQUIPES

Leia mais

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 20

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 20 capítulo 1 O trabalho e a segurança do trabalho 1 Da pré-história à industrialização 2 O trabalho na era industrial 4 Primeira Guerra Mundial 5 Segunda Guerra Mundial 6 Transição da era industrial para

Leia mais

Segurança a e Saúde no Trabalho

Segurança a e Saúde no Trabalho Metodologia de inspeção nos locais de trabalho: Portaria No. 5 do DSST de 17/08/92 Portaria No. 25 da SSST de 29/12/1992 Etapas de planejamento 1o. Conhecer os trabalhos anteriores 2o. Levantar a Planta

Leia mais

Pelo exercício do Trabalho. A serviço da Empresa. Lesão Corporal Perturbação Funcional Redução da Capacidade e/ou Morte. Temporária ou Permanente

Pelo exercício do Trabalho. A serviço da Empresa. Lesão Corporal Perturbação Funcional Redução da Capacidade e/ou Morte. Temporária ou Permanente ACIDENTE DO TRABALHO CONCEITO LEGAL Pelo exercício do Trabalho. A serviço da Empresa. PROVOCANDO Lesão Corporal Perturbação Funcional Redução da Capacidade e/ou Morte Temporária ou Permanente ACIDENTE

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

d) condições ergonômicas não ensejam aposentadoria especial e) o trabalho penoso é aceito para enquadramento para aposentadoria especial.

d) condições ergonômicas não ensejam aposentadoria especial e) o trabalho penoso é aceito para enquadramento para aposentadoria especial. QUESTÕES DE PROVA BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 1. Considerando a análise do direito ao auxílio doença, analise as situações abaixo e assinale S (sim) ou N (não) quanto a essa concessão. A seguir, assinale

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO Cód.: LAS Nº: 78 Versão: 5 Data: 08/09/2014 DEFINIÇÃO Licença concedida, com a remuneração integral, em decorrência de acidente em serviço ocorrido no exercício do cargo,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA HIGIENE E SEGURANÇA

FUNDAMENTOS DA HIGIENE E SEGURANÇA FUNDAMENTOS DA HIGIENE E SEGURANÇA INTRODUÇÃO A indústria sempre teve associada a vertente humana, nem sempre tratada como sua componente preponderante. Até meados do século 20, as condições de trabalho

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário:

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: ACIDENTE DO TRABALHO Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: I- Introdução II- Conceito III. Responsabilidade civil do empregador pelo acidente do trabalho IV- Competência para apreciar

Leia mais

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, se configura em uma obrigatoriedade legal a ser cumprida por todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

LEIS ORDINÁRIAS RELACIONADAS A ESTES TEMAS XXII REDUÇÃO DOS RISCOS INERENTES AO TRABALHO POR MEIO DE NORMAS DE SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA;

LEIS ORDINÁRIAS RELACIONADAS A ESTES TEMAS XXII REDUÇÃO DOS RISCOS INERENTES AO TRABALHO POR MEIO DE NORMAS DE SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA; . SUPERINTENDENTE: DR. JULIO BRIZZI FCO. GILBERTO BELCHIOR - AFT DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS/88 RELATIVOS À SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA ART. 7º - SÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS, ALÉM DE

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO. Disciplina de Saúde do Trabalho. Angelica dos Santos Vianna

ACIDENTES DE TRABALHO. Disciplina de Saúde do Trabalho. Angelica dos Santos Vianna ACIDENTES DE TRABALHO Disciplina de Saúde do Trabalho Angelica dos Santos Vianna Grupos de agravos à saúde: 1. Acidentes de trabalho 2. Doença profissional 3. Doença do trabalho Quem tem direito? 1. o

Leia mais

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA JANEIRO / 2014 DADOS DA EMPRESA Razão Social: MOBRA SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA. CGC: 87.134.086/0001-23, Endereço:

Leia mais

CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS

CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS 1 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA PROFISSIONAIS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DOS RISCOS

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

Legislação Comentada:

Legislação Comentada: Serviço Social da Indústria Departamento Regional da Bahia Legislação Comentada: NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) Salvador-Bahia 2008 Legislação Comentada: NR 7 - Programa

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira PPRA PADRÃO PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

ELETROBRAS ELETRONUCLEAR S.A. Manual de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional

ELETROBRAS ELETRONUCLEAR S.A. Manual de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional ELETROBRAS ELETRONUCLEAR S.A Manual de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional Diretoria de Operação e Comercialização DO Superintendência de Coordenação da Operação SC.O Gerência de Monitoração GMO.O

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Ana Carolina Boa, Elizabeth Neire da Silva, Pedro Lício Loiola, Nilton

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho:

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Dispositivos legais que disciplinam a atuação dos profissionais e médicos do trabalho em conformidade com os princípios éticos. 1) OIT - Serviços

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Gestão de Segurança com enfoque comportamental no Negócio Agregados

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 Comissão: Alynne Obermüller Carolina Amaral Gabriela Silva Mariana Ribeiro Colaboração: Teresa Mate Ergonomia na prática: CARPINTEIRO 4 SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Indústria da Panificação PROGRAMAÇÃO: Palestra Segurança Geral - SESI - Segurança do Trabalho; - Riscos Ambientais e Acidentes do Trabalho; - PPRA/PCMSO; - Normas regulamentadoras;

Leia mais

Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional OHSAS 18001:2007

Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional OHSAS 18001:2007 Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional OHSAS 18001:2007 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais