Santander InveStImento SocIal PrIvado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Santander InveStImento SocIal PrIvado"

Transcrição

1 Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2015

2 Nossa causa Inclusão social e econômica da população brasileira. diretrizes Fortalecer políticas públicas e não se perder em ações isoladas. Dialogar e fazer junto com a comunidade e não para ela. Apoiar locais onde temos presença comercial, mas não somente. Avaliar o resultado social. recursos Mobilizamos ativos financeiros, intelectuais e tecnológicos, além de milhares de profissionais do Banco Santander. objetivos estratégicos e S PúBlIco-alvo promover a garantia de direitos de crianças, adolescentes e idosos amigo de valor / parceiro do idoso UNISOL / parceiros em ação Favorecer a inclusão econômica da população brasileira contribuir para a melhoria da escola pública de educação básica educação infantil / saber / unisol professores + alunos inclusão econômica das Instituições de Ensino Superior parceiros em ação empreendedores comunidades + grupos produtivos Empreendedores + Organizações Aliadas alunos escolas + funcionários crianças + professores gestores municipais + equipes pedagógicas crianças, adolescentes e família idosos e familiares alunos amigo de valor conselho da criança e do adolescente + Órgãos de Atendimento dirigentes municipais + equipes técnicas + equipes pedagógicas saber garantia de direitos + órgãos de atendimento conselho do idoso parceiro do idoso educação infantil melhoria da escola pública 2

3 O Processo de Avaliação 01 A Causa + Inclusão social e econômica da população brasileira 03 perguntas avaliativas inclusão econômica unisol professores + alunos das Instituições de Ensino Superior parceiros em ação empreendedores comunidades + grupos produtivos Empreendedores + Organizações Aliadas alunos escolas + funcionários crianças + professores gestores municipais + equipes pedagógicas crianças, adolescentes e família educação infantil idosos e familiares alunos amigo de valor conselho da criança e do adolescente + Órgãos de Atendimento melhoria da escola pública dirigentes municipais + equipes técnicas + equipes pedagógicas saber garantia de direitos + órgãos de atendimento conselho do idoso parceiro do idoso 02 programas compartilhamento perguntas avaliativas transversais Resultados: O investimento social do Banco Santander contribui para a inclusão social e econômica das populações alcançadas pelo seu investimento social? Relacionamento: QUE IMAGEM OS PÚBLICOS EXTERNOS QUE SE RELACIONAM COM O INVESTIMENTO SOCIAL CONSTROEM A RESPEITO DO BANCO SANTANDER? 05 painel de resultados / dashboard resultados Análise e Recomendações às metodologias 1 - DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO 2 - DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS 1 - PERCEPÇÃO SOBRE A IMAGEM DO BANCO SANTANDER 3 - COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO 2 - INVESTIMENTO DIRETO NA ESTRATÉGIA 4 - ARTICULAÇÃO E COLABORAÇÃO EM REDE 5 - ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS 6 - AUTONOMIA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS DA SOCIEDADE 4 - ENGAJAMENTO INSTITUCIONAL 04 comissões de avaliação COMISSÃO DE PARTICIPANTES DO PROJETO coordenadores dos programas do Santander + parceiros executores perguntas avaliativas específicas 1 IDOSO 2 AMIGO 3 UNISOL 4 PARCEIROS 5 SABER 6 EI 7 3

4 DESEMPENHO GERAL desempenho Disseminação de Conhecimento 6. Autonomia 7,2 6,9 2. Desenvolvimento de Competências desempenho Acesso a direitos fundamentais 5,8 6,2 7,5 3. Colaboração com sociedade Civil e/ou poder público 1. Disseminação de Conhecimento 7,3 6. Autonomia 5,9 5,3 2. Desenvolvimento de Competências 4. Articulação e colaboração em rede 5. Acesso a direitos fundamentais 5,2 5,3 6,9 3. Colaboração com sociedade Civil e/ou poder público 4. Articulação e colaboração em rede DESEMPENHO GERAL 2014 SEGUNDO DIFERENTES ATORES Amigo de Valor 8,3 Escola Brasil 6,0 5,9 8,1 8,3 7,2 6,8 3,8 PROGRAMA UNISOL Banco Santander Comissão de Avaliação Saber 8,0 6,2 5,8 5,3 5,7 5,8 8,8 PROGRAMA Parceiros Executores 7,9 Parceiros em Ação 4

5 IMAGEM DO SANTANDER junto aos públicos beneficiários O investimento social do Santander é feito com muita seriedade 94% Nós confiamos mais no Santander depois de ter participado deste programa social 77% O investimento social do Santander é feito com muita qualidade técnica O Santander me parece bastante comprometido com mudanças positivas na realidade social brasileira O Santander valoriza e promove a participação da sociedade (ONGS, escolas, conselhos, etc.) nos seus programas O Santander valoriza a autonomia de seus parceiros e atua de forma a fortalecê-la 88% 85% 83% 80% O apoio técnico (formação) que recebemos é tão importante quanto os recursos financeiros 77% SEM DÚVIDA NÓS PARTICIPARÍAMOS OUTRA VEZ DESTE PROGRAMA NÓS SEGURAMENTE INDICARÍAMOS ESTE PROGRAMA PARA OUTROS GRUPOS/ONGS/ESCOLAS que conhecemos 91% 93% MÉDIA DE 85% DE APROVAÇÃO. NOSSO INVESTIMENTO FINANCEIRO Investimento direto 2013 Investimento direto 2014 R$ 1,5 milhão R$ 2,43 milhões R$ 1,05 milhão R$ 714 mil R$ 832 mil R$ 1,65 milhões R$ 877 mil R$ 701 mil R$ 2,23 milhões R$ 2,22 milhões R$ 1,15 milhão R$ 595 mil R$ 813 mil R$ 1,94 milhões R$ 982 mil R$ 480 mil Amigo de Valor Saber Parceiros em Ação unisol educação infantil outros programas TOTAL R$ 9, 759 milhões (2014) taxa de investimento social Lucro Líquido R$ ,00 R$ ,00 Volume de ISP R$ ,08 R$ ,00 R$ 10, 410 milhões (2013) 5 Taxa 0.17% 0.18%

6 Beneficiários programas beneficiário Direto BENEFICIÁRIO INDIRETO ESCOLA VOluntários Amigo de Valor parceiro do Idoso Saber Parceiros em Ação Unisol TOTAL (i) (ii) (iii) (iv) (v) (vi) (i) Total de alunos das escolas participantes (ii) Total das crianças e adolescentes dos municípios atendidos (iii) Total de idosos dos municípios atendidos (iv) Total das alunos dos municípios atendidos (v) Total de familiares dos empreendedores (vi) Total de membros das comunidades envolvidas municípios alcançados em 2014 escolas alcançadas em TOTAL = 270 Parceiro do idoso 20 amigos de valor 56 unisol 16 saber 10 parceiros em ação total = 340 saber 60 ENGAJAMENTO INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIOS 2014 Nº DE FUNCIONÁRIOS E ESTAGIÁRIOS PARTICIPANTES Nº DE HORAS DE DEDICAÇÃO AMIGO DE VALOR 2014 Nº DE FUNCIONÁRIOS E ESTAGIÁRIOS ENGAJADOS NO AMIGO DE VALOR Nº DE FUNCIONÁRIOS E ESTAGIÁRIOS ENGAJADOS RELAÇÃO COM O NEGÓCIO Presença Comercial Locais de Abrangência Amigo de Valor 8 Clientes articulados Parceiro do Idoso 0 Clientes Amigo de Valor Clientes Parceiro do Idoso Clientes universidade Solidária Universidade Solidária Parceiros em Ação Saber 6 6 (praças)

7 PARA CADA REAL INVESTIDO PELO SANTANDER, MOBILIZAMOS R$ 1,88 REAIS NA SOCIEDADE BRASILEIRA. RECURSOS INCENTIVADOS amigos de valor recursos incentivados mobilizados 2013 recursos incentivados mobilizados 2014 TOTAL R$ 1,8 milhão R$ 3,8 MILHões R$ 364 mil R$ 2,5 milhões R$ 8,56 milhões (2014) R$ 2,6 milhões R$ 3,9 milhões R$ 251 mil R$ 1,5 milhão pj Banco santander pf colaboradores pf clientes pj clientes R$ 8,44 milhões (2013) idoso recursos incentivados mobilizados 2013 R$ 1,8 milhão recursos incentivados mobilizados 2014 R$ 1,6 milhão TOTAL R$ 3,47 milhões (2014) R$ 2,6 milhões R$ 571 mil pj Banco santander pj clientes R$ 3,22 milhões (2013) programas recursos mobilizados pelos projetos programas recursos mobilizados R$ ,00 projetos R$ ,49 Amigo de Valor R$ ,97 incentivados R$ Saber R$ ,15 R$ ,00 TOTAL R$ ,83 Parceiros em Ação R$ ,98 Unisol R$ TOTAL R$ ,49 7

8 CONTEXTO DOS INVESTIMENTOS idh 0,66 0,64 média brasil 0,56 0,80 IDHM ,393 IDHM Renda 2010 IDHM Longevidade 2010 MÉDIA DOS MUNICÍPIOS QUE RECEBERAM INTERVENÇÃO 0,421 0,65 0,73 0,72 0,83 IDHM Educação 2010 Índice C-Gini 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 IDEB 5,04 3,95 4,32 4,78 5,24 3,69 4,05 4,35 4,69 4,86 4,00 4,04 3,80 3,60 3,29 3,68 3,86 3,94 3,51 3, Média municípios participantes ISP SANTANDER 2014* -Anos Iniciais Média Brasil - Anos iniciais Média municípios participantes ISP SANTANDER 2014* -Anos Finais Média Final - Anos Finais * Dados dos municípios dos programas Saber e percentual de municípios brasileiros que possuem conselho do idoso (2014) PERCENTUAL DE MUNICÍPIOS BRASILEIROS QUE POSSUEM CONSELHO DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (2014) total municípios Municípios com conselho de idosos % Municípios com conselho de idosos Total municípios Municípios CMDCA % Municípios CMDCA ,49% % 8

9 DESEMPENHO DOS MACROINDICADORES POR PROGRAMA ESTRATÉGICO 1. Disseminação de Conhecimento 6. Autonomia 2. Desenvolvimento de Competências 8,1 7,6 6,9 6,8 Amigo de Valor Parceiro do Idoso Escola Brasil 5. Acesso a direitos fundamentais 4,0 4,6 5,3 7,0 5,1 5,6 7,2 6,86,9 8,6 8,7 3. Colaboração com sociedade civil e/ou poder público Parceiros em Ação Saber Universidade Solidária 4. Articulação e colaboração em rede COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO POR OBJETIVO ESTRATÉGICO promover a garantia de direitos de crianças, adolescentes e idosos 1. Disseminação de Conhecimento 6. Autonomia 2. Desenvolvimento de Competências 8,1 6,9 5. Acesso a direitos fundamentais 4,6 4,0 5,6 5,1 8,6 8,7 3. Colaboração com sociedade civil e/ou poder público 4. Articulação e colaboração em rede Amigo de Valor Parceiro do Idoso Favorecer a inclusão econômica da população brasileira Contribuir para a melhoria da escola pública de educação básica 1. Disseminação de Conhecimento 1. Disseminação de Conhecimento 8,2 6. Autonomia 8,0 6,8 8,3 2. Desenvolvimento de Competências 6. Autonomia 2. Desenvolvimento de Competências 5. Acesso a direitos fundamentais 8,3 7,0 6,9 8,2 3. Colaboração com sociedade civil e/ou poder público 5. Acesso a direitos fundamentais 5,3 6,5 6,8 3. Colaboração com sociedade civil e/ou poder público 4. Articulação e colaboração em rede 4. Articulação e colaboração em rede Parceiros em Ação Universidade Solidária Brasil Escola Saber 9

10 COMPARAÇÃO DOS PROGRAMAS PELOS MACROINDICADORES 1. disseminação de Conhecimento 2. desenvolvimento de Competências Amigo de Valor Amigo de Valor 8,9 8,5 Escola Brasil 8,5 6,8 3,8 8,0 5,2 8,3 8,2 Unisol 6,7 Escola Brasil 8,4 7,0 5,5 5,2 7,5 7,0 8,6 unisol 3,8 Saber 8,3 8,2 6,8 5,3 8,3 6,2 8,0 9,2 PROGRAMA Saber 8,4 7,3 4,8 5,5 8,9 PROGRAMA 8,6 8,0 Parceiros em Ação Parceiros em Ação Banco Santander Comissão de Avaliação Parceiros Executores 3. colaboração com sociedade civil e/ou poder público Amigo de Valor 9,2 9,0 4. Articulação e colaboração em rede Amigo de Valor 8,1 Escola Brasil 8,2 7,3 3,3 7,9 6,8 8,6 Unisol Escola Brasil 7,9 3,2 4,0 3,2 6,5 7,2 Unisol Saber 8,3 5,7 5,7 7,3 7,6 7,6 9,1 9,2 PROGRAMA Saber 6,0 5,5 5,3 6,6 4,0 4,0 8,7 PROGRAMA Parceiros em Ação Banco Santander Comissão de Avaliação Parceiros em Ação Parceiros Executores 5. Acesso a direitos fundamentais 6. autonomia Amigo de Valor Amigo de Valor 6,9 8,4 8,2 Escola Brasil 7,2 4,0 5,8 1,0 6,9 8,4 Unisol Escola Brasil 7,5 7,2 4,3 6,8 8,2 Unisol Saber 7,3 4,4 4,2 1,0 6,0 7,3 7,9 3,2 7,9 PROGRAMA Saber 6,1 5,0 5,0 8,4 8,9 7,0 7,1 8,9 PROGRAMA Parceiros em Ação Parceiros em Ação Banco Santander Comissão de Avaliação Parceiros Executores 10

11 10 MENSAGENS DO DASHBOARD 1. O desempenho geral dos programas melhorou quando comparado ao ano anterior (2013), subindo de 5,9 para 6,8. A equipe do Santander foi a que apresentou critérios mais rígidos de avaliação, ou expectativas mais difíceis de serem satisfeitas quando comparado aos outros atores. 6. PARA CADA REAL INVESTIDO PELO SANTANDER, MOBILIZAMOS R$ 1,88 REAIS NA SOCIEDADE BRASILEIRA % do público beneficiado pelo ISP avalia que a intervenção do Santander é feita com qualidade e seriedade. 7.O ISP investe em municípios em que a desigualdade social é mais acentuada do que a média brasileira, segundo o índice Gini. 3. A taxa de investimento social em 2014 diminuiu em relação ao ano anterior, caindo de 0,18 para 0,17, apesar da lucratividade do banco ter aumentado em 200 milhões. 8. Favorecer a inclusão econômica da população brasileira foi, dentre os objetivos estratégicos, aquele com melhor resultado em 2014, alcançando uma média de 7,2. 4. O ISP beneficiou mais de pessoas em 2014, atuando em 270 municípios e em 340 escolas em todo o Brasil. 9. Colaboração com a sociedade civil e/ou poder público foi, dentre os macro-indicadores, aquele com melhor resultado segundo os stakeholders, o que indicou uma parceria produtiva. 5. O SANTANDER MOBILIZOU MAIS DE 34 MIL FUNCIONÁRIOS, ESTAGIÁRIOS E CLIENTES NA CAPTAÇÃO E MOBILIZAÇÃO de recursos ACESSO AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS FOI O MACRO- INDICADOR COM MENOR DESEMPENHO, INDICANDO O CONTEXTO FRAGILIZADO DOS MUNICÍPIOS ANTES DA ENTRADA DOS PROGRAMAS.

12 Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2015 Equipe gestora e técnica LINDA MURASAWA Superintendente Executiva de Desenvolvimento Sustentável Emanuelle Magno O. Amaral Gerente de Desenvolvimento Sustentável Parceiro Avaliador Move - Avaliação e Estratégia Herica Aires Analista de Desenvolvimento Sustentável 12

Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2014

Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2014 Investimento Social Privado DASHBOARD 2014 nossa causa Inclusão Social e Econômica da população brasileira. diretrizes Fortalecer políticas públicas e não se perder em ações isoladas. Dialogar e fazer

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO

SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DASHBOARD CICLO DE 3 ANOS DE AVALIAÇÃO NOSSA CAUSA Inclusão social e econômica da população brasileira. DIRETRIZES Fortalecer políticas públicas e não se perder em

Leia mais

I. Premissas de reorganização do modelo de avaliação

I. Premissas de reorganização do modelo de avaliação investimento social modelo de avaliação 2015 O investimento social do Banco Santander historicamente implica um modelo de avaliação. O arranjo atual teve grande utilidade no amadurecimento das práticas

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável. Marcos de Referência

Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável. Marcos de Referência Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável Marcos de Referência Se quisermos educação de qualidade para todos, precisaremos de todos pela qualidade da educação Jomtien, 1990

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Foto: João Bittar PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

PerguntAção: as vozes do voluntariado empresarial Programa de Voluntariado Promon

PerguntAção: as vozes do voluntariado empresarial Programa de Voluntariado Promon PerguntAção: as vozes do voluntariado empresarial Programa de Voluntariado Promon Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Instituto Itaú Cultural 25/11/2014 AGENDA Atores Contexto Sintonia Programa

Leia mais

Voluntariado Empresarial

Voluntariado Empresarial Voluntariado Empresarial Agenda 09:00-09:10 Abertura e Introdução ao tema Voluntariado Empresarial 09:10 09:30 Jogo de Palavras conceito trabalho em grupos 09:30 10:15 Apresentação dos grupos e síntese

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

Desafios do voluntariado

Desafios do voluntariado Desafios do voluntariado Conselho Regional de Administração 20 de outubro de 2009 Maria de Fátima Alexandre Mafalexandre@gmail.com Filme Michele Obama convida Filme Voluntariado no Brasil Voluntariado

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 1. Contexto Roteiro 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O que é o Projeto TRILHAS?

O que é o Projeto TRILHAS? O que é o Projeto TRILHAS? É um conjunto de material elaborado para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com o objetivo de inserir as crianças do 1 º ano

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

iii encontro nacional

iii encontro nacional educação - leitura - educomunicação - cultura - meio ambiente - saúde APRESENTAÇÃO O Encontro Nacional está em sua 3ª edição e tem como foco a troca de experiências e culturas entre os municípios atendicos

Leia mais

www.unisol.org.br unisol@unisol.org.br Educação e desenvolvimento O papel das universidades

www.unisol.org.br unisol@unisol.org.br Educação e desenvolvimento O papel das universidades Educação e desenvolvimento O papel das universidades A Universidades podem e devem contribuir para a formação cidadã de seus estudantes e para a promoção do desenvolvimento social de nosso país Extensão

Leia mais

A Responsabilidade Social da Universidade como Ferramenta de Desenvolvimento Local: o caso da Universidade de Fortaleza

A Responsabilidade Social da Universidade como Ferramenta de Desenvolvimento Local: o caso da Universidade de Fortaleza A Responsabilidade Social da Universidade como Ferramenta de Desenvolvimento Local: o caso da Universidade de Fortaleza Carla Susana da Encanação Marques UTAD Portugal Randal Martins Pompeu UNIFOR Brasil

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Desenvolvimento Sustentável nas Terras Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

2º Encontro da Rede Temática em Desenvolvimento Local 1º de setembro de 2015. Compilação da dinâmica

2º Encontro da Rede Temática em Desenvolvimento Local 1º de setembro de 2015. Compilação da dinâmica 2º Encontro da Rede Temática em Desenvolvimento Local 1º de setembro de 2015 Compilação da dinâmica No dia 1º de setembro, o GIFE realizou o 1º encontro da Rede Temática de Desenvolvimento Local. O encontro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL Projeto de Lei nº 135 de 19 de novembro de 2014 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Programa

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

Relatório Anual. ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis. ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis

Relatório Anual. ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis. ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis Resumo da ONG O ICom é uma organização sem fins lucrativos que opera segundo o conceito de fundação comunitária. Promove o desenvolvimento comunitário articulando e mobilizando investidores e organizações

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento

PDE Plano de Desenvolvimento PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO

UMA PARCERIA DE SUCESSO Relatório Final de Atividades Gerdau Barão de Cocais e : UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Relatório de Atividades... 3 Resultados Gerais... 3 Resultados do Programa Miniempresa... 6 Aprendizagem dos Conceitos

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA PROJETO APRESENTAÇÃO O projeto Escola de Fábrica é uma iniciativa do Governo Federal, através do e da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, que pretende possibilitar a inclusão social de jovens

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES - IPES

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PEREIRA BARRETO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO, FERRAMENTA DE GESTÃO PARA A REORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PEREIRA BARRETO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO, FERRAMENTA DE GESTÃO PARA A REORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO, FERRAMENTA DE GESTÃO PARA A REORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA Ubatuba, abril de 2014 EX PREFEITO MÉDICO DA ESF UNIDADES SUCATEADAS QUADRO DE SERVIDORES DESFALCADOS/INSUFICIENTE

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade Programa 1377 Educação para a Diversidade e Cidadania Objetivo Combater as desigualdades étnico-racial, de gênero, orientação sexual, geracional, regional e cultural no espaço escolar. Justificativa Público

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado assumiram grande importância, especialmente a partir do

Leia mais

Programas. Com Maior Cuidado. Segurança Viária para Idosos

Programas. Com Maior Cuidado. Segurança Viária para Idosos Programas Com Maior Cuidado Segurança Viária para Idosos www.fundacionmapfre.com.br 2013 Página 1 de 9 FUNDACIÓN MAPFRE A FUNDACIÓN MAPFRE no Brasil segue a diretriz internacional da FUNDACIÓN MAPFRE na

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social

PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DE ATIVIDADES Detalhamento de ações Convênio Caixa Econômica Federal nº189201-11

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

PERNAMBUCO IDH: 0,705 PIB: 42,2 BILHÕES-2003 ÁREA: 98.588,30 KM 2

PERNAMBUCO IDH: 0,705 PIB: 42,2 BILHÕES-2003 ÁREA: 98.588,30 KM 2 MICROCRÉDITO RURAL PERNAMBUCO IDH: 0,705 PIB: 42,2 BILHÕES-2003 ÁREA: 98.588,30 KM 2 POPULAÇÃO-2000 RMR: 3.337.565 HAB MATAS:1.207.274 HAB AGRESTES: 1.993.868 HAB SERTÕES: 1.377.586 HAB TOTAL ESTADO: 8.340.453

Leia mais

Programa Alfabetização na Idade Certa - PAIC

Programa Alfabetização na Idade Certa - PAIC Agenda Estratégica 1. Fortalecer o regime de colaboração com foco na alfabetização de crianças na idade certa; 2. Melhorar a qualidade da educação básica em todos os níveis de ensino; 3. Ampliar o acesso

Leia mais

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro A Associação Nacional de Política e Administração da Educação ANPAE, fundada em 1961 1, é uma associação civil de caráter educativo,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Santander Microcredito OUTUBRO DE 2014

Santander Microcredito OUTUBRO DE 2014 Santander Microcredito OUTUBRO DE 2014 Compromisso Institucional Melhorar o fluxo dos recursos financeiros no país, oferecendo a população de menor renda linhas de crédito e orientação financeira que permitam

Leia mais

CONSELHO ESCOLAR QUAL A LEGISLAÇÃO QUE SUSTENTA OS CONSELHOS ESCOLARES?

CONSELHO ESCOLAR QUAL A LEGISLAÇÃO QUE SUSTENTA OS CONSELHOS ESCOLARES? CONSELHO ESCOLAR QUAL A LEGISLAÇÃO QUE SUSTENTA OS CONSELHOS Há toda uma legislação educacional, definida pelos espaços parlamentares competentes, influenciados pelos movimentos sociais organizados, que

Leia mais

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO O racismo é um fenômeno das relações sociais do Brasil. No estado da Paraíba, onde mais de 60% da população é negra, não encontramos essa mesma proporcionalidade

Leia mais

Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar

Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar Desafios da Educação O PNE Quantidade Qualidade Equidade Diversidade Inovação Quantidade www.observatoriodopne.org.br 1 - Educação Infantil Universalizar,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 SUMÁRIO Declaração da Equipe Missão Visão 1. Objetivo do relatório 2. Modelo Operacional em 2008 Captação de recursos Parcerias 3. Projetos e Ações Produção Executiva Consultoria

Leia mais

Concurso "III Prata da Casa" Edição 2013 "Ação Inovadora" Cadastro da Prática ou Ideia

Concurso III Prata da Casa Edição 2013 Ação Inovadora Cadastro da Prática ou Ideia 26 Concurso "III Prata da Casa" Nome do Participante ABIGAIL CRISTINE CARNEIRO Cargo Assessora Jurídica Email Institucional accarneiro@mp.pr.gov.br Contatos Telefônicos (41) 3279-3089 (41) 9921-7438 (41)

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Políticas de alfabetização e educação de jovens e adultos

Políticas de alfabetização e educação de jovens e adultos Políticas de alfabetização e educação de jovens e adultos André Lázaro Secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Ministério da Educação Taxa de analfabetismo, por faixa etária, Brasil

Leia mais

PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA

PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA CRIANDO OPORTUNIDADES PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA Caros parceiros É com muito orgulho que olhamos para os 11 anos da existência da GERAR e temos a certeza de que oferecemos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

Rede de Atenção à Saúde

Rede de Atenção à Saúde Rede de Atenção à Saúde Aparecida Linhares Pimenta Secretaria de Saúde de Diadema-SP Vice presidente do CONASEMS (Contribuições de Silvio Fernandes, assessor do CONASEMS) Desde o início da construção do

Leia mais

DOE ESPERANÇA PROJETO

DOE ESPERANÇA PROJETO DOE ESPERANÇA PROJETO PROJETO Doe Esperança A proposta do Projeto Doe Esperança é assegurar cuidado e proteção integral às crianças, que tiveram que ser retiradas de seu núcleo familiar, por ocorrência

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

Há 40 anos, dedicamos ao bem mais precisoso: A vida.

Há 40 anos, dedicamos ao bem mais precisoso: A vida. Há 40 anos, dedicamos ao bem mais precisoso: A vida. A cada ano, mais de 600 jovens participam de várias oficinas de formação e produção cultural, nas áreas de literatura, artesanato, teatro, dança, música

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO 1. Identificação e caracterização Título do Projeto Nome do Prof(s) Coordenador(es) do Projeto Centro Laboratório Período Início Término Término previsto

Leia mais

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Núcleos de Defesa Civil (NUDECs): estruturação, atribuições e funcionamento Regina Panceri Gerente Capacitação, Pesquisa e Projetos SDC 3 O que é, o que é????? O que

Leia mais

Desafios e oportunidades do planejamento e implementação de investimentos sociais sustentáveis na América Latina:

Desafios e oportunidades do planejamento e implementação de investimentos sociais sustentáveis na América Latina: Desafios e oportunidades do planejamento e implementação de investimentos sociais sustentáveis na América Latina: Perspectivas da Indústria de Óleo e Gás Janice Dias Gerente de Programas Sociais da Petrobras

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009.

Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009. Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009. Dispõe sobre a política municipal do idoso e dá outras providências A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I

Leia mais

EDITAL 001/2016 APRESENTAÇÃO. A Fundação Municipal de Educação (FME), considerando o

EDITAL 001/2016 APRESENTAÇÃO. A Fundação Municipal de Educação (FME), considerando o EDITAL 001/2016 EDITAL PARA APOIO A PROJETOS EDUCACIONAIS FORMULADOS POR UNIDADES E/OU PROFISSIONAIS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, COM O OBJETIVO DE APRIMORAR A QUALIDADE DOS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE Coordenação Geral de Educação em Saúde e Gestão Subsecretaria de Gestão do Trabalho e da Educação

Leia mais

O PNE E OS DESAFIOS ATUAIS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

O PNE E OS DESAFIOS ATUAIS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA O PNE E OS DESAFIOS ATUAIS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Lívia M. Fraga Vieira Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação ANPED Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais liviafraga@globo.com

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

Núcleo Regional de Piên

Núcleo Regional de Piên Núcleo Regional de Piên Municípios participantes Lapa Mandirituba Quitandinha Tijucas do Sul Agudos do Sul Campo do Tenente Piên Rio Negro Ações prioritárias para a região Objetivo 1: Erradicar a extrema

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES

COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES PRINCÍPIOS DO PACTO GLOBAL Princípios de Direitos Humanos 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; 2. Impedir violações de direitos humanos; COMPATIBILIZAÇÃO DAS AÇÕES Reeleita como membro integrante

Leia mais

PAULA REGINA CAMPOS NUTRIÇÃO E SAUDE PUBLICA

PAULA REGINA CAMPOS NUTRIÇÃO E SAUDE PUBLICA PAULA REGINA CAMPOS NUTRIÇÃO E SAUDE PUBLICA ...O grande valor do trabalho associativo se faz notar quando a competição é substituída pela concorrência conjunta e solidária. Concorrer, nesse caso, significa

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 491 Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental DIALOGANDO NA INDÚSTRIA: UMA FERRAMENTA PARA DISCUTIR A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

ESCOLAR II ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE

ESCOLAR II ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA COM ESCOLAR MELHORIA DO FLUXO I - META 7 DO PNE: Fomentar a qualidade da educação básica em todas etapas e modalidades, com melhoria do fluxo escolar e da aprendizagem de modo

Leia mais

GUIA. Plataforma dos Centros Urbanos

GUIA. Plataforma dos Centros Urbanos GUIA Plataforma dos Centros Urbanos JUNTOS PELA REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES INTRAMUNICIPAIS PARA A GARANTIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES QUE VIVEM NAS GRANDES CIDADES EDIÇÃO 2013-2016 Plataforma

Leia mais

Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância

Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância CONFERÊNCIA GLOBAL SOBRE DESENVOLVIMENTO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Fundação Maria Cecília Souto Vidigal FMCSV

Leia mais

O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS

O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS XIV Encontro Nacional do CONGEMAS Fortaleza, 21 a 23 de março de 2012 Política Pública de Seguridade Social não contributiva

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E SUAS 20 METAS. Palestra: Campo Grande MS 27.03.2015

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E SUAS 20 METAS. Palestra: Campo Grande MS 27.03.2015 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E SUAS 20 METAS. Palestra: Campo Grande MS 27.03.2015 MILTON CANUTO DE ALMEIDA Consultor Técnico em: Financiamento, Planejamento e Gestão da Educação, Plano de Carreira e Previdência

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Assegurar, em regime de colaboração, recursos necessários para a implementação de políticas de valorização

Leia mais

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o SELO DE EDUCAÇÃO PARA IGUALDADE RACIAL ANEXO 1: METAS NORTEADORAS DO PLANO NACIONAL DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA

Leia mais

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Encontro com Referências Estaduais de Alimentação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Art. 198 da CF/ 1988: A ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL EDITAL CONCURSO ESCOLA DE LEITORES PARATY - RJ 2009/2010 OBJETO: Seleção de projetos para o Concurso

Leia mais

SINAES E A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. Márcia Regina F. de Brito DEAES/INEP/MEC

SINAES E A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. Márcia Regina F. de Brito DEAES/INEP/MEC SINAES E A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Márcia Regina F. de Brito DEAES/INEP/MEC Apresentação baseada em apresentações anteriores de: José Dias Sobrinho Dilvo Ilvo Ristoff Amir Limana Vicente de Almeida Júnior

Leia mais

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012

A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso. Fabio Ribas Recife, março de 2012 A importância do diagnóstico municipal e do planejamento para a atuação dos Conselhos dos Direitos do Idoso Fabio Ribas Recife, março de 2012 Uma pauta para nosso diálogo: 1)Desafios para o fortalecimento

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 004/2016 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2016 1. Identificação Recrutamento

Leia mais