SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO"

Transcrição

1 SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DASHBOARD CICLO DE 3 ANOS DE AVALIAÇÃO

2 NOSSA CAUSA Inclusão social e econômica da população brasileira. DIRETRIZES Fortalecer políticas públicas e não se perder em ações isoladas. Dialogar e fazer junto com a comunidade e não para ela. Apoiar locais onde temos presença comercial, mas não somente. Avaliar o resultado social. RECURSOS Mobilizamos ativos financeiros, intelectuais e tecnológicos, além de milhares de profissionais do Banco Santander. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E S PÚBLICO-ALVO PROMOVER A GARANTIA DE DIREITOS DE CRIANÇAS, ADOLESCENTES E IDOSOS AMIGO DE VALOR / / S FAVORECER A INCLUSÃO ECONÔMICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA / / PROFESSORES + ALUNOS INCLUSÃO ECONÔMICA DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR S EMPREENDEDORES COMUNIDADES + GRUPOS PRODUTIVOS EMPREENDEDORES + ORGANIZAÇÕES ALIADAS ALUNOS ESCOLAS + FUNCIONÁRIOS CRIANÇAS + PROFESSORES GESTORES MUNICIPAIS + EQUIPES PEDAGÓGICAS CRIANÇAS, ADOLESCENTES E FAMÍLIA IDOSOS E FAMILIARES ALUNOS AMIGO DE VALOR CONSELHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE + ÓRGÃOS DE ATENDIMENTO DIRIGENTES MUNICIPAIS + EQUIPES TÉCNICAS + EQUIPES PEDAGÓGICAS GARANTIA DE DIREITOS + ÓRGÃOS DE ATENDIMENTO CONSELHO MELHORIA DA ESCOLA PÚBLICA 2

3 O PROCESSO DE AVALIAÇÃO 01 A CAUSA + INCLUSÃO SOCIAL E ECONÔMICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA 03 PERGUNTAS AVALIATIVAS INCLUSÃO ECONÔMICA PROFESSORES + ALUNOS DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR S EMPREENDEDORES COMUNIDADES + GRUPOS PRODUTIVOS EMPREENDEDORES + ORGANIZAÇÕES ALIADAS ALUNOS ESCOLAS + FUNCIONÁRIOS CRIANÇAS + PROFESSORES GESTORES MUNICIPAIS + EQUIPES PEDAGÓGICAS CRIANÇAS, ADOLESCENTES E FAMÍLIA IDOSOS E FAMILIARES ALUNOS AMIGO DE VALOR CONSELHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE + ÓRGÃOS DE ATENDIMENTO MELHORIA DA ESCOLA PÚBLICA DIRIGENTES MUNICIPAIS + EQUIPES TÉCNICAS + EQUIPES PEDAGÓGICAS GARANTIA DE DIREITOS + ÓRGÃOS DE ATENDIMENTO CONSELHO 02 S COMPARTILHAMENTO PERGUNTAS AVALIATIVAS TRANSVERSAIS RESULTADOS: O INVESTIMENTO SOCIAL DO BANCO SANTANDER CONTRIBUI PARA A INCLUSÃO SOCIAL E ECONÔMICA DAS POPULAÇÕES ALCANÇADAS PELO SEU INVESTIMENTO SOCIAL? RELACIONAMENTO: QUE IMAGEM OS PÚBLICOS EXTERNOS QUE SE RELACIONAM COM O INVESTIMENTO SOCIAL CONSTROEM A RESPEITO DO BANCO SANTANDER? 05 PAINEL DE RESULTADOS / DASHBOARD RESULTADOS ANÁLISE E RECOMENDAÇÕES ÀS METODOLOGIAS 1 - DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO 2 - DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS 1 - PERCEPÇÃO SOBRE A IMAGEM DO BANCO SANTANDER 3 - COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO 2 - INVESTIMENTO DIRETO NA ESTRATÉGIA 4 - ARTICULAÇÃO E COLABORAÇÃO EM REDE 5 - ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS 6 - AUTONOMIA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS DA SOCIEDADE 4 - ENGAJAMENTO INSTITUCIONAL 04 COMISSÕES DE AVALIAÇÃO COMISSÃO DE PARTICIPANTES DO PROJETO COORDENADORES DOS S DO SANTANDER + S EXECUTORES PERGUNTAS AVALIATIVAS ESPECÍFICAS 1 IDOSO 2 AMIGO 3 4 S 5 6 EI 3

4 DESEMPENHO GERAL 1. DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO,6 6. AUTONOMIA,6 5,3 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS 5. ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS 5,2 5,3 6,3,6 3. COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO *OS DADOS DE NÃO INCLUÍRAM A AVALIAÇÃO DA EQUIPE DO BANCO. DESEMPENHO GERAL SEGUNDO DIFERENTES ATORES AMIGO DE VALOR,0 6,5 6,6 6,1 3,9 8,2 S 8,1 ESCOLA BRASIL Comissão de Avaliação Parceiros Executores 4

5 IMAGEM DO SANTANDER JUNTO AOS PÚBLICOS BENEFICIÁRIOS O INVESTIMENTO SOCIAL DO SANTANDER É FEITO COM MUITA SERIEDADE NÓS CONFIAMOS MAIS NO BANCO SANTANDER DEPOIS DE TER PARTICIPADO DESTE SOCIAL O INVESTIMENTO SOCIAL DO BANCO SANTANDER É FEITO COM MUITA QUALIDADE TÉCNICA O BANCO SANTANDER ME PARECE BASTANTE COMPROMETIDO COM MUDANÇAS POSITIVAS NA REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA O BANCO SANTANDER VALORIZA E PROMOVE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE (ONGS, ESCOLAS, CONSELHOS, ETC.) NOS SEUS S O BANCO SANTANDER VALORIZA A AUTONOMIA DE SEUS S E ATUA DE FORMA A FORTALECÊ-LA O APOIO TÉCNICO (FORMAÇÃO) QUE RECEBEMOS É TÃO IMPORTANTE QUANTO OS RECURSOS FINANCEIROS 9% 95% 96% 94% 96% 96% 93% SEM DÚVIDA NÓS PARTICIPARÍAMOS OUTRA VEZ DESTE NÓS SEGURAMENTE INDICARÍAMOS ESTE PARA OUTROS ONGS/GRUPOS/ESCOLAS QUE CONHECEMOS 93% 98% MÉDIA DE 86% DE APROVAÇÃO. MÉDIA DE 85% DE APROVAÇÃO. MÉDIA DE 95% DE APROVAÇÃO. NOSSO INVESTIMENTO FINANCEIRO AO LONGO DE 3 ANOS 2.2mi 2.2mi 1.9mi 1.1mi 2.4mi 1.6mi 1.5mi 1mi 2.3mi 1.9mi 1.1mi Amigo de Valor Parceiro do Idoso Educação Infantil Parceiros em Ação Saber Outros* 980mil 8mil 813mil 832mil 14mil 832mil 800mil 90mil 594mil 01mil 698mil 625mil 49mil TAXA DE INVESTIMENTO SOCIAL ,00 Lucro Líquido , , ,00 *Outros: Patrocínios, Contribuições Associativas, Avaliação de Resultados/ Planejamento Estratégico (consultorias especializadas) e Comunicação. Volume de ISP Taxa 0.18% , ,62 0.1% 0.14% 5

6 BENEFICIÁRIOS S AMIGO DE VALOR S TOTAL BENEFICIÁRIO MUNICÍPIOS ALCANÇADOS EM ESCOLAS ALCANÇADAS EM 135 AMIGOS DE VALOR 42 9 S 9 EDUCAÇÃO INFANTIL 258 TOTAL = EDUCAÇÃO INFANTIL TOTAL = ENGAJAMENTO INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIOS EM AMIGO DE VALOR VOLUNTÁRIOS MOBILIZADOS HORAS VOLUNTÁRIAS Nº DE FUNCIONÁRIOS E ESTAGIÁRIOS ENGAJADOS NO AMIGO DE VALOR RELAÇÃO COM O NEGÓCIO PRESENÇA COMERCIAL LOCAIS DE ABRANGÊNCIA CLIENTES ARTICULADOS CLIENTES 10 AMIGO DE VALOR UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 1 CLIENTES UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA CLIENTES AMIGO DE VALOR S 9 (praças)

7 RECURSOS INCENTIVADOS AMIGOS DE VALOR 4.6mi 3.9mi 3.8mi 2.6mi 3.mi 1.8mi 2.6mi 2.5mi 2.8mi 51mil 1.6mi 1.29mi 1.5mi 1.8mi 1.29mi 251mil 364mil 413mil PJ Clientes PJ Banco Santander TOTAL DE RECURSOS INCENTIVADOS PF Colaboradores PJ Clientes PJ Banco Santander PF Clientes , , ,01 RECURSOS MOBILIZADOS AO LONGO DO CICLO DE 3 ANOS.3mi Amigos de valor 3.6mi 3.4mi 2.2mi Parceiro do Idoso Unisol 2mi 41mil 1mi 993mil 1.mi 1.5mi Educação Infantil Parceiros em Ação Saber 541mil 531mil 3mil 461mi 306mil 30mi 249mil 31mil 144mil 23mil TOTAL , , , ,3 PARA CADA REAL INVESTIDO PELO SANTANDER, MOBILIZAMOS 1,4 REAIS NA SOCIEDADE BRASILEIRA EM , ,49 Total recursos incentivados Total mobilizados

8 DESEMPENHO DOS MACROINDICADORES POR ESTRATÉGICO EM 1. DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO 6. AUTONOMIA 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS,8,6,4 6,1 8,5,8 6,8,4 6,3 Programa Amigo de Valor Programa Parceiro do Idoso Programa Educação Infantil Programa Escola Brasil 5. ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS 5,8 6,0 6,0,0,4 8,9 6,46,3 3. COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO Programa Parceiros em Ação Programa Saber Programa Unisol COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO POR OBJETIVO ESTRATÉGICO PROMOVER A GARANTIA DE DIREITOS DE CRIANÇAS, ADOLESCENTES E IDOSOS 1. DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO,4 6. AUTONOMIA 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS,4 5. ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS,0 5,8 3. COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO Programa Amigo de Valor Programa Parceiro do Idoso FAVORECER A INCLUSÃO ECONÔMICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA 1. DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO 1. DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO 6. AUTONOMIA,8 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS 6. AUTONOMIA 6,1,8 8,5 2. DESENVOLVIMENTO 6,8 DE COMPETÊNCIAS 5,8 6,3 5. ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS,4,4,25 3. COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO 5. ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS 6,8 5,8 6,4 6,2 3. COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO 8 Programa Parceiros em Ação Programa Universidade Solidária Programa Escola Brasil Programa Saber Programa Educação Infantil

9 COMPARAÇÃO DOS S PELOS MACROINDICADORES EM 1. DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO 2. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS AMIGO DE VALOR 8,6 AMIGO DE VALOR,0 6,1 9,2 6,1 9,3 5,8 3,8 9,3 9,0 4,2 S ESCOLA BRASIL S 8,5 ESCOLA BRASIL S Comissão de Avaliação Parceiros Executores 3. COLABORAÇÃO COM SOCIEDADE CIVIL E/OU PODER PÚBLICO AMIGO DE VALOR AMIGO DE VALOR,9 8,9 8,9 3,6,0 8,1 8,6 9,1 6,2 3, 8,2 4,9 3,5,2 8,6 S 9,1 ESCOLA BRASIL S 8,2 8,5 ESCOLA BRASIL S Comissão de Avaliação Parceiros Executores 5. ACESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS 6. AUTONOMIA 8,2 AMIGO DE VALOR 6,4 6,8 6,4,6,8 AMIGO DE VALOR 8,9,4 4,2,8 4,2,8 S 8,1 ESCOLA BRASIL S 6,6 4,2,6 8,2 ESCOLA BRASIL Comissão de Avaliação Parceiros Executores 9

10 10 MENSAGENS DO DASHBOARD 1. AO LONGO DO CICLO / DE INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DO BANCO SANTANDER HOUVE MELHORA EM TODOS OS MACROINDICADORES, COM AVANÇO SUBSTANCIAL NO CONJUNTO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, QUE MELHOROU 24% EM RELAÇÃO AO PRIMEIRO ANO DA AVALIAÇÃO. 4. OS S GERARAM MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NOS PÚBLICOS-ALVO, BEM COMO APRENDIZAGENS POTENTES PARA O BANCO SANTANDER E PARA SEUS S IMPLEMENTADORES. TAIS APRENDIZAGENS TÊM TRANSBORDADO PARA OUTRAS INSTITUIÇÕES E EXPERIÊNCIAS O VOLUME DE RECURSOS INCENTIVADOS ASSOCIADOS AO O CICLO PROGRAMÁTICO ENCERRADO EM 2016 INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DO BANCO SANTANDER PRODUZIU RESULTADOS IMPORTANTES NOS CRESCEU 18% ENTRE E, INDICANDO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS QUE SE PROPÔS A MELHORIA NA CAPACIDADE MOBILIZADORA DO BANCO ALCANÇAR, DEIXANDO COMO LEGADO PARCERIAS, JUNTO A FUNCIONÁRIOS E CLIENTES, BEM COMO TECNOLOGIAS, RELACIONAMENTOS E ES COM AMPLIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS S AMIGO DE GRANDE POTENCIAL DE NUTRIR FUTURAS AÇÕES VALOR E. DE INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DO BANCO SANTANDER. 3. EM, PARA CADA REAL INVESTIDO PELO SANTANDER, 1,4 REAIS FORAM MOBILIZADOS NA SOCIEDADE BRASILEIRA. NO TRIÊNIO / FORAM MOBILIZADOS MAIS DE 2 MILHÕES DE REAIS DA SOCIEDADE BRASILEIRA. 6. O MODELO DE AVALIAÇÃO UTILIZADO PELO BANCO SANTANDER MOSTROU-SE CAPAZ DE EVIDENCIAR RESULTADOS E APOIAR APRENDIZAGENS E DECISÕES ESTRATÉGICAS DO BANCO E SEUS S, O QUE TRAZ POTENCIAL PARA SEU USO FUTURO, DESDE QUE REALIZADAS ADAPTAÇÕES AO NOVO PLANO ESTRATÉGICO 2016/

11 SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DASHBOARD EQUIPE GESTORA E TÉCNICA LINDA MURASAWA Superintendente Executiva de Desenvolvimento Sustentável AMALIA DEL SANGUEZA PARDO Superintendente de Sustentabilidade HERICA AIRES Coordenadora de Sustentabilidade ELOISA MARTINS Anl. Sr de Sustentabilidade BRUNO BARCELOS Anl. Sr de Sustentabilidade AVALIADOR Move - Avaliação e Estratégia 11

Santander InveStImento SocIal PrIvado

Santander InveStImento SocIal PrIvado Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2015 Nossa causa Inclusão social e econômica da população brasileira. diretrizes Fortalecer políticas públicas e não se perder em ações isoladas. Dialogar

Leia mais

Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2014

Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2014 Investimento Social Privado DASHBOARD 2014 nossa causa Inclusão Social e Econômica da população brasileira. diretrizes Fortalecer políticas públicas e não se perder em ações isoladas. Dialogar e fazer

Leia mais

Projeto Escola Brasil

Projeto Escola Brasil Projeto Escola Brasil Projeto Escola Brasil - PEB Programa de voluntariado corporativo do Grupo Santander Brasill Criado em 1998 Conta com suporte institucional do Instituto Escola Brasil - IEB Gestão

Leia mais

Sustentabilidade Faz Parte do Negócio

Sustentabilidade Faz Parte do Negócio Diretoria de Desenvolvimento Sustentável Sustentabilidade Faz Parte do Negócio São Paulo, 14 de Maio de 2009 Grupo Santander Brasil Grupo Santander Brasil: Mais de 8,5 milhões de correntistas 3.592 Agências

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO 12/5/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 4 4 CONCEITOS... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 REGRAS... 5 7 RESPONSABILIDADES... 7 8 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 7 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Formular a Gestão da Estratégia da Previdência Social para o novo ciclo Disseminar da Gestão da Estratégia na Previdência Social

Formular a Gestão da Estratégia da Previdência Social para o novo ciclo Disseminar da Gestão da Estratégia na Previdência Social Estrutura Analítica do Projeto - EAP Formular a Gestão da Estratégia da Previdência Social para o novo ciclo 2016-2019 Gerenciar o projeto Planejar a gestão da estratégia Desdobrar a estratégia Programar

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

POLÍTICA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL

POLÍTICA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO À PD.CA/BAK-26/2005 Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 4 de Outubro de 2005 PD.CA/BAK-26/2005 1. Objetivo ANEXO Reafirmar o compromisso da Braskem com o desenvolvimento sustentável,

Leia mais

ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Suzana Salvador

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

Conheça o programa e saiba como ser um Amigo de Valor.

Conheça o programa e saiba como ser um Amigo de Valor. VEJA COMO VOCÊ PODE TRANSFORMAR A VIDA DE MILHARES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA FÍSICA, TRABALHO INFANTIL, EXPLORAÇÃO SEXUAL, ÁLCOOL E DROGAS. Conheça o programa e saiba como ser um

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DEFICIÊNCIA INTELECTUAL A Deficiência Intelectual caracteriza-se por um funcionamento intelectual inferior à média, associado a limitações adaptativas, que ocorrem antes dos 18 anos de idade. No dia a

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia 1 Índice: 1. Introdução 2. Objetivo 3. Abrangência e público-alvo 4. Referências 5. Valores 6. Princípios de Sustentabilidade 7. Responsabilidades 8. Atualização

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO: CRIAR CONDIÇÕES ANTES DE AVALIAR. 1º Encontro: ANTES

AVALIAÇÃO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO: CRIAR CONDIÇÕES ANTES DE AVALIAR. 1º Encontro: ANTES AVALIAÇÃO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO: CRIAR CONDIÇÕES ANTES DE AVALIAR 1º Encontro: ANTES apresentação apresentação apresentação André Degenszajn_ Angela Cristina Dannemann_ Mônica Rodrigues Dias

Leia mais

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição

E C O N Ô S O C E N T A L. Cultura e Tradição 3º. Seminário Responsabilidade Social com Foco nos Atores Interessados 7 a 8/10/2008 Biodiesel e Agricultura Familiar www.biodiesel.gov.b PNPB Pilares de Sustentação PNPB S O C I A L E C O N Ô M I C O

Leia mais

Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016

Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016 1 2 3 4 Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016 5 Evolução dos investimentos sociais: 2007 a 2016 Média anual dos investimentos sociais 2007 a 2011: R$ 2,3 bilhões 6 2012 a 2016: R$ 2,8 bilhões

Leia mais

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Natal RN, 27 de julho de 2017 Etapas da Agenda 2030 ETAPA DE

Leia mais

Seminário sobre Emprego para Jovens Painel 3: Desenvolvimento e promoção de políticas, estratégias e serviços integrados

Seminário sobre Emprego para Jovens Painel 3: Desenvolvimento e promoção de políticas, estratégias e serviços integrados w w w. c a p l a b. o r g. p e Seminário sobre Emprego para Jovens Painel 3: Desenvolvimento e promoção de políticas, estratégias e serviços integrados Rio de Janeiro, 20 e 21 de maio de 2008 1 Objetivo

Leia mais

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS 2011 2014 Ministério da Saúde Secretaria Executiva O Coletivo MS é um grupo de trabalhadores do Ministério da Saúde, coordenado pela Secretaria Executiva,

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

MDIC E A POLÍTICA DE APOIO A APLs

MDIC E A POLÍTICA DE APOIO A APLs XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral MDIC E A POLÍTICA DE APOIO A APLs Grupo de

Leia mais

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável

Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável 2011 início do Projeto Litoral Sustentável - Desenvolvimento com Inclusão Social. Convênio entre Instituto Pólis e Petrobras. 2011 e 2012 - Elaboração de diagnósticos

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO ANEXO 1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO :: INFORMAÇÕES PRÉVIAS :: O projeto deve ser apresentado em, no máximo, 15 (quinze) páginas A4, incluindo anexos, com letra tipo Arial, tamanho 12; Todos os itens

Leia mais

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Título Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Nossos números em 2015 30.004 pessoas beneficiadas diretamente 13 municípios atendidos 18 colaboradores diretos e 01 indireto (cedido

Leia mais

Instituto Votorantim. Núcleo de estratégia social. Direcionador e impulsionador da performance social do Grupo Votorantim. Crescimento Econômico

Instituto Votorantim. Núcleo de estratégia social. Direcionador e impulsionador da performance social do Grupo Votorantim. Crescimento Econômico A Votorantim é uma empresa 100% brasileira, presente em 21 países e com 96 anos de atividade. Busca a perenidade e a expansão constante dos negócios, tendo o desenvolvimento sustentável como caminho para

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 COLEGIADO DE CURSOS Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 Institui a Política de Extensão no âmbito da Faculdade Una de Betim e dá outras providências. A Presidente do Colegiado de Cursos da Faculdade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS SÉRIE IMPACTOS FAPESP

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS SÉRIE IMPACTOS FAPESP AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS SÉRIE IMPACTOS FAPESP PPP - PRINCIPAIS RESULTADOS Dados Gerais do Programa Período avaliado: 1998 2006. Concluído em 04/2008. Foram avaliados 75 projetos que totalizaram investimento

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social

Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Respeito ao Meio Ambiente Programa de Educação Ambiental Eco-Social Objetivos Objetivos Cognitivos sobre meio ambiente Levar os indivíduos e os grupos sociais a adquirirem largas experiências, contatos

Leia mais

Claudia Malschitzky. Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa INTERNAL PÚBLICO

Claudia Malschitzky. Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa INTERNAL PÚBLICO Claudia Malschitzky Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa Sustentabilidade Um conceito que saiu do papel Sustentabilidade Sustentabilidade

Leia mais

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Brasília DF OBJETIVO Promover a cultura da excelência, a melhoria da gestão e o compartilhamento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR Previsão de Ingresso: primeiro semestre de 2016 ESPM Unidade Sul Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Educação Executiva: (51) 3218-1380

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

Empresas e Empreendedores Temos bons Projetos mas não conseguimos nenhum apoio

Empresas e Empreendedores Temos bons Projetos mas não conseguimos nenhum apoio MARÍLIA Entidades de Apoio Temos recursos mas não encontramos bons Projetos para apoiar Empresas e Empreendedores Temos bons Projetos mas não conseguimos nenhum apoio? Alguns pontos de reflexão: Comunicação

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

Avaliação Mestrado Profissional na Saúde Coletiva. Pontos fortes e frágeis

Avaliação Mestrado Profissional na Saúde Coletiva. Pontos fortes e frágeis Avaliação Mestrado Profissional na Saúde Coletiva Pontos fortes e frágeis 1. Proposta do curso(p.0) É imprescindível demonstrar coerência entre objetivos do curso, área de concentração, linhas de pesquisa

Leia mais

Organização da Disciplina. Auditoria em Recursos Humanos. Aula 1. Contextualização

Organização da Disciplina. Auditoria em Recursos Humanos. Aula 1. Contextualização Auditoria em Recursos Humanos Aula 1 Prof. Me. Elizabeth Franco Organização da Disciplina Aula 01 A administração de recursos humanos área em desenvolvimento Aula 02 A origem e a evolução da auditoria

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO CORPORATIVO PARA O GRUPO TELEFÔNICA Versão Julho 2015

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO CORPORATIVO PARA O GRUPO TELEFÔNICA Versão Julho 2015 POLÍTICA DE VOLUNTARIADO CORPORATIVO PARA O GRUPO TELEFÔNICA Versão Julho 2015 1. Antecedentes A Telefônica, através de sua Fundação, assumiu um sólido compromisso de contribuir para o desenvolvimento

Leia mais

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea Carlos Henrique Paganetto Roma Junior SUSTENTABILIDADE NA SOCIEDADE Problemas centrais Uso insustentável e predatório dos recursos

Leia mais

Concurso Ciclo Verde edição Porto Feliz, março de 2017

Concurso Ciclo Verde edição Porto Feliz, março de 2017 Concurso Ciclo Verde edição 2017 Porto Feliz, março de 2017 LANXESS uma empresa de especialidades químicas operando globalmente Empresa de especialidades químicas Cisão da Bayer em 2004 Portfólio de produtos

Leia mais

Liderança e Gestão da Organização

Liderança e Gestão da Organização 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação

Leia mais

Sustentabilidade na Souza Cruz. Seminário APIMEC 28/08/13

Sustentabilidade na Souza Cruz. Seminário APIMEC 28/08/13 Sustentabilidade na Souza Cruz Seminário APIMEC 28/08/13 A Souza Cruz tem sua estratégia focada na sustentabilidade do negócio Lucratividade do negócio Responsabilidade Corporativa Ambiental Social Gerenciar

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015

NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015 Correios NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015 DESTINO: Vice-Presidência de Gestão de Pessoas ASSUNTO: Programa Diversidade, Inclusão e Direitos Humanos Subtítulo 1 Diversidade, Inclusão e Direitos Humanos

Leia mais

INTERAÇÃO ICTS E EMPRESAS E O PAPEL DOS NITS NESSA RELAÇÃO. Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2014

INTERAÇÃO ICTS E EMPRESAS E O PAPEL DOS NITS NESSA RELAÇÃO. Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2014 INTERAÇÃO ICTS E EMPRESAS E O PAPEL DOS NITS NESSA RELAÇÃO Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2014 CIÊNCIA INOVAÇÃO TECNOLOGIA TRIPÉ do DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Produção

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

Pesquisa de Remuneração

Pesquisa de Remuneração Mensagem da Deloitte Mensagem da Abraps Abraps Características do profissional Pesquisa Objetivo Deloitte Metodologia Estágio de maturidade das empresas Tabulação Salarial Lista de Benefícios Análise e

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

VISÃO 2020 SER RECONHECIDO COMO A MELHOR SOLUÇÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA PROPÓSITO JUNTOS PELO DESENVOLVIMENTO

VISÃO 2020 SER RECONHECIDO COMO A MELHOR SOLUÇÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA PROPÓSITO JUNTOS PELO DESENVOLVIMENTO VISÃO 2020 SER RECONHECIDO COMO A MELHOR SOLUÇÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA PROPÓSITO JUNTOS PELO DESENVOLVIMENTO Garantir a sustentabilidade financeira Assegurar a eficiência

Leia mais

COMITÊ DE REVISÃO EXTERNA

COMITÊ DE REVISÃO EXTERNA COMITÊ DE REVISÃO EXTERNA Relatório Final Thomas Lovejoy (coordenador) George Mason University Ana Toni (relatora) Gestão de Interesse Público, Pesquisa e Consultoria Eugenio Scannavino Projeto Saúde Alegria

Leia mais

GERENCIA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA, CRIATIVA E APLS

GERENCIA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA, CRIATIVA E APLS GERENCIA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA, CRIATIVA E APLS 1 Organograma da SEMPTQ Secretaria da Micro e Pequena Empresa Trabalho e Qualificação SECRETARIO DA SEMPETQ Carolina Soares SECRETARIA EXECUTIVA

Leia mais

Av Therezinha Pauletti Sanvitto,208 / SL 602 Caxias do Sul - RS - CEP Fone (54) e 3226.

Av Therezinha Pauletti Sanvitto,208 / SL 602 Caxias do Sul - RS - CEP Fone (54) e 3226. http://www.fullsoft.com.br/ Av Therezinha Pauletti Sanvitto,208 / SL 602 Caxias do Sul - RS - CEP 95110-195 Fone (54) 3029.9350 e 3226.1100 Agenda Empresa Fullsoft; Contextualização; Case Processo de Suporte

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE PRÁTICAS, O MODELO COOPERATIVISTA PDGC

DISSEMINAÇÃO DE PRÁTICAS, O MODELO COOPERATIVISTA PDGC DISSEMINAÇÃO DE PRÁTICAS, O MODELO COOPERATIVISTA PDGC Cooperativismo É um sistema fundamentado na união voluntária de pessoas em torno de necessidades comuns. Busca prosperidade conjunta e se baseia no

Leia mais

primeiros passos para a implementação da Base Nacional Comum Curricular

primeiros passos para a implementação da Base Nacional Comum Curricular primeiros passos para a implementação da Base Nacional Comum Curricular Introdução As redes de ensino terão papel fundamental na implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A Base promoverá

Leia mais

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 Plenamente Realizado Parcialmente Realizado Não Realizado Relacionamento Fortalecer delegações brasileiras para os congressos COF e EFC Articular a agenda dos associados

Leia mais

Cooperativa de Trabalho na Área da Saúde e Assistência Social.

Cooperativa de Trabalho na Área da Saúde e Assistência Social. Cooperativa de Trabalho na Área da Saúde e Assistência Social. 01 SOBRE Qualidade com parcerias de sucesso. A Mitra é uma cooperativa de trabalho que oferece serviços e soluções para sua área de Recursos

Leia mais

Projetos para os municípios Motivação

Projetos para os municípios Motivação PROJETOS Projetos para os municípios Motivação A FNP é referência na interlocução com os municípios, envolvendo diretamente os prefeitos e prefeitas na coordenação política dos projetos. Por isso, é constantemente

Leia mais

Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados:

Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados: Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de 2010 2.4 Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados: 2.4.6 Trabalho infantil A exploração do trabalho é uma violação

Leia mais

3.3 Logomarcas completas

3.3 Logomarcas completas Edital 2016 Capacitar líderes empresariais, dirigentes e executivos industriais é uma das formas de atuação da FIEMT para contribuir com o aumento da competitividade do setor. As ações realizadas por meio

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É O BANCO MUNDIAL? Milhões ainda estão se tornando infectados a cada ano e muitos são excluídos do tratamento por culpa de serviços

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA. Por Débora Horn Assessoria de Comunicação da Anprotec

PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA. Por Débora Horn Assessoria de Comunicação da Anprotec PROJETO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA Por Débora Horn Assessoria de Comunicação da Anprotec A RELATA A Relata Editorial tem por objetivo apoiar empresas e entidades na gestão do processo de comunicação com

Leia mais

Marisa Vidovix. Superintendente

Marisa Vidovix. Superintendente Marisa Vidovix Superintendente Contribuir para a promoção humana e a inclusão socioeconômica, a partir da assistência e da qualificação profissional e cultural de pessoas com e sem deficiência. Ser referência

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA FACCI

BOLETIM INFORMATIVO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA FACCI BOLETIM INFORMATIVO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS DE ITABIRA FACCI 1. Apresentação A FACCI aplicou, entre agosto e setembro de 2010, uma pesquisa de

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

VIVER SEM LIMITE PLANO NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Direito à cidadania, à inclusão e à autonomia

VIVER SEM LIMITE PLANO NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Direito à cidadania, à inclusão e à autonomia 1 por o Brasil ter ratificado, em 2008, a Convenção sobre os Direitos VIVER SEM LIMITE PLANO NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Direito à cidadania, à inclusão e à autonomia Uma sociedade

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

II - CADASTRO DA ORGANIZAÇÃO

II - CADASTRO DA ORGANIZAÇÃO PRÊMIO ITAÚ-UNICEF 2017 Parceria OSC e Escola Pública FICHA DE INSCRIÇÃO I Dados de Acesso Nº CNPJ da organização Nome da organização E-mail da organização Telefone da organização Nome do responsável pela

Leia mais

Plano de Trabalho e Relatório de atividades. Justificativa:

Plano de Trabalho e Relatório de atividades. Justificativa: Plano de Trabalho e Relatório de atividades Justificativa: Nova Campinas é uma comunidade carente de infraestrutura e de serviços como a pratica de esporte, lazer, cultura, cursos, etc. A Fundação Jesus

Leia mais

Ementa do Curso FOMRAÇÃO EM COACHING

Ementa do Curso FOMRAÇÃO EM COACHING Ementa do Curso FOMRAÇÃO EM COACHING Instituto Seven Business Coaching O Instituto Seven Business Coaching é uma empresa especializada em Coaching de negócios. Com a assessoria integrada e personalizada

Leia mais

PPP escolar PPP municipal. Tereza Perez Abril/2017

PPP escolar PPP municipal. Tereza Perez Abril/2017 PPP escolar PPP municipal Tereza Perez Abril/2017 Dimensões do PPP: dimensão legal Contexto social/cultural/físico: 1988 constituição Federal igualdade de condições de acesso à escola, a garantia de padrão

Leia mais

Programa de Combate ao Racismo Institucional - PCRI

Programa de Combate ao Racismo Institucional - PCRI Programa de Combate ao Racismo Institucional - PCRI Apoio: DFID- Ministério do Governo Britânico para o Desenvolvimento Internacional PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento RACISMO INSTITUCIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores acionistas, A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A., ( CVC ou Companhia ) apresenta, a seguir, seu Relatório da Administração e as demonstrações financeiras

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

CPA. Comissão Própria de Avaliação

CPA. Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação CPA O espelho da instituição A Avaliação reflete os sentidos, sentimentos e percepções. A consciência é requisito básico para garantir a veracidade do diagnóstico. CPA

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNESCO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNESCO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNESCO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A UNESCO? Os jovens continuam a ser um alvo prioritário da ação

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

APRESENTAÇÃO Faculdades Integradas IPEP IPEP de Portas Abertas

APRESENTAÇÃO Faculdades Integradas IPEP IPEP de Portas Abertas 08 2 APRESENTAÇÃO As Faculdades Integradas IPEP, instituição de Ensino sem fins lucrativos, tem como missão desenvolver, orientar e estimular as competências pessoais e profissionais dos nossos alunos,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

Faculdade de Economia FEUC Universidade de Coimbra. Workshop Empreendedorismo social: teorias e práticas 30 de Junho 2011 Universidade de Aveiro

Faculdade de Economia FEUC Universidade de Coimbra. Workshop Empreendedorismo social: teorias e práticas 30 de Junho 2011 Universidade de Aveiro Faculdade de Economia FEUC Universidade de Coimbra Workshop Empreendedorismo social: teorias e práticas 30 de Junho Universidade de Aveiro Introdução sobre incubadoras sociais 1. Apresentação: Do ponto

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica Diretoria de Ensino Região Guarulhos Norte Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010 Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família Oficina Pedagógica Guarulhos, Dezembro

Leia mais

Infância em Foco. Redes

Infância em Foco. Redes Infância em Foco Redes Infância e Adolescência como OPORTUNIDADE para... a continuidade da cultura dos povos e da VIDA a possibilidade das reinvenções necessárias para a sustentabilidade do planeta a Democracia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

Apoio à Inovação. São Paulo, 03 de Outubro de 2017

Apoio à Inovação. São Paulo, 03 de Outubro de 2017 Apoio à Inovação São Paulo, 03 de Outubro de 2017 Classificação de porte Porte da Empresa MPMEs Micro Pequena Média Grande Receita Operacional Bruta Até R$ 2,4 milhões Até R$ 16 milhões Até R$ 300 milhões

Leia mais