Malária e Plasmodium sp. Me. Carolina Miguel Fraga Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Malária e Plasmodium sp. Me. Carolina Miguel Fraga Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG"

Transcrição

1 Malária e Plasmodium sp Me. Carolina Miguel Fraga Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG

2 Características Gerais Também conhecida por impaludismo, febre palustre, maleita, sezão; Doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos são protozoários do gênero Plasmodium: Plasmodium vivax (terçã benigna), Plasmodium falciparum (terçã maligna), Plasmodium malarie (quartã benigna), Plasmodium ovale (terçã benigna).

3 Características Gerais É transmitida pela picada de mosquitos fêmeas do gênero Anopheles: Anopheles (Nyssorhynchus) darlingi, Anopheles (Nyssorhynchus) aquasalis, Anopheles (Nyssorhynchus) albitarsis, Anopheles (Kerteszia) cruzi, Anopheles (Kerteszia) bellator.

4 Características Gerais Pode ainda ser através de: Transfusão sanguínea, Compartilhamento de seringas, Acidente com material perfuro cortante, Transmissão neonatal.

5 Malária no Brasil A transmissão da malária está condicionada a determinados fatores que permitem não só o surgimento de novas infecções com também a perpetuação do agente causal: Presença do parasito, Presença do vetor, Presença do hospedeiro humano.

6 Malária no Brasil Guia Prático de tratamento da malária no Brasil, MS, 2010

7 Ciclo Biológico

8 Sintomatologia A passagem do parasito pelo fígado não é patogênica em não determina sintomas. Apenas o ciclo eritrocítico é responsável pelas manifestações clínicas e patologia da malária.

9 Sintomatologia Fases do acesso malárico (malária não complicada): Calafrios: palidez, frio, pulso rápido, dor de cabeça, náuseas e vômitos; Sensação de calor: febre de 39 a 40 C, calor, casos de delírio; Sudorese: diminuição da temperatura, abundante transpiração, sensação de alívio substitui o mal-estar anterior.

10 Sintomatologia Espécie Plasmodium vivax (terçã benigna) Plasmodium malarie (quartã benigna) Intervalo Apírético 48 horas 72 horas Plasmodium falciparum (terçã maligna) 36 a 48 horas

11 Sintomatologia Malária Grave por Plasmodium falciparum Coma malárico Anemia grave Insuficiência renal Edema agudo do pulmão Hipoglicemia Sangramento espontâneo Choque ou colapso respiratório Convulsões Acidose metabólica Hemoglobinúria macroscópica

12 Malária e Anemia Falciforme

13 Malária e Anemia Falciforme Baixas tensões de O 2, e diminuição do ph Polimerização da HbS Lise da Hemácia Interrupção do ciclo eritrocítico

14 Malária e deficiência da Glicose-6- Fosfatodesidrogenase

15 Malária e deficiência da Glicose-6- Fosfatodesidrogenase Deficiência de G-6PD NADPH Acúmulo de meta-hemoglobina Comprometimento do ciclo eritrocítico

16 Malária e Talassemias Desequilíbrio na síntese de globinas Eritropoese ineficiente Hemácias mais frágeis Hemólise Comprometimento do ciclo eritrocítico

17 Malária e Grupos Sanguíneos

18 Malária e Grupos Sanguíneos A glicoproteína do Sistema Duffy é expressa não somente em eritrócitos e atua como receptor de diversas substâncias; Os epítopos Fy a e Fy b atuam com receptores do Plasmodium vivax.

19 Diagnóstico O diagnóstico confirmatório da malária é feito pelo exame microscópico do sangue; O exame microscópico do sangue pode ser feito em esfregaço delgado (distendido) ou espesso (gota espessa); Esses métodos também possibilitam quantificar a intensidade do parasitismo, mediante a determinação da parasitemia.

20 Diagnóstico Esfregaço Delgado Identificar a lâmina e preparar todo o material a ser usado na coleta Fazer a anti-sepsia do local (2 dedo ou fossa cubital) Fazer a punção Fazer o esfregaço Corá-lo pelo Método de Giemsa ou Wrigth

21 Diagnóstico Esfregaço Delgado

22 Diagnóstico Esfregaço Delgado Vantagens: Permitem melhor estudo da morfologia do parasito e das alterações características do eritrócito parasitado; Resistem mais ao atrito quando da remoção do óleo de imersão, são mais duráveis e conservam por muito tempo a coloração original; Permitem a determinação percentual da parasitemia, mediante a contagem de eritrócitos parasitados em 100 hemácias.

23 Diagnóstico Esfregaço Delgado Desvantagens: O esfregaço delgado ocupa maior área da lâmina, dificultando o encontro das hemácias parasitadas; Não é indicado para diagnóstico inicial, especialmente em pacientes com parasitemias baixas; Precisa-se examinar uma área extensa para detectar todas as formas parasitárias;.

24 Diagnóstico Gota Espessa

25 Diagnóstico Gota Espessa Desemoglobinização pela solução hipotônica de azul de metileno Coloração pela solução de Giemsa Secar ao calor suave ou sob ventilação

26 Diagnóstico Gota Espessa Vantagens: Concentra maior quantidade de sangue, aumentando a probabilidade de se encontrar parasitos; O processo de coloração é mais rápido, permitindo o processamento de grande número de amostras; A distribuição dos parasitos e leucócitos se dá ao acaso em toda a amostra. Portanto, pode-se avaliar a parasitemia contando-se o número de parasitos em relação a um determinado número de leucócitos.

27 Diagnóstico Gota Espessa Desvantagens: Requer experiência para a identificação de espécies, uma vez que a morfologia do parasito altera-se durante o processo de desemoglobinização; Requer processamento parcial ou total relativamente rápido, para evitar a fixação de hemoglobina, a supercoloração e a descoloração.

28 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium falciparum forma de anel

29 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium falciparum hemácias poliparasitadas

30 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium falciparum gota espessa

31 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium falciparum granulações de Maurer

32 Características do Parasito Trofozoíto maduro de Plasmodium falciparum

33 Características do Parasito Esquizonte de Plasmodium falciparum

34 Características do Parasito Esquizonte de Plasmodium falciparum pigmento malárico evidente

35 Características do Parasito Gametócito masculino e gametócido feminino de Plasmodium falciparum

36 Características do Parasito Gametócito de Plasmodium falciparum

37 Características do Parasito Gametócito de Plasmodium falciparum gota espessa

38 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium vivax

39 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium vivax

40 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium vivax gota espessa

41 Características do Parasito Trofozoíto maduro de Plasmodium vivax - granulações de Schüffner

42 Características do Parasito Trofozoíto maduro de Plasmodium vivax gota espessa

43 Características do Parasito Esquizonte de Plasmodium vivax

44 Características do Parasito Esquizonte de Plasmodium vivax gota espessa

45 Características do Parasito Gametócito de Plasmodium vivax

46 Características do Parasito Gametócito de Plasmodium vivax gota espessa

47 Características do Parasito Trofozoíto jovem de Plasmodium malariae

48 Características do Parasito Trofozoíto maduro de Plasmodium malariae

49 Características do Parasito Esquizonte de Plasmodium malariae

50 Características do Parasito Gametócito de Plasmodium malariae

51 Quantificação da Parasitemia Parasitos Contados Avaliação Semiquantitativa Número de Campos Visualizados Cruzes 40 a /2 (meia cuz) a a Guia Prático de tratamento da malária no Brasil, MS, 2010

52 Quantificação da Parasitemia Avaliação Quantitativa pela Contagem de 100 Campos Assumir que 100 campos microscópico equivalem a 0,2 microlitros (μl) de sangue Examinar os 100 campos Multiplicar por 5 o número de parasitos encontrados Registrar o número encontrado no cálculo acima como a parasitemia por μlde sangue Assim, o encontro de um único parasito em 100 campos examinados significa 5 parasitos/μl de sangue Guia Prático de tratamento da malária no Brasil, MS, 2010

53 Quantificação da Parasitemia Estimativa da Parasitemia a partir da Avaliação Semiquantitativa Parasitos por Campo Cruzes *Parasitos por mm 3 40 a 60 em 100 campos +/2 (meia cruz) 200 a em 100 campos a a 20 em 100 campos a a 200 em 100 campos a em 100 campos ou mais *100 campos microscópicos equivalem a 0,2μL de sangue Guia Prático de tratamento da malária no Brasil, MS, 2010

54 Quantificação da Parasitemia Avaliação Relativa à Contagem de Leucócitos por Campo Contar simultaneamente o número de parasitos assexuados, até alcançar 200 leucócitos Assumindo uma leucometria padrão de leucócitos/μl de sangue para todo paciente com malária, realizar uma regra de três para obter a parasitemia/μl de sangue Guia Prático de tratamento da malária no Brasil, MS, 2010

55 Quantificação da Parasitemia Avaliação pelo Percentual de Hemácias Parasitadas Contar simultaneamente o número de parasitos assexuados, até alcançar 500 hemácias Realizar uma regra de três para obter a parasitemia percentual Guia Prático de tratamento da malária no Brasil, MS, 2010

56 Resultado do Hemograma Eritrograma Hemácias Hematócrito Hemoglobina VCM, HCM, CHCM e RDW Leucograma Contagem total Contagem diferencial Plaquetograma Contagem total Notas Características das hemácias Poiquilocitose Inclusões citoplasmáticas, inclusive parasitos (descrever e quantificar)

57 Testes Rápidos Imunocromatográficos A sensibilidade para P. falciparum é maior que 90%; São de fácil execução e interpretação de resultados, dispensam o uso de microscópio; Não distinguem Plasmodium vivax, Plasmodium malariae e Plasmodium ovale.

58 Testes Rápidos Imunocromatográficos Não medem o nível de parasitemia; Não detectam infecções mistas; Seus custos são ainda mais elevados; O Programa Nacional de Controle da Malária prioriza localidades onde o acesso ao diagnóstico microscópico é dificultado por distância geográfica ou incapacidade local do serviço de saúde.

59 Notificação Notificação é a comunicação da ocorrência de determinada doença ou agravo à saúde para fins de adoção de medidas de intervenção pertinentes; Doença de notificação compulsória em todo o país, exceto na região amazônica devido ao elevado número de casos; Na área extra-amazônica é de investigação obrigatória.

60 Agradecimentos

Malária. esporozoita

Malária. esporozoita Malária esporozoita Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário e-mails: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura.live.com Definição Doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos

Leia mais

A PESQUISA DE PLASMÓDIO

A PESQUISA DE PLASMÓDIO Capítulo 3 A PESQUISA DE PLASMÓDIO PELA MICROSCOPIA A pesquisa de plasmódio pela microscopia pode ser feita tanto na gota espessa de sangue como em esfregaço delgado. Dependendo do objetivo do trabalho,

Leia mais

APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Aula: 17.2 Conteúdo: Doenças relacionadas à água II

APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Aula: 17.2 Conteúdo: Doenças relacionadas à água II A A Aula: 17.2 Conteúdo: Doenças relacionadas à água II 2 A A Habilidades: Conhecer algumas medidas para prevenir as doenças veiculadas pela água. 3 A A Dengue A dengue é uma doença febril aguda causada

Leia mais

MALARIA. Prof. Cor Jésus F Fontes

MALARIA. Prof. Cor Jésus F Fontes MALARIA Prof. Cor Jésus F Fontes NÚCLEO DE ESTUDOS DE DOENÇAS INFECCIOSAS E TROPICAIS DE MATO GROSSO UFMT * FUNASA * SES-MT Fundado em 1997 MALARIA Hemoparasitose causada por protozoários do gênero Plasmodium

Leia mais

Malária. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Malária. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Malária Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Taxonomia Reino: Protozoa Filo:Apicomplexa Classe: Sporozoea Ordem: Hemosporidiida Família: Plasmodiidae Gêneros: Plasmodium

Leia mais

Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária

Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica e Diretoria Técnica de Gestão Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA AGENTE CAUSADOR: Plasmodium falciparum, P. vivax e P. malariae. protozoário esporozoário parasita da hemáceas.

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

Representantes: algas e protozoários.

Representantes: algas e protozoários. Representantes: algas e protozoários. Euglena sp (alga) Giardia sp (protozoário) Volvox sp (alga) Do grego protos, primitivo, e zoon, animal. Grupo de organismos unicelulares heterotróficos e eucariontes

Leia mais

A malária na região extra-amazônica

A malária na região extra-amazônica Laboratório de Doenças Parasitárias Instituto Oswaldo Cruz FIOCRUZ. Rio de Janeiro A malária na região extra-amazônica Encontro Estadual sobre Vigilância de Doenças de Transmissão Vetorial e Zoonoses Estado

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia 2006/2007 MALÁRIA E BABESIOSE

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia 2006/2007 MALÁRIA E BABESIOSE Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia 2006/2007 MALÁRIA E BABESIOSE 9 de Março de 2007 Leccionada pelo Doutor Acácio Gonçalves Rodrigues A MALÁRIA é uma doença tão antiga como a

Leia mais

Amebíase ou Disenteria Amebiana

Amebíase ou Disenteria Amebiana Amebíase ou Disenteria Amebiana Agente causador: Entamoeba histolytica, que vive no interior do intestino grosso, fagocitando partículas de alimento digerido e também atacando a própria mucosa intestinal.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária. 2 a edição. Brasília / DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária. 2 a edição. Brasília / DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária 2 a edição Brasília / DF Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária Série A. Normas

Leia mais

Parasitologia - 1/12 2012-03-22. Relatório de Avaliação

Parasitologia - 1/12 2012-03-22. Relatório de Avaliação 2012-03-22 Parasitologia - 1/12 Agradecemos a participação no 1º ensaio do Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Parasitologia de 2012. Foram distribuídas amostras a 56 participantes. Foram recebidos

Leia mais

Prof. Cor Jésus F Fontes

Prof. Cor Jésus F Fontes MAL A RI A Prof. Cor Jésus F Fontes NÚCLEO DE ESTUDOS DE DOENÇAS INFECCIOSAS E TROPICAIS DE MATO GROSSO UFMT * FUNASA * SES-MT Fundado em 1997 MAL A RI A Hemoparasitose causada por protozoários do gênero

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

Projeto de Monitoria: Estudo microscópico de protozoários, helmintos e artrópodes. Aula Prática III: Protozoários Filo Apicomplexa.

Projeto de Monitoria: Estudo microscópico de protozoários, helmintos e artrópodes. Aula Prática III: Protozoários Filo Apicomplexa. UFF Universidade Federal Fluminense. PUNF - Polo Universitário de Nova Friburgo. Curso de Biomedicina. Disciplina: Parasitologia Humana. Professora: Aline CasecaVolotão. Monitora: LorraineHerdyHeggendornn.

Leia mais

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Aula3 PROTOZOÁRIOS - FILO APICOMPLEXA. Silvio Santana Dolabella Luciene Barbosa

Aula3 PROTOZOÁRIOS - FILO APICOMPLEXA. Silvio Santana Dolabella Luciene Barbosa Aula3 PROTOZOÁRIOS - FILO APICOMPLEXA META Conhecer os principais protozoários parasitos capazes de ocasionar doenças no homem, sua forma de transmissão e profi laxia. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o

Leia mais

Condições necessárias para o controle da malária nos municípios da região amazônica

Condições necessárias para o controle da malária nos municípios da região amazônica Condições necessárias para o controle da malária nos municípios da região amazônica Coordenação Geral do Programa Nacional do Controle de Malária/ DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da

Leia mais

GILVANEIDE DINIZ ALEXANDRE MALÁRIA: ESQUEMAS TERAPÊUTICOS E RESISTÊNCIA PARASITÁRIA ÀS DROGAS

GILVANEIDE DINIZ ALEXANDRE MALÁRIA: ESQUEMAS TERAPÊUTICOS E RESISTÊNCIA PARASITÁRIA ÀS DROGAS GILVANEIDE DINIZ ALEXANDRE MALÁRIA: ESQUEMAS TERAPÊUTICOS E RESISTÊNCIA PARASITÁRIA ÀS DROGAS São Paulo 2007 CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Gilvaneide Diniz Alexandre MALÁRIA:

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS. Prof. Airton

REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS. Prof. Airton REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS Prof. Airton Características Gerais: Unicelulares Eucariontes Heterótrofos Geralmente microscópicos Podem viver isolados ou em grupos formando colônias CLASSIFICAÇÃO De acordo

Leia mais

protozoonoses AMEBÍASE MALÁRIA DOENÇA DE CHAGAS Saúde, higiene & saneamento básico 003 Doenças adquiridas transmissíveis Transmissão & profilaxia

protozoonoses AMEBÍASE MALÁRIA DOENÇA DE CHAGAS Saúde, higiene & saneamento básico 003 Doenças adquiridas transmissíveis Transmissão & profilaxia protozoonoses Saúde, higiene & saneamento básico 003 Doenças adquiridas transmissíveis Transmissão & profilaxia AMEBÍASE MALÁRIA DOENÇA DE CHAGAS Infecção caracterizada por manifestações clínicas intestinais

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

SINAIS VITAIS. Base teórica

SINAIS VITAIS. Base teórica Base teórica SINAIS VITAIS Os sinais vitais são informações básicas colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar a equipe quanto

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

Aula 21 Protozoários parasitas

Aula 21 Protozoários parasitas Aula 21 Protozoários parasitas Os protozoários são seres unicelulares, eucariontes e podem ser parasitas ou de vida livre. As células dos protozoários executam todas as funções vitais que nos grupos animais

Leia mais

Editoria: Cidades Manaus Hoje

Editoria: Cidades Manaus Hoje Editoria: Cidades Manaus Hoje Adolescentes são internados vítimas de tiros no rosto ( ) Press-release da assessoria de imprensa (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação C5 www.portalamazonia.com.br

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE)

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO HOSPITAL DAS CLÍNICAS Qualificação Profissional em Hematologia e Imunohematologia CURSO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

Leia mais

CARGO: TÉCNICO EM MICROSCOPIA

CARGO: TÉCNICO EM MICROSCOPIA CONCURSO PÚBLICO - PREFEITURA MUNICIPAL DE JACAREACANGA PROVA OBJETIVA: 13 de maio de 2012 NÍVEL MÉDIO CARGO: TÉCNICO EM MICROSCOPIA Nome do Candidato: Nº de Inscrição: Assinatura INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Capítulo COLORAÇÃO DAS GRANULAÇÕES DE SCHÜFFNER

Capítulo COLORAÇÃO DAS GRANULAÇÕES DE SCHÜFFNER Capítulo 6 COLORAÇÃO DAS GRANULAÇÕES DE SCHÜFFNER Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária A natureza das granulações de Schüffner é ainda desconhecida. São grânulos de cor rósea surgidos nas hemácias

Leia mais

A doença é causada por protozoários do gênero Plasmodium que são transmitidos por mosquitos fêmeas do gênero Anopheles.

A doença é causada por protozoários do gênero Plasmodium que são transmitidos por mosquitos fêmeas do gênero Anopheles. Aurenice Arruda Dutra das Merces Biomedicina Seminário: Malária INTRODUÇÃO A malária é uma das doenças mais antigas conhecida pelo homem, também é conhecida como paludismo, febre palustre, tremedeira entre

Leia mais

NECESSIDADES NÃO ATENDIDAS. Dengue, malária, HIV, tuberculose, Hepatite C, verminoses...

NECESSIDADES NÃO ATENDIDAS. Dengue, malária, HIV, tuberculose, Hepatite C, verminoses... NECESSIDADES NÃO ATENDIDAS Dengue, malária, HIV, tuberculose, Hepatite C, verminoses... Renato Kfouri Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) Dengue dengue tem origem espanhola e quer

Leia mais

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA Foto 1: Talassemia Alfa Mínima em sangue periférico corado com azul de crezil brilhante. Comentários: A investigação laboratorial da talassemia alfa mínima se faz por meio

Leia mais

Reino Protista. Protozoários. rios Microalgas Macroalgas

Reino Protista. Protozoários. rios Microalgas Macroalgas Reino Protista Protozoários rios Microalgas Macroalgas I. Protozoários: rios:. Designação coletiva para unicelulares eucariontes heterótrofos (sem valor taxonômico).. Classificação conforme estrutura locomotora.

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Equipe BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- Uma mulher consulta o médico para

Leia mais

MALÁRIA. Profª Me. Anny C. G. Granzoto 1

MALÁRIA. Profª Me. Anny C. G. Granzoto 1 MALÁRIA Profª Me. Anny C. G. Granzoto 1 CLASSIFICAÇÃO Filo Apicomplexa Classe Esporozoa Subordem Haemosporina Ordem Família Gênero células Eucoccidiida Plasmodiidae Plasmodium forma oriunda da fusão de

Leia mais

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Terapêutica da Malária

FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de Terapêutica da Malária FUNASA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual de Terapêutica da Malária Manual de Terapêutica da Malária Brasília, junho/2001 1973. Ministério da Saúde. Superintendência de Campanhas de Saúde Pública - Sucam

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Microbiologia 09-03-07

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Microbiologia 09-03-07 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Microbiologia 09-03-07 Protozoários do sangue e tecidos: Plasmodium. Babesia A aula tem como objectivo chamar a atenção para os aspectos

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

Anemia: Conteúdo. Definições

Anemia: Conteúdo. Definições Anemia Resumo de diretriz NHG M76 (março 2003) Van Wijk MAM, Mel M, Muller PA, Silverentand WGJ, Pijnenborg L, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

MALÁRIA MAIORES PROBLEMAS

MALÁRIA MAIORES PROBLEMAS MALÁRIA De todas as doenças transmissíveis pelo mosquito, a MALÁRIA é um dos MAIORES PROBLEMAS nos países de clima tropical, afetando gravemente a saúde da população e o desenvolvimento econômico dos países

Leia mais

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma)

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma) Dengue Manifestações clínicas As infecções pelos vírus da dengue podem ser assintomáticas ou produzir febre não diferenciada, febre de dengue ou febre de dengue hemorrágica (figura 1). Figura 1- Manifestações

Leia mais

FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA. Col. Santa Clara Prof. Marcos

FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA. Col. Santa Clara Prof. Marcos FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA Col. Santa Clara Prof. Marcos EPIDEMIA E PANDEMIA EPIDEMIA [ epi = sobre + demia = doença]: é a ocorrência simultânea de um grande número de casos da mesma doença, em um determinado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa Nacional de Controle da Dengue Febre Hemorrágica da Dengue e Apresentações Graves Definição e Rotina de Investigação Maio 2010 Dengue no Brasil

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA Corpúsculo basal Membrana ondulante Citoplasma núcleo flagelo Reprodução assexuada em flagelados Parasita Leishmania brasiliensis Transmissor homem Phlebotomus

Leia mais

MALÁRIA. ANA MARIA VENTURA Instituto Evandro Chagas/Pará Universidade do Estado do Pará

MALÁRIA. ANA MARIA VENTURA Instituto Evandro Chagas/Pará Universidade do Estado do Pará MALÁRIA ANA MARIA VENTURA Instituto Evandro Chagas/Pará Universidade do Estado do Pará AGENDA Malária no Mundo e no Brasil Quadro clínico Diagnóstico Tratamento Quimioprofilaxia Medidas de proteção Perspectivas

Leia mais

PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574

PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574 PARECER COREN-SP 013/2014 CT PRCI n 106.428/2013 Tickets nº 310.250, 324.519, 326.105, 327.306 e 335.574 Ementa: Realização da Prova do Laço por Técnico e Auxiliar de Enfermagem. 1. Do fato Profissional

Leia mais

Exames hematológicos. Hemograma. Hemograma. 1 a - Hemograma, reticulócitos e VHS - Princípio e interpretação - Discussão de laudos 2 a - Hemostasia

Exames hematológicos. Hemograma. Hemograma. 1 a - Hemograma, reticulócitos e VHS - Princípio e interpretação - Discussão de laudos 2 a - Hemostasia 2015 Exames hematológicos EXAMES HEMATOLÓGICOS Prof José Wander Breganó Dpto PALD- CCS Lab. Hematologia - LAC wbregano@gmail.com 1 a -, reticulócitos e VHS - Princípio e interpretação - Discussão de laudos

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Malária. Profa. Carolina G. P. Beyrodt

Malária. Profa. Carolina G. P. Beyrodt Malária Profa. Carolina G. P. Beyrodt Agentes etiológicos: Plasmodium vivax (maior nº de casos no BR) Plasmodium falciparum Plasmodium malariae Plasmodium ovale Epidemiologia Atualmente, no Mundo, ocorrem

Leia mais

Centro Tecnológico de Atualização e Formação Profissional Ltda. Hematologia Clínica. Prof. Jairo Alves de Oliveira, M.Sc.

Centro Tecnológico de Atualização e Formação Profissional Ltda. Hematologia Clínica. Prof. Jairo Alves de Oliveira, M.Sc. Centro Tecnológico de Atualização e Formação Profissional Ltda. Hematologia Clínica Prof. Jairo Alves de Oliveira, M.Sc. 2007 Programa de Hematologia Clínica Hematopoiese Cinética medular Metabolismo da

Leia mais

Malária. Perceber a importância da presença do homem na mudança dos ecossistemas principalmente na Amazônia.

Malária. Perceber a importância da presença do homem na mudança dos ecossistemas principalmente na Amazônia. Malária 1) Objetivo Geral Estudar a relação entre o desmatamento, o aumento dos casos de malária, assim como os animais em extinção principalmente na Região Norte do país. 2) Objetivo Específico Perceber

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DENGUE Vera Magalhães Prof. Titular de Doenças Infecciosas da UFPE DENGUE Família Flaviviridae Gênero Flavivirus Virus RNA:

Leia mais

- Dermografismo (<30 minutos). [2] - Urticária aquagênica (<60 minutos). [3] - Urticária solar (<60 minutos). Maioria das urticarias.

- Dermografismo (<30 minutos). [2] - Urticária aquagênica (<60 minutos). [3] - Urticária solar (<60 minutos). Maioria das urticarias. GUIA PARA A HISTÓRIA DA URTICÁRIA 1. HISTÓRIA DE LESÕES a) Duração: urticária Menos de seis semanas: urticária aguda. Mais de 6 semanas: urticária crônica. b) Duração de pápulas: Menos de 24 horas: Urticária.

Leia mais

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos.

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos. BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Paralon Relaxante Muscular e Analgésico clorzoxazona 200 mg e paracetamol 300 mg Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de

Leia mais

ZOONOSES VIRAIS HELTON FERNANDES DOS SANTOS. Méd. Veterinário (UFRGS / IPVDF)

ZOONOSES VIRAIS HELTON FERNANDES DOS SANTOS. Méd. Veterinário (UFRGS / IPVDF) ZOONOSES VIRAIS HELTON FERNANDES DOS SANTOS Méd. Veterinário (UFRGS / IPVDF) Doenças X Animais Desde a antiguidade o homem relacionou o surgimento de certas doenças com a presença de animais. Peste Negra

Leia mais

Alguns componentes da membrana plasmática estão representados na figura abaixo.

Alguns componentes da membrana plasmática estão representados na figura abaixo. Prova de Biologia 1 a Questão: (1,0 ponto) Alguns componentes da membrana plasmática estão representados na figura abaixo. Identifique a estrutura que está indicada pela seta e cite três atividades celulares

Leia mais

inhemaco S.A. is a pre-eminent provider of Cross-border Medical Risk Management Solutions Traveller s MALARIA www.inhemaco.com

inhemaco S.A. is a pre-eminent provider of Cross-border Medical Risk Management Solutions Traveller s MALARIA www.inhemaco.com inhemaco S.A. is a pre-eminent provider of Cross-border Medical Risk Management Solutions Traveller s MALARIA www.inhemaco.com PO MALÁRIA: A DOENÇA A malária é a mais importante de todas as doenças parasíticas

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão Substância activa: Ioversol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

Leia mais

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas Arbovírus: Hospedeiro natural vertebrado arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos Vetor hematófago Hospedeiro vert. Vetor hemat. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Leia mais

1. PAUTA 2. DEFINIÇÕES E INFORMAÇÕES GERAIS

1. PAUTA 2. DEFINIÇÕES E INFORMAÇÕES GERAIS Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Tânia do Socorro Martins Data: 20/09/2013

Leia mais

Capítulo CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A MALÁRIA

Capítulo CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A MALÁRIA Capítulo 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A MALÁRIA Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária A malária, mundialmente um dos mais sérios problemas de saúde pública, é uma doença infecciosa causada por

Leia mais

Rotinas da FMT-HVD 2014

Rotinas da FMT-HVD 2014 Rotinas da FMT-HVD 2014 Malária CID-10 Ø B50 Malária por Plasmodium falciparum; o B50.8 Com complicações; o B50.9 Sem complicações; Ø B51 Malária por Plasmodium vivax; o B51.8 Com complicações; o B51.9

Leia mais

Aedes aegypti, mosquito transmissor e medidas preventivas

Aedes aegypti, mosquito transmissor e medidas preventivas Aedes aegypti, mosquito transmissor e medidas preventivas Marly Satimi Shimada msatimi@yahoo.com.br Manaus- AM Dengue Problema de saúde pública Amazonas em 2011: A maior epidemia de dengue da sua história,

Leia mais

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120 SUMÁRIO 1 Hemograma... 21 Introdução e filosofia de trabalho... 21 Registro e processamento de dados... 29 Coleta de material... 31 Contadores eletrônicos... 35 Microscopia... 44 Critérios para indicação

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

Resfenol Thermus Gotas. Kley Hertz Farmacêutica S.A. Solução oral paracetamol 200 mg/ml

Resfenol Thermus Gotas. Kley Hertz Farmacêutica S.A. Solução oral paracetamol 200 mg/ml Resfenol Thermus Gotas Kley Hertz Farmacêutica S.A. Solução oral paracetamol 200 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Resfenol Thermus Gotas paracetamol 200mg/mL APRESENTAÇÃO Solução oral contendo 200mg/mL

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL - Uma curva de distribuição pode descrever a forma da distribuição

Leia mais

Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 ANEMIA FALCIFORME

Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 ANEMIA FALCIFORME Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 1 ANEMIA FALCIFORME Introdução Acredita-se que a Anemia Falciforme surgiu nos países do centro-oeste africano, da Índia e do leste

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DETECÇÃO DA MALÁRIA NA HEMORREDE DE RONDÔNIA

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DETECÇÃO DA MALÁRIA NA HEMORREDE DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA PROGRAMA DE POS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE COLETIVA GESTÃO EM SERVIÇÕES DE HEMOTERAPIA AVALIAÇÃO DO PROCESSO

Leia mais

CONHEÇA A MALÁRIA. Permitida a reprodução desde que citada a fonte

CONHEÇA A MALÁRIA. Permitida a reprodução desde que citada a fonte CONHEÇA A MALÁRIA Permitida a reprodução desde que citada a fonte Formas de Transmissão A malária humana é uma doença parasitária que pode ter evolução rápida e ser grave. Ela pode ser provocada por quatro

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR 1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR 1 o Ten Rafael Nunes Coutinho A IMPORTÂNCIA DOS VETORES CULICÍDEOS DENTRO DAS

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado.

Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado. Ultrafer ferro polimaltosado Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado. USO ADULTO E PEDIÁTRICO VIA ORAL Composição Cada ml de xarope contém: ferro polimaltosado...

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Lucimara Rios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: HEMATOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

DESASTRES HUMANOS DE NATUREZA BIOLÓGICA

DESASTRES HUMANOS DE NATUREZA BIOLÓGICA DESASTRES HUMANOS DE NATUREZA BIOLÓGICA CODAR HB/CODAR 23 1. Caracterização Os desastres humanos de causas biológicas compreendem as epidemias, os surtos epidêmicos e hiperendêmicos que podem surgir ou

Leia mais

Anexo 1 Relação de material para laboratório de malária

Anexo 1 Relação de material para laboratório de malária ANEXOS Anexo 1 Relação de material para laboratório de malária Colheita de lâminas Lâminas de vidro, caixa com 50 unidades Microlancetas descartáveis Luvas de látex descartáveis Algodão hidrófilo, pacote

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

MALÁRIA. Agentes etiológicos (Protozoários) Plasmodium vivax Plasmodium falciparum Plasmodium malariae Plasmodium ovale

MALÁRIA. Agentes etiológicos (Protozoários) Plasmodium vivax Plasmodium falciparum Plasmodium malariae Plasmodium ovale MALÁRIA Agentes etiológicos (Protozoários) Plasmodium vivax Plasmodium falciparum Plasmodium malariae Plasmodium ovale Vetores (Insetos) Culicidae gênero Anopheles A. (Nyssorhincus) darlingi A. (N) aquasalis

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS BIOLOGIA PROTISTAS PROFº. LINSMAR

LISTA DE EXERCÍCIOS BIOLOGIA PROTISTAS PROFº. LINSMAR LISTA DE EXERCÍCIOS BIOLOGIA PROTISTAS PROFº. LINSMAR 1- Considere as seguintes afirmações a respeito de medidas profiláticas às doenças parasitárias: I. As verduras que são ingeridas cruas, em saladas,

Leia mais

GENÉTICA DE POPULAÇÕES:

GENÉTICA DE POPULAÇÕES: Genética Animal Fatores Evolutivos 1 GENÉTICA DE POPULAÇÕES: A genética de populações lida com populações naturais. Estas consistem em todos os indivíduos que, ao se reproduzir uns com os outros, compartilham

Leia mais

Publicação Mensal sobre Agravos à Saúde Pública ISSN 1806-4272

Publicação Mensal sobre Agravos à Saúde Pública ISSN 1806-4272 Publicação Mensal sobre Agravos à Saúde Pública ISSN 1806-4272 Dezembro, 2007 Volume 4 Número 48 Dengue em números Dengue in Numbers Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses do Centro de

Leia mais